FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Médico Mastologista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Médico Mastologista"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Médico Mastologista Código: NS-26 I n s t r u ç õ e s 1. Você recebeu do fiscal uma folha de respostas e um caderno de prova contendo 40 (quarenta) questões. Verifique se os seus dados estão corretos; em caso de erro, solicite ao fiscal a correção na Ata de Prova. 2. É da sua responsabilidade se certificar de que o nome do cargo informado nesta capa de prova corresponde ao nome do cargo informado na sua folha de respostas. 3. Assine no local indicado na folha de respostas. 4. A folha de respostas só pode ser preenchida com caneta esferográfica de tinta preta ou azul (Edital n o 0001/2012, subitem ). 5. A folha de respostas NÃO pode ser dobrada, amassada, rasurada, manchada ou conter qualquer registro fora dos locais destinados às respostas, sob pena de sua eliminação do presente concurso público. 6. Em nenhuma hipótese ocorrerá substituição da folha de respostas por erro do candidato (Edital n o 0001/2012, subitem ). 7. Você dispõe de 4 (quatro) horas para a realização da prova, incluindo o preenchimento da folha de respostas. 8. Ao marcar a sua folha de respeite o espaço destinado às respostas. 9. Ao ser autorizado o início da prova, verifique, no caderno de prova, se a numeração das questões e a paginação estão corretas. 10. Não será permitida a saída de candidatos antes de decorrida 1 (uma) hora do início da prova (Edital n o 0001/2012, subitem ). 11. Leia atentamente cada questão e assinale, na folha de respostas, a alternativa que julgar correta. 12. A maneira correta de assinalar a alternativa, na folha de respostas, é cobrindo, completamente, todo o espaço correspondente, conforme o exemplo a seguir: A B C E ATENÇÃO: Formas de marcação diferentes da que foi determinada, implicarão a rejeição da folha de respostas pela leitora ótica. 13. Após o término da sua prova entregue obrigatoriamente, ao fiscal, a sua folha de respostas. 14. Os candidatos somente poderão levar o caderno de prova após decorridas 3 (três) horas do início da prova (Edital n o 0001/2012, subitem ). 15. Os dois últimos candidatos de cada sala só poderão ser liberados juntos. 16. Se você precisar de algum esclarecimento, fale com fiscal ou solicite a presença do responsável pelo local. 17. É terminantemente vedado copiar as respostas.

2

3 Língua Portuguesa TEXTO I Crack, questão de saúde pública Droga gera nível alto de dependência, mas reversão do quadro é possível com ações intersetoriais, que vejam consumo como consequência, não como causa de problemas Em fevereiro deste ano, a Junta Internacional de Fiscalização a Entorpecentes (Jife) órgão ligado à Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou seu relatório anual sobre o perfil de consumo e tráfico de drogas em O abuso de drogas ilícitas na América do Sul vem aumentando, enquanto na Europa e na América do Norte a tendência é de queda (em 2008 foram apreendidas 19,5 toneladas de cocaína e, em 2009, 21,5 toneladas, um aumento de 15% em relação ao ano anterior, superando inclusive o México, com 19,3 toneladas) neste tipo de flagrante. Ainda segundo a Jife, o Brasil ocupa o terceiro lugar no ranking de maior consumidor mundial dessa droga e tem a principal rota de tráfico internacional no Cone Sul. O relatório também apontou preocupação quanto à mudança do perfil do consumo no país. Há cada vez menos uso de drogas injetáveis e mais da cocaína fumada, conhecida como crack (nome devido ao som que é produzido quando a substância é consumida nos cachimbos). Essa tendência já era percebida na década de 1990, de acordo com artigo publicado na Revista da Associação Médica Brasileira (volume 43, nº 1, jan/mar de 1997) que revelava que a porcentagem de pacientes que relataram uso do crack havia aumentado de 17%, em 1990, para 64%, em 1993, em dois ambulatórios na cidade de São Paulo. De acordo com o coordenador de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas do Ministério da Saúde, Pedro Gabriel Delgado, o crack é menos utilizado que a maconha e a cocaína aspirada, mas o problema, diz, não reside na magnitude do número total de casos, e sim na gravidade dos quadros de consumo da droga. O uso no mês resposta à pergunta nos últimos 30 dias você usou a substância tal? é de 0,4% para a cocaína e 0,1% para o crack, na população de 12 a 65 anos, em 2005, revelam dados do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas, da Unifesp. Pedro Gabriel explica que o consumo do crack resultado de uma mistura de cristal de cocaína ou pasta base ou cocaína em pó (cloridrato de cocaína e adulterantes), água e bicarbonato de sódio tem pelo menos dois fatores de risco: a dependência e a vulnerabilidade dela decorrente, que fazem dessa droga grave problema de saúde pública e enorme desafio para o governo brasileiro. Crack tem cura A dependência caracteriza-se não só pela incapacidade de se interromper o uso no momento desejado e a necessidade de se usarem doses cada vez maiores para obter os mesmos resultados, como pelos efeitos físicos e psíquicos causados pela abstinência. Sabe-se que o crack causa dependência muito rápida e intensa e, por ser droga ilícita, distribuída em um cenário de marginalidade e violência, geralmente se associa a um contexto de extrema vulnerabilidade social, analisa Pedro Gabriel. A gravidade e a intensidade dos problemas gerados pelo consumo da droga não devem ser vistos, no entanto, como sinônimos de uma situação irreversível para os usuários. A dependência do crack não é algo incurável, afirma Pedro Gabriel. Ao contrário, há resultados extremamente positivos entre os que se submetem a tratamento. O importante é que a intervenção não tenha olhos apenas para o uso da droga, mas para a vida dos sujeitos afetados, sua marginalização e vulnerabilidade, orienta. O uso do crack, em geral, está associado ao consumo de álcool e à exposição ao ambiente insalubre e inóspito das ruas e dos locais clandestinos de consumo. Em geral, a droga é consumida por jovens que vivem na rua, onde há ausência de suporte social eficaz. Eles praticam delitos para adquirir o que desejam, têm relação estreita com a violência sexual e policial e convivem com a debilidade física causada pela alimentação escassa e irregular. Predominam usuários jovens, do sexo masculino. O uso pelo grupo que vive em situação de rua é até 12 vezes maior que pelo restante da população. Em alguns contextos mais graves, crianças muito jovens, de até 8 anos, podem ser induzidas ao consumo que, por sua vez, avança para a classe média, como mostram alguns dados, mas ainda de forma incipiente, informa Pedro Gabriel. É um problema do mundo todo, que veio despontando a partir dos anos 90. Mas é especialmente mais grave na América Latina, onde a vulnerabilidade social a que estão submetidos os usuários, especialmente crianças e jovens consumidores urbanos, é extrema. Para o médico e psicanalista Tarcísio Andrade, coordenador do Serviço de Extensão Permanente Aliança de Redução de Danos Fátima Cavalcanti, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia (UFBA), o uso do crack é como o de outras drogas. O problema é que se trata de uma forma de consumo mais intenso, passível de maior dependência, e que atinge principalmente pessoas com desvios sociais, populações menos favorecidas socialmente, com menor nível institucional e menor capacidade técnica de inserção social. Só que o que se tenta mostrar é que o crack é o gerador de todos os problemas sociais, não o contrário, critica. O usuário não é uma pessoa à parte. Tarcísio defende o tratamento da dependência tanto do crack quanto de outras drogas, sob a ótica da redução de danos. Significa adequar os serviços à realidade da comunidade, esclarece. É focar no sujeito, e não na Cargo: Médico Mastologista Página 3 de 10

4 substância, acrescenta Marco Manso, que atua como redutor de danos da Aliança. O serviço volta-se às comunidades pobres de Salvador, indo ao encontro das pessoas usuárias de crack, e presta capacitação aos profissionais de saúde da atenção básica. Além disso, dispõe de ambulatório clínico para os casos mais complexos. Segundo Tarcísio, os usuários de crack vão pouco aos serviços de saúde, pois não os têm como referência. Por isso, o tratamento precisa ser realizado onde está o usuário. Não é simples, conforme já constatou. Para ele, a Estratégia de Saúde da Família é o que se tem de melhor para alcançar o usuário da droga. Mas é preciso capacitar o profissional de saúde e acabar com a crença de que o tratamento somente pode ser feito em clínica especializada. No Brasil, os modelos tradicionais de tratamento, com longas internações, conduzidos por instituições religiosas ou comunidades terapêuticas, são os mais usados pela sociedade. Em geral, são práticas verticalizadas e distanciadas e, por isso, muitos tratamentos não dão certo, explica Tarcísio. Ele não descarta os modelos tradicionais, mas acha que não resolvem o problema totalmente. Não há como colocar todos os usuários do crack numa instituição, afirma. Para Tarcísio, esses locais de tratamento deveriam servir de retaguarda. Precisamos de vários modelos e saber onde cada usuário se adapta melhor, aponta. O desafio é tão amplo e espinhoso, que precisamos unir os esforços de todos, diz Pedro Gabriel. (... ) Extraído de 01. O texto I é parte de um artigo publicado numa revista destinada à divulgação científica, logo estruturase como um texto narrativo, porque traz relato de fatos e depoimentos, mas que apresenta teses, premissas ou argumentos a serem respaldados ou debatidos por estudiosos do tema. Assinale a sentença que corresponde à tese central nele defendida. (A) Os usuários de crack são curados somente quando obtêm referência nos serviços de saúde pública. (B) A dependência do crack é restrita a crianças e jovens latinos em situação de vulnerabilidade social. (C) O crack é atualmente o maior gerador de problemas na América Latina por produzir exclusão social. (D) A cura do vício de crack demanda política intersetorial de saúde voltada para sujeitos vulneráveis. (E) Ações de combate ao crack dependem exclusivamente de clínicas especializadas dotadas de profissionais qualificados. 02. O termo em destaque em Há cada vez menos uso de drogas injetáveis e mais da cocaína fumada, conhecida como crack ( 1 ) tem o mesmo valor do seguinte termo: (A) que fazem dessa droga grave problema ( 2, linhas 17 e 18 ). (B) que o crack causa dependência muito rápida e intensa ( 3, linhas 6 e 7 ). (C) que a intervenção não tenha olhos apenas para o uso da droga ( 4, linhas 7 a 9). (D) que o tratamento somente pode ser feito em clínica especializada ( 8, linhas 8 e 9). (E) que precisamos unir os esforços de todos( 9, linha 8 ). 03. No trecho mas o problema, diz, não reside na magnitude do número total de casos, e sim na gravidade dos quadros de consumo da droga ( 2, linhas 4 a 6), os elementos coesivos estabelecem sentido de: (A) adição. (B) oposição. (C) conclusão. (D) explicação. (E) alternância. 04. Em há cada vez menos uso de drogas injetáveis ( 1 ), o verbo destacado apresenta quanto à concordância as mesmas peculiaridades da forma verbal destacada na seguinte sentença: (A) A maioria dos participantes do congresso apoiou a proposta apresentada. (B) Duas décadas é tempo suficiente para a solução desse problema coletivo. (C) Ainda existe grande população usuária de drogas nas ruas sem tratamento. (D) Faz muitas centenas de anos que ocorre esse problema de saúde pública. (E) Os governos têm feito muitos planos para amenizar problemas de saúde. 05. Assinale a alternativa que define, respectivamente, os processos de formação das palavras intersetoriais, crack, ranking e Unifesp, encontradas no texto I: (A) composição - estrangeirismo - estrangeirismo - acronímia. (B) composição - estrangeirismo - estrangeirismo - composição. (C) derivação prefixal e sufixal - onomatopeia - estrangeirismo - acronímia. (D) derivação parassintética - onomatopeia - estrangeirismo - acronímia. (E) derivação prefixal e sufixal - onomatopeia - estrangeirismo - composição. Cargo: Médico Mastologista Página 4 de 10

5 TEXTO 2 De sua formosura/ já venho dizer:/ é um menino magro,/ de muito peso não é,/ mas tem o peso de homem,/ de obra de ventre de mulher. De sua formosura/ deixai-me que diga:/ é uma criança pálida,/ é uma criança franzina,/ mas tem a marca de homem,/ marca de humana oficina. Sua formosura/ deixai-me que cante:/ é um menino guenzo 1 / como todos os desses mangues,/ mas a máquina de homem/ já bate nele, incessante. Sua formosura/ eis aqui descrita:/ é uma criança pequena,/ enclenque 2 e setemesinha 3,/ mas as mãos que criam coisas/ nas suas já se adivinha. [Trecho do poema Morte e vida Severina (auto de natal pernambucano). João Cabral de Melo Neto] 1. guenzo: muito magro, adoentado e fraco. 2. enclenque: que se encontra adoentado, enfraquecido. 3. setemesinha: diz-se de criança que nasce de sete meses TEXTO 3 (...) Uma flor nasceu na rua!/ Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego./ Uma flor ainda desbotada/ ilude a polícia, rompe o asfalto./ Façam completo silêncio, paralisem os negócios,/ garanto que uma flor nasceu. Sua cor não se percebe./ Suas pétalas não se abrem./ Seu nome não está nos livros./ É feia. Mas é realmente uma flor. Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da tarde/ e lentamente passo a mão nessa forma insegura./ Do lado das montanhas, nuvens maciças avolumam-se./ Pequenos pontos brancos movem-se no mar, galinhas em pânico./ É feia. Mas é uma flor. Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio. [Trecho do poema A flor e náusea. Carlos Drummond de Andrade.] 06. Após a leitura dos dois trechos acima, pode-se afirmar que: (A) o que se destaca nos dois trechos é o recurso da ironia empregado pelos poetas para atenuar a dramaticidade do tema. (B) da comparação entre os dois trechos, sobressai, principalmente, o contraste entre o ambiente rural e nordestino e o mundo urbano do sudeste. (C) a principal ideia comum aos dois trechos poéticos é que tanto o menino, de João Cabral, quanto a flor, de Carlos Drummond, são feios, frágeis e precários. (D) prevalece nos dois trechos de poemas a ingenuidade dos autores, uma vez que superestimam a capacidade dos fracos para vencerem as forças avassaladoras da violência social e do progresso desumanizador. (E) os dois poetas referem-se à ideia de esperança, da melhor força imanente ao homem que, mesmo sob enorme fragilidade, resiste, insiste e segue adiante, enfrentando as condições hostis das desigualdades, da exploração, da brutalidade. 07. Leia o trecho a seguir, adaptado da notícia publicada no portal eletrônico da Prefeitura Municipal de Boa Vista em 17 de outubro último, e responda a questão proposta: Unidades de saúde do município realizam exame preventivo A Coordenação Municipal de Atenção Integral a Saúde da Mulher do município de Boa Vista disponibiliza em todas as Unidades Básicas de Saúde a coleta para o exame Citopatológico Preventivo do Câncer de Colo Uterino, também conhecido como Preventivo ou Papanicolau. Indique a alternativa em que o uso da crase obedece à norma gramatical: (A) A Coordenação Municipal de Atenção Integral a Saúde da Mulher do município de Boa Vista disponibiliza em todas às Unidades Básicas de Saúde a coleta para o exame Citopatológico Preventivo do Câncer de Colo Uterino, também conhecido como Preventivo ou Papanicolau. (B) A Coordenação Municipal de Atenção Integral à Saúde da Mulher do município de Boa Vista disponibiliza em todas as Unidades Básicas de Saúde a coleta para o exame Citopatológico Preventivo do Câncer de Colo Uterino, também conhecido como Preventivo ou Papanicolau. (C) À Coordenação Municipal de Atenção Integral a Saúde da Mulher do município de Boa Vista disponibiliza em todas as Unidades Básicas de Saúde a coleta para o exame Citopatológico Preventivo do Câncer de Colo Uterino, também conhecido como Preventivo ou Papanicolau. (D) A Coordenação Municipal de Atenção Integral a Saúde da Mulher do município de Boa Vista disponibiliza em todas as Unidades Básicas de Saúde à coleta para o exame Citopatológico Preventivo do Câncer de Colo Uterino, também conhecido como Preventivo ou Papanicolau. (E) À Coordenação Municipal de Atenção Integral a Saúde da Mulher do município de Boa Vista disponibiliza em todas às Unidades Básicas de Saúde à coleta para o exame Citopatológico Preventivo do Câncer de Colo Uterino, também conhecido como Preventivo ou Papanicolau. Cargo: Médico Mastologista Página 5 de 10

6 08. UFRR lança calendário de mesa para divulgar a cultura indígena. carne que a perspectiva da morte nos angustia e apavora bem mais do que a iminência dela. [Entrevista concedida a Armando Antenore. Revista Bravo! Ano 11, n 126.] Pode-se afirmar que no trecho do comentário de Drauzio Varella, acima, predomina o gênero de texto: (A) narrativo. (B) descritivo. (C) argumentativo. (D) descritivo-argumentativo. (E) argumentativo-descritivo. Leia, abaixo, trecho do comentário do Coordenador de Comunicação da universidade sobre a iniciativa da instituição e responda a questão proposta: Este não é um simples calendário de mesa. É um registro in loco da enorme riqueza cultural dos povos indígenas do extremo norte da Amazônia brasileira. A palavra ou expressão que une os dois períodos desse trecho, sem que haja alteração de sentido é: (A) sequer. (B) tampouco. (C) ao contrário. (D) a menos que. (E) uma vez que. 09. O médico oncologista e escritor Drauzio Varella, autor do best-seller Estação Carandiru, costumava viajar para a região do Rio Negro, onde coordenava pesquisas com plantas medicinais. Na floresta, foi picado pelo mosquito transmissor da febre amarela; o que o deixou entre a vida e a morte. Em entrevista concedida ao jornalista Armando Antenore, o Dr. Drauzio comenta a frase Morrer é fácil, publicada em seu livro O Médico Doente. Realmente, naquela ocasião tive a certeza de que morreria em pouco tempo. Mais 24 ou 48 horas e pronto... Os exames indicavam que meu fígado caminhava para o colapso. Havia perda de proteína pelos rins, os pulmões trabalhavam com dificuldade, o coração acusava uma arritmia. Era o que chamamos de falência de múltiplos órgãos. (...) Como sou oncologista desde 1972, assisti à morte de várias pessoas. E notei que, quando a doença aperta o cerco devagar, acaba preparando a vítima para o fim. (...) Por incrível que pareça, morrer vai se tornando fácil. Foi justamente o que ocorreu comigo. Pude comprovar na 10. Desde o início (1) da colonização da América (2), o território amazônico foi objeto de disputa entre as grandes potências europeias. Com a descoberta do grande rio, batizado (3) depois rio Marañon, mais tarde Orellana e finalmente Amazonas, a denominação atual, os conquistadores espanhóis iniciaram suas (4) buscas, por caminhos fluviais (5), ao reino mítico (6) das mulheres (7) guerreiras e às reservas de metais preciosos (8) que diziam guardar. [Raminelli, Ronald. A incrível conquista da Amazônia. Revista Nossa História, Ano 1, n 2, dezembro, 2003] Quanto à classe morfológica, as palavras sublinhadas e numeradas no texto acima são respectivamente: (A) (1) adjetivo; (2) substantivo; (3) substantivo; (4) adjetivo; (5) pronome; (6) verbo; (7) adjetivo; (8) verbo. (B) (1) verbo; (2) substantivo; (3) adjetivo; (4) adjetivo; (5) substantivo; (6) verbo; (7) substantivo; (8) adjetivo. (C) (1) substantivo; (2) substantivo; (3) verbo; (4) pronome; (5) adjetivo; (6) adjetivo; (7) substantivo; (8) adjetivo. (D) (1) pronome; (2) substantivo; (3) verbo; (4) adjetivo; (5) substantivo; (6) verbo; (7) adjetivo; (8) substantivo. (E) (1) pronome; (2) substantivo; (3) substantivo; (4) adjetivo; (5) substantivo; (6) verbo; (7) substantivo; (8) substantivo. Sistema Único de Saúde - SUS / Saúde Pública 11. Entre os princípios preconizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) está a integralidade. A implementação da integralidade pressupõe: (A) a efetivação do acesso universal à saúde a partir dos consórcios de saúde inter-regionais. (B) a ênfase na garantia do acesso universal ao estabelecer a supremacia das ações de recuperação da saúde. Cargo: Médico Mastologista Página 6 de 10

7 (C) a integração entre os diferentes níveis de complexidade do sistema de saúde com a priorização da atenção terciária. (D) a superação da dicotomia entre ações preventivas e curativas que prevaleceram historicamente no sistema de saúde brasileiro. (E) a centralidade do investimento governamental nas redes integradas de assistência de alta complexidade visando à promoção da saúde. 12. A Lei n o 8080/90, que regulamenta o SUS, prevê como um dos critérios para o estabelecimento dos valores a serem repassados a Estados, Distrito Federal e Municípios: (A) o número de habitantes da área descontando-se os segurados do setor privado. (B) os níveis de participação do setor saúde nos orçamentos estaduais e municipais. (C) o desempenho técnico e financeiro no período anterior conjugado à capacidade fiscal de cada ente. (D) o perfil epidemiológico da população coberta a partir da avaliação do sistema de saúde local. (E) as características da rede de saúde local e a receita própria das instituições executoras. 13. Como órgãos deliberativos do SUS, os conselhos de saúde têm como uma de suas funções: (A) elaborar e executar os planos de saúde em cada nível correspondente. (B) atuar na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde. (C) fiscalizar o uso de recursos financeiros respeitando a capacidade instalada em cada nível do SUS. (D) definir em seu regimento a participação de cada um dos segmentos que o compõe. (E) propor diretrizes para política de saúde no âmbito das conferências de saúde, as quais se realizam a cada 3 anos. 14. O fortalecimento da atenção básica figura entre as prioridades definidas nos Pactos pela Vida e em Defesa do SUS aprovados pelo Conselho Nacional de Saúde em No tocante à qualificação dos profissionais da atenção básica, este documento preconiza: (A) as estratégias de educação permanente. (B) os programas de residência profissionais. (C) a oferta de cursos de especialização médica. (D) a promoção de cursos de formação em serviço. (E) o incentivo à cooperação nacional e internacional de experiências. 15. A descentralização político-administrativa figura como um dos princípios do SUS. Descentralização significa: (A) compartilhamento da gestão entre os diferentes entes da federação sob a coordenação federal. (B) desconcentração de poderes, fragmentação da responsabilidade sanitária e ênfase na gestão local. (C) coordenação do sistema de referência e contrareferência pelo ente municipal com financiamento estadual. (D) fortalecimento dos níveis locais no que tange à prestação do serviço e do nível regional no que tange à gestão. (E) transferência de poder decisório e de recursos do nível central de governo em direção ao níveis regionais e locais. 16. Segundo o Caderno de Informações de Saúde (2010), o município de Boa Vista (RR) apresentou como primeira causa de mortalidade, por grupo de causas, as doenças do aparelho circulatório, seguida pelas causas externas e pelas neoplasias. Mudanças nos padrões de causas de morbidade e mortalidade são características do comportamento: (A) expectativa de vida. (B) transição demográfica. (C) transição epidemiológica. (D) anos potenciais de vida perdidos. (E) mortalidade por causas mal definidas. 17. A Política Nacional de Atenção Básica tem na Saúde da Família sua estratégia prioritária para expansão e consolidação da atenção básica. Com base nessa afirmação, assinale a alternativa INCORRETA. (A) A Equipe de Saúde da Família deve ser composta por, no mínimo, médico generalista ou especialista em saúde da família ou médico de família e comunidade, enfermeiro generalista ou especialista em saúde da família, auxiliar ou técnico de enfermagem e agentes comunitários de saúde. (B) A responsabilização sobre a população adscrita, mantendo a coordenação do cuidado mesmo quando esta necessita de atenção em outros pontos de atenção do sistema de saúde é uma das atribuições comuns a todos os membros das equipes de Atenção Básica. (C) Às Secretarias Municipais de Saúde compete desenvolver ações e articular instituições para formação e garantia de educação permanente aos profissionais de saúde das equipes de Atenção Básica e das equipes de saúde da família. (D) Os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF são constituídos por equipes compostas por profissionais de diferentes áreas de conhecimento, que devem atuar de maneira integrada e apoiando os profissionais das Equipes de Saúde da Família, realizando atendimento individual ou coletivo. (E) Uma das características do processo de trabalho das equipes de Atenção Básica é o desenvolvimento de ações educativas que possam interferir no processo de saúde-doença da população, no desenvolvimento de autonomia, individual e coletiva, e na busca por qualidade de vida pelos usuários. Cargo: Médico Mastologista Página 7 de 10

8 18. Em relação ao calendário básico de vacinação da criança, assinale a alternativa correta. (A) A vacina tríplice viral protege a criança contra pneumonia, otite e meningite. (B) Nos prematuros com menos de 36 semanas, a vacina BCG deve ser administrada logo após o nascimento. (C) Se a criança regurgitar, cuspir ou vomitar após o recebimento da vacina oral rotavírus humano a dose deve ser repetida. (D) A vacina contra febre amarela deve ser administrada aos 9 meses, nas áreas do país com recomendação para tal. (E) Todos os recém-nascidos devem ser vacinados contra hepatite B com administração em quatro doses: 0, 1, 2 e 6 meses. 19. De acordo com a Portaria n o 204/GM de 29 de janeiro de 2007, os recursos federais destinados às ações e aos serviços de saúde passam a ser organizados e transferidos na forma de blocos de financiamento, quais sejam: (A) Assistência Farmacêutica, Gestão do SUS e Vigilância em Saúde. (B) Atenção Básica, Gestão do SUS e Centro de Referência em Saúde do Trabalhador. (C) Saúde da Família, Centro de Referência em Saúde do Trabalhador e Compensação de Especificidades Regionais. (D) Atenção de Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar, Vigilância em Saúde e Saúde Bucal. (E) Atenção Básica, Atenção de Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar e Compensação de Especificidades Regionais. 20. Considerando que as informações originadas nos atendimentos ambulatoriais são imprescindíveis para o planejamento em saúde em prol da população, assinale a alternativa que apresenta um sistema voltado para a gestão de informações sobre o atendimento ambulatorial do SUS: (A) Sistema de Informação de Mortalidade. (B) Gerenciamento de Informações Locais. (C) Sistema de Informações Hospitalares do SUS. (D) Sistema de Informação sobre Agravos de Notificação. (E) Sistema de Cadastramento e Acompanhamento de Hipertensos e Diabéticos. Atualidades 21. Analise as proposições a seguir e assinale a alternativa correta. I. O Líbano, atualmente, vivencia um conturbado período em que a paz interna é ameaçada. Paz II. III. esta que se fragilizou, ainda mais, com a explosão de um carro-bomba no dia 19 de outubro de 2012, em Beirute. Morreram, na explosão, Wissam al Hassanh, chefe de inteligência das forças de segurança internas e mais sete pessoas. As tensões libanesas se alimentam da guerra civil na vizinha Síria. Apesar de nenhum grupo ter assumido a autoria do ataque, há suspeitas de envolvimento de forças Sírias e seus aliados no Líbano, em especial o Hizbollah. (A) I e III são falsas. (B) Somente a II é falsa. (C) I, II e III são verdadeiras. (D) Somente a I é verdadeira. (E) Somente II e III são verdadeiras. 22. No que concerne à meta de criação de uma união bancária na zona do euro, assinale a alternativa correta. (A) O governo alemão defende o fim do euro como moeda. (B) Grécia e Espanha se recusam a contrair dívidas para enfrentar a crise financeira que abalam suas economias. (C) Angela Merkel se preocupa com o desenvolvimento da união bancária porque teme as eleições alemãs, em dezembro de (D) A ideia dos eurobônus se relaciona à perspectiva de transações financeiras e emissão de títulos de dívidas em conjunto e sem taxações. (E) Há um desacerto entre o governo francês, do presidente François Hollande, e o governo alemão, da chanceler Angela Merkel. O governo francês entende como urgente a criação da supervisão bancária; os alemães, por sua vez, anseiam por maiores poderes centrais para intervir em orçamentos nacionais que descumpram limites de dívida pública e déficits acertados pela UE. 23. Os atuais presidentes, de dois países da América do Sul, foram guerrilheiros que combateram, pelas armas, as ditaduras que, no passado, se instauraram em seus países. Assinale a alternativa que apresenta os nomes desses presidentes. (A) José Mujica e Dilma Rousseff. (B) Hugo Chaves e Dilma Rousseff. (C) Cristina Kirchner e Hugo Chávez. (D) Dilma Rousseff e Fernando Lugo. (E) Frederico Franco e Fernando Lugo. 24. Analise as proposições a seguir: I. A Comissão Nacional da Verdade, CNV, tem por finalidade apurar graves violações de Direitos Humanos, praticadas por agentes Cargo: Médico Mastologista Página 8 de 10

9 públicos, ocorridas entre 18 de setembro de 1946 e 5 de outubro de II. A Comissão Nacional da Verdade, CNV, não tem caráter punitivo. III. A Comissão Nacional da Verdade, CNV, pode identificar circunstâncias, instituições e locais relacionados à prática de violação dos Direitos Humanos. IV. A Comissão Nacional da Verdade, CNV, é formada por parlamentares das duas casas do Congresso. V. Os membros da Comissão Nacional da Verdade, CNV, assumem cargos com caráter vitalício. O número de proposições corretas é: (A) 1 (B) 2 (C) 3 (D) 4 (E) No que concerne ao julgamento da ação penal 470, cujo objeto é o esquema conhecido como mensalão, assinale a alternativa correta: (A) A "Mensalão" provocou a ruptura, do então vicepresidente, José Alencar com o presidente Lula. (B) O Mensalão foi denunciado, primeiramente, pelo Partido da Social Democracia Brasileira - PSDB, através do Senador pelo Amazonas, Arthur Virgílio, que não logrou sucesso na eleição posterior. (C) A crise política gerada pelo "Mensalão" levou partidos da base aliada a se separarem do governo, como foi o caso do Partido Comunista do Brasil - PCdoB. (D) A partir da crise política gerada pelo "Mensalão", explica-se o apoio do Senador maranhense José Sarney ao PSDB de José Serra, na eleição que reconduziu Lula à presidência. (E) Mensalão foi o nome dado à maior crise política do governo Lula ( ). O nome se refere à compra de votos de parlamentares em votações que favoreceram o governo. A crise derrubou alguns dos principais líderes do Partido dos Trabalhadores - PT, a exemplo do Chefe da Casa Civil, o então Deputado Federal por São Paulo, José Dirceu. Conhecimento Específico 26. Paciente de 50 anos apresenta achado de imagem nodular de 8mm, BI-RADS 4 à ultrassonografia mamária. A mamografia e o exame clínico são normais. A melhor forma de conduzir biópsia por agulha é: (A) punção aspirativa com agulha fina. (B) core-biópsia com colocação de clip metálico. (C) biópsia à vácuo com colocação de clip metálico. (D) indicar a ressonância magnética antes da biópsia. (E) não efetuar biópsia por agulha. Melhor ressecar. cirurgicamente a lesão. 27. É característica do carcinoma intraductal de alto grau: (A) ser sempre estrogênio receptor positivo. (B) possuir maior chance de invasão do estroma. (C) possuir achado ultrassonográfico característico. (D) não ser encontrado após os 60 anos. (E) exigir sempre biópsia incisional para confirmação. diagnóstica 28. Na quimioterapia neo-adjuvante podemos afirmar que: (A) é contraindicada após os 75 anos. (B) não há resposta nos tumores lobulares. (C) o uso de antracíclicos é contraindicado. (D) não há indicação nos tumores com axila negativa. (E) há melhor resposta nos tumores com elevado Ki Podemos afirmar que, os tumores HER-2 positivos: (A) correspondem a 50% dos tumores da mama. (B) respondem bem ao tratamento com tamoxifeno. (C) geralmente apresentam componente intraductal. (D) a adjuvância com pertuzumab é o tratamento de escolha. (E) quando usamos traztuzumab não devemos associá-lo com quimioterapia. 30. Segundo o ACSOG Z-011, o esvaziamento axilar pode ser evitado quando há até 2 linfonodos sentinela comprometidos. (A) Na mastectomia total. (B) Nos tumores HER-2 positivos. (C) Nas pacientes com menos de 40 anos. (D) Na cirurgia conservadora seguida de radioterapia. (E) Quando há extravasamento capsular da metástase. 31. Pacientes com tumores classificados como Luminais A, apresentam achado imunohistoquímico estrogênio receptor: (A) positivo, progesterona receptor positivo e HER-2 negativo. (B) positivo, progesterona receptor positivo e HER-2 positivo. (C) negativo, progesterona receptor negativo e HER-2 positivo. (D) negativo, progesterona receptor negativo e HER-2 negativo. (E) positivo, progesterona receptor negativo e HER-2 positivo. 32. O Tumor Filóide de baixo grau deve ser tratado com: (A) mastectomia radical modificada. (B) mastectomia simples e hormonioterapia. (C) ressecção do tumor com margens livres. (D) ressecção do tumor com margens livres e radioterapia. (E) ressecção do tumor com margens livres e biópsia do linfonodo sentinela. Cargo: Médico Mastologista Página 9 de 10

10 33. Podmos afirmar que, na paciente com mastite linfocítica: (A) pode apresentar na forma tumoral. (B) não apresenta achado mamográfico. (C) apresenta febre elevada e sinais de toxemia. (D) ocorre somente em paciente com FAN positivo. (E) possui ressonância magnética da mama normal. 34. Ao realizar linfadenectomia axilar, o cirurgião secciona o Nervo Toraco-dorsal. São limitações físicas esperadas no pós-operatório: (A) incapacidade de elevação lateral e anterior do braço. (B) escápula alada com projeção posterior do ângulo inferior. (C) protração escapular e dificuldade de expansão torácica. (D) parestesia da pele da axila e da face pósteromedial do braço. (E) dificuldade de adução e prono supinação do membro superior homolateral. 35. A classificação histológica do tumor invasivo de mama (classificação de Scarff-Bloom-Richardson ou classificação de Elston-Ellis) é baseada no: (A) tipo histológico, angiogênese, receptores hormonais, Ki67, P53 e Cerb2. (B) diâmetro tumoral, invasão vascular e linfática, desmoplasia e índice mitótico. (C) componente intraductal extenso, formação de túbulos, necrose tumoral e invasão neural. (D) tipo de arranjo celular, formação de túbulos, semelhança com as células normais, classificação nuclear e índice mitótico. (E) tipo histológico, extensão do componente intraductal, presença de comedonecrose, formações de pontes e grau de sinu-histiocitose. 36. Mulher de 50 anos com descarga papilar sanguínea e espontânea em dúcto único de mama esquerda com mamografia normal. A conduta adequada é: (A) ductografia. (B) ultrassonografia das mamas. (C) ressonância magnética das mamas. (D) citopatologia da secreção sanguínea. (E) exérese do ducto sede da lesão para estudo histopatológico. 38. Mulher de 50 anos, com indicação de terapia hormonal (TH), procura o mastologista. Em relação às mamas está assintomática e o exame clínico é normal. A mamografia revela pequeno grupamento arredondado de microcalcificações puntiformes na mama direita. Seguindo a orientação do ACR BI-RADS, a classificação dessa imagem e a orientação são: (A) BI-RA DS IV e Indicar biópsia para histopatologia. (B) BI-RADS III e solicitar ressonância magnética e se negativa liberar para TH. (C) BI-RADS III, condicionar o inicio da TH a biópsia e prévia, para histopatologia. (D) BI-RADS III e liberar para TH com orientação para repetir a mamografia em 6 meses. (E) BI-RADS 0 e solicitar ressonância magnética e ultrassonografia e se negativas liberar para TH com orientação para repetir a mamografia em 6 meses. 39. Em relação aos inibidores de aromatase seletivos de terceira geração é correto afirmar que: (A) são contra indicados nos tumores HER2-. (B) podem ser usados em tumores RE- e RP-. (C) bloqueiam receptores hormonais na membrana citoplasmática. (D) seu uso independe da função ovariana e podem ser usados no menacme. (E) inibem a conversão de androstenediona para estrona no tecido celular subcutâneo. 40. Em relação à Cicatriz Radial é correto afirmar que: (A) sua incidência tem aumentado com o uso de próteses de silicone. (B) tem como fator predisponente a cirurgia conservadora associada a Radioterapia. (C) a associação com o câncer de mama é diretamente proporcional a hiperplasia do estroma. (D) radiologicamente caracteriza-se por densidade circunscrita com centro homogeneamente denso e bordas de limites imprecisos com espículas curtas. (E) é uma lesão proliferativa complexa com distorção do tecido mamário, de configuração estrelar e com área central fibroescrerótica envolvida por ductos com disposição radiada. 37. A afirmativa que apresenta a estrutura embrionária base da mastogênese é: (A) endoderma. (B) crista láctea. (C) ectoderma ventral. (D) mesoderma ventral. (E) mesoderma subjacente. Cargo: Médico Mastologista Página 10 de 10

FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Médico Psiquiatra

FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Médico Psiquiatra FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Médico Psiquiatra Código: NS-37 I n s t r u ç õ e s 1. Você recebeu do fiscal uma folha

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Médico Pediatra

FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Médico Pediatra FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Médico Pediatra Código: NS-34 I n s t r u ç õ e s 1. Você recebeu do fiscal uma folha

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Enfermeiro. I n s t r u ç õ e s

FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Enfermeiro. I n s t r u ç õ e s FUNDAÇÃO AJURI PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA - RR CONCURSO PÚBLICO - ÁREA DA SAÚDE EDITAL N o 0001/2012 Cargo: Enfermeiro Código: NS-06 I n s t r u ç õ e s 1. Você recebeu do fiscal uma folha de respostas

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Próteses de silicone adulteradas

Próteses de silicone adulteradas 3ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO CONSUMIDOR E ORDEM ECONÔMICA SAF Sul Quadra 4 Conjunto C Bloco B Sala 301; Brasília/DF, CEP 70050-900, (61)3105-6028, http://3ccr.pgr.mpf.gov.br/, 3camara@pgr.mpf.gov.br

Leia mais

Gestão do Trabalho em Saúde

Gestão do Trabalho em Saúde Universidade Federal de Alagoas Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos da Especialização Lato Sensu UFAL 2012.1 Gestão do Trabalho em Saúde CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2013

NOTA TÉCNICA 03 2013 NOTA TÉCNICA 03 2013 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do paciente com neoplasia maligna comprovada, no âmbito do Sistema

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009.

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009. Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade Brasília, outubro de 2009. O uso do crack e cocaína: contexto e estratégias de cuidados à saúde PEDRO GABRIEL DELGADO Coordenação de

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

PORTARIA Nº 196, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2012

PORTARIA Nº 196, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2012 PORTARIA Nº 196, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2012 Aprova a diretriz para acompanhamento e tratamento de pacientes portadores de implantes mamários das marcas PIP (Poly Implants Prothèse) e ROFIL e inclui procedimentos

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer Cria o Serviço de Referência para Diagnostico e Tratamento de Lesões

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 Dispõe sobre a destinação dos recursos recuperados por meio de ações judiciais para o Fundo Nacional de Saúde e o Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012 Proposta Projeto Brasileiro Brasília, outubro de 2012 1 - Existe, em seu país, política pública, programa ou estratégia de acesso ao Direito, para a população em condição de vulnerabilidade (grupos vulneráveis)?

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2011, da Senadora Vanessa Grazziotin, que dispõe sobre a imunização de mulheres

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas RESULTADOS Setembro 2010 Parcerias Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Casa Civil da Presidência da República; Secretaria-Geral

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos / / Fique ligado Notícias / Especiais Promenino Fundação Telefônica 10/12/2012 Os desafios da fiscalização do trabalho infantil Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA Nº 196, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2012 (*)

MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA Nº 196, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2012 (*) 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA Nº 196, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2012 (*) Aprova a diretriz para acompanhamento e tratamento de pacientes portadores de implantes mamários das marcas PIP (Poly Implants Prothèse)

Leia mais

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES:

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES: PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR NOME: DATA: / / INSCRIÇÃO Nº: CPF ou RG: INSTRUÇÕES: 1. Você recebeu sua folha

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município?

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? 1) Como deve ser a rede de saúde mental no seu município? A rede de saúde mental pode ser constituída por vários dispositivos

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO Fortalecimento do SUS Constituição Federal de 1988, artigos 196 a 200; Lei Federal nº. 8.080, de 19/09/1990 Lei

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Cesar Vieira cesarvieira@globo.com Reunião do CA/IBEDESS 12 de julho de 2011 Principais Conteúdos Organização do SUS Planejamento da

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas

Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas 1. Atenção a Saúde da População Indígena no Estado de São Paulo 1 A população Indígena residente no Estado de São Paulo totaliza, segundo Censo do IBGE

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Capacitação ACS /FEMAMA 2012 Eduardo Cronemberger Oncologia em 120 anos Willian Halsted Aqui está minha sequencia! Mastectomia

Leia mais

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS Carta ANAIDS 1º de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a AIDS Cada um tem sua cara e a aids também tem... A ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra Aids - colegiado que reúne os Fóruns de ONG Aids

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

EDITAL 2013/2014. Programa de Apoio a Projetos Sociais

EDITAL 2013/2014. Programa de Apoio a Projetos Sociais EDITAL 2013/2014 Programa de Apoio a Projetos Sociais Inscrições abertas de 07/05/2012 à 01/07/2012 APRESENTAÇÃO Foi lançada a Seleção de Projetos 2013/2014 do Programa de Apoio a Projetos Sociais pela

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Em defesa da Saúde pública para todos

Em defesa da Saúde pública para todos Boletim Econômico Edição nº 57 março de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em defesa da Saúde pública para todos 1 A saúde pública faz parte do sistema de Seguridade Social

Leia mais

Veículo: Site Correio Braziliense Data: 11/11/2011

Veículo: Site Correio Braziliense Data: 11/11/2011 Veículo: Site Correio Braziliense Data: 11/11/2011 Seção: Saúde Pág.: http://bit.ly/ve3bse Assunto: Precauções necessárias Tumores no ovário atingem cerca de 220 mil mulheres a cada ano no mundo Com alto

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais