Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 1/29

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 1/29"

Transcrição

1 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 1/29 Capítulo 1 A NATUREZA DO PROBLEMA ECONÔMICO OBJETIVO Entender os mistérios da economia é compreender de que maneira as necessidades de bens materiais e serviços que todos os seres humanos apresentam serão satisfeitas. Os agentes econômicos se valem de recursos escassos para atender estas necessidades. Este tema é voltado para a compreensão da natureza do problema econômico, ou seja, qual é a essência da atividade econômica e de que maneira ela se manifesta no conjunto da sociedade. INTRODUÇÃO A economia, enquanto ciência que trata das relações do ser humano com um mundo dotado de recursos escassos, apresenta-se de forma extremamente simples: cada um de nós participa do sistema econômico do país e também do resto do mundo consumindo produtos e serviços básicos, tais como alimentos e bebidas, roupas, pagando aluguel ou prestação de um imóvel. Também participamos do sistema econômico quando poupamos parte de nossos rendimentos para consumo futuro ou como precaução frente a um futuro incerto. Ou mesmo como forma de aplicação em Produtividade significa a utilização cada vez mais racional dos diversos fatores de produção, em prol do aumento da quantidade produzida. outras atividades reais uma sociedade em um empreendimento imobiliário, por exemplo, que apresenta grandes possibilidades de valorização ao longo de determinado tempo ou em ativos financeiros uma aplicação em ações de empresas com projeção de crescimento, dentre tantas outras possibilidades, com o objetivo específico de ganhar mais dinheiro com o dinheiro poupado. Na arte da sobrevivência no mundo dos negócios vencem aqueles que aprenderam a economizar certos fatores utilizados na produção, melhorando sua competitividade e usufruindo dos benefícios do aumento da produtividade. É assim que se obtém Custos são como as unhas: é preciso cortar sistematicamente, de tempos em tempos, sob o risco de, se isto não for feito, impedir o uso eficiente dos dedos. Na organização, o risco pode representar a ineficiência no uso dos fatores de produção. maior produção com o uso de quantidades menores de fatores, como o tempo de trabalho, a quantidade de matéria-prima, o consumo de materiais auxiliares no processo produtivo, dentre outros. Para explicar estes fenômenos, nós, economistas devotamos especial predileção por métodos quantitativos em que predominam equações diferenciais e modelos algébricos, Os insumos de produção explorando os aspectos considerados exatos neste compreendem a mão-deobra direta e indireta, os particular campo do conhecimento, ou seja, aqueles que podem ser quantificados e explicados pelos materiais auxiliares, a números envolvidos em certas séries históricas e, por matéria-prima, energia elétrica, combustíveis e isto, figurar em um modelo matemático. Efetivamente, lubrificantes, dentre outros. grande parte da atividade humana consiste, sim, de atividades mensuráveis: a jornada diária de trabalho, o

2 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 2/29 tempo de execução de determinada tarefa, a quantificação e a representação monetária do bem ou serviço, quer seja insumo ou produto final. Mas, de forma geral, os problemas econômicos não podem ser reduzidos a fórmulas matemáticas. Envolvem questões relacionadas à sociedade, às instituições, à história, à cultura no seu sentido mais amplo. Dizem respeito à própria ideologia dos agentes econômicos e, portanto, referem-se ao povo, conceito que compreende o conjunto das classes e grupos sociais os patrões, os empregados, os profissionais liberais, os assalariados empenhados na solução objetiva das tarefas de crescimento da atividade econômica e desenvolvimento sustentável da condição de vida dos habitantes da nação. Uma tarefa que compete a todos, sem distinção de raça, credo, cor, religião, etnia e, principalmente, partido político. É aí que se integra o progresso tecnológico (que inclui a educação) e é também denominado fator humano. O interesse pelo fator humano tem contribuído para o surgimento e avanço de novas áreas de estudo, como a Economia da Educação, a Economia do Trabalho, a Economia da Saúde, a Economia dos Recursos Humanos etc. De forma geral, pode-se afirmar que a Economia é a ciência que trata da administração eficiente de recursos escassos com vistas à satisfação dos ilimitados desejos e necessidades humanas. Este conceito compreende três partes: os recursos escassos, desejos e necessidades humanas ilimitadas e congregando-os, a administração eficiente. SÍNTESE DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo, você deverá estar familiarizado com alguns conceitos fundamentais da economia, com o significado do problema econômico enquanto agente das iniciativas de transformação da sociedade econômica e as formas de organização da sociedade para a solução das questões relacionadas à produção e distribuição dos bens que são destinados à satisfação das necessidades humanas.

3 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 3/29 Tema 1 RECURSOS ESCASSOS A natureza do problema econômico reside na constatação de que os recursos que a coletividade dispõe para a produção dos bens e serviços que irão satisfazer as necessidades dos seus membros são limitados em relação ao volume destas exigências. Os indivíduos necessitam de certos bens roupas, alimentos, um lugar para morar, um veículo para se locomover e também de serviços educação, lazer, saúde que são escassos, isto é, existem em quantidades limitadas. Em contrapartida, as aspirações humanas são relativamente ilimitadas, superando o volume de bens e serviços disponíveis para a satisfação destes desejos. Caracteriza-se, dessa forma, o problema fundamental da Economia: a escassez. Se não podemos ter tudo o que desejamos, já que os recursos ou os fatores de produção capital, terra, trabalho, tecnologia e capacidade empresarial são escassos, é preciso escolher entre os bens que serão produzidos e oferecidos à coletividade. Esta, portanto, é uma das primeiras decisões por parte dos empreendedores. Vejamos, a seguir, cada um dos fatores de produção, para melhor compreensão do processo de geração de riqueza por que passou a humanidade. O capital Todo bem destinado à produção de outro bem é considerado um recurso de capital. Por capital entende-se, portanto, a infra-estrutura produtiva por exemplo, os edifícios industriais as máquinas e equipamentos tornos, furadeiras, fresas etc., as ferramentas chaves, alicates, moldes industriais, os computadores quer sejam aplicados à administração ou à linha de produção. O capital compreende o próprio fluxo de remuneração (os salários, por exemplo) e os pagamentos (de bens e serviços adquiridos das empresas). Incorpora, portanto, a renda que é empregada para gerar algum lucro. O conceito prevalecente nos dias de O lucro é definido como a diferença entre a receita total e os custos totais da firma. hoje é aquele que define o capital como um conjunto de recursos de natureza econômica, distintos e passíveis de reprodução, que possibilita a obtenção de um rendimento em períodos determinados. Várias ramificações dão origem à classificação do capital como capital técnico, capital jurídico, capital contábil. Mais recentemente, o conceito de capital humano toma conta das organizações, no particular aspecto da gestão dos recursos ou talentos humanos da empresa. O capital técnico refere-se ao conjunto de bens materiais utilizados no processo de produção; o capital jurídico tem a ver com a sua relação com os titulares de direito capital privado e capital público, por exemplo. O capital contábil compreende o capital de giro, o capital de empréstimo, o capital de participação, capital nacional, capital estrangeiro etc.. A formação de capital decorre da acumulação de riqueza destinada à obtenção de novas riquezas. É esta capacidade de geração de riqueza, consubstanciada nos investimentos, isto é, na capacidade de aumentar os meios de produção, que irá determinar o ritmo de desenvolvimento econômico de uma nação. Isto porque o emprego eficiente de bens de capital possibilita a elevação do rendimento do trabalho humano e da produtividade real do sistema econômico.

4 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 4/29 Os recursos Para uma idéia do que sejam meios de produção, considere necessários à que sejam os meios de trabalho e os objetos de trabalho. Os formação de meios de trabalho compreendem os instrumentos de capital podem ser produção (máquinas, ferramentas), as instalações (edifícios, de origem interna armazéns, silos etc.), as fontes de energia utilizadas na ou externa, isto é, produção (elétrica, eólica, nuclear, hidráulica etc.) e os meios procedentes de de transporte. Os objetos de trabalho são os elementos sobre outros países. Os recursos internos os quais ocorre o trabalho humano (matérias-primas, solo etc.). compreendem a poupança, que nada mais é do que a parcela da renda que não é destinada ao consumo imediato. Esta poupança nem sempre é espontânea, ou seja, nem sempre é resultado do desejo das pessoas. Em sistemas econômicos afetados por uma inflação persistente, tem-se, por vezes, a formação de poupança compulsória ou obrigatória, forçada para fazer frente à necessidade tanto de investimento como de redução da demanda e, portanto, como elemento de combate à inflação. A poupança pode ser proveniente de indivíduos, das empresas e do setor público. Os recursos externos a que nos referimos anteriormente vêm suprir uma carência de recursos internos: se a poupança interna não é suficiente para atender às necessidades de investimento, são contraídos empréstimos ou atraídos investimentos estrangeiros, ajudas governamentais de outros países e demais formas de ingresso de capitais estrangeiros. O fator terra ou recursos naturais Do ponto de vista econômico, os recursos naturais compreendem a base de um sistema sobre a qual se assentará o capital técnico. São os recursos naturais, tanto os renováveis (de Em uma construção civil, por exemplo, os materiais intermediários compreendem o natureza biológica, quer sejam ferro, o aço, a cal, o cimento, o alumínio, vegetais ou animais), como os não dentre outros. renováveis (caso de certas riquezas minerais, como o petróleo) que proporcionarão a obtenção dos bens materiais destinados à satisfação de certas necessidades do ser humano, transformados e/ou in natura. Durante muito tempo prevaleceu a idéia, entre os precursores da análise econômica, de que a verdadeira riqueza de uma nação seria aquela resultante da utilização indireta do fator terra: a produção agrícola. Os outros bens seriam derivados de uma transformação dos produtos primários, não acrescentando, portanto, mais riqueza. Este conceito modificou-se substancialmente com o avanço das tecnologias de processo e de produto, que serão objeto de nossa análise um pouco mais à frente. O fator trabalho O trabalho humano, quando aplicado aos instrumentos o fator capital, num dado espaço físico o fator terra, promove a transformação do meio e a produção de bens segundo suas próprias necessidades. O sistema econômico depende fundamentalmente da qualidade do trabalho humano, que é eminentemente criador. O ser humano procura criar, desenvolver e enriquecer novos meios de produção,

5 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 5/29 com vistas ao progresso e evolução da técnica. Para os economistas da escola clássica, o trabalho é o determinante do valor econômico. Segundo esta linha de pensamento, todos os fatores de produção, em última análise se resumem num só: o trabalho, fonte única de todo o progresso humano. No entanto, para outros economistas clássicos, menos radicais, o valor advém da colaboração entre o capital e o trabalho. A tecnologia Tecnologia significa o estudo das técnicas. Por técnica, entende-se a maneira correta de executar qualquer tarefa. É o que se conhece em inglês por know-how, que significa saber como, definindo formas, instrumentos, equipamentos, métodos, características físicas de materiais intermediários e outros insumos para a obtenção de um bem econômico. A tecnologia pode ser definida como o conhecimento humano aplicado à produção. Neste sentido, alguns autores consideram a tecnologia como uma mercadoria, com todas as suas características: tem um preço, pode ser adquirida e também se torna obsoleta, isto é, pode se tornar ultrapassada com o advento de outra tecnologia. As nações em desenvolvimento são potencialmente compradoras de tecnologia originária de nações desenvolvidas. Neste contexto, as empresas estrangeiras assumem papel preponderante na transferência de tecnologia, como resultado de uma licença de produção por firmas nacionais, por exemplo, mediante o pagamento de royalties. Os royalties compreendem um determinado montante de dinheiro a título de licença para utilização do design do produto, de moldes de fabricação, de especificação de materiais utilizados e outras especificações que caracterizam o produto. Quer seja por meio de descoberta de novas matérias-primas, por uma mudança nos métodos de produção, pela criação de novos produtos ou pela substituição de equipamentos, uma inovação técnica termina por modificar a própria divisão social do trabalho e as técnicas de produção, elevando a produtividade do trabalho. As inovações, geralmente de grande impacto na economia, se manifestam como inovação de processo (tecnologia de processo) e inovação de produto (tecnologia de produto). Uma tecnologia de produto caracteriza uma inovação que leva a um produto novo, isto é, que apresentará certas peculiaridades que qualificarão um produto diferente daquele anteriormente oferecido. Já a evolução tecnológica de processo atinge tão somente o processo de fabricação, sem mudanças nas características do produto. Refere-se, neste caso, a diminuições no tempo de obtenção do produto, a reduções no número de operações, à racionalização no uso de matérias-primas etc.. A capacidade empresarial A função empresarial é vital para a condução da ordem capitalista. Nas economias onde a livre iniciativa impera, compete aos empresários explorar uma invenção ou introduzir uma inovação de produto ou de processo. Também serão os empreendedores que abrirão nova frente de oferta de bens e serviços, novos usos para produtos conhecidos, reativação e reorganização de indústrias etc..

6 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 6/29 O tipo empresarial é definido pela reunião de aptidões presentes em uma pequena parcela da população, que levam à descoberta de oportunidades de investimento, ao financiamento da operação idealizada, à obtenção e utilização adequada dos fatores de produção cuja natureza acaba de ser vista e à organização e coordenação das operações de forma eficiente. Trata-se, portanto, de uma aglutinação de um conjunto de fatores e funções, ou seja, da obtenção e da ação conjunta de capital, terra, trabalho e tecnologia. Estes fatores, organizados em funções industriais, comerciais, administrativas, financeiras e de pesquisa & desenvolvimento, serão vitais para a execução física de um projeto e sua transformação em uma realidade duradoura, em prol da geração de bens e serviços que satisfaçam alguma necessidade humana. A capacidade empresarial se resume, portanto, em conseguir que as coisas sejam feitas. SUMÁRIO DO TEMA Capital, terra e trabalho, ao lado do conhecimento tecnológico e capacidade empresarial constituem recursos de produção escassos. Deles resultam os bens e serviços que são oferecidos à sociedade para a solução de suas necessidades e desejos ilimitados. QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Você pretende iniciar um empreendimento na área de prestação de serviços de manutenção de implementos agrícolas. Quais os recursos de produção você necessitará? 2. As economias primitivas apresentavam maior ou menor escassez do que as de agora? Justifique sua resposta. 3. De quantos e quais tipos de capital podemos falar, quando pensamos neste importante fator de produção? 4. Como se origina o capital? Qualquer nação tem possibilidade de incrementar o seu estoque de capital? 5. Quais as diferenças fundamentais entre meios de trabalho e objetos de trabalho? 6. A poupança interna, no caso brasileiro, é suficiente para atender às necessidades de investimento do país? Se não é considerada suficiente, quais são as alternativas para a ampliação dos recursos destinados ao investimento nas atividades produtivas geradoras de emprego? 7. Dê um exemplo de recursos naturais não renováveis. Em seguida, imagine um produto para a sua substituição e explique as razões de serem considerados recursos não renováveis e recurso renovável. 8. Qual era o conceito inicial de riqueza de uma nação, entre os primeiros pensadores da atividade econômica? 9. Qual, dentre os fatores de produção, aquele que constitui a fonte única de todo o progresso humano na visão de alguns pensadores? 10. Qual a origem do valor, na concepção dos economistas clássicos menos radicais?

7 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 7/ O que diferencia tecnologia de produto e tecnologia de processo? 12. Quais as características do tipo empresarial? 13. Conseguir que as coisas sejam feitas resume um predicado do fator trabalho, de forma genérica? Justifique sua resposta. 14. Qual a contribuição da empresa estrangeira no que se refere à transferência de tecnologia? Cite um exemplo conhecido. 15. O capital, um dos fatores de produção, representa a. a técnica de aumentar a produtividade dentro da economia; b. a força produtiva representada pelos operários na indústria; c. a quantidade de dinheiro à disposição do sistema econômico; d. a infra-estrutura produtiva representada pelas máquinas, ferramentas, edifícios, equipamentos etc.; e. as alternativas (a) e (c) estão corretas. Resposta correta: alternativa d. Isto porque a alternativa a diz respeito à tecnologia, ou seja, o como produzir. Por sua vez, a alternativa b se refere ao fator de produção trabalho. A alternativa c aborda tão somente o capital financeiro. Assim sendo, a alternativa e também está errada, porque cita duas alternativas que não são as corretas.

8 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 8/29 Tema 2 NECESSIDADES ILIMITADAS Este aspecto requer uma análise igualmente detalhada e sistematizada, dada a sua importância e vinculação com o equacionamento do problema econômico. Uma primeira questão a responder diz respeito ao volume de necessidades que possamos ter. Evidentemente, um ser humano que vive numa comunidade moderna tem necessidades diversas e em maior quantidade do que alguém que vivia na Idade Média. Uma volta por uma das alas comerciais de um shopping center das grandes metrópoles ou meia hora de televisão comprovam facilmente esta afirmação. Além deste aspecto temporal hoje o mundo é completamente diferente do que em tempos passados há que se considerar que, somado ao volume, também a composição das necessidades varia entre habitantes de uma metrópole e de uma pequena cidade do interior do Estado. Em que pese a diversidade entre volume e composição das necessidades humanas, é possível detectar várias características comuns: elas podem ser coletivas ou individuais e, dentre estas, absolutas ou relativas. Vejamos cada uma destas características com mais detalhes: a) necessidades coletivas Aí estão enquadradas as necessidades que todo grupo sente, tais como a necessidade de segurança, de defesa, necessidade de educação, de saneamento básico, do cuidado com a saúde etc.. Estas necessidades são supridas em parte ou totalmente pela ação do Estado. b) necessidades individuais Compreendem basicamente dois grupos: o das necessidades absolutas do ser humano, isto é, relacionadas às exigências de natureza biológica, tais como dormir, respirar, comer, habitar, procriar, vestir etc.. Veja que estas necessidades absolutas ou também chamadas de necessidades biológicas nem sempre têm sua satisfação associada imediatamente a uma solução econômica. É o caso da necessidade de respirar, por exemplo. Em muitas comunidades, a preservação das áreas verdes e o controle da poluição do ar podem requerer grandes esforços econômicos. O segundo grupo das necessidades individuais compreende as necessidades relativas ou sociais. São relativas porque não são idênticas para todos os indivíduos. Compreendem o conjunto de hábitos, normas, costumes e valores (uso de talheres e pratos, cama para dormir, o hábito da leitura, audiência de uma sinfonia e outros). Quadro 1 TIPOS DE NECESSIDADES COLETIVAS INDIVIDUAIS Absolutas Relativas Segurança, defesa, educação, saneamento básico, saúde etc. Dormir, respirar, comer, habitar, procriar, vestir etc. Hábitos, normas, costumes e valores

9 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 9/29 As necessidades dos indivíduos modificam-se a cada novo dia, quer sejam absolutas ou relativas. Alguns estudos a esse respeito, em especial o de Abraham Maslow, um psicólogo norte-americano que viveu entre 1908 e 1970, revelam que as necessidades são hierarquizadas, isto é, um indivíduo procura satisfazer suas necessidades em certo momento ou período de sua vida, por etapas consecutivas, uma após outra. Imaginemos uma escada, para dispor tal hierarquização. O primeiro degrau é reservado para as necessidades biológicas ou básicas. Satisfeitas estas necessidades, o indivíduo busca a segurança, em seu mais amplo sentido: segurança no lar, na comunidade, segurança no emprego. A etapa seguinte referese à necessidade que o indivíduo sente de viver em comunidade, de ser aceito pelo grupo, de relacionar-se. Na próxima etapa, quer satisfazer seu ego: busca reconhecimento, status, poder. E, nesta evolução motivacional, a última etapa refere-se à auto-realização: o indivíduo abre-se a novos desafios, procura a experimentação de forma decidida, tal como alguns cientistas que injetam certo tipo de vírus em seu próprio organismo, para testarem, em seguida, determinada teoria ou vacina por ele desenvolvida. Segundo estes estudos, uma necessidade superior não poderá ser suprida sem a satisfação da necessidade imediatamente anterior. Outro aspecto revela que a posição do indivíduo na sua hierarquia de necessidades é mutável ao longo do tempo, ou seja, o indivíduo terá projetadas novas hierarquias introduzidas pelas transformações do meio, principalmente. Auto-realização Auto-estima Associação Segurança Necessidades biológicas ou básicas

10 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 10/29 Tendo visto os recursos escassos de produção e as necessidades humanas ilimitadas vamos organizar nosso aprendizado com relação ao conhecimento das diversas formas de satisfação das necessidades humanas: os bens. SUMÁRIO DO TEMA Identificadas como necessidades coletivas e necessidades individuais, este tema investigou a classificação da contrapartida à existência de recursos escassos: as necessidades humanas. QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Explique sucintamente o entendimento do conceito de necessidades coletivas. Cite um exemplo. 2. Explique o conceito de necessidades individuais e cite um exemplo. 3. Imagine-se no deserto do Saara. Quais as necessidades imediatas que necessitam ser supridas para a sua sobrevivência? Quais os fatores de produção envolvidos para a solução destas necessidades? 4. Imagine-se num shopping center. Quais as necessidades que você verá despertadas em si mesmo? E numa criança? 5. Explique o conceito relacionado à hierarquia de necessidades do ser humano, segundo Maslow. 6. Cite uma das necessidades hierarquizadas por Maslow, explicando-a e localizando-a em sua própria vida. 7. O que indica uma necessidade biológica? 8. Qual o significado de uma necessidade como segurança? Como se materializa a satisfação dessa necessidade? 9. Cite um exemplo de necessidade de associação e forma de satisfação dessa necessidade, aí em sua região. 10. O indivíduo pode suprir uma necessidade superior na hierarquia apresentada por Maslow, sem ter cumprido com a solução a uma necessidade imediatamente inferior? Por quê? 11. Como se dividem as necessidades individuais? 12. Cite um exemplo de necessidade absoluta que não consta das atividades listadas no Quadro 1 Tipos de Necessidades. 13. Qual a definição de necessidades relativas? Dê um exemplo diferente daquelas que constam do Quadro 1 Tipos de Necessidades. 14. No melhor dos entendimentos, o cumprimento das leis por todos os cidadãos é, por si só, uma forma de suprimento de necessidades individuais? Por quê? 15. Uma necessidade de associação com base na hierarquia das necessidades de Maslow reflete uma situação em que a. o indivíduo se sente atraído por um desejo de se associar a um empresário para abrir um negócio. b. o indivíduo carece de sentimentos por si mesmo.

11 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 11/29 c. Nenhuma outra necessidade pode ser suprida se esta não for satisfeita. d. Todas as demais necessidades já foram supridas pelo indivíduo. e. O indivíduo já satisfez suas necessidades fisiológicas e de segurança e agora sente necessidade de ser aceito pelo grupo. Resposta correta: alternativa e. Isto porque, no caso da alternativa a, a referência a uma associação em um empreendimento foge aos conceitos de Maslow no caso particular da necessidade de associação. Também o fato de sentir necessidade de associação não quer dizer que o indivíduo não gosta de si mesmo e, portanto, a alternativa b também não se aplica. Quanto à alternativa c, é fato que existe uma hierarquia nas necessidades, mas a necessidade de associação está no meio desta hierarquia. Assim sendo, outras necessidades foram, sim, supridas, antes de se chegar a esta. Mas, nem todas as outras necessidades foram supridas, o que também implica em que a alternativa d está incorreta. Então, a alternativa e complementa adequadamente a assertiva.

12 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 12/29 Tema 3 BENS A satisfação de uma necessidade, no sentido aqui tratado, requer a existência de um bem. Mesmo as mais elementares necessidades são satisfeitas por certo tipo de bem. O ar, por exemplo, é o bem que satisfaz a necessidade de respirar. Em circunstâncias normais, quando se caracteriza a abundância, este e outros bens, como a água do mar e a luz do sol, são considerados bens livres. Não constituem, portanto, um problema cuja solução esteja no âmbito da análise econômica. Ocorre, no entanto, que a maioria das necessidades dos indivíduos será satisfeita por bens escassos, cuja obtenção irá requerer certa quantidade de trabalho e, muito provavelmente, também de outros fatores de produção. Estes bens são denominados bens econômicos e compreendem duas categorias de bens: os bens tangíveis, isto é, que se pode apalpar, sendo, portanto, materiais, e os bens intangíveis, que não são de natureza física, onde se enquadram os serviços. Na tentativa de melhor compreensão do fato econômico, a classificação dos bens completa-se com o enquadramento dos bens econômicos tangíveis nas seguintes categorias: a) bens finais Aqui são abrigados os bens de consumo, que compreendem os produtos que se destinam ao consumo. Subdividem-se em bens de consumo não-duráveis porque possuem existência muito limitada no tempo e geralmente desaparecem ao satisfazer a necessidade, como é o caso dos alimentos e bens de consumo duráveis cuja utilização é substancialmente prolongada, como, por exemplo, eletrodomésticos, automóveis etc.. São estes produtos que, como regra geral, promovem a atividade econômica, porque na sua produção são utilizados produtos intermediários, máquinas, fornecimentos de terceiros e um contingente considerável de pessoas direta ou indiretamente ocupadas que, auferindo rendimento, poderão adquirir bens econômicos, realimentando o processo de produção agregada de toda a sociedade. Também fazem parte do grupo de bens finais os chamados bens de capital, que compreendem os bens destinados à produção de novos bens e, por isso mesmo, também conhecidos por bens de produção. São as máquinas industriais, ferramentas etc.. É de se notar, ademais, que um mesmo bem pode ser classificado em grupo distinto, segundo a categoria uso. Assim sendo, um automóvel pode ser um bem de consumo durável e, para aquele que o utiliza como forma de prestação de um serviço táxi, por exemplo este bem é considerado um bem de capital ou bem de produção. b) bens intermediários Certos bens, como o aço, o cimento, a cal e uma infinidade de outras mercadorias, requerem transformações antes de se converterem num bem de consumo ou bem de capital. São, portanto, considerados bens intermediários.

13 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 13/29 Quadro 2 CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS BENS Bens Econômicos Bens Tangíveis Bens Finais Bens Intermediários Bens de Consumo Bens de (a cal, o cimento, o Capital ferro, o aço, (máquinas, alumínio etc.) Bens de Bens de ferramentas Consumo Consumo etc.) Nãoduráveis Duráveis (eletrodomésticos, (alimentos, automóveis etc.) artigos de vestuário etc.) Bens Intangíveis (serviços) Bens Livres (água do mar, luz do sol etc.) SUMÁRIO DO TEMA As necessidades coletivas e necessidades individuais são supridas pelos bens ou serviços. Este tema tratou da identificação dos bens livres e dos bens econômicos. QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Como estão classificados os bens, de maneira geral? 2. O que caracteriza a natureza do bem livre? 3. O ser humano poderia viver unicamente de bens livres? Ele seria feliz se pudesse fazê-lo? Neste caso, como ficaria a Economia, enquanto ciência? 4. Como se classificam os bens econômicos, de maneira geral? 5. Cite um exemplo de bem intangível? Você se dedica a este tipo de atividade, conseguindo com o rendimento obtido a cada mês suprir todas as suas necessidades?

14 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 14/29 6. O que representam os bens finais? Esta denominação é apropriada para a maioria dos bens que você consome no seu dia-a-dia? 7. Quando foi sua última aquisição de um bem intermediário? O que você fez com ele? 8. Se você classificou corretamente o bem identificado na questão anterior, informe qual foi este bem e o resultado da sua incorporação no produto final, identificando este produto final na sua resposta. 9. Você está utilizando um bem de consumo durável neste exato momento? Qual é ele? 10. Qual ou quais os tipos de bens finais que podem ser considerados aqueles que dão mais impulso à atividade econômica? Por quê? 11. O que são bens de capital? Como também são conhecidos estes bens? Cite um exemplo. 12. O seu automóvel particular é um bem de consumo durável ou um bem de capital? O que o leva a cada uma destas classificações neste particular tipo de bem econômico? 13. Quando você utiliza o seu computador pessoal para uma atividade de aprimoramento de suas competências e habilidades, a qual categoria de bem econômico ele pertence? E se você o utilizasse para a elaboração de um balanço patrimonial de um cliente? 14. O trator que o agricultor utiliza na sua lavoura é um bem de capital? E quando ele o utiliza para levar a família à cidade? 15. Apenas uma das alternativas abaixo pode ser considerada correta, à luz da teoria abordada no presente tema: a. Bem de capital representa a soma dos recursos financeiros de que o indivíduo dispõe para a satisfação de suas necessidades. b. Bem intermediário significa aquele que é adquirido no comércio em geral, porque o comerciante é um intermediário entre a indústria e o consumidor. c. Bens finais são aqueles que chegam ao consumidor final, ou seja, uma empresa ou um indivíduo que os utilizará para satisfação de uma necessidade. d. Os bens de consumo duráveis constituem aqueles produtos que a indústria utiliza para a produção de eletrodomésticos em geral. e. Os bens de consumo não duráveis são bens intermediários utilizados para a produção dos bens assalariados. Resposta correta: alternativa c. A alternativa a se refere ao capital financeiro tão somente. Por sua vez, a alternativa b confunde a classificação do bem com a relação envolvida na sua comercialização. A alternativa d mescla a classificação do bem, levando à falsa idéia de que se trata de um bem intermediário, o mesmo acontecendo com a alternativa e. A alternativa c indica o conceito correto de um bem final.

15 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 15/29 Tema 4 FLUXOS FUNDAMENTAIS O funcionamento do sistema econômico caracteriza-se, de um lado, pela atividade de obtenção de recursos ou fatores de produção em si e, de outro, pela obtenção de meios financeiros e sua utilização. Caracterizam-se, portanto, dois mercados: o primeiro, de fatores de produção; o segundo, de bens e serviços finais. A obtenção dos fatores de produção e a produção e distribuição dos bens e serviços constituem a atividade real da economia. Os indivíduos que são os proprietários dos fatores de produção fornecem às empresas que são as produtoras de bens e serviços finais os recursos de que elas necessitam para a produção de bens e serviços finais que irão satisfazer suas necessidades. Como contrapartida, as empresas remuneram os indivíduos, sob a forma de salários (quando o fator fornecido é a mão-de-obra), juros (quando se fornece capital de empréstimo para as empresas), lucros (quando o capital é cedido sob a forma de participação no empreendimento) e aluguéis (quando se cede imóvel, terreno ou mesmo máquinas para o exercício da atividade empresarial). Com estes recursos, os indivíduos pagam às empresas pelos bens e serviços finais adquiridos. Este processo de remuneração e pagamento caracteriza o lado monetário da economia. Combinamos, na Figura 1, os fluxos real e monetário; pode-se nela visualizar a sua interdependência e a caracterização dos dois grandes mercados em que se fundamenta a organização econômica: o mercado de fatores ou recursos de produção e o mercado de bens e serviços, nas partes superior e inferior dos fluxos, respectivamente.

16 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 16/29 Figura 3 Os fluxos real e monetário e os mercados de fatores de produção e de bens e serviços finais MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO Fornecimento de Fatores de Produção (capital, terra, trabalho, tecnologia, capacidade empresarial) Remuneração pelos Fatores de Produção (salários, juros, lucros, aluguéis) Unidades Produtoras (ou Empresas) Unidades Consumidoras (ou Indivíduos) Pagamento pelos Bens e Serviços Suprimento de Bens e Serviços Finais MERCADO DE BENS E SERVIÇOS FINAIS A linha cheia, indicando o fornecimento de fatores de produção e o suprimento de bens e serviços finais, identifica o fluxo real. A linha pontilhada, por onde se dá a passagem da remuneração pelos fatores e o pagamento dos bens e serviços adquiridos, constitui o fluxo monetário. Vazamentos e injeções no fluxo circular da renda a dois pólos Nem todo o rendimento auferido pelos indivíduos ao fornecerem fatores de produção constitui base para o pagamento pelos bens e serviços adquiridos. Uma parte destes rendimentos pode ficar retida sob a forma de poupança identificada pela letra S, do inglês saving, na maioria dos trabalhos acadêmicos que focalizam esta importante variável econômica. Este ato representa um vazamento de recursos

17 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 17/29 financeiros do sistema, já que haverá produção que não será adquirida. Neste fluxo circular da renda a dois pólos empresas e indivíduos, as empresas também são poupadoras, na medida em que não utilizam todo o seu lucro para a aquisição de novos fatores de produção, juntando-se aos indivíduos poupadores. Por outro lado, nem toda a produção de bens e serviços finais é destinada aos indivíduos. Uma parcela considerável dos bens e serviços produzidos é adquirida pelas próprias empresas, para constituírem seu ativo permanente, ou seja, a parcela dos ativos totais da empresa que compreendem o ativo imobilizado e os investimentos sob diversas formas, dentre outras rubricas. Estes dispêndios das empresas com aquisição de bens e serviços finais que irão ampliar seus ativos são considerados genericamente como investimentos no sentido econômico e não financeiro do termo, caracterizando, portanto, uma injeção, ou seja, uma entrada de recursos no fluxo circular da renda. Diz-se que o sistema econômico está equilibrado quando os vazamentos são de mesma magnitude que as injeções, ou seja, quando a poupança S é igual ao investimento I, tal que I = S Reproduzimos a Figura 3, incorporando os vazamentos e a injeção, isto é, a poupança dos indivíduos e das empresas e os seus investimentos em ativos, conforme apontado na Figura 4.

18 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 18/29 Figura 4 Os fluxos real e monetário e os mercados de fatores de produção e de bens e serviços finais, com incorporação da poupança (S) e dos investimentos (I) MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO Fornecimento de Fatores de Produção (capital, terra, trabalho, tecnologia, capacidade empresarial) Remuneração pelos Fatores de Produção (salários, juros, lucros, aluguéis) Unidades Produtoras (ou Empresas) S Unidades Consumidoras (ou Indivíduos) I Pagamento pelos Bens e Serviços Suprimento de Bens e Serviços Finais MERCADO DE BENS E SERVIÇOS FINAIS SUMÁRIO DO TEMA Este tema abordou o fluxo circular da renda em sua mais simples versão: a de dois pólos, onde se situam as empresas e os indivíduos, como agentes econômicos que interagem na produção e distribuição de fatores de produção e bens e serviços finais. QUESTÕES PARA REVISÃO 1. O que caracteriza um mercado de fatores de produção, no entendimento do fluxo circular da renda?

19 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 19/29 2. Quais as características de um mercado de bens e serviços finais na interpretação do fluxo circular da renda? 3. O fornecimento de fatores de produção pelos seus proprietários e a aquisição dos mesmos pelas empresas caracteriza uma oferta de produtos e serviços? Justifique sua resposta. 4. E quando a empresa fornece bens e serviços aos indivíduos, este também constitui um ato de oferta? Por quê? 5. O que se convencionou chamar de atividade real da economia? 6. O que é fluxo real, no contexto do fluxo circular da renda? 7. Os movimentos de moeda são caracterizados por qual dos fluxos? Explique-os. 8. Segundo os conceitos compreendidos no fluxo circular da renda, o que é fluxo monetário? 9. Quando um capitalista injeta capital financeiro numa empresa, ele está agindo em qual dos dois tipos de mercados: de fatores ou de bens e serviços finais? Por quê? 10. As empresas também adquirem bens e serviços finais. Como se chama este processo, no contexto do fluxo circular da renda? 11. O que mantém o sistema econômico em equilíbrio, na abordagem do fluxo real e monetário? 12. Qual a contrapartida em termos monetários ao fornecimento de mão-de-obra direta? 13. Como se denomina a renda auferida por um indivíduo que aportou capital financeiro e somente capital financeiro numa determinada empresa, sob a forma de empréstimo a longo prazo? 14. E o que representa a remuneração para um sócio do empreendimento, ao final do período contábil da empresa? 15. No tocante ao funcionamento do sistema econômico, o fluxo real descreve: a. a quantidade de fatores de produção que são vitais para o suprimento de bens e serviços de que a sociedade necessita; b. a entrada de fatores e a saída de materiais do estoque das empresas; c. as relações entre os proprietários de recursos e as unidades mobilizadoras destes recursos; d. os movimentos de moeda e sua destinação e uso; e. o fornecimento de fatores de produção e sua remuneração. Resposta correta: alternativa c. Vejamos por que: a alternativa a fala em quantidade de fatores. Ora. O fluxo real não aponta quantidade de fatores, mas, sim, a entrada e saída de recursos, independentemente de sua quantidade. A alternativa b se refere ao estoque das empresas e não ao fluxo. Por sua vez, a alternativa d tem a ver com o fluxo monetário, que também está envolvido na alternativa e. A alternativa c aborda as relações daqueles que detém a propriedade dos fatores de produção (capital, terra, trabalho, tecnologia, capacidade empresarial), que são as famílias ou indivíduos, e, no outro pólo, aqueles que demandam estes fatores, transformando-os em bens e serviços, que são as empresas.

20 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 20/29 Tema 5 QUESTÕES CENTRAIS DA ECONOMIA O dilema traduzido pelo confronto entre recursos de produção escassos e necessidades humanas ilimitadas implica a existência de três questões fundamentais que a economia trata de responder, enquanto ciência: Quê e quanto produzir? Como produzir? Para quem produzir? Compete à ciência econômica, como sua mais importante função, reunir um máximo de informações que possibilite completo diagnóstico da relevância de cada um destes problemas e suas diversas formas de solução. Esta é, na realidade, a própria razão de ser deste ramo de conhecimento. Mas, se à Economia compete a elucidação ou equacionamento dos problemas, a aplicação das recomendações para a solução compete à comunidade, dado que, na maioria das vezes, intervêm fatores de natureza social, política, histórica, física, tecnológica etc., de influência decisiva sobre o resultado. Examinemos mais detalhadamente cada uma das questões: Quê e quanto produzir? Dada a escassez dos fatores de produção, a resposta a esta indagação deve considerar que, ao mesmo tempo em que se decide pela produção de determinado bem, se estará decidindo pela não-produção de outro bem. Assim, a terra destinada ao plantio da cana-de-açúcar não poderá ser utilizada para a produção de alimentos. Então, a produção de álcool derivada da cana-de-açúcar implica a não-produção de alimentos naquela porção de terra utilizada para o cultivo da cana-de-açúcar. A contribuição da análise econômica à questão quê e quanto produzir localiza-se no conhecimento das máximas possibilidades econômicas de produção estabelecidas pelas curvas de possibilidades de produção. Vejamos este conceito mais de perto. Imagine que, em dada região ou país, a utilização dos recursos disponíveis capital, terra, trabalho, tecnologia e capacidade empresarial para a produção de dois bens, que chamaremos de alfa e beta, possibilitaria as seguintes quantidades: Tabela 1 Possibilidades de Produção, conhecidos os fatores. Alternativa Quando a produção do bem alfa é......a produção do bem beta é... A 0 20 B 1 19 C 2 17 D 3 13 E 4 8 F 5 0 A ciência econômica, como tantas outras, lança mão de técnicas desenvolvidas por outras áreas do conhecimento científico para auxiliar na demonstração de certos

21 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 21/29 fatos econômicos. Assim, a representação gráfica em duas dimensões um eixo dos x, considerada a primeira variável, e um eixo dos y, a segunda variável, utilizando dados econômicos observados ou idealizados, será um instrumento de apoio de fundamental importância na apresentação das questões econômicas. Assim sendo, se dispusermos os dados da Tabela 1 numa representação gráfica de duas dimensões, tal que as quantidades do bem beta estejam demonstradas no eixo dos y e as quantidades do bem alfa no eixo dos x. Vamos, portanto, juntar as informações desta tabela num gráfico composto por uma abscissa o eixo dos x e uma ordenada o eixo dos y, ou seja, as quantidades do bem alfa no eixo horizontal (abscissa) e quantidades do bem beta no eixo vertical (ordenada). Desta forma, utilizando este sistema de coordenadas cartesianas 1, poderemos posicionar as alternativas A, B, C, D, E e F num plano. Gráfico 1 Disposição dos dados Bem beta 20 A B C 15 D 10 E F Bem alfa Unindo-se os pontos A a F, que representam as alternativas constantes da Tabela 1, tem-se a Curva de Possibilidades de Produção (CPP). Trata-se de uma construção extremamente simples, que revela as escolhas que são oferecidas à sociedade em função da limitação dos recursos. O exame atento dos pontos A a F no gráfico permite a constatação de um decréscimo na produção do bem beta, na medida em que aumenta a produção do bem alfa. No ponto A, todos os fatores são utilizados para a produção do bem beta. No outro extremo, quando todos os fatores são alocados para a produção do bem alfa, nenhuma unidade de beta pode ser produzida. Entre estes dois extremos existem pontos intermediários que revelam a 1 Descartes, filósofo e matemático francês ( ) imaginou um sistema de eixos onde se pudessem localizar pontos do plano, através de dois números (as coordenadas) ou, dado um ponto, fazer-lhe corresponder um par de números. Normalmente usa-se um sistema de eixos perpendiculares e que utilizam a mesma escala (sistema ortonormado). Assim teremos o par (3, 2) onde 3 representa a abscissa e 2 a ordenada. O par diz-se ordenado por sempre estar escrito na forma (abscissa, ordenada).

22 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 22/29 escassez dos recursos e, como conseqüência, a imperiosidade de sacrifício de unidades de produção de um bem quando se aumenta a produção de outro bem. Gráfico 2 Traçado da curva de possibilidades de produção Bem beta 20 A B C 15 D 10 E 5 F Bem alfa A CPP é uma demonstração dos limites máximos de produção possível de dois bens. Na realidade, a produção pode ficar aquém desta fronteira. É o caso demonstrado no ponto U do Gráfico 3. Neste ponto, não estão sendo empregados todos os recursos disponíveis, havendo, portanto, desemprego de fatores. Por conseguinte, o pleno-emprego se dá sobre a CPP, que indica a fronteira das possibilidades de produção, com os recursos conhecidos. Assim, os pontos localizados dentro da curva representam situações em que os recursos não estão sendo administrados de forma eficiente. Observa-se, no Gráfico 3, que, se a economia estiver operando no ponto U e, portanto, com ociosidade de fatores, ou seja, com fatores que não estão devidamente aproveitados é possível expandir a produção do bem beta, ou do bem alfa ou, ainda, uma combinação de ambos, até os limites das possibilidades de produção, indicado pela CPP.

23 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 23/29 Gráfico 3 Curva de possibilidades de produção e o desemprego de fatores Bem beta 20 A B C 15 D 10 E 5 U F Bem alfa Sendo a CPP uma indicação das fronteiras, isto é, da produção máxima de dois bens com dado volume de recursos, não é possível admitir pontos fora da curva. Mas, o que se observa na realidade é um deslocamento da CPP para cima e para a direita, denotando crescimento da produção decorrente de alterações positivas na composição e no volume dos fatores de produção. Estas alterações geralmente acontecem como decorrência de um aumento na quantidade do fator capital, uma melhoria qualitativa na força de trabalho, e, ainda, do progresso tecnológico, responsável por novos métodos de produção. Este deslocamento é demonstrado no Gráfico 4. Evidentemente, uma diminuição de fatores de produção pode levar a um deslocamento da CPP para a esquerda, o que constitui uma anormalidade no funcionamento de todo o sistema econômico. Uma guerra ou uma epidemia, por exemplo, podem causar grande redução na quantidade e qualidade do fator mão-deobra, por exemplo.

24 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 24/29 Gráfico 4 Deslocamento da CPP em função de alterações nos fatores de produção Bem beta Bem alfa A análise da CPP conduz a duas importantes constatações: a primeira delas diz respeito ao custo de oportunidade, isto é, à renúncia ou sacrifício de um bem em prol da obtenção de outro. Assim, o custo de oportunidade para a obtenção da primeira unidade do bem alfa é uma unidade do bem beta, conforme se pode deduzir da Tabela 2. A obtenção da segunda unidade de alfa leva ao sacrifício de mais duas unidades de beta; a terceira unidade de alfa exige um custo de oportunidade de mais quatro unidades de beta, e assim por diante. Ao final, para a O custo de oportunidade é um importante conceito em economia. Também é conhecido por custo do economista. Significa que, em dadas circunstâncias, como, por exemplo, ao montar um escritório de representação em um imóvel próprio, existirá um custo de oportunidade retratado pela possibilidade de alugar o imóvel. Assim sendo, a renda que deverá ser auferida pelo empreendimento deverá considerar o que se receberia como aluguel como determinante do retorno mínimo idealizado pelo negócio. Voltaremos a este conceito quanto tratarmos dos custos de produção e/ou comercialização. produção da quinta unidade de alfa, deverão ser sacrificadas mais oito unidades de beta. Este custo de oportunidade no caso específico de opções entre cada alternativa de produção de alfa e beta está demonstrado no Gráfico 5.

25 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 25/29 Alternativa Quando a produção do bem alfa é... Tabela 2 Custo de oportunidade...a produção do bem beta é... A e o custo de oportunidade (em unidades de beta) é... B C D E F Gráfico 5 Custo de oportunidade Bem beta Bem alfa

26 Economia de Empresas Capítulo 1 A natureza do problema econômico 26/29 A segunda constatação leva à lei dos rendimentos decrescentes. Conforme foi visto, uma expansão dos fatores de produção leva a deslocamentos positivos da CPP. Se, no entanto, se mantiver constante um ou mais recursos físicos, os aumentos nas possibilidades de produção serão menos que proporcionais, tornando-se decrescentes ou mesmo nulos a partir de certo nível. Em outras palavras, a lei dos rendimentos decrescentes baseia-se na impossibilidade de uma expansão de todos os fatores de produção na mesma intensidade. Se apenas um dos fatores permanecer constante, aumentando-se os demais, a produção apresentará menor taxa de crescimento a cada estágio. Suponhamos, num primeiro momento, que, como resultado da utilização de obtém-se 100 unidades do fator terra 300 unidades do fator capital 50 unidades do fator trabalho 30 unidades do bem alfa e 40 unidades do bem beta. Num segundo momento, mantendo-se constante a quantidade do fator terra e incrementando-se o capital e a mão-de-obra para 360 e 60 unidades, respectivamente, a possibilidade de produção passa para 35 e 45 unidades de alfa e beta. Observa-se que, para um aumento de 20% nos fatores, a possibilidade de produção cresce aproximadamente 17%. Num terceiro momento, utilizando-se 100 unidades do fator terra 430 unidades do fator capital 70 unidades do fator trabalho a possibilidade de produção atinge 38 unidades do bem alfa e 48 unidades do bem beta. Nesta simulação, a um novo aumento de 20% nos fatores capital e trabalho, mantendo constante o fator terra, as possibilidades de produção aumentam em menos de 9%. Vejamos, a seguir, a segunda das questões centrais da economia: Como produzir? Trata-se, aqui, de uma questão relacionada às possibilidades tecnológicas de produção. Competirá à sociedade como um todo a adoção de técnicas de produção que procurem combinar, da forma mais adequada possível, seus recursos humanos e patrimoniais. Atenção especial deve ser dedicada à absorção da tecnologia, tal que a penetração da técnica no aparelho produtivo não implique desperdício do potencial humano e, por outro lado, a sociedade não deverá recusar o emprego de técnicas que possam significar aumento da eficiência produtiva.

ECONOMIA. Prof. M.Sc. João Artur Izzo. Definição de Economia

ECONOMIA. Prof. M.Sc. João Artur Izzo. Definição de Economia ECONOMIA Prof. M.Sc. João Artur Izzo Definição de Economia Economia é a ciência social que estuda a produção, a circulação e o consumo dos bens e serviços que são utilizados para satisfazer as necessidades

Leia mais

INSS Economia Conceitos Básicos Fabio Lobo

INSS Economia Conceitos Básicos Fabio Lobo INSS Economia Conceitos Básicos Fabio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Economia Conceitos Básicos CONCEITOS BÁSICOS Etimologicamente, a palavra economia

Leia mais

Introdução à Economia

Introdução à Economia Introdução à 1.1 Introdução Diariamente, nos deparamos com informações sobre economia nos jornais e noticiários na TV. Com a intensificação das relações econômicas internacionais, determinados fatos e

Leia mais

2.1 - SISTEMA ECONÔMICO

2.1 - SISTEMA ECONÔMICO Sistemas Econômicos 2.1 - SISTEMA ECONÔMICO Um sistema econômico pode ser definido como a forma na qual uma sociedade está organizada em termos políticos, econômicos e sociais para desenvolver as atividades

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA

INTRODUÇÃO À ECONOMIA INTRODUÇÃO À ECONOMIA Capítulo I ESCASSEZ A escassez ocorre porque os desejos humanos excedem as quantidades de produção possíveis com período e recursos disponíveis, porém limitados. ESCASSEZ A escassez

Leia mais

ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1

ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1. Constitui um bem de capital: ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1 a) os bens e serviços que se destinam ao atendimento direto das necessidades humanas. b) os bens que aumentam a eficiência do trabalho humano.

Leia mais

Unidade I ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade I ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade I ECONOMIA E NEGÓCIOS Prof. Maurício Felippe Manzalli O que estuda a economia? Economia é a ciência que trata da administração eficiente de recursos escassos com vistas à satisfação dos ilimitados

Leia mais

CONTABILIDADE. O OBJETO da Contabilidade é o patrimônio das entidades. Patrimônio administrável e em constante alteração.

CONTABILIDADE. O OBJETO da Contabilidade é o patrimônio das entidades. Patrimônio administrável e em constante alteração. 1 CONTABILIDADE 1.1 CONCEITO É a ciência que tem como objetivo observar, registrar e informar os fatos econômico-financeiros acontecidos dentro de um patrimônio pertencente a uma entidade; mediante a aplicação

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais

Mercado Financeiro e de Capitais Mercado Financeiro e de Capitais Professor conteudista: Roberto Cruz Sumário Mercado Financeiro e de Capitais Unidade I 1 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS...1 1.1 Conceitos básicos do mercado financeiro...1

Leia mais

Objeto da ciência econômica: é a questão da escassez, ou seja, economizar recursos.

Objeto da ciência econômica: é a questão da escassez, ou seja, economizar recursos. Escassez e Curvas de Produção Como visto anteriormente, a economia é uma ciência social uma vez que objetiva atender às necessidade humanas: como o indivíduo e a sociedade utilizam os recursos, na produção

Leia mais

Teoria da firma: produção e custos de. produção. Técnico em Logística. 05_Sistemas Econômicos_Teoria da Produção e Custos

Teoria da firma: produção e custos de. produção. Técnico em Logística. 05_Sistemas Econômicos_Teoria da Produção e Custos Teoria da firma: e custos de Teoria da firma: e custos de Introdução Considerações preliminares Uma economia de mercado é orientada pelas forças da oferta e da procura. Consumidores Firmas Unidades do

Leia mais

ECONOMIA = oikos (casa) + nomos (norma, lei) Ciência social que estuda como o indivíduo e a sociedade decidem utilizar recursos produtivos.

ECONOMIA = oikos (casa) + nomos (norma, lei) Ciência social que estuda como o indivíduo e a sociedade decidem utilizar recursos produtivos. Definindo Economia ECONOMIA = oikos (casa) + nomos (norma, lei) Ciência social que estuda como o indivíduo e a sociedade decidem utilizar recursos produtivos escassos na produção de bens e serviços, de

Leia mais

os custos totais são determinados pela soma entre os custos variáveis e os custos fixos.

os custos totais são determinados pela soma entre os custos variáveis e os custos fixos. Módulo 7 Teoria dos Custos Como destacamos em alguns dos módulos anteriores, os produtores são indivíduos racionais, e como tais irão buscar maximizar seus resultados ao realizarem suas atividades produtivas.

Leia mais

Tradicionalmente, classificam se os sistemas econômicos em:

Tradicionalmente, classificam se os sistemas econômicos em: Módulo 3 O Sistema Econômico 3.1. O que vem a ser um sistema econômico? Sabe se que a economia de cada país funciona de maneira distinta, no entanto podemos dizer que, em linhas gerais, a maior parte dos

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE CAA NÚCLEO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL AULA 01 INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES Prof. Leonardo Herszon Meira, DSc DEFINIÇÕES

Leia mais

Definições: Material 1. Problema Econômico Fundamental

Definições: Material 1. Problema Econômico Fundamental Material 1 Microeconomia Gilmar Ferreira Abril 2010 Escassez Eficiência produtiva e alocativa Curva de possibilidades de produção Eficiência (ótimo) de Pareto Custo de oportunidade Racionalidade econômica

Leia mais

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA Rossetti (Cap. III) As 4 Questões Chave da Economia Eficiência Produtiva Eficácia alocativa Justiça distributiva e Ordenamento Institucional Principais Elementos

Leia mais

INTRODUÇÃO A ECONOMIA AULA 1

INTRODUÇÃO A ECONOMIA AULA 1 INTRODUÇÃO A ECONOMIA espartanos.economia@gmail.com AULA 1 Apresentação elaborada por: Roberto Name Ribeiro/ Francisco Carlos B. dos Santos Adaptado por: Andréa de Souza, MS.c 1 A concepção A economia

Leia mais

Contabilidade Básica I Seção 1 Definições

Contabilidade Básica I Seção 1 Definições Contabilidade Básica I Seção 1 Definições Prof. Me. Hélio Esperidião Objetivos: Compreender os princípios elementares da contabilidade. Surgimento A Contabilidade teve seu surgimento reconhecido durante

Leia mais

Introdução à. Macroeconomia

Introdução à. Macroeconomia Introdução à Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez IBMEC-RJ / UCP O que é? É o estudo da economia como um todo, pois analisa a economia através de suas variáveis fortemente agregadas. Abrange o comportamento

Leia mais

Oferta e Procura. Aula 5 Isnard Martins

Oferta e Procura. Aula 5 Isnard Martins Oferta e Procura 5 Aula 5 Isnard Martins Análise da Demanda de Mercado Demanda (ou procura) é a quantidade de determinado bem ou serviço que os consumidores desejam adquirir, num dado período. A Demanda

Leia mais

Economia dos Recursos Naturais. Agentes e Circuito Económico

Economia dos Recursos Naturais. Agentes e Circuito Económico Economia dos Recursos Naturais Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

Módulo 8 Teoria da Produção

Módulo 8 Teoria da Produção Módulo 8 Teoria da Produção Numa economia de mercado, consumidores e empresas representam respectivamente as unidades do setor de consumo e de produção, que se interrelacionam através do sistema de preços

Leia mais

Agentes Fluxos, e a s as Q uestões Questões Chave da Economia Rossetti (Cap III).

Agentes Fluxos, e a s as Q uestões Questões Chave da Economia Rossetti (Cap III). Agentes, Fluxos e as Questões Chave da Economia Rossetti (Cap. III) Tópicos a serem abordados Principais elementos do Sistema Econômico Interação entre os Sistemas Econômicos Fluxos Econômicos Fundamentais

Leia mais

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção.

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. Produção e o Custo da Empresa Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. 1. Conceitos básicos A economia é formada por diversas empresas

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

Escassez: problema econômico central de QUALQUER sociedade

Escassez: problema econômico central de QUALQUER sociedade RESUMINDO: Escassez: problema econômico central de QUALQUER sociedade Necessidades humanas ilimitadas X Recursos produtivos escassos escassez escolha o que e quanto produzir como produzir para quem produzir

Leia mais

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional e Plano Financeiro Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional 1.Layout Por meio do layout ou arranjo físico, você irá definir como será a distribuição dos diversos setores

Leia mais

FLUXOS ECONÔMICOS BÁSICOS DO CAPITALISMO

FLUXOS ECONÔMICOS BÁSICOS DO CAPITALISMO FLUXOS ECONÔMICOS BÁSICOS DO CAPITALISMO Luiz Carlos Bresser-Pereira e Yoshiaki Nakano Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, 23.9.80. (ECON-L-146 E-511) O Quadro

Leia mais

ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia

ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia Opções Estratégicas Para a Implantação de Novas Políticas Educacionais ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia Bob Verhine Universidade Federal da Bahia verhine@ufba.br A divulgação desta

Leia mais

Conceitos Básicos. Prof. Regis Augusto Ely. Agosto de Revisão Novembro 2012

Conceitos Básicos. Prof. Regis Augusto Ely. Agosto de Revisão Novembro 2012 Conceitos Básicos Prof. Regis Augusto Ely Agosto de 2011 - Revisão Novembro 2012 1 Metodologia da ciência econômica Teoria: conjunto de idéias sobre a realidade (Ex: teoria macroeconômica). componentes

Leia mais

ECONOMIA MICRO E MACRO

ECONOMIA MICRO E MACRO ECONOMIA MICRO E MACRO AULA 02: DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO TÓPICO 02: TEORIA DA OFERTA A decisão do que produzir é tomada pelas empresas na expectativa de realização de lucros. Preços altos

Leia mais

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico Economia e Sociologia Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho e capital

Leia mais

indivíduoeasociedade decidem (escolhem) empregar recursos produtivos escassos na produção de bens e e grupos da sociedade, a fim de satisfazer as

indivíduoeasociedade decidem (escolhem) empregar recursos produtivos escassos na produção de bens e e grupos da sociedade, a fim de satisfazer as Economia é a ciência social que estuda como o indivíduoeasociedade decidem (escolhem) empregar recursos produtivos escassos na produção de bens e serviços, de modo adistribuí-los ib entre as várias pessoas

Leia mais

Economia - Programa da Disciplina: Disciplina Economia. Economia Trabalho em Grupo

Economia - Programa da Disciplina: Disciplina Economia. Economia Trabalho em Grupo Economia - Programa da Disciplina: Disciplina Economia Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo pela UFSCar em 1998, Mestre em Desenvolvimento Econômico pelo Instituto de Economia da UNICAMP

Leia mais

Economia é a ciência que se preocupa em alocar recursos escassos, orientando a escolha do que, como e para quem produzir com teorias e informação.

Economia é a ciência que se preocupa em alocar recursos escassos, orientando a escolha do que, como e para quem produzir com teorias e informação. Economia é a ciência que se preocupa em alocar recursos escassos, orientando a escolha do que, como e para quem produzir com teorias e informação. Escassez Necessidades Ilimitadas Recursos Limitados 1

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CUSTO INDUSTRIAL CAPÍTULO 4

PLANEJAMENTO DE CUSTO INDUSTRIAL CAPÍTULO 4 PLANEJAMENTO DE CUSTO INDUSTRIAL CAPÍTULO 4 Qualquer dispêndio de recursos financeiros seja ele direto ou indireto, para transformação de riquezas naturais denominadas de matéria prima e insumos, gastos

Leia mais

CELSO FURTADO E A INTERPRETAÇÃO ESTRUTURALISTA DO SUBDESENVOLVIMENTO

CELSO FURTADO E A INTERPRETAÇÃO ESTRUTURALISTA DO SUBDESENVOLVIMENTO CELSO FURTADO E A INTERPRETAÇÃO ESTRUTURALISTA DO SUBDESENVOLVIMENTO Ricardo Bielschowsky, CEPAL e UFRJ Rio de janeiro, agosto de 2005 Contribuições de Furtado ao estruturalismo Inclusão de dimensão histórica

Leia mais

Teleaula 2: Classificando os Gastos. Profª : Msc. Glenda Soprane

Teleaula 2: Classificando os Gastos. Profª : Msc. Glenda Soprane Contabilidade de Custos Teleaula 2: Classificando os Gastos Profª : Msc. Glenda Soprane Objetivos da Teleaula 2 Compreender os fundamentos da Contabilidade de Custos Compreender as nomenclaturas pertencentes

Leia mais

Introdução à Economia. - Modelos Econômicos - Ganhos de Comércio

Introdução à Economia. - Modelos Econômicos - Ganhos de Comércio Introdução à Economia - Modelos Econômicos - Ganhos de Comércio O que é Economia? Definição: Economia é uma ciência social que estuda como a sociedade administra seus recursos escassos. Por que é uma ciência

Leia mais

Você está fazendo isso pelo bem daqueles que você ama!

Você está fazendo isso pelo bem daqueles que você ama! 01-2012.1 - Questão 1 Uma sociedade empresária apresentou os seguintes dados para a elaboração da Demonstração do Valor Adicionado: Informações adicionais: I. O custo de aquisição da mercadoria vendida

Leia mais

Gabarito. 5. As necessidades não-econômicas são aquelas satisfeitas com bens que não podem ser produzidos, como o ar que respiramos.

Gabarito. 5. As necessidades não-econômicas são aquelas satisfeitas com bens que não podem ser produzidos, como o ar que respiramos. Gabarito Disciplina: Economia Professor: Otto Nogami CAPÍTULO 1 A ESSÊNCIA DO PROBLEMA ECONÔMICO 1. Ciência econômica é o estudo da alocação dos recursos produtivos escassos para organizar da melhor maneira

Leia mais

Os fatos do crescimento CAPÍTULO. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Os fatos do crescimento CAPÍTULO. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Os fatos do Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 10 Os fatos do Passamos agora do estudo da determinação do produto no curto e médio prazos em que predominam as flutuações para a determinação do

Leia mais

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Modelo Macroeconómico Procura Agregada Políticas macroeconómicas

Leia mais

Prof. Francisco C. E. Mariotti

Prof. Francisco C. E. Mariotti Prof. Francisco C. E. Mariotti A RECEITA PÚBLICA Receitas públicas são os recursos previstos em legislação e arrecadados pelo poder público com a finalidade de realizar gastos que atenda as necessidades

Leia mais

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA Rossetti (Cap. III) Interação entre os Agentes Econômicos Fluxos Econômicos Fundamentais As 4 Questões Chave da Economia Eficiência Produtiva Eficácia alocativa

Leia mais

CPC 28. Propriedade para Investimento. Balanço Patrimonial - Grupos. Definição de PI. Investimentos Participações Permanentes em outras sociedades

CPC 28. Propriedade para Investimento. Balanço Patrimonial - Grupos. Definição de PI. Investimentos Participações Permanentes em outras sociedades CPC 28 Propriedade para Investimento PAULA NARDI Balanço Patrimonial - Grupos Ativo Circulante ATIVO Ativo Não Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo Investimento Propriedade para Investimento Imobilizado

Leia mais

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Oferta Agregada Nível de preços e custos Produto potencial Capital,

Leia mais

INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo

INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MACROECONOMIA KEYNESIANA Nesta aula, estudaremos que variáveis determinam

Leia mais

TEORIA DA FIRMA PRODUÇÃO E CUSTOS

TEORIA DA FIRMA PRODUÇÃO E CUSTOS TEORIA DA FIRMA PRODUÇÃO E CUSTOS INTRODUÇÃO CONSUMIDORES: atendimento de necessidades teoria do consumidor FIRMAS: desenvolvimentos de atividades produtivas teoria da firma TEORIA DA PRODUÇÃO: CONCEITOS

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Microeconomia. UNIDADE 5 Aula 5.1

Microeconomia. UNIDADE 5 Aula 5.1 Microeconomia UNIDADE 5 Aula 5.1 Prof - Isnard Martins Rosseti, J, Introdução à Economia, Atlas, 2006 Vasconcelos M.A, Economia Micro e Macro, 4a Edição Douglas Evans.Managerial Economics.Prentice Hall.

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE I PANORAMA GERAL DA CONTABILIDADE 1) O que é contabilidade e qual o seu objetivo? 2) Onde a contabilidade pode ser aplicada? 3) Quais são os usuários

Leia mais

AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE O EVA (Economic Value Added)

AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE O EVA (Economic Value Added) AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE O EVA (Economic Value Added) Metodologia para avaliar resultados ou investimentos? EVAs positivos significam desempenho superior? O que fazer para aumentar o EVA? Francisco

Leia mais

Variações do Patrimônio Líqudio

Variações do Patrimônio Líqudio Variações do Patrimônio Líqudio Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Eventos que alteram o valor do Patrimônio Líquido Investimentos dos acionistas(inicial e posteriores) Distribuição de dividendos (transferência

Leia mais

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME:

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME: Notas: Apresente o seu documento de identificação. Coloque o nome em todas as folhas. Leia atentamente cada questão antes de iniciar a sua resposta. Grupo 1 [10 VALORES] Relativamente a cada questão, assinale

Leia mais

GRUPO I (7 valores) 3. Identifique uma das principais características do sistema de economia mista.

GRUPO I (7 valores) 3. Identifique uma das principais características do sistema de economia mista. INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Unidade Orgânica: Escola Superior de Ciências Empresariais Prova de de acesso ao Regime Especial Maiores de 23 anos para o ano letivo 2016/2017 Junho 2016 Leia

Leia mais

Aula 3 07/03/2010 TP002 ECONOMIA. Bibliografia SAMUELSON (1975)

Aula 3 07/03/2010 TP002 ECONOMIA. Bibliografia SAMUELSON (1975) Aula 3 07/03/2010 TP002 ECONOMIA. Bibliografia SAMUELSON (1975) Curva de Possibilidade de produção. É a fronteira máxima de produção de uma sociedade. Ela mostra as possibilidades de produção da economia,

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena www.editoraferreira.com.br 2. 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos

Leia mais

EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia. Lista 1. Prof: Danilo Igliori

EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia. Lista 1. Prof: Danilo Igliori EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia Lista 1 Prof: Danilo Igliori Questão 1 Qual das seguintes manchetes de jornal é mais estreitamente relacionado com o que microeconomistas estudam (e menos relacionado

Leia mais

EXERCÍCIOS 2007 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ECONOMIA BRASILEIRA

EXERCÍCIOS 2007 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ECONOMIA BRASILEIRA EXERCÍCIOS 2007 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ECONOMIA BRASILEIRA Professor: Flávio Falconeri 1 (Questão 1) A cada um dos três princípios abaixo relacionados é possível associar o fundamento de uma escola de

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto)

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto) EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto) Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Função produção É uma relação técnica entre os factores

Leia mais

NATUREZA DO CONHECIMENTO

NATUREZA DO CONHECIMENTO NATUREZA DO CONHECIMENTO CONHECER E PENSAR Conhecer e pensar são uma necessidade para o ser humano e indispensável para o progresso. Sabemos que existimos porque pensamos. Se nada soubéssemos sobre o universo

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

Administração e Economia para Engenharia

Administração e Economia para Engenharia Administração e Economia para Engenharia Aula 3.1: Fundamentos da matemática financeira diegofernandes.weebly.com Emiliano Silva 1 Economia Ciência social que estuda a administração dos recursos escassos

Leia mais

Noções sobre balanço patrimonial. Profa. Daciane de Oliveira Silva

Noções sobre balanço patrimonial. Profa. Daciane de Oliveira Silva Noções sobre balanço patrimonial Profa. Daciane de Oliveira Silva Estática patrimonial: o balanço O balanço patrimonial é uma das mais importantes demonstrações contábeis, por meio do qual podemos apurar

Leia mais

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são:

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são: Módulo 15 Política Monetária O conjunto de atos do BACEN para controlar a quantidade de dinheiro e a taxa de juros e, em geral, as condições de crédito constitui a política monetária de um determinado

Leia mais

Quais os determinantes dos avanços tecnológicos? Avanços tecnológicos e inserção internacional brasileira PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO

Quais os determinantes dos avanços tecnológicos? Avanços tecnológicos e inserção internacional brasileira PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO BOLETIM: Setembro/2016 Quais os determinantes dos avanços tecnológicos? Avanços tecnológicos e inserção internacional brasileira PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL

Leia mais

ECONOMIA AMBIENTAL. Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade. Jeferson Alberto de Lima

ECONOMIA AMBIENTAL. Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade. Jeferson Alberto de Lima ECONOMIA AMBIENTAL Assunto: Recursos Naturais, falhas de mercado e direito de Propriedade Jeferson Alberto de Lima CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Adam Smith: Uma investigação sobre a natureza e causas da riqueza das nações. Uma investigação sobre sua natureza e causas

Adam Smith: Uma investigação sobre a natureza e causas da riqueza das nações. Uma investigação sobre sua natureza e causas Adam Smith: Uma investigação sobre a natureza e causas da riqueza das nações Uma investigação sobre sua natureza e causas Não é possível exibir esta imagem no momento. O trabalho anual de cada nação constitui

Leia mais

Conversão e optimização da exploração agro-pecuária. Aula 2

Conversão e optimização da exploração agro-pecuária. Aula 2 Conversão e optimização da exploração agro-pecuária Aula 2 Aula 2 Sumário: Principais conceitos associados à elaboração de projetos. Tipos de orçamentos necessários à elaboração do cash-flow do projeto:

Leia mais

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP - Morgana Pizzolato, Dr a.

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP - Morgana Pizzolato, Dr a. DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade CGEP - Morgana Pizzolato, Dr a. P + L O resíduo é inerente ao processo? NÃO, ele é um indicativo da ineficiência A identificação e análise do resíduo dão início

Leia mais

INSS Economia Conceitos Básicos - Contabilidade Nacional Fábio Lobo

INSS Economia Conceitos Básicos - Contabilidade Nacional Fábio Lobo INSS Economia Conceitos Básicos - Contabilidade Nacional Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Conceitos básicos macroeconômicos, Contabilidade Nacional.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CAPÍTULO 29 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 29.1 CONCEITO A demonstração das origens e aplicações de recursos é de elaboração e publicação obrigatórias para as sociedades anônimas. Entretanto,

Leia mais

Microeconomia. UNIDADE 1 Aula 2.2

Microeconomia. UNIDADE 1 Aula 2.2 Microeconomia UNIDADE 1 Aula 2.2 Prof - Isnard Martins Rosseti, J, Introdução à Economia, Atlas, 2006 Vasconcelos M.A, Economia Micro e Macro, 4a Edição 1 A EQUAÇÃO DA DEMANDA 2 Y Na Geometria Euclidiana,

Leia mais

Repartição dos rendimentos

Repartição dos rendimentos Repartição dos rendimentos Repartição primária do rendimento rendimentos primários Rendimentos primários e rendimentos secundários Os rendimentos do trabalho (salários) e do capital (juros, lucros e rendas)

Leia mais

Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres

Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres Teoria da produção Firma ou empresa para economia é uma unidade

Leia mais

PRODUÇÃO. Introdução a Economia

PRODUÇÃO. Introdução a Economia PRODUÇÃO Introdução a Economia Tópicos para discussão Slide 2 Conceitos Básicos Produção no Curto Prazo Produção no Longo Prazo Rendimentos de escala Oferta Slide 3 Quantidade de um bem que os produtores

Leia mais

Gestão por Processos. Prof. Luciel Henrique de Oliveira 1

Gestão por Processos. Prof. Luciel Henrique de Oliveira 1 Novos Modelos de Empresa Aula 3 Gestão por Processos Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel.oliveira@fgv.br 1 O que são processos nas empresas? Fornecedores Atividade ou Conjunto de Atividades Input

Leia mais

Enquanto a Microeconomia estuda a relação entre oferta e demanda para estimar, em uma interação do conjunto de consumidores com o conjunto de

Enquanto a Microeconomia estuda a relação entre oferta e demanda para estimar, em uma interação do conjunto de consumidores com o conjunto de Conceito A Microeconomia, ou teoria dos preços, analisa a formação de preços, ou seja, como a empresa e o consumidor interagem qual o preço e a quantidade de determinado bem ou serviço em mercados específicos,

Leia mais

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P)

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P) AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE É A CIÊNCIA SOCIAL QUE ESTUDA O PATRIMÔNIO DAS ENTIDADES E SUAS VARIAÇÕES AO LONGO DO TEMPO ENTIDADE: TODA A PESSOA JURÍDICA QUE POSSUI UM PATRIMÔNIO. PODE SER UMA EMPRESA,

Leia mais

Nesse artigo falaremos sobre:

Nesse artigo falaremos sobre: Este conteúdo faz parte da série: Estudo de Viabilidade Econômica Ver 8 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: O que é custo de oportunidade Exemplo de custo de oportunidade em uma planilha de

Leia mais

Economia para Engenharia

Economia para Engenharia Economia para Engenharia Eng. Telecomunicações Aula 03 rev. 01 abrul/16 Roteiro» Introdução» Estrutura de mercado» Sistemas econômicos Capitalismo; Socialismo; Economia Mista;» Divisão do estudo econômico»

Leia mais

2. Demanda por Moeda em Keynes 2.2. Demanda por moeda e preferência pela liquidez 2.3. Alocação de portfólio e a taxa de juros

2. Demanda por Moeda em Keynes 2.2. Demanda por moeda e preferência pela liquidez 2.3. Alocação de portfólio e a taxa de juros 2. Demanda por Moeda em Keynes 2.2. Demanda por moeda e preferência pela liquidez 2.3. Alocação de portfólio e a taxa de juros Carvalho et al. (2015: caps. 4 e 20.1) 20/09/2017 1 Demanda por moeda, PPL

Leia mais

Microeconomia - Prof. Ms. Marco A. Arbex

Microeconomia - Prof. Ms. Marco A. Arbex Produção Conceitos Básicos Microeconomia: Produção Prof. Ms. Marco A. www.marcoarbex.wordpress.com marco.arbex@live.estacio.br Produção: o processo pelo qual uma firma transforma os fatores de produção

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) 1 de 8 31/01/2015 14:50 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as companhias abertas e

Leia mais

ECONOMIA CONCEITOS BÁSICOS

ECONOMIA CONCEITOS BÁSICOS CONTATO PROF. SERGIO A CENTA. DISCIPLINA; ECONOMIA. MICROECONOMIA. MACRO ECONOMIA. Endereço email prof.centa@gmail.com ECONOMIA CONCEITOS BÁSICOS O primeiro deles é o conceito de economia; segundo Tebechirani,

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 1 Comércio internacional, no mundo real, reflete: Diferenças de produtividade do trabalho Diferenças de dotação de recursos Modelo

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA

FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA FASES DO CAPITALISMO, REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E A GLOBALIZAÇÃO PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA O QUE CAPITALISMO? É um sistema socioeconômico que regula as relações sociais e a economia da sociedade

Leia mais

CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER

CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER CONTEÚDOS GEOGRAFIA - 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER UNIDADE 1 ORGANIZAÇAO DOS ESPAÇOS TERRITORIAIS 1. Organização dos espaços no país Território e fronteira Organização política do Brasil Regiões

Leia mais

A economia é o estudo da organização social através do qual os homens satisfazem suas necessidades de bens e serviços escassos.

A economia é o estudo da organização social através do qual os homens satisfazem suas necessidades de bens e serviços escassos. IMPORTANTE: Tratando-se de uma representação esquematizada das aulas previstas, o material que integra esse Desenvolvimento Programático não é suficiente para o acompanhamento do curso. Sua leitura, sem

Leia mais

A DINÂMICA DE ACUMULAÇÃO E DE REPRODUÇÃO DE EMPRESAS INDUSTRIAIS DE PANAMBI 1

A DINÂMICA DE ACUMULAÇÃO E DE REPRODUÇÃO DE EMPRESAS INDUSTRIAIS DE PANAMBI 1 A DINÂMICA DE ACUMULAÇÃO E DE REPRODUÇÃO DE EMPRESAS INDUSTRIAIS DE PANAMBI 1 Jose Valdemir Muenchen 2, Andressa Schneider Caetano Van Ass 3, Caroline De Morais 4, Martin Ledermann 5, Nelson José Thesing6

Leia mais

Dicas 02. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas. Profs. Gustavo e Vicente 1

Dicas 02. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas.  Profs. Gustavo e Vicente 1 Contabilidade Geral Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas www.pontodosconcursos.com.br Profs. Gustavo e Vicente 1 Classificações do ativo Além de classificar a conta como ativo, precisamos ser proficientes

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS As primeiras manifestações de gestão ambiental procuraram solucionar problemas de escassez de recurso, mas só após a Revolução Industrial os problemas que concernem à poluição

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

A Revolução Marginalista. Prof. José Luis Oreiro Departamento de Economia UnB Pesquisador Nível I do CNPq.

A Revolução Marginalista. Prof. José Luis Oreiro Departamento de Economia UnB Pesquisador Nível I do CNPq. A Revolução Marginalista Prof. José Luis Oreiro Departamento de Economia UnB Pesquisador Nível I do CNPq. Uma Revolução Paradigmática A descoberta simultânea do conceito de utilidade marginal decrescente

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Empreendedorismo Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Unidades da Disciplina: As Empresas; Mortalidade, Competitividade e Inovação Empresarial; Empreendedorismo; Processo Empreendedor; Instituições de

Leia mais