Unidade II. Para entender os mercados financeiros é necessário conhecer como a economia influencia e é influenciada por eles.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II. Para entender os mercados financeiros é necessário conhecer como a economia influencia e é influenciada por eles."

Transcrição

1 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade II A ECONOMIA E OS MERCADOS FINANCEIROS Para entender os mercados financeiros é necessário conhecer como a economia influencia e é influenciada por eles. Alguns conceitos devem ser estudados para melhor entendimento, como: 1 1. o que é moeda, como acontece a circulação da moeda, como a moeda é colocada no mercado; 2. as políticas econômicas de governo, os objetivos de cada política, como o mercado financeiro reage por causa dessas políticas, entre outras; 3. Como os resultados das transações nacionais e internacionais de mercadorias, serviços e produtos financeiros influenciam a economia, os mercados financeiros e os diversos agentes econômicos. 2 MOEDA: CONCEITOS E FUNÇÕES Moeda é o meio de pagamento legal utilizado não apenas para facilitar as trocas de bens e serviços, mas também para realizar transações e quitar obrigações contratuais. Tudo aquilo que, geralmente, é aceito pelo público em pagamento de bens, serviços, investimentos e dívidas é convencionalmente conhecido como moeda. Esta exerce um papel decisivo no desenvolvimento da atividade econômica e se apresenta como papel-moeda, moeda metálica e moeda escritural. Superação de escambo: eliminação do sistema de troca de mercadorias. O sistema de troca de uma mercadoria por outra era utilizado no início da Idade Média, quando a moeda ainda não era empregada nas transações de compra e venda de quaisquer produtos. Meio circulante: Moeda emitida (-) moeda retida. Moeda escritural: valores em conta corrente bancária. 9

2 Unidade II 2.1 Funções da moeda Além de ser o instrumento básico para intermediar trocas, a moeda exerce funções relevantes no sistema econômico de um país. A tabela abaixo relaciona as principais funções da moeda. Intermediação de trocas Medida de valor Reserva de valor Função liberatória Padrão de pagamentos superação de escambo; operação de economia monetária; melhor especificação e divisão social do trabalho; transações com menor tempo e esforço; melhor planejamento para aquisição e venda de bens e serviços; unidade padronizada de medida de valor; denominador comum de valores; racionaliza informação econômica; possibilita criar sistema agregado de contabilidade social: produção investimento e consumo poupança alternativa de acumular riqueza; liquidez por excelência; aceitação consensual; liquida débitos; salda dívidas; poder garantido pelo Estado; permite realizar pagamentos ao longo do tempo; permite crédito e adiantamento; viabiliza fluxos de produção e de renda. Fonte: CNB, Mercado de capitais, p. 7. A moeda é emitida mediante autorização legal das autoridades monetárias após identificarem a necessidade de fazê-lo. Nem toda moeda emitida encontra-se em circulação, uma parte pode permanecer retida no Banco Central, aguardando liberação futura.

3 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS O montante de moeda emitida numa economia, menos o saldo retido no caixa das autoridades monetárias, é definido como moeda em circulação ou meio circulante. Ela é representada pelo papel-moeda e pela moeda metálica. A moeda escritural representa o total de depósitos à vista (valores em conta-corrente bancária) efetuados pelo público nos bancos comerciais. A soma desses meios de pagamento é denominada M1. Dessa forma, temos: Moeda emitida (-) Moeda em poder das autoridades monetárias (=) Moeda em circulação (M1) (-) Depósitos à vista dos bancos comerciais (=) Moeda em poder do público Fonte: Assaf Neto, Alexandre, Mercado financeiro, p. 36 Moeda em poder do público (+) Depósitos à vista dos bancos comerciais (=) M1 (meios de pagamento) Fonte: Assaf Neto, Alexandre, Mercado financeiro, p Meios de pagamento Meios de pagamento (M1) representam o volume de recursos disponíveis para pagamento de bens e serviços que podem ser efetuados em papel-moeda, moeda metálica ou cheque. Conforme o quadro acima, toda moeda em poder do público 11

4 Unidade II mais os depósitos à vista dos bancos comerciais formam os meios de pagamento. Além do conceito de moeda M1, os meios de pagamento podem abranger outros conceitos, mais amplos, conhecidos por M2, M3 e M4, que incluem diversos tipos de títulos (ativos) em circulação no mercado financeiro, denominados quase-moeda ou não monetários, conforme quadro a seguir: M1 (meios de pagamento) (+) Depósitos à vista nas caixas econômicas (+) Títulos públicos colocados no mercado (+) Saldo de fundos de aplicação financeira (=) M2 (meios de pagamento) M2 (meios de pagamento) (+) Depósitos em caderneta de poupança (=) M3 (meios de pagamento) M3 (meios de pagamento) (+) Depósitos a prazo fixo, letras de câmbio e letras imobiliárias (=) M4 (meios de pagamento) Fonte: Assaf Neto, Alexandre, Mercado financeiro, p POLÍTICAS ECONÔMICAS DE GOVERNO O conjunto de ações de governo, com objetivos bem definidos, é chamado de políticas de governo. 12

5 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS As políticas que têm por objetivo promover o desenvolvimento econômico, atender as necessidades da sociedade, garantir o pleno emprego e a estabilidade de preços são chamadas de políticas econômicas. Para a aplicação dessas políticas, o Estado utiliza-se de instrumentos que envolvem uma série de variáveis econômicas, como taxas de juros, impostos, emissão de moeda, entre outras. As principais políticas econômicas são a monetária, a fiscal, a cambial e a de rendas. 3.1 Política monetária 1 Consiste na gestão e controle da moeda e do crédito. São as decisões da autoridade monetária sobre os meios de pagamento, os títulos públicos e as taxas de juros. Essas decisões visam controlar a liquidez, isto é, controlar a quantidade de moeda em circulação e a velocidade com que circula na sociedade. A gestão e controle da moeda e do crédito permitem ao governo: a. controlar a emissão da moeda para manter a atividade econômica em expansão; b. reduzir a oferta de moeda quando ocorrerem tendências de sua desvalorização; c. avaliar a moeda nacional em relação a outras, como instrumento de política de comércio exterior. Moeda física: dinheiro, isto é, papel moeda. 2 O controle monetário, isto é, o controle da oferta e da demanda da moeda, visa promover o crescimento econômico por meio da estabilidade do padrão monetário, sem ocorrência de processos inflacionários. Para tanto, algumas premissas formam a base política monetária, como: a moeda é o centro da macroeconomia; 13

6 Unidade II a oferta de moeda determina a demanda agregada no setor real da economia; a demanda de moeda é função estável da renda; a velocidade da moeda é praticamente constante a curto prazo; a política monetária é mais eficaz do que a política fiscal para promover o crescimento econômico estável; moeda afeta, a curto prazo, a demanda agregada, e pode fazer variar os níveis de produção e emprego; 1 a longo prazo, a moeda determina apenas o nível geral de preços. Os objetivos da política monetária são: promover o desenvolvimento econômico, manter o pleno emprego, a estabilidade do padrão monetário, sem ocorrência de processos inflacionários, e promover a distribuição da riqueza e das rendas. Para atingir esses objetivos, o governo utiliza instrumentos especiais de política monetária, como: Emissão de moeda Forma primária de política monetária pela qual a autoridade intervém diretamente no mercado monetário, contraindo ou expandindo o volume de moeda na economia. A ação básica da autoridade dá-se tanto em termos de moeda física como escritural. Multiplicador bancário (k): é uma variável que sintetiza o mecanismo de multiplicação da base monetária pelo processo de criação de moeda operado pelos bancos comerciais, isto é, a maior parte dos recursos depositados em banco fica disponível para empréstimos, enquanto a menor parte é mantida em caixa. 2 Os bancos têm como característica essencial a geração de moeda escritural, decorrente do fato de os depósitos bancários não coincidirem, necessariamente, com as retiradas, permanecendo o dinheiro por algum tempo à disposição do banco para empréstimos. 14

7 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Em resumo, a moeda injetada na economia pela autoridade monetária transforma-se em moeda escritural devido ao poder multiplicador dos bancos. Os valores deixados em caixa para atender as retiradas diárias são chamados de encaixe Reservas compulsórias Correspondem ao recolhimento feito pelos bancos à autoridade monetária de valor relativo a um percentual sobre seus depósitos à vista e/ou a prazo. Esse recolhimento também chamado de encaixe legal, por ser obrigatório, pode ser feito em moeda ou em títulos federais da dívida pública. Trata-se de instrumento restritivo e pode ser utilizado pela autoridade monetária para situações específicas como, por exemplo, facilitar operações de crédito rural, formar estoques reguladores e outras aplicações Redesconto bancário 1 Instrumento utilizado pelas autoridades monetárias para assistência às instituições do Sistema Financeiro Nacional. Ele corresponde à concessão de empréstimos destinados a auxiliar eventuais problemas de liquidez das instituições financeiras. Nessa assistência, o Banco Central funciona como o banco dos bancos. 2 O redesconto também pode ser efetuado no mercado interbancário para suprir as operações normais. Ele é feito por meio de CDI Certificado de Depósito Interbancário. Dessa forma, a utilização do redesconto via autoridade monetária restringe-se aos casos mais graves ou a valores que o próprio sistema não pode financiar. Por meio do redesconto, o Banco Central controla o nível de liquidez e os meios de pagamento, promovendo alterações na taxa de juros, nos prazos de crédito, nos limites de crédito e na carteira de títulos descontáveis. 1

8 Unidade II Operações no mercado aberto No open market, a liquidez do sistema é regulada pela compra e venda de títulos públicos. Nesse mercado, comprase e vende-se dinheiro e mercadoria do sistema financeiro. A concorrência no setor financeiro faz com que as diferenças entre os preços de compra e venda desses títulos se aproximem muito, gerando spreads pequenos. Estes correspondem à diferença percentual entre o preço de compra e o de venda dos títulos. Os negociadores de títulos federais são chamados de dealers. Semanalmente o Tesouro Nacional ou o próprio Banco Central emite títulos que são leiloados aos dealers. Os tipos de operação no open market são: compra/venda final: quando o investidor fica com o título até a data de resgate final; em aberto: operação em que o prazo e/ou a taxa são definidos quando do resgate; prazo fixo: operações de recompra fixada; taxa fixa: operações cuja taxa é fixada até a data de recompra; operações compromissadas: venda competitiva de títulos com compromisso de revenda assumido pelo comprador. O open market tem importante papel nas políticas de governo, pois, além da função básica de liquidez bancária, exerce funções específicas, considerando o ponto de vista do Banco Central, das instituições financeiras e das empresas, conforme abaixo: Do Banco Central adequar continuamente o volume dos meios de pagamento às necessidades da economia, atuando no curto prazo, com títulos cujo efeito é de quasemoeda; Spreads: diferença percentual entre os preços de compra e venda dos títulos. Dealers: são os negociadores de títulos federais. 16

9 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS 1 regular a taxa de juros; antecipar ações para controle da liquidez. Das instituições financeiras corresponde à reserva secundária da alta liquidez; ajusta instantaneamente sua própria liquidez; remunera disponibilidades de curtíssimo prazo. Das empresas induz à aplicação de recursos ociosos de curtíssimo prazo; otimiza a administração do caixa. As operações no mercado aberto são processadas inicialmente por meio da colocação ou do resgate de títulos públicos. Quando essa colocação ocorre pela primeira vez, dizemos que estamos atuando no mercado primário. O mercado primário é aquele em que a negociação ocorre diretamente entre o emitente dos títulos, o governo, e seus adquirentes, as instituições financeiras. Já a transferência dos referidos títulos a terceiros, isto é, a revenda deles, realizada entre as instituições financeiras e os poupadores, chama-se mercado secundário Formação do preço do dinheiro (taxa de juros) A determinação da taxa de juros básica da economia faz parte da política monetária e corresponde ao preço do dinheiro, isto é, quanto irá custar a captação de recursos no mercado financeiro. Mercado primário: é aquele em que são efetuadas as primeiras negociações dos títulos. É a única vez que o emitente dos títulos faz a negociação direta com os adquirentes. Mercado secundário: é aquele em que ocorre a revenda dos títulos entre as instituições financeiras e os poupadores. Taxa Selic: corresponde à taxa média ajustada dos financiamentos diários, com lastro em títulos públicos, apurados no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic). Lastro em títulos públicos: a base são os títulos públicos. Pesquise mais sobre a palavra lastro. 2 A taxa de juros básica é determinada pelo Banco Central por meio das decisões do Comitê de Política Monetária Copom. 17

10 Unidade II A taxa de juros é definida como a meta para a taxa Selic, que corresponde à taxa média ajustada dos financiamentos diários, com lastro em títulos públicos, apurados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic). O período de vigência dessa taxa ocorre entre as reuniões do Copom. O Banco Central pode operar como comprador ou vendedor, por meio de leilões eletrônicos ou formais com o objetivo de injetar ou enxugar recursos no mercado. Todas as operações do Selic são líquidas em dinheiro. 1 A taxa Selic serve como base para fixar o custo do dinheiro para as demais operações do setor privado, como a taxa CDI Certificado de Depósito Interbancário, taxa de juros para transações na BMF Bolsa Mercantil e de Futuros, para prazos longos, fixação da taxa de juros dos CDBs Certificados de Depósitos Bancários, acréscimos de custos dos impostos, margem de lucro das instituições financeiras, entre outros. Em resumo, é a partir da taxa de juros básica, definida na reunião periódica do Copom, que é formada toda a estrutura de juros da economia. 3.2 Política fiscal 2 A política fiscal preocupa-se com os gastos do setor público e os tributos cobrados da sociedade, visando ao equilíbrio entre a arrecadação tributária e as despesas governamentais. É com base na política fiscal que o governo define e aplica impostos, taxas e contribuições sobre os agentes econômicos, promovendo a receita fiscal. Também define os gastos do governo e influi na política monetária, em especial no fluxo de caixa e na concessão de crédito dos agentes econômicos. 30 As decisões de política fiscal afetam a vida dos agentes econômicos. Por exemplo, uma alteração na carga tributária dos consumidores afeta sua renda disponível, que por sua vez atinge o nível de poupança. Já um acréscimo na carga tributária 18

11 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS 1 das empresas acarreta a redução nos resultados, o que torna o capital investido menos atraente e também menor a capacidade de investimento, por acumular menores fluxos de caixa, podendo tornar a empresa mais dependente de empréstimos para financiar sua atividade. Portanto, uma alteração na política fiscal afeta a economia para consumo, o investimento e o equilíbrio da renda nacional. Por outro lado, um acréscimo nos gastos do governo geralmente promove um incremento na demanda agregada, alterando de forma positiva a renda nacional. Quando ocorre uma alteração na política fiscal, por meio de impostos e gastos, ela afeta o orçamento do governo. É no orçamento fiscal que estão inclusas as receitas tributárias relativas às cobranças dos diversos impostos e taxas e as despesas de consumo e investimento do governo. Quando as receitas com impostos são menores que o volume de gastos, ocorre um déficit no orçamento que deve ser coberto por meio de novas emissões monetárias e títulos públicos, que por sua vez alteram os meios de pagamento e o nível das taxas de juros em razão de uma elevação na dívida pública Dívida pública 2 30 O governo custeia suas necessidades financeiras mediante o aumento de impostos, através de emissões monetárias, inclusive aquelas determinadas por empréstimos internacionais, e pela colocação de títulos no mercado. Essas medidas, com exceção do aumento dos impostos, criam dívidas para o Tesouro Nacional. A receita líquida de impostos é que financia os gastos do governo. Quando a receita é maior que o gasto de consumo ocorre a formação da poupança em conta-corrente. O superávit/déficit público é encontrado deduzindo-se os investimentos públicos, conforme demonstrado abaixo: Superávit: resultado positivo das receitas, descontados os gastos e o investimento, ou o excesso da receita sobre a despesa. Déficit: resultado negativo das receitas, descontados os gastos e os investimentos, ou o excesso da despesa sobre a receita. 19

12 Unidade II Receita bruta com impostos (-) Transferências do governo 1 (=) Receitas líquidas de impostos (-) Gastos correntes de consumo do governo (=) Poupança em conta-corrente (-) Investimento governamental (=) Superávit/Déficit público Fonte: Assaf Neto, Alexandre, Mercados financeiros, p. 2 Outra medida que determina a eficiência do orçamento público é o superávit/déficit primário, determinado conforme segue: Receita bruta com impostos (-) Gastos correntes de consumo do governo (-) Investimentos do governo (=) Superávit/Déficit primário 3.3 Política cambial Corresponde à administração da taxa de câmbio, promovendo alterações das cotações cambiais. A política cambial procura controlar as transações internacionais executadas por um país e é fixada de maneira a viabilizar as necessidades de expansão da economia e promover seu desenvolvimento econômico. A política cambial pode afetar o nível das exportações, que, pela conversão de divisas em moeda nacional, pode promover um processo inflacionário na economia, afetando assim o controle dos juros. 1 Transferências do governo correspondem aos juros da dívida pública, subsídios e gastos com a previdência social.

13 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS A taxa de câmbio corresponde ao valor com que a autoridade monetária compra e vende moeda estrangeira deve adquirir moeda estrangeira e pagar com moeda nacional aos exportadores de bens e serviços e aos devedores que tenham obtido empréstimos no exterior. As moedas estrangeiras são utilizadas no pagamento de transações internacionais, como importações, pagamento de dívidas internacionais, entre outras. O câmbio segue diversos padrões monetários, destacandose na atualidade três: taxa de câmbio fixa, as taxas de câmbio flutuantes e o currency board Taxa de câmbio fixa 1 O valor da moeda está atrelado a um referencial fixo, como ouro, dólar ou até mesmo uma cesta de moedas de diversas economias. Isso permite maior nível de certeza ao comércio internacional, pois o valor futuro da moeda é conhecido previamente. Para o governo, esse padrão proporciona maior risco, pois em épocas de desequilíbrio é obrigado a gastar elevadas somas de suas reservas cambiais para manter a cotação de sua moeda Taxa de câmbio flutuante As taxas de câmbio acompanham livremente as oscilações da economia, ajustando-se mediante alterações de seus valores; permitem maior liberdade às economias na execução de suas políticas monetárias, além de maior agilidade em eventuais desequilíbrios Padrão currency board É um sistema em que a autoridade monetária assume o compromisso legal de efetuar o câmbio de moeda nacional por moeda estrangeira forte, a moeda âncora, a uma cotação fixa. 21

14 Unidade II Nesse caso, a autoridade monetária corresponde a uma caixa de conversão que mantém reserva em moeda forte, equivalendo a pelo menos 0% da moeda nacional em circulação, o que restringe a emissão de moeda até o limite das reservas internacionais no país. 3.4 Política de rendas 1 Corresponde basicamente ao controle dos fatores que influenciam a produção e o consumo da sociedade. É por meio da política de renda que o governo controla os níveis de salários, por meio do salário mínimo; os níveis dos encargos, por meio da determinação de alíquotas de recolhimento do INSS, FGTS, entre outros; o nível do sistema de preços, por meio dos preços públicos e da prática dos preços de setores considerados estratégicos, além da distribuição de resultados da atividade econômica. Essa política ajuda no controle da inflação por meio dos níveis desejados de consumo e investimento, complementando as demais políticas de governo. 4 BALANÇO DE PAGAMENTOS O resultado do fluxo de recursos de uma economia é demonstrado pelas autoridades monetárias mediante o balanço de pagamentos. 2 No balanço de pagamentos são registrados os valores de todas as transações internacionais efetuadas por um país, inclusive as operações realizadas entre residentes e não residentes, em determinado período. Uma importação resulta em uma exportação de moeda estrangeira para seu pagamento. A estrutura do balanço de pagamentos segue a forma abaixo: 22

15 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS a. Balança comercial (1 2) b. Balança de serviços ( ) c. Transferências unilaterais d. Saldo em conta-corrente (a + b + c) e. Movimentos de capitais ( ) f. Erros e omissões g. Saldo do balanço de pagamentos (d + e + f) Sendo: 1 = exportação e 2 = importação Sendo: 3 = viagens internacionais 4 = transportes = seguros 6 = renda de capital 7 = serviços governamentais 8 = serviços diversos Sendo: 9 = investimentos diretos = reinvestimentos 11 = empréstimos e financiamentos 12 = amortizações 13 = outros Corresponde ao saldo das exportações, deduzidas as importações de um país. Pagamentos e recebimentos de seguros, fretes, viagens, lucros, entre outros, realizados entre residentes no país e os demais países. Transferências de doações de mercadorias e assistência, remessas de imigrantes e outras. Recursos que entram no país, referentes a investimentos, empréstimos, financiamentos, entre outros. Resultado final das transações realizadas entre residentes e não residentes do país. O saldo em conta-corrente mostra que o país está exportando ou importando poupança; se o saldo for negativo, mostra que o país está financiando seus investimentos internos com poupança externa, pois estará captando recursos no exterior mediante empréstimos, financiamentos e investimentos diretos para poder equilibrar seu balanço de pagamentos. Caso não consiga recursos externos, deverá abrir mão de suas reservas monetárias internacionais. Quando isso acontece, algumas medidas podem ser tomadas: renegociação da dívida, negociação Balança comercial: resultado das transações de mercadorias entre os países. Balança de serviços: resultado dos serviços prestados entre os países. 23

16 Unidade II de novos empréstimos, medidas para conter as saídas de divisas e desvalorização cambial para estimular a exportação e desestimular a importação. TAXA DE JUROS E RETORNO EXIGIDO Como observado anteriormente, as intermediações financeiras criam mecanismos de transferência de valores entre os poupadores e investidores, resultando disso uma interação entre os fatores econômicos como: oferta de moeda, saldo da balança comercial e políticas econômicas que influenciam o custo do dinheiro, representado pela taxa de juros. O juro identifica o preço do crédito, isto é, o preço de troca de ativos disponíveis em diferentes momentos do tempo. Corresponde à compensação que um demandante de fundos deve pagar a seu fornecedor. 1 2 Quando ocorre empréstimo de recursos, o custo de sua captação é a taxa de juros. Quando os recursos são obtidos mediante uma transação de compra e venda de direito de propriedade, como, por exemplo, a compra de ações de uma empresa, o custo para o demandante (vendedor das ações) dos recursos é chamado de retorno exigido e representa o nível de ganho esperado pelo fornecedor (comprador das ações). O custo dos recursos, não considerando os fatores de risco e a inflação, é representado pela taxa real de juros. Como o risco está presente em qualquer decisão de investimento, assim como a possibilidade de aumento de preços (inflação), a taxa de juros praticada é aquela que inclui esses fatores e é chamada de taxa nominal ou efetiva de juros. 30 As taxas nominal e efetiva de juros são, também, consequência da taxa de juros básica determinada pelo governo, pois como vimos no item específico, todas as transações de investimento e financiamento de uma economia estão direta ou indiretamente relacionadas com as políticas de governo. 24

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 3 POUPANÇA

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 3 POUPANÇA MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 3 POUPANÇA Índice 1. Poupança...3 2. Desenvolvimento econômico e intermediação financeira..3 3. A Economia e os Mercados Financeiros...4 4. Moeda: Conceitos e Funções...4

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES Índice 1. Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social BNDES...3 2. Sistema de Pagamentos Brasileiro...3

Leia mais

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin Unidade III ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Introdução Macroeconomia: Grandes questões econômicas; Comportamento global do sistema; Análise dos grandes agregados econômicos. Estrutura básica

Leia mais

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são:

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são: Módulo 15 Política Monetária O conjunto de atos do BACEN para controlar a quantidade de dinheiro e a taxa de juros e, em geral, as condições de crédito constitui a política monetária de um determinado

Leia mais

Economia, Finanças e Estatística Avançada

Economia, Finanças e Estatística Avançada A correlação entre taxa SELIC Meta e inflação é a) Próxima de 1 b) Maior que 1 c) Próxima de -1 d) Igual a 0 A correlação entre taxa SELIC Meta e inflação é a) Próxima de 1 - Significa que quando um ativo

Leia mais

O LADO MONETÁRIO DA ECONOMIA

O LADO MONETÁRIO DA ECONOMIA O LADO MONETÁRIO DA ECONOMIA 1 MOEDA: instrumento ou objeto aceito pela coletividade para intermediar as transações econômicas, para pagamentos de bens e serviços. Moeda Mercadoria: antigamente, as transações

Leia mais

ECONOMIA E MERCADO POLÍTICAS MONETÁRIA, FISCAL E CAMBIAL

ECONOMIA E MERCADO POLÍTICAS MONETÁRIA, FISCAL E CAMBIAL ECONOMIA E MERCADO POLÍTICAS MONETÁRIA, FISCAL E CAMBIAL Professora: Karina Cabrini Zampronio Política Monetária Definição: política monetária Conjunto de instrumentos de que se valem as autoridades monetárias

Leia mais

Mercado de Capitais. Indicadores Econômicos. Professor: Roberto César

Mercado de Capitais. Indicadores Econômicos. Professor: Roberto César Mercado de Capitais Indicadores Econômicos Professor: Roberto César Indicadores Econômicos: Conceito Indicadores econômicos são um conjunto de dados que dão uma idéia da situação da economia de um país,

Leia mais

Fatores Determinantes do

Fatores Determinantes do Fatores Determinantes do Balanço de Pagamentos Abordagem pela Absorção Abordagem pelos Movimentos de Capital Abordagem Monetária http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Contabilidade das relações externas

Leia mais

Sumário. ) Importações de Bens e de Serviços Não-Fatores (M nf

Sumário. ) Importações de Bens e de Serviços Não-Fatores (M nf Sumário CAPÍTULO 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS... 1 1.1 Conceitos Introdutórios... 1 1.1.1 Definição... 1 1.1.2 Meios (formas) Internacionais de Pagamento... 3 1.1.3 Apresentação da Estrutura Antiga do Balanço

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item Noções e Instrumentos de Política Monetária

Conhecimentos Bancários. Item Noções e Instrumentos de Política Monetária Conhecimentos Bancários Item 3.1.2- Noções e Instrumentos de Política Monetária Conhecimentos Bancários Item 3.1.2- Noções e Instrumentos de Política Monetária Manejo de operações destinadas a regular

Leia mais

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Referência: Cap. 15 de Economia Internacional: Teoria e Política, 6ª. Edição Paul R. Krugman e Maurice Obstfeld Economia Internacional II - Material para aulas (3)

Leia mais

Gabarito. 5. As necessidades não-econômicas são aquelas satisfeitas com bens que não podem ser produzidos, como o ar que respiramos.

Gabarito. 5. As necessidades não-econômicas são aquelas satisfeitas com bens que não podem ser produzidos, como o ar que respiramos. Gabarito Disciplina: Economia Professor: Otto Nogami CAPÍTULO 1 A ESSÊNCIA DO PROBLEMA ECONÔMICO 1. Ciência econômica é o estudo da alocação dos recursos produtivos escassos para organizar da melhor maneira

Leia mais

Unidade I MERCADO FINANCEIRO. Profa. Ana Maria Belavenuto

Unidade I MERCADO FINANCEIRO. Profa. Ana Maria Belavenuto Unidade I MERCADO FINANCEIRO Profa. Ana Maria Belavenuto Objetivo Entender como se estabelece as relações entre o lado monetário (moeda) com o lado real da economia (insumos e fatores de produção), na

Leia mais

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves Balanço de pagamentos Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. BOP: Definição 2. BOP: Estrutura básica 3. BOP: Determinantes de curto prazo 4. BOP: Brasil 5. Posição do investimento

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais

Mercado Financeiro e de Capitais Mercado Financeiro e de Capitais Professor conteudista: Roberto Cruz Sumário Mercado Financeiro e de Capitais Unidade I 1 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS...1 1.1 Conceitos básicos do mercado financeiro...1

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos Classificações dos Títulos A classificação mais natural que temos da classificação de títulos é justamente

Leia mais

POLÍTICAS MONETÁRIA, FISCAL e CAMBIL

POLÍTICAS MONETÁRIA, FISCAL e CAMBIL POLÍTICAS MONETÁRIA, FISCAL e CAMBIL Curso: MBA em Gestão Empresarial Disciplina: Ambiente Globalizado de Negócios Professora: Karina Cabrini Zampronio DEFINIÇÃO Política Monetária: CONJUNTO DE INSTRUMENTOS

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 18. EXERCÍCIOS parte 5

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 18. EXERCÍCIOS parte 5 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 18 EXERCÍCIOS parte 5 Índice Exercícios parte 5...3 2 EXERCÍCIOS PARTE 5 1. A taxa de juros é determinada pelo: a. Mercado monetário; b. Mercado de capitais; c.

Leia mais

ORIGEM DA MOEDA. Prof. Me. Wesley Vieira Borges Economia e Mercado

ORIGEM DA MOEDA. Prof. Me. Wesley Vieira Borges Economia e Mercado ORIGEM DA MOEDA Prof. Me. Wesley Vieira Borges Economia e Mercado Origem e Evolução da Moeda Escambo Simples troca de mercadoria por mercadoria. Permuta de sem a preocupação com equivalência em valor Moeda-Mercadoria

Leia mais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais 1. (ESAF- AFRF- 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Exportações de bens e serviços não fatores:

Leia mais

O SETOR EXTERNO Bibliografia: capítulo 6 de Bacha (2004), p. 151 a 158; 165 a 175; 177 e 178. Aula 7

O SETOR EXTERNO Bibliografia: capítulo 6 de Bacha (2004), p. 151 a 158; 165 a 175; 177 e 178. Aula 7 O SETOR EXTERNO Bibliografia: capítulo 6 de Bacha (2004), p. 151 a 158; 165 a 175; 177 e 178 1 Setor externo e modelos econômicos O setor externo é um dos quatro agentes que compõem os modelos macroeconômicos.

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Eloi Martins Senhoras

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

CIRCULAR Nº 2568 DECIDIU:

CIRCULAR Nº 2568 DECIDIU: CIRCULAR Nº 2568 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar. A

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Moeda)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Moeda) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Moeda) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César Mercado de Capitais Sistema financeiro nacional Professor: Msc. Roberto César Sistema Financeiro Consumo Poupança Investimento Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido

Leia mais

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL

Leia mais

O Sistema Especial de Liquidação e de Custódia é um sistema informatizado destinado ao registro, custódia e liquidação dos títulos públicos federais emitidos pelo Banco Central e pelo Tesouro Nacional

Leia mais

MERCADO DE CÂMBIO. Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013

MERCADO DE CÂMBIO. Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013 MERCADO DE CÂMBIO e Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013 MERCADO DE CÂMBIO CONCEITO É o mercado que reúne compradores e vendedores de moedas estrangeiras, sob supervisão do Banco Central. Os compradores

Leia mais

3. Sistema Financeiro

3. Sistema Financeiro 3. Sistema Financeiro 3.1 Mercados e Instrumentos Financeiros Brasil Mercado de Câmbio Bibliografia Feijó, C. et al. (2011), caps. 7 e 8 PMF 6 e 11 1 Câmbio Câmbio é a operação de troca de moeda de um

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

Unidade IV MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS

Unidade IV MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade IV 7 MERCADOS FINANCEIROS Os mercados financeiros constituem-se em fóruns onde os fornecedores e demandantes de recursos podem transacionar os títulos. Conforme

Leia mais

Bizú de Noções de Macroeconomia Agente Fiscal de Rendas Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Bizú de Noções de Macroeconomia Agente Fiscal de Rendas Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Bizú de Noções de Macroeconomia Agente Fiscal de Rendas Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Olá, Pessoal! A FCC costumeiramente cobra em prova, por meio de questões, praticamente todos os temas

Leia mais

FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS

FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS FUNÇÃO SOCIAL DOS BANCOS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ARRECADAÇÃO DE TRIBUTOS E PAGAMENTO DE BENEFÍCIOS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL H I S T Ó R I C O ESTRUTURA ATUAL AUTORID. MONETÁRIAS AUTORID. DE APOIO INST.

Leia mais

Sistema Monetário e Inflação. Copyright 2004 South-Western

Sistema Monetário e Inflação. Copyright 2004 South-Western Sistema Monetário e Inflação 29 Moeda Moeda é o conjunto de ativos na econoima que as pessoas usam regularmente para trocar por bens e serviços. Funções da Moeda A moeda tem três funções na economia: Meio

Leia mais

Nota de Aula 2: Moeda. HICKS, J. A Theory of Economic History, Oxford University Press, 1969, caps.5 e 6

Nota de Aula 2: Moeda. HICKS, J. A Theory of Economic History, Oxford University Press, 1969, caps.5 e 6 Fundação Getúlio Vargas / EPGE Economia Monetária e Financeira Prof. Marcos Antonio Silveira Nota de Aula 2: Moeda Bibliografia: Mishkin, cap. 3 Nota de aula Bibliografia opcional: Sistema Brasileiro de

Leia mais

REGIMES CAMBIAIS LEITURA OBRIGATÓRIA

REGIMES CAMBIAIS LEITURA OBRIGATÓRIA LEITURA OBRIGATÓRIA CAPÍTULO 23 ECONOMIA ABERTA: REGIMES CAMBIAIS, DETERMINAÇÃO DA RENDA E IMPACTOS DA POLÍTICA ECONÔMICA Pinho, Diva Benevides & Vasconcellos, Marco Antonio S.(Org.), Manual de Economia,

Leia mais

16/04/2017. Agenda da Aula - 5. Papel do Banco Central e as Políticas Econômicas (monetária, fiscal e cambial) Independência dos Bancos Centrais

16/04/2017. Agenda da Aula - 5. Papel do Banco Central e as Políticas Econômicas (monetária, fiscal e cambial) Independência dos Bancos Centrais Carlos R. Godoy 1 Mercado Financeiro I RCC 0407 Carlos R. Godoy 2 1. Independência dos BCs Agenda da Aula - 5 2. BCB 3. Copom Papel do Banco Central e as Políticas Econômicas (monetária, fiscal e cambial)

Leia mais

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros)

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) Anexo à Instrução nº 15/98 Modelo I INSTITUIÇÃO SITUAÇÃO ANALÍTICA DO MÊS DE CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) 10 CAIXA 11 DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 DISPONIBILIDADES SOBRE INSTITUIÇÕES.DE

Leia mais

O Brasil Pode Mais: Uma Agenda de Reformas Macroeconômicas para o Crescimento Sustentado com Estabilidade de Preços

O Brasil Pode Mais: Uma Agenda de Reformas Macroeconômicas para o Crescimento Sustentado com Estabilidade de Preços O Brasil Pode Mais: Uma Agenda de Reformas Macroeconômicas para o Crescimento Sustentado com Estabilidade de Preços José Luis Oreiro Professor do Departamento de Economia da Universidade de Brasília Pesquisador

Leia mais

AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS

AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Aula 04 Moedas e Bancos

Aula 04 Moedas e Bancos Aula 04 Moedas e Bancos 1. (GESTOR 2008) Considerando a definição de meios de pagamentos adotada no Brasil, é incorreto afirmar que: a) o M1 engloba o papel-moeda em poder do público. b) o M2 engloba os

Leia mais

Objetivos e instrumentos de política econômica, 1

Objetivos e instrumentos de política econômica, 1 Sumário Prefácio, xiii i Objetivos e instrumentos de política econômica, 1 1. Objetivo do estudo de economia, 2 2. Objetivos de política econômica, 3 2.1 Crescimento da produção e do emprego, 3 2.2 Controle

Leia mais

EXERCÍCIOS 2007 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ECONOMIA BRASILEIRA

EXERCÍCIOS 2007 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ECONOMIA BRASILEIRA EXERCÍCIOS 2007 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ECONOMIA BRASILEIRA Professor: Flávio Falconeri 1 (Questão 1) A cada um dos três princípios abaixo relacionados é possível associar o fundamento de uma escola de

Leia mais

Administração AULA- 13. ERI0199 Política Monetária. Pol ítica Monetária. Conceitos. Prof. Isnard Martins

Administração AULA- 13. ERI0199 Política Monetária. Pol ítica Monetária. Conceitos. Prof. Isnard Martins Administração AULA 13 ERI0199 Política Monetária Prof. Isnard Martins Bibliografia: Rosseti J. Introdução à Economia. Atlas 2006 Prof Roberto Brazileiro Paixão 1 Isnard Martins Pag 1 Pol ítica Monetária

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Page 1 of 6 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as companhias abertas e para as companhias

Leia mais

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Nesta classe estão incluídos todos os valores representativos do conjunto da actividade creditícia, as aplicações em títulos que não sejam imobilizações financeiras

Leia mais

TÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES

TÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES TÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES 3. Os termos utilizados no presente Regulamento, em sua forma plural ou singular e observado o disposto nos títulos que lhes são próprios, têm a seguinte definição: 3.1 Aceitação

Leia mais

UNIDADE IV FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO, DÉFICIT E DÍVIDA PÚBLICA

UNIDADE IV FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO, DÉFICIT E DÍVIDA PÚBLICA UNIDADE IV FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO, DÉFICIT E DÍVIDA PÚBLICA 131 Daniele Oliveira, Dra. Déficit Público (R) (G) equilíbrio orçamentário ou superávit fiscal situação considerada pelas escolas clássica

Leia mais

Apresentação disciplina ECO034

Apresentação disciplina ECO034 215 Apresentação disciplina ECO34 Panorama do primeiro semestre de 215 Alguns fatores no primeiro semestre de 215 vêm afetando a economia, e fazendo com que a população diminua o seu consumo. Aceleração

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia

Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia Aula Data 1 29/out 1 30/out Ter 2 31/out Qua 2 1/nov Qui Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia Conteúd o Especificado Economia: análise (ec. positiva ) e política (ec. normativa ),

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos Empréstimos e Financiamentos 1. Introdução São operações realizadas entre a empresa e instituições financeiras, visando tomar destas, recursos para investimentos (imobilizações) ou capital de giro, mediante

Leia mais

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h;p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Variáveis- instrumentos:

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS MERCADOS FINANCEIROS E A CIÊNCIA ECONÔMICA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS MERCADOS FINANCEIROS E A CIÊNCIA ECONÔMICA MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS MERCADOS FINANCEIROS E A CIÊNCIA ECONÔMICA 1. MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS O Mercado Financeiro e de Capitais está em constantes mudanças,

Leia mais

C = 0,8Yd i* = 12 T = 0,25Y X = e I = 300 5i Mimp= 50 6e + 0,1Y G = 400 Md= 0,2Y 12i Ms = 160

C = 0,8Yd i* = 12 T = 0,25Y X = e I = 300 5i Mimp= 50 6e + 0,1Y G = 400 Md= 0,2Y 12i Ms = 160 Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia I Professor: Carlos Alberto Período: 2/2013 Segunda Prova Questões 1. Assuma um país pequeno, com taxa de câmbio flexível e perfeita

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

Função e Funcionamento das principais contas

Função e Funcionamento das principais contas 2017/09/22 13:54 1/15 e das principais contas e das principais contas 1.1.1.1 CAIXA Registrar a movimentação de dinheiro, cheques e outros documentos compensáveis em poder da empresa. Debita-se pelo recebimento

Leia mais

QUANTIFICANDO A RENDA NACIONAL

QUANTIFICANDO A RENDA NACIONAL LEITURA OBRIGATÓRIA CAPÍTULO 22 QUANTIFICANDO A RENDA NACIONAL Mankiw, N. Gregory Introdução à Economia: princípios de micro e macroeconomia, 2ª Edição. Rio de Janeiro, Editora Campus Ltda, 2001 CAPÍTULO

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 ACTIVO 2012 2011 PASSIVO E FUNDOS PRÓPRIOS 2012 2011 DISPONIBILIDADES 142,881,801 121,846,458 DEPÓSITOS APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ Depósitos à ordem 355,298,564

Leia mais

Canais de negociação: Home Broker Mesa de Operações Boleta Rápida AE Broadcast Ágora Station

Canais de negociação: Home Broker Mesa de Operações Boleta Rápida AE Broadcast Ágora Station No mercado de opções são negociados direitos de compra e venda de um lote de ativos, com preços e prazos predeterminados. Ao adquirir uma opção, o investidor pode exercer seus direitos sobre o ativo até

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRA

OPERAÇÕES FINANCEIRA OPERAÇÕES FINANCEIRA (Cap 09) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Renê Coppe Pg. 1 APLICAÇÃO DE RECURSOS (ATIVOS): APLICAÇÕES FINANCEIRAS Renê

Leia mais

Resultados do 1 Trimestre de 2016

Resultados do 1 Trimestre de 2016 Resultados do 1 Trimestre de 2016 Destaques Lucro líquido ajustado registra R$ 4,113 bilhões, redução de 3,8% em relação ao 1T15 e ROAE (cálculo linear) atinge 17,5%; Margem financeira de juros evolui

Leia mais

Nota de Aula 2: Moeda. HICKS, J. A Theory of Economic History, Oxford University Press, 1969, caps.5 e 6

Nota de Aula 2: Moeda. HICKS, J. A Theory of Economic History, Oxford University Press, 1969, caps.5 e 6 Fundação Getúlio Vargas / EPGE Economia Monetária e Financeira Prof. Marcos Antonio Silveira Bibliografia: Mishkin, cap. 3 Nota de aula Bibliografia opcional: Nota de Aula 2: Moeda Sistema Brasileiro de

Leia mais

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade.

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. O QUE É? É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. OBJETIVO Fornecer informações adequadas para subsidiar as decisões que envolvam desembolso e/ou a captação

Leia mais

Previdência Privada. A tabela a seguir apresenta algumas diferenças entre o FAPI e PGBL.

Previdência Privada. A tabela a seguir apresenta algumas diferenças entre o FAPI e PGBL. Previdência Privada Modalidades de Previdência Privada Aberta 1) FAPI Fundo de Aposentadoria Programada Individual Inspirado no IRA Individual Retirement Account, dos Estados Unidos, onde o contribuinte

Leia mais

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos)

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) ACTIVO 2013 2012 Disponibilidades 50,707,848 53,115,360 Aplicações de liquidez - Operações no Mercado Monetário

Leia mais

FEA RP USP. Principais taxas de juros do mercado (e taxa over) Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1

FEA RP USP. Principais taxas de juros do mercado (e taxa over) Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1 FEA RP USP Principais taxas de juros do mercado (e taxa over) Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1 Formas de apresentação das taxas de juros Taxa Efetiva Taxa Nominal

Leia mais

O Significado da Moeda. 27. Sistema Monetário. As Três Funções da Moeda. Liquidez. Dois Tipos de Moeda. Moeda na Economia

O Significado da Moeda. 27. Sistema Monetário. As Três Funções da Moeda. Liquidez. Dois Tipos de Moeda. Moeda na Economia 27. Sistema Monetário O Significado da Moeda Dinheiro é um ativo da economia utilizado pelos indivíduos na aquisição de bens e serviços de outros indivíduos As Três Funções da Moeda Mecanismo de Troca:

Leia mais

AULA 5 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES. Prof Mestre Keilla

AULA 5 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES. Prof Mestre Keilla AULA 5 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Mestre Keilla ATENÇÃO: MUITA COISA PARA COPIAR EM SALA!!! COMPLETANDO ALGUNS SLIDES Objetivo da aula: Importância do Mercado de Capitais para o Mercado Financeiro.

Leia mais

Modelo Keynesiano 1. (APO) 2. (ESAF 2009) (ESAF 2006)

Modelo Keynesiano 1. (APO) 2. (ESAF 2009) (ESAF 2006) Modelo Keynesiano 1. (APO) Considere as seguintes informações: Y = 1000 C = 600 I = 300 G = 100 X = 50 M = 50 onde Y = produto agregado; C = consumo agregado; I = investimento agregado; G = gastos do governo;

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I Fundamentos de Finanças, 1. Prefácio, xv. Links da web, 32 Sugestões de leituras, 32 Respostas dos testes de verificação, 33

SUMÁRIO. Parte I Fundamentos de Finanças, 1. Prefácio, xv. Links da web, 32 Sugestões de leituras, 32 Respostas dos testes de verificação, 33 SUMÁRIO Prefácio, xv Parte I Fundamentos de Finanças, 1 1 Introdução às Finanças Corporativas, 2 1.1 Como evoluíram as finanças das empresas, 4 1.2 As novas responsabilidades da administração financeira,

Leia mais

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários 65ª Série Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA INSTITUIÇÃO

Leia mais

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos.

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos. De quais ferramentas dispõe o Banco Central para fazer política monetária? a) Emissão de moeda, compra e venda de títulos públicos, controle de câmbio. b) Compra e venda de títulos públicos, controle de

Leia mais

ISS: Fiscalização de Bancos Comerciais II

ISS: Fiscalização de Bancos Comerciais II ISS: Fiscalização de Bancos Comerciais II Uma das maiores dificuldades da Fiscalização Tributária Municipal é a de fiscalizar as instituições financeiras, para fins de homologar os recolhimentos espontâneos

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista Renda Variável O produto As operações no mercado de câmbio contemplam a negociação de moedas estrangeiras entre participantes com diferentes objetivos. Podem ser divididas, basicamente, em operações do

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

IX Contratos de Assunção de Obrigações

IX Contratos de Assunção de Obrigações CIRCULAR 3.427 Dispõe sobre o recolhimento compulsório e o encaixe obrigatório sobre recursos a prazo de que trata a Circular nº 3.091, de 1º de março de 2002. A Diretoria Colegiada do Banco Central do

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas Profa.: Patrícia Siqueira Varela Receita Pública Conceito: todo e qualquer recolhimento feito aos cofres públicos. Receita Orçamentária:

Leia mais

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS

AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS Professora Mestre Keilla OBJETIVOS DA AULA: O Mercado Financeiro e sua composição Conceito de Mercado de Capitais Composição do Mercado de Capitais Histórico do

Leia mais

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em

Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em Safra Plus DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 DEPÓSITOS ,801. Depósitos à ordem. Depósitos a prazo OPERAÇÕES CAMBIAIS

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 DEPÓSITOS ,801. Depósitos à ordem. Depósitos a prazo OPERAÇÕES CAMBIAIS BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE E ACTIVO DISPONIBILIDADES 144 564 297 142.881,801 APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ Operações no Mercado Monetário Interfinanceiro Operações de compra de títulos de terceiros

Leia mais

Exercícios de Macroeconomia

Exercícios de Macroeconomia Exercícios de Macroeconomia 1. Explique porque o PIB é tanto uma variável que mede tanto renda agregada, quanto a despesa agregada e produção. Por que PIB não mede riqueza? Qual a diferença entre PIB real

Leia mais

Produtos e Serviços Financeiros

Produtos e Serviços Financeiros 1 APRESENTAÇÃO DE APOIO Produtos e Serviços Financeiros 3º Encontro Pós-Graduação em Finanças, Investimentos e Banking 2 por Leandro Rassier Complementação + Aplicações práticas METODOLOGIA PARA COMPREENSÃO

Leia mais

Sistema Financeiro. Copyright 2004 South-Western

Sistema Financeiro. Copyright 2004 South-Western Sistema Financeiro 18 Sistema Financeiro O sistema financeiro é o grupo de instituições da economia que faz a intermediação entre poupança de quem guarda recursos e o investimento de quem precisa de recursos.

Leia mais

Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal

Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal Geraldo Biasoto Jr I Jornada de Debates sobre a Dívida Pública 20/10/2105 Ministério Público Federal/Ministério Público de Contas SP Quando o fiscal virou financeiro?

Leia mais

Universidade de São Paulo Mercado Financeiro I RCC 0407 Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Ribeirão Preto

Universidade de São Paulo Mercado Financeiro I RCC 0407 Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Ribeirão Preto Carlos R. Godoy Universidade de São Paulo Carlos R. Godoy 2 Mercado Financeiro I RCC 0407 Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Ribeirão Preto Mercado Financeiro I RCC 0407 Taxas de Juros

Leia mais

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido 12º 11º 12º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 8º 7º Nº de Agências 7º 7º 7º 7º 7º Fonte: Banco

Leia mais