Open Shortest Path First (OSPF)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Open Shortest Path First (OSPF)"

Transcrição

1 Open Shortest Path First (OSPF) Carlos Gustavo A. da Rocha

2 Introdução Protocolo de roteamento baseado em estado de enlace, padronizado na RFC 2328 Criado para solucionar as deficiências do RIP Roteadores enviam anúncios (LSAs), com uma série de informações Algoritmo SPF é utilizado para calcular a menor trajetória para cada nó (roteador) Pode operar dentro de uma hierarquia

3 Introdução Protocolo de roteamento baseado em estado de enlace, padronizado na RFC 2328 (cont.) Embora seja um protocolo IGP é capaz de se comunicar com protocolos EGP (BGP4) para enviar e receber rotas Quando um roteador é ligado ele: inicializa uma série de estruturas de dados do protocolo; verifica o status das interfaces de redes; envia mensagens para conhecer os roteadores vizinhos

4 Introdução Protocolo de roteamento baseado em estado de enlace, padronizado na RFC 2328 (cont.) As métricas, por padrão, são calculadas segundo a velocidade do enlace Na definição da RFC: Custo = 108 / velocidade Cálculo atualmente é um pouco diferente, devido ao surgimento de links cada vez mais velozes

5 Comparação RIP x OSPF Característica RIP OSPF Limite de hops 15 não Suporte a VLSM sim sim Broadcast periódico da tabela de rotas sim não Broadcast somente quando a tabela de rotas é alterada não sim Atualização das tabelas com mensagens IP multicast sim sim Convergência da(s) tabela(s) de roteamento lenta rápida Decisão de roteamento baseada no número de hops sim não Decisão de roteamento pode utilizar várias métricas não sim Possibilidade de rotas alternativas para um mesmo destino não sim Hierarquia de roteamento (divisão da rede em áreas) não sim Autenticação das mensagens de atualização de rotas sim sim Comunicação com EGPs não sim Fonte: Roteamento avançado ESR/RNP. pp 87

6 Estado do enlace No OSPF, um enlace é uma interface (física ou lógica) de um roteador. Seu estado pode incluir Uma descrição, endereço IP, máscara de rede, tipo de rede, outros roteadores conectados àquela rede etc Quando um roteador é ligado 1. Descobre os vizinhos; Gera as informações de estado para cada enlace; As envia para todos os outros roteadores da rede 2. Calcula o menor caminho para todos os roteadores, utilizando para tanto o algoritmo SPF - Dijkstra

7 Exemplo de execução do algoritmo Dijkstra Círculos representam os roteadores Linhas representam os links entre roteadores Valores representam o custo de se enviar um datagrama IP passando por aqueles roteadores Ná prática este valor é atribuído de forma automática, sendo inversamente proporcional a velocidade do link Caso desejável, pode ser ajustado manualmente Nota: explicar o algoritmo Dijkstra em si foge do escopo desta disciplina, contudo o mesmo é amplamente documentado na Internet

8 Exemplo de execução do algoritmo Dijkstra B 2 E A D 6 1 F 4 H Nó raiz C G 1

9 Exemplo de execução do algoritmo Dijkstra B (A,4) 2 E (B,6) A D (B,5) 6 1 F (E,7) 4 H (G,10) Nó raiz C (A,2) 1 G (F,9)

10 Exemplo de execução do algoritmo Dijkstra B (A,4) 2 E (B,6) REDE 1 A 4 1 D (B,5) 1 F (E,7) H (G,10) 2 2 Nó raiz C (A,2) 1 G (F,9) REDE 2 A melhor rota entre as redes 1 e 2 segue o caminho: A B E F G H

11 Áreas OSPF Uma rede que utiliza o protocolo OSPF pode ser dividida em áreas Objetivo é reduzir o tráfego, e criar uma hierarquia Cada área executa uma instância independente do OSPF e do algoritmo Dijkstra Pelo menos a área 0 (zero) sempre estará presente Caso se utilize a subdivisão em áreas, a 0 será chamada de backbone OSPF Todas as outras áreas tem que estar fisicamente conectadas ao backbone OSPF

12 Áreas OSPF Outros tipos de áreas padrões são Stub Area: Este tipo de área não recebe rotas vindas de um AS externo. O roteamento para fora desta área é irá utilizar uma rota default. Totally Stub Area: Semelhante a stub, mas não permite a existência de rotas sumarizadas. Not-so-stubby area: (worst name award) é um tipo de stub área que pode enviar rotas externas do AS para outras áreas, mas continua sem recebe-las. Além dessas existem outros tipos de áreas proprietárias

13 Tipos de roteadores OSPF Backbone Router (BR): possui interfaces conectadas ao backbone Área Border Router (ABR): possui interfaces conectadas a mais de uma área (normalmente uma delas será a de backbone) Internal Router (IR): todas as interfaces estão conectadas à mesma área (exceto a de backbone) Autonomous System Border Router (ASBR): possui interfaces conectadas com roteadores de outro(s) AS, e troca informações de roteamento com o mesmo

14 Exemplo de áreas e tipos de roteadores OSPF

15 Funcionamento (noções) Após concluir sua inicialização (ou no momento que o OSPF é ativado) o roteador envia pacotes Hello Utiliza multicast, IP de destino Resposta são pacotes Hello dos possíveis vizinhos Para se tornarem vizinhos, roteadores devem Estar na mesma área Possuir a mesma senha de autenticação (opcional) Possuir mesmo Hello e Dead interval Possuir o mesmo stub área flag

16 Funcionamento (noções) O roteador tentará criar adjacências com alguns de seus vizinhos Os dados de estado dos enlaces (e mais tarde as atualizações de rotas) são trocados apenas entre pares de roteadores adjacentes Em cada área existe um roteador (DR) com uma função especial, que determina (entre outras coisas), quais roteadores se tornarão adjacentes

17 Funcionamento (noções) O roteador periodicamente anuncia o estado de seus enlaces E imediatamente quando este estado sofre alterações Estes Pacotes são chamados de LSAs e também descrevem as adjacências de cada roteador LSAs são propagados para todos os roteadores de uma mesma área O conjunto de LSAs recebidos por um roteador forma um bando de dados de estado de enlace DBLSA Será idêntico em todos os roteadores da área

18 Funcionamento (noções) De posse do DBLSA cada roteador Monta o gafo que representa a topologia de ligação entre todos os roteadores da área Executa o algoritmo Dijkstra, e encontra o melhor caminho para cada outro roteador da área Os caminhos mais curtos permitem a montagem da tabela de roteamento

19 Tipos de LSAs padrões LSA tipo 1 (router LSA) Roteador anuncia sua presença Lista os links para outros roteadores na mesma area, juntamente com as métricas LSA tipo 2 (network LSA) Roteador com papel de DR lista todos os rotedores presentes em um mesmo segmento de rede Usado apenas em broadcast segments, por exemplo, uma rede ethernet

20 Tipos de LSAs padrões LSA tipo 3 (summary LSA) Roteador com papel de ABR reúne as informações de roteamento de uma área, se possível sumariza as rotas, e as envia para outras áreas. LSA tipo 4 (ASBR summary LSA) Roteador com papel de ABR descreve um ASBR de uma área, para os roteadores de outra área Permite ao restante da rede rotear tráfego para fora da rede OSPF, normalmente para outro AS

21 Tipos de LSAs padrões LSA tipo 5 (External LSA) Contém informação importada no OSPF vindas de outros protocolos de roteamento. São enviados para todas as áreas, exceto as stub LSA tipo 7 (NSSA LSA) Usado em áreas NSSA para permitir a redistribuição de rotas até um ABR (que os traduz para um LSA tipo 5 e envia para o restante da rede) - Além destes, existem outros LSAs relacionados principalmente ao protocolo IPv6 e engenharia de tráfego.

22 Formato dos principais pacotes Hello

23 Formato dos principais pacotes Database Description

24 Formato dos principais pacotes Link State Request

25 Formato dos principais pacotes Link State Update

26 Formato dos principais pacotes Link State Acknowledgement

CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) OSPF

CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) OSPF CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) OSPF Cronograma Introdução Encapsulamento de mensagens Protocolos Hello Algoritmo OSPF Distância administrativa Autenticação Configuração básica

Leia mais

Formação para Sistemas Autônomos OSPF. Formação para Sistemas Autônomos

Formação para Sistemas Autônomos OSPF. Formação para Sistemas Autônomos OSPF Licença de uso do material Esta apresentação está disponível sob a licença Creative Commons Atribuição Não a Obras Derivadas (by-nd) http://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/legalcode Você

Leia mais

# $ % & ' ( ) * ' ( ) *! " " Orientador +, -

# $ % & ' ( ) * ' ( ) *!   Orientador +, - #$ %&'()* '()*!"" Orientador +,- ."%&/0#12 3"/%'0)/))&/ )4506 7" %/0)/))&/ 8906 8)) :"'/0)/))&/ '% '); Um roteador recebe em alguma de suas interfaces um pacote vindo da rede local ou da rede externa.

Leia mais

OSPF. Protocolos e Conceitos de Roteamento Capítulo 11. ITE PC v4.0 Chapter Cisco Systems, Inc. All rights reserved.

OSPF. Protocolos e Conceitos de Roteamento Capítulo 11. ITE PC v4.0 Chapter Cisco Systems, Inc. All rights reserved. OSPF Protocolos e Conceitos de Roteamento Capítulo 11 1 Objetivos Descrever os recursos fundamentais e básicos do OSPF Identificar e aplicar comandos básicos de configuração do OSPF Descrever, modificar

Leia mais

RIP OSPF. Características do OSPF. Características do OSPF. Funcionamento do OSPF. Funcionamento do OSPF

RIP OSPF. Características do OSPF. Características do OSPF. Funcionamento do OSPF. Funcionamento do OSPF OSPF & mospf Visão Geral do Protocolo Escopo da Apresentação Introdução - Protocolos de roteamento - Tipos de protocolos - Histórico do protocolos de roteamento (RIP e suas características) OSPF MOSPF

Leia mais

ROUTER. Alberto Felipe Friderichs Barros

ROUTER. Alberto Felipe Friderichs Barros ROUTER Alberto Felipe Friderichs Barros Router Um roteador é um dispositivo que provê a comunicação entre duas ou mais LAN s, gerencia o tráfego de uma rede local e controla o acesso aos seus dados, de

Leia mais

Que são áreas do OSPF e enlaces virtuais?

Que são áreas do OSPF e enlaces virtuais? Que são áreas do OSPF e enlaces virtuais? Índice Introdução O que são áreas, áreas stub e áreas de não muito stub? Definir uma área de stub Defina uma área totalmente de stub Definir uma área de não muito

Leia mais

CCNA 1 Roteamento e Sub-redes. Kraemer

CCNA 1 Roteamento e Sub-redes. Kraemer CCNA 1 Roteamento e Sub-redes Roteamento e Sub-redes Introdução Protocolo roteado Visão geral de roteamento Endereçamento de sub-redes Introdução IP é o principal protocolo roteado da Internet IP permite

Leia mais

Redes. DIEGO BARCELOS RODRIGUES Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes. DIEGO BARCELOS RODRIGUES Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcelos@ifes.edu.br 1 Agenda Correção do Trabalho de Casa Exercício Ponto Extra Roteamento o Estático o Dinâmico 2 Exercício Valendo Ponto Extra Utilize VLSM para distribuir

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

Como o OSPF gera as rotas padrão?

Como o OSPF gera as rotas padrão? Como o OSPF gera as rotas padrão? Índice Introdução Antes de Começar Convenções Pré-requisitos Componentes Utilizados Tipos de áreas OSPF Áreas normais Áreas de stub e totalmente stub NSSAs Informações

Leia mais

3º Semestre. Aula 02 Introdução Roteamento

3º Semestre. Aula 02 Introdução Roteamento Disciplina: Dispositivos de Redes I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 02 Introdução Roteamento 2014/1 Roteiro de Aula O que é Roteamento? IP X Protocolos de Roteamento Roteamento Direto

Leia mais

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF)

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) 2014/1 Roteiro de Aula Introdução Funcionamento

Leia mais

Capítulo 7: Roteando Dinamicamente

Capítulo 7: Roteando Dinamicamente Capítulo 7: Roteando Dinamicamente Protocolos de roteamento 1 Capítulo 7 7.1 Protocolos de roteamento dinâmico 7.2 Roteamento dinâmico de vetor distância 7.3 Roteamento RIP e RIPng 7.4 Roteamento dinâmico

Leia mais

CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Protocolo RIP

CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Protocolo RIP CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Protocolo RIP Cronograma Introdução Formato da mensagem e características do RIP Operação do RIP Habilitando o RIP Verificando, identificando e resolvendo

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Nome: ; Nº de aluno: ; Turma: ; Curso: LEIC LEETC LERCM MEET MEIC MERCM ;

Leia mais

também conhecido como Interior Gateway Protocols (IGP) protocolos de roteamento intra-as mais comuns:

também conhecido como Interior Gateway Protocols (IGP) protocolos de roteamento intra-as mais comuns: Roteamento intra-as também conhecido como Interior Gateway Protocols (IGP) protocolos de roteamento intra-as mais comuns: RIP: Routing Information Protocol OSPF: Open Shortest Path First IGRP: Interior

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Capítulo 7: Roteando Dinamicamente (Resumo)

Capítulo 7: Roteando Dinamicamente (Resumo) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 7: Roteando Dinamicamente (Resumo) Protocolos de roteamento Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Protocolos de Roteamento link-state

Protocolos de Roteamento link-state CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Protocolos de Roteamento link-state Cronograma Introdução Introdução ao algoritmo SPF Processo de roteamento link-state Criação de um B.D. link-state

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. ROTEAMENTO...3 1.1 Introdução... 3 1.2 O roteamento e seus componentes... 3 1.3 Tabelas de roteamento... 3 1.4 Protocolos de roteamento... 3

Leia mais

RIP Routing Information Protocol

RIP Routing Information Protocol Routing Information Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução O objetivo final de qualquer protocolo de roteamento é automatizar o processo de preenchimento das tabelas de rotas de roteadores Dependendo

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do N Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Prof. Diego Pereira

Leia mais

Estudo comparativo dos Protocolos OSPFv2 e OSPFv3¹

Estudo comparativo dos Protocolos OSPFv2 e OSPFv3¹ V SRST SEMINÁRIO DE REDES E SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES INATEL ISSN 2358-1913 SETEMBRO DE 2016 Estudo comparativo dos Protocolos OSPFv2 e OSPFv3¹ Paulo Afonso de

Leia mais

Roteamento AS e OSPF. AS Autonomous System

Roteamento AS e OSPF. AS Autonomous System Roteamento AS e OSPF Prof. Alexandre Beletti AS Autonomous System Como cada rede é independente, todas elas podem usar diferentes algoritmos. Por serem independentes umas das outras, com frequência cada

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 6 - Roteamento e ProtocolosP de Roteamento 1 Objetivos do Capítulo Entender o conceito de protocolo de roteamento; Conhecer o roteamento estático;

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet - Exame de ªépoca 06/0/03 As perguntas de escolha múltipla

Leia mais

PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04. Administração de Redes III

PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04. Administração de Redes III Trabalho: PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04 Cadeira: Administração de Redes III Data: 23/03/2013 Aluno: Revisões: 1.2 Impresso em 22/04/2013 Página 1 de 22 RESUMO Este documento faz uma análise técnica das

Leia mais

Como o roteador trabalha?

Como o roteador trabalha? Roteamento IPv6 Como o roteador trabalha? Ex.: 1.O roteador recebe um quadro Ethernet; 2.Verifica a informação do Ethertype que indica que o protocolo da camada superior transportado é IPv6; 3.O cabeçalho

Leia mais

RCO2. Redes Locais: Interligação de LANs com roteadores

RCO2. Redes Locais: Interligação de LANs com roteadores RCO2 Redes Locais: Interligação de LANs com roteadores Pontes e switches: ativos de camada de enlace 2 Pontes e switches: aprendem que estações estão em cada porta Mas pode haver problemas! Considere a

Leia mais

3ª Ficha de Avaliação Teórica. Para a elaboração deste trabalho pode consultar, entre outra, a seguinte bibliografia:

3ª Ficha de Avaliação Teórica. Para a elaboração deste trabalho pode consultar, entre outra, a seguinte bibliografia: Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Eletrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet (RI) 2017/2018 LEIC, LEETC, LEIM, LEIRT, MEIC, MEET, MERCM

Leia mais

Introdução ao Roteamento

Introdução ao Roteamento Carlos Gustavo Araújo da Rocha Imagine o seguinte cenário IP= 10.0.0.15 Mask = End. Rede = 10.0.0.0 IP= 10.0.1.231 Mask = End. Rede = 10.0.1.0 Ethernet Roteamento Neste caso as duas estações estão em redes

Leia mais

12/03/2015. Multicast e EIGRP. Prof. Alexandre Beletti. Multicast

12/03/2015. Multicast e EIGRP. Prof. Alexandre Beletti. Multicast Multicast e EIGRP Prof. Alexandre Beletti Multicast 1 Multicast Transmissão seletiva para múltiplos pontos Cada máquina escolhe se deseja ou não participar da transmissão As interfaces de rede são configuradas

Leia mais

PTC Aula Roteamento intra-as na Internet: OSPF 5.4 Roteamento entre os ISPs: BGP. (Kurose, p ) (Peterson, p.

PTC Aula Roteamento intra-as na Internet: OSPF 5.4 Roteamento entre os ISPs: BGP. (Kurose, p ) (Peterson, p. PTC 3450 - Aula 23 5.3 Roteamento intra-as na Internet: OSPF 5.4 Roteamento entre os ISPs: BGP (Kurose, p. 280-306) (Peterson, p. 147-163) 23/06/2017 Muitos slides adaptados com autorização de J.F Kurose

Leia mais

Noções de BGP4. Carlos Gustavo A. da Rocha. Roteamento Internet

Noções de BGP4. Carlos Gustavo A. da Rocha. Roteamento Internet Noções de BGP4 Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução Protocolos de roteamento como RIP e OSPF devem ser implantados em um domínio administrativo, um grupo de roteadores sobre administração única Como trocar

Leia mais

ROTEAMENTO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC

ROTEAMENTO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC ROTEAMENTO REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ INTRODUÇÃO A comunicação entre nós de uma rede local é realizada a partir da comutação (seja por circuito, seja por pacotes). Quem realiza essa função é o switch

Leia mais

UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE

UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE UFRN/COMPERVE CONCURSO PÚBLICO IFRN 2010 DOCENTE Expectativa de Respostas Rede de Computadores A) As tabelas de roteamento podem ser manipuladas diretamente pelo administrador da rede através de comandos

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Capítulo 4 A camada de REDE

Capítulo 4 A camada de REDE Capítulo 4 A camada de REDE slide 1 Introdução A camada de rede slide 2 Repasse e roteamento O papel da camada de rede é transportar pacotes de um hospedeiro remetente a um hospedeiro destinatário. Repasse.

Leia mais

Aula 12 Protocolo de Roteamento EIGRP

Aula 12 Protocolo de Roteamento EIGRP Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 12 Protocolo de Roteamento EIGRP 2014/1 09/06/14 1 2 de 34 Introdução Em 1985 a Cisco criou o IGRP em razão das

Leia mais

Problema de Roteamento comum com Endereço de Encaminhamento do OSPF

Problema de Roteamento comum com Endereço de Encaminhamento do OSPF Problema de Roteamento comum com Endereço de Encaminhamento do OSPF Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Descrição do endereço de encaminhamento OSPF Problema de

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Redes de computadores. Monteiro, Emiliano S. Professor Out/2016

Redes de computadores. Monteiro, Emiliano S. Professor Out/2016 Redes de computadores Monteiro, Emiliano S. Professor Out/2016 Algoritmos de Roteamento Algoritmos não adaptativos: não baseiam suas decisões de roteamento em medidas ou estimativas de tráfego e da topologia

Leia mais

IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 1

IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 1 IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 1 IPv6 - O Novo Protocolo da Internet (2013) ::: Samuel Henrique Bucke Brito 2 Roteamento Estático 1 Rotas Estáticas a Rotas Flutuantes

Leia mais

Laço/roteamento subótimo do roteamento OSPF entre o Cisco IOS e o NXOS para o exemplo de configuração das rotas externas

Laço/roteamento subótimo do roteamento OSPF entre o Cisco IOS e o NXOS para o exemplo de configuração das rotas externas Laço/roteamento subótimo do roteamento OSPF entre o Cisco IOS e o NXOS para o exemplo de configuração das rotas externas Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Informações de

Leia mais

CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) RIPv2

CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) RIPv2 CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) RIPv2 Cronograma Introdução Interface de loopback Distribuição de rota Teste de conectividade Habilitando e verificando o RIP Desabilitando a sumarização

Leia mais

Exemplo de configuração do cálculo da rota do Tipo 5 OSPF

Exemplo de configuração do cálculo da rota do Tipo 5 OSPF Exemplo de configuração do cálculo da rota do Tipo 5 OSPF Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Informações de Apoio Configurar Diagrama de Rede Configurações Verificar Envie

Leia mais

Projetando redes de discagem do provedor de serviços da larga escala com OSPF

Projetando redes de discagem do provedor de serviços da larga escala com OSPF Projetando redes de discagem do provedor de serviços da larga escala com OSPF Índice Introdução Topologia de rede Conjuntos de dialup ISP Conjunto estático Conjunto central Projeto do Dialup com um pool

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega: 06/11/2016

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega: 06/11/2016 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet (LEIC/LEETC/LEIM/MEIC) Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Capítulo 6: Roteamento Estático. Protocolos de roteamento

Capítulo 6: Roteamento Estático. Protocolos de roteamento Capítulo 6: Roteamento Estático Protocolos de roteamento 1 Capítulo 6 6.1 Implementação de roteamento estático 6.2 Configurar rotas estáticas e padrão 6.3 Revisão de CIDR e de VLSM 6.4 Configurar rotas

Leia mais

Routing Dinâmico Link State OSPF. Rui Prior 2006/07 (adap. Pedro Brandão) 1

Routing Dinâmico Link State OSPF. Rui Prior 2006/07 (adap. Pedro Brandão) 1 Arquitectura de Redes Routing Dinâmico Link State OSPF 1 2 Algoritmos de encaminhamento estado das ligações (link state) Os protocolos do tipo Link State (LS) mantêm informação topológica muito mais complexa

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP 1 EGPs (Exterior Gateway Protocols) 2 Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das tabelas de encaminhamento e para

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Roteamento IPv4 básico com OSPF. Por Patrick Brandão TMSoft

Roteamento IPv4 básico com OSPF. Por Patrick Brandão TMSoft Roteamento IPv4 básico com OSPF Por Patrick Brandão TMSoft www.tmsoft.com.br Pré-requisitos Conhecimento técnico de IPv4 Laboratório com roteadores OSPF Cisco MyAuth3 Mikrotik RouterOs Conceitos básicos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Redes de Computadores I - Princípios de Roteamento. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Princípios de Roteamento. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Princípios de Roteamento por Helcio Wagner da Silva Classificação dos Algoritmos Globais x scentraliados Globais Algoritmo considera com dados de cálculo a conectividade entre

Leia mais

O que o comando show ip ospf interface revela?

O que o comando show ip ospf interface revela? O que o comando show ip ospf interface revela? Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Exemplo da estrutura de dados da interface Estado da interface Endereço IP e

Leia mais

Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância)

Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância) Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância) Profª Ana Lúcia L Rodrigues Wiggers 2009, Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Protocolo de roteamento Dinâmico

Leia mais

O que é a distância administrativa?

O que é a distância administrativa? O que é a distância administrativa? Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Convenções Selecione o Melhor Caminho Tabela de Valor de Distância Padrão Outras Aplicações da Distância

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 OSPF Open Shortest Path First - OSPF Protocolo aberto e padronizado pelo IETF (RFC 2328), o que permite que diversas plataformas

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega 06/11/2015

Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação Teórica Data Limite de Entrega 06/11/2015 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Internet (LEIC/LEETC/LEIM) Nome: Nº de aluno: 2ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 4.7 Roteamento de broadcast e multicast Prof. Jó Ueyama Maio/2011 SSC0641-2011 1 Tipos de tráfego unicast: pacote enviado a um único destino. broadcast: pacote enviado a

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico Link State OSPF 1 Algoritmos de encaminhamento estado das ligações (link state) 2 Os protocolos do tipo Link State mantêm uma tabela de informação topológica muito

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de rede: roteamento estático, roteamento dinâmico e métricas, protocolos de roteamento (Vetor de Distância, Estado de Enlace), protocolos RIP e OSPF Versão 1.0 Maio de 2017

Leia mais

Configurando um Gateway de Último Recurso Usando Comandos IP

Configurando um Gateway de Último Recurso Usando Comandos IP Configurando um Gateway de Último Recurso Usando Comandos IP Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções ip default-gateway ip default-network Embandeire uma rede padrão

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E REDES INDUSTRIAIS

REDES DE COMPUTADORES E REDES INDUSTRIAIS PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE EQUIPAMENTOS JÚNIOR - ELETRÔNICA ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: AUTOMAÇÃO REDES DE COMPUTADORES E REDES INDUSTRIAIS QUESTÕES RESOLVIDAS PASSO A PASSO PRODUZIDO POR EXATAS CONCURSOS

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Engenharia Eletrônica

Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Engenharia Eletrônica Universidade Federal do Rio de Janeiro Aluno: Professor: Otto Duarte Disciplina: Redes I - Introdução Protocolos de Roteamento - RIP Roteamento é um processo que tem como objetivo determinar por onde mandar

Leia mais

Protocolos de roteamento dinâmico

Protocolos de roteamento dinâmico Protocolos de roteamento dinâmico Maurício B. Bendjouya 1, Msc. André Moraes 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

No ponto onde broadcast e/ou flooding deixa de fazer sentido, outro tipo de equipamento se faz necessário: O ROTEADOR!

No ponto onde broadcast e/ou flooding deixa de fazer sentido, outro tipo de equipamento se faz necessário: O ROTEADOR! INTERCONEXÃO DE REDES LOCAIS COM ROTEADORES LANs podem ser conectadas entre si com pontes (bridges) Por que não usar sempre pontes para construir redes grandes? Pontes implementam uma LAN única e a maioria

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Bacharelado em Informática TCP/IP TCP/IP TCP/IP TCP/IP. Encaminhamento e roteamento. Atualização de tabelas de rotas Sistemas autônomos

Bacharelado em Informática TCP/IP TCP/IP TCP/IP TCP/IP. Encaminhamento e roteamento. Atualização de tabelas de rotas Sistemas autônomos Bacharelado em Informática Disciplina: Internet e Arquitetura Encaminhamento e roteamento Atualização de tabelas de rotas Encaminhamento Cada datagrama é despachado pela origem e o software IP na origem

Leia mais

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução Protocolo OSPF O protocolo OSPF é um protocolo de roteamento link-state (estado de enlace). A idéia por trás de roteamento link-state é simples e pode ser apresentada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Configurar OSPFv3 como o protocolo PE-CE com técnicas de prevenção do laço

Configurar OSPFv3 como o protocolo PE-CE com técnicas de prevenção do laço Configurar OSPFv3 como o protocolo PE-CE com técnicas de prevenção do laço Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Informações de Apoio Configurar Diagrama de Rede Configuração

Leia mais

AULA 07 Roteamento Dinâmico com Protocolo RIP

AULA 07 Roteamento Dinâmico com Protocolo RIP Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre AULA 07 Roteamento Dinâmico com Protocolo RIP 2014/1 Roteiro de Aula Introdução a Conceitos de Roteamento Dinâmico Problemas

Leia mais

Protocolos de roteamento dinâmico

Protocolos de roteamento dinâmico Protocolos de roteamento dinâmico Maurício B. Bendjouya 1, Msc. André Moraes 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves

Leia mais

Introdução aos Protocolos de Roteamento Dinâmico

Introdução aos Protocolos de Roteamento Dinâmico CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Introdução aos Protocolos de Roteamento Dinâmico Cronograma Introdução Perspectiva e histórico Classificação de protocolos Métrica Distância administrativa

Leia mais

Hierarquia de AS. Formato do Datagrama IP. IP Fragmentação e Remontagem. IP Fragmentação e Remontagem. ICMP: Internet Control Message Protocol

Hierarquia de AS. Formato do Datagrama IP. IP Fragmentação e Remontagem. IP Fragmentação e Remontagem. ICMP: Internet Control Message Protocol Formato do Datagrama IP versão do Protocolo IP do header (bytes) Classe de serviço número máximo de saltos (decrementado em cada roteador) Protocolo da camada superior com dados no datagrama 32 bits ver

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I Aula 14 Protocolo EIGRP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Introdução Enhanced Interior Gateway Routing Protocol (EIGRP) é um protocolo avançado de roteamento

Leia mais

Interior Gateway Protocols Routing Information Protocol - RIP. Redes de Comunicação de Dados

Interior Gateway Protocols Routing Information Protocol - RIP. Redes de Comunicação de Dados Interior Gateway Protocols Routing Information Protocol - RIP Redes de Comunicação de Dados Routing Information Protocol RIPv1 Características Implementa um algoritmo do tipo vector-distance Incluído na

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 9 IPv4 e IPv6 Camada de Rede IPv4 e o IPv6 O IPv4 e o IPv6 IPv4 significa Protocol version 4, ou versão 4 de protocolos. O IPv6 é a sexta revisão

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico Vectores de distância RIP Algoritmos de encaminhamento vectores de distância Influência no desempenho da rede Alterações na topologia Routers divulgam informação

Leia mais

Vazamento de rota em redes MPLS/VPN

Vazamento de rota em redes MPLS/VPN Vazamento de rota em redes MPLS/VPN Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Configurar Vazamento de rota de uma tabela de roteamento global em um VRF e vazamento de

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Camadas do TCP/IP. Camada de Rede Protocolo IP. Encapsulamento dos Dados. O Protocolo IP. IP visto da camada de Transporte.

Camadas do TCP/IP. Camada de Rede Protocolo IP. Encapsulamento dos Dados. O Protocolo IP. IP visto da camada de Transporte. Camadas do TCP/IP Camada de Protocolo IP TE090 s de Computadores UFPR Prof. Eduardo Parente Ribeiro Aplicação Transporte ou Serviço Roteamento ou Inter-rede Enlace ou Interface de FTP, TELNET, SMTP, BOOTP,

Leia mais

Capítulo 4: Conceitos de Roteamento

Capítulo 4: Conceitos de Roteamento Capítulo 4: Conceitos de Roteamento Protocolos de roteamento 1 Capítulo 4 4.0 Conceitos de Roteamento 4.1 Configuração inicial de um roteador 4.2 Decisões de roteamento 4.3 Operação de roteamento 4.4 Resumo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Introdução ao roteamento Aula 20 Inter-rede TCP/IP (Internet) é composta por um conjunto de redes interligadas por roteadores Roteador

Leia mais

Como o OSPF propaga as rotas externas em áreas múltiplas

Como o OSPF propaga as rotas externas em áreas múltiplas Como o OSPF propaga as rotas externas em áreas múltiplas Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Configurar Diagrama de Rede Configurações Verificar Examine a base

Leia mais

Parte 3: Camada de Rede

Parte 3: Camada de Rede Parte 3: Camada de Rede Objetivos: Visão Geral: Entender os princípios dos serviços da Camada de Rede: Roteamento (seleção de caminho). Implementação na Internet. Serviços da Camada de Rede. Princípios

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS DE SEGURANÇA E DISTRIBUIÇÃO DE ROTAS EM FUSÃO DE REDES COORPORATIVAS

ANÁLISE DOS ASPECTOS DE SEGURANÇA E DISTRIBUIÇÃO DE ROTAS EM FUSÃO DE REDES COORPORATIVAS TRABALHO DE GRADUAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS DE SEGURANÇA E DISTRIBUIÇÃO DE ROTAS EM FUSÃO DE REDES COORPORATIVAS Felipe Xavier Souza Cruz Rodrygo Torres Córdova Brasília, 24 julho de 2013 UNIVERSIDADE DE

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

O objetivo deste módulo é apresentar a arquitetura atual da Internet, baseada em endereços IPv4.

O objetivo deste módulo é apresentar a arquitetura atual da Internet, baseada em endereços IPv4. O objetivo deste módulo é apresentar a arquitetura atual da Internet, baseada em endereços IPv4. Para isso será abordado o conceito de sistemas autônomos (Autonomous System AS) que é a forma de organização

Leia mais

Problemas vizinhos ao OSPF explicados

Problemas vizinhos ao OSPF explicados Problemas vizinhos ao OSPF explicados Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Adjacências Estados do vizinho Nenhum estado revelado Vizinho no estado inativo Vizinho

Leia mais