Um sistema de Aprendizado Colaborativo de Programação Baseado em Agentes Chamado Learn In Group

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um sistema de Aprendizado Colaborativo de Programação Baseado em Agentes Chamado Learn In Group"

Transcrição

1 Um sistema de Aprendizado Colaborativo de Programação Baseado em Agentes Chamado Learn In Group Eustáquio São José de Faria 1, Jamil Miranda Vilela 2,Juan Manuel Adán Coello 3 1,2 Instituto de Informática Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Arcos, MG Brasil 3 Faculdade de Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica de Campinas Campinas, SP, Brasil Resumo. Diversos estudos sobre Ambientes de Aprendizado Colaborativo Suportado por Computador indicam que eles podem trazer melhorias ao processo de aprendizado e contribuir para torná-lo mais prazeroso e socializador. Em um estudo anterior, desenvolvemos um software verificador de diferenças significativas entre programas e o utilizamos para a montagem de grupos para o aprendizado colaborativo de programação de computadores. Chegamos à conclusão de que o aprendizado colaborativo é viável e eficaz nesse contexto, mas difícil de implantar sem a presença de um mediador. Este artigo descreve o Learn in Group, um sistema baseado na Web para o suporte ao aprendizado colaborativo de programação. O sistema contará com dois agentes mediadores, um para a constituição de grupos de trabalho colaborativo e outro para acompanhar e estimular a participação dos membros dos grupos. Palavras-chave. Aprendizado Colaborativo de Programação Suportado por Computador. Agentes de Software. Mediadores de Participação dos Alunos. 1. Introdução Em trabalhos anteriores utilizamos um software Verificador de Diferenças Significativas entre Programas (VDSP) no intuito de apoiar o aprendizado colaborativo de programação (FARIA & ADÁN COELLO, 2004, 2005). Nesses trabalhos, verificamos a importância do mediador no processo de colaboração. Entretanto, o processo de mediação às vezes se torna impraticável devido à falta de tempo, ou à quantidade de alunos em sala de aula. Por isso, propomos neste artigo a construção de um sistema de aprendizado colaborativo suportado por computador, baseado na Web, para o ensino de programação de computadores chamado Learn In Group. Este sistema utiliza-se do VDSP para avaliação dos programas desenvolvidos pelos alunos e da tecnologia de agentes de software para a formação de grupos de estudo e para o gerenciamento da participação dos alunos. O sistema oferecerá a alunos e professores a possibilidade de trabalhar colaborativamente em contextos presenciais ou à distância. Exploraremos neste texto alguns conceitos sobre ambientes de aprendizado colaborativo suportado por computador e sobre a tecnologia de agentes, apresentaremos o VDSP e a nossa proposta de arquitetura para o Learn In Group.

2 As figuras utilizadas fazem parte da interface proposta para o Learn In Group, que ainda se encontra em fase de projeto. 2. Ambientes de Aprendizado Colaborativo Suportado por Computador Atualmente a tecnologia da informação e de comunicação (TIC), presencia um momento de grande evolução quanto à criação de novos ambientes que dão suporte ao ensinoaprendizado colaborativo em diversas áreas do conhecimento. Esta evolução apresenta-se como um novo paradigma, onde os hábitos comuns em que os alunos ouvem o professor e tentam assimilar o que podem são substituídos por metodologias educacionais mais eficientes, porém ainda menos utilizadas. Ultimamente, os ambientes de aprendizado colaborativo têm ganhado uma forte impulsão em termos de avanço tecnológico. Este avanço se deve à melhor qualidade dos meios de comunicação e às possibilidades de criação através da Internet. Segundo Martins, Melo e Gomes (1999), os ambientes de aprendizagem colaborativa apoiada por computador (Computer Suported Collaborative Learning - CSCL) estimulam o aprendizado através da colaboração. Professores, alunos e sistema se interagem através de recursos tecnológicos compartilhando o mesmo espaço de trabalho e resolvendo problemas de maneira conjunta, apoiados por tecnologias de comunicação à distância. Estes ambientes CSCL, normalmente dão autonomia suficiente, e de forma controlada, aos alunos para que possam ser responsáveis pelo seu próprio aprendizado. Segundo Santarosa (1999), um sistema de suporte gerencia os ambientes, mas não age sobre as interações originadas pelos participantes. Em alguns casos, estas interações podem ser registradas. 3. Verificador de Diferenças Significativas entre Programas - VDSP O VDSP é um avaliador automatizado de programas em linguagem C, com o propósito de ser usado como auxílio à montagem de grupos colaborativos de aprendizado de programação. Este avaliador recebe o programa submetido pelo aluno e o percorre para atribuir valores às métricas de estilo mais encontradas na literatura. Todo programa avaliado recebe um valor correspondente a um Índice Global de Qualidade (IG) relativo à qualidade do estilo de programação usada em sua construção, que representa a soma dos valores atribuídos às métricas. Por fim, um Relatório de Anomalias e Soluções, em relação às métricas, é gerado e disponibilizado ao autor do programa avaliado, juntamente com o Índice Global de Qualidade computado, para que sejam utilizados como instrumentos incentivadores e facilitadores do conflito sócio-cognitivo que deverá emergir durante o trabalho em grupo. As métricas utilizadas pelo VDSP para avaliar os programas dos alunos são: 1. Tamanho de identificadores; 2. Percentual de identificadores que são constantes (define / const); 3. Tamanho dos módulos; 4. Quantidade de módulos; 5. Percentual de linhas endentadas; 6. Percentual de linhas de comentário;

3 7. Percentual de linhas em branco. O relatório de anomalias e soluções gerado pelo VDSP nos proporciona informações sobre os problemas encontrados em relação a cada uma das métricas acima, e possíveis soluções de como resolvê-los. Os resultados das avaliações dos programas foram usados para montagem de grupos homogêneos e heterogêneos de estudo. Os grupos homogêneos foram formados por alunos cuja pontuação atribuída aos programas não apresentou diferença significativa, por exemplo, alunos com pontuação IG entre 100 e 200, já os grupos heterogêneos foram formados por alunos cuja pontuação atribuída aos programas apresentou grandes diferenças, por exemplo, alunos com pontuação próxima de 100 trabalhando com alunos com pontuação próxima de 600. O VDSP foi experimentado com a turma de Algoritmos e Estruturas de Dados da PUC Minas Arcos no primeiro semestre letivo de 2004 (Faria e Adán Coello, 2005). Percebemos que o trabalho colaborativo resultou em programas mais compreensíveis. O conflito de idéias, na maioria dos experimentos, fez com que a nota obtida pelo grupo fosse superior à maior nota individual dos componentes daquele grupo. Nos grupos heterogêneos encontramos os maiores índices de crescimento individual, juntamente com o grupo homogêneo de pontuação baixa. Por outro lado, percebemos uma resistência muito grande nos grupos heterogêneos para o trabalho colaborativo. Outro problema detectado nestes grupos foi a submissão por parte dos menos experientes. Esta submissão foi quebrada somente quando o professor se juntou ao grupo e incentivou a participação de todos os componentes de maneira a gerar conflito. O crescimento individual dos componentes de grupos colaborativos se mostrou superior ao crescimento individual daqueles alunos que trabalharam sozinhos. A colaboração se mostrou muito expressiva no aprendizado de programação, mas a figura do mediador fez-se fundamental, pois, em quase todos os momentos que o mediador não estava presente a colaboração tendia a não ocorrer ou ocorrer precariamente. Em grupos heterogêneos a falta do mediador transformava a relação entre os colegas em uma relação de imposição. Nos grupos homogêneos medianos a colaboração fluía normalmente na ausência do mediador. Já no grupo homogêneo alto, a ausência do mediador transformou o ambiente em caos generalizado, pois cada um acreditava que sua idéia deveria prevalecer. Por fim, no grupo homogêneo baixo, quando da ausência do mediador, os alunos se tornavam apáticos, sem saber por onde iniciar o conflito. 4. O Learn in Group O Learn In Group será um sistema, baseado na Web, que suportará o aprendizado colaborativo de programação. Os professores ficarão incumbidos de montar e armazenar, na base de dados, a tarefa de programação desejada e suas respectivas métricas e valores mestre e de escolher com quais tipos de grupo desejam trabalhar (homogêneos, heterogêneos ou mistos). Depois de liberadas pelo professor, as tarefas deverão ser desenvolvidas individualmente pelos alunos. Toda tarefa entregue será avaliada pelo VDSP para que sejam gerados o Relatório de Anomalias e Soluções e o

4 Índice Global de Qualidade do Programa IG. Quando os todos alunos tiverem submetido seu programa à avaliação do VDSP, o Agente de Montagem de Grupos, baseado na escolha do professor em relação aos tipos de grupos, deverá efetuar a montagem dos grupos colaborativos. No decorrer da atividade colaborativa, agentes monitorarão o ambiente procurando descobrir o índice de participação dos alunos. Segundo Maes (1994), os agentes inteligentes de software são sistemas baseados em computador, que vivem em ambientes dinâmicos e com um certo nível de complexidade. Eles têm percepção própria e agem autonomamente neste ambiente. Assim, eles atingem seus objetivos ou cumprem as tarefas para as quais eles foram construídos. Os agentes deverão intervir e mediar o aprendizado quando forem encontrados alunos com índices de participação baixos ou com excesso de participações em relação aos demais colegas do mesmo grupo. Durante a colaboração, o grupo deverá desenvolver um novo programa que também será submetido ao VDSP. Ao final deste processo, um relatório deverá ser gerado e distribuído aos alunos como feedback do processo de colaboração. A figura 1 mostra o modelo ambiental definido para o Learn In Group. Coleta de resultados para formação dos grupos Pontuações tarefa da Base de Dados Valores mestres métricas VDSP das Dados tarefas e métricas Programa para avaliação Sistema Learn In Group Dados tarefas e métricas Formação de grupos Professor Grupo Participação Programa Relatório Anomalias Soluções de e Aluno Figura 1 Modelo Ambiental de Funcionamento do Learn in Group 4.1. Funcionalidades do Learn in Group O Learn In Group implementará as seguintes funcionalidades:

5 Cadastro de turma; Cadastro de alunos; Cadastro de tarefas e escolha dos tipos de grupos; Submissão de programa base e geração de métricas mestras; Avaliação de trabalho de alunos Resumo das atividades colaborativas. Visualização de relatórios de anomalias e do Índice de Qualidade Global do Programa - IG; Montagem dos grupos; Fórum dos grupos; Gerenciador Automatizado de participação; Avaliação de trabalho de grupo; Cadastro de Turma Toda nova turma que trabalhará com o aprendizado colaborativo de programação deve ser cadastrada, bem como o de cada aluno e o nome do professor responsável pela turma. A figura 2 mostra um exemplo de cadastro de turma. O professor responsável pela turma fará o papel do mediador juntamente com o agente mediador do Learn In Group. Figura 2 Janela de manutenção do cadastro de turmas Cadastro de Alunos Toda turma cadastrada será formada pelos alunos matriculados na disciplina naquele semestre. O cadastro de alunos deverá conter o nome, o login de usuário, o e o número de matrícula do aluno. As senhas dos logins de usuário serão geradas e enviadas aos alunos, automaticamente pelo Learn In Group, através do cadastrado. Vejamos exemplos de cadastro de alunos em uma turma na figura 3.

6 Figura 3 Janela de manutenção do cadastro de alunos Cadastro de Tarefas e Escolha dos Tipos de Grupos No decorrer do semestre letivo as turmas desenvolverão diversas tarefas de programação que deverão ser cadastradas no Learn In Group. Para cada tarefa poderemos trabalhar com tipos de grupos homogêneos ou heterogêneos. O status da tarefa no ato do cadastro é Iniciando. Depois que o professor escolher os valores mestres das métricas para aquela tarefa o status passa a ser Aguardando Entrega. Enquanto a tarefa estiver no status Aguardando Entrega, significa que ainda existem alunos que não submeteram o primeiro programa, desenvolvido individualmente, para avaliação pelo VDSP. Após a entrega do trabalho individual do último aluno, que vence no prazo de Entrega Individual de Trabalhos, o Agente de montagem de grupos deverá montar os grupos colaborativos de estudo de acordo com o tipo de grupo escolhido para aquela tarefa. Neste momento, o mesmo agente enviará ao Learn In Group uma solicitação de mudança do status da tarefa para Trabalhando. Após encerramento do prazo, o status da tarefa passa para Finalizada e os alunos não podem mais adicionar mensagens aos fóruns. A pontuação dos alunos e os fóruns ficam disponíveis apenas para leitura. turma. A quantidade de alunos por grupo será escolhida pelo professor responsável pela A tarefa possui uma data de encerramento que deverá ser respeitada pelos componentes do grupo, que deverão desenvolver um novo programa e o submeterão para avaliação pelo VDSP antes do encerramento do prazo. A figura 4 mostra três tarefas cadastradas para a turma AED 01/2004, com seus respectivos status.

7 Figura 4 Janela de manutenção do cadastro de tarefas e escolha dos tipos de grupo Submissão de Programa Base e Geração de Valores Mestres das Métricas Depois de cadastrar a tarefa, o professor deve cadastrar os valores mínimos e máximos, aceitáveis e ideais para essa tarefa. Para definir estes valores o professor pode solicitar que o VDSP avalie o programa base desenvolvido por ele. Após avaliar esse programa o Learn In Group receberá os valores encontrados e os disponibilizará na tela para que possam ser usados como valores de referência. Assim, o professor pode, baseado nos valores que obteve pelo VDSP, atribuir valores mestres às métricas. Os valores mestres das métricas são, portanto, os valores mínimos e máximos, aceitáveis e ideais estipulados pelo professor. É importante ressaltar que toda tarefa possui o seu conjunto de valores mestres das métricas, sendo que, todo programa deve ser avaliado segundo todas as sete métricas. A figura 5 se refere à janela onde serão cadastrados os valores desejados para as métricas. Figura 5 Janela de submissão de programa base e geração de valores mestres das métricas

8 Avaliador individual e visualizador de relatórios e anomalias e Índice Global de Qualidade do Programa IG Todo aluno matriculado em uma turma deverá resolver a tarefa que estiver com status Aguardando Entrega e submetê-la ao Learn In Group, que a encaminhará para avaliação pelo VDSP. Após a avaliação do programa pelo VDSP o Learn In Group disponibiliza os resultados em forma de pontuação para cada métrica. O IG será calculado após o resultado da avaliação de todas as métricas e será disponibilizado ao aluno o relatório de anomalias e soluções. No canto direito da janela, na figura 6, podemos visualizar os links para cada anomalia e solução proposta. A opção de imprimir o relatório de anomalias e soluções pode ser encontrado ao lado do botão de impressão de resultado da avaliação, no canto esquerdo inferior da janela. Figura 6 Janela do Avaliador individual e visualizador de relatórios e anomalias e Índice Global de Qualidade do Programa IG Montagem dos Grupos Um agente de software ficará monitorando a entrega de tarefas pelos componentes da turma. Após a entrega e avaliação do trabalho do último aluno, o agente entrará em ação e formará os grupos de trabalho baseado no tipo de grupo e na quantidade de alunos por grupo, escolhidos pelo professor, no ato de cadastro da tarefa Fórum dos Grupos Todos os grupos montados pelo agente terão seu próprio fórum, sendo que, os alunos terão acesso somente ao fórum do qual fazem parte. O fórum terá um formato tradicional de fóruns na WEB, acrescido de recurso que permitirá visualizar o programa de um dos componentes do grupo (lado direito da figura 7).

9 Figura 7 Janela de Fórum de Grupo A visualização do programa no fórum será a mesma para todos os componentes do grupo, sendo que, todos os componentes podem alterar a visualização do programa a qualquer momento. Assim, quando os alunos estiverem discutindo o programa de algum componente do grupo, todos enxergarão o mesmo programa. Quando algum aluno quiser fazer uma comparação entre o seu programa e o que está em discussão, deverá mudar a visualização na tela, que será também alterada para os demais participantes. O professor terá acesso a todos os fóruns e poderá submeter perguntas e respostas sempre que achar necessário Gerenciador Automatizado de Participação (Agente) O gerenciador de participação é um agente inteligente que estará monitorando o ambiente de discussão e sugerindo a participação dos componentes do grupo. Periodicamente, o agente verificará o índice de participação dos alunos e poderá remeter mensagens para o fórum sugerindo mudanças de comportamento. Paralelamente serão enviados s para os alunos com problemas de participação. As mensagens de correção de comportamento serão públicas, a intenção é que todos os alunos se tornem conscientes de quem necessita participar mais ou passar a vez para os demais colegas Avaliação de trabalho de grupo O funcionamento da avaliação de programa submetido por um grupo é o mesmo da avaliação de programas individuais. A submissão do programa de um grupo pode ser feita até a data de encerramento das atividades estipulado pelo professor ao cadastrar a tarefa. Vejamos um exemplo na figura 8.

10 Figura 8 Janela do Avaliador do Grupo Resumo das Atividades Colaborativas O resumo das atividades colaborativas pode ser visualizado por todos alunos da turma, entretanto, cada aluno terá acesso somente ao resumo do seu grupo. Este resumo estará disponível sempre que a tarefa passar para o status Trabalhando e continuará visível após a finalização das atividades. A pontuação individual e a pontuação do grupo são disponibilizadas para que possamos verificar se o trabalho colaborativo teve resultados positivos ou negativos. O tipo dos grupos também é importante para que possamos avaliar e comparar os resultados de grupos homogêneos, heterogêneos e mistos. O campo perguntas, encontrado na figura 9, diz respeito à quantidade de perguntas que foram feitas por cada participante. Entende-se por perguntas somente aquelas discussões iniciais cujo índice não possua casa decimal, por exemplo, discussão 1, discussão 7. Discussão 7.1 não é considerada pergunta, mas sim resposta à pergunta 7. Já o campo respostas diz respeito a toda participação em discussões, exceto quando a participação for uma pergunta. Uma vez que não estão sendo usados avaliadores semânticos automatizados ou humanos, todas as perguntas serão consideradas relevantes ao processo de discussão. O índice de participação é calculado de maneira a se obter o percentual de participação de cada aluno, somando-se suas perguntas e respostas, dividido pela soma total de discussões encontradas no fórum. Por exemplo, o aluno X obteve 3 perguntas e 5 respostas, perfazendo um total de 8 participações, enquanto o total de participações resultou em 79. Calculando-se o número de participações do aluno (8), dividido pelo total de participações do grupo (79) temos um índice de participação de 10,13%. Como dito anteriormente, no decorrer das discussões, o agente gerenciador de participações estará monitorando o ambiente do fórum e intervindo quando necessário, solicitando, em alguns casos, mais participação de algum componente do grupo, em outros casos, solicitando que um componente deixe que outros alunos também participem.

11 Figura 9 Resumo das Atividades Colaborativas 4.2. Observações Finais Sobre o Learn In Group O Learn in Group deverá criar a quantidade necessária de grupos de acordo com o número de alunos na disciplina e a quantidade de alunos por grupo, definida pelo professor. Estes grupos deverão ser formados de acordo com a pontuação total atribuída à qualidade dos programas desenvolvidos individualmente pelos alunos (IG), obtida através do VDSP. O professor, como mediador humano das atividades, precisa, a todo o momento, ter informações claras e suficientes para tomar atitudes e dar orientações aos grupos. Como, normalmente, o mediador não estará vendo o trabalho dos grupos, uma vez que poderão trabalhar remotamente, deve-se permitir a ele acompanhar e interagir com os grupos em seus debates. Isto pode ser feito dando acesso livre ao professor nos fóruns de todos os grupos. O processo de formação de grupos pode gerar uma grande quantidade de grupos tornando difícil para o professor acompanhar todos os fóruns, por isso é muito importante que o sistema seja capaz de coletar informações sobre os debates, como: Quais integrantes do grupo participaram do debate; Quantas vezes cada integrante participou no debate; Quantas questões levantou cada integrante no debate. E também que possibilite ao professor agir baseado nestas informações, como: Estimular os integrantes que não estão participando; Avisar os integrantes que participam em excesso; Estimular os integrantes que não respondem a perguntas. É importante lembrar que o agente gerenciador de participação poderá agir a qualquer momento para mediador do processo de colaboração, da mesma maneira que o professor. O usuário professor tem acesso completo ao sistema, enquanto o usuário aluno tem acesso ao avaliador de programa individual e ao resultado da avaliação, ao

12 fórum de discussões do seu grupo, ao avaliador de programa do grupo e ao resultado da avaliação e ao resumo das atividades colaborativas do seu grupo. A figura 10, abaixo, mostra a estrutura de hierarquia de páginas do Learn in Group. Login Acesso de Professor Acesso de Aluno Área Trabalho Professor de do Área de Trabalho do Aluno Cadastro de Turma Área de Trabalho do Aluno Programa Base e métricas Resumo da Colaboração de Todos os Grupos Avaliador Individual e resultados Fórum de Discussões Avaliador do Grupo e resultados Resumo da Colaboração do Grupo Cadastro de Alunos Cadastro Tarefas de Figura 10 Hierarquia de Páginas do Learn In Group

13 5. Referências ABREU, Bruno L. & SILVA JÚNIOR, Carlos R. S. (2000) SEI Sistema de Ensino Inteligente. Desenvolvimento do Sistema, UFPE Universidade Federal de Pernambuco, Recife. SistemadeEnsinoInteligente.pdf, acesso em 12/12/2003. CASTELFRANCHI, C. (1995) Guarantees for Autonomy in Cognitive Agent Arquitecture. In: Intelligent Agents: Teories Arquitectures and Languages LNAI, volume 890, pp , Springer-Verlag, Heildeberg. FARIA, Eustáquio S. J. and ADÁN COELLO, Juan M. (2004) Detectando diferenças significativas entre programas como auxílio ao aprendizado colaborativo de programação. In XII WEI , XXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação SBC, Universidade Federal de Bahia, Salvador, Bahia, Brasil, Agosto 2-4. FARIA, Eustáquio S. J. and ADÁN COELLO, Juan M. (2005) Using Verifyer of Significant Differences among Programs as support to the Programming Collaborative Learning. Aceito para publicação no GCETE 2005, IEEE - Education Society, Bertioga, SP, Brasil, março. GENESERETH, M. R. & KETCHPEL, S. P. (1994) Softwares Agents. In: Communications of the ACM, volume 37, no. 7, pp MAES, P. (1994) Agents that Reduce Work and Information Overload. Communications of the ACM, p.31-40, julho. MARTINS, Isabel; MELO, Vitor; GOMES, Rui. (1999) Concepção de um Ambiente de Ensino à Distância Colaborativo para as Ciências da Natureza. I Conferência Internacional Challenges 99, Portugal, Universidade do Minho, p SANTAROSA, Lucila Costi. (1999) Criação de Ambientes de Aprendizagem Colaborativa, SBIE X, Curitiba/PR, novembro. WOOLDRIDGE, M. J. & JENNINGS, N. R. (1995) Intelligent Agents: Theory and Practice. Knowledge Engineering Review 10(2).

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

MANUAL DO ALUNO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

MANUAL DO ALUNO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MANUAL DO ALUNO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Março, 2011 Prezado aluno Sempre preocupada em oferecer o melhor na formação de novos profissionais, a FADEP disponibiliza, a partir deste primeiro semestre

Leia mais

Um estudo empírico dos efeitos do uso de trabalho colaborativo no aprendizado de programação em cursos de graduação em computação

Um estudo empírico dos efeitos do uso de trabalho colaborativo no aprendizado de programação em cursos de graduação em computação Um estudo empírico dos efeitos do uso de trabalho colaborativo no aprendizado de programação em cursos de graduação em computação Eustáquio São José de Faria 1, Juan Manuel Adán Coello 2 1 Instituto de

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

Manual de uso do RM Portal Acessando o portal

Manual de uso do RM Portal Acessando o portal Manual de uso do RM Portal Acessando o portal 1º) Deve-se abrir um browser de internet (Utilizar o Internet Explorer para uma melhor visualização do portal). Após o browser aberto, deve-se digitar o endereço

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais Brasília Empreendimentos Educacionais 3 Apresentação 4 A BEE 5 A Educação a Distância EaD 6 O curso 7 O Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA 10 Como estudar na modalidade a distância 2 Apresentação Este

Leia mais

Curso de planilhas eletrônicas na modalidade EAD: Um relato de experiência

Curso de planilhas eletrônicas na modalidade EAD: Um relato de experiência ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO Curso de planilhas eletrônicas na modalidade EAD: Um relato de experiência Luis Henrique Chiczta (luischiczta@gmail.com) Diolete Marcante Latti Cerutti (diolete@uepg.br) Adilson

Leia mais

Universidade Anhanguera Uniderp Centro de Educação a Distância

Universidade Anhanguera Uniderp Centro de Educação a Distância Universidade Anhanguera Uniderp Centro de Educação a Distância CURSOS DE GRADUAÇÃO MODALIDADE A DISTÂNCIA 2º semestre letivo / 2012 Sumário 1. Objetivo... 04 2. O Ambiente Virtual de Aprendizagem... 04

Leia mais

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 4LEARN

MANUAL DO ALUNO 4LEARN MANUAL DO ALUNO 4LEARN Elaborado : Profª Yara Cristina C. Rocha Miranda Email: ead@fatecguaratingueta.edu.br 1 Instruções de acesso ao 4Learn para o Aluno 1. Acessando o Ambiente 2. Verificando Slides

Leia mais

Manual do Ambiente Moodle para Alunos

Manual do Ambiente Moodle para Alunos UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Manual do Ambiente Moodle para Alunos Versão 1.0b Setembro/2011 Direitos Autorais: Essa apostila está licenciada sob uma Licença Creative Commons 3.0 Atribuição de

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL Ambiente Virtual de Aprendizagem - MOODLE GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL http://salavirtual.faculdadesaoluiz.edu.br SUMÁRIO 1. Acessando Turmas 4 2. Inserindo Material 4 3. Enviando Mensagem aos Alunos 6

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil...

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil... Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4 2. Ferramentas e Configurações... 5 2.1 Ver Perfil... 5 2.2 Modificar Perfil... 6 2.3 Alterar Senha... 11 2.4 Mensagens... 11 2.4.1 Mandando

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

MANUAL DO ALUNO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) I-UMA

MANUAL DO ALUNO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) I-UMA MANUAL DO ALUNO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) I-UMA SUMÁRIO 1 O que é a Plataforma Blackboard...4 2 Como acessar a Plataforma Blackboard...5 3 Acessando a Blackboard...6 4 Menu do Curso...7 5 Acessando

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como:

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como: Manual do Aluno É com muita satisfação que apresentamos o Reunir Unopar. Ambiente Virtual de Aprendizagem Colaborativa que tem por objetivo principal ser um espaço colaborativo de construção do conhecimento

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema de Gerenciamento de Projetos de Pesquisa

Manual do Usuário. Sistema de Gerenciamento de Projetos de Pesquisa Manual do Usuário Sistema de Gerenciamento de Projetos de Pesquisa Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso Secretaria de Tecnologias da Informação e da Comunicação Aplicadas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

Manual do Participante do Curso de Gestão da Assistência Farmacêutica - EaD

Manual do Participante do Curso de Gestão da Assistência Farmacêutica - EaD Capacitação - HÓRUS Manual do Participante do Curso de Gestão da Assistência Farmacêutica - EaD SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO... 3 2.1 Objetivos do curso... 3 2.2 Recursos de Aprendizagem...

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

Guia de Ambientação Março/2011

Guia de Ambientação Março/2011 Guia de Ambientação Março/2011 APRESENTAÇÃO Caro cursista, Bem vindo ao Guia de Ambientação. Este documento é dirigido a você, participante. Com ele, você conhecerá como está estruturada a interface de

Leia mais

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!!

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! TUTORIAL DO ALUNO Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! O Moodle é a plataforma de ensino a distância utilizada pela Uniapae sendo a unidade de ensino para rápida capacitação

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG 2015 Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Cliente Institucional e Atualizado em: 11 de setembro de 2015 Sumário 1. Conceito do software... 1 2. Abertura de

Leia mais

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância 1 Introdução Bruno Astuto Arouche Nunes Sergio Barbosa Villas-Boas 1 Henrique Falleiros Tendo em vista que o processo de ensino, nos dias de hoje,

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução...2. 2. O que é o Sistema Mo Porã...2. 3. Como acessar o Site Mo Porã...3. 4. Cadastro do Sistema Mo Porã...

ÍNDICE. 1. Introdução...2. 2. O que é o Sistema Mo Porã...2. 3. Como acessar o Site Mo Porã...3. 4. Cadastro do Sistema Mo Porã... ÍNDICE 1. Introdução...2 2. O que é o Sistema Mo Porã...2 3. Como acessar o Site Mo Porã...3 4. Cadastro do Sistema Mo Porã...4 5. Navegando no Site Mo Porã...6 5. 1 Manual de ajuda do sistema Mo Porã...7

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor Introdução O SIAP, Sistema de Apoio ao Professor, é um programa que vai contribuir, de forma decisiva, com o cotidiano escolar de alunos, professores, gestores e funcionários administrativos. Com a implantação

Leia mais

FAQ REGISTRO DE INTERAÇÕES

FAQ REGISTRO DE INTERAÇÕES Sumário 1. O que são interações?... 3 2. Posso registrar uma interação com um parceiro?... 3 3. Posso registrar interações para empresas?... 3 4. Quando converso informalmente com um cliente, parceiro

Leia mais

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Pró-Reitoria de Educação a Distância Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Como acessar o ambiente 1. Entre no Ambiente Virtual de Aprendizagem localizado na página principal do Portal

Leia mais

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA 2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA Neste capítulo faremos uma breve descrição de algumas plataformas para ensino a distância e as vantagens e desvantagens de cada uma. No final do capítulo apresentamos

Leia mais

Educação a Distância Definições

Educação a Distância Definições Educação a Distância Definições Educação a distância é o processo de ensino-aprendizagem, mediado por tecnologias, onde professores e alunos estão separados espacial e/ou temporalmente; Visa a interação

Leia mais

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL NETAULA PERFIL ALUNO Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA Guia Prático Sistema EAD PRO-CREA Educação a Distância (EAD) Conheça a seguir algumas dicas de Netiqueta para uma convivência sociável e boas maneiras na web. Sugerimos fazer um teste para saber como você

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão de Recursos Humanos 1ª Série Comportamento Organizacional A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

Plataforma NetAula. Ambiente Aluno. Prof. Alexandre Moroni

Plataforma NetAula. Ambiente Aluno. Prof. Alexandre Moroni Plataforma NetAula Ambiente Aluno Prof. Alexandre Moroni Acessando o site do CEULJI http://www.ulbrajp.edu.br/site/ Acessando o Autoatendimento Entrar com Login e Senha - ENTER Acessando NETAULA Plataforma

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO SUMÁRIO Apresentação Como ter sucesso na educação à distância A postura do aluno online Critérios de Avaliação da aprendizagem do aluno Como acessar a plataforma Perguntas freqüentes A PRESENTAÇÃO O Manual

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Maio 2008 Conteúdo 1 Primeiros passos...4 1.1 Tornando-se um usuário...4 1.2 Acessando o ambiente Moodle...4 1.3 O ambiente Moodle...4 1.4 Cadastrando-se

Leia mais

Manual de Operações Básicas. Thiago Passamani

Manual de Operações Básicas. Thiago Passamani Manual de Operações Básicas Thiago Passamani 1 - Entrando e saindo do sistema O Zimbra Suíte de Colaboração é um software de correio eletrônico open source com suporte para e-mail, contatos, calendário

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM DA SPR (AVA)

MANUAL DE ACESSO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM DA SPR (AVA) MANUAL DE ACESSO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM DA SPR (AVA) 1 2 MANUAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM DA SPR Sumário 1) INTRODUÇÃO... 3 2) NAVEGADORES HOMOLOGADOS... 3 3) ACESSO AO CURSO...

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI SERVICE DESK MANAGER SDM Manual do Sistema - DPOI Conteúdo SERVICE DESK MANAGER SDM... 1 Manual do Sistema - DPOI... 1 INTRODUÇÃO... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 OPÇÕES DO SISTEMA... 6 SISTEMA... 7 Pesquisar

Leia mais

GUIA PRA TICO DO ALUNO DA PO S GRADUAÇA O PRESENCIAL

GUIA PRA TICO DO ALUNO DA PO S GRADUAÇA O PRESENCIAL GUIA PRA TICO DO ALUNO DA PO S GRADUAÇA O PRESENCIAL Processos Acadêmicos, Portal ÚNICO e Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA Guia prático sobre os procedimentos acadêmicos, utilização das ferramentas

Leia mais

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário Smart Laudos 1.9 A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos Manual do Usuário Conteúdo 1. O que é o Smart Laudos?... 3 2. Características... 3 3. Instalação... 3 4. Menu do Sistema... 4 5. Configurando

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes

E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes 1. É possível excluir um processo que já foi enviado? Só será possível excluir o processo se o mesmo ainda não tiver sido recebido.

Leia mais

ROTINAS PADRÕES DO SISTEMAS

ROTINAS PADRÕES DO SISTEMAS ROTINAS PADRÕES DO SISTEMAS Usando o Sistema pela primeira vez Ao executar o seu Sistema pela primeira vez a tela abaixo será apresentada para que você possa configurar os diretórios onde serão achados

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

1. O que é a integração de processos

1. O que é a integração de processos 1. O que é a integração de processos É a integração de rotinas do Cordilheira Software Contábil com o Cordilheira Gestão Web. Neste momento, está sendo liberada a digitação do movimento da folha de pagamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD ORIENTAÇÕES SOBRE USO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM (MOODLE) PARA DISPONIBILIZAÇÃO

Leia mais

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Para acessar sua senha: 1. Entrar no portal Metodista online Acesse o site www.bennett.br. No lado superior direito aparecerá a janela da área de login,

Leia mais

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas SESAU Coordenadoria Setorial de Gestão a Informática - CSGI Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Maceió 06/02/2012 Técnico Responsável: Bruno Cavalcante

Leia mais

3 - Tela Principal. Itens importantes da página

3 - Tela Principal. Itens importantes da página SUMÁRIO 1 1 - Conceitos Gerais O CRQ é um sistema de controle de qualidade utilizado na etapa de recrutamento de estudos de natureza qualitativa. Ele é um banco de dados que tem como principal objetivo

Leia mais

NeXT Help Desk Manual do usuário. Abril/2011. NeXT Software

NeXT Help Desk Manual do usuário. Abril/2011. NeXT Software NeXT Help Desk Manual do usuário Abril/2011 NeXT Software Página 1 de 11 Índice Descrição e características do NeXT Help Desk... 3 Conectando no NeXT Help Desk... 4 Menu de acesso... 5 Enviando chamado

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno

Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno Introdução O Ambiente de Aprendizagem, ou AVA, é um aplicativo web onde os educadores e alunos podem disponibilizar materiais didáticos,

Leia mais

Manual do Debit Jurídico. Primeiros passos

Manual do Debit Jurídico. Primeiros passos Manual do Debit Jurídico Primeiros passos Índice Apresentação...2 Como acessar o produto...3 Tela Inicial...5 Como cadastrar o primeiro processo...5 Cliente...6 Advogado...6 Adverso...6 Dados do Processo...6

Leia mais

TUTORIAL EXPERIÊNCIA INTERATIVA FAEL

TUTORIAL EXPERIÊNCIA INTERATIVA FAEL TUTORIAL EXPERIÊNCIA INTERATIVA FAEL Bem-vindo à Experiência Interativa FAEL, um curso de extensão totalmente gratuito, desenvolvido para o candidato conhecer a faculdade e a metodologia de ensino a distância

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 Atendente... 3 1. Abrindo uma nova Solicitação... 3 1. Consultando Solicitações... 5 2. Fazendo uma Consulta Avançada... 6 3. Alterando dados da

Leia mais

Empresa capixaba de tecnologia lança primeiro construtor de sites do Estado

Empresa capixaba de tecnologia lança primeiro construtor de sites do Estado Empresa capixaba de tecnologia lança primeiro construtor de sites do Estado Por meio do www.webfacil.com.br qualquer usuário de informática é capaz de criar seu próprio site, no domínio que desejar, e

Leia mais

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA DISCIPLINA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO II PROFESSORA: PATRÍCIA

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EVA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EVA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EVA Sejam bem-vindos ao Núcleo de Educação a Distância da FFCL! Esse Manual tem por objetivo auxilia-los na forma de utilização do AVA. COMO FAÇO

Leia mais

TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA

TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA 1 O acesso a plataforma educacional do colégio kadima deverá ser feito através do endereço: http://edunote.com.br/kadima/ 2 Na tela que segue,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2011-2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA Alunos: WERNECK,

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Manual do. Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Manual do

Manual do. Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Manual do Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment 1 Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem gratuito para gestão e desenvolvimento de cursos na modalidade

Leia mais

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.0 2010 1 1. INTRODUÇÃO Administradores públicos defrontam-se diariamente com grandes dificuldades para fazer com que processos administrativos, documentos, pareceres e informações

Leia mais

MANUAL DO ALUNO MOODLE

MANUAL DO ALUNO MOODLE MANUAL DO ALUNO MOODLE 1. Primeiros passos 1.1. Tornando-se um usuário No ambiente Moodle alunos e tutores são usuários do sistema. Assim, o primeiro passo, para todos, é tornar-se usuário. Este manual

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA Sejam bem-vindos ao Núcleo de Educação a Distância da FFCL! Esse Manual tem por objetivo auxilia-los na forma de utilização do AVA. COMO FAÇO

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

Manual de Acesso e Realização Prova Eletrônica - Acadêmicos. Sumário. 1. Acesso e Realização Prova Eletrônica Acadêmicos... 3

Manual de Acesso e Realização Prova Eletrônica - Acadêmicos. Sumário. 1. Acesso e Realização Prova Eletrônica Acadêmicos... 3 Sumário 1. Acesso e Realização Prova Eletrônica Acadêmicos... 3 2 1. Acesso e Realização Prova Eletrônica Acadêmicos Manual de Acesso e Realização Prova Eletrônica - Acadêmicos O objetivo deste manual

Leia mais

1. O que é GLPI? 2. Processo de atendimento

1. O que é GLPI? 2. Processo de atendimento 1. O que é GLPI? GLPI (Gestionnaire Libre de Parc Informatique) é a uma sigla em Francês, que significa Gestão de Parque de Informática Livre. Essa é uma ferramenta de helpdesk (suporte ao usuário) para

Leia mais

Biblioteca Virtual do NEAD/UFJF GOOGLE APPS EDUCATION: FERRAMENTA DE EDIÇÃO, COMUNICAÇÃO E PESQUISA

Biblioteca Virtual do NEAD/UFJF GOOGLE APPS EDUCATION: FERRAMENTA DE EDIÇÃO, COMUNICAÇÃO E PESQUISA GOOGLE APPS EDUCATION: FERRAMENTA DE EDIÇÃO, COMUNICAÇÃO E PESQUISA Módulo de Acolhimento UAB/UFJF 2008 PrezadoCursista, Baseado na perspectiva de que você terá que se familiarizar com alguns recursos

Leia mais