DEGUSTAÇÃO. Introdução. Objetivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEGUSTAÇÃO. Introdução. Objetivos"

Transcrição

1 NÓDULO MAMÁRIO ANA DUBOC ROCHADEL JULIANA OLIVEIRA SOARES 109 PROMEF Ciclo 9 Volume 1 Introdução Nódulo mamário é a segunda queixa mamária mais comum em um consultório de APS; a primeira mais comum é a queixa de dor nas mamas. 2 Em um estudo holandês, nódulo mamário representou 8,8% dos motivos de consulta na atenção primária à saúde (APS) e 29% das queixas relativas às mamas. Portanto, a maior parte desses nódulos corresponde a afecções benignas ou erros de palpação, e somente 8,1% tratava-se de câncer de mama. 1 Ao médico de família e comunidade (MFC), cabe a investigação inicial e o prosseguimento adequado, que inclui tranquilizar a paciente, esclarecer o diagnóstico, acompanhar as mulheres com nódulo mamário ou coordenar o cuidado nos casos que necessitem ser encaminhados ao especialista. Como a maioria das afecções benignas não tem relação com o câncer de mama, o exame clínico cuidadoso, a biópsia por aspiração e os exames de imagem, quando indicados, reduzem a quantidade de intervenções cirúrgicas. 3 Além disso, o sistema público apresenta dificuldade de acesso e pouca agilidade no atendimento de mulheres sintomáticas, sobretudo, falta de especialistas em mastologia, o que faz com que o MFC necessite adquirir cada vez mais informações e conhecimento específico no diagnóstico diferencial de doenças de mama. 2 Objetivos Ao final da leitura deste artigo, o leitor será capaz de: diferenciar nódulo mamário de pseudonódulos ou de alterações inflamatórias que podem simular nódulos na mama; compreender a importância de investigar queixas de nódulo mamário na APS; reconhecer a importância do rastreamento de câncer de mama na APS, considerando as melhores evidências atuais; entender o papel do MFC nos vários aspectos da prevenção do câncer de mama; identificar o momento de encaminhar para o ambulatório de especialidade focal.

2 110 NÓDULO MAMÁRIO Esquema conceitual Investigação, diagnóstico e tratamento Mastite aguda Abscesso mamário Abscesso subareolar crônico recidivante Mastite granulomatosa Rotura de implantes Processos inflamatórios Ectasia ductal Eczema areolar Necrose gordurosa Tumores benignos Tumores malignos O papel do médico de família e comunidadde nos vários aspectos da prevenção do câncer de mama Rastreamento de câncer de mama com enfoque para prevenção quaternária Diagnóstico histológico dos tumores malignos Encaminhamento da paciente para o mastologista Erros comuns na atenção primária à saúde Casos clínicos Conclusão Doença de Mondor Galactocele Fibroadenomas Hamartomas Papiloma intraductal Cicatriz radial Hiperplasias Lipomas Alterações funcionais benignas da mama Rastreamento por exame clínico da mama Rastreamento por autoexame das mamas Rastreamento por ecografia mamária Rastreamento por ressonância magnética das mamas Rastreamento de BRCA1 e BRCA2 Rastreamento por mamografia Carcinoma ductal Carcinoma lobular in situ e invasivo Caso clínico 1 Caso clínico 2 Classificação de Breast Image Reporting and Data System Rastreamento por mamografia digital

3 Investigação, Diagnóstico e Tratamento Antes de se abordarem as causas mais comuns de nódulos mamários, convém fazer-se uma revisão da anatomia da mama e do tipo de lesão mamária mais provável pela localização (Figura 1). NORMAL Unidade lobular do ducto terminal LESÃO Cisto Adenose esclerosante Papiloma ductal pequeno Hiperplasia Hiperplasia atípica Carcinoma 111 PROMEF Ciclo 9 Volume 1 Estroma lobular Mamilo e aréola Músculo liso Ductos maiores e seios lactíferos Estroma interlobular Músculo peitoral Parede torácica e costelas Fibroadenoma Tumor filoide Ectasia ductal Abscesso subareolar recorrente Papiloma ductal solitário Doença de Paget Necrose gordurosa Lipoma Tumor fibroso PASH Fibromatose Sarcoma PASH: hiperplasia estromal pseudoangiomatosa. Figura 1 Anatomia da mama Fonte: Adaptado de Kummar e colaboradores (2005). 4 LEMBRAR A queixa de nódulo mamário, detectado pela própria paciente, é comum no consultório da APS. 1 Frente à queixa de nódulo mamário, é necessário primeiramente definir se trata-se de um nódulo real, pois existem os achados palpatórios fisiológicos, chamados pseudonódulos, e as alterações inflamatórias que podem simular nódulos na mama. 5 Podem ser considerados pseudonódulos: 5 a junção costoesternal em pacientes magras; o tecido adiposo aprisionado entre os ligamentos de Cooper, mais comuns nos quadrantes inferiores em mulheres menopausadas; o prolongamento axilar; a diferença de consistência entre a região subareolar e o parênquima com impressão de degrau à palpação; as margens laterais abruptas em mamas discoides.

4 112 NÓDULO MAMÁRIO LEMBRAR A suspeição varia, principalmente, com a correlação entre tipo de nódulos mamários mais comuns e a idade da paciente. 5 A seguir ilustra-se o algoritmo de investigação de nódulo mamário, de acordo com idade da paciente (Figura 2). Correlação entre idade e tipo de nódulo mamário: 5 Idade 35 anos Ecografia mamária* Cisto complexo, nódulo sólido ou indeterminado Nódulo mamário Idade > 35 anos ou mulher na pós-menopausa Mamografia, complementada ou não por ecografia mamária Cisto simples até 35 anos: fibroadenomas; entre 35 e 50 anos: alteração fibrocística; acima de 50 anos: carcinoma. Abscesso identificado no exame físico Drenagem e/ou tratamento com antibióticos. Solicitar exames de imagem após o tratamento, de acordo com a situação clínica Cisto complexo, nódulo sólido ou indeterminado Punção aspirativa Persistente ou líquido sanguinolento PAAF ou PAg PAAF: punção aspirativa por agulha fina. PAG: punção por agulha grossa. *Antes de solicitar a ecografia, é possível adotar conduta expectante por um período de duas semanas. Reexaminar a paciente em outro período do ciclo menstrual, preferencialmente pós-menstrual. Figura 2 Investigação de nódulo mamário Fonte: Duncan e colaboradores (2013). 2

5 Antes de solicitar a ecografia, é possível adotar conduta expectante por um período de duas semanas e reexaminar a paciente em outro período do ciclo menstrual, preferencialmente o pós-menstrual. Para melhor compreensão, serão apresentadas didaticamente as principais condições benignas da mama, no Quadro 1, e, em seguida, serão descritas algumas dessas doenças, dividindo-as em processos inflamatórios e tumores benignos. Quadro 1 CLASSIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES BENIGNAS DA MAMA 113 PROMEF Ciclo 9 Volume 1 Período reprodutivo Normal Aberrações do desenvolvimento normal e involução (ANDI) Desenvolvimento Desenvolvimento ductal Inversão do mamilo; (15-25 anos) obstrução ductal isolada Desenvolvimento lobular Fibroadenoma Desenvolvimento Hipertrofia-hipomastia do estroma Alterações cíclicas (25 40 anos) Atividade epitelial Nodularidade focal difusa Papiloma intraductal Gestação e lactação Hiperplasia epitelial Derrame papilar sanguinolento Involução (35 50 anos) Fonte: Freitas e colaboradores (2006). 5 Doença Abscesso subareolar crônico Atividade hormonal Mastalgia Formas graves Lactação Galactocele Mastite e abscessos puerperais Involução lobular Cistos e adenose esclerosante Involução ductal Retração do mamilo Ectasia ductal infectada Fibrose Ectasia ductal Abscesso subareolar crônico recidivante Dilatação Macropapilomatose Hiperplasia simples Hiperplasia lobular e ductal atípicas

6 114 NÓDULO MAMÁRIO ATIVIDADE 1. Qual(is) destas situação(ões) clínica(s) pode(m) ser considerada(s) pseudonódulo? I Margens laterais abruptas em mamas discoides. II Prolongamento axilar. III Junção costoesternal em pacientes magras. Qual(is) está(ão) correta(s)? A) Apenas a I. B) Apenas a II. C) Apenas a II e a III. D) A I, a II e a III. Resposta no final do artigo 2. Qual é a conduta possível antes de indicar a ecografia, no caso de suspeita de nódulo mamário? Processos inflamatórios A seguir, serão apresentadas as principais alterações inflamatórias que podem simular nódulo mamário. Mastite aguda Mastite aguda é mais frequente no puerpério e caracteriza-se por celulite do tecido conjuntivo interlobular na glândula mamária. A mastite aguda é um processo infeccioso, portanto, com história típica (quebra da barreira da pele, sinais flogísticos e, ocasionalmente, sinais sistêmicos), e pode associar-se à adenopatia axilar. 2,3,5

7 Abscesso mamário Abscesso mamário é uma complicação da mastite. O abscesso mamário deve ser suspeitado quando, após 48 a 72 horas da antibioticoterapia, não houver melhora. Em casos que houver dúvida, pode ser feita a ecografia. A drenagem é necessária para a resolução, normalmente associada à antibioticoterapia, mas pode-se tentar o esvaziamento por agulha, guiado por ultrassonografia, com bons resultados estéticos. 115 PROMEF Ciclo 9 Volume 1 Existe, ainda, o abscesso de paredes espessas, que se assemelha mais a um nódulo, pelo desaparecimento dos sinais de flogose. Surge após tratamento inadequado de mastites agudas ou de abscessos. A conduta é drenagem e biópsia da parede. 3,5 Abscesso subareolar crônico recidivante Abscesso subareolar crônico recidivante (ASCR) ou doença de Zuska é episódio recorrente (pode ocorrer de 2 a 3 semanas a meses) de infecção aguda, seguida de drenagem, espontânea ou não, e de acalmia. Há grande relação entre o ASCR e o tabagismo, sendo recomendável a cessação do hábito. Em função da recorrência do ASCR, a cirurgia pode ser necessária para excisão dos ductos afetados, uma vez que o tratamento com antibióticos não costuma ser efetivo. 2,3,5 Mastite granulomatosa Mastite granulomatosa é uma reação de causa infecciosa, como a tuberculose, e autoimune, como a granulomatose de Wegener e a sarcoidose. Pode, ainda, ser causada por corpo estranho. Para a elucidação da causa da mastite granulomatosa, podem ser necessários testes histológicos, microbiológicos e imunológicos. Apesar de ser uma doença rara, a tuberculose no seio não pode ser ignorada pelos MFCs, e pode ser facilmente confundida, tanto pela apresentação clínica quanto pela radiológica, com carcinoma inflamatório ou abscesso piogênico. Pode ser identificada por cultura para microbactéria ou por alterações histológicas típicas. A mastite granulomatosa também pode não ter uma causa identificável, quando é chamada de idiopática.

8 116 NÓDULO MAMÁRIO O tratamento para mastite granulomatosa sem causa identificável, ou seja, idiopática, é excisão dos ductos afetados associada à corticoterapia. Porém, mesmo com o tratamento adequado, há uma taxa de 50% de persistência, reincidência e complicações, como fístulas e abscessos. Portanto, as pacientes com esse diagnóstico precisam ser acompanhadas de perto. 3 Rotura de implantes A rotura de implantes de silicone ou a injeção de materiais, como silicone e parafina, causa uma reação granulomatosa no local de contato do material com o seio, por uma resposta de células gigantes multinucleadas. Ectasia ductal LEMBRAR Fibroses e contrações resultantes da rotura de implantes podem produzir nódulos firmes, às vezes, dolorosos. 3 A ectasia ductal (mastite periductal) é mais comum com o avançar da idade. Pode causar descarga papilar de secreção amarelo-esverdeada, purulenta (que não requer tratamento), mastalgia acíclica, inversão ou inflamação do mamilo. Pode, ainda, causar a ruptura dos ductos com inflamação circundante e originar massa ao redor do mamilo, que pode ser confundida com carcinoma invasor. Em muitas pacientes, entretanto, ela é assintomática e detectada somente em mamografias, por calcificações nos ductos. Em algumas pacientes, tanto as manifestações clínicas quanto as radiológicas mimetizam o carcinoma invasor. Nesses casos, pode ser necessária biópsia para excluir malignidade. 3,5 Eczema areolar Eczema areolar é uma dermatite descamativa e exsudativa do complexo aréolopapilar, muitas vezes de origem alérgica. O eczema areolar deve ser diferenciado do carcinoma de Paget (ou doença de Paget) um câncer raro que envolve a pele do mamilo e da aréola (frequentemente associada a outros tumores malignos na mesma mama), que causa crostas e a destruição do mamilo. O corticoide tópico para o tratamento do eczema areolar deve ser tentado somente por duas semanas. Se não houver resposta, torna-se necessário biopsiar. 5

9 No Quadro 2, são descritas as principais diferenças entre eczema areolar e doença de Paget. Quadro 2 PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE ECZEMA AREOLAR E DOENÇA DE PAGET Eczema areolar Geralmente bilateral Geralmente com rápida evolução Úmido Bordos indefinidos Lesão descamativa da papila Prurido associado Responde ao corticoide tópico Fonte: Freitas e colaboradores (2006). 5 Necrose gordurosa Doença (carcinoma) de Paget Unilateral Progressão lenta Úmido ou seco Bordos irregulares, mas definidos Destruição da papila Pouco ou nenhum prurido Não responde ao corticoide tópico Necrose gordurosa (cistoesteatonecrose ou granuloma lipofágico) é a saponificação asséptica da gordura pela lipase sanguínea, ocorrida em áreas de trauma, frequentemente em mulheres obesas e com seios flácidos. Clinicamente, a necrose gordurosa apresenta-se como lesão firme, mal definida, por vezes até espiculada, indolor e imóvel. Pode aparecer como calcificações em casca de ovo na mamografia, mas pode apresentar achados clínicos, radiológicos (mamografia, ecografia e ressonância magnética) e até intraoperatórios macroscópicos indistinguíveis de um carcinoma. Histologicamente, contudo, a diferença é clara. Portanto, pode ser necessária biópsia excisional em caso de dúvida. 3,5 Doença de Mondor 117 PROMEF Ciclo 9 Volume 1 Também associada ao traumatismo, a doença de Mondor é a tromboflebite das veias superficiais da mama, que causa dor aguda na região e presença de cordão fibroso no local. A doença de Mondor é autolimitada; a dor desaparece em 2 a 3 semanas e, em 6 a 8 semanas, não resta qualquer sinal da doença. 3,5

10 118 NÓDULO MAMÁRIO Galactocele Galactocele é a obstrução canalicular em mamas lactantes, com acúmulo de leite; forma tumorações sem sinais flogísticos. A galactocele deve ser puncionada com agulha calibrosa. A punção é diagnóstica (saída de leite) e terapêutica. 2,5 ATIVIDADE 3. Lactante, 27 anos de idade, parto normal há 30 dias, chega chorando à unidade básica de saúde e referindo caroço na mama esquerda. No exame, evidenciou-se massa lisa e redonda em quadrante superior externo da mama esquerda, sem sinais flogísticos locais. Diante disso, o médico deverá A) prescrever antibiótico e anti-inflamatórios. B) solicitar biópsia por agulha fina. C) realizar drenagem excisional. D) realizar punção com agulha calibrosa. Resposta no final do artigo Tumores Benignos A seguir, serão abordados os principais tumores benignos da mama. Fibroadenomas O fibroadenoma apresenta-se como um tumor bastante móvel, endurecido, não doloroso e muitas vezes palpável. O fibroadenoma é, usualmente, uma lesão única, mas, em 20% dos casos, apresenta-se em maior número, na mesma mama ou contralateral. 3 Fibroadenoma é a lesão benigna mais comum das mamas e ocorre de forma assintomática em 25% das mulheres, tendo seu pico entre 15 e 35 anos de idade. Faz parte das lesões evolutivas e involutivas da mama, e modifica-se com a idade. A American Society of Breast Surgeons sugere core biopsy para confirmação diagnóstica e respalda o tratamento conservador. Outras literaturas destacam o diagnóstico clínico, que pode ser complementado por ultrassonografia e PAAF, quando necessário. 3,5,6

11 Os fibroadenomas só devem ser abordados cirurgicamente (em qualquer idade) se causarem extremo desconforto à paciente (em função do tamanho ou da dor) ou se apresentarem crescimento. As pacientes devem ser asseguradas quanto à benignidade do quadro e ao risco extremamente baixo de transformação maligna (0,002 a 0,125%). 2,3,5,6 Hamartomas 119 PROMEF Ciclo 9 Volume 1 Hamartomas (fibroadenolipoma, lipofibroadenoma ou adenolipoma) são lesões compostas por uma combinação variável de tecido glandular, de gordura e de tecido conjuntivo fibroso. Normalmente identificados em mamografias, os hamartomas são relativamente incomuns e sua maior incidência é na pós-menopausa. São macios e não diferem em textura do parênquima normal da mama. Não têm significado clínico. 5,7 Papiloma intraductal O papiloma intraductal é uma proliferação do epitélio ductal com um eixo vasculoconjuntivo, que enche o canalículo e pode distendê-lo. Usualmente solitário e de 2 a 3mm de tamanho, encontra-se nos ductos terminais. A maioria dos papilomas intraductais surge na 4ª a 6ª décadas. O papiloma intraductal produz derrame sanguinolento ou seroso e, em metade dos casos, há nódulo subareolar. O diagnóstico e o tratamento do papiloma intraductal são a exérese do ducto atingido. 3,5,7 Cicatriz radial Também chamada lesão esclerosante complexa, a cicatriz radial é constituída por um centro fibroelástico com ductos emaranhados, rodeados por ductos e lóbulos dispostos radialmente, com diferentes graus de hiperplasia, adenose, ectasia ductal e papilomatose. A cicatriz radial aparece na mamografia como massa espiculada; portanto, é recomendada biópsia por agulha grossa. Não há consenso sobre a associação da cicatriz radial ao risco de câncer. 3,5

12 120 NÓDULO MAMÁRIO Hiperplasias Quando as hiperplasias são atípicas, ou seja, lesões proliferativas que, histologicamente, possuem algumas características de carcinoma in situ, que pode ser ductal ou lobular (12 a 17% das biópsias realizadas por microcalcificações na mamografia), o risco de câncer de mama é aumentado. Nesses casos, é indicada excisão da lesão. 5 Quando não há atipia, as hiperplasias são totalmente benignas. Lipomas Lipomas são uma proliferação benigna amolecida e bem definida das células lipídicas. 5 Os lipomas podem sofrer cistoesteatonecrose e apresentar porções endurecidas à palpação, simulando carcinoma. Nesses casos, a conduta é excisão cirúrgica. 5 O Quadro 3 apresenta risco relativo de câncer de mama por tipo de lesão histológica em pacientes sem história familiar. Quadro 3 RISCO RELATIVO DE CÂNCER DE MAMA POR TIPO DE LESÃO HISTOLÓGICAEM PACIENTES SEM HISTÓRIA FAMILIAR Lesão histológica Lesões não proliferativas Adenose Metaplasia apócrina Metaplasia escamosa Ectasia ductal Hiperplasia simples Cistos Displasia leve usual Alteração celular colunar Fibroadenoma 5 * Lesões proliferativas sem atipia Adenose esclerosante Hiperplasia ductal moderada ou florida Cicatriz radial Papiloma intraductal Fibroadenoma 3 * Hiperplasias atípicas Hiperplasia ductal atípica Hiperplasia lobular atípica Carcinomas in situ Carcinoma lobular in situ Carcinoma ductal in situ * O risco varia de acordo com a literatura consultada. Fonte: Adaptado de Guray e Sahin (2006); 3 Freitas e colaboradores (2006). 5 Risco relativo 1 1,3 a 1,9 3,9 a 5 10

13 Alterações funcionais benignas da mama Focais ou bilaterais, as alterações funcionais benignas da mama (AFBM), em conjunto, são as alterações mais comuns e atingem mulheres entre 20 e 50 anos de idade. As AFBMs são observadas clinicamente em 50% das mulheres e histologicamente em 90%. 121 PROMEF Ciclo 9 Volume 1 As AFBMs já receberam o nome de displasias mamárias; doença fibrocística; mastopatia fibrocística; doença cística crônica; mazoplasia; doença de Reclus. Atualmente, o termo AFBM é preferido por causa da grande incidência e foi recomendado pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), depois de ,5 As AFMBs tornam-se clinicamente significativas quando há mastalgia, adensamento e macrocistos e devem ser analisadas sob a luz do desconforto causado à paciente e da diferenciação do câncer. A mastalgia pode ser dividida em cíclica ou acíclica, sendo possível a acíclica ter uma causa extramamária. O papel do MFC é excluir o câncer, tranquilizar, orientar e medicar o mínimo possível a paciente (somente quando as duas primeiras medidas não resolverem o caso). 5 Podem-se medicar os casos de dor mamária intensa, sobretudo, se interferir na vida da mulher, com: 2,5 bromocriptina 5mg/dia (iniciar com 1,25mg/dia e aumentar progressivamente) por 3-6 meses. Os efeitos colateriais são náuseas; dores de cabeça; tontura. danazol 200mg/dia por 3-6 meses. Os efeitos colaterais são irregularidade menstrual; ganho moderado de peso; aumento dos pelos faciais; alteração irreversível da voz. tamoxifeno 10mg/dia por 3-6 meses. Os efeitos colaterais são poucos, tais como irregularidade menstrual; fogachos. óleo de prímula (cuja base ativa é o ácido gamalinoleico) 500mg/dia por 60 dias. As evidências são conflitantes sobre o seu efeito.

14 122 NÓDULO MAMÁRIO ATIVIDADE 4. A lesão benigna mais comum das mamas; ocorre de forma assintomática em 25% das mulheres, tendo seu pico entre 15 e 35 anos de idade. A definição apresentada refere-se a qual dos tumores listados a seguir? A) Hamartomas. B) Fibroadenoma. C) Papiloma intraductal. D) Cicatriz radial. Resposta no final do artigo 5. O que fazer diante de uma paciente de 17 anos de idade com queixa de dor na mama direita, cíclica há quatro anos? A) Tranquilizar e prescrever analgésicos. B) Encaminhar para mastologia. C) Investigar com ultrassonografia. D) Orientar autoexame de mamas mensalmente. Resposta no final do artigo 6. O que fazer inicialmente diante de uma paciente de 17 anos de idade com queixa de dor na mama esquerda, depois de ser atingida por uma bolada, há um dia? A) Investigar com ultrassonografia. B) Encaminhar ao pronto-socorro. C) Tranquilizar e prescrever analgésicos ou anti-inflamatórios e observar evolução. D) Orientar compressa quente e antibióticos. Resposta no final do artigo 7. Sobre as AFBMs, assinale a alternativa INCORRETA. A) Em conjunto, são as alterações mais comuns e atingem mulheres entre 20 e 50 anos de idade. B) Atualmente, o termo AFBM é preferido por causa da grande incidência e foi recomendado pela SBM, depois de C) O MFC tem o papel de apenas medicar as pacientes diagnosticados com AFBM. D) A mastalgia pode ser dividida em cíclica ou acíclica, sendo possível a acíclica ter uma causa extramamária. Resposta no final do artigo

15 8. Pode-se medicar a paciente no caso de dor mamária? A) Sim, em todos os casos. B) Sim, quando a dor interfere na vida da paciente. C) Não, em nenhum caso. D) Não, o tratamento deve ser cirúrgico. Resposta no final do artigo 123 PROMEF Ciclo 9 Volume 1 Tumores malignos O câncer de mama é o de maior frequência (23% entre os cânceres) entre as mulheres e o que registra maior mortalidade (14% entre os cânceres), principalmente, nos países em desenvolvimento, como o Brasil, que registram 60% do total de mortes por câncer de mama. 8 Em 2008, foram registrados 1,38 milhão de novos casos de câncer de mama no mundo. 8 Sem considerar os tumores da pele não melanoma, o câncer de mama é o tipo mais frequente nas mulheres das regiões Sudeste (69/100 mil), Sul (65/100 mil), Centro-Oeste (48/100 mil) e Nordeste (32/100 mil). Na região Norte, é o segundo tipo de tumor mais incidente (19/100 mil). 9 Em 2012, esperava-se, para o Brasil, casos novos de câncer de mama, com um risco estimado de 52 casos a cada 100 mil mulheres. Não há dados disponíveis desse período no momento da elaboração desse material. 10 Os fatores de risco conhecidos para o câncer de mama estão ligados, principalmente 11 à idade; a fatores genéticos; a fatores endocrinológicos (menarca precoce ou menopausa tardia, primeira gravidez após os 30 anos, nuliparidade, terapia de reposição hormonal prolongada por mais de cinco anos e obesidade). Também são fatores de risco para o câncer de mama: 11 sedentarismo; ingestão regular de bebida alcoólica (mesmo em doses de 30g/dia); exposição à radiação ionizante antes dos 40 anos.

16 124 NÓDULO MAMÁRIO A seguir, a Tabela 1 apresenta a probabilidade, por idade, de uma mulher desenvolver câncer de mama invasivo: Tabela 1 PROBABILIDADE, POR IDADE, DE UMA MULHER DESENVOLVER CÂNCER DE MAMA INVASIVO* Idade atual Probabilidade de desenvolver Ou 1 em: câncer de mama nos próximos 10 anos 20 anos 0,06% anos 0,43% anos 1,45% anos 2,38% anos 3,45% anos 3,74% 27 Risco na vida toda 12,5% 8 *Entre mulheres sem câncer no início do intervalo de idade. Com base em casos diagnosticados entre 2005 e Números em 1 em podem não ser numericamente equivalentes às porcentagens, devido a arredondamentos. Probabilidades calculadas pelo software NCI DevCan, versão Fonte: American Cancer Society (2012). 6 ATIVIDADE 9. Dona Lourdes, 55 anos de idade, relata que nunca fez mamografia e, há dois meses, percebeu que existe um caroço na mama esquerda. Ela não tem história familiar de câncer de mama ou de câncer de ovário. Marque a alternativa correta. A) História familiar é um importante fator de risco para o câncer de mama, especialmente, se um ou mais parentes de primeiro grau (mãe ou irmã) foram acometidas antes dos 50 anos de idade. Por isso, neste caso, não há indicação de fazer o rastreamento. B) A idade constitui um importante fator de risco para o câncer de mama, já que há um aumento rápido da incidência com o aumento da idade. Por isso, neste caso, há indicação de fazer a investigação diagnóstica por meio de mamografia. C) Os sintomas de câncer de mama palpável são o nódulo ou o tumor no seio, acompanhado ou não de dor mamária. Podem surgir alterações na pele que recobre a mama, como abaulamentos ou retrações, ou um aspecto semelhante ao da casca de uma laranja. Também podem surgir nódulos palpáveis na axila. Como a paciente não tem nenhum desses sinais, é provável que seja um nódulo benigno. D) Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de câncer, maior a probabilidade de cura. Por isso, deve-se encaminhar o mais rapidamente possível para um serviço de mastologia. Resposta no final do artigo

17 10. Quais são os maiores fatores de risco para tumores malignos de mama? 125 PROMEF Ciclo 9 Volume 1 O papel do Médico de Família e Comunidade nos vários aspectos da prevenção do câncer de mama A APS tem forte papel na prevenção da morbidade e da mortalidade das pacientes no tocante ao câncer de mama, em todos os níveis de prevenção. A seguir apresenta-se a forma como o MFC pode atuar (Quadro 4). Na prevenção primária Na prevenção secundária Na prevenção terciária Na prevenção quaternária Quadro 4 ATUAÇÃO DO MÉDICO DE FAMÍLIA E COMUNIDADE NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Agindo sobre fatores de risco para o câncer de mama, ou seja, estimulando a manutenção do peso das pacientes em uma faixa saudável, combatendo a inatividade física e aconselhando a redução do consumo de álcool. 11,12 Realizando o rastreamento conforme indicação e coordenando o cuidado dos casos positivos, tendo certeza de que a paciente obterá a assistência especializada necessária e apoiando a família como um todo (ver a seção Rastreamento de câncer de mama com enfoque para prevenção quaternária em seguida). 11,14,15 Auxiliando a reabilitação, o retorno às atividades e a reinserção na comunidade, orientando cuidados e mantendo o acompanhamento clínico e o controle da doença, orientando quanto aos direitos dos portadores de câncer e facilitando o acesso a eles, quando solicitado. 9 Não solicitando exames de rastreamento inadequadamente, esclarecendo as dúvidas que, porventura, possam surgir diante da necessidade da solicitação de exames e evitando encaminhar desnecessariamente para o mastologista. 13 Além das formas de atuação do MFC citadas anteriormente, os profissionais de APS devem estar aptos a identificar alterações benignas da mama e tratá-las ou acompanhá-las, conforme indicação.

18 126 NÓDULO MAMÁRIO ATIVIDADE 11. Observe as afirmações sobre o papel do MFC na prevenção do câncer de mama. I Na prevenção primária, o MFC age sobre fatores de risco para o câncer de mama, ou seja, estimula a manutenção do peso das pacientes em uma faixa saudável, combate a inatividade física e aconselha a redução do consumo de álcool. II Na prevenção secundária, o MFC não realiza o rastreamento e não coordena o cuidado dos casos positivos. III Na prevenção terciária, o MFC auxilia a reabilitação, o retorno às atividades e a reinserção na comunidade, orienta cuidados e mantém o acompanhamento clínico e o controle da doença, orienta quanto aos direitos dos portadores de câncer e facilita o acesso a eles, quando solicitado. 10 IV Na prevenção quaternária, o MFC não solicita exames de rastreamento inadequadamente, esclarece as dúvidas que, porventura, possam surgir diante da necessidade da solicitação de exames e evita encaminhar desnecessariamente para o mastologista. Qual(is) está(ão) correta(s)? A) Apenas a I. B) Apenas a I e a II. C) Apenas a II e a III. D) A I, a III e a IV. Resposta no final do artigo Rastreamento de câncer de mama com enfoque para prevenção quaternária Os métodos de rastreamento para câncer de mama e seus possíveis benefícios e malefícios serão discutidos nas próximas subseções. Rastreamento por exame clínico da mama As evidências atuais ainda são insuficientes para avaliar os benefícios e os malefícios do exame clínico das mamas (ECM) associado à mamografia como estratégia de rastreamento. 11 A adição de ECM ao rastreamento por mamografia não mostrou redução na mortalidade por câncer de mama, 14 mesmo utilizando-se uma técnica de exame padronizada, na qual cada exame durava 10 minutos, o que não é a prática clínica corrente.

19 Mesmo assim, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) ainda descreve, em suas recomendações, o ECM como fazendo parte do rastreamento de câncer de mama (ver a seção Rastreamento por mamografia ). 11 O rastreamento por ECM isoladamente somente deve ser realizado por mulheres que não terão acesso ao rastreamento por mamografia, seja por falta de oferta ou por opção. 15 Rastreamento por autoexame das mamas 127 PROMEF Ciclo 9 Volume 1 O autoexame das mamas não é mais recomendado como forma de rastreamento, pois aumenta o índice de biópsias para doenças benignas e não melhora a detecção de doença maligna. 16 Rastreamento por ecografia mamária Os estudos não mostram redução na mortalidade com o rastreamento realizado por meio de ecografia mamária; portanto, não há indicação desse exame. LEMBRAR Em mulheres com menos de 35 anos de idade, a ecografia mamária somente deve ser realizada quando houver alterações no exame clínico das mamas. Em mulheres acima dos 35 anos de idade, realiza-se o exame quando houver lesão palpável, sem representação mamográfica, fora da condição de rastreamento, ou mamografias de rastreamento BI-RADS 0. 2,6,11 Contudo, a complementação não está indicada nas lesões mamográficas Categoria 2, nas lesões Categoria 5, nas microcalcificações e na distorção focal da arquitetura. 11 Rastreamento por Ressonância Magnética das mamas A ressonância magnética (RM) apresenta uma especificidade menor do que a mamografia (0,86 x 0,95), apesar de a sua sensibilidade ser consideravelmente maior (0,77 x 0,39). A RM não deve ser utilizada para rastreamento em mulheres com baixo risco de câncer de mama, uma vez que a técnica utilizada envolve contraste, o que gera altos custos e riscos à saúde. A American Cancer Society, contudo, recomenda o rastreamento anual por RM associado à mamografia para mulheres com alto risco de desenvolverem câncer de mama, como as com mutações BRCA1 e BRCA2 e as que foram tratadas para Linfoma de Hodgkin. Também recomenda o rastreamento para as mulheres que apresentam risco maior que 20% de desenvolver câncer de mama ao longo da vida, calculado por modelos baseados em história familiar de câncer de mama ou de câncer de ovário. 6,11

20 128 NÓDULO MAMÁRIO Rastreamento de BRCA1 e BRCA2 LEMBRAR Apesar de uma história familiar de câncer de mama ou de câncer de ovário estar relacionada a novos casos de câncer de mama, somente 10% desses casos estão ligados a fatores genéticos, a maioria deles às mutações dos genes BRCA1 e BRCA2. 6 No Quadro 5, apresentam-se as características histopatológicas dos tumores relacionados aos genes BRCA1 e BRCA2. Quadro 5 CARACTERÍSTICAS HISTOPAtoLÓGICAS DOS TUMORES RELACIONADOS AOS GENES BRCA1 E BRCA2 Fenótipo BRCA1 BRCA2 Morfologia Ductal (sem especificação) 75%; carcinoma medular 10% Ductal (sem especificação) 75%; carcinoma medular < 5%; lobular mais prevalente que mulheres BRCA1 10% Grau histológico Alto (grau 3 75%) Médio (grau 2 45%) Alto (grau 3 45%) Receptor de estrogênio Negativo (75%) Positivo (75%) c-erbb-2 Negativo (95%) Negativo (95%) P53 Positivo (50%) Positivo (40%) Ciclin D1 Negativo (90%) Positivo (60%) Carcinoma in situ Raro Comum Fonte: Amendola e Vieira (2005). 17 Apesar de os dados epidemiológicos não culpabilizarem a genética pela maior parte dos casos de câncer de mama, o rastreamento genético, em busca dos genes BRCA 1 e BRCA2, foi recentemente reacendido a partir de notícias de mastectomias duplas profiláticas realizadas em celebridades. Segundo a United States Preventive Services Task Force (USPSTF), recomenda-se que mulheres cuja história familiar esteja associada ao aumento do risco de mutação genética pelos genes BRCA1 ou BRCA2 sejam encaminhadas para aconselhamento e testagem genética (Grau de recomendação B). 18 Contudo, por esse ser um tema intimamente relacionado com a prevenção quaternária, o MFC deve saber orientar suas pacientes quanto ao assunto e reconhecer as indicações para o teste genético para mutações BRCA. LEMBRAR O MFC deve levar sempre em consideração o acesso ao exame e as consequências diante da positividade do exame (ansiedade do diagnóstico para a pessoa e seus familiares, seguimento, acesso a especialistas focais, decisão pela mastectomia bilateral profilática, reconstrução mamária).

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

Anatomia da mama Função biológica

Anatomia da mama Função biológica Dr.Jader Burtet Ginecologia e Obstetrícia Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre Hospital Materno Infantil Presidente Vargas de Porto Alegre Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal;

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; SESSÃO INTERATIVA CASO 1 Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; Exame físico: sem particularidades.

Leia mais

PATOLOGIAS DA MAMA. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy

PATOLOGIAS DA MAMA. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIAS DA MAMA Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIAS DAS MAMAS - AFBM # Alterações Funcionais Benignas da Mama (AFBM), doença fibrocística, displasia da mama: condição clínica caracterizada por mastalgia

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules.

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules. Citologia Mamária Keratin plug Squamous epithelium Lactiferous sinus Interlobular ducts Lobule with acini Subsidiary duct Terminal (intralobular) ducts Lobules Main ducts 2ª Costela Músculo Grande Peitoral

Leia mais

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 Diferentes alterações no tecido mamário podem produzir achados de imagem semelhantes, porém, em alguns casos, esses

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012)

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Prezados Colegas No final de 1992, voltávamos de curso de imagenologia mamária ministrado

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008)

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) De Bock GH, Beusmans GHMI, Hinloopen RJ, Corsten MC, Salden NMA, Scheele ME, Wiersma Tj traduzido do original em

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) O que é? É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não

Leia mais

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos Prof.ª Esp. Natália Ficagna ANATOMIA DA MAMA Tecido Glandular + Tecido Conjuntivo +Tecido Adiposo Alvéolo Lóbulo Lobo Ducto Lactífero Seio Lactífero - Mamilo As

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina Citopatologia mamária Puberdade: crescimento das mamas em função do desenvolvimento glandular e da deposição aumentada de tecido adiposo. Mulheres durante o ciclo menstrual: aumento do volume mamário em

Leia mais

Neoplasias dos epitélios glandulares II

Neoplasias dos epitélios glandulares II Neoplasias dos epitélios glandulares II PATOLOGIA II Aula Prática nº4 MAMA: Correlação estrutura/lesão Cél. Basais/mioepiteliais Cél. Basais/mioepiteliais (actina) Cél. luminais Cél. luminais MAMA: Estrutura

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

Programa de controle de CA de Mama

Programa de controle de CA de Mama Programa de controle de CA de Mama Profª: Dayse Amarílio Estima-se incidência anual de mais de 1.000.000 de casos no séc XXI; CA mais incidente no sexo feminino nos países desenvolvidos e Brasil, o que

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

1. ASPECTOS HISTOFISIOLÓGICOS DA GLÂNDULA MAMÁRIA

1. ASPECTOS HISTOFISIOLÓGICOS DA GLÂNDULA MAMÁRIA CITOLOGIA MAMÁRIA 2008 aula semi-presencial 2 profª Sandra 1. ASPECTOS HISTOFISIOLÓGICOS DA GLÂNDULA MAMÁRIA A estrutura histológica das glândulas mamárias varia de acordo com o sexo, idade e estado fisiológico.

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca dos possíveis achados ambulatoriais de doenças benignas e malignas da mama, julgue os itens a seguir. 41 A amastia é um processo de má formação caracterizado pela ausência de tecido glandular mamário,

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Andrea Canelas 23/09/2009

Andrea Canelas 23/09/2009 BI-RADS Andrea Canelas Moderador: d Dra Manuela Gonçalo 23/09/2009 BI-RADS Introdução BI-RADS Organização do Relatório Léxico Mamografia, Ecografia e RM Categorias BI-RADS Conclusão Introdução Cancro da

Leia mais

Calcificações Mamárias em Mamografia. Reunião Temática

Calcificações Mamárias em Mamografia. Reunião Temática Calcificações Mamárias em Mamografia Reunião Temática Mafalda Magalhães 20/05/2013 Anatomia da Mama Pele Estroma tecido adiposo + tecido conjuntivo Tecido glandular Anatomia da Mama Mama 15-18 lobos; 1

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 QUESTÃO 26 As afirmativas abaixo estão corretas, a) Amastia é ausência congênita da mama. b) Amastiaéaausênciadetecidomamário,mascompreservaçãodocomplexo areolo-papilar. c)

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA.

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA. UTVIG/NUVIG/ANVISA Em 31 de janeiro de 2011. Assunto: Nota de esclarecimento sobre notícia veiculada na mídia que trata de comunicado de segurança da FDA Food and Drug Administration sobre possível associação

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

Raniê Ralph Anatomia Patológica Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Fisiologia mamária Alterações não proliferativas:

Raniê Ralph Anatomia Patológica Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Fisiologia mamária Alterações não proliferativas: Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Amastia: ausência completa da mama. Pode ou não estar acompanhada de ausência/hipodesenvolvimento do músculo peitoral. Faz parte de síndromes como a de Turner.

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: A TOMOSSÍNTESE NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer 2007 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 25.000 exemplares Criação, Redação e Distribuição MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010 Ano I - Número I - Julho 2010 Avaliação ultrassonográfica da recorrência ganglionar em pacientes operadas por câncer de mama. Prezado colega, Acompanhando o ritmo acelerado da produção científica em medicina

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23 QUESTÃO 17 Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: a) A difusão pagetóide nos ductos interlobulares está muitas vezes presente

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

Quando se detecta um nódulo, é fundamental conhecer a sua origem com toda a segurança, e isso só é possível através do seu estudo histológico.

Quando se detecta um nódulo, é fundamental conhecer a sua origem com toda a segurança, e isso só é possível através do seu estudo histológico. Cancro da Mama * O que deve saber O cancro apavora, mas a maior parte dos nódulos da mama não são cancerosos! São Fibroadenomas (nódulos benignos) ou então trata-se de uma doença chamada Doença Fibroquística

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro 4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro Afecções Oncológicas nas Mamas Enfª Giselle G. Borges Epidemiologia (BRASIL, 2012) Anatomia da mama (estruturas) Linfonodos Fisiologia

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Mamografia Overview Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Introdução O que é a mamografia? A mamografia é um exame que tem como objectivo o estudo do tecido mamário, realizado

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Mastologista / Nível Superior CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA.

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Mastologista / Nível Superior CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA Texto 1 Numa tirinha de Maurício de Sousa, publicada em O Estado de S. Paulo (22/11/2007, D8), a professora diz à classe: Este ano só o Chico vai ficar em recuperação.

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer 2007 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 25.000 exemplares Criação, Redação e Distribuição MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional

Leia mais

Agradecimentos. Os autores

Agradecimentos. Os autores MAMOGRAFIA Aldecy Teixeira Dantas (T.C.B.R.) José Cerqueira Dantas (T.C.B.R.) José Ozanan Vilarinho (T.C.B.R.) Henrique Andrade Júnior (T.C.B.R.) Lysia Ribeiro Formiga Matos (T.C.B.R.) Adriana Sandra Martins

Leia mais

CÂNCER DE COLO UTERINO

CÂNCER DE COLO UTERINO 16 CÂNCER DE COLO UTERINO INTRODUÇÃO As inflamações do colo uterino (cervicite) são muito freqüentes, mas sem maiores conseqüências. No colo uterino também são freqüentes os carcinomas. O câncer de colo

Leia mais

SINTOMAS E SINAIS: DOR, NÓDULOS E SECREÇÕES

SINTOMAS E SINAIS: DOR, NÓDULOS E SECREÇÕES SINTOMAS E SINAIS: DOR, NÓDULOS E SECREÇÕES 22 O sintoma da dor mamária é o mais freqüentemente referido pelas mulheres (mais de 60%), que a associam com uma irreal propensão ao aparecimento de tumor.

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Prevenção Primária e Secundária do Câncer de MAMA.

Prevenção Primária e Secundária do Câncer de MAMA. 105 3 - AÇÕES DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DOS PRINCIPAIS TIPOS DE CÂNCER Prevenção Primária e Secundária do Câncer de MAMA. Caso Clínico Sra. V.M.T.: "Vim aqui por causa desses calores."

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA) ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA Rio de Janeiro, RJ 2011 2011 Instituto Nacional de Câncer/

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Palavras chave: Câncer de Mama. Política de Saúde. Diagnóstico precoce. SUS.

Palavras chave: Câncer de Mama. Política de Saúde. Diagnóstico precoce. SUS. ESTRATÉGIAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE E CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA NO SUS Daniangela de Grandi Barbosa * 1 RESUMO Pesquisa de revisão bibliográfica com o objetivo de analisar as estratégias para diagnóstico

Leia mais

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 1 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 2 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A ressonância magnética (RM) das mamas tem sido cada vez mais utilizada para o diagnóstico preciso tanto do câncer primário como do câncer recorrente,

Leia mais

AUTO-EXAME DAS MAMAS CARINHO E AMOR POR VOCÊ!

AUTO-EXAME DAS MAMAS CARINHO E AMOR POR VOCÊ! AUTO-EXAME DAS MAMAS CARINHO E AMOR POR VOCÊ! COMO SÃO OS SEIOS? Lobos, lóbulos e bulbos Dutos Gordura costelas Os seios são formados por glândulas (lobos, lóbulos e bulbos) que produzem leite durante

Leia mais

CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAÚDE DE

CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAÚDE DE CONSÓRCIO PÚBLICO DA MICRORREGIÃO DE SAÚDE DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO Nº 01/2012 PARA O PREENCHIMENTO DE EMPREGOS PÚBLICOS PARA A POLICLÍNICA DE EMPREGO PÚBLICO MÉDICO ESPECIALISTA EM MASTOLOGIA

Leia mais

MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato

MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato O exame de mamografia é um exame que utiliza raios-x e um aparelho próprio chamado mamógrafo, com ampola composta de Molibdênio, o que permite melhor avaliação de partes

Leia mais

Português - Superior. 1. O texto 1 tem, prioritariamente, a função de:

Português - Superior. 1. O texto 1 tem, prioritariamente, a função de: Português - Superior TEXTO 1 Achar que a educação é o único e o melhor caminho para a mobilidade social é uma coisa tão óbvia que dá para desconfiar. Trata-se de unanimidade. Acreditar que a educação é

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO. Não deixe de preencher as lacunas a seguir.

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO. Não deixe de preencher as lacunas a seguir. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as lacunas a seguir. Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição MÉDICO MASTOLOGISTA ATENÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA

OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA C A R T I L H A OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA OOUTUBRO ROSA é um movimento mundial pela prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. Com suas ações especialmente

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Tratamento Conservador do Cancro da Mama Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Sessão Clínica Serviço de Ginecologia Diretora de Departamento: Dra. Antónia Nazaré Diretor de Serviço: Dr. Silva Pereira Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

PET- SAÚDE NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA.

PET- SAÚDE NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Profissionais de Saúde Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação No Brasil existem cerca de seis milhões de mulheres entre 35 a 49 anos que nunca

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais