JARDIM FILTRANTE O QUE É E COMO FUNCIONA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JARDIM FILTRANTE O QUE É E COMO FUNCIONA"

Transcrição

1 JARDIM FILTRANTE O QUE É E COMO FUNCIONA

2 ÁREAS ALAGADAS NATURAIS

3 Várzea / Brejo

4 Pântano

5 Manguezal

6 As áreas alagadas exercem um importante papel nos ecosistemas, por meio da depuração fisico-química e reciclagem de nutrientes dos sistemas aquáticos

7 Plantas macróficas As macrófitas aquáticas são plantas aquáticas que vivem em brejos até ambientes verdadeiramente aquáticos (incluindo os corpos de água doce, salobra e salgada). Incluem vegetais desde microalgas até angiospermas. São caracterizados como vegetais que durante sua evolução retornaram do ambiente terrestre para o aquático, apresentando várias características de vegetais terrestres

8 Macrófitas Aquáticas

9 Macrófitas flutuantes Salvinia molesta E. crassipes (Aguapé)

10 Macrófitas submersas com folhas enraizadas Victoria amazonica (Vitória Regia)

11 Macrófitas submersas Aponogeton crispus

12 Macrófitas submersas com folhas flutuantes Eleocharis calva Taboa (Typha domingensis)

13 Áreas alagadas artificiais (Jardins Filtrantes, wetlands, etc.) Simulam áreas alagadas naturais São utilizadas no tratamento de esgoto Plantas e microorganismos trabalham juntas na depuração da água

14 Jardim filtrante no saneamento básico rural proposto É colocado como uma forma complementar à Bossa Séptica Biodigestora A Fossa Séptica Biodigestora trata a água negra (vaso sanitário) e o Jardim Filtrante trata a água cinza (Pia, chuveiro, tanque, etc.) Efluente da Fossa Séptica Biodigestora que não for utilizado na agricultura também será desviado para o Jardim Filtrante.

15 Jardim Filtrante Esquema representativo do sistema de tratamento de esgoto proposto.

16 Jardim Filtrante Esquema de um corte da proposta de jardim filtrante com macrófitas emergentes. Esquema: Valentim Monzane

17 Detalhes do jardim filtrante A areia e a brita agem como filtros físicos para material particulado. Usa-se areia grossa e brita número 2 ou 3. Antes da entrada no jardim filtrante, colocar uma caixa de gordura. O nível da água deve ser ligeiramente abaixo do nível da areia, para evitar a proliferação de mosquitos e odores.

18 Detalhes do jardim filtrante O local deve ser impermeabilizado com uma geomembrana (PVC, EPDM, etc.) As plantas agem como absorventes de nutrientes e contaminantes As plantas escolhidas devem ser preferencialmente nativas da região onde o sistema está instalado. Escolher também plantas que produzam flores para que o ambiente seja visualmente agradável.

19 Detalhes do jardim filtrante A área superficial do jardim filtrante mínima é de 1 m2 / habitante O manejo das plantas deve ser feito para minimizar se reproduzam desenfreadamente e saturem o sistema. A água que sai do sistema pode ser descartada ou reutilizada na limpeza de galpões.

20 Detalhes do jardim filtrante

21 Detalhes do jardim filtrante Proposta de dimensões do Jardim Filtrante

22 Jardim Filtrante

23 Jardim Filtrante Detalhe da entrada do líquido no Jardim Filtrante

24 Jardim Filtrante Caixa de gordura para a água cinza antes de entrar no jardim filtrante

25 Jardim Filtrante

26 Jardim Filtrante

27 Jardim Filtrante

28 Jardim Filtrante

29 Jardim Filtrante

30 Jardim Filtrante

31 Jardim Filtrante

32 Jardim Filtrante Controlador de nível da água do jardim filtrante (monge)

33 Jardim Filtrante Detalhe da saída do efluente com o sistema de controle do nível da água do jardim filtrante

34 Jardim Filtrante

35 Jardim Filtrante

36 Jardim Filtrante

37 Fauna e flora microscópica (400x) do jardim filtrante Sítio São João, 24 de abril de 2013 Consumidores primários Produtores primários e bactérias Algas diatomáceas Algas euglenóides Algas cianofíceas e bactérias Fonte: Sandra Protter

38 Jardim Filtrante / Wetland

39 Aspecto visual das amostras do Jardim Filtrante, nos pontos de amostragem P1: caixa de retenção de sólidos, antes do jardim filtrante; P2: saída do efluente do jardim filtrante e P3: saída do filtro adicional.

40 Turbidez (FTU) Variação de turbidez nos pontos de amostragem, em cada coleta P1 P2 P Coletas

41 Coliformes - Jardim Filtrante Jardim P1 P2 Remoção (%) Totais 3,6 x 10E6 2,1 x 10E6 41,7 Termotolerantes ,1

42 Agradecimentos

43

O trabalho em saneamento básico rural desenvolvido na Embrapa

O trabalho em saneamento básico rural desenvolvido na Embrapa O trabalho em saneamento básico rural desenvolvido na Embrapa Wilson Tadeu Lopes da Silva Embrapa Instrumentação wilson.lopes-silva@embrapa.br São Paulo - SP 26 de Fevereiro de 2013 Uso da água no Brasil

Leia mais

Tecnologias de saneamento Básico Rural desenvolvidas na Embrapa

Tecnologias de saneamento Básico Rural desenvolvidas na Embrapa Tecnologias de saneamento Básico Rural desenvolvidas na Embrapa Wilson Tadeu Lopes da Silva Embrapa Instrumentação Belo Horizonte 18 de março de 2013 Premissas Tecnologias simples e eficientes Necessitam

Leia mais

Distribuição da água no planeta. Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001%

Distribuição da água no planeta. Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001% ÁGUA Distribuição da água no planeta Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001% Distribuição da água no mundo 70% agricultura 22% indústria

Leia mais

II-008 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS

II-008 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS II-8 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS Marcelus Alexander Acorinte Valentim (1) Mestre em Engenharia Agrícola

Leia mais

UNIDADE EXPERIMENTAL DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR ECOSSISTEMAS CONSTRUÍDOS (UETEEC)

UNIDADE EXPERIMENTAL DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR ECOSSISTEMAS CONSTRUÍDOS (UETEEC) 51 UNIDADE EXPERIMENTAL DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR ECOSSISTEMAS CONSTRUÍDOS (UETEEC) André Baxter Barreto (andrebaxterbarreto@gmail.com) 1 Hiram Ferreira Jackson Sartori, (sartorih@pucminas.br) 2 1 -

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

ÁGUA. Reciclagem das águas residuais

ÁGUA. Reciclagem das águas residuais Reciclagem das águas residuais ÁGUA A da água in situ (no local) oferece muitas oportunidades para racionalizar o consumo de água em nossas casas. Infelizmente, toda a água que utilizamos em casa e jardins

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-001 TRATAMENTO BIOLÓGICO DE ESGOTO COM ZONA DE RAíZES EXPERIÊNCIA DA PREFEITURA MUNICIPAL

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

Avaliação da Eficiência Inicial de Wetlands Construídos no Pós-Tratamento de Reator UASB

Avaliação da Eficiência Inicial de Wetlands Construídos no Pós-Tratamento de Reator UASB Avaliação da Eficiência Inicial de Wetlands Construídos no Pós-Tratamento de Reator UASB 3 rd International Workshop: Advances in Cleaner Production Vitor Cano (Bolsista FAPESP) Bianca Gomes (Bolsista

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA Danielle Martins Cassiano de Oliveira (*), Ricardo Nagamine Costanzi * Universidade Tecnológica Federal do Paraná, danielle.martins.cassiano@gmail.com

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

INSTITUTO DE PERMACULTURA DA MATA ATLÂNTICA

INSTITUTO DE PERMACULTURA DA MATA ATLÂNTICA INSTITUTO DE PERMACULTURA DA MATA ATLÂNTICA Reciclagem de águas ÁGUA Elemento essencial para a nossa sobrevivência e para todos seres vivos, a água potável está se tornando cara e escassa. Algumas previsões

Leia mais

REMOÇÃO DE POLUENTES DE EFLUENTE DE REATOR ANAERÓBIO UTILIZANDO BANHADOS CONSTRUÍDOS VEGETADOS COM TANGOLA

REMOÇÃO DE POLUENTES DE EFLUENTE DE REATOR ANAERÓBIO UTILIZANDO BANHADOS CONSTRUÍDOS VEGETADOS COM TANGOLA REMOÇÃO DE POLUENTES DE EFLUENTE DE REATOR ANAERÓBIO UTILIZANDO BANHADOS CONSTRUÍDOS VEGETADOS COM TANGOLA André dos Santos Oliveira 1,3 ; Luciene da Silva Santos 1,3 ; Carlos Nobuyoshi Ide 2,3. 1 Bolsista

Leia mais

Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!!

Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!! Uma solução sustentável e segura, para tratamento de dejetos humanos e de suínos, no meio rural!! Universidade Federal de Lavras Núcleo de Estudos em Agroecologia e Permacultura-NEAP/DEG Eco Fossa, é uma

Leia mais

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. BIODIGESTOR 600 L 1.300 L 3.000 L Guia de Instalação Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. 1. Apresentação O Biodigestor é uma miniestação de tratamento

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014

Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014 Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014 Complexo hidroelétrico de Lajes sub-sistema Paraíba Piraí Câmara de Válvulas Usina Elevatória de Vigário ( altura 35 m) Reservatório

Leia mais

WETLANDS - PROCESSOS NATURAIS PARA REMOÇÃO DE NUTRIENTES EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

WETLANDS - PROCESSOS NATURAIS PARA REMOÇÃO DE NUTRIENTES EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS WETLANDS - PROCESSOS NATURAIS PARA REMOÇÃO DE NUTRIENTES EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Felipe Andrade Vitorino Carlos Alberto Vieira Gontijo André Lermontov RESUMO O primeiro princípio do design

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

FOSSAS SÉPTICAS. TUBOFURO - Tubos em PVC, S.A.

FOSSAS SÉPTICAS. TUBOFURO - Tubos em PVC, S.A. FOSSAS SÉPTICAS As Fossas são aplicáveis no tratamento biológico de efluentes domésticos (cozinha e casa de banho) sempre que se verifique a impossibilidade de ligação à rede de esgotos municipal. Estes

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADE CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADE CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADE CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL USO DE LEITOS CULTIVADOS COM MACRÓFITAS NO ESTUDO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE ÁGUAS CINZA SHEILA

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha o hectare Publicação do Ecocentro IPEC Ano 1, nº 3 Pirenópolis GO Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também vai conhecer um pouco mais sobre a suinocultura. Na

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de propostas com vistas

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Impacto do lançamento de efluentes nos

Leia mais

Construção e Piscinas

Construção e Piscinas Construção e Piscinas Volume IV Piscinas um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Tecnico não pode ser reproduzido ou distribuido sem a expressa autorizacao de. 2 Índice Conceito básico...3

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES COM APROVEITAMENTO DE BIOGÁS E RECICLAGEM DE NUTRIENTES ATRAVÉS DE BIOSSISTEMAS INTEGRADOS

TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES COM APROVEITAMENTO DE BIOGÁS E RECICLAGEM DE NUTRIENTES ATRAVÉS DE BIOSSISTEMAS INTEGRADOS TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES COM APROVEITAMENTO DE BIOGÁS E RECICLAGEM DE NUTRIENTES ATRAVÉS DE BIOSSISTEMAS INTEGRADOS GRANDES SISTEMAS SISTEMAS DOMICILIARES 1 BIOSSISTEMA : Conjunto de equipamentos

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista; Mestranda em Engenharia

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

PVIC/UEG, graduandos do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. Orientador, docente do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG.

PVIC/UEG, graduandos do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. Orientador, docente do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DAS LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMBINADO COM SISTEMA ALAGADO CONSTRUÍDO PARA O TRATAMENTO DO EFLUENTE DO LATICÍNIO LEITBOM LOCALIZADO EM SÃO LUIZ MONTES BELOS GO Fernando Lima Vieira

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

Monografia "ESTUDO DE PROPOSTAS PARA O USO RACIONAL E EFICIENTE DA ÁGUA"

Monografia ESTUDO DE PROPOSTAS PARA O USO RACIONAL E EFICIENTE DA ÁGUA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Engenharia Departamento de Engenharia de Materiais e Construção Curso de Especialização em Construção Civil Monografia "ESTUDO DE PROPOSTAS PARA O USO RACIONAL

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

Avaliação de um Sistema de Tratamento de Águas Residuárias por Wetland Construído com Etapa Aerada

Avaliação de um Sistema de Tratamento de Águas Residuárias por Wetland Construído com Etapa Aerada Avaliação de um Sistema de Tratamento de Águas Residuárias por Wetland Construído com Etapa Aerada Autor: Me. Helisson H. Borsato de Andrade Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade EACH-USP Grupo

Leia mais

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM?

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? 1. Matéria Bruta Representa a vontade de melhorar o 6. Reciclagem mundo e construir um futuro mais próspero. É o equilíbrio econômico, social e ambiental que garante a qualidade

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

ISSN 1518-7179 Novembro, 2010. Perguntas e Respostas: Fossa Séptica Biodigestora

ISSN 1518-7179 Novembro, 2010. Perguntas e Respostas: Fossa Séptica Biodigestora ISSN 1518-7179 Novembro, 2010 49 Perguntas e Respostas: Fossa Séptica Biodigestora ISSN 1518-7179 Novembro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Instrumentação Ministério da Agricultura

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

SISTEMAS ALTERNATIVOS PARA O TRATAMENTO LOCAL DOS EFLUENTES SANITÁRIOS 1 ALTERNATIVE SYSTEMS FOR LOCAL SANITARY SEWAGE TREATMENT

SISTEMAS ALTERNATIVOS PARA O TRATAMENTO LOCAL DOS EFLUENTES SANITÁRIOS 1 ALTERNATIVE SYSTEMS FOR LOCAL SANITARY SEWAGE TREATMENT Disc. Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, S. Maria, v. 10, n. 1, p. 53-65, 2009. 53 ISSN 1981-2841 SISTEMAS ALTERNATIVOS PARA O TRATAMENTO LOCAL DOS EFLUENTES SANITÁRIOS 1 RESUMO ALTERNATIVE

Leia mais

Reciclagem 40 - A Fossa Alterna. da fossa com terra. adicional da adição de terra e, especialmente. possa ser aproveitado. também a homogeneizar

Reciclagem 40 - A Fossa Alterna. da fossa com terra. adicional da adição de terra e, especialmente. possa ser aproveitado. também a homogeneizar Reciclagem 40 - A Fossa Alterna 105 40 A Fossa Alterna A fossa alterna é um sistema de instalação sanitária simples especificamente construído para produzir fertilizante valioso para jardins e terrenos.

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE PLACAS DE ARDÓSIA ARMADAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA

RESERVATÓRIOS DE PLACAS DE ARDÓSIA ARMADAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA RESERVATÓRIOS DE PLACAS DE ARDÓSIA ARMADAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA Autores Marina Boldo Lisboa Marcio Andrade Henrique de Melo

Leia mais

A importância da vegetação em alagados construídos. Alisson Borges GPQA/DEA/UFV Curitiba, Junho de 2015

A importância da vegetação em alagados construídos. Alisson Borges GPQA/DEA/UFV Curitiba, Junho de 2015 1 A importância da vegetação em alagados construídos Alisson Borges GPQA/DEA/UFV Curitiba, Junho de 2015 2 Roteiro da apresentação Macrófitas e/ou vegetação em alagados. Mecanismos. Literatura clássica

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernando Ernesto UCKER; Rogério de Araújo ALMEIDA Universidade Federal de Goiás UFG E-mail: ferucker@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FOSSAS VERDES PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO NORDESTE.

A UTILIZAÇÃO DE FOSSAS VERDES PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO NORDESTE. A UTILIZAÇÃO DE FOSSAS VERDES PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO NORDESTE. Mário Rodrigues Pereira da Silva mariorodriguesengprod@gmail.com Antonio Oliveira Netto oliveira_netto@hotmail.com

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA 1. INTRODUÇÃO Este memorial descritivo se destina a orientar a montagem e a operação do sistema de tratamento de efluentes denominado

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora Apresentação: Cinthia Cabral da Costa Trabalho realizado em parceria com o Prof. Joaquim Guilhoto da

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final

Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final Universidade Federal de Pelotas Dept de Veterinária Preventiva Faculdade de Veterinária Disciplina de Saneamento Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final Prof.

Leia mais

inovação Rotoplas. Guatemala, Honduras, Nicarágua, Belize, Costa Rica Panamá e Rep. Dominicana

inovação Rotoplas. Guatemala, Honduras, Nicarágua, Belize, Costa Rica Panamá e Rep. Dominicana Acqualimp, inovação Rotoplas. Presente no mercado brasileiro desde 2001, a Acqualimp pertence ao Grupo Rotoplas, com sede no México, onde detém 70% de participação no mercado. O Grupo possui 19 unidades

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO Tamires Raquel Gonçalves Silva (1); Antônio Olívio Silveira Britto (1); Juliana de Oliveira Lemos (2); Marjory

Leia mais

Apostila Tratamento de Esgoto

Apostila Tratamento de Esgoto Apostila Tratamento de Esgoto Estação de Tratamento de Mulembá - Vitória MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da sociedade,

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE Edição 26/03/08 1 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto

Leia mais

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados)

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Mostra Local de: Araruna Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: Empresa Máquinas Agrícolas Jacto S/A,

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Aula 21 Sistemas individuais de tratamento de esgotos

Aula 21 Sistemas individuais de tratamento de esgotos Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 21 Sistemas individuais de tratamento de esgotos Profª Heloise G. Knapik 1 Tratamento individual de esgoto doméstico

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais

WETLANDS CONSTRUÍDOS HORIZONTAIS APLICADOS NO TRATAMENTO DESCENTRALIZADO DE ESGOTOS

WETLANDS CONSTRUÍDOS HORIZONTAIS APLICADOS NO TRATAMENTO DESCENTRALIZADO DE ESGOTOS WETLANDS CONSTRUÍDOS HORIZONTAIS APLICADOS NO TRATAMENTO DESCENTRALIZADO DE ESGOTOS Pablo Heleno Sezerino Mayara Oliveira dos Santos Catiane Pelissari Giovanna Sánchez Celis Luiz Sergio Philippi Curitiba,

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PARA REUSO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC RIO LARGO - AL

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PARA REUSO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC RIO LARGO - AL IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PARA REUSO COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC RIO LARGO - AL AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel M. Meucci ANO -

Leia mais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais i 20/07/2007 José Luiz Silvério da Silva CCNE Djalma Dias da Silveira - CT Introdução Água é essencial: Sua ausência impossibilita

Leia mais

CENTRAL DE RELACIONAMENTO /acqualimpbr. /acqualimpbr

CENTRAL DE RELACIONAMENTO /acqualimpbr. /acqualimpbr CENTRAL DE RELACIONAMENTO /acqualimpbr /acqualimpbr ACQUALIMP, INOVAÇÃO ROTOPLAS. Presente no mercado brasileiro desde 2001, a Acqualimp pertence ao Grupo Rotoplas, com sede no México, onde detém 70% de

Leia mais

central de relacionamento /acqualimpbr /acqualimpbr

central de relacionamento /acqualimpbr /acqualimpbr central de relacionamento /acqualimpbr /acqualimpbr Acqualimp, inovação Rotoplas. Presente no mercado brasileiro desde 2001, a Acqualimp pertence ao Grupo Rotoplas, com sede no México, onde detém 70% de

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem Compostagem A compostagem é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal formando um composto. A compostagem propicia um destino

Leia mais

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Apresentação Este manual foi criado para fornecer importantes informações sobre o tratamento de piscinas e todos os processos envolvidos. Um guia que traz conceitos

Leia mais

Água: usos, conservação e monitoramento

Água: usos, conservação e monitoramento Água: usos, conservação e monitoramento 1 2 Água: usos, conservação e monitoramento São Paulo (SP), julho de 2015 3 Iniciativa Verde Rua João Elias Saada, 106 - Pinheiros, São Paulo (SP) - CEP 05427-050

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2014

TABELA DE PREÇOS 2014 TABELA DE PREÇOS 2014 ECODEPUR - Tecnologias de Protecção Ambiental, Lda Urbanização da Chã Av. 21 de Junho, n.º 103 Apartado 8 2435-087 Caxarias PORTUGAL T. +351 249 571 500 F. +351 249 571 501 geral@ecodepur.pt

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG.

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. FUNASA SOLUÇÕES INOVADORAS DE TRATAMENTO E REÚSO DE ESGOTO EM COMUNIDADES ISOLADAS Campinas, 20-21 junho 2013 TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. Marcos von Sperling Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DE ÁGUAS CINZA COM FINS NÃO POTÁVEIS 1

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DE ÁGUAS CINZA COM FINS NÃO POTÁVEIS 1 CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DE ÁGUAS CINZA COM FINS NÃO POTÁVEIS 1 Ellen Carla Francisca Alexandre 2 ; Alisson Vinicius Pereira 3 ; Mara Lucia Lemke-de-Castro 4 ellencarlabiologa@gmail.com; alisson_viny@hotmail.com;

Leia mais

Jardim de Águas Servidas

Jardim de Águas Servidas Jardim de Águas Servidas Projeto piloto de sistemas sustentáveis para tratamento de efluentes residenciais em ecovila Limeira-SP Cliente: XXXX Projetistas: Alexander Van Parys Piergili Eng o Agrônomo/

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS

Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS Téc. Agroecologia U.C. Fundamentos de Agroecologia FUNDAMENTOS DE ECOSSISTEMAS 2014 ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS Conceitos ecológicos Fatores bióticos e abióticos Ecossistemas e Agroecossistemas Relação entre

Leia mais

Experiências da Unicamp no saneamento rural

Experiências da Unicamp no saneamento rural Experiências da Unicamp no saneamento rural Adriano Luiz Tonetti Departamento de Saneamento e Ambiente Isabel C. S. Figueiredo Departamento de Saneamento e Ambiente PROSAB PROSAB: Programa de Pesquisas

Leia mais

EXISTIMOS... PARA O SERVIR

EXISTIMOS... PARA O SERVIR Laboratórios Técnicos de Produtos de Manutenção e Segurança, Lda Tel:271747070/78 Fax: 271747079 E-Mail: comercial@latecma.com Zona Industrial Apartado 20 6360 060 Celorico da Beira Ò www.latecma.com 03

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

Gestão de resíduos urbanos. João Paulo Nardin Tavares

Gestão de resíduos urbanos. João Paulo Nardin Tavares Gestão de resíduos urbanos João Paulo Nardin Tavares POLUIÇÃO DO SOLO O Solo É a formação natural na porção superficial da crosta terrestre. Permite o desenvolvimento vegetal na superfície terrestre Compreende

Leia mais

PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES

PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES Cartilha 1 - Série Educação Ambiental Uma prática para o bem de todos EXPEDIENTE Projeto Educação Ambiental Cartilha 1 - Série Educação Ambiental

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Uso de efluentes de tratamento de esgotos para a recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Isoladas VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA ANDRÉ LUIZ IAQUELI WETLANDS CONSTRUÍDOS: APLICAÇÕES, BENEFÍCIOS E VANTAGENS DO SISTEMA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA ANDRÉ LUIZ IAQUELI WETLANDS CONSTRUÍDOS: APLICAÇÕES, BENEFÍCIOS E VANTAGENS DO SISTEMA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA ANDRÉ LUIZ IAQUELI WETLANDS CONSTRUÍDOS: APLICAÇÕES, BENEFÍCIOS E VANTAGENS DO SISTEMA SÃO PAULO, 2016 1 ANDRÉ LUIZ IAQUELI WETLANDS CONSTRUÍDOS: APLICAÇÕES,

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Manual Prático Saneamento Básico Residencial

Manual Prático Saneamento Básico Residencial Manual Prático Saneamento Básico Residencial 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

Localização Estoques Hídricos

Localização Estoques Hídricos ÁGUA USO RACIONAL FUNDAÇÃO RELICTOS Ciclo da Água Estado Físico da Água. Localização Estoques Hídricos Água no Mundo Água no Nosso Corpo 74% do nosso corpo também é constituído de água. Assim como a água

Leia mais

Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte. Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo;

Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte. Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo; Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte REATORES ANAERÓBIOS Divididos em dois grupos: Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo; Sistemas de Alta Taxa:

Leia mais