Boletim Eletrônico Janeiro ª edição Visite nosso Site

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Eletrônico Janeiro 2014 73ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br"

Transcrição

1 Boletim Eletrônico Janeiro ª edição Visite nosso Site ESTROGÊNIO TÓPICO É UM DOS POSSÍVEIS TRATAMENTOS PARA NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VAGINAL? Equipe médica do Centro de Câncer MD Anderson avaliou os resultados de mulheres diagnosticadas com NIVA de alto grau (grau 2 e 3) e tratadas com estrogênio tópico. Por meio de revisão de prontuários entre os anos 2000 e 2008, foram identificadas 106 mulheres com NIVA de alto grau, foram excluídas da análise aquelas com diagnóstico de NIVA 1, doença invasiva na primeira consulta, perda de seguimento e câncer genital em outra localização. Após as exclusões, foram estudadas 83 pacientes. A média etária ao diagnóstico foi de 54,3 anos e o seguimento médio de 47,6 meses. Dessas pacientes, 88% estavam na pós-menopausa, 88% realizaram histerectomia e 63,9% reportavam tratamento prévio para doença pré-invasiva (displasia cervical, vaginal ou vulvar). Do total, 44,6% relatavam serem tabagistas ou ex-tabagistas e 48,2% tinham testes positivos para HPV de alto risco. As modalidades de tratamento incluíam: estrogênio intravaginal, vaporização a laser CO2, 5-fluoruracila tópica, excisão ampla local, excição eletrocirúrgica e vaginectomia. Algumas pacientes submeteram-se a mais de uma modalidade de tratamento. Das pacientes tratadas com estrogênio tópico isolado(n=40), 90% tiveram regressão ou cura da doença de alto grau. Outras pacientes (n=32) que realizaram tratamento com estrogênio tópico mais uma modalide de tratamento, 81,3% tiveram regressão ou cura. Já as mulheres que realizaram tratamento sem o uso de estrogênio tópico tiveram regressão ou cura de 71,4%. Duas pacientes progrediram para câncer durante o período analisado. Houve alta taxa de progressão/cura em mulheres tratadas com estrogênio tópico, em regime isolado ou em combinação. O tratamento da NIVA com estrogênio intravaginal é uma alternativa às terapias padrões com taxa de sucesso comparável a outros tratamentos que possuem maior morbidade potencial. Fonte: Rhodes HE, et al. Vaginal Intraepithelial Neoplasia (VaIN 2/3): Comparing Clinical Outcomes of Treatment With Intravaginal Estrogen. J Low Genit Tract Dis Nov 1. [Epub ahead of print] QUAL É O VALOR DA COLPOSCOPIA APÓS 12 MESES DA EXÉRESE DA ZONA DE TRANSFORMAÇÃO? Apesar da colposcopia ser um procedimento padrão após a exérese da zona de transformação, não existem evidências robustas que ela aumente a detecção de doença persistente em comparação com a citologia isolada ou citologia com teste de HPV. O programa nacional de rastreamento Australiano fornece diretrizes de seguimento das mulheres após tratamento de NIC de alto grau e adenocarcinoma in situ. Estas mulheres continuam sob risco posterior de desenvolvimento de précâncer ou câncer. A eficácia das terapias excisionais como a exérese da zona de transformação na redução do risco de câncer invasivo é de cerca de 95% em seguimento de 8 anos. A recorrência de lesões pode ser devido ao tratamento primário inadequado ou à nova lesão originada de exposição

2 a tipo diferente de HPV de alto risco. As mulheres com maior risco de recorrência de lesões de alto grau ou progressão para câncer cervical são aquelas com 50 anos ou mais, peça cirúrgica com margens comprometidas e teste de HPV persistentemente positivo. No Hospital Modbury, na Austrália, após a exérese da zona de transformação, as mulheres são seguidas na clínica colposcópica com citologia e colposcopia em 6 meses e citologia, colposcopia e teste de HPV de alto risco em 12 meses. Se nestas duas consultas, os exames estão normais, as mulheres são orientadas a realizar a citologia e o teste de HPV após 24 meses da cirurgia com clínicos gerais. Estudo conduzido neste hospital verificou o valor da colposcopia após 12 meses da exérese da zona de transformação realizada por NIC de alto grau. Um total de 252 mulheres realizou o procedimento entre janeiro de 2005 a dezembro de 2010, a profundidade média da exérese foi de 10,4 mm e o total de casos com margens livres de 70%. A colposcopia foi insatisfatória em 30% dos casos, ou seja, a junção escamocolunar era endocervical e não foi visibilizada. A sensibilidade da colposcopia foi de 0,47 e a especificidade de 0,95. Os autores concluem que a colposcopia é um exame de baixa sensibilidade para detectar doença após a cirurgia. O Papanicolaou e o teste para HPV de alto risco são mais adequados no seguimento de 12 meses em mulheres com baixo risco de recorrência. Fonte: Thompson V, Marin R. Is Colposcopy necessary at twelve months after large loop excision of the transformation zone? A clinical audit. Aust N Z J Obstet Gynaecol Dec;53(6): EXISTE ALTERAÇÃO DOS TIPOS DE HPV QUE CAUSAM O CÂNCER CERVICAL AO LONGO DO TEMPO? Este estudo do Instituto Catalão de Oncologia (ICO) estudou a contribuição por tipo de HPV nos casos de câncer cervical durante os últimos 70 anos (1940 a 2007) para verificar se existe alguma alteração, em 11 países, entre eles o Brasil,. A taxa bruta de positividade para o HPV em casos foi de 83,2%. A proporção de positividade para o HPV aumentou discretamente ao longo das décadas (p< 0,001). Os fatores associados a cânceres cervicais negativos para HPV foram adenocarcinoma e câncer diagnosticado em maior faixa etária. Mais de 90% dos casos positivos para HPV tinham infecção por tipo único de HPV e infecções por tipos múltiplos de HPV foram raramente detectadas, não houve variações durante o tempo. Do total de amostras de câncer cervical positivas para HPV, o HPV 16 e 18 foram os tipos de HPV mais comuns em todas as décadas, sem variação significativa durante o perído (HPV16, variou de 61,5 a 62,1% e HPV 18, de 6,9 a 7,2%). Apesar do tipo histológico mais frequente ser o escamoso durante todo o tempo, a proporção de adenocarcinoma aumentou discretamente ao longo das décadas (p<0,001). No adenocarcinoma, a contribuição relativa ajustada do HPV 16 aumentou de 24,7% em para 71,1% em (p= 0,001) e do HPV 18 reduziu de 55,5% para 19,8% (p= 0,003). Em relação à idade, os casos associados aos HPV 16, 18 e 45 ocorreram em mulheres mais jovens em relação aos outros tipos de HPV ao longo das décadas (média etária dos casos aumentou de 47,9 anos em para 54,4 anos em , p<0,001). A estabilidade observada na distribuição dos tipos de HPV prediz impacto estável e sustentado da vacinação contra HPV na redução do câncer cervical nas futuras gerações.

3 Fonte: Alemany L, et al. Time trends of human papillomavirus types in invasive cervical cancer, from 1940 to Int J Cancer Nov 28. doi: /ijc RESULTADOS PRÉVIOS DE CITOLOGIA E TESTE DE HPV EM MULHERES COM ADENOCARCINOMA IN SITU (AIS) DO COLO UTERINO. De acordo com a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer, o câncer do colo do útero é o segundo tipo de câncer mais comum em mulheres no mundo e o mais freqüente em países de baixa e média renda. O papilomavírus humano (HPV) de alto risco (AR) é o agente etiológico mais importante na patogênese do carcinoma cervical de células escamosas (SCC) e do adenocarcinoma. As taxas de incidência do adenocarcinoma, que representa 10-20% de todos os canceres do colo do útero, vem aumentando ao longo das duas últimas décadas, ao contrário daquelas do carcinoma de células escamosas. Esta tendência é particularmente evidente entre as mulheres com idade < 40 anos e tem ocorrido apesar de extensos programas de rastreamento baseados na citologia oncológica. Embora os programas de triagem levaram a uma diminuição substancial na incidência de SCC, eles tiveram apenas um efeito protetor limitado sobre a ocorrência de adenocarcinoma e sua lesão precursora, o adenocarcinoma in situ (AIS). Uma vez que o epitélio glandular do colo do útero é uma monocamada, não existe a divisão gradual de lesões potencialmente pré-cancerosas como no caso do epitélio escamoso. As lesões pré-cancerosas que surgem a partir dessas células são chamadas de AIS ou neoplasia intraepitelial glandular (NIG). O AIS é uma condição

4 relativamente rara, que não recebeu tanta atenção como as lesões precursoras com origem no epitélio escamoso do colo do útero. O AIS ocorre abaixo da zona de transformação e pode, assim, ser recoberto por epitélio metaplásico normal ou displásico. Além disso, a multicentricidade do AIS tem sido relatada em ~ 15% das pacientes. Tem sido sugerido que o rastreio citológico seria incapaz de identificar mulheres em risco de adenocarcinoma. A razão para esta baixa sensibilidade poderia estar relacionada à dificuldade de obtenção de células do canal endocervical ou leitura errônea não-específica das lesões glandulares. No entanto, tem sido demonstrado através de diversos estudos publicados na literatura que a pesquisa citológica é eficaz contra os adenocarcinomas. O teste de HPV é mais sensível do que a citologia como método de triagem para o SCC e a detecção precoce do DNA do HPV também tem sido sugerida como um método de triagem alternativa para adenocarcinoma e AIS. O objetivo do presente estudo retrospectivo foi o de investigar o adenocarcinoma in situ (AIS) em relação aos resultados prévios citológicos, exames de DNA HPV de alto risco (AR) e os resultados histológicos da mucosa escamosa AIS- adjacente. O banco de dados foi utilizado para identificar 32 pacientes do sexo feminino com AIS confirmado histológicamente, entre 2009 e 2012 no Departamento de Ginecologia do Hospital Universitário de Uppsala (Uppsala, Suécia). No total, 18/28 (64,3%) pacientes com AIS e um resultado citológico disponível mostraram sinais de alterações em células escamosas, incluindo 10 pacientes com células escamosas atípicas de significado indeterminado (ASCUS ), três com lesão intraepitelial escamosa de baixo grau (LIEBG) e cinco com lesão intraepitelial escamosa de alto grau (LIEAG). Apenas cinco pacientes tiveram resultado citológico de células glandulares atípicas de significado indeterminado (AGC-US, 17,9 %) e duas exibiram AIS (7,1%). Os testes de HPV gravados no banco de dados foram realizados em média 4,5 meses (variação 0-12 meses ) antes do diagnóstico histológico de AIS. Um total de 22 pacientes foram testadas para HPV, 95% das quais eram HR- HPV positivas. HPVs 18/45 foram marcadamente predominants e ocorreram em 77% ( n = 17 ) das pacientes HPV positivas, seguido do HPV16 ( 27 %, n = 6 ). Múltiplas infecções por HPV foram registradas em cinco pacientes; três apresentaram infecções duplas ( HPV16+18 /45, 59 e HPV18/45 HPV18/ ) e duas infecções triplas expostas ( HPV / /52/58 e HPV16 +33/52/ ). As pacientes com múltiplas infecções eram todas 32 anos de idade, enquanto as pacientes com idade 38 anos só foram infectadas com HPV18/45. A mucosa escamosa AISadjacente mostrou vários graus de NIC em todas pacientes, exceto em três das 32 mulheres com AIS, no qual o epitélio escamoso não mostrou sinais de células atípicas. Notavelmente, NIC 2 ou pior foi identificado na mucosa escamosa AIS adjacente de 25 pacientes com AIS (78,1 %). Um estudo anterior identificou um tipo de célula-alvo especial na junção entre as células glandulares e escamosas, que é altamente suscetível a incorporação do DNA do HPV oncogênico. Sabe-se que o SCC contém principalmente o HPV16 e o adenocarcinoma principalmente o HPV18. Por conseguinte, é possível que um tipo de tropismo exista no que diz respeito ao potencial oncogénico dos vários tipos de HPV, e que, além de iniciar a transformação maligna, os tipos de HPV oncogénicos também afetariam a diferenciação final das células alvo. O presente estudo sugere que o AIS é detectado no screening principalmente devido a lesões precursoras escamosas simultâneas e que a infecção HPV18/45 é um cofator para AIS em pacientes mais velhas. A análise do DNA-HPV eem mulheres com lesões glandulares ajudaria na identificação de indivíduos em

5 situação de risco de progressão para doença invasiva, e, assim, ter um efeito favorável sobre a prevenção do adenocarcinoma, juntamente com a vacinação. Fonte: Andersson S, et al. Results of cytology and high-risk human papillomavirus testing in females with cervical adenocarcinoma in situ. Oncol Lett. 2013;6(1): PAPILOMATOSE VESTIBULAR COMO CONDIÇÃO ANATÔMICA NORMAL DA VULVA. No início da década de oitenta, a papilomatose vestibular vulvar (VVP) esteve associada como uma doença induzida pelo papilomavírus humano (HPV). Com base nestes resultados, muitos ginecologistas clínicos trataram esta condição com ablação a laser ou por aplicação tópica de podofilina ou ácido tricloroacético. A VVP foi reconhecida pela primeira vez em Altmeyer descreveu essas lesões como pequenas projeções lisas da mucosa vulvar e denominou-as como pseudocondilomas da vulva, devido a sua aparência semelhante ao do condiloma acuminado. Em 1987 Campion descreveu três tipos de lesões vulvares subclínicas, uma dos quais era a VPP, associada à infecção pelo HPV. Alguns anos mais tarde, em 1991, o relatório da Sociedade Internacional para o Estudo das Doenças da Vulva (ISSVD) descreveu a papilomatose vestibular vulvar como a presença de múltiplas papilas que podem recobrir a superfície mucosa dos pequenos lábios, sem associação com a infecção pelo HPV. Desde então a VVP tem sido relatada sob uma variedade de nomes: papilas vestibulares, papilomatose vulvar escamosa, micropapilomatose labial e muitos outros. Atualmente a maioria dos autores acredita que a VVP deva ser considerada uma variante anatômica da mucosa vestibular normal e não uma lesão desencadeada pelo HPV. Em um estudo proeminente feito em Londres, apenas 1% das mulheres mostrou papilomatose vestibular, embora outros autores encontraram uma prevalência entre 5,1-33%. Nas pacientes com estas lesões, não se observa nenhuma evidência histológica ou molecular de HPV, sendo o tratamento desnecessário, devendo ser evitado. É provável que este achado seja uma contrapartida feminina da lesão masculina denominada pápula perolada peniana. Os autores concluem que os médicos devem ser cautelosos ao tratarem uma suspeita de VVP. Chamam a atenção para esta frequente, mas muitas vezes não reconhecida entidade, a fim de assegurar o diagnóstico correto e evitar tratamentos repetidos e desnecessários de uma variante anatômica genital normal.

6 Figura 1 - Mulher de 24 anos de idade com história de pápulas assintomáticas na vulva. Ao exame físico observaram-se na face interna dos pequenos lábios diversas lesões da cor da pele, macias, peroladas e filiformes, que apresentavam 1 a 2 mm de diâmetro. Figuras 2 e 3 Corte histológico de micropapilomatose vulvar. Diversas projeções semelhantes a dedos, com pontas arredondadas e bases individuais finas estão presentes. Há epiderme normal que recobre um eixo fibrovascular frouxo central; nenhum coilócito é encontrado e o PCR para o DNA-HPV é negativo.

7 Editora Médica Responsável: Dra. Adriana Bittencourt Campaner¹ Esse boletim tem o objetivo de disseminar, de forma prática e sucinta, as informações recentemente publicadas na literatura médica na área de PTGI e colposcopia. Esses resumos de artigos não representam necessariamente a opinião dos editores nem da ABPTGIC. Para sugestões e dúvidas, favor entrar em contato com a secretaria científica: 1. CRM SP. Doutora em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Médica Chefe da Clínica de PTGIC do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Facul dade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Médica titulada pela FEBRASGO e qualificada pela ABPTGIC. Declaração de Conflito de interesse, de acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Pesquisadora da vacina contra HPV da MSD.

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU Yara Furtado Professora Assistente da UNIRIO Chefe Ambulatório de Patologia Vulvar e Cervical do HUGG Comissão de Título de Qualificação ABPTGIC Descrito em 1952 (Hepler) Laudos citológicos Sistema Bethesda

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

Citologia ou teste de HPV no rastreio primário?

Citologia ou teste de HPV no rastreio primário? UNICAMP Citologia ou teste de HPV no rastreio primário? Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia Departamento de Tocoginecologia Faculdade de Ciências Médicas CAISM - UNICAMP Clique para editar

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR

Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR ADRIANA DE SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)² RESUMO Este

Leia mais

Edison Natal Fedrizzi. Declaração de conflito de interesse

Edison Natal Fedrizzi. Declaração de conflito de interesse Edison Natal Fedrizzi Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Lesões Intraepiteliais de Alto Grau: Diagnóstico, conduta e seguimento.

Lesões Intraepiteliais de Alto Grau: Diagnóstico, conduta e seguimento. Lesões Intraepiteliais de Alto Grau: Diagnóstico, conduta e seguimento. ABG-Cap RJ II Colpovix Vitória ES 16 e 17 de outubro de 2009 Fábio Russomano Linha de cuidado para prevenção do câncer do colo do

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 43/2014. VACINA HPV em paciente com diagnóstico de HPV+ (neoplasia + intraepitelial grau I)

RESPOSTA RÁPIDA 43/2014. VACINA HPV em paciente com diagnóstico de HPV+ (neoplasia + intraepitelial grau I) RESPOSTA RÁPIDA 43/2014 VACINA HPV em paciente com diagnóstico de HPV+ (neoplasia + intraepitelial grau I) SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito da Comarca de

Leia mais

Papilomavirus Humano (HPV)

Papilomavirus Humano (HPV) Papilomavirus Humano (HPV) Introdução O HPV é uma doença infecciosa, de transmissão freqüentemente sexual, cujo agente etiológico é um vírus DNA não cultivável do grupo papovírus. Atualmente são conhecidos

Leia mais

Boletim Eletrônico Abril 2013 64ª edição

Boletim Eletrônico Abril 2013 64ª edição Boletim Eletrônico Abril 2013 64ª edição ADOLESCENTES DE ALTO RISCO DEVERIAM REALIZAR RASTREAMENTO PARA CÂNCER DO COLO DO ÚTERO? A regressão das lesões de baixo grau (LSIL) em adolescentes é comum, mais

Leia mais

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA IVX CONGRESSO PAULISTA DE GINECOLOGIA E OBSTETRICIA CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA Lesão intra-epitelial de alto grau:hsil: Qual o significado? NIC

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

OCÂNCER DE COLO UTERINO ÉOSEGUNDO TU-

OCÂNCER DE COLO UTERINO ÉOSEGUNDO TU- colo uterino Rastreamento do câncer de colo uterino: desafios e recomendações Arquivo pessoal Evandro Sobroza de Mello * Médico patologista, coordenador do Laboratório de Anatomia Patológica do Instituto

Leia mais

Boletim Eletrônico Maio 2013 65ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br

Boletim Eletrônico Maio 2013 65ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br Boletim Eletrônico Maio 2013 65ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br QUAL O MELHOR SÍTIO PARA COLETA DE MATERIAL PARA PESQUISA DE CHLAMYDIA TRACHOMATIS? A infecção por Chlamydia trachomatis

Leia mais

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX www.cervixcolposcopia.com.br Gestantes Pós-menopausa Histerectomizadas Imunossuprimidas Adolescentes Mulheres sem história de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Sintoma. Neoplasias do Colo. Enfermagem. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Sintoma. Neoplasias do Colo. Enfermagem. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Patologia do colo uterino I-Citopatologia Profa. Sônia Maria Neumann Cupolilo Dra. em Patologia FIOCRUZ/RJ Especialista em Patologia SBP Especialista em Citopatologia SBC HPV Objetivos Conhecer o Programa

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

UICC HPV e CÂNCER CERVICAL CURRÍCULO

UICC HPV e CÂNCER CERVICAL CURRÍCULO UICC HPV e CÂNCER CERVICAL CURRÍCULO 01 Capítulo 2.c. Triagem e diagnóstico - Colposcopia Charité Universitätsmedizin Berlim, Alemanha Câncer cervical - 02 Estágios pré-cancerosos Diagnósticos - Citologia

Leia mais

Colposcopia na Gravidez

Colposcopia na Gravidez Colposcopia na Gravidez José Eleutério Junior A colposcopia é um método de excelência, associado ao Papanicolaou, no rastreio de lesões intra-epiteliais escamosas e neoplásicas, sendo usada para identificar

Leia mais

Citologia oncótica pela Colpocitologia

Citologia oncótica pela Colpocitologia ALTERAÇÕES ESCAMOSAS NÃO-REATIVAS NILM = negativo p/ lesão intra-epitelial cervical ASCUS e ASCH = células escamosas atípicas de significado indeterminado SIL = lesão intra-epitelial escamosa LSIL e HSIL

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Profissionais de Saúde Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação No Brasil existem cerca de seis milhões de mulheres entre 35 a 49 anos que nunca

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

O teste do HPV contribui na triagem para a colposcopia?

O teste do HPV contribui na triagem para a colposcopia? Trocando Ideias XIX 06 de agosto de 2015 Lesão de Baixo Grau O teste do HPV contribui na triagem para a Clique para editar o estilo do subtítulo mestre colposcopia? Flávia de Miranda Corrêa Epidemiologia

Leia mais

Citologia não adequada para o rastreio o que fazer?

Citologia não adequada para o rastreio o que fazer? RastreamENto: a d a u q e d a á t s e o ã n a i g o l o t i c a o Quand? r e z a f e u q o para o rastreio Yara furtado rj/unirio stre junta da uf e Professoradad m lo tu tí b u s o ig-ufrj/hugg lo ti

Leia mais

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia Yara Furtado Atipias de Células Glandulares Bethesda 1991 Bethesda 2001 Células Glandulares *Células endometriais, benignas, em mulheres na pós-menopausa

Leia mais

Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia Boletim Eletrônico Dezembro 2012 60ª edição

Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia Boletim Eletrônico Dezembro 2012 60ª edição Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia Boletim Eletrônico Dezembro 2012 60ª edição QUAIS AS EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS DE ALÍVIO DA DOR EM MULHERES COM NEOPLASIA INTRAEPITELIAL

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N.º,DE 2011

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N.º,DE 2011 REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N.º,DE 2011 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Requer informações ao Senhor Ministro de Estado da Saúde a respeito das estimativas das despesas orçamentárias para o qüinqüênio

Leia mais

HPV em mulheres infectadas pelo HIV Goldman ARNP, MPH

HPV em mulheres infectadas pelo HIV Goldman ARNP, MPH Welcome to I-TECH HIV/AIDS Clinical Seminar Series 30 de Agosto de 2012 HPV em mulheres infectadas pelo HIV Goldman ARNP, MPH Objectivos 1. Discutir a epidemiologia do HPV entre mulheres infectadas pelo

Leia mais

Boletim Eletrônico Agosto 2013 68ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br

Boletim Eletrônico Agosto 2013 68ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br Boletim Eletrônico Agosto 2013 68ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br PADRÕES DE POSITIVIDADE DO DNA-HPV E DE ANTICORPOS EM JOVENS DO SEXO FEMININO E MASCULINO SUGEREM QUE O CURSO NATURAL

Leia mais

Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo?

Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo? IX S impós io de Atualização em Ginecologia Oncológica III S impós io de Genitos copia do DF ABPTGIC Capítulo DF 12-14 de Maio de 2011 Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo? Fábio Russomano

Leia mais

Últimas evidências da efetividade das vacinas contra o HPV. Perspectivas clínicas

Últimas evidências da efetividade das vacinas contra o HPV. Perspectivas clínicas Últimas evidências da efetividade das vacinas contra o HPV Perspectivas clínicas Fábio Russomano 30 de agosto de 2008 É permitida a reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte: Russomano F, 2008

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br

avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br Alteracoes pos radioterapia e quimioterapia: como avaliar Os efeitos iatrogênicos causados na morfologia do epitélio pela radioterapia

Leia mais

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Objetivos do seguimento após tratamento de Câncer Detecção

Leia mais

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios PREVENÇÃO DE LESÕES EPITELIAIS DE COLO UTERINO EM GESTANTES ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE SANTA MARIA Área Temática: Saúde Thissiane de Lima Gonçalves 1 Leidiane de Lucca 2, Leiticia B. Jantsch³,

Leia mais

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES Fórum Unimed-Rio de Ginecologia RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES VERA FONSECA Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Presidente

Leia mais

Humberto Brito R3 CCP

Humberto Brito R3 CCP Humberto Brito R3 CCP ABSTRACT INTRODUÇÃO Nódulos tireoideanos são achados comuns e raramente são malignos(5-15%) Nódulos 1cm geralmente exigem investigação A principal ferramenta é a citologia (PAAF)

Leia mais

Boletim Eletrônico Outubro 2013 70ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br

Boletim Eletrônico Outubro 2013 70ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br Boletim Eletrônico Outubro 2013 70ª edição Visite nosso Site www.colposcopia.org.br QUAL É O RISCO DE DOENÇA RESIDUAL OU RECORRENTE APÓS CONIZAÇÃO EM MULHERES COM ADENOCARCINOMA IN SITU? O AIS cervical

Leia mais

Cancer de Colo do Útero

Cancer de Colo do Útero Cancer de Colo do Útero Câncer de colo do útero são alterações celulares que tem uma progressão gradativa e é por isto que esta é uma doença curável quando descoberta no início. Esta é a razão do exame

Leia mais

25 de Abril Quinta-feira RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E IMUNOPROFILAXIA PARA O HPV. Joaquim Neves

25 de Abril Quinta-feira RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E IMUNOPROFILAXIA PARA O HPV. Joaquim Neves 2013 25 de Abril Quinta-feira RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E IMUNOPROFILAXIA PARA O HPV Joaquim Neves Material de colheita de amostras para colpocitologia JOAQUIM NEVES Exocervix - espátula; escova;

Leia mais

Papiloma Vírus Humano

Papiloma Vírus Humano Papiloma Vírus Humano Grupo: Helder Freitas N 9 João Marcos Borges N 12 Luca Najan N 18 Matheus Pestana N 22 Rafael Cardoso N 28 Raphael Barros N 29 Thiago Glauber N33 Turma: 12 Professor: César Fragoso

Leia mais

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013 NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR diagnóstico e conduta RIO DE JANEIRO 2013 A NIV aumentou em 4 vezes nos EUA entre 1973 e 2000 A regressão da NIV existe O câncer invasor está presente em 3% das mulheres

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS 2013 INFECÇÃO EXTRAGENITAL POR HPV

TROCANDO IDÉIAS 2013 INFECÇÃO EXTRAGENITAL POR HPV INFECÇÃO EXTRAGENITAL POR HPV Doença Anal Importância e abordagem clinica Clique para editar o estilo do subtítulo mestre José Ricardo Hildebrandt Coutinho Serviço de Coloproctologia do Hospital Federal

Leia mais

O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora?

O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora? O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora? Folheto Consumidora 9x15cm.indd 1 7/21/08 6:07:48 PM A cada ano, 500.000 mulheres no mundo têm câncer do colo

Leia mais

Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST?

Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST? Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST? Nilma Antas Neves PHD, MsC, MD Profa. Adjunta Ginecologia Universidade Federal Bahia Presidente Comissão Trato Genital Inferior FEBRASGO Razões

Leia mais

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero CERVICOLP 2011 - XXII CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM PTGI E COLPOSCOPIA 29/9 a 01/10/2011 Fábio Russomano Possíveis conflitos

Leia mais

Rastreio Citológico: Periodicidade e População-alvo UNICAMP. Agosto 2012. Luiz Carlos Zeferino Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP

Rastreio Citológico: Periodicidade e População-alvo UNICAMP. Agosto 2012. Luiz Carlos Zeferino Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP Rastreio Citológico: UNICAMP Periodicidade e População-alvo Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Agosto 2012 Luiz Carlos Zeferino Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP Rastreamento citológico

Leia mais

EZT- Histórico, indicações, resultados e complicações

EZT- Histórico, indicações, resultados e complicações EZT- Histórico, indicações, resultados e complicações Trocando Idéias XV Junho de 2010 Fábio Russomano 29 de agosto de 2008 Eletrocirurgia? cauterização de feridas e tumores 1847 1a exérese de tumor por

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

Curso básico de Colposcopia

Curso básico de Colposcopia Curso básico de Colposcopia IV Curso Teórico-Prático de Colposcopia da UPColo Chalgarve Unidade Faro 5 e 6 de novembro de 2015 Universidade do Algarve Campus de Gambelas Programa Científico Caros(as) Colegas,

Leia mais

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO COMO CONDUZIR O SEU DIAGNÓSTICO RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNIFICADO INDETERMINADO O QUE SIGNIFICA? RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNICADO INDETERMINADO POR QUE? AS ALTERAÇÕES

Leia mais

Vacina quadrivalente recombinante contra papilomavírus humano (tipos 6, 11, 16 e 18)

Vacina quadrivalente recombinante contra papilomavírus humano (tipos 6, 11, 16 e 18) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Vacina quadrivalente recombinante contra papilomavírus humano (tipos 6, 11, 16 e 18) APRESENTAÇÕES A vacina quadrivalente recombinante contra papilomavírus humano (tipos 6,

Leia mais

SISCOLO RELATÓRIO 2008. PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2008

SISCOLO RELATÓRIO 2008. PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2008 1 SISCOLO RELATÓRIO 2008 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

HPV e Câncer Cervical. Brunna L. Misael Alves Programa de Oncovirologia Departamento de Genética

HPV e Câncer Cervical. Brunna L. Misael Alves Programa de Oncovirologia Departamento de Genética HPV e Câncer Cervical Brunna L. Misael Alves Programa de Oncovirologia Departamento de Genética Epidemiologia da infecção pelo HPV no mundo 600 11,4% milhões das mulheres de pessoas com infectadas citologia

Leia mais

01 Nos casos de histerectomia é necessário fazer a citologia do colo do útero?

01 Nos casos de histerectomia é necessário fazer a citologia do colo do útero? 01 Nos casos de histerectomia é necessário fazer a citologia do colo do útero? R. Conforme Diretrizes Brasileiras para Rastreamento do Câncer do Colo do Útero de 2001, na página 36, a recomendação é que:

Leia mais

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA.

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA. Como proporcionar atenção contínua às mulheres Mulheres diagnosticadas com infecção dos órgãos reprodutores devem receber prontamente tratamento segundo as diretrizes da OMS. Embora seja preferível poder

Leia mais

O perfil do Citotecnologista em Angola

O perfil do Citotecnologista em Angola HOSPITAL MILITAR PRINCIPAL/ INSTITUTO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA O perfil do Citotecnologista em Angola Elaborado pela Alice Soares da Silva, Chefe técnica de citologia do Departamento

Leia mais

PROJETO DE LEI No, DE 2009

PROJETO DE LEI No, DE 2009 PROJETO DE LEI No, DE 2009 (DO SR. CAPITÃO ASSUMÇÃO) Dispõe sobre a imunização de mulheres com a vacina contra o papilomavírus humano (HPV), na rede pública do Sistema Único de Saúde de todos os estados

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Nódulos tiroideanos são comuns afetam 4- a 10% da população (EUA) Pesquisas de autópsias: 37

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 09 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Índice de seguimento / levantamento de doenças intra-epiteliais previsto para 2013 no município de Salvador e ações

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGFRAL À SAÚDE Gerência de Saúde da Mulher, Criança e Adolescente

SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGFRAL À SAÚDE Gerência de Saúde da Mulher, Criança e Adolescente SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGFRAL À SAÚDE Gerência de Saúde da Mulher, Criança e Adolescente Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Dr. Claudio Gonzaga Amorim Área Técnica do

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 001/2015 CT PRCI n 99329 e Ticket n 278.867 Revisão e atualização Janeiro 2015

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 001/2015 CT PRCI n 99329 e Ticket n 278.867 Revisão e atualização Janeiro 2015 PARECER COREN-SP 001/2015 CT PRCI n 99329 e Ticket n 278.867 Revisão e atualização Janeiro 2015 Ementa: Cauterização de Condilomas por Enfermeiro. 1. Do fato Trata-se de uma revisão do parecer COREN-SP

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER CTSAB Nº 02/2013 Porto Alegre, 08 de julho de 2013. Aplicação de nitrogênio líquido em lesões genitais a partir de prescrição médica por profissional enfermeiro. I - Relatório Trata-se de um Parecer

Leia mais

RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E VACINAÇÃO CONTRA O HPV. Pedro Vieira Baptista

RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E VACINAÇÃO CONTRA O HPV. Pedro Vieira Baptista 2012 Norte 24 de Outubro Quinta-feira RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E VACINAÇÃO CONTRA O HPV Pedro Vieira Baptista Para começar... Referência a condilomatose anogenital por autores gregos e romanos.

Leia mais

Neoplasia intraepitelial cervical: envolvimento das margens de ressecção, após excisão eletrocirúrgica com alça, e recidiva da doença

Neoplasia intraepitelial cervical: envolvimento das margens de ressecção, após excisão eletrocirúrgica com alça, e recidiva da doença UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de 1808 Monografia Neoplasia intraepitelial cervical: envolvimento das margens de ressecção, após excisão eletrocirúrgica

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

PATOLOGIA CERVICAL. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy

PATOLOGIA CERVICAL. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIA CERVICAL Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIA CERVICAL O colo do útero possui o revestimento de sua superfície por dois tipos de epitélios: escamoso e colunar. O epitélio escamoso recobre a ectocérvice,

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Exame Papanicolaou. Câncer do Colo do Útero. Resultados.

PALAVRAS-CHAVE Exame Papanicolaou. Câncer do Colo do Útero. Resultados. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

XI Encontro do Câncer Ginecológico em Curitiba 17 de junho de 2010. Fábio Russomano

XI Encontro do Câncer Ginecológico em Curitiba 17 de junho de 2010. Fábio Russomano Rede colaborativa de Centros Qualificadores de Ginecologistas e Serviços de Referência para Atuação na Linha de Cuidado para a Assistência Secundária às Mulheres Portadoras de Lesão Intraepitelial Cervical

Leia mais

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA.

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA. UTVIG/NUVIG/ANVISA Em 31 de janeiro de 2011. Assunto: Nota de esclarecimento sobre notícia veiculada na mídia que trata de comunicado de segurança da FDA Food and Drug Administration sobre possível associação

Leia mais

Vacinas Bivalente e Quadrivalente: Prós e contras

Vacinas Bivalente e Quadrivalente: Prós e contras IX S impós io de Atualização em G inecolog ia Oncológ ica III S impós io de G enitos copia do DF AB PTG IC C apítulo DF 12-14 de Maio de 2011 Vacinas Bivalente e Quadrivalente: Prós e contras Fábio Russomano

Leia mais

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Rastreamento Populacional de Câncer Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Roteiro de aula Aspectos relacionados ao rastreamento de câncer Exercícios introdutórios Desenvolvimento

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 15 - Novembro/2010

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 15 - Novembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 15 - Novembro/2010 Atualização em Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia - Capítulo I - Prof. Dr. Flávio Zucchi - Formação médica: Universidade de Mogi das

Leia mais

Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia Boletim Eletrônico Fevereiro 2013 62ª edição

Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia Boletim Eletrônico Fevereiro 2013 62ª edição Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia Boletim Eletrônico Fevereiro 2013 62ª edição DIMINUIÇÃO SIGNIFICATIVA DA INCIDÊNCIA DE VERRUGAS GENITAIS EM MULHERES APÓS IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

QUAIS OS TIPOS DE HPV MAIS COMUNS QUE PODEM CAUSAR CÂNCER?

QUAIS OS TIPOS DE HPV MAIS COMUNS QUE PODEM CAUSAR CÂNCER? O QUE É O HPV? Sigla para Papilomavírus Humano, são vírus capazes de infectar a pele ou a mucosa. Existem mais de 150 tipos diferentes de HPV, dos quais 40 podem infectar o trato genital e, destes, 12

Leia mais

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 Vânia Stiepanowez de Oliveira Rocha Dados epidemiológicos Incidência

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

A NIC é categorizada nos graus 1, 2 e 3, dependendo da proporção da espessura do epitélio que apresenta células maduras e diferenciadas.

A NIC é categorizada nos graus 1, 2 e 3, dependendo da proporção da espessura do epitélio que apresenta células maduras e diferenciadas. Introdução à neoplasia intra-epitelial cervical (NIC) As neoplasias invasivas do colo uterino de células escamosas são precedidas por uma longa fase de doença pré-invasiva, conjuntamente denominada de

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais