1º Ten Al ROBERTA STORINO PUCCINI A IMPORTÂNCIA DO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DO HOSPITAL CENTRAL DO EXÉRCITO PARA O DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1º Ten Al ROBERTA STORINO PUCCINI A IMPORTÂNCIA DO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DO HOSPITAL CENTRAL DO EXÉRCITO PARA O DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA"

Transcrição

1 1º Ten Al ROBERTA STORINO PUCCINI A IMPORTÂNCIA DO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DO HOSPITAL CENTRAL DO EXÉRCITO PARA O DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA Trabalho de conclusão de curso apresentado à Escola de Saúde do Exército com requisito parcial para aprovação no Curso de Formação de Oficiais do Serviço de Saúde, especialização em Aplicações Complementares às Ciências Militares Orientador(a): Prof a Dr a Ana Célia Baptista Koifman Co-orientador: Ten Raphael Barbosa RIO DE JANEIRO 2009

2 P977i Puccini, Roberta Storino A importância do serviço de radiologia do Hospital Central do Exército para o dignóstico do câncer de mama / Roberta Storino Puccini. - Rio de Janeiro, f. ; 30 cm Orientadora: Ana Célia Baptista Koifman. Trabalho de Conclusão de Curso (especialização) Escola de Saúde do Exército, Programa de Pós-Graduação em Aplicações Complementares às Ciências Militares, Referências: f Hospital Central do Exército. 2. Câncer de Mama. 3. Mamografia. I. Koifman, Ana Célia Baptista. II. Escola de Saúde do Exército. III. Título. CDD

3 1º Ten Al ROBERTA STORINO PUCCINI A IMPORTÂNCIA DO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DO HOSPITAL CENTRAL DO EXÉRCITO PARA O DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO Prof a Dr a ANA CÉLIA BAPTISTA KOIFMAN Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Uni-Rio) Orientadora 1 Ten RAPHAEL BARBOSA ESSEx Avaliador Cap Wiviane Leal da Silva Avaliador RIO DE JANEIRO 2009

4 Dedico a minha família, meu alicerce.

5 AGRADECIMENTOS À Deus, por ter me dado forças para prosseguir e me possibilitar viver esta aventura. Aos meus pais, Teresa e Roberto por todo amor e dedicação, imprescindíveis nesta etapa da minha vida. À minha irmã Fernanda, amiga de todas as horas. Aos meus avós, Gilda e Francisco: exemplos de vida. Ao meu cunhado Bruno Monteiro, por sua amizade. Aos meus amigos da ESSEX, que juntamente comigo trilharam este caminho e, que me proporcionaram momentos inesquecíveis. À minha orientadora, Ana Célia Baptista Koifman, por ser uma inspiração para a minha carreira de radiologista e sem a qual este trabalho não seria possível. Ao meu coorientador 1º Ten Raphael Barbosa por ter permitido que este trabalho fluísse tranqüilamente.

6 RESUMO O câncer de mama é uma das causas mais importantes de mortalidade feminina. Na busca do diagnóstico cada vez mais precoce, a associação de métodos diagnósticos tem sido utilizada com êxito. A mamografia é o método de escolha para o rastreio do câncer de mama, mas por apresentar limitações, pode ser associado com outros métodos de imagem, como a ultra-sonografia e a ressonância magnética, para o esclarecimento de alterações no parênquima mamário. A proposta deste trabalho é determinar a importância do serviço de radiologia do Hospital Central do Exército para a detecção do câncer de mama e a real necessidade de implementar novos métodos de imagem neste nosocômio. Palavras-Chave: Câncer de mama; mamografia; Hospital Central do Exército.

7 ABSTRACT Breast cancer is one of the most important causes of death in women. The association of different diagnostic methods has been successfully employed to enhance early diagnosis. Mamography is the most efficient method to screen breast cancer, but it has limitation, so it should be necessary the association with other imaging methods, as ultrassond and magnetic resonance, to evaluate breast lesions. The purpose of this paper is to determine the importance that have the Radiology Center of the Army Hospital for detection of breast cancer and the real need to implement new imaging methods in that service. Key word: Breast cancer; mammography; Army Hospital.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Mamógrafo analógico Figura 2 Incidências crânio-caudal e médio-lateral obliqua Figura 3 Ultra-sonografia mamária Figura 4 Nódulo mamário no ultra-som Figura 5 Bobina de sinergia, com possibilidade de encaixe de ambas as mamas Figura 6 Seqüência gradiente-eco ponderada em T Figura 7 Incidência crânio caudal mostrando próteses de silicone Figura 8 Prótese de silicone íntegra mostrada à ultra-sonografia Figura 9 Prótese de silicone íntegra mostrada na ressonância magnética 21 Figura 10 Diferença na qualidade da imagem da mamografia análoga e na digital... 23

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONCEITOS TEMA PROBLEMA JUSTIFICATIVA OBJETIVO REFERENCIAL TEÓRICO Métodos de Imagem a) Mamografia b) Ultra-sonografia... c) Ressonância Magnética Procedimentos Diagnósticos Invasivos Métodos de imagem para a avaliação do câncer em mamas com prótese Novas Tecnologias... 4 DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS INTRODUÇÃO O câncer de mama é considerado problema de saúde pública no Brasil, devido à incidência e à repercussão no aspecto biopsicossocial do indivíduo, assim

10 reconhecido pelo Ministério da Saúde em maio de Em todo o mundo sua incidência tem aumentado 1 a 2 % ao ano, apesar de todos os esforços, sendo milhões de dólares usados em campanhas e outros bilhões gastos na busca de novos tratamentos (TESSARO, 1999 e DUARTE, 2006). Esta patologia representa a primeira causa de mortalidade por câncer entre as mulheres e as estatísticas do Instituto Nacional do Câncer demonstram variação porcentual na taxa de mortalidade de 68% no período de 1979 a Estas estatísticas têm provocado constante interesse nos órgãos de saúde, que têm direcionado esforços contínuos no desenvolvimento e aprimoramento de técnicas de rastreamento do câncer de mama, para que este seja detectado em seu estágio mais precoce (BRASIL -INCA, 2001 e LOUVEIRA, 2003). O tumor de mama é diagnosticado 10% menos a cada 5 anos, segundo dados estatísticos do National Institute of Cancer USA devido à melhora na qualidade dos exames de screening (DUARTE, 2006). Segundo Porto (2001), se o diagnóstico for feito precocemente, o tratamento será eficaz, apresentando um sucesso superior a 90%, podendo evitar a retirada total das mamas (PORTO, 2001 e DUARTE, 2006). Tudo isso vem corroborar a necessidade destes exames de rastreamento, a fim de antecipar a detecção do câncer de mama. 2 CONCEITOS 2.1 TEMA

11 Importância do Serviço de Radiologia do Hospital Central do Exército para o Diagnóstico do Câncer de Mama. 2.2 PROBLEMA O câncer de mama está em primeiro lugar entre os tipos de tumores malignos que afetam as mulheres. Como o Exército Brasileiro preza pela saúde e bem estar não apenas de sua tropa, mas também da família militar, faz-se necessário realizar um trabalho que mostre a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama nos usuários do maior hospital do Exército: o Hospital Central do Exército, visando a responder aos seguintes questionamentos: Qual a importância da realização de exames de imagem na investigação do câncer de mama e a real necessidade de implementação de novas tecnologias imaginológicas para a avaliação desta patologia em nosso nosocômio? 2.3 JUSTIFICATIVA Cerca de 50% das mulheres com câncer de mama operável obterão uma remissão prolongada ou serão curadas da sua doença pela cirurgia somente ou em combinação com radioterapia. Separar esse grupo de prognóstico favorável daquele no qual ocorrerá recorrência torna-se importante no sentido de identificar as pacientes que obterão benefícios com o tratamento sistêmico adjuvante. Por outro lado, identificar pacientes com prognóstico muito bom e que não requeiram tratamento complementar permitirá poupá-las dos efeitos colaterais da terapia adicional (PEDRINI, 2004 e DUARTE, 2006). A chave para o diagnóstico precoce do câncer de mama está na detecção facilitada por alguns recursos importantes como o exame físico das mamas por médicos habilitados, o auto-exame mensal e, principalmente, a mamografia (DUARTE, 2006). A mamografia continua a ser a mais importante técnica de imagem para as mamas. Trata-se do exame de escolha para o rastreamento populacional do câncer de mama em mulheres assintomáticas e é o mais indicado para avaliar a maioria das alterações clínicas mamárias (CHALA, 2007).

12 A ultra-sonografia é o principal método adjunto da mamografia e do exame físico na detecção e no diagnóstico das doenças mamárias e seu uso na prática clínica vem crescendo ao longo dos anos. A avaliação dos métodos de imagem, acima citados, já existentes no Hospital Central do Exército e a possibilidade de prover novos métodos mais eficazes na detecção do câncer de mama fazem-se necessários para um diagnóstico preciso de nossos usuários. 2.4 OBJETIVO O objetivo do presente estudo é avaliação dos exames de imagem existentes no Hospital Central do Exército para detecção do câncer de mama e a necessidade da implementação de novas tecnologias de imagem para um diagnóstico mais rápido e preciso desta patologia. Para isso, serão utilizados artigos científicos de revistas de Radiologia, publicados nos últimos 25 anos, disponíveis através de sites das próprias revistas e livros acadêmicos de Radiologia, disponíveis na biblioteca do Serviço de Radiodiagnóstico do Hospital Central do Exército REFERENCIAL TEÓRICO Segundo Chala (2007), os benefícios da detecção precoce do câncer de mama incluem o aumento das opções terapêuticas, a maior probabilidade de sucesso do tratamento e da sobrevida MÉTODOS DE IMAGEM a) MAMOGRAFIA

13 A mamografia é ainda hoje o melhor método de detecção precoce para o câncer de mama. Nos últimos 20 anos, houve melhora significativa no modo de aquisição da imagem mamográfica através da combinação do sistema filme/écran de alto contraste, do uso de grades anti-difusoras, foco mais fino (0,1mm), que permite o uso da técnica de ampliação, assim como, também a melhoria do processamento específico para a mamografia ( MARANHÃO, 2007). Figura 1- Mamógrafo Analógico A alta qualidade mamográfica envolve a arte de posicionar e a ciência de produzir imagem. A mamografia com o propósito de rastreamento em população assintomática é geralmente limitada em oblíquo-médio-lateral (OML) e crânio-caudal (CC). (EKLUND, 1992 e DUARTE, 2006). Essas projeções são comumente referidas como projeções mamográficas padrões. Incidências complementares são muitas vezes necessárias para dirimir dúvidas, sendo usadas como complementação diagnóstica e esclarecimento de achados detectados nas radiografias de rastreamento ou ao exame físico. (SICKLES, 1989; EKLUND, 1992 e DUARTE, 2006).

14 Figura 2 Incidências crânio-caudal e médio-lateral oblíqua Porém, a mamografia apresenta limitações, principalmente em mamas densas, que é a característica de mulheres jovens. Outras limitações da mamografia são os tumores localizados nas bordas da mama, especialmente junto ao esterno sulco inframamário e prolongamento axilar. De qualquer forma, alteração no exame físico, sem correspondência coma mamografia, deve indicar avaliação com outro método imaginológico, como a ultra-sonografia e/ou a ressonância magnética (DUARTE, 2006). A terminologia utilizada para sistematização de laudos mamográficos adotada no Brasil está contida no léxico integrante do ACR (American College of Radiology) Breast Imaging Reporting and Data System (BI-RADS), o qual sintetiza os achados mamográficos com implicações diagnósticas em categorias, a saber: - BI-RADS 0: Achado mamográfico que requeira investigação complementar (incidências mamográficas complementares ou outro método de imagem); - BI-RADS 1: Ausência de achados mamográficos valorizáveis; - Bi-RADS 2: Lesões definitivamente benignas; - Bi-RADS 3: Lesões provavelmente benignas; - BI-RADS 4: Achado suspeito: 4A suspeição baixa; 4B suspeição intermediária; 4C suspeição alta; - BI-RADS 5: Lesões altamente suspeitas; - BI-RADS 6: Achados já com diagnóstico de câncer. (ACR, 1998; DUARTE, 2006 e CHALA, 2007). b) ULTRA-SONOGRAFIA

15 A ultra-sonografia é atualmente o melhor método adjunto à mamografia e ao exame físico na detecção do tumor de mama. A sua utilização como complemento da mamografia proporcionou uma redução de 25-35% no número de biópsias, apenas pela capacidade de diferenciar nódulos sólidos de císticos. (RAHBAR, 1999; KA- PLAN, 2001 e LOUVEIRA, 2003). Porém, ela não tem sido utilizada isoladamente no rastreamento do câncer de mama, pela dificuldade de demonstrar as microcalcificações que constituem mais de 50% dos carcinomas impalpáveis detectados mamograficamente. (MENDELSON, 1999 e DUARTE, 2006). Figura 3 Ultra-sonografia Mamária A ultra-sonografia está indicada para: diferenciação de nódulos císticos e sólidos detectados mamograficamente; avaliação de nódulos palpáveis em pacientes jovens (menos de 30 anos); mamas radiograficamente densas com lesão palpável oculta; na orientação de procedimentos invasivos; avaliação de assimetria focal; avaliação de nódulos localizados fora do campo mamográfico; suspeita de extravasamento de implantes de silicone, entre outros (DUARTE, 2006 e CHALA, 2007).

16 Figura 4 Nódulo mamário no ultra-som c) RESSONÂNCIA MAGNÉTICA A capacidade de demonstrar o carcinoma oculto mamograficamente permite que a ressonância magnética seja considerada um método promissor no estadiamento de pacientes com câncer de mama nas quais a cirurgia conservadora é o tratamento de escolha. (OREL, 2000 e DUARTE, 2006). Através do uso de gadolínio, é possível obter informações novas e diferentes dos métodos convencionais de imagem, como a mamografia e a ultra-sonografia, aumentando a acurácia dos mesmos. (HEYWANG-KÖBRUNNER, 1999 e DUARTE, 2006). É ainda necessário ter bobinas especiais para o estudo mamário, fundamentais por proporcionar alta resolução com detalhe espacial e capacidade de informação temporal para verificar a intensidade de captação do contraste nas lesões tumorais. (KALAF, 2006).

17 Figura 5 Bobina de sinergia, com possibilidade de encaixe de ambas as mamas. Apesar da ressonância magnética ter demonstrado especificidade variada, a sua sensibilidade para diagnosticar o carcinoma invasor chega próximo dos 100%. Em relação ao carcinoma ductal in situ, a sensibilidade é variada, entre 40 e 100%. Vários estudos já mostraram a capacidade da ressonância magnética em demonstrar carcinomas multifatoriais, multicêntricos e difusos ocultos clínica e mamograficamente. (DUARTE, 2006). As principais indicações de realização da ressonância magnética são: no câncer recém diagnosticado, antes da biópsia excisional para determinar a extensão da lesão e pesquisa de multifocalidade e multicentricidade; avaliação de carcinoma lobular invasor; identificar lesão oculta clínica e mamograficamente em pacientes com metástases axilares e sítio primário desconhecido; identificar doença residual após biópsia excisional com margens positivas antes da reexcisão; em mulheres com carcinoma ductal in situ extenso; avaliação de pacientes submetidas a quimioterapia neo-adjuvante. (DUARTE, 2006).

18 Figura 6 Seqüência gradiente-eco ponderada em T1, obtida no plano axial antes, durante e após a injeção do contraste paramagnético, com medida de intensidade do sinal (ROI) sobre o nódulo e curva de realce tipo III PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS INVASIVOS A taxa elevada de lesões que envolvem diferentes graus de suspeita requer condutas, menos agressivas, visando sobretudo reduzir o número de biópsias cirúrgicas desnecessárias. A punção aspirativa por agulha fina (PAAF) foi o primeiro destes procedimentos, que consiste na inserção de uma agulha com monitoramento ultra-sonográfico constante na área suspeita e aspiração de material desta área. (SVANE, 1993 e DUARTE, 2006). A core biopsia, também conhecida como biópsia de fragmentos, guiada por esteriotaxia tem desempenhado um papel de inestimável nesta área, o mesmo

19 resultado tem sido obtido com este procedimento guiado por ultra-som. A escolha entre os métodos de imagem para guiar a core biopsia, depende de em qual deles a lesão é mais nítida. (MARANHÃO, 1994 e DUARTE, 2006). As indicações do PAAF e da core biopsia são semelhantes, com exceção das microcalcificações que são melhor avaliadas por core biopsia. São indicações destes procedimentos: Lesões com alta probabilidade de malignidade (>75%), BI-RADS 5, para confirmação diagnóstica, com melhor planejamento cirúrgico; lesões múltiplas, para verificação de multifocalidade ou multicentricidade; lesões suspeitas, mas com menor probabilidade de malignidade (de 20 a 40%), BI-RADS 4, que são a indicação mais freqüente; lesões provavelmente benignas, BI-RADS 3, em que a probabilidade de malignidade é inferior a 2%, sendo a biópsia utilizada como confirmação de benignidade, algumas vezes, em pacientes com maior ansiedade ou com fatores de risco mais proeminentes. (DUARTE, 2006) MÉTODOS DE IMAGEM PARA A AVALIAÇÃO DO CÂNCER EM MAMAS COM PRÓTESE A utilização dos implantes mamários, tanto nas mamoplastias de aumento quanto para reconstruções mamárias, aumentou significativamente nas últimas duas décadas. (AZAVEDO, 1999 e LOUVEIRA, 2003). Vale lembrar, que as doenças mamárias que acometem pacientes com implantes são as mesmas de pacientes que não os utilizam, devendo a investigação diagnóstica proceder-se de forma similar. (KOPANS, 1999 e LOUVEIRA, 2003). Reconhece-se, porém, que existe maior prejuízo ao diagnóstico de lesões em pacientes com implantes, pois as incidências mamográficas de rotina (crânio-caudal e médio-lateral oblíqua) quase sempre não são suficientes para o estudo do parênquima mamário destas pacientes. O aspecto radiopaco dos implantes pode obscurecer grande parte do tecido mamário, principalmente as porções situadas mais posteriormente nas mamas. Além disso, a presença da prótese muitas vezes impede a compressão adequada das mamas, seja pelo desconforto promovido à paciente, como também pelo risco de ruptura. (BAUAB, 1994, AZAVEDO, 1999, KOPANS, 1999, PICCOLI, 2001 e LOUVEIRA, 2003).

20 Figura 7 - Incidência crânio caudal mostrando próteses de silicone Eklund e cols. descreveram em 1998, uma incidência mamográfica específica em que a prótese é deslocada posteriormente contra a parede torácica, enquanto o tecido mamário é estendido anteriormente, permitindo melhor exposição e compressão, e, por conseguinte, avaliação mais detalhada das porções anteriores das mamas. (AZAVEDO, 1999, KOPANS, 1999, PICCOLI, 2001 e LOUVEIRA, 2003). Um aspecto que deve ser ressaltado é a importância da correlação do exame mamográfico com dados clínicos, a fim de que um exame normal não seja considerado suficiente em paciente que apresente alteração palpável. Ao contrário, conhecendo-se a limitação do método devido à presença da prótese, torna-se imperativa a indicação de outros estudos, como a ultra-sonografia e a ressonância magnética, em pacientes com suspeita de nódulos não identificados à mamografia. (LOUVEIRA, 2003).

21 Figura 8 - Prótese de silicone íntegra mostrada à ultra-sonografia Figura 9 - Prótese de silicone íntegra mostrada na ressonância magnética As mesmas técnicas de biópsia podem ser utilizadas em mamas com e sem próteses. Nos pacientes com implante, dois problemas podem ocorrer: ruptura do mesmo e dificuldade de acesso à lesão a ser biopsiada. (KEMP, 2002 e LOUVEIRA, 2003). Em pacientes com reconstrução mamária pós-mastectomia com prótese de silicone, o exame mamográfico apresenta-se limitado, devido à dificuldade de posicionamento e principalmente pela sua pouca compressibilidade. Nessas pacientes, na busca de lesão residual/recidivante, a ultra-sonografia e a ressonância magnética são os métodos de escolha. (AZAVEDO, 1999, HEYWANG- KÖBRUNNER,1999, KOPLANS, 1999 e LOUVEIRA, 2003).

22 2.5.4 NOVAS TECNOLOGIAS Houve, nos últimos anos, crescente preocupação com a melhora na tecnologia que envolve a qualidade da imagem em mamografia, sendo caracterizada, principalmente, pelo melhor contraste das estruturas a serem analisadas, já que o tecido mamário normal e o patológico possuem densidades radiológicas semelhantes. Os principais fatores que podem limitar esse contraste incluem energia do feixe, combinação écran-filme, processamento do filme, quantidade de radiação medida em miliampère por segundo (mas), condições de visualização, além do fato de o filme ser simultaneamente receptor da imagem, meio de visualização e meio de armazenagem em longo prazo. Essas limitações podem levar à perda do contraste da imagem, especialmente quando as condições de exposição ou processamento do filme levam a uma redução da densidade óptica em tecidos contendo lesão. (YOUNG, 1995, ROBSON, 1995 e FREITAS, 2006). Para sanar estas limitações criou-se a mamografia digital, na qual os processos de aquisição da imagem, demonstração e armazenamento são separados, o que leva à otimização de cada uma dessas etapas. Neste novo método de imagem a radiação é transmitida através da mama e absorvida por um detector eletrônico, em resposta fiel a uma ampla variedade de intensidades. Uma vez que esta informação é armazenada, ela pode ser demonstrada usando técnicas computadorizadas de imagem, permitindo variações de brilho e contraste e ampliação, sem a necessidade de exposições radiológicas adicionais para a paciente. (FREITAS, 2006). O processamento da imagem digital possibilita a exibição detalhada da mama em toda a sua extensão, desde a linha de pele até a parede torácica, sem haver perda de contraste e definição. Este recurso é denominado equalização dos tecidos. (MARANHÃO, 2007).

23 Figura 10 Diferença na qualidade da imagem da mamografia análoga e na digital. Em resumo, as principais vantagens da mamografia digital são: quantidade significativamente maior de informação por imagem; eliminação do sistema filme/écran e dos respectivos custos com o processamento; obtenção da imagem em tempo quase real 10s após a exposição; manipulação da imagem por meio de inversão, zoom e lente eletrônica, havendo diminuição da necessidade de repetição de alguma incidência, levando, conseqüentemente, a uma redução da dose de radiação e do desconforto para a paciente em decorrência de uma nova compressão da mama. A mamografia digital permite ainda o arquivamento eletrônico das imagens e transmissão de cada estudo, eliminando o problema de filmes perdidos e, eventualmente, da necessidade de arquivos de filmes. As imagens poderão ser transmitidas eletronicamente para vários médicos, simultaneamente, ou ser fornecidas ao paciente, sem perda de qualidade. (FREITAS, 2006, DUARTE, 2006 e MARANHÃO, 2007). O maior e mais atual estudo multicêntrico já realizado para rastreamento com mamografia digital, numa população assintomática, é o Digital Mammographic Imaging Screening Trial (DMIST). Este estudo foi conduzido pelo American College of Radiology Imaging Network (ACRIN). Ele teve início em outubro de 2001 com o propósito primário de avaliar a acurácia diagnóstica da mamografia digital em comparação com a mamografia convencional, em mulheres assintomáticas, para mamografia de rastreamento. Durante um período de dois anos, mulheres foram recrutadas para mamografia de screening, em 33 estados dos Estados Unidos e Canadá. Todas as pacientes foram submetidas à mamografia digital e analógica em ordem randômica. Os dois métodos foram interpretados independentemente por

24 dois radiologistas. Os resultados iniciais deste estudo foram apresentados em setembro de 2005 e demonstraram que, na população inteira estudada, a acurácia diagnóstica da mamografia digital e analógica foi similar, contudo, a acurácia da mamografia digital foi significativamente maior nas mulheres abaixo da idade de 50 anos, com mamas heterogeneamente densas ou extremamente densas, e nas mulheres na pré e perimenopausa. Não houve diferença estatisticamente significativa entre a mamografia digital e o filme mamográfico convencional entre mulheres com 50 anos ou mais, mulheres com mamas lipossubstituidas ou com densidades fibroglandulares dispersas, e em pós-menopausadas. Pode-se afirmar que a maior contribuição deste estudo foi demonstrar a superioridade da mamografia digital em relação às mamas densas, que constituem, até hoje, um fator limitante na detecção de lesões mamárias. (PISSANO, 2005 e MARANHÃO, 2007). Como perspectiva futura, existe a tomossíntese digital que consiste em uma série de imagens reconstruídas eletronicamente permitindo a caracterização de diferentes planos seccionais da mama, com cortes de poucos milímetros de espessura. A dose total de radiação é comparável à dose de uma única incidência mamográfica. Pode-se então ter uma reconstrução 3D da imagem. Isso possivelmente deverá melhorar a habilidade de detectar tumores que atualmente não são vistos à superposição do parênquima adjacente. (DUARTE, 2006 e MARANHÃO, 2007 ).

25 3 DISCUSSÃO O Hospital Central do Exército é um hospital quaternário e como tal apresenta em seu serviço de radiodiagnóstico aparelhos modernos para a detecção precoce do câncer de mama e pronto atendimento de seus usuários. Atualmente o serviço dispõe de dois mamógrafos, um SIEMENS 3000 e um MEDICOR HFG, que permitem a realização das incidências padrão e complementares, compressões e ampliações, gerando imagens de alta qualidade. Ambos têm a capacidade para acoplar um equipamento específico para realização de estereotáxia. O setor de radiodiagnóstico também possui dois aparelhos de ultrasonografia, um TOSHIBA Xario e um LOGIC 5 GE, com transdutores lineares de alta freqüência, variando de 7,5 a 12 MHz, que apresentam melhor definição da imagem, proporcionando uma maior confiabilidade dos diagnósticos, e que também permitem a realização de punções aspirativas por agulhas finas (PAAF), guiadas por este método. Existe ainda um aparelho de ressonância magnética da PHILIPS de 1,5 Tesla, necessitando apenas da bobina apropriada para a avaliação da glândula mamária. Visando uma melhoria futura, seria de fundamental importância à aquisição de bobinas mamárias para a realização de ressonância magnética de mama, a fim de diagnosticar carcinomas ocultos mamograficamente, e de pistolas de avanço longo para realização de core biopsia, que poderá ser realizada por estereotaxia ou guiada por ultra-som, a fim de realizar um estudo histo-patológico dos nódulos e microcalcificações encontradas através dos exames de imagem. Há ainda a possibilidade de implantação da mamografia digital, que permite que o radiologista possa alterar o brilho, o contraste e a ampliação da imagem adquirida, evitando a necessidade de nova exposição da paciente à radiação, além disso, do uso da telerradiologia para enviar as imagens para centros de referência em mama, de forma a propiciar o debate com radiologistas especializados nesta área a fim de dirimir dúvidas sobre casos mais complexos.

26 4 CONCLUSÃO Pelo exposto, concluímos que, embora o Hospital Central do Exército preste um serviço de extrema qualidade para o diagnóstico do câncer de mama, torna-se necessário à modernização dos exames de imagem existentes e implementação de métodos mais modernos, para que o médico radiologista tenha maior segurança na avaliação e no direcionamento da investigação diagnóstica desta patologia. REFERÊNCIAS

27 ACR (AMERICAN COLLEGE OF RADIOLOGY). Ilustrated Breast Imaging Reporting and Data System BI-RADS. 3ed. Reston, American College of Radiology, AZAVEDO, E.; BONE, B. Imaging breasts with silicone implants. Eur Radiol 9:349-55, BAUAB, S. P. Aspectos radiológicos e ecográficos das mamas com próteses de silicone. Radiol Bras 27: , BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE, INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER: Estimativas da incidência e da mortalidade por câncer. Rio de Janeiro: INCA, CHALA, L.F., BARROS, N. Avaliação das mamas com métodos de imagem. Radiol Bras Vol. 40 n1, São Paulo, Jan/Fev DUARTE, D.L. A mama em Imagens. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FREITAS, A.G.; KEMP, C.; LOUVEIRA, M. H.; FUJIWARA, S.M.; CAMPOS, L. F. Mamografia digital: Perspectiva atual e aplicações futuras. Radiol Bras Vol. 39 n4, São Paulo, Jul/Ago 2006 EKLUND, G.W.; CARDENOSA, G.; The art of mammographic positioning. Radiol Clin of North Am 30:21-53, HEYWANG-KÖBRUNNER, S.; SCHEER,I.; DERSHAW, D.D.; FRASSON, A. Alterações pós-traumáticas,pós-cirurgícas e pós-terapêuticas. In: Heywang- Köbrunner, S.; Scheer,I.; Dershaw, D.D.; Frasson, A. eds. Mama. Diagnóstico por Imagem ª ed Rio de Janeiro, RJ. Revinter, KALAF, J.M. Qual a importância da Ressonância Magnética para descobrir Lesões na Mama?. Campinas, SP, Disponível em: Acesso em: 05/05/2009. KAPLAN, S.S. Clinical utility of bilateral whole-breast US in the evaluation of women with dense breast tissue. Radiology 221:641-9, KEMP, C. Intervenção percutânea mamária dirigida pela ultra-sonografia. In: Kemp,

28 C.; Baracat, F.F.; Rostagno, R.; eds. Lesões não palpáveis da mama diagnóstico e tratamento ª ed. Rio de Janeiro, RJ. Revinter, KOPANS, D.B. Mama alterada, gravidez, lactação biópia, mastectomia, radiação e implantes. In: Kopans, D.B., ed. Imagem da Mama. p , 2ª ed, Rio de Janeiro, RJ. Revinter, LOUVEIRA, M.H.; SOUZA, L.R.M.F.; CASTRO, I.M.; ELIAS, S.; SZEJNFELD, J; KEMP, C. Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: Revisão da Literatura e Aspectos Atuais. Rev Imagem 25(2): , LOUVEIRA, M.H.; CASTRO, I.M.; SOUZA, L.R.M.F.;FREITAS, A.G.; SZEJNFELD, J, KEMP, C. Avaliação da mama com implante pelos diversos métodos de imagem (mamografia, ultra-sonografia e ressonância magnética) Rev Imagem 25(3): , MARANHÃO, N., NASCIMENTO, R., VASCONCELOS, G., BIONE, D. Vantagens e Limitações do Diagnóstico Mamográfico. Campinas, SP, Disponível em: Acesso em: 19/04/2009 MARANHÃO, N. Esteriotaxia. In: Duarte, D. L. (ed) Radiologia da Mama. Rio de Janeiro, MEDSI, MENDELSON, E.B. A Mama. In: Rumack, C.M.; Wilson, S.R.; Charboneu, J.W. Tratado de Ultra-sonografia Diagnóstica. Vol 1, Cap 23, p , Rio de Janiero, RJ. Guanabara Koogan, OREL, S.G. MR imaging of the breast. Radiologic Clinics of North America, 38(4): , July PEDRINI, J.L., PEDRINI, M., SAVARIS RF, MACHADO, L., GRUDZINSKI, M., ZETTLER, C.G. Reassessing tumor markers in local recurrences of breast câncer: a new insight. Med Sci Monit 10:BR462-7, PICCOLI, c. W. Imaging of the patient with silicone gel breast implants. Magn Reson Imaging Clin N Am 9: , PISANO, E. D.; GATSONIS, C. A.; YAFEE, M. J.; HENDRICK, R. E.; TOSTESON, A.N.A.; FRYBACK, D.G.; BASSSET, L.W.; BAUM, J.K.; CONAT, E.F.; JONG, R.A.; REBNER,M.; D ORSI, C.J. American College of Radiology Imaging Ntework Digital

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Mamografia Overview Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Introdução O que é a mamografia? A mamografia é um exame que tem como objectivo o estudo do tecido mamário, realizado

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES As incidência complementares são realizadas para esclarecer situações suspeitas detectadas nas incidências

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D?

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D? TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL O que é? Qual a diferença para a mamografia 2 D? Quais são suas indicações? TOMOSSINTESE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DA MAMOGRAFIA Maior detalhe da estrutura mamária Grande promessa

Leia mais

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR)

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) XXX CONGRESSO PARAIBANO DE GINECOLOGIA VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) Norma Maranhão norma@truenet.com.br EVOLUÇÃO

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : o que é e quais as suas vantagens? Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : mamografia do futuro? MAMOGRAFIA: exame com limitações -Pouco

Leia mais

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 Diferentes alterações no tecido mamário podem produzir achados de imagem semelhantes, porém, em alguns casos, esses

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: A TOMOSSÍNTESE NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos atuais

Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos atuais Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários / Louveira MH et al. Artigo de Revisão Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010 Ano I - Número I - Julho 2010 Avaliação ultrassonográfica da recorrência ganglionar em pacientes operadas por câncer de mama. Prezado colega, Acompanhando o ritmo acelerado da produção científica em medicina

Leia mais

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008 Belo Horizonte Maio 2008 Autoras: Dra. Christiane Guilherme Bretas Dra. Sandra

Leia mais

TEXTO 8 O EXAME DE MAMOGRAFIA: ABORDAGEM DA USUÁRIA,

TEXTO 8 O EXAME DE MAMOGRAFIA: ABORDAGEM DA USUÁRIA, TEXTO 8 O EXAME DE MAMOGRAFIA: ABORDAGEM DA USUÁRIA, POSICIONAMENTOS E INCIDÊNCIAS NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 INTRODUÇÃO O câncer de mama é a neoplasia maligna com maior incidência na mulher excetuando-se

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM EXAMES DE MAMA

A IMPORTÂNCIA DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM EXAMES DE MAMA A IMPORTÂNCIA DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM EXAMES DE MAMA Lisane Claudete Granetto Tonet Pós-graduanda em Ressonância Magnética Nuclear pelo Centro de Imagem e Saúde (CIMAS) Unidade São Paulo, SP, Brasil.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA: EXAME PREVENTIVO

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA: EXAME PREVENTIVO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA: EXAME PREVENTIVO CASCAVEL PR 2010 2 CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA:

Leia mais

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012)

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Prezados Colegas No final de 1992, voltávamos de curso de imagenologia mamária ministrado

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias?

Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias? mama Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias? Divulgação Cláudia T. Salviato Mameri * Mestre em radiologia pela Unifesp; mastologista; professora e coordenadora

Leia mais

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2 ESTUDO CLÍNICO-PATOLÓGICO E IMUNOHISTOQUÍMICO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES JOVENS DIAGNOSTICADAS E TRATADAS NO HOSPITAL DE CÂNCER DE PERNAMBUCO NO PERÍODO DE 1996 A 2006. Marília Ávila Acioly 1 ; Maria

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Graduação em Saúde da Criança e da Mulher

Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Graduação em Saúde da Criança e da Mulher Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Graduação em Saúde da Criança e da Mulher Punção Aspirativa por Agulha Fina e Punção por Agulha Grossa: Correlação dos Resultados Cito-histopatológicos

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 1 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 2 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A ressonância magnética (RM) das mamas tem sido cada vez mais utilizada para o diagnóstico preciso tanto do câncer primário como do câncer recorrente,

Leia mais

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CASCAVEL 2010 2 DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. 88) O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE torna pública, nos termos do artigo

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA José Luís Esteves Francisco Comissão Nacional de Mamografia SBM CBR FEBRASGO Ruffo de Freitas Júnior Presidente Nacional da Soc. Bras. De Mastologia Rede Goiana de Pesquisa

Leia mais

MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS?

MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS? MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS? O Que diz a literatura sobre Risco de Câncer de Mama RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia VII Encontro Nacional para o Controle do Câncer de Colo do Útero e de Mama QUALIDADE DA MAMOGRAFIA A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia Objetivo - Roteiro Descrever as

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA Rosangela da Silveira CORRÊA, Ruffo FREITAS-JÚNIOR, João Emílio PEIXOTO, Maria Eugênia da Fonseca LEMOS, Rosemar Macedo de Sousa RAHAL Programa de

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Abstract. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. Abstract. Resumo 38 Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 37, n o. 1, de 2008 1806-4280/08/37-01/38 Arquivos Catarinenses de Medicina ARTIGO ORIGINAL Avaliação do risco de malignidade de lesões mamográficas birads 4a,

Leia mais

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado 15.6.2012 MÓDULO 1 - Mama normal; Patologia benigna; Patologia prémaligna; Estratégias de diminuição do risco de Cancro da Mama. 1 1 Introdução ao Programa de Formação 9:00 9:15 1 2 Embriologia, Anatomia

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS AUTOR Dr.

Leia mais

Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama

Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama ATUALIZAÇÃO Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama Magnetic Resonance Image in the Breart Cancer Diagnosis Herculano Renato Zeri Almir Antônio Urbanetz Hélio Rubens de Oliveira

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

Contribuição das incidências mamográficas complementares na investigação do câncer mamário

Contribuição das incidências mamográficas complementares na investigação do câncer mamário Contribuição das incidências mamográficas complementares na investigação do câncer mamário The contribution of additional mammograhic views for the diagnosis of breast cancer Beatriz Regina Alvares 1,

Leia mais

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos Prof.ª Esp. Natália Ficagna ANATOMIA DA MAMA Tecido Glandular + Tecido Conjuntivo +Tecido Adiposo Alvéolo Lóbulo Lobo Ducto Lactífero Seio Lactífero - Mamilo As

Leia mais

Radiografias: Aplicações

Radiografias: Aplicações Radiografias: Aplicações Prof. Emery Lins Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC E como ocorre uma radiografia? Fundamentos físicos para imagens Filtragem dos Raios-X O feixe é atenuado

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA REALIZADO POR MAMOGRAFIA E ULTRASSONOGRAFIA: UMA RELAÇÃO CLÍNICA

DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA REALIZADO POR MAMOGRAFIA E ULTRASSONOGRAFIA: UMA RELAÇÃO CLÍNICA 1 DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA REALIZADO POR MAMOGRAFIA E ULTRASSONOGRAFIA: UMA RELAÇÃO CLÍNICA Francielle Rodrigues da Silva Teixeira 1, Iana de Castro Farias 1, Paula Luísa Melo de Barros 2, Pablo Teixeira

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

Avaliação da mama com implante pelos diversos métodos de imagem (mamografia, ultra-sonografia e ressonância magnética

Avaliação da mama com implante pelos diversos métodos de imagem (mamografia, ultra-sonografia e ressonância magnética valiação da mama com implante pelos diversos métodos de imagem / Louveira MH et al. rtigo de Revisão valiação da mama com implante pelos diversos métodos de imagem (mamografia, ultra-sonografia e ressonância

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Tema: Linfonodo sentinela no câncer de mama I Data: 27/09/2007 II Grupo de Estudo: Izabel Cristina Alves Mendonça; Célia Maria da Silva;

Leia mais

Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Tratamento Conservador do Cancro da Mama Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Sessão Clínica Serviço de Ginecologia Diretora de Departamento: Dra. Antónia Nazaré Diretor de Serviço: Dr. Silva Pereira Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE

OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE AGOSTO DE 2002 A 01 DE AGOSTO DE 2003, NO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE

Leia mais

Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC)

Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC) 135 Artigo Original Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC) Evaluation of the profile indications from breast

Leia mais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Geraldo Henrique Neto 1, Gilmar Cação Ribeiro 1, Fabio Valiengo Valeri 2 1 Bacharelado em Ciência da Computação, Centro Universitário Moura Lacerda, Brasil

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE NÓDULOS MAMÁRIOS NÃO PALPÁVEIS

DIAGNÓSTICO DE NÓDULOS MAMÁRIOS NÃO PALPÁVEIS Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR DIAGNÓSTICO DE NÓDULOS MAMÁRIOS NÃO PALPÁVEIS Painel de Especialistas em Imagem da Mulher Grupo de Trabalho de Mamas: Carl D Orsi, Médico

Leia mais

Agradecimentos. Os autores

Agradecimentos. Os autores MAMOGRAFIA Aldecy Teixeira Dantas (T.C.B.R.) José Cerqueira Dantas (T.C.B.R.) José Ozanan Vilarinho (T.C.B.R.) Henrique Andrade Júnior (T.C.B.R.) Lysia Ribeiro Formiga Matos (T.C.B.R.) Adriana Sandra Martins

Leia mais

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama Invenia ABUS Screening TM Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound Roberta Fernandes MSc. Engenharia Biomédica COPPE/UFRJ Gerente Clínica Radiologia Geral Ultrassonografia GE Healthcare Incidência do Câncer

Leia mais

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008)

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) De Bock GH, Beusmans GHMI, Hinloopen RJ, Corsten MC, Salden NMA, Scheele ME, Wiersma Tj traduzido do original em

Leia mais

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

Leia mais

1. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS

1. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS 1. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS Especialização Técnica de Nível Médio em Mamografia Eixo A Tecnológico Ambiente e Saúde, atende ao disposto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) Lei Federal

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 27 Dezembro 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 27 Dezembro 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918 Revista Portuguesa de irurgia II Série N. 27 Dezembro 2013 ISSN 1646-6918 Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia CADERNO ESPECIAL Imagiologia no Carcinoma da Mama Imaging techniques in Breast

Leia mais

MARCAÇÃO PRÉ-CIRÚRGICA - MANUAL SBM Celestino de Oliveira Marconi Luna Ricardo Chagas

MARCAÇÃO PRÉ-CIRÚRGICA - MANUAL SBM Celestino de Oliveira Marconi Luna Ricardo Chagas MARCAÇÃO PRÉ-CIRÚRGICA - MANUAL SBM Celestino de Oliveira Marconi Luna Ricardo Chagas A maior utilização da mamografia no rastreio do câncer de mama tem conduzido à detecção de anomalias impalpáveis que

Leia mais

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM Direção: Dr. Carlos Alberto Martins de Souza Coordenação: Fis. Antonio Pires Filho Supervisão: Drª Leolinda Maria E.

Leia mais

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Sumário Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Seção 1 Introdução 1 Epidemiologia 3 2 Diretrizes de rastreamento do câncer de mama na população geral e de alto risco 9 3 Mamografia 17 4 BI-RADS ACR (Breast

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011

NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011 NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011 Gynecologic Imagin Reporting Dr. Ayrton Roberto Pastore Livre-Docente do Departamento de Radiologia da Faculdade de Medicina da USP Coordenador do Setor

Leia mais

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão?

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? Vladmir Cláudio Cordeiro de Lima, MD, PhD Hospital A.C. Camargo São Paulo - Brasil Rastreamento do Câncer de Pulmão Fonte: World Health Organization.

Leia mais

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer.

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer. Conduta no NT Resultado citológico diagnóstico ou suspeito de CTP cirurgia é recomendada. (A) Nódulos parcialmente císticos com aspirados repetidamente não diagnósticos observação rigorosa ou cirurgia

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato

MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato O exame de mamografia é um exame que utiliza raios-x e um aparelho próprio chamado mamógrafo, com ampola composta de Molibdênio, o que permite melhor avaliação de partes

Leia mais