PROVA DE MASTOLOGIA Nº de Questões: 50 (cinqüenta) Valor de Cada Questão: 2 (dois) pontos MA 01. MA 02. MA 03. MA 04. MA 05. MA 06. MA 07.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA DE MASTOLOGIA Nº de Questões: 50 (cinqüenta) Valor de Cada Questão: 2 (dois) pontos MA 01. MA 02. MA 03. MA 04. MA 05. MA 06. MA 07."

Transcrição

1 PROVA DE MASTOLOGIA Nº de Questões: 50 (cinqüenta) Valor de Cada Questão: 2 (dois) pontos MA 01. Qual das patologias da mama relacionadas abaixo apresenta um risco aumentado para o desenvolvimento de carcinoma invasivo de mama? A) Adenose esclerosante B) Fibroadenoma C) Metaplasia escamosa D) Ectasia ductal E) Metaplasia apócrina MA 02. De acordo com a classificação do sistema de BI-RADS na mamografia, em qual categoria recomenda-se apenas controle anual? A) 0 B) 3 C) 2 D) 5 E) 4 MA 03. No câncer de mama, o linfonodo sentinela é o primeiro linfonodo na axila ipsilateral ou mamária interna a receber a drenagem do tumor. Em qual das situações abaixo a técnica de pesquisa deste linfonodo é indicada? A) Doença localmente avançada B) Operação axilar prévia C) Mulheres grávidas ou em amamentação D) Linfonodos clinicamente negativos em axila E) Doença metastática MA 04. De acordo com o sistema de estadiamento de câncer de mama da AJCC 2002, marque o item correto. A) Tumor > 5 cm é classificado como T2 B) Tumor com extensão para pele com ulceração é classificado como T4a C) Carcinoma inflamatório é classificado como T4d D) Metástase para 1-3 linfonodos axilares é considerado N1b E) Metástase para linfonodos supraclaviculares ipsilaterais é classificado como M1 MA 05. Os carcinomas invasivos de mama são reconhecidos pela falta de arquitetura e infiltração desordenada de células em uma quantidade de estroma. Em relação aos subtipos mais comuns, marque o item INCORRETO. A) O carcinoma ductal invasivo é a apresentação mais comum do câncer de mama, responsável por 50 a 70% dos carcinomas B) O carcinoma lobular infiltrante é responsável por 10 a 15% dos cânceres de mama C) Nos tumores mucinosos ou colóides as células podem secretar quantidades copiosas de material mucinoso, sendo porém consideradas lesões de baixo grau D) No carcinoma tubular infiltrante as células formam pequenas glândulas, revestidas por uma camada única de epitélio branco E) Células invasivas bizarras, com características de baixo grau, e com componente in situ, caracterizam o carcinoma medular de mama MA 06. Analisando as considerações anatômicas da glândula tireóide, a opção correta é: A) o nervo laríngeo direito não-recorrente é encontrado em 30% dos pacientes B) o nervo laríngeo recorrente, do lado esquerdo, separa-se do nervo vago quando cruza com a artéria subclávia ipsilateral C) um dano ao ramo externo do nervo laríngeo superior poderá resultar em grave perda da qualidade da voz ou da potência da voz D) o ligamento de Berry, ligamento suspensor é firmemente inserido à cartilagem tireóide E) as metástases linfáticas estão comumente relacionadas com o carcinoma folicular da tireóide MA 07. Sobre a atividade das citocinas na cicatrização de ferida é FALSO afirmar. A) Quimiotaxia de fibroblastos B) Síntese se colágeno C) Ativação de macrófago D) Retarda a migração, a proliferação e a diferenciação de ceratinócito E) Aumenta a vasopermeabilidade 1

2 MA 08. O reparo de feridas é o esforço dos tecidos para restaurar a função e a estrutura normais após o trauma. A esse respeito, a seqüência correta nas fases da cicatrização é: A) fase inflamatória fase maturacional fase proliferativa B) fase reativa fase regeneradora fase remodelação C) fase proliferativa fase inflamatória fase maturacional D) fase regeneradora fase remodelação fase reativa E) fase maturacional fase inflamatória fase proliferativa MA 09. A NPT (nutrição parenteral total) NÃO é indicada em: A) fistulas gastrointestinais cutâneas B) insuficiência renal crônica C) doença inflamatória dos intestinos D) queimaduras E) enterite por radioterapia ou toxicidade devido à quimioterapia MA 10. Antibióticos profiláticos sistêmicos reduzem a infecção, com significativo benefício clínico, nas seguintes circunstâncias: A) herniorrafia inguinal B) tireodectomias C) cirurgia oftalmológicas D) ressecção de câncer de pele E) histerectomia vaginal ou abdominal MA 11. Paciente sexo feminino, 45 anos relata descarga mamilar. Em quais características da descarga deve-se prosseguir a investigação: A) bilateral e amarelada B) unilateral e leitosa C) uniductal, sangüinolenta D) espontânea e esverdeada E) bilateral com mamografia normal MA 12. São tumores mais freqüentes no mediastino anterior, médio e posterior, nesta ordem: A) Tu tímicos, Tu neurogênico, cistos B) Tu neurogênico, Tu tímicos, Tu endócrinos C) Tu de células germinativas, cistos, Tu neurogênico D) Cistos, Tu tímico, linfoma E) Tu tímicos, Tu endócrinos, Tu neurogênico MA 13. São fatores que inibem a cicatrização da ferida: A) infecção, deficiência de magnésio B) isquemia, idade precoce C) diabete melito, deficiência de zinco D) doxorrubicina (adriamicina), deficiência de vitamina B E) desnutrição, deficiência de vitamina E MA 14. São características hemodinâmicas do choque cardiogênico: A) infarto miocárdio anterior, pressão sanguínea diastólica mais alta B) acometimento de somente um vaso coronariano, pressão sangüínea sistólica baixa C) infarto miocárdio anterior, fração de ejeção ventricular esquerda maior de 60% D) acometimento de três vasos coronarianos, pressão sangüínea diastólica baixa pressão em cunha pulmonar alta, pressão sangüínea diastólica alta E) pressão em cunha pulmonar alta, pressão sangüínea diastólica alta MA 15. São complicações da tireoidectomia total: 1. hipocalcemia, lesão do nervo laríngeo-recorrente 2. hipercalcemia, lesão do nervo laríngeo-recorrente 3. sangramento, rouquidão Está (ão) correta(s): A) todas (1, 2 e 3) B) somente 1 e 2 C) somente 2 e 3 D) somente 1 e 3 E) somente a 1 2

3 MA 16. Os distúrbios da motilidade esofágica são alterações funcionais e interferem na deglutição ou produzem disfagia sem qualquer obstrução mecânica. Os sintomas de regurgitação, perda de peso, disfagia após ingestão inicial de líquidos gelados, hipomotilidade e aumento da incidência de câncer de esôfago são características comumente encontradas em: A) espasmo esofagiano difuso B) esôfago em quebra nozes C) esfíncter esofágico inferior hipertensivo D) síndrome de Plummer - Vinson E) Acalásia MA 17. Uma das causas de hipotireoidismo na população, decorrente de um complexo fenômeno imunológico, resultando em uma infiltração de linfócitos e conseqüente fibrose, presença de anticorpos bloqueadores de TSH e decrescente número e eficiência dos folículos são características de: A) Tireoidite de Hashimoto B) Estruma de Riedel C) Tireoidite subaguda D) Tireoidite supurativa aguda E) Doença de Graves MA 18. São fatores relacionados ao paciente que estão associados a uma maior taxa de infecção em áreas de cirurgia, EXCETO: A) má nutrição B) diabete melito C) uremia D) queimadura E) controle não adequado do sangramento da ferida operatória MA 19. Dentre os itens abaixo, em qual cirurgia NÃO há indicação de antibioticoprofilaxia? A) Hernioplastia inguinal com tela de Marlex B) Ressecção do intestino delgado C) Gastroplastia para obesidade mórbida D) Fundoplicatura E) Craniotomia MA 20. São fatores associados a um risco aumentado de desenvolvimento do câncer de estômago: A) tabagismo, pólipos inflamatório B) operação gástrico previa, consumo baixo de nitratos C) classe social alta, carne e peixe salgados D) água de bebida tratada com cloro, atipia gástrica E) infecção pelo H. pylori, pólipos adenomatosos MA 21. A mamografia é considerada atualmente o único método de rastreamento precoce do câncer de mama. Qual o tempo que a mamografia pode antecipar o diagnóstico de uma lesão mamária antes se tornar palpável? A) Cinco anos B) Dois anos C) Doze meses D) Seis meses E) Não há literatura tal relato MA 22. Sobre o sistema BI-RADS é correto afirmar que: A) a classe O significa avaliação incompleta e há necessidade de estudo adicional para conclusão diagnóstica B) classe 2 significa achado suspeito C) na classe 3 não há necessidade de acompanhamento com intervalos menores D) classe 1 significa mamografia negativa e mesmo que alguma anormalidade seja palpada no exame clínico não deve ser biopsiada E) nenhuma das respostas anteriores MA 23. Mulher de 20 anos, com quadro de tumor de mama direita e relato de mãe falecida de câncer de mama aos 44 anos. Qual a ordem mais adequada de conduta para esta paciente? A) Ultrassonografia mamária e acompanhamento clínico de rotina B) Exame clínico e orientações C) Ultrassonografia mamária, em caso de se tratar de lesão nodular sólida, biópsia de fragmento (core-biopsy) e posterior exérese da lesão 3

4 D) Retirar de imediato a lesão, sem necessidade de biópsia prévia E) Ultrassonografia mamária somente MA 24. Os abscessos mamários puerperais podem ocorrer durante a lactação. Qual o microorganismo mais comumente encontrado nestes tipos de lesões? A) Streptococcus B) Pseudomonas C) Proteus D) Staphylococcus aureus E) Nenhum, pois, os abscessos mamários lactacionais são estéreis MA 25. Mulher de 50 anos, história de nódulo endurecido de mama esquerda acompanhado de retração de pele e equimose, sem sinais flogísticos. Há relato de trauma mamário prévio. Qual das lesões abaixo descritas pode entrar no diagnóstico diferencial do carcinoma mamário tendo por base a história e o quadro clínicos desta paciente? A) Fibroadenoma B) Tumor filóides de mama C) Necrose gordurosa D) Abscesso mamário E) Nenhuma das alternativas anteriores MA 26. Em relação ao câncer de mama hereditário, podemos afirmar corretamente que: A) corresponde cerca de 50% dos cânceres de mama B) as mutações genéticas mais comuns são as deleções BRCA1 e BRCA2 C) qualquer história familiar de câncer de mama não aumenta o risco relativo geral para o desenvolvimento da doença D) as mutações genéticas são comuns na população geral E) nenhuma das alternativas anteriores MA 27. Qual é o estadiamento do carcinoma inflamatório de mama em relação ao tumor primário(t): A) Tx B) T4d C) M1 D) Tis E) T1 MA 28. O tratamento conservador do carcinoma mamário invasivo tem a radioterapia como abordagem adjuvante importante. Dentre as afirmações abaixo, marque a correta. A) A radioterapia diminui as chances de recidiva local B) A radioterapia isolada substitui a cirurgia local na abordagem dos tumores mamários C) O NSABP realizou estudo que mostrou aumento do número de recidivas locais no grupo de pacientes que realizou quadrantectomia, dissecção axilar e radioterapia D) A radioterapia não interfere nas taxas de recidiva local do câncer E) Nenhuma das alternativas anteriores MA 29. Sobre o câncer de mama, quando ocorre durante a gravidez sabe-se que: A) há piora nas taxas de sobrevida quando comparadas com pacientes não grávidas B) estudos sugerem e comprovam piora no prognóstico C) cânceres diagnosticados durante a lactação devem ser tratados de imediato e a lactação deve ser suspensa D) todas as drogas usadas na quimioterapia adjuvante ou neo-adjuvante são contra-indicadas para o tratamento do câncer de mama durante a gravidez e lactação D) a radioterapia pode ser realizada em pacientes grávidas com câncer de mama MA 30. Sobre o carcinoma ductal in situ, podemos afirmar corretamente: A) a dissecção axilar está indicada na abordagem cirúrgica B) as metástases axilares ocorrem em mais de 20% das pacientes, indicando que um componente invasivo não foi diagnosticado durante a avaliação anátomo-patológica C) as microcalcificações agrupadas podem ser uma forma de apresentação, na maioria dos casos a mais comum D) a incidência de câncer de mama contralateral em mulheres com carcinoma intraductal é menor do que nas pacientes com carcinoma ductal invasivo E) nenhuma das alternativas anteriores MA 31. Qual o item correto relativo à contracepção? A) Esteróides sexuais, no homem, estimulam a espermatogênese B) Esteróides sexuais, no homem, melhoram o desempenho sexual C) Esteróides sexuais, na mulher, bloqueiam a ovulação 4

5 D) Testosterona, no homem, dificulta a libido E) Testosterona, no homem, extingue o desempenho sexual MA 32. Marque o item correto com relação aos leiomiomas uterinos. A) É mais comum nas mulheres brancas B) São assintomáticos em 90% dos casos C) Ocorrem degenerações em dois terços D) Na maioria dos casos são isolados E) Não guardam relação com infertilidade MA 33. Com relação ao líquen escleroso e hiperplasia escamosa da vulva, marque a correta. A) O líquen escleroso é uma hiperceratose B) A hiperplasia escamosa tem coloração esbranquiçada C) O líquen escleroso é mais comum no menacme D) A hiperplasia escamosa é a lesão branca mais comum na vulva E) Ambos apresentam prurido vulvar MA 34. Escolha o item correto quanto à dismenorréia. A) O início da dor na dismenorréia primária ocorre uma semana antes o período menstrual B) Dismenorréia primária é a que ocorre em nuligestas C) O início da dor na dismenorréia primária ocorre horas antes o período menstrual D) A dismenorréia secundária está associada a patologia pélvica E) Os termos primária e secundária em dismenorréia referem-se à menarca MA 35. Úlcera endurecida e indolor, em vulva, sugere mais comumentemente: A) sífilis B) herpes genital C) cancro mole D) linfogranuloma venéreo E) leishmaniose cutânea MA 36. Qual das substâncias abaixo listadas usadas para tratar hirsutismo tem ação na enzima 5α-redutase? A) flutamida B) ciproterona C) espironolactona D) finasterida E) contraceptivos orais MA 37 Qual o fator mais freqüente para abortamento espontâneo recorrente? A) Imunológico B) Endócrino C) Anatômico D) Trombótico E) Genético MA 38. Qual o achado mais constante na transição para a menopausa? A) Elevação de progesterona B) Elevação de estriol C) Elevação de FSH D) Queda de estradiol E) Queda de estriol MA 39. Aumenta o risco para câncer de endométrio: A) multiparidade B) menopausa precoce C) contraceptivos combinados D) tamoxifeno E) baixo IMC MA 40. Qual o sintoma mais comum em pacientes com câncer de colo uterino? A) Dor pélvica B) Corrimento vaginal C) Emagrecimento D) Uropatia obstrutiva E) Hemorragia vaginal MA 41. Qual a proporção correta para a causa de sangramento pós-menopausa? A) Hiperplasia > câncer > atrofia B) Atrofia > câncer > hiperplasia C) Câncer > atrofia > hiperplasia 5

6 D) Hiperplasia > atrofia > câncer E) Câncer > hiperplasia > atrofia MA 42. Em uma mulher com biópsia de colo uterino (pequeno fragmento), realizada às cegas (sem colposcopia), com invasão de 2 mm qual a melhor conduta seguinte? A) histerectomia abdominal + anexectomia bilateral B) histerectomia radical C) conização D) histerectomia vaginal + anexectomia bilateral E) histerectomia vaginal MA 43. Qual a seqüência correta para a freqüência dos tipos histológicos de câncer de ovário? A) Seroso > mucinoso > endometrióide B) Mucinoso > endometrióide > seroso C) Endometrióide > seroso > mucinoso D) Mucinoso > seroso > endometrióide E) Seroso > endometrióide > mucinoso MA 44. Quanto ao estadiamento do câncer de ovário com linfonodo inguinal comprometido tem-se estágio? A) IIb B) IIc C) IIIc D) IIIb E) IV MA 45. Com relação à ambigüidade genital ao nascimento, responda o item correto. A) Deve-se fazer investigação apenas após a puberdade B) O hormônio antimülleriano não faz parte da propedêutica C) Dosagem de sódio e potássio não têm lugar na investigação D) Hipernatremia pode ser causa de óbito fetal e em recém-nascidos E) A causa mais comum é HSRC MA 46. A presença de macrófagos da cavidade peritoneal com hemossiderina é critério para diagnóstico de: A) abortamento B) endometriose C) leiomiomatose D) adenomiose E) hiperplasia endometrial MA 47. Para iniciar-se um algoritmo para anovulação crônica com FSH e LH baixos, pensa-se inicialmente, em: A) doença da tireóide B) hiperprolactinemia C) pan-hipopituitarismo D) distúrbios ovarianos E) distúrbios hipotalâmicos MA 48. A hemorragia uterina na transição para a menopausa é, na maioria dos casos, por: A) anovulação B) atrofia genital C) leiomiomas D) hiperplasia endometrial E) coagulopatias MA 49. Quanto à Ginecologia na infância escolha o item correto. A) Aglutinação labial não guarda relação com processo inflamatório B) Abuso sexual não pode ser considerado em qualquer queixa vulvaginal C) Corticóide é droga de escolha em aglutinação labial D) Estrógenos não podem ser usados em aglutinação labial E) É obrigatória a notificação institucional em suspeita de abuso sexual CL 50. Com base em estudos epidemiológicos, um programa de saúde coletiva com enfoque preventivo deve prever a execução de colpocitologia oncótica para rastreamento do câncer de colo uterino, pelo menos a cada: A) seis meses B) ano C) dois anos D) três anos E) cinco anos 6

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

PROVA DE CIRURGIA GERAL

PROVA DE CIRURGIA GERAL PROVA DE CIRURGIA GERAL Nº de Questões: 50 (cinqüenta) Valor de Cada Questão: 2 (dois) pontos CG 01. Dentre os itens abaixo, em qual cirurgia NÃO há indicação de antibioticoprofilaxia? A) Hernioplastia

Leia mais

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro 4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro Afecções Oncológicas nas Mamas Enfª Giselle G. Borges Epidemiologia (BRASIL, 2012) Anatomia da mama (estruturas) Linfonodos Fisiologia

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

CÂNCER DE COLO UTERINO

CÂNCER DE COLO UTERINO 16 CÂNCER DE COLO UTERINO INTRODUÇÃO As inflamações do colo uterino (cervicite) são muito freqüentes, mas sem maiores conseqüências. No colo uterino também são freqüentes os carcinomas. O câncer de colo

Leia mais

PATOLOGIAS DOS APARELHOS REPRODUTORES. Mª Cristina Marques

PATOLOGIAS DOS APARELHOS REPRODUTORES. Mª Cristina Marques PATOLOGIAS DOS APARELHOS REPRODUTORES Mª Cristina Marques 2010 - APARELHO REPRODUTOR FEMININO: Alterações da função ovárica no período fértil - Insuficiência ovárica - Alterações do ciclo menstrual - Quistos

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA Protocolo de Pesquisa Joselma Lira Alves Maisa Homem de Mello Romeu Carillo Jr Clínica de Homeopatia do HSPM-SP LEIOMIOMA UTERINO Sinonímia

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. CARDOSO, Michel¹; DELFINO, Gabriel Felipe Lima¹; NEGRETTI, Fábio² ¹Acadêmico do curso de Medicina da Unioeste ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23 QUESTÃO 17 Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: a) A difusão pagetóide nos ductos interlobulares está muitas vezes presente

Leia mais

HSPM-SP. Projeto de Pesquisa

HSPM-SP. Projeto de Pesquisa HSPM-SP Projeto de Pesquisa HSPM-SP Conseqüências da Histerectomia Leiomioma uterino-metástase mórbida Dra Joselma Lira Alves Dra Maisa L. H. de Mello Prof. Dr Romeu Carillo Jr Associação Brasileira de

Leia mais

Prof. Thais de A. Almeida

Prof. Thais de A. Almeida Prof. Thais de A. Almeida Anatomia e histologia: Peso: 50g Tamanho: 8,0 x 6,0 x 3,0cm idade paridade Corpo camadas histológicas Ciclo menstrual: Início mestruação desprendimento de 1 2 a 2 3 do endométrio

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal;

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; SESSÃO INTERATIVA CASO 1 Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; Exame físico: sem particularidades.

Leia mais

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas X COD PROTOCOLOS DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA ( ) 21.01 Abscesso e Cisto da Glândula de Bartholin ( ) 21.02 Acompanhamento das Gestantes Vacinadas Inadvertidamente (GVI) com a Vacina Dupla Viral (sarampo

Leia mais

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1)

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) Reunião de casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) CASO 1 História Clínica Identificação: RN de E. B., 2º dia de vida História fisiológica: RNAT; AIG; cesareana

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

Papanicolaou: 1º: 3 anos após coitarca, seguimento anual por 2 anos, resultado negativo: segue a cada 3 anos.

Papanicolaou: 1º: 3 anos após coitarca, seguimento anual por 2 anos, resultado negativo: segue a cada 3 anos. Ca de colo de útero Fator de risco: Coitarca precoce HPV (16/18) Múltiplos parceiros Tabagismo ACHO Alta paridade Infecção: de 12 a 24 meses a imunidade vence o vírus Baixa imunidade: não consegue eliminar

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos Prof.ª Esp. Natália Ficagna ANATOMIA DA MAMA Tecido Glandular + Tecido Conjuntivo +Tecido Adiposo Alvéolo Lóbulo Lobo Ducto Lactífero Seio Lactífero - Mamilo As

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

PATOLOGIAS DA MAMA. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy

PATOLOGIAS DA MAMA. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIAS DA MAMA Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIAS DAS MAMAS - AFBM # Alterações Funcionais Benignas da Mama (AFBM), doença fibrocística, displasia da mama: condição clínica caracterizada por mastalgia

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina Citopatologia mamária Puberdade: crescimento das mamas em função do desenvolvimento glandular e da deposição aumentada de tecido adiposo. Mulheres durante o ciclo menstrual: aumento do volume mamário em

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL. 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon

TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL. 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon Brasil Região Metropolitana de Campinas Estado de São Paulo Município

Leia mais

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome:

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: Data: / / Assinatura do Candidato 1. Segundo as DIRETRIZES PARA O RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO -MINISTÉRIO DA SÁUDE INCA O método

Leia mais

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br Hipogonadismo O que é Hipogonadismo? Hipogonadismo é uma doença na qual as gônadas (testículos nos homens e ovários nas mulheres) não produzem quantidades adequadas de hormônios sexuais, como a testosterona

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I. OBJETIVOS Geral Capacitar o médico residente em Obstetrícia e Ginecologia a promover a saúde e prevenir, diagnosticar e tratar as

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 06 - Mastologia Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: GINECOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir Yara Furtado Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Durante a

Leia mais

Anatomia da mama Função biológica

Anatomia da mama Função biológica Dr.Jader Burtet Ginecologia e Obstetrícia Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre Hospital Materno Infantil Presidente Vargas de Porto Alegre Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Programa de controle de CA de Mama

Programa de controle de CA de Mama Programa de controle de CA de Mama Profª: Dayse Amarílio Estima-se incidência anual de mais de 1.000.000 de casos no séc XXI; CA mais incidente no sexo feminino nos países desenvolvidos e Brasil, o que

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 QUESTÃO 26 As afirmativas abaixo estão corretas, a) Amastia é ausência congênita da mama. b) Amastiaéaausênciadetecidomamário,mascompreservaçãodocomplexo areolo-papilar. c)

Leia mais

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU)

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Material distribuído exclusivamente por profissionais de saúde às pacientes usuárias de SIU, a título de orientação.

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA. 7. Prova Objetiva

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA. 7. Prova Objetiva SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA Concurso Público 7. Prova Objetiva Médico Ginecologista Você recebeu sua folha de respostas e este caderno contendo 40 questões objetivas. Confira seu nome e número

Leia mais

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA. 7. Prova Objetiva

SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA. 7. Prova Objetiva SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA Concurso Público 7. Prova Objetiva Médico Ginecologista Você recebeu sua folha de respostas e este caderno contendo 40 questões objetivas. Confira seu nome e número

Leia mais

Coordenadoria de Regiões de Saúde

Coordenadoria de Regiões de Saúde Coordenadoria de Regiões de Saúde Grupo Normativo de Auditoria e Controle de Saúde Quimioterapia e Hormonioterapia no CÂNCER DE MAMA Fevereiro /2011 Atualidades O Brasil deverá ter 520 mil novos casos

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. Na imunohistoquímica, qual(is) dos marcadores tumorais abaixo, em um paciente com carcinoma metastático de sítio primário desconhecido, sugere primário

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE

DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE TUMOR DE PÊNIS: Abordagem inicial DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE TUMOR DE PÊNIS Epidemiologia Distribuição geográfica EUA 0,2 / 100.000

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca dos possíveis achados ambulatoriais de doenças benignas e malignas da mama, julgue os itens a seguir. 41 A amastia é um processo de má formação caracterizado pela ausência de tecido glandular mamário,

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules.

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules. Citologia Mamária Keratin plug Squamous epithelium Lactiferous sinus Interlobular ducts Lobule with acini Subsidiary duct Terminal (intralobular) ducts Lobules Main ducts 2ª Costela Músculo Grande Peitoral

Leia mais

Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Tratamento Conservador do Cancro da Mama Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Sessão Clínica Serviço de Ginecologia Diretora de Departamento: Dra. Antónia Nazaré Diretor de Serviço: Dr. Silva Pereira Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot. 3,6 mg e 10,8 mg

ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot. 3,6 mg e 10,8 mg ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot 3,6 mg e 10,8 mg ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção:

Leia mais

PROVA DE CIRURGIA GERAL

PROVA DE CIRURGIA GERAL PROVA DE CIRURGIA GERAL CG 01. São causas comuns de hipocalemia no pós-operatório, EXCETO A) vômitos persistentes. B) uso de diuréticos de alça. C) insuficiência renal aguda. D) fístula entérica de alto

Leia mais

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos Doenças da Tireóide Prof. Fernando Ramos Introdução A tireóide é uma glândula localiza na porção anterior do pescoço e responde pela produção de hormônios como Triiodotironina (T3) e Tiroxina (T4) que

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA.

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA. Como proporcionar atenção contínua às mulheres Mulheres diagnosticadas com infecção dos órgãos reprodutores devem receber prontamente tratamento segundo as diretrizes da OMS. Embora seja preferível poder

Leia mais

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Francisco J. Candido dos Reis Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP Um Breve Histórico Diagnóstico Principais Indicações Dor

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha APRESENTAÇÃO Depot de 3,6

Leia mais

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara

CASO CLÍNICO. Geysa Câmara CASO CLÍNICO Geysa Câmara C.P.S,sexo feminino, 43 anos, parda, casada, dona de casa, natural de São Paulo,católica. QP: Cólicas fortes o H.D.A: Paciente refere que há 4 anos apresentava ardor miccional,

Leia mais

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE PROF.DR. PAULO HOCHMÜLLER FOGAÇA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO-RS Patologia cirurgica da tiroide localização NÓDULOS DE TIREÓIDE Prevalência clinicamente

Leia mais