AS VIRTUDES: O QUE SÃO E COMO E COMO SE ADQUIREM?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS VIRTUDES: O QUE SÃO E COMO E COMO SE ADQUIREM?"

Transcrição

1 AS VIRTUDES: O QUE SÃO E COMO E COMO SE ADQUIREM? À medida que as crianças crescem, precisam de adquirir e desenvolver algumas qualidades de carácter, a que alguns autores chamam disposições e hábitos, tais como o sentido da responsabilidade, coragem, temperança, sentido da justiça, autodomínio e prudência. Estas virtudes não são mais do que hábitos da mente, bons sentimentos e força de vontade para os traduzir em actos. Há três maneiras de as crianças adquirirem estas virtudes: pelo exemplo, através da prática directa e através das narrativas. As crianças aprendem pelo exemplo quando vêem e observam as vidas dos pais, amigos e vizinhos. As transformações na estrutura da família tradicional, nomeadamente a percentagem cada vez maior de filhos únicos e de famílias monoparentais, aumentou a influência dos mass media na vida das crianças. Essa influência é tanto maior e mais perigosa quanto mais frágil for a estrutura da família. Como as crianças aprendem as virtudes por imitação, a exposição a que estão sujeitas, durante longas horas por dia, ao telelixo, ao lixo que circula na web e a jogos de computador que exaltam a violência e a crueldade, pode ter efeitos extremamente nefastos no processo de formação do carácter, impedindo-as de adquirir as virtudes necessárias e aguçando nelas o apreço e apetite pelos vícios e valores negativos. A agravar este estado de coisas, está o facto de, nas sociedades ocidentais materialmente mais desenvolvidas, a juventude se estender por demasiado tempo sem que os adolescentes e jovens tenham um contacto directo com actividades produtivas, de tipo profissional ou de voluntariado. As crianças aprendem através da prática directa, ou seja, pela repetição de actos que são levadas a realizar quer sob influência dos

2 pais quer dos professores e dos pares. Trata-se, neste caso, de uma aprendizagem através da experiência. Essa aprendizagem é muito importante porque vem associada ao desenvolvimento de competências de vida e de trabalho, as quais mantêm uma íntima relação com determinadas virtudes, como a honestidade, a verdade, a generosidade, a equidade, a perseverança e a resiliência. As crianças aprendem pela palavra e, em particular, através das narrativas, as quais têm um poderoso efeito na formação da personalidade e na construção do carácter das crianças. As narrativas familiares ajudam a criança a compreender que pertence a uma cultura e a uma comunidade marcadas por laços de solidariedade e de afeição e enquadradas por rituais, normas, tradições, proibições e limites. Sem o contacto permanente com esse quadro de normas, rituais, tradições, proibições e limites, a criança sente-se perdida e desorientada, ficando mais exposta à influência nefasta da cultura dos gangs, nomeadamente quando não dispõe do apoio e acompanhamento de uma comunidade virtuosa, na família, no bairro e na escola. De seguida, vamos passar em revista as quatro virtudes cardinais: prudência, justiça, coragem e temperança. A prudência é a virtude da boa deliberação. Sem ela, perdemonos com facilidade no complexo processo de tomada de decisões. Como sabemos, o processo de tomada de decisões compreende várias fases: contacto com o problema, compreensão do problema, cálculo racional sobre as opções, estratégias e consequências, deliberação e, por fim, passagem à acção. Em muitos casos, o sujeito não chega ao fim do processo, ou seja, não passa à acção. Há várias razões para isso: vontade fraca, ausência da virtude da coragem ou simplesmente adiamento da passagem à acção por efeito do cálculo racional. Outras vezes, o sujeito passa à acção mas age mal. Há várias explicações para isso: vontade deficiente, falta de informação e, portanto, incapacidade para compreender o problema, mau uso do

3 cálculo racional ou, simplesmente, a posse de um mau carácter. O sujeito com um mau carácter age mal porque tem uma inclinação para apreciar as acções incorrectas. O hábito de praticar acções incorrectas reforça o mau carácter. Por outro lado, um sujeito que cresce e vive numa comunidade onde as virtudes não estão presentes ou não são apreciadas, tem mais probabilidades de desenvolver um mau carácter. Por vezes, acontece outra situação: o sujeito opta por não passar à acção. Pode acontecer que o sujeito, após a fase de cálculo racional, conclua que as consequências negativas previsíveis de uma determinada acção aconselhem a que a acção não seja tomada ou que a mesma seja adiada para melhor oportunidade. A prudência compreende várias qualidades e exige a presença de várias condições: respeito pela aprendizagem e pela realização intelectual; compreensão da natureza humana; respeito pela experiência de vida; análise das prioridades de vida; hábito de considerar as causas passadas e as implicações futuras dos acontecimentos presentes e das circunstâncias; habilidade para conhecer a verdade, a beleza e o bem; capacidade para distinguir entre a verdade e a mentira, o verdadeiro e o falso e o bem e o mal. A capacidade de distinguir constitui uma propriedade essencial na virtude da prudência. Mas distinguir o quê? Eis uma pequena lista de coisas importantes: distinguir os heróis das celebridades, a regra da lei das regras pessoais, a consciência dos sentimentos, as opiniões racionais dos sentimentos, o respeito por si mesmo do orgulho, o risco calculado da impulsividade, a competição honrada da ambição desmedida, a colaboração em equipa do individualismo egoísta A justiça é a virtude da responsabilidade e da equidade. No fundo, é ser capaz de dar a cada um aquilo que lhe pertence e aquilo que lhe é devido. A justiça compreende várias qualidades e exige a presença de várias condições: compreender e respeitar os direitos dos outros; hábito de cumprir as nossas obrigações; obrigação de procurar fazer o melhor que nos for possível; respeito pela autoridade

4 legítima; saber viver com as consequências das nossas acções e erros; hábito de honrar as nossas promessas e compromissos; hábito de evitar a intromissão em assuntos alheios; dar aos outros o benefício da dúvida e respeitar o direito à presunção de inocência. A coragem é a virtude da fortaleza. Ser corajoso exige que se aguente e pressupõe que se seja persistente. É ser capaz de reagir às adversidades e não desistir mesmo quando tudo parece perdido. Não é o mesmo que temeridade. A coragem pressupõe determinadas qualidades e exige a presença de algumas condições: habilidade para ultrapassar as dificuldades; hábito de ultrapassar o medo e a ansiedade através da acção correcta; confiança na capacidade para resolver problemas; determinação para ultrapassar as derrotas. A temperança é a virtude do autodomínio. Exige ser capaz de escolher e de fazer nas proporções certas, evitando os excessos e os defeitos. Implica ser capaz de optar pelo justo meio. Pressupõe determinadas qualidades e exige a presença de algumas condições: capacidade para dizer não quando é preciso dizer não; hábito de esperar pelas recompensas e de ser capaz de as merecer; capacidade para usufruir dos prazeres (comida, bebida e sexo) com moderação; ser capaz de pedir desculpa quando se comete um erro ou uma ofensa; hábito de usar as boas maneiras; capacidade para se preocupar com a dignidade e as necessidades dos que nos rodeiam. As quatro virtudes cardinais são autênticas lições de vida. A sua posse e o seu uso são condição essencial para se levar uma vida boa e digna. Sem a presença e o uso das quatro virtudes cardinais não se pode aspirar a uma vida feliz. Bibliografia Marques, R. (2000). O Livro das Virtudes de Sempre. Porto: Edições Asa (Edição brasileira, na Editora Landy e edição em castelhano na Editora Desclée)

5 Marques, R. (2002). Breve História da Ética Ocidental. Lisboa: Plátano Edições

Educação do carácter: A metodologia dos 6 Es. Ramiro Marques

Educação do carácter: A metodologia dos 6 Es. Ramiro Marques Educação do carácter: A metodologia dos 6 Es Ramiro Marques Kevin Ryan e Karen Bohlin (1999) desenvolveram a metodologia dos 6 Es, exemplo, explicação, ethos, experiência, exortação e expectativas de excelência,

Leia mais

ÉTICA. Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência;

ÉTICA. Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência; ÉTICA Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência; ÉTICA Ética e tudo aquilo que você não quer que façam com você Ética e individualismo O valor ético do esforço

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS Shalom H. Schwartz; Tradução e Adaptação: Menezes & Campos, 989 Recriação: Prioste, Narciso, & Gonçalves (00) Neste questionário deve perguntar-se a si próprio: "Que

Leia mais

O QUE É UMA ESCOLA JUSTA? A ESCOLA DAS OPORTUNIDADES. François Dubet

O QUE É UMA ESCOLA JUSTA? A ESCOLA DAS OPORTUNIDADES. François Dubet O QUE É UMA ESCOLA JUSTA? A ESCOLA DAS OPORTUNIDADES François Dubet O que é uma escola justa? Medidas compensatórias Medidas paliativas Por exemplo, a escola justa deve: 1. Ser puramente meritocrática,

Leia mais

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL (conclusão)

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL (conclusão) INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL (conclusão) 25 DE FEVEREIRO DE 2013 (6ª aula) Sumário da Aula Anterior: Egoísmo ético: definição, pontos fortes e fragilidades. Utilitarismo. O Princípio da Utilidade. Utilitarismo

Leia mais

Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual

Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual Ramiro Marques Instituto politécnico de Santarém Página pessoal: http://www.eses.pt/usr/ramiro/index.htm

Leia mais

Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley ( ) Sociólogo

Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley ( ) Sociólogo Socialização Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley (1924 2013) Sociólogo As pessoas não são mais do que indivíduos socializados Todos os homens nascem

Leia mais

Semiologia e semiotécnica I. Prof.ª DANIELA GARCIA

Semiologia e semiotécnica I. Prof.ª DANIELA GARCIA Semiologia e semiotécnica I Prof.ª DANIELA GARCIA Valores éticos humanos Não fazemos distinção entre ética e moral, usamos as duas palavras como sinônimos. Mas os estudiosos da questão, fazem uma distinção

Leia mais

comportamento escolar dos alunos

comportamento escolar dos alunos Influência da origem sócio-cultural no comportamento escolar dos alunos O nosso carácter é o resultado da nossa conduta. (Aristóteles) enquadramento > Breve alusão à comunidade, à escola, comportamentos,

Leia mais

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade Ficha de filosofia A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas Fundamento e critérios da moralidade Ética deontológica Ética consequencialista Respeito

Leia mais

ARISTÓTELES ÉTICA A NICÔMACO LIVROS I E II JOÃO PAULO OCKE DE FREITAS

ARISTÓTELES ÉTICA A NICÔMACO LIVROS I E II JOÃO PAULO OCKE DE FREITAS ÉTICA A NICÔMACO LIVROS I E II ÉTICA A NICÔMACO LIVRO I 1. O bem: conceito. Teleologia. 2./5./7./8. O Bem supremo ou o melhor dos bens: características e conceito. 7./8./12. Felicidade: características

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99. Preâmbulo

Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99. Preâmbulo Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99 Preâmbulo Na elaboração preliminar deste Estatuto colaboraram Juízes de diversos países do mundo. O presente Estatuto é o resultado do seu trabalho e teve o consenso

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA

CÓDIGO DE CONDUTA DA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA Documento 1 CÓDIGO DE CONDUTA DA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA 1 Princípios Fundamentais da Cruz Vermelha Portuguesa. Os princípios fundamentais são o ideário do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do

Leia mais

Cap. 2 - O BEM E A FELICIDADE. Ramiro Marques

Cap. 2 - O BEM E A FELICIDADE. Ramiro Marques Cap. 2 - O BEM E A FELICIDADE Ramiro Marques A maior parte das pessoas identificam o bem com a felicidade, mas têm opiniões diferentes sobre o que é a felicidade. Será que viver bem e fazer o bem é a mesma

Leia mais

3.1 Problemas de comportamento na criança e no adolescente

3.1 Problemas de comportamento na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.1 Problemas de comportamento na criança e no adolescente Introdução A criança manifesta os sentimentos face ao mundo que a rodeia através do seu

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo c/ Jardim de Infância do Reguengo

Escola Básica do 1º Ciclo c/ Jardim de Infância do Reguengo Escola Básica do 1º Ciclo c/ Jardim de Infância do Reguengo Actividades Recepção aos novos alunos - Promover a integração dos novos alunos; Início do ano lectivo 15/09/2003 algumas regras de convivência

Leia mais

PSICOLOGIA CENTRADA NO CLIENTE: CARL ROGERS

PSICOLOGIA CENTRADA NO CLIENTE: CARL ROGERS PSICOLOGIA CENTRADA NO CLIENTE: CARL ROGERS Se eu deixar de interferir nas pessoas, elas se encarregarão de si mesmas, se eu deixar de comandar as pessoas, elas se comportam por si mesmas, se eu deixar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA 1 Objetivos do Código de Ética A Câmara Municipal de Cascais está motivada em criar todas as condições necessárias para que os seus colaboradores desenvolvam as suas funções

Leia mais

SEXUALIDADE - definição

SEXUALIDADE - definição A sexualidade SEXUALIDADE - definição É uma energia que nos motiva a procurar o amor, contacto, ternura, intimidade; que se integra no modo como nos sentimos, movemos, tocamos, e somos tocados; é ser-se

Leia mais

Unidade de Recursos Humanos

Unidade de Recursos Humanos 2016 1 CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA 2016 INTRODUÇÃO O presente tem como objectivo, não só estar em consonância com a alínea a) do ponto 3 da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 7 de Novembro

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

Direitos da Criança. Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Vizela. Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Vizela 1

Direitos da Criança. Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Vizela. Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Vizela 1 Direitos da Criança Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Vizela Jovens de Vizela 1 Convenção Internacional dos Direitos das Crianças Jovens de Vizela 2 Artigo 1.º Todas as pessoas com menos de

Leia mais

Ética e Poder na Sociedade da Informação

Ética e Poder na Sociedade da Informação Ética e Poder na Sociedade da Informação De como a autonomia das novas tecnologias obriga a rever o mito do progresso. Grupo: Brunna Correia Daniel Galdão Fernando Yoshihiro Gabriel Seixas Julien Pinto

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ÉTICA. A Geografia Levada a Sério

FUNDAMENTOS DA ÉTICA.  A Geografia Levada a Sério FUNDAMENTOS DA ÉTICA 1 Eu não sei o que quero ser, mas sei muito bem o que não quero me tornar. Friedrich Nietzsche 2 CHEGA Gabriel, o pensador (2015) 3 A Ética e a Cidadania Desde cedo aprendemos a não

Leia mais

RAZÃO PARA O SUCESSO

RAZÃO PARA O SUCESSO RAZÃO PARA O SUCESSO Se não sente um desejo abrasador de melhorar, você esta enganando a si mesmo e a seus amigos a sua família, a todos que tem contato com você tem contato, com falsas desculpas, não

Leia mais

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes.

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes. Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes Professora Renata Lourdes. renatalourdesrh@hotmail.com CONCEITO DE ÉTICA Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação

Leia mais

Amizade, Verdade e Exigência.

Amizade, Verdade e Exigência. COLÉGIO de SÃO MIGUEL - FÁTIMA Amizade, Verdade e Exigência. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo 2010/2011 ( ) Não me prendas as mãos não faças delas instrumento dócil de inspirações que ainda não vivi Deixa-me

Leia mais

A CRIANÇA E O DIVÓRCIO

A CRIANÇA E O DIVÓRCIO A CRIANÇA E O DIVÓRCIO Colégio Cosme e Damião Maio 2013 Formadora: Dra. Ana Filipa Mendes A Criança e o divórcio Como explicar o divórcio aos filhos? Quanto tempo dura o sofrimento da criança? Como vai

Leia mais

24/07/2014. As origens da Sociologia. A questão do conhecimento

24/07/2014. As origens da Sociologia. A questão do conhecimento Tema 1: O enfoque do Positivismo para a Educação Professora Ma. Mariciane Mores Nunes As origens da Sociologia Sociologia: ciência que explica a dinâmica das sociedades contemporâneas. Envolve: herança

Leia mais

GBC015: INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO COMPUTADOR E SOCIEDADE: ÈTICA

GBC015: INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO COMPUTADOR E SOCIEDADE: ÈTICA GBC015: INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO COMPUTADOR E SOCIEDADE: ÈTICA Ilmério Reis da Silva ilmerio@ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/icc UFU/FACOM/BCC Def. ÉTICA conjunto de valores que orientam o comportamento

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas S. Teotónio. Biblioteca Escolar

Agrupamento Vertical de Escolas S. Teotónio. Biblioteca Escolar Agrupamento Vertical de Escolas S. Teotónio Biblioteca Escolar O que caracteriza o actual momento histórico é o predomínio da tecnologia, do novo, das mudanças constantes, do desenvolvimento contínuo do

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL E ASSERTIVIDADE

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL E ASSERTIVIDADE 1 COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL E ASSERTIVIDADE Desenvolvimento de Competências Pessoais e Académicas Workshop 17 de Abril de 2013 COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL E ASSERTIVIDADE 2 Comunicação Interpessoal Comunicar

Leia mais

Webinar SEXTA-FEIRA TODO DIA. Com Vanessa Camarelo OUT 16

Webinar SEXTA-FEIRA TODO DIA. Com Vanessa Camarelo OUT 16 OUT 16 Webinar SEXTA-FEIRA TODO DIA Com Vanessa Camarelo FALAREMOS SOBRE O que é motivação Motivação e Inspiração Heróis Paixões Forças Pessoais Esperança Disciplina O QUE É MOTIVAÇÃO? Impulso que nos

Leia mais

PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS COMPETÊNCIA SOCIAL... COMPETÊNCIA SOCIAL... COMPETÊNCIA SOCIAL...

PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS COMPETÊNCIA SOCIAL... COMPETÊNCIA SOCIAL... COMPETÊNCIA SOCIAL... 5º CONGRESSO CERCILEI HUMANIZAR PARA INTEGRAR A IMPORTÂNCIA DA DIFERENÇA A NO PROJECTO SER PESSOA PROGRAMA DE SOCIAIS PROGRAMA DE SOCIAIS Celeste Simões DEER / FMH / UTL o O que é a competência social

Leia mais

O PENSAMENTO POLÍTICO DE CÍCERO

O PENSAMENTO POLÍTICO DE CÍCERO Universidade Católica Portuguesa Faculdade De Ciências Humanas Licenciatura Em Sociologia, Variante De Ciência Política Tutoria, Tradição Dos Grandes Livros O PENSAMENTO POLÍTICO DE CÍCERO Em De Res Publica

Leia mais

3.5 Medos e ansiedade na criança e no adolescente

3.5 Medos e ansiedade na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.5 Medos e ansiedade na criança e no adolescente Introdução À medida que cresce e descobre o mundo à sua volta, a criança vai-se apercebendo como

Leia mais

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas)

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Introdução É relativamente frequente que, pontualmente, a criança se recuse

Leia mais

CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM

CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM Em cada frase indicar em que sentido se fala da paz como: dom, conquista ou compromisso. Se a frase tiver vários sentidos, assinalá-lo. CATEQUESE 7 - A VERDADE COMO

Leia mais

Aprender. Sessões para Profissionais

Aprender. Sessões para Profissionais Católica Porto Aprender a Educar Sessões para Profissionais (assistentes sociais, técnicos de instituições de acolhimento, enfermeiros, auxiliares de educação, psicólogos, etc... ) 1ª Edição 2014 O APRENDER

Leia mais

Curso de Reforma Íntima e Cura. Defeitos e vícios conceitos, características e... como combater? (3) Por. Marco Bechara

Curso de Reforma Íntima e Cura. Defeitos e vícios conceitos, características e... como combater? (3) Por. Marco Bechara Curso de Reforma Íntima e Cura Defeitos e vícios conceitos, características e... como combater? (3) Por Marco Bechara (Encontro 14) 04 JUL / 2015 13. Impaciência: Princípios para a Reforma Íntima - INTEGRIDADE

Leia mais

Lição 3- O Reino de Deus como prioridade de vida

Lição 3- O Reino de Deus como prioridade de vida Lição 3- O Reino de Deus como prioridade de vida Texto Bíblico: Mateus 6.33 INTRODUÇÃO Os bens materiais só adquirem os seus verdadeiros significados depois que o Reino de Deus é colocado em primeiro lugar.

Leia mais

Unidade Lectiva 1 21 de Fevereirto de Gesellschaft - Gemeinschaf

Unidade Lectiva 1 21 de Fevereirto de Gesellschaft - Gemeinschaf Unidade Lectiva 1 21 de Fevereirto de 2013 Gesellschaft - Gemeinschaf Unidade Lec*va 2 28 de Fevereiro de 2013 A dicotomia Gesellscha; - Gemeinschaf: Ferdinand Tönnies, Max Weber e Émile Durkheim. Ferdinand

Leia mais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais 1 Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais Quais as mudanças e as continuidades ocorridas nestas famílias entre 1991-2011? Qual o impacto das mudanças na conjugalidade e na parentalidade,

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com/ O que são? 2 Competências de vida Definição Potencialidades pessoais

Leia mais

A Novartis é uma empresa que existe para descobrir novas formas de melhorar e prolongar a vida - esta é a nossa Missão.

A Novartis é uma empresa que existe para descobrir novas formas de melhorar e prolongar a vida - esta é a nossa Missão. Publicado em Novartis Portugal (https://www.novartis.pt) Início > Printer-friendly PDF > Expedition Novartis Expedition Novartis - Programa de Trainees [1] O Expedition Novartis A Novartis é uma empresa

Leia mais

Simpósio de TCC Amor: Pessoal e Interpessoal. Norma Manhães Guerra Psicóloga Clínica CRP (21)

Simpósio de TCC Amor: Pessoal e Interpessoal. Norma Manhães Guerra Psicóloga Clínica CRP (21) Simpósio de TCC Amor: Pessoal e Interpessoal Norma Manhães Guerra Psicóloga Clínica CRP 12627-5 (21) 99702-8888 normamanhaes@gmail.com Amor Próprio uma questão de autoestima Amor próprio Sentimento de

Leia mais

Debates na Sociologia. 1. Qual é a natureza da ação social? 2. Qual é a natureza da ordem social? 3. Qual é a dinâmica da mudança social?

Debates na Sociologia. 1. Qual é a natureza da ação social? 2. Qual é a natureza da ordem social? 3. Qual é a dinâmica da mudança social? Debates na Sociologia 1. Qual é a natureza da ação social? - Componentes racionais e não-racionais; 2. Qual é a natureza da ordem social? - Coação versus adesão normativa; 3. Qual é a dinâmica da mudança

Leia mais

Convenção do Conselho da Europa para a Proteção das Crianças contra a Exploração

Convenção do Conselho da Europa para a Proteção das Crianças contra a Exploração REPÚBLICA PORTUGUESA EDUCAÇÃO CADERNO DIGITAL Convenção do Conselho da Europa para a Proteção das Crianças contra a Exploração Sexual e os Abusos Sexuais (CONVENÇÃO DE LANZAROTE 25.10.2007) VERSÃO AMIGÁVEL

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS CÓDIGOS DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS CÓDIGOS DE ÉTICA E CONDUTA PROFISSIONAL 4 Códigos de Ética e Conduta Profissional 4.1 - Apresentação O presente código de ética e de conduta profissional estabelece padrões de comportamento e de valores que devem ser seguidos, os quais estão

Leia mais

Teste das Forças e Virtudes Pessoais

Teste das Forças e Virtudes Pessoais Teste das Forças e Virtudes Pessoais As Forças e Virtudes Pessoais são habilidades pré-existentes que quando utilizamos, nos sentimos vitalizados, com maior fluidez e melhor performance no que fazemos.

Leia mais

Relações Interpessoais

Relações Interpessoais Relações Interpessoais Caro Aluno, Sejam bem vindos ao Módulo do curso Relações Interpessoais, que servirá também como guia de consulta que auxiliará nas leituras e atividades proposta na sala virtual.

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Disciplina na Sala de Aula ANTECEDENTES HISTÓRICOS A DISCIPLINA E O MITO DA EDUCAÇÃO DO CARÁCTER DISCIPLINA: UMA PERSPECTIVA DESENVOLVIMENTISTA NÍVEIS DE DISCIPLINA Copyright, 2006

Leia mais

DESPORTO EDUCAÇÃO PARA A PAZ, FRATERNIDADE E INTERCULTURALIDADE

DESPORTO EDUCAÇÃO PARA A PAZ, FRATERNIDADE E INTERCULTURALIDADE DESPORTO EDUCAÇÃO PARA A PAZ, FRATERNIDADE E INTERCULTURALIDADE 19 DESPORTO PARA A INCLUSÃO ALTA COMPETIÇÃO 20 A sua importância...estendendo-se...aos domínios: Afetivo Ético Social Formação Pessoal e

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses.

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. CONFLITO Conceito de Conflito Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. Fator inevitável seja na dinâmica pessoal ou organizacional. Existem

Leia mais

O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress

O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress O NOVO CENÁRIO DAS DOENÇAS OCUPACIONAIS Tecnologia e stress III Congresso Brasileiro dos serviços de saúde do PODER JUDICIÁRIO São Paulo, novembro 2011 (apresentação baseada nos artigos de Tânia Franco

Leia mais

Que instrumentos utilizar na observação? (continuação)

Que instrumentos utilizar na observação? (continuação) Que instrumentos utilizar na observação? (continuação) In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 REGISTOS DE INCIDENTES CRÍTICOS Os registos de incidentes críticos consistem

Leia mais

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S Ética e Moral EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S 2009/2010 Valores No mundo contemporâneo o Homem já não segue valores modelos mas cria os seus próprios valores em função

Leia mais

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DE FRADES PSICOLOGIA B 12º ANO 4º Teste Ano lectivo 2010/2011 A prova é constituída por três grupos de itens: - O Grupo I testa objectivos de conhecimento, de compreensão

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO ADMINISTRAÇÃO OBJETIVANDO O APERFEIÇOAMENTO, DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, O ARQUITETURA E URBANISMO PROMETO NO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE INERENTE À PRÁTICA DA ARQUITETURA E URBANISMO, RESPEITAR OS PRINCÍPIOS

Leia mais

Construir confiança, comunicação e apoio

Construir confiança, comunicação e apoio Construir confiança, comunicação e apoio Unidade 2: Lição 1 Note que há textos e slides para apoiar esta apresentação disponíveis em www.archimedes2014.eu Esta lição irá ver como: 1) Tolerar os erros como

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Organização Associação Mais Proximidade Melhor Vida

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Organização Associação Mais Proximidade Melhor Vida FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Associação Mais Proximidade Melhor Vida Diretor(a) Maria de Lourdes Pereira Miguel Setor de Atividade Economia Social Número de Efetivos 6 NIF 513199136 Morada Rua do

Leia mais

ÉTICA ARISTOTÉLICA A ÉTICA EM ARISTÓTELES

ÉTICA ARISTOTÉLICA A ÉTICA EM ARISTÓTELES A ÉTICA EM ARISTÓTELES ÉTICA ARISTOTÉLICA - A Ética aristotélica faz parte do saber prático: distingue-se do saber teórico porque seu objetivo não é o conhecimento de uma realidade determinada, mas do

Leia mais

Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo. Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares

Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo. Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares Agenda Cultura e Identidade Cultura e Clima Organizacional Construção e Mudança O que é Cultura? Uma definição

Leia mais

Idéias sobre a Educação visando ao Desenvolvimento e Crescimento Sustentável

Idéias sobre a Educação visando ao Desenvolvimento e Crescimento Sustentável Chave: Educação Idéias sobre a Educação visando ao Desenvolvimento e Crescimento Sustentável Educação é responsabilidade da Sociedade como um TODO e não apenas dos Governos. A Responsabilidade da Educação

Leia mais

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL (cont. 2)

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL (cont. 2) INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL (cont. 2) 20 & 22 DE FEVEREIRO DE 2013 (5ª aula) Sumário da Aula Anterior: O Subjectivismo: definição, pontos fortes e fragilidades. O Subjectivismo Simples. O Argumento da

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 2 ÍNDICE 3 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA MISSÃO E VALORES 3.1. A Nossa Missão 3.2. Os Nossos Valores

CÓDIGO DE CONDUTA 2 ÍNDICE 3 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA MISSÃO E VALORES 3.1. A Nossa Missão 3.2. Os Nossos Valores CÓDIGO DE CONDUTA 2 ÍNDICE 3 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 4 3. MISSÃO E VALORES 3.1. A Nossa Missão 3.2. Os Nossos Valores 5 4. RELAÇÃO COM OS CLIENTES 5. RELAÇÃO COM OS FORNECEDORES 6. RELAÇÃO COM OS CONCORRENTES

Leia mais

Estatutos das homenagens da Nobre Casa de Cidadania

Estatutos das homenagens da Nobre Casa de Cidadania Estatutos das homenagens da Nobre Casa de Cidadania 2015 Enquadramento A Nobre Casa de Cidadania atua no âmbito da sensibilização e educação para a Cidadania promovendo o exemplo individual como acelerador

Leia mais

COMO PREVENIR O BULLYING

COMO PREVENIR O BULLYING COMO PREVENIR O BULLYING PULGUINHAS Uma vez identificado o problema importa saber como devemos reagir e o que pode ser feito para prevenir e evitar de raiz as situações de bullying que envolvam as nossas

Leia mais

1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana

1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana DIREITOS DOS DOENTES 1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana É um direito humano fundamental, que adquire particular importância em situação de doença. Deve ser respeitado

Leia mais

T ro de Partida. Cristiana Ribeiro João Serralheiro Sofia Loureiro

T ro de Partida. Cristiana Ribeiro João Serralheiro Sofia Loureiro T ro de Partida Cristiana Ribeiro João Serralheiro Sofia Loureiro :: Objectivo Tiro de Partida :: Conhecer a problemática da disseminação de armas ligeiras nas mãos de civis em Portugal: a dimensão do

Leia mais

Competências Pessoais e Sociais I Inteligência Emocional Sessão 2 20 e 21 de Outubro. Isabel Paiva de Sousa

Competências Pessoais e Sociais I Inteligência Emocional Sessão 2 20 e 21 de Outubro. Isabel Paiva de Sousa Competências Pessoais e Sociais I Sessão 2 20 e 21 de Outubro Isabel Paiva de Sousa isabelmpsousa@netcabo.pt Outubro 2015 1 Alegria Confiança Apego Prazer Alivio Esperança Euforia Surpresa Raiva Tristeza

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MACEIRA Critérios de Avaliação de EMRC 2009 / 2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS A base dos critérios de avaliação para o Segundo, Terceiro Ciclos do Ensino Básico e para o Ensino

Leia mais

Socializando em redes digitais: o lugar dos pares. José Alberto Simões, Juliana Doretto. Lisboa, Co-funded by the European Union

Socializando em redes digitais: o lugar dos pares. José Alberto Simões, Juliana Doretto. Lisboa, Co-funded by the European Union Socializando em redes digitais: o lugar dos pares José Alberto Simões, Juliana Doretto Lisboa, 28-11-2014 Co-funded by the European Union Perfil numa rede social Rapazes Raparigas 9-10 anos 11-12 anos

Leia mais

ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA

ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA ÉTICA PROFISSIONAL NA PSICOPEDAGOGIA DR. ANGELO BARBOSA ÉTICA: Ética vem do grego ethos que significa modo de ser. É a forma que o homem deve se comportar no seu meio social. A ética pode ser o estudo

Leia mais

Planificação anual de Educação Sexual - 5ºano

Planificação anual de Educação Sexual - 5ºano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE ANO LETIVO 2011-2012 Planificação anual de Educação Sexual - 5ºano Conteúdos Metodologias Objetivos Activides Calenrização Disciplinas envolvis Avaliação Diverside,

Leia mais

Resiliência: Superando sua dificuldades. Kaique Mathias Da Silva Wendel Juan Oliveira Reolon

Resiliência: Superando sua dificuldades. Kaique Mathias Da Silva Wendel Juan Oliveira Reolon Resiliência: Superando sua dificuldades Kaique Mathias Da Silva Wendel Juan Oliveira Reolon Dedicamos este livro ao Professor Marcelino Felix, por nos incentivar a faze-lo. ÍNDICE 1 O que é Resiliência

Leia mais

Coimisiún na Scrúduithe Stáit State Examinations Commission LEAVING CERTIFICATE 2010 MARKING SCHEME PORTUGUESE HIGHER LEVEL

Coimisiún na Scrúduithe Stáit State Examinations Commission LEAVING CERTIFICATE 2010 MARKING SCHEME PORTUGUESE HIGHER LEVEL Coimisiún na Scrúduithe Stáit State Examinations Commission LEAVING CERTIFICATE 2010 MARKING SCHEME PORTUGUESE HIGHER LEVEL 1 LÍNGUA PORTUGUESA Tópicos de correcção Parte I (30 pontos) Texto Compreensão

Leia mais

REPENSANDO A EDUCAÇÃO FÍSICA PARA UNA NOVA PRÁTICA ESCOLAR

REPENSANDO A EDUCAÇÃO FÍSICA PARA UNA NOVA PRÁTICA ESCOLAR NÚCLEO DE ESTUDOS EM METODOLOGIA E PLANEJAMENTO DO ENSINO DA CULTURA CORPORAL NEPECC - UFU REPENSANDO A EDUCAÇÃO FÍSICA PARA UNA NOVA PRÁTICA ESCOLAR Prof. Dr. Gabriel H. Muñoz Palafox. Copyright, 1998

Leia mais

SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde

SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Situações de perigo SITUAÇÕES DE PERIGO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde As situações de perigo para a criança ou o jovem encontram-se tipificadas no n.º 2 do art. 3.º da Lei 147/99: a) Estar

Leia mais

Fundamentação Teórica: Código de Ética. Aula 8

Fundamentação Teórica: Código de Ética. Aula 8 Fundamentação Teórica: Código de Ética Aula 8 Ética Profissional! Normas e princípios que regulamentam a conduta do indivíduo no exercício de sua profissão. (consciência, comportamento, ação e conduta

Leia mais

Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira:

Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira: Por ocasião das eleições municipais, o Ministério Fé e Política da RCCBRASIL preparou uma carta pra te ajudar ainda mais nessa escolha, confira: Amados irmãos e irmãs em Cristo Jesus, A Paz de Jesus! A

Leia mais

Gestão de conflitos. António Rosado

Gestão de conflitos. António Rosado Gestão de conflitos António Rosado Emergência de uma nova perspectiva sobre o conflito GESTÃO de CONFLITOS O conflito é o processo que começa quando uma parte percepciona que frustrou a outra ou está prestes

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de aplicação O Centro de Convívio, é uma das Respostas Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere, Instituição Privada de Direito Canónico com sede

Leia mais

A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO. 14º CIP Oriental Casa do Gaiato

A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO. 14º CIP Oriental Casa do Gaiato A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO 14º CIP Oriental Casa do Gaiato Objectivos da UF Explicar a Missão do Escutismo Descrever os princípios fundamentais do Escutismo Explicar de que modo se vivem na Unidade

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA Mais uma vez a UFPR oferece aos alunos uma prova exigente e bem elaborada, com perguntas formuladas com esmero e citações muito pertinentes. A prova de filosofia da UFPR

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 03/04 PLANIFICAÇÃO ANUAL º CICLO EDUCAÇÃO MORAL RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC)- 6ºANO Documento(s) Orientador(es): Programa de EMRC,aprovado pela Comissão

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: História

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: História COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: História Nome: Ano: 2º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências Humanas Disciplina: História

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ENFERMEIRO NA GESTÃO ASSISTENCIAL

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ENFERMEIRO NA GESTÃO ASSISTENCIAL RESPONSABILIDADE CIVIL DO ENFERMEIRO NA GESTÃO ASSISTENCIAL DEFININDO RESPONSABILIDADE CIVIL A responsabilidade civil consiste na obrigação (vínculo obrigacional) que impende sobre aquele que causa um

Leia mais

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO Ramiro Marques A generosidade é um vocábulo que vem do latim generositate, que significa bondade da raça, boa qualidade. O adjectivo generoso vem do latim

Leia mais

Área de Competência-Chave: Portefólio Reflexivo de Aprendizagem. ESLC - Mediadora: Marina Santos

Área de Competência-Chave: Portefólio Reflexivo de Aprendizagem. ESLC - Mediadora: Marina Santos Área de Competência-Chave: Portefólio Reflexivo de Aprendizagem A AUTOBIOGRAFIA É uma descrição ou narrativa dos aspectos mais significativos da vida de um indivíduo, contados por si próprio. 2 Autobiografia

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Económicas e Empresariais Licenciatura Marketing Unidade Curricular Introdução ao Direito Semestre: 1 Nº ECTS: 3,0 Regente José Caramelo Gomes Assistente

Leia mais

A Ética na Administração Pública e seus Fundamentos

A Ética na Administração Pública e seus Fundamentos A Ética na Administração Pública e seus Fundamentos Min. Ives Gandra Martins Filho Presidente do Tribunal Superior do Trabalho e do Conselho Superior da Justiça do Trabalho CONTEXTUALIZANDO... Corrupção

Leia mais

LIVRO DE DONA MARIA MARQUES ORFÃ TAMBÉM VENCE. O Sr. FEU ROSA (PP-ES) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

LIVRO DE DONA MARIA MARQUES ORFÃ TAMBÉM VENCE. O Sr. FEU ROSA (PP-ES) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores LIVRO DE DONA MARIA MARQUES ORFÃ TAMBÉM VENCE O Sr. FEU ROSA (PP-ES) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, é com muito prazer e emoção que venho a esta tribuna,

Leia mais

Á descoberta de mim e do outro. Projecto Saúde na Escola

Á descoberta de mim e do outro. Projecto Saúde na Escola Á descoberta de mim e do outro Projecto Saúde na Escola 2 Que tema???? Sumário Corpo Humano Diferenças entre rapaz e rapariga Imagem corporal Interacção social: Família Amigos Escola 3 Será que os rapazes

Leia mais

Direito empresarial e. trabalhista. Profa. Dra. Silvia bertani. Profa. Dra. Silvia Bertani 1

Direito empresarial e. trabalhista. Profa. Dra. Silvia bertani. Profa. Dra. Silvia Bertani 1 Direito empresarial e Profa. Dra. Silvia bertani trabalhista Profa. Dra. Silvia Bertani 1 Profa. Dra. Silvia Bertani 2 Direito empresarial e trabalhista O que vamos estudar? Empresa empresário estabelecimento

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

Neurose Obsessiva. Neurose Obsessiva Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Neurose Obsessiva. Neurose Obsessiva Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso Neurose Obsessiva 1 Definição Ideias parasitas, as quais, permanecendo intacta a inteligência, e sem que exista um estado emotivo ou passional que o justifique, surgem conscientemente; impõem-se contra

Leia mais