ENGENHARIA AMBIENTAL. Conheça mais sobre o curso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENGENHARIA AMBIENTAL. Conheça mais sobre o curso"

Transcrição

1 ENGENHARIA AMBIENTAL Conheça mais sobre o curso

2 MITOS VERDADES 1 Retrocede o desenvolvimento. 1 Busca o desenvolvimento sustentável. 2 Pouca área de atuação. 2 Amplo mercado de atuação. 3 É somente matemática. 3 É uma área inter e multidisciplinar.

3 Mas afinal, o que é Engenharia Ambiental? O curso de Engenharia Ambiental tem como principal objetivo o desenvolvimento sustentável, integrando as dimensões social, ecológica, tecnológica e econômica do meio ambiente. O principal objetivo é desenvolver técnicas de preservação do ar, da água e do solo. Além disso, estuda os problemas do meio ambiente para o projetar, operar e construir sistemas de esgoto e água, sempre respeitando os limites de exploração ambiental.

4 Áreas de Atuação: PESQUISADOR GESTOR DE PROJETOS PROFESSOR ENGENHARIA AMBIENTAL ENGENHEIRO CONSULTOR PERITO

5 Como está o mercado de trabalho? Os engenheiros ambientais estão ganhando espaço e respeito no mercado, tendo notável importância e reconhecimento diante do atual cenário ambiental. São amplas as oportunidades de trabalho, tais como: Empresas Públicas, Privadas ou de Economia Mista; Órgãos Governamentais nas três esferas de governo, além de organizações sociais de interesse público e Organizações não-governamentais; Empresas com atividades ligadas à gestão ambiental; Construtoras que desenvolvam projetos ambientais e civis; Empresas públicas e de economia mista como Funasa, Secretarias de Recursos Hídricos; Companhias de Gestão dos Recursos Hídricos, Agência Nacional de Águas, Companhias de Saneamento, Serviços Autônomos de Água e Esgoto e Agências reguladoras; Órgãos ligados à legislação e fiscalização ambiental como Ministério do Meio Ambiente, Ministério das Cidades, Ministério Público, IBAMA, Secretarias estaduais e municipais do Meio Ambiente.

6 Habilidades e Competências 01 Supervisão, coordenação e orientação técnica; 02 Estudo, planejamento, projeto e especificação; 03 - Estudo de viabilidade técnico-econômica ; 04 Assistência, assessoria e consultoria; 05 Vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico; 06 Ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação técnica, extensão ; 07 - Elaboração de orçamento; 08 Padronização, mensuração e controle de qualidade; 09 - Direção, Execução e Fiscalização de obra e serviço técnico; 10 - Produção técnica e especializada; 11 - Execução de desenho técnico.

7 Empreendedorismo O empreendedorismo ambiental compreende a utilização das ferramentas de empreendedorismo com o foco na sustentabilidade ambiental, pelo caráter cada vez mais restritivo das políticas ambientais, esse ramo tem expandido e incorporado a diversas organizações que começam a perceber a importância da sustentabilidade para a manutenção da imagem da marca no mercado. Objetivo: inovar na promoção de produtos e ideias em favor das causa ambientais, apesar de apresentar uma definição aparentemente subjetiva ao valor agregado de um produto vinculado a sustentabilidade, atingindo o mercado de consumo e mercado financeiro.

8 Dicas Importantes - Não é de hoje e ainda vai se perpetuar por algum tempo que o avanço humano tem sido exagerado ao meio ambiente, e assim temos visto as consequentes agressões com o solo, a água e o ar. O estudante do curso de Engenharia Ambiental conhecerá desde cedo o odor, a cor e, mesmo esperando que não, o gosto da água, isto é, todas as caracterís cas que não deveriam estar nela. - Mas também conhecerá que essa situação pode ser bem resolvida se trabalho, pesquisa e inves mento forem realizados. Ele sen rá que mudou aquele mundo quando o mau cheiro acabar, o líquido preciso voltar a ser transparente e a flora e a fauna voltarem a reinar no local, mesmo que este já esteja antropizado. O engenheiro é um dos poucos profissionais que podem sen r e fazer parte da transformação do meio. *Antropizado: Área cujas características originais (solo, vegetação, relevo e regime hídrico) foram alteradas por conseqüência de atividade humana.

9

ENGENHARIA MECÂNICA. Conheça mais sobre o curso

ENGENHARIA MECÂNICA. Conheça mais sobre o curso ENGENHARIA MECÂNICA Conheça mais sobre o curso MITOS VERDADES 1 Só precisa ser bom em matemática. 1 É uma área inter e multidisciplinar. 2 É uma profissão somente para homens. 2 É uma profissão tanto para

Leia mais

DISCIPLINA: Introdução à Engenharia Ambiental. Assunto: Atribuições do Engenheiro Ambiental

DISCIPLINA: Introdução à Engenharia Ambiental. Assunto: Atribuições do Engenheiro Ambiental Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Estudos Básicos e Instrumentais DEBI Curso de Engenharia Ambiental DISCIPLINA: Introdução à Engenharia Ambiental Assunto: Atribuições do Engenheiro

Leia mais

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002.

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002. RESOLUÇÃO CONSEPE 44/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, DO CÂMPUS ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP INFORMAÇÃO 113/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº 179163/2012 176799/2012 INTERESSADO: FRANCISCO JOSÉ VELA ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO O profissional Engenheiro Civil Francisco José

Leia mais

CAPACITAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL. Eng. Rodolfo More Diretor Financeiro do Crea-SP

CAPACITAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL. Eng. Rodolfo More Diretor Financeiro do Crea-SP CAPACITAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL Eng. Rodolfo More Diretor Financeiro do Crea-SP Lei 5194/1966 Art. 34 - São atribuições dos Conselhos Regionais: f) organizar o sistema de fiscalização do exercício

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP INFORMAÇÃO 041/2013 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº 45787/2013 INTERESSADO: FLÁVIO BOSKOVITZ ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO O sr. Flávio Boskovitz, protocolou junto ao CREA-SP consulta

Leia mais

2º Congresso Brasileiro de Geração Distribuída. Auditório da FIEC. 25 a 26 de outubro de 2017

2º Congresso Brasileiro de Geração Distribuída. Auditório da FIEC. 25 a 26 de outubro de 2017 2º Congresso Brasileiro de Geração Distribuída Auditório da FIEC 25 a 26 de outubro de 2017 SISTEMA CONFEA / CREA É o sistema que fiscaliza o exercício das profissões na área tecnológica. Lei Federal 5.194/66

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Regula o exercício das profissões de Engenharia, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

CONSIDERAÇÕES INICIAIS CONSIDERAÇÕES INICIAIS PERÍCIA AGRONÔMICA IMPORTÂNCIA PERÍCIA AGRONÔMICA Atuação como perito judicial; Ação de desapropriação de imóvel rural; Ação de inventário de imóvel rural; VALORAÇÃO DA INDENIZAÇÃO

Leia mais

Engenharia Ambiental. Consolidação da Profissão e Perspectivas. Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP

Engenharia Ambiental. Consolidação da Profissão e Perspectivas. Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP Engenharia Ambiental Consolidação da Profissão e Perspectivas Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP zaiat@sc.usp.br Engenharia Ambiental Que curso é esse? O que faz esse profissional? Qual a estrutura do curso?

Leia mais

PHA3101 Introdução à Engenharia Ambiental

PHA3101 Introdução à Engenharia Ambiental PHA3101 Introdução à Engenharia Ambiental Aulas 1 e 2 A Engenharia Ambiental, sua regulamentação e atribuições. Preparação para a carreira de Engenheiro. Definição de Engenharia O que é engenharia? Utilização

Leia mais

O PETRÓLEO E A INDÚSTRIA MINERAL BRASILEIRA

O PETRÓLEO E A INDÚSTRIA MINERAL BRASILEIRA ATRIBUIÇÕES LEGAIS DOS ENGENHEIROS DE MINAS E DE PETRÓLEO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 CONSELHO

Leia mais

Sr. Presidente, A Lei /2010, em seu art. 2º, prevê que as atividades e atribuições dos arquitetos e urbanistas consistem em:

Sr. Presidente, A Lei /2010, em seu art. 2º, prevê que as atividades e atribuições dos arquitetos e urbanistas consistem em: Parecer: 14/2012-AJU Interessado: CAU-DF. Assunto: Consulta. Atribuições de Arquitetos e Urbanistas. Elaboração de projetos de arquitetura. Atividade exclusiva de Arquitetos. Ementa: Direito Civil. Atribuições

Leia mais

Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba. Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. Graduação em Engenharia Ambiental

Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba. Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. Graduação em Engenharia Ambiental Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 3 - Engenharia Ambiental: Curso e Profissão Professor Sandro Donnini Mancini

Leia mais

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB, no uso de suas atribuições,

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB, no uso de suas atribuições, MINUTA DE RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/ /2013. REFORMULA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL - BAARELADO, DO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA-CCT NO CAMPUS

Leia mais

Esta engenharia tem muito pouco dessa disciplina. O profissional de química é formado para transformar uma coisa em outra, analisando em laboratório,

Esta engenharia tem muito pouco dessa disciplina. O profissional de química é formado para transformar uma coisa em outra, analisando em laboratório, Junho/2010.1 Esta engenharia tem muito pouco dessa disciplina. O profissional de química é formado para transformar uma coisa em outra, analisando em laboratório, por exemplo, as reações e a energia que

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES DE NÍVEL MÉDIO

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES DE NÍVEL MÉDIO CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA e-tec Prof. Marcus Menezes Silveira Coordenador do curso http://etec.cg.ifms.edu.br/moodle/ Cursos técnicos Integrados

Leia mais

3º Encontro Nacional de Tecnologia Química Regulamento e Registro Profissional dos Tecnólogos

3º Encontro Nacional de Tecnologia Química Regulamento e Registro Profissional dos Tecnólogos 3º Encontro Nacional de Tecnologia Química Regulamento e Registro Profissional dos Tecnólogos Jorge Reis Fleming IFRJ Maracanã CRQ3 Regulamento e Registro Profissional dos Tecnólogos Sumário CRQ / CFQ

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INFORMAÇÂO 109/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº. 157785/2012 INTERESSADO: Antonio de Sousa Neto ASSUNTO: Consulta Técnica 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO Consulta realizada pelo Senhor Antonio de Sousa Neto -

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Délio Porto Fassoni

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Délio Porto Fassoni 132 ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Délio Porto Fassoni delio@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONFEA Nº 1.010/05

OPERACIONALIZAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONFEA Nº 1.010/05 OPERACIONALIZAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONFEA Nº 1.010/05 MATERIAL ELABORADO A PARTIR DE APRESENTAÇÃO DO ENCONTRO DE LIDERANÇAS CONFEA, DE 12 DE MARÇO DE 2007, FEITA POR RUY CARLOS DE CAMARGO VIEIRA E MARCIUS

Leia mais

CREA-SC. Fundado em 17 de março de 1958, após ser desmembrado do CREA 10ª REGIÃO (RS E SC);

CREA-SC. Fundado em 17 de março de 1958, após ser desmembrado do CREA 10ª REGIÃO (RS E SC); CREA-SC Fundado em 17 de março de 1958, após ser desmembrado do CREA 10ª REGIÃO (RS E SC); Congrega atualmente 50.000 profissionais registrados (37.000 de nível superior e 13.000 de nível técnico) e 12.700

Leia mais

DECRETO Nº , DE 6 FEV 1985 (*)

DECRETO Nº , DE 6 FEV 1985 (*) DECRETO Nº 90.922, DE 6 FEV 1985 (*) Regulamenta a Lei nº 5.524, de 5 NOV 1968, que "dispõe sobre o exercício da profissão de técnico industrial e técnico agrícola de nível médio ou de 2º grau." O Presidente

Leia mais

INFORMAÇÃO 111/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº /2012 INTERESSADO: SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA

INFORMAÇÃO 111/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº /2012 INTERESSADO: SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA INFORMAÇÃO 111/2012 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº 170480/2012 INTERESSADO: SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO O SAAE- Serviço Autônomo

Leia mais

Ética, Profissão e Cidadania Professor Paulo Sérgio Walenia. 9/20/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Ética, Profissão e Cidadania 1

Ética, Profissão e Cidadania Professor Paulo Sérgio Walenia. 9/20/2010 UTFPR Campus Curitiba DAELT Ética, Profissão e Cidadania 1 Ética, Profissão e Cidadania Professor Paulo Sérgio Walenia 1 Nesta seção os seguintes assuntos serão abordados: Resolução 473 Resolução 218 e outras correlatas O Ato n 2 Deliberações normativas da CEEE

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Engenharia Civil Cabo Frio SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólidos conhecimentos tecnológicos

Leia mais

ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA ELÉTRICA

ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA ELÉTRICA Universidade Estadual Paulista Campus de Bauru Faculdade de Engenharia www.dee.bauru..br Prof. Dr. Naasson P. de Alcantara Jr. Coordenador de Curso naasson@feb..br O que é Engenharia? Arte de aplicar conhecimentos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INFORMAÇÂO 046/2013 - DAP PROTOCOLO Nº. 74324/2013 INTERESSADO: Prefeitura Municipal de Jacupiranga ASSUNTO: Consulta Técnica 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO A Prefeitura Municipal de Jacupiranga questiona

Leia mais

É o sucinto relatório, segue o exame jurídico.

É o sucinto relatório, segue o exame jurídico. Parecer Jurídico: 04/2013 Interessado: Assessoria Técnica do CAU-DF. Assunto: Atribuições dos Arquitetos e Urbanistas. Ementa: Atribuições dos Arquitetos e Urbanistas. Análise das Leis nºs 5.194/66 e 12.378/2010

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Ciências do Ambiente Professor(es) Ana Lúcia da Fonseca Bragança Pinheiro Carga horária Teoria: 02 Prática: 00 Total: 02

Leia mais

Trabalhar em Transportes

Trabalhar em Transportes Trabalhar em Transportes João Fortini Albano, Dr. Lastran/Deprot/Ufrgs albano@producao.ufrgs.br Transportes? Transportes é uma atividade meio que viabiliza de forma econômica os deslocamentos para satisfação

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberg

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberg 108 ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberg bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2012 109 Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais previstas

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO NOME DO ALUNO Jaguariúna 2010 REGISTRO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE Organização: Comissão Própria de Avaliação - CPA/UNICENTRO Realização: Pró-Reitoria de Planejamento - PROPLAN Aplicação: Diretoria de Avaliação Institucional- DIRAI

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO PPC GESTÃO DA QUALIDADE

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO PPC GESTÃO DA QUALIDADE PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO PPC GESTÃO DA QUALIDADE Nome do Curso: Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Objetivo: Formar capital humano com qualificação adequada para atender à demanda

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberg

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberg UFV Catálogo de Graduação 2013 103 ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberg bohnen@ufv.br 104 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA CIVIL. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA CIVIL. Julgamento de Processos 1 II - PROCESSOS DE ORDEM A II. I - REQUER CERTIDÃO DE ACERVO TECNICO 2 UGI MOGI GUAÇU Nº de Ordem 1 Proposta CAT (fl.17) Processo/Interessado A-868/1995 V3 Relator JOSÉ FLORIANO DE AZEVEDO MARQUES NETO

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em SANEAMENTO MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400 h

Curso Técnico Subsequente em SANEAMENTO MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400 h MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400 h Unidade Curricular C/H Semestral Pré-Requisito Desenho Básico 30 Desenho Técnico 30 Fundamentos Químicos e Biológicos 60 Geociências 30 Hidráulica

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Engenharia Elétrica Campus: Campos dos Goytacazes SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros capazes de atender

Leia mais

ANEXO I ONDE SE LÊ: Nº AÇÕES PERÍODO 01 Período de Inscrição 16 a 20/julho/2012. LEIA-SE: Nº AÇÕES PERÍODO 01 Período de Inscrição 16 a 24/julho/2012

ANEXO I ONDE SE LÊ: Nº AÇÕES PERÍODO 01 Período de Inscrição 16 a 20/julho/2012. LEIA-SE: Nº AÇÕES PERÍODO 01 Período de Inscrição 16 a 24/julho/2012 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁCAMPUS LIMOEIRO DO NORTE DIREÇÃO GERAL EDITAL Nº 003/2012 IFCE CAMPUS DE LIMOEIRO DO NORTE CE ANEXO I Nº AÇÕES PERÍODO 01 Período de Inscrição

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET. - Curso de Engenharia Mecânica

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET. - Curso de Engenharia Mecânica Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET - Curso de Engenharia Mecânica Currículo 2013/01 Descrição do Curso: O Curso de graduação em Engenharia

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Navais FATEC Jahu

Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Navais FATEC Jahu Administração Central Unidade de Ensino Superior de Graduação Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Navais FATEC Jahu 2014 Justificativas para implantação do Curso: A escolha do nome Curso Superior

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP INFORMAÇÃO 098/2013 DAP/SUPCOL PROTOCOLO Nº 155437/2013 INTERESSADO: ROSANGELA PINSARD HENRIQUES ASSUNTO: CONSULTA TÉCNICA 1. IDENTIFICAÇÃO E HISTÓRICO Consulta de Rosangela Pinsard Henriques, referente

Leia mais

IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO REGULAÇÃO NO SETOR DE SANEAMENTO: A BUSCA PELA EFICIÊNCIA E UNIVERSALIZAÇÃO Edilson Eduardo Werneck Machado Engenheiro Divisão de Engenharia

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

PROFISSÃO GEÓGRAFO: O QUE PODEMOS FAZER?

PROFISSÃO GEÓGRAFO: O QUE PODEMOS FAZER? ISSN, volume 1 maio Revista Eletrônica de Diálogo e Divulgação em Geografia http://www.geografia.blog.br/geodialogos PROFISSÃO GEÓGRAFO: O QUE PODEMOS FAZER? Gerson de Freitas Júnior * Este texto foi escrito

Leia mais

Curso de Engenharia Florestal

Curso de Engenharia Florestal Curso de Engenharia Florestal Dados Gerais sobre o curso Local: Campus Universitário de Gurupi Formação: Barechal Criação: Resolução CONSEPE/UFT N Implantação: 2 Sem./2007 05/2006, de 24/05/2006. Reconhecimento:

Leia mais

Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal

Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal Luiz Carlos Seidenfus Gerente de Licenciamento Ambiental LEI COMPLEMENTAR N 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL PROCESSO No: 00576/1998 O CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

Curso Técnico Integrado em SANEAMENTO MATRIZ CURRICULAR. Fase/Semestre 1 Carga horária total: 480h. Fase/Semestre 2 Carga horária total: 480h

Curso Técnico Integrado em SANEAMENTO MATRIZ CURRICULAR. Fase/Semestre 1 Carga horária total: 480h. Fase/Semestre 2 Carga horária total: 480h Curso Técnico Integrado em SANEAMENTO CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR Fase/Semestre 1 Carga horária total: 480h Português e Hist da Liter. Bras. 80 Matemática 80 Física 80 Química 80 Biologia 40

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 342, DE 11 DE MAIO DE 1990.

RESOLUÇÃO Nº 342, DE 11 DE MAIO DE 1990. RESOLUÇÃO Nº 342, DE 11 DE MAIO DE 1990. Discrimina atividades relativas a empreendimentos agropecuários, florestais, agroindustriais e de armazenagem com ou sem utilização de Crédito Rural ou Incentivo

Leia mais

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Assegurar água bruta em quantidade e qualidade para o SAA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 39/ CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Superior de

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 39/ CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Superior de UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 39/2012 - CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Superior de Tecnologia em Gestão de. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP LEI Nº 5.194/1966

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP LEI Nº 5.194/1966 LEI Nº 5.194/1966 DECRETO FEDERAL 23.196/1933 Engenheiros Agrônomos DECRETO FEDERAL 23.569/1933 Conselho de Engenharia e Arquitetura DECRETO-LEI Nº 8.620/1946 Conselho Federal e Regionais CRISTALIZA O

Leia mais

O PERFIL DO EGRESSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA (USS)

O PERFIL DO EGRESSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA (USS) O PERFIL DO EGRESSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA (USS) M. R. FRAGUAS NETO 1,2 e B. A. JORDÃO 1,2 1 Universidade Severino Sombra, Pró-Reitoria de Ciências Tecnológicas

Leia mais

A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS

A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS Profa Dra Maria Tercília Vilela de Azeredo Oliveira Profa. Rosana Silistino de Souza tercilia@ibilce.unesp.br; rosanass@ibilce.unesp.br

Leia mais

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP)

Projeto Akvolernigi (Parceria UNICAMP/SABESP intermediado pela ABES-SP) AKVO = Água I - Projeto Akvolernigi (Material preparado para o Curso) LERNIGI = Ensinar, I - Aspectos Legislativos e Instrumentos de Gestão Aprender e Fazer a) Princípios Gerais do Direito Ambiental b)

Leia mais

NORMAS E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL

NORMAS E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL NORMAS E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL L E G I S L A Ç Ã O P R O F I S S I O N A L E S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O P R O F ª B Á R B A R A S I L V É R I A SISTEMA CONFEA/CREA Conselho Federal de Engenharia

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia Civil

Currículo do Curso de Engenharia Civil Currículo do Curso de Engenharia Civil Engenheiro Civil ATUAÇÃO O curso de graduação em Engenharia Civil tem como perfil do formando egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: ENGENHARIA QUÍMICA Campus: MACAÉ SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Química da Universidade Estácio de Sá, campus Macaé, tem por missão formar profissionais com sólidos conhecimentos

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL José Carlos Bohnenberger

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL José Carlos Bohnenberger 132 ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO O Engenheiro Ambiental deverá apresentar competência

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR Éder Teixeira Marques

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR Éder Teixeira Marques ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR Éder Teixeira Marques eder@ufv.br 68 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro Civil ATUAÇÃO O curso de graduação em Engenharia Civil tem como perfil do formando egresso/profissional

Leia mais

Módulo Órgãos Ambientais Competentes Procedimentos do licenciamento ambiental Exercícios.

Módulo Órgãos Ambientais Competentes Procedimentos do licenciamento ambiental Exercícios. Módulo 4 4.1. Órgãos Ambientais Competentes. 4.2. Procedimentos do licenciamento ambiental Exercícios. 4.1 Órgãos Ambientais Competentes DILIC - Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 1, DE 16 DE JUNHO DE 2000

ATO NORMATIVO Nº 1, DE 16 DE JUNHO DE 2000 ATO NORMATIVO Nº 1, DE 16 DE JUNHO DE 2000 Dispõe sobre a documentação a ser exigida para o registro e a expedição da Certidão de Acervo Técnico aos profissionais do Sistema CONFEA/CREA-SP. O Conselho

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços A Marumbi, especializada em Consultoria no ramo de Engenharia Consultoria completa para processos ambientais. que resulta em economia a curto e longo prazo. Ambiental e de Segurança

Leia mais

CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS:

CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS: CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS: Agricultura Habilita estudantes a observar, organizar e planejar a forma de manejo do solo, bem como traçar medidas de otimização da produção agrícola. Assim, o profissional

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Licenciamento Ambiental ... Camila Regina Eberle

GESTÃO AMBIENTAL. Licenciamento Ambiental ... Camila Regina Eberle ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Licenciamento Ambiental Camila

Leia mais

Curso Técnico em Agropecuária

Curso Técnico em Agropecuária Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Campus Catu Curso Técnico em Agropecuária Prof. Ronaldo Pedreira Solos e Mecanização Matriz Curricular do Curso Técnico em Agricultura Introdução

Leia mais

Universidade dos Açores

Universidade dos Açores Universidade dos Açores Licenciatura em Engenharia e Gestão do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Responsável: Professor Doutor Rui Bento Elias Objectivos: Na sequência da adequação dos cursos

Leia mais

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS.

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Novas demandas de mercado exigem que modelos técnicos consagrados sejam incorporadas a novas tecnologias, novos conhecimentos

Leia mais

TEMAS CENTRAIS EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAMENTO DOS TEMAS AOS SEGUINTES ASPECTOS ESTRUTURANTES

TEMAS CENTRAIS EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAMENTO DOS TEMAS AOS SEGUINTES ASPECTOS ESTRUTURANTES 6º CONGRESSO ESTADUAL DE PROFISSIONAL DO CREA AIPANA HOTEL G R U P O L O U R I V A L C A R D O S O F Á B I O V I E I R A 17 e 18 de Julho 2013 P R O P O S T A N º ( 0 0 1 ) de Roraima Formulação de Propostas

Leia mais

DIREITO. Conheça mais sobre o curso

DIREITO. Conheça mais sobre o curso DIREITO Conheça mais sobre o curso MITOS VERDADES 1 É um curso muito difícil. 1 Com esforço, foco, dedicação, persistência e fé tudo é possível. 2 Quem conclui a graduação se torna advogado. 2 Quem conclui

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROFª MILKA MEDEIROS HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROFª MILKA MEDEIROS HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROFª MILKA MEDEIROS HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO HISTÓRIA DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A engenharia de produção começou, há mais de um século, com

Leia mais

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016 Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação São Paulo, 31 de Março de 2016 Agenda 1. Introdução: porque um curso sobre regulação de saneamento 2. Sobre a Cooperação

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA. COORDENADOR Fernando Alves Pinto

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA. COORDENADOR Fernando Alves Pinto 212 Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA COORDENADOR Fernando Alves Pinto ferpinto@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 213 Currículo do Curso de Engenharia de Agrimensura

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC - Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município:Tupã - SP Eixo tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias

Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias contato@institutominere.com.br www.institutominere.com.br (31) 3657-5578 Gestão e Perícia Ambiental Aplicada a Portos, Ferrovias e Rodovias

Leia mais

ENGENHARIA DE AGRIMENSURA

ENGENHARIA DE AGRIMENSURA ENGENHARIA DE AGRIMENSURA COORDENADOR Dalto Domingos Rodrigues dalto@ufv.br 186 Currículos dos Cursos do CCE UFV Currículo do Curso de Engenharia de Agrimensura Engenheiro Agrimensor ATUAÇÃO Fundamentalmente

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia Civil

Currículo do Curso de Engenharia Civil Currículo do Curso de Engenharia Civil Engenheiro Civil ATUAÇÃO O curso de graduação em Engenharia Civil tem como perfil do formando egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista,

Leia mais

234 Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA. COORDENADOR Júlio César de Oliveira

234 Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA. COORDENADOR Júlio César de Oliveira 234 Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA COORDENADOR Júlio César de Oliveira oliveirajc@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2015 235 Engenheiro Agrimensor e Cartógrafo

Leia mais

Características gerais

Características gerais ENGENHARIA QUÍMICA Características gerais O Curso de Engenharia Química propõe-se a formar profissionais qualificados para atuarem na área da engenharia e da química, com capacidade para atender às atribuições

Leia mais

Plano de Licitações, Aquisições e Contratação de Consultoria

Plano de Licitações, Aquisições e Contratação de Consultoria Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Plano de Licitações, Aquisições e Contratação de Consultoria I. Considerações Gerais

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA. COORDENADOR Moisés Ferreira Costa

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA. COORDENADOR Moisés Ferreira Costa 110 ENGENHARIA DE AGRIMENSURA E CARTOGRÁFICA COORDENADOR Moisés Ferreira Costa moises@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 111 Currículo do Curso de Engenharia de Agrimensura e Cartográfica Engenheiro

Leia mais

Sabesp. Regulamento Interno de Licitações e Contratos da SABESP

Sabesp. Regulamento Interno de Licitações e Contratos da SABESP Sabesp Regulamento Interno de Licitações e Contratos da SABESP 1 AMBIENTE DE LICITAÇÕES DA SABESP 2 Ambiente de Licitações da Sabesp Valores Contratados 2014 a 2016 TOTAL 2.488.682.736,04 2.443.321.671,96

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA. Unidade Curricular de Engenharia e Sustentabilidade

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA. Unidade Curricular de Engenharia e Sustentabilidade INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Unidade Curricular de Engenharia e Sustentabilidade Método de projeto para engenharia Habilidades do Engenheiro; Etapas do projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA CRONOGRAMA DE CURSOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - 2013 CUSTO LOCAL INSCRIÇÕES INFORMAÇÕES Gratuitos.

Leia mais

Gestão de Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 21 e 22 de maio, Hotel Mercure São Paulo - SP

Gestão de Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 21 e 22 de maio, Hotel Mercure São Paulo - SP Gestão de Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos 21 e 22 de maio, Hotel Mercure São Paulo - SP Apresentação: Na sua caminhada para o desenvolvimento, o Brasil tem ainda um déficit muito grande com relação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ AGÊNCIA DE INOVAÇÃO UFPR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ AGÊNCIA DE INOVAÇÃO UFPR EDITAL PERMANENTE DE SELEÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DA MODALIDADE RESIDENTE Edital nº AGI-01/2017 Processo n.º 23075.153629/2016-59 Este Edital se regerá

Leia mais

CREA-RS INTEGRANDO PROFISSIONAIS E SOCIEDADE

CREA-RS INTEGRANDO PROFISSIONAIS E SOCIEDADE CREA-RS INTEGRANDO PROFISSIONAIS E SOCIEDADE 1 O Sistema CONFEA/CREA Nova Sistemática Definição de Atribuições Profissionais 2 O que é o Sistema CONFEA/CREA? Composto pelo CONFEA, CREAs e Caixas de Assistência

Leia mais

BACHAREL OBJETIVO GERAL

BACHAREL OBJETIVO GERAL BACHAREL OBJETIVO GERAL Formar profissionais com competência técnica, compromisso político e conscientes de sua responsabilidade como Biólogo, respeitando a ética nos vários contextos de atuação profissional,

Leia mais

CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS EMENTAS º PERÍODO

CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS EMENTAS º PERÍODO CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS EMENTAS - 2017.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA I Estudo dos conceitos básicos da contabilidade, execução de lançamentos contábeis e a preparação dos demonstrativos

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA POLÍTICA DE SANEAMENTO BÁSICO E DE RECURSOS HÍDRICOS

ASPECTOS LEGAIS DA POLÍTICA DE SANEAMENTO BÁSICO E DE RECURSOS HÍDRICOS AILTON FRANCISCO DA ROCHA Superintendente de Recursos Hídricos Secretaria de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Sergipe 09 DE DEZEMBRO DE 2015 POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS (LEI Nº 9.433/1997):

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS NO BRASIL. Valdir Fernandes

INTERDISCIPLINARIDADE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS NO BRASIL. Valdir Fernandes INTERDISCIPLINARIDADE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS NO BRASIL Valdir Fernandes Sumário 1. Conhecimento; 2. Ciência Moderna 3. Interdisciplinaridade 4. Alguns Pressupostos 5. Como fazer? 6. Ciências Ambientais

Leia mais

CIÊNCIAS ECONÔMICAS Ênfase em Economia Ênfase em Economia do Agronegócio

CIÊNCIAS ECONÔMICAS Ênfase em Economia Ênfase em Economia do Agronegócio UFV Catálogo de Graduação 2012 93 CIÊNCIAS ECONÔMICAS Ênfase em Economia Ênfase em Economia do COORDENADOR Roberto Serpa Dias rsdias@ufv.br 94 Currículos dos Cursos UFV Ênfase em Economia ATUAÇÃO O curso

Leia mais

PRÁTICAS DE GESTÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS

PRÁTICAS DE GESTÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS PRÁTICAS DE GESTÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS Atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Experimental e Engenharia Não Rotineira (P&D&E) Pesquisa Básica trabalho teórico ou experimental que tem por objetivo

Leia mais

Curso: ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA Curriculo: /13 DISCIPLINAS EM OFERTA 1ºº Semestre de NOTURNO

Curso: ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA Curriculo: /13 DISCIPLINAS EM OFERTA 1ºº Semestre de NOTURNO GR01158 GR02445 GR02446 GR01185 GR02459 GR01195 1º PERÍODO Carga Horária Docentes Cálculo Básico 72.00 Não ofertada no 1º semestre de 2017 Física Básica 72.00 Não ofertada no 1º semestre de 2017 Geometria

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologias

Faculdade de Ciências e Tecnologias Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade Nova de Lisboa Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Duração: 5 anos Grau: Mestrado Coordenador: Maria de Graça Martinho Objectivos: A Engenharia

Leia mais