CONTABILOMETRIA. Revisão de Probabilidade e Teorema de Bayes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTABILOMETRIA. Revisão de Probabilidade e Teorema de Bayes"

Transcrição

1 CONTAILOMETRIA Revisão de robabilidade e Teorema de ayes

2 Os ostulados de robabilidade 1. As probabilidades são números reais positivos maiores que zero e menores que 1; simbolicamente, 0 A 1 para qualquer evento A. 2. Qualquer espaço amostral tem probabilidade 1, Ω = 1 para qualquer espaço amostral Ω. 3. Se dois eventos são mutuamente excludentes, a probabilidade de ocorrência de um ou do outro é igual à soma de suas probabilidades. Simbolicamente, A U = A + para dois eventos A e quaisquer mutuamente excludentes.

3 ropriedade básicas da robabilidade 1. O = 0, a probabilidade de ocorrência do conjunto vazio é nula. O conjunto vazio é também chamado evento impossível. 2. ΣE i = 1, a soma das probabilidades de todos os eventos possíveis é sempre igual a E i + E i = 1, a soma da probabilidade de um evento com a probabilidade de seu evento complementar é sempre igual a 1.

4 Exemplo Se A e são os eventos de o Dr. aulo estar em seu consultório às 9 horas da manhã ou de estar no hospital, se A = 0,48 e =0,27, encontre: a A b A U c A Solução: A representa a probabilidade de Dr. aulo não estar no hospital às 9h, pela terceira propriedade básica, A = 1 0,48 = 0,52 AU = 0,48 + 0,27 = 0,75, pelo terceiro postulado, pois os eventos são mutuamente excludentes. Ou seja, a probabilidade de Dr. aulo estar ou no hospital ou no consultório é de 75%. A = 0, pois como os eventos são excludentes a intersecção dos mesmos é o conjunto vazio, que tem probabilidade igual a 0.

5 Regras de Adição Generalização do ostulado 3 k eventos são mutuamente excludentes quando não há dois quaisquer deles que tenham algum elemento em comum. Nesse caso o terceiro postulado pode ser aplicado repetidamente até que: Se k eventos são mutuamente excludentes, a probabilidade de ocorrência de qualquer um deles é igual à soma de suas probabilidades individuais, simbolicamente, A 1 U A 2 U...U A k = A 1 + A A k para quaisquer eventos mutuamente excludentes A 1, A 2,... e A k.

6 Exemplo As probabilidades de uma pessoa que deseja adquirir um carro novo escolher um Chevrolet, um Ford ou um Honda são 0,17, 0,22 e 0,08, respectivamente. Supondo que ela compre apenas um carro, qual é a probabilidade de ser de uma dessas três marcas? Solução: como as três possibilidades são mutuamente excludentes, uma substituição direta dá 0,17 + 0,22 + 0,08 = 0,47.

7 Regra Geral de Adição Até aqui trabalhamos com eventos mutuamente excludentes, mas como somar probabilidades de eventos que não sejam excludentes? A U = A + A ara entendermos o porquê vamos a um exemplo utilizando o diagrama de Venn...

8 Regra Geral de Adição No diagrama abaixo o conjunto I representa a probabilidade de um recém-formado receber uma proposta de uma indústria e o conjunto a probabilidade do mesmo receber uma proposta de um banco. Observe que há uma probabilidade de que ele receba proposta dos dois, representada pela área de intersecção entre I e. I 0,18 0,12 0,24 Ω

9 Regra Geral de Adição elo diagrama podemos ver que: I = 0,18 + 0,12 = 0,30 = 0,12 + 0,24 = 0,36 I U = 0,12 + 0,18 + 0,24 = 0,54 Mas se tivéssemos aplicado a regra de adição para eventos excludentes calcularíamos I + = 0,30 + 0,36 = 0,66 o que estaria errado. I 0,18 0,12 0,24 Ω

10 Cont.: Regra Geral de Adição Esse erro resulta de somar duas vezes I = 0,12. A correção se faz subtraindo 0,12 de 0,66. Assim, poderíamos escrever, de acordo com a regra geral de adição: I U = I + I = 0,30 + 0,36 0,12 = 0,54 I 0,18 0,12 0,24 Ω

11 Exemplo As probabilidades de que choverá no Recife num certo dia de agosto, de que haverá trovoadas nesse dia, e de que choverá e haverá trovoadas nesse dia são de 0,27, 0,24 e 0,15, respectivamente. Qual é a probabilidade de chover e/ou haver trovoadas nesse dia no Recife? Solução: Se R denota chuvas e T denota trovoadas, temos R = 0,27, T = 0,24 e R T = 0,15. Substituindo estes valores na expressão da regra geral de adição obtemos R U T = R + T - R T = 0,27 + 0,24 0,15 = 0,36

12 robabilidade Condicional Se quisermos saber a probabilidade de um evento, sem especificar o espaço amostral, o que fazer? É bem possível que encontremos respostas diferentes, todas corretas. Exemplo: qual a probabilidade de um contador ganhar mais de $ /ano dentro dos 10 anos seguintes à formatura? odemos obter uma resposta que se aplique aos contadores que trabalham em empresas, outra diferente para contadores que trabalham para o governo, e ainda outra para os contadores com escritórios próprios. Ou seja, a resposta depende da escolha do espaço amostral. Como a definição do espaço amostral não é óbvia, em geral costumamos dizer a probabilidade de A dado Ω Expressamos a probabilidade condicional com A Ω

13 robabilidade Condicional Suponha que uma pesquisa tenha estudado os serviços prestados dentro da garantia por 200 lojas de pneus em uma grande cidade. Os resultados foram: om serviço dentro da garantia G Serviço deficiente dentro da garantia Total Lojas especializadas numa marca N Lojas não especializadas Total Selecionando uma loja aleatoriamente quais as probabilidades de: Escolher uma loja especializada numa marca evento N Escolher uma loja que preste bom serviço dentro da garantia evento G Escolher uma loja especializada numa marca e que preste bom serviço dentro da garantia evento N G

14 Lojas especializadas numa marca N Lojas não especializadas robabilidade Condicional om serviço dentro da garantia G Serviço deficiente dentro da garantia Total Total Escolher uma loja especializada numa marca evento N 80 Até aqui usamos N 0,40 a definição de 200 Escolher uma loja que preste bom serviço dentro da garantia probabilidade evento G 106 s / n G 200 0,53!!!! Escolher uma loja especializada numa marca e que preste bom serviço dentro da garantia evento N G 64 N G 200 0,32

15 Lojas especializadas numa marca N Lojas não especializadas robabilidade Condicional om serviço dentro da garantia G Serviço deficiente dentro da garantia Total Total O que acontece se limitarmos a escolha a lojas especializadas numa marca? Isso reduz o espaço amostral à primeira linha da tabela, e daí a probabilidade de prestar bons serviços dentro da garantia é 64 em melhor que 0,53!! Mas note que: G N 0,80 80 G N N G N

16 robabilidade Condicional Definição: Se é diferente de zero, então a probabilidade de A em relação a, isto é, a probabilidade de A dado, é A A

17 Exemplo Com referência às lojas de pneus, qual a probabilidade de uma loja que não é especializada numa marca prestar bons serviços sob garantia? Ou seja, qual a probabilidade G N? 42 G N 0, G N G N N e 0,21 0,60 N 0, ,60 Mas também poderíamos ter obtido o mesmo resultado diretamente na segunda linha da tabela, escrevendo: 42 G N 120 0,35

18 Exemplo Numa certa escola de primeiro grau, a probabilidade de um aluno selecionado aleatoriamente provir de um lar com somente o pai ou a mãe presente é 0,36 e a probabilidade de ele provir de um lar com somente o pai ou a mãe presente e ser um estudante fraco que geralmente é reprovado é 0,27. Qual é a probabilidade de um aluno selecionado aleatoriamente ser um estudante fraco, dado que ele provém de um lar com somente o pai ou a mãe presente? Definindo F como um estudante fraco e O um estudante que provém de um lar com somente o pai ou a mãe, temos que O=0,36 e F O=0,27 Assim a probabilidade de ser um estudante fraco dado que provém de um lar com somente pai ou mãe é denotado por F O 0,27 F O 0,75 O 0,36

19 Regras de Multiplicação Se na expressão da probabilidade condicional multiplicarmos ambos os lados por, obteremos a fórmula que permite calcular a probabilidade de ocorrência simultânea de dois eventos. A =. A A regra geral da multiplicação afirma que a probabilidade de ocorrência de dois eventos é o produto da probabilidade de ocorrência de um deles pela probabilidade condicional da ocorrência do outro, dado que o primeiro ocorreu, está ocorrendo, ou ocorrerá. Como não interessa qual dos dois eventos designamos por A e qual por, também podemos escrever: A = A. A

20 Exemplo Um júri consiste em 15 pessoas que somente completaram o Ensino Médio e em 9 pessoas que tiveram alguma educação superior. Se um advogado seleciona ao acaso dois dos membros do júri para uma arguição, qual é a probabilidade de nenhum dos dois ter tido alguma educação superior? Solução: Se A é o evento de a primeira pessoa selecionada não ter tido alguma educação superior, então A=15/24. Também, se é o evento de a segunda pessoa selecionada não ter tido educação superior, segue que A=14/23, já que há somente 14 pessoas sem alguma educação superior dentre as 23 que restam depois de ter sido selecionada uma pessoa sem alguma educação superior. ortanto, a regra geral de multiplicação fornece A A A ,38

21 Regra Especial de Multiplicação Eventos Independentes Dois eventos são independentes quando a probabilidade de ocorrência de um não afeta a probabilidade de ocorrência de outro. Na linguagem de probabilidade podemos escrever: A = A, ou seja, o fato de ter ocorrido não altera a probabilidade de A ocorrer A =, ou seja, o fato de A ter ocorrido não altera a probabilidade de ocorrer A regra de multiplicação anteriormente definida fica: A =. A =. A A = A. A = A.

22 Exemplo Foram pesquisados 300 domicílios que compraram aparelhos de TV, foi perguntado se estavam satisfeitos com a compra. A tabela abaixo, classifica de forma cruzada, a satisfação e se o aparelho tem tela de plasma ou não. Verifique se estar satisfeito com a compra e o tipo de aparelho de TV comprado são estatisticamente independentes. Satisfeito com a compra? Tipo de Aparelho Sim Não Total De tela de plasma Sem tela de plasma Total Satisfeito Tela de plasma que é igual a Satisfeito ,80 64/300 80/300 0,80 Logo, estar satisfeito com a compra e o tipo de aparelho comprado são eventos estatisticamente independentes. O conhecimento de um dos eventos não afeta a probabilidade do outro evento.

23 Exemplo Se for de 0,70 a probabilidade de uma pessoa entrevistada em um shopping ser contra o aumento de impostos para o financiamento da saúde, qual é a probabilidade de entrevistar quatro pessoas no shopping e as três primeiras serem contra o aumento de impostos, mas a quarta não ser contra? Solução: Admitindo que o fato de uma pessoa ser contra independe do fato da outra ser ou não contra, ou seja, admitindo a independência dos eventos, multiplicamos todas as probabilidades e obtemos: 0,70 0,70 0,70 0,30 = 0,1029

24 Teorema de ayes É utilizado para rever probabilidades anteriormente calculadas com base em novas informações. Desenvolvido por Thomas ayes no século 18, o teorema de ayes é uma extensão do que aprendemos anteriormente sobre probabilidade condicional. A =. A A = A. A A. A =. A A =. A A

25 Exemplo Em um estado onde os carros são submetidos a testes quanto à emissão de gases: A =? = prob. do automóvel ser reprovado no teste = 0,25 = prob. de emitir gases em excesso A = 0,99 = prob. de ser reprovado dado que emite gases em excesso A = 0,17 = prob. de ser reprovado dado que não emite gases em excesso A =? = qual a prob. de dado que foi reprovado ele emitir gases em excesso? A =. A A Mas não sabemos qual é a A!!

26 Exemplo A ocorre de duas formas, quando ocorre ou quando ocorre. A = 0,99 A. A = 0,250,99 = 0,2475 Como as duas formas como A pode ocorrer são mutuamente excludentes a probabilidade de A é a soma das duas probabilidades calculadas A = 0, ,1275 = 0,3750 A = 0,17 A. A = 0,750,17 = 0,1275 E a probabilidade que procurávamos é: A 0,250,99 A 0,66 A 0,3750

27 Generalizando para o caso em que há mais de duas causas possíveis para o evento A, ou seja, mais de dois ramos conduzindo ao evento A. odemos dizer que i A é a probabilidade de o evento A ter sido alcançado através do i-ésimo ramo da árvore com i = 1, 2,..., k e pode ser mostrado que essa probabilidade é igual à razão da probabilidade associada ao i-ésimo ramo pela soma das probabilidades associadas com todos os k ramos que alcançam A. Formalmente escrevemos o Teorema de ayes

28 Teorema de ayes., 2, 1, para então um deve ocorrer, são eventos mutuamente excludente s dos quais,,, Se k i A A A A A k k i i i k Veja que o denominador nada mais é que A, quando A é alcançado através de vários passos intermediários

29 Diagrama de árvore para o Teorema de ayes 1 A 1 A 1. A 1 2 A 2 2. A 2 etc. etc. k A k A k. A k

30 Exemplo Numa fábrica de enlatados, as linhas de produção I, II e III respondem por 50, 30 e 20% da produção total. Se 0,4% das latas da linha I são lacradas inadequadamente e as percentagens correspondentes às linhas II e III são de 0,6% e 1,2%, respectivamente, qual é a probabilidade de uma lata lacrada impropriamente e descoberta na inspeção final de produtos prontos provir da linha de produção I? Vamos nomear os eventos A = lata ser lacrada impropriamente; 1, 2 e 3 uma lata provir das linhas I, II e III. As probabilidades fornecidas 1 = 0,50; 2 = 0,30 e 3 = 0,20 A 1 = 0,004; A 2 = 0,006 e A 3 = 0,012 A probabilidade procurada 1 A =?

31 Exemplo Linha I Linha III 0,004 0,012 A A 0,500,004 = 0,0020 Linha II 0,006 0,300,006 = 0,0018 0,200,012 = 0,0024 A A = 0, , ,0024 = 0,0062 0,32 0,0062 0, A A A A A A

Probabilidade. Probabilidade e Estatística. Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva

Probabilidade. Probabilidade e Estatística. Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva Probabilidade e Estatística Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva http://paginapessoal.utfpr.edu.br/ngsilva Probabilidade Probabilidade Experimento Aleatório Um experimento é dito aleatório quando satisfaz

Leia mais

Capítulo 2 Probabilidades

Capítulo 2 Probabilidades Capítulo 2 Probabilidades Slide 1 Definições Slide 2 Acontecimento Qualquer colecção de resultados de uma experiência. Acontecimento elementar Um resultado que não pode ser simplificado ou reduzido. Espaço

Leia mais

Chamamos de evento qualquer subconjunto do espaço amostral: A é um evento A Ω.

Chamamos de evento qualquer subconjunto do espaço amostral: A é um evento A Ω. PROBABILIDADE 1.0 Conceitos Gerais No caso em que os possíveis resultados de um experimento aleatório podem ser listados (caso discreto), um modelo probabilístico pode ser entendido como a listagem desses

Leia mais

NOÇÕES DE PROBABILIDADE

NOÇÕES DE PROBABILIDADE NOÇÕES DE PROBABILIDADE ALEATORIEDADE Menino ou Menina me? CARA OU COROA? 3 Qual será o rendimento da Caderneta de Poupança no final deste ano? E qual será a taxa de inflação acumulada em 014? Quem será

Leia mais

Noções sobre Probabilidade

Noções sobre Probabilidade Noções sobre Probabilidade Introdução Vimos anteriormente como apresentar dados em tabelas e gráficos, e também como calcular medidas que descrevem características específicas destes dados. Mas além de

Leia mais

Fração como Probabilidade - União e Interseção de Eventos. Sexto Ano do Ensino Fundamental

Fração como Probabilidade - União e Interseção de Eventos. Sexto Ano do Ensino Fundamental Material Teórico - Módulo de FRAÇÃO COMO PORCENTAGEM E COMO PROBABILIDADE Fração como Probabilidade - União e Interseção de Eventos Sexto Ano do Ensino Fundamental Prof. Francisco Bruno Holanda Prof. Antonio

Leia mais

Sequências Generalizando um pouco, podemos então dizer que sequências de elementos são grupos com elementos obedecendo a determinada ordem. Obteremos uma sequência diferente quando se altera a ordem. No

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE Foto extraída em http://www.alea.pt Profª Maria Eliane Universidade Estadual de Santa Cruz USO DE PROBABILIDADES EM SITUAÇÕES DO COTIDIANO Escolhas pessoais Previsão do tempo

Leia mais

ELEMENTOS DE PROBABILIDADE. Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015

ELEMENTOS DE PROBABILIDADE. Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015 ELEMENTOS DE PROBABILIDADE Prof. Paulo Rafael Bösing 25/11/2015 ELEMENTOS DE PROBABILIDADE Def.: Um experimento é dito aleatório quando o seu resultado não for previsível antes de sua realização, ou seja,

Leia mais

Teoria das Probabilidades

Teoria das Probabilidades Capítulo 2 Teoria das Probabilidades 2.1 Introdução No capítulo anterior, foram mostrados alguns conceitos relacionados à estatística descritiva. Neste capítulo apresentamos a base teórica para o desenvolvimento

Leia mais

2 Conceitos Básicos de Probabilidade

2 Conceitos Básicos de Probabilidade CE003 1 1 Introdução No capítulo anterior, foram mostrados alguns conceitos relacionados à estatística descritiva. Neste capítulo apresentamos a base teórica para o desenvolvimento de técnicas estatísticas

Leia mais

3 NOÇÕES DE PROBABILIDADE

3 NOÇÕES DE PROBABILIDADE 3 NOÇÕES DE PROILIDDE 3.1 Conjuntos Um conjunto pode ser considerado como uma coleção de objetos chamados elementos do conjunto. Em geral denota-se conjunto por letras maiúsculas,, C,... e a sua representação

Leia mais

Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística

Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba Prof. Tarciana Liberal (UFPB) Aula Probabilidade Condicional 03/14 1 / 48 É provável que você

Leia mais

Carlos Pedreira.

Carlos Pedreira. Bio-Estatística Carlos Pedreira pedreira@ufrj.br CAPÍTULO 1 Conceitos Básicos de Probabilidade Em qual resultado você apostaria em 1 jogada de uma moeda justa? porque? Agora vamos jogar a moeda 2 vezes,

Leia mais

MAE116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 semestre de 2015

MAE116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 semestre de 2015 MAE116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 semestre de 2015 Gabarito Lista 4 - Probabilidade - CASA Exercício 1. (2 pontos) Para cada um dos experimentos abaixo, descreva o espaço amostral e apresente

Leia mais

Distribuição de Probabilidade Conjunta

Distribuição de Probabilidade Conjunta . DISTRIBUIÇÃO DE ROBABILIDADE CONJUNTA O nosso estudo de variável aleatória e de suas funções de probabilidade até agora se restringiram a espaços amostrais unidimensionais nos quais os valores observados

Leia mais

Probabilidade I. Departamento de Estatística. Universidade Federal da Paraíba

Probabilidade I. Departamento de Estatística. Universidade Federal da Paraíba Probabilidade I Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba Prof. Tarciana Liberal (UFPB) Aula Probabilidade Condicional 08/16 1 / 56 Introdução É provável que você ganhe um aumento....

Leia mais

Princípios de Bioestatística Conceitos de Probabilidade

Princípios de Bioestatística Conceitos de Probabilidade 1/37 Princípios de Bioestatística Conceitos de Probabilidade Enrico A. Colosimo/UFMG http://www.est.ufmg.br/ enricoc/ Depto. Estatística - ICEx - UFMG 2/37 Tipos de Fenômenos 1. Aleatório: Situação ou

Leia mais

Estatística Aplicada. Prof. Carlos Alberto Stechhahn PARTE I ESPAÇO AMOSTRAL - EVENTOS PROBABILIDADE PROBABILIDADE CONDICIONAL.

Estatística Aplicada. Prof. Carlos Alberto Stechhahn PARTE I ESPAÇO AMOSTRAL - EVENTOS PROBABILIDADE PROBABILIDADE CONDICIONAL. Estatística Aplicada Administração p(a) = n(a) / n(u) PARTE I ESPAÇO AMOSTRAL - EVENTOS PROBABILIDADE PROBABILIDADE CONDICIONAL Prof. Carlos Alberto Stechhahn 2014 1. Noções de Probabilidade Chama-se experimento

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Aula 2 Professor Regina Meyer Branski

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Aula 2 Professor Regina Meyer Branski PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Aula 2 Professor Regina Meyer Branski Probabilidade 1. Conceitos básicos de probabilidade 2. Probabilidade condicional 3. Eventos Dependentes e Independentes 4. Regra da Multiplicação

Leia mais

Estatística Aplicada. Árvore de Decisão. Prof. Carlos Alberto Stechhahn PARTE II. Administração. p(a/b) = n(a B)/ n(b)

Estatística Aplicada. Árvore de Decisão. Prof. Carlos Alberto Stechhahn PARTE II. Administração. p(a/b) = n(a B)/ n(b) Estatística Aplicada Administração p(a/b) = n(a B)/ n(b) PARTE II Árvore de Decisão Prof. Carlos Alberto Stechhahn 2014 1. Probabilidade Condicional - Aplicações Considere que desejamos calcular a probabilidade

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Primeira Lista de Exercícios de junho de 0 Quantos códigos de quatro letras podem ser construídos usando-se as letras a, b, c, d, e, f se: a nenhuma letra puder ser repetida? b qualquer

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE V - INTRODUÇÃO À TEORIA DAS PROBABILIDADES

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE V - INTRODUÇÃO À TEORIA DAS PROBABILIDADES PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE V - INTRODUÇÃO À TEORIA DAS PROBABILIDADES 0 1 INTRODUÇÃO A teoria das probabilidades é utilizada para determinar as chances de um experimento aleatório acontecer. 1.1

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano Probabilidades - Teoremas e operações com conjuntos Propostas de resolução

MATEMÁTICA A - 12o Ano Probabilidades - Teoremas e operações com conjuntos Propostas de resolução MATEMÁTICA A - 12o Ano Probabilidades - Teoremas e operações com conjuntos Propostas de resolução Exercícios de exames e testes intermédios 1. Como P (B) = 1 P ( B ) = P (B) P (A B) vem que P (B) = 1 0,7

Leia mais

Probabilidade. Experiências aleatórias

Probabilidade. Experiências aleatórias Probabilidade Experiências aleatórias 1 Experiências aleatórias Acontecimento: Qualquer colecção de resultados de uma experiência. Acontecimento elementar: Um resultado que não pode ser simplificado ou

Leia mais

Probabilidade - aula II

Probabilidade - aula II 25 de Março de 2014 Interpretações de Probabilidade Amostras Aleatórias e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Calcular probabilidades de eventos conjuntos. Interpretar e calcular

Leia mais

Métodos Estatísticos Básicos

Métodos Estatísticos Básicos Aula 7 - Probabilidade condicional e independência Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Maio de 2014 Probabilidade condicional Seja (Ω, A, P) um espaço de probabilidade. Se

Leia mais

EAD 755 Análise da Decisão Aula 04

EAD 755 Análise da Decisão Aula 04 ED 755 nálise da Decisão ula 04 rof. Cesar lexandre de Souza FE/US calesou@usp.br 1 plta 1o. no paixa 1o. no 0.5 0.5 EVlta 1o. no EVaixa 1o. no EV Menor 1.60 0.40 1.00 Completo 2.00-1.00 0.50 p1,6 1 p

Leia mais

2. Probabilidade. Aula 3

2. Probabilidade. Aula 3 Aula 3 2. Probabilidade 2-1 Espaços de amostragem e eventos 2-1.1 Experimentos randômicos 2-1.2 Espaços de amostragem 2-1.3 Eventos 2-2 Interpretações de probabilidade 2-2.1 Introdução 2-2.2 Axiomas de

Leia mais

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense Curso Satélite de Matemática Sessão n.º 1 Universidade Portucalense Conceitos Algébricos Propriedades das operações de números reais Considerem-se três números reais quaisquer, a, b e c. 1. A adição de

Leia mais

Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística Aula 3 Professora: Rosa M. M. Leão Probabilidade e Estatística Conteúdo: 1.1 Por que estudar? 1.2 O que é? 1.3 População e Amostra 1.4 Um exemplo 1.5 Teoria da Probabilidade 1.6 Análise Combinatória 3

Leia mais

Conteúdo: Aula 2. Probabilidade e Estatística. Professora: Rosa M. M. Leão

Conteúdo: Aula 2. Probabilidade e Estatística. Professora: Rosa M. M. Leão Aula 2 Professora: Rosa M. M. Leão Probabilidade e Estatística Conteúdo: 1.1 Por que estudar? 1.2 O que é? 1.3 População e Amostra 1.4 Um exemplo 1.5 Teoria da Probabilidade 1.6 Análise Combinatória 3

Leia mais

EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 3: Probabilidade Condicional e Independência

EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 3: Probabilidade Condicional e Independência EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 3: Probabilidade Condicional e Independência Prof. Clécio da Silva Ferreira Depto Estatística - UFJF 1 Perguntas 1. Um novo aparelho para detectar um certo tipo de

Leia mais

Estatística Básica. Probabilidade. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias. Universidade Federal de Minas Gerais

Estatística Básica. Probabilidade. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias. Universidade Federal de Minas Gerais Estatística Básica Probabilidade Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Probabilidade Condicional Dados dois eventos A e B, a probabilidade condicional

Leia mais

Probabilidade - aula II

Probabilidade - aula II 2012/02 1 Interpretações de Probabilidade 2 3 Amostras Aleatórias e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Calcular probabilidades de eventos conjuntos. Interpretar e calcular probabilidades

Leia mais

Noções de Probabilidade

Noções de Probabilidade Noções de Probabilidade Joel M. Corrêa da Rosa 2011 A estatística descritiva é ferramenta indispensável para extrair informação em um conjunto de dados. Entretanto, a tomada de decisões está fortemente

Leia mais

Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade

Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade Exercícios resolvidos sobre Teoremas de Probabilidade Aqui você tem mais uma oportunidade de estudar os teoremas da probabilidade, por meio de um conjunto de exercícios resolvidos. Observe como as propriedades

Leia mais

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Mauricio Fanno

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Mauricio Fanno Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA Prof. Mauricio Fanno Estatística indutiva Estatística descritiva Dados no passado ou no presente e em pequena quantidade, portanto, reais e coletáveis. Campo de trabalho:

Leia mais

Conceitos de Probabilidade

Conceitos de Probabilidade 1/1 Introdução à Bioestatística Conceitos de Probabilidade Enrico A. Colosimo/UFMG http://www.est.ufmg.br/ enricoc/ Depto. Estatística - ICEx - UFMG 2/1 Tipos de Fenômenos 1. Aleatório: Situação ou acontecimentos

Leia mais

Experiências Aleatórias. Espaço de Resultados. Acontecimentos

Experiências Aleatórias. Espaço de Resultados. Acontecimentos Experiências Aleatórias. Espaço de Resultados. Acontecimentos Experiência Aleatória É uma experiência em que: não se sabe exactamente o resultado que se virá a observar; conhece-se o universo dos resultados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Probabilidade Departamento de Estatística UFPB Luiz Medeiros Introdução Encontramos na natureza dois tipos de fenômenos Determinísticos: Os resultados são sempre os mesmos

Leia mais

Introdução à Probabilidade

Introdução à Probabilidade A Teoria de Probabilidade é responsável pelo estudo de fenômenos que envolvem a incerteza (é impossível prever antecipadamente o resultado) e teve origem na teoria de jogos, servindo como ferramenta para

Leia mais

2 T Probabilidade: Definições básicas. 3 T Probabilidade: Definições básicas

2 T Probabilidade: Definições básicas. 3 T Probabilidade: Definições básicas rograma do Curso Métodos Estatísticos sticos de Apoio à Decisão Aula 2 Mônica Barros, D.Sc. Julho de 2008 Disciplina Métodos Estatísticos de Apoio à Decisão - BI MASTER 2008 Responsável Mônica Barros Ferramentas

Leia mais

Estatística: Aplicação ao Sensoriamento Remoto SER ANO Conceitos Básicos de Probabilidade

Estatística: Aplicação ao Sensoriamento Remoto SER ANO Conceitos Básicos de Probabilidade Estatística: Aplicação ao Sensoriamento Remoto SER 202 - ANO 2016 Conceitos ásicos de Probabilidade Camilo Daleles Rennó camilo@dpi.inpe.br http://www.dpi.inpe.br/~camilo/estatistica/ Frequência Absoluta

Leia mais

Estatística Empresarial. Fundamentos de Probabilidade

Estatística Empresarial. Fundamentos de Probabilidade Fundamentos de Probabilidade A probabilidade de chuva é de 90% A probabilidade de eu sair é de 5% Conceitos Básicos Conceitos Básicos 1. Experiência Aleatória (E) Processo de obtenção de uma observação

Leia mais

Métodos Estatísticos Módulo 2 1 o. Semestre de 2008 ExercícioProgramado5 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF)

Métodos Estatísticos Módulo 2 1 o. Semestre de 2008 ExercícioProgramado5 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Métodos Estatísticos Módulo 2 1 o. Semestre de 08 ExercícioProgramado5 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) 1. Um dado é viciado de tal forma que um número par é duas vezes mais provável que

Leia mais

Técnicas de Contagem I II III IV V VI

Técnicas de Contagem I II III IV V VI Técnicas de Contagem Exemplo Para a Copa do Mundo 24 países são divididos em seis grupos, com 4 países cada um. Supondo que a escolha do grupo de cada país é feita ao acaso, calcular a probabilidade de

Leia mais

Estatística e Modelos Probabilísticos - COE241

Estatística e Modelos Probabilísticos - COE241 Estatística e Modelos Probabilísticos - COE241 Aulas passadas Motivação Exemplos de aplicação de probabilidade e estatística Informações do curso Aula de hoje Espaço amostral Álgebra de Eventos Eventos

Leia mais

PROBABILIDADE. Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti

PROBABILIDADE. Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti PROBABILIDADE Dizemos que a probabilidade é uma medida da quantidade de incerteza que existe em um determinado experimento.

Leia mais

1 Definição Clássica de Probabilidade

1 Definição Clássica de Probabilidade Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - Campus Pombal Disciplina: Estatística Básica - 2013 Aula 4 Professor: Carlos Sérgio UNIDADE 2 - Probabilidade: Definições (Notas de aula) 1 Definição Clássica

Leia mais

Eisencraft e Loiola 2.1 Probabilidade 37. Para resolver problemas de probabilidades são necessários 3 passos:

Eisencraft e Loiola 2.1 Probabilidade 37. Para resolver problemas de probabilidades são necessários 3 passos: Eisencraft e Loiola 2.1 Probabilidade 37 Modelo matemático de experimentos Para resolver problemas de probabilidades são necessários 3 passos: a Estabelecimento do espaço das amostras b Definição dos eventos

Leia mais

CAPÍTULO 4 PROBABILIDADE PROBABILIDADE PPGEP Espaço Amostral e Eventos Espaço Amostral e Eventos UFRGS. Probabilidade.

CAPÍTULO 4 PROBABILIDADE PROBABILIDADE PPGEP Espaço Amostral e Eventos Espaço Amostral e Eventos UFRGS. Probabilidade. PROBABILIDADE CAPÍTULO 4 PROBABILIDADE UFRGS A Teoria das s estuda os fenômenos aleatórios. Fenômeno Aleatório: são os fenômenos cujo resultado não pode ser previsto exatamente. Se o fenômeno se repetir,

Leia mais

Definição de Probabilidade

Definição de Probabilidade INTRODUÇÃO A TEORIA DAS PROBABILIDADES A teoria das probabilidade nada mais é do que o bom senso transformado em cálculo A probabilidade é uma medida da incerteza dos fenômenos. Traduz-se por um número

Leia mais

Estatística e Modelos Probabilísticos - COE241

Estatística e Modelos Probabilísticos - COE241 Estatística e Modelos Probabilísticos - COE241 Aula passada Motivação Exemplos de aplicação de probabilidade e estatística Informações do curso Aula de hoje Espaço amostral Álgebra de Eventos Eventos Mutuamente

Leia mais

Resolução da Prova MPU Técnico Disciplina: Raciocínio Lógico Professor: Valdenilson Garcia

Resolução da Prova MPU Técnico Disciplina: Raciocínio Lógico Professor: Valdenilson Garcia Resolução da Prova MPU 01 - Técnico Disciplina: Raciocínio Lógico Professor: Valdenilson Garcia e-mail: profvaldenilson@hotmail.com 01 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao

Leia mais

Conceitos básicos de teoria da probabilidade

Conceitos básicos de teoria da probabilidade Conceitos básicos de teoria da probabilidade Experimento Aleatório: procedimento que, ao ser repetido sob as mesmas condições, pode fornecer resultados diferentes Exemplos:. Resultado no lançamento de

Leia mais

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III ESTATÍSTICA Prof. Fernando Rodrigues Medidas de dispersão Estudamos na unidade anterior as medidas de tendência central, que fornecem importantes informações sobre uma sequência numérica. Entretanto,

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Matemática e Estatística

Universidade Federal de Goiás Instituto de Matemática e Estatística Universidade Federal de Goiás Instituto de Matemática e Estatística Prova 1 de Probabilidade I Prof.: Fabiano F. T. dos Santos Goiânia, 15 de setembro de 2014 Aluno: Nota: Descreva seu raciocínio e desenvolva

Leia mais

Probabilidade. Prof. Paulo Cesar F. de Oliveira, BSc, PhD

Probabilidade. Prof. Paulo Cesar F. de Oliveira, BSc, PhD Prof. Paulo Cesar F. de Oliveira, BSc, PhD 1 Seção 3.1 Conceitos básicos de probabilidade 2 ² Experimento de ² Uma ação, ou tentativa, por meio do qual resultados específicos (i.e. contagens, medições

Leia mais

EXEMPLOS Resolva as equações em : 1) Temos uma equação completa onde a =3, b = -4 e c = 1. Se utilizarmos a fórmula famosa, teremos:

EXEMPLOS Resolva as equações em : 1) Temos uma equação completa onde a =3, b = -4 e c = 1. Se utilizarmos a fórmula famosa, teremos: EQUAÇÃO DE SEGUNDO GRAU INTRODUÇÃO Equação é uma igualdade onde há algum elemento desconhecido Como exemplo, podemos escrever Esta igualdade é uma equação já conhecida por você, pois é de primeiro grau

Leia mais

Cap. 4 - Probabilidade

Cap. 4 - Probabilidade Estatística para Cursos de Engenharia e Informática Pedro Alberto Barbetta / Marcelo Menezes Reis / Antonio Cezar Bornia São Paulo: Atlas, 2004 Cap. 4 - Probabilidade APOIO: Fundação de Apoio à Pesquisa

Leia mais

1.4.2 Probabilidade condicional

1.4.2 Probabilidade condicional M. Eisencraft 1.4 Probabilidades condicionais e conjuntas 9 Portanto, P(A B) = P(A)+P(B) P(A B) (1.2) Para eventos mutuamente exclusivos, P(A B) = e P(A)+P(B) = P(A B). 1.4.2 Probabilidade condicional

Leia mais

Estatística

Estatística Estatística 1 2016.2 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos... 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO... 3 MEDIDAS DE DISPERSÃO... 5 EXERCÍCIOS CAPÍTULO 1... 8 Capítulo 2 Outliers e Padronização... 12 VALOR PADRONIZADO (Z)...

Leia mais

Probabilidades- Teoria Elementar

Probabilidades- Teoria Elementar Probabilidades- Teoria Elementar Experiência Aleatória Experiência aleatória é uma experiência em que: não se sabe exactamente o resultado que se virá a observar, mas conhece-se o universo dos resultados

Leia mais

Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas

Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas Tópico 3. Estudo de Erros em Medidas A medida de uma grandeza é obtida, em geral, através de uma experiência, na qual o grau de complexidade do processo de medir está relacionado com a grandeza em questão

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

Curso de Farmácia Estatística Vital Aula 05 Comentários Adicionais. Prof. Hemílio Fernandes Depto. de Estatística - UFPB

Curso de Farmácia Estatística Vital Aula 05 Comentários Adicionais. Prof. Hemílio Fernandes Depto. de Estatística - UFPB Curso de Farmácia Estatística Vital Aula 05 Comentários Adicionais Prof. Hemílio Fernandes Depto. de Estatística - UFPB Um pouco de Probabilidade Experimento Aleatório: procedimento que, ao ser repetido

Leia mais

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Dois ou mais eventos são mutuamente exclusivos, ou disjuntos, se os mesmos não podem ocorrer simultaneamente. Isto é, a ocorrência de um

Leia mais

Noções sobre probabilidade

Noções sobre probabilidade Capítulo 3 Noções sobre probabilidade Um casal tem dois filhos. Qual é a probabilidade de: o primogênito ser homem? os dois filhos serem homens? pelo menos um dos filhos ser homem? A teoria das probabilidades

Leia mais

MAE Introdução à Probabilidade e Estatística II Resolução Lista 5

MAE Introdução à Probabilidade e Estatística II Resolução Lista 5 MAE 229 - Introdução à Probabilidade e Estatística II Resolução Lista 5 Professor: Pedro Morettin e Profa. Chang Chian Exercício 1 (a) De uma forma geral, o desvio padrão é usado para medir a dispersão

Leia mais

Teoremas e Propriedades Operatórias

Teoremas e Propriedades Operatórias Capítulo 10 Teoremas e Propriedades Operatórias Como vimos no capítulo anterior, mesmo que nossa habilidade no cálculo de ites seja bastante boa, utilizar diretamente a definição para calcular derivadas

Leia mais

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado.

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado. Probabilidade Definição: Probabilidade é uma razão(divisão) entre a quantidade de eventos e a quantidade de amostras. Amostra ou espaço amostral é o conjunto formado por todos os elementos que estão incluídos

Leia mais

Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c.

Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c. Divisores Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c. Quando a é múltiplo de d dizemos também que a é divisível

Leia mais

Espaços Amostrais Finitos

Espaços Amostrais Finitos 2 ESQUEMA DO CAPÍTULO Espaços Amostrais Finitos 1.1 ESPAÇO AMOSTRAL FINITO 1.2 RESULTADOS IGUALMENTE VEROSSÍMEIS 1.3 MÉTODOS DE ENUMERAÇÃO UFMG-ICEx-EST-032/045 Cap. 2 - Espaços Amostrais Finitos 1 2.1

Leia mais

ESTATÍSTICA. Profª M. Sc. Ingrid Milléo. quarta-feira, 2 de outubro de 13

ESTATÍSTICA. Profª M. Sc. Ingrid Milléo. quarta-feira, 2 de outubro de 13 ESTATÍSTICA Profª M. Sc. Ingrid Milléo imilleo@ig.com.br EXEMPLO PROBABILIDADE Suponha que você tenha ganho o prêmio máximo na loteria federal. Cinco vezes consecubvas. PROBABILIDADE REGRA DO EVENTO RARO

Leia mais

Processos Estocásticos. Luiz Affonso Guedes

Processos Estocásticos. Luiz Affonso Guedes Processos Estocásticos Luiz Affonso Guedes Sumário Probabilidade Variáveis Aleatórias Funções de Uma Variável Aleatória Funções de Várias Variáveis Aleatórias Momentos e Estatística Condicional Teorema

Leia mais

Probabilidade Aula 02

Probabilidade Aula 02 0303200 Probabilidade Aula 02 Magno T. M. Silva Escola Politécnica da USP Março de 2017 Sumário 2.3 Técnicas de contagem 2.4 Probabilidade condicional 2.3 Princípio fundamental da contagem Suponhamos que

Leia mais

MAE116 - Noções de Estatística

MAE116 - Noções de Estatística MAE116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 semestre de 215 Gabarito da Lista de exercícios 5 - Distribuição Binomial - CASA Exercício 1.(2,5 pontos) Uma concessionária tem disponível, para um certo automóvel,

Leia mais

Resumo. Parte 2 Introdução à Teoria da Probabilidade. Ramiro Brito Willmersdorf Introdução.

Resumo. Parte 2 Introdução à Teoria da Probabilidade. Ramiro Brito Willmersdorf Introdução. Parte 2 Introdução à Teoria da Probabilidade Ramiro Brito Willmersdorf ramiro@willmersdorf.net Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Pernambuco 2011.2 Resumo 1 Introdução 2 Espaço

Leia mais

Parte 3 Probabilidade

Parte 3 Probabilidade Parte 3 Probabilidade A probabilidade tem origem no século XVII, motivada, inicialmente, pelos jogos de azar. De maneira bastante informal, refere-se à probabilidade como uma medida de chance de algum

Leia mais

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios.

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios. PROBABILIDADE Prof. Aurimenes A teoria das Probabilidades é o ramo da Matemática que cria, desenvolve e em geral pesquisa modelos que podem ser utilizados para estudar experimentos ou fenômenos aleatórios.

Leia mais

Processos Estocásticos. Introdução. Probabilidade. Introdução. Espaço Amostral. Luiz Affonso Guedes. Fenômenos Determinísticos

Processos Estocásticos. Introdução. Probabilidade. Introdução. Espaço Amostral. Luiz Affonso Guedes. Fenômenos Determinísticos Processos Estocásticos Luiz ffonso Guedes Sumário Probabilidade Variáveis leatórias Funções de Uma Variável leatória Funções de Várias Variáveis leatórias Momentos e Estatística Condicional Teorema do

Leia mais

Estatística. Probabilidade. Conteúdo. Objetivos. Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal.

Estatística. Probabilidade. Conteúdo. Objetivos. Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal. Estatística Probabilidade Profa. Ivonete Melo de Carvalho Conteúdo Definições. Probabilidade: regras e aplicações. Distribuição Discreta e Distribuição Normal. Objetivos Utilizar a probabilidade como estimador

Leia mais

1- INTRODUÇÃO 2. CONCEITOS BÁSICOS

1- INTRODUÇÃO 2. CONCEITOS BÁSICOS 1 1- INTRODUÇÃO O termo probabilidade é usado de modo muito amplo na conversação diária para sugerir um certo grau de incerteza sobre o que ocorreu no passado, o que ocorrerá no futuro ou o que está ocorrendo

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO Prova comentada ANAC / ANALISTA / 2016 Professor Josimar Padilha

RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO Prova comentada ANAC / ANALISTA / 2016 Professor Josimar Padilha RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO Prova comentada ANAC / ANALISTA / 2016 Professor Josimar Padilha 1. A negação da proposição se choveu, então o voo vai atrasar pode ser logicamente descrita por: a. não choveu

Leia mais

AULA 06 Probabilidade

AULA 06 Probabilidade 1 AULA 06 Probabilidade Ernesto F. L. Amaral 03 de setembro de 2013 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro: LTC. Capítulo 4 (pp.110-157).

Leia mais

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios.

Os experimentos que repetidos sob as mesmas condições produzem resultados geralmente diferentes serão chamados experimentos aleatórios. PROBABILIDADE A teoria das Probabilidades é o ramo da Matemática que cria, desenvolve e em geral pesquisa modelos que podem ser utilizados para estudar experimentos ou fenômenos aleatórios. Os experimentos

Leia mais

Aula - Introdução a Teoria da Probabilidade

Aula - Introdução a Teoria da Probabilidade Introdução a Teoria da Probabilidade Prof. Magnos Martinello Aula - Introdução a Teoria da Probabilidade Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI 5 de dezembro de

Leia mais

Métodos Estatísticos Módulo 2 2 o. Semestre de 2007 Exercício Programado 6 Versão para o Tutor Profa. Ana Maria Farias (UFF)

Métodos Estatísticos Módulo 2 2 o. Semestre de 2007 Exercício Programado 6 Versão para o Tutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Métodos Estatísticos Módulo o. Semestre de 007 Exercício Programado 6 Versão para o Tutor Profa. Ana Maria Farias (UFF). (Continuação do EP5 ) A probabilidade de que a porta de uma casa esteja trancada

Leia mais

Aula 4 Medidas de dispersão

Aula 4 Medidas de dispersão AULA 4 Aula 4 Medidas de dispersão Nesta aula, você estudará as medidas de dispersão de uma distribuição de dados e aprenderá os seguintes conceitos: amplitude desvios em torno da média desvio médio absoluto

Leia mais

CE Estatística I

CE Estatística I CE 002 - Estatística I Agronomia - Turma B Professor Walmes Marques Zeviani Laboratório de Estatística e Geoinformação Departamento de Estatística Universidade Federal do Paraná 1º semestre de 2012 Zeviani,

Leia mais

Matemática A Extensivo V. 2

Matemática A Extensivo V. 2 GRITO Matemática Extensivo V. Exercícios 0) a) Verdadeira. e são elementos de. b) Verdadeira. Pois {} é elemento de. c) Verdadeira. Pois não é elemento de. d) Verdadeira. Pois {} é um subconjunto de. e)

Leia mais

Conceitos Básicos de Probabilidade

Conceitos Básicos de Probabilidade Conceitos Básicos de Probabilidade Como identificar o espaço amostral de um experimento. Como distinguir as probabilidades Como identificar e usar as propriedades da probabilidade Motivação Uma empresa

Leia mais

Estatística e Modelos Probabilísticos - COE241

Estatística e Modelos Probabilísticos - COE241 Estatística e Modelos Probabilísticos - COE241 Aulas passadas Motivação Espaço Amostral, Eventos, Álgebra de eventos Aula de hoje Probabilidade Análise Combinatória Independência Probabilidade Experimentos

Leia mais

Lista 3 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 3 - Introdução à Probabilidade e Estatística Lista - Introdução à Probabilidade e Estatística Probabilidade em Espaços Equiprováveis 1 Num evento científico temos 1 físicos e 11 matemáticos. Três deles serão escolhidos aleatoriamente para participar

Leia mais

Definição: É uma coleção bem definida de

Definição: É uma coleção bem definida de EST029 Cálculo de Probabilidade I Cap. 1: Introdução à Probabilidade Prof. Clécio da Silva Ferreira Depto Estatística - UFJF Conjuntos: Definição e notação Definição: É uma coleção bem definida de objetos,

Leia mais

Nessa situação, a média dessa distribuição Normal (X ) é igual à média populacional, ou seja:

Nessa situação, a média dessa distribuição Normal (X ) é igual à média populacional, ou seja: Pessoal, trago a vocês a resolução da prova de Estatística do concurso para Auditor Fiscal aplicada pela FCC. Foram 10 questões de estatística! Não identifiquei possibilidade para recursos. Considero a

Leia mais

Métodos Estatísticos Básicos

Métodos Estatísticos Básicos Aula 6 - Introdução à probabilidade Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Maio de 2014 Experimento Experimento aleatório (E ): é um experimento que pode ser repetido indenidamente

Leia mais

Adição de probabilidades. O número de elementos da união dos conjuntos A e B n(aub) = n(a B) Dividindo os dois membros por n(e):

Adição de probabilidades. O número de elementos da união dos conjuntos A e B n(aub) = n(a B) Dividindo os dois membros por n(e): Adição de probabilidades O número de elementos da união dos conjuntos A e B n(aub) = n(a B) Dividindo os dois membros por n(e): Dois eventos A e B são ditos mutuamente exclusivos se, e somente se, A B

Leia mais

3. A probabilidade do evento de números pares. 4. O evento formado por número menor que três. 5. A probabilidade do evento número menor que três.

3. A probabilidade do evento de números pares. 4. O evento formado por número menor que três. 5. A probabilidade do evento número menor que três. 1 a Lista de Exercício - Estatística (Probabilidade) Profa. Ms. Ulcilea A. Severino Leal Algumas considerações importantes sobre a resolução dos exercícios. (i) Normas da língua culta, sequência lógica

Leia mais