MÓDULO 5 FOLHA DE PAGAMENTO SEMANAL,QUINZENAL, EMPRESÁRIO E TRABALHADORES AUTÔNOMOS 5.2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÓDULO 5 FOLHA DE PAGAMENTO SEMANAL,QUINZENAL, EMPRESÁRIO E TRABALHADORES AUTÔNOMOS 5.2"

Transcrição

1 MÓDULO 5 FOLHA DE PAGAMENTO 5.2 SEMANAL,QUINZENAL, EMPRESÁRIO E TRABALHADORES AUTÔNOMOS ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR A SUPERLOTAÇÃO DA PASTA. EXPEDIÇÃO: ª EDIÇÃO

2 ÍNDICE ASSUNTO PÁGINA 5.2. FOLHA DE PAGAMENTO SEMANAL E QUINZENAL/EMPRESÁRIO E TRABALHADORES AUTÔNOMOS INTRODUÇÃO OBRIGATORIEDADE DE ELABORAÇÃO REMUNERAÇÃO REPOUSO SEMANAL REMUNERADO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE SALÁRIO-FAMÍLIA DESCONTOS SALARIAIS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS IMPOSTO DE RENDA VALE-TRANSPORTE APURAÇÃO DA FOLHA PAGAMENTO DOS SALÁRIOS EXEMPLOS PRÁTICOS FOLHA DE PAGAMENTO SEMANAL DOS EMPREGADOS FOLHA DE PAGAMENTO QUINZENAL DOS EMPREGADOS FOLHA DE PAGAMENTO DOS AUTÔNOMOS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA IR/FONTE AUTÔNOMO CARRETEIRO Contribuição Previdenciária Contribuição para o SEST e o SENAT IR/Fonte RECIBO DE PAGAMENTO EXEMPLO PRÁTICO FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPRESÁRIOS ELEMENTOS DA FOLHA DE PAGAMENTO REMUNERAÇÃO Apuração da Remuneração Empresas Sujeitas a Escrituração Contábil Empresa Dispensada de Escrituração Contábil Valor Atribuído Empresa com Atividade Paralisada CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA IR/FONTE RECIBO DE PAGAMENTO EXEMPLO PRÁTICO FASCÍCULO 5.2 COAD 2

3 5.2. FOLHA DE PAGAMENTO SEMANAL E QUINZENAL/ EMPRESÁRIO E TRABALHADORES AUTÔNOMOS INTRODUÇÃO A legislação previdenciária exige a elaboração de folha de pagamento não só para os empregados, mas também para os autônomos e empregadores. Apesar de estabelecer as informações mínimas que a folha de pagamento deve conter, a legislação não disciplina a forma de sua elaboração. Portanto, neste Fascículo vamos exemplificar a elaboração das folhas de pagamento dos empregados semanalistas e quinzenalistas, bem como dos autônomos e empresários OBRIGATORIEDADE DE ELABORAÇÃO Antes da leitura deste Fascículo, é imprescindível que se leia o Fascículo 5.1, em que analisamos detalhadamente a forma de elaboração da folha de pagamento dos empregados mensalistas, quando descrevemos todas as informações que a mesma deve ter, fazendo descrição teórica da composição da remuneração e dos encargos sociais. Neste Fascículo, vamos elaborar folhas de pagamento semanal e quinzenal, dando ênfase à parte prática, já que a teórica, praticamente, não difere da analisada no Fascículo REMUNERAÇÃO O conceito de remuneração é o mesmo para os empregados mensalistas e para os que tenham seus salários estipulados por quinzena, hora, dia ou mesmo semana. Portanto, as parcelas integrantes são as mesmas, independentemente de como o salário é contratado REPOUSO SEMANAL REMUNERADO O cálculo do repouso remunerado depende da forma como é estabelecido o salário do empregado. Os semanalistas, diaristas ou horistas têm o repouso calculado com base na remuneração de um dia de trabalho, não estando o mesmo incluído no salário do empregado. Portanto, na elaboração da folha de pagamento semanal, o repouso deverá ser obrigatoriamente discriminado. No caso dos quinzenalistas, o repouso já está incluído no salário fixo, a discriminação na folha de pagamento somente ocorrerá com relação ao pagamento de parcelas que componham a remuneração e repercutam no referido repouso ADICIONAL DE INSALUBRIDADE Como o adicional de insalubridade não incide sobre a remuneração do empregado e sim sobre o valor do salário mínimo, independentemente de quanto ele ganhe, no caso dos empregados horistas e diaristas, a base de cálculo deverá ser obtida, considerando-se o salário mínimo no seu valor diário ou horário, conforme o caso SALÁRIO-FAMÍLIA Apesar de o salário-família ser um benefício previdenciário, ele é pago pela empresa aos seus empregados. No caso dos empregados que não recebam por mês, a legislação determina que o salário-família seja pago juntamente com o último pagamento relativo ao mês. Assim, no caso da folha de pagamento semanal, o salário-família deverá ser pago na última folha do mês. Da mesma forma, no caso da quinzenal, ele deverá ser pago na folha da segunda quinzena do mês DESCONTOS SALARIAIS A elaboração da folha de pagamento semanal e a quinzenal requer um planejamento maior que a mensal. Isso ocorre principalmente em relação aos descontos, pois como estes normalmente não são feitos na primeira semana, sendo comum serem feitos na última semana, pode esta última folha resultar em valor negativo. Isso poderá ocorrer, caso a empresa não tenha previsto com antecedência tudo aquilo que o empregado vá receber e vá ser descontado. Assim, a empresa deverá planejar como irá elaborar as folhas durante o mês, de forma que se o valor a ser pago na última folha não suportar todos os descontos feitos na mesma, ela deverá diluir os valores nas demais folhas elaboradas durante o mês. FASCÍCULO 5.2 COAD 3

4 Portanto, a empresa não está obrigada a efetuar todos os descontos na folha referente à última semana do mês, podendo fazê-lo nas demais folhas. Se adotar esse procedimento, a empresa deverá observar que a maior parte dos descontos, principalmente os legais, devem ser feitos em função do que o empregado perceba no mês, independentemente da forma como o seu salário é pago CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS As empresas ou empregadores devem descontar, no ato do pagamento da remuneração dos empregados, as contribuições e outras importâncias por eles devidas à Previdência Social. A Previdência Social considera salário-de-contribuição do empregado e trabalhador avulso a remuneração efetivamente recebida ou creditada a qualquer título, durante o mês, em uma ou mais empresas. A Previdência Social utiliza o critério de competência para o salário-de-contribuição. Portanto, para efeito de desconto da contribuição previdenciária, a empresa deverá levar em consideração tudo aquilo que o empregado receba em função do serviço prestado dentro do mês. Na hora de elaborar as folhas de pagamento semanais, a empresa poderá efetuar o desconto da contribuição em cada folha, com base na alíquota determinada em função da remuneração que está sendo paga na semana. Ao final do mês, por ocasião do pagamento da última folha, a empresa deverá recalcular o desconto da contribuição, levando em consideração tudo o que o empregado ganhou dentro do mês, não computando para este cálculo os dias do mês seguinte, que porventura estejam sendo pagos na última folha IMPOSTO DE RENDA NA FONTE As remunerações pagas aos empregados estão sujeitas ao desconto do Imposto de Renda na fonte, mediante aplicação de alíquotas progressivas, observado o limite de isenção fixado na Tabela Progressiva. A remuneração do empregado será tributada no mês em que for recebida, considerando-se como tal a entrega de recursos pela fonte pagadora, mesmo mediante depósito em instituição financeira em favor do mesmo. Portanto, para o IR/Fonte não é utilizado o mesmo critério da Previdência Social, não sendo o mesmo apurado por competência, mas sim pelo regime de caixa, ou seja, prevalece sempre a época do pagamento. Entretanto, apesar de não usar o regime de competência, terá de ser apurado o montante recebido pelo empregado dentro do mês, independentemente da época em que o serviço foi prestado. Assim, a empresa terá que reter o IR/Fonte em cada pagamento que efetue, devendo entretanto rever a base de cálculo para desconto a cada novo pagamento dentro do mês. Como pode ser observado, a retenção não se dará em função do salário referente aos dias trabalhados dentro do mês, mas sim ao que foi pago no mesmo. Pode ocorrer de a última folha de pagamento correspondente a última semana do mês somente ser paga no mês seguinte ao trabalhado. Neste caso, o valor da remuneração desta folha não terá que ser somado às já pagas no mês anterior para efeito de se apurar a base de cálculo para desconto. Esta folha integrará a base de cálculo do IR/Fonte referente aos pagamentos que serão efetuados neste segundo mês VALE-TRANSPORTE A concessão do Vale-Transporte autoriza o empregador a descontar mensalmente do empregado beneficiado a parcela correspondente a 6% do seu salário-base. O desconto do Vale-Transporte poderá ser efetuado semanalmente por ocasião do pagamento de cada folha, ou ser descontado de uma só vez na última folha do mês APURAÇÃO DA FOLHA A legislação previdenciária não entra no mérito quanto à periodicidade da folha de pagamento. Entretanto, considerando que a contribuição é apurada por competência, ela não poderá ser apurada em período superior a um mês. No caso das folhas de pagamento semanal e quinzenal não há previsão de como se fixar início e término da semana ou quinzena. Pode haver dúvida se a semana teria como base a data de admissão do empregado. Na falta de previsão entendemos que deve se aplicar por analogia a legislação do trabalho, que estabelece que para fins de repouso semanal a semana é contada de segunda-feira a domingo. No caso da quinzena, entendemos que deve ser considerado o mês civil, contando a primeira de 1a15domêseasegunda de 16 a PAGAMENTO DOS SALÁRIOS O pagamento dos salários dos empregados que recebem por quinzena ou semana deve ser efetuado até o quinto dia da semana ou quinzena vencida. FASCÍCULO 5.2 COAD 4

5 EXEMPLOS PRÁTICOS Demonstramos, a seguir, o preenchimento da folha de pagamento analítica e sintética dos empregados, no mês de outubro/2000, de uma empresa que apresenta seus empregados em situações distintas, sendo que nestas folhas não serão inseridos exemplos de pagamento de férias e 13º salário, já que estes são pagos em uma única parcela e já constaram dos exemplos inseridos no Fascículo FOLHA DE PAGAMENTO SEMANAL DOS EMPREGADOS Para elaboração da folha de pagamento semanal, tomaremos como base o mês de outubro/2000, sendo que o primeiro dia será pago na última folha do mês de setembro/2000. Quanto aos dois últimos dias, eles serão pagos na primeira folha de novembro/2000, devendo, entretanto, seu valor ser considerado para fins de previdência social dentro do mês de outubro/2000. Para efeito de pagamento, vamos considerar que os salários foram pagos no 3º dia da semana seguinte à semana vencida. a) Primeira Semana de 2 a Nº 01 CARLOS SILVA Este empregado é horista com salário de 1,60, tendo efetuado duas horas extras na primeira semana, sendo estas remuneradas com 50%. Ele tem dois dependentes menores de 14 anos. Salário da semana ( 1,60 x 44 horas)... 70,40 Horas extras: 2hx2,40 ( 1,60 x 1,5)... 4,80 Repouso Semanal Remunerado ( 1,60 x 7:20 h)... 11,80 Repouso Remunerado s/ HE ( 4,80 x 1/6)... 0,80 REMUNERAÇÃO BRUTA... 87,80 INSS {7,72% de 100,33 [ 87, ,53 (dia , pago na folha de 25-9 a )]}...( ) 7,75 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 70,40)...( ) 4,22 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER... 42,83 Nº 02 JONAS PEIXOTO Empregado com salário de 90,00 por dia, contratado para trabalhar no período noturno das 22:00 às 5:00 horas, sendo que o mesmo tem um dependente menor de 14 anos. Salário da semana ( 90,00 x 6 dias) ,00 Repouso Semanal Remunerado (1 dia)... 90,00 Adicional Noturno (20% de 540,00) ,00 Adicional Noturno sobre o Repouso Remunerado (20% de 90,00)... 18,00 REMUNERAÇÃO BRUTA ,00 INSS {11% de 864,00 [ 756, ,00 (dia , pago na folha de 25-9 a )]}...( ) 95,04 IR/Fonte Renda Tributável 1.512,00 (remuneração da última semana de setembro, paga em , mais a da primeira semana de outubro). dedução do INSS... 95,04 dedução do dependente... 90,00 renda líquida ,96 ( 1.512,00 95,04 90,00) alíquota 15% parcela a deduzir do imposto 135,00 cálculo do imposto FASCÍCULO 5.2 COAD 5

6 1.326,96 x 15 = 199,04 135,00...( ) ,04 Vale-Transporte (valor das passagens)...( ) 25,00 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,92 Nº 03 MÁRCIA FERREIRA A empregada com salário de 250,00 por semana desenvolve atividade que lhe dá direito ao adicional de periculosidade, sendo que a mesma tem dois dependentes menores de 14 anos. Salário ,00 Adicional de periculosidade (30% de 250,00)... 75,00 Repouso Semanal Remunerado [1/6 de 325,00 ( 250, ,00)]... 54,17 REMUNERAÇÃO BRUTA ,17 INSS {8,73% de 433,34 [ 379, ,17 (dia 1-10, pago na folha de 25-9 a 1-10)]}...( ) 37,83 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 250,00)...( ) 15,00 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,34 Nº 04 RICARDO GOMES O empregado contratado com salário de 6,00 por hora, tendo direito ao adicional de insalubridade de 40%. O empregado tem um dependente menor de 14 anos. Salário da semana ( 6,00 x 44 horas) ,00 Repouso Semanal Remunerado ( 6,00 x 7:20 h)... 44,00 Adicional de Insalubridade {40% x 30,36 [ 0,69 (salário mínimo hora) x 44 horas]}... 12,14 Insalubridade sobre o Repouso Remunerado {40% x 5,06 [ 0,69 x 7:20 h]}... 2,02 REMUNERAÇÃO BRUTA ,16 INSS {7,72 % de 368,18 [ 322, ,02 (dia 1-10, pago na folha de 25-9 a )]}...( ) 28,42 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 264,00)...( ) 15,84 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,90 Nº 05 ORLANDO SOARES O empregado foi contratado para receber comissões sobre as vendas que efetuar, não sendo assegurado ao mesmo salário fixo. Na primeira semana, as suas comissões foram apuradas como sendo de 300,00. Ele tem dois dependentes menores de 14 anos e trabalha de segunda a sábado. Comissões da semana ,00 Repouso Semanal Remunerado ( 300,00 : 6)... 50,00 REMUNERAÇÃO BRUTA ,00 INSS {8,73% de 400,00 [ 350, ,00 (dia 1-10, pago na folha de 25-9 a )]}...( ) 34,92 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 300,00)...( ) 18,00 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,08 FASCÍCULO 5.2 COAD 6

7 FASCÍCULO 5.2 COAD 7 Preenchimento da Folha de Pagamento Nº de Ordem FOLHA DE PAGAMENTO SINTÉTICA EMPRESA: JUTA COMERCIAL LTDA. ENDEREÇO: RUA SOLIMÃO, 64 ROXINHO PE PERÍODO DE 2 A 8 DE OUTUBRO DE 2000 Nome do Empregado Função Salário Comissões Horas Extras Quant. Adicional de Periculosidade Adicional Noturno Repouso Remunerado Adicional de Insalubridade 1 Carlos Silva Estoquista 70,40 2 4,80 12,60 87,80 2 Jonas Peixoto Analista 540,00 108,00 108,00 756,00 3 Márcia Ferreira Supervisora 250,00 75,00 54,17 379,17 4 Ricardo Gomes Pintor 264,00 46,02 12,14 322,16 5 Orlando Soares Vendedor 300,00 50,00 350,00 TOTAL 1.124,40 300,00 4,80 75,00 108,00 270,79 12, ,13 Valor Total MANUAL DE PROCEDIMENTOS

8 9 ( ) 10 ( ) 11 ( ) 12 ( ) 13 ( ) 14 ( ) 15 (+) 16 INSS IR/Fonte Vale-Refeição Vale-Transporte Assistência Médica Total Salário-Família Quotas Valor Líquido a Receber 7,75 8,00 4,22 25,00 44,97 42,83 95,04 64,04 8,00 25,00 25,00 217,08 538,92 37,83 8,00 15,00 25,00 85,83 293,34 28,42 8,00 15,84 25,00 77,26 244,90 34,92 8,00 18,00 25,00 85,92 264,08 203,96 64,04 40,00 78,06 125,00 511, ,07 FASCÍCULO 5.2 COAD 8

9 b) Segunda Semana de 9 a Nº 01 CARLOS SILVA O empregado nesta semana não realizou horas extras, percebendo somente seu salário normal. Salário da semana ( 1,60 x 36:40 h)... 58,80 Repouso Semanal Remunerado ( 1,60 x 14:40h)... 23,60 REMUNERAÇÃO BRUTA... 82,40 INSS (7,72% de 82,40)...( ) 6,36 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 58,80)...( ) 3,53 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER... 39,51 Nº 02 JONAS PEIXOTO A situação deste empregado não se alterou na segunda semana. Salário da semana ( 90,00 x 5 dias) ,00 Repouso Semanal Remunerado (2 dias) ,00 Adicional Noturno (20% de 450,00)... 90,00 Adicional Noturno sobre o Repouso Remunerado (20% de 180,00)... 36,00 REMUNERAÇÃO BRUTA ,00 INSS {11% de 464,25 [ 1.328,25 (limite máximo previdenciário) 864,00 (valor utilizado na primeira folha)]}...( ) 51,07 IR/Fonte: renda tributável ,00 (remuneração das duas primeiras semanas de outubro mais a da última de setembro) dedução do INSS ,11 ( 95, ,07) dedução do dependente... 90,00 renda líquida ,89 ( 2.268,00 146,11 90,00) alíquota 27,5 % parcela a deduzir do imposto 360,00 cálculo do imposto: 2.031,89 x 27,5 100 = 558,77 360,00 = 198,77 Imposto devido [ 198,77 64,04 (valor já retido na folha da primeira semana)]...( ) 134,73 Vale-Transporte (valor das passagens)...( ) 25,00 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,20 FASCÍCULO 5.2 COAD 9

10 Nº 03 MÁRCIA FERREIRA A situação desta empregada não se alterou em relação à primeira semana. Salário ,00 Adicional de periculosidade (30% de 250,00)... 75,00 Repouso Semanal Remunerado [ 2/6 de 325,00 ( 250, ,00)] ,34 REMUNERAÇÃO BRUTA ,34 INSS {(11% de 866,68 [ 433, ,34 (valor utilizado na primeira semana)] 37,83 (valor descontado na primeira semana)}...( ) 57,50 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 250,00)...( ) 15,00 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,84 Nº 04 RICARDO GOMES A situação do empregado não se alterou na segunda semana. Salário da semana ( 6,00 x 36:40 h) ,00 Repouso Semanal Remunerado ( 6,00 x 14:40 h)... 88,00 Adicional de Insalubridade {40% x 25,24 [ 0,69 (salário mínimo hora) x 36:40 h]}... 10,10 Insalubridade sobre o Repouso Remunerado {40% x 10,06 [ 0,69 x 14:40 h]}... 4,02 REMUNERAÇÃO BRUTA ,12 INSS [ 11% de 690,30 ( 322, ,18)] = 75,93 28,42 (valor retido na primeira folha)...( ) 47,51 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 220,00)...( ) 13,20 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,41 Nº 05 ORLANDO SOARES A comissão do empregado na segunda semana foi de 240,00. Comissões da semana ,00 Repouso Semanal Remunerado ( 240,00 6x2)... 80,00 REMUNERAÇÃO BRUTA ,00 INSS [11% de 720,00 ( 320, ,00)] = 79,20 34,92 (valor retido na primeira folha)...( ) 44,28 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 240,00)...( ) 14,40 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,32 FASCÍCULO 5.2 COAD 10

11 FASCÍCULO 5.2 COAD 11 Preenchimento da Folha de Pagamento Nº de Ordem FOLHA DE PAGAMENTO SINTÉTICA EMPRESA: JUTA COMERCIAL LTDA. ENDEREÇO: RUA SOLIMÃO, 64 ROXINHO PE PERÍODO DE 9 A 15 DE OUTUBRO DE 2000 Nome do Empregado Função Salário Comissões Horas Extras Quant. Adicional de Periculosidade Adicional Noturno Repouso Remunerado Adicional de Insalubridade 1 Carlos Silva Estoquista 58,80 23,60 82,40 2 Jonas Peixoto Analista 450,00 90,00 216,00 756,00 3 Márcia Ferreira Supervisora 250,00 75,00 108,34 433,34 4 Ricardo Gomes Pintor 220,00 92,02 10,10 322,12 5 Orlando Soares Vendedor 240,00 80,00 320,00 TOTAL 978,80 240,00 75,00 90,00 519,96 10, ,86 Valor Total MANUAL DE PROCEDIMENTOS

12 9 ( ) 10 ( ) 11 ( ) 12 ( ) 13 ( ) 14 ( ) 15 (+) 16 INSS IR/Fonte Vale-Refeição Vale-Transporte Assistência Médica Total Salário-Família Quotas Valor Líquido a Receber 6,36 8,00 3,53 25,00 42,89 39,51 51,07 134,73 8,00 25,00 25,00 243,80 512,20 57,50 8,00 15,00 25,00 105,50 327,84 47,51 8,00 13,20 25,00 93,71 228,41 44,28 8,00 14,40 25,00 91,68 228,32 206,72 134,73 40,00 71,13 125,00 577, ,28 FASCÍCULO 5.2 COAD 12

13 c) Terceira Semana de 16 a Nº 01 CARLOS SILVA Nesta semana, o empregado realizou 3 horas extras, não havendo outras mudanças em relação à sua remuneração. Salário da semana ( 1,60 x 44 h)... 70,40 Horas extras: 3hx2,40 ( 1,60 x 1,5)... 7,20 Repouso Semanal Remunerado ( 1,60 x 7:20 h)... 11,80 Repouso Remunerado s/he ( 7,20 x 1/6)... 1,20 REMUNERAÇÃO BRUTA... 90,60 INSS (7,72 % de 90,60)...( ) 6,99 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 70,40)...( ) 4,22 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER... 46,39 Nº 02 JONAS PEIXOTO A situação do empregado não se alterou na terceira semana. Salário da semana ( 90,00 x 6 dias) ,00 Repouso Semanal Remunerado (1 dia)... 90,00 Adicional Noturno (20% de 540,00) ,00 Adicional Noturno sobre o Repouso Remunerado (20% de 90,00)... 18,00 REMUNERAÇÃO BRUTA ,00 INSS (o empregado já foi descontado no limite máximo do salário-de-contribuição) IR/Fonte: renda tributável ,00 (remuneração das três primeiras semanas de agosto mais a da última de julho) dedução do INSS ,11 dedução do dependente... 90,00 renda líquida ,89 ( 3.024,00 146,11 90,00) alíquota 27,5% parcela a deduzir do imposto 360,00 cálculo do imposto: 2.787,89 x 27,5% = 766,67 360,00 = 406,67 imposto devido [ 406,67 198,77 (valor já retido nas folhas anteriores)]...( ) 207,90 Vale-Transporte (valor das passagens)...( ) 25,00 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos valores da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,10 Nº 03 MÁRCIA FERREIRA A situação desta empregada não se alterou na terceira semana. Salário ,00 Adicional de periculosidade (30% de 250,00)... 75,00 Repouso Semanal Remunerado [1/6 de 325,00 ( 250, ,00)]... 54,17 REMUNERAÇÃO BRUTA ,17 INSS {11% de 1.245,85 [ 379, ,68 (valor utilizado nas semanas anteriores)] 95,33 (valor descontado nas primeiras semanas)}...( ) 41,71 IR/Fonte: renda tributável 1.245,85 dedução do INSS ,04 dedução dos dependentes ,00 renda líquida ,81 ( 1.245,85 137,04 180,00) alíquota 15% parcela a deduzir do imposto 135,00 cálculo do imposto 928,81 x 15% = 139,32 135,00 = 4,32 FASCÍCULO 5.2 COAD 13

14 Como o valor do R/Fonte é inferior a 10,00, não haverá retenção. Vale-Transporte (6% de 250,00)...( ) 15,00 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER...( ) 289,46 Nº 04 RICARDO GOMES A situação do empregado não se alterou na terceira semana. Salário da semana ( 6,00 x 44 h) ,00 Repouso Semanal Remunerado ( 6,00 x 7:20 h)... 44,00 Adicional de Insalubridade {40% x 30,36 [ 0,69 (salário mínimo hora) x 44 h]}... 12,14 Insalubridade sobre o Repouso Remunerado {40% x 5,00 [ 0,69 x 7:20 h]}... 2,02 REMUNERAÇÃO BRUTA ,16 INSS [11% de 1.012,52 ( 322, , ,18)] = 111,38 75,94 (valor retido anteriormente)...( ) 35,44 IR/Fonte: renda tributável ,66 (remuneração das três primeiras semanas de outubro mais a da última de setembro) dedução do INSS ,11 [ 111, ,73 (contribuição descontada na folha da última semana de setembro que foi paga em outubro)] dedução do dependente... 90,00 renda líquida ,55 alíquota 15% parcela a deduzir do imposto 135,00 Cálculo do imposto 1.052,55 x 15 = 157,88 135,00...( ) 22, Vale-Transporte (6% de 264,00)...( ) 15,84 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,00 Nº 05 ORLANDO SOARES Comissões da semana ,00 Repouso Semanal Remunerado ( 380,00 x 1/6)... 63,33 REMUNERAÇÃO BRUTA ,33 INSS {11% de 1.163,33 [ 443, ,00 (valor utilizado nas duas primeiras folhas)]} = 127,97 79,20...( ) 48,77 IR/Fonte: renda tributável ,33 (remuneração das três primeiras semanas de outubro mais a da última de setembro) dedução do INSS...( ) 146,11 dedução dos dependentes...( ) 180,00 ( 90,00 x 2) renda líquida ,22 alíquota 15% parcela a deduzir do imposto 135,00 cálculo do imposto 1.137,22 x = 170,58 135,00...( ) 35,58 Vale-Transporte (6% de 380,00)...( ) 22,80 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,18 FASCÍCULO 5.2 COAD 14

15 FASCÍCULO 5.2 COAD 15 Preenchimento da Folha de Pagamento Nº de Ordem FOLHA DE PAGAMENTO SINTÉTICA EMPRESA: JUTA COMERCIAL LTDA. ENDEREÇO: RUA SOLIMÃO, 64 ROXINHO PE PERÍODO DE 16 A 22 DE OUTUBRO DE 2000 Nome do Empregado Função Salário Comissões Horas Extras Quant. Adicional de Periculosidade Adicional Noturno Repouso Remunerado Adicional de Insalubridade 1 Carlos Silva Estoquista 70,40 3 7,20 13,00 90,60 2 Jonas Peixoto Analista 540,00 108,00 108,00 756,00 3 Márcia Ferreira Supervisora 250,00 75,00 54,17 379,17 4 Ricardo Gomes Pintor 264,00 46,02 12,14 322,16 5 Orlando Soares Vendedor 380,00 63,33 443,33 TOTAL 1.124,40 380,00 7,20 75,00 108,00 284,52 12, ,26 Valor Total MANUAL DE PROCEDIMENTOS

16 9 ( ) 10 ( ) 11 ( ) 12 ( ) 13 ( ) 14 ( ) 15 (+) 16 INSS IR/Fonte Vale-Refeição Vale-Transporte Assistência Médica Total Salário-Família Quotas Valor Líquido a Receber 6,99 8,00 4,22 25,00 44,21 46,39 207,90 8,00 25,00 25,00 265,90 490,10 41,71 8,00 15,00 25,00 89,71 289,46 35,44 22,88 8,00 15,84 25,00 107,16 215,00 48,77 35,58 8,00 22,80 25,00 140,15 303,18 132,91 266,36 40,00 82,86 125,00 647, ,13 FASCÍCULO 5.2 COAD 16

17 d) Quarta Semana de 23 a Nº 01 CARLOS SILVA O empregado nesta semana não realizou horas extras, percebendo somente seu salário normal. Salário da semana ( 1,60 x 44 h)... 70,40 Repouso Semanal Remunerado ( 1,60 x 7:20 h)... 11,80 REMUNERAÇÃO BRUTA... 82,20 INSS {7,72% x 366,46 [ 87, , , , ,46 (remuneração dos dias 30 e 31)]} = 28,20 21,10 (valores retidos nas primeiras semanas)...( ) 7,10 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 70,40)...( ) 4,22 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 Salário-Família [duas quotas ( 9,58 x 2)]...(+) 19,16 VALOR LÍQUIDO A RECEBER... 57,04 Nº 02 JONAS PEIXOTO A situação do empregado permaneceu inalterada na quarta semana. Salário da semana ( 90,00 x 6 dias) ,00 Repouso Semanal Remunerado (1 dia)... 90,00 Adicional Noturno (20% de 540,00) ,00 Adicional Noturno sobre o Repouso Remunerado (20% de 90,00)... 18,00 REMUNERAÇÃO BRUTA ,00 INSS (o empregado já foi descontado no limite máximo do salário-de-contribuição) IR/Fonte (como a renda bruta está abaixo de 900,00 e como a folha somente será paga em , não haverá retenção do imposto) Vale-Transporte (valor das passagens)...( ) 25,00 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,00 Nº 03 MÁRCIA FERREIRA A situação da empregada não se alterou na quarta semana. Salário ,00 Adicional de periculosidade (30% de 250,00)... 75,00 Repouso Semanal Remunerado [1/6 de 325,00 ( 250, ,00)]... 54,17 REMUNERAÇÃO BRUTA ,17 FASCÍCULO 5.2 COAD 17

18 INSS {11% de 82,40 [ 1.328,25 (limite máximo previdenciário) 1.245,85 (valor utilizado nas semanas anteriores)]}...( ) 9,06 IR/Fonte (como a renda bruta está abaixo de 900,00 e como a folha somente será paga em , não haverá retenção do imposto) Vale-Transporte (6% de 250,00)...( ) 15,00 Vale-Refeição [ 20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,11 Nº 04 RICARDO GOMES A situação do empregado não se modificou na quarta semana. Salário da semana ( 6,00 x 44 h) ,00 Repouso Semanal Remunerado ( 6,00 x 7:20 h)... 44,00 Adicional de Insalubridade {40% x 30,36 [ 0,69 (salário mínimo hora) x 44 h]}... 12,14 Insalubridade sobre o Repouso Remunerado {40% x 5,06 [ 0,69 x 7:20 h]}... 2,02 REMUNERAÇÃO BRUTA ,16 INSS [11% de 1.328,25 (limite máximo previdenciário) = 146,11 111,38 (valor já retido nas folhas anteriores)]...( ) 34,73 IR/Fonte (como a renda bruta está abaixo de 900,00 e como a folha somente será paga em , não haverá retenção do imposto) Vale-Transporte (6% de 264,00)...( ) 15,84 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,59 Nº 05 ORLANDO SOARES Comissões da semana ,00 Repouso Semanal Remunerado ( 340,00 x 1/6)... 56,67 REMUNERAÇÃO BRUTA ,67 INSS [11% de 1.328,25 (limite máximo previdenciário) = 146,11 127,97 (valor já retido nas folhas anteriores)]...( ) 18,14 IR/Fonte (como a renda bruta está abaixo de 900,00 e como a folha somente será paga em , não haverá retenção do imposto) Vale-Transporte (6% de 340,00)...( ) 20,40 Vale-Refeição [20% de 40,00 (custo dos vales da semana)]...( ) 8,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/4)...( ) 25,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,13 FASCÍCULO 5.2 COAD 18

19 FASCÍCULO 5.2 COAD 19 Preenchimento da Folha de Pagamento Nº de Ordem FOLHA DE PAGAMENTO SINTÉTICA EMPRESA: JUTA COMERCIAL LTDA. ENDEREÇO: RUA SOLIMÃO, 64 ROXINHO PE PERÍODO DE 23 A 29 DE OUTUBRO DE 2000 Nome do Empregado Função Salário Comissões Horas Extras Quant. Adicional de Periculosidade Adicional Noturno Repouso Remunerado Adicional de Insalubridade 1 Carlos Silva Estoquista 70,40 11,80 82,20 2 Jonas Peixoto Analista 540,00 108,00 108,00 756,00 3 Márcia Ferreira Supervisora 250,00 75,00 54,17 379,17 4 Ricardo Gomes Pintor 264,00 46,02 12,14 322,16 5 Orlando Soares Vendedor 340,00 56,67 396,67 TOTAL 1.124,40 340,00 75,00 108,00 276,66 12, ,20 Valor Total MANUAL DE PROCEDIMENTOS

20 9 ( ) 10 ( ) 11 ( ) 12 ( ) 13 ( ) 14 ( ) 15 (+) 16 INSS IR/Fonte Vale-Refeição Vale-Transporte Assistência Médica Total Salário-Família Quotas Valor Líquido a Receber 7,10 8,00 4,22 25,00 44, ,16 57,04 8,00 25,00 25,00 58,00 698,00 9,06 8,00 15,00 25,00 57,06 322,11 34,73 8,00 15,84 25,00 83,57 238,59 18,14 8,00 20,40 25,00 71,54 325,13 69,03 40,00 80,46 125,00 314, , ,87 FASCÍCULO 5.2 COAD 20

21 FOLHA DE PAGAMENTO QUINZENAL DOS EMPREGADOS Na elaboração da folha de pagamento quinzenal, tomaremos como base o mês de outubro/2000, sendo que diferentemente da folha semanal, os dias trabalhados no mês de outubro/2000 serão pagos nas folhas referentes à primeira e à segunda quinzenas, não havendo neste mês pagamento de dias referentes ao mês anterior. Vamos considerar a quinzena do mês civil, ou seja, de1a15ede16a30domês, sendo que para os horistas e diaristas terá que ser feito o pagamento do dia 31, sendo este pago na última quinzena. Com relação aos descontos, não há diferença em relação à folha semanal, ou seja, a contribuição previdenciária será descontada observado o regime de competência e o IR/Fonte, em relação aos pagamentos. No caso do Repouso Semanal Remunerado, este já se encontra embutido no salário do empregado contratado com remuneração quinzenal. Para os demais, como é o caso do horista e do diarista, o Repouso terá que ser calculado em separado, conforme determina a legislação. Para efeito de pagamento, vamos considerar que os salários foram pagos no 5º dia da quinzena seguinte à quinzena vencida. a) Primeira Quinzena Nº 01 PAULO SILVA O empregado horista, com salário de 1,80, tendo efetuado 5 horas extras, sendo estas remuneradas com 50%. Ele tem dois dependentes menores de 14 anos. Salário da quinzena [ 1,80 x 80:40 h ( :40)] ,20 Repouso Semanal Remunerado ( 1,80 x 7:20 x 4)... 52,80 Horas extras: 5h x 2,70 ( 1,80 x 1,5)... 13,50 Repouso Semanal Remunerado s/ HE ( 13,50 x 1/6)... 2,25 REMUNERAÇÃO BRUTA ,75 INSS (7,72% de 213,75)...( ) 16,50 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 145,20)...( ) 8,71 Vale-Refeição [20% de 80,00 (custo dos vales da quinzena)]...( ) 16,00 Assitência Médica ( 100,00 x 1/2)...( ) 50,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,54 Nº 02 SAULO PEIXOTO O empregado, com salário de 100,00 por dia, tendo sido contratado para trabalhar dentro do período noturno das 22:00 às 5:00 horas, sendo que o mesmo tem um dependente menor de 14 anos. Salário da quinzena ( 100,00 x 11 dias) ,00 Repouso Semanal Remunerado (4 dias) ,00 Adicional Noturno (20% de 1.100,00) ,00 Adicional Noturno sobre o Repouso Remunerado (20% de 400,00)... 80,00 REMUNERAÇÃO BRUTA ,00 INSS [11% de 1.328,25 (limite máximo previdenciário)]...( ) 146,11 IR/Fonte: renda tributável ,00 (remuneração da segunda quinzena de setembro, paga em , mais a da primeira quinzena de outubro) dedução do INSS ,11 dedução do dependente... 90,00 renda líquida ,89 ( 3.600,00 146,11 90,00) alíquota 27,5% parcela a deduzir do imposto 360,00 cálculo do imposto 3.363,89 x 27,5 = 952,07 360,00 121,50 (imposto 100 retido na folha paga em )...( ) 443,57 Vale-Transporte (valor das passagens)...( ) 20,00 Vale-Refeição [20% de 80,00 (custo dos vales da quinzena)]...( ) 16,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/2)...( ) 50,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,32 FASCÍCULO 5.2 COAD 21

22 Nº 03 JOANA FERREIRA A empregada, com salário de 500,00 por quinzena, desenvolve atividade que lhe dá direito ao adicional de periculosidade, sendo que a mesma tem dois dependentes menores de 14 anos. Salário ,00 Adicional de periculosidade (30% de 500,00) ,00 REMUNERAÇÃO BRUTA ,00 INSS (9% de 650,00)...( ) 58,50 IR/Fonte: renda tributável ,00 (remuneração da segunda quinzena de setembro, paga em , mais a da primeira quinzena de outubro) dedução do INSS ,00 ( 1.300,00 x 11%) dedução dos dependentes ,00 renda líquida ,00 ( 1.300,00 143,00 180,00) alíquota 15% parcela a deduzir do imposto 135,00 977,00 x 15% = 146,55 135,00...( ) 11,55 Vale-Transporte (6% de 500,00)...( ) 30,00 Vale-Refeição [20% de 80,00 (custo dos vales da quinzena)]...( ) 16,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/2)...( ) 50,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,95 Nº 04 CARLOS GOMES O empregado com salário de 7,00 por hora, tendo direito ao adicional de insalubridade de 40%. O empregado tem um dependente menor de 14 anos. Salário da quinzena [ 7,00 x 80:40 h ( :40)] ,80 Repouso Semanal Remunerado ( 7,00 x 7:20 hx4) ,60 Adicional de Insalubridade {40% x 55,60 [ 0,69 (salário mínimo hora) x 80:40 h]}... 22,24 Insalubridade sobre o Repouso Remunerado {40% x 20,12 [ 0,69 x 7:20 h x 4]}... 8,05 REMUNERAÇÃO BRUTA ,69 INSS (11% de 800,69)...( ) 88,08 IR/Fonte: renda tributável ,38 (remuneração da segunda quinzena de setembro, paga em , mais a da primeira quinzena de outubro) dedução do INSS ,11 dedução do dependente... 90,00 renda líquida ,27 ( 1.601,38 146,11 90,00) alíquota 15% parcela a deduzir do imposto 135,00 cálculo do imposto: 1.365,27 x 15 = 204,79 135,00...( ) 69, Vale-Transporte (6% de 564,80)...( ) 33,89 Vale-Refeição [20% de 80,00 (custo dos vales da quinzena)]...( ) 16,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/2)...( ) 50,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,93 Nº 05 ALBERTO SOARES O empregado foi contratado para receber comissões sobre as vendas que efetuar, não sendo assegurado ao mesmo salário fixo. Na primeira quinzena, as suas comissões correspondem a 400,00. Ele tem dois dependentes menores de 14 anos. Comissões da quinzena ,00 Repouso Semanal Remunerado ( 400,00 11 x 4) ,44 REMUNERAÇÃO BRUTA ,44 INSS (9% de 545,44)...( ) 49,09 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 400,00)...( ) 24,00 Vale-Refeição [20% de 80,00 (custo dos vales da quinzena)]...( ) 16,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/2)...( ) 50,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,35 FASCÍCULO 5.2 COAD 22

23 FASCÍCULO 5.2 COAD 23 Preenchimento da Folha de Pagamento Nº de Ordem FOLHA DE PAGAMENTO SINTÉTICA EMPRESA: JUTA COMERCIAL LTDA. ENDEREÇO: RUA SOLIMÃO, 64 ROXINHO PE PERÍODO DE 1 A 15 DE OUTUBRO DE 2000 Nome do Empregado Função Salário Comissões Horas Extras Quant. Adicional de Periculosidade Adicional Noturno Repouso Remunerado Adicional de Insalubridade 1 Paulo Silva Servente 145, ,50 55,05 213,75 2 Saulo Peixoto Chefe de Produção 1.100,00 220,00 480, ,00 3 Joana Ferreira Nutricionista 500,00 150,00 650,00 4 Carlos Gomes Jateador 564,80 213,65 22,24 800,69 5 Alberto Soares Vendedor 400,00 145,44 545,44 TOTAL 2.710, ,50 150,00 220,00 894,14 22, ,88 Valor Total MANUAL DE PROCEDIMENTOS

24 9 ( ) 10 ( ) 11 ( ) 12 ( ) 13 ( ) 14 ( ) 15 (+) 16 INSS IR/Fonte Vale-Refeição Vale-Transporte Assistência Médica Total Salário-Família Quotas Valor Líquido a Receber 16,50 16,00 8,71 50,00 91,21 122,54 146,11 443,57 16,00 20,00 50,00 675, ,32 58,50 11,55 16,00 30,00 50,00 166,05 483,95 88,08 69,79 16,00 33,89 50,00 257,76 542,93 49,09 16,00 24,00 50,00 139,09 406,35 358,28 524,91 80,00 116,60 250, , ,09 FASCÍCULO 5.2 COAD 24

25 b) Segunda Quinzena Nº 01 PAULO SILVA O empregado não realizou horas extras na segunda quinzena, permanecendo com o mesmo salário-hora. Salário da quinzena [ 1,80 x 102:40 h ( :40)] ,80 Repouso Semanal Remunerado ( 1,80 x 7:20 x 2)... 26,40 REMUNERAÇÃO BRUTA ,20 INSS [ 8,73% de 424,95 ( 213, ,20) = 37,10 16,50 (valor já retido na primeira quinzena)]...( ) 20,60 IR/Fonte... (isento) Vale-Transporte (6% de 184,80)...( ) 11,09 Vale-Refeição [20% de 80,00 (custo dos vales da quinzena)]...( ) 16,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/2)...( ) 50,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,51 Nº 02 SAULO PEIXOTO A situação do empregado não se alterou na segunda quinzena em relação à primeira. Salário da quinzena ( 100,00 x 14 dias) ,00 Repouso Semanal Remunerado (2 dias) ,00 Adicional Noturno (20% de 1.400,00) ,00 Adicional Noturno sobre o Repouso Remunerado (20% de 280,00)... 56,00 REMUNERAÇÃO BRUTA ,00 INSS (o valor já foi descontado na folha da primeira quinzena pelo limite máximo previdenciário) IR/Fonte: renda tributável ,00 (como a folha da segunda quinzena será paga somente no mês de novembro/2000, não serão somados os valores das folhas anteriores) dedução do INSS (o valor já foi utilizado na folha da primeira quinzena) dedução do dependente... 90,00 renda líquida ,00 ( 1.936,00 90,00) alíquota 27,5% parcela a deduzir do imposto 360,00 cálculo do imposto: 1.846,00 x 27,5 100 = 507,65 360,00...( ) 147,65 Vale-Transporte (valor das passagens)...( ) 20,00 Vale-Refeição [20% de 80,00 (custo dos vales da quinzena)]...( ) 16,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/2)...( ) 50,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,35 Nº 03 JOANA FERREIRA A situação da empregada não se modificou na segunda quinzena. A empregada, com salário de 500,00 por quinzena, desenvolve atividade que lhe dá direito ao adicional de periculosidade, sendo que a mesma possui dois dependentes menores de 14 anos. Salário ,00 Adicional de periculosidade (30% de 500,00) ,00 REMUNERAÇÃO BRUTA ,00 FASCÍCULO 5.2 COAD 25

26 INSS [11% de 1.300,00 ( 650, ,00) = 143,00 58,50 (valor retido na primeira quinzena)]...( ) 84,50 IR/Fonte: como o valor da segunda quinzena será pago somente no mês de novembro/2000, não serão somados os valores das folhas anteriores, portanto, o valor está isento. Vale-Transporte (6% de 500,00)...( ) 30,00 Vale-Refeição [20% de 80,00 (custo dos vales da quinzena)]...( ) 16,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/2)...( ) 50,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,50 Nº 04 CARLOS GOMES A situação do empregado não se modificou na segunda quinzena. Salário da quinzena [ 7,00 x 102:40 h ( :40)] ,80 Repouso Semanal Remunerado ( 7,00 x 7:20 hx2) ,80 Adicional de Insalubridade {40% x 70,78 [ 0,69 (salário mínimo hora) x 102:40 h]}... 28,31 Insalubridade sobre o Repouso Remunerado {40% x 10,06 [ 0,69 x 7:20 h x 2]}... 4,02 REMUNERAÇÃO BRUTA ,93 INSS [11% de 1.328,25 (limite máximo previdenciário) = 146,11 88,08 (valor já retido na folha da primeira quinzena)]...( ) 58,03 IR/Fonte (como a folha será paga somente no mês de setembro, e como a remuneração bruta está abaixo de 900,00, não há retenção de imposto) Vale-Transporte (6% de 718,80)...( ) 43,13 Vale-Refeição [20% de 80,00 (custo dos vales da quinzena)]...( ) 16,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/2)...( ) 50,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,77 Nº 05 ALBERTO SOARES Na segunda quinzena o empregado fez jus a 500,00, a título de comissões. Comissões da quinzena ,00 Repouso Semanal Remunerado ( 500,00 14 x 2)... 71,42 REMUNERAÇÃO BRUTA ,42 INSS [11% de 1.116,86 ( 545, ,42) = 122,85 49,09 (valor já retido na folha da primeira quinzena)]...( ) 73,76 IR/Fonte (como a folha será paga somente no mês de setembro, e como o valor está abaixo de 900,00, não há retenção de imposto) Vale-Transporte (6% de 500,00)...( ) 30,00 Vale-Refeição [20% de 80,00 (custo dos vales da quinzena)]...( ) 16,00 Assistência Médica ( 100,00 x 1/2)...( ) 50,00 VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,66 FASCÍCULO 5.2 COAD 26

27 FASCÍCULO 5.2 COAD 27 Preenchimento da Folha de Pagamento Nº de Ordem FOLHA DE PAGAMENTO SINTÉTICA EMPRESA: JUTA COMERCIAL LTDA. ENDEREÇO: RUA SOLIMÃO, 64 ROXINHO PE PERÍODO DE 16 A 31 DE OUTUBRO DE 2000 Nome do Empregado Função Salário Comissões Horas Extras Quant. Adicional de Periculosidade Adicional Noturno Repouso Remunerado Adicional de Insalubridade 1 Paulo Silva Servente 184,80 26,40 211,20 2 (*) Saulo Peixoto Chefe de Produção 1.400,00 280,00 256, ,00 3 Joana Ferreira Nutricionista 500,00 150,00 650,00 4 Carlos Gomes Jateador 718,80 106,82 28,31 853,93 5 Alberto Soares Vendedor 500,00 71,42 571,42 TOTAL 3.303,60 150,00 280,00 460,64 28, ,55 Valor Total MANUAL DE PROCEDIMENTOS

28 9 ( ) 10 ( ) 11 ( ) 12 ( ) 13 ( ) 14 ( ) 15 (+) 16 INSS IR/Fonte Vale-Refeição Vale-Transporte Assistência Médica Total Salário-Família Quotas Valor Líquido a Receber 20,60 16,00 11,09 50,00 97,69 113,51 147,65 16,00 20,00 50,00 233, ,35 84,50 16,00 30,00 50,00 180,50 469,50 58,03 16,00 43,13 50,00 167,16 686,77 73,76 16,00 30,00 50,00 169,76 401,66 236,89 147,65 80,00 134,22 250,00 848, ,79 FASCÍCULO 5.2 COAD 28

29 FOLHA DE PAGAMENTO DOS AUTÔNOMOS A legislação previdenciária exige que as empresas tomadoras dos serviços de trabalhadores autônomos elaborem folha de pagamento referente aos valores pagos pelos serviços prestados. Define-se como autônomo a pessoa física que exerce, habitualmente e por conta própria, atividade profissional remunerada, prestando serviço, de natureza urbana e rural, em caráter eventual a uma ou mais empresas, sem relação de emprego. O conceito de salário e remuneração não se estende aos valores pagos aos trabalhadores autônomos. Portanto, estes recebem somente o valor cobrado pela prestação dos seus serviços. Como os trabalhadores autônomos não recebem salário ou remuneração, os valores pagos aos mesmos não repercutem para nenhum efeito, não estando sujeitos aos mesmos descontos que incidem na remuneração dos empregados. Na folha de pagamento a empresa deverá discriminar nome, número de inscrição, serviço prestado, classe de enquadramento na escala de salários-base, quando sujeito à mesma, valor do serviço e da contribuição CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA O valor pago ao trabalhador autônomo não está sujeito a desconto de contribuição previdenciária, já que, nesta qualidade, ele contribui para a Previdência Social como contribuinte individual, efetuando o próprio recolhimento da sua contribuição. Apesar de não descontar contribuição do autônomo, as empresas estão sujeitas a contribuir com recursos próprios sobre o valor do serviço prestado, sendo que a alíquota será de 20% IR/FONTE Os valores pagos aos autônomos estão sujeitos ao desconto do Imposto de Renda na Fonte, mediante aplicação de alíquotas progressivas, observado o limite de isenção fixado na Tabela Progressiva. O limite de isenção, a Tabela Progressiva, bem como os demais procedimentos para retenção do IR/Fonte no trabalho autônomo, podem ser observados no item , que consta do Fascículo AUTÔNOMO CARRETEIRO Autônomo carreteiro é o motorista, condutor de veículo para transporte de cargas ou mercadorias, que presta serviços de caráter eventual, sem vínculo empregatício, a uma ou mais empresas. Considera-se transportador rodoviário autônomo de bens a pessoa física, proprietária de um só veículo, devidamente cadastrado em órgão disciplinar competente, que, com seu veículo, contrate serviço, sem vínculo empregatício, de transporte a frete, de carga ou de passageiro, em caráter eventual ou continuado, com empresa de transporte rodoviário de bens, ou diretamente com os usuários desse serviço. Em princípio, aplica-se aos autônomos carreteiros os mesmos procedimentos analisados no item 5.2.8, e Contribuição Previdenciária No caso do autônomo carreteiro, a legislação previdenciária estabelece procedimento específico para apuração do valor de sua remuneração. Para a Previdência Social, o valor que o autônomo cobra pelo serviço de transporte não se constitui na sua remuneração, mais sim no valor do frete. Para se obter o valor da remuneração, a empresa deve aplicar 11,71% sobre o valor cobrado pelo frete. O valor resultante é que servirá de base da contribuição previdenciária Contribuição para o SEST e o SENAT Os transportadores rodoviários autônomos contribuem obrigatoriamente com 1,5% para o SEST e 1% para o SENAT, incidindo ambas as contribuições sobre o salário-de-contribuição. Qualquer pessoa jurídica, seja ela transportadora ou não, que contratar os serviços de transportador rodoviário autônomo, deve descontar a contribuição devida por este ao SEST e ao SENAT IR/FONTE A legislação do Imposto de Renda considera como tributáveis os seguintes percentuais decorrentes de prestação de serviços de transporte, em veículo próprio, locado, inclusive mediante arrendamento mercantil, ou adquirido com reserva de domínio ou alienação fiduciária: a) 40% do valor do serviço, decorrente do transporte de carga; b) 60% do valor do serviço, decorrente do transporte de passageiros. Assim, da mesma forma que a Previdência Social, a legislação do IR/Fonte estabelece os procedimentos para se apurar o valor da remuneração do autônomo carreteiro, não sendo tributado todo o valor do frete, mas tão-somente o valor resultante da aplicação dos percentuais constantes das letras a e b anteriores RECIBO DE PAGAMENTO O pagamento do autônomo deve ser realizado mediante recibo, confeccionado pela própria empresa ou adquirido em papelaria. FASCÍCULO 5.2 COAD 29

30 EXEMPLO PRÁTICO Demonstraremos, a seguir, o preenchimento da folha de pagamento analítica e sintética dos autônomos que prestaram serviços no mês de outubro/2000. Nº 01 ROBERTO COUTO Empresa contrata um autônomo não inscrito na Previdência Social, para realizar o serviço de pedreiro, sendo que pagará pelo serviço a importância de 500,00. Remuneração Bruta ,00 IR/Fonte (Isento) VALOR A RECEBER ,00 CONTRIBUIÇÃO DA EMPRESA PARA O INSS 500,00 x = 100,00 Nº 02 FRANCISCO DA SILVA A empresa contrata os serviços do autônomo carreteiro, inscrito no INSS sob o nº , contribuindo na classe 4, para o transporte de lingotes de chumbo, no valor de 1.400,00. VALOR DO FRETE 1.400,00 Cálculo da Remuneração: 11,71% de 1.400, ,00 x 11, = 163,94 REMUNERAÇÃO BRUTA PARA O INSS ,94 SEST (1,5% de 163,94)...( ) 2,46 SENAT (1% de 163,94)...( ) 1,64 IR/Fonte Cálculo da Remuneração: 40% de 1.400, ,00 x 40 = 560, Como o valor da remuneração ficou abaixo de 900,00, ele ficou isento do imposto. VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,84 CONTRIBUIÇÃO DA EMPRESA PARA O INSS 163,94 x 20 = 32, Nº 03 MARIA DO SOCORRO A empresa contratou os serviços de arte gráfica, para serem prestados por uma autônoma, pelo qual vai pagar a importância de 2.600,00, sendo a mesma inscrita no INSS sob o nº , na classe 5 da escala de salários-base, recolhendo mensalmente a contribuição de 132,83. Remuneração Bruta ,00 IR/Fonte Rendimento Tributável ,00 Dedução do INSS...( ) 132,83 Renda Líquida ,17 Alíquota 27,5% Parcela a deduzir do Imposto 360,00 Cálculo do Imposto 2.467,17 x 27,5 = 678,47 360,00...( ) 318, VALOR LÍQUIDO A RECEBER ,53 CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA DA EMPRESA 2.600,00 x 20 = 520, FASCÍCULO 5.2 COAD 30

31 FASCÍCULO 5.2 COAD 31 Preenchimento da Folha de Pagamento Nº de Ordem FOLHA DE PAGAMENTO SINTÉTICA DOS AUTÔNOMOS EMPRESA: JUTA COMERCIAL LTDA. ENDEREÇO: RUA SOLIMÃO, 64 ROXINHO PE PERÍODO DE 1 A 31 DE OUTUBRO DE 2000 Nome do Autônomo 1 Roberto Couto Nº de Inscrição (Nº do PIS/PASEP) Serviço Prestado Classe de Enquadramento Valor da Contribuição 1 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) Valor do Serviço IR/Fonte SEST SENAT Pedreiro 100,00 500,00 500,00 2 Francisco da Silva Transporte 4 32,79 163,94 2,46 1,64 159,84 3 Maria do Socorro Arte Gráfica 5 520, ,00 318, ,53 TOTAL 652, ,94 318,47 2,46 1, ,37 Total MANUAL DE PROCEDIMENTOS

32 FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPRESÁRIOS Como a legislação determina que a empresa elabore folha de pagamento para os segurados a seu serviço, ela também terá de elaborar a folha em relação aos chamados empresários. Como empresários, podemos definir: a) o titular de firma individual urbana ou rural; b) o diretor não empregado; c) o membro de conselho de administração de sociedade anônima; d) todos os sócios, na sociedade em nome coletivo; e) sócio quotista que participa da gestão ou que recebe remuneração decorrente de seu trabalho, na sociedade por quotas de responsabilidade limitada, urbana ou rural; f) todos os sócios, na sociedade de capital e indústria; g) o associado eleito para cargo de direção, observada a legislação pertinente, na cooperativa, associação ou entidade de qualquer natureza ou finalidade, bem como o síndico ou cabecel eleito ou contratado para exercer atividade de direção condominial ELEMENTOS DA FOLHA DE PAGAMENTO A folha de pagamento dos empresários deverá conter os mesmos elementos que analisamos em relação aos autônomos, e que constam do item REMUNERAÇÃO A legislação previdenciária define como remuneração para o empresário as importâncias pagas ou creditadas pela empresa, a qualquer título, inclusive os ganhos habituais sob a forma de utilidade, exceto o lucro distribuído. Incluem-se na remuneração todas as retribuições ou benefícios em decorrência do exercício do cargo ou função, tais como: a) retirada pro labore; b) gratificação a qualquer título; c) verba de representação; d) comissão e corretagem; e) contraprestação de arrendamento mercantil ou o aluguel ou, quando for o caso, os respectivos encargos de depreciação atualizados monetariamente até a data do balanço: de veículo utilizado no transporte de administradores, diretores, gerentes e seus assessores, ou de terceiros, em relação à pessoa jurídica; de imóvel cedido para uso de qualquer pessoa dentre as acima referidas. f) despesas com benefícios e vantagens concedidos pela empresa e seus empresários, pagas diretamente ou através de contratação de terceiros, a saber: aquisição de alimentos ou quaisquer outros bens, para utilização do empresário, fora do estabelecimento da empresa; pagamentos relativos a clubes e assemelhados; salário e respectivos encargos sociais de empregados postos à disposição, ou cedidos pela empresa a seus empresários; conservação, custeio e manutenção dos bens referidos na alínea e ; adiantamentos, empréstimos ou financiamentos recebidos da empresa e ressarcidos, à mesma, sem a devida atualização monetária, distribuídos aos empresários; outras despesas ou vantagens pessoais Apuração da Remuneração Para apuração do valor da remuneração paga ou creditada ao empresário, durante o mês, serão examinados, dentre outros, os seguintes elementos: a) registros contábeis (livros diário e/ou razão, e, quando for o caso, o livro caixa); b) demonstrações financeiras e balancetes; c) comprovantes de lançamentos contábeis; d) recibo e/ou folha de pagamento; e) Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF); f) Declaração do Imposto de Renda na Fonte (DIRF); FASCÍCULO 5.2 COAD 32

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Lei Complementar nº 87 de 13 de setembro de 1996.... 4 3.2 Convênio ICMS

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Operações com Pessoal 1 Folha de Pagamento de Salários Conceito É o documento no qual são relacionados os nomes dos empregados com

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Durante o ano de 2014 contribuí para a Previdência Social como autônoma. Como devo fazer para deduzir esses valores? Qual campo preencher? Se pedirem CNPJ, qual devo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

Práticas trabalhistas

Práticas trabalhistas Resumo Neste capítulo, discorreremos sobre a prática da folha de pagamento da parte empregado, patrão e autônomos, algumas das principais leis trabalhistas brasileiras da parte do empregado e da parte

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL Décimo Terceiro Salário Nesta orientação, vamos apresentar como deve ser preenchida a declaração do SEFIP Sistema

Leia mais

Código: Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Diretoria de Administração. Orientação Normativa

Código: Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Diretoria de Administração. Orientação Normativa Versão: 1/2007 Nome: para recolhimento de tributos previdenciários e IR I Introdução: Devido às dúvidas originadas por várias unidades da Fiocruz no que se refere ao recolhimento de Tributos Previdenciários

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

Índice. Apresentação... 03. Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03. Contribuintes do SEST/SENAT... 03. Como contribuir ao SEST/SENAT...

Índice. Apresentação... 03. Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03. Contribuintes do SEST/SENAT... 03. Como contribuir ao SEST/SENAT... Índice Apresentação... 03 Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03 Contribuintes do SEST/SENAT... 03 Como contribuir ao SEST/SENAT... 04 Alíquotas das Contribuições e Vencimentos... 04 Formas de Contribuição...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de 10/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Incidência do IRRF para

Leia mais

ORIENTAÇÃO. Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos

ORIENTAÇÃO. Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos ORIENTAÇÃO VALE-TRANSPORTE Normas Concessão do Vale-Transporte pelo empregador deve obedecer a certos procedimentos O benefício do Vale-Transporte foi instituído com a finalidade de amenizar os gastos

Leia mais

6 FOLHA DE PAGAMENTO E PROVISÕES

6 FOLHA DE PAGAMENTO E PROVISÕES 6 FOLHA DE PAGAMENTO E PROVISÕES Salários, salário família, INSS, IRRF, adiantamento de salário, vale transporte Sobre a remuneração (salários, horas extras, gratificações) do empregado incide INSS e IRRF.

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003

Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003 Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003 01 De que trata a Instrução Normativa 89? A IN 89 trata da contribuição adicional para financiamento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁ RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10.

CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10. São Paulo, 21 de Agosto de 2003 DE: MÁRCIO FERNANDES DA COSTA PARA: ASSOCIADOS CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10.666 DE 08/05/2003

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos

Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos Treinamento da DIRF e Comprovante de Rendimentos Este treinamento tem o objetivo de demonstrar as informações e funcionalidades da DIRF em relação às rotinas específicas do sistema JB Folha de Pagamento.

Leia mais

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como:

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como: VALE-TRANSPORTE 1. Introdução O vale-transporte foi instituído pela Lei nº 7.418 de 16.12.85, regulamentada pelo Decreto nº 92.180/85, revogado pelo de nº 95.247, de 17.11.87, consiste em benefício que

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA JURÍDICA. Receita Federal do Brasil

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA JURÍDICA. Receita Federal do Brasil CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR Receita Federal do Brasil SEFIP/GFIP? Como declarar no SEFIP/GFIP a Receita da Comercialização Rural Versão 8.4 SENAR Previdência Rural CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário complemento de 13º Salário 01/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

MÓDULO FOLHA DE PAGAMENTO FOLHA DE PAGAMENTO 5.1

MÓDULO FOLHA DE PAGAMENTO FOLHA DE PAGAMENTO 5.1 MÓDULO 5 FOLHA DE PAGAMENTO 5.1 FOLHA DE PAGAMENTO DEPARTAMENTO DE PESSOAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 5.1. FOLHA DE PAGAMENTO... 3 5.1.1. INTRODUÇÃO... 3 5.1.2. OBRIGATORIEDADE DE ELABORAÇÃO...

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

Seu futuro está em nossos planos!

Seu futuro está em nossos planos! 1/8 CONHEÇA O PLANO DE BENEFÍCIOS CD-METRÔ DF Seu futuro está em nossos planos! 2014 2/8 1 Quem é a REGIUS? A REGIUS Sociedade Civil de Previdência Privada é uma entidade fechada de previdência privada,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Palestra Imposto de Renda: "entenda as novas regras para os profissionais da Odontologia" Abril/2015 Palestra Imposto de Renda 2015 A Receita Federal do Brasil RFB para o exercício

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR A CPSA deverá solicitar, salvo em caso de dúvida, somente um dos seguintes comprovantes de identificação: 1. Carteira

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

Instruções Folha de Pagamento

Instruções Folha de Pagamento Instruções Folha de Pagamento Rotina 20 Instruções DIRF Informações Iniciais Entrega da Declaração (Instrução Normativa RFB. 1.216 15/12/2011) o A DIRF deverá ser entregue até as 23h59min59s (horário de

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015 DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015 Regulamento para a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda, PESSOA FÍSICA, exercício de 2015, ano-calendário de 2014. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA

Leia mais

Remuneração do síndico e INSS

Remuneração do síndico e INSS Remuneração do síndico e INSS Cerca de 85% dos síndicos são remunerados, isentos ou têm desconto na taxa No último censo realizado pelo SíndicoNet, em novembro de 2010 com 1.576 entrevistados, foi possível

Leia mais

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR DOCUMENTAÇÃO APRESENTADA PELO ESTUDANTE Após concluir sua inscrição no SisFIES, o estudante deverá procurar a Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) em sua instituição de ensino e validar

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária Todo(a) brasileiro(a), a partir de 16 anos de idade, pode filiar-se à Previdência Social e pagar mensalmente a contribuição para assegurar os seus direitos e a proteção à sua família. Vejamos com isso

Leia mais

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA Prezado Credenciado, A Postal Saúde Caixa de Assistência e Saúde dos Empregados dos Correios, pessoa jurídica de direito privado, associação sem fins lucrativos, operadora de plano de saúde na modalidade

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO O décimo terceiro salário (13º Salário) é o nome mais conhecido da gratificação de natal. É um salário extra, pago ao trabalhador urbano e rural, inclusive o doméstico e o avulso,

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR - Carteira de Identidade fornecida pelos órgãos de segurança pública das Unidades da Federação;

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal 03/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão...

Leia mais

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE Ano Calendário/ 2010 Quer entender um pouco mais sobre este documento? Conheça as informações que devem constar em cada quadro

Leia mais

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos BRASIL Guia de Declaração IR 2014- Investimentos O dia 30/04/2014 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 e com o objetivo de

Leia mais

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 15 CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL A Seguridade Social é financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, mediante recursos provenientes

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil Guia de Declaração IR 2014 Investimentos Março de 2014 Brasil Guia de Declaração IR 2014 - Investimentos O prazo de entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 tem início no dia 6 de março e o

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto

Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA. Prof. Carlos Barretto Unidade II CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Contabilidade financeira Na Unidade II veremos as peculiaridades da folha de pagamento de uma empresa com funcionários mensalistas No Modulo I

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE?

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? SUMÁRIO I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 - RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA... 23 II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS II.1 - IRRF - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS... 29 II.1.1 - Hipóteses

Leia mais

b) agrupados, por categoria, os segurados empregado, trabalhador avulso e contribuinte individual;

b) agrupados, por categoria, os segurados empregado, trabalhador avulso e contribuinte individual; Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009 DOU de 17.11.2009 O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 261 do Regimento Interno

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR O coordenador do ProUni deverá solicitar, salvo em caso de

Leia mais

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties ALUGUÉIS Retenção do Imposto Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties A legislação tributária prevê que constituem rendimento bruto sujeito ao Imposto de Renda

Leia mais

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade Desde o dia 02/03/2015 iniciamos o período de entrega da declaração de imposto de renda pessoa física de 2015 com base nos fatos ocorridos no ano de 2014, a declaração poderá ser transmitida até o dia

Leia mais

Gilson Fernando Ferreira de Menezes ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS NA CONCESSÃO DE SALÁRIOS INDIRETOS E BENEFÍCIOS

Gilson Fernando Ferreira de Menezes ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS NA CONCESSÃO DE SALÁRIOS INDIRETOS E BENEFÍCIOS Gilson Fernando Ferreira de Menezes ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS NA CONCESSÃO DE SALÁRIOS INDIRETOS E BENEFÍCIOS Tributo Conceito Corresponde à toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Previdência Social sob a forma de Regime Geral

Previdência Social sob a forma de Regime Geral Previdência Social sob a forma de Regime Geral Estrutura do Sistema Previdenciário no Brasil Regime Geral de Previdência Social (RGPS) Administrado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS); Obrigatório,

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

RETENÇÕES SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA

RETENÇÕES SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA RETENÇÕES SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA 2013 Visando esclarecer os procedimentos devidos para retenção dos tributos e contribuições sobre serviços contratados de Pessoas Físicas não assalariadas

Leia mais

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro;

b) o 13º salário é quitado no decorrer do ano. Nos casos de haver parcela variável, o valor decorrente disso terá seu saldo quitado em janeiro; 16/11/2011 (Artigo)13º SALÁRIO - ADIANTAMENTOS, PROVISÃO E BAIXA 1. Considerações Iniciais O 13º salário é um direito que o empregado vai adquirindo ao longo do ano, proporcionalmente ao número de meses

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA REMUNERAÇÃO INDIRETA - TRATAMENTO TRIBUTÁRIO Introdução - Cômputo na Remuneração do Beneficiário

Leia mais

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCRITA FISCAL A nota eletrônica é melhor do que a nota em papel? Sim a nota eletrônica não possui custo para emissão, necessitando apenas de um computador, um certificado digital

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo da contribuição previdenciária sobre Pro Labore

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo da contribuição previdenciária sobre Pro Labore Cálculo da contribuição previdenciária sobre Pro 10/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF. Rubricas INSS FGTS IRRF

TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF. Rubricas INSS FGTS IRRF TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS Este procedimento trata das incidências de INSS, FGTS e IRRF sobre as verbas trabalhistas. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF Rubricas INSS FGTS IRRF 1 - Abono pecuniário de

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Tabela de incidência Tributária

Tabela de incidência Tributária Tabela de incidência Tributária INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e,

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

lei do vale-transporte

lei do vale-transporte www.vb.com.br lei do vale-transporte Esta apresentação é uma iniciativa da VB para você ter acesso de forma simples e prática aos principais pontos da Lei do Vale-transporte. Aqui, você poderá tirar suas

Leia mais

Aquisição ou venda feita em 2014 deve ser informada à Receita. Dica é conhecer

Aquisição ou venda feita em 2014 deve ser informada à Receita. Dica é conhecer Informativo Abril/2015 edição 20 Aquisição ou venda feita em 2014 deve ser informada à Receita. Dica é conhecer detalhes para evitar a malha fina. A declaração de imóveis no Imposto de Renda requer uma

Leia mais

INFORMATIVO GFIP/SEFIP

INFORMATIVO GFIP/SEFIP PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS Diretoria de Receitas Previdenciárias DIREP Coordenação Geral de Arrecadação CGA Divisão de Declarações INFORMATIVO GFIP/SEFIP Nº 003 SALÁRIO-MATERNIDADE

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

TABELA ESTIMATIVA MICRO

TABELA ESTIMATIVA MICRO ESTADO EMPRESA TABELA ESTIMATIVA MICRO Artigo 161 O valor do imposto estimado, devido mensalmente pela microempresa, será apurado com base na receita bruta auferida pelo estabelecimento, observados os

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Envio das informações sobre os valores do adiantamento salarial para o Manad

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Envio das informações sobre os valores do adiantamento salarial para o Manad Envio das informações sobre os valores do adiantamento salarial para o Manad 15/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Simples Doméstico Legislação Lei Complementar n 150/2015 Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Quem é empregado doméstico? Art. 1 o da LC n 150/2015 Ao empregado doméstico, assim considerado

Leia mais

Cálculos Trabalhistas e Previdenciários

Cálculos Trabalhistas e Previdenciários CURSO Cálculos Trabalhistas e Previdenciários Orientador Rogério Andrade Henriques Advogado; especialista em Direito do Trabalho e Previdenciário; instrutor de cursos empresariais na Área Trabalhista e

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão IMPOSTO DE RENDA Distribuição Gratuita Pessoa Física É hora de acertar as contas com o Leão CONTRATE UM PROFISSIONAL E EVITE PROBLEMAS Entre em contato conosco 47 3028-1483 contabilize@contabilizesc.com.br

Leia mais

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência Boletim de Relacionamento Previdência Imposto de Renda Sul América Previdência Prezado Participante, Desenvolvemos um guia para que você, que possui um Plano de Previdência PGBL ou Tradicional ou um Plano

Leia mais

INFORME DE RENDIMENTOS

INFORME DE RENDIMENTOS INFORME DE RENDIMENTOS Consultoria Técnica / Obrigações Acessórias Circular 06/2015 1. INTRODUÇÃO Instituído pela Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal sob nº 690 de 20/12/2006, as instituições

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil Guia Declaração Imposto de Renda 2013 Investimentos Março de 2013 Brasil Guia de Declaração IR 2013 -Investimentos 2 O dia 30/04/2013 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2013

Leia mais

http://www.merchant.com.br

http://www.merchant.com.br DOU de 29.10.2004 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. O SECRETÁRIO

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR Muito embora não seja uma novidade, já que a maioria das pessoas estejam obrigadas a entregar a Declaração de Imposto de Renda, trazemos aqui alguns

Leia mais