Orçamento e Finanças 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orçamento e Finanças 2016"

Transcrição

1 Orçamento e Finanças 2016 Orçamento O orçamento total do Grupo Hospitalar Conceição é dividido em duas unidades orçamentárias. Na primeira estão os créditos consignados no Orçamento Geral da União - OGU, que se originam de subvenções econômicas do Tesouro Nacional e de receitas diretamente arrecadadas pelo Hospital. No segundo grupo estão as movimentações de crédito recebidas de outras Unidades Orçamentárias do Governo Federal, de onde se destacam as transferências do Fundo Nacional de Saúde - FNS referentes à realização de serviços assistenciais para o SUS Sistema Único de Saúde OGU FNS Valor disponível Orçamento 2016 OGU % FNS % TOTAL %

2 Conforme o gráfico, observa-se o maior percentual o Orçamento Geral da União. Estes percentuais variam ao longo no exercício orçamentário, uma vez que as descentralizações do FNS não são efetuadas em sua totalidade no início do exercício, pois são monitoradas com base na previsão de receitas do GHC através da Contratualização com o Gestor Municipal de Saúde. Os créditos do OGU podem variar conforme verificação de necessidades de créditos adicionais. Orçamento Geral da União Conforme destacado no gráfico, a principal fonte de receita dos Hospitais do Grupo Hospitalar Conceição são os créditos consignados no Orçamento Geral da União. Estas receitas são utilizadas para atender as seguintes categorias de gastos. SENTENÇAS JUDICIAIS: São as despesas com ações trabalhistas, precatórios, ações cíveis, pensões indenizatórias vitalícias, e depósitos recursais que são repassados como garantia de pagamento dos processos trabalhistas em andamento. PESSOAL: Esta categoria de gasto é utilizada para o pagamento da folha de pessoal. Incluem-se salários, férias, encargos trabalhistas. AUXILIO ALIMENTAÇÃO: É o montante utilizado para o auxílio alimentação, que corresponde aos gastos dos refeitórios dos hospitais, fornecimento de refeições às unidades externas, bem como, o vale-alimentação. AUXILIO TRANSPORTE: É disponibilizado apenas para os funcionários que necessitam de condução para o deslocamento entre o trabalho e a residência. ASSISTÊNCIA PRÉ-ESCOLAR: Recurso disponibilizado para atender gastos com creches de funcionárias que possuem filhos de 4 meses a 6 anos. ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICA: É utilizado para atender despesas médicas, odontológicas e exames periódicos dos funcionários. RESIDENTES: Recurso utilizado para o pagamento da bolsa-auxílio da Residência Médica e da RIS-Residência Integrada de Saúde. INVESTIMENTO-CUSTEIO: São utilizadas para pagamento de reformas. INVESTIMENTO-IMOBILIZADO: São utilizadas para pagamento de obras e para as aquisições de equipamentos e mobiliário.

3 No exercício financeiro de 2016, a execução orçamentária total dos créditos oriundos do Orçamento Geral da União OGU, apresentou a seguinte composição (saldo se refere aos valores não-empenhados). Orçamento Geral da União Valor empenhado Saldo

4 Programa Governo Ação Governo Grupo Despesa DOTACAO ATUALIZADA LIQUIDADAS (%) LIQUIDADO PAGAS (%) PAGO OPERACOES ESPECIAIS: CUMPRIMENTO DE SENTENCAS JUDICIAIS 0005 OPERACOES ESPECIAIS: OUTROS ENCARGOS ESPECIAIS 0536 FORTALECIMENTO DO SISTEMA UNICO DE SAUDE (SUS) PROGRAMA DE GESTAO E MANUTENCAO DO MINISTERIO DA SAUDE SENTENCAS JUDICIAIS TRANSITADAS EM JULGADO (PRECATORIOS) SENTENCAS JUDICIAIS DEVIDAS POR EMPRESAS ESTATAIS BENEFICIOS E PENSOES INDENIZATORIAS DECORRENTES DE LEGISLACA ATENCAO A SAUDE NOS SERVICOS AMBULATORIAIS E HOSPITALARES DO , ,48 100% ,48 100% , ,66 98% ,66 98% , ,93 95% ,93 95% , ,42 100% ,42 100% , ,97 45% ,55 45% , ,58 38% ,31 31% 2004 ASSISTENCIA MEDICA E ODONTOLOGICA AOS , ,68 64% ,88 64% SERVIDORES CIVIS, EMPR 2010 ASSISTENCIA PRE-ESCOLAR AOS DEPENDENTES DOS , ,00 100% ,66 93% SERVIDORES CIVIS 2011 AUXILIO-TRANSPORTE AOS SERVIDORES CIVIS, , ,47 97% ,47 97% EMPREGADOS E MILITA 2012 AUXILIO-ALIMENTACAO AOS SERVIDORES CIVIS, EMPREGADOS E MILIT , ,20 96% ,10 93% 20TP PESSOAL ATIVO DA UNIAO , ,76 97% ,76 97% 216H AJUDA DE CUSTO PARA MORADIA OU AUXILIO-MORADIA A AGENTES PUB ,00 0% 0% 6149 RESIDENCIA DE PROFISSIONAIS DE SAUDE - SUS , ,78 97% ,78 97% Quanto à execução orçamentária do Auxílio Transporte, Auxílio Alimentação, Assistência Pré-Escolar, Sentenças e Residentes, todos apresentaram execução acima de 95%, ou seja, dentro do planejamento de despesas. Na Ação 6217 são realizadas as execuções de despesas de investimento e reformas. Do total da Dotação atualizada, 7,4 milhões foram bloqueados por contingenciamento em atendimento ao Decreto n.º 8.859/2016. O percentual restante da dotação foi empenhada ao final do exercício 2016, conforme liberação da dotação de Emenda de Bancada, assim, não houve tempo hábil para liquidação e pagamento. Quanto a Ação 2004, alteramos metodologia de gastos no decorrer do exercício e não utilizamos toda a dotação autorizada.

5 Fundo Nacional de Saúde Os recursos recebidos através da Contratualização com o Gestor Municipal para a realização de serviços assistenciais do SUS Sistema Único de Saúde. Estes, são utilizados para atender as demandas do custeio, ou seja, compra de medicamentos, material de consumo e prestação de serviços contratados para o funcionamento de todas as unidades do Grupo Hospitalar Conceição. No exercício de 2016, a execução orçamentária dos créditos oriundos do Fundo Nacional de Saúde - FNS, apresentou a seguinte composição. Fundo Nacional de Saúde Valor empenhado Saldo 46 A execução orçamentária da receita realizada através da produção hospitalar foi de 100%.

6 Do valor total empenhado, 95% apresentou liquidação dentro do exercício financeiro de 2016, ou seja, foi apresentada Nota Fiscal da despesa em O percentual restante, 5%, representa os valores inscritos em Restos a Pagar Não- Processados para o exercício 2017, ou seja, despesas que serão liquidadas no exercício seguinte.

7 Mês Crédito Descentralizado EMPENHADAS LIQUIDADAS (%) LIQUID PAGAS (%) PAGO JAN , , ,23 FEV , , ,53 MAR , , ,25 ABR , , ,75 MAI , , ,82 JUN , , ,42 JUL , , ,08 AGO , , ,64 SET , , ,78 OUT , , ,13 NOV , , ,92 DEZ , , ,60 TOTAL % % Destas despesas de custeio, 62% dos valores empenhados representam material de consumo, ou seja, medicamentos, órteses e próteses, etc, e 38% referem-se a serviços prestados ao Grupo Hospitalar Conceição.

8 Diárias Para as despesas com diárias são utilizados os recursos do Fundo Nacional de Saúde, ou seja, tem a origem através de receita da produção hospitalar. O sistema utilizado para o registro das diárias é o SIAFI Sistema Integrado de Administração Financeira. Em 2016 o valor empenhado, liquidado e pago para o pagamento de diárias foi de R$ ,25. No link abaixo se encontra o acesso ao Portal de Transparência do Governo Federal onde há a possibilidade de consulta de diárias, com detalhamento da despesa no empenho do Hospital Nossa Senhora da Conceição S/A eriodoinicio=01%2f01%2f2017&periodofim=31%2f01%2f2017&fase=emp&codigoos=36 000&codigoOrgao=36210&codigoUG=TOD&codigoED=14&codigoFavorecido= Passagens Para as despesas com passagens aéreas o GHC mantém contrato com empresa prestadora de serviços. No exercício de 2016 foram gastos com passagens aéreas os valores a seguir: EMPENHADAS LIQUIDADAS INSCRITAS EM RPNP PAGAS , , , ,68

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO ORÇAMENTO O orçamento é uma ferramenta de planejamento (aprovado por lei) contendo a previsão de receitas e estimativa de despesas

Leia mais

Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL PREVISÃO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS RECEITAS CORRENTES (I) 1.919.900,00 1.919.900,00 10.802.689,50 8.882.789,50 RECEITA TRIBUTÁRIA 0,00 0,00 0,00 0,00 RECEITA

Leia mais

LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL UNIDADE UFPR 2013

LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL UNIDADE UFPR 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Planejamento, Orçamento e Finanças LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL UNIDADE 26241 - UFPR 2013 Curitiba - PR 2013 2 Reitor: Zaki Akel Sobrinho Vice-Reitor: Rogério Mulinari

Leia mais

PM DE ALEGRIA ORGÃO Nº: CNPJ: /01/2016 a 31/12/2016

PM DE ALEGRIA ORGÃO Nº: CNPJ: /01/2016 a 31/12/2016 a. Quadro Principal - Receitas e Despesas RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL (a) PREVISÃO ATUALIZADA (b) RECEITAS REALIZADAS (c) SALDO (d = c - b) RECEITAS CORRENTES (I) 17.166.500,00 17.166.500,00

Leia mais

ORÇAMENTO UFMA ,00 Quadro 1. R$ ,00 Portaria Nº 28/MPDG, estabelece limite

ORÇAMENTO UFMA ,00 Quadro 1. R$ ,00 Portaria Nº 28/MPDG, estabelece limite ORÇAMENTO UFMA 2017 O orçamento da Universidade Federal do Maranhão é definido anualmente pelo Ministério da Educação e pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão - MPDG. Seu referendo é

Leia mais

A lógica da alocação de recursos federais para o SUS

A lógica da alocação de recursos federais para o SUS Ministério da Saúde A lógica da alocação de recursos federais para o SUS Julho de 2016 MARCOS FRANCO SE/MS Orçamento da Saúde - 2016 LOA 2016 (R$ milhão) Ministério da Saúde 118.682,60 Pessoal e dívida

Leia mais

FIP Balancete Mensal de Verificação

FIP Balancete Mensal de Verificação 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO 1.005.472,68 D 1.160.936,76 1.191.738,90 974.670,54 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 325.323,28 D 1.160.936,76 1.191.738,90 294.521,14 D 1.1.1.0.0.00.00.00 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Balancete Analítico GOVERNO DE ESTADO DO AMAZONAS. Administração Financeira Integrada

Balancete Analítico GOVERNO DE ESTADO DO AMAZONAS. Administração Financeira Integrada 100000000 - Ativo 157.123.471,49 757.532.824,27 212.013.058,18 702.643.237,58 D 110000000 - Ativo Circulante 37.605.161,54 60.284.824,22 49.434.231,84 48.455.753,92 D 111000000 - Disponivel 37.237.502,93

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ORÇAMENTO Fechamento

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ORÇAMENTO Fechamento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ORÇAMENTO 2016 - Fechamento Janeiro/2017 CODAGE Coordenadoria de Administração Geral Rua da Reitoria, 374 5 o andar Cidade Universitária 05508-220 São Paulo/SP (11) 3091-3014

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ORÇAMENTO Primeira Revisão

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ORÇAMENTO Primeira Revisão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ORÇAMENTO 2017 - Primeira Revisão JUNHO/2017 CODAGE Coordenadoria de Administração Geral Rua da Reitoria, 374 5 o andar Cidade Universitária 05508-220 São Paulo/SP (11) 3091-3014

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas Profa.: Patrícia Siqueira Varela Receita Pública Conceito: todo e qualquer recolhimento feito aos cofres públicos. Receita Orçamentária:

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC Exame de Suficiência Edição nº 1/2016 Contabilidade Aplicada ao Setor Público Aula 06 Prof. Marcio José Assumpção 1 Despesa pública: conceito, etapas, estágios e categorias

Leia mais

LOGO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO - PROPLAN ORÇAMENTO 2016

LOGO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO - PROPLAN ORÇAMENTO 2016 LOGO ORÇAMENTO 2016 INTRODUÇÃO O Orçamento Geral da União OGU foi aprovado pela Lei 13.255 de 14 de Janeiro de 2016. Em 30/03/2016 foi publicado o Decreto 8.700, que dispõe sobre o cronograma mensal de

Leia mais

Estado de Alagoas FUNPREV - Fundo de Previdência Social do Município de Mar Vermelho Balancete Financeiro Exercício : 01/2016

Estado de Alagoas FUNPREV - Fundo de Previdência Social do Município de Mar Vermelho Balancete Financeiro Exercício : 01/2016 Pág. 1 Balancete Financeiro R E C E I T A D E S P E S A Conta Descrição Valor Conta Descrição Valor R E C E I T A S O R Ç A M E N T Á R I A S 97.490,76 D E S P E S A S O R Ç A M E N T Á R I A S 27.765,63

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 994.183,15 D 181.380,01 162.761,34 1.012.801,82 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TANGARA DA SERRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TANGARA DA SERRA Página: 1 de 9 000001 1 0 0 0 0 00 00 00 ATIVO 69.855.136,11 D 18.737.242,74 20.259.144,48 000002 1 1 0 0 0 00 00 00 ATIVO CIRCULANTE 57.737.284,92 D 18.734.365,74 20.259.144,48 000003 1 1 1 0 0 00 00

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO FINANCEIRO - TODOS OS ORÇAMENTOS 1 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO 2014 ESPECIFICAÇÃO 2014 Receitas Orçamentárias - - Despesas Orçamentárias 7.583.637,48 - Ordinárias - - Ordinárias 2.011.924,00

Leia mais

SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE. MUNICÍPIO:Barra de Guabiraba

SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE. MUNICÍPIO:Barra de Guabiraba UF:Pernambuco SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DA RECEITA DE IMPOSTOS LÍQUIDA E DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES

Leia mais

Balancete. Saldo Anterior. Saldo Anterior , , , , , , , , ,

Balancete. Saldo Anterior. Saldo Anterior , , , , , , , , , CRESS/SC - 12ª Região Conselho Regional de Serviço Social CNPJ: 76.557.099/0001-99 Período: 01/10/2014 à 31/10/2014 Balancete Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo CRESS/SC - 12ª Região Período:

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/16 INDICE RELATÓRIO DE ATIVIDADES ATENDIMENTO P.A. ADULTO & PEDIATRIA INTERNAÇÕES PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRO RECEBIMENTOS DESPESAS ESTUDOS PRÉ ABERTURA DA SANTA CASA AÇÕES

Leia mais

TOTAL - FISCAL 0 TOTAL - SEGURIDADE 13.779.252 TOTAL - GERAL 13.779.252

TOTAL - FISCAL 0 TOTAL - SEGURIDADE 13.779.252 TOTAL - GERAL 13.779.252 UNIDADE : 33101 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL 0087 GESTAO DA POLITICA DE PREVIDENCIA SOCIAL 903.304 09 122 0087 2272 GESTAO E ADMINISTRACAO DO PROGRAMA 903.304 09 122 0087 2272 0001 GESTAO E ADMINISTRACAO

Leia mais

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 1 - SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1.1 - Subsistema da Receita 1.1.1 - RECEITA ORÇADA Demonstra a receita estimada pela Lei de Meios. É creditada pela inscrição da receita prevista

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

CRF/BA. Comparativo da Despesa Paga CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: / Página:1/6

CRF/BA. Comparativo da Despesa Paga CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: / Página:1/6 CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: 13.529.565/0001-02 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 10.292.70 9.375.483,91 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESAS CORRENTES 10.038.70

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA CAMARA MUNICIPAL DE SALVADOR RECEITAS X DESPESAS 2015

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA CAMARA MUNICIPAL DE SALVADOR RECEITAS X DESPESAS 2015 RECEITAS X DESPESAS 2015 RECEITAS JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Repasse de Inativos PMS 5.071,83 9.761,76 5.472,38 5.539,98 5.667,28 5.788,79 5.739,96 24.411,51 67.453,49 Repasse dos

Leia mais

A EXECUÇÃO DO PAC E SEU EFEITO NA DEMANDA AGREGADA

A EXECUÇÃO DO PAC E SEU EFEITO NA DEMANDA AGREGADA 1 A EXECUÇÃO DO PAC E SEU EFEITO NA DEMANDA AGREGADA Mansueto Almeida (23/06/2011) O Programa de Aceleração Econômica (PAC) é um programa complexo e de difícil acompanhamento. Ele é complexo por três motivos.

Leia mais

Despesa: Classificações e etapas. Restos a Pagar. Despesas de Exercícios anteriores. Suprimento de Fundos.

Despesa: Classificações e etapas. Restos a Pagar. Despesas de Exercícios anteriores. Suprimento de Fundos. Despesa: Classificações e etapas. Restos a Pagar. Despesas de Exercícios anteriores. Suprimento de Fundos. 1. (TCE-ES/2013/Contador) Ainda sob o enfoque orçamentário, integram parte dos dispêndios financeiros

Leia mais

SANTA CATARINA CAMARA DE VEREADORES DO MUNICIPIO DE NOVA ERECHIM Balancete de Verificação

SANTA CATARINA CAMARA DE VEREADORES DO MUNICIPIO DE NOVA ERECHIM Balancete de Verificação Página: 1/9 1 ATIVO 972.584,70D 71.90 62.591,11 1.1 ATIVO CIRCULANTE 46.803,13D 71.90 62.036,57 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 46.803,13D 71.90 62.036,57 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO INSTITUCIONAL Coordenadoria de Programação Orçamentária

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO INSTITUCIONAL Coordenadoria de Programação Orçamentária Maceió, 03 de julho de 2017. 2ª NOTA TÉCNICA ACERCA DO ORÇAMENTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2017 Cumprindo, mais uma vez, com o princípio da transparência que é basilar

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

CRF/BA. Comparativo da Despesa Paga CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: / Página:1/6

CRF/BA. Comparativo da Despesa Paga CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: / Página:1/6 CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: 13.529.565/0001-02 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 10.692.70 517.916,89 9.309.452,52 1.383.247,48 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA PARA 2017 VISÃO GERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA PARA 2017 VISÃO GERAL EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA PARA 2017 VISÃO GERAL I. Principais Grupos para Execução do Orçamento da Universidade a. Pessoal: Salários e benefícios com servidores ativos e aposentados b. Despesas

Leia mais

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Belém, para o exercício de 2016. O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

Divulgação de Resultados. Alteração no Agrupamento de Custos e Despesas e Revisão da Forma e Conteúdo do Demonstrativo de Fluxo de Caixa

Divulgação de Resultados. Alteração no Agrupamento de Custos e Despesas e Revisão da Forma e Conteúdo do Demonstrativo de Fluxo de Caixa Divulgação de Resultados Alteração no Agrupamento de Custos e Despesas e Revisão da Forma e Conteúdo do Demonstrativo de Fluxo de Caixa Objetivos e documentos impactados Objetivo: Agrupamento de Custos

Leia mais

1º Relatório Quadrimestral de Prestação de Contas 1º RQPC 2015 Janeiro a Abril. Brasília/DF, Agosto de 2015

1º Relatório Quadrimestral de Prestação de Contas 1º RQPC 2015 Janeiro a Abril. Brasília/DF, Agosto de 2015 1º Relatório Quadrimestral de Prestação de Contas 1º RQPC 2015 Janeiro a Abril Brasília/DF, Agosto de 2015 Artigo 36 da Lei Complementar n 141/2012 Art. 36. O gestor do SUS em cada ente da Federação elaborará

Leia mais

DESCRIÇÃO E FINALIDADE DAS AÇÕES DE GOVERNO

DESCRIÇÃO E FINALIDADE DAS AÇÕES DE GOVERNO DESCRIÇÃO E FINALIDADE DAS AÇÕES DE GOVERNO Programa 126 2030 - Educação Básica Ação Orçamentária Tipo: Operações Especiais Número de Ações 20RJ - Apoio à Capacitação e Formação Inicial e Continuada de

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Planejamento, Orçamento e Finanças LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL UNIDADE UFPR 2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Planejamento, Orçamento e Finanças LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL UNIDADE UFPR 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Planejamento, Orçamento e Finanças LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL UNIDADE 26241 - UFPR 2016 Curitiba - PR 2016 1 Reitor: Zaki Akel Sobrinho Vice-Reitor: Rogério Mulinari

Leia mais

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida Checklist dos Desafios na Área Fiscal Controlar o crescimento da despesa pública;à NÃO Recuperar o superávit primário para, no mínimo, 2,5% do

Leia mais

Despesas de Exercícios Anteriores: Devo e não reconheço, pago quando puder

Despesas de Exercícios Anteriores: Devo e não reconheço, pago quando puder Despesas de Exercícios Anteriores: Devo e não reconheço, pago quando puder Pedro Jucá Maciel Principais mensagens: As despesas de exercícios anteriores não são iguais aos restos a pagar. A diferença reside

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP. EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA (2002) Acompanhamento do ICMS.

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP. EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA (2002) Acompanhamento do ICMS. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA (2002) Acompanhamento do ICMS. Arrecadação do ICMS Líquido do Estado de São Paulo EM RELAÇ ÃO AO EM RELAÇ ÃO AO PERÍODO

Leia mais

Comparativo da Despesa Paga. Plano de Saúde, Serviços Hospitalares e Farmacêuticos BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS RGPS - CFF

Comparativo da Despesa Paga. Plano de Saúde, Serviços Hospitalares e Farmacêuticos BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS RGPS - CFF CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA DO AMAPA CNPJ: 12.967.467/0001-94 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 1.066.322,00 986.698,34 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESAS CORRENTES 804.332,00 724.708,34 PESSOAL

Leia mais

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Conhecimentos de interesse do servidor sobre Gestão

Leia mais

CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO

CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO Prefeitura Municipal de Eusébio CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO Período: 1º Quadrimestre de 2017 (jan/abril) Relatório: Gestão Fiscal Data da Publicação: 30 de Mai o de 2017 Local: Prefeitura Municipal Para os

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - CONSOLIDADO BALANÇO PATRIMONIAL. Exercício : 2016 em R$ ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - CONSOLIDADO BALANÇO PATRIMONIAL. Exercício : 2016 em R$ ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO CONTA SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - CONSOLIDADO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO Ativo Circulante 4.308.121.585,05 4.119.026.030,21 Passivo Circulante - 931.748.272,24-917.833.735,13

Leia mais

TCE EXERCÍCIO 2014 RESUMO DA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA RECEITA / COTA FINANCEIRA

TCE EXERCÍCIO 2014 RESUMO DA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA RECEITA / COTA FINANCEIRA RESUMO DA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA RECEITA / COTA FINANCEIRA De acordo com a Lei n 951, de 22 de janeiro de 2014, foi destinado a esta Corte de Contas recursos na ordem de R$ 49.685.685,00 (quarenta

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 DIRETRIZES CONTÁBEIS Tendo em vista as inovações da Contabilidade no Setor Público, o Poder Legislativo

Leia mais

Relatório de Gestão Fiscal do Poder Executivo

Relatório de Gestão Fiscal do Poder Executivo 2012 Relatório de Gestão Fiscal do Poder Executivo 1º Material divulgado em atendimento às disposições de que trata a Portaria nº 407 da Secretaria do Tesouro Nacional, de 20 de junho de 2011 e o estabelecido

Leia mais

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00 DATA 29/05/2014 Pagina 1 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO S D 26.200,85 197.350,24 153.749,66 69.801,43 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE S D 15.643,04 197.350,24 153.614,51 59.378,77 D 1.1.1.0.0.00.00.00

Leia mais

PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Praça São João, nº /

PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Praça São João, nº / PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Balanço Orçamentário LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" - Anexo I Receitas Previsão p/ o Exercício Receitas Realizadas até RECEITAS CORRENTES 36.336,00 31.631,99

Leia mais

MUNICIPIO DE JUINA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL

MUNICIPIO DE JUINA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL DEMONSTRATIVO DA DISPONIBILIDADE DE CAIXA JANEIRO A ABRIL DE 2015 LRF, art. 55, Inciso III, alínea "a" - Anexo V R$ 1,00 ATIVO VALOR PASSIVO VALOR DISPONIBILIDADE FINANCEIRA

Leia mais

Rio de Janeiro CAMARA MUNICIPAL PATY DO ALFERES Balancete de Verificação

Rio de Janeiro CAMARA MUNICIPAL PATY DO ALFERES Balancete de Verificação Página: 1/9 1 ATIVO 118.646,81D 247.794,00 237.065,53 1.1 ATIVO CIRCULANTE 117.046,81D 245.608,00 237.065,53 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 108.870,96D 244.908,00 237.065,53 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Entre 28 e 31/12/2013

Entre 28 e 31/12/2013 Entre 28 e 31/12/2013 JF LIQUIDA R$ 414 MILHÕES DO ORÇAMENTO Com base em dados fornecidos pela Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados e Prodasen a partir do SIAFI/STN, foi elaborado o presente

Leia mais

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES Funcia Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES SEMINÁRIO POLÍTICA ECONÔMICA E FINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA PAINEL 2 O SUS FRENTE AO AJUSTE FISCAL: IMPACTO E PROPOSTAS Ajuste fiscal e os impactos

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

Balancete Analítico. Governo de Estado do Amazonas. Administração Financeira Integrada

Balancete Analítico. Governo de Estado do Amazonas. Administração Financeira Integrada 100000000 - Ativo 131.353.062,65 1.295.151.957,40 579.739.147,23 846.765.872,82 D 110000000 - Ativo Circulante 25.564.025,70 285.036.510,72 282.888.839,83 27.711.696,59 D 111000000 - Disponivel 25.559.462,12

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 , DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES

Leia mais

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18 CNMP Pessoal, vou comentar as questões da prova. 34. Determinado ente público arrecadou, no mês de fevereiro de 2015, receita de impostos no valor de R$ 180.000,00, concomitante ao fato gerador. Considere

Leia mais

Programática Programa/Ação/Localização/Produto/Natureza Funcional Esf Nat IU Fte Valor

Programática Programa/Ação/Localização/Produto/Natureza Funcional Esf Nat IU Fte Valor 0910 Operações Especiais: Gestão da Participação em Organismos e Entidades Nacionais e Internacionais 35.836 0910.00OL Contribuições e Anuidades a Organismos e Entidades Nacionais e Internacionais sem

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da Lei n 4.324/64

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ /

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ 63.025.530/0001-04 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (VALORES EXPRESSOS EM REAIS, EXCETO QUANDO INDICADO DE OUTRA FORMA) Em atendimento

Leia mais

AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA

AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA 1 AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA João Pessoa 2016 Profª Ma. Ana Karla Lucena aklucenagomes@gmail.com Etapas da Receita e da Despesa Orçamentária 2 As etapas da receita e da despesa são as

Leia mais

INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA

INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA Luísa Nascimento Oliveira José Emílio dos Santos Filho Jouber de Lima Lessa MANUAL DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM ORÇAMENTO AOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DA TRANSPARÊNCIA DA GESTÃO FISCAL Art. 48. São instrumentos

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO DE 2010

PRESTAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO DE 2010 PRESTAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO DE 2010 RESTOS A PAGAR DE 2009 PAGOS EM 2010 VI e AR 73.190,00 Valores Líquidos da folha (Serviços médicos p/ funcionários + HE) 17.712,04 Entidades Públicas Credoras (Cota

Leia mais

USP: PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA PARA 2016

USP: PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA PARA 2016 1 USP: PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA PARA 2016 Com base no Projeto de Lei Orçamentária do Estado de São Paulo para 2016, (Projeto de Lei nº 071/2015), encaminhada à Assembleia Legislativa, e nas vigentes Diretrizes

Leia mais

GAZETA DO OESTE ATOS OFICIAIS Repasse Recebido da Câmara Municipal ,60 TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS CONCEDIDAS

GAZETA DO OESTE ATOS OFICIAIS Repasse Recebido da Câmara Municipal ,60 TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS CONCEDIDAS Ano X Nº 2786 Rua Folk Rocha, Nº103 - Sala 01 - Sandra Regina (Centro) - Barreiras/Ba Tel.: 77 3612.7476 18 de maio de 2016 Em cumprimento ao princípio constitucional e a Lei Nº 101/2000, estão publicados

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO de transparência

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO de transparência A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO de transparência Prof. Ms. Valmir Leôncio da Silva Conselheiro do CRCSP Coordenador Técnico da Escola de Contas do TCMSP O livro: A Arte da Guerra A) Desconheça o inimigo

Leia mais

RELATÓRIO CONCLUSIVO DA COMISSAO DE TRANSIÇÃO DE GOVERNO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT

RELATÓRIO CONCLUSIVO DA COMISSAO DE TRANSIÇÃO DE GOVERNO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT RELATÓRIO CONCLUSIVO DA COMISSAO DE TRANSIÇÃO DE GOVERNO PORTO ALEGRE DO NORTE MT 2012 1. PREÂMBULO A Comissão de Transmissão de Governo do Município de Porto Alegre do Norte vem apresentar o Relatório

Leia mais

EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO

EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO EMPREGO E SALÁRIO DE SERVIÇOS DE SALVADOR (BA) - AGOSTO 2010 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico AD HOC Revisão Técnica: José Varela Donato SUMÁRIO 1. RESULTADOS SINTÉTICOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SETE LAGOAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SETE LAGOAS Pág. 1 / 16 100000000000000 ATIVO 150.539.364,04 15.989.595,99 162.604.403,49 3.924.556,54 110000000000000 ATIVO CIRCULANTE 6.732.921,65 12.694.844,43 16.199.741,44 3.228.024,64 111000000000000 DISPONIVEL

Leia mais

CREA/ES Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do ES CNPJ: 27.055.235/0001-37

CREA/ES Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do ES CNPJ: 27.055.235/0001-37 Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do ES CNPJ: 27.055.235/0001-37 Balanço Orçamentário Período: 01/01/2015 a 31/12/2015 RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS RECEITAS REALIZADAS RECEITA CORRENTE 21.085.311,95

Leia mais

Em 25 de janeiro de 2011.

Em 25 de janeiro de 2011. Nota Técnica nº 73/2011/CCONF/STN Em 25 de janeiro de 2011. ASSUNTO: Demonstrativos da Disponibilidade de Caixa e dos Restos a Pagar - Manual de Demonstrativos Fiscais (MDF). - Esclarecimentos sobre o

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ Pacote I Área Nº Disciplinas Horas / Aula 03 Procedimentos Contábeis Orçamentários I PCO I Procedimentos Contábeis Orçamentários II PCO II 05 Procedimentos Contábeis Patrimoniais I PCP I Fundamentos 06

Leia mais

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Regulação e Avaliação REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Setembro/2010

Leia mais

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL A cada fechamento mensal, para a conferência dos saldos contábeis das contas (principalmente as da execução orçamentária e financeira), podem

Leia mais

Discriminação (Contas) Débito Débito Crédito Débito 1 ATIVO , , , ,98

Discriminação (Contas) Débito Débito Crédito Débito 1 ATIVO , , , ,98 FUNDAÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA DE NOVO HAMBURGO - FSNH BALANCETE QUADRIMESTRAL Exercício de setembro a dezembro de 2015 Saldo Inicial Movimento Saldo Resultante Discriminação (Contas) Débito Débito Crédito

Leia mais

CAMARA MUNICIPAL DE CACOAL Estado de Rondônia BALANÇO ORÇAMENTÁRIO

CAMARA MUNICIPAL DE CACOAL Estado de Rondônia BALANÇO ORÇAMENTÁRIO PÁGINA:1 RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL PREVISÃO ATUALIZADA (a) RECEITAS REALIZADAS (b) SALDO c=(ba) RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA Impostos Taxas Contribuição de Melhoria RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

Conforme o artigo 7º da Lei estadual nº 9.277/2010, que dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da Lei Orçamentária para o exercício de 2010:

Conforme o artigo 7º da Lei estadual nº 9.277/2010, que dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da Lei Orçamentária para o exercício de 2010: MANUAL DE DESCENTRALIZAÇÃO DE CRÉDITO Vitória, 06 de abril de 2010 1. Objetivo O objetivo deste documento é especificar as rotinas contábeis para o registro da Descentralização Orçamentária. 2. Nome Descentralização

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O Financiamento do SUS: CF-88 art. 198: O SUS é financiado por recursos do Orçamento da Seguridade Social da União, dos estados, do Distrito

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA

MANUAL PRÁTICO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA MANUAL PRÁTICO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA VERSÃO NOVEMBRO/2015 APRESENTAÇÃO O Manual Prático do Portal da Transparência foi criado para possibilitar a população e interessados o acesso a informação, conforme

Leia mais

CAPÍTULO VI VEDAÇÕES CONSTITUCIONAIS EM MATÉRIA ORÇAMENTÁRIA Questões de concursos anteriores Gabarito

CAPÍTULO VI VEDAÇÕES CONSTITUCIONAIS EM MATÉRIA ORÇAMENTÁRIA Questões de concursos anteriores Gabarito SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 1.1 O Direito Financeiro e a Administração Financeira e Orçamentária 1.2 Normas gerais de Direito Financeiro 2. A atividade financeira

Leia mais

Discriminação (Contas) Débito Débito Crédito Débito 1 ATIVO , , , ,46

Discriminação (Contas) Débito Débito Crédito Débito 1 ATIVO , , , ,46 FUNDAÇÃO DE SAÚDE PÚBLICA DE NOVO HAMBURGO - FSNH BALANCETE QUADRIMESTRAL Exercício de maio a agosto de 2015 Saldo Inicial Movimento Saldo Resultante Discriminação (Contas) Débito Débito Crédito Débito

Leia mais

CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO

CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO Missão: Evitar a descontinuidade Administrativa. Objetivo: Garantir o funcionamento contínuo das ações e serviços prestados à coletividade. Permitir a instituição de

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LDO EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E TECNOLOGIA DIRETORIA DE ORÇAMENTO

Leia mais

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 2 ASSOCIAÇÃO DE CONTAS E TESTES SIMULANDO BALANCETES NO NOVO PADRÃO. 3 DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS EVENTOS

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, estados, Distrito Federal e municípios em

Leia mais

CREA/SP. Comparativo da Despesa Empenhada. CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: /

CREA/SP. Comparativo da Despesa Empenhada. CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: / CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: 60.985.017/0001-77 Comparativo da Empenhada 6.2.2.1.1 - CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 249.008.00 9.919.577,05 228.498.789,85

Leia mais

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE 2017 1 Cartilha sobre Orçamento 1 - Entendendo o orçamento público A lei do orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de forma a evidenciar a

Leia mais

CAPÍTULO IV CRÉDITOS ADICIONAIS 1. Introdução 2. Créditos suplementares 3. Créditos especiais

CAPÍTULO IV CRÉDITOS ADICIONAIS 1. Introdução 2. Créditos suplementares 3. Créditos especiais SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 1.1 O Direito Financeiro e a Administração Financeira e Orçamentária 1.2 Normas gerais de Direito Financeiro 2. A atividade financeira

Leia mais

Ativo circulante ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa em moeda nacional

Ativo circulante ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa em moeda nacional Página : 1 / 5 1.1 1.1.1 1.1.1.1 1.1.1.1.1.01.00 1.1.1.1.1.02.00 1.1.2 1.1.2.1 1.1.2.3 1.1.3 1.1.3.8 1.1.5 1.1.5.6 ATIVO Ativo circulante 2.947.936,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa 2.947.936,80 0,00

Leia mais

CREA/SP. Comparativo da Despesa Liquidada. CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: /

CREA/SP. Comparativo da Despesa Liquidada. CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: / CREA SP - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de SP CNPJ: 60.985.017/0001-77 Comparativo da Liquidada 6.2.2.1.1 - CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 249.008.00 8.004.499,19 109.840.697,60

Leia mais

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde Bases Legais do Controle Interno Controle interno na Administração Pública Brasileira previsto nos artigos 75/80 da Lei 4.320/64. O

Leia mais

ANEXO 1 (arts. 54 e 55 - L.C. 101/00) RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL

ANEXO 1 (arts. 54 e 55 - L.C. 101/00) RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL ANEXO 1 (arts. 54 e 55 - L.C. 101/00) RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL Valores em Reais I - COMPARATIVOS maio/2014 a abril/2015 maio/2015 a abril/2016 R$ % R$ % Receita Corrente Líquida do Município 34.470.824,28

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERRA AZUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERRA AZUL CEP: 14230-000 - Serra Azul - SP LEI MUNICIPAL N 1317 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2015 Estima a receita e fixa a despesa do Município de Serra Azul para o exercício de 2015 MARIA SALETE ZANIRATO GIOLO, Prefeita

Leia mais

Tabela 1 - Balanço Orçamentário

Tabela 1 - Balanço Orçamentário Tabela 1 Balanço Orçamentário PREFEITURA MUNICIPAL DE VITORIA DA CONQUISTA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO SETEMBRO/OUTUBRODE 2012 RREO Anexo I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) R$ 1,00

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

2 CONTABILIZAÇÃO DAS TRANSFERÊNCIAS RELACIONADAS A CONTRATO DE RATEIO

2 CONTABILIZAÇÃO DAS TRANSFERÊNCIAS RELACIONADAS A CONTRATO DE RATEIO CONTABILIZAÇÃO DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS REFERÊNCIA: IPC 10 STN (MINUTA) 1 INFORMAÇÕES GERAIS O reconhecimento do ativo patrimonial no consórcio público e do passivo patrimonial no ente consorciado ocorre

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2016

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2016 Programa 0551 - Atuação Legislativa do Senado Federal 00M1 - Benefícios Assistenciais decorrentes do Auxílio-Funeral e Natalidade Tipo: Operações Especiais Número de Ações 11 Despesas orçamentárias com

Leia mais