OSS. Sistemas de Suporte à Operação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OSS. Sistemas de Suporte à Operação"

Transcrição

1 OSS Sistemas de Suporte à Operação

2

3 OSS Sistemas de Suporte à Operação As atuais redes de comunicação estão convergindo para um cenário em que a comunicação se torna cada vez mais factível, praticamente em qualquer momento com qualquer lugar. O mercado de produtos e serviços de conectividade principalmente no âmbito corporativo ganha competitividade crescente, especialmente com a popularização de serviços gerenciados e a intensificação da briga por novos segmentos, como pequenas e médias empresas. Também não resta dúvida de que as demandas e exigências dos usuários finais estão cada vez mais sofisticadas. Nesse contexto, as prestadoras de serviços de telecomunicações (operadoras) deverão estar preparadas para oferecer seus serviços com maior flexibilidade e com um grau mais elevado de customização. Para isso, devem ser capazes de designar e ativar os serviços em prazos mais curtos; cobrar de forma diferenciada (por meio de sistemas pré-pagos ou com base no uso, em combinação com o convencional emprego de tarifas flat, por exemplo); administrar o inventário físico e lógico de forma otimizada; gerenciar a força de trabalho e os pedidos de forma mais inteligente, sem falar na garantia de cumprimento de estreitos acordos de nível de serviço (Service Level Agreement SLA). É nesse novo mundo que cresce a relevância do papel de uma suíte OSS (Operations Support Systems ou Sistemas de Suporte à Operacão). O OSS é um conjunto de ferramentas de software que permite a automação das principais tarefas de cunho operacional, fazendo com que a operadora alcance ganhos de produtividade significativos, com a promessa adicional de redução nos custos operacionais. A esfera de ferramentas de software contemplada no conceito de OSS compreende todos os sistemas que possam garantir o suporte necessário para que uma operadora disponibilize seus produtos e serviços. Normalmente, mais da metade dos custos de uma operadora advém das operações, e um afinado ecossistema OSS é uma das chaves para a obtenção de maior eficiência e eficácia nessa área. Uma forma possível de categorizar os componentes do mundo OSS é apresentada a seguir, em que se identificam os componentes mais básicos de um sistema de prestação de serviços de telecomunicações: os estruturais e os processuais. Promon Business & Technology Review 3

4 COMPONENTES ESTRUTURAIS Os componentes estruturais são elementos de hardware e software que compõem a infra-estrutura fundamental para a viabilização de serviços de telecomunicações: Gestores de elementos São usados para configuração, controle, monitoramento contínuo e testes na infra-estrutura da rede. Em geral, se diferenciam pela tecnologia, plataforma e fabricante. Para uma operadora, os gestores de elementos são peças fundamentais do quebra-cabeças de gerência de redes, pois são utilizados em importantes tarefas envolvendo validação de parametrização e manutenção. Infra-estrutura de rede É composta tipicamente por diferentes tecnologias de comunicação de voz e dados, com hardware associado (próprio ou alugado). É peça essencial no desafio de construção do ferramental OSS, pois os sistemas de software estarão, via de regra, se relacionando logicamente com equipamentos e software pertencentes à infra-estrutura básica de acesso, transmissão, agregação, comutação e roteamento na operadora. Infra-estrutura de TI Compreende, entre outros, servidores, licenças de sistemas operacionais, sistemas de armazenamento de dados, LANs (Local Area Networks ou redes locais) e aplicativos selecionados. 4 Promon Business & Technology Review

5 COMPONENTES PROCESSUAIS Os componentes processuais são as competências que podem se beneficiar significativamente do emprego de ferramental OSS: Planejamento e administração Projeto, administração e planejamento de infra-estrutura de rede da operadora para atendimento a determinados serviços e eventuais expansões. Aprovisionamento de serviços Ativação de um cliente na rede de serviços da operadora. Abrange não só o serviço de conectividade propriamente dito, como também possíveis serviços agregados a ele (ex.: , web-hosting etc.). Serviço de monitoramento e garantia de entrega Monitoramento de desempenho dos serviços, aliado a controle contínuo de sua qualidade devido à potencial ocorrência de latência em transmissão, jitter e perda de informações. Sistema de cobrança Atividades ligadas ao procedimento de faturamento e cobrança pelos serviços prestados pela operadora. Serviço de atendimento a clientes Interface entre a operadora e o cliente quanto a aspectos relacionados com assinatura de serviços, troubleshooting e cobrança. Promon Business & Technology Review 5

6 Sistema de controle de inventário e sua relação com a estrutura de rede Planejamento e administração Essa competência é representada por um componente elementar de controle de inventário, responsável principalmente pela manutenção de um cadastro de hardware, software e dados de configuração da rede. Informações para rastreamento de equipamentos, sua localização na rede, status (em operação, em manutenção, a ser instalado) podem ser obtidos com uma consulta ao inventário. A inteligência de sistemas de software que apóiem essa função deveria permitir operação on-line, a fim de refletir a situação da rede a cada momento, minimizando, por exemplo, a possibilidade de duplicidade de dados. O sistema de inventário é relevante para as operadoras não somente para garantir o controle da infraestrutura que compõe a rede, mas também para facilitar outros processos operacionais, como, por exemplo, o pré-aprovisionamento de novos clientes (caso seja necessário instalar um novo roteador na rede, na procura de equipamentos ou portas disponíveis e na rápida localização de equipamentos defeituosos, caso haja uma chamada da equipe de manutenção). As operadoras atuam geralmente com substancial capilaridade; por isso, é importante manter um controle geográfico dos elementos da rede. Logo, o controle de inventário pode ser estendido para abranger também elementos como localização de dutos e cabos e mapas de cidades. Esses são elementos considerados fora da planta da rede e são tão importantes quanto os dados considerados dentro da planta da rede (equipamentos, portas etc.). Algumas soluções apresentam esses dois elementos integrados; outras os tratam separadamente. Aprovisionamento de serviços É o processo que contempla a ativação de um novo cliente na rede. O objetivo principal é automatizar ao máximo o procedimento de aprovisionamento, visando estabelecer a facilidade de conectividade e ativar o usuário no menor tempo possível. Um dos principais objetivos é alcançar o chamado flowthrough provisioning, isto é, a habilidade de oferecer o serviço ao cliente quase que instantaneamente, idealmente garantindo a ativação com uma requisição feita pelo próprio usuário final. Não é uma tarefa simples, haja vista que o aprovisionamento de serviços é uma das disciplinas mais complexas dentro da área de OSS, já que: 6 Promon Business & Technology Review

7 Principais etapas envolvidas no aprovisionamento de serviços a ativação envolve processos automáticos e manuais que devem ser executados seguindo uma ordem lógica. No caso, as operações manuais podem ter que ser executadas pela equipe operacional, ou até mesmo pelo cliente final; é preciso interligar diversos sistemas e seus respectivos gerenciadores e gerenciadores de aplicações em ambientes tipicamente multifornecedor/multitecnologia; pode ocorrer a necessidade de uma expansão da rede para permitir a conexão de clientes adicionais, além de contemplar picos e vales de demanda; em caso de falha de algum processo de aprovisionamento, pode ocorrer atraso no andamento de outros processos. Essa área é comumente atendida por diversos tipos de produtos, englobados em categorias como as descritas a seguir. Deve-se notar que, para uma solução completa de aprovisionamento, muitas vezes é necessário usar produtos pertencentes a diversas dessas categorias, podendo, eventualmente, ocorrer a sobreposição de determinadas funções. Gerenciadores de pedidos Um gerenciador de pedido recebe a chamada de aprovisionamento, que pode vir de um help-desk ou via portal web, por exemplo. Ele é responsável por disparar a execução ou ordenar requisições para uma série de tarefas com o objetivo de atender o pedido. Essas tarefas tanto podem ser manuais (com a possibilidade, inclusive, de levar semanas para serem executadas) quanto automáticas (executáveis instantaneamente). Têm como características gerais interface gráfica para facilitar a operação, geração de listas para a execução de tarefas manuais e geração de relatórios indicando a situação dos pedidos. Gerenciadores de fluxo de trabalho Esses produtos atuam na mesma área dos gerenciadores de pedido e são projetados para facilitar o acompanhamento de processos, ainda que não tenham associada a eles a lógica do negócio; tendem, portanto, a ser inespecíficos para um determinado processo. É uma vantagem que permite que sejam utilizados em outros processos (ex.: trouble ticket, CRM). Promon Business & Technology Review 7

8 Principais etapas do processo de service assurance Aprovisionamento de TI e de rede Os produtos destinados ao aprovisionamento de serviços de TI, em geral, contam com a capacidade de interagir com diversas modalidades de hardware e software e a possibilidade de roll back (o que permite desfazer as configurações, caso o aprovisionamento completo não possa ser executado). Já os produtos para aprovisionamento de rede dão suporte à ativação de serviços de conexões fim a fim dentro de redes de transmissão (ex.: WDM, SDH) e de transporte (ex.: ATM, frame relay, IP). Soluções best of breed em geral competem diretamente com os sistemas de gerenciamento fornecidos, muitas vezes, pelos próprios fabricantes do hardware de conectividade. A interoperação conjunta com o sistema de inventário é importante, pois é preciso capturar informações sobre a topologia de rede e a disponibilidade de circuitos lógicos com freqüência, visando minimizar erros e agilizar o disparo de comandos de ativação. Serviço de monitoramento e garantia de entrega Esse processo envolve o monitoramento e garantia de qualidade dos serviços prestados pela operadora. Aqui reside a responsabilidade pelo controle do cumprimento dos níveis de serviço acordados (SLAs - Service Level Agreements), por meio do monitoramento das redes. Gestão de alarmes Os alarmes indicadores de potenciais problemas, gerados em diversas áreas na rede (ex.: acesso, transmissão etc.), são agrupados conforme as áreas responsáveis e disponibilizados num console. Alguns alarmes podem gerar automaticamente um pedido de manutenção (o chamado trouble ticket) ou podem ser tratados de forma automatizada. Uma das necessidades típicas é mapear o alarme gerado e as conseqüências que isso pode acarretar para determinado cliente e serviço. Para apoiar tal tarefa, muitas ferramentas modernas fazem, inclusive, uso de engines calcados em inteligência artificial. Gestão de desempenho É a parte responsável por coletar dados e gerar alarmes enviados para a área de tratamento de alarmes quando é ultrapassado algum limite (threshold) relacionado com o desempenho da comunicação. Relatórios de acompanhamento e apoio a planejamento de capacidade também devem ser produzidos aqui. Compreende normalmente procedimentos de grau mais elevado de complexidade relativa, tendo em vista a riqueza de parâmetros, métricas e algoritmos a serem considerados na administração de QoS (Quality of Service) e, em conseqüência, de SLAs. 8 Promon Business & Technology Review

9 Principais procedimentos que compõem o faturamento Fluxo de atividades de trouble ticket São os componentes responsáveis por administrar o fluxo de informações em caso, por exemplo, de um pedido de manutenção. Normalmente, os fluxos de trouble ticket requerem a intervenção humana (ex.: caso de envio do pessoal de manutenção para uma determinada localidade). Como o componente de trouble ticket está diretamente ligado aos clientes finais já que o pedido de manutenção do cliente final costuma dar início a todo o processo, ele é freqüentemente usado como ferramenta de apoio ao help desk. Sistema de cobrança Com o passar do tempo e a evolução no cenário de prestação de serviços das operadoras, aumentou o gradiente de estratégias e táticas de faturamento e cobrança. Basta lembrar de possibilidades como tarifação por tráfego utilizado ou por tipo de dados, serviços pré-pagos, conteúdo de acesso pago, entre outras. Isso só contribuiu para a elevação da criticidade e relevância do sistema de faturamento. Mediação Componente responsável pela aquisição das informações relacionadas com o uso de uma determinada rede de comunicações, gerando UDRs (Usage Data Records). Um UDR pode representar de ligações telefônicas a transferências de arquivo, ou outra operação em rede de dados ou voz. Esse componente faz a interface com a infra-estrutura de conectividade (ex.: comutadores, roteadores etc.), suportando um alto volume de tráfego e, via de regra, agrupando os diversos UDRs em SDRs (Service Data Records), organizando e categorizando as informações coletadas. Tarifação e faturamento Área responsável por classificar as cobranças (tipo, duração, tamanho, hora etc.) e gerar um consolidado, inclusive avaliando eventuais descontos, bonificações e créditos. Dessa maneira, deve ter informações de clientes e produtos individualmente e/ou em combinações (pacotes), sendo essas informações, na maioria dos casos, provenientes de outros sistemas ou áreas da própria operadora. Uma subcategoria (tarifação da interconexão) trata dos casos de tráfego entre operadoras (interconexão), seguindo um acordo previamente estabelecido sob a forma de regras de negócio. Promon Business & Technology Review 9

10 Serviço de atendimento a clientes Tradicionalmente, as operadoras têm um serviço de atendimento ao consumidor ou help desk, responsável pelo diálogo com o cliente. A área de atendimento ao cliente (customer care) utiliza muitas ferramentas do ecossistema de OSS para viabilizar a oferta de variadas facilidades de contato com o cliente. Utiliza, por exemplo, o sistema de billing para o cadastro de novos clientes, possibilita a demanda de manutenção pelo sistema de trouble ticket dentro da área de monitoramento e garantia de entrega, ou concretiza a demanda de instalação de serviço enviando-a para a área de aprovisionamento de serviços. Um conceito que está amadurecendo nesse contexto é o de self-service ou self-care aplicado a serviços de telecomunicações, conferindo maior conveniência para os clientes finais e vantagens econômicas para a operadora. Nessa demarcação popularizaram-se soluções de software que implementam conjuntos de funcionalidades associadas a práticas de CRM (Customer Relationship Management) na fronteira entre OSS e BSS (Business Support Systems), enfocando a interface entre o cliente e o núcleo do mundo OSS. Mercado O mercado latino-americano para OSS tem apresentado crescimento e é avaliado como detentor de um faturamento da ordem de aproximadamente meio bilhão de dólares. Estima-se que o mercado brasileiro responda por algo próximo de 40% a 50% desse valor. Duas tendências apresentam maior destaque: a substituição de soluções in-house por sistemas comerciais em grau acelerado (traduzindo-se, muitas vezes, na aquisição de sistemas best of breed e em serviços de integração de software) e a crescente demanda por sistemas de otimização operacional para ambientes de comunicação móvel. Também estão em alta ferramentas para viabilizar billing convergente e self-care, além do chamado customer analytics. 10 Promon Business & Technology Review

11 A despeito da onda de consolidação em vigor, diversos fornecedores de ferramental OSS estabeleceram presença comercial em tempos recentes no mercado latino-americano, tecendo alianças com empresas especializadas na instalação e configuração de redes complexas. Os projetos de planejamento e implementação de soluções OSS costumam apresentar-se como empreitadas de grau médio-alto de complexidade e devem ser gerenciados muito cuidadosamente. Seus custos variam geralmente de um a seis dólares para cada dólar de OSS comercializado para o cliente final, exigindo normalmente meses para execução. Na maioria dos casos, recomenda-se estabelecer uma série de parcerias, como, por exemplo, com fabricantes de equipamentos, fornecedores dos sistemas de OSS e/ou com integradores de sistemas, visando aumentar o grau de sucesso da implantação. Padrões e recomendações Evolução da abordagem OSS No mercado de telecomunicações, e em especial no segmento OSS, é essencial a criação de padrões, recomendações e modelos de referência que permitam garantir a interoperabilidade entre sistemas na criação da infra-estrutura para fornecimento de serviços, bem como a aderência a processos operacionais e seus fluxos e interfaces. Com esse pano de fundo e na esteira de essenciais colaborações prévias do ITU-T (ITU Telecommunication Standardization Sector), especialmente no âmbito técnico, com o advento do TMN (Telecommunication Management Network) surgiu o Network Management Forum (atual Telemanagement Forum ou TMFORUM), que centrou esforços na busca de padrões de facto da indústria, permitindo uma evolução rápida e eficaz no preenchimento dos gaps entre os fornecedores de sistemas, operadoras e outros provedores de serviços de telecomunicações. Vale destacar nessa evolução, como a mais importante contribuição, a introdução do conceito de Mapa de Operações de Telecom (TOM Telecom Operations Map), dentro da iniciativa Smart-TMN que, evoluindo para o atual NGOSS (Next Generation Operation Systems and Software) permitiu a criação do etom (enhanced Telecom Operations Map ), um abrangente modelo de processos de negócios para operadoras e provedores de serviços, alinhado com as necessidades operacionais e com a evolução dos conceitos de ferramentas de software voltadas para esse meio. Mas é preciso lembrar que a evolução do OSS está também intimamente ligada com os avanços na tecnologia da informação (TI) e com o advento de novos modelos de governança. Daí a popularização do trabalho da Central Computer and Telecommunication Agency (CCTA), que desenvolveu o ITIL (IT Infrastruture Library), conjuntos de melhores práticas para o gerenciamento eficaz do ambiente de TI. Recentemente, a análise conjunta e comparativa das diferentes abordagens (ex.: etom-itil Application Note) fornece um indício de convergência. Juntos, os modelos sugeridos por ITU-T, TMFORUM e CCTA complementam-se, permitindo um entendimento uniformizado e a viabilização de plataformas OSS mais flexíveis e com capacidade de evoluir na mesma velocidade que as novas tecnologias, os novos serviços e as novas necessidades dos clientes. Promon Business & Technology Review 11

12 Visão geral do TMN (ITU-T) A União Internacional de Telecomunicações (ITU) é o mais antigo órgão de padronização, criado em 1865 para gerenciar as primeiras redes de telegrafia. Nesses muitos anos, acompanhou o nascimento da telefonia de voz, a evolução das comunicações por rádio, a transmissão de sinais de TV, o lançamento dos primeiros satélites e, mais recentemente, a convergência tecnológica e o início da era da informação como um fórum neutro para confronto e negociações entre indústrias, governo e sociedade. Dentro da área de gerência de rede domínio familiar ao ecossistema OSS a ITU reserva um grupo de estudo específico e o conjunto de normas da série M, apesar de alguns aspectos também serem tratados em outras séries, como E (operação de redes) e Q (comutação e sinalização), entre outras. Foram consideradas como TMN as áreas de arquitetura, especificação da metodologia de interfaces, gerenciamento de serviços, gerenciamento de funções (independente de protocolos), gerenciamento de catálogos e modelos de informação, gerenciamento do registro das informações, protocolos de comunicação, sistemas de gerenciamento de serviço e mensagens (protocolos específicos), requerimentos de conformidade, perfis de padrões internacionais, terminologia e segurança. Visão geral do NGOSS e etom (TMFORUM) O TeleManagement Forum foi fundado em 1988 com o objetivo de acelerar a disponibilização de soluções interoperáveis de gerenciamento. Desde então, tem se adaptado à contínua evolução tecnológica e cenários de negócios, patrocinando alguns dos mais importantes eventos na área de OSS/BSS, tendo seus padrões sido adotados por outras entidades do mundo (ex.: ITU-T). Entre suas iniciativas, as que mais se destacam são: a NGOSS (Next Generation Operational Systems and Software) e o framework de processos de negócios para o mercado de telecomunicações etom (enhanced Telecom Operations Map ). Ambas as iniciativas têm como grande objetivo o aumento da sofisticação da automação dos processos de negócio do mercado de telecomunicações, de modo a aumentar a eficácia dos investimentos em soluções de OSS/BSS e propiciar ganhos expressivos em produtividade. NGOSS NGOSS é uma proposta de arquitetura lógica que tem como um de seus objetivos a promoção do desenvolvimento de produtos e soluções de OSS com vistas à elevação da flexibilidade e da facilidade de integração e gerenciamento de seus componentes. Para isso, fornece um conjunto de documentos que atendem as áreas técnicas e de negócios e define uma abordagem de ciclo de vida para a definição dos processos, arquitetura de sistemas, implementação e teste de conformidade com os padrões estabelecidos. 12 Promon Business & Technology Review

13 Dessa maneira, o NGOSS Framework permite que todos os participantes entre fornecedores, parceiros, integradores e provedores de serviços desenvolvam seus negócios de maneira independente, mas com a garantia de maior facilidade e menores investimentos no momento da integração. Para isso, o NGOSS utiliza avançados conceitos e tecnologias, como UML, para criar um ambiente mais produtivo e eficaz, fornecendo um framework para análise dos processos de negócio, levantamento dos requisitos de projeto, desenho e arquitetura da solução, implementação e testes, permitindo que soluções complexas sejam desenvolvidas e processos manuais sejam automatizados em menos tempo e com menor necessidade de investimentos. etom O etom é um dos mais aceitos modelos de processos de negócio do ambiente de telecomunicações, abrangendo os principais processos de negócio de um provedor de serviços. É também considerado o mais importante elemento dentro do NGOSS Framework, pois, com seu mapa de processos, fornece os elementos-guia para a análise de requisitos de negócios e, conseqüentemente, o desenvolvimento da solução para melhor atendê-lo. Dessa maneira, pode ser utilizado pelos provedores de serviços como referência e modelo estratégico para a reengenharia de processos e desenho da arquitetura de OSS e estratégia de evolução para automação completa dos processos de negócio. Por parte dos integradores e fornecedores de sistemas, é utilizado como guia para o desenvolvimento de soluções e integração. No nível conceitual, o etom pode ser visto como sendo composto de três grandes áreas agregando processos relacionados: Strategy, infrastructure & product, que abrange o planejamento e gestão do ciclo de vida dos produtos. Operations, que abrange os processos-chave da gestão operacional. Enterprise management, que abrange os processos de suporte corporativo e de negócios. Os processos são estruturados de maneira hierárquica, permitindo uma decomposição em vários níveis e detalhando os aspectos mais relevantes de cada um como descrição, entradas, saídas, entre outros. Adicionalmente, são modelados os fluxos de processos fim a fim verticais, envolvendo clientes, empresa, recursos, fornecedores e parceiros, e também processos horizontais, envolvendo o cliente e as áreas internas de marketing, aprovisionamento, garantia de serviços e tarifação. Além disso: Identifica a importância dos processos relativos ao FAB (Fulfillment, Assurance and Billing), enfatizando os processos relativos à interface com o cliente. Modifica a visão de interface com o cliente para uma gestão orientada ao relacionamento, direcionando as ações e informações para o atendimento e personalização dos serviços por cliente. Reconhece a necessidade de um gerenciamento fim a fim independente de tecnologia, integrando redes, servidores e aplicações, incluindo gerenciamento interno de TI. Reconhece a necessidade de interação da empresa com entidades externas, inclusive com relação aos fluxos de processos, incluindo-os nos modelos conhecidos de e-business. Promon Business & Technology Review 13

14 Visão geral do ITIL (IT Infrastructure Library) O ITIL é hoje uma das abordagens mais difundidas e adotadas para o gerenciamento eficiente de serviços de TI, fornecendo um conjunto de melhores práticas consistentes e integradas para esse fim. Desenvolvido no final dos anos de 1980 pela Central Computer and Telecommunication Agency (CCTA) do governo britânico, o ITIL teve como principal motivador de seu desenvolvimento o reconhecimento de que, nos últimos tempos, as organizações estão se tornando cada vez mais dependentes de TI para atender seus objetivos de negócio. Com o crescimento dessa dependência, surgiu a necessidade de buscar a máxima eficiência na prestação desses serviços, tanto internamente (na própria empresa) como externamente (para clientes e fornecedores), sendo que o ITIL procurou abordar a maioria dos requisitos fundamentais para o atendimento dessas metas. Inicialmente, o ITIL era composto por dez livros principais e mais trinta outras publicações complementares, sendo que depois de revisões, o conjunto ficou composto por oito publicações, com os livros Service Support e Service Delivery constituindo os pilares dessa estruturação. Os principais elementos dos grupos do ITIL podem ser integrados como peças de um quebra-cabeça, sendo que algumas delas se encaixam perfeitamente em outras com uma pequena sobreposição, porém sem grandes conseqüências para o modelo. Algumas das vantagens da utilização do ITIL como orientador do processo de mapeamento e definição de processos numa empresa são sua orientação para a qualidade dos serviços e a abordagem integrada e coordenada para a oferta de serviços de TI. Além disso, o ITIL é adaptável a vários tipos de organização com um modelo consistente e claramente orientado a processos, o que permite sua utilização para a realização de benchmarking entre as empresas. Outra vantagem está no fato de que o ITIL é um modelo de domínio público baseado em melhores práticas e que favorece a aplicação de todas as metodologias de qualidade em uso atualmente, como ciclos PDCA, alinhamento de demandas (de negócio, clientes e usuários) e indicadores de performance. 14 Promon Business & Technology Review

15

16 OSS Sistemas de Suporte à Operação Texto Jorge Leonel Amaury Mausbach Supervisão Renata Randi Jorge Leonel Colaboração Werther Krause Silvana Mizono Ricardo Sofiatti Eduardo Kido Projeto gráfico Art Urb Ilustrações Caio Borges Coordenação Danilo Sella Revisão Escrita Av. Pres. Juscelino Kubitschek, São Paulo SP Praia do Flamengo, Rio de Janeiro RJ Brasil Promon S.A. Promon Business & Technology Review é uma publicação da Promon com circulação dirigida e distribuição gratuita para clientes, parceiros e empresas cadastradas. Todos os direitos reservados. Promon e Promon Business & Technology Review são marcas registradas da Promon. Todas as outras marcas mencionadas são de propriedade das respectivas companhias. Reprodução total ou parcial, apenas sob consulta e com autorização expressa da Promon. As informações contidas nesta publicação são de inteira responsabilidade dos autores, são baseadas em conceitos testados e empregados no desenvolvimento de projetos específi cos e estão sujeitas a alterações de acordo com o cenário de mercado e os objetivos de cada projeto.

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI. Prof. Gislaine Stachissini

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI. Prof. Gislaine Stachissini Unidade IV GOVERNANÇA DE TI Prof. Gislaine Stachissini TMN - Telecommunication Management Network Definido como uma arquitetura padrão para o gerenciamento de redes de Telecom em 1986, utiliza o modelo

Leia mais

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI GOVERNANÇA DE TI Unidade IV 4 etom ENHANCED TELECOM OPERATIONS MAP 1 Em 1986, o International Telecommunications Union Telecommunications (ITU-T) definiu uma arquitetura-padrão para o gerenciamento de

Leia mais

Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom)

Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Vergílio Antonio Martins

Leia mais

Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum).

Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Como Sistemas de Suporte a Operação podem auxiliar na Manutenção das Linhas de Transmissão

Como Sistemas de Suporte a Operação podem auxiliar na Manutenção das Linhas de Transmissão Como Sistemas de Suporte a Operação podem auxiliar na Manutenção das Linhas de Transmissão Fabio Hashimoto Gerente de Portifólio Rio de Janeiro, 18 de Março de 2010 Copyright 2009 PromonLogicalis. Todos

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot. Curso ITIL Foundation Introdução a ITIL ITIL Introduction Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com Agenda Definição / Histórico Escopo Objetivos Benefícios e Problemas

Leia mais

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente;

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL Mas o que gerenciar? Gerenciamento de Serviço de TI. Infra-estrutura

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Os modelos atuais para governança partem de processos empresariais serviços prestados, modelos

Leia mais

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI ITIL Overview Gestão de Serviços de TI Sobre a ILUMNA Atuando na área Gerenciamento de Serviços em TI (ITSM) desde 1997, a ILUMNA presta serviços de Consultoria, Educação e Tecnologia, com o objetivo de

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL - Livros Estratégia de Serviços (Service Strategy): Esse livro

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Convergência TIC e Projetos TIC

Convergência TIC e Projetos TIC TLCne-051027-P1 Convergência TIC e Projetos TIC 1 Introdução Você responde essas perguntas com facilidade? Quais os Projetos TIC mais frequentes? Qual a importância de BI para a venda de soluções TIC (TI

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

Unidade I GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade I GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade I GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Objetivo Sistemas para redução de custos e aprimoramento de produção. Diferenciais de processos em seus negócios. Melhores práticas de gestão de tecnologia

Leia mais

Os Quadrantes do Modelo de Processo Última revisão feita em 23 de Agosto de 2007.

Os Quadrantes do Modelo de Processo Última revisão feita em 23 de Agosto de 2007. Os Quadrantes do Modelo de Processo Última revisão feita em 23 de Agosto de 2007. Objetivo Com o quarto artigo da nossa série teremos a oportunidade de entender como funcionam os quadrantes do Modelo de

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

1. Funcionalidades TMN

1. Funcionalidades TMN 1. Funcionalidades TMN Uma TMN pretende suportar uma ampla variedade de áreas gerenciais que abrange o planejamento, instalação, operação, administração, manutenção e provisionamento de serviços de telecomunicações.

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Daniela Ramos Teixeira Para vencer a guerra diária num cenário co-opetivo (competitivo e cooperativo), as empresas

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Como Aumentar a Produtividade Através de Processos Inteligentes na TI

Como Aumentar a Produtividade Através de Processos Inteligentes na TI Como Aumentar a Produtividade Luciana Ribeiro Apolinário AGENDA Apresentação Introdução ITIL Qualidade Diagnóstico Casos Reais Case Setor Público / Resultados Aumentando a Produtividade Considerações Finais

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos Básicos e Implementação Pref. Mun. Vitória 2007 Analista de Suporte 120 A ITIL (information technology infrastructure library) visa documentar as melhores práticas na gerência, no suporte e na

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Mapeamento do CPqD-OSP/Provisioning utilizando o framework de processos de negócios enhanced Telecom Operations Map (etom)

Mapeamento do CPqD-OSP/Provisioning utilizando o framework de processos de negócios enhanced Telecom Operations Map (etom) Mapeamento do CPqD-OSP/Provisioning utilizando o framework de processos de negócios enhanced Telecom Operations Map (etom) Simone Garcia Schmidt *, Tatiana Cristina Nogueira Pereira O New Generation Operations

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

ONE Service Desk. O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo:

ONE Service Desk. O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo: ONE Service Desk O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo: Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Mudanças BDGC (Banco

Leia mais

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL A Sytel Reply foi comissionada por uma grande operadora global de Telecom para o fornecimento de um Service Assurance de qualidade.

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

NAVITA SGM SERVIÇOS GERENCIADOS DE MOBILIDADE

NAVITA SGM SERVIÇOS GERENCIADOS DE MOBILIDADE White Paper NAVITA SGM SERVIÇOS GERENCIADOS DE MOBILIDADE A cada dia, o mundo da mobilidade se torna mais crítico e complexo. Por esta natureza, usuários de mobilidade necessitam cada vez mais de agilidade

Leia mais

Governança de TI. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de TI. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança Governar Governança Ato de governar(-se), governo, governação Governar ter mando, direção, dirigir, administrar tratar

Leia mais

ITIL V.3 Prof. Fernando Pedrosa

ITIL V.3 Prof. Fernando Pedrosa ITIL V.3 Prof. Fernando Pedrosa Canais: fpedrosa@gmail.com http://tinyurl.com/ycekmjv CESPE TRE/BA Programador - (CESPE 2010) Acerca do modelo ITIL, julgue os próximos itens. 94 A versão 3 do ITIL representa

Leia mais

Gestão de SLA Do etom ao ITIL

Gestão de SLA Do etom ao ITIL Gestão de SLA Do etom ao ITIL Sergio Mainetti Jr. Visionnaire Agenda Parte 1 Apresentação da Empresa Parte 2 SLA Serviços no Mercado Atual O que é SLA? Barreiras para o uso de SLAs Do etom ao ITIL Parte

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Empresa: Scitum Funcionários: 450+ EMPRESA Empresa

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Sobre a OpServices Fabricante de software focada no gerenciamento de ambientes de TI e Telecom e processos de negócios. Mais de 12 anos de experiência no monitoramento de indicadores de infraestrutura;

Leia mais

UPAEP Otimiza Serviços de TI a 17.000 Usuários com Soluções CA Technologies

UPAEP Otimiza Serviços de TI a 17.000 Usuários com Soluções CA Technologies CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2013 UPAEP Otimiza Serviços de TI a 17.000 Usuários com Soluções CA Technologies CUSTOMER LOGO HERE EMPRESA Fundada em 1973, no México, a UPAEP oferece importantes serviços

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Insight completo sobre IDG/Oracle Relatório de pesquisa de SOA Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Alinhamento

Leia mais

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. A Union IT... 3 2. A importância de gerenciar dinamicamente infra-estrutura,

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies

CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies CUSTOMER SUCCESS STORY CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies EMPRESA A CPD Informática atua com a venda de soluções, serviços, planejamento e gestão de TI, contribuindo

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA IT Asset Manager como gerenciar o ciclo de vida de ativos, maximizar o valor dos investimentos em TI e obter uma exibição do portfólio de todos os meus ativos? agility made possible

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br Nosso método de trabalho foi criado para atender VOCÊ A WISSEN CONSULTING têm como compromisso ajudá-lo a alcançar o sucesso na implementação de ferramentas de gestão e colaboração para que você possa

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

TI do Banese foca em negócios com as soluções EITM da CA

TI do Banese foca em negócios com as soluções EITM da CA Case de sucesso TI do Banese foca em negócios com as soluções EITM da CA Perfil do CLIENTE Indústria: Financeira Companhia: BANESE Banco do Quadro de pessoal: 1.200 funcionários NEGÓCIOS O Banese é uma

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

CPM Braxis Capgemini reduz custos em 18% com CA Business Service Insight

CPM Braxis Capgemini reduz custos em 18% com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY CPM Braxis Capgemini reduz custos em 18% com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: CPM Braxis Capgemini Empregados: 6500+ Faturamento:

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. O que esperar dos Serviços VoIP Este tutorial tem por objetivo apresentar os principais conceitos dos serviços VoIP e o que se pode obter desses serviços considerando principalmente as características

Leia mais

NCR CONNECTIONS. CxBanking

NCR CONNECTIONS. CxBanking CxBanking NCR CONNECTIONS Nossa soluc a o multicanal permite aos bancos implementar rapidamente servic os empresariais personalizados em canais fi sicos e digitais. Um guia de soluções da NCR Visão geral

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais