COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172084. Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT"

Transcrição

1 COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT Luciana Alves de Oliveira Palestra apresentada no SIMPÓSIO ALAGOANO DE ENGENHARIA CIVIL, SAEC, 5., 2013, Maceió. 63 slides. A série Comunicação Técnica compreende trabalhos elaborados por técnicos do IPT, apresentados em eventos, publicados em revistas especializadas ou quando seu conteúdo apresentar relevância pública. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S/A - IPT Av. Prof. Almeida Prado, 532 Cidade Universitária ou Caixa Postal 0141 CEP São Paulo SP Brasil CEP Tel /4000 Fax

2 Sistemas construtivos inovadores x Avaliação técnica com abordagem de desempenho x SINAT Produtos inovadores Luciana Oliveira CETAC/ LCSC Novembro, 2013 O que são produtos ou tecnologias convencionais ou inovadores? O que são produtos ou tecnologias convencionais ou inovadores? O que são produtos ou tecnologias convencionais ou inovadores? O que são produtos ou tecnologias convencionais ou inovadores? produtos sem norma técnica prescritiva produto cujo comportamento (desempenho) em uso não é conhecido 1

3 NORMA PRESCRITIVA x NORMA DE DESEMPENHO destinada a um único define características específicas do produto (entradas) produto os projetos são desenvolvidos respeitandose as características do produto destinada aos elementos/sistemas construtivos da edificação como um todo define o comportamento em uso dos diversos elementos (respostas) os produtos são desenvolvidos respeitandose as exigências do projeto EXEMPLOS PRODUTOS INOVADORES Sistemas Inovadores Componentes Inovadores Paredes em Steel Frame Telhas plásticas Telhas asfálticas Painéis sanduiche com chapas de aço e isolante rigido (PIR) Paredes estruturais c/ forma de PVC incorporada Revestimento de argamassa monocamacada Painéis Fotovoltaicos SISTEMAS CONSTRUTIVOS Produto x Processo Painés pré-moldados ou pré-fabricados de concreto armado Painéis pré-fabricados Módulos pré-fabricados 2

4 PROCESSO DE FABRICAÇÃO - Painel pré-moldado de concreto 3

5 Tecnologia de paredes em Steel Frame Tecnologia de paredes em Steel Frame Tecnologia de paredes em Steel Frame Tecnologia de paredes em Steel Frame Tecnologia de paredes em Steel Frame 4

6 Tecnologia de paredes em Steel Frame 5

7 Conceito de desempenho Avaliação técnica à luz do conceito de desempenho DESEMPENHO: COMPORTAMENTO EM USO DESEMPENHO: COMPORTAMENTO EM USO HISTÓRICO DE AVALIAÇOES TÉCNICAS 1980 desenvolvimento de critérios para avaliação de desempenho de habitações BNH 1995 revisões dos critérios estabelecidos em 1980 (trabalho FINEP) 1998 publicação IPT Critérios mínimos de desempenho para casas térreas 2001 inicio da discussão do projeto de norma Desempenho de edifícios habitacionais de até pavimentos 2007 publicação da portaria e do regimento do SINAT 2008/2010 publicação NBR inicio da validade da NBR EXEMPLOS AVALIAÇÕES TÉCNICAS 6

8 SISTEMAS CONSTRUTIVOS Produto x Processo Painés pré-moldados ou pré-fabricados de concreto armado Requisitos de desempenho o Desempenho estrutural Projeto estrutural Resistência a 12 horas (desenforma) o Segurança ao fogo Resistência ao fogo oestanqueidade à água Juntas o Desempenho térmico Zonas climáticas Conjunto paredes + cobertura o Desempenho acústico Painéis com juntas o Durabilidade Cura Cobrimento de armadura Reisistencia das juntas a ação de calor e choque termico Claudio Mitidieri Importante analisar processo de produção SISTEMAS CONSTRUTIVOS Produto x Processo Sistemas leves de construção SISTEMAS CONSTRUTIVOS Produto x Processo Sistemas leves de construção Requisitos de desempenho Desempenho estrutural Projeto estrutural (aço ou madeira) - NBR - Segurança ao fogo Resistência ao fogo Reação ao fogo (revestimento e isolante) Estanqueidade à água Juntas Encontro com esquadrias (portas e janelas) Desempenho térmico Zonas climáticas Conjunto paredes + cobertura Desempenho acústico Durabilidade Juntas Resistência à corrosão - Perfis de aço Resistência ao ataque de cupins e fungos - peças de madeira 7

9 Importante: visão global, não analisar produto ou sistema isoladamente sem considerar as várias interfaces de projeto, instalação, uso e manutenção SINAT Sistema Nacional de Avaliações Técnicas SiNAT Sistema de cobertura nacional, de Avaliação Técnica de produtos inovadores empregados em edifícios, particularmente habitacionais, obras de saneamento e de infra-estrutura de transportes, baseado no conceito de desempenho. MOTIVAÇÃO AO SINAT Sistema Nacional de Avaliações Técnicas - SiNAT O desenvolvimento da idéia começou em Maio / 2006 Início do trabalho conjunto PBQP-H, SETOR e IPT (apoio do PNUD) Março / 2007 Simulação Piloto do SiNAT (Brasília) Agosto / 2007 Publicação da Portaria e do Regimento do SINAT no D.O.U. (Portaria nº 345, de 03/08/2007, publicada no Diário Oficial da União no dia 13/08/2007) Março / 2008 Designada a composição da Comissão Nacional do SINAT Abril / 2008 Instituída a Secretaria Geral do SINAT Maio / 2008 Abertura para credenciamento das ITA s 02 de Outubro de 2008 Primeira reunião da CN e proposta de Comitê Técnico 19 de Junho de 2009 Primeira reunião do Comitê Técnico DIRETRIZ 001 Paredes de Concreto e DATec 001 Sergus fôrmas tipo banche 13 de Julho de 2009 Reunião da CN-SINAT (diretriz 001 e DATec 001) Atualmente: 09 Diretrizes e 20 DATec OBJETIVOS DO SINAT HARMONIZAR: Requisitos, critérios e métodos para avaliação técnica de produtos inovadores no Brasil DIRETRIZ SINAT Diretrizes para avaliação técnica Procedimentos para a concessão de documentos de avaliação técnica de produtos inovadores no Brasil DATec Documento de Avaliação Técnica 8

10 Processo de obtenção do DATEC no IPT + 2 ou 3 meses 3 a 6 meses 02/12/2013 INSERÇÃO DO SiNAT NO PBQP-H ESTRUTURA DO SiNAT Em maio de ITA s (IPT, IFBQ, ITEP, LACTEC, LENC, TECOMAT, TESIS) AVALIAÇÃO TÉCNICA BASEADA NA NBR E NAS DIRETRIZES SINAT OPERACIONALIZAÇÃO DO SINAT NBR :2013 (parte 1 a 6 - geral, estrutura, piso, vedação, cobertura e instalações) Requisitos (qualitativos) Critérios (quantitativos) Métodos de avaliação ensaios/ laboratório e campo análise de projetos simulações computacionais Diretriz SINAT Restrições de uso Critérios p/ caracterização dos materiais/componentes, com enfoque na durabilidade Requisitos e critérios p/ avaliar o desempenho do produto (particularização da NBR ) Requisitos e critérios para avaliar a qualidade do processo 05 Etapas: 1 DIRETRIZ SINAT 2 Relatório Técnico de Avaliação do produto (RTA) 3 Auditoria técnica 4 Minuta do DATec para CT-SINAT e publicação do DATec, após reunião CN-SINAT 5 Manutenção do DATec (auditorias periodicas) Solicitação do cliente Etapa 1: Elaboração da Minuta de DIRETRIZ SINAT Documento de referência para a família do produto / sistema inovador, contendo o que avaliar (requisitos de desempenho) e como avaliar (métodos de ensaios) DIRETRIZ SINAT Etapa 2: Avaliação técnica do produto / sistema inovador Análise da documentação técnica, caracterização e avaliação de desempenho do produto, visita técnica à unidade fabril e/ou obras executadas ou em execução O sistema construtivo passa por análises técnicas e ensaios que avaliam se atende a requisitos de desempenho. Avaliação técnica Atende diretriz Não atende diretriz Adequações técnicas no sistema construtivo Desempenho do produto é satisfatório? NÃO Cliente faz adequações no produto / sistema inovador O processo de produção do sistema construtivo da empresa é avaliado in loco. Auditoria técnica Não atende Adequações no processo de produção ou de controle SIM Etapa 3: Auditoria técnica: fabrica, obra e unidades finalizadas Atende Avaliação do processo de fabricação, execução e/ou de instalação do produto, visando verificar os métodos de controle O texto do DATec é elaborado e submetido para avaliação no âmbito do Sinat. Elaboração da minuta do DATec Controle do processo é satisfatório? NÃO Cliente faz adequações no controle da qualidade SIM Etapa 4: Elaboração do DATec e encaminhamento ao SINAT Elaboração de Minuta do DATec, encaminhamento ao SINAT para concessão do DATec A minuta do DATec é avaliada por especialistas no Comitê Técnico e na Comissão Nacional do Sinat. Avaliação no Sinat Não aprovado Adequações no texto do DATec Aprovado pelo Cliente e IPT fazem adequações SINAT? NÃO SIM Etapa 5: Manutenção e renovação do DATEC Auditorias técnicas periódicas no processo de produção e ensaios de controle periódicos durante a validade do documento Empresa recebe chancela do Sinat e é autorizada a publicar o DATec. Aprovado Concessão do DATec 9

11 DOCUMENTOS DO SINAT - DIRETRIZ Formatação e conteúdo mínimo das DIRETRIZES SINAT: Formatação e conteúdo mínimo das DIRETRIZES SINAT : Elaborado para família de produtos. Exemplo: Sistema construtivo em painéis pré-moldados de concreto para paredes Formatação e conteúdo mínimo DIRETRIZES SINAT 1. Objeto 1.1 Terminologia 1.2 Documentos técnicos complementares 2. Caracterização do produto 3. Requisitos e critérios de desempenho 3.1 Desempenho estrutural 3.2 Segurança contra incêndio 3.3 Segurança no uso e operação 3.4 Estanqueidade 3.5 Desempenho térmico 3.6 Desempenho acústico 3.7 Desempenho lumínico 3.8 Saúde, higiene e qualidade do ar 3.9 Funcionalidade e acessibilidade 3.10 Conforto tátil-visual e antropodinâmico 3.11 Durabilidade e manutenabilidade 3.12 Adequação ambiental 4. Métodos de avaliação do produto 4.1 Métodos para caracterização do produto 4.2 Métodos para avaliação do desempenho Desempenho estrutural Segurança contra incêndio Segurança no uso e operação Estanqueidade Desempenho térmico Desempenho acústico Desempenho lumínico Saúde, higiene e qualidade do ar Funcionalidade e acessibilidade Conforto tátil-visual e antropodinâmico Durabilidade e manutenabilidade Adequação ambiental 5. Análise global do desempenho 6. Controle da qualidade EXEMPLO DE DIRETRIZ SiNAT Formatação e conteúdo mínimo DATec s Formatação e conteúdo mínimo DATec s 1. Descrição do produto 1.1 Condições e limitações de uso 2. Diretrizes para avaliação técnica 3. Informações e dados técnicos 4. Avaliação técnica 5. Controle da qualidade 6. Fontes de informação 7. Condições de emissão do DATec 20 Datecs 09 Diretrizes 10

12 EXEMPLO DE DATec????? 11

Estrutura do Ministério das Cidades

Estrutura do Ministério das Cidades Estrutura do Ministério das Cidades Ministro Conselho Nacional das Cidades Secretarias Gabinete Sec. Executiva Habitação Saneamento Ambiental Transporte e da Mobilidade Urbana Programas Urbanos PBQP-H

Leia mais

Projeto 2 do PIT Viabilização do SINAT. SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores

Projeto 2 do PIT Viabilização do SINAT. SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores Projeto 2 do PIT Viabilização do SINAT SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores SiNAT Sistema de cobertura nacional, de Avaliação Técnica de produtos inovadores empregados em

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Seminário: Painel II Sistemas Industrializados à Base de Cimento para A Norma Habitação de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Inovações Tecnológicas na CAIXA São Paulo, 31 de agosto 2011 VIGOV Vice-Presidência

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Comissão de Meio Ambiente Data: 23/maio/2014 Em março de 2009, o Governo Federal lançou o Programa Minha Casa, Minha Vida - PMCMV Metas do PMCMV 3,75 Milhões de

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4?

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527 O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? Luciana Alves de Oliveira Slides da Palestra apresentada

Leia mais

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil 19 agosto de 2014

Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil 19 agosto de 2014 Grupo de Trabalho sobre Construção Industrializada do Programa Compete Brasil 19 agosto de 2014 VISÃO VISÃO E ATUAÇÃO DA CAIXA SOBRE SISTEMAS CONSTRUTIVOS INDUSTRIALIZADOS Necessidade de escala de produção

Leia mais

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Seminário: Painel II Sistemas Industrializados à Base de Cimento para A Norma Habitação de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Inovações Tecnológicas na CAIXA São Paulo, 31 de agosto 2011 VIGOV Vice-Presidência

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico Vera Fernandes Hachich Sócia-gerente da PBQP-H INMETRO Programas Setoriais

Leia mais

SiNAT. Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores

SiNAT. Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores SiNAT Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores Maria Salette Weber Coordenadora Geral do PBQP-H Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades HISTÓRICO Década de 80: início

Leia mais

Nº Desempenho de sistemas habitacionais com painéis pré-moldados de concreto: uma experiência real apresentada pelo IPT.

Nº Desempenho de sistemas habitacionais com painéis pré-moldados de concreto: uma experiência real apresentada pelo IPT. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 174566 Desempenho de sistemas habitacionais com painéis pré-moldados de concreto: uma experiência real apresentada pelo IPT Luciana Alves de Oliveira Palestra apresentado no SEMINÁRIO

Leia mais

AVALIAÇÕES TÉCNICAS DE PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO INOVADORES NO BRASIL

AVALIAÇÕES TÉCNICAS DE PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO INOVADORES NO BRASIL AVALIAÇÕES TÉCNICAS DE PRODUTOS DE CONSTRUÇÃO INOVADORES NO BRASIL Rosa Carolina Abrahão Amancio 1, Márcio Minto Fabricio 2, Cláudio Vicente Mitidieri Filho 3 1 Instituto de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Seminário: Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Arnoldo Wendler Sistema Construtivo Estudo de viabilidade Anteprojeto arquitetônico Comercialização

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

AFAP- PVC - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE PERFIS DE PVC PARA CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA E QUALIDADE DE SISTEMAS EM ENGENHARIA

AFAP- PVC - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE PERFIS DE PVC PARA CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA E QUALIDADE DE SISTEMAS EM ENGENHARIA Cliente: AFAP- PVC - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE PERFIS DE PVC PARA CONSTRUÇÃO CIVIL TESIS TECNOLOGIA E QUALIDADE DE SISTEMAS EM ENGENHARIA Referência: PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DE PERFIS

Leia mais

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas.

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas. QUALIDADE Cliente Uso e operação Desenvolvimento do produto e projeto FOCO NO Gerenciamento e Execução de obras PROCESSO Lançamento e vendas Suprimentos Planejamento e orçamento de obras Padronização dos

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Wood Frame. Tecnologia Wood frame. Camadas painéis de parede

Wood Frame. Tecnologia Wood frame. Camadas painéis de parede Tecnologia Wood frame Wood Frame Camadas painéis de parede Composição de materiais com função estrutural, de isolamento térmico-acústico, vedação e acabamentos 1. Estrutura de madeira 2. Isolante térmico-acústico

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

Norma de Desempenho e Inovações PANORAMA NA CAIXA

Norma de Desempenho e Inovações PANORAMA NA CAIXA Norma de Desempenho e Inovações PANORAMA NA CAIXA Bloco 1: NORMAS INDUZEM EVOLUÇÃO NA HABITAÇÃO POPULAR INDUTORES DA EVOLUÇÃO - Produção acadêmica - Regulamentos do governo - Regulamentos da sociedade

Leia mais

CONSTRUÇÃO RÁPIDA LEVE E FORTE CONSTRUÇÃO MODULAR CONFORTO E QUALIDADE A CONSTRUÇÃO E SOLUÇÃO PERFEITAS AIRCRETE SISTEMA DE CONSTRUÇÃO

CONSTRUÇÃO RÁPIDA LEVE E FORTE CONSTRUÇÃO MODULAR CONFORTO E QUALIDADE A CONSTRUÇÃO E SOLUÇÃO PERFEITAS AIRCRETE SISTEMA DE CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO RÁPIDA LEVE E FORTE CONSTRUÇÃO MODULAR CONFORTO E QUALIDADE A CONSTRUÇÃO E SOLUÇÃO PERFEITAS AIRCRETE SISTEMA DE CONSTRUÇÃO AIRCRETE SOLUÇÃO DE CONSTRUÇÃO DE CASAS O Concreto Celular Autoclavado

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho.

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110 ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. André Azevedo Palestra apresentado na 10.Convenção Nordeste de Cerâmica Vermelha, Teresina, PI, 2015.. A série

Leia mais

CAPACITAÇÃO DESEMPENHO ESTRUTURAL (PILARES, VIGAS, LAJES, PAREDES, COBERTURAS, PISOS )

CAPACITAÇÃO DESEMPENHO ESTRUTURAL (PILARES, VIGAS, LAJES, PAREDES, COBERTURAS, PISOS ) CAPACITAÇÃO DESEMPENHO ESTRUTURAL (PILARES, VIGAS, LAJES, PAREDES, COBERTURAS, PISOS ) 1 - CIENTEC - Fundação de Ciência e Tecnologia 2 - Concremat Engenharia e Tecnologia S/A 3 - Escola de Engenharia

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

ANDRÉ MONTENEGRO DE HOLANDA www.casasole.com.br Tel.: +55 (85) 3273 5244

ANDRÉ MONTENEGRO DE HOLANDA www.casasole.com.br Tel.: +55 (85) 3273 5244 ANDRÉ MONTENEGRO DE HOLANDA www.casasole.com.br Tel.: +55 (85) 3273 5244 Objetivo O Sistema Casas Olé tem como objetivo apresentar um novo processo para fabricação de habitações, com alta qualidade, através

Leia mais

Plásticos: Novas aplicações no mercado de construção civil. Maceió, mai/2014

Plásticos: Novas aplicações no mercado de construção civil. Maceió, mai/2014 Plásticos: Novas aplicações no mercado de construção civil Maceió, mai/2014 INDÚSTRIA PETROQUÍMICA INTEGRAÇÃO COMPETITIVA EXTRAÇÃO Matérias-Primas 1 ª GERAÇÃO Petroquímicos Básicos 2 ª GERAÇÃO Resinas

Leia mais

Desempenho de sistemas habitacionais produzidos com painéis pré-moldados de concreto: Uma experiência real apresentada pelo IPT.

Desempenho de sistemas habitacionais produzidos com painéis pré-moldados de concreto: Uma experiência real apresentada pelo IPT. Desempenho de sistemas habitacionais produzidos com painéis pré-moldados de concreto: Uma experiência real apresentada pelo IPT Luciana Oliveira Apresentação Objetivos do SiNAT / Cronologia Processo de

Leia mais

Sistema construtivo LP Brasil OSB em Light Steel Frame e fechamento em SmartSide Panel

Sistema construtivo LP Brasil OSB em Light Steel Frame e fechamento em SmartSide Panel Av. Prof. Almeida Prado, 532 Cidade Universitária - Butantã CEP 05508-901 São Paulo - SP Tel: (11) 3767-4164 Fax: (11) 3767-4961 ipt@ipt.br / www.ipt.br Emissão abril de 2013 Validade março de 2015 Produto

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 Em julho de 2013 entrou definitivamente em vigor a NBR 15.575, a norma de desempenho de

Leia mais

AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS ASSIM COMO AS NORMAS TÉCNICAS ESTÃO PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS

AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS ASSIM COMO AS NORMAS TÉCNICAS ESTÃO PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS PAINEL 2 As perícias Judiciais em edificações e a ABNT NBR15575:2010 Edifícios Habitacionais de até 5 pavimentos - Desempenho Apresentação PAULO GRANDISKI Eng. Civil IBAPE/SP 1 AS LEIS ESTÃO PARA OS ADVOGADOS

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto.

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. 1 Escolha do Sistema Construtivo Sistema construtivo com foco nas seguintes características: Alta produtividade Baixo custo de construção Redução

Leia mais

TRABALHANDO AO LADO DO SETOR PARA O CUMPRIMENTO DA NORMA ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO

TRABALHANDO AO LADO DO SETOR PARA O CUMPRIMENTO DA NORMA ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO TRABALHANDO AO LADO DO SETOR PARA O CUMPRIMENTO DA NORMA ABNT NBR 15575/2013 EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO TRABALHANDO AO LADO DO SETOR PARA O CUMPRIMENTO DA NORMA TRABALHANDO. PRINCIPAIS ENSAIOS

Leia mais

Norma de Desempenho. Conceitos e Histórico NBR 15575:2013

Norma de Desempenho. Conceitos e Histórico NBR 15575:2013 NBR 15575:2013 Eng Roberto Gonçalves Dias Conceitos e Histórico Conceito de : Origem na exigências de segurança estrutural na Segunda Guerra Mundial Evolução nos Congressos da Construção Civil em 1962

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

Limites da avaliação técnica do Sistema construtivo LP Brasil OSB em Light Steel Frame e fechamento em chapas de OSB revestidas com siding vinilico:

Limites da avaliação técnica do Sistema construtivo LP Brasil OSB em Light Steel Frame e fechamento em chapas de OSB revestidas com siding vinilico: Av. Prof. Almeida Prado, 532 Cidade Universitária - Butantã CEP 05508-901 São Paulo - SP Tel: (11) 3767-4164 Fax: (11) 3767-4961 ipt@ipt.br / www.ipt.br Emissão abril de 2013 Validade março de 2015 Produto

Leia mais

Evento ASBEA. Mauricio Linn Bianchi Eng. Civil Diretor da BKO CTQ Sinduscon SP

Evento ASBEA. Mauricio Linn Bianchi Eng. Civil Diretor da BKO CTQ Sinduscon SP Evento ASBEA Mauricio Linn Bianchi Eng. Civil Diretor da BKO CTQ Sinduscon SP Evento ASBEA - Norma de Desempenho Perfil Empresarial em números 3 Prêmios Máster Imobiliário 1 24 Anos de experiência Prêmio

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL Iniciativa: SINDUSCON GOIÁS E FIEG Breve Histórico Segundo semestre de 2011 CEF procurou o Sinduscon- Goiás para tratar de problemas detectados nas obras M.C.M.V.

Leia mais

Instaladores de Janelas Eficientes

Instaladores de Janelas Eficientes Instaladores de Janelas Eficientes LNEG, 8 julho BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Carga horária 25 horas A. Teoria: Objetivos 1.

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica NBR 15575:2013 Desempenho de edificações habitacionais Professora Dra. Maria

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS HISTÓRICO DO PSQ-Esquadrias de Alumínio - ABR/2001: AFEAL implementa o Programa Setorial da Qualidade (PSQ) de Esquadrias de Alumínio. O referido programa está inserido no Programa

Leia mais

PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES PARA CONSTRUÇÃO CIVIL FABRICADOS COM PERFIS DE PVC SETORIAL JANELAS

PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES PARA CONSTRUÇÃO CIVIL FABRICADOS COM PERFIS DE PVC SETORIAL JANELAS AFAP-PVC: TESIS: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE PERFIS DE PVC PARA CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA DE SISTEMAS EM ENGENHARIA REFERÊNCIA: PGQ 2 - F - PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES

Leia mais

Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP

Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP Simpósio Polo Gesseiro do Araripe Potencidades Problemas e Soluções UFRPE 12 a 14 de agosto de 2014 Frederico Cavalcanti Montenegro Diretor Presidente ITEP Centro Tecnológico do Araripe CTA Rua Antônio

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES INTRODUÇÃO: A CASA EXPRESS LTDA. é uma empresa do ramo da construção civil, sediada

Leia mais

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A.

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. Concreto PVC A Utilização do Sistema Royal para construção de casas populares. Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. O Sistema Construtivo O sistema construtivo Royal (Concreto-PVC) nasceu

Leia mais

PROPOSTA # 17 REPARAÇÃO E MELHORAMENTO DO ESTABELECIMENTO ESCOLAR DO 1.º CICLO DE RIBAFRIA

PROPOSTA # 17 REPARAÇÃO E MELHORAMENTO DO ESTABELECIMENTO ESCOLAR DO 1.º CICLO DE RIBAFRIA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE ALENQUER ǀ OPA 2015 REPARAÇÃO E MELHORAMENTO DO ESTABELECIMENTO ESCOLAR DO 1.º CICLO DE RIBAFRIA Divisão de Obras Municipais Departamento Operativo 1 DESCRIÇÃO DA PROPOSTA Pretende-se

Leia mais

C A S A S P R É - FA B R I C A D A S

C A S A S P R É - FA B R I C A D A S C A S A S P R É - FA B R I C A D A S As Casas Pré-fabricadas Fladafi são seguras, confortáveis e bonitas. Seu sistema construtivo possibilita uma montagem rápida, sem geração de resíduos e com economia

Leia mais

Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas. Eng. Luiz Barbosa

Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas. Eng. Luiz Barbosa Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas Eng. Luiz Barbosa Objetivo Mostrar, de forma conceitual, a aplicabilidade do vidro em fachadas, tendo ele, não somente excelente desempenho acústico, mas sendo,

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias?

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? Seminário: Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? EngºArcindo A. Vaquero y Mayor Wish List Veloz Durável Prático (com racionalização) Econômico Baixo Desperdicio Confortável (Desempenho Termico

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ISOPORTEC A ISOPORTEC é focada na produção de soluções em isopor de alta performance para a construção civil, valorizando produtos que fazem diferença nos projetos mais complexos.

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

SUDESTE PRÉ-FABRICADOS CATÁLOGO TÉCNICO SUDESTE PRÉ-FABRICADOS PRONTOS PARA TODA E QUALQUER EMPREITADA

SUDESTE PRÉ-FABRICADOS CATÁLOGO TÉCNICO SUDESTE PRÉ-FABRICADOS PRONTOS PARA TODA E QUALQUER EMPREITADA 1 CONSTRUINDO GRANDES NEGÓCIOS PRÉ-FABRICADOS 2 SUDESTE PRÉ-FABRICADOS CATÁLOGO TÉCNICO SUDESTE PRÉ-FABRICADOS PRONTOS PARA TODA E QUALQUER EMPREITADA SUDESTE PRÉ-FABRICADOS CATÁLOGO TÉCNICO ÍNDICE 3 A

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades O Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat o Sistema Nacional de Qualificação de Materiais e Componentes e Sistemas Construtivos 28 de novembro de 2008 Secretaria Nacional de Habitação

Leia mais

Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG

Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG Seminário - Juiz de Fora SINDUSCON - SEBRAE Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG Gestão do Processo de Projeto

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

ESQUADRIAS Resumo da aula

ESQUADRIAS Resumo da aula ESQUADRIAS Resumo da aula Os vãos têm como funções a vedação e a comunicação dos ambientes internos e externos do edifício. Ambos necessitam de obras e serviços, executadas com materiais, segundo determinadas

Leia mais

O Uso de Sprinklers na Legislação Brasileira

O Uso de Sprinklers na Legislação Brasileira O Uso de Sprinklers na Legislação Brasileira 06nov2014 Orestes Gonçalves Escola Politécnica da USP TESIS Tecnologia de Sistemas em Engenharia Programa BSC Brasil Sem Chamas Meta 4 Marco Regulatório Meta

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Arnoldo Wendler Sistema Construtivo 1 Sistema Construtivo 2 Sistema Construtivo Sistema Construtivo 3 Sistema Construtivo Comunidade da Construção DIRETRIZES

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C

Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C Construção Escolas ProInfância Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C Construção Escolas ProInfância Desafio: Melhorar a eficiência do processo, e garantir: 1. Edifícios com

Leia mais

Construção Civil Linha PVC

Construção Civil Linha PVC Construção Civil Linha PVC Correr Abertura de 2 a 6 folhas que se movimentam mediante deslizamento horizontal. De fácil manuseio, podendo ser utilizada com persiana e tela mosquiteira. Permite ventilação

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

GSEducationalVersion LIGHT STEEL FRAME P R O J E T O E C O N S T R U Ç Ã O

GSEducationalVersion LIGHT STEEL FRAME P R O J E T O E C O N S T R U Ç Ã O GSEducationalVersion LIGHT STEEL FRAME P R O J E T O E C O N S T R U Ç Ã O SEDIAME Quem Somos Construção em LSF 03 SISTEMA CONSTRUTIVO Características Exemplos 04 07 SOLUÇÕES MODULARES Módulos para Mercados

Leia mais

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém O PVC E O SISTEMA ROYAL É leve (1,4 g/cm3), o que facilita seu manuseio e aplicação; Resistente à ação de fungos, bactérias, insetos e roedores; Resistente à maioria dos reagentes químicos; Bom isolante

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO

ALVENARIA ESTRUTURAL DE CONCRETO COM BLOCOS CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO CURSO DE FORMAÇÃO DE EQUIPES DE PRODUÇÃO HISTÓRICO O uso da alvenaria é a mais antiga forma de construção empregada pelo homem. 2 HISTÓRICO Pirâmides do Egito

Leia mais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho Perícias judiciais IBAPE SP - AGOSTO 2011 1 NORMAS TÉCNICAS Zona de fronteira Direito Engenharia 2 Norma de Desempenho

Leia mais

Steel frame - fechamento (parte 3)

Steel frame - fechamento (parte 3) Página 1 de 6 Steel frame - fechamento (parte 3) Hotel Villa Rossa, fechamento em steel frame No segundo artigo desta série sobre steel frame, abordamos a estrutura da edificação. Nela são aplicadas as

Leia mais

OS RISCOS INVISÍVEIS DAS PRÁTICAS CONSTRUTIVAS ATUAIS E O PAPEL DOS ARQUITETOS NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

OS RISCOS INVISÍVEIS DAS PRÁTICAS CONSTRUTIVAS ATUAIS E O PAPEL DOS ARQUITETOS NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS OS RISCOS INVISÍVEIS DAS PRÁTICAS CONSTRUTIVAS ATUAIS E O PAPEL DOS ARQUITETOS NA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS Rio de Janeiro, 30 de abril de 2014 SIDNEY LEONE e RS BARRADAS A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Selos

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR 81,9(56,'$'()('(5$/'2&($5È '(3$57$0(172'((1*(1+$5,$(6758785$/( &216758d 2&,9,/ 127$6'($8/$6 &216758d 2'((',)Ë&,26, 5(9(67,0(1726'(7(726 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV, 5HYHVWLPHQWRVGH7HWRV

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS INOVADORES: UMA ABORDAGEM ANALÍTICA A PARTIR DAS DIRETRIZES E DOS DOCUMENTOS DE AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SINAT

SISTEMAS CONSTRUTIVOS INOVADORES: UMA ABORDAGEM ANALÍTICA A PARTIR DAS DIRETRIZES E DOS DOCUMENTOS DE AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SINAT SISTEMAS CONSTRUTIVOS INOVADORES: UMA ABORDAGEM ANALÍTICA A PARTIR DAS DIRETRIZES E DOS DOCUMENTOS DE AVALIAÇÃO TÉCNICA DO SINAT Vanda Alice Garcia Zanoni (1) ; José Manoel Morales Sánchez (2) (1) PPG

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

TECNOLOGIAS, SISTEMAS CONSTRUTIVOS E TIPOLOGIAS PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL EM REASSENTAMENTOS

TECNOLOGIAS, SISTEMAS CONSTRUTIVOS E TIPOLOGIAS PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL EM REASSENTAMENTOS 2 TECNOLOGIAS, SISTEMAS CONSTRUTIVOS E TIPOLOGIAS PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL EM REASSENTAMENTOS 1 7 8 9 10 3 11 4 12 5 6 15 14 13 Coordenação:Prof. Lisiane Ilha Librelotto, Dr. Eng. Bolsistas :

Leia mais

Pré-fabricados de concreto: solução sustentável para habitações econômicas

Pré-fabricados de concreto: solução sustentável para habitações econômicas industrialização DA CONSTRUÇÃO Pré-fabricados de concreto: solução sustentável para habitações econômicas Marcelo Monteiro de Miranda CEO PRECON Engenharia & Construções O debate sobre a Sustentabilidade

Leia mais

Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social

Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Construtora Roberto Ferreira com 60 anos de atuação no mercado buscou sempre inovar, simplificar e

Leia mais

DATec Nº 014. Emissão abril de 2013. Validade março de 2015

DATec Nº 014. Emissão abril de 2013. Validade março de 2015 Av. Prof. Almeida Prado, 532 Cidade Universitária - Butantã CEP 05508-901 São Paulo - SP Tel: (11) 3767-4164 Fax: (11) 3767-4961 ipt@ipt.br / www.ipt.br Emissão abril de 2013 Validade março de 2015 Produto

Leia mais

Subsistemas construtivos e componentes caracterizados por ensaios e avaliações segundo os requisitos da norma de desempenho ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

Subsistemas construtivos e componentes caracterizados por ensaios e avaliações segundo os requisitos da norma de desempenho ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Subsistemas construtivos e componentes caracterizados por ensaios e avaliações segundo os requisitos da norma de desempenho ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Divisão de Pós-Graduação

Universidade Estadual de Ponta Grossa Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Divisão de Pós-Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA SETOR: Ciências Agrárias e de Tecnologia DEPARTAMENTO: Engenharia Civil DISCIPLINA: Inovações Tecnológicas e Qualidade Carga horária total: 32 horas Destina-se ao Curso de Especialização

Leia mais

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA As paredes de madeira dividem-se em: Paredes Estruturais Divisão e fechamento de ambientes Suportar cargas verticais e transmití-las as fundações Suportar cargas horizontais

Leia mais

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA Arq. Mario Fundaro Seminário internacional arquitetura sustentável São Paulo 2014 A CASA SUSTENTÁVEL Conceitos

Leia mais

PAREDES DE CONCRETO. Engº Arcindo Vaquero y Mayor

PAREDES DE CONCRETO. Engº Arcindo Vaquero y Mayor PAREDES DE CONCRETO Engº Arcindo Vaquero y Mayor Órgão oficial, representativo do setor. As empresas associadas respondem por 80% do mercado. Objetivos: Desenvolvimento Técnico. Apoio a Associados e Construtores.

Leia mais