SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2 2. ABRANGÊNCIA 2 3. REFERÊNCIAS 2 4. DEFINIÇÕES 3 5. POLÍTICA 4 6. RESPONSABILIDADES ANEXOS 13

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2 2. ABRANGÊNCIA 2 3. REFERÊNCIAS 2 4. DEFINIÇÕES 3 5. POLÍTICA 4 6. RESPONSABILIDADES 11 7. ANEXOS 13"

Transcrição

1 Política de Segurança da Informação do São Bernardo SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO 2 2. ABRANGÊNCIA 2 3. REFERÊNCIAS 2 4. DEFINIÇÕES RESPONSABILIDADES ANEXOS 13 1

2 Política de Segurança da Informação do São Bernardo 1. OBJETIVO A Política de Segurança da Informação do São Bernardo é uma declaração formal da empresa acerca de seu compromisso com a proteção das informações de sua propriedade e/ou sob sua guarda. Seu propósito é estabelecer condutas e procedimentos relacionados à segurança da informação - sua integridade, disponibilidade e confidencialidade. 2. ABRANGÊNCIA Esta Política aplica-se a todos os setores funcionais do São Bernardo Apart Hospital, englobando colaboradores, estagiários e terceiros. 3. REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Rio de Janeiro. Redação e apresentação de Normas Brasileiras. Diretiva Parte 3. Primeira Edição ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO/IEC 17799: Tecnologia da Informação Código de Prática para a gestão da segurança da informação. Rio de Janeiro, 2005.z 2

3 Política de Segurança da Informação do São Bernardo CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO, Artigo 482. NETWORK WORKING GROUP/INTERNET ENGEENERING TASK FORCE (1977). RFC The security Handbook. Disponível em <www.faqs.org/rfcs/rfc2196.html> Acesso em 17/03/ DEFINIÇÕES Domínio: um nome que serve para localizar e identificar conjuntos de computadores na Internet. O nome de domínio foi concebido com o objetivo de facilitar a memorização dos endereços de computadores na Internet. Sem ele, teríamos que memorizar uma sequência grande de números Logoff: terminar o uso de um sistema computacional, removendo a senha do usuário. Se trata de um reiniciar rápido, onde todos os programas são fechados e posteriormente é possível iniciar a área de trabalho com outro usuário. Logout: iniciar o uso de um sistema computacional através de acesso com nome de usuário e senha. Service Desk: termo da língua inglesa que designa o serviço de apoio a usuários para suporte e resolução de problemas técnicos. 3

4 Política de Segurança da Informação do São Bernardo Software: programa de computador composto por uma sequência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual DISPONIBILIDADE DA INFORMAÇÃO Toda informação deve estar disponível no momento em que a mesma for necessária. Para que essa disponibilidade seja garantida, os seguintes itens devem ser observados pela Equipe de Informática: Prevenção e detecção de ameaças a rede computacional, também monitoração e controle da rede; Ajuste fino de servidores e aplicações; Cuidados com gerenciamento de identidades e controles de acesso a rede; Equipamentos para reposição em caso de defeito; Redundância da rede. 4.2 INTEGRIDADE DA INFORMAÇÃO Consiste na fidedignidade da informação. Sinaliza a conformidade dos dados armazenados com relação as inserções, alterações e processamentos autorizados efetuados. Sinaliza, ainda, a conformidade dos dados transmitidos pelo emissor com o recebidos pelo destinatário. A manutenção da integridade pressupõe a garantia de não violação dos dados, com intuito de alteração, gravação ou exclusão, seja ela proposital 4

5 Política de Segurança da Informação do São Bernardo ou acidental. Para que a integridade seja garantida as seguintes ações são realizadas pela equipe de Informática: Auditoria das informações; Firewalls, antivírus, criptografia, assinatura digital, backup, processos e outras ferramentas são usadas para garantir o bom funcionamento do ambiente. 4.3 CONFIDENCIALIDADE DA INFORMAÇÃO As informações devem estar disponíveis apenas a pessoas que tenham direito a elas. Dessa forma, na intenção de minimizar ataques a rede computacional da empresa, vazamento de dados sem autorização por s, cópias em dispositivos móveis, possíveis perdas ou furtos de dispositivos como notebooks, smartphones e pendrives, a Equipe de Informática utiliza as seguintes ferramentas: Níveis de acesso para usuários da rede: o colaborador possui acesso restrito a apenas o que faz parte da sua rotina de serviço, sendo de responsabilidade do setor de Informática liberar esses acessos; Níveis de acesso de acordo com o perfil do usuário para acesso a informações das bases de dados: cada usuário é classificado em um nível de acesso no sistema que utiliza. Para cada um desses sistemas temos nível de acesso I, II e III, onde I é 5

6 Política de Segurança da Informação do São Bernardo acesso total e III é acesso totalmente restrito. Cabe ao líder de cada setor indicar em qual o nível o seu colaborador se encaixa; Termo de compromisso assinado por todos os colaboradores que tenham acesso às informações da empresa - cada colaborador ou estagiário, no momento de sua admissão, será orientado pelo profissional de Desenvolvimento Humano a ler a Política de Segurança da Informação disponível no setor e, logo após, assinar o Termo de Responsabilidade e Confidencialidade. Cláusula nos contratos com terceiros que venham a ter acesso às informações da empresa que garanta por parte do fornecedor a total confidencialidade das informações que o mesmo venha a obter. 4.4 REGRAS Para garantir a disponibilidade, a integridade e a confidencialidade das informações, algumas regras deverão ser seguidas: Utilização da Rede (A) Não são permitidas tentativas de fraudar autenticação de usuário ou interferir na segurança de qualquer servidor, rede ou conta; 6

7 Política de Segurança da Informação do São Bernardo (B) Antes de ausentar-se do seu local de trabalho, o usuário deverá fechar todos os programas em uso, evitando, desta maneira, o acesso por pessoas não autorizadas. Se possível, efetuar o logout/logoff da rede ou bloqueio do computador através de senha; (C) Material de natureza pornográfica, racista e de qualquer conteúdo ilegal não pode ser exposto, armazenado, distribuído, editado ou gravado através do uso dos recursos computacionais da rede; (D) Jogos ou qualquer tipo de software ou aplicativo não podem ser gravados ou instalados no computador local e em qualquer outro diretório da rede; (E) A pasta PÚBLICO ou similar, não deverá ser utilizada para armazenamento de arquivos que contenham assuntos sigilosos ou de natureza sensível. Haverá limpeza diária dos arquivos armazenados na pasta PÚBLICO, para que não haja acúmulo desnecessário de arquivos; (F) A utilização de equipamentos de informática particulares deve ser comunicada ao Setor de Informática. A empresa não fornecerá acessórios, software ou suporte técnico para computadores pessoais de particulares, incluindo assistência para recuperar perda de dados, decorrentes de falha humana, ou pelo mau funcionamento do equipamento ou do software; 7

8 Política de Segurança da Informação do São Bernardo (G) Quando um colaborador é transferido entre departamentos, o líder que o transferiu deve certificar-se de que todos os direitos de acesso aos sistemas e outros controles de segurança ainda serão necessários na sua nova função e informar ao setor de Informática qualquer modificação necessária; (H) Quando ocorrer a demissão do colaborador, o setor de Desenvolvimento Humano deve avisar à Informática para providenciar a desativação dos acessos do usuário à qualquer recurso da rede. Deve-se verificar a necessidade de troca de senhas de contas de uso comum ao departamento, evitando o acesso às informações; (I) A equipe de Informática poderá desativar uma conta de usuário caso verifique a ocorrência de algum incidente suspeito de quebra de segurança; (J) Todo colaborador pode obter uma conta de acesso à rede de computadores da empresa, para isto o líder do setor deve abrir uma solicitação para tal no Service Desk; (K) Todas as ações que dizem respeito à conta criada são de responsabilidade do usuário e é reservada à Equipe de Informática o direito de registro e monitoramento dessas ações para diagnosticar possíveis irregularidades Utilização de senhas (A) A concessão de senhas é controlada pelo setor de Informática; 8

9 Política de Segurança da Informação do São Bernardo (B) As senhas temporárias devem ser alteradas imediatamente. Tudo que for executado com a senha de um usuário da rede será de inteira responsabilidade do próprio, por isso, exige-se cuidado em manter a senha secreta; (B) A senha deve ser redefinida a cada seis meses, através do sistema que pedirá nova senha automaticamente no período estipulado. As senhas são bloqueadas após 5 tentativas sem sucesso numa janela de 10 minutos; (C) A Request for Comments (RFC) 2196, que é um guia para desenvolvimento de políticas de segurança de computador, comenta sobre como selecionar e manter senhas e faz as seguintes recomendações: Não utilize palavras que estão no dicionário (nacionais ou estrangeiros); Não utilize informações pessoais fáceis de serem obtidas; Não utilize senhas somente com dígitos ou com letras; Utilize senha com, pelo menos, oito caracteres; Misture caracteres maiúsculos e minúsculos; Misture números, letras e caracteres especiais; Não anote sua senha em papel ou em outros meios de registro de fácil acesso; Não utilize nomes de pessoas próximas, como da esposa(o), dos filhos, de amigos; Não forneça sua senha para ninguém, por razão alguma; 9

10 Política de Segurança da Informação do São Bernardo Utilize senhas que podem ser digitadas rapidamente, sem a necessidade de olhar para o teclado Acesso à internet e utilização de (A) Caso a empresa julgue necessário, haverá bloqueios de acesso a arquivos ou domínios que comprometam o uso de banda ou perturbe o bom andamento dos trabalhos; (B) Não será permitido software de comunicação instantânea não autorizados pela equipe de informática; (C) Haverá geração de relatórios dos sites acessados por usuário e, se necessário, a publicação desse relatório e prestação de contas do usuário dos acessos. (D) É obrigatória a manutenção da caixa de , evitando acúmulo de s e arquivos inúteis; (E) É proibido forjar qualquer das informações do cabeçalho do remetente; (F) É proibido executar ou abrir arquivos anexados enviados por emitentes desconhecidos ou suspeitos, bem como arquivos com as.bat,.exe,.src,.lnk e.com; (G) Não devem ser enviadas mensagens de correio eletrônico cujo conteúdo seja confidencial ou restrito ao São Bernardo. 10

11 Política de Segurança da Informação do São Bernardo 5. RESPONSABILIDADES 5.1 Cabe a todos (colaboradores, estagiários e terceiros) respeitar e manter a Política de Segurança da Informação do São Bernardo ; 5.2 Cabe a todos informar qualquer quebra/violação dos termos da política fazendo a notificação através da Intranet ao setor de Informática. Um processo de investigação deve determinar as circunstâncias da violação, como e porque ocorreu; 5.3 Cabe ao setor de Informática monitorar o uso do sistema pelos colaboradores e terceiros, garantindo o cumprimento desta Política; 5.4 Cabe a todos (colaboradores, estagiários e terceiros) a assinatura do Termo de Compromisso e Responsabilidade presente no Anexo 1 e Anexo 2 deste documento. No termo de compromisso podem ser reforçados os principais pontos da política de segurança, devem ser o mesmo assinado por todos os colaboradores e estagiários e renovado sempre que necessário. 5.5 Caso seja necessário advertir o colaborador ou o estagiário, o departamento de Recursos Humanos será informado para as devidas providências. Em caso de advertência a terceiro, a mesma será realizada através de notificação por escrito. 11

12 Política de Segurança da Informação do São Bernardo 5.6 O não cumprimento, pelo colaborador, das normas estabelecidas neste documento seja isolada ou acumulativamente, poderá causar, de acordo com a infração cometida, as seguintes punições: a) Comunicação de descumprimento, b) Advertência ou suspensão, c) Demissão por justa causa. Comunicação de descumprimento: Será encaminhado ao colaborador, por , comunicado informando o descumprimento da norma, com a indicação precisa da violação praticada. Cópia desse comunicado permanecerá arquivada junto ao Departamento de Desenvolvimento Humano na respectiva pasta do colaborador. Advertência ou suspensão: A pena de advertência ou suspensão será aplicada, por escrito, somente nos casos de natureza grave ou na hipótese de reincidência na prática de infrações de menor gravidade. Demissão por justa causa: Nas hipóteses previstas no artigo 482 da Consolidação das Leis do Trabalho, conforme Anexo 3. Fica desde já estabelecido que não há progressividade como requisito para a configuração da dispensa por justa causa, podendo a Diretoria, no uso do poder diretivo e disciplinar que lhe é atribuído, aplicar a pena que entender devida quando tipificada a falta grave. 12

13 Política de Segurança da Informação do São Bernardo 6. ANEXOS ANEXO 1 Termo de Responsabilidade e Confidencialidade para Colaboradores e Estagiários Declaro que, na condição de colaborador/estagiário, usuário dos ativos de informação pertencentes a empresa, firmo através deste documento o entendimento e a aceitação da Política de Segurança da Informação da empresa. Como parte deste termo, comprometo-me a: a) Manter sigilo sobre o ambiente e os ativos de informação fornecidos; b) Conhecer, me manter atualizado e aderir à Política de Segurança da Informação e seus documentos complementares; c) Informar imediatamente e exclusivamente ao Departamento de Tecnologia da Informação qualquer falha, incidente ou anormalidade quanto a segurança dos ativos de informação da empresa nos termos da Política. d) Agir de forma responsável e cautelosa com relação aos recursos alocados para o desenvolvimento de minhas atividades enquanto usuário dos ativos de informação. Estou ciente que as violações a esta norma estarão sujeitas à aplicação de medidas disciplinares, conforme especificado na Política de Segurança da Informação. Colatina/ES, de de. Nome: Assinatura: 13

14 Política de Segurança da Informação do São Bernardo ANEXO 2 Termo de Responsabilidade e Confidencialidade para Terceiros Declaro que, na condição de terceiro/prestador de serviço, usuário dos ativos de informação pertencentes ao São Bernardo, firmo através deste documento o entendimento e a aceitação da Política de Segurança da Informação da empresa. Como parte deste termo, comprometo-me a: a) Manter sigilo sobre o ambiente e os ativos de informação fornecidos; b) Conhecer, me manter atualizado e aderir à Política de Segurança da Informação e seus documentos complementares; c) Informar imediatamente e exclusivamente ao Departamento de Tecnologia da Informação qualquer falha, incidente ou anormalidade quanto a segurança dos ativos de informação da empresa nos termos da Política. d) Agir de forma responsável e cautelosa com relação aos recursos alocados para o desenvolvimento de minhas atividades enquanto usuário dos ativos de informação. Estou ciente que as violações a esta norma estarão sujeitas à aplicação de medidas disciplinares, conforme especificado na Política de Segurança da Informação. Colatina/ES, de de. Terceiro: CNPJ nº: Nome do Responsável: Cargo: CPF nº: 14

15 Política de Segurança da Informação do São Bernardo ANEXO 3 Artigo 482 da CLT Art Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador: a) ato de improbidade; b) incontinência de conduta ou mau procedimento; c) negociação habitual por conta própria ou alheia sem permissão do empregador, e quando constituir ato de concorrência à empresa para a qual trabalha o empregado, ou for prejudicial ao serviço; d) condenação criminal do empregado, passada em julgado, caso não tenha havido suspensão da execução da pena; e) desídia no desempenho das respectivas funções; f) embriaguez habitual ou em serviço; g) violação de segredo da empresa; h) ato de indisciplina ou de insubordinação; i) abandono de emprego; j) ato lesivo da honra ou da boa fama praticado no serviço contra qualquer pessoa, ou ofensas físicas, nas mesmas condições, salvo em caso de legítima-defesa, própria ou de outrem; k) ato lesivo da honra ou da boa fama ou ofensas físicas praticadas contra o empregador e superiores hierárquicos, salvo em caso de legítima-defesa, própria ou de outrem; l) prática constante de jogos de azar. Parágrafo único. Constitui igualmente justa causa para dispensa de empregado, a prática, 15

16 Política de Segurança da Informação do São Bernardo devidamente comprovada em inquérito administrativo, de atos atentatórios à segurança nacional. 16

Política de Utilização da Rede. Sua Empresa. Atualizado em 00/00/0000. Sua Empresa

Política de Utilização da Rede. Sua Empresa. Atualizado em 00/00/0000. Sua Empresa Atualizado em 00/00/0000 O objetivo é prestar aos funcionários serviços de rede de alta qualidade e ao mesmo tempo desenvolver um comportamento extremamente ético e profissional. Assim, para assegurar

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. v 2.0 maio/2015_

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. v 2.0 maio/2015_ OBJETIVOS DA POLÍTICA DE SEGURANÇA O objetivo é garantir que os recursos de informática e a informação serão utilizados de maneira adequada. O usuário deve conhecer as regras para utilização da informação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO FACULDADE POLITÉCNICA

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO FACULDADE POLITÉCNICA POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO FACULDADE POLITÉCNICA Autor: José Roberto Brasil Uberlândia fevereiro 2009 ÍNDICE Resumo...02 1 Introdução... 03 2 Objetivos da política de segurança...03 3 Política

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO OBJETIVOS DA POLÍTICA DE SEGURANÇA O objetivo é garantir que os recursos de informática e a informação serão utilizados de maneira adequada. O usuário deve conhecer as regras para utilização da informação

Leia mais

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva Comissão de Direito eletrônico E Crimes de Alta Tecnologia Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo Dra. CRISTINA SLEIMAN Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva SP,

Leia mais

Autores: Regina Mainente Ricardo Pereira da Silva Superintendente Controlador Interno Ano de 2015

Autores: Regina Mainente  Ricardo Pereira da Silva Superintendente Controlador Interno Ano de 2015 Autores: Regina Mainente Superintendente Ricardo Pereira da Silva Controlador Interno Ano de 2015 Índice 1. Apresentação... 03 2. Introdução... 04 3. Para que serve a Segurança da Informação... 05 4. Pilares

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA GADE SOLUTION Tatiana Lúcia Santana GADE SOLUTION 1. Conceituação: A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação de qualidade é capaz

Leia mais

Política de Utilização da Rede

Política de Utilização da Rede Política de Utilização da Rede Complexo Unimed Chapecó CRIADO EM: 14/08/2006 ATUALIZADO EM: 16/08/2012 1 OBJETIVOS O objetivo deste documento é deixar clara a política de utilização da rede de informática

Leia mais

Normas e Procedimentos de Utilização da Rede

Normas e Procedimentos de Utilização da Rede Normas e Procedimentos de Utilização da Rede Setor Laboratório de TI Objetivo O objetivo maior do estabelecimento desta política é garantir a prestação de um serviço de rede de boa qualidade aos nossos

Leia mais

Política de Utilização dos Recursos de Rede e Internet do Campus Congonhas - MG

Política de Utilização dos Recursos de Rede e Internet do Campus Congonhas - MG SETOR DE INFORMÁTICA Política de Utilização dos Recursos de Rede e Internet do Campus Congonhas - MG www.ifmg.edu.br 1 - Utilização da Rede... 3 1.1 - Regras Gerais... 3 Compartilhamento... 3 1.2 - Regras

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDES

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDES NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDES Sumário Sumário 1. DO OBJETIVO.................................... 3 2. DO PRINCÍPIO BÁSICO............................... 3 3. DAS DEFINIÇÕES..................................

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA. Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INDICE DE REVISÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA. Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INDICE DE REVISÕES Título: Data: Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 de 6 INDICE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES E/OU PÁGINAS ALTERADAS 0 Primeira Edição da Instrução de Trabalho. 1 Nova nomenclatura

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo )

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) A Política de segurança da informação, na A EMPRESA, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e serviços, incluindo trabalhos executados

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na FK EQUIPAMENTOS, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA 1 REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX Empresa XX LTDA A EMPRESA XX LTDA, através de seu Comitê de Tecnologia da Informação, órgão responsável pela normatização e padronização

Leia mais

Asser Rio Claro. Descubra como funciona um antivírus. Como o antivírus protege o seu computador. A importância de um antivírus atualizado

Asser Rio Claro. Descubra como funciona um antivírus. Como o antivírus protege o seu computador. A importância de um antivírus atualizado Administração Informática Asser Rio Claro Descubra como funciona um antivírus Responsável por garantir a segurança do seu computador, o antivírus é um programa de proteção que bloqueia a entrada de invasores

Leia mais

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR GETAD/TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1-OBJETIVO Esta norma estabelece os critérios e procedimentos relacionados à utilização da REDE SETUR por todos os servidores, estagiários

Leia mais

ÁLAMO ENGENHARIA POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMÁTICA

ÁLAMO ENGENHARIA POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMÁTICA ELABORAÇÃO / REVISÃO APROVAÇÃO Marcelo Costa 16/05/2013 Fernando Matias 16/05/2013 NOME DATA NOME DATA Introdução: A segurança é um dos assuntos mais importantes dentre as preocupações de nossa empresa.

Leia mais

ASTC Autarquia de Segurança, Trânsito e Transportes de Criciúma Departamento de Tecnologia da Informação ANEXO ÚNICO

ASTC Autarquia de Segurança, Trânsito e Transportes de Criciúma Departamento de Tecnologia da Informação ANEXO ÚNICO ANEXO ÚNICO POLÍTICA DE SEGURANÇA E USO ACEITÁVEL DOS RECURSOS E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA DA ASTC O presente texto visa informar a todos os usuários dos recursos de informática, a política de segurança

Leia mais

1. Objetivos Específicos

1. Objetivos Específicos 1 2 Objetivos Geral A política de segurança é instrumento importante para proteger uma organização contra ameaças à segurança física e da informação que a ela pertence ou que está sob sua responsabilidade.

Leia mais

TÍTULO I CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO

TÍTULO I CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 01, Amparo, 09 abril de 2013. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE INFORMÁTICA E REDES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE AMPARO, VISANDO ESTABELECER UMA POLÍTICA DE

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet)

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet) REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet) A Universidade Federal de Pelotas (UFPel), através de seu Comitê de Tecnologia da Informação (PORTARIA

Leia mais

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós!

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós! Prezado Colaborador, O conteúdo desta cartilha tem como objetivo compartilhar alguns conceitos relacionados ao tema Segurança da Informação. Além de dicas de como tratar os recursos e as informações corporativas

Leia mais

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador Política de TI A Política de segurança da informação da OPERARIO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO aplica-se a todos os colaboradores e prestadores de serviços, incluindo trabalhos executados externamente ou por

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Índice 1 Introdução... 3 2 Política de cadastro e senhas... 5 3 Política de Utilização da Internet... 7 4 Política de Utilização de

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR 1. INTRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR Este documento pretende descrever como deverá ser o uso apropriado dos recursos de computação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos profissionais e usuários de informática da FECAP na utilização dos recursos computacionais,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:20/04/2012 Classificação:

Leia mais

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida.

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida. Segurança da Informação é a proteção das informações contra os vários tipos de ameaças as quais estão expostas, para garantir a continuidade do negócio, minimizar o risco ao negócio, maximizar o retorno

Leia mais

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER.

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de informações, no sentido de preservar o valor que possuem para um indivíduo ou uma organização. Características básicas: Confidencialidade;

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PO - PSI 1ª 1/9 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. CONCEITOS/CRITÉRIOS GERAIS... 2 5. DIRETRIZES... 3 6. RESPONSABILIDADES... 3 6.1 Todos

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DA REDE/FEA

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DA REDE/FEA POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DA REDE/FEA 1. OBJETIVO. A implantação de uma Política de Utilização de Rede, objetiva assegurar aos usuários da rede da FEA, não somente a prestação de serviços de alta qualidade,

Leia mais

MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da

MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da Centro Educacional MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da Rua Esteves Júnior, 696 CEP: 88015-130 Fone/Fax: (48) 3251-1900 Centro - Florianópolis - SC www.meninojesus.com.br P O L Í T I

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET

REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET 1 REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET Ricardo Machado Torres Ricardo Ariel Correa Rabelo Renata Azevedo Santos Carvalho José Albérico Gonçalves Ferreira Fábio Severo da Silva ARACAJU

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE Capítulo I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins desta Norma,

Leia mais

Política de Controle de Acesso Lógico

Política de Controle de Acesso Lógico 144 Data de Revisão: Revisão n. Política de Controle de Acesso Lógico 1 Apresentação Este documento e seus anexos definem as normas a serem seguidas no CJF relativas ao acesso lógico, aos ativos e aos

Leia mais

Leia com cuidado e procure respeitá-la!

Leia com cuidado e procure respeitá-la! Páginas: 1 de 5 Leia com cuidado e procure respeitá-la! Introdução: A Tecnologia da Informação, TI, está cada dia mais presente nas empresas, mudando radicalmente os hábitos e a maneira de comunicação,

Leia mais

3.2 SSI: formulário de Solicitação de Serviço à Informática - SSI, disponível na Intranet (Portal Corporativo Record).

3.2 SSI: formulário de Solicitação de Serviço à Informática - SSI, disponível na Intranet (Portal Corporativo Record). 1. OBJETIVOS Regulamentar o processo a ser seguido pelos usuários para liberação de ferramentas e recursos de Tecnologia da Informação, visando otimizar e agilizar as solicitações de forma que não gere

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 O Diretor Presidente da Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos CPRH, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo Decreto nº. 30.462 de 25 de

Leia mais

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS...

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... PÁGINA: 1 SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... 02 IV. CONCEITO... 02 1. Recursos computacionais... 02 2. Usuário... 03 V. ATRIBUIÇÕES... 03 VI. POLÍTICA

Leia mais

Esta Política de Segurança da Informação se aplica no âmbito do IFBA.

Esta Política de Segurança da Informação se aplica no âmbito do IFBA. 00 dd/mm/aaaa 1/11 ORIGEM Instituto Federal da Bahia Comitê de Tecnologia da Informação CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Política de Segurança da Informação se aplica no âmbito do IFBA. SUMÁRIO 1. Escopo 2. Conceitos

Leia mais

POLÍTICA DE USO DE CORREIO ELETRÔNICO da SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ

POLÍTICA DE USO DE CORREIO ELETRÔNICO da SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ POLÍTICA DE USO DE CORREIO ELETRÔNICO da SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ 1. OBJETIVO Definir os requisitos e as regras de segurança para o uso do correio eletrônico (e-mail) no âmbito da SESA (Secretaria

Leia mais

POLITÍCA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL EM RONDÔNIA

POLITÍCA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL EM RONDÔNIA POLITÍCA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL EM RONDÔNIA REGULAMENTO Versão 1.0 Porto Velho 2014 SUMÁRIO Preâmbulo 3 Capítulo I Do Objeto, Termos, Definições e Conceitos

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 01, DE 02 DE SETEMBRO DE 2013

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 01, DE 02 DE SETEMBRO DE 2013 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 01, DE 02 DE SETEMBRO DE 2013 Disciplina o uso do correio eletrônico (e-mail) do Ministério Público do Estado de Goiás e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA,

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET

NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET 1. Objetivo As Normas de Segurança para a UNIFAPnet têm o objetivo de fornecer um conjunto de Regras e Recomendações aos administradores de rede e usuários, visando

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP Nº 034/2012 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP Nº 034/2012 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e PORTARIA TRT 18ª GP/SGP Nº 034/2012 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, e tendo em vista o que consta do Processo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Publicada no Boletim de Serviço Nº 4, em 7/4/2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Disciplina o uso dos recursos de tecnologia da informação do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências.

Leia mais

ANEXO I Solicitação de acesso à rede corporativa (S.A.R.C) Poder Executivo do (RS) Cadastramento Bloqueio Desbloqueio Exclusão Justificativa Nome: Setor: Função: CPF: Identidade: Matricula: Ramal: Nome

Leia mais

Programa Normativo Instrução Normativa e Procedimentos de Segurança da Informação

Programa Normativo Instrução Normativa e Procedimentos de Segurança da Informação Código: PN.GITI.001 Data: 20/09/2010 Versão: 1 Página: 1 de 7 1. Conceituação A Unimed João Pessoa considera a informação como um dos principais ativos da organização, devendo por isso, ser protegida de

Leia mais

RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 71, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2003

RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 71, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2003 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 71, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2003 Dispõe sobre padronização e utilização dos Serviços de Correio Eletrônico Oficial dos Órgãos e Entidades do Poder Executivo da Administração Pública Estadual

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 1786/2015 - Quinta-feira, 06 de Agosto de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 FL. 2 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia

Leia mais

Fim do contrato por prazo determinado: este contrato termina no fim do prazo ou quando finda a obra para a qual foi o empregado contratado.

Fim do contrato por prazo determinado: este contrato termina no fim do prazo ou quando finda a obra para a qual foi o empregado contratado. Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 25 RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Na doutrina não há unanimidade no uso dos termos qualificadores do término do contrato de trabalho, são empregadas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA ESTRUTURA DE INFORMÁTICA Introdução Este documento foi elaborado pela Central de Tecnologia da Informação da FACOL e aborda a segurança da Rede

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DATA: 25/01/2016 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2 25/01/2016 ÁLVARO BARBOSA SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 3 II. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES... 4 II.1 - COMITÊ EXECUTIVO... 4 II.2 - CONTROLES

Leia mais

Manual do Jovem Aprendiz

Manual do Jovem Aprendiz Manual do Jovem Aprendiz Seja bem-vindo ao Manual Jovem Aprendiz! Aqui você encontra todas as informações sobre a estrutura e o funcionamento do Programa Jovem Aprendiz CIEDS. Esperamos que, com este

Leia mais

Secretaria Estadual de Educação Governo do Estado de Goiás. Gerência de Suporte, Redes e Novas Tecnologias

Secretaria Estadual de Educação Governo do Estado de Goiás. Gerência de Suporte, Redes e Novas Tecnologias Secretaria Estadual de Educação Governo do Estado de Goiás Gerência de Suporte, Redes e Novas Tecnologias Criada em: Julho de 2005 Atualizada em: Dezembro de 2008 1 Política de Utilização da Rede Política

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA OCORRENCIAONLINE.COM

CONTRATO PARTICULAR DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA OCORRENCIAONLINE.COM CONTRATO PARTICULAR DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA OCORRENCIAONLINE.COM De um lado, a empresa OcorrenciaOnline.com Informática Ltda, com sede em São Paulo, na Av. Rouxinol, 1041 - cj 1402, bairro Moema,

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS, QUE PODERÃO

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 4º Semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 4º Semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula 1. Conceito. 2. Cessação do contrato por decisão do empregador. Dispensa sem justa causa. Dispensa por justa causa. 3. Cessação do contrato por decisão do empregado. Pedido de demissão. Rescisão indireta.

Leia mais

RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002 Define políticas, normas e procedimentos que disciplinam a utilização de equipamentos, recursos e serviços de informática do Unilasalle. O Reitor

Leia mais

Câmara Municipal de Sinop

Câmara Municipal de Sinop CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP - ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STI 001/2011 Versão: 01 Aprovação em: 06/12/2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Administração CAD STI: Sistema de Tecnologia

Leia mais

WEBMAIL Política de Uso Aceitável

WEBMAIL Política de Uso Aceitável WEBMAIL Política de Uso Aceitável Bem-vindo ao Correio Eletrônico da UFJF. O Correio Eletrônico da UFJF (Correio-UFJF) foi criado para ajudá-lo em suas comunicações internas e/ou externas à Universidade.

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011.

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. Regulamenta o uso do correio eletrônico institucional e normatiza as regras para criação e exclusão de caixas postais institucionais. TÍTULO I DO OBJETIVO

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Página 1 de 5 Código de Conduta e Ética 2012 Resumo A SAVEWAY acredita que seu sucesso está pautado na prática diária de elevados valores éticos e morais, bem como respeito às pessoas, em toda sua cadeia

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS RESOLUÇÃO TC Nº 17, DE 22 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre a Política de Uso Aceitável dos Recursos de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O DO ESTADO DE PERNAMBUCO,

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Código: PSI_1.0 Versão: 1.0 Data de Publicação: 28/05/2014 Controle de Versão Versão Data Responsável Motivo da Versão 1.0 28/05/2014 Heitor Gouveia Criação da Política

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DOS RECURSOS DE INFORMÁTICA IBREPE INSTITUTO BRSASILEIRO DE PESQUISA EDUCACIONAIS

POLÍTICA DE SEGURANÇA DOS RECURSOS DE INFORMÁTICA IBREPE INSTITUTO BRSASILEIRO DE PESQUISA EDUCACIONAIS POLÍTICA DE SEGURANÇA DOS RECURSOS DE INFORMÁTICA IBREPE INSTITUTO BRSASILEIRO DE PESQUISA EDUCACIONAIS MANTIDAS FIA FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA CIAM COLÉGIO INTEGRADO AMERICANO São Bernardo do Campo

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA O Campus Passo Fundo do Instituto Federal Sul-rio-grandense, através do Centro de Informática,

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe Universidade Federal de Sergipe Centro de Processamento de Dados Coordenação de Redes Regras de Acesso à Rede Sem Fio da UFS 1. DESCRIÇÃO A rede sem fio do projeto Wi-Fi UFS foi concebida para complementar

Leia mais

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO Departamento de Tecnologia da Informação Públicado em julho de 2014 Cachoeiro de Itapemirim ES Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE E DIRETRIZES DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TERMO DE RESPONSABILIDADE E DIRETRIZES DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TERMO DE RESPONSABILIDADE E DIRETRIZES DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA INFORMAÇÕES GERAIS O presente Termo de Responsabilidade da FESP abrange um conjunto de recomendações relacionadas com a segurança da informação

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Vulnerabilidade do software Softwares comerciais contém falhas que criam vulnerabilidades na segurança Bugs escondidos (defeitos no

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre critérios de uso e segurança dos recursos de Tecnologia da Informação do Conselho Nacional

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

PORTARIA N. 8.604, de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.604, de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.604, de 05 de novembro de 2013. Altera a Política de Segurança da Informação no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A PRESIDENTE DO, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

CORREIO inotes. Para acessar o Correio inotes é necessário acessar a Internet.

CORREIO inotes. Para acessar o Correio inotes é necessário acessar a Internet. CORREIO inotes Para acessar o Correio inotes é necessário acessar a Internet. Na sua Área de Trabalho execute dois cliques rápidos no ícone do Internet Explorer. Ao ser exibida a primeira tela do Internet

Leia mais

Políticas de Segurança a da Informação e Aspectos Legais. Qual é o impacto para a sua empresa? Paulo Roberto Runge Filho

Políticas de Segurança a da Informação e Aspectos Legais. Qual é o impacto para a sua empresa? Paulo Roberto Runge Filho Políticas de Segurança a da Informação e Aspectos Legais Qual é o impacto para a sua empresa? Paulo Roberto Runge Filho Qual é o patrimônio mais importante dentro da sua empresa? A informação representa

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE TI

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE TI POLÍTICA DE SEGURANÇA DE TI 1 ÍNDICE 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 3 2. PROPÓSITO... 3 3. ABRANGÊNCIA... 3 4. DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 5. DAS DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS... 6 6. DOS COMPROMISSOS... 8 7. DOS

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Direito

Universidade de São Paulo Faculdade de Direito Universidade de São Paulo Faculdade de Direito Política de Segurança de Informação Classificação: Normas internas - Manual de Procedimentos Rev. 2.0 Data: 06/08/2014 Índice 1. Introdução... 3 2. Correio

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE E-MAIL PARA ESCOLAS E ADMINISTRAÇÃO NACIONAL

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE E-MAIL PARA ESCOLAS E ADMINISTRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE E-MAIL PARA ESCOLAS E ADMINISTRAÇÃO NACIONAL DEFINIÇÕES: ESCOLA: toda unidade franqueada CNA. FRANQUEADO/OPERADOR: todo aquele que ingressa na rede CNA, através da formalização

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E DO CORREIO ELECTRÓNICO NA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA (VERSÃO 1.0 2005-12-09) Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 CÓDIGO DE CONDUTA...2 2.1 CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comissão de Segurança da Informação Núcleo de Governança Corporativa de TIC Setor de Segurança da Informação Revisão: 1.1 Vigência: 12/02/2016 Classificação:

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA Sumário 1. Objetivo 2. Campo de aplicação 3. Documentos de Referência 4. Definições 5. Condições gerais 6. Condições de Acesso aos Recursos 7. Autenticação de Usuários 8. Recursos de Hardware e Software

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

Política de Segurança da Informação FRAM Capital DTVM S.A.

Política de Segurança da Informação FRAM Capital DTVM S.A. Política de Segurança da Informação FRAM Capital DTVM S.A. Este Manual foi desenvolvido e é atualizado pela área de Tecnologia da Informação da FRAM CAPITAL DTVM. As informações aqui contidas estão sujeitas

Leia mais

Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará Agenda Projeto Realizado Política de Segurança da ALCE Próximos passos Projeto realizado Definição/Revisão da Política de

Leia mais

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013 Assunto: Estabelece normas

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Tito Global Trade Services Página 1 de 14 O objetivo deste documento é definir normas de utilização dos recursos de rede, dados e comunicação pelos colaboradores TITO

Leia mais

Contrato de Desenvolvimento de Site ou Sistema

Contrato de Desenvolvimento de Site ou Sistema Contrato de Desenvolvimento de Site ou Sistema Contratada - PRODUCT WEB EIRELI - ME, com sede à Rua, Adão, nº 48, jardim são pedro, cidade de Barueri, Estado São Paulo - SP, inscrita no CNPJ sob o nº 15.562.757/0001-46,

Leia mais

Malote Digital. Manual do usuário

Malote Digital. Manual do usuário Malote Digital Manual do usuário Brasília, Novembro de 2014 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 03/10/2011 1.4.1 Elaboração do Documento Rodrigo Antunes 01/07/2013 1.8.0.0 Atualização do Documento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Dispõe acerca de normas referentes à segurança da informação no âmbito da CILL Informática S/A. Goiânia-Go, novembro de 2015 Política de Segurança da Informação CILL

Leia mais