A IMPLANTAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE UM DEPARTAMENTO DE HELP DESK COMO PRODUTO DA METODOLOGIA DE ENSINO POR REPRESENTAÇÃO DE ILHAS DE RACIONALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPLANTAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE UM DEPARTAMENTO DE HELP DESK COMO PRODUTO DA METODOLOGIA DE ENSINO POR REPRESENTAÇÃO DE ILHAS DE RACIONALIDADE"

Transcrição

1 A IMPLANTAÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE UM DEPARTAMENTO DE HELP DESK COMO PRODUTO DA METODOLOGIA DE ENSINO POR REPRESENTAÇÃO DE ILHAS DE RACIONALIDADE Wagner Alves dos Santos Suely Midori Aoki

2 RESUMO: O objetivo deste artigo é expor a metodologia de ensino por projetos (representação de ilhas interdisciplinares de racionalidade), originalmente pensada para o ensino de Ciências por Gerard Fourez (1994), no ensino a estudantes do curso tecnológico de Gestão da Tecnologia da Informação sobre as etapas da criação de um departamento de Help Desk, bem como mostrar de uma maneira geral sua estruturação, a organização dos recursos humanos e exemplos de processos de apuração de resultados, como fruto dessa metodologia. Esta abordagem leva o ensino-aprendizagem para além do próprio conteúdo, revelando que o cotidiano e a realidade, principalmente a dos profissionais em questão, fazem-se imprescindíveis quando há a intenção de formação de estudantes para o mercado de trabalho. Assim, a participação de um gestor em TI, neste processo da criação e controle de um departamento de Help Desk, será presença constante na exposição deste trabalho. PALAVRAS CHAVE: Help Desk; RFP; SLA; Metodologia de Ensino; Ensino por Projeto. 1. Introdução 1.1. Motivação A intenção pedagógica em cursos de formação profissional viabiliza-se quando o estudante consegue apropriar-se de um conhecimento a partir da contextualização deste com seu cotidiano e/ou a partir da busca de soluções para problemas reais característicos de sua profissão. Desta forma, transformar estudantes em profissionais para atuarem em um mercado de trabalho, ou seja, para a vida real, por meio de enfrentamento com situações-problema baseadas na realidade profissional é de suma importância para uma boa formação profissional Benefícios de um processo de ensino-aprendizado contextualizado O valor e a eficiência da atividade por projeto estão vinculados à sua contribuição para solução de um problema bem determinado por meio do cruzamento de saberes provenientes de muitas disciplinas e conhecimentos da vida cotidiana, culminando na definição de uma teoria produzida pelo projeto e não as existentes no mundo acadêmico. Desta forma, retira-se a exclusividade do professor e dos livros didáticos como referência da aprendizagem dos estudantes, fazendo-os utilizarem de outras fontes de conhecimento, desenvolvendo o senso crítico capaz de avaliar, julgar e selecionar os conhecimentos e suas fontes. Na metodologia de ensino por projeto deve-se delegar aos estudantes as decisões e encaminhamentos do processo de realização e, ao professor, o papel de coordenador das atividades desenvolvidas. Pensamos que o processo interdisciplinar proposto neste trabalho propicia um ensino mais contextualizado que o tradicional, levando até mesmo a realidade do pensamento empresarial de enfrentamento de desafios nos moldes de um projeto, mostrando as dimensões do contexto realístico do mundo.

3 1.3. Embasamento técnico sobre o Help Desk A principal fonte de pesquisa para a elaboração deste trabalho é a obra do escritor Roberto Cohen (2008). As experiências profissionais do autor principal deste artigo também contribuíram para a construção da dimensão realística do projeto. Efetuamos ainda pesquisas em sites especializados no assunto para abordar temas como a Request For Proposal (R.F.P.). Este trabalho contém informações cruciais para que essa estrutura seja montada com coerência, clareza, detalhes técnico-operacionais e fundamentos de controle de pessoas e serviços. A organização do projeto de implantação e estruturação do Help Desk foi feita de acordo com a ordem natural das etapas de criação, sendo as ideias mais importantes seguidas de outras mais secundárias. 2. Metodologia de ensino por projetos: Ilhas Interdisciplinares de Racionalidade A proposta original desta metodologia vem de Gerard Fourez (1994) para o ensino de ciências: ele propõe a construção de ilhas interdisciplinares de racionalidade, como uma estratégia metodológica capaz de promover um ensino que propicie a autonomia, o domínio e comunicação das tecnologias intelectuais elaboradas pela humanidade. Este estudante teria que possuir como característica primordial a capacidade de compreensão de uma representação teórica de um contexto e de um projeto específico, sendo capaz da construção de uma Ilha de Racionalidade a partir de saberes provenientes de muitas disciplinas e também do conhecimento da vida cotidiana. A Ilha de Racionalidade é uma representação teórica de uma situação específica (o projeto), faz-se necessário, então, que o projeto e o contexto sejam claramente definidos. Percebemos como esta metodologia poderia ser transportada para o contexto do ensino na Gestão em Tecnologia de Informação e propusemos aqui a construção de uma Ilha de Racionalidade para a implantação e estruturação de um departamento de Help Desk: temos o projeto, o contexto realístico da vida profissional para a qual o estudante está sendo preparado neste processo de ensino e os diversos saberes necessários que vão desde o conhecimento tecnológico à percepção social sobre os relacionamentos usuário-atendente na solução dos problemas na área de TI. Expomos aqui as etapas nas quais o grupo de estudantes envolvidos toma decisões sobre a extensão e a profundidade com que os assuntos serão abordados, tendo como referência o contexto e o projeto de implantação do Help Desk. As oito etapas serão relacionadas a seguir e descritas em dois momentos: Teoria - será descrito qual o objetivo e o que se espera; e Prática - descrição específica do projeto de elaboração do Help Desk. Etapa 1 Definição e apresentação didática do problema para o grupo de estudantes. Etapa 2 Esta etapa caracteriza-se pela sondagem inicial, ou seja, o momento no qual os estudantes expressam espontaneamente a situação apresentada, sem respostas rigorosas ou

4 tipo especial de conhecimento, apenas questões relacionadas possíveis, com base no cotidiano e intuição deles. Etapa 3 É uma etapa na qual se busca ampliar o clichê por meio da formulação, pelo professor e pelos estudantes, de outras questões relevantes relacionadas com o projeto a ser desenvolvido e que ou não foram levantadas na sondagem inicial ou foram abandonadas. Etapa 4 Quando entre os membros do grupo que desenvolve o projeto não há quem possa esclarecer ou discutir a respeito do assunto envolvido na situação, pode haver a necessidade de consultar especialistas. Etapa 5 É uma etapa de aprofundamento, com ênfase na prática, definido pelo projeto e pelos produtores da ilha, na qual ocorre o confronto entre a própria experiência prática e as situações teóricas. Etapa 6 É neste momento da proposta que se pode trabalhar o rigor de uma disciplina específica, a base original de tratamento do assunto que se pretende examinar, e até mesmo estudar, rapidamente, tópicos clássicos do programa, trata-se da abertura aprofundada de algumas caixas pretas e descoberta de princípios disciplinares que são base de uma tecnologia. Etapa 7 Esta etapa é uma síntese da ilha de racionalidade produzida para se organizar os conhecimentos obtidos a partir das informações e estudos realizados, mostrando os aspectos importantes eleitos pelo grupo. Etapa 8 É a etapa da elaboração do produto, seguindo minimamente o seguinte roteiro: caracterização do produto, definição das tarefas, definição das equipes responsáveis pelas tarefas e elaboração do cronograma. 3. Projeto: criação e estruturação de um departamento de Help Desk Apresentaremos a seguir o produto final da ilha de racionalidade produzida, ou seja, todo o processo de criação de um departamento de Help Desk como produto desta metodologia de ensino. O detalhamento de cada etapa explicitada no item 2 deste artigo não será citado aqui por motivos óbvios de espaço e pelo fato de não constituir o objeto principal deste artigo Como organizar e gerir um Help Desk? A facilidade e disponibilidade da conectividade eletrônica entre as pessoas, principalmente em ambientes corporativos, tornaram o assunto abordado neste artigo uma constante, em palestras, seminários, treinamentos, s e consultas por telefone. Esse tema tem aflorado com bastante evidência nesses eventos e situações. A gama de empresas especializadas em prestação de serviços de Help Desk, o crescimento avançado da tecnologia, a competitividade, arrastou tais departamentos para um crescimento

5 substancial nos atendimentos de suporte. Supervisores passaram a gerir milhares de incidentes por mês, de um momento para outro. Neste trabalho, a cronologia das etapas de montagem e gestão do Help Desk seguirá uma linha de pensamento do autor principal deste artigo Iniciando a elaboração do departamento: as etapas R.F.P. O início de tudo Começaremos nossa etapa de estruturação a partir da abertura da R.F.P. (Request For Proposal), ou pedido para a proposta. Este documento é a abertura pública das empresas que necessitam da contratação de um serviço. No nosso caso, especificamente, trataremos da prestação de serviços de Help Desk. A R.F.P.(2010) é o convite enviado a um grupo de fornecedores para apresentarem propostas de venda de produtos ou serviços. Um processo de aquisição envolvendo vários fornecedores aumenta a capacidade de negociação e o poder de compra das empresas. A elaboração concisa de uma R.F.P. traz informações cruciais para que as empresas interessadas em efetuar a prestação dos serviços tomem conhecimento dos detalhes técnicos e operacionais, a fim de se estruturarem e se adequarem às necessidades do conteúdo descrito neste documento, fazendo com que apenas as empresas que atendam aos pré-requisitos participem da licitação/concorrência da prestação dos serviços. A elaboração de uma R.F.P. deve ser um subprojeto de um projeto maior. O projeto (2010) de uma R.F.P. envolve desde a preparação, definição dos requisitos administrativos, definição de como as informações dos fornecedores serão apresentadas, definição dos requisitos técnicos do produto ou serviço a serem adquiridos, gerenciamento de requisitos da R.F.P., definição de como serão apresentadas as informações de preço e definição do processo de avaliação das propostas Como funciona o processo de seleção das empresas? Quando uma R.F.P. é aberta, as empresas especializadas na prestação desse tipo de serviço (no nosso caso, estamos tratando do Help Desk), possuem um departamento próprio para pesquisar e tomar conhecimento dos projetos que estão sendo publicados, e rastreiam essas informações, passando-as para as áreas competentes de projetos. Uma vez tomado o conhecimento da divulgação da necessidade de contratação do serviço, as empresas fazem um checklist para ver se se enquadram no perfil da R.F.P. publicada. Algumas empresas exigem que os funcionários da empresa prestadora sejam contratados no regime de CLT (consolidação das leis do trabalho), ou seja, registrados em carteira, exigem também cópia do documento de recolhimento das obrigações sociais (PIS, FGTS, IRRF, INSS, entre outros). A cópia desses documentos confirma que a empresa está dentro dos padrões estabelecidos pela contratante. Outras empresas exigem nível de certificação dos técnicos para a execução de certos serviços.

6 Tomadas as devidas providências quanto às necessidades da contratante, a empresa prestadora dos serviços encaminha um envelope para o local mencionado na R.F.P. com sua proposta para a prestação dos serviços, valores, prazos etc. As empresas contratantes analisam os envelopes-proposta, e normalmente vence a licitação aquela que apresentar o maior volume de serviços pelo menor preço. Vencida a etapa de seleção da R.F.P., a empresa contratada para a prestação dos serviços de Help Desk dá início aos trabalhos de estruturação da equipe e dos serviços que serão prestados, conforme contrato firmado entre as partes O papel do gestor da Tecnologia da Informação Dentre muitas situações que podem comprometer o perfeito funcionamento do departamento de Help Desk, podemos destacar um software que não funciona corretamente (bugs), um circuito eletrônico mal desenvolvido (causando queima de equipamentos e a consequente perda de dados e informações) ou redes elétricas mal elaboradas (falta de no-breaks, estabilizadores), fiação incorreta para a alimentação dos equipamentos etc. E para que essas situações não interfiram, ou interfiram minimamente, no bom andamento do Help Desk, requer-se do gestor a tomada de decisões baseada em conhecimentos consolidados tanto pela experiência de atuação na área como pela formação técnica. Expectativas e desencontros de comunicação são difíceis de detectar de forma sistemática, porque elas não são quantitativas ou de natureza técnica. O papel do gestor na coordenação de um Help Desk está na estruturação adequada para atender as necessidades do cliente, gerando resultados que satisfaçam a relação cliente/fornecedor. É claro que do ponto de vista técnico, se o gestor tiver alguma formação na área de eletrônica, terá grande vantagem na tomada de decisões para a montagem da estrutura elétrica/eletrônica que formará o seu parque de equipamentos. Quanto mais conhecimento tiver, mais fácil será a condução dos trabalhos, pois o sucesso da implementação do Help Desk depende desse nível de conhecimento do gestor. Esta necessidade pode ser observada na resposta de um gestor de TI, atuante também num setor de Help Desk: Para o exercício da sua função, no caso de implantação de um novo help desk, quais são as suas atribuições? Informe com detalhes. R: Ter conhecimento da demanda que este Help Desk inicial irá atender e garantir que o custo ao nível de funcionários seja compatível. Especificamente no ramo da eletrônica, é necessário algum conhecimento do gestor junto ao cliente? (por exemplo, determinar a voltagem dos equipamentos, espessura de fiação elétrica, qualidade do cabo de dados/voz, etc). R: Uma Gestão pode ser desenvolvida sem o conhecimento técnico operacional. Mas, caso o Gestor o tenha (como é o meu caso, iniciei minha carreira como atendente de Help Desk), isso poderá facilitar o entendimento do

7 operacional e também dos projetos a serem realizados e implantados (COTÊS, N. Gestor de Projetos no depto de Projetos e Contratos da Connectcom Teleinformática Ltda. [11 de abril de 2010]. São Paulo. Entrevista concedida a Wagner Alves dos Santos para elaboração da monografia apresentada na disciplina de Projeto Profissional Interdisciplinar 1 do curso de Gestão na Tecnologia da Informação da Faculdade Sumaré). A Estruturação A elaboração do catálogo de serviços O catálogo de serviços é exatamente o que o nome diz: uma relação dos serviços que serão prestados pelo fornecedor ao seu cliente. É muito importante a elaboração de um catálogo de serviços transparente e abrangente, que atenda às necessidades dos usuários, e minimize os custos operacionais, tanto para quem executa os serviços como para quem paga por eles. Nele estão especificados os serviços, como eles serão executados, em quanto e por quanto tempo serão feitos S.L.A. Service Level Agreement (acordo de nível de serviços) é um contrato entre um fornecedor de serviços e um cliente, especificando, em geral, quais serviços o fornecedor vai prestar e em quanto tempo serão executados. Muitas vezes, um cliente pode cobrar multa de um outsourcer se o S.L.A. contratado não for atingido. Geralmente, o gerenciamento dos serviços é feito através de uma ferramenta computacional disponibilizada a ambas as partes, cliente e outsoucer. Geralmente o gerenciamento de S.L.A. contratado pode ser feito por um software dedicado Níveis de atendimento Para que o atendimento dos serviços contratados possa ser realizado de forma mais organizada e com maior rapidez, é feita uma divisão da equipe do atendimento, em geral, em níveis de atendimento. Níveis de serviço (ou atendimento) são definidos no início de qualquer relação de outsourcing (mão de obra terceirizada). Os três níveis de atendimento e suas respectivas ações para a solução do incidente/problema são descritos a seguir: Primeiro Nível solucionador: A missão desse time é matar os incidentes no momento do atendimento providenciando uma solução imediata. Para que isso aconteça, são necessários treinamento adequado na utilização dos produtos, base de conhecimento ampla e adequada, ferramentas de acesso remoto, evitando distorções na interpretação de incidentes pelo usuário, visualizando o problema

8 Primeiro Nível direcionador (dispatcher): Neste primeiro nível de suporte, o técnico não está preocupado em resolver o problema. Não que não exista compromisso do técnico, esse técnico apenas registra o incidente com todas as minúcias para encaminhá-lo a um especialista no assunto Segundo Nível: Neste nível de atendimento, o técnico apenas registra o incidente com todas as minúcias para encaminhá-lo a um especialista no assunto. Existem problemas que exigem a presença de um técnico ao local do chamado. Exemplos: um sistema operacional que não consegue ser iniciado, uma impressora com peça quebrada, um monitor que não liga, troca/substituição de equipamento Terceiro Nível: A última chance, a última fronteira de atendimento. Quando o problema extrapola as competências locais, segue para o terceiro nível. Este nível é composto por fabricantes de software e hardware, especialistas externos e consultores. Exemplos: uma empresa de telefonia, um fabricante de sistemas, consultores e especialistas Montando a equipe Para formar uma boa equipe de atendimento, um gestor precisa conhecer: quais serviços serão prestados; o catálogo de serviços (R.F.P.); em quanto tempo serão executados (S.L.A.); quantos e quais equipamentos serão usados. Além disso, essa equipe precisa ser preparada para compreender todas as etapas do atendimento a um chamado, ou seja, é de extrema importância o conhecimento do fluxograma de atendimento 1. A elaboração correta e detalhada do fluxograma de atendimento é peça fundamental para o êxito do departamento de Help Desk. Convém neste caso, esboçar o mapeamento do atendimento desde a abertura do chamado, as etapas de atendimento, o acompanhamento, o feedback, e o respectivo fechamento com a validação do usuário, evitando-se dessa forma a abertura de chamados reincidentes, o que gera insatisfação por parte do usuário final e o retorno do técnico para solucionar de forma definitiva o problema apresentado. Uma solução viável para evitar esse tipo de transtorno é ter uma base sólida e eficiente de conhecimento da causa dos problemas. O registro dos incidentes deve alimentar essa base de conhecimento para que o técnico possa diagnosticar com eficiência a solução do usuário Apurando os resultados Resultados operacionais 1 Este fluxograma é uma contribuição do autor principal deste artigo na elaboração da etapa 4 da metodologia aqui empregada; por restrição do espaço de publicação, ele não foi publicado neste artigo, mas pode ser solicitado ao autor por

9 Uma das principais funções do gestor é a apresentação dos dados obtidos no contrato, como, por exemplo, um gráfico que relaciona a quantidade (percentual) de atendimentos em cada nível de atendimento. Tais informações são encaminhadas para o cliente e para seus superiores Resultados financeiros Os resultados apurados mostram não só a qualidade dos serviços, como a saúde financeira do contrato. Cada empresa estipula uma margem sustentável de lucro para a execução dos serviços. Uma informação relevante seria um gráfico comparativo entre os diversos gastos gerados num depto de Help Desk Aspectos da relação contratada - contratante numa implantação e estruturação do Help Desk A terceirização de um setor de Help Desk é uma tendência muito forte no mercado, permitindo relacionamentos mais flexíveis entre a empresa contratante dos serviços de Help Desk e a contratada que irá fornecê-los. Contudo, é preciso evitar armadilhas: pode-se tornar viável para a empresa contratada pagar multa do que alcançar as métricas estabelecidas no S.L.A.. Por outro lado, na visão do contratado, ainda que se preste um bom serviço, o contratante estará sempre pressionando por uma diminuição de custos. A série de relatórios produzida para exibir o desempenho da contratada constitui um importante documento balizador da avaliação dos serviços, permitindo conhecer os serviços que se oferecem e verificar se eles atendem às verdadeiras necessidades; esse processo permite que ambas as partes possam se comunicar para a satisfação das necessidades da contratante e melhoria do ambiente de trabalho para a contratada. O dilema de todo serviço de suporte, baixar o custo com melhoria no nível e atendimento, não pode ser um objetivo cego por parte da contratada, sendo que a empresa contratante deve levar em conta os seguintes pontos na sua relação com a contratada: listar as ideias (anseios) quando se contrata alguém; desenhar um mapa de onde se espera estar em X tempo; considerar o contratado como um parceiro; valorizar pessoas, medir, aprender a negociar, ser específico, interagir, participar. Estas informações podem ser consideradas abrangentes, mas, já se pode ter uma ideia de como a relação contratada - contratante deve ser encarada na estruturação e funcionamento deste departamento de fundamental importância para uma empresa de médio/grande porte que necessite organizar, gerenciar e manter funcionando a contento seus recursos em TI. 4. Considerações finais sobre a metodologia de ensino por projetos A metodologia aqui apresentada propõe primordialmente que os estudantes partam de uma concepção espontânea sobre o tema, ou seja, a análise dos aspectos relevantes para a solução de

10 uma situação-problema deve iniciar-se buscando em suas próprias experiências e conhecimentos prévios as ideias que possam levar a cabo a resolução da questão proposta. Só após este levantamento prévio é que se pode permitir a consolidação dos conceitos teóricos formais envolvidos; a afirmação destes deve ser feita através de sua ligação com o cotidiano dos próprios estudantes, com sua própria realidade profissional e social. Este enfoque permite que o processo de ensino-aprendizagem seja levado para além do próprio conteúdo, revelando ser o conhecimento sobre o cotidiano e a realidade dos profissionais em questão imprescindíveis na formação de estudantes para o mercado de trabalho. Apesar das poucas referências teóricas exibidas aqui, acreditamos que o produto apresentado como resultado da metodologia proposta atinge as expectativas e o objetivo inicial deste artigo, uma vez que ele foi elaborado, em grande parte, a partir das próprias experiências e conhecimentos prévios consolidados posteriormente pelo próprio autor principal deste artigo. Esperamos que este trabalho contribua nos processos de ensino-aprendizagem baseados na abordagem realística e cotidiana para uma boa formação teórico-prática de estudantes de cursos voltados ao mercado de trabalho, assim como para cursos acadêmicos que permitam a realidade profissional como prática de ensino contextualizada.

11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COHEN, Robert (2008). Implantação de Help Desk e Service Desk. São Paulo: Editora Novatec. FOUREZ, Gerard (1994). Alfabétisation scientifique et tecnique. Essai sur les finalités de l enseignement des sciences. Belgique: De Boeck Université. MAGALHÃES, Ivan Luizio; PINHEIRO, Walfrido Brito (2007). Gerenciamento de Serviços de TI na Prática: uma Abordagem com Base na ITIL. São Paulo: Editora Novatec. FAGUNDES, Eduardo Mayers (2010). Disponível em: aborar_uma_r.f.p..htm, acessado em 28/07/2010.

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ. PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO José Orlando Lima de Morais Atividade de Portfólio

Leia mais

1º Nível: Contato inicial responsável pelo registro de todas as solici tações e pela finalização do maior número possível de atendimentos.

1º Nível: Contato inicial responsável pelo registro de todas as solici tações e pela finalização do maior número possível de atendimentos. O QUE É? Serviço de atendimento telefônico ao usuário para resolução de problemas de TI ou outras solicitações relativas a assuntos predefinidos. Oferecido em dois níveis: 1º Nível: Contato inicial responsável

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 2 INFRAESTRUTURA DE TI Para garantir o atendimento às necessidades do negócio, a área de TI passou a investir na infraestrutura do setor, ampliando-a,

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço Service Level Management SLM Gerenciamento de Níveis de Serviço 1 É o balanço o entre... Qualidade dos serviços entregues Expectativa do cliente 2 Processo: Definições Service Level Management (SLM) Têm

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA IT Asset Manager como gerenciar o ciclo de vida de ativos, maximizar o valor dos investimentos em TI e obter uma exibição do portfólio de todos os meus ativos? agility made possible

Leia mais

Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores?

Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores? Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores? Será que está acabando a gasolina? Qual o consumo médio do carro na Estrada ou na Cidade?

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA 2 INTRODUÇÃO O processo de gerenciamento de problema busca eliminar, de forma permanente, os problemas e os incidentes repetitivos que afetam a

Leia mais

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011 Disciplina: Administração de Departamento de TI Professor: Aldo Rocha Aula III - 25/08/2011 ITIL 1.A Central de Serviços; 1.1 Necessidade da Central de Serviços; 1.2 Dilema do Suporte; 1.3 Evolução do

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Gerenciamento de Incidente

Gerenciamento de Incidente Apresentação referente à disciplina de Gestão de Processos de TI Professor: Marcelo Fantinato Alunos: Rafael Antonio Silva Priscila Chi Chun Lo Tamiris Tiemi Perestrelo Thamires Magalhães Dias Qual a Diferença

Leia mais

Gerenciamento de Níveis de Serviço

Gerenciamento de Níveis de Serviço Gerenciamento de Níveis de Serviço O processo de Gerenciamento de Níveis de Serviço fornece o contato entre a organização de TI e o cliente, para garantir que a organização de TI conhece os serviços que

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Otimização no fluxo de informação através de ferramenta eletrônica. Confecção de notas fiscais, holerites, boletos bancários.

Otimização no fluxo de informação através de ferramenta eletrônica. Confecção de notas fiscais, holerites, boletos bancários. Soluções - Hardwares OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Consultoria Técnica Projeto de reengenharia de impressão. BILHETAGEM - ACCOUNTING Gestão e gerenciamento de impressão. WORKFLOW Otimização no fluxo de informação

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 2 INTRODUÇÃO A cada dia que passa, cresce a pressão pela liberação para uso de novas tecnologias disponibilizadas pela área de TI, sob o argumento

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL Engº Fernando Só e Silva, Diretor da Deggy Brasil, fso@deggy.com.br Numa análise histórica da segurança privada, temos registrado seu surgimento,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

1. Objetivo Geral: Fornecer ao aluno o embasamento teórico para que compreenda a importância de um plano estratégico de TI.

1. Objetivo Geral: Fornecer ao aluno o embasamento teórico para que compreenda a importância de um plano estratégico de TI. Plano de Ensino 201 I. Dados Identificadores Curso Análise e Desenvolvimento de Sistemas - ADSI Disciplina Administração Estratégica em TI Professor Marcos Antonio Rodrigues da Silva Módulo Administração

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais

As etapas de automação

As etapas de automação As etapas de automação NEGREIROS, Leandro Ribeiro. Sistemas eletrônicos de gerenciamento de documentos arquivísticos: um questionário para escolha, aplicação e avaliação. Dissertação (mestrado em Ciência

Leia mais

Produtos, Outsourcing de TI, Outsourcing de Impressão, Térmicas,

Produtos, Outsourcing de TI, Outsourcing de Impressão, Térmicas, 2012 É uma das maiores empresas integradoras de tecnologia do mercado nacional, tornando-se referência no Segmento de Produtos, Outsourcing de TI, Outsourcing de Impressão, Térmicas, Telecom e soluções

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Documento técnico Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Embora a transição para o software CAD 3D aumente significativamente o desempenho dos negócios, o investimento levanta questões

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Nome_da_Empresa

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Nome_da_Empresa PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Nome_da_Empresa 2008-2009-2010 Conteúdo Introdução... 3 Etapas para a elaboração do Planejamento Estratégico... 3 Análise de Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças... 5 Sugestão

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Os modelos atuais para governança partem de processos empresariais serviços prestados, modelos

Leia mais

Valores: Atitude Nós acreditamos que é a atitude diante das dificuldades que definem se elas serão ultrapassadas ou impedirão o caminho.

Valores: Atitude Nós acreditamos que é a atitude diante das dificuldades que definem se elas serão ultrapassadas ou impedirão o caminho. A FRANCONSULT é uma consultoria para áreas de negócio e tecnologia da informação. Suportada por 20 anos de experiência de sua fundadora os serviços tem sustentação operacional e comprovada eficácia dos

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços A empresa A FollowUp é uma empresa que presta serviços em Tecnologia da Informação (TI). O principal foco é o outsourcing de serviços de análise e desenvolvimento de sistemas computacionais.

Leia mais

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton 1 BASES TECNOLÓGICAS Direcionadores do uso de tecnologia da informação. Uso de Tecnologia da Informação nas organizações. Benefícios do uso de Tecnologia de

Leia mais

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem Trilhas de desenvolvimento Foco no desenvolvimento de competências Foco no desenvolvimento de carreiras O Sebrae O Serviço

Leia mais

Guia para RFP de Outsourcing

Guia para RFP de Outsourcing O processo de condução de uma cotação de serviços de TI, normalmente denominada RFP (do Inglês Request For Proposal), é um processo complexo e que necessita ser feito com critério e cuidados. Muitas vezes

Leia mais

A ARS SYSTEMS é uma empresa que tem como foco principal de atuação o fornecimento de serviços e soluções de TI.

A ARS SYSTEMS é uma empresa que tem como foco principal de atuação o fornecimento de serviços e soluções de TI. A empresa A ARS SYSTEMS é uma empresa que tem como foco principal de atuação o fornecimento de serviços e soluções de TI. A ARS SYSTEMS constrói sua história por meio de uma visão abrangente de TI, preza

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

Sistema Help Desk: um estudo de caso da empresa Marluvas

Sistema Help Desk: um estudo de caso da empresa Marluvas Sistema Help Desk: um estudo de caso da empresa Marluvas Antônio Luiz de Melo 1, Luís Augusto Mattos Mendes 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Antônio

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Estratégia de Negócios em TI (Parte 5) SLA. Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Estratégia de Negócios em TI (Parte 5) SLA. Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 5) SLA Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr SLA O que é entregar um bom serviço? 2 1 Um bom Serviço Considerando

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI Dados de Identificação Dirigente máximo da instituição Nome/Sigla da instituição pública Nome do dirigente máximo Nome/Cargo do dirigente de TI Endereço do setor de TI 1 Apresentação O Tribunal de Contas

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 Gerência de Níveis de Serviço Manter e aprimorar a qualidade dos serviços de TI Revisar continuamente os custos e os resultados dos serviços para garantir a sua adequação Processo

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI CENTRAL DE SERVIÇOS

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI CENTRAL DE SERVIÇOS 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI CENTRAL DE SERVIÇOS 2 INTRODUÇÃO A Central de Serviços é uma função e não um processo. Principal interface operacional entre a área de TI e os seus usuários de serviços.

Leia mais

ivirtua Solutions 4 ITIL

ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions ITIL WHITEPAPER ITIL INTRODUÇÃO O ITIL é o modelo de referência para endereçar estruturas de processos e procedimentos à gestão de TI, organizado em disciplinas

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL

Governança de TI. ITIL v.2&3. Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL Governança de TI ITIL v.2&3 Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE INCIDENTE

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE INCIDENTE 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE INCIDENTE 2 INTRODUÇÃO Tem por objetivo assegurar que, depois da ocorrência de um incidente, o serviço de TI afetado tenha restaurada a sua condição original

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Princípios básicos nas relações com terceiros:

Princípios básicos nas relações com terceiros: Princípios básicos nas relações com terceiros: Checkup de reputação/responsabilidade quando utilizando terceiros em todo o mundo Marjorie W. Doyle, JD, CCEP-F com a contribuição de Diana Lutz 6500 Barrie

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Matemática CST em Marketing A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Cada vez mais as empresas estão contratando serviços baseados em níveis de serviços, conhecidos pela sua sigla

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade VICE-REITORIA ACADÊMICA DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade PLANO DE CURSO

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

Security Officer Foundation

Security Officer Foundation Security Officer Foundation As comunicações e os meios de armazenamento das informações evoluíram mais nestes últimos anos do que em outro tempo na história conhecida. A internet comercial foi consolidada

Leia mais

A. Angeloni & Cia. Estudo de Casos. Fabio Lima Luiz Alberto Acordi Rafael Furtado Vieira Rafael Meijer Magalhães

A. Angeloni & Cia. Estudo de Casos. Fabio Lima Luiz Alberto Acordi Rafael Furtado Vieira Rafael Meijer Magalhães A. Angeloni & Cia. Estudo de Casos Fabio Lima Luiz Alberto Acordi Rafael Furtado Vieira Rafael Meijer Magalhães Sobre a Empresa A Empresa A. Angeloni & Cia. Ltda. foi fundada em 1958 a partir de uma pequena

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE CONSTAT

MANUAL DO CLIENTE CONSTAT MANUAL DO CLIENTE CONSTAT 2013 Todos os direitos reservados à Constat. Distribuição ou repasse a terceiros não autorizados. Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512 Fone (51) 3025.6699 www.constat.com.br

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL COMUNICAÇÃO SUBTEMA: QUESTÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS A MATEMÁTICA

Leia mais