Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado"

Transcrição

1 Professor Luiz Antonio de Carvalho Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado Objetivos da Reforma a curto prazo, facilitar o ajuste fiscal, particularmente nos Estados e municípios, onde existe um claro problema de excesso de quadros; a médio prazo, tornar mais eficiente e moderna a administração pública, voltando-a para o atendimento dos cidadãos. 1 2 Abrangência da Reforma Dimensão institucional-legal: relacionada aos obstáculos de ordem legal para o alcance de uma maior eficiência do aparelho do Estado; Dimensão cultural: definida pela coexistência de valores patrimonialistas e principalmente burocráticos com os novos valores gerenciais e modernos na administração pública brasileira; e Dimensão de gestão: associada às práticas administrativas ) NÚCLEO ESTRATÉGICO Corresponde ao governo, em sentido lato. É o setor que define as Leis e as Políticas Públicas, e cobra seu cumprimento. É, portanto, o setor onde as decisões estratégicas são tomadas. Corresponde aos 03 Poderes. Responsáveis pelo Planejamento e Formulação das Políticas Públicas; Interesse Nacional/Objetivos gerais da Nação Critério de avaliação: Efetividade e Segurança 2) ATIVIDADES EXCLUSIVAS DE ESTADO É o setor que são prestadas serviços que somente o Estado pode realizar. São serviços em que se exerce o poder extroverso do Estado o poder de regulamentar, fiscalizar, fomentar. Como exemplos temos: a cobrança e fiscalização dos impostos, a polícia, a previdência social básica, o serviço de desemprego, a fiscalização do cumprimento de normas sanitárias, o serviço de trânsito, a compra de serviços de saúde pelo Estado, o controle do meio ambiente, o subsídio à educação básica, o serviço de emissão de passaportes, etc. São os serviços Monopolistas; Critério de avaliação: Eficiência 5 6 1

2 Foram criadas neste setor as: Agências Reguladoras Agências Executivas 3) SERVIÇOS NÃO-EXCLUSIVOS Corresponde ao setor onde o Estado atua simultaneamente com outras organizações públicas nãoestatais e privadas. As instituições desse setor não possuem o poder de Estado. Este, entretanto, está presente porque os serviços envolvem direitos humanos fundamentais, como os da educação e da saúde, ou porque possuem economias externas relevantes, na medida que produzem ganhos que não podem ser apropriados por esses serviços através do mercado. As economias produzidas imediatamente se espalham para o resto da sociedade, não podendo ser transformadas em lucros. São exemplos desse setor: as universidades, os hospitais, os centros de pesquisa e os museus. 7 8 Serviços Competitivos Critério de Avaliação: Eficiência 3º SETOR ORGANIZAÇÕES SOCIAIS E PUBLICIZAÇÃO ORGANIZAÇÕES SOCIAIS E PUBLICIZAÇÃO Segundo a Lei de 1998: Art. 1º O Poder Executivo poderá qualificar como organizações sociais pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, cujas atividades sejam dirigidas ao ensino, à pesquisa científica, ao desenvolvimento tecnológico, à proteção e preservação do meio ambiente, à cultura e à saúde, atendidos aos requisitos previstos nesta Lei PUBLICIZAÇÃO: é a transferência das entidades estatais para o setor público não-estatal, onde assumirão a forma de organizações sociais. ORGANIZAÇÕES SOCIAIS: são as entidades de Direito Privado que, por iniciativa do Poder Executivo, obtém autorização legislativa para celebrar contrato de gestão com esse poder, e assim ter direito a dotação orçamentária. Objetivos: aumentar a participação social; - Descentralização de atividades no Setor Competitivo; - Aumentar a eficiência; - maior autonomia financeira e administrativa, respeitadas as condições específicas descritas em lei(ex. a forma de seus conselhos). ORGANIZAÇÕES SOCIAIS E PUBLICIZAÇÃO O Estado mantém seu financiamento.... A sociedade deverá financiar uma parte menor mas significativa dos custos dos serviços prestados - Programa Nacional de Publicização PNB

3 4) PRODUÇÃO DE BENS E SERVIÇOS P/ O MERCADO Corresponde à área de atuação das empresas. É caracterizado pelas atividades econômicas voltadas para o lucro que ainda permanecem no aparelho do Estado como, por exemplo, as do setor de infra-estrutura. Estão no Estado seja porque são atividades naturalmente monopolistas, nas quais o controle via mercado não é possível, tornando-se necessária, no caso de privatização, a regulamentação rígida. 4) PRODUÇÃO DE BENS E SERVIÇOS P/ O MERCADO Critério de Avaliação: Eficiência Privatização (desestatização) Setor das Empresas Estatais que não puderem ser privatizadas deverá implantar contratos de gestão FORMAS DE PROPRIEDADE -PROPRIEDADE ESTATAL -PROPRIEDADE PRIVADA -PROPRIEDADE PÚBLICA NÃO-ESTATAL - PROPRIEDADE PÚBLICA NÃO-ESTATAL - Constituída pelas organizações sem fins lucrativos que não são propriedades de nenhum individuo ou grupo e estão orientadas diretamente para o atendimento do interesse público. Torna mais fácil e direto o controle social através da participação nos conselho. Visa fortalecer a parceria entre Sociedade e Estado FORMAS DE PROPRIEDADE CONCEPÇÃO MODERNA No capitalismo contemporâneo, com o aparecimento das atividades não-exclusivas de Estado, as formas de propriedade são três: MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL PÚBLICA ESTATAL Envolve o uso do poder de Estado É de interesse público ADMINISTRAÇÃO BUROCRÁTICA Não realiza lucro PROPRIEDADE PÚBLICA NÃO ESTATAL Permite parceria ou cogestão entre o Estado e a sociedade civil Abre-se ao controle social ADMINISTRAÇÃO GERENCIAL Rege-se pelo direito privado PRIVADA Pertence a pessoas ou grupos Realiza lucro 18 3

4 Setores do Estado Núcleo Estratégico Atividades Exclusivas Serviços não- Exclusivos Produção p/ o mercado Propriedade Gestão Estatal Pública Privada Burocrática Gerencial PUBLICIZAÇÃO PRIVATIZAÇÃO OBJETIVOS GLOBAIS Aumentar a governança do Estado, ou seja, sua capacidade administrativa de governar com efetividade e eficiência, voltando a ação dos serviços do Estado para atendimento dos cidadãos. Limitar a ação do Estado àquelas funções que lhe são próprias, reservando, em princípio, os serviços não-exclusivos para a propriedade pública não-estatal, e a produção de bens e serviços para o mercado para a iniciativa privada. 20 OBJETIVOS GLOBAIS Transferir da União para os estados e municípios as ações de caráter local: só em casos de emergência cabe a ação direta da União. Transferir parcialmente da União para os estados as ações de caráter regional, de forma a permitir uma maior parceria entre os estados e a União. 21 OBJETIVOS PARA O NÚCLEO ESTRATÉGICO Aumentar a efetividade do núcleo estratégico, de forma que os objetivos democraticamente acordados sejam adequada e efetivamente alcançados. Dotar o núcleo estratégico de capacidade gerencial para definir e supervisionar os contratos de gestão com as agências autônomas, responsáveis pelas atividades exclusivas de Estado, e com as organizações sociais responsáveis pelos serviços não-exclusivo do Estado realizados em parceria com a sociedade. 22 OBJETIVOS PARA AS ATIVIDADES EXCLUSIVAS Transformar as autarquias e fundações que possuem poder de Estado em agências autônomas, administradas segundo um contrato de gestão; o dirigente escolhido pelo Ministro segundo critérios rigorosamente profissionais, mas não necessariamente de dentro do Estado, terá ampla liberdade para administrar os recursos colocados à sua disposição, desde que atinja os objetivos qualitativos e quantitativos previamente acordados. Para isso, substituir a administração pública burocrática, rígida, voltada para o controle a priori, dos processos, pela administração pública gerencial, baseada no controle a posteriori dos resultados e na competição administrativa. 23 OBJETIVOS PARA SERVIÇOS NÃO-EXCLUSIVOS Transferir para o setor público não-estatal esses serviços, através de um programa de publicização, transformando as atuais fundações públicas em organizações sociais, ou seja, em entidade de direito privada, sem fins lucrativos. Lograr, assim, uma maior autonomia e uma consequente maior responsabilidade para os dirigentes desses serviços. 24 4

5 OBJETIVOS PARA SERVIÇOS NÃO-EXCLUSIVOS Lograr adicionalmente um controle social direto desses serviços por parte da sociedade através dos seus conselhos de administração. Mais amplamente, fortalecer práticas de adoção de mecanismos que privilegiem a participação da sociedade tanto na formulação quanto na avaliação do desempenho da organização social viabilizando o controle social. OBJETIVOS PARA PRODUÇÃO PARA O MERCADO Dar continuidade ao processo de privatização através do Conselho de Desestatização. Reorganizar e fortalecer os órgãos de regulação dos monopólios naturais que forem privatizados. Implantar contratos de gestão nas empresas que não puderem ser privatizadas Medidas do PDRAE (1) Descentralização e autonomia gerencial com flexibilidade de gestão; (2) Atingimento de resultados sob a ótica da eficiência, eficácia e efetividade com a reorientação dos mecanismos de controle, no caso, de procedimentos para resultado; (3) Foco no cidadão, ao invés de ser auto referente; (4) Controle social com a introdução de mecanismos e instrumentos que garantam a transparência, assim como a participação e controle por parte do cidadão. 27 (ESAF / AFRFB / 2009) No Núcleo Estratégico do Estado, a prevalência do modelo burocrático se justifica pela segurança que ele proporciona. 01 CERTA 28 (CESPE/TRE-ES/Analista Administrativo/ 2011) Após a reforma ocorrida na década de 90 do século XX, o Estado brasileiro superou o paradigma burocrático, adotando, com êxito, o modelo gerencial. Errada (CESPE/INMETRO/2011) O Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado não compreendeu entre seus princípios a necessidade de ênfase na qualidade, na produtividade e na satisfação do cidadão. Errada

6 (TCE RS /2011) Assinale a alternativa INCORRETA, conforme o Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado (1995). (A) O Núcleo Estratégico corresponde ao governo, em sentido lato. É o setor que define as leis e as políticas públicas, e cobra o seu cumprimento. (B) O setor de Atividades Exclusivas é aquele em que são prestados serviços em que se exerce o poder extroverso do Estado - o poder de regulamentar, fiscalizar, fomentar. (C) O setor de Serviços Não Exclusivos corresponde ao setor em que o Estado atua simultaneamente com outras organizações públicas estatais. (D) No setor de Serviços Não Exclusivos a propriedade ideal é a pública não-estatal. (E) O setor de Produção de Bens e Serviços para o Mercado é caracterizado pelas atividades econômicas voltadas para o lucro que ainda permanecem no aparelho do Estado como, por exemplo, as do setor de infraestrutura. C (TCE RS/FMP/2011) A reforma gerencial da Administração Pública brasileira trouxe consigo uma série de inovações, EXCETO: (A) as Agências Reguladoras. (B) as Organizações Sociais. (C) os Conselhos Gestores de Políticas Públicas. (D) as Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público. (E) as Agências Executivas C (TCU/CESPE/2011 ) O Estado se distingue de outras instituições sociais porque, ao ofertar serviços, realiza direitos. 06 Correta 33 (TCE MT/FMP/2011) O Plano Diretor da Reforma do Aparelho de Estado (PDRAE ) tinha como proposta explícita inaugurar a chamada Administração Gerencial. Nesse documento, o modelo conceitual da Reforma do Aparelho de Estado está apoiado em três dimensões: formas de propriedade, tipos de Administração Pública e níveis de atuação do Estado. Segundo o PDRAE, assinale a alternativa INCORRETA. (A) No Núcleo Estratégico, a propriedade tem que ser necessariamente estatal. (B) Os Serviços Não Exclusivos, corresponde ao setor no qual o Estado atua simultaneamente com outras organizações públicas não estatais e privadas. (C) No setor dos Serviços Não Exclusivos a propriedade ideal é a pública não estatal. (D) A expressão publicização dos Serviços Não Exclusivos do Estado diz respeito à transferência de propriedade privada para a propriedade pública não estatal. (E) No setor de Produção de Bens e Serviços para o Mercado, em termos de propriedade, dada a possibilidade de coordenação via mercado, a propriedade privada é a regra. 07 D Até a próxima Abraços 35 6

TESTE DE FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

TESTE DE FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA TESTE DE FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1. Em relação ao modelo burocrático de administração pública no Brasil, é incorreto afirmar: A) a administração pública burocrática foi adotada para substituir

Leia mais

Outline da carta de Madri de 1998

Outline da carta de Madri de 1998 CLAD - Conselho Latino-Americano de Administração para o Desenvolvimento Outline da carta de Madri de 1998 Este outline foi preparado por Luiz Carlos Bresser- Pereira em 23.2.98 para servir de base para

Leia mais

MODELOS DE ESTADO, MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO E REFORMA DA GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL

MODELOS DE ESTADO, MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO E REFORMA DA GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL MODELOS DE ESTADO, MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO E REFORMA DA GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL ESTÁCIO-CERS PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Jorge Munhós jorgemunhos@yahoo.com Facebook: jorgemunhos LIVROS

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9 Sumário Apresentação, xiii Estrutura do livro, xv Introdução, 1 Debate sobre Governo e Administração Pública, 1 Gestão Pública no Brasil, 3 Reforma e Modernização do Estado, 4 Papel do Estado no Mundo

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 O Estado É uma comunidade de homens fixada sobre um território com poder de mando, ação e coerção (ato de pressionar, induzir) constituída

Leia mais

MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE NO BRASIL

MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE NO BRASIL MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE NO BRASIL Fernando Aith São Paulo, 17 de maio de 2011 Centro de Estudos e Pesquisas em Direito Sanitário - CEPEDISA APRESENTAÇÃO 1. Saúde: Direito de

Leia mais

Aspectos destacados da Regulação Econômica da Cabotagem no Brasil

Aspectos destacados da Regulação Econômica da Cabotagem no Brasil III Congresso Iberoamericano de Regulação Econômica Aspectos destacados da Regulação Econômica da Cabotagem no Brasil Milene Corrêa Zerek Capraro O artigo objetiva contribuir para o desenvolvimento da

Leia mais

Administração Publica Burocrática

Administração Publica Burocrática Administração Publica Burocrática Modelo inspirado por Max Weber. Modelo mais racional cuja concentração das decisões não podia depender do arbítrio de um só individuo. Conceito Burocracia é administração

Leia mais

Pulo do Gato Receita Federal. Graciano Rocha

Pulo do Gato Receita Federal. Graciano Rocha Pulo do Gato Receita Federal Graciano Rocha Edital RFB 2012 e 2014 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:1. Organização do Estado e da Administração Pública. 2. Modelos teóricos de Administração Pública: patrimonialista,

Leia mais

II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais. Palestra. Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro. Prof. Dr. Fernando S.

II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais. Palestra. Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro. Prof. Dr. Fernando S. II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais Palestra Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro Prof. Dr. Fernando S. COELHO Jundiaí, 27 de novembro de 2014 1 O que abordarei nesta exposição?

Leia mais

Contratualização de Resultados com o Terceiro Setor - OSCIP Desafios e Potencialidades: A Experiência de Minas Gerais

Contratualização de Resultados com o Terceiro Setor - OSCIP Desafios e Potencialidades: A Experiência de Minas Gerais Contratualização de Resultados com o Terceiro Setor - OSCIP Desafios e Potencialidades: A Experiência de Minas Gerais Renata Anício Bernardo Felipe Antônio Rocha Silva Frederico de Morais Andrade Coutinho

Leia mais

ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

ORGANIZAÇÕES SOCIAIS 2008 UNESP Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara Curso de Pós-Graduação GOVERNAÇA PÚBLICA E NOVOS ARRANJOS DE GESTÃO ORGANIZAÇÕES SOCIAIS Profº. José Luis Bizelli Clayde do Carmo Silva de

Leia mais

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas O Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas tem caráter multidisciplinar, integrando em suas disciplinas diversos

Leia mais

Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1

Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1 Sumário Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1 1. O Conceito de Organização...1 2. O Conceito de Processo...2 3. O Conceito de Administração...3 4. O Processo Organizacional...3 4.1. Conceito

Leia mais

Federação desigual. Assimetrias regionais. Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20%

Federação desigual. Assimetrias regionais. Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20% Federação desigual Assimetrias regionais Região PIB População Território Região Sudeste 55,41% 42% 10,60% Região Norte 5,40% 8% 45,20% Região Centro-oeste 9,57% 7% 18,90% Região Nordeste 13,40% 28% 18,20%

Leia mais

Consórcios Públicos. Características da Federação brasileira: município como ente federativo;

Consórcios Públicos. Características da Federação brasileira: município como ente federativo; Consórcios Públicos Consórcios Públicos Características da Federação brasileira: município como ente federativo; Consórcios Públicos: conceito, objetivos e características da nova legislação; Breve panorama

Leia mais

Desenvolvimento gerencial na administração pública do estado de São Paulo

Desenvolvimento gerencial na administração pública do estado de São Paulo Desenvolvimento gerencial na administração pública do estado de São Paulo Mauro Maia Laruccia* OLIVEIRA, Laís Macedo de; GALVÃO, Maria Cristina Costa Pinto (Orgs.). Desenvolvimento gerencial na administração

Leia mais

As diferentes modalidades de gestão no SUS

As diferentes modalidades de gestão no SUS XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO As diferentes modalidades de gestão no SUS Lenir Santos Março 2013 LENIR SANTOS março de 13 1 FORMAS DE GESTÃO DO SUS ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Formatos institucionais das agências Agencificação no mundo e no Brasil

Formatos institucionais das agências Agencificação no mundo e no Brasil Formatos institucionais das agências Agencificação no mundo e no Brasil Prof. Marcos Vinicius Pó marcos.po@ufabc.edu.br Regulação e Agências Reguladoras no Contexto Brasileiro MODELO DE AGÊNCIAS REGULADORAS

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

Organização Administrativa Direito Administrativo

Organização Administrativa Direito Administrativo RESUMO Organização Administrativa Direito Administrativo 1 Índice Organização Administrativa... 3 Fundamento... 3 Legislação... 3 Administração Pública... 3 Órgãos Públicos... 3 Concentração e Desconcentração...

Leia mais

Apresentação no encontro da Academia IberoAmericana de Administração, São Paulo, FGV,

Apresentação no encontro da Academia IberoAmericana de Administração, São Paulo, FGV, Apresentação no encontro da Academia IberoAmericana de Administração, São Paulo, FGV, 8 de dezembro de 2013 Luiz Carlos Bresser-Pereira www.bresserpereira.org.br } Falso. Foi uma reforma social-democrática.

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE AS MODALIDADES DE GESTÃO NO SUS GESTÃO E LEGISLAÇÃO II ENANESP 07/06/16. Carlos Neder

SEMINÁRIO SOBRE AS MODALIDADES DE GESTÃO NO SUS GESTÃO E LEGISLAÇÃO II ENANESP 07/06/16. Carlos Neder SEMINÁRIO SOBRE AS MODALIDADES DE GESTÃO NO SUS II ENANESP GESTÃO E LEGISLAÇÃO 07/06/16 Carlos Neder I SUS enquanto política de Estado - Reforma do Estado e relação público privado - Estudos do Ministério

Leia mais

Controladoria-Geral da União: Zelando pela boa aplicação dos recursos públicos. VALDIR AGAPITO TEIXEIRA Secretário Federal de Controle Interno

Controladoria-Geral da União: Zelando pela boa aplicação dos recursos públicos. VALDIR AGAPITO TEIXEIRA Secretário Federal de Controle Interno Controladoria-Geral da União: Zelando pela boa aplicação dos recursos públicos VALDIR AGAPITO TEIXEIRA Secretário Federal de Controle Interno Maio de 2013 O desafio do Controle é do tamanho do Brasil!

Leia mais

Contador Público: O Guardião da Transparência e da Responsabilidade Fiscal

Contador Público: O Guardião da Transparência e da Responsabilidade Fiscal Conselho Regional de Contabilidade de Santa Catarina Contador Público: O Guardião da Transparência e da Responsabilidade Fiscal Prof. Arlindo Carvalho Rocha e2acr@udesc.br Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda

Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda Heriberto Henrique Vilela do Nascimento Analista de Finanças e Controle Coordenador de Análise Contábil Secretaria-Executiva/Ministério

Leia mais

TEMA Nº 3: AGÊNCIAS REGULADORAS NO DIREITO BRASILEIRO

TEMA Nº 3: AGÊNCIAS REGULADORAS NO DIREITO BRASILEIRO TEMA Nº 3: AGÊNCIAS REGULADORAS NO DIREITO BRASILEIRO Modelo brasileiro A REGULAÇÃO NO BRASIL Compreende uma pluralidade de entes com função regulatória Entes reguladores em geral -> Autarquias comuns

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis.

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Ainda hoje no Brasil, são raras as pesquisas e publicações na área da Contabilidade Pública

Leia mais

22/11/ ( CESPE - PC-GO - Agente de Polícia) A administração direta da União inclui

22/11/ ( CESPE - PC-GO - Agente de Polícia) A administração direta da União inclui 1. (2016 - CESPE - PC-GO - Agente de Polícia) A administração direta da União inclui a) a Casa Civil. b) o Departamento Nacional deinfraestrutura detransportes (DNIT). c) as agências executivas. d) o Instituto

Leia mais

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº. 1.282/2013 Ementa: Institui o Plano Plurianual do Município de Ouricuri para o período de 2014 a 2017. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OURICURI/PE, no uso de suas atribuições legais, faz saber que A

Leia mais

Lei de Parcerias - Lei nº /14. Fundamentos Princípios Diretrizes

Lei de Parcerias - Lei nº /14. Fundamentos Princípios Diretrizes Lei de Parcerias - Lei nº 13.019/14 Fundamentos Princípios Diretrizes Lei nº 13.019/14 Estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros,

Leia mais

Fundamentos Históricos Teóricos e Metodológicos do Serviço Social IV. ANDREIA AGDA SILVA HONORATO Professora

Fundamentos Históricos Teóricos e Metodológicos do Serviço Social IV. ANDREIA AGDA SILVA HONORATO Professora Fundamentos Históricos Teóricos e Metodológicos do Serviço Social IV ANDREIA AGDA SILVA HONORATO Professora Seminário TRABALHO E SERVIÇO SOCIAL:O REDIMENSIONAMENTO DA PROFISSÃO ANTE AS TRANSFORMAÇÕES SOCIETÁRIAS

Leia mais

GOVERNANÇA PÚBLICA: O DESAFIO DO BRASIL. O papel do TCU DIÁLOGO PÚBLICO CEARÁ 17 DE MARÇO DE 2014

GOVERNANÇA PÚBLICA: O DESAFIO DO BRASIL. O papel do TCU DIÁLOGO PÚBLICO CEARÁ 17 DE MARÇO DE 2014 GOVERNANÇA PÚBLICA: O DESAFIO DO BRASIL O papel do TCU DIÁLOGO PÚBLICO CEARÁ 17 DE MARÇO DE 2014 Ministro João Augusto Ribeiro Nardes Presidente do TCU SUMÁRIO O Estado e os desafios do Brasil Governança

Leia mais

Setor social associação

Setor social associação Setor social associação Administração Pública Iniciativa Privada Autarquia Fundação Dir. Público Consórcio Dir. Público Consórcio Dir.Privado Empresa Dependente Empresa Pública Soc. Economia Mista Organização

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR CIÊNCIA E TECNOLOGIA PÚBLICAS: CAMINHO PARA UMA SOCIEDADE IGUALITÁRIA 1. O Tema do Seminário: Religa a C&T aos seus condicionantes sociais Pressupõe que C&T deve ser colocada a serviço das amplas maiorias

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. CESPE Prof. Marcelo Camacho

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. CESPE Prof. Marcelo Camacho ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CESPE Prof. Marcelo Camacho PROGRAMAÇÃO DAS AULAS TRE-PE ANALISTA JUDICIARIO AREA ADMINISTRATIVA AULA 1 1 As reformas administrativas e a redefinição do papel do Estado. 1.1 Reforma

Leia mais

ATA - Exercício Direito Administrativo Exercício Giuliano Menezes Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercício Direito Administrativo Exercício Giuliano Menezes Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercício Direito Administrativo Exercício Giuliano Menezes 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Giuliano Menezes 01)Marque V ou F: a) O

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA - LEI 11.445/07 - ÁGUA 1 ESGOTO LIXO 2 CHUVA Lei nº 11.445/07, de 5/1/07 Água potável Esgoto sanitário Tratamento do lixo Drenagem da chuva 3 Lei 8.080/90 (promoção, proteção e recuperação da saúde) Art.

Leia mais

CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE

CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE TÍTULO I - DA NATUREZA JURÍDICA DA COMPANHIA TÍTULO II - DA FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO DA COMPANHIA TÍTULO III

Leia mais

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Workshop Intermediário do Planejamento Estratégico do INPE, 14-15 de setembro de 2006 Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Grupo Temático 10 Modelos Sumário Modelo Institucional Atual Posição

Leia mais

Simples Nacional e a Tributação pelo Lucro Presumido. Prof. Dr. Paulo Caliendo Professor PUCRS

Simples Nacional e a Tributação pelo Lucro Presumido. Prof. Dr. Paulo Caliendo Professor PUCRS + Simples Nacional e a Tributação pelo Lucro Presumido Prof. Dr. Paulo Caliendo Professor PUCRS + Quaestione Disputatae O Simples Nacional é preferível ao Lucro Presumido? Questão óbvia: a resposta deveria

Leia mais

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS MARÍLIA Março/2012 1 REGIONALIZAÇÃO NO SUS ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES 1988: CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1990:

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO ESTRUTURA ADMINISTRATIVA O estudo da Administração Pública em geral, compreendendo a sua estrutura e as suas atividades, devem partir do conceito de ESTADO, sobre o qual repousa

Leia mais

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO AGE Em, 06 de agosto de 2015. ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. - INFORMAÇÕES

Leia mais

DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL

DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL Andréia Therezinha Lima Reis * A gestão pública brasileira vive um momento de transição e ajustamento às exigências, tanto das leis de responsabilidade

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

DECRETO Nº 7.808, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012

DECRETO Nº 7.808, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 7.808, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 Cria a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo - Funpresp-Exe, dispõe sobre sua vinculação no âmbito do Poder Executivo

Leia mais

Criação de serviços municipais

Criação de serviços municipais Desafios do Saneamento: Criação de serviços municipais 1.1 Titularidade municipal Constituição Federal estabelece titularidade dos municípios para serviço de saneamento básico CF/88: Art. 30. Compete aos

Leia mais

ANEXO VI QUADRO DETALHADO DAS MODALIDADES DE APLICAÇÃO Modalidades de Aplicação

ANEXO VI QUADRO DETALHADO DAS MODALIDADES DE APLICAÇÃO Modalidades de Aplicação Código ANEXO VI QUADRO DETALHADO DAS MODALIDADES DE APLICAÇÃO Modalidades de Aplicação 20 Transferências à União 22 Execução Orçamentária Delegada a União 30 Transferências a Estados e ao Distrito Federal

Leia mais

CONTROLE INTERNO LEI MUNICIPAL MÍNIMA

CONTROLE INTERNO LEI MUNICIPAL MÍNIMA CONTROLE INTERNO LEI MUNICIPAL MÍNIMA Constituição Federal Art. 31. A fiscalização do Município será exercida pelo Poder Legislativo Municipal, mediante controle externo, e pelos sistemas de controle interno

Leia mais

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA 31 de outubro de 2016 INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA Paulo Mól Superintendente do IEL A economia brasileira está perdendo competitividade ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2016/17

Leia mais

22 e 24 FEVEREIRO CURITIBA/PR

22 e 24 FEVEREIRO CURITIBA/PR Tel/Fax: + 55 41 3376 3967 41 3376.3967 cursos@connectoncursos.com.br contato@contreinamentos.com.br www.contreinamentos.com.br facebook.com/contreinamentos CONVÊNIOS NOVA LEGISLAÇÃO!!! ELABORAÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

Administração Interdisciplinar

Administração Interdisciplinar Administração Interdisciplinar LIVRO Administração, teoria e prática no contexto brasileiro: Filipe Sobral e Alketa Peci (capítulos 1 e 2) Original: Profª Me. Elizete F. Montalvão Adaptado por Prof. Me.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO GOVERNO DO PARÁ

MANUAL PRÁTICO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO GOVERNO DO PARÁ MANUAL PRÁTICO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO GOVERNO DO PARÁ 1 APRESENTAÇÃO O Manual Prático do Portal da Transparência do Governo do Estado do Pará foi criado para facilitar a navegação no Portal da Transparência

Leia mais

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República.

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Ouvidoria - Geral da União Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Produzir dados quantitativos e qualitativos acerca da satisfação

Leia mais

O princípio da eficiência e o setor público não-estatal Laura Taddei Alves Pereira Pinto Berquó *

O princípio da eficiência e o setor público não-estatal Laura Taddei Alves Pereira Pinto Berquó * 140 O princípio da eficiência e o setor público não-estatal Laura Taddei Alves Pereira Pinto Berquó * RESUMO. No atual processo de Reforma do Estado, caracterizado pela implantação do modelo gerencial

Leia mais

UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná

UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Processo Seletivo para Ocupação de Vagas Remanescentes nos Cursos de Graduação PROVOU 2015 Candidato: inscrição - nome do candidato Opção: código - nome

Leia mais

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01 Sumário Capítulo 1 Disposições Gerais... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Objetivo da obra... 6 1.3. Apresentando a LRF... 6 1.4. Origem da LRF... 7 1.5. Previsão constitucional para implementação da LRF...

Leia mais

Contratualização de Resultados

Contratualização de Resultados Contratualização de Resultados Contratualização de Resultados CONCEITO E PREMISSA FUNDAMENTAL SOBRE CONTRATOS DE GESTÃO O contrato de gestão é um instrumento de pactuação de resultados, que relaciona secretarias

Leia mais

Evolução da Administração Pública e do Direito Administrativo

Evolução da Administração Pública e do Direito Administrativo 1 Evolução da Administração Pública e do Direito Administrativo 2 A época medieval Não há qualquer unidade que sirva de referência a um interesse público primário nem a um aparelho organizado destinado

Leia mais

AULA 3 DIREITO À SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

AULA 3 DIREITO À SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE FACULDADE CATÓLICA RAINHA DO SERTÃO CURSO DE FARMÁCIA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PROFESSOR: MÁRCIO BATISTA AULA 3 DIREITO À SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DIREITO À SAÚDE DIREITO À

Leia mais

Lei n o de 28/12/1990

Lei n o de 28/12/1990 Lei n o 8.142 de 28/12/1990 Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e

Leia mais

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Fica criado o Fundo Municipal de Assistência Social (FMAS), instrumento de gestão orçamentária e financeira do município, que tem por

Leia mais

EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA. Disciplina: D 1.1 O Estado Contemporâneo e suas Transformações (16h) Professor: Wagner Pralon Mancuso

EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA. Disciplina: D 1.1 O Estado Contemporâneo e suas Transformações (16h) Professor: Wagner Pralon Mancuso EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA Disciplina: D 1.1 O Estado Contemporâneo e suas Transformações (16h) Professor: Wagner Pralon Mancuso Aulas 3 e 4 07 a 10 de setembro de 2011 Com base nos textos de

Leia mais

Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa

Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa Pós-doutorado em Semiótica Cognitiva e Novas Mídias pela Maison de Sciences de l Homme, Professora Titular

Leia mais

A Contabilidade e os Desafios do Terceiro Setor

A Contabilidade e os Desafios do Terceiro Setor CÂMARA TÉCNICA DEBATE - CRCSC A Contabilidade e os Desafios do Terceiro Setor JUAREZ DOMINGUES CARNEIRO MARCO REGULATÓRIO Lei 13.019/2014 e o Decreto 8.726/2016 Marco Regulatório Missão: aperfeiçoar o

Leia mais

Caros Alunos, Disponibilizo, a seguir, as provas comentadas de ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA do concurso Auditor Federal de Controle Externo TCU/2011

Caros Alunos, Disponibilizo, a seguir, as provas comentadas de ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA do concurso Auditor Federal de Controle Externo TCU/2011 Caros Alunos, Disponibilizo, a seguir, as provas comentadas de ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA do concurso Auditor Federal de Controle Externo TCU/2011 Conteúdo muito diversificado. Mesmo assim, afora políticas

Leia mais

INDICADORES E METAS ESTRATÉGICOS

INDICADORES E METAS ESTRATÉGICOS 1 Reduzir homicídios Redução do número de homicídios Identificar a redução do número de homicídios no país 5% ao ano por 3 anos ou 15 % no final de 2018 2 Reduzir a violência no trânsito das rodovias federais

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA AULA 2 Prof. Wellington www.maestrocarreira.com.br A Sociedade Anônima regida pela Lei 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das SA) possui o capital dividido em partes iguais chamadas

Leia mais

PRINCÍPIOS DA GESTÃO PARA A EDUCAÇÃO

PRINCÍPIOS DA GESTÃO PARA A EDUCAÇÃO PRINCÍPIOS DA GESTÃO PARA A EDUCAÇÃO Prof. Dr. Bernardo Meyer Departamento de Ciências da Administração - CAD Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO - A educação vive um processo

Leia mais

Divisão da Aula. 1 Visão Constitucional 2 Visão da LRF. 1 Visão Constitucional. Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO

Divisão da Aula. 1 Visão Constitucional 2 Visão da LRF. 1 Visão Constitucional. Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO Divisão da Aula Professor Luiz Antonio de Carvalho Lei de Diretrizes Orçamentárias - lac.consultoria@gmail.com 1 Visão Constitucional 2 Visão da LRF 1 2 1 Visão Constitucional Art. 165. Leis de iniciativa

Leia mais

Regulação dos serviços de Saneamento Básico

Regulação dos serviços de Saneamento Básico Regulação dos serviços de Saneamento Básico José Bonifácio de Sousa Amaral Filho Diretor de Regulação Econômico-Financeira e Mercados Workshop Departamento de Infraestrutura - FIESP São Paulo, 16 de setembro

Leia mais

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FGV CORPORATIVO 12.227/14_v3 QUADRO DE DISCIPLINAS Disciplinas (**) Carga Horária (*) 1. Cooperativismo e Administração de Serviços

Leia mais

Reconhecendo a importância e a significativa contribuição da aviação civil para o desenvolvimento sócio econômico de seus países e

Reconhecendo a importância e a significativa contribuição da aviação civil para o desenvolvimento sócio econômico de seus países e Memorando de Entendimento sobre a Parceria em Aviação entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo

Leia mais

LEGISLAÇÃO E ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

LEGISLAÇÃO E ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR 1º Regulamento do Hospital de Todos os Santos 19/1/1504 Autonomia Administrativa Superintendência por um provedor Participação dos representantes dos ofícios Casa dos 23 Associação ao ensino e investigação

Leia mais

RESOLUÇÃO ATRICON Nº 01/2013

RESOLUÇÃO ATRICON Nº 01/2013 RESOLUÇÃO ATRICON Nº 01/2013 Estabelece RECOMENDAÇÕES aos Tribunais de Contas sobre procedimentos e ações de orientação, fiscalização e julgamento da transparência dos órgãos jurisdicionados, especialmente

Leia mais

1. Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior:

1. Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior: LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA APTOS AO REGISTRO NO CRA-GO 1. Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior: 1.1. Tecnologia em Exportação e Importação; 1.2. Tecnologia em Gerência de Comércio Exterior;

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Direito Administrativo INSS/2016 Prof. Almir Morgado ESTADO PODER EXECUTIVO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GOVERNO ESTADO É a nação politicamente organizada. É composto de povo, território e governo soberano. Poderes

Leia mais

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental 10. Metas e Indicadores As metas representam os resultados a serem alcançados pelo tribunal para atingir os objetivos propostos. Elas permitem um melhor controle do desempenho da instituição, pois são

Leia mais

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz Perfil O Hospital Alemão Oswaldo Cruz é uma associação civil de direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos de caráter

Leia mais

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA Rossetti (Cap. III) As 4 Questões Chave da Economia Eficiência Produtiva Eficácia alocativa Justiça distributiva e Ordenamento Institucional Principais Elementos

Leia mais

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Visão geral SECRETÁRIO Gabinete - Carreira de EPPGG - Gestão interna - Apoio Administrativo - Núcleo de

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

ANVISA. EXERCÍCIOS - CESPE Lei 8.080/90. Profa. Andréa Paula

ANVISA. EXERCÍCIOS - CESPE Lei 8.080/90. Profa. Andréa Paula ANVISA EXERCÍCIOS - CESPE Lei 8.080/90 Profa. Andréa Paula Banca: CESPE - Órgão: SESA- ES Ano: 2013 Cargos: Todos os cargos Lei n.º 8.080/1990, conhecida como a Lei Orgânica da Saúde, foi criada para regular,

Leia mais

Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento. Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração

Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento. Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração Junho 2014 CAB ambiental Dados sobre Obras de saneamento Principais interferências

Leia mais

Painel V - Planejamento de Rodovias e Expansão da Malha Viária Perspectivas e Desafios

Painel V - Planejamento de Rodovias e Expansão da Malha Viária Perspectivas e Desafios Painel V - Planejamento de Rodovias e Expansão da Malha Viária Perspectivas e Desafios Engº Marcelo Perrupato Visão Geral do Planejamento e da Execução do Setor de Transportes Rodovias - Perspectivas e

Leia mais

NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - Objetivos - Evolução Grupo Governança Corporativa - Captura de Sinergias - Racionalização Processos - Viabilizar o Processo de Crescimento - Valorização dos Talentos Antecedentes

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Simpósio Novas Fronteiras Farmacêuticas nas Ciências da Regulamentação, Tecnologia e Sistema da Qualidade

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Simpósio Novas Fronteiras Farmacêuticas nas Ciências da Regulamentação, Tecnologia e Sistema da Qualidade AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANVISA Simpósio Novas Fronteiras Farmacêuticas nas Ciências da Regulamentação, Tecnologia e Sistema da Qualidade Dirceu Barbano Diretor-Presidente Brasília, 25

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS As primeiras manifestações de gestão ambiental procuraram solucionar problemas de escassez de recurso, mas só após a Revolução Industrial os problemas que concernem à poluição

Leia mais

Eixo I - Promoção da transparência pública e acesso à informação e dados públicos

Eixo I - Promoção da transparência pública e acesso à informação e dados públicos Eixo I - Promoção da transparência pública e acesso à informação e dados públicos A transparência e o acesso à informação são essenciais para a consolidação do regime democrático e para a boa gestão pública.

Leia mais

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL Jôer Corrêa Batista Considerações Preliminares. Filantropia Assistência Ação Social Transformação Social Tendências O amadorismo no Terceiro Setor vem

Leia mais

Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC

Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC Indústria Química, Sociedade e Território: novos desafios para o Grande ABC Luis Paulo Bresciani Consórcio Intermunicipal Grande ABC Universidade Municipal de São Caetano do Sul ciclo de debates A indústria

Leia mais

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS.

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Novas demandas de mercado exigem que modelos técnicos consagrados sejam incorporadas a novas tecnologias, novos conhecimentos

Leia mais

Sessão de visão comum CABO VERDE. Cabo Verde Maio/2010

Sessão de visão comum CABO VERDE. Cabo Verde Maio/2010 Sessão de visão comum CABO VERDE Cabo Verde Maio/2010 Desempenho Determina o nivel actual do sistema de inocuidade de alimentos Visão Crear uma visao compartida de todos os integrantes do sistema Estrategia:

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REDE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Docente: Carlos Henrique l. Borges Semestre: VI Carga horária: 60 hs ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: CONCEITOS E PRINCÍPIOS A Constituição Federal, a Constituição

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 19. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 19. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 19 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Gestão da Qualidade no Serviço Público Fontes utilizadas: Livro Gestão da Qualidade, Teoria e Prática Edson Paladini. Livro Gestão da Qualidade,

Leia mais