XXVIII ENCONTRO NACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XXVIII ENCONTRO NACIONAL"

Transcrição

1 OS ESTILOS DE APRENDIZAGEM COMO AUXÍLIO À GESTÃO DO CONHECIMENTO EM ORGANIZAÇÕES QUE ESTABELECEM RELACIONAMENTOS INTERORGANIZACIONAIS HORIZONTAIS: ESTABELECENDO RELAÇÕES ENTRE OS CONSTRUTOS Vania de Fátima Barros Estivalete (UFSM) Mauri Leodir Löbler (UFSM) Simone Alves Pacheco de Campos (UFSM) Juliana Cantarelli (UFSM) Este artigo procura aproximar os estilos de aprendizagem e a gestão do conhecimento em organizações que estabelecem relacionamentos interorganizacionais horizontais. Assim, os objetivos deste estudo consistem em: (i) identificar os estilos de aprendizagem dos gestores pertencentes às organizações inseridas em relacionamentos interorganizacionais como auxílio à gestão do conhecimento; (ii) verificar como se dá a gestão do conhecimento nas organizações que estabelecem relacionamentos de natureza horizontal, objeto do presente estudo e; (ii) estabelecer relações entre os estilos de aprendizagem e a gestão do conhecimento, segundo a perspectiva das empresas que estabelecem relacionamentos horizontais. A presente pesquisa se caracteriza por ser de caráter qualitativo de natureza exploratória e descritiva. O método adotado é o do estudo de casos múltiplos. Os dados da pesquisa revelaram a presença dos quatro estilos individuais de aprendizagem nos gestores entrevistados. Em relação ao processo de gestão do conhecimento constatou-se que os valores culturais e o estilo de gestão das empresas podem dificultar este processo, na medida em que algumas organizações inseridas na rede podem adotar comportamentos oportunistas visando obter vantagens individuais em termos de compartilhamento dos conhecimentos criados pelos relacionamentos que se estabelecem. Ao estabelecer relações entre os estilos de aprendizagem e o processo de gestão de conhecimento, merece destaque o fato de que os gestores com preferências pelo estilo acomodador de aprendizagem estão

2 vinculados a duas organizações que revelaram não estabelecer fortes relacionamentos com as demais empresas da rede. Palavras-chaves: Estilos de aprendizagem, gestão do conhecimento, relacionamentos interorganizacionais 2

3 1. Introdução O estudo sobre os estilos de aprendizagem e a gestão do conhecimento, de modo conjunto, tem se destacado como um dos temas emergentes para o atual ambiente de negócios que tem se caracterizado pela busca de parcerias e relacionamentos entre as organizações. Neste sentido, o debate sobre estes temas, no contexto acadêmico e empresarial, se faz necessário tendo em vista o significativo papel que a identificação dos estilos de aprendizagem e a gestão do conhecimento desempenham na construção de organizações capazes de atuar de forma coletiva. Assim, ao se tratar de organizações que estabelecem relacionamentos interorganizacionais horizontais, o estudo sobre estas temáticas assume relevância ainda maior, na medida em que podem auxiliar as empresas no fortalecimento das relações colaborativas, bem como na melhoria dos seus processos internos. Diante desta perspectiva, este artigo procura mapear os estilos de aprendizagem dos gestores como auxílio à gestão do conhecimento nas organizações que estabelecem relacionamentos de natureza horizontal, objeto do presente estudo. Ao aprofundar e ampliar o estudo sobre estas temáticas, emergiram algumas inquietações que motivaram a realização desta pesquisa: De que modo os estilos de aprendizagem individual podem auxiliar no processo de gestão de conhecimento em organizações que estabelecem relacionamentos horizontais? Como ocorre a gestão do conhecimento nestas organizações? Qual a relação existente entre os estilos de aprendizagem e a gestão de conhecimento considerando os relacionamentos interorganizacionais horizontais? Diante do exposto, este estudo tem seu foco de análise dirigido a uma rede horizontal composta por organizações pertencentes ao ramo de fabricação e comercialização de móveis. Com base nestas inquietações, foram definidos os seguintes objetivos do presente estudo: (i) identificar os estilos de aprendizagem dos gestores pertencentes às organizações inseridas em relacionamentos interorganizacionais como auxílio à gestão do conhecimento; (ii) verificar como se dá a gestão do conhecimento nas organizações que estabelecem relacionamentos de natureza horizontal, objeto do presente estudo e; (ii) estabelecer relações entre os estilos de aprendizagem e a gestão do conhecimento, segundo a perspectiva das empresas que estabelecem relacionamentos horizontais. Assim, para desenvolver o presente estudo e alcançar os objetivos propostos, este trabalho encontra-se estruturado em mais cinco seções, além da introdução. As seções dois e três abordam o marco teórico que balizou o presente estudo. Na seção quatro apresentam-se as delimitações metodológicas que permitiram operacionalizar a pesquisa. Na seção cinco apresentam-se os resultados da pesquisa através da definição de categorias de análise alinhadas com os objetivos da pesquisa. Na seção seis aborda-se as considerações finais e, por fim, as referências utilizadas na presente pesquisa. 2. Os Estilos Individuais de Aprendizagem Em se tratando da aprendizagem no nível individual destaca-se a importância dos estilos de aprendizagem, pois de acordo com a linha de pensamento de Hayes & Allinson (1998) os mesmos influenciam a maneira pela qual as pessoas processam informações que as capacitam a interpretar mudanças nas situações e avaliar as conseqüências de suas próprias ações e as ações das outras pessoas. Para estes mesmos autores, os estilos de aprendizagem também 3

4 possibilitam refinar os modelos mentais das pessoas e as teorias subjetivas que guiam as suas ações ampliando, assim, a compreensão de como o mundo funciona. Neste sentido, cabe acrescentar a contribuição de Kolb (1997) que desenvolveu o Inventário de Estilo de Aprendizagem (Learning Style Inventory) com o intuito de auxiliar na identificação dos comportamentos demonstrados pelas pessoas frente à determinadas situações que se apresentam (aprendizagem). O instrumento desenvolvido por Kolb (1997) tem sido muito divulgado e aceito no meio acadêmico e foi construído tendo por base o Ciclo de Aprendizagem Vivencial que contempla quatro elementos, sendo eles: experiência concreta, observação e reflexão, formação de conceitos abstratos e generalizações e teste das implicações (KOLB, 1997). Estes elementos podem sinalizar orientações determinantes em relação ao processo de aprendizagem contemplando duas dimensões bipolares relacionadas à ação x reflexão que, segundo Sobral (2005), abarcam funções psicológicas distintas, denominadas compreensão e transformação. A combinação entre as dimensões propostas por Kolb (1997) deram origem a quatro estilos de aprendizagem, que são: convergente, divergente, assimilador e acomodador, cujas características são apresentadas na Figura 1. Através dos estilos de aprendizagem torna-se possível identificar a preferência das pessoas em relação à aprendizagem e entre as quatro dimensões que integram o ciclo, bem como as características peculiares de cada estilo. Hayes & Allinson (1998) reafirmam a relevância de se conhecer os estilos de aprendizagem das pessoas em decorrência da influência exercida pelos mesmos no desempenho individual e na forma como as informações são captadas e interpretadas e como esta compreensão é utilizada para guiar o comportamento das pessoas que integram as organizações. Fonte: elaborado com base em Kolb (1997) Figura 1 Estilos Individuais de Aprendizagem De acordo com a linha de pensamento de Terra (2008, p.2), os processos de aprendizado individual demandam e implicam em reinvenção pessoal, ou seja, estão associados à mudanças de modelos mentais, mapas cognitivos e de comportamentos, assim como à busca de grandes desafios e resoluções de tensões internas. Esta concepção serve para reforçar a importância de se conhecer os estilos de aprendizagem das pessoas que ocupam funções estratégicas nas organizações como forma de auxiliar no processo de gestão do conhecimento. Subjacente a estas questões Terra (2008, p.4) salienta que o reconhecimento do capital 4

5 humano, formado pelos valores e normas individuais e organizacionais, bem como pelas competências, habilidades e atitudes de cada funcionário, é a mola propulsora da geração de conhecimentos e geração de valor nas empresas. 3. A Gestão do Conhecimento: Concentrando Esforços na Busca de Vantagem Competitiva Segundo a concepção de Terra (2008) a gestão do conhecimento ultrapassa os investimentos em tecnologia ou gerenciamento da inovação e passa a incorporar a compreensão de características e demandas do ambiente competitivo, além do entendimento das necessidades individuais e de natureza coletiva. Para Sveiby (1998), a gestão do conhecimento consiste na arte de criar valor potencializando os ativos intangíveis das organizações. Sob esta óptica, este mesmo autor ressalta que é necessário visualizar a empresa em termos de conhecimento e fluxos de conhecimento. O conceito apresentado por Sveiby (1998) permite ampliar a compreensão sobre a gestão do conhecimento através da valorização da competência das pessoas que compõem as mais diversas organizações, assim como do relacionamento estabelecido entre elas e o público externo. Alguns autores sinalizam para a interface existente entre a gestão do conhecimento e a aprendizagem numa tentativa de aproximar estes dois conceitos. Nesta linha de pensamento apresenta-se a concepção de Caravantes & Pereira (1985, p.6) ao mencionarem que a aprendizagem é definida como o processo de aquisição da capacidade de usar o conhecimento, que ocorre como resultado da prática e da experiência crítica e que produz uma mudança relativamente permanente no comportamento. Esta definição em muito se assemelha com a de Garvin (1993) que destaca que as organizações que aprendem devem estar capacitadas a criar, adquirir e transferir conhecimentos e em modificar seus comportamentos para refletir estes novos conhecimentos e insights. Analisando-se os conceitos apresentados, percebe-se que a aprendizagem exerce um papel fundamental na incorporação, criação e transferência de conhecimentos dentro e entre organizações, constituindo-se um elemento chave no processo de gerenciamento do conhecimento. Sob esta perspectiva, há necessidade de um novo pensar em relação ao saber gerenciar o conhecimento, pois à medida que determinado conhecimento se torna consolidado na organização, novos conhecimentos necessitam ser incorporados para não correr o risco de se tornarem obsoletos. Esse processo é sistêmico e dinâmico e encontra-se consubstanciado na visão de Kanaane (2001, p.55), ao defender que a gestão do conhecimento, é o processo sistemático de identificação, criação, renovação e aplicação dos conhecimentos que são estratégicos na vida de uma organização. Em se tratando do conhecimento em âmbito organizacional, agrega-se a esta discussão as contribuições apresentadas por Nonaka & Takeuchi (1997) ao abordarem o processo de criação de conhecimento através do desenvolvimento de uma estrutura conceitual que abarca duas dimensões: a dimensão ontológica e a dimensão epistemológica. Ao abordar a visão ontológica, Nonaka & Takeuchi (1997, p. 65) postulam que o conhecimento só é criado por indivíduos. Uma organização não pode criar conhecimento sem indivíduos. A organização apóia os indivíduos criativos ou lhes proporciona contextos para a criação do conhecimento. Em relação à dimensão epistemológica, Nonaka & Takeuchi (1997) se apóiam na contribuição de Polanyi (1966) ao diferenciar o conhecimento tácito do conhecimento 5

6 explícito. Para estes mesmos autores, o conhecimento tácito caracteriza-se por ser pessoal, informal e por ser difícil de ser comunicado e formulado. Este tipo de conhecimento envolve valores, crenças pessoais e, normalmente, origina-se das experiências dos indivíduos. O conhecimento explícito é denominado de conhecimento codificado e pode ser transmissível através de linguagem formal e sistemática (NONAKA & TAKEUCHI, 1997; POLANYI, 1966). Nonaka & Takeuchi (1997) partilham do entendimento de que o conhecimento é criado através da interação entre o conhecimento tácito e o conhecimento explícito e apresentam quatro modos de conversão do conhecimento, conforme pode-se visualizar na Figura 2 a seguir. Tácito Tácito Tácito Socialização Interação face-a-face Compartilhar emoções, sentimentos, experiências Espaço emergir confiança Internalização Momento conhecimento é internalizado pelo sistema cognitivo do indivíduo Forma de novos conceitos e práticas de trabalho Tácito Externalização Diálogo Compartilhar conhecimentos Situações externalização, plataforma para explicitar conhecimento tácito Combinação Interação Coletiva Explicíto Explicíto Explicíto Fonte: elaborado com base em Nonaka & Takeuchi (1997) Explicíto Figura 2 Modos de Conversão do Conhecimento De acordo com Nonaka & Takeuchi (1997) a socialização refere-se ao processo de conversão do conhecimento tácito em conhecimento tácito, sendo considerado um processo de compartilhamento de experiências. A externalização é um processo de conversão de conhecimento tácito em conhecimentos explícitos que pode ser obtido através do diálogo ou reflexão coletiva. A combinação refere-se à conversão do conhecimento explícito em conhecimento explícito e a internalização é um processo de conversão do conhecimento explícito em conhecimento tácito (NONAKA & TAKEUCHI, 1997). 4. Delimitações Metodológicas A presente pesquisa se caracteriza por ser de caráter quantitativo e qualitativo e a estratégia de pesquisa pode ser classificada como exploratória que, segundo o entendimento de Gil (1999), os estudos exploratórios proporcionam uma maior flexibilidade na busca de informações sobre determinado problema, visando torná-lo mais claro, e possibilitando a construção de novas idéias sobre o tema abordado. Este estudo também se caracteriza por ser de natureza descritiva, pois têm por objetivo descrever com exatidão os fatos e fenômenos de determinada realidade (TRIVIÑOS, 1987). Este autor postula que os estudos descritivos não são simplesmente restritos à coleta, ordenação e classificação dos dados, uma vez que este tipo de estudo também possibilita que se estabeleçam relações entre variáveis. O método adotado para realização desta pesquisa é o estudo de casos múltiplos (YIN, 2001), pois as unidades de análises são as organizações integrantes de uma rede horizontal sob a forma de associação pertencente ao setor moveleiro, localizada no interior do Estado do Rio 6

7 Grande do Sul. A escolha desta associação foi do tipo intencional ou de seleção racional (BARROS & LEHFELD, 2004), dada a relevância exercida por estas organizações (ao atuarem conjuntamente) na região onde estão inseridas e em função da forma como estão organizadas. Esta rede foi criada no ano de 2003 por 20 empresas em decorrência da falta de pessoal qualificado e especializado na fabricação de móveis. Atualmente, 11 empresas integram a rede estudada, sendo que 09 delas participaram da presente pesquisa. Os entrevistados foram os gestores destas 09 organizações. Para preservar a identidade das empresas que integram a rede elas receberam a denominação de A, B, C, D, E, F, G, H, I, J e L. Cabe ressaltar que as empresas B e D não participaram da pesquisa, pois durante a realização da mesma os gestores estavam participando de eventos do setor moveleiro. Para melhor compreensão a Figura 3 apresenta uma síntese do modelo de pesquisa realizado neste estudo. GESTÃO DO CONHECIMENTO APRENDIZAGEM INDIVIDUAL Estilos de Aprendizagem Individual Kolb (1978) Convergente Divergente Acomodador Assimilador Tipos de Conhecimento Polany (1966) Nonaka & Takeuchi (1997) Criação do Conhecimento Organizacional (Nonaka & Takeuchi (1997) Tácito Explícito Socialização Externalização Internalização Combinação Fonte: elaborado pelos autores Aplicado em Relacionamentos Interorganizacionais Figura 3 Modelo de Pesquisa A coleta dos dados ocorreu em três etapas: questionários, entrevistas individuais semiestruturadas e fontes documentais. O questionário constou de dados de identificação, dados específicos da pesquisa e de uma adaptação do Inventário de Estilos de Aprendizagem desenvolvido por Kolb (1997) para identificação dos estilos de aprendizagem dos gestores. As entrevistas foram gravadas e, posteriormente, transcritas para fins de análise. As fontes documentais analisadas foram publicações sobre a rede horizontal estudada e folders institucionais. A análise dos dados foi feita qualitativamente através da técnica da análise de conteúdo sugerida por Bardin (1977). 5. Resultados 5.1. Os Estilos de Aprendizagem dos Gestores pertencentes as Organizações que estabelecem Relacionamentos Interorganizacionais Horizontais Para a identificação dos estilos de aprendizagem dos gestores, foi utilizado como base o Inventário de Estilo de Aprendizagem desenvolvido por Kolb (1997), que contempla quatro 7

8 estilos de aprendizagem: convergente, divergente, assimilador e acomodador. Neste estudo, foi identificado que os gestores da rede estudada revelaram uma alta preferência em relação aos estilos divergente e acomodador de aprendizagem. De acordo com Kolb (1997), as pessoas possuidoras do estilo divergente de aprendizagem caracterizam-se por forte capacidade de imaginação, desempenham melhor em situações que exigem a geração de idéias. Procuram identificar os problemas existentes e apontar soluções tendo em vista a realidade vigente. As pessoas possuidoras do estilo divergente costumam priorizar as habilidades de experiência concreta e observação reflexiva (KOLB, 1997). As características deste estilo têm uma estreita relação com as características do estilo reflexivo proposto por Honey & Mumford (1992). Pessoas em que há uma predominância deste estilo, segundo estes mesmos autores, gostam de coletar informações e de ter um tempo para pensar sobre elas, são cautelosos e tendem a adiar conclusões definitivas. Os gestores possuidores do estilo acomodador, segundo Kolb (1997) tendem a se arriscar mais do que as outras pessoas e tem uma maior facilidade de se adaptar a situações inesperadas. Pode-se estabelecer uma relação deste estilo com o estilo de aprendizagem ativo denominado por Honey & Mumford (1992). As pessoas que priorizam este tipo de estilo gostam de se envolver com novas experiências, exercem com entusiasmo as suas tarefas e crescem diante dos desafios que enfrentam e das novas experiências. Estas pessoas costumam valorizar as habilidades conceituação abstrata e observação reflexiva (KOLB, 1997). Cabe acrescentar que, dois dos gestores das organizações que integram a rede estudada revelaram priorizar o estilo convergente de aprendizagem. Segundo Kolb (1997) as pessoas onde há uma predominância deste estilo no processo de aprendizagem preferem lidar com coisas a lidar com pessoas e buscam a aplicação prática de idéias. O estilo convergente de aprendizagem relaciona-se com o estilo pragmático, proposto por Honey & Mumford (1992). Segundo estes mesmos autores, as pessoas possuidoras do estilo pragmático de aprendizagem apresentam como ponto forte a aplicação e experimentação de idéias novas. Os gestores com características de aprendizagem deste estilo costumam ter atitudes essencialmente práticas e preferem a busca de soluções realistas para os problemas que enfrentam. Apenas um dos gestores revelou priorizar o estilo de aprendizagem assimilador que, segundo Kolb (1997) caracteriza-se por preocupar-se com conceitos abstratos e pela capacidade em criar modelos teóricos. Costumam valorizar as habilidades de conceituação abstrata e observação reflexiva. O estilo teórico, proposto por Honey & Mumford (1992) apresenta uma estreita relação com o estilo assimilador desenvolvido por Kolb (1997). No entendimento de Honey & Mumford (1992) as características deste estilo se concentram na reavaliação de conceitos, modelos ou teorias e na adoção de processos sistemáticos para solucionar problemas. Os resultados encontrados revelam a importância de se conhecer as características de aprendizagem dos gestores, pois, como mencionam Hayes & Allinson (1998) buscar e gerir a diversidade envolve juntar pessoas com estilos de aprendizagem diferentes e construir sobre essas diferenças buscando uma maior sinergia. Assim, organizações compostas por indivíduos com estilos de aprendizagem semelhantes podem ser mais lentas para reconhecer às mudanças e podem desenvolver modelos mentais inflexíveis que os tornam insensíveis ao novo (HAYES & ALLINSON, 1998). 8

9 5.2. A Gestão do Conhecimento: Uma Análise envolvendo Empresas que estabelecem Relacionamentos Interorganizacionais Horizontais No que tange a gestão do conhecimento entre as organizações que estabelecem relacionamentos horizontais, pode-se constatar, segundo a percepção dos gestores entrevistados, que os elementos dificultadores deste processo se concentram basicamente nos valores culturais, tendo em vista que a maioria das empresas integrantes da rede é tradicional e com estilo de gestão de natureza conservadora. Segundo o entendimento dos entrevistados, a gestão do conhecimento que circula nos relacionamentos estabelecidos se dá através de duas maneiras: mediante o apoio de consultorias externas que fornecem o conhecimento técnico para o desenvolvimento das atividades das empresas e por meio dos relacionamentos informais que facilitam a troca de experiências e de práticas cotidianas. Dentre os fatores que facilitam a gestão do conhecimento entre as empresas integrantes da rede, os entrevistados elencaram a parceria, o espírito de cooperação, a participação dos atores envolvidos, a troca de experiências, a vontade de crescer e resolver problemas de ordem coletiva. Ao serem questionados sobre as empresas que detém maior conhecimento na rede, os entrevistados revelaram ser a Empresa L (sinalizada na cor laranja) como visualiza-se na Figura 4. Na opinião do gestor da Empresa L, a gestão do conhecimento entre as empresas que estabelecem relacionamentos horizontais, se dá através da busca de homogeneidade nos processos das empresas integrantes da rede. Segundo o entendimento deste mesmo gestor, para que as organizações possam contribuir com o processo de gestão e criação de novos conhecimentos torna-se necessário o estabelecimento de relações mais profissionais entre os envolvidos. Fonte: dados da pesquisa Figura 4 Relacionamentos estabelecidos entre as Empresas 9

10 Pelos dados apresentados na Figura 4, convém destacar que a maioria das empresas revelou manter fortes relacionamentos com a Empresa B. No entanto, cabe salientar que as Empresas C, D, E e G revelaram não estar mantendo nenhum tipo de relacionamentos com a Empresa B. Este é um fato que merece destaque, pois pode dificultar a criação de conhecimento coletivo entre os integrantes da rede. Outro aspecto relevante deve-se ao fato de que a maioria das empresas integrantes da rede não costuma compartilhar conhecimento com a Empresa G. Somente um dos gestores entrevistados (Empresa E) revelou manter fortes relacionamentos com esta empresa. Em relação a este resultado, cabe acrescentar a contribuição de Mohr & Sengupta (2002), que afirmaram que as empresas têm que reconhecer, primeiramente, que a vantagem competitiva pode ser obtida através da colaboração, e, após, criar estruturas e mecanismos apropriados para que o conhecimento possa transitar nos relacionamentos estabelecidos entre as organizações. Ao analisar os tipos de conhecimento que são compartilhados entre as empresas integrantes da rede, foi constatado que o conhecimento tácito é o tipo de conhecimento que mais circula nos relacionamentos estabelecidos. Cabe acrescentar que apenas duas das empresas pesquisadas (E e G), revelaram que o conhecimento explícito é o que mais transita nas relações estabelecidas entre as empresas. Segundo a perspectiva de Nonaka & Takeuchi (1997) no que tange ao processo de criação de conhecimento entre as empresas da rede, constatou-se uma predominância de conversão do conhecimento tácito para tácito denominado de socialização. A socialização do conhecimento entre as organizações integrantes da rede, segundo a opinião dos gestores entrevistados, tem ocorrido através do compartilhamento de experiências, das reuniões entre os membros e de conversas informais que se estabelecem através da confiança entre os atores envolvidos. Vale acrescentar que, apenas duas das empresas integrantes da rede (Empresa E e G), sinalizaram a necessidade de adquirir conhecimentos mais formais e sistemáticos através de um processo de externalização dos conhecimentos que, de acordo com Nonaka & Takeuchi (1997) caracteriza-se por ser um processo de conversão de conhecimento tácito em conhecimentos explícitos que pode ser alcançado através do diálogo ou reflexão coletiva Estabelecendo Relações entre os Construtos: Os Estilos de Aprendizagem e a Gestão do Conhecimento Organizacional A trajetória das organizações tem sido marcada por uma série de desafios. Desafios estes que tem levado a criação de diversas estratégias para manter a competitividade empresarial, principalmente no que tange à implementação de sistemas e ambientes favoráveis ao compartilhamento e gestão do conhecimento organizacional. Sob esta ótica, há necessidade de se ampliar as discussões abarcando estes temas e, naturalmente, emerge deste diálogo um maior entendimento da relação entre os estilos de aprendizagem e a gestão do conhecimento num contexto de relacionamentos interorganizacionais. Ao estabelecer relações entre os estilos de aprendizagem e a gestão do conhecimento, como pode-se visualizar na Figura 4, foi constatado que os gestores da Empresa G (a qual as empresas não costumam compartilhar conhecimentos) e da Empresa E (única empresa que revelou estabelecer fortes laços de relacionamentos com G) possuem gestores com estilos de aprendizagem do tipo acomodador. Estes resultados revelam certo paradoxo, na medida em que, segundo Kolb (1997) e Honey & Mumford (1992) as pessoas com características do 10

11 estilo acomodador de aprendizagem gostam de se envolver em novas experiências e crescem diante dos desafios e de experiências inovadoras. Por outro lado, as pessoas possuidoras deste estilo caracterizam-se por ter maior dificuldade de aprender a partir das situações apresentadas, exercendo um papel passivo neste processo (HONEY & MUMFORD, 1992; KOLB, 1997). O gestor da Empresa L (detentora de maior conhecimento) revelou possuir estilo convergente de aprendizagem. Analisando-se as características deste estilo destaca-se como um dos pontos fortes a necessidade de aplicação e experimentação de idéias, bem como a preferência por busca de soluções realistas e pragmáticas (KOLB, 1997; HONEY & MUMFORD, 1992). Fonte: dados da pesquisa Figura 5 Entrelaçamento entre os Construtos Outro ponto que merece ser destacado deve-se a relação entre os estilos de aprendizagem dos gestores e o processo de conversão do conhecimento. Os gestores que manifestaram a necessidade de processos mais formais e sistemáticos de conhecimento (Empresas E e G), realçando a importância do processo de externalização do conhecimento, revelaram priorizar características do estilo acomodador de aprendizagem. Já os gestores das outras empresas pesquisadas evidenciaram a importância da socialização do conhecimento entre as organizações que compõem a rede, através da troca de experiências e conhecimentos de modo informal. Estes gestores manifestaram valorizar características de aprendizagem relacionadas aos demais estilos propostos por Kolb (1997), sendo eles: divergente, convergente e assimilador. 6. Considerações Finais A realização do presente estudo proporcionou uma maior compreensão no que se refere aos estilos de aprendizagem dos gestores das empresas que estabelecem relacionamentos horizontais e o processo de gestão do conhecimento. No que tange aos estilos de aprendizagem, os dados da pesquisa revelaram a presença dos quatro estilos individuais de aprendizagem nos gestores entrevistados. Estes resultados podem ser considerados como pontos fortes para as empresas integrantes da rede estudada, pois como salientam Hayes & Allinson (1998) quando as organizações são constituídas por indivíduos com estilos de aprendizagem homogêneos ou semelhantes, elas podem desenvolver um modelo mental 11

12 partilhado que inibe o raciocínio divergente, a diversidade de idéias, a criatividade e o processo inovativo. Em relação ao processo de gestão do conhecimento constatou-se que os valores culturais e o estilo de gestão das empresas podem dificultar este processo, na medida em que algumas organizações inseridas na rede podem adotar comportamentos oportunistas visando obter vantagens individuais em termos de compartilhamento dos conhecimentos criados pelos relacionamentos que se estabelecem. No entanto, cabe acrescentar que os gestores têm consciência de que as relações de parceria, o espírito de cooperação, a participação dos atores envolvidos e a troca de experiências individuais podem facilitar o processo de gestão de conhecimento. Outro aspecto a ser ressaltado refere-se ao alto nível de informalidade nos relacionamentos estabelecidos entre as empresas que integram à rede o que pode ser considerado um fator limitador no que tange a conversão do conhecimento tácito em explicito, conforme mencionam Nonaka & Takeuchi (1997). Ao estabelecer relações entre os estilos de aprendizagem e o processo de gestão de conhecimento, merece destaque o fato de que os gestores com preferências pelo estilo acomodador de aprendizagem estão vinculados a duas organizações (Empresas G e E) que revelaram não estabelecer fortes relacionamentos com as demais empresas da rede. Com base nestes resultados, emergiu a seguinte inquietação: como explicar que as organizações que possuem gestores com características do estilo acomodador de aprendizagem não costumem compartilhar conhecimentos com freqüência com as demais organizações inseridas na rede? Estas inquietações merecem ser aprofundadas, uma vez que gestores com características do estilo acomodador tendem a se arriscar mais, valorizam a experimentação de novas idéias e gostam de se envolver em novas experiências como postula Kolb (1997). A articulação entre os construtos utilizados neste estudo pode contribuir para uma melhor compreensão de como os estilos de aprendizagem dos gestores podem auxiliar a gestão do conhecimento organizacional e de que modo os gestores podem se preparar para conviver com o diferente, com a diversidade de idéias e conhecimentos que as atividades relacionais proporcionam. Por fim, cabe acrescentar que uma das principais limitações da pesquisa refere-se ao fato de se relatar apenas o ponto de vista dos gestores pertencentes às organizações inseridas na rede horizontal investigada, o que implica na impossibilidade de generalização dos resultados para outras redes. Partindo destas próprias limitações, sugere-se a realização de novas pesquisas envolvendo organizações inseridas em redes horizontais de outros segmentos, bem como expandir a base de coleta de dados envolvendo outras fontes de evidências. Referências BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, BARROS, A. I. S. & LEHFELD, N.A.S. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Pearson Makron Books, CARAVANTES, G. & PEREIRA, M.J.L. Aprendizagem Organizacional versus Estratégias de Mudança Organizacional Planejada: Um Confronto Crítico. Porto Alegre: FAPERGS, GARVIN, D. Building a Learning Organization. Harvard Business Review. Boston, p , jul./ago, GIL, A.C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, HAYES, J. & ALLINSON, C. Cognitive Style and the Theory and Practice of Individual and Collective 12

13 Learning in Organizations. Human Relations, New York, v. 51, n. 7, p , HONEY, P. & MUMFORD, A. The Manual of Learning Styles. 3. ed [S.l.]: Honey, KANAANE, R. Comportamento Humano nas Organizações: O Homem rumo ao Século XXI. São Paulo: Atlas, KOLB, D. A gestão e o Processo de Aprendizagem. In: STARKEY, K. Como as organizações aprendem: relatos dos sucessos das grandes empresas. São Paulo: Futura, MOHR, J. & SENGUPTA, S. Managing the paradox of Inter-firm: the Role of Governance Mechanisms. The Journal of Business & Industrial Marketing, [S.l.], v. 17, n. 4, p , NONAKA, I. & TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, POLANYI, M. The Tacit Dimension. Garden City, NY: Doubleday & Co., SOBRAL, D.; Estilos de Aprendizagem dos Estudantes de Medicina e suas implicações. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 29, n.1, p. 5-12, jan/abr, SVEIBY, K. E.; A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. 5. ed. Rio de Janeiro: Campus, TERRA, J. C. Gestão do Conhecimento: O Grande desafio Empresarial. Disponível em: <http://www.terraforum.com.br>. Acesso em 03 de abril de TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, YIN, R. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman,

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão

Práticas de Apoio à Gestão Práticas de Apoio à Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Organizações de Aprendizagem Learning Organization Conceitos Organizações de Aprendizagem

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Métodos qualitativos:

Métodos qualitativos: Métodos AULA 11 qualitativos: Pesquisa-Ação Quando iniciou-se a pesquisa-ação? Para Susman e Evered (1978), o termo pesquisa-ação foi introduzido por Kurt Lewin em 1946 para denotar uma abordagem pioneira

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM. Autora: Profª Dra. Claudia Kober

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM. Autora: Profª Dra. Claudia Kober PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM Autora: Profª Dra. Claudia Kober AULA 1 O que é aprendizagem? Profª Dra. Claudia Kober INTRODUÇÃO uase sempre tendemos a associar aprendizagem com escola,

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO ADMINISTRATIVA INTEGRADA A TECNOLOGIA UnC INTRODUÇÃO A UnC interage com um mundo organizacional competitivo, inclusive com sua própria estrutura administrativa e geográfica que

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Hirotaka Takeuchi: professor e reitor da Universidade de Hitotsubashi. Já lecionou em Harvard. Ikujiro Nonaka: professor na Universidade de Hitotsubashi. Autor

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP

TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da PROJETO FEIRA DE ITABAIANA: RELATOS DE UMA ATIVIDADE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR Crislaine Barreto de Gois (UFS) 1 Antônio Carlos Pinto Oliveira (UFS) Sérgio Matos Santos (UFS)

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 PACHECO, Jean Alves 2 ; CARDOSO, Fernando Assunção 3 ; YAMANAKA, Lie 4 Palavras-chaves: Empresa Júnior, extensão,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Banco de Dados para BI: José Roberto Escodeiro 10/10/2011 1. Linha do Tempo 2. Era do Conhecimento Índice 3. Ativos Tangíveis e intangíveis

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 CURSO DE PSICOLOGIA Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 COORDENADORA DO CURSO: Prof.ª Mônica Ramos Daltro SALVADOR TEMA: Contribuições da Teoria do Pensamento Complexo Para a Área da Psicologia

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão Disciplinas Liderança Organizacional O processo de formação e desenvolvimento de líderes. Experiências com aprendizagem ativa focalizando os conceitos e fundamentos da liderança. Liderança compartilhada.

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 244 ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 1 Entrevista com Francisco Diretor de Articulação Nacional da ABRAIC, sobre a profissão de analista de inteligência competitiva

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia. 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo apresenta-se a pesquisa realizada, abrangendo o tipo de pesquisa, os critérios para a seleção de sujeitos, o processo de coleta de dados e o tratamento de dados. 3.1. Tipo

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais