ção o de Avisos de Leiria Direcçã 1º Encontro Nacional dos Avisos Agrícolas ção o das Plantas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ção o de Avisos de Leiria Direcçã 1º Encontro Nacional dos Avisos Agrícolas ção o das Plantas"

Transcrição

1 Estudo de dois meios de luta complementares à luta química no controlo da mosca do mediterrâneo (Ceratitis( capitata) Marta Caetano e José Batalha Estaçã ção o de Avisos de Leiria Direcçã ção o de Serviços de Agricultura e Pescas Divisão o de Protecçã ção o das Plantas 1º Encontro Nacional dos Avisos Agrícolas Viseu, 4 e 5 Novembro 2008

2 Objectivos Comparar dois meios de luta biotécnicos, enquadrados na captura em massa, e a luta química tradicional. Verificar as diferenças entre duas armadilhas testadas, no âmbito da captura em massa: garrafa de polietileno e copos Tephry Conhecer a dinâmica populacional da praga no pomar.

3 Ceratitiscapitata capitata: Distribuiçã ção geográfica e dispersão

4 Ceratitiscapitata Propagaçã ção Hospedeiros

5 Caracterizaçã ção o de Ceratitiscapitata capitata: Morfologia e bioecologia 1. Ovo 1 2. Larva 3. Pupa 2 4. Adulto 3 4

6 Materiais e métodosm Técnica de captura em massa com recurso a garrafas de polietileno 6 furos/garrafa Ø = 0,5 Cm Fosfato Diamónio - 5 %

7 Materiais e métodosm Técnica de captura em massa com recurso a garrafas de polietileno Colocação e distribuição Forma de actuação Densidade (400 garrafas/ha)

8 Materiais e métodosm Técnica da captura em massa com recurso a copos tephry Características Modo de actuação Densidade (50/ha)

9 Materiais e métodosm Monitorizaçã ção o do voo Captura em massa copos tephry Captura em massa garrafas de polietileno Pomar testemunha

10 Materiais e métodosm Localização Freguesia de Cortes, concelho de Leiria Variedade de maçã Golden As modalidades testadas foram: A - Garrafas de polietileno transparentes furadas no terço superior e suspensas do lado sul da árvore por arame 400 garrafas /ha colocadas a 16 de Julho 2008 B - Copos Tephry com difusores e pastilha insecticida 50 copos / ha colocados a 16 de Julho 2008 C - Testemunha parcela do pomar, contígua, não sujeita a qualquer método de captura Tratamentos fitossanitários contra a mosca foram feitos dois tratamentos insecticidas em todas as modalidades, quando se justificou

11 Materiais e métodosm Procedimentos de recolha de dados N.º capturas de moscas nas 10 armadilhas marcadas e na garrafa mosqueira N.º frutos picados (Em 150 frutos observados)

12 Resultados e discussão Captura de moscas com recurso às s garrafas polietileno e copos tephry N.º A B Copos tephry 600 C 500 D 400 E 300 F 200 G Capturas - Garrafas Capturas - Tephry H Garrafas de polietileno I J

13 Resultados e discussão Captura de moscas com recurso às s garrafas polietileno e copos tephry É visível o maior poder atractivo dos copos Tephry comparativamente às garrafas de polietileno. As garrafas I, A e E e os copos Tephry A, E e J, que capturaram maior número de moscas, localizavam-se na bordadura do lado norte do pomar.

14 Resultados e discussão Monitorizaçã ção curva da voo N.º 100 Garrafas Tephry Testemunha

15 Resultados e discussão Monitorizaçã ção curva da voo A partir de meados de Agosto, o voo começou a aumentar, destacando-se a modalidade testemunha até quase à colheita, diminuindo de seguida para valores inferiores ao da captura em massa. Não foram significativas as diferenças entre as modalidades de captura em massa.

16 Resultados e discussão Frutos picados N.º Garrafas Tephry Testemunha 23-Jul 30-Jul 06-Ago 13-Ago 20-Ago 27-Ago 03-Set 10-Set 17-Set 24-Set 01-Out 08-Out A partir do início de Setembro as maçãs começaram a surgir picadas, o que aumentou de forma visível nas semanas seguintes. A modalidade Tephry revelou o menor índice de frutos picados em 150, seguida da modalidade com as garrafas e por último, a testemunha a registar o maior índice de frutos picados.

17 Resultados e discussão Prejuízos à colheita % 15 Prejuízos à colheita À colheita, a percentagem de frutos picados em 1000 observados era de 1% na modalidade com copos Tephry, 7% na modalidade com garrafas de polietileno e 15% na modalidade testemunha, confirmando o que a figura anterior indiciava e a maior eficácia dos copos Tephry

18 Consideraçõ ções finais A captura em massa com recurso aos copos Tephry revelou um poder de atracção à mosca da fruta superior, comparativamente à garrafa de polietileno Na dinâmica populacional da mosca, relativamente às portas de entrada, a praga manifestou preferência pela bordadura do lado norte do pomar Na modalidade testemunha, o voo foi superior ao da captura em massa no período de pré-maturação até quase à colheita. Não se revelaram diferenças significativas na monitorização da praga entre as duas modalidades de captura em massa: garrafa de polietileno e copos Tephry As modalidades de captura em massa em complemento com a luta química, revelaram ser mais eficazes na minimização dos prejuízos provocados pela mosca, em comparação com a testemunha. Os frutos picados à colheita foram: 1 % na modalidade com copos Tephry, 7 % na modalidade com as garrafas e 15 % no pomar testemunha. Entre as modalidades de captura em massa testadas, a que utilizou os copos Tephry revelou-se mais eficaz comparativamente às garrafas de polietileno.

19 OBRIGADO

2º Encontro do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Captura em Massa como Método Complementar no Combate à Mosca da Azeitona

2º Encontro do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas. Captura em Massa como Método Complementar no Combate à Mosca da Azeitona 2º Encontro do Serviço Nacional de Avisos Agrícolas Captura em Massa como Método Complementar no Combate à Mosca da Azeitona Objectivos Introdução à mosca da azeitona Testar a eficácia da captura em massa

Leia mais

MEIOS DE LUTA ALTERNATIVOS À LUTA QUÍMICA PARA COMBATE DA MOSCA DO MEDITERRÂNEO (Ceratitis capitata Wed.)

MEIOS DE LUTA ALTERNATIVOS À LUTA QUÍMICA PARA COMBATE DA MOSCA DO MEDITERRÂNEO (Ceratitis capitata Wed.) MEIOS DE LUTA ALTERNATIVOS À LUTA QUÍMICA PARA COMBATE DA MOSCA DO MEDITERRÂNEO (Ceratitis capitata Wed.) Comparação de dois métodos de controlo biotécnicos da mosca da fruta: - Captura em massa com garrafas

Leia mais

A CAPTURA EM MASSA NO CONTROLO DA MOSCA DA AZEITONA (Dacus oleae) COMO MÉTODO ALTERNATIVO À LUTA QUÌMICA

A CAPTURA EM MASSA NO CONTROLO DA MOSCA DA AZEITONA (Dacus oleae) COMO MÉTODO ALTERNATIVO À LUTA QUÌMICA A CAPTURA EM MASSA NO CONTROLO DA MOSCA DA AZEITONA (Dacus oleae) COMO MÉTODO ALTERNATIVO À LUTA QUÌMICA INTRODUÇÃO Cada vez mais a estratégia de luta contra os principais inimigos das culturas se dirige

Leia mais

A mosca-do-mediterrâneo, Ceratitis capitata (Wied.) (Diptera:tephritidae): um caso de sucesso

A mosca-do-mediterrâneo, Ceratitis capitata (Wied.) (Diptera:tephritidae): um caso de sucesso , Ceratitis capitata (Wied.) (Diptera:tephritidae): um caso de sucesso Sumário: 1. Introdução 2. Comportamento do insecto Estudo da importância da praga 3. Breve análise da zonagem de C. capitata no Oeste

Leia mais

O OLIVAL EM MODO DE PRODUÇÃO INTEGRADA NA REGIÃO DE SERPA

O OLIVAL EM MODO DE PRODUÇÃO INTEGRADA NA REGIÃO DE SERPA Índice Resumo ii Abstract iii Introdução e objectivos 1 1.A Política Agrícola Comum e a Produção Integrada no Olival 2 1.1.Evolução da Política Agrícola Comum (PAC) 2 1.2.Legislação Comunitária 5 1.3.Legislação

Leia mais

Caro Munícipe, Escaravelho da Palmeira Rhynchophorus ferrugineus

Caro Munícipe, Escaravelho da Palmeira Rhynchophorus ferrugineus Caro Munícipe, Certamente já ouviu falar do escaravelho da palmeira Rhynchophorus ferrugineus (Oliver), que ataca diversas espécies de palmeiras, provocando a sua morte. Trata-se de um insecto originário

Leia mais

CAPTURA EM MASSA DE CERATITIS CAPITATA (DIPTERA: TEPHRITIDAE), EM CITRINOS

CAPTURA EM MASSA DE CERATITIS CAPITATA (DIPTERA: TEPHRITIDAE), EM CITRINOS CAPTURA EM MASSA DE CERATITIS CAPITATA (DIPTERA: TEPHRITIDAE), EM CITRINOS C. BALBINA 1, A. FERNANDES 2 & M. A GONÇALVES 1 Com 5 figuras e 1 tabela RESUMO. Em citrinos, a utilização de armadilhas Tephri

Leia mais

PRAGAS POLÍFAGAS GERAIS

PRAGAS POLÍFAGAS GERAIS PRAGAS DE FRUTÍFERAS PRAGAS POLÍFAGAS GERAIS 1 Pragas polífagas mosca-das-frutas DIPTERA, TEPHRITIDAE MOSCA-DAS-FRUTAS Anastrepha spp. Ceratitis capitata Bactrocera carambolae Rhagoletis sp. 2 CICLO DE

Leia mais

VINHA. Mosca do Mediterrâneo Ceratitis capitata (Wiedemann) Biologia. Ficha de Divulgação n.º 23/2014. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve

VINHA. Mosca do Mediterrâneo Ceratitis capitata (Wiedemann) Biologia. Ficha de Divulgação n.º 23/2014. Estação de Avisos Agrícolas do Algarve Ficha de Divulgação n.º 23/2014 VINHA Estação de Avisos Agrícolas do Algarve Eugénia Neto Mosca do Mediterrâneo Ceratitis capitata (Wiedemann) Espécie altamente polífaga, bastante difundida na zona Mediterrânica,

Leia mais

Situação e perspetivas

Situação e perspetivas Albino Bento & José Alberto Pereira Instituto Politécnico de Bragança Cinipídeo, Dryocosmus kuriphilus Yasumatsu Situação e perspetivas Introdução: A praga Dryocosmus kuriphilus Yasumatsu Hymenoptera:

Leia mais

OS PRINCIPAIS INIMIGOS QUE AFECTAM A CULTURA DOS CITRINOS NA REGIÃO DO ALGARVE E A ESTRATÉGIA DE LUTA RECOMENDADA

OS PRINCIPAIS INIMIGOS QUE AFECTAM A CULTURA DOS CITRINOS NA REGIÃO DO ALGARVE E A ESTRATÉGIA DE LUTA RECOMENDADA OS PRINCIPAIS INIMIGOS QUE AFECTAM A CULTURA DOS CITRINOS NA REGIÃO DO ALGARVE E A ESTRATÉGIA DE LUTA RECOMENDADA Celestino Soares e J. Entrudo Fernandes Anadia, 25 de Novembro de 2010 INTRODUÇÃO - Principais

Leia mais

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Vila Real, Junho 20-22, 2007

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Vila Real, Junho 20-22, 2007 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Vila Real, Junho 2-22, 27 Univ. Trás-osMontes e Alto Douro P4.3. PRAGAS ASSOCIADAS À CASTANHA EM TRÁS-OS-MONTES: BIOLOGIA E ESTRAGOS 1 Albino Bento, 1 Susana

Leia mais

CO-13 MONITORIZAÇÃO DA POPULAÇÃO DE CERATITIS CAPITATA WIED. (DIPTERA: TEPHRITIDAE) NUM POMAR DE ARAÇÁ NA ILHA DE SÃO MIGUEL

CO-13 MONITORIZAÇÃO DA POPULAÇÃO DE CERATITIS CAPITATA WIED. (DIPTERA: TEPHRITIDAE) NUM POMAR DE ARAÇÁ NA ILHA DE SÃO MIGUEL CO-13 MONITORIZAÇÃO DA POPULAÇÃO DE CERATITIS CAPITATA WIED. (DIPTERA: TEPHRITIDAE) NUM POMAR DE ARAÇÁ NA ILHA DE SÃO MIGUEL Oliveira, L. 1 ; Medeiros, A. 2 1 Departamento de Biologia, CIRN, Universidade

Leia mais

Rhynchophorus Ferrugineus* * Olivier, o inseto que destrói as nossas palmeiras.

Rhynchophorus Ferrugineus* * Olivier, o inseto que destrói as nossas palmeiras. Rhynchophorus Ferrugineus* * Olivier, o inseto que destrói as nossas palmeiras. O INSETO QUE DESTRÓI AS NOSSAS PALMEIRAS O Escaravelho Rhynchophorus Ferrugineus (Olivier) vulgarmente conhecido por escaravelho

Leia mais

Ficha de Divulgação n.º 31/2016 CITRINOS

Ficha de Divulgação n.º 31/2016 CITRINOS Ficha de Divulgação n.º 31/2016 CITRINOS Estação de Avisos Agrícolas do Algarve Celestino Soares Mosca-do-Mediterrâneo (Ceratitis capitata) A mosca-do-mediterrâneo ou mosca-da-fruta (Ceratitis capitata

Leia mais

CI RCULAR 1 O/DSPFSV/2008

CI RCULAR 1 O/DSPFSV/2008 Ministério da do Desenvolvimento Rural e das Pescas onoo* Direcção-Geral de Agricultura e DTRECçAO DE SERVTçOS DE PRODUTOS FTTOFARMACÊUT GOS E DE SANIDADE VEGETAL CI RCULAR 1 O/DSPFSV/2008 MOSCA DA FRUTA

Leia mais

Gestão Integrada do Montado contra Platypus cylindrus Novas Perspectivas

Gestão Integrada do Montado contra Platypus cylindrus Novas Perspectivas 4º Encontro REDECOR, O Montado de Sobro e a Fileira da Cortiça em Portugal e Espanha Gestão Integrada do Montado contra Platypus cylindrus Novas Perspectivas Luís BONIFÁCIO (1), Pedro P. Marques (2), Maria

Leia mais

COMPORTAMENTO DE VARIEDADES REGIONAIS DE MACIEIRA, EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO Arminda Lopes; Francisco Fernandes

COMPORTAMENTO DE VARIEDADES REGIONAIS DE MACIEIRA, EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO Arminda Lopes; Francisco Fernandes COMPORTAMENTO DE VARIEDADES REGIONAIS DE MACIEIRA, EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO Arminda Lopes; Francisco Fernandes Objectivo Com este ensaio pretendemos testar o comportamento de algumas variedades regionais,

Leia mais

NOTA PRÉVIA... 3 PREFÁCIO... 5 INTRODUÇÃO GERAL... 7 CAPITULO I RESENHA HISTÓRICA DA DOENÇA DA MURCHIDÃO DO PINHEIRO

NOTA PRÉVIA... 3 PREFÁCIO... 5 INTRODUÇÃO GERAL... 7 CAPITULO I RESENHA HISTÓRICA DA DOENÇA DA MURCHIDÃO DO PINHEIRO ÍNDICE GERAL NOTA PRÉVIA... 3 PREFÁCIO... 5 INTRODUÇÃO GERAL... 7 CAPITULO I... 11 RESENHA HISTÓRICA DA DOENÇA DA MURCHIDÃO DO PINHEIRO 1. Introdução... 13 2. O nemátode da madeira do pinheiro no contexto

Leia mais

Aspectos fitossanitários em olival na Beira Interior Norte e na Beira Interior Sul

Aspectos fitossanitários em olival na Beira Interior Norte e na Beira Interior Sul Aspectos fitossanitários em olival na Beira Interior Norte e na Beira Interior Sul Luz, J.P. 1 ; Coutinho, J.P. 1 ; Fragoso, P. 2 ; Nave, A. 3 ; Dias, F. 3 ; Simão, P. 3 ; Antunes, V. 2 ; Veiga, C. 3 ;

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

3.2 A análise de regressão geográfica das populações selvagens de Ceratitis capitata Wiedemann, na ilha de S. Jorge, Açores

3.2 A análise de regressão geográfica das populações selvagens de Ceratitis capitata Wiedemann, na ilha de S. Jorge, Açores 3.2 A análise de regressão geográfica das populações selvagens de Ceratitis capitata Wiedemann, na ilha de S. Jorge, Açores Reinaldo Macedo Soares Pimentel 1, Jorge Azevedo 2 ; David João Horta Lopes 1,

Leia mais

PESQUISA EM ANDAMENTO

PESQUISA EM ANDAMENTO ISSN 0101-6075 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Centro de Pesquisa Agroflorestal do Acre CPAF-Acre Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR-364, km 14 (Rio Branco/Porto Velho),

Leia mais

INCIDÊNCIA E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL DE ANASTREPHA FRATERCULUS (DIPTERA: TEPHRITIDAE) EM DIFERENTES FRUTÍFERAS NATIVAS NO MUNICÍPIO DE VACARIA / RS

INCIDÊNCIA E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL DE ANASTREPHA FRATERCULUS (DIPTERA: TEPHRITIDAE) EM DIFERENTES FRUTÍFERAS NATIVAS NO MUNICÍPIO DE VACARIA / RS INCIDÊNCIA E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL DE ANASTREPHA FRATERCULUS (DIPTERA: TEPHRITIDAE) EM DIFERENTES FRUTÍFERAS NATIVAS NO MUNICÍPIO DE VACARIA / RS RICARDO BOLDO DE SOUZA 1 ; ADALÉCIO KOVALESKI 2 INTRODUÇÃO

Leia mais

Controle Alternativo da Broca do Café

Controle Alternativo da Broca do Café Engº Agrº - Pablo Luis Sanchez Rodrigues Controle Alternativo da Broca do Café Trabalho realizado na região de Ivaiporã, na implantação de unidade experimental de observação que visa o monitoramento e

Leia mais

PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI

PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI Avaliação do STURDY no fornecimento de fósforo na Cultura do Cafeeiro Araguari / MG Junho 2012 DADOS GERAIS : Local : Fazenda Campo Experimental

Leia mais

PREPARADOS HOMEOPÁTICOS PARA O MANEJO DA MOSCA-DAS- FRUTAS NA CULTURA DO PESSEGUEIRO.

PREPARADOS HOMEOPÁTICOS PARA O MANEJO DA MOSCA-DAS- FRUTAS NA CULTURA DO PESSEGUEIRO. PREPARADOS HOMEOPÁTICOS PARA O MANEJO DA MOSCA-DAS- FRUTAS NA CULTURA DO PESSEGUEIRO. RUPP, L.C.D. 1 ; BOFF, M.I.C. 2 ; BOTTON, M. 3 ; SANTOS, F. 2 ; BOFF, P. 4 PALAVRAS-CHAVE: Agricultura Orgânica, Homeopatia,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PREJUÍZOS CAUSADOS PELA MOSCA-DA-AZEITONA, BACTROCERA (DACULUS) OLEAE, NA ILHA TERCEIRA, AÇORES

AVALIAÇÃO DE PREJUÍZOS CAUSADOS PELA MOSCA-DA-AZEITONA, BACTROCERA (DACULUS) OLEAE, NA ILHA TERCEIRA, AÇORES AVALIAÇÃO DE PREJUÍZOS CAUSADOS PELA MOSCA-DA-AZEITONA, BACTROCERA (DACULUS) OLEAE, NA ILHA TERCEIRA, AÇORES EVALUATION OF DAMAGE CAUSED BY THE OLIVE FRUIT FLY, BACTROCERA (DACULUS) OLEAE IN TERCEIRA ISLAND,

Leia mais

Palavras Chave: Anársia (Anarsia lineatella); pessegueiro; Calypso; tiaclopride

Palavras Chave: Anársia (Anarsia lineatella); pessegueiro; Calypso; tiaclopride AVALIAÇÃO BIOLÓGICA DO PRODUTO FITOFARMACÊUTICO CALYPSO NA LUTA CONTRA A Anarsia lineatella E EFEITOS SECUNDÁRIOS SOBRE A Ceratitis capitata E Brachycaudus persicae EM PESSEGUEIROS NA COVA DA BEIRA. Carlos

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES CONSTITUIÇÕES OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de Constituições registadas em território nacional, com segmentação Geográfica e por

Leia mais

COMO AVALIAR A EFICIÊNCIA NO CONTROLE DE PRAGAS

COMO AVALIAR A EFICIÊNCIA NO CONTROLE DE PRAGAS 13º INSECTSHOW 2017 COMO AVALIAR A EFICIÊNCIA NO CONTROLE DE PRAGAS ENRICO DE BENI ARRIGONI ENRICO ARRIGONI SOLUÇÕES EM MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS LTDA (19) 97128-6262 enricomip@gmail.com PREJUÍZO POTENCIAL

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S

OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S PER S OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de PER s registadas em território nacional, com segmentação Geográfica e por Sector de Atividade e

Leia mais

O que é o Bicho-Furão. Prejuízos

O que é o Bicho-Furão. Prejuízos O que é o Bicho-Furão Uma praga cuja lagarta ataca os frutos das plantas cítricas, provocando queda e apodrecimento, tornando-os impróprios tanto para o consumo in natura quanto para o processamento pela

Leia mais

2 A mosca do Mediterrâneo (Ceratitis capitata Wiedemann) (Diptera: Tephritidae) na ilha Terceira

2 A mosca do Mediterrâneo (Ceratitis capitata Wiedemann) (Diptera: Tephritidae) na ilha Terceira 2 A mosca do Mediterrâneo (Ceratitis capitata Wiedemann) (Diptera: Tephritidae) na ilha Terceira 2.1 Monitorização das populações e infestação dos frutos Reinaldo Pimentel 1 ; António M.M. Mexia 2, John

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Protecção Integrada em figueira Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e práticas,

Leia mais

O SISTEMA NOVARTIS PARA O CONTROLO DE MOSCAS EM

O SISTEMA NOVARTIS PARA O CONTROLO DE MOSCAS EM O SISTEMA NOVARTIS PARA O CONTROLO DE MOSCAS EM ÁREAS PÚBLICAS Disenteria TRANSMISSÃO DE DOENÇAS GRAVES Diarreia infantil Envenenamento de alimentos Helmintoses Doenças cutâneas Poliomielite Febre tifóide

Leia mais

Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio

Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio Relatório Preliminar Ficha Técnica Autoria: Rui Almeida Recolha de Elementos: Rui Almeida(SNBPC); Grafismo e Capa:

Leia mais

Definição, conceito e tipos de pragas

Definição, conceito e tipos de pragas Mestrado em agricultura biológica Protecção das culturas Definição, conceito e tipos de pragas J. Raúl Rodrigues 1. alterações no ambiente que favorecem a biologia da espécie Impacto das plantações nos

Leia mais

Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes

Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes Projecto em curso no âmbito da ação 1.1.1. do ProDeR (Cooperação para a Inovação) António Castro Ribeiro Ana Paula

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Rosário Fino

Leia mais

Data: (revisto em: Abril de 2010)

Data: (revisto em: Abril de 2010) DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS ECONÓMICAS Serviço de Estatísticas Agrícolas e do Ambiente Operação Estatística: Inquérito à Venda de Árvores de Fruto e Oliveiras Código: 11 Versão: 1.1 Código SIGINE: 656

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Miriam Cavaco Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária Seminário do Uso Sustentável,

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Monitoramento e controle de mosca-das-frutas em pessegueiros no Sul de Minas Gerais 1

Monitoramento e controle de mosca-das-frutas em pessegueiros no Sul de Minas Gerais 1 Monitoramento e controle de mosca-das-frutas em pessegueiros no Sul de Minas Gerais 1 William Resende Alexandre Júnior (2), Rogério Antônio Silva (3), Júlio César de Souza (3), Vicente Luiz de Carvalho

Leia mais

Ocorrência de grilos em plantios de eucalipto no Paraná

Ocorrência de grilos em plantios de eucalipto no Paraná Ocorrência de grilos em plantios de eucalipto no Paraná Leonardo R. Barbosa leonardo@cnpf.embrapa.br 10 Novembro 2010 16ª Reunião Técnica do PROTEF - Manejo de Pragas e Doenças Florestais - Região Subtropical

Leia mais

Red ibérica de evaluación de eficacia y efectos secundarios de tratamientos para el control de plagas en el olivar

Red ibérica de evaluación de eficacia y efectos secundarios de tratamientos para el control de plagas en el olivar Red ibérica de evaluación de eficacia y efectos secundarios de tratamientos para el control de plagas en el olivar 2ª reunião Madrid, 10 e 11 de Junho de 2010 Métodos de amostragem: 1. Tópicos a abordar

Leia mais

BIOECOLOGIA DE Carmenta sp. (Lepidoptera: Sesiidae) EM PEQUIZEIRO. (Caryocar brasiliense Camb.) PROJETO DE PESQUISA

BIOECOLOGIA DE Carmenta sp. (Lepidoptera: Sesiidae) EM PEQUIZEIRO. (Caryocar brasiliense Camb.) PROJETO DE PESQUISA BIOECOLOGIA DE Carmenta sp. (Lepidoptera: Sesiidae) EM PEQUIZEIRO (Caryocar brasiliense Camb.) PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNO: GILMAR PONCIO DE OLIVEIRA CURSO: AGRONOMIA

Leia mais

A Importância dos Viveiros na Sustentabilidade da Floresta 20 de Outubro de 2014, Lousã

A Importância dos Viveiros na Sustentabilidade da Floresta 20 de Outubro de 2014, Lousã A Importância dos Viveiros na Sustentabilidade da Floresta 20 de Outubro de 2014, Lousã I. Boas práticas no trabalho em viveiros florestais Semente Florestal Planta Florestal Sanidade do viveiro II. O

Leia mais

Construção de um herbário

Construção de um herbário Construção de um herbário 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º DURAÇÃO 5 HORAS ÉPOCA JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ OBJECTIVOS Construção de uma prensa para plantas Conhecer a diversidade

Leia mais

Campo de Observação de Variedades de Milho - Ciclo FAO 500. Ano de Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro

Campo de Observação de Variedades de Milho - Ciclo FAO 500. Ano de Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro Campo de Observação de Variedades de Milho - Ciclo FAO 500 Ano de 2013 Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro Castelo Branco - 2014 Campo de Observação de Variedades de Milho - Ciclo FAO 500

Leia mais

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO E. D. ARAÚJO 1 ; A. M. A. AVILEZ 1 ; J. M. SANTOS 1 ; E. C. MANTOVANI 2 1 Estudante de Mestrado, Universidade Federal

Leia mais

Monitorização da praga florestal Platypus cylindrus na Herdade dos Leitões

Monitorização da praga florestal Platypus cylindrus na Herdade dos Leitões Monitorização da praga florestal Platypus cylindrus na Herdade dos Leitões Pedro Pacheco Marques Fundação João Lopes Fernandes - Herdade dos Leitões Coruche, 25 Maio 2013 Localização da Herdade dos Leitões

Leia mais

AMOSTRAGEM DE PRAGAS EM SOJA. Beatriz S. Corrêa Ferreira Entomologia

AMOSTRAGEM DE PRAGAS EM SOJA. Beatriz S. Corrêa Ferreira Entomologia AMOSTRAGEM DE PRAGAS EM SOJA Beatriz S. Corrêa Ferreira Entomologia INSETICIDAS CONTROLE BIOLÓGICO FEROMÔNIOS MANIPULAÇÃO GENÉTICA DE PRAGAS VARIEDADES RESISTENTES A INSETOS (plantas modificadas geneticamente)

Leia mais

Gestão, Tecnologia e Inovação

Gestão, Tecnologia e Inovação Moscamed Brasil Gestão, Tecnologia e Inovação Moscamed Brasil Av. C1, Quadra D 13, Lote 15, Distrito Ind. do São Francisco Juazeiro-Bahia CEP. 48.908-000 Tel.: 74-3612-5399 Fax.: 74-3612-5118 E-mail: biofabrica@moscamed.org.br

Leia mais

NOVAS ESTRATÉGIAS DE VULGARIZAÇÃO

NOVAS ESTRATÉGIAS DE VULGARIZAÇÃO NOVAS ESTRATÉGIAS DE VULGARIZAÇÃO O desenvolvimento durável tanto nas zonas urbanas como rurais impõem uma série de mudanças tais como: novos métodos de trabalho, em todos os domínios da vida econômica,

Leia mais

O PROJETO BIOMUSA NO APOIO À SUSTENTABILIDADE DO CULTIVO DA BANANEIRA ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ILHA TERCEIRA, AÇORES

O PROJETO BIOMUSA NO APOIO À SUSTENTABILIDADE DO CULTIVO DA BANANEIRA ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ILHA TERCEIRA, AÇORES O PROJETO BIOMUSA NO APOIO À SUSTENTABILIDADE DO CULTIVO DA BANANEIRA ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ILHA TERCEIRA, AÇORES Lopes, D. J. H. 1 ; Correia, M.M. 2 ; Pimentel,R. 1 ; Filipe, M. C. 3 ; Cabrera,

Leia mais

5 Ensaio de formas alternativas de combate à mosca do Mediterrâneo

5 Ensaio de formas alternativas de combate à mosca do Mediterrâneo 5 Ensaio de formas alternativas de combate à mosca do Mediterrâneo 5.1 Efeito do inseticida lufenurão no controlo das populações selvagens de Ceratitis capitata Wiedemann, Ilha Terceira, Açores Reinaldo

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar mar/10 63,0% 27,3% 8,7% fev/11 65,3%

Leia mais

1/14 Anadia, 5 de fevereiro de 2014 VINHA. POMÓIDEAS Pereiras e Macieiras. ACTINÍDEA Kiwi OLIVAL

1/14 Anadia, 5 de fevereiro de 2014 VINHA. POMÓIDEAS Pereiras e Macieiras. ACTINÍDEA Kiwi OLIVAL 1/14 Anadia 5 de fevereiro de 2014 VINHA DOENÇAS DO LENHO E CIGARRINHA DA FLAVESCÊNCIA DOURADA (Scaphoideus titanus) O controlo de pragas e doenças passa pela implementação de medidas culturais que limitem

Leia mais

PDR - Projetos Inovadores PROJETO MILHO PIPOCA SEMINÁRIO INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA. Organização: Apoio Institucional:

PDR - Projetos Inovadores PROJETO MILHO PIPOCA SEMINÁRIO INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA. Organização: Apoio Institucional: SEMINÁRIO INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA PDR - Projetos Inovadores PROJETO MILHO PIPOCA Organização: Apoio Institucional: AGENDA: 1 A OPORTUNIDADE 2 IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 3

Leia mais

Gestão Integrada da Rega

Gestão Integrada da Rega Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio Gestão Integrada da Rega Gonçalo Rodrigues SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO EM AGRICULTURA DE REGADIO JORNADAS TÉCNICAS 6 DE DEZEMBRO AUDITÓRIO DA EDIA Gestão Integrada

Leia mais

AMEIXA DAMASCO PÊSSEGO

AMEIXA DAMASCO PÊSSEGO AMEIXA DAMASCO PÊSSEGO CADERNO DE CAMPO A SER UTILIZADO NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO INTEGRADA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROPRIETÁRIO Nome: Morada: Nº HF: NIF: Código Postal: - Localidade: Telefone: Telemóvel: Email:

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 I SIMPÓSIO SIO DE CITRICULTURA IRRIGADA MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 MANEJO DAS IRRIGAÇÕES - Maximizar a produção e a qualidade,

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar Mai/11 64,2% 24,4% 8,6% Abr/12 56,8%

Leia mais

Operação Estatística: Estatísticas das Vendas de Produtos Fitofarmacêuticos

Operação Estatística: Estatísticas das Vendas de Produtos Fitofarmacêuticos Operação Estatística: Estatísticas das Vendas de Produtos Fitofarmacêuticos Código: 175 Versão: 1.0. Código SIGINE: AG0066 Data: Junho de 2011 1 Índice Introdução.. 3 I Caracterização geral da operação

Leia mais

Resultados da Safra 2014/15

Resultados da Safra 2014/15 Estudo de caso: emprego da captura massal e iscas tóxicas para a supressão populacional da mosca-das-frutas sul-americana (Anastrepha fraterculus) em pomar orgânico de maçã. Resultados da Safra 2014/15

Leia mais

BROCA GIGANTE. Como controlar esta praga? Telchin licus licus (Lepidoptera, Castniidae) José de Souza Santos Consultor

BROCA GIGANTE. Como controlar esta praga? Telchin licus licus (Lepidoptera, Castniidae) José de Souza Santos Consultor BROCA GIGANTE Telchin licus licus (Lepidoptera, Castniidae) Como controlar esta praga? José de Souza Santos Consultor IMPORTÂNCIA ECONÔMICA CONSIDERADA UMA DAS MAIS IMPORTANTES PRAGAS DA CANA NO NORDESTE

Leia mais

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07 Data da Autorização -14.04.2016 PRODUTO: Pedido de autorização excecional ao abrigo do Art.º 53 do Regulamento (CE) nº 1107/2009, de 21 de outubro para utilização

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MANEJO DE POMARES DE MACIEIRA E PEREIRA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MANEJO DE POMARES DE MACIEIRA E PEREIRA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MANEJO DE POMARES DE MACIEIRA E PEREIRA CÂMPUS URUPEMA Instrumentos Regulatórios (Resolução CEPE e CONSUP ou Portaria de reconhecimento do curso pelo MEC) GRADE CURRICULAR E

Leia mais

COMPARAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DIFERENTES MARCAS DE FEROMÔNIO NA ATRAÇÃO DO BICUDO DO ALGODOEIRO *

COMPARAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DIFERENTES MARCAS DE FEROMÔNIO NA ATRAÇÃO DO BICUDO DO ALGODOEIRO * COMPARAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE DIFERENTES MARCAS DE FEROMÔNIO NA ATRAÇÃO DO BICUDO DO ALGODOEIRO * Lucia M. Vivan (Fundação MT / luciavivan@fundacaomt.com.br), Odair M. Locatelli (Fundação MT) RESUMO - O

Leia mais

DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A. Eng. Agr. Sergio M. Selegato

DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A. Eng. Agr. Sergio M. Selegato DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A Eng. Agr. Sergio M. Selegato Localização - Unidades Climático II Média Anual: 1.594,6 mm Climático III Média Anual: 1.315,2 mm Climático II

Leia mais

5.2 Ensaio das armadilhas atrack and kill na Ilha S. Jorge

5.2 Ensaio das armadilhas atrack and kill na Ilha S. Jorge 5.2 Ensaio das armadilhas atrack and kill na Ilha S. Jorge Reinaldo Macedo Soares Pimentel 1, Jorge Miguel Meneses Azevedo 2, David João Horta Lopes 1, John David Mumford 3 & António Maria Marques Mexia

Leia mais

É constituído por três tipos de acções:

É constituído por três tipos de acções: Programa Agricultores Guia Projecto de Requalificação Ambiental da Actividade Agrícola Projecto Referência a nível Nacional, no tema Ambiente / Sustentabilidade pela DGOTDU. Resulta de um protocolo de

Leia mais

A TRAÇA DA UVA NA REGIÃO DEMARCADA DA BAIRRADA - CONTRIBUTO PARA UMA ESTRATÉGIA DE LUTA

A TRAÇA DA UVA NA REGIÃO DEMARCADA DA BAIRRADA - CONTRIBUTO PARA UMA ESTRATÉGIA DE LUTA A TRAÇA DA UVA NA REGIÃO DEMARCADA DA BAIRRADA - CONTRIBUTO PARA UMA ESTRATÉGIA DE LUTA NEVES, Madalena; LEITE, Sónia; ALVES, Susana RESUMO A traça da uva é uma praga-chave na Região Demarcada da Bairrada,

Leia mais

Biologia e Ecologia de polvo (para uma gestão sustentável) IPMA

Biologia e Ecologia de polvo (para uma gestão sustentável) IPMA Biologia e Ecologia de polvo (para uma gestão sustentável) Ciclo de vida Fases de Crescimento Incubação Idade (meses) -2-1 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Eclosão 0.17cm comprimento e 0.0012g peso Até mais

Leia mais

Mérito Desenvolvimento Imobiliário I FII. Fundo de Investimento Imobiliário

Mérito Desenvolvimento Imobiliário I FII. Fundo de Investimento Imobiliário 03 09 10 11 13 15 16 18 20 22 24 26 27 29 31 02 1. 03 1. 04 1. 05 1. 06 1. 07 1. 08 2. ¹ ¹ ¹ 09 3. 10 4. 11 4. 12 5. ¹ ² ³ 13 5. x MIL ago.2013 ago.2014 ago.2015 ¹ ³ ² ¹ 14 6. 15 6. ² 16 6. B C D E F A

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Protecção Integrada em aveleira Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e práticas,

Leia mais

Ficha técnica. Edição: Centro PINUS Associação para a Valorização da Floresta do Pinho, 2011

Ficha técnica. Edição: Centro PINUS Associação para a Valorização da Floresta do Pinho, 2011 Ficha técnica Edição: Centro PINUS Associação para a Valorização da Floresta do Pinho, 2011 Autores: Edmundo Sousa; Pedro Naves; Luís Bonifácio; Lourdes Inácio Fotos: Autores e Centro PINUS Imagem gráfica:

Leia mais

Cydia pomonella Uma praga erradicada do Brasil

Cydia pomonella Uma praga erradicada do Brasil Cydia pomonella Uma praga erradicada do Brasil Adalecio Kovaleski Embrapa Uva e Vinho Vacaria RS Brasil adalecio.kovaleski@embrapa.br machos/armadilha/ano Total machos/ano 25000 22412 20000 15000 10000

Leia mais

A Cultura do Medronheiro Arbutus unedo L.

A Cultura do Medronheiro Arbutus unedo L. A Cultura do Medronheiro Arbutus unedo L. Centro Cultural Gil Vicente / Sardoal Manuel Sequeira Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro Delegação de Castelo Branco Foto: Internet MSequeira -

Leia mais

Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos

Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos Calendário Pós-graduação 2014 - MBA em Gestão de Projetos Disciplina Data Início Data fim Atividade acadêmica ENTRADA 1 10/03/2014 20/12/2014 17/03/2014 24/03/2014 Análise de Cenários Econômicos (Disciplina

Leia mais

Escola Secundária Jaime Moniz Projeto de Educação e Prevenção de Riscos (Mosquito Aedes aegypti) Relatório de atividades desenvolvidas

Escola Secundária Jaime Moniz Projeto de Educação e Prevenção de Riscos (Mosquito Aedes aegypti) Relatório de atividades desenvolvidas Escola Secundária Jaime Moniz Projeto de Educação e Prevenção de Riscos (Mosquito Aedes aegypti) Relatório de atividades desenvolvidas No âmbito do projeto da Educação e Prevenção de Riscos a nossa escola,

Leia mais

Centro Experimental de Erosão de Vale Formoso: Passado, Presente e Futuro

Centro Experimental de Erosão de Vale Formoso: Passado, Presente e Futuro Centro Experimental de Erosão de Vale Formoso: Passado, Presente e Futuro PASSADO Localização e Enquadramento Institucional No Distrito de Beja, Concelho de Mértola Serra - a 2Km de Vale do Poço - Margem

Leia mais

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 30 de novembro e em 15 de dezembro de 2012.

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 30 de novembro e em 15 de dezembro de 2012. Situação de Seca Meteorológica em de dezembro Contributo do para o Acompanhamento e Avaliação dos Efeitos da Seca 1. Situação Atual de Seca Meteorológica Em de dezembro a situação de seca meteorológica

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Agosto de 2017 Peic Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atraso Não Terão Condições de Pagar ago/16 58,0% 24,4%

Leia mais

01 A N Á L I S E DE TENDÊNCIAS 03 B A R Ó M E T R O DISTRITAL

01 A N Á L I S E DE TENDÊNCIAS 03 B A R Ó M E T R O DISTRITAL J U L H O 2 0 1 7 DINÂMICA DO TECIDO EMPRESARIAL D A D O S M E N S A I S J U N H O D E 2 0 1 7 01 A N Á L I S E DE TENDÊNCIAS 02 B A R Ó M E T R O SETORIAL Dados do mês Nascimentos Encerramentos Insolvências

Leia mais

UNAC Workshop & Ação de Demonstração Mariana Ribeiro Telles 04 de Abril de 2013

UNAC Workshop & Ação de Demonstração Mariana Ribeiro Telles 04 de Abril de 2013 UNAC Workshop & Ação de Demonstração Mariana Ribeiro Telles 04 de Abril de 2013 1. Apresentação da APFC 2. Características e Importância económica do sector 3. Dificuldades 4. Rendimento de um povoamento

Leia mais

Anexo I. Um Ano de Projecto BARN

Anexo I. Um Ano de Projecto BARN I Anexo I Um Ano de Projecto BARN II Um ano de Projecto BARN Os habitats humanizados, nomeadamente os rurais, agrícolas e as áreas envolventes, são reconhecidamente ricos do ponto de vista da biodiversidade.

Leia mais

MEMORANDO Caudais médios diários nos rios Tejo e Douro junto à fronteira em 1998/99

MEMORANDO Caudais médios diários nos rios Tejo e Douro junto à fronteira em 1998/99 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS MEMORANDO Caudais médios diários nos rios Tejo e Douro junto à fronteira em 1998/99 Rui Rodrigues; Cláudia Brandão Lisboa, Setembro de 1999 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Setembro de 2017 Peic Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atraso Não Terão Condições de Pagar set/16 58,2% 24,6%

Leia mais

7. Manejo de pragas. compreende as principais causadoras de danos na citricultura do Rio Grande do Sul. Mosca-das-frutas sul-americana

7. Manejo de pragas. compreende as principais causadoras de danos na citricultura do Rio Grande do Sul. Mosca-das-frutas sul-americana Tecnologias para Produção de Citros na Propriedade de Base Familiar 63 7. Manejo de pragas Dori Edson Nava A cultura dos citros possui no Brasil mais de 50 espécies de artrópodes-praga, das quais pelo

Leia mais

Resumo Não Técnico CAS Barrocas S.A. Licença Ambiental da suinicultura da Herdade da Figueirinha

Resumo Não Técnico CAS Barrocas S.A. Licença Ambiental da suinicultura da Herdade da Figueirinha CAS Barrocas S.A. Setembro 2016 Enquadramento A Suinicultura da Herdade da Figueirinha encontra-se em funcionamento desde 2014 e dispõe de título de exploração válido até 16 de janeiro de 2021 para 1980

Leia mais

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 O Acto de Engenharia Agronómica Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Paulo Cruz

Leia mais

OBJETIVOS DE ENSINO Geral. Específicos

OBJETIVOS DE ENSINO Geral. Específicos DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: MANEJO ECOLÓGICO DE PRAGAS, DOENÇAS E VEGETAÇÃO ESPONTÂNEA Curso: AGROECOLOGIA Carga Horária: 60 HORAS Docente Responsável: LUCIANO PACELLI MEDEIROS DE MACEDO EMENTA

Leia mais

Estudo da oviposição de Torymus sinensis (Hymenoptera: Torymidae), parasitoide da vespa das galhas do castanheiro, em condições laboratoriais

Estudo da oviposição de Torymus sinensis (Hymenoptera: Torymidae), parasitoide da vespa das galhas do castanheiro, em condições laboratoriais Estudo da oviposição de Torymus sinensis (Hymenoptera: Torymidae), parasitoide da vespa das galhas do castanheiro, em condições laboratoriais Ana M. Dinis 1, José Alberto Pereira 1 ; Ambra Quacchia 2 ;

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DA CLOROSE VARIEGADA DOS CITROS

EPIDEMIOLOGIA DA CLOROSE VARIEGADA DOS CITROS EPIDEMIOLOGIA DA CLOROSE VARIEGADA DOS CITROS A. BERGAMIN FILHO FONTE: BLOG LARANJA DOCE PRIMEIRA DETECÇÃO E PRIMEIRA EPIDEMIA CVC MG CLOROSE VARIEGADA DOS CITROS SP K. MATSUOKA - UFV MACAUBAL 1988 COLINA

Leia mais

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Disciplina Data Início Data fim Atividade acadêmica ENTRADA 1 10/03/2014 20/12/2014 17/03/2014 24/03/2014 Gestão criativa e inovadora nas instituições

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro. Novembro de 2016

CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro. Novembro de 2016 CNC - Divisão Econômica Rio de Janeiro Novembro de 2016 Peic Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atraso Não Terão Condições de Pagar nov/15 61,0% 22,7%

Leia mais