B2 - PODER NACIONAL E SUAS EXPRESSÕES. Profa: Maria Leonor da S. Teixeira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "B2 - PODER NACIONAL E SUAS EXPRESSÕES. Profa: Maria Leonor da S. Teixeira"

Transcrição

1 B2 - PODER NACIONAL E SUAS EXPRESSÕES Profa: Maria Leonor da S. Teixeira 1

2 O B J E T I V O Identificar o Poder Nacional como instrumento de que dispõe a Nação para a execução da Estratégia, com vistas à consecução da Política Nacional. 2

3 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Considerações Gerais 3. Conceitos e Características - Estrutura - Avaliação - Preparo e Emprego 4. Potencial, Projeção e Expansão do PN 5. Conclusão 3

4 NAÇÃO GRUPO COMPLEXO, CONSTITUÍDO POR GRUPOS SOCIAIS DISTINTOS QUE, EM PRINCÍPIO, OCUPANDO, UM MESMO ESPAÇO FÍSICO, COMPARTILHAM DA MESMA EVOLUÇÃO HISTORICO- CULTURAL E DOS MESMOS VALORES, MOVIDOS PELA VONTADE DE COMUNGAR UM MESMO DESTINO 4

5 E S T A D O A Nação, ao se organizar politicamente, escolhe um modo de aglutinar, expressar e aplicar o seu Poder de maneira mais eficaz, mediante a criação de uma macroinstituição especial o Estado a quem delega a faculdade de instituir e pôr em execução o processo politicojuridico, a coordenação da vontade coletiva e a aplicação judiciosa de parte substancial de seu Poder. 5

6 ESTADO NAÇÃO POLITICAMENTE ORGANIZADA. 6

7 PODER Poder é a capacidade de impor a nossa vontade. Poder é a produção de efeitos desejados Bertrand Russel 7

8 P O D E R Poder é um fenômeno social no qual uma vontade, individual ou coletiva, se manifesta com capacidade de estabelecer uma relação social da qual resulta a produção de efeitos desejados que, de outra maneira não ocorreriam espontaneamente. 8

9 LEIS DA ESTÁTICA DO PODER LEI DA UNIVERSALIDADE O poder está em toda parte na sociedade. Lei da integralidade A eficácia do poder aumenta à proporção que se desenvolve o processo de integração de seus elementos constitutivos. Lei da pluralidade O poder se expressa de diferentes formas. A preponderância aparente de uma delas não exclui, nem diminui, a importância das demais. 9

10 LEIS DA DINÂMICA DO PODER LEI DA CONSERVAÇÃO - O poder muda de aspecto, porém, não muda de natureza. LEI DA EXPANSÃO - Todo poder tende a se expandir até que outro o impeça. LEI DA RELATIVIDADE - Qualquer poder em sua atuação, só pode ser considerado em relação a outro poder que o enfrente, efetiva ou virtualmente. LEI DA EFICIÊNCIA - O poder é função de sua própria eficiência. LEI DA DEFRONTAÇÃO - O poder que se expande se defronta. 10

11 PODER NACIONAL O conceito de Poder Nacional destaca o papel do Homem em sua composição, para que ele não figure apenas como mais um daqueles meios de que o Poder dispõe, valorizando, assim, sua tríplice condição de: - origem do Poder Nacional; - agente principal de seu emprego; e - destinatário final dos resultados assim obtidos. 11

12 PODER NACIONAL Conjunto de condições políticas e psicossociais, e de recursos econômicos e militares, de que uma nação dispõe para alcançar e manter, tantono âmbito interno quanto no campo internacional, seus objetivos nacionais, a despeito dos antagonismos que se lhe oponham. Dicionário Aurélio 12

13 PODER NACIONAL É a capacidade que tem o conjunto de Homens e Meios que constituem a Nação, para alcançar e manter os Objetivos Nacionais, em conformidade com a Vontade Nacional. ESG 13

14 CARACTERÍSTICAS DO PODER Dentre as características do PN, destacam-se: -Sentido instrumental destaca o erro de entendê-lo como um fim em si mesmo. Ele é um meio para a produção de efeitos -Caráter de integralidade é o resultado do efeito sinérgico, em que todos os componentes se intercondicionam, se interligam e se completam. - Relatividade - relação entre o PN e os óbices que se antepõem ao seu emprego (intencionalmente ou não) à busca do Bem Comum. Seu valor é relativo e a avaliação de sua capacidade exige uma análise racional, abrangente e cuidadosa. 14

15 ESTRUTURA DO PN A análise da estrutura do PN é realizada sob dois aspectos que se articulam sistematicamente: No primeiro, ele é visto pelo ângulo organizacional, envolvendo todos os seus elementos constitutivos, bem como as relações existentes entre eles, constituindo-se de: - Fundamentos elementos básicos da nacionalidade - Homem, Terra, Instituições permite deles inferir os próprios Fundamentos do Poder Nacional, qualquer que seja sua estrutura. - Fatores os elementos dinâmicos que influem sobre os seus Fundamentos, valorizando-os ou depreciando-os; - Organizações - agentes que promovem os fatores; e - Funções desempenhadas pelas Organizações. 15

16 INSTITUIÇÕES Constituem o complexo integrado por idéias, normas, padrões de comportamento e relações inter-humanas, organizadas em torno de um interesse socialmente reconhecido. 16

17 ESTRUTURA DO PN No segundo, é estudado de acordo com a natureza prevalente de suas manifestações e dos elementos que as produzem. Essas manifestações se expressam através das cinco EXPRESSÕES DO PODER NACIONAL: 1. Expressão Política; 2. Expressão Econômica; 3. Expressão Psicossocial; 4. Expressão Militar; e 5. Expressão Científica e Tecnológica, 17

18 FUNDAMENTOS DO PODER NACIONAL HOMEM TERRA INSTITUIÇÕES 18

19 EXPRESSÃO POLÍTICA DO PN Expressão Política do Poder Nacional é a manifestação de natureza preponderantemente Política do Poder Nacional, que contribui para alcançar e manter os Objetivos Nacionais. 19

20 EXPRESSÃO POLÍTICA HOMEM TERRA INSTITUIÇÕES POVO TERRITÓRIO INSTITUIÇÕES POLÍTICAS 20

21 EXPRESSÃO ECONÔMICA DO PN Expressão Econômica do Poder Nacional é a manifestação de natureza preponderantemente econômica, do Poder Nacional, que contribui para alcançar e manter os Objetivos Nacionais. 21

22 EXPRESSÃO ECONÔMICA HOMEM TERRA INSTITUIÇÕES RECURSOS HUMANOS RECURSOS NATURAIS INSTITUIÇÕES ECONÔMICAS 22

23 EXPRESSÃO PSICOSSOCIAL DO PN Expressão Psicossocial do Poder Nacional é a manifestação de natureza preponderantemente psicológica e social, do Poder Nacional, que contribui para alcançar e manter os Objetivos Nacionais. 23

24 EXPRESSÃO PSICOSSOCIAL HOMEM TERRA INSTITUIÇÕES PESSOA AMBIENTE INTITUIÇÕES SOCIAIS 24

25 EXPRESSÃO MILITAR DO PN Expressão Militar do Poder Nacional é a manifestação de natureza preponderantemente militar do Poder Nacional, que contribui para alcançar e manter os Objetivos Nacionais. 25

26 EXPRESSÃO MILITAR HOMEM TERRA INSTITUIÇÕES RECURSOS HUMANOS TERRITÓRIO INSTITUIÇÕES MILITARES 26

27 EXPRESSÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO PN Expressão Científica e Tecnológica do Poder Nacional é a manifestação preponderantemente científica e tecnológica do Poder Nacional, que contribui para alcançar e manter os Objetivos Nacionais. 27

28 EXPRESSÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA HOMEM TERRA INSTITUIÇÕES RECURSOS HUMANOS RECURSOS NATURAIS E MATERIAIS INSTITUIÇÕES CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS 28

29 PRECAUÇÕES: 1-Uma Expressão do Poder Nacional, além de produzir efeitos em sua dimensão específica, causa normalmente reflexos nas demais expressões. 2 - Uma Expressão do Poder Nacional pode ser constituída de elementos de qualquer natureza, embora predominem os que lhe são peculiares. 29

30 AVALIAÇÃO DO PODER NACIONAL A impossibilidade de uma Nação dispor de poder suficiente para alcançar todos os seus objetivos, sobrepondo-se a óbices de qualquer tipo, explica a necessidade de incluir em sua avaliação: O exame de suas possibilidades; O exame de suas vulnerabilidades em relação aos óbices; e Formulação de juízo de valor sobre sua capacidade. 30

31 PREPARO DO PODER NACIONAL Consiste em um conjunto de atividades executadas com o objetivo de fortalecê-lo, seja mantendo e aperfeiçoando o poder existente, seja transformando potencial em Poder. 31

32 EMPREGO DO PODER NACIONAL Consiste em seu uso, através de Políticas e Estratégias que, propiciem as condições de Segurança necessárias ao processo de Desenvolvimento da Nação. 32

33 POTENCIAL NACIONAL É o conjunto dos Homens e Meios de que dispõe a Nação, em estado latente, passível de ser transformado em Poder. 33

34 POTENCIAL NACIONAL UTILIZÁVEL É a parcela do Potencial Nacional passível de ser transformada em poder num prazo determinado. Essa transformação será obtida por meio de medidas de mobilização. 34

35 PODER NACIONAL ATUAL Pode sofrer desgaste, vindo a ser, no futuro, até menor; mas pode vir a ser maior à medida que os resultados da transformação do Potencial Nacional em Poder superem os efeitos decorrentes daquele desgaste. 35

36 PODER NACIONAL FUTURO É o conjunto dos homens edosmeios de que irá dispor a Nação, ao término de um prazo determinado, para alcançar e preservar os Objetivos Nacionais. 36

37 PODER ESTATAL É a parcela do Poder Nacional disponibilizada ao Governo pela sociedade nacional, para que sejam alcançados e preservados os Objetivos de Estado e de Governo. 37

38 PROJEÇÃO DO PODER NACIONAL Projeção do Poder Nacional é o processo pelo qual a Nação aumenta, de forma pacífica, sua influência no cenário internacional, através da manifestação produzida com recursos de todas as Expressões do Poder Nacional. EX: Projeção cultural, política, econômica, científica-tecnológica, militar e outras. 38

39 EXPANSÃO DO PODER NACIONAL Expansão do Poder Nacional é a manifestação produzida através do emprego de todas as suas Expressões, por meio das quais uma Nação impõe ou tenta impor sua vontade além de suas fronteiras, com o propósito de controlar áreas estratégicas específicas. OBS: A doutrina da ESG não adota os regimes expansionistas Tais como: colonialismo, expansão de base física e outros. 39

40 ESTATURA POLITICO-ESTRATÉGICA DE UMA NAÇÃO É o conjunto de seus atributos que são percebidos e reconhecidos pelas demais Nações, e que definem o nível relativo de sua participação e influência no contexto internacional. Obs: - Modo como o poder é percebido e avaliado por outras nações 40

41 CONCLUSÃO O Poder Nacional é um instrumento que a Nação usa para conquistar e manter os Objetivos Nacionais, através da Política Nacional (que o orienta) e da Estratégia Nacional (que o prepara e emprega) tendo em vista o atendimento das necessidades da Segurança e do Desenvolvimento. 41

42 ÓBICES PODER PODER DO ESTADO POLÍTICAS E POLÍTICAS E ESTRATÉGIAS ESTRATÉGIAS OE OG O F NACIONAL ÓBICES 42

43 43

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016 Tipos de Indicadores 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho ; OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Painel V - Planejamento de Rodovias e Expansão da Malha Viária Perspectivas e Desafios

Painel V - Planejamento de Rodovias e Expansão da Malha Viária Perspectivas e Desafios Painel V - Planejamento de Rodovias e Expansão da Malha Viária Perspectivas e Desafios Engº Marcelo Perrupato Visão Geral do Planejamento e da Execução do Setor de Transportes Rodovias - Perspectivas e

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional Cultura e Clima Organizacional Atualizado em 01/03/2016 OBJETIVO: Compreender as implicações das novas configurações e alternativas que permeiam o trabalho no mundo contemporâneo; Compreender e analisar

Leia mais

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 Estratégia e Marketing EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 A Estrutura Organizacional é o que vai servir como ponte de ligação entre a Formulação e a Implementação da Estratégia para que a empresa

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro A importância da Gestão de Riscos Marcelo de Sousa Monteiro Agenda Alguns comentários sobre Administração O que é risco? A importância da Gestão de Riscos Alguns comentários sobre Administração Administração

Leia mais

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 POLÍTICA NACIONAL DA BIODIVERSIDADE Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 Os princípios estabelecidos na PNBio (20 ao todo) derivam, basicamente, daqueles estabelecidos na Convenção sobre Diversidade Biológica

Leia mais

I - Introdução à Simulação

I - Introdução à Simulação 1 I - Introdução à Simulação Simulação é, entendida como a imitação de uma operação ou de um processo do mundo real. A simulação envolve a geração de uma história artificial de um sistema para a análise

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A Assessoria de Planejamento (ASPLAN) está se dedicando à elaboração do Planejamento Estratégico da SEDESE. Este projeto surge como uma demanda do Secretário André Quintão para

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/07 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatos históricos, ocorridos durante as crises política, econômica e militar portuguesa/européia

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

Gestão Estratégica A BATALHA DE KURSK. Aula 6 Estratégia Competitiva. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira

Gestão Estratégica A BATALHA DE KURSK. Aula 6 Estratégia Competitiva. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira Gestão Estratégica Aula 6 Estratégia Competitiva Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br A BATALHA DE KURSK 1 Modelo de Porter As 5 forças Competitivas Estratégias Genéricas Propósito da Empresa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO -

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - 1. Número e Título do Projeto: BRA 09/004 - Aprimoramento

Leia mais

Disciplina: Administração de Marketing. Contextualização

Disciplina: Administração de Marketing. Contextualização Disciplina: Administração de Marketing Contextualização Ementa Objetivos gerais O marketing está presente em todos os lugares e na vida de todas as pessoas que representem os papéis de vendedores ou compradores.

Leia mais

O Processo de Trabalho e seus componentes. Horácio Pereira de Faria Marcos A. Furquim Werneck Max André dos Santos Paulo FleuryTeixeira

O Processo de Trabalho e seus componentes. Horácio Pereira de Faria Marcos A. Furquim Werneck Max André dos Santos Paulo FleuryTeixeira O Processo de Trabalho e seus componentes Horácio Pereira de Faria Marcos A. Furquim Werneck Max André dos Santos Paulo FleuryTeixeira Processo de trabalho O modo como desenvolvemos nossas atividades profissionais,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GEOGRAFIA HUMANA Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GEOGRAFIA HUMANA Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular GEOGRAFIA HUMANA Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular GEOGRAFIA HUMANA

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa.

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa. O ESPAÇO GEOGRÁFICO As sociedades humanas desenvolvem, durante sua história, modos próprios de vida. Estes decorreram da combinação de formas de subsistência material - com culturas diversas -, de diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar VII e

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar VII e UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar VII e VIII Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Recursos Humanos 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Introdução à Qualidade

Introdução à Qualidade Introdução à Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Introdução A Gerência da Qualidade quando focada na busca pela Qualidade Total possibilita a empresa dirigir seus esforços para: Melhorar de

Leia mais

#pública. Risco Operacional

#pública. Risco Operacional #pública Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo 3 2. Estrutura Organizacional 3 3. Governança para a Gestão do Risco Operacional 4 3.1 Conselho de Administração 4 3.2 Diretoria

Leia mais

AULA 02 O Conhecimento Científico

AULA 02 O Conhecimento Científico 1 AULA 02 O Conhecimento Científico Ernesto F. L. Amaral 06 de agosto de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Aranha, Maria Lúcia de Arruda; Martins, Maria Helena Pires. 2003. Filosofando: introdução à filosofia.

Leia mais

A Política de Assistência Social Um novo desenho.

A Política de Assistência Social Um novo desenho. A Política de Assistência Social Um novo desenho. Profª. Eline Alcoforado Maranhão Sá Profª. Maria Aparecida Guimarães Skorupski Profª Regina Coeli Climaco Matos A Assistência Social como política de proteção

Leia mais

Estado-Maior da Aeronáutica Sexta Subchefia CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA

Estado-Maior da Aeronáutica Sexta Subchefia CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA Estado-Maior da Aeronáutica Sexta Subchefia CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA POR QUE UMA FORÇA AÉREA? 70% da Terra é coberta por água 100% coberta pelo ar e espaço! OBJETIVO Conhecer a Concepção Estratégica Força

Leia mais

UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE

UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E UNIDADE 01 CIÊNCIA TECNOLOGIA SOCIEDADE 1 Todos possuem conceitos variados sobre os termos ciência, sociedade e tecnologia. Ao consultarmos o dicionário Aurélio, encontramos

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação do idoso, os dados

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo:

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: Planificação Anual Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Representação

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira Antecedentes Históricos da Administração Professor Maurício Teixeira Abordagens Mostrar a história Incipiente preocupação com a Administração na antiguidade Influencias da Administração Filosóficas Da

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Critérios de Avaliação de Educação Tecnológica 5ºAno

Critérios de Avaliação de Educação Tecnológica 5ºAno Técnica T5 Dominios Aptidões /Capacidades/Conhecimentos 1.1: Identificar o conceito de tecnologia e diferenciá-lo da noção de técnica Reconhecer o papel da tecnologia. Discriminar a relevância do objeto

Leia mais

DEMOCRACIA X DITADURA. Prof. Dieikson de Carvalho

DEMOCRACIA X DITADURA. Prof. Dieikson de Carvalho DEMOCRACIA X DITADURA Prof. Dieikson de Carvalho Característica da Democracia Sufrágio Universal o voto é um direito da maioria da população. O parlamento ou o Congresso é eleito diretamente pelo povo.

Leia mais

PROCESSO SAÚDE-DOENÇA E MODELOS DE CAUSALIDADE. M.Sc. Helen Lima Novembro 2009

PROCESSO SAÚDE-DOENÇA E MODELOS DE CAUSALIDADE. M.Sc. Helen Lima Novembro 2009 PROCESSO SAÚDE-DOENÇA E MODELOS DE CAUSALIDADE M.Sc. Helen Lima Novembro 2009 Estrutura Trata-se, aqui, de discutir um sistema de saúde, que tem como objeto de trabalho o processo saúde-doença, em sua

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

Exposição do professor; Diálogo orientado professor/aluno e aluno/aluno; Comunicação dos trabalhos realizados, individualmente e/ou em grupo;

Exposição do professor; Diálogo orientado professor/aluno e aluno/aluno; Comunicação dos trabalhos realizados, individualmente e/ou em grupo; ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE ÁRES DE INTEGRAÇÃO 10º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS MATERIAIS CURRICULARES

Leia mais

Exposição do professor; Diálogo orientado professor/aluno e aluno/aluno; Comunicação dos trabalhos realizados, individualmente e/ou em grupo;

Exposição do professor; Diálogo orientado professor/aluno e aluno/aluno; Comunicação dos trabalhos realizados, individualmente e/ou em grupo; ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE ÁRES DE INTEGRAÇÃO 10º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS MATERIAIS CURRICULARES

Leia mais

ECOLOGIA E ECONOMIA 1. CARACTERÍSTICAS DA SOCIEDADE MODERNA

ECOLOGIA E ECONOMIA 1. CARACTERÍSTICAS DA SOCIEDADE MODERNA ECOLOGIA E ECONOMIA 1. CARACTERÍSTICAS DA SOCIEDADE MODERNA Altas taxas de mudanças Incremento das inovações tecnológicas Incremento nas inovações sociais Ambiente de incertezas Globalização: mercados

Leia mais

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência XIX Seminário de Boas Práticas CIC Caxias do Sul A Importância da Liderança na Cultura da Excelência Msc. Eng. Irene Szyszka 04/ABR/2013 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão dos clientes e mercado;

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 10. Ensino Básico: 3.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 9.º

DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 10. Ensino Básico: 3.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 9.º DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 10 Ensino Básico: 3.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 9.º O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 3.º Ciclo da

Leia mais

Objeto de Aprendizagem. Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde

Objeto de Aprendizagem. Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Objeto de Aprendizagem Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Objetivo: Apresentar sucintamente a Lei Orgânica de Saúde nº 8080 de 19 de setembro de 1990,

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Visão geral SECRETÁRIO Gabinete - Carreira de EPPGG - Gestão interna - Apoio Administrativo - Núcleo de

Leia mais

III Estado Romano de um pequeno grupamento humano ao primeiro império mundial. Características: a) Base familiar de organização; b) Cristianismo.

III Estado Romano de um pequeno grupamento humano ao primeiro império mundial. Características: a) Base familiar de organização; b) Cristianismo. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ESTADO I Estado Antigo, Oriental ou Teocrático não se distingue o pensamento político da religião, da moral, da filosofia, ou das doutrinas econômicas. Características: a) Natureza

Leia mais

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatianemoraes@caed.ufjf.br Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala

Leia mais

Comunicação e Comportamento Organizacional AULA 03

Comunicação e Comportamento Organizacional AULA 03 Comunicação e Comportamento Organizacional AULA 03 36 Ponto de Partida: da Visão Sistêmica SISTEMA: CONCEITO E HIERARQUIZAÇÃO O crescimento e o aprofundamento do conhecimento humano conduziram, através

Leia mais

PLANEJAMENTO ESCOLAR. Dra. Regina Magna Bonifácio de Araújo Disciplina DEEDU 517 ICHS - UFOP

PLANEJAMENTO ESCOLAR. Dra. Regina Magna Bonifácio de Araújo Disciplina DEEDU 517 ICHS - UFOP PLANEJAMENTO ESCOLAR Dra. Regina Magna Bonifácio de Araújo Disciplina DEEDU 517 ICHS - UFOP Planejamento e Plano Planejar é uma necessidade constante em todas as áreas da atividade humana. Planejar é analisar

Leia mais

MBA em Gestão Empreendedora Curso de Especialização Lato Sensu

MBA em Gestão Empreendedora Curso de Especialização Lato Sensu MBA em Gestão Empreendedora Curso de Especialização Lato Sensu Introdução à Educação a Distância (EAD); Inovação e Empreendedorismo; Políticas Públicas em Educação; Gestão de Processos; Gestão Estratégica;

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec CENTRO PAULA SOUZA Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo Questão Redija um texto dissertativo acerca dos dois sistemas da economia nordestina no século XVII, atendendo, necessariamente, ao que se pede a seguir: identifique e caracterize esses dois sistemas econômicos;

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL MARÇO de 2014

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL MARÇO de 2014 Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL MARÇO de 2014 Prova 05 2014 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Exposição do professor; Diálogo orientado professor/aluno e aluno/aluno; Recolha e tratamento da informação;

Exposição do professor; Diálogo orientado professor/aluno e aluno/aluno; Recolha e tratamento da informação; ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE ECONOMIA C 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS MATERIAIS CURRICULARES

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004

ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004 ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004 JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA 1 ALAN FERNANDO TORRES 2 RESUMO A utilização de sistemas integrados se torna, cada vez mais,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº aprovado pela portaria Cetec nº de / / Etec: Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Habilitação Profissional:

Leia mais

GOVERNANÇA E GERENCIAMENTO DO PORTFÓLIO DE PROJETOS. CARLOS MAGNO DA SILVA XAVIER (Doutor, PMP)

GOVERNANÇA E GERENCIAMENTO DO PORTFÓLIO DE PROJETOS. CARLOS MAGNO DA SILVA XAVIER (Doutor, PMP) GOVERNANÇA E GERENCIAMENTO DO PORTFÓLIO DE PROJETOS CARLOS MAGNO DA SILVA XAVIER (Doutor, PMP) O Papel dos Projetos nas Empresas PENSAMENTO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIAS IDENTIFICAÇÃO DE PROJETOS PROJETOS DEFININDO

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

Professora: Yanna D. Rattmann

Professora: Yanna D. Rattmann Professora: Yanna D. Rattmann Sistema Único de Saúde Objetivo da implantação: SISTEMA -> Sistematizar ações, organizar ações; ÚNICO -> Unificar ações -> mesmos princípios e diretrizes em todo o território

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA

ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA PROGRAMA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA PREFEITURA DE CAÇAPAVA DO SUL-RS JULHO DE 2013 Pág. 1 : 5 SRCRETARIA DE MUNICÍPIO DO PLANEJAMENTO E MEIO AMBIENTE

Leia mais

Ministério da Integração Nacional

Ministério da Integração Nacional Ministério da Integração Nacional Política Nacional de Desenvolvimento Regional e Política Nacional de Ordenamento Territorial Econ. Antonio Carlos F. Galvão (Diretor DPR/SDR/MI) Eng. Agron. Rosalvo de

Leia mais

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO A GESTÃO DA INOVAÇÃO Enquadramento: O ambiente no qual hoje actuam as empresas mudou radicalmente: imprevisibilidade, turbulência, mudança, rapidez,..., são constantes do processo de decisão. Num mundo

Leia mais

Natureza Jurídica. Características. Gerações.

Natureza Jurídica. Características. Gerações. Natureza Jurídica. Características. Gerações. Direitos humanos estão relacionados com a importância da própria pessoa humana. A pessoa humana, que é o bem mais valioso da humanidade, estará acima de qualquer

Leia mais

Definições: Material 1. Problema Econômico Fundamental

Definições: Material 1. Problema Econômico Fundamental Material 1 Microeconomia Gilmar Ferreira Abril 2010 Escassez Eficiência produtiva e alocativa Curva de possibilidades de produção Eficiência (ótimo) de Pareto Custo de oportunidade Racionalidade econômica

Leia mais

Espaço Geográfico. Página 1 com Prof. Giba

Espaço Geográfico. Página 1 com Prof. Giba Espaço Geográfico As sociedades humanas desenvolvem, durante sua História, modos próprios de vida. Estes decorreram da combinação de formas de subsistência material - com culturas diversas -, de diferentes

Leia mais

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº. 1.282/2013 Ementa: Institui o Plano Plurianual do Município de Ouricuri para o período de 2014 a 2017. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OURICURI/PE, no uso de suas atribuições legais, faz saber que A

Leia mais

18/06/2015. Didática Aula 3. O que é PLANEJAR? O que é PLANEJAR?

18/06/2015. Didática Aula 3. O que é PLANEJAR? O que é PLANEJAR? Didática Aula 3 Planejamento de Ensino O que é PLANEJAR? Planejar é analisar dada realidade, refletindo sobre as condições existentes, e prever as formas alternativas de ação para superar as dificuldades

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Aula 05 Marketing Internacional e Global objetivos, funções, gráficos. E-mail: frentzen@labmundo.org MARKETING INTERNACIONAL Processo que visa otimizar os recursos e focar os objetivos

Leia mais

to be used for Slides T A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro Fernando Cabral

to be used for Slides T A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro Fernando Cabral to be used for Slides T A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro Fernando Cabral J. Smith, B. Stein Affiliation ICSLM Congress Date, City, Country 1. O caminho da dignificação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA SISTEMA TERRA: DA CÉLULA À BIODIVERSIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO

A GESTÃO DA PRODUÇÃO ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO Desafíos e Experiências Sigmar Malvezzi PhD São Paulo, 14 de outubro de 2008 A GESTÃO DA PRODUÇÃO No presente momento histórico,

Leia mais

Como Modelar com UML 2

Como Modelar com UML 2 Ricardo Pereira e Silva Como Modelar com UML 2 Visual Books Sumário Prefácio... 13 1 Introdução à Modelagem Orientada a Objetos... 17 1.1 Análise e Projeto Orientados a Objetos... 18 1.2 Requisitos para

Leia mais

GESPÚBLICA - FMVZ/USP

GESPÚBLICA - FMVZ/USP Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia GESPÚBLICA - FMVZ/USP Desburocratização & Excelência 2008 O que é GESPÚBLICA? É o programa do Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL Código da Disciplina: JUR299 Curso: Direito Semestre de oferta da disciplina: 3 Faculdade responsável: Direito Programa em vigência a partir de:

Leia mais

Unidade 3 Prof. Wagner Veloso

Unidade 3 Prof. Wagner Veloso Análise de Swot e Mercado Unidade 3 ANÁLISE DE SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta utilizada para fazer análise de cenário (ou análise de ambiente), sendo usado como base para gestão e planejamento estratégico

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Médio

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Médio PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Médio Código: 262 ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Planejamento Empresarial e Empreendedorismo Série: 1º Eixo Tecnológico:

Leia mais

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método Relações pedagógicas Professor aluno Ensino aprendizagem Teoria e prática Objetivo e avaliação Conteúdo e método A linha mestra que norteia qualquer ação na educação está relacionada à relação humana.

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 19. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 19. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 19 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Gestão da Qualidade no Serviço Público Fontes utilizadas: Livro Gestão da Qualidade, Teoria e Prática Edson Paladini. Livro Gestão da Qualidade,

Leia mais

Carlos Hoyos, Paisaje Cultural Cafetero, Colombia Iniciativa Regional da Paisagem: proposta ou estratégia que serve de origem, nesse caso, para promover o reconhecimento, a valorização, a proteção, o planejamento

Leia mais

Mestrado em Gestão Industrial

Mestrado em Gestão Industrial Mestrado em Gestão Industrial Disciplina: CONTROLO DE GESTÃO Capítulo 1: Ideias Chave de Controlo de Gestão 1 SUMÁRIO O Valor e a medição da Performance As perspectivas de performance As implicações nos

Leia mais

Eficiência e Eficácia

Eficiência e Eficácia Eficiência e Eficácia Desempenho das Organizações A eficiência é determinante da eficácia: caso haja recursos disponíveis, e estes forem utilizados corretamente, a probabilidade de atingir os objetivos

Leia mais

Visão para o ordenamento do território e das cidades

Visão para o ordenamento do território e das cidades Visão para o ordenamento do território e das cidades Ganhos e Desafios Jeiza Barbosa Tavares Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano 16 de Maio de 2014 WS 4.1 Visão para o

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO?

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? É UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS FATORES DE PRODUÇÃO, MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, PROCESSOS E RECURSOS HUMANOS, VOLTADOS PARA A SOBREVIVÊNCIA DA EMPRESA, ATRAVÉS DA BUSCA CONSTANTE

Leia mais

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA Agenda 21 local : da teoria à prática Gina Rizpah Besen Psicóloga Mestre em Saúde Pública FSP-USP consultora em Gestão Ambiental rizpah@usp.br Desenvolvimento

Leia mais

Ministério da Integração Nacional

Ministério da Integração Nacional Protocolo Conjunto para Proteção Integral a Crianças e Adolescentes, Pessoas Idosas e Pessoas com Deficiência em Situação de Riscos e Desastres Portaria Interministerial Nº 02 de 06 de Dezembro de 2012

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO Prova de Equivalência à Frequência de 302 - BIOLOGIA (ter como referência o Desp.Norm. nº 1-G/2016) Ano letivo 2015/2016 I. INTRODUÇÃO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS CARACTERÍSTICAS GERAIS 1.1 CONTEXTO TRANSIÇÃO FEUDO-CAPITALISTA CRISE DO FEUDALISMO 1.2 CAUSAS EXPANSÃO DA ATIVIDADE COMERCIAL ALIANÇA REI-BURGUESIA ENFRAQUECIMENTO DO PODER CENTRAL CARACTERÍSTICAS GERAIS

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC )

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC ) Ciências do Ambiente Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL - 1995) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC - 2002) Ciências Ambientais Estudo sistemático tico da natureza

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio da Terra em transformação o aluno deve ser capaz de: Compreender a diversidade das paisagens geológicas (meta 1); Compreender

Leia mais