FACULDADE DE MEDICINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE MEDICINA"

Transcrição

1 FACULDADE DE MEDICINA AULAS DO 4º ANO Noções Básicas sobre Imagiologia Mamária 2009/2010 PASSOS ANGELO

2 ANATOMIA MAMÁRIA

3 ANATOMIA MAMÁRIA

4 ANATOMIA MAMÁRIA Benignas Malignas

5 ANATOMIA MAMÁRIA

6 ANATOMIA MAMÁRIA CRESCIMENTO CELULAR----EVOLUÇÃO lactência

7 MEIOS DE DIAGNÓSTICO 2009 Mamografia digital directa Ecografia mamária Intervenção mamária Ressonância Magnética mamária

8 1951 American Journal of Radiology Leborgne cb

9 2009 A mamografia ainda é o gold standard para a detecção precoce do cancro da mama, especialmente nas mulheres com mais de 40 anos. cb

10 MAMOGRAFIA 2009 ANALÓGICA: Baseada na tecnologia ecran-película DIGITALIZAÇÃO INDIRECTA- CR Solução intermédia, tenta implementar capacidades digitais à tecnologia ecranpelícula. DIGITAL DIRECTA Aquisição e processamento de imagens puramente digitais

11 Analógico Digitalização indirecta Digital

12 Mamografia analógica (SFM) 4X Tempo de revelação por película 90 a 120 seg Média de 8min de tempo de revelação por exame

13 Mamografia -CR

14 Mamografia -CR Baseada na tecnologia ecran-película Maior ruído Não é visualizável antes da aquisição Mais consumo de tempo ( 16 inserções/doente) Maior dose de radiação Sensível ao pó e marcas no écran Espaço adicional Imagens 4x maiores com 4x + de tempo de transmissão para a rede

15 Artefactos IP

16 Mamografia digital directa Vantagens: Minimiza a repetição de imagens por técnica mamográfica deficiente. Não necessita casetes, películas e reveladora. HGO

17 Mamografia digital de campo inteiro

18 DOSE DE RADIAÇÃO Digital directo cerca de35% menor dose do que no analógico e CR. Alguns mamógrafos digitais em dose mode dão redução adicional de 15% Dose máxima- 3 mgy CR- 2,3 a 2,9mGy Digital: 1,7 a 2,4 mgy

19 Película Detector Digital ESCALA DINÂMICA Contraste resolução Nº de cinzentos na imagem 16x mais na digital

20 MAMOGRAFIA Indicações Exame de base parênquima mamário padrão mamográfico Caracterizar patologia benigna Excluir lesão maligna infra-clínica

21 Correlação Rádio-Histológica Parênquima mamário A imagem mamográfica é o reflexo da anatomia mamária e ocasionalmente alteração de um processo patológico Resulta da conjugação de quatro componentes estruturais a saber: Densidade nodular ----T D L U Densidade linear ----Ductos / Vasos / Estrias fibrosas Densidade estrutural homogenea--- tec. Conjuntivo suporte Áreas radiotransparentes ----tec. lipomatoso

22 Correlação Rádio-Histológica Padrões mamográficos

23 Correlação Rádio-Histológica Padrões mamográficos

24 Correlação Rádio-Histológica Parênquima mamário Densidade nodular ----T D L U

25 Correlação Rádio-Histológica Parênquima mamário Densidade nodular ----T D L U Volume acinos no ciclo menst. Nº acinos lobulares no ciclo menst.

26 Correlação Rádio-Histológica Parênquima mamário Densidade linear

27 Correlação Rádio-Histológica Parênquima mamário Ductos lactíferos vasos Estrias fibrosas

28 Correlação Rádio-Histológica Parênquima mamário Densidade estrutural homogénea Tec. Conjuntivo Tec. lipomatoso

29 CRITÉRIOS DE QUALIDADE Detecção do músculo peitoral Visualização do mamilo Analógico Digital Analógico Digital

30 CRITÉRIOS DE QUALIDADE Visualização da pele Contraste no tecido lipomatoso Analógico Digital Analógico Digital

31 CRITÉRIOS DE QUALIDADE Detecção de microcalcificações Qualidade geral da imagem digital analógica digital analógica

32 Densidade parenquimatosa Classe (BI-RADS) PADRÕES MAMÁRIOS 1 quase totalmente lipomatoso <25% glândula 2 Densidades fibroglandulares dispersas (25 a 50% de tecido glandular) 3 Heterogèneamente densos (50 a 75% de tecido glandular) 4 Extremamente densos (> 75% de tecido glandular) Tamanho de potencial lesão que não poderá ser excluída < 0,5 cm 0,5 cm a 1 cm 1 a 2 cm > 2 cm

33 Ecografia Mamária: Indicações: Caracterização matricial de massas palpáveis ou massas clìnicamente ocultas e detectadas pela mamografia. Caracterização de massas sólidas ou quísticas. Avaliação de áreas potencialmente excluídas nas incidências mamográficas de rotina. Guia de intervenção. cb Combinada com a mamografia- 97% de sensibilidade e 98,6% de valor preditivo negativo

34 Ecografia mamária 2009 Sondas de alta frequência (frequência central - 10 MHz) Compounding espacial (Pósprocessamento que reduz o ruído) Harmónica tissular Colour Doppler 3 D 4 D

35

36 Biópsia ecoguiada em 3D

37 Vantagens Ecografia Não está limitada pela densidade mamária Carcinoma ductal invasivo - 96% sensibilidade em 3 séries (95-97%) vs 84% para a mamografia (81-89%) Carcinoma lobular invasivo - 88% sensibilidade em 5 séries (82-94%) vs 52% para a mamografia (34-72%) Carcinoma ductal in situ - <50% Berg and Birdwel; Diagnostic Imaging Breast 2006, Elselvier

38 Quisto Tumor papilar Eco Quistografia

39 Fibroadenoma

40 Um diagnóstico definitivo de malignidade ou benignidade deve ser feito sempre que possível no pré-operatório. Os procedimentos minimamente invasivos tais como as biópsias com agulha são instrumentos importantes no diagnóstico e na correlação morfológica com os achados mamográficos e clínicos.

41 Intervenção mamária PAAF para diagnóstico citológico CNB para diagnóstico histológico Macrobiópsia por vácuo com agulhas 11-g e 8 g. Referenciação pré-operatória com harpão Galactografias

42 EQUIPAMENTO

43 INTERVENÇÃO MAMÁRIA PAAF PARA DIAGNÓSTICO CITOLÓGICO

44 MICROBIÓPSIA ( CORE ) N. IRREGULAR ( ACR-5 ) N. IRREGULAR ( ACR-5 ) CARC. DUCTAL INVASIVO PADRÃO COMUM BEM DIFERENCIADO SEM INVASÃO VASCULAR

45 MICROBIÓPSIA ( CORE ) N. IRREGULAR ( ACR-5 ) DISTORSÃO (BIRRAD-5 ) CARC. DUCTAL INVASIVO PADRÃO COMUM BEM DIFERENCIADO SEM INVASÃO VASCULAR

46 MACROBIÓPSIA POR ASPIRAÇÃO POR VACUO MICROCALCIFICAÇÕES

47 RESSONÂNCIA MAGNÉTICA MAMÁRIA INDICAÇÕES NO ESTADIAMENTO PRÉ-OPERATÓRIO: Avaliação da extensão local do tumor Presença de lesão multifocal e multicêntrica M+E= 63% RM= 80% Bilateralidade M+E= 2-3% RM= 5-6% NA AVALIAÇÃO PÓS-OPERATÓRIA Pesquisa de tumor residual Recidiva Na avaliação da resposta à QT / RT DOENTES DE ALTO-RISCO MAMA DENSA C/ DOENÇA PROLIFERATIVA PRÓTESES MAMÁRIAS

48 SEMIOLOGIA DA RMM AVALIAÇÃO MORFOLÓGICA DA LESÃO AVALIAÇÃO FUNCIONAL AVALIAÇÃO MICROESTRUTURAL DO TECIDO--- DIFUSÃO ESTUDO TRIDIMENSIONAL AQUISIÇÃO DE ALTA RESOLUÇÃO

49 AVALIAÇÃO MORFOLÓGICA DA LESÃO

50 AVALIAÇÃO FUNCIONAL A BASE DA SEMIOLOGIA EM RMM É O REALCE Está relacionada com o aumento da permeabilidade, da Angiogénese tumoral e do espaço intersticial, fornecendonos uma Análise Estrutural

51 AVALIAÇÃO FUNCIONAL O realce obtem-se pela subtração entre o sinal da lesão com e sem contraste Cinética do Realce PÓS-CONTRASTE - PRÉ-CONTRASTE = REALCE Subtracções do 1º ao 7ºm

52 AVALIAÇÃO FUNCIONA-CINÉTICA DO REALCE Esta cria Padrões de captação do contraste ao longo do tempo com critérios de avaliações nas fases Precoce e Tardia Classificação por Critérios de PRI Avaliação das Fases Precoces Classificação por tipos de Curva Avaliação das Fases Tardias Uma cinética de captação Precoce Rápida e Intensa PRI é muito sugestiva de Malignidade

53 CURVA CINÉTICA TIPO III Carcinoma ductal invasivo multifocal e multicêntrico Curva cinética tipo III Sensibilidade de % com VPN superior 95%-c.invasivo

54 PÓS-PROCESSAMENTO E RECONSTRUÇÃO TRIDIMENSIONAL MIP Análise volumétrica das lesões; Dimensões Vascularização; Adenopatias; Multicentricidade. Bilateralidade Multifocalidade;

55 AQUISIÇÃO SAGITAL PARALELA DE ALTA RESOLUÇÃO LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA LESÃO COM ALTA RESOLUÇÃO

56 CAD-RM

57 CAD-RMM

58 SENSIBILIDADE DOS MEIOS DE DIAGNÓSTICO CARCINOMA DUCTAL INVASIVO Seios densos sensibilidade da mamografia, eco, RM Mam Eco RMM Diam. 2,5 a 5 mm---77% % % 6 a 10 mm---84% % % 11 a 20 mm---89% % % CARCINOMA DUCTAL IN SITU Microcalcif. Ductais BIRRAD a 96 % _BIRRAD a 83 %

59 ALTERAÇÕES PATOLÓGICAS MAMÁRIAS Lesões percursoras Lesões benignas Lesões malignas

60 Lesões percursoras Lesões neoplásicas biológica e clinicamente heterogéneas com potencial para progressão directa para carcinoma da mama invasivo. O potencial para a sua progressão para carcinoma invasivo da mama varia consideravelmente com a entidade, assim como as respectivas implicações clínicas.

61 Lesões percursoras IMAGENS MAMOGRÁFICAS Massa circular ou oval Distorsão do estroma Microcalcificações Assimetria da densidade

62 Lesões Percursoras Hiperplasia ductal atípica Hiperplasia lobular Carcinoma ductal in situ Carcinoma lobular in situ Cicatriz radiária/adenose esclerosante Hiperplasia ductal simples Quistos Fibrose do estroma Fibroadenoma Ectasia ductal Risco provado Risco duvidoso Aparentemente sem risco (?) benignas

63 Recomendações do American College of Pathologists (1998) Sem hiperplasia ou ligeira: Sem aumento do risco Hiperplasia moderada/florida: 1.5 a 2 x Hiperplasia atípica: 5 x Carcinoma ductal ou lobular in situ: 8 a 10 x Riscos diferentes, abordagens diferentes

64 Risco provável CICATRIZ RADIARIA ALTERAÇÕES IDIOPÁTICA, SEM TRAUMA CONHECIDO ESPÍCULAS RADIÁRIA COMPRIDAS COM CENTRO RADIOLUCENTE NÃO É POSSÍVEL DIFERENCIAR DO CARCINOMA SÓ PELA IMAGEM ASSOCIA HIPERPLASIA DUCTAL ATÍPICA E CARCINOMA DEVEM SER EXCISADAS Quentin Alleva, MD and all. Radial Scar of breast: radiologic-pathologic correlation in 22 cases RadoGraphics 1999; 19:S27-S35

65 LESÕES ESPICULADAS Carcinoma ductal invasivo Cicatriz radiária

66 Risco provado Hiperplasia ductal atípica Hiperplasia lobular Carcinoma ductal in situ Carcinoma lobular in situ

67 CDIS 20 a 40 % dos cancros da mama diagnosticados por mamografia Calcificações em 80% dos casos Multifocalidade ( várias localizações no mesmo quadrante ) Multicentricidade - DCIS > 1 quadrante - + frequente em lesões> 2-2,5 cm Berg and Birdwel; Diagnostic Imaging Breast 2006, Elselvier

68 MICROCALCIFICAÇÕES ANALÓGICO DIGITAL

69 Detecção carcinoma in situ OPTIMIZAÇÃO TÉCNICA DO EXAME RIGOR NA INTERPRETAÇÃO Estudo sistemático comparativo entre os dois lados (lupa) Macros em incidências ortogonais Estudo comparativo com exames anteriores ( idealmente de vários anos a fim de apreciar a evolução das lesões) Análise cuidada das alterações encontradas a fim das caracterizar melhor ( número, morfologia, repartição espacial das microcalcificações, eventual opacidade)

70 Detecção carcinoma in situ Estudo comparativo com exames anteriores ( idealmente de vários anos a fim de apreciar a evolução das lesões) Outubro 2006 Outubro 2007

71 Cancros retrospectivamente visíveis microcalcificações BI-RADS-2 BI-RADS

72 MAMOGRAFIA DCIS Calcificações em 80% dos casos Morfologia típica: - granulares, polimorfas, encastoadas. Distribuição típica: - lineares, lineares ramificadas, em ninho Massa associada às calcificações: 10% Só massa: 10% Berg and Birdwel; Diagnostic Imaging Breast 2006, Elselvier

73 Calcificações polimorfas Ca++ de diferentes dimensões e morfologia Probabilidade de malignidade baseada na distribuição: Linear 80% Segmentar 60% Em ninho 40% Regional 40%

74 DCIS Macro CC SE

75 Microcalcificações BI-RADS 5

76 DCIS ALTO GRAU GRAU INTERMÉDIO BAIXO GRAU Alto grau nuclear Necrose extensa Comedo >94% têm calcificações Calcificações lineares, polimorfas Extensão mamográfica = histológica Cribiforme, sólido ou papilar c/ ou s/ necrose Não comedo Microcalcificações só numa parte do tumor Microcalcificações granulares, finas, polimorfas ou isomorfas Extensão mamográfica < histológica (50%) Baixo grau nuclear s/ necrose Não comedo Só 50% têm calcificações Calcificações puntiformes Extensão mamográfica < histológica (50%)

77 LESÕES BENIGNAS - Nódulos Morfologia Redonda Oval Lobulada Irregular Contornos Circunscritos ( 75% da lesão; até 25% obscurecido por sobreposição estromática) Obscurecidos (sobreposição estromática) Microlobulados Indistintos Espiculados

78 LESÕES BENIGNAS Nódulos Densidade (em relação ao estroma envolvente) elevada densidade ++ nódulos malignos isodensa baixa densidade A favor de benignidade conteúdo lipomatoso Benignidade! Multiplicidade / Bilateralidade ( quistos e/ou fibroadenomas) características benignas variabilidade dimensional (alterações hormonais)

79 LESÕES BENIGNAS - Nódulos Avaliação comparativa com estudos prévios Incidências adicionais localizada, macroradiografia, tangencial

80 LESÕES BENIGNAS - Nódulos Incidências adicionais... localizada e / ou macroradiografia - avaliação dos contornos - sobreposição do estroma macro ortogonais (CC e perfil a 90º) - caracterização de MCF associadas - macro perfil a 90º : > nível líquido-gordura (galactocelo) > leite de cálcio (quistos) tangencial Incidência Localizada - lesões cutâneas

81 LESÕES BENIGNAS US - Nódulos Avaliação ecográfica complementar... excepto se aspecto mamográfico típico... (exº gânglio intramamário, quisto com nível de sedimentação) caracterização de nódulos indeterminados na Mx - natureza sólida vs quística - critérios ultrassonográficos de benignidade limitação na avaliação de microcalcificações! Mamografia

82 LESÕES BENIGNAS US - Nódulos Critérios Ultrassonográficos de Benignidade Morfologia - Redonda - Oval - Irregular Contornos - Circunscritos - Indistintos - Angulados - Microlobulados - Espiculados

83 LESÕES BENIGNAS US - Nódulos Critérios Ultrassonográficos de Benignidade Ecogenecidade (relativa à gordura mamária) - Anecóica - Hipoecóica - Isoecóica - Hiperecóica Benignidade (Quisto) Inespecífico! - Complexa (mista) Orientação do maior eixo (em relação à pele) - Paralela (horizontal) - Perpendicular (vertical)

84 LESÕES BENIGNAS US - Nódulos Critérios Ultrassonográficos de Benignidade Reflectividade Acústica Posterior Inespecífico! - Reforço - ++ quistos e nódulos benignos - Atenuação (exclui-se atenuação marginal) - ++ lesões malignas - Padrão misto

85 Diagnóstico Mamográfico de benignidade BI-RADS 2 gânglio intramamário nódulos circunscritos com conteúdo lipomatoso ou misto quistos oleosos lipoma galactocelo hamartoma avaliação complementar / biópsia

86 Gânglio Intramamário (47% das mamas) MX BI-RADS 2 morfologia reniforme / lobulada, contornos circunscritos, < 1cm hilo lipomatoso +++ QSE (qq localização; múltiplos) Eco circunscrito, com córtex hipoecóico e hilo ecogénico (gordura) RM hilo lipomatoso (hipersinal T1), córtex (+/- hipersinal T2), realce pode ser rápido e intenso (T1-Gd+)

87 Quistos oleosos (manifestação de esteatonecrose pós-traumática) BI-RADS 2 MX nódulo redondo/oval, circunscrito e radiolucente (gordura) Ca++ (orla periférica calcificada em anel) +/- nível líquido-gordura ++ região subareolar, superficial únicos / múltiplos Iatrogenia (biópsia, tumorectomia, TRAM, mamoplastia de redução), traumatismo prévio

88 Quistos oleosos (manifestação de esteatonecrose pós-traumática) Eco ++ anecóico +/- atenuação acústica posterior aspecto + sólido (gordura ecogénica), ecoestrutura complexa (septações, nível líquido/gordura, parede espessa, nódulos murais) RM hipersinal T1 +/- captação periférica em anel (T1-Gd fat sat)

89 MX Lipoma BI-RADS 2 nódulo encapsulado e radiolucente, rodeado por fina cápsula (pseudocápsula) Eco - lesão redonda/oval, circunscrita (cápsula ecogénica), isoecóica a ligeiramente hiperecóica em relação à gordura subcutânea RM isointensidade de sinal com gordura, realce pós-gd

90 Hamartoma (fibroadenolipoma) BI-RADS 2 MX nódulo encapsulado de densidade mista (gordura + elementos fibroglandulares em proporções); breast-within-a-breast ++ pseudocápsula adenolipoma o + comum ++ assintomático, massa não dolorosa avaliação complementar / biópsia

91 Hamartoma (fibroadenolipoma) BI-RADS 2 eco lesão oval circunscrita (pseudocápsula) de ecogenecidade mista, contendo gordura sonolucente e áreas ecogénicas heterogéneas (tecido fibroglandular), compressível pequenos quistos no interior (raro), reforço posterior variável

92 LESÕES BENIGNAS - Nódulos Nódulos circunscritos com macrocalcificações BI-RADS 2 Fibroadenomas Calcificados (em hialinização) Quistos Calcificados

93 LESÕES BENIGNAS - Nódulos Nódulo(s) circunscrito(s) e não calcificado(s) (morfologia redonda, oval ou lobulada) BI-RADS 3 A favor de benignidade... Apenas 2% dos nódulos de contornos circunscritos correspondem a lesões malignas (d.d : carc medular, carc mucinoso, papilar in situ, metástases, CDI) Os + frequentes... quistos fibroadenomas

94 LESÕES BENIGNAS - Nódulos Nódulo(s) circunscrito(s) e não calcificado(s) (morfologia redonda, oval ou lobulada) Avaliação ecográfica complementar... quisto vs nódulo sólido c/ características benignas (BI-RADS 2) (BI-RADS 3) Follow-up de rotina Follow-up a 6 meses no 1º ano e posteriormente anual até 2 / 3 anos Se estabilidade >> BI-RADS 2 Se dimensional >> PAAF vs Biópsia (BI-RADS 4)

95 Quistos Mamários Quistos Simples BI-RADS 2 únicos / múltiplos ++ bilaterais patologia benigna + comum ( A) variabilidade dimensional (alterações hormonais, ciclo menstrual - fase pré-menstrual) Mx : níveis de sedimentação, calcificação da parede (orla calcificada) Eco anecogénicos parede fina (imperceptível) reforço acústico posterior

96 Quistos Mamários Quistos Simples BI-RADS 2 RM : homogeneidade de sinal,hipointenso T1, hiperintenso T2 realce T1-Gd+ T2 fat sat T1-Gd+

97 Quistos Mamários Quistos Complicados de elevado teor proteíco hemorragia / inflamação Mx: contornos indistintos Eco: parede espessada RM: sinal em T2 (conteúdo proteíco); nível sedimentação; captação em anel < 2 mm BI-RADS 3 quistos complicados microquistos agrupados sem componente sólido Follow-up a 6 meses se dimensional >> PAAF vs Biópsia

98 Quistos Mamários BI-RADS 4 Lesão Quística Complexa parede espessada septações espessas / irregulares vegetação intraquística atenuação posterior maior risco de malignidade citologia aspirativa vs biópsia

99 patologia fibroquística associada (50%) Fibroadenoma tumor fibroepitelial benigno nódulo mamário + comum em mulheres <35A 10% nódulos mamários pós-menopausa únicos / múltiplos e bilaterais

100 Fibroadenoma BI-RADS 3 nódulo oval / lobulado, circunscrito, baixa densidade a isodenso +/- Ca++ (grosseiras e irregulares- em pipoca ) fibroadenoma em hialinização

101 BI-RADS 3 Fibroadenoma Eco nódulo oval / lobulado (2-3 lobulações), circunscrito, hipoecóide a isoecóide, + homogeneidade interna orla periférica hiperecóica (pseudocápsula) maior eixo paralelo à superfície cutânea +/- septações ecogénicas / Ca++ focos microquísticos (2-4%) +/- reforço posterior (atenuação posterior se hialinizado)

102 Fibroadenoma RM T1 - isointenso T2 >>> Intensidade de sinal Septos fibrosos Imagem redonda / oval, bem circunscrita Curva Tipo I Septações internas não captantes Captação inicial > 100% Captação pós-inicial contínua (lesões adenomatosas / mixóides) realce / realce tardio (lesões fibrosas)

103 BI-RADS - Calcificações TIPOS- Benignas, grau intermédio e elevada probabilidade de malignidade Dimensão Morfologia Distribuição

104 BI-RADS - Calcificações Benigna (> 0.5mm) Maligna (< 0.5mm) redonda, regular, arciforme, anelar, ramificada, vermicular em carril +++ Morfologia irregular, poliédrica, linear, Polimorfismo Agrupamento + / Distribuição Densidade regional, difusa baixa linear, segmentar (origem ductal) elevada Número Evolução estável numérico e da densidade

105 Calcificações Vasculares BI-RADS 2 traços paralelos contínuos / descontínuos

106 Calcificações Citoesteatonecróticas BI-RADS 2 quistos oleosos calcificados macrocalcificações grosseiras e de centro radiolucente (monomorfas)

107 Calcificações Secretórias BI-RADS 2 Leite de cálcio sedimentação de partículas de cálcio em microquistos morfologia : amorfa (incidência CC), nível de sedimentação em chávena de chá (perfil 90º) Interesse da incidência macro perfil 90º!

108 Calcificações Secretórias Mastite a células plasmocitárias BI-RADS 2 calcificações > 1 mm; em bastonete distribuição ductal regional (podem ramificar-se e convergir para o mamilo) ++ bilaterais 2 árias a mastite plasmocitária ou ectasia ductal

109 BI-RADS 1 e 2 Estudo negativo para malignidade- Follow-up de rotina BI-RADS 1 = Exame normal BI-RADS 2 = Alterações tipicamente benignas - Gânglios intramamários, quistos oleosos, lipomas, hamartomas, quistos simples, calcificações vasculares, citoesteatonecróticas, secretórias...

110 BI-RADS 3 Lesões provavelmente benignas (risco de malignidade < 2%) Controlo evolutivo a 6 Meses - Nódulos sólidos circunscritos, quistos complicados, assimetrias focais... necessidade de avaliação diagnóstica completa classificação provisória: - Se estabilidade ao fim de 2 A >> BI-RADS 2 - Se lesão evolutiva no intervalo de follow-up >> BI-RADS 4 ( caracterização cito / histológica)

111 PRINCIPAL CAUSA DE MORTE EM PORTUGAL 1º CEREBROVASCULAR 2º TUMORES MALIGNOS Orgãos Nº % Mama Feminina ,7 Estômago ,7 Cólon ,4 Traqueia, Brônquios e Pulmão ,8 Região Anorectal ,5 Bexiga ,4 Colo do Útero 985 3,9 Próstata 898 3,6 Corpo do Útero 693 2,8 Laringe 562 2,2 Total ,3 TABLE 3-1. Risk of developing breast cancer for a 20-year old woman Age Risk 25 1/19, /2, / / / / / / / / / / /9 Lifetime 1/8

112 A MAIORIA TEM ORIGEM NO DUCTO TERMINAL INTRALOBULAR (90% PROCEDEM DO EPITELIO DUCTAL) O PROGNÓSTICO É DETERMINADO POR: TAMANHO, GRAU HISTOLÓGICO, ENVOLVIMENTO GANGLIONAR AXILAR, RECEPTORES HORMONAIS, EXPRESSÃO ONCOGENE, ANGIOGÉNESE

113 ANATOMIA MAMÁRIA CRESCIMENTO CELULAR----EVOLUÇÃO

114 CANCRO DA MAMA ----TIPO HISTOLÓGICO CARC. NÃO INVASIVO C. IN SITU NOS INTRA DUCTAL D. PAGET E INTRA DUCTAL CARCINOMA INVASIVO NOS DUCTAL INFLAMATÓRIO MEDULAR MUCINOSO PAPILAR TUBULAR LOBULAR D. PAGET E INFILTRANTE INDIFERENCIADO C. ESCAMOSO SECRETÓRIO CRIBIFORME

115 LESÕES MALIGNAS- Nódulos Morfologia Redonda Oval Lobulada Irregular Contornos Circunscritos ( 75% da lesão; até 25% obscurecido por sobreposição estromática) Obscurecidos (sobreposição estromática) Microlobulados Indistintos Espiculados

116 SEMIOLOGIA MAMÁRIA A IMAGEM CLÁSSICA DO C.M. LESÃO MORFOLÓGICA NODULAR C/ MARGENS IRREGULARES MAS DIFERENTES TIPOS HISTOLÓGICOS PODEM TER A MESMA APRESENTAÇÃO IMAGIOLÓGICA HÁ LESÕES BENIGNAS E MALIGNAS COM CARACTERISTICAS IMAGIOLÓGICAS SOBREPONÍVEIS

117 1168 peças cirúrgicas 866 malignas Falun - Suécia BREAST CANCE: THE ART AND SCIENCE OF EARLY DETECTION WITH MAMMOGRAPHY- LÀSZLÓ TABÀR

118 lesão dispersante maligna Patologia maligna

119

120 Patologia maligna L.CIRCULAR /OVAL-MALIGNA L.CIRCULAR /OVAL-BENIGNA

121 SINAIS DE MALIGNIDADE CONDENSAÇÃO. NODULAR / ESPICULADA CARCINOMA DUCTAL INVASIVO NÚCLEO CENTRAL DA LESÃO É SÓLIDO ESPÍCULAS RADIÁRIAS EM TODAS AS DIRECÇÕES AS ESPÍCULAS AUMENTAM COM O AUMENTO DO TUMOR AS ESPÍCULAS QUE ATINGEM A PELE CAUSAM RETRACÇÃO E ESPESSAMENTO CUTÃNEO

122 Patologia maligna MICROCALCIFICAÇÕES INTRA-DUCTAIS

123 Patologia maligna MICROCALCIFICAÇÕES GRANULOSAS benignas

124 MICROCALCIFICAÇÕES Patologia maligna MILIARES malignas benignas

125 DISTRIBUIÇÃO AGRUPADAS REGIONAL DISPERSAS LINEAR SEGMENTAR

126 ALTERAÇÕES ECOGRÁFICAS SUSPEITAS MORFOLOGIA IRREGULAR ORIENTAÇÃO NÃO PARALELA À PELE MARGENS MAL DEFINIDAS, IRREGULARES, MICROLOBULARES OU ÂNGULOS AGUDOS HALO ECOGÉNICO CARACTERÍSTICAS COMPLEXAS ATENUAÇÃO POSTERIOR EXTENSÃO DUCTAL ALTERAÇÃO LIGAMENTOS COOPER EDEMA DISTORÇÃO ARQUITECTURAL ENGROSSAMENTO OU RETRACÇÃO CUTÂNEA VASCULARIZAÇÃO

127

128 ALTERAÇÕES ECOGRÁFICAS SUSPEITAS L. INTRA-QUISTICA DISTORÇÃO ARQUITECTURAL GANGLIO AXILAR CARC. MUCOSO

129 ASPECTOS ECOGRÁFICOS SUGERINDO MALIGNIDADE DOPPLER COR ANÁLISE QUANTITATIVA--POWER DOPPLER NUMEROSOS PIXEL DE COR INTRATUMORAL VASOS PENETRANDO NO TUMOR ( sens - 68%; espec - 95%; VPP - 85%; VPN - 88% )

130 A ecografia é útil nas mamas densas e na procurar outros focos

131 BIRADS 4

132 DIAGNÓSTICO DO CANCRO DA MAMA O DIAGNÓSTICO COMBINADO DA GLANDULA MAMÁRIA TEM COMO OBJECTIVO REVELAR A LESÃO nódulo,distorsão,microcalcificações,assimetria densidade AVALIAR DA SUA EXTENSÃO E ESTADIAMENTO CARACTERIZAÇÃO HISTOLÓGICA

133 DIAGNÓSTICO COMBINADO CONDENSAÇÃO DO ESTROMA NODULAR /DISTORSÃO CARC. LOBULAR INVASIVO

134 DIAGNÓSTICO COMBINADO CONDENSAÇÃO DO ESTROMA NODULAR /DISTORSÃO CICATRIZ RADIÁRIA COMPLEXA

135 DIAGNÓSTICO COMBINADO CONDENSAÇÃO DO ESTROMA NODULAR / DISTORSÃO CARC. DUCTAL INV.

136 DIAGNÓSTICO COMBINADO Nódulo único de aparecimento recente

137 DIAGNÓSTICO COMBINADO Nódulo único lesão infra-clínica

138 DIAGNÓSTICO COMBINADO Carcinoma intraductal in situ cribiforme

139 Nódulo detectado por ecografia DIAGNÓSTICO COMBINADO

140 DIAGNÓSTICO COMBINADO Mamas densas carcinoma mama dta

141 CIRURG. CONS. ESQ 5ANOS. CARC MULT. DTO DIAGNÓSTICO COMBINADO

142 DIAGNÓSTICO COMBINADO NOVO CANCRO EM DOENTE OPERADA HÁ 5 ANOS

143 DIAGNÓSTICO COMBINADO Mastectomizada esq canc. do seio dto

144 DIAGNÓSTICO COMBINADO Carc. Pulmão operado -- Metastases mamárias

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

Andrea Canelas 23/09/2009

Andrea Canelas 23/09/2009 BI-RADS Andrea Canelas Moderador: d Dra Manuela Gonçalo 23/09/2009 BI-RADS Introdução BI-RADS Organização do Relatório Léxico Mamografia, Ecografia e RM Categorias BI-RADS Conclusão Introdução Cancro da

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 Diferentes alterações no tecido mamário podem produzir achados de imagem semelhantes, porém, em alguns casos, esses

Leia mais

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal;

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; SESSÃO INTERATIVA CASO 1 Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; Exame físico: sem particularidades.

Leia mais

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012)

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Prezados Colegas No final de 1992, voltávamos de curso de imagenologia mamária ministrado

Leia mais

Calcificações Mamárias em Mamografia. Reunião Temática

Calcificações Mamárias em Mamografia. Reunião Temática Calcificações Mamárias em Mamografia Reunião Temática Mafalda Magalhães 20/05/2013 Anatomia da Mama Pele Estroma tecido adiposo + tecido conjuntivo Tecido glandular Anatomia da Mama Mama 15-18 lobos; 1

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Mamografia Overview Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Introdução O que é a mamografia? A mamografia é um exame que tem como objectivo o estudo do tecido mamário, realizado

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

Neoplasias dos epitélios glandulares II

Neoplasias dos epitélios glandulares II Neoplasias dos epitélios glandulares II PATOLOGIA II Aula Prática nº4 MAMA: Correlação estrutura/lesão Cél. Basais/mioepiteliais Cél. Basais/mioepiteliais (actina) Cél. luminais Cél. luminais MAMA: Estrutura

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Análise de 203 nódulos tiroideus do Hospital Geral de Coimbra Oliveira, C.M.; Costa, R.A.; Estêvão, A.;

Leia mais

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 1 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 2 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A ressonância magnética (RM) das mamas tem sido cada vez mais utilizada para o diagnóstico preciso tanto do câncer primário como do câncer recorrente,

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Reunião Bibliográfica 03/06/2013 Mafalda Magalhães Introdução Incidência dos tumores da tiróide aumentou nos últimos anos

Leia mais

Radiographics Nov 2005. Abril 2007

Radiographics Nov 2005. Abril 2007 Radiographics Nov 2005 Abril 2007 INTRODUÇÃO Aumento da detecção lesões quisticas pâncreas (Eco, TC, RM) Aumento do número de cirurgias pancreáticas Muitas lesões quisticas do pâncreas são benignas Importância

Leia mais

Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Tratamento Conservador do Cancro da Mama Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Sessão Clínica Serviço de Ginecologia Diretora de Departamento: Dra. Antónia Nazaré Diretor de Serviço: Dr. Silva Pereira Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

(Parte 2) Imagiologia da mama Patologia maligna

(Parte 2) Imagiologia da mama Patologia maligna 45 (Parte 2) Imagiologia da mama Patologia maligna Manuela Gonçalo 1. RASTREIO DO CANCRO DA MAMA A incidência do cancro da mama tem vindo a aumentar entre nós. Ocorrem, em média, mais de 4.500 novos casos

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos Prof.ª Esp. Natália Ficagna ANATOMIA DA MAMA Tecido Glandular + Tecido Conjuntivo +Tecido Adiposo Alvéolo Lóbulo Lobo Ducto Lactífero Seio Lactífero - Mamilo As

Leia mais

Agradecimentos. Os autores

Agradecimentos. Os autores MAMOGRAFIA Aldecy Teixeira Dantas (T.C.B.R.) José Cerqueira Dantas (T.C.B.R.) José Ozanan Vilarinho (T.C.B.R.) Henrique Andrade Júnior (T.C.B.R.) Lysia Ribeiro Formiga Matos (T.C.B.R.) Adriana Sandra Martins

Leia mais

LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM -

LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM - LESÕES QUÍSTICAS DO PÂNCREAS - ABORDAGEM DIAGNÓSTICA POR IMAGEM - 6/04/2011 Célia Antunes Moderador: Dr. Luís Curvo Semedo Abordagem multidisciplinar das lesões quísticas pancreáticas Clínica Radiologia

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules.

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules. Citologia Mamária Keratin plug Squamous epithelium Lactiferous sinus Interlobular ducts Lobule with acini Subsidiary duct Terminal (intralobular) ducts Lobules Main ducts 2ª Costela Músculo Grande Peitoral

Leia mais

Português - Superior. 1. O texto 1 tem, prioritariamente, a função de:

Português - Superior. 1. O texto 1 tem, prioritariamente, a função de: Português - Superior TEXTO 1 Achar que a educação é o único e o melhor caminho para a mobilidade social é uma coisa tão óbvia que dá para desconfiar. Trata-se de unanimidade. Acreditar que a educação é

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

CÂNCER DE COLO UTERINO

CÂNCER DE COLO UTERINO 16 CÂNCER DE COLO UTERINO INTRODUÇÃO As inflamações do colo uterino (cervicite) são muito freqüentes, mas sem maiores conseqüências. No colo uterino também são freqüentes os carcinomas. O câncer de colo

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE ANTOMIA PATOLÓGICA SENILIDADE aos 65? Diminuição da filtração glomerular Aumento de sensibilidade a mielotoxicidade Mucosite Neurotoxicidade Toxicidade cardíaca IDADE COMO

Leia mais

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO 5º ANO SUMÁRIO Métodos de imagem (MI) Pancreatite aguda (PA) Pancreatite crónica (PC) Tumores do pâncreas MÉTODOS DE IMAGEM Ecografia ( ECO ) Tomografia computorizada ( TC ) Ressonância magnética ( RM

Leia mais

Anatomia da mama Função biológica

Anatomia da mama Função biológica Dr.Jader Burtet Ginecologia e Obstetrícia Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre Hospital Materno Infantil Presidente Vargas de Porto Alegre Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23 QUESTÃO 17 Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: a) A difusão pagetóide nos ductos interlobulares está muitas vezes presente

Leia mais

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br RAPHAEL SALGADO PEDROSO Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Nome: I. G. A. B.; Idade: 28 anos; Sexo: Feminino; CASO Queixa: Atraso menstrual há 45 dias.

Leia mais

INTRODUÇÃO. Mais frequentes: Idosos Sexo feminino Deficiência de iodo AP de irradiação cervical

INTRODUÇÃO. Mais frequentes: Idosos Sexo feminino Deficiência de iodo AP de irradiação cervical Célia Antunes INTRODUÇÃO Incidência dos nódulos tiroideus tem vindo a aumentar devido à maior solicitação de estudo da tiróide por ecografia. % Detecção: Palpação 4 a 8% Ecografia 19 a 67% Autópsia 50%

Leia mais

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado 15.6.2012 MÓDULO 1 - Mama normal; Patologia benigna; Patologia prémaligna; Estratégias de diminuição do risco de Cancro da Mama. 1 1 Introdução ao Programa de Formação 9:00 9:15 1 2 Embriologia, Anatomia

Leia mais

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina Citopatologia mamária Puberdade: crescimento das mamas em função do desenvolvimento glandular e da deposição aumentada de tecido adiposo. Mulheres durante o ciclo menstrual: aumento do volume mamário em

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: A TOMOSSÍNTESE NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE PROF.DR. PAULO HOCHMÜLLER FOGAÇA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO-RS Patologia cirurgica da tiroide localização NÓDULOS DE TIREÓIDE Prevalência clinicamente

Leia mais

TC Hidrodinâmico no estadiamento pré-operatório do cancro gástrico: Correlação anatomo-radiológica. Estudo prospectivo de 107 casos

TC Hidrodinâmico no estadiamento pré-operatório do cancro gástrico: Correlação anatomo-radiológica. Estudo prospectivo de 107 casos Eur. Radiol. 10, 1877-1885 (2000) F. D Elia, A. Zingarelli, D. Palli, M. Grani TC Hidrodinâmico no estadiamento pré-operatório do cancro gástrico: Correlação anatomo-radiológica. Estudo prospectivo de

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 27 Dezembro 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 27 Dezembro 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918 Revista Portuguesa de irurgia II Série N. 27 Dezembro 2013 ISSN 1646-6918 Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia CADERNO ESPECIAL Imagiologia no Carcinoma da Mama Imaging techniques in Breast

Leia mais

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010 Ano I - Número I - Julho 2010 Avaliação ultrassonográfica da recorrência ganglionar em pacientes operadas por câncer de mama. Prezado colega, Acompanhando o ritmo acelerado da produção científica em medicina

Leia mais

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer 2007 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 25.000 exemplares Criação, Redação e Distribuição MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional

Leia mais

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz

Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz Serviço de Imagiologia dos H.U.C. História Clínica J.L.O.C. Sexo: Masculino Idade: 42 anos Raça: Caucasiana Natural e residente: Coimbra Profissão: motorista

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Mafalda Magalhães 04/03/2013 Introdução Ecografia: 1º exame a ser realizado em mulheres com suspeita de doença pélvica

Leia mais

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE Tomografia Axial Computorizada A Tomografia Axial Computorizada (TAC) define com nitidez os contornos dos órgãos, a sua densidade e a sua vascularização. Permite o diagnóstico

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 QUESTÃO 26 As afirmativas abaixo estão corretas, a) Amastia é ausência congênita da mama. b) Amastiaéaausênciadetecidomamário,mascompreservaçãodocomplexo areolo-papilar. c)

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES

CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES Moderadora: Dr.ª Cristina Marques Catarina Fontes Ruivo 2 de Fevereiro de 2011 Massas

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer 2007 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 25.000 exemplares Criação, Redação e Distribuição MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional

Leia mais

Manejo do Nódulo Pulmonar

Manejo do Nódulo Pulmonar Manejo do Nódulo Pulmonar Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e INSCER PUC/RS Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS brunohochhegger@gmail.com Manejo do Nódulo Pulmonar

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Raniê Ralph Anatomia Patológica Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Fisiologia mamária Alterações não proliferativas:

Raniê Ralph Anatomia Patológica Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Fisiologia mamária Alterações não proliferativas: Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Amastia: ausência completa da mama. Pode ou não estar acompanhada de ausência/hipodesenvolvimento do músculo peitoral. Faz parte de síndromes como a de Turner.

Leia mais

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual .Leucoplasia: (grego: leuco = branco - plasis = formação) Transformação metaplásica do epitélio escamoso estratificado não ceratinizado consistindo em aumento das camadas de ceratina. Exemplos: mucosa

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA) ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA Rio de Janeiro, RJ 2011 2011 Instituto Nacional de Câncer/

Leia mais

Princípios da Ultrassonografia

Princípios da Ultrassonografia Princípios da Ultrassonografia Ana Paula Araujo Costa Es pecialista em Residênica Médico-Veterinária (Diagnóstico por Imagem) Mes tranda em Ciência Animal Conceitos Gerais Exame altamente interativo Interpretação

Leia mais

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA Dr. Ira Bleiweiss of Mount Sinai OPINIÃO

Leia mais

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui O Desenvolvimento e o funcionamento da glândula mamária são presididos pelo lobo anterior da hipófise, com o ovário na função

Leia mais

Director: Prof. Doutor Caseiro Alves. Andrea Canelas 29/05/2008

Director: Prof. Doutor Caseiro Alves. Andrea Canelas 29/05/2008 Director: Prof. Doutor Caseiro Alves Andrea Canelas 29/05/2008 Introdução TC tornou-se o método de imagem de escolha na investigação de practicamente todas as queixas abdominais Por TC, a maioria das massas

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Fat in the liver: diagnosis and characterization

Fat in the liver: diagnosis and characterization Fat in the liver: diagnosis and characterization Carlos Valls et al Eur Radiol (on line 14 February 2006) João Filipe Costa Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra Director:

Leia mais

ACURÁCIA DOS ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ULTRA-SONOGRÁFICOS DO CÂNCER DE MAMA: CORRELAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO BI-RADS QUARTA EDIÇÃO E ACHADOS HISTOLÓGICOS

ACURÁCIA DOS ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ULTRA-SONOGRÁFICOS DO CÂNCER DE MAMA: CORRELAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO BI-RADS QUARTA EDIÇÃO E ACHADOS HISTOLÓGICOS i FACULDADE DE MEDICINA MESTRADO EM MEDICINA E CIÊNCIAS DA SAÚDE JOSÉ HERMES RIBAS DO NASCIMENTO ACURÁCIA DOS ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ULTRA-SONOGRÁFICOS DO CÂNCER DE MAMA: CORRELAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO BI-RADS

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

L u iz F elip e N o b re. luizfelipenobresc@gmail.com

L u iz F elip e N o b re. luizfelipenobresc@gmail.com NÓDULO PULMONAR os Dez Mandamentos CNAP / SBPT São Paulo, 2013 L u iz F elip e N o b re luizfelipenobresc@gmail.com NÓDULO PULMONAR Def. Opacidade relativamente esférica com diâmetro

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor Neoplasias Renais e das Vias Excretoras Dr.Daniel Bekhor CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Diagnóstico por imagem Neoplasias benignas Neoplasias malignas Sugestão de algoritmo de exames ANATOMIA Gore RM et al. The

Leia mais

PATOLOGIAS DA MAMA. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy

PATOLOGIAS DA MAMA. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIAS DA MAMA Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIAS DAS MAMAS - AFBM # Alterações Funcionais Benignas da Mama (AFBM), doença fibrocística, displasia da mama: condição clínica caracterizada por mastalgia

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

TC de alta resolução. É o principal exame na avaliação das doenças pulmonares difusas, doenças das pequenas vias aéreas e bronquiectasias.

TC de alta resolução. É o principal exame na avaliação das doenças pulmonares difusas, doenças das pequenas vias aéreas e bronquiectasias. 19 de Outubro de 2007. Professor Ewerton. TC: aspectos técnicos Espessura dos cortes (cortes com menos de 1mm de alta resolução para estudo do parênquima pulmonar, principalmente para doenças do interstício

Leia mais

DEGUSTAÇÃO. Introdução. Objetivos

DEGUSTAÇÃO. Introdução. Objetivos NÓDULO MAMÁRIO ANA DUBOC ROCHADEL JULIANA OLIVEIRA SOARES 109 PROMEF Ciclo 9 Volume 1 Introdução Nódulo mamário é a segunda queixa mamária mais comum em um consultório de APS; a primeira mais comum é a

Leia mais

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D?

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D? TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL O que é? Qual a diferença para a mamografia 2 D? Quais são suas indicações? TOMOSSINTESE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DA MAMOGRAFIA Maior detalhe da estrutura mamária Grande promessa

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos atuais

Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos atuais Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários / Louveira MH et al. Artigo de Revisão Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca dos possíveis achados ambulatoriais de doenças benignas e malignas da mama, julgue os itens a seguir. 41 A amastia é um processo de má formação caracterizado pela ausência de tecido glandular mamário,

Leia mais

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA Tomografia: diagnóstico stico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica nica; Objetivo da aula; TC Helicoidal X Multi slice Limitações do método. *Ajustes das

Leia mais