Infrações Fiscais. Contraordenações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Infrações Fiscais. Contraordenações"

Transcrição

1 Infrações Fiscais O incumprimento das obrigações fiscais ou a prática de determinas atos que visem evitar ou diminuir ilicitamente os impostos devis podem constituir contraordenações ou ser consideras crimes. Os comportamentos em causa podem assim ser qualificas como contraordenações ou como crimes. E, como tal, punis com coimas, multas ou penas de prisão, e sujeitos a sanções acessórias. Contraordenações As contraordenações, respetivas coimas e regras processuais estão previstas no Regime Geral das Infrações Tributárias (). Os comportamentos infratores, ainda que por omissão, podem constituir contraordenações fiscais ou aduaneiras, que são punidas com coimas. A sanção a aplicar varia consoante o infrator seja uma pessoa singular ou coletiva, e conforme se considere que o comportamento em que se consubstanciou a infração ficou a dever-se a negligência contribuinte ou foi intencional, ou seja com lo. Quan o mesmo sujeito passivo seja puni pela prática de diversas contraordenações, as respetivas sanções são adicionadas umas às outras (corresponden a sanção final ao cúmulo material das sanções aplicadas). As coimas previstas para a prática das contraordenações previstas no, têm os seguintes limites: Contraordenações fiscais Recusa de entrega, exibição ou apresentação de escrita e de cumentos fiscalmente relevantes, quan os factos não constituam fraude fiscal a a Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

2 Contraordenações fiscais Falta de entrega da prestação tributária, total ou parcial, pelo perío até 90 dias, ou por perío superior, desde que os factos não constituam crime, ao crer tributário, da prestação tributária deduzida a terceiros Pagamento de forma diferente da legalmente prevista. Violação de segre fiscal. Falta ou atraso de declarações a apresentar para efeitos fiscais para determinação, avaliação ou comprovação da matéria coletável ou da respetiva prestação. Falta ou atraso na apresentação ou a não exibição de declarações ou cumentos comprovativos s factos, valores ou situações constantes das declarações, cumentos de transporte ou outros. Falta ou atraso na apresentação de declarações de início, alteração ou cessação de atividade, das declarações autónomas de cessação ou alteração s pressupostos de benefícios fiscais e das declarações para inscrição de valores em registos que a administração fiscal deva possuir. Falta de exibição pública s dísticos ou outros elementos comprovativos pagamento de imposto. 114 n. os 1 e n.º n.º 3 50% a 100% imposto em falta, até % a 50% imposto em falta, até % a 200% imposto em falta, até % a 100% imposto em falta, até a ,5 a a a a a a a a a a a a a ,5 a Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

3 Contraordenações fiscais Falta de apresentação ou apresentação fora de prazo legal das declarações ou fichas para inscrição ou atualização de elementos número fiscal de contribuinte das pessoas singulares. Falta de apresentação, no prazo fixa pela Administração Tributária, da cumentação respeitante à política aptada em matéria de preços de transferência. 117 n.º n.º 5 P.Colectivas 70 a a a ,5 a 187,5 150 a a 375 Falta de apresentação, no prazo fixa pela Administração Tributária, s cumentos que integram o processo de cumentação fiscal 117 n.º 6 P.Colectivas 500 a a Falsificação, viciação e alteração de cumentos fiscalmente relevantes, com lo, quan não deva ser puni pelo crime de fraude fiscal; E quem utilizar, alterar ou viciar programas de contabilidade, das ou suportes informáticos. Omissões e inexatidões relativas à situação tributária que não constituam fraude fiscal nem contraordenação anteriormente referida, praticadas nas declarações, bem como nos cumentos comprovativos s factos, valores ou situações delas constantes, incluin as praticadas nos livros de contabilidade e escrituração, nos cumentos de transporte ou outros que legalmente os possam substituir ou noutros cumentos fiscalmente relevantes que devam ser mantis, apresentas ou exibis n. os 1 e 2 Com imposto Sem imposto Com imposto Sem imposto Com imposto Sem imposto Com imposto Sem imposto Com imposto Sem imposto 750 a 300% imposto até a 150% a 600% imposto até a 300% 375 a ,75 a ,5 a ,88 a 2.812,5 750 a ,5 a Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

4 Contraordenações fiscais Inexatidões ou omissões praticadas nas declarações ou fichas para inscrição ou atualização de elementos número fiscal de contribuinte das pessoas singulares Omissões ou inexactidões relativas a factos ou cumentos relevantes para a a apreciação de pedis de informação vinculativa prestadas com carácter de urgência Inexistência de contabilidade ou de livros de escrituração, de registos e cumentos com eles relacionas, qualquer que seja a respetiva natureza Não organização da contabilidade de acor com as regras de normalização contabilística e atrasos na sua execução, na escrituração de livros ou na elaboração de outros elementos de escrita, ou de registos, por perío superior ao previsto na lei fiscal, quan não sejam punis como crime ou como contraordenação mais grave Falta de apresentação no prazo legal e antes da respetiva utilização, s livros de escrituração de registos ou outros cumentos relacionas com a contabilidade ou exigis na lei Não conservação pelo prazo legal s livros de escrituração Violação dever de emitir recibos ou faturas ou a sua emissão fora s prazos legais 119 n.º 4 119º- A Com imposto Sem imposto 375 a ,75 a a ,5 a a a a ,5 a a a a ,5 a a a a ,5 a a a a ,5 a a a a ,5 a a a a Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

5 Contraordenações fiscais Violação dever de exigir recibos ou faturas, ou a sua não conservação pelo prazo legal Falta de designação de representante com residência, sede ou direção efetiva em território nacional para representar as entidades não residentes neste território, bem como as que, embora residentes, se ausentem território nacional por perío superior a seis meses Falta de identificação gestor de bens, por parte representante fiscal não residente, quan pessoa diferente gestor de bens ou direitos Pagamento indevi ou a colocação à disposição s respetivos titulares de rendimentos sujeitos a retenção de imposto na fonte, sem que aqueles façam a comprovação seu número fiscal de contribuinte Falta de retenção na fonte, sem apresentação da prova direito a dispensa total ou parcial Transferência para o estrangeiro de rendimentos sujeitos a tributação, obtis em território português por entidades não residentes, sem que se mostre pago ou assegura o imposto que for devi Impressão de cumentos por tipografias não autorizadas para o efeito e fornecimento de cumentos fiscalmente relevantes sem observância das formalidades legais e, em ambos os casos, a respetiva aquisição e a a ,5 a a a a ,5 a a a a ,5 a a a a ,5 a a a a ,5 a a a a ,5 a a a a a a a Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

6 Contraordenações fiscais Criação ou transmissão de programas informáticos que visem falsear o apuramento da situação tributária (falsidade informática) Aquisição ou utilização de programas de facturação não certificas Falta de conta bancária para uso exclusivo da empresa, realização de movimentos sem ser através desta ou de pagamentos sem ser pelos meios previstos na lei Realização de pagamentos superiores a euros sem ser através de contga bancária ou de qualquer valor através de meios legalmente previsto art. 128º art. 128º art. 129º art. 129º a a a a a ,5 a 937,5 750 a a a a a a a a a a NOTA: O valor das coimas pode ser reduzi em 25%, 50% ou 75%, em função da "confissão" da infração e da prontidão pagamento. Descaminho Contraordenações aduaneiras Introdução irregular no consumo Recusa de entrega, exibição ou apresentação de cumentos e mercarias a a ou 500 a ou a a a a a Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

7 Contraordenações aduaneiras Violação dever de cooperação Omissões ou inexactidões nas declarações ou em cumentos fiscalmente relevantes Aquisição de mercarias objeto de infração aduaneira º- A a a a ,5 a a a a ,5 a a a NOTA: O valor das coimas pode ser reduzi em 25%, 50% ou 75%, em função da "confissão" da infração e da prontidão pagamento. As coimas são aplicadas pelos serviços da Administração tributária, varian a entidade competente em função valor da coima. Por regra, as coimas e sanções acessórias são aplicadas pelo dirigente serviço tributário local da área onde a infração teve lugar. No entanto, a sua aplicação em determinadas circunstâncias compete ao diretor de finanças dessa área. Consulte nesta tabela qual a entidade competente para punir os infratores, consoante a contraordenação praticada, ou a sua gravidade: Contraordenação Recusa de entrega, exibição ou apresentação de escrita e de cumentos fiscalmente relevantes, quan os factos não constituam fraude fiscal Falta de entrega da prestação tributária, total ou parcial, pelo perío até 90 dias, ou por perío superior, desde que os factos não constituam crime, ao crer tributário, da prestação tributária deduzida a terceiros Entidade competente Diretor de Finanças Diretor de Finanças, quan o imposto em falta for superior a euros, quan o imposto em falta for igual ou inferior a euros 7 Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

8 Pagamento de forma diferente da legalmente prevista Violação de segre fiscal Falta ou atraso de declarações a apresentar para efeitos fiscais para determinação, avaliação ou comprovação da matéria coletável ou da respetiva prestação Falta ou atraso na apresentação ou a não exibição de declarações ou cumentos comprovativos s factos, valores ou situações constantes das declarações, cumentos de transporte ou outros Falta ou atraso na apresentação de declarações de início, alteração ou cessação de atividade, das declarações autónomas de cessação ou alteração s pressupostos de benefícios fiscais e das declarações para inscrição de valores em registos que a administração fiscal deva possuir Falta de exibição pública s dísticos ou outros elementos comprovativos pagamento de imposto Falta de apresentação ou apresentação fora de prazo legal das declarações ou fichas para inscrição ou atualização de elementos número fiscal de contribuinte das pessoas singulares Falsificação, viciação e alteração de cumentos fiscalmente relevantes, com lo, quan não deva ser puni pelo crime de fraude fiscal Omissões e inexatidões relativas à situação tributária que não constituam fraude fiscal nem contraordenação anteriormente referida, praticadas nas declarações, bem como nos cumentos comprovativos s factos, valores ou situações delas constantes, incluin as praticadas nos livros de contabilidade e escrituração, nos cumentos de transporte ou outros que legalmente os possam substituir ou noutros cumentos fiscalmente relevantes que devam ser mantis, Diretor de Finanças, quan o imposto em falta for superior a EUR, quan o imposto em falta for igual ou inferior a euros Diretor de Finanças Diretor de Finanças, quan o imposto em falta for superior a euros, quan o imposto em falta for igual ou inferior a euros Diretor de Finanças, quan o imposto em falta for superior a euros, quan o imposto em falta for igual ou inferior a euros 8 Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

9 apresentas ou exibis Inexatidões ou omissões praticadas nas declarações ou fichas para inscrição ou atualização de elementos número fiscal de contribuinte das pessoas singulares Inexistência de contabilidade ou de livros de escrituração, de registos e cumentos com eles relacionas, qualquer que seja a respetiva natureza Não organização da contabilidade de acor com as regras de normalização contabilística e atrasos na sua execução da contabilidade, na escrituração de livros ou na elaboração de outros elementos de escrita, ou de registos, por perío superior ao previsto na lei fiscal, quan não sejam punis como crime ou como contraordenação mais grave Falta de apresentação no prazo legal e antes da respetiva utilização, s livros de escrituração de registos ou outros cumentos relacionas com a contabilidade ou exigis na lei Não conservação pelo prazo legal s livros de escrituração Violação dever de emitir recibos ou faturas ou a sua emissão fora s prazos legais Violação dever de exigir recibos ou faturas, ou a sua não conservação pelo prazo legal Falta de designação de representante com residência, sede ou direção efetiva em território nacional para representar as entidades não residentes neste território, bem como as que, embora residentes, se ausentem território nacional por perío superior a seis meses Falta de identificação gestor de bens, por parte representante fiscal não residente, quan pessoa diferente gestor de bens ou direitos Pagamento indevi ou a colocação à disposição s respetivos titulares de rendimentos sujeitos a retenção de imposto na fonte, sem que aqueles façam a comprovação seu número fiscal de contribuinte Transferência para o estrangeiro de Diretor de Finanças, quan o imposto 9 Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

10 rendimentos sujeitos a tributação, obtis em território português por entidades não residentes, sem que se mostre pago ou assegura o imposto que for devi Impressão de cumentos por tipografias não autorizadas para o efeito e respetiva aquisição Fornecimento de cumentos fiscalmente relevantes por pessoas ou entidades autorizadas sem observância das formalidades legais, bem como a sua aquisição Falta de conta bancária para uso exclusivo da empresa, realização de movimentos sem ser através desta ou de pagamentos sem ser pelos meios previstos na lei Contraordenações aduaneiras em falta for superior a euros, quan o imposto em falta for igual ou inferior a euros Diretor de Finanças Diretor de Finanças Diretor de Finanças Diretor-Geral das Alfândegas e s Impostos Especiais sobre o Consumo Diretores das Alfândegas Chefes das delegações aduaneiras Às contraordenações graves podem ainda ser aplicadas as seguintes sanções acessórias: - a perda de objetos; - o impedimento de receber subsídios públicos; - a suspensão de benefícios concedis por entidades públicas ou impedimento de os obter, pelo perío máximo de is anos; - o impedimento de participar em leilões ou concursos públicos, entre outros eventos similares; - o encerramento de instalações; - a cassação ou suspensão de licenças ou autorizações; - a publicação da sentença. Consideram-se graves, as contraordenações cujo limite máximo da coima é superior a euros e aquelas que a lei qualifique como graves. Crimes Os crimes fiscais, as penas respetivas e as regras processuais aplicáveis estão previstas no, que estipula quatro tipos de crimes distintos: - crimes tributários comuns; - crimes aduaneiros; - crimes fiscais. 10 Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

11 A sanção a aplicar varia consoante o infrator seja uma pessoa singular ou coletiva, e consoante o valor s danos causas ao Esta, poden variar entre multa de 10 a 600 dias ou prisão até 8 anos, para as pessoas singulares e multa de 20 a 1920 dias, para as pessoas coletivas. As penas previstas para a prática s crimes previstos no, têm os seguintes limites: Crimes tributários comuns Crime Burla tributária cuja atribuição patrimonial seja de valor inferior a euros, incluin a tentativa Burla tributária cuja atribuição patrimonial seja de valor igual ou superior a euros e inferior a euros, incluin a tentativa Burla tributária cuja atribuição patrimonial seja de valor igual ou superior a euros, incluin a tentativa Frustação de créditos Associação criminosa Desobediência qualificada Violação de segre NOTA: Cada dia de multa corresponde a: - entre 1 e 500 euros, para as pessoas singulares; - entre 5 e euros, para as pessoas coletivas. Infrator e Culpa Limites das penas ver NOTA Prisão de 1 a 5 anos ou Multa até 600 dias Multa até 1200 dias Prisão de 2 a 8 anos Multa de 480 a 1920 dias Prisão até 2 anos ou Multa até 240 dias Multa até 480 dias Prisão de 2 a 8 anos Prisão até 2 anos ou Multa até 240 dias Multa até 480 dias Crimes Aduaneiros Crime Contraban, incluin a tentativa 92 Infrator e Culpa Limites das penas ver NOTA 11 Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

12 Crimes Aduaneiros Crime Contraban de circulação, incluin a tentativa Contraban de mercarias de circulação condicionada em embarcações Fraude no transporte de mercarias em regime suspensivo, incluin a tentativa Introdução fraudulenta no consumo, incluin a tentativa Crimes de contraban, fraude no transporte de mercarias em regime suspensivo ou na introdução no consumo e de recetação de mercarias, que sejam qualificas Violação de garantias aduaneiras Quebra de marcas ou selos, incluin a tentativa Recetação de mercarias objeto de crime aduaneiro Auxílio material NOTA: Cada dia de multa corresponde a: - entre 1 e 500 euros, para as pessoas singulares; - entre 5 e euros, para as pessoas coletivas. Infrator e Culpa Limites das penas ver NOTA Prisão até 3 anos outa até 360 dias Prisão até 5 anos ou Multa até 600 dias Multa até 1200 dias Prisão até 2 anos ou Multa até 240 dias Multa até 480 dias Crimes Fiscais Crime Fraude Fraude qualificada Infrator e Culpa Limites das penas ver NOTA Prisão até 1 a 5 anos Multa de 240 a 1200 dias 12 Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

13 Abuso de confiança Crimes Fiscais Crime Abuso de confiança, quan o valor imposto não entregue seja superior a euros n.º 5 NOTA: Cada dia de multa corresponde a: - entre 1 e 500 euros, para as pessoas singulares; - entre 5 e euros, para as pessoas coletivas. Infrator e Culpa Limites das penas ver NOTA Prisão de 1 a 5 anos Multa de 240 a 1200 dias Além das penas indicadas, podem ainda ser aplicadas aos agentes que praticaram estes crimes, as seguintes sanções acessórias: - interdição temporária exercício de certas atividades ou profissões; - o impedimento de receber subsídios públicos; - a suspensão ou perda de benefícios concedis por entidades públicas ou impedimento de os obter; - o impedimento de participar em leilões ou concursos públicos, entre outros eventos similares; - o encerramento de instalações; - a cassação ou suspensão de licenças ou autorizações; - a publicação da sentença; - a dissolução da pessoa coletiva; - a perda de objetos, como mercarias ou meios de transporte e outros instrumentos crime. Referências Regime Geral das Infrações Tributárias Atualiza a Tos os direitos reservas à LexPoint, Lda.

LEI N.º 15/2001, DE 5 DE JUNHO Artigo 1.º ÍNDICE. Lei n.º 15/2001

LEI N.º 15/2001, DE 5 DE JUNHO Artigo 1.º ÍNDICE. Lei n.º 15/2001 LEI N.º 15/2001, DE 5 DE JUNHO Artigo 1.º Lei n.º 15/2001 Artigo 1.º Regime Geral das Infracções Tributárias... 15 Artigo 2.º Norma revogatória... 16 Artigo 5.º Alteração da Lei das Finanças Locais...

Leia mais

O RGIT no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting

O RGIT no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting O no Orçamento do Estado para 2012 Audit Tax Advisory Consulting O no Orçamento do Estado para 2012 Dispensa de pena Classificação das contra-ordenações Tema até 31.12.2011 2012 Normas Pode ser aplicada

Leia mais

Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar

Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar Lei n.º 15/2001, de 5 de junho Regime Geral das Infrações Tributárias Artigo 42.º Duração do inquérito e seu encerramento 1 - Os actos de inquérito delegados nos órgãos da administração tributária, da

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 287/XII Regula o regime de acesso e exercício da atividade profissional de cadastro predial, em conformidade com a disciplina da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, e do Decreto-Lei n.º 92/2010,

Leia mais

AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores

AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS AMBIENTE Contraordenações e Gestão de Pilhas e Acumuladores CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Mónica Oliveira Costa Portugal Outubro 2015 Recentemente

Leia mais

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2.

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2. Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1. Objeto O presente despacho normativo regulamenta os pedidos de reembolso de imposto sobre o valor

Leia mais

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.)

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) 1. Informação prévia 1.1. Identificação pessoal Nome completo N.º de mediador (se aplicável) 1.2. Identifique a que título

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho

Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Decreto-Lei n.º 111/2000 de 4 de Julho Regulamenta a lei que proíbe as discriminações no exercício de direitos por motivos baseados na raça, cor, nacionalidade ou origem étnica A Lei n.º 134/99, de 28

Leia mais

REGIME GERAL DAS INFRAÇÕES TRIBUTÁRIAS

REGIME GERAL DAS INFRAÇÕES TRIBUTÁRIAS REGIME GERAL DAS INFRAÇÕES TRIBUTÁRIAS Embora a PwC tenha envidado os seus melhores esforços na transcrição dos textos legais para estas páginas, não se responsabiliza pelo respetivo conteúdo, pelo que

Leia mais

Regime dos Avaliadores Imobiliários do Sistema Financeiro

Regime dos Avaliadores Imobiliários do Sistema Financeiro Page 1 of 5 Veja este e-mail no seu browser SOCIEDADE DE ADVOGADOS IMOBILIÁRIO / NOV 2015 Regime dos Avaliadores Imobiliários do Sistema Financeiro A Lei n.º 153/2015, de 14 de setembro, que entrou em

Leia mais

Avaliação geral de prédios urbanos

Avaliação geral de prédios urbanos Avaliação geral de prédios urbanos Foi publicada a Lei n 60-A/2011, de 30/11, que aditou os artigos 15 o -A a 15 -P ao Decreto-Lei n 287/2003, de 12/11, que regulamentam o regime da Avaliação Geral de

Leia mais

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net

Mais informações e atualizações desta obra em www.homepagejuridica.net Título: Regula a base de dados e os dados pessoais registados objeto de tratamento informático no âmbito do Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas:

Leia mais

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional?

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? L F Ladir & Franco A D V O G A D O S RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? Túlio Arantes Bozola Advogado - Ladir & Franco

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo)

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013 Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O

Leia mais

A iniciativa i i Licenciamento i Zero

A iniciativa i i Licenciamento i Zero LICENCIAMENTO ZERO A iniciativa i i Licenciamento i Zero Estamos perante uma iniciativa do GOVERNO: Incorporando os princípios decorrentes da Diretiva de Serviços, transposta para Portugal pelo DL 92/2010,

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade?

SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade? SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade? I. MULTAS (Legislação do SPED) - I por apresentação extemporânea: a) R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês-calendário ou fração, relativamente

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

FUNDO DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FCT) MECANISMO EQUIVALENTE (ME) FUNDO DE GARANTIA DA COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FGCT)

FUNDO DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FCT) MECANISMO EQUIVALENTE (ME) FUNDO DE GARANTIA DA COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FGCT) Informação n.º 3/2013 08/novembro/2013 FUNDO DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FCT) MECANISMO EQUIVALENTE (ME) FUNDO DE GARANTIA DA COMPENSAÇÃO DO TRABALHO (FGCT) Legislação O Orçamento de estado para 2013,

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013 Certificação de Programas de Faturação A presente informação técnica substitui a informação n.º 6/2012 e a n.º 22/2010, introduzindolhe as atualizações resultantes da Portaria

Leia mais

Garantias dos contribuintes alterações 2015

Garantias dos contribuintes alterações 2015 Garantias dos contribuintes alterações 2015 20-02-2015, UCP delegação de Santa Maria da Feira PROGRAMA Alterações Alterações Alterações RGIT LOE 2015 e Lei 82-E/2014 de 31/12 - SUZANA FERNANDES DA COSTA

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social 2012 3ª Edição Actualização nº 1 CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL Actualização nº

Leia mais

Março é mês de pagamento especial por conta

Março é mês de pagamento especial por conta Março é mês de pagamento especial por conta Ao contrário do que constava da proposta de lei, não se verificam grandes alterações no regime fiscal dos pagamentos especiais por conta em consequência da reforma

Leia mais

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL Atender às exigências internacionais de combate a corrupção Estimular a prática do compliance. Ética corporativa na administração.

Leia mais

TABELA RESUMO DE INFRAÇÕES E PENALIDADES (LEI SC 10297/1996)

TABELA RESUMO DE INFRAÇÕES E PENALIDADES (LEI SC 10297/1996) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 A B C D ICMS SANTA CATARINA TABELA RESUMO DE INFRAÇÕES E PENALIDADES (LEI SC 10297/1996) INFRAÇÃO PENALIDADE % Base Deixar de recolher, total ou parcialmente,

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO Decorrente do Dec.-Lei 316/97, de 19 de Novembro. CAPÍTULO I Das restrições ao uso de cheque Artigo 1. Rescisão da convenção de cheque

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Faturas - Mediadores de seguros que pratiquem operações isentas Processo: nº 4686, por despacho de 2013-05-15, do SDG do IVA, por delegação

Leia mais

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 A SESSÃO DE HOJE DEVERÁ DAR RESPOSTA A CINCO QUESTÕES-CHAVE SOBRE O NOVO REGIME 1 2 3 4 5 O que é o RJFDE? Quais

Leia mais

RESPONSABILIDADE PENAL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE PENAL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE PENAL DOS ADMINISTRADORES: DA TEORIA AO BATER À PORTA! JOSÉ RICARDO GONÇALVES ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 A. POSIÇÃO DO ADMINISTRADOR FACE AO ACTUAL DIREITO PUNITIVO

Leia mais

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL?

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL? EM QUE CONSISTE? As entidades devedoras de pensões, com exceção das de alimentos, são obrigadas a reter o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) no momento do seu pagamento ou colocação

Leia mais

Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado?

Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado? Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado? O trabalho não declarado é um flagelo aumenta o risco de pobreza dos trabalhadores e favorece condições de trabalho potencialmente perigosas.

Leia mais

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.)

Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) Formulário para pessoa singular (a preencher pelas pessoas identificadas em 1.2.) 1. Informação prévia 1.1. Identificação pessoal Nome completo N.º de mediador (se aplicável) 1.2. Identifique a que título

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária

Leia mais

Contratação. Contrato de trabalho

Contratação. Contrato de trabalho Contratação Contrato de trabalho O contrato de trabalho pode ser escrito ou verbal. Contudo, os seguintes contratos têm de ser reduzidos a escrito: Contrato de trabalho com trabalhador estrangeiro (exceto

Leia mais

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 ÍNDICE: PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução n.º 89/2014: Cria um prémio destinado à integração de ativos no setor primário, designado por AGRICULTURA +.

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho)

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) Artigo 2.º Conceito de benefício fiscal e de despesa fiscal e respectivo controlo

Leia mais

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES São sujeitos passivos de: - IRC; - IVA. Têm obrigações previstas no Código do IRS Têm obrigação de documentar as despesas e os pagamentos. Algumas poderão beneficiar

Leia mais

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores independentes Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado,

Leia mais

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011 Quarta alteração à Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho que regulamenta a certificação prévia dos programas informáticos de faturação do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas A Portaria

Leia mais

PARTE II - Duração: 2 horas. Leia com atenção as seguintes instruções:

PARTE II - Duração: 2 horas. Leia com atenção as seguintes instruções: PARTE II - Duração: 2 horas Leia com atenção as seguintes instruções: Na folha de respostas escreva o seu nome, o número de membro estagiário e a versão da prova. A não indicação de qualquer um destes

Leia mais

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL Controlo da emissão e comunicação Comunicação dos inventários Incentivo fiscal DECRETO-LEI N.º 198/2012, DE 24 DE AGOSTO Estabelece medidas de controlo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ibirataia Estado da Bahia

Prefeitura Municipal de Ibirataia Estado da Bahia DECRETO Nº 3857, de 29 de setembro de 2015. "Institui e Regulamenta a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS e) no Município de Ibirataia e dá outras providências." O Prefeito do Município de Ibirataia,,

Leia mais

Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho

Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho www.pwc.pt/inforfisco Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho Índice DESPACHO NORMATIVO N.º 18-A/2010, DE 1 DE JULHO... 3 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação: Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, após a primeira alteração

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão DECRETO N.º 37/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO QUE REGULA A ENTRADA, PERMANÊNCIA, SAÍDA E AFASTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO TERRITÓRIO NACIONAL A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...]

Artigo 1.º. Alterações. Os artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º e 6.º passam a ter a seguinte redação: «Artigo 1.º [...] Alteração ao Regulamento dos Períodos de Abertura e Funcionamento dos Estabelecimentos de Venda ao Público e de Prestação de Serviços do Concelho de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 48/2011,

Leia mais

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Seguro social voluntário: Trabalhadores

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015 CALENDÁRIO FISCAL DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 12 Envio da Declaração Periódica, por transmissão eletrónica de dados, acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos sujeitos

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA SMFA Nº 01/2010 Define as regras e os prestadores de serviços e substitutos tributários do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Eletrônica Mensal

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

Ministério d DL 141/2014 2014.04.03

Ministério d DL 141/2014 2014.04.03 DL 141/2014 2014.04.03 Nos últimos anos, tem vindo a registar-se uma procura crescente, por parte dos consumidores, em relação aos produtos do «porco preto», que se deve às características específicas

Leia mais

Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição

Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? São várias as substâncias e métodos proibidos cuja deteção só é possível com a realização de controlos

Leia mais

COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA

COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA Formador: Maria Mestra Carcavelos,3 de abril de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115

Leia mais

CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA

CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA Sumário Histórico Noção Bem Jurídico Sujeito Ativo Sujeito Passivo Tipos Objetivos Tipo Subjetivo Consumação Concurso de Crimes Penas Ação Penal Extinção da Punibilidade

Leia mais

O CONTADOR RECONQUISTA O RESPEITO

O CONTADOR RECONQUISTA O RESPEITO O CONTADOR RECONQUISTA O RESPEITO ESTÁ OBRIGADO FAZER CERTO, SOB PENA... RESPONSABILIDADE CIVIL CRIMINAL QUEM FICOU COM O PRODUTO DO ROUBO? PAUSA PARA UMA REFLEXÃO VOCÊ SE SENTE CONFORTÁVEL COM AQUILO

Leia mais

"CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA" CADERNO DE ENCARGOS

CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA CADERNO DE ENCARGOS "CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA" CADERNO DE ENCARGOS ARTIGO 1.º OBJETO O presente Caderno de Encargos diz respeito

Leia mais

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Introduz um regime de fiscalização e de sanção contra-ordenacional aplicável a infracções aos deveres previstos no Regulamento (CE) n.º 1781/2006, do Parlamento

Leia mais

BBB. Garantias dos contribuintes alterações PROGRAMA. Alterações LGT Alterações CPPT Alterações RGIT LOE 2015 e Lei 82-E/2014 de 31/12 - 07/01/2015

BBB. Garantias dos contribuintes alterações PROGRAMA. Alterações LGT Alterações CPPT Alterações RGIT LOE 2015 e Lei 82-E/2014 de 31/12 - 07/01/2015 BBB Garantias dos contribuintes alterações 2015 09-01-2015 2015 PROGRAMA Alterações Alterações Alterações RGIT LOE 2015 e Lei 82-E/2014 de 31/12 - SUZANA FERNANDES DA COSTA 1 BBB ALTERAÇÕES 2015 Lei n.º

Leia mais

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA Condições de acesso ao incentivo Pela Lei nº 82-D/2014, de 31 de dezembro (Lei da Fiscalidade Verde ), foi criado um regime excecional de atribuição

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006

Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006 Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006 Portaria n.º 426-A/2005, de 1 de Abril Resselagem (estampilhas fiscais) de bebidas espirituosas, assegurando

Leia mais

NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO

NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO 19 de Junho de 2007 NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO Cláudia do Carmo Santos Advogada OBJECTIVOS Desburocratização de procedimentos Adequação da lei em vigor à realidade social Atracção de mão-de-obra estrangeira

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO MUNICIPAL RESPEITANTE AO FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM RECINTOS ITINERANTES OU IMPROVISADOS E À REALIZAÇÃO ACIDENTAL DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA ARTÍSTICA

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO /07 Havendo necessidade de se proceder a actualização da regulamentação da Lei nº.5/97 de Junho, relativamente às operações de mercadorias, em conformidade com o consignado

Leia mais

DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1. Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012

DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1. Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012 BDJUR - Vista de Impressão Imprimir Fec har DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1 Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012 A Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, regulamentou o processo de certificação dos programas

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

autoridade tributária e aduaneira

autoridade tributária e aduaneira Classificação: 000.05.02 Seg.: Pública Proc.: 20 13/2 Of.Circulado N.': 20 164 2013-02-07 Entrada Geral : N.o Identificação Fiscal (NIF): Sua Ref. a ; Técnico: MGN Exmos Senhores Subdiretores-Gerais Diretores

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE?

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? 1. O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4 DL 35/2014 2014.01.23 A Lei 64-B/2011, de 30 de dezembro, que aprovou o orçamento do Estado para o ano de 2012, promoveu a criação de novas medidas de combate à fraude e evasão fiscais. Neste contexto

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO. Artigo 2.º Definições

QUADRO COMPARATIVO. Artigo 2.º Definições DECRETO-LEI N.º 69/2011, DE 15 DE JUNHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O exercício das actividades de mediação imobiliária e de angariação imobiliária em território nacional fica sujeito ao regime estabelecido

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223. MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho Estado: vigente Legislação

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013 Resumo As novas regras de Faturação para 2013 Fontes: Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Ofícios Circulados 30.136 OE 2013 e restantes comunicações da AT Resumo 1. Regras de Faturação 2.

Leia mais

DIREITO PORTUÁRIO (ADUANEIRO) SANCIONADOR. Luciano Bushatsky A. de Alencar Advogado Aduaneiro

DIREITO PORTUÁRIO (ADUANEIRO) SANCIONADOR. Luciano Bushatsky A. de Alencar Advogado Aduaneiro DIREITO PORTUÁRIO (ADUANEIRO) SANCIONADOR Luciano Bushatsky A. de Alencar Advogado Aduaneiro SISTEMAS JURÍDICOS Existência, no Direito brasileiro, de diversos sistemas legais interdependentes. Sistema

Leia mais

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER NORMA DE PAGAMENTOS Componente A PRESENTE NORMA DE PAGAMENTOS APLICA-SE AOS PEDIDOS DE PAGAMENTOS A FORMALIZAR (APÓS 18-01-2013) E AINDA AOS QUE SE ENCONTRAM EM ANÁLISE NO IDE- RAM, NO ÂMBITO DO SISTEMAS

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA:

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA: Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 Av. Presidente Vargas, 3.215 Vila Maria INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHIMENTO POR MEIOS

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

"FCPA e a Lei 12.846/2013 - Lei Anticorrupção" São Paulo, 05 de setembro de 2013. Fabyola Emilin Rodrigues Demarest Advogados

FCPA e a Lei 12.846/2013 - Lei Anticorrupção São Paulo, 05 de setembro de 2013. Fabyola Emilin Rodrigues Demarest Advogados "FCPA e a Lei 12.846/2013 - Lei Anticorrupção" São Paulo, 05 de setembro de 2013 Fabyola Emilin Rodrigues Demarest Advogados CORRUPÇÃO, O MALDOSÉCULO http://www.transparency.org/ http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/12/ranking-do-indice-de-percepcao-da-corrupcao-no-mundo.html

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 V Outras informações 7 NEWSLETTER

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR ÂNGELA SARTORI

COMÉRCIO EXTERIOR ÂNGELA SARTORI COMÉRCIO EXTERIOR ÂNGELA SARTORI COMÉRCIO EXTERIOR MODALIDADES DE IMPORTAÇÃO E A INTERPOSIÇÃO FRAUDULENTA DE TERCEIROS NA IMORTAÇÃO MODALIDADES DE IMPORTAÇÃO: DIFERENÇAS: CONTA PRÓPRIA: COMPRA E VENDA

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais

NOVAS OBRIGAÇÕES PARA OS SENHORIOS PERGUNTAS FREQUENTES

NOVAS OBRIGAÇÕES PARA OS SENHORIOS PERGUNTAS FREQUENTES NOVAS OBRIGAÇÕES PARA OS SENHORIOS PERGUNTAS FREQUENTES Portaria n.º 98-A/2015, de 31 de março 1 - Modelos oficiais Pelo artigo 1º da portaria em referência, foram aprovados os seguintes modelos oficiais:

Leia mais

Autorização de Permanência e Residência

Autorização de Permanência e Residência Autorização de Permanência e Residência O Direito de Residência dos Cidadãos Europeus Qualquer cidadão da UE tem direito de residir em Portugal, por período até 3 meses, sendo titular de bilhete de identidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013 O Governo dos Açores pretende implementar uma nova estratégia de desenvolvimento, tendo em vista a dinamização

Leia mais