Cabo Fiter Flex 0,6/1kV

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cabo Fiter Flex 0,6/1kV"

Transcrição

1 abo Fiter Flex 0,6/1kV São destinados às instalações gerais em eletrodutos ao ar livre (em bandejas, prateleiras ou suporte análogos), perfilados, espaços de construção, bem como sistemas subterrâneos do tipo: banco de dutos, diretamente enterrados, canaletas, etc. Os cabos FITER FLEX atendem a todos os requisitos elétricos e não elétricos previstos na NBR 7286 e devem ser instalados conforme prescrições e recomendações da NBR Performance e benefícios Apresentação FITER FLEX é a denominação dos cabos de energia da FIAP, com isolação termofixa e cobertura de loreto de Polivinila, unipolares ou multipolares, com característica extra flexível. aracterísticas construtivas ondutor e cobre, têmpera mole, com alta flexibilidade atendendo ao encordoamento mínimo na classe 5, conforme NBR 5111 e NBR 6880 Isolação Os cabos FITER FLEX são isolados com composto termofixo para 90º, atendendo aos requisitos físicos prescritos pela NBR 6251, com a designação EPR/B. obertura Em loreto de Polivinila, na cor preta, atendendo aos requisitos físicos prescritos pela NBR 6251, para o tipo ST2. Nota: Nos cabos multipolares, quando necessário, é aplicado um enchimento de loreto de Polivinila (PV). Para maior flexibilidade de instalação, os cabos FITER FLEX multipolares têm cada fase identificada, através de numeração seqüencial. A elevada estabilidade térmica da isolação termofixa permite sua utilização nas seguintes condições de temperatura no condutor: Regime Permanente - 90º Regime de Sobrecarga - 130º Regime de urto-circuito º evido à elevada temperatura de operação do condutor, obtida com a isolação termofixa, este tipo de cabo pode operar com uma maior capacidade de corrente, permitindo dessa forma a utilização de seções menores quando comparado a cabos com a isolação termoplástica convencional. A cobertura de loreto de Polivinila (PV), além de excelente resistência à abrasão e baixo coeficiente de atrito, permite ainda baixo custo, instalações simples e seguras, possuindo característica de não propagação e auto-extinção da chama, constatada pelo ensaio de resistência à chama, pela NBR Aplicações São empregados como cabos de potência para instalações fixas, sendo recomendados em circuitos que exijam cabos de maior flexibilidade para circuitos de alimentação e distribuição de energia elétrica em edifícios residenciais, comerciais, industriais, subestações transformadoras, etc

2 Seção nominal iâmetro do condutor (mm) Espessura da isolação (mm) Espessura cobertura (mm) ados onstrutivos 1 condutor 3 condutores 4 condutores iâmetro Massa Espessura iâmetro Massa Espessura iâmetro externo aprox. cobertura externo aprox. cobertura externo (mm) (kg/km) (mm) (mm) (kg/km) (mm) (mm) Massa aprox. (kg/km) 1,5 1,53 0,7 0,9 4,9 34 1,0 9, ,1 10, ,5 1,96 0,7 0,9 5,5 44 1,1 10, ,1 11, ,46 0,7 0,9 6,0 59 1,1 11, ,1 12, ,25 0,7 0,9 7,0 85 1,1 13, ,2 14, ,35 0,7 1,0 8, ,2 16, ,3 17, ,45 0,7 1,0 9, ,3 18, ,3 20, ,55 0,9 1,1 11, ,4 21, ,5 24, ,46 0,9 1,1 12, ,5 24, ,5 26, ,31 1,0 1,2 14, ,6 29, ,7 32, ,80 1,1 1,2 16, ,7 33, ,8 36, ,74 1,1 1,3 18, ,8 37, ,9 42, ,68 1,2 1,3 20, ,9 42, ,1 47, ,23 1,4 1,4 22, ,1 47, ,2 53, ,39 1,6 1,4 25, ,2 53, ,4 59, ,35 1,7 1,5 28, ,4 59, ,6 65, Notas: 1) As dimensões apresentadas são nominais e portanto sujeitas às tolerâncias previstas nas especificações. 2) abos com 2 condutores sob consulta. Queda de Tensão em V/A. km Seção Nominal Tipo de Sistema FP 1,5 2, Monofásico 0,80 25,17 15,69 9,84 6,59 3,99 2,59 1,72 1,29 1,01 0,76 0,60 0,52 0,46 0,41 0,36 Trifásico 0,92 28,81 17,91 11,19 7,46 4,47 2,87 1,87 1,38 1,06 0,77 0,59 0,49 0,43 0,37 0,31 0,80 21,80 13,59 8,52 5,71 3,45 2,24 1,49 1,12 0,87 0,66 0,52 0,45 0,40 0,35 0,31 0,92 24,95 15,51 9,69 6,46 3,87 2,48 1,62 1,20 0,91 0,67 0,51 0,43 0,37 0,32 0,27 0,80 21,72 13,52 8,45 5,64 3,38 2,17 1,42 1,05 0,80 0,59 0,45 0,38 0,33 0,28 0,24 0,92 24,90 15,46 9,65 6,41 3,82 2,44 1,57 1,15 0,87 0,62 0,47 0,38 0,33 0,27 0,23-2 -

3 apacidade de condução de corrente Escolha da instalação da linha elétrica (método de referência) em função da localização do tipo de instalação. Tabela 1 Tipo de instalação ondição e cabos admitidos Método de referência Embutida Aparente Em parede isolante diretamente Em alvenaria diretamente Eletroduto em parede termicamente isolante aixilho de Porta ou janela Eletroduto em alvenaria Eletroduto Bandeja Perfurada Leito (Escada para abos) --- Bandeja não perfurada (Prateleira) Suportes Em paredes ou teto Fixação direta A2 F E F E F E Moldura - 3 -

4 apacidade de condução de corrente Escolha da instalação da linha elétrica (método de referência) em função da localização do tipo de instalação. Tabela 1 Tipo de instalação ondição e cabos admitidos Método de referência Eletroduto Subterrânea iretamente enterrados analeta fechada analeta ventilada Suspensa analeta suspensa Isoladores abos nus G G Espaço de onstrução iretamente Eletroduto - 4 -

5 apacidade de condução de corrente As capacidades de condução de corrente, em ampères, de acordo com o tipo de instalação indicado na tabela 1 Tabela 2 Método de referência da tabela 1 A2 Seção Nominal Seção Nominal Tabela 3 Método de referência da tabela 1 E E F F F G G 3 cabos unipolares abos abos 2 cabos abos ontíguos Espaçados Espaçados Bipolares Tripolares e unipolares unipolares em Horizontalmente Verticalmente Tetrapolares trifólio Notas: 1) Temperatura do condutor: 90º; Resistividade térmica do solo: 2,5 K.m/W; 2) Temperatura ambiente: - linhas subterrâneas: 20º; - linhas não subterrâneas: 30º; 3) Fator de carga: 100%; 4) As capacidades de condução de corrente desta tabela, são válidas para 2 cabos unipolares, 1 cabo bipolar, 3 cabos unipolares ou 1 cabo tripolar. Para condições ambientais diferentes e agrupamento de cabos utilizar os fatores de correção das tabelas da NBR 5410/

6 Redução de custo da instalação Atualmente, em qualquer projeto, é fundamental focalizar as formas alternativas do ponto de vista técnico e econômico para minimizar o custo total da obra. essa forma, a FIAP desenvolveu o cabo FITER FLEX, tecnologicamente superior, com isolação termofixa (90º) e cobertura em PV, externamente flexíveis, proporcionando as seguintes vantagens: iminuição da seção do condutor ao substituir os cabos com isolação em termoplástico (PV 70º); iminuição do tempo de instalação dada a facilidade em lançar e curvar cabos com as seções maiores da série métrica em espaços reduzidos; iminuição dos diâmetros dos eletrodutos ou da largura das bandejas, etc. No exemplo de dimensionamento abaixo, foi comparado a aplicação de cabos com isolação em PV e cabos FITER FLEX (90º), sendo considerados todos os critérios técnicos de dimensionamento prescrito na NBR 5410/1997: Seção mínima do condutor para circuitos de força; apacidade de condução de corrente; Queda máxima de tensão; Sobrecarga; urto-circuito. ondições da instalação: - ircuitos saindo do M ao Motores - Motores trifásicos 380V 6 polos - M1 = 125 V ln = 182 A L = 40 m - M2 = 200 V ln = 286 A L = 50 m - M3 = 250 V ln = 364 A L = 30 m Instalação: - Bandeja perfurada sem tampa, com cabos unipolares dispostos em trifólio, espaçados de duas vezes o diâmetro externo do cabo. Temperatura ambiente: 40º Fator de potência: = 0,92 Queda de tensão máxima permitida: 2,5% Fator de correção de temperatura ambiente: tabela 35, NBR 5410/97: PV = 0,87 abo FITER FLEX = 0,91 Fator de correção para agrupamento de cabos em bandeja: - tabela 41. NBR 5410/97: 0,96 Planilha omparativa orrente de Projeto corrigida [A] ircuito abo Fiter Flex 1kV abo Vinil Flex 1kV Fiter Flex Vinil Flex V (%) Seção Preço de Referência V (%) Seção Preço de Referência M , , ,82 M , , ,43 M , , ,20 Obs: Preço de referência (base tabela de preços nov/99) onclusão: Utilizando cabos FITER FLEX 0,6/1 kv o custo total dos cabos é 33% mais econômico. Também há um ganho no custo do bandejamento, porque é possível reduzir em 18% a largura das bandejas

Cabos para Uso Geral com Isolação 70 o C

Cabos para Uso Geral com Isolação 70 o C Cabos para Uso Geral com Isolação 70 o C Noflam Antichama BWF Flexível 450/750V 1 Condutor: Fios de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, atendendo à classe 5 de encordoamento. 2 Isolação: PVC (70 ºC) composto

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de Método de instalação Esquema ilustrativo Descrição instalação a utilizar número: para a capacidade de condução de corrente 1 1 Condutores isolados

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DOS CONDUTORES 1. Introdução - O dimensionamento dos condutores deve ser realizado seguindo as seguintes etapas: a) cálculo da corrente de projeto; b) dimensionamento pelo critério da máxima

Leia mais

Fatores de Correção da Capacidade de Condução de Corrente

Fatores de Correção da Capacidade de Condução de Corrente Considerações iniciais Neste módulo, apresentaremos os fatores de correção das capacidades de condução de corrente, relativos à temperatura ambiente e o agrupamento de circuitos, de acordo com as prescrições

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Dimensionamento de Condutores Elétricos I Circuitos Elétricos Residenciais Dimensionamento Consiste em determinar a seção mínima

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Dimensionamento de Condutores Elétricos Livro: João Mamede Filho Instalações Elétricas Industriais 2 Dimensionamento de

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

CORD-FIOS E CABOS DE COBRE NU

CORD-FIOS E CABOS DE COBRE NU CORD-FIOS E CABOS DE COBRE NU Cobre eletrolítico nu, meio duro. Empregado em linhas aéreas para transmissão e distribuição de energia elétrica e sistema de aterramento. NBR 6524: Fios e cabos de cobre

Leia mais

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS Cabo Eprotenax Compact 105 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: Aplicações: Características: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM

Leia mais

Fios e cabos elétricos

Fios e cabos elétricos Fios e cabos elétricos Fio Sólido BWF 0 V Condutor sólido de cobre nu, têmpera mole. Isolação de PVC/A 0ºC antichama. nominal,, condutor,3,,3, 3,,8 isolação externo nominal, 3,3 3,83,3,,8 33 3 Cabo BWF

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 12 Dimensionamento de Condutores (Critério da capacidade de corrente) Porto Alegre - 2012 Tópicos Dimensionamento de condutores

Leia mais

COBERTURA (7) Composto termoplástico de PVC SEM CHUMBO, tipo ST2. AG2 Bom AD7 Bom NBR NM 332-1

COBERTURA (7) Composto termoplástico de PVC SEM CHUMBO, tipo ST2. AG2 Bom AD7 Bom NBR NM 332-1 Cabo Voltalene 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM DO CONDUTOR (2) Camada composto termofixo

Leia mais

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características: MANEIRAS DE INSTALAR RECOMENDADAS Cabo Eprotenax 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: Aplicações: Características: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM DO CONDUTOR

Leia mais

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características:

Média tensão. Uso Geral. Cabo Eprotenax Compact 6 até 35kV. Construção: Aplicações: Características: Cabo Eprotenax Compact 6 até 35kV 1 2 3 4.1 4.2 5 6 7 Construção: Aplicações: Características: CONDUTOR (1) Metal: fio cobre nu, têmpera mole. Forma: redonda compacta Encordoamento: classe 2. BLINDAGEM

Leia mais

Cabos Fibep Média Tensão

Cabos Fibep Média Tensão Cabos Fibep Média Tensão Índice Página Fibep BF 6kV a 35kV - Descrição, características, performance e benefícios 02 - Qualidade assegurada, aplicações 03 - Representação esquemática - tripla extrusão

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; frequência nominal; potência ou

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição DICAS Instalações elétricas prediais/industriais 2ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRE Flexibilidade Os cabos flexíveis estão substituindo, com vantagens, os cabos rígidos tradicionais. Veja porque:

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS / INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS / INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS / INDUSTRIAIS Flexibilidade Os cabos flexíveis estão substituindo, com vantagens, os cabos rígidos tradicionais. Veja porque: a construção do condutor, a parte metálica do

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito -É assim chamado todo material que possui a propriedade de conduzir ou transportar energia elétrica. -Os condutores devem ser analisados sobre seguintes aspectos.

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COBRE

CATÁLOGO TÉCNICO COBRE CATÁLOGO TÉCNICO COBRE CATÁLOGO TÉCNICO COBRE Índice 6 Fio Tecnofire Antichama 450 / 750 V 7 Cabo Tecnofire Rígido Antichama 450 / 750 V 8 Cabo Tecnofire Flexível Antichama 450 / 750 V 9 Cabo Tecnofire

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção

Leia mais

PT2 PRONTUÁRIO TÉCNICO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO

PT2 PRONTUÁRIO TÉCNICO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO VICTORY - 1697-09/2008 PT2 PRONTUÁRIO TÉCNICO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO 9ª Edição Prysmian Energia Cabos e Sistemas do Brasil S.A. Av. Alexandre de Gusmão, 145 - CEP 09110-900 - Santo André - SP Central

Leia mais

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos.

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em nível global e mais de 40 anos no Brasil.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

CABOS PARA INSTALAÇÕES DE BAIXA TENSÃO

CABOS PARA INSTALAÇÕES DE BAIXA TENSÃO CABOS PARA INSTALAÇÕES DE BAIXA TENSÃO A NEXANS O mundo em que vivemos requer cada vez mais energia para funcionar e se desenvolver. Por mais de um século a Nexans tem desempenhado um papel-chave em proporcionar

Leia mais

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues

2º Bimestre. Prof. Evandro Junior Rodrigues. Agosto Evandro Junior Rodrigues 2º Bimestre Prof. Evandro Junior Rodrigues Agosto 2016 Evandro Junior Rodrigues Robôs M óveis e sua Aplicação em Sumário Transformadores Geração + Transmissão + Distribuição Proteção contra sobrecorrente

Leia mais

Cabos de Controle e Instrumentação

Cabos de Controle e Instrumentação Cabos de Controle e Instrumentação 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em

Leia mais

CABO ICE-ALARME DE INCÊNDIO 600V BC

CABO ICE-ALARME DE INCÊNDIO 600V BC CABO ICE-ALARME DE INCÊNDIO 600V BC Condutor: Fios de cobre eletrolitíco nu, têmpera mole, encordoamento classe 2 ou 5. Isolação: Composto extrudado de policloreto de vinila PVC/E para temperatura no condutor

Leia mais

CABLEFLEX OPÇÃO PELA QUALIDADE

CABLEFLEX OPÇÃO PELA QUALIDADE CABLEFLEX OPÇÃO PELA QUALIDADE Fabricar fios e cabos genuinamente brasileiros com as melhores matérias-primas, máxima tecnologia e qualidade mundial indiscutível esse é o compromisso CABLEFLEX. A busca

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 13 Dimensionamento de Condutores (Critério do Limite de Queda de Tensão) Porto Alegre - 2012 Tópicos Critério do limite de queda

Leia mais

FIO PLASTICOM CABOS DE ENERGIA. Fios e cabos elétricos ANTICHAMA 450/750 V. Central de Relacionamento : (11)

FIO PLASTICOM CABOS DE ENERGIA. Fios e cabos elétricos ANTICHAMA 450/750 V. Central de Relacionamento : (11) FIO PLASTICOM ANTICHAMA 450/750 V têmpera mole, isolado com Policloreto de Vinila (PVC), tipo PVC/A para 70 C, antichama (BWF-B). embutidos em eletrodutos, bandejas ou canaletas. ANTICHAMA 450/750 V Normas

Leia mais

Fatores de Correção da Capacidade de Condução de Corrente

Fatores de Correção da Capacidade de Condução de Corrente TBEL TÉCNIC grupamento O numero de condutores a se considerar num circuito é o dos condutores efetivamente percorridos por corrente. ssim temos : > Circuito trifásico sem neutro = 3 condutores carregados

Leia mais

CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO

CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO ALUB Além de atender as concessionárias e empreiteiras, nossa atuação busca ampliar as atividades no mercado de energia renovável, a fim de

Leia mais

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004)

MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela 33 da NBR5410/2004) MÉTODO DE INSTALAÇÃO (Tabela da NBR5410/004) Método de instalação número: Esquema ilustrativo Descrição Método de instalação a utilizar para a capacidade de condução de corrente 1 1 1 eletroduto de seção

Leia mais

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Condutores O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada das condições de sua instalação e da carga a ser suprida. Dimensionar

Leia mais

CISCEA. Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo PÁGINA: PLANILHA QUANTIDADE /ORÇAMENTÁRIA. 1 de 5 DATA:

CISCEA. Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo PÁGINA: PLANILHA QUANTIDADE /ORÇAMENTÁRIA. 1 de 5 DATA: 1 de 5 01.00.000 SERVIÇOS TÉCNICOS-PROFISSIONAIS 01.02.000 GEOTECNIA 01.02.107 Medição de resistividade do solo.01 - Ponto de medição com 5 níveis (2, 4, 8, 16 e 32)m un 10,00 01.03.000 ESTUDOS E PROJETOS

Leia mais

INE. Prof. Carlos T. Matsumi Área de Eletroeletrônica Instituto Federal de Santa Catarina IFSC Campus Joinville

INE. Prof. Carlos T. Matsumi Área de Eletroeletrônica Instituto Federal de Santa Catarina IFSC Campus Joinville Projetos e Instalações Elétricas INE Prof. Carlos T. Matsumi Área de Eletroeletrônica Instituto Federal de Santa Catarina IFSC Campus Joinville Projeto Residencial Planta Baixa; Determinar a iluminação

Leia mais

Cabos de Controle e Instrumentação

Cabos de Controle e Instrumentação Cabos de Controle e Instrumentação 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em

Leia mais

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA Notas: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada; O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

INDUSTRIA DO CIMENTO MINERAÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO PARA CABOS ELÉTRICOS COM CONDUTORES EM COBRE. Volume III e IV

INDUSTRIA DO CIMENTO MINERAÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO PARA CABOS ELÉTRICOS COM CONDUTORES EM COBRE. Volume III e IV INDUSTRIA DO CIMENTO MINERAÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO PARA CABOS ELÉTRICOS COM CONDUTORES EM COBRE Volume III e IV INTRODUÇÃO Guia de Aplicação para Cabos Elétricos com Condutores em Cobre Fornecer conceitos

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE COMPONENTESII

DIMENSIONAMENTO DE COMPONENTESII DIMENSIONAMENTO DE COMPONENTESII INSTALAÇÃO DE MOTORES Prof. Marcos Fergütz Julho/2013 CAPACIDADE DE CORRENTE DIMENSIONAMENTO DA FIAÇÃO CASO 1: ALIMENTAÇÃO PARA UM MOTOR -RAMAL RAMAL I rm 1,25 xi = nm

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Dispositivos de Proteção Dimensionamento dos Condutores do Circuito Uma vez feita a divisão dos circuitos... Chega a hora de dimensionar a proteção e os condutores! 2 Dispositivos

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

KMAT 400ºC 1KV PROJETOS ESPECIAIS. Dados Construtivos: Valores Nominais. Peso (kg/km) Diâmetro Externo Nominal (mm) Formação Classe 4 (mm) Seção (mm²)

KMAT 400ºC 1KV PROJETOS ESPECIAIS. Dados Construtivos: Valores Nominais. Peso (kg/km) Diâmetro Externo Nominal (mm) Formação Classe 4 (mm) Seção (mm²) Quando o assunto é equipamentos ou processos seguros, contar com uma solução personalizada em cabos elétricos pode ser fundamental para o sucesso de sua empresa, seja para suprir suas necessidades técnicas

Leia mais

CORRENTE EM CABOS E. J. ROBBA

CORRENTE EM CABOS E. J. ROBBA CORRENTE EM CABOS E. J. ROBBA 1 A Robba Engenharia é especializada no desenvolvimento de: estudos sistemas computacionais aplicáveis em sistemas elétricos de distribuição da energia. Desenvolveu, dentre

Leia mais

Capítulo 9. O aquecimento dos condutores e a queda de tensão. 9.1 Introdução 26/04/2010

Capítulo 9. O aquecimento dos condutores e a queda de tensão. 9.1 Introdução 26/04/2010 Capítulo 9 O aquecimento dos condutores e a queda de tensão 2008 by Pearson Education slide 1 9.1 Introdução O dimensionamento correto de condutores e de sua proteção é um problema térmico. Trata-se de

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

CATÁLO GO DE PR O DUTOS

CATÁLO GO DE PR O DUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS CONDUZINDO ENERGIA, CARREGANDO QUALIDADE. QUEM SOMOS A Conduspar, uma empresa brasileira que completa 30 anos de mercado em 2016, está presente em praticamente todos os segmentos,

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

CABOS DE POTÊNCIA DE MÉDIA TENSÃO N B R

CABOS DE POTÊNCIA DE MÉDIA TENSÃO N B R CABOS DE POTÊNCIA DE MÉDIA TENSÃO N B R 6 2 5 1 C A B O S D E P O T Ê N C I A D E M É D I A T E N S Ã O Com uma tradição de 77 anos, a Synergy Cabos segue os mais altos padrões de qualidade do mercado

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi Instalações Elétricas Industriais Divisão de Sistemas de Alimentação Faixa de Tensão Elétrica (IE) orrente Alternada - A orrente ontínua- Extra Baixa Tensão: Tensão Inferior à 50 V (A) e 120 V () Baixa

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

Entrevista concebida por Paulo Alessandro Delgado - Gerente de Marketing da Cobrecom Fios e Cabos Elétricos

Entrevista concebida por Paulo Alessandro Delgado - Gerente de Marketing da Cobrecom Fios e Cabos Elétricos Entrevista concebida por Paulo Alessandro Delgado - Gerente de Marketing da Cobrecom Fios e Cabos Elétricos 1. Por que é importante para a sua empresa participar da FEICON BATIMAT NORDESTE? Qual a importância

Leia mais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais OBJETIVO Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais Garantir o funcionamento adequado da instalação e a conservação

Leia mais

Condutores de Cobre para Instalações de Média Tensão

Condutores de Cobre para Instalações de Média Tensão Condutores Cobre para Instalações Média Tensão Lír Mundial na Indústria Cabos Com a energia como base seu senvolvimento, a Nexans é a lír mundial na indústria cabos, graças à sua relevante atuação nas

Leia mais

CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS

CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS RTÉROS DE DMENSONAMENTO DE RUTOS 1) RTÉRO DE APADADE DE ONDUÇÃO DE ORRENTE A corrente de dimensionamento será obtida a partir da seguinte equação: dim t n F F a Onde: orrente de dimensionamento; dim F

Leia mais

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Introdução Este catálogo apresenta os cabos nus de alumínio (CA) e alumínio com alma de aço (CAA), de fabricação Prysmian, nas bitolas padronizadas para distribuição

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE

CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos fios existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor do núcleo dos átomos. Quando uma força,

Leia mais

Fios e cabos elétricos

Fios e cabos elétricos Fios e cabos elétricos Fios e cabos elétricos WWW.COBRECOM.COM.BR Fios e cabos elétricos UNIDADE ITU - SP UNIDADE TRÊS LAGOAS - MS Unidade Itu SP Av. Primo Schincariol, 670 Jd. Oliveira CEP: 13312-250

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores e Isolantes Isolantes Materiais que não conduzem eletricidade; Condutores

Leia mais

Instalações alimentadas diretamente por um ramal de baixa tensão, a partir de uma rede de distribuição 4% 4% pública de baixa tensão.

Instalações alimentadas diretamente por um ramal de baixa tensão, a partir de uma rede de distribuição 4% 4% pública de baixa tensão. 7.3. Queda de tensão (conforme NBR 5410/97, item 6.2.7) a) A queda de tensão entre a origem da instalação e qualquer ponto de utilização não deve ser superior aos valores da Tabela 18, dados em relação

Leia mais

Materiais Elétricos. Condutores. Prof. Msc. Getúlio Tateoki

Materiais Elétricos. Condutores. Prof. Msc. Getúlio Tateoki Definições Materiais Elétricos -Um condutor elétrico é um produto metálico geralmente de forma cilíndrica e de comprimento muito maior do que a maior dimensão transversal, utilizado para transportar energia

Leia mais

MANUAL PARA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESFRIADOR DE ÁGUA SERIE POLAR MODELOS: PA-01 ~ PA-120 PW-09 ~ PW-120 PRECAUÇÕES INFORMAÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA

MANUAL PARA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESFRIADOR DE ÁGUA SERIE POLAR MODELOS: PA-01 ~ PA-120 PW-09 ~ PW-120 PRECAUÇÕES INFORMAÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA MANUAL PARA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESFRIADOR DE ÁGUA SERIE POLAR MODELOS: PA-01 ~ PA-120 PW-09 ~ PW-120 PRECAUÇÕES INFORMAÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA ÍNDICE INFORMAÇÕES GERAIS...3 QUADRO ELÉTRICO...3 DIMENSIONAMENTO

Leia mais

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO ELÉTRICO

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO ELÉTRICO ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO ELÉTRICO 2.1 Introdução 2.1.1 Este memorial tem por objetivo especificar detalhes construtivos para execução do projeto de instalações elétricas do Reservatório

Leia mais

CABO INNOVSHORE INSTRUMENTAÇÃO ARMADO/BLINDADO ATA/AFC/AFA BF 0,15/0,25KV (300V) CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS CONDUTOR

CABO INNOVSHORE INSTRUMENTAÇÃO ARMADO/BLINDADO ATA/AFC/AFA BF 0,15/0,25KV (300V) CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS CONDUTOR CABO INNOVSHORE INSTRUMENTAÇÃO ARMADO/BLINDADO ATA/AFC/AFA BF 0,15/0,25KV (300V) CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1) Condutor formado por fios de cobre eletrolítico nu ou estanhado, têmpera mole, encordoamento

Leia mais

Fatores básicos para o dimensionamento de um condutor:

Fatores básicos para o dimensionamento de um condutor: 4 Dimensionamento de Ciruitos de Motores 1 Fatores básios para o dimensionamento de um ondutor: fator de tipo de sistema: método de potênia da 1f, 2f, 3f instalação arga potênia ou orrente da arga natureza

Leia mais

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V

Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Fio e Cabo Inbranil Antichama - 750V Características Construtivas 1) Para Fio Inbranil Antichama: condutor sólido de cobre eletrolítico nu, têmpera mole, classe 1. Para Cabo Inbranil Antichama: condutor

Leia mais

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Redes de Distribuição de Baixa e Média Tensão CANOAS- RS MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO 1. OBJETIVO: Fornecer informações necessárias sobre os

Leia mais

Sequência para projeto de instalações 1. Determinar as áreas dos cômodos, com base na planta baixa arquitetônica 2. A partir da entrada de energia,

Sequência para projeto de instalações 1. Determinar as áreas dos cômodos, com base na planta baixa arquitetônica 2. A partir da entrada de energia, Projeto de instalações residenciais Um projeto de instalações elétricas possui, basicamente, 4 partes: Memorial técnico projetista justifica e descreve sua solução Conjunto de plantas, esquemas e detalhes

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte iii Profº MSc.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte iii Profº MSc. CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPA-CEAP Curso de arquitetura e urbanismo INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELéTRICOS Parte iii Profº MSc. espíndola Disjuntores Termomagnéticos CERTIFICAÇÃO INMETRO Obrigatório

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA RESPONSÁVEL: Eng. Denis Salles CREA: 5062997693 OBRA: LOCAL: 6098 Universidade Federal do Sul da Bahia CEPLAC, BR-415, RODOVIA ITABUNA/ILHÉUS - BA CONTROLE DE REVISÕES

Leia mais

FICHA TÉCNICA LINHA DE ELETRODUTO CORRUGADO FLEXÍVEL REFORÇADO ADTEX. Funções e Aplicações. Características Gerais. Benefícios

FICHA TÉCNICA LINHA DE ELETRODUTO CORRUGADO FLEXÍVEL REFORÇADO ADTEX. Funções e Aplicações. Características Gerais. Benefícios FICHA TÉCNICA LINHA DE ELETRODUTO CORRUGADO FLEXÍVEL REFORÇADO ADTEX Funções e Aplicações Proteção mecânica para instalações elétricas de baixa tensão embutidas em lajes de concreto e/ou enterradas; Aplicação

Leia mais

TALK SHOW SEGURANÇA EM EDIFICAÇÕES

TALK SHOW SEGURANÇA EM EDIFICAÇÕES TALK SHOW SEGURANÇA EM EDIFICAÇÕES José Rubens Alves de Souza ABNT ABINEE TEC 2013 4 abril 2013, Anhembi, São Paulo A revisão da norma ABNT NBR 5410 IEC 60364 Instalações elétricas de baixa tensão Parte

Leia mais

Serviços & Treinamentos Técnicos Rua 2, n 233 Conforto Volta Redonda RJ Telefax: (24)

Serviços & Treinamentos Técnicos Rua 2, n 233 Conforto Volta Redonda RJ Telefax: (24) AULA 05/25 DE COMANDOS ELÉTRICOS ASSUNTO: AULA 01/03 DE INSTALAÇÕES PREDIAIS 1 INSTALAÇÕES PREDIAIS Interruptor de três seções 1.1 SIMBOLOGIA Ponto de luz no teto Interruptor bipolar Luminária Fluorescente

Leia mais

CALHAS TÉCNICAS FICHA TÉCNICA SÉRIE 10 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE CALHAS) CALHAS. 12x7 (IK05) 12x7 Adesiva (IK05) 16x10. 16x10 Adesiva.

CALHAS TÉCNICAS FICHA TÉCNICA SÉRIE 10 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE CALHAS) CALHAS. 12x7 (IK05) 12x7 Adesiva (IK05) 16x10. 16x10 Adesiva. TÉCNICAS SÉRIE 0 - MOLDURAS (SELEÇÃO DE ) Interiores Comp. Útil (Su) (m) (S:,4),5mm,5mm 4mm 6mm x7 (IK05) x7 Adesiva (IK05) 000 CBR 000 FBR 0x5,0 6, 44 5 5 4 3 6x0 6x0 Adesiva 000 CBR 000 FBR x8,0 86 8

Leia mais

Condumax Fios e Cabos Elétricos

Condumax Fios e Cabos Elétricos Catálogo Técnico Condumax Fios e Cabos Elétricos História Há 50 anos desenvolvendo e produzindo soluções inteligentes para componentes elétricos, a Incesa se consolidou, juntamente com a Condumax, como

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 600A

Acessórios Desconectáveis 600A 600A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

Liderança em Cabos Vulcanizados. Cabos para uso Naval

Liderança em Cabos Vulcanizados. Cabos para uso Naval Cabos para uso Naval COFINAV NH e lmnh 2 A CONFIABILIDADE QUE FAZ A DIFERENÇA (Estas certificações são da linha geral de cabos produzidos pela Cofibam) Política da qualidade A COFIBAM SE COMPROMETE EM

Leia mais

CABOS DE AQUECIMENTO

CABOS DE AQUECIMENTO Fabricados a partir de uma liga resistiva isolada com polímeros com alta resistência a temperatura, intempéries e ataques químicos. Potência Variável Materiais: Resistor: fios resistivos. Isolação: Borracha

Leia mais

Divisão Cabos Energia Cabos Isolados e Cobertos para Redes Aéreas

Divisão Cabos Energia Cabos Isolados e Cobertos para Redes Aéreas CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Os cabos MULTIPLEXADOS para Baixa Tensão 0,6/1kV são formados pela reunião de 1, 2, ou 3 condutores fase em torno de um condutor mensageiro, neutro, para sustentação. 1 - Condutor

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA MÊS DE REFERÊNCIA DOS S: MAIO / 2009 ITEM MATERIAL UN QUANT. 1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO: Rede de distribuição a ser executada parte no sistema embutido e parte no sistema aparente com eletroduto de pvc, fiação,

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Laboratório 07 Esquemas de ligação de eletrodutos Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 Lab07: Eletrodutos Tarefa: Desenhar na planta de residência

Leia mais

Prysmian Energia Cabos e Sistemas do Brasil S.A.

Prysmian Energia Cabos e Sistemas do Brasil S.A. Cabo Airguard AIRGUARD Quem Somos Aplicação Prysmian Cabos e Sistemas é uma empresa multinacional de classe mundial. Fundada em 1872 como Pirelli e Cia. conquistou uma posição de liderança por mais de

Leia mais

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Manual Técnico Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Líder Mundial na Indústria de Cabos Com a energia como base de seu desenvolvimento, a Nexans é a líder mundial na indústria de cabos,

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO 1. OBJETIVO COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 01-07 CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO Este comunicado técnico tem por objetivo estabelecer um novo processo de cálculo de demanda para

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki AGENDA Cabos condutores Isoladores e ferragens Estruturas das LTs Cabos para-raios Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki TE-140 2 CABOS CONDUTORES Prof.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO Este memorial técnico descritivo tem por finalidade especificar detalhes construtivos para a execução do referente projeto que trata da reforma das instalações

Leia mais

TABELAS DE FACTORES DE CORRECÇÃO

TABELAS DE FACTORES DE CORRECÇÃO TABELAS DE FACTORES DE CORRECÇÃO J. Neves dos Santos IELE / 3º Ano MIEEC a. Temperatura ambiente (só para canalizações ao ar); b. Temperatura do solo (só para canalizações enterradas); c. Profundidade

Leia mais

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 As prescrições desta Norma complementam, modificam ou substituem as prescrições de caráter geral contidas

Leia mais

GE Industrial Solutions. Fix-o-Rail. Quadros de embutir e sobrepor. GE imagination at work

GE Industrial Solutions. Fix-o-Rail. Quadros de embutir e sobrepor. GE imagination at work GE Industrial Solutions Fix-o-Rail Quadros de embutir e sobrepor GE imagination at work Fix-o-Rail Quadros de distribuição de baixa tensão em conformidade com a Norma NBR IEC 60439-3. Fix-o-Rail são quadros

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014 MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de instalações elétricas para implantação de iluminação pública nas dependências internas da Praça da Biblia Quadra R22 e R23 com a instalação de projetores embutidos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOCUMENTAÇÃO (LEGAL) REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL REGRAS DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Portaria 949-A/2006 de 11 de Setembro DIRECTIVA DE BAIXA TENSÃO 2006/95/CE - Decreto-lei 6/2008,

Leia mais

Condutores Elétricos

Condutores Elétricos Condutores Elétricos Aspectos construtivos e aplicações Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica da USP 14 de março de 2013 EPUSP Giovanni Manassero

Leia mais

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA A instalação colectiva de edifícios deve obedecer ao Regulamento de Segurança de Instalações Colectivas de Edifícios e Entradas, sendo constituída por: Quadro

Leia mais

FICHA TÉCNICA LINHA DE ELETRODUTO CORRUGADO FLEXÍVEL ADTEX. Funções e Aplicações. Características Gerais. Benefícios

FICHA TÉCNICA LINHA DE ELETRODUTO CORRUGADO FLEXÍVEL ADTEX. Funções e Aplicações. Características Gerais. Benefícios FICHA TÉCNICA LINHA DE ELETRODUTO CORRUGADO FLEXÍVEL ADTEX Funções e Aplicações Proteção mecânica para instalações elétricas de baixa tensão executadas em alvenaria com cobrimento de argamassa; Aplicação

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO A norma brasileira para instalações elétricas de baixa tensão é a NBR 5410 Fixa as condições que as instalações de baixa tensão devem atender; Primeira edição de 1941;

Leia mais