Conhecer e visitar: o Serviço Educativo do Arquivo Nacional da Torre do Tombo

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conhecer e visitar: o Serviço Educativo do Arquivo Nacional da Torre do Tombo"

Transcrição

1 DOSSIÊ DOSIER Conhecer e visitar: o Serviço Educativo do Arquivo Nacional da Torre do Tombo Maria de Lurdes Henriques * Resumo Esta comunicação apresenta a experiência que vem sendo desenvolvida no Arquivo Nacional da Torre do Tombo para a implementação do Serviço Educativo. São referidos os diferentes passos que têm sido dados no sentido de conjugar as ofertas temáticas do Serviço Educativo com diferentes níveis de ensino e, consequentemente, com diferentes níveis etários e diferentes áreas curriculares, de forma a aproximar o Arquivo do público, particularmente do público escolar. São também apresentados os pontos fortes e os pontos fracos do projecto. Palavras-chave: serviço educativo, património documental, cidadania, memória colectiva. Resumen La comunicación presenta la experiencia que se ha desarrollado en el Archivo Nacional de la Torre do Tombo para la implementación de lo servicio educativo. Se refieren los distintos pasos que se han tomado a fin de adecuar los temas ofrecidos por el Servicio Educativo a los diferentes niveles escolares y, en consecuencia, a los distintos niveles etarios y distintas áreas del currículo de modo a aproximar el Archivo del público, especialmente del público escolar. Se presentan también las fortalezas y debilidades del proyecto. Palabras clave: servicio educativo, patrimonio documental, ciudadanía, memoria colectiva. Esta comunicação pretende dar a conhecer a reflexão, estratégias e tarefas que têm sido assumidas para viabilizar a implementação do Serviço Educativo no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Para contextualizar a razão de ser desse Serviço, reportamo-nos: * Licenciada em História e pós-graduada em Ciências Documentais, coordenadora do Gabinete de Relações Externas e Cooperação da Direção-Geral de Arquivos Portugal.

2 Maria de Lurdes Henriques a) à Constituição da República Portuguesa, que estabelece os direitos e deveres do cidadão e do Estado face ao património cultural, e que, por meio de seu artigo 78, determina: 1. Todos têm direito à fruição e criação cultural, bem como o dever de preservar, defender e valorizar o património cultural. 2. Incumbe ao Estado, em colaboração com todos os agentes culturais: a) Incentivar e assegurar o acesso de todos os cidadãos aos meios e instrumentos de ação cultural, bem como corrigir as assimetrias existentes no país em tal domínio; b) Promover a salvaguarda e a valorização do património cultural, tornando-o elemento vivificador da identidade cultural comum; c) Articular a política cultural e as demais políticas sectoriais. b) à própria missão do Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT): recolher, conservar, valorizar e divulgar o seu património documental. Parece-nos óbvio que só se pode valorizar e divulgar o que se conhece. Portanto, dar a conhecer o património e as potencialidades que este oferece para o conhecimento e para a cidadania assume-se como o objetivo prioritário do ANTT. O Arquivo definiu, para a concretização desse objectivo, várias estratégias, entre as quais a implementação do Serviço Educativo, que, tal como se assume hoje, resulta de uma reflexão sobre a metodologia utilizada, ao longo de vários anos, na satisfação das visitas de estudo solicitadas por professores de diversos níveis de ensino, do 1º ciclo às Universidades. Nessas visitas, dava-se a conhecer uma das mais antigas instituições portuguesas, detentora de um vasto e rico património documental, que abrange várias áreas do globo. No entanto, nessas mesmas visitas, não se valorizava a informação contida nos documentos, não se interligavam os seus conteúdos às vivências diárias e nada se fazia para aproximar o público, particularmente o público escolar, dos arquivos. Dessa reflexão, assumiu-se a necessidade de transformar o que era uma oferta passiva numa oferta pró-activa, dinâmica, capaz despertar curiosidades, valores, conhecimentos e atitudes que possam vir a reflectir numa cidadania mais esclarecida.

3 Conhecer e visitar Registe-se, contudo, que as actividades relacionadas com o Serviço Educativo nem sempre mereceram a atenção mais favorável, quer por parte de anteriores direcções, quer, sobretudo, por parte de colegas arquivistas, que consideravam que a instituição deveria focar no processo informativo, destinado à satisfação dos pesquisadores e dos cidadãos, no que respeita às solicitações explícitas na legislação e cujas respostas exigem prazos legalmente definidos. Não raras vezes, e até muito recentemente, alguns profissionais de arquivo consideravam que as actividades culturais e educativas deveriam ser interditas nos arquivos, pois representavam uma perda de tempo para os técnicos e um consequente desvio dos objectivos da instituição. A propósito, não podemos deixar de recordar o peso do passado, cujas consequências virão a reflectir até o final do século XX, inícios mesmo do século XXI. A Torre do Tombo era considerada a guardiã de um tesouro, apenas acessível a raros e privilegiados investigadores. A primeira referência à possibilidade de acesso do público reporta ao decreto de 24 de Dezembro de 1901, onde se menciona o apoio aos estudiosos como uma das atribuições dos conservadores. É importante ressaltar que, até ao final dos anos oitenta, os arquivistas continuavam a ser designados como conservadores, dado que a sua função principal era conservar. Com a primeira República, projecta-se uma valorização da documentação histórica, inserida em um projecto cultural e pedagógico, fundamentado numa inovadora função dos Arquivos, que se deveriam assumir como Universidades do Povo preâmbulo do decreto de 18 de março de É nesse decreto que aparece, pela primeira vez, a referência a um horário de abertura ao público. Acresce, ainda, a falta de instalações condignas do Arquivo Nacional, que, instalado provisoriamente numa ala do Palácio de S. Bento desde o terramoto de 1755, ali se manteve até 1990, num espaço limitado que inviabilizava não só o cumprimento das suas funções, como também a democratização de seu acesso. Só depois da transferência para as novas e actuais instalações, na Cidade Universitária, foi possível romper com o passado e iniciar a tão desejada democratização do Arquivo.

4 Maria de Lurdes Henriques Mesmo assim, a pressão a que foi sujeito para responder às muitas solicitações de incorporação de documentação e respectiva disponibilização à consulta às quais, de acordo com a legislação em vigor, tinha de responder retardou o início da implementação do Serviço Educativo. Em 2006, o Programa de Reforma da Administração Central do Estado (PRACE) é encarado como uma janela de oportunidades, para inverter posturas e atitudes e desenvolver competências. Esse programa determina que as instituições vocacionadas para a cultura devem fomentar políticas culturais pró-activas e transversais, estimulando a cooperação interinstitucional, de forma a rentabilizar recursos e meios que permitam atingir novos e variados públicos. Para dar cumprimento a essas orientações, o ANTT ponderou a tão desejada e conveniente reestruturação do Serviço Educativo, que passou por uma definição de estratégias, planeamento e implementação, de que resulta seu actual formato. Para que o Serviço Educativo se revelasse como um projecto vencedor, muito contribuiu o facto de os profissionais reconhecerem que há um potencial de público visitante muito, mas muito superior àquele que já recebia o Arquivo, abrangendo todos os níveis etários e todos os setores da sociedade. Adicionalmente, houve o reconhecimento de que a missão da instituição passa também por abrir suas portas ao cidadão comum, para quem se devem fornecer as informações sobre a missão de uma instituição arquivística e de um profissional de arquivo. Quantos colegas de profissão não se lembrarão, tal como eu, da estranheza com que muitas vezes testemunhávamos a observação feita quando dizíamos que éramos arquivistas: Ah!... Trabalha com papéis velhos. São representações como essa que a nova geração de arquivistas tem de saber alterar. É certo que um arquivista trabalha com papéis velhos e com pergaminhos, materiais ainda mais antigos, mas também, e cada vez mais, trabalha com processos desmaterializados e com novos suportes digitais.

5 Conhecer e visitar O cidadão tem o dever de respeitar e preservar os documentos de arquivo. Nesse dever, contudo, está implícito o direito de conhecer as funções de um arquivo e de saber que estes constituem a defesa dos seus próprios direitos enquanto cidadão integrado numa sociedade, num país e num tempo histórico. O conhecimento dos direitos e deveres do cidadão, na perspectiva dos arquivos, tem sido a grande aposta do Serviço Educativo, cujo trabalho tem sido programado em duas vertentes distintas, mas complementares: 1- implementar uma estrutura organizacional particularmente dedicada a visitas escolares, abrangendo diferentes níveis etários e de ensino, por meio de uma oferta temática diversificada e integrada aos planos curriculares; 2- conceber, planear, organizar e implementar exposições e/ou mostras documentais em permanência, direccionadas para fins didáctico-pedagógicos, mediando-as para diferentes públicos, de forma a aproximá-los do Arquivo, dando-lhes a conhecer o seu património e promovendo, simultaneamente, a educação para a cidadania. Parece-nos óbvio que as exposições são um meio rápido e eficaz para tirar o Arquivo do anonimato e para aproximar o património documental do cidadão. Ao mesmo tempo, podem exercer sobre este uma sensibilização para a preservação desse património e para o trabalho desenvolvido pelos profissionais de arquivo. Constitui-se hoje, como teoria comum, que o capital cultural basilar para o desenvolvimento de práticas culturais continuadas resulta de uma apropriação, não só pelo meio familiar, mas muito especialmente pelo sistema de ensino. E é em articulação com as escolas que os Arquivos devem intervir como agentes dinamizadores de uma cidadania activa e actuante. A seguir, apresentamos algumas metodologias e etapas do modo como se tem construído e desenvolvido o Serviço Educativo junto ao público escolar e, simultaneamente, alguns procedimentos desenvolvidos para a captação de novos públicos na vertente da educação para a cidadania. [ ] sair com os alunos de aula é dar-lhes a ler um outro texto, que não o do livro, não para negligenciar o livro, mas para desencadear

6 Maria de Lurdes Henriques uma paragem que os tornará mais ricos, pois eles vão descobrir outras escritas, outros discursos, especialmente o discurso do profissional [ ]. 1 Em face dessa nova atitude comportamental, a que designamos lição de vida, a abertura dos arquivos aos alunos, seja qual for o nível de ensino em que se encontrem, vai trazer, disso estamos certos, excelentes benefícios didácticos e pedagógicos. Nessa perspectiva, o Serviço Educativo produziu e editou o Guia jovem Guardar memórias Abrir caminhos..., obra distribuída gratuitamente a todas as bibliotecas escolares e que se encontra disponível na nossa página web < Com esse Guia, de leitura fácil, acessível e com forma gráfica muito atraente, pretende-se atingir um público heterogéneo, mas particularmente o escolar, constituído por docentes e discentes. Foi o primeiro instrumento de trabalho de apoio ao Serviço Educativo e um bom produto de divulgação cultural. Assumindo uma postura pró-activa, o Serviço Educativo passou a oferecer visitas temáticas, apoiadas em textos didáctico-pedagógicos, complementados por documentos seleccionados, que poderão ser visualizados em diferentes suportes, do original ao digital. Da oferta temática, destacamos: - as origens e evolução da Língua Portuguesa, com a apresentação de documentos vários, como, por exemplo, a Carta de Pêro Vaz de Caminha, em reprodução digital, anexando a transcrição no português da época e no português actual; - literatura, da Literatura Medieval à Contemporânea. Como exemplo, o Memorial do Convento, obra literária de leitura obrigatória para os alunos do ensino secundário, cuja narrativa cruza com múltiplas fontes documentais do ANTT, das quais se destacam documentos sobre a Inquisição ou a máquina voadora do Padre Bartolomeu de Gusmão, mais conhecida como Passarola, ou ainda documentos relacionados com a própria construção do Convento de Mafra; 1 Lapoix e Lapoix (1989) citadas em Visitas de Estudo: concepções e eficácia na aprendizagem, António Almeida, Livros Horizontes, Lx, 2006.

7 Conhecer e visitar - a Censura Literária, com a apresentação de obras censuradas, como os sonetos de Bocage, século XVIII, pela Real Mesa Censória, ou ainda de obras literárias do século XX censuradas pela Direção Geral da Censura; - a formação e evolução do Estado Português, começando sempre pela apresentação da Bula Manisfestis Probatum, considerada a certidão de nascimento de Portugal; - a História da Família; - minorias étnicas e religiosas, onde se inclui, por exemplo, a temática dos movimentos migratórios ou a diáspora dos judeus, a partir do século XVI; - suportes da escrita e formas de validação dos documentos, do século XII aos nossos dias. Esses são alguns exemplos da longa lista temática oferecida pelo Serviço Educativo. A oferta de exposições e de mostras documentais em permanência tem constituído igualmente um polo dinamizador por excelência, pois estas permitem abordagens diversificadas, com a construção de diálogos inéditos e inesperados. A experiência demonstra que a compreensão desses diálogos depende dos olhos do saber e da experiência de vida do visitante e que ao profissional de arquivo compete a coordenação desses diálogos, oferecendo visões múltiplas, diversificadas e abrangentes. É preciso saber inovar. Assim, as exposições e mostras documentais têm-se assumido, cada vez mais, como uma estratégia inovadora e privilegiada do Serviço Educativo, pela multiplicidade de diálogos que proporcionam. Permito-me partilhar convosco duas experiências relacionadas a duas exposições em que foram utilizadas metodologias diferentes, para captar públicos diferentes, ambas com resultados excelentes. A saber: A exposição Registos do céu: a astronomia em documentos da Torre do Tombo mostrava apenas quatro documentos, marcas do pensamento e da acção científica dos portugueses, do século XV ao século XVII. Integrada no âmbito do Ano Internacional da

8 Maria de Lurdes Henriques Astronomia, incluía o filme documentário Naus e caravelas: um choque tecnológico no século XVI, uma mostra de instrumentos científicos telescópio, globo celeste, astrolábio, quadrante e ainda um ecrã que permitia visualizar os céus nos dois hemisférios, em datas referidas nos documentos. Com essa exposição, deu-se início a um novo conceito expositivo em que os documentos originais são apresentados numa calote esférica, conjugando a possibilidade de os ver, folhear, ler e ampliar num ecrã táctil, o que permite uma visão otimizada dos mesmos. Era nosso objectivo despertar o interesse de um público novo, pouco habituado a visitar Arquivos, dando-lhes a conhecer uma nova visão: mostrar-lhes que os Arquivos não proporcionam apenas lições de História, de Sociologia ou Genealogia, mas também podem proporcionar lições de Astronomia, de Matemática e de outras áreas científicas. A experiência superou todas as expectativas. A exposição foi vivida por mais de quatro mil visitantes, em sua maioria jovens da faixa etária compreendida entre 13 e 17 anos, encarados pelos serviços educativos das instituições culturais como o público mais desafiante. A divulgação, dirigida às escolas em tempo hábil, permitiu mobilizar alunos e professores das áreas disciplinares da Matemática, da Física e da Química, frequentemente em parceria com a disciplina de História. As escolas reconheceram, no documento de arquivo, uma fonte de informação e de conhecimento pertinente para o domínio da literacia científica. Para os alunos, a possibilidade de interagir com documentos originais, por meio das novas tecnologias, constituiu momentos de grande regozijo. Foi com emoção que descodificaram a Carta de Mestre João, documento manuscrito em 1500, o Tratado da Esfera, ou o códice As curiosidades matemáticas, e que admiraram a excelente cartografia do século XVI, por meio do Livro da Marinharia de João de Lisboa.

9 Conhecer e visitar A coexistência de diferentes recursos documentos, instrumentos científicos, documentário potencializou a possibilidade de diversificar abordagens e actividades curriculares em todos os níveis de escolaridade. Os alunos puderam ainda participar do concurso Escreve uma Carta a Mestre João, um exercício de criação e de reflexão a partir de um dos documentos expostos. Registamos dois comentários deixados no livro de visitantes: 1- Gostei. Aprendi mais de Astronomia em duas horas que em 15 anos da minha vida ; 2- Muito boa ideia colocar digitalmente os livros para assim podermos interagir sem os estragar. Eu gostei muito, principalmente dos documentos históricos que cá existem. Em síntese, indo ao encontro das apetências e competências das gerações nato digitais, vamos contribuindo para o reconhecimento da missão e do valor dos Arquivos entre os mais novos. Cada exposição é sempre encarada como uma nova experiência e um novo desafio. A exposição Os arquivos no diálogo intercultural foi planeada e implementada para um público heterogéneo e excepcionalmente explorada pelo Serviço Educativo. Por meio dos cento e treze documentos expostos, repartidos em cinco núcleos, indicados abaixo, foi possível aos visitantes viajar do século XV à actualidade e efectuar múltiplas leituras: - Entre um Nome e uma Nacionalidade; - Espaços da Cidadania; - Os que chegam e os que partem ; - e os que vêm para ficar; - Nós e os Outros: Diálogos.

10 Maria de Lurdes Henriques A exposição incluía o vídeo Gente como nós, produzido pelo Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas, que dava a conhecer vidas de imigrantes no Portugal actual e que ajudou ao estabelecimento de diálogos profícuos e diversificados. Os documentos expostos, pela sua singularidade e diversidade, revelaram uma enorme capacidade de mobilização e proporcionaram verdadeiras aulas ao vivo de História, Sociologia, Antropologia e, acima de tudo, de Cidadania. Foram abordados temas tão sensíveis como a emigração, as etnias, os direitos humanos - direito ao nome, à nacionalidade, à família, ao ensino, ao trabalho, à saúde, à assistência, ao casamento, entre outros. A diversidade dos documentos expostos foi aproveitada pedagogicamente como suplemento de vários temas curriculares propostos pelos professores e preparados pelo Serviço Educativo em colaboração com estes. Por outro lado, o efeito dessa exposição junto ao cidadão comum foi o de um contínuo reviver de memórias afectivas, individuais e colectivas, suscitando encontros e desencontros em diálogos ora emocionados, ora exaltados, estabelecidos com e entre os visitantes de todas as idades e condições sociais, porque lhes trouxe à memória raízes, percursos e vivências: emigração, imigração, retornados, exilados, refugiados de guerra, para citar apenas alguns exemplos. Do livro de visitantes, seleccionámos quatro registos que não queremos deixar de partilhar, pelo significado que encerram relativamente ao processo de aprendizagem. Assim: 1- Esta exposição é muito interessante. Faz-nos pensar como o passado vai influenciar o nosso futuro. É sempre bom saber o que os nossos antepassados fizeram para podermos mudar algo no futuro (aluna do ensino secundário). 2- É muito importante que as escolas mobilizem os seus alunos para que eles possam beneficiar da riqueza que esta admirável exposição lhes pode e deve proporcionar (Presidente da Fundação Aristides Sousa Mendes).

11 Conhecer e visitar 3- Muitos parabéns. Pela iniciativa. Pela concretização. Pelo papel pedagógico, actualíssimo, essencial na formação dos mais novos e dos mais velhos da sociedade portuguesa (Professora da Faculdade de Direito de Lisboa). 4- Gostei! Sensibilizou-me a selecção da documentação. Parabéns à Torre do Tombo por mais uma vez abrir as portas da cultura ao mais comum dos cidadãos. Das lições extraídas a partir de experiências, como as que apresentámos, e de outras similares, vamos construindo e consolidando o Serviço Educativo do ANTT, que se vai assumindo, cada vez mais, como parte da estrutura organizacional da instituição, na qualidade de mediador, na aproximação dos Arquivos ao grande público. O mais recente investimento resultou na assinatura de um protocolo, em fevereiro deste ano, entre a Direcção Geral de Arquivos e a Direcção Geral do Desenvolvimento e Inovação Curricular, por meio do Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares, que tutela as Bibliotecas Escolares actualmente existentes. O protocolo tem como objectivo a sensibilização dos professores responsáveis pelas bibliotecas escolares para as potencialidades pedagógicas e para a relevância dos recursos de informação disponíveis nas bases de dados geridas pela DGARQ, tendo em conta a sua missão de serviço público. Aguardamos os resultados dessa primeira aproximação, que se iniciou com a realização de três acções de formação para oitenta coordenadores de bibliotecas escolares aproximação que desejamos que seja útil e fecunda. A sensibilização dos professores é uma missão indispensável, porque a experiência tem mostrado que nem sempre os professores consideram os arquivos como locais a visitar, à semelhança do que se passa com as bibliotecas, os museus, os monumentos ou os sítios arqueológicos. Os arquivos ainda são considerados por alguns professores como os guardiães da memória, inacessíveis ao comum do cidadão. Esperamos que essa sensibilização possa contribuir para a inversão definitiva dessa postura.

12 Maria de Lurdes Henriques Para que essa divulgação seja possível e se vá tornando cada vez mais uma realidade, muito tem contribuído o enorme investimento que o Arquivo Nacional da Torre do Tombo tem feito na digitalização dos seus documentos, o que permite um acesso fácil e democrático aos fundos documentais. A esse propósito, convém referir que as novas tecnologias para o serviço dos arquivos proporcionam uma ruptura qualitativa e quantitativa em relação ao passado. É essa ruptura que permite ao cidadão conhecer e fruir o seu patrimônio. Ao conhecê-lo, o cidadão pode deixar-se estimular pelo poder de sedução e de encanto próprio dos documentos de Arquivo. A partir de mais de oito milhões de imagens disponíveis online, alunos e professores, individualmente, ou em grupo, dentro da sala de aula, ou fora dela, poderão realizar pesquisas simples que lhes permitam uma iniciação à exploração das fontes documentais. Queremos ainda realçar que o êxito ou o fracasso de uma visita depende muito do modo como esta é pensada e planeada. Por essa razão, o Serviço Educativo não dispensa uma estreita relação com os professores. Os resultados serão tanto mais bem conseguidos quanto maior for o entrosamento entre os profissionais visados. A operacionalização das visitas inicia-se com a sua marcação. O Serviço Educativo solicita informações detalhadas sobre os alunos destinatários: número de alunos, níveis etários, nível de escolaridade, tipo de escola - básica, secundária, profissional, universitária -, disciplina ou disciplinas em que se integra a visita; se é a 1ª vez que os alunos visitam o Arquivo Nacional da Torre do Tombo; se já visitaram outros Arquivos; tema ou temas curriculares que os professores pretendem ver desenvolvidos e, dependendo dos temas, outras questões específicas. A partir da entrevista de reconhecimento, o Serviço Educativo envia ao professor o material informativo que considera pertinente para que este possa preparar a visita

13 Conhecer e visitar com os alunos, sensibilizando-os e motivando-os para os conteúdos que irão ser abordados, ajudando-os mesmo a problematizar a temática. Quanto à dinamização das visitas, partilhamos a opinião da maior parte dos professores e de muitos pedagogos, que se referem, com entusiasmo, ao empenho manifestado pelos profissionais das instituições visitadas, porque estes transmitem aos alunos a autenticidade dos seus conhecimentos, apoiados numa experiência quotidiana, envolvendo-os nos próprios problemas que integram o seu universo. Essa experiência de vida facilita a apresentação de casos concretos que ajudam a reforçar a aprendizagem. Deve-se registar, contudo, que essa situação, cómoda para o professor, não o deve libertar de acompanhar a visita a par e passo, porque o resultado será tanto melhor quanto mais o professor se envolver e interagir, transmitindo aos alunos o seu próprio interesse, o que tem um efeito estimulante no aluno. Assim, temos o arquivista, conhecedor do seu arquivo e dos seus documentos, e o professor, conhecedor dos programas e temáticas escolares. Da coordenação perfeita entre esses dois profissionais, surge um trabalho de qualidade. Se o Arquivo não aproveitar esse importante segmento da sociedade, que são os jovens estudantes, estará perdendo uma excelente oportunidade para participar na formação cívica dos jovens e na melhoria da qualidade do ensino, contribuindo para formar cidadãos aptos a compreender e respeitar o passado da sociedade que integram e, com isso, contribuir para um futuro mais digno. Permito-me partilhar convosco o testemunho de uma colega do Serviço Educativo, a propósito da experiência desenvolvida com os alunos do 1º ciclo (dos 6 aos 10 anos), durante a exposição Oh!...A República Um século de memórias, que esteve patente ao público de outubro de 2010 a janeiro de São suas estas palavras: As crianças gostam de vivenciar coisas a sério, neste caso um arquivo, espaço concebido para ser frequentado por adultos, que observam a consultar documentos,

14 Maria de Lurdes Henriques em silêncio puro, como comenta um garoto, observando, na sala de leitura, as atitudes e cuidados dos investigadores na manipulação de documentos originais... Ao sair da Exposição exercem ainda o seu direito à opinião escrita, deixando uma apreciação, no livro de visitantes Enfim, gestos e hábitos de cidadania que se aprendem e interiorizam com eficácia, porque decorrem de atitudes e práticas que observam directamente nos crescidos. Para terminar, uma breve reflexão sobre a essência do próprio Serviço Educativo. Que se desengane quem pensa que o Serviço Educativo é tarefa fácil. O Serviço Educativo deve ser encarado como um Serviço de Missão, pois os seus profissionais enfrentam desafios importantes na criação, planificação e implementação de projectos que respondam efectivamente aos desafios dos diferentes públicos a que se destinam. A permanente necessidade de actualização de saberes e competências, de pensamento criativo e de estratégias, num trabalho contínuo e exigente, destinado a motivar e a captar novos públicos, passa pelo envolvimento dos seus profissionais, pela sua motivação e pela capacidade em reinventar estratégias e metodologias. A visibilidade do Serviço nem sempre reflecte o trabalho real que lhe está subjacente. Acontece que, normalmente, o discurso institucional sobre públicos e respectivas estatísticas só vê números e resultados imediatos. Esquecem, ignoram, ou pretendem ignorar, que os resultados do Serviço Educativo só podem ser mensuráveis a médio ou longo prazo e, mesmo assim, numa perspectiva muito mais qualitativa do que quantitativa. A comunicação que acabamos de apresentar pode alavancar uma viragem, mas há ainda muito trabalho a desenvolver. Há que ultrapassar resistências, mentalidades arreigadas, falta de valores, interesses instalados ou desinteresses. O trabalho realizado ao longo dos últimos quatro anos é apenas o princípio de um caminho a percorrer, se quisermos uma sociedade mais justa e esclarecida.

15 Conhecer e visitar A formação do cidadão, feita a partir de arquivos, é, em nosso entender, um factor de sustentabilidade para a valorização dos Arquivos e da nossa profissão. Foi esta a grande missão que o ANTT abraçou e na qual estamos empenhados.

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 -

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 - Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas - Ano Lectivo 2010/2011 - Empreendedorismo como ensiná-lo aos nossos jovens? Contudo, e mesmo sendo possível fazê-lo, o espírito empresarial não é normalmente

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

Galp Energia Projecto Vidas Galp

Galp Energia Projecto Vidas Galp Galp Energia Projecto Vidas Galp Situação Informação sobre a empresa O Grupo Galp Energia é constituído pela Galp Energia e subsidiárias, as quais incluem a Petróleos de Portugal Petrogal, S.A., a Galp

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Empreendedorismo social

Empreendedorismo social Empreendedorismo social Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista Se há conceito e vocábulo que passou a fazer parte do discurso político é o termo empreendedor ou empreendedorismo. Apesar

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul Projeto educativo A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul A Ponte Entre a Escola e a Ciência Azul é um projeto educativo cujo principal objetivo é a integração ativa de estudantes do ensino secundário

Leia mais

2010/2011 Plano Anual de Actividades

2010/2011 Plano Anual de Actividades 2010/2011 Plano Anual de Actividades Cristiana Fonseca Departamento de Educação para a Saúde 01-07-2010 2 Plano Anual de Actividades Introdução Quando em 1948 a Organização Mundial de Saúde definiu a saúde

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA O sistema educativo deve garantir a coordenação, a consistência e a coerência do ensino para o desenvolvimento da educação científica Critérios de qualidade O conhecimento dos alunos e das suas aptidões

Leia mais

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária Instituição Particular de Solidariedade Social Missão O Espaço t Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994, é uma

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

!"#$% #!$%&'()(*!#'+,&'(-.%'(.*!/'0.',1!,)2-(34%5! 6,-'%0%7.(!,!#'%8(34%! &#'(%)*%+,-.%

!#$% #!$%&'()(*!#'+,&'(-.%'(.*!/'0.',1!,)2-(34%5! 6,-'%0%7.(!,!#'%8(34%! &#'(%)*%+,-.% !"#$% #!$%&'()(*!#'+,&'(-.%'(.*!/'0.',1!,)2-(34%5! 6,-'%0%7.(!,!#'%8(34%! &#'(%)*%+,-.%! https://sites.google.com/site/grupouabpeti/ ISBN: 978-972-674-744-4! "! DIRETORES DE CURSO: PERSPETIVAS E CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Há amplo consenso nas categorias profissionais da saúde, em especial na categoria

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares.

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares. NOSSA META Que todos os alunos entendam todas as nossas aulas! TUDO GIRA EM TORNO DA AULA COMO? Aula bem proposta (autor) Aula bem preparada (professor) Aula bem dada (professor) Aula bem assistida (aluno)

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico Introdução O objetivo principal deste projeto é promover e estimular

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

ÍNDICE PATRONATO DE SANTO ANTÓNIO INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3

ÍNDICE PATRONATO DE SANTO ANTÓNIO INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3 1.1. PRIORIDADES A NÍVEL DA ACTUAÇÃO EDUCATIVA... 4 1.2. PRIORIDADES A NÍVEL DO AMBIENTE EDUCATIVO... 4 II APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS... 5 2.1. SENSIBILIZAÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007 ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS PLANO DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO 2006 / 2007 Escola EB 2,3/S Dr. Isidoro de Sousa BE/CRE Pl de Actividades Ano Lectivo

Leia mais

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Claudia Davis: É preciso valorizar e manter ativas equipes bem preparadas

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

Introdução. a cultura científica e tecnológica.

Introdução. a cultura científica e tecnológica. Introdução A cultura científica e tecnológica é cada vez mais reconhecida como uma condição estratégica para o desenvolvimento de uma cidadania ativa, traduzindo-se numa sociedade mais qualificada e no

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1 Novos Programas: Outras Práticas Pegógicas 1 Maria Conceição Antunes Num estudo sobre os professores de no Ensino Secundário, em que participei (e que foi apresentado neste mesmo local, em 1996, no I Encontro

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012 Projecto de Empreendedorismo nas Escolas ano lectivo 2011/2012 As Fases do Projecto ANO LECTIVO 2011/2012 Fase a fase Formação de Professores Disseminação do projecto Ateliers de Criatividade 4 acções

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional 2014/2015 9º Ano Turma A Orientação Escolar e Vocacional Programa de Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e agora??? Serviço de Apoios Educativos Ano Lectivo 2014/2015 Orientação Escolar e Profissional

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Análise estrutural do webfolio da participante A

Análise estrutural do webfolio da participante A Análise estrutural do webfolio da participante A Notas da Investigadora Investimento nos projectos em que se envolve em notória evidência. O associativismo também é importante. As suas leituras assumem

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Maria de Lurdes Rodrigues Em matéria de educação, em quase todo o mundo, foram definidas regras que consagram o objetivo de proporcionar a todas as crianças

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

Departamento: Ciências 2

Departamento: Ciências 2 Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS 2 Ano Letivo: 2013/14 PLANIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES A CONSTAR DO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Departamento:

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

O modelo de balanced scorecard

O modelo de balanced scorecard O modelo de balanced scorecard Existe um modelo chamado balanced scorecard que pode ser útil para medir o grau de cumprimento da nossa missão. Trata-se de um conjunto de medidas quantificáveis, cuidadosamente

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA Daricson Caldas de Araújo (IFPE) daricsoncaldas@gmail.com RESUMO Este artigo de revisão de literatura

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos

Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos * Total de alunos mais do que triplica o de há 10 anos e atinge 91 mil; peso das escolas secundárias públicas passa de zero

Leia mais

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO Cícero Félix da Silva; Izailma Nunes de Lima; Ricardo Bandeira de Souza; Manoela

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

Objetivos do Seminário:

Objetivos do Seminário: O Ano Internacional da Estatística -"Statistics2013"- é uma iniciativa à escala mundial que visa o reconhecimento da importância da Estatística nas sociedades. Com este objetivo o Conselho Superior de

Leia mais

Avaliação do impacto da hora do conto: experiência da aplicação da metodologia EIRAA

Avaliação do impacto da hora do conto: experiência da aplicação da metodologia EIRAA Avaliação do impacto da hora do conto: experiência da aplicação da metodologia EIRAA Álvaro Fernandes Maria José Leite Leonor Gaspar Pinto Paulo Silva César Ferreira Setembro 20091 Programa de Promoção

Leia mais

V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança

V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança As parcerias e as suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança O olhar da

Leia mais

Bacharelado em Humanidades

Bacharelado em Humanidades UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado em Humanidades 1. Perfil do Egresso Em consonância

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

Seminário de discussão, Buenos Aires, 3 e 4 de Dezembro de 2009

Seminário de discussão, Buenos Aires, 3 e 4 de Dezembro de 2009 Maria de Lurdes Rodrigues ISCTE Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) Departamento de Sociologia Av. das Forças Armadas, 1600, Lisboa, Portugal mlreisrodrigues@gmail.com Seminário de discussão,

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais