Boletim Academia Paulista de Psicologia ISSN: X Academia Paulista de Psicologia Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Academia Paulista de Psicologia ISSN: 1415-711X academia@appsico.org.br Academia Paulista de Psicologia Brasil"

Transcrição

1 Boletim Academia Paulista de Psicologia ISSN: X Academia Paulista de Psicologia Brasil da Rocha Porto, Ricardo; da Costa Chein, Maria Bethânia; Araújo Mendonça Silva, Flor de Maria; Montenegro Lessa, Lígia Maria; Oliveira Brito, Luciane Maria Impacto da mastoplastia redutora na qualidade de vida física e emocional Boletim Academia Paulista de Psicologia, vol. 80, núm. 1, enero-junio, 2011, pp Academia Paulista de Psicologia São Paulo, Brasil Disponível em: Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe, Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto

2 112 Impacto da mastoplastia redutora na qualidade de vida física e emocional The impact of reduction mammaplasty in the physical and emotional quality of life Ricardo da Rocha Porto 1, Maria Bethânia da Costa Chein 2, Flor de Maria Araújo Mendonça Silva 3, Lígia Maria Montenegro Lessa 4, Luciane Maria Oliveira Brito 5 Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Resumo: Com o intuito de avaliar a qualidade de vida das mulheres com hipertrofia mamária submetidas à mastoplastia redutora, realiza-se um estudo longitudinal, prospectivo e analítico com 30 mulheres diagnosticadas e atendidas em ambulatório de referência. Para análise, é aplicado o instrumento de avaliação genérica de saúde SF-36, antes da cirurgia e com 3 e 6 meses após a mesma. Utiliza-se a estatística descritiva para análise exploratória dos dados e no cruzamento de algumas variáveis categóricas, empregado o teste não-paramétrico de qui-quadrado de independência, adotando como nível de significância para p< 0,05. Observa-se diferença em todas as variáveis analisadas e em todos os períodos propostos (pré-operatório, 3 e 6 meses depois). Considerando os dados, a correção cirúrgica da hipertrofia da mama resulta em melhora estatisticamente significante da qualidade de vida das mulheres, devendo assim ser considerada uma modalidade de tratamento visando à obtenção da saúde e não a estética somente. Palavras-chave: Hipertrofia mamária; qualidade de vida; mastoplastia redutora. Abstract: To assess the quality of life of women with Breast Hypertrophy undergoing reduction mammaplasty, a longitudinal prospective study was carried out with analytical and non-probability sample of 30 women with clinical diagnosis. For analysis, the health assessment instrument generic SF-36 was applied before surgery and with 3 and 6 months after the same. We used descriptive statistics for exploratory data analysis and at the crossing of some categorical variables the nonparametric chi-square test of independence was used, adopting the significance level of p <0.05. The results showed a significant difference in all variables examined, both in the initial condition of pre-operative as in 3 and 6 months postoperatively. Considering the data, the surgical correction of breas hypertrophy results in a statistically significant improvement in the quality of life of women and should therefore be considered as a treatment modality with a view to obtaining health and not only on aesthetics. Descriptors: Breast hypertrophy; quality of life; reduction mammaplasty. 1 Mestre em Saúde Materno-Infantil pela Univ. Maranhão UniCEUMA. Contato: Centro Univ. do Maranhão. Rua Josué Montello nº01, Lot.Bela Vista. Renascença II. CEP São Luis, MA Brasil. Tel.: (98) r Fax: (98) Profa. Dra. Adjunta IV da UFMA. Contato: Praça Gonçalves Dias, nº 21, 2º andar. Centro. Programa de Pós-Graduação em Saúde Materno-Infantil (www.ppgmsmin.ufma.br). São Luís, MA. CEP Fax: (98) Profa. Titular do Centro Univ. do Maranhão. Contato: Rua Barão de Grajaú, Qd.37 c.05, Jd. Eldorado, B,Turu, São Luís, MA, Brasil - CEP / 4 UFMA. Contato: Rua Piquiá, nº.7, São Francisco - São Luís, MA. Brasil - CEP E- mail: 5 Profa. Dra. Associada II da UFMA. Contato: Pç.Gonçalves Dias 21, 2º. Prog.Pós-Grad. Saúde Materno-Infantil (www.ppgmsmin.ufma.br). São Luís, MA. CEP Fax: (98)

3 1 Introdução As mamas, mais do que glândulas vinculadas à amamentação, são primordiais na expressão da feminilidade e sexualidade humana. Dentre as alterações benignas que acometem as mamas, encontra-se a hipertrofia mamária (HM), caracterizada pela presença de tamanho volumoso e desproporcionais ao biótipo da mulher. Esta desarmonia entre a forma idealizada e a causada pela hipertrofia, ocasiona alterações físicas e psicológicas, dificultando o convívio social e o sucesso interativo da mulher com o meio (Tafuri & Gobbi, 2005). A HM vem, nas últimas décadas, sendo apontada como uma condição mórbida, reconhecida, talvez, pelo melhor acesso ao sistema de saúde, principalmente em relação ao gênero feminino. A morbidade é representada pela mastalgia, dorsalgia, dermatite nos sulcos infra-mamários, lesões na pele dos ombros causadas pelas alças do sutiã, vícios de postura, além de comprometimento estético, funcional e psicológico (Netscher, Meade, Goodman, Brehm, Friedam & Thornby, 2000; Araújo, Gomes, Veiga, Hochman, Fernandes, Novo & Ferreira, 2007). Em algumas situações, pode ainda haver alterações respiratórias significativas (Fernandes, Sabino Neto, Veiga, Abla, Mundim, Juliano & Ferreira, 2007). A mastalgia e a dorsalgia decorrem do peso exercido pelas mamas, levando ao estiramento cutâneo e à alteração do centro gravitacional da mulher, ocasionando maior solicitação dos músculos dorsais e peitorais, além de flexão anterior da coluna cervical. Quanto ao aspecto psicológico, traz implicações sérias na auto-estima, afetando sua vida sexual e social (Araújo e outros, 2007; Pitanguy, Salgado e Radwanski, 1999). Vários métodos podem ser utilizados para caracterizar a HM: o tamanho do sutiã (Pitanguy e outros, 1999; Pitanguy, 1967), a relação de medidas obtidas entre o tórax e as próprias mamas (Sacchini, Luini, Tana, Lozza, Galiberti, Merson, Agresti, Veronesi & Greco, 1991), a quantidade de tecido mamário removido na cirurgia (Glatt, Sarwer, O Hara, Hamori, Bucky & La Rossa, 1999), e a intensidade da sintomatologia (Sector, Singh & Karp, 2008). A mastoplastia redutora é o tratamento cirúrgico indicado nestes casos (Pitanguy e outros, 1999; Boff & Miele, 2007). Ao promover redução volumétrica, buscando-se um equilíbrio na relação tamanho da nova mama e dimensões torácicas, propicia a reintegração da mulher ao meio social, resgatando a sua auto-estima e a sua aceitabilidade. A técnica operatória deve estar pautada para, além de reduzir o volume, deixar cicatrizes pequenas e discretas, preservando a função e a sensibilidade mamária (Pitanguy e outros, 1999). A terapêutica cirúrgica resulta em mudança na qualidade de vida (QV), esta é apontada, desde o final da década anterior, como um indicador nos serviços de saúde prestados a população, incorporando-se ao trabalho do dia-a-dia dos serviços assistenciais, bem como influenciando decisões e condutas terapêuticas das equipes de saúde. 113

4 Conceituar qualidade de vida é difícil, pois é um conceito dinâmico e polissêmico (Minayo, Hartz & Buss, 2000), ou seja, adquire diversos sentidos ou expressa significados diferentes, além de seu significado semântico. A QV se associa ao grau de satisfação encontrado na vida familiar, amorosa, social e ambiental e à própria estética existencial. Pressupõe a capacidade de efetuar uma síntese cultural de todos os elementos que determinada sociedade considera seu padrão de conforto e bem-estar. O termo abrange muitos significados, que refletem conhecimentos, experiências e valores de indivíduos e coletividades que a ele se reportam em variadas épocas, espaços e histórias diferentes, sendo, portanto, uma construção social com a marca da relatividade cultural (Minayo e outros, 2000). A natureza abstrata e polissêmica do conceito de QV pode ser identificada pelos diversos domínios que se somam na expressão do seu significado, a saber: renda familiar, educação, alimentação, moradia, condições de saúde, respostas físicas para uma intervenção, re-hospitalizações, habilidades para conduzir sua vida diária e retorno ao trabalho, dentre outros (Minayo e outros, 2000). Na tentativa de mensurá-la, quantificá-la, diversos instrumentos vem sendo utilizados, podendo ser classificados em específicos e genéricos. Os específicos avaliam a QV subseqüente à experiência de doenças, agravos ou intervenções médicas (Minayo e outros, 2000) podem ser utilizados em populações gerais ou específicas para avaliar diversos domínios aplicáveis as diferentes situações no espectro que vai da saúde à doença, como insuficiência renal, insuficiência cardíaca, população (aidéticos, tuberculosos, dializados). São de grande utilidade para avaliar resultados ou intervenções terapêuticas ensaios clínicos (Minayo e outros, 2000; Silqueira, 2005). Os genéricos são aplicáveis em uma grande variedade de populações ou suas amostras, pois avaliam aspectos relacionados à função, disfunção e desconforto emocional e físico. Desse modo, podem ser aplicados em pessoas com algum tipo de alteração ou patologia, bem como em indivíduos saudáveis (Silqueira, 2005). Estes últimos são mais apropriados para avaliação de incidência, prevalência, planejamento e avaliação do sistema de saúde (Minayo e outros, 2000; Silqueira, 2005). Podem, também, ser útil nos diferentes aspectos da QV, afetados pelas condições de saúde ou doença, morbidade, tratamento e em qualquer população para avaliar domínios aplicáveis aos diferentes estados de saúde (Silqueira, 2005). Dentre os instrumentos específicos, destacam-se o Nottingham Health Profile (NHP) (avalia pacientes com doenças crônicas) (Teixeira-Salmela, Magalhães, Souza, Lima, M. C.; Lima, R. C. M. & Goulart, 2004) Sickness Impact Profile (SIP) (sensível para detectar mudanças ou diferenças de saúde que ocorrem ao longo do tempo ou entre grupos) (Bergner, Bobbitt, Carter & Gilson, 114

5 1981) e o Medical Outcomes Short-form Health Survey SF-36 (Ciconelli, 1997; Silqueira, 2005). Nesta pesquisa a opção pelo SF-36, baseou-se nos seguintes fatores: sua validação para o português (Ciconelli, 1997); o fato de ser de fácil compreensão e precisão e de a entrevista durar pouco tempo, o que garante boa adesão e exequibilidade nas mais distintas condições de saúde, morbidade e doença (Freire, 2002; Pimenta, Simil, Tórres, Amral, Rezende C. F, Coelho, Rezende N. A., 2008). A QV pode ser avaliada sob diversas óticas, sem se afastar das necessidades humanas mais fundamentais, materiais e espirituais. Tendo no conceito de promoção da saúde o seu foco mais relevante, perpassa pela capacidade de viver sem doenças e de superar as dificuldades dos estados ou condições de morbidade que podem resultar em exclusão e dependência. Pretende-se nesta pesquisa mensurar a qualidade de vida das mulheres submetidas à intervenção cirúrgica para correção da hipertrofia mamária, utilizando o instrumento SF Método Realizou-se estudo longitudinal, prospectivo e analítico, em grupo de integrantes proveniente do ambulatório de cirurgia plástica do Hospital Tarquínio Lopes Filho em São Luís MA. Das 43 mulheres selecionadas entre 18 e 60 anos de idade com diagnóstico clínico de HM, permaneceram 30 delas, pois 10 apresentavam os seguintes critérios, encarados como de exclusão da pesquisa: dificuldade para entender o propósito do estudo, amamentação ou realização de procedimento cirúrgico mamário em prazo inferior a 12 meses ou BIRADS V ou VI no diagnóstico no exame de imagem (American College of Radiology, 2003a; 2003b). Três mulheres foram excluídas porque não compareceram as duas consultas de seguimento no pós-operatório. O estudo foi aprovado e iniciado após a obtenção do Parecer Consubstanciado n 31/2008 emitido pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão, sob o protocolo n /2007. A pesquisa consistiu de uma entrevista no pré-operatório e duas no pósoperatório, com três (90 ± 10 dias) e seis meses (180 ± 10 dias), respectivamente. Nestas ocasiões, para avaliação da QV, foi aplicado o questionário The Medical Outcomes Study 36 - item Short-Form Health Survey (SF-36) (Teixeira e outros, 2004). Durante o exame físico, foi registrada a provável quantidade de tecido mamário a ser retirado, classificando-a, após o procedimento cirúrgico, em: leve ou grau I (com até 500 gramas); moderada ou grau II (de 500 a 800g); grave ou grau III (800 a 1000g) e gigantomastia (acima de 1000g) (Bergner e outros, 1981). As pacientes que apresentaram alterações nos exames laboratoriais préoperatórios foram submetidas a tratamento e controle clínico específico para 115

6 posterior orientação cirúrgica, aquelas com diagnóstico de imagem BI-RADS III ou IV, foram encaminhadas para esclarecimento e investigação. Excluindo a natureza maligna da alteração, foi conduzida para a mastoplastia redutora. Utilizou-se a estatística descritiva para análise exploratória dos dados. Nas variáveis numéricas, aplicou-se o teste de normalidade de Shapiro-Wilk, e a distribuição das variáveis antes e depois do procedimento cirúrgico, e para aquelas que apresentaram distribuição normal e não normal, foi aplicado, respectivamente, o teste t de Student pareado e o teste não paramétrico de Wilcoxon. No cruzamento de algumas variáveis categóricas foi utilizado o teste não-paramétrico de qui-quadrado de independência. Adotou-se o nível de significância com valor p< 0,05. 3 Resultado e Discussão O grupo foi representado por 30 mulheres submetidas à mastoplastia redutora e que responderam ao questionário SF-36, para avaliação da QV no pré-operatório e no pós-operatório - com 3 e 6 meses, respectivamente. Observou-se que a maioria das mulheres encontrava-se entre 31 e 40 anos de idade (33%), possuíam ensino médio completo ou não (100%), eram casadas ou amasiadas (80%), apresentavam renda familiar de 1 a 3 salários mínimos (67%) e não desenvolviam atividade profissional remunerada (70%). A diferença dos valores observados entre o peso médio de tecido mamário retirado da mama direita, com 551,0 g (230,0-950,0), e esquerda com 557,9 g (220,0-900,0), não demonstrou diferença estatisticamente significativa. Em relação ao valor médio do IMC houve diferença significativa (p<0,05) entre o valor observado antes (27,8) e após a cirurgia com 3 meses (26,8) e 6 meses (26,6). Quando analisada a classificação da hipertrofia mamária, destacou-se a grave em 21 (70,0%) pacientes, seguida da moderada em 6 (20,0%), gigantomastia em 2 (6,7%) e leve em uma (3,3%) paciente. Não houve associação significativa entre a classificação BIRADS e a da hipertrofia mamária. A maioria das pacientes, 23 (77%) apresentou BIRADS I e 21 (70%) hipertrofia mamária grave. No pré-operatório, o escore total foi de pontos, enquanto que, no pós-operatório com 3 e 6 meses, foi de 3.372,5 e pontos, respectivamente, resultado estatisticamente significante (p<0, 0001). Quanto ao escore obtido na análise dos oito domínios do instrumento de avaliação SF-36 (funcionamento físico, limitações para realização de atividades físicas, limitação emocional, energia / fadiga, bem estar emocional, atividade social, dor e saúde geral) antes e após a cirurgia (com 3 e 6 meses) observouse uma diferença estatisticamente significativa entre todos os domínios (p< 0, 0001). 116

7 Assim, conclui-se que, neste grupo, as pacientes que apresentavam HM com indicação clínica de mamoplastia redutora, manifestaram após o procedimento cirúrgico, melhoria estatisticamente significantes (p<0,0001) nos escores de QV avaliados pelo instrumento SF-36 em todos os seus oito domínios, sugerindo assim que o tratamento da HM não é capricho ou simplesmente vaidade feminina. Ele é, antes de tudo, uma busca para melhoria das condições de vida, traduzidas no conceito de QV ligado a saúde. A HM é uma dismorfia do tecido mamário que leva a transtornos de ordem física e psíquica, proporcionais ao grau de hipertrofia mamária apresentada. Estes graus variam em função do peso das mamas (Araújo e outros, 2007). A grande maioria dos procedimentos em cirurgia plástica são realizados por pura razão estética. Diferentemente destes procedimentos, a mastoplastia redutora tem, além da estética, principalmente, a razão de ser reparadora, resgatando a forma, o tamanho das mamas e melhorando os sintomas incompatíveis com uma boa QV (Blomqvist, Eriksson e Brandberg, 2000; Jones & Bain, 2001). Investigações sobre a QV nas pacientes submetidas à mastoplastia redutora, com questionários validados no pré e pós-operatório, ajudam a obter dados estatísticos que mostram as motivações para a realização deste procedimento (Jones & Bain, 2001). Entre os instrumentos de avaliação mais utilizados para mensuração da qualidade de vida está o SF-36, sendo este sensível para avaliação do impacto da mastoplastia redutora na qualidade de vida das pacientes (Blomqvist e outros, 2000). Em pesquisas com metodologia similar à usada entre as mulheres brasileiras (Abla, 2002; Mello, 2006), como nas residentes dos continentes norteamericanos ou europeu (Blomqvist e outros, 2000; Sector & Karp, 2007; Sector e outros, 2008), a avaliação da QV após a mastoplastia redutora, apontou resultados estatisticamente significantes, reconhecendo o procedimento cirúrgico - independente do volume mamário retirado (Sector & Karp, 2007) - como um propiciador de melhoria na qualidade de vida e, por conseguinte, de saúde. A cirurgia reparadora caracteriza-se pela correção de estruturas anormais do corpo causadas por defeitos congênitos, anormalidades do desenvolvimento, trauma, infecção, tumores ou doenças adquiridas. Tem por finalidade melhorar a função de determinado órgão ou tecido e aproximá-lo dos padrões de normalidade. Os procedimentos cirúrgicos estéticos, em contrapartida, limitamse, em sua maioria, a melhora da aparência. Considerando as definições acima, a mastoplastia redutora, quando indicada em mulheres com HM associada à sintomatologia dolorosa, a transtornos posturais ou a repercussões no sistema mioosteoarticular, deve ser considerada essencialmente terapêutica (American Society of Plastic Surgeons, 1989). 117

8 Os resultados demonstraram que a redução mamária implicou em alteração significativa na QV das mulheres, corroborando os achados de outras pesquisas feitas com mulheres de diferentes nacionalidades, culturas ou condições sócio-econômicas (Sacchini e outros, 1991; Ciconelli, 1997; Abla, 2002; Mello, Boff & Miele, 2007; Sector & Karp, 2007; Sector e outros, 2008). Na rede pública conveniada ao Sistema Único de Saúde, a demanda de pacientes que necessitam deste tratamento é muito grande, no Hospital onde a pesquisa foi realizada, quando atingido o tamanho amostral mínimo necessário, já estavam agendadas mais de 60 mamoplastias redutoras. Os poucos recursos oferecidos pelo governo à realização da mastoplastia redutora, lentificam os benefícios a essas mulheres. Isso pode ser explicado pelo limitado, porém ainda presente, pensamento de alguns médicos, cirurgiões e, muitas vezes, das próprias instituições governamentais que vêem o procedimento como meramente estético. Conclusão Na rede pública conveniada pelo SUS, a demanda de pacientes que necessitam deste tratamento é muito grande. No Hospital Geral, cenário desta pesquisa, durante o período do estudo operaram 43 pacientes e ficaram aguardando a cirurgia, mais de sessenta (60) mulheres. A pouca oferta deste tratamento, na opinião destes autores, está diretamente relacionada á classificação da mastoplastia redutora como cirurgia estética, não só pelo SUS como por grande parte dos médicos, inclusive pelos cirurgiões. Em conformidade com esta pesquisa e seus resultados, a correção, ou seja, o tratamento da hipertrofia mamária não é meramente estético, porque os critérios que fundamentam a elevação da QV das pacientes operadas fundamentam a recomendação que sua indicação esta diretamente relacionada com a saúde, portanto, deveria ser enquadrada, como uma doença-morbidade onde a cirurgia é o tratamento de eleição. No grupo de mulhres estudado, apresentou, na sua maioria, hipertrofia mamária bilateral, e com indicação de cirurgia redutora. Após a cirurgia, apesar de suas dificuldades financeiras e sem atividades profissionais remunerada, significantes (p<0,0001) nos escores de qualidade de vida avaliados pelo instrumento SF-36 em todos os seus oito domínios, quer seja no pós-operatório de 3 ou 6 meses. A pesquisa demonstra que a relevância social do tratamento é incomensurável, não só por dados (resultados estatísticos), mas também pela manifestação expressa do sentimento de felicidade das pacientes com a melhoria de sua auto-estima. 118

9 Referências Abla, L.E.F. (2002). Qualidade de vida e auto-estima em pacientes submetidas à mastoplastia de aumento. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Paulo- Escola Paulista de Medicina, São Paulo. American College of Radiology (ACR) (2003a). BI-RADS : mammography. (4ª ed.). Disponível em: quality_safety/biradsatlas/biradsatlasexcerptedtext/ BIRADSMammographyFourthEdition.aspx. Acesso 01/11/2009. American College of Radiology (ACR) (2003b). BI-RADS Atlas (excerpted text): BI-RADS Ultrasound. (4ª ed.) Disponível em: SecondaryMainMenuCategories/quality_safety/BIRADSAtlas/ BIRADSAtlasexcerptedtext/BIRADSUltrasoundFirstEdition.aspx. Acesso 01/ 11/2009. American Society of Plastic Surgeons (ASPS) (1989). Recommended Insurance Coverage Criteria for Third: Party Payers: Reduction Mammaplasty. Disponível em: Acesso 22/11/ Araújo, C. D. M. ; Gomes, H. C.; Veiga, D. F.; Hochman, B.; Fernandes, P. M.; Novo, NF. & Ferreira, L. M. (2007). Influência da hipertrofia mamária na capacidade funcional das mulheres. Revista Brasileira de Reumatologia, 47, 2, Bergner, M.; Bobbitt, R. A.; Carter, W. B. & Gilson, B. S. (1981) The Sickness Impact Profile: development and final revision of a health status measure. Med Care 19, 8, Blomqvist, L.; Eriksson, A. & Brandberg, Y. (2000). Reduction mammaplasty provides long-term improvement in health status and quality of life. Plastic and Reconstrutive Surgery, 106, Boff, R. A. & Miele, L. (2007). Patologia Mamária na Infância e Adolescência. In: Boff, R. A.; Wisintainer, F.; Amorim, G. Manual de diagnóstico e terapêutica em mastologia. (p. 319). Caxias do Sul: Mesa Redonda. Ciconelli, R. M. (1997). Tradução para o português e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida medical outcomes study 36- item short-form health survey (SF-36). Dissertação de Mestrado. Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, São Paulo. Fernandes, P. M.; Sabino Neto,M.; Veiga, D. F.; Abla, L. E. F.; Mundim, C. D. A.; Juliano, Y.; Ferreira, L. M. F. (2007). Dores na coluna: avaliação em pacientes com hipertrofia mamária. Acta Ortopédica Brasileira, 15, 4, Freire, M. A. M. S. (2002). Impacto da mastoplastia redutora na qualidade de vida das pacientes com hipertrofia mamária. Dissertação de Mestrado. Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, São Paulo. Glatt, B. S. ; Sarwer, D. B. ; O Hara, D. E. ; Hamori, C. ; Bucky, L. P. & LaRossa, D. (1999). A retrospective study of changes in physical symptons 119

10 and body image after reduction mammaplasty. Plastic Reconstrutive Surgery, 103, Jones, A. S. & Bain, J. R. (2001). Review of data describing outcomes that are used to asses changes in quality of life after reduction mammaplastiy. Plastic Reconstrutive Surgery, 108, Mello, A. M. (2006). Qualidade de vida e auto-estima em mamoplastia redutora. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto. Minayo, C. S.; Hartz, Z. M. A. & Buss, P. M. (2000). Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, 5,1, Netscher, D. T.; Meade, R. A.; Goodman, C. M.; Brehm, B. J,; Friedman, J. D. & Thornby, J. (2000). Physical and psychosocial symptoms among 88 volunteer subjects compared with patients seeking plastic surgery procedures to the breast. Plastic Reconstrutive Surgery, 105, 7, Pimenta, F. A. P. ; Simil, F. F. ; Tórres, H. O. G.; Amral, C. F. S.; Rezende, C. F.; Coelho, T. O. & Rezende, N. A. (2008). Avaliação da qualidade de vida de aposentados com a utilização do questionário SF-36. Revista da Associação Médica Brasileira, 54, 1, Pitanguy, I. (1967). Surgical treatment of breast hypertrophy. British Journal of Plastic Surgery, 20, Pitanguy, I.; Salgado, F. & Radwanski, H. N. (1999). Principles of reduction mammaplasty: experience in the 38th infirmary of the Santa Casa da Misericórida of Rio de Janeiro. Acta Medica Misericordiæ, 2, 2, Sacchini, V, ; Luini, A. ; Tana, S.; Lozza, L.; Galimberti. V.; Merson, M.; Agresti, R.; Veronesi, P. & Greco, M. (1991). Quantitative and Qualitative cosmetic evaluation after conservative treatment for breast cancer. Europena Journal of Cancer, 27, Sector, J. A. & Karp, N. S. (2007). Reduction mammaplasty: a significant improvement at any size. Plastic Reconstrutive Surgery, 15, 120, Sector, J. A.; Singh, S. P. & Karp, N. S. (2008). Outcomes after breast reduction: does size really matter? Annals Plastic Surgery, 60, Silqueira, S. M. F. (2005). O questionário genérico SF-36 como instrumento de mensuração da qualidade de vida relacionado a saúde de pacientes hipertensos. Tese de Doutorado. Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Tafuri, L. S. A & Gobbi, H. (2005). Hiperplasias epiteliais em espécimes de mamoplastia redutora estética bilateral e mamoplastia redutora contralateral a câncer de mama. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, 41, 2, Teixeira-Salmela, L. F.; Magalhães, L. C.; Souza, A. C.; Lima, M. C.; Lima, R. C. M. & Goulart, F. (2004) Adaptação do perfil de saúde de nottingham: um instrumento simples de avaliação da qualidade de vida. Caderno de Saúde Pública, 20, 4, Recebido em: / / / Aceito em: / /. 120

RICARDO DA ROCHA PORTO

RICARDO DA ROCHA PORTO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE MATERNO-INFANTIL RICARDO DA ROCHA PORTO IMPACTO DA

Leia mais

Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, mestrando em Ciências da Saúde na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto

Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, mestrando em Ciências da Saúde na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto ARTIGO ORIGINAL Mamoplastia redutora: marcação em L com cicatriz resultante em T invertido Reduction mammaplasty: L design markings with result T inverted scars Arnaldo A. Mello 1 1 Membro titular da Sociedade

Leia mais

Qualidade de vida após tratamento cirúrgico da assimetria mamária primária

Qualidade de vida após tratamento cirúrgico da assimetria mamária primária ARTIGO ORIGINAL Qualidade de vida após tratamento cirúrgico da assimetria mamária primária Quality of life after surgical treatment of primary breast asymmetry ANA LÚCIA A. L. DA SILVA 1 MÁRCIA A. M. S.

Leia mais

LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PLÁSTICA

LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PLÁSTICA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

Os corpos da Cirurgia Plástica: os discursos de mulheres sobre corpo, aparência e atividade física

Os corpos da Cirurgia Plástica: os discursos de mulheres sobre corpo, aparência e atividade física Os corpos da Cirurgia Plástica: os discursos de mulheres sobre corpo, aparência e atividade física Ana Carolina Soares Amaral, Pedro Henrique Berbert de Carvalho, Leonardo de Sousa Fortes, Valter P. Neves

Leia mais

IMAGEM CORPORAL DE PACIENTES SUBMETIDAS À MASTECTOMIA

IMAGEM CORPORAL DE PACIENTES SUBMETIDAS À MASTECTOMIA IMAGEM CORPORAL DE PACIENTES SUBMETIDAS À MASTECTOMIA ANA CAROLINA NORONHA CAMPOS; DANIELA FRASCESCATO VEIGA; SILVÂNIA DE CÁSSIA VIEIRA ARCHANGELO, YARA JULIANO Hospital das Clínicas Samuel Libânio - Universidade

Leia mais

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO A Estética da Mama A estética da mama responde a costumes étnicos, sociais e culturais. Há não muitos anos, no Brasil as mulheres solicitavam a diminuição do volume do seio, quando a aspiração do inconsciente

Leia mais

Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama

Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama Marketing segmentado no âmbito hospitalar: A imagem corporal da mulher acometida pelo câncer de mama Hayala Cristina Cavenague de Souza 1 Marina Pasquali Marconato Mancini 2 Francisco Louzada Neto³ Gleici

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

PAULO ROBERTO MOCELIN

PAULO ROBERTO MOCELIN 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE MATERNO-INFANTIL MESTRADO ACADÊMICO HIPERTROFIA MAMÁRIA:

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA QUALIDADE DE VIDA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM QUE ATUAM NO HOSPITAL PÚBLICO E PRIVADO NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO

ESTUDO COMPARATIVO DA QUALIDADE DE VIDA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM QUE ATUAM NO HOSPITAL PÚBLICO E PRIVADO NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO ESTUDO COMPARATIVO DA QUALIDADE DE VIDA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM QUE ATUAM NO HOSPITAL PÚBLICO E PRIVADO NO MUNICÍPIO DE BEBEDOURO (COMPARATIVE STUDY OF QUALITY OF LIFE OF NURSING PROFESSIONALS

Leia mais

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA A mastoplastia (mastoplastia) redutora é uma das cirurgias mais realizadas em nosso país, abrangendo uma faixa etária a mais variada possível, desde a adolescência até

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO Roberta Oliveira Barbosa Ribeiro- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - São Paulo. Ana Catarina

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE Marta Isabel Valente Augusto Moraes CAMPOS, Maria do Rosário Gondim PEIXOTO, Edna Regina Silva PEREIRA, Ana Tereza Vaz de

Leia mais

O que fazem os grupos científicos para o controle e tratamento do câncer de mama no Brasil? SBM

O que fazem os grupos científicos para o controle e tratamento do câncer de mama no Brasil? SBM O que fazem os grupos científicos para o controle e tratamento do câncer de mama no Brasil? SBM Ruffo de Freitas Júnior Presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia Sociedade Brasileira de Mastologia

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT01-P CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS DISCENTES DO QUARTO PERÍODO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SOBRE O AUTO-EXAME DAS MAMAS Ericka Vilar Brandão (1) ; Cleide Rejane Damaso de Araújo (3) Centro de Ciências

Leia mais

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Roberto Esmeraldo R3 CCP SENSIBILIDADE capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros positivos, nos indivíduos verdadeiramente doentes. sujeito a falso-positivos

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

LIA FLEISSIG FERREIRA TRADUÇÃO PARA A LÍNGUA PORTUGUESA, ADAPTAÇÃO CULTURAL E VALIDAÇÃO DO BREAST EVALUATION QUESTIONNAIRE

LIA FLEISSIG FERREIRA TRADUÇÃO PARA A LÍNGUA PORTUGUESA, ADAPTAÇÃO CULTURAL E VALIDAÇÃO DO BREAST EVALUATION QUESTIONNAIRE LIA FLEISSIG FERREIRA TRADUÇÃO PARA A LÍNGUA PORTUGUESA, ADAPTAÇÃO CULTURAL E VALIDAÇÃO DO BREAST EVALUATION QUESTIONNAIRE Dissertação apresentada à Universidade Federal de São Paulo, para obtenção do

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura

A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura (The family coping the treatment of the child with cancer: literature revision) Edmara Cândida Tavares 1 ; Andréia da Costa Segóvia

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Programa Multicêntrico de qualificação em Atenção Domiciliar a Distância

Programa Multicêntrico de qualificação em Atenção Domiciliar a Distância 1 Programa Multicêntrico de qualificação em Atenção Domiciliar a Distância 2 GUILHERME EMANUEL BRUNING MAURO BINZ KALIL SATI JABER MAHMUD UNIDADE 7 AVALIAÇÃO E MANEJO DOMICILIAR DA DISPNEIA São Luís 2013

Leia mais

MASTOPLASTIA REDUTORA / MASTOPEXIA (CIRURGIA DE REDUÇÃO/CORREÇÃO DE PTOSE)

MASTOPLASTIA REDUTORA / MASTOPEXIA (CIRURGIA DE REDUÇÃO/CORREÇÃO DE PTOSE) MASTOPLASTIA REDUTORA / MASTOPEXIA (CIRURGIA DE REDUÇÃO/CORREÇÃO DE PTOSE) Mastoplastia ou mamoplastia é o nome dado para as cirurgias das mamas. Alguns tipos de mastoplastia podem ser diferenciados e

Leia mais

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS Ana M.B. Menezes 1 e Iná da S. dos Santos 2 1 Prof a Titular de Pneumologia Faculdade de Medicina UFPEL 1 Presidente da Comissão de Epidemiologia da SBPT

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA

PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES PRÉ E PÓS- CIRURGIA BARIÁTRICA GEROTTO, G. Resumo:A obesidade é uma condição complexa descrita como uma epidemia crônica da pós-modernidade e sua prevalência tem aumentado

Leia mais

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA ZANDOMENIGHI, P. M. C.; LOPES, J. Resumo: A reabilitação vestibular com o uso do protocolo de Cawthorne-Cooksey (PCC)

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER Clariany Soares Cardoso 1 ; Gustavo Christofoletti 2 ; Eberson da Silva Rodrigues do Nascimento 3 1 Bolsista PBIC/UEG, graduada

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO

TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. Conselho Gestor do Programa de Saúde e Assistência Social do Ministério Público da União - PLAN-ASSISTE

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. Conselho Gestor do Programa de Saúde e Assistência Social do Ministério Público da União - PLAN-ASSISTE MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Conselho Gestor do Programa de Saúde e Assistência Social do Ministério Público da União - PLAN-ASSISTE NORMA COMPLEMENTAR N.º 7, DE 30 DE JUNHO DE 2010. Define a cobertura

Leia mais

A Importância na Identificação dos Fatores de Risco para Prevenção do Câncer de Mama

A Importância na Identificação dos Fatores de Risco para Prevenção do Câncer de Mama A Importância na Identificação dos Fatores de Risco para Prevenção do Câncer de Mama Felipe A. de A. Souza Universidade Severino Sombra,Acd. de medicina faandrades@hotmail.com Juliana L. Fernandes Universidade

Leia mais

Fontes de financiamento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e Instituto Avon

Fontes de financiamento: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e Instituto Avon Estudo dos membros superiores de mulheres com linfedema subsequente à linfadenectomia axilar no câncer de mama, através do Doppler e linfocintilografia Sarah Patrizia Araújo VALINOTE 1 ; Ruffo de FREITAS-JUNIOR

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA DEBORAH COSTA TEIXEIRA PELUCIO SILVA AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE RESUMO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE RESUMO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Adna Nascimento Souza 1 Layne de Paiva Sousa 1 Francisca Aline Arrais Sampaio Santos 2 Maria Aparecida Alves de Oliveira Serra 2 Thamyres

Leia mais

Próteses de silicone adulteradas

Próteses de silicone adulteradas 3ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO CONSUMIDOR E ORDEM ECONÔMICA SAF Sul Quadra 4 Conjunto C Bloco B Sala 301; Brasília/DF, CEP 70050-900, (61)3105-6028, http://3ccr.pgr.mpf.gov.br/, 3camara@pgr.mpf.gov.br

Leia mais

INCIDÊNCIA E TENDÊNCIAS DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE PRÓSTATA NO BRASIL

INCIDÊNCIA E TENDÊNCIAS DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE PRÓSTATA NO BRASIL INCIDÊNCIA E TENDÊNCIAS DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE PRÓSTATA NO BRASIL Ericka Silva Holmes 1 ;Juliana da Costa Santos Pessoa 2 ; Sérgio Ribeiro dos Santos 3 1 - Mestranda do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO DIABETES MELLITUS NA QUALIDADE DE VIDA DE USUÁRIOS DA ATENÇÃO BÁSICA EM BLUMENAU - SC

INTERFERÊNCIA DO DIABETES MELLITUS NA QUALIDADE DE VIDA DE USUÁRIOS DA ATENÇÃO BÁSICA EM BLUMENAU - SC INTERFERÊNCIA DO DIABETES MELLITUS NA QUALIDADE DE VIDA DE USUÁRIOS DA ATENÇÃO BÁSICA EM BLUMENAU - SC Autores: Eduardo José Cecchin(1), Luiza Pinto de Macedo Soares(1), José Augusto Bach Neto(1), João

Leia mais

Experiência: Projeto de implementação das cirurgias cardíacas no Estado do Rio de Janeiro

Experiência: Projeto de implementação das cirurgias cardíacas no Estado do Rio de Janeiro 1 Experiência: Projeto de implementação das cirurgias cardíacas no Estado do Rio de Janeiro Instituto Nacional de Cardiologia Laranjeiras Responsável: Regina Maria de Aquino Xavier Integrantes da Equipe:

Leia mais

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO A mama é considerada um dos grandes símbolos da feminilidade, pois além de ser uma das partes mais sensuais do corpo feminino, também está fortemente ligada a maternidade.

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

VANESSA CONTATO LOPES RESENDE SATISFAÇÃO, ATIVIDADE FÍSICA E SEXUALIDADE EM PACIENTES SUBMETIDAS À MAMOPLASTIA REDUTORA.

VANESSA CONTATO LOPES RESENDE SATISFAÇÃO, ATIVIDADE FÍSICA E SEXUALIDADE EM PACIENTES SUBMETIDAS À MAMOPLASTIA REDUTORA. VANESSA CONTATO LOPES RESENDE SATISFAÇÃO, ATIVIDADE FÍSICA E SEXUALIDADE EM PACIENTES SUBMETIDAS À MAMOPLASTIA REDUTORA. Dissertação apresentada à Universidade Federal de São Paulo, para obtenção do Título

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Unimed SJC O Núcleo de Ação Integral à Saúde (NAIS) é o setor responsável pela promoção da saúde e prevenção

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

TERMINALIDADE NORMA Nº 643

TERMINALIDADE NORMA Nº 643 Página: 1/7 1- OBJETIVO 1.1- Garantir os Direitos dos pacientes relacionados aos seus valores pessoais, preservando sua individualidade e sua dignidade humana, tais como: 1.2- Diminuir o sofrimento do

Leia mais

Declaro não haver nenhum conflito de interesse

Declaro não haver nenhum conflito de interesse Declaro não haver nenhum conflito de interesse Universidade Federal de Uberlândia Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Serviços de Mastologia e Ultrassonografia Avaliação pelo Ultrassom Doppler da

Leia mais

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 COMO TUDO COMEÇOU: Demanda da Coordenadora do Voluntariado

Leia mais

DIÁRIA POR INTERNAÇÃO HOSPITALAR DIH 692 - DIH 693 (PROC. SUSEP Nº 15414.004510/2012-11) da Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A

DIÁRIA POR INTERNAÇÃO HOSPITALAR DIH 692 - DIH 693 (PROC. SUSEP Nº 15414.004510/2012-11) da Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A DIÁRIA POR INTERNAÇÃO HOSPITALAR DIH 692 - DIH 693 (PROC. SUSEP Nº 15414.004510/2012-11) da Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A CONDIÇÃO ESPECIAL DA GARANTIA BÁSICA DE DIÁRIA POR INTERNAÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

Utilização do SF-36 em ensaios clínicos envolvendo pacientes fibromiálgicos: determinação de critérios mínimos de melhora clínica

Utilização do SF-36 em ensaios clínicos envolvendo pacientes fibromiálgicos: determinação de critérios mínimos de melhora clínica Artigo Original 147 doi:10.4181/rnc.2004.12.147 Utilização do SF-36 em ensaios clínicos envolvendo pacientes fibromiálgicos: determinação de critérios mínimos de melhora clínica Using SF-36 in clinical

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL.

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. Marina Bizigato Faculdade de Fonoaudiologia Centro de Ciências da Vida mabizi19@hotmail.com Iara Bittante de Oliveira Grupo

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS Raphaella Ortega Leite 1, Eveline Campaneruti Esteves¹; Siméia Gaspar Palácio 2

Leia mais

Cirurgia nas mamas. Mamas femininas

Cirurgia nas mamas. Mamas femininas Cirurgia nas mamas Mamas femininas As mamas são glândulas que sofrem transformações fisiológicas ao longo da vida, em resposta a estímulos hormonais. Na juventude, têm consistência mais firme, forma mais

Leia mais

Cirurgia Plástica Estética - Avaliação dos Resultados

Cirurgia Plástica Estética - Avaliação dos Resultados Cirurgia Plástica Estética - Avaliação dos Resultados Marcus Castro Ferreira I 1] Professor Titular da Disciplina de Cirurgia Plástica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Chefe da Divisão

Leia mais

Situação atual da cirurgia plástica

Situação atual da cirurgia plástica CIRURGIA PLÁSTICA NO BRASIL Índice Objetivo Metodologia Perfil da amostra Situação atual da cirurgia plástica Perfil do paciente Principais resultados Objetivo Conhecer a situação atual da cirurgia plástica*

Leia mais

Qualidade de vida dos profissionais de saúde do hospital do câncer de Campo Grande, MS

Qualidade de vida dos profissionais de saúde do hospital do câncer de Campo Grande, MS informação ano 15, n, 15 jan./dez. 2011 Copyright 2011 Instituto Metodista de Ensino Superior CNPJ 44.351.146/0001-57 Qualidade de vida dos profissionais de saúde do hospital do câncer de Campo Grande,

Leia mais

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT)

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) BIBLIOGRAFIA Oliveira, Aristeu de. Manual de Salários e Benefícios. 1. ed. São Paulo : Atlas, 2006. Cap. 20 pág. 71 a 73. MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Teoria

Leia mais

TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO

TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO 1 TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO LYS DE BARROS FOGAGNOLI 1, MILTON MIKIO MORISHIN FILHO 2. 1- Graduanda Medicina Veterinária Universidade

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS. Helena Ayako Mukai ¹ ; Márcia Galan Perroca ²; Marli de Carvalho Jericó ³

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS. Helena Ayako Mukai ¹ ; Márcia Galan Perroca ²; Marli de Carvalho Jericó ³ NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS Helena Ayako Mukai ¹ ; Márcia Galan Perroca ²; Marli de Carvalho Jericó ³ ¹ Enfermeira, Centro de Atenção Integral à Saúde (CAIS) Clemente

Leia mais

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide 05/07/2014 Nota Técnica 125/2014 Betaterapia para tratamento de queloide SOLICITANTE :Dra. Luciene Cristina Marassi Cagnin Juíza de Direito de Itajubá - MG NÚMERO DO PROCESSO: 0324.14.007196-4 SOLICITAÇÃO/

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE CORREÇÃO DAS ORELHAS PROEMINENTES SEGUINDO ALGORITMO DE TRATAMENTO PADRONIZADO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE CORREÇÃO DAS ORELHAS PROEMINENTES SEGUINDO ALGORITMO DE TRATAMENTO PADRONIZADO HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL AVALIAÇÃO DO GRAU DE CORREÇÃO DAS ORELHAS PROEMINENTES SEGUINDO ALGORITMO DE TRATAMENTO PADRONIZADO LEONARDO GABEIRA SECCO SÃO PAULO 2011 1 FICHA CATALOGRÁFICA Secco,

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

Victor Silvano Resende. Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica

Victor Silvano Resende. Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica Victor Silvano Resende Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica Brasília 2014 Victor Silvano Resende Estabilidade da margem gengival após cirurgia

Leia mais

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2 ESTUDO CLÍNICO-PATOLÓGICO E IMUNOHISTOQUÍMICO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES JOVENS DIAGNOSTICADAS E TRATADAS NO HOSPITAL DE CÂNCER DE PERNAMBUCO NO PERÍODO DE 1996 A 2006. Marília Ávila Acioly 1 ; Maria

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Autores Lara Carneiro 1 António Fonseca 2 Maria Vieira Coelho 3 Maria Paula Mota 4 José

Leia mais

Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes

Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes Alexandre V. Schwarzbold Departamento de Clínica Médica Coordenação do Ambulatório de HIV/AIDS Simpósio Internacional de Ética em Investigação Fevereiro de 2008 Apresentação

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C 1 Vieira, E. S.; 2 Cardoso E. M.; 3 Souza, J. R.; 4 Filipini. S. M., 5 Giaretta, V. M. A Faculdade de Ciências da Saúde, Curso de

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE

Leia mais

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL Julyana Cândido Bahia 1, Dálete Delalibera Corrêa de Faria Mota 2 1 Acadêmica da Faculdade de Enfermagem/ Universidade Federal de Goiás

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME Odete Aparecida de Moura Autores Odete Aparecida de Moura 1, Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes 2, José Nélio Januário

Leia mais

A Resiliência e a Imagem Corporal de Adolescentes e Adultos com Mielomeningocele

A Resiliência e a Imagem Corporal de Adolescentes e Adultos com Mielomeningocele A Resiliência e a Imagem Corporal de Adolescentes e Adultos com Mielomeningocele Catusso, R, Campana, ANNB, Tavares, MCGCF A mielomeningocele (MM) é uma má formação congênita aberta do tudo neural, sendo

Leia mais

Amil%Paraná. Resumo PROTOCOLO DE CIRURGIA BARIÁTRICA AMIL-PARANÁ

Amil%Paraná. Resumo PROTOCOLO DE CIRURGIA BARIÁTRICA AMIL-PARANÁ Amil%Paraná PROTOCOLO DE CIRURGIA BARIÁTRICA AMIL-PARANÁ por Fátima Corrêa Sandmann Afonso, Patricia Piana Presas, Rubens Zenobio Darwich e Samir Bazzi Fatima Corrêa Sandmann Afonso Médica Endocrinologista

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA (PRM) CIRURGIA GERAL

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA (PRM) CIRURGIA GERAL INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA (PRM) CIRURGIA GERAL Introdução Caro (a) médico residente O Programa de Residência Médica em Cirurgia Geral, do Hospital Regional de Ponta Grossa

Leia mais