Boa. Pouca. Boa. Pouca OPERAÇÃO. Inteligência Competitiva. ESTRATÉGIA: Conhecimento + Análise + Visão VENCEDOR. AÇÃO sem VISÃO é Desperdício

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boa. Pouca. Boa. Pouca OPERAÇÃO. Inteligência Competitiva. ESTRATÉGIA: Conhecimento + Análise + Visão VENCEDOR. AÇÃO sem VISÃO é Desperdício"

Transcrição

1 Inteligência Competitiva ESTRATÉGIA: Conhecimento + Análise + Visão VISÃO sem AÇÃO Boa É apenas SONHO VENCEDOR Pouca Risco de Extinção AÇÃO sem VISÃO é Desperdício OPERAÇÃO Experiência Pouca Boa Habilidade Ação 1

2 Mudanças de Paradigma na Nova Economia 1 Na nova Economia é necessário compreender um aparente paradoxo: - Para ser competitivo é preciso cooperar. (Wilian Ury) - Por vezes, a melhor maneira de ser bemsucedido é permitir que os outros se dêem bem, inclusive seu concorrente! (Brandenburger) 2

3 Mudanças de Paradigma na Nova Economia 2 O problema das empresas não se resume mais em SER PEQUENO, mas em, ESTAR ISOLADO (Michael Porter) 3

4 CONCEITOS DE COMPETITIVIDADE: COMPETIÇÃO: ganhar valor através da superação sistemática do outro. Chegar na frente, vencer o jogo, obter resultados. Lógica:Ganha/Perde. (Tipo de Jogos: SOMA = ZERO e SOMA ZERO) COOPERAÇÃO: Criar valor através da complementaridade, especialização e agregação estratégica de forças Lógica: Ganha/Ganha (Tipo de Jogo: SOMA ZERO) CO-OPETIÇÃO: A superação sistemática do outro através da cooperação.com quem Cooperar e contra quem Competir? Lógica: 1 o Cooperar (Tamanho do Bolo) e 2 o Competir (Pela Fatia do Bolo) VANTAGEM COMPETITIVA: Criar e sustentar uma diferença: Sustentar um desempenho acima da média. É a superação sistemática de si mesmo = superar os meus limites. ESTRATÉGIA COMPETITIVA: Definir um foco e se posicionar com Vantagem Competitiva (agregar) numa cadeia de valor. 4

5 Co-opetition Ray Noorda (NOVELL) Barry Nalebuff (Yale School of Management) Fundamentos: Teoria do Jogos (matemático John Von Neumann e o economista Oskar Morgenstern) O que é Teoria dos Jogos? Compreende um conjunto de conhecimentos de matemática aplicada que permitem desenvolver estratégias num contexto em que os ganhos de uma pessoa dependem dos ganhos de outros. Tipos de Jogos: Competitivos: Soma = Zero & Soma < Zero (destrói valor) Colaborativos: Soma > Zero (cria Valor) 5

6 6

7 PRINCÍPIO DA CO-OPETIÇÃO A COOPERAÇÃO CRIA VALOR. A COMPETIÇÃO DIVIDE VALOR O segredo é : Primeiro: COOPERAR para criar Valor Depois : COMPETIR, para Ganhar Valor 7

8 Desafio dos Dirigentes na Nova Economia Desenvolver a capacidade de assumir atitudes CO-OPETITIVAS, na seguinte ordem: I CRIAR VALOR resulta de um processo essencialmente COOPERATIVO II GANHAR VALOR resulta de um processo essencialmente COMPETITIVO (Brandenburger & Nalebuff : COOPETITION) 8

9 AS DIMENSÕES DA CO-OPETIÇÃO ATORES: Fornecedores, Entidades, Produtores e Clientes. POSICIONAMENTO: Competidores X ou Complementares. UTILIDADE/VALOR AGREGADO: Um complementar agrega valor ao produto. Um competidor diminui valor do teu produto. REGRAS: Todos os negócios são regidos por um conjunto de regras; institucionais, ambientais, éticas e contratuais. PERCEPÇÃO: Modelo mental vigente: valores e práticas predominantes que determinam os relacionamentos entre atores. ESCOPO: Abrangência. Conexões com outros jogos. Como este jogo pode afetar outros jogos e vice-versa. Visão sistêmica = a distância e a qualidade da visão estratégica 9

10 FORMAS DE POSICIONAMENTO NA CADEIA DE VALOR COMPLEMENTAR-1: Um ATOR será complementar se o CLIENTE/CONSUMIDOR valorizar mais o seu produto ao usá-lo junto com o complementar do que sem ele COMPLEMENTAR-2: Um ATOR será complementar se o FORNECEDOR considerar que é mais vantajoso fornecer para ambos do que apenas para você. COMPETIDOR-1: Um ATOR será competidor se o CLIENTE/ CONSUMIDOR valorizar menos o seu produto quando o produto similar está disponível. COMPETIDOR-2: Um ATOR será competidor se o FORNE- CEDOR considerar que é mais vantajoso fornecer para apenas um cliente do que para vários. 10

11 COMPLEMENTARES EXPANDEM O MERCADO COMPETIDORES DIVIDEM O MERCADO A INTEL está investido significativamente no mercado de software para TELECONFERÊNCIA, pois este tipo de software exige processadores de elevado desempenho. Se não fizer isto, a continuidade do desenvolvimento dos processadores corre sério risco 11

12 CRIANDO VALOR MELHORES PRÁTICAS & PERFORMANCE 12

13 Criando valor na Nova Economia Área Qualidade Engenharia simultânea Sistemas produção e informação Produção enxuta Logística e distribuição Organização e cultura P R Á T I C A Gestão Processos, Benchmarking Desenvol. Prod + Processos +fornece-dores + necessidades mercado Automação de processos e Integração da TI: Gestão conhecimento Flexibilidade, foco, estratégia produtiva, parcerias e Aval. Desemp. Gestão Cadeia Produtiva Visão negócio na cadeia produtiva, estrutura organizacional, estilo gestão, capacitação e orientação resultados PERFORMANCE Confiabilidade, produtiv. e satisf. clientes Velocidade da inovação e resolução problemas Velocidade e eficiência do processamento de ordens prod/serviço Produtividade, ciclos, armazenagem, rotativ. Tempo respost. Fornec. Moral e comprometimento das pessoas 13

14 Defesa Tese Doutorado Silene Seibel: Conclusões sobre a situação e posição das empresas P E R F O R M A N C E CRIANDO VALOR: PRÁTICAS & PERFORMANCE MELHORES PRÁTICAS IMPLANTADAS Extinção 2% Vulneráveis 27,4% Export. SC Europa Classe mundial 2% Promissoras 7,8% 14

15 GANHANDO VALOR COMPETIÇÃO & POSICIONAMENTO = INTELIGÊNCIA COMPETITIVA 15

16 16

17 Inteligência Competitiva Estratégia Competição (Contra quem?) Diluindo Vantagens Destruindo Valor - - Dividindo Valor Cooperação (Com Quem?) Fortalecendo Vantagens Criando Valor + + Expandindo Valor Valor Foco do Negócio. Papel na cadeia de Valor Local/Global Cadeia Prod. Forneced/Assist/Suporte Mercado Local Cliente/Consum. Logística/Distrib/ Mercado Global N o Atividades Posic. na Cadeia Padrões Técnicos Tamanho Mercado 17

18 Foco do Negócio Papel na Cadeia de Valor Vantagem Competitiva Local/Global Insumos/materiais Processos/tecnologia Assistência técnica MO Qualificada Local Cliente/Usuário Tempo de resposta Abrangência da Solução Sacrifício exigido Logística/Distribuição Global Complementares Concorrentes Concorrentes 18 Complementares

19 Cadeia Produtiva Competidor (-2,-1) Neutro (0) Complementar (+1,+2) Fornecedores Serviços Apoio Inst. Formação Inst. Pesquisa Clientes Distribuidores Logistica Consumidores Governo Local Estadual Federal 19

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida!

Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida! Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida! Sobre a Store Automação A Store Automação é uma das empresas líderes em TI no Brasil. Especializada em softwares orientados à logística e com vinte anos de atuação,

Leia mais

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação.

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação. Capítulo 2 1 Enfrentar a concorrência com tecnologias da informação 2 Objectivos ƒ Identificar estratégias de concorrência básicas e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

Estratégias Competitivas: Escolha 4 Fatores Chaves de Sucesso

Estratégias Competitivas: Escolha 4 Fatores Chaves de Sucesso Estratégias Competitivas: Escolha 4 Fatores Chaves de Sucesso 1: Dar poder aos funcionários da linha de frente (atuam no cliente) 2: Recompensar redução desperdício e melhorias contínuas 3: Oferecer o

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais Marco A. Silveira Dezembro, 2011 SUMÁRIO Introdução à sustentabilidade Cooperação Capital intelectual Cooperação e

Leia mais

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS

GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Apresentação: Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências de

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Por que escolher a Oplay Logística?

Por que escolher a Oplay Logística? Por que escolher a Oplay Logística? Porque a Oplay Logística tem soluções completas e inovadoras que a sua empresa precisa. Porque a Oplay Logística oferece serviços diferenciados desenhados de acordo

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

Prof. Dr. Francisco Chaves

Prof. Dr. Francisco Chaves GESTÃO DE PROJETOS - 1 Escola de Engenharia de Lorena (Depto. Engenharia Química) Prof. Dr. Francisco Chaves chaves@dequi.eel.usp.br Características do Mundo Empresarial Velocidade das mudanças: Impacto

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO Time-based Competition Silvana Tiburi Bettiol Time is money Será? Ondas de Inovação de Processos Processo evolutivo adaptação da organização ao ambiente Ondas de Inovação de

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço ou Product-Service System (PSS) ÁUREA RAPÔSO Doutoranda em Engenharia Industrial (PEI/UFBA) Professora e Pesquisadora do IFAL Campus Maceió Bolsista CAPES

Leia mais

Análise Interna: Seu Empreendimento Agro está gerando valor?

Análise Interna: Seu Empreendimento Agro está gerando valor? Análise Interna: Seu Empreendimento Agro está gerando valor? Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org): Sócio do Markestrat e coordenador do núcleo de estudos e projetos em gestão estratégica

Leia mais

Aspectos Gerais sobre Proposta de valor; Estratégias genéricas e Estratégia do Oceano Azul:

Aspectos Gerais sobre Proposta de valor; Estratégias genéricas e Estratégia do Oceano Azul: Aspectos Gerais sobre Proposta de valor; Estratégias genéricas e Estratégia do Oceano Azul: Gustavo Buoro e David Kallás Proposta de Valor De forma muito simples, a definição de proposta de valor é o que

Leia mais

Inovação na cadeia produtiva

Inovação na cadeia produtiva CRI Minas BH, 21 Mar 2013 Inovação na cadeia produtiva Renato Garcia Poli/USP renato.garcia@poli.usp.br Novo paradigma tecnológico Reestruturação das grandes empresas Especialização nas competências centrais

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy?

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy? Por que a sua empresa merece Quem somos? A Otimizy Sistemas Inteligentes é a desenvolvedora do software ErpSoft, um Sistema de Gestão Empresarial voltado a resultados, que automatiza processos operacionais

Leia mais

Agenda. Modelagem de Sistemas de Informação II. Por que é importante gastar tempo estudando Requisitos? Aula 1 - Introdução.

Agenda. Modelagem de Sistemas de Informação II. Por que é importante gastar tempo estudando Requisitos? Aula 1 - Introdução. Modelagem de Sistemas de Informação II Aula 1 - Introdução Eber Schmitz Núcleo de Computação Eletrônica Universidade Federal do Rio de Janeiro Agenda Por que é importante gastar tempo estudando Requisitos?

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

O CONSULTOR DO FUTURO CRA- RJ 10/07/2013

O CONSULTOR DO FUTURO CRA- RJ 10/07/2013 O CONSULTOR DO FUTURO CRA- RJ 10/07/2013 ESCOLHE UM TRABALHO QUE AMES E NÃO TRABALHARÁS UM DIA DE TUA VIDA! (Kung-Fuh-Tsê, há 25 séculos!) O QUE É CONSULTORIA? e O QUE FAZ O CONSULTOR? CONSULTORIA NÃO

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

EFICAZ. Conduzindo Soluções

EFICAZ. Conduzindo Soluções MISSÃO Comprometimento com os objetivos de nossos clientes, oferecer-lhes soluções logísticas inovadoras com a percepção de agilidade, qualidade e segurança. VISÃO Investir em tecnologia e aprimoramento

Leia mais

Aula 3. Consolidação do profissional como consultor

Aula 3. Consolidação do profissional como consultor Aula 3 Consolidação do profissional como consultor Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Capítulo 2 OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Manual de consultoria empresarial: conceitos,

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Quem somos. * Empresa liderada por profissionais com larga experiência no mercado de food service.

Quem somos. * Empresa liderada por profissionais com larga experiência no mercado de food service. Perfil empresarial Do que iremos falar Quem somos Nossas marcas Nossa visão Nosso posicionamento estratégico Nossa política de qualidade Nossos projetos de evolução Nossos clientes felizes Quem somos *

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Sistemas para Gestão e Inovação

Sistemas para Gestão e Inovação Sistemas para Gestão e Inovação empresa A ACCION é uma empresa de software, inovação, relacionamento e suporte à gestão. O nome ACCION, tem origem na vocação de nossa empresa: AÇÃO! Nos segmentos que atuamos,

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição.

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. TURMA 3 Master in Business Administration Especialização Lato-Sensu GESTÃO ESTRATÉGICA DA PRODUÇÃO E QUALIDADE GESTÃO FARMACEUTICA EMPRESARIAL

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Estudos prospectivos. ABIT, ABDI, CETIQT, empresas & universidades. 6 estratégias. 7 vetores portadores de futuro

Estudos prospectivos. ABIT, ABDI, CETIQT, empresas & universidades. 6 estratégias. 7 vetores portadores de futuro 2 Estudos prospectivos ABIT, ABDI, CETIQT, empresas & universidades 6 estratégias 7 vetores portadores de futuro Estudo prospectivo T&C: 6 estratégias para 2023 MERCADO Aumentar a percepção de valor dos

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 244 ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 1 Entrevista com Francisco Diretor de Articulação Nacional da ABRAIC, sobre a profissão de analista de inteligência competitiva

Leia mais

Apresentação. I n o v a ç ã o e T e c n o l o g i a a o s e u a l c a n c e.

Apresentação. I n o v a ç ã o e T e c n o l o g i a a o s e u a l c a n c e. I n o v a ç ã o e T e c n o l o g i a a o s e u a l c a n c e. Apresentação A d v a n c e d I n f o r m á t i c a L t d a. w w w. a d v a n c e d i n f o. c o m. b r ( 1 1 ) 2 9 7 6-7044 Quem Somos? A

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Planejamento de Processo Engenharia de Produção. Prof. MSc. Renato Luis Garrido Monaro prof.renatomonaro@gmail.com 2S - 2013

Planejamento de Processo Engenharia de Produção. Prof. MSc. Renato Luis Garrido Monaro prof.renatomonaro@gmail.com 2S - 2013 Planejamento de Processo Engenharia de Produção Prof. MSc. Renato Luis Garrido Monaro prof.renatomonaro@gmail.com 2S - 2013 Resolução Lista de Exercícios Sistemas de Administração da Produção Cap. 1 Livro

Leia mais

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim.

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. Empreendedorismo privado geração de riquezas Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. 1 Modelo de gestão com mais de 80 anos, originalmente relacionado

Leia mais

Gestão do Valor Tecnológico

Gestão do Valor Tecnológico Maison do Conhecimento Grupo ECC Gestão do Valor Tecnológico A Tecnologia Gerenciada como Ativo CONFIDENCIAL Sobre o Grupo ECC www.grupoecc.com.br O grupo é formado por empresas de consultoria, tecnologia,

Leia mais

MBA: Master in Project Management

MBA: Master in Project Management Desde 1968 MBA: Master in Project Management Projetos e Tecnologia da Informação FMU Professor: Marcos A.Cabral Projetos e Tecnologia da Informação Professor Marcos A. Cabral 2 Conceito É um conjunto de

Leia mais

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br abraman Congresso de Manutenção - 2001 EFEITOS DA TERCEIRIZAÇÃO SOBRE A MANUTENÇÃO Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br Terceirização é a transferência para terceiros de atividades que

Leia mais

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA PRÁTICA PARA TELECOM: como vencer num ambiente co-opetivo. São Paulo

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA PRÁTICA PARA TELECOM: como vencer num ambiente co-opetivo. São Paulo INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA PRÁTICA PARA TELECOM: como vencer num ambiente co-opetivo São Paulo 01/12/2011 A REVIE Inteligência A REVIE Inteligência Empresarial é uma empresa de consultoria, processos,

Leia mais

Prof.: Gilberto Onodera

Prof.: Gilberto Onodera Automação de Sistemas Prof.: Gilberto Onodera Aula 21-maio maio-2007 Revisão Conceitos de Macro-economia: Globalização Objetivo: Entender os principais drivers de mercado Economia de escala Paradigma da

Leia mais

CAPÍTULO 2 CONSOLIDAÇÃO DO PROFISSIONAL COMO CONSULTOR. Djalma de Pinho Rebouças de Oliveira Manual de Consultoria Empresarial

CAPÍTULO 2 CONSOLIDAÇÃO DO PROFISSIONAL COMO CONSULTOR. Djalma de Pinho Rebouças de Oliveira Manual de Consultoria Empresarial CAPÍTULO 2 CONSOLIDAÇÃO DO PROFISSIONAL COMO CONSULTOR 33 PRODUTO DA CONSULTORIA PRODUTO: Elo de ligação consultoria X empresa-cliente VANTAGEM COMPETITIVA: Característica que direciona o mercado para

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Empresários de pequeno, médio e grande

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO

AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS Compreender a estratégia de produção dentro da organização; Diferenciar requisitos de mercado e recursos de produção Reconhecer as prioridades diferentes

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

Exploring Corporate Strategy 7 th Edition

Exploring Corporate Strategy 7 th Edition Exploring Corporate Strategy 7 th Edition Parte III Opções estratégicas Opções estratégicas Opções estratégicas Estratégia competitiva ou de negócio (Cap. 5) Bases da estratégia competitiva Sustentabilidade

Leia mais

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação FGV/CIA/UFC Gastos e Investimentos % do Faturamento Média Grandes Empresas: 5,3% Média Indústria:

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston 1 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 3 O que é estratégia? Estratégia da produção Qual a diferença entre as visões de cima para baixo

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens.

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens. Brasil A pesquisa em 2015 Metodologia e Perfil 111.432 respostas na América Latina 44% homens 67.896 respostas no Brasil 0,5% Margem de erro 56% mulheres * A pesquisa no Uruguai ainda está em fase de coleta

Leia mais