AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL"

Transcrição

1 AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO / 2015

2 ALERTA Este Auxiliar de Bolso não é um manual de formação. Deve ser utilizado como um auxiliar de memória e de sistematização das competências e tarefas no âmbito do SGO, otimizado para os incêndios florestais, por elementos dotados de conhecimento, competências e treino neste âmbito. RELEMBRE SEMPRE O OBJETIVO PRINCIPAL: SEGURANÇA SEGURANÇA

3 SGO AUXILIAR DE BOLSO 3 INSTALAÇÃO DO POSTO DE COMANDO OPERACIONAL Local Isolado (fora das povoações) Espaço amplo; Boa cobertura rádio e GSM; Enquadrado com a evolução do incêndio. Acessibilidade Bons acessos a todo o tipo de veículos: VCOC/VPCC; Forças de segurança; Entidades políticas; Técnicos especializados; OCS. Facilidade de localização do PCO (coordenadas, referências); Estacionamento seguro e organizado. POSTO DE COMANDO OPERACIONAL PCO

4 POSTO DE COMANDO OPERACIONAL PCO Estrutura física Avaliar o tipo de estruturas necessárias/possíveis de instalar ou ocupar: VCOC/VPCC; Tenda insuflável; Infraestruturas existentes. Avaliar a necessidade de solicitar meios de maior capacidade (VGEO ou CETAC). Segurança Estabelecer caminhos de fuga (no caso de alteração face à previsão); Isolamento do espaço envolvente: Espaço limitado com fita; Forças de segurança (quando aplicável); Controlo de acessos. Prever e identificar espaço alternativo de instalação.

5 Logística SGO AUXILIAR DE BOLSO 5 Energia elétrica / gerador; Reabastecimento de Combustível (geradores); Alimentação; Água; Iluminação da área; Zona de descanso. Redes de comunicações voz e dados Verificação das Redes GSM; Verificação da Rede 3G Placas para Internet; Verificação das Redes de Radiocomunicações: SIRESP REPC ROB Verificação de perturbações eletromagnéticas (postes de alta tensão, centrais elétricas, etc.). POSTO DE COMANDO OPERACIONAL PCO

6 POSTO DE COMANDO OPERACIONAL PCO Recomendações importantes Não instalar o PCO dentro de povoações ou locais de elevado fluxo populacional; Efetuar Briefing com a equipa do PCO; Manter a estrutura física do PCO (VCOC, VPCC, tenda, etc ) num plano horizontal sem declive; Prever depósitos para resíduos (impacto ecológico); Controlar acessos ao PCO; Manter o espaço limpo, arrumado e organizado; Definir espaço isolado de descanso e refeições; Efetuar plano de rendição dos OPTEL; Enquadrar os OCS; Receber e enquadrar as entidades políticas; Deixar o espaço limpo e arrumado e retirar o material utilizado; Garantir a recolha e gestão dos resíduos; Assegurar a correta arrumação e acondicionamento dos equipamentos.

7 SGO AUXILIAR DE BOLSO 7 Os POSIT devem ser transmitidos regularmente ou sempre que a situação se altere. Situação atual e previsível Informar da situação geral e/ou por setores; Extensão e % de dominado. Propagação Intensidade; Tipo de combustíveis; Declives; Acessos; Pontos sensíveis; Condições meteorológicas no local. Organização Constituição do PCO; Setorização. Meios Suficientes ou necessidade de reforço (quantificar). Presenças no PCO VIPs; Técnicos; Oficiais de ligação. PONTOS DE SITUAÇÃO (POSIT)

8 COMANDANTE OPERAÇÕES DE SOCORRO COS Sou o COS, tenho que: Efetuar o reconhecimento do TO; Determinar a localização do PCO; Aprovar o Plano de Ação considerando: Análise da ZI; Definição do objetivo; Setorização e organização do TO; Cenário de antecipação para as horas seguintes; Definição das missões; Meios e recursos; Reserva estratégica; Plano de comunicações; Segurança das forças; Plano logístico.

9 SGO AUXILIAR DE BOLSO 9 Nomear os elementos para a constituição do PCO; Nomear os Comandantes de Setor; Coordenar os meios das várias entidades e organismos presentes no TO; Garantir ao CDOS a informação dos POSIT, dos resultados obtidos bem como das desmobilizações; Propor ao CDOS o reforço de meios operacionais ou de suporte logístico; Solicitar às autoridades policiais a criação de perímetros, zonas ou áreas de segurança; Solicitar, com conhecimento ao CDOS, o acionamento dos órgãos municipais do sistema de proteção civil; Em articulação com o CDOS, garantir a informação aos OCS; Garantir a ligação com as entidades e oficiais de ligação presentes e organizações locais necessárias ao suporte e sustentação das operações; Promover a realização de briefings regulares. COMANDANTE OPERAÇÕES DE SOCORRO COS

10 CÉLULA DE OPERAÇÕES CELOP Sou o Oficial de Operações, tenho que: Assegurar a conduta das operações em ordem ao PEA; Ativar o núcleos de meios aéreos quando necessário; Elaborar o SITAC e mantê-lo atualizado; Propor ao COS a setorização do TO; Manter atualizado o quadro geral da operação; Atribuir as missões aos Comandantes de Setor; Propor ao COS a mobilização de meios de reforço; Garantir o registo na fita do tempo; Propor ao COS a evacuação de pessoas; Propor as modalidades de ação; Garantir a articulação com o Núcleo de Meios Aéreos; Propor ao COS, se necessário, a nomeação de um adjunto.

11 SGO AUXILIAR DE BOLSO 11 Painéis da responsabilidade do Oficial de Operações: SITAC; Organização geral e organização do PCO; Setores de intervenção; POSIT (partilhado); Quadro de vítimas. Documentos da sua responsabilidade: PEA (na parte aplicável). CÉLULA DE OPERAÇÕES CELOP

12 CÉLULA DE OPERAÇÕES NÚCLEO DE MEIOS AÉREOS Sou o Oficial de Operações Aéreas, tenho que: Atribuir as missões táticas aos meios aéreos empenhados na operação em ordem ao PEA; Propor ao Oficial de Operações a designação do Coordenador de Operações Aéreas (COPAR); Planear e coordenar a atividade dos meios aéreos; Transmitir as instruções necessárias à implementação das missões atribuídas; Garantir o suporte logístico às operações aéreas; Elaborar e manter atualizado o plano de empenhamento de meios aéreos; Garantir a articulação com os meios aéreos; Verificar a eficácia dos meios, propondo a alteração sempre que necessário; Identificar e alertar os meios aéreos e/ou terrestres para questões de segurança na atividade aérea. Painel da sua responsabilidade: Plano de Empenhamento dos Meios Aéreos.

13 SGO AUXILIAR DE BOLSO 13 Sou o Coordenador de Operações Aéreas (COPAR), tenho que: Garantir o cumprimento dos objetivos táticos atribuídos aos meios aéreos; Garantir a ligação terra-ar; Garantir com os Comandantes de Setor a segurança na descarga das aeronaves; Garantir a ligação com os Comandantes de Setor para validação da eficácia da ação dos meios aéreos; Garantir as condições de segurança nas missões operacionais das aeronaves no TO. Como COPAR, reporto diretamente ao Oficial de Operações Aéreas. CÉLULA DE OPERAÇÕES COPAR

14 COMANDANTE DE SETOR CS Compete ao Comandante de Setor exercer o comando tático sobre as forças e meios que lhe estão atribuídos. Receber do Oficial de Operações a ORMIS, PLACOM e a relação de meios atribuídos; Elaborar o Plano Tático, em ordem ao PEA; Reconhecer o setor, os seus limites, acessos, caminhos penetrantes e percursos de fuga; Garantir a ligação com os CS adjacentes; Garantir a segurança e apoio à evacuação de pessoas; Atribuir tarefas aos meios sobre sua gestão; Estabelecer os locais de reabastecimento para o setor; Estabelecer o(s) LRT; Transmitir o POSIT ao PCO, com a regularidade mínima de 30 minutos, e sempre que a situação sofra alterações; Solicitar meios de reforço ou propor a sua desmobilização; Manter atualizada a lista dos meios, sua localização e tarefa atribuída.

15 Manter a ligação com os chefes de grupos, controlando a sua localização e as tarefas que estão a executar; Promover Briefings no Setor; Participar nos Briefings operacionais promovidos pelo COS ou CELOP; Implementar o Protocolo LACES no setor; Outras tarefas que se mostrem necessárias para o cumprimento das missões atribuídas. Documentos da responsabilidade do Comandante de Setor: Plano Tático. Quadros de apoio: Quadro de Situação Tática; Quadro de Meios e Logística. SGO AUXILIAR DE BOLSO 15 O Comandante de Setor reporta ao Oficial de Operações. COMANDANTE DE SETOR CS

16 CÉLULA DE LOGÍSTICA CELOG Sou o Oficial de Logística, tenho que: Garantir a sustentação logística do TO; Ativar, se necessário, os núcleos de Meios e Recursos e Comunicações e Sistemas de Informação; Ativar as diferentes áreas da ZCR e designar os seus responsáveis de acordo com o plano logístico aprovado pelo COS; Elaborar e manter atualizado o quadro de meios; Elaborar o Plano de Comunicações (PLACOM); Manter atualizada a informação sobre as áreas logísticas na ZCR; Elaborar plano de suporte à evacuação de pessoas; Garantir o apoio logístico a prestar às vítimas e às forças de socorro pelo SMPC da área de sinistro; Elaborar, para aprovação pelo COS, o Plano Logístico: Meios e recursos empenhados; Reserva estratégica de meios e recursos; Apoio de serviços (alimentação, descanso e higiene, apoio sanitário e manutenção); Reabastecimentos; Transportes. Propor ao COS, se necessário, a nomeação de um adjunto.

17 SGO AUXILIAR DE BOLSO 17 Compete ao Núcleo de Meios e Recursos: Elaborar e atualizar os quadros e registos de meios e recursos; Propor a ativação de áreas da ZCR; Manter o contacto permanente com as áreas instaladas na ZCR; Propor a constituição da reserva estratégica de meios e recursos; Propor a mobilização e desmobilização de meios logísticos. CÉLULA DE LOGÍSTICA NÚCLEO DE MEIOS E RECURSOS

18 CÉLULA DE LOGÍSTICA NÚCLEO COMUNICAÇÕES E SI Compete ao Núcleo de Comunicações e Sistemas de Informação: Elaborar, e manter atualizado, o PLACOM face ao desenvolvimento do TO; Gerir os sistemas de informação necessários ao processo de tomada de decisão; Painéis da sua responsabilidade: POSIT (partilhado); Quadro de meios e logística; Plano de Comunicações (PLACOM); Áreas da ZCR (reserva e descanso); Áreas de descanso. Documentos da sua responsabilidade: PEA (na parte aplicável) Plano logístico; Plano de apoio à evacuação de pessoas; Plano de mobilização e desmobilização.

19 SGO AUXILIAR DE BOLSO 19 ÁREAS DA ZCR São propostas pelo Oficial de Logística ao COS, que decide sobre a sua implementação. Área de reserva Onde se localizam os meios e recursos sem missão imediata e que constituem a reserva estratégica sob a gestão da CELOG; Área de reabastecimento Onde se realizam as operações de reabastecimento de combustíveis, água, equipamentos, consumíveis e outros considerados necessários ao suporte da ocorrência; Área de alimentação Onde se procede à alimentação das forças e/ou preparação das refeições para distribuição aos meios em intervenção nas ZI; Área de descanso e higiene Onde se asseguram as condições de descanso e higiene aos operacionais; Área de apoio sanitário Onde é instalado o apoio sanitário aos operacionais envolvidos na ocorrência; Área de manutenção Onde se providencia a manutenção dos equipamentos; Área médica Onde é instalado o PMA para assistência pré-hospitalar no TO. CÉLULA DE LOGÍSTICA ÁREAS DA ZCR

20 CÉLULA DE LOGÍSTICA PONTOS DE TRÂNSITO Pontos de Trânsito (PT) são locais onde se processa o controlo de entrada e saída de meios no TO. Receção dos meios terrestres e comunicação ao PCO da sua chegada; Agrupamento de meios e atribuição da missão; Reagrupamento dos meios isolados; Receber do PCO os setores de destino dos meios; Comunicar aos meios os setores de destino e as frequências rádio. Nos PT deve ser entregue aos meios rececionados, em papel: O Plano de Comunicações; O Plano Logístico; Cartografia da ZI. Documentos do responsável do PT: Mapa de Controlo de Movimento.

21 SGO AUXILIAR DE BOLSO 21 Sou o Oficial de Planeamento, tenho que: Garantir a avaliação, processamento e difusão das informações necessárias ao processo de decisão do COS. Ativar, se necessário, os núcleos de Informações, Antecipação e Especialistas. Elaborar a Análise da ZI para integrar o PEA; Elaborar a Análise de Risco para a operação; Elaborar cenários, por antecipação, para o desenvolvimento do sinistro; Prever a necessidade de meios e recursos de reforço ou especialistas; Manter atualizado o Quadro de Informações; Propor ao COS, se necessário, a nomeação de um adjunto. CÉLULA DE PLANEAMENTO CEPLAN

22 CÉLULA DE PLANEAMENTO NÚCLEOS Núcleo de Informações Elaborar a análise da ZI; Manter atualizado o Quadro de Informações consideradas relevantes; Recolher, processar e transmitir os dados. Núcleo de Antecipação Elaborar a análise de risco para a operação; Estudar os cenários previsíveis para o desenvolvimento do sinistro. Núcleo de Especialistas Propor a requisição de meios humanos e materiais especializados; Elaborar informação especializada sobre riscos específicos associados à operação. Os responsáveis pelos núcleos são nomeados e reportam diretamente ao Oficial de Planeamento.

23 SGO AUXILIAR DE BOLSO 23 Painéis da responsabilidade do Oficial de Planeamento: POSIT (partilhado); Quadro de Informações. Documentos da sua responsabilidade (acetatos*): PEA (na parte aplicável) Análise da ZI Acessos; Caminhos penetrantes; Pontos de água; Pontos sensíveis; Declives; Obstáculos. Previsão da propagação do incêndio Cone de propagação do incêndio a T0+1, T0 +2, etc ; Propagação em função da topografia. *Numere os acetatos e registe o grupo data hora. CÉLULA DE PLANEAMENTO CEPLAN

24 OFICIAL DE SEGURANÇA Sou o OFICIAL DE SEGURANÇA, tenho que: Avaliar se estão tomadas todas as medidas necessárias e suficientes à segurança das forças envolvidas no TO. Propor ao COS medidas adicionais que considere necessárias para reforço e garantia da segurança dos operacionais; Avaliar as necessidades de apoio sanitário e recuperação física/ psíquica dos operacionais; Efetuar relatório sobre vítimas no TO; Efetuar relatórios sobre danos nos equipamentos no TO; Avaliar e relatar as consequências da ocorrência. Tenho autoridade, delegada pelo COS, para ordenar a paragem dos trabalhos em curso, quando se verifique ou preveja a prática de atos inseguros. Documentos da minha responsabilidade: Relatórios sobre vítimas e danos em equipamentos; Relatório sobre as consequências da ocorrência.

25 SGO AUXILIAR DE BOLSO 25 Sou o OFICIAL DE LIGAÇÃO, tenho que: Garantir a integração, articulação e comunicação com as entidades empenhadas ou de sustentação à operação; Garantir a articulação com/ entre todas as entidades empenhadas no TO; Garantir o espaço funcional para os oficiais de ligação de outras entidades e assegurar a sua integração no SGO; Garantir a circulação da informação entre todos os APC e entidades com especial dever de cooperação envolvidos; Garantir uma ligação próxima com o SMPC do município onde se desenvolve o incidente, de forma a assegurar o apoio logístico à operação. OFICIAL DE LIGAÇÃO

26 OFICIAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS Sou o OFICIAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS, tenho que: Recolher permanentemente informação relevante para assessorar o COS nas suas declarações aos OCS. Assegurar ligação com os OCS e Entidades oficiais; Prestar informações aos OCS e entidades oficiais por delegação do COS; Preparar Briefings para os OCS com base na informação recolhida; Preparar eventuais conferências de imprensa; Informar o COS das solicitações dos jornalistas; Preparar o dossiê de imprensa; Informar o COS sobre as notícias difundidas pelos OCS; Assessorar o COS sobre as melhores formas de comunicação, tendo em conta a mensagem a transmitir; Preparar visita aos locais de interesse na ZI, com os jornalistas.

27 SGO AUXILIAR DE BOLSO 27 Implemente o Protocolo LACES em toda a operação, em todos os escalões: Lookouts (Vigias); Anchor points/ Awareness (Pontos de ancoragem/ Estado de alerta); Communications (Comunicações); Escape Routes (Caminhos de fuga); Safety Zones (Zonas de segurança). Vigias Experientes; em número suficiente; conhecem a localização das equipas e os caminhos de fuga; têm comunicações; Pontos de ancoragem/ Estado de alerta Linhas de supressão iniciadas em locais seguros; Comunicações Plano de comunicações; conhecer as frequências; alertar cedo; não esperar; o atraso pode ser fatal; Caminhos de fuga Reconhecimento; definir, antes de começar o combate, mais do que um caminho de fuga que todos conheçam; Zonas de segurança Podem ser naturais: áreas rochosas/ água/ prados; locais construídos: áreas sem vegetação/ estradas/ heliportos. SEGURANÇA PROTOCOLO LACES

28 SEGURANÇA 18 SITUAÇÕES QUE GRITAM PERIGO 1. Não foi efetuado o reconhecimento do incêndio; 2. O fogo lavra durante a noite e em local desconhecido; 3. Não foram identificadas zonas de segurança e caminhos de fuga; 4. Não há conhecimento da meteorologia e fatores locais que influenciam o comportamento do incêndio; 5. Não há conhecimento das estratégias, táticas e perigos; 6. Há instruções e tarefas pouco claras; 7. Há falta de comunicações entre as equipas e o comando das operações; 8. Se constroem linhas de contenção sem ponto seguro de ancoragem; 9. Se constrói uma linha de contenção encosta abaixo com o incêndio a subir; 10. Se tenta atacar frontalmente um incêndio com grande intensidade; 11. Existe combustível por arder entre a equipa e o incêndio; 12. Não se consegue ver o fogo principal nem comunicar com alguém que consiga; 13. Se está numa encosta onde o material a rolar pode provocar focos secundários; 14. O tempo se torna mais quente e seco; 15. O vento aumenta de velocidade e/ou muda de direção; 16. Se verificam projeções frequentes de partículas incandescentes; 17. O terreno e combustíveis tornam difícil a fuga para as zonas de segurança; 18. O descanso é efetuado perto da frente de incêndio.

29 SGO AUXILIAR DE BOLSO 29 Regras de segurança no uso de máquinas de rasto A segurança é uma responsabilidade de cada um relativamente a si e a todos; Chefes de máquina/equipa têm responsabilidade de assegurar que as regras de segurança são cumpridas; O operador da máquina é responsável por esta e pela sua própria pessoa. Segurança Passiva A máquina deve possuir cabine de segurança; A máquina deve possuir guincho, particularmente se operam isoladas; A máquina deve possuir iluminação frontal e traseira (focos ajustáveis); O manobrador tem que ter habilitação, conhecimento e experiência; Importa limitar os tempos de trabalho dos operadores de modo a evitar acidentes exponenciados pelo cansaço. SEGURANÇA COM MÁQUINAS DE RASTO

30 SEGURANÇA COM MÁQUINAS DE RASTO Segurança Ativa Uso obrigatório de EPI; Nunca tocar na máquina em movimento; Reconhecimento antes de iniciar movimentação; Evitar contato direto com o fogo; Atenção ao abate de árvores; Atenção às linhas elétricas tombadas ou que possam ser partidas por queda de árvores; O pessoal que trabalha próximo da máquina deve estar sempre em linha de vista do operador da máquina; Nunca as equipas apeadas devem trabalhar imediatamente abaixo do equipamento; Nunca montar/desmontar equipamento em movimento; Obrigatório realizar briefing inicial com operador de máquina e com toda a equipa de apoio; Prever sempre vias de fuga e zonas de segurança.

31 SGO AUXILIAR DE BOLSO 31 VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO TEÓRICA DO INCÊNDIO VENTO KM/H PROPAGAÇÃO M/H DISTÂNCIA CM (CARTA 1/25000) , , , , , , , , , , , , , ,4 DADOS DE PLANEAMENTO

32 DADOS DE PLANEAMENTO O m CONSTRUÇÃO DO CONE DE PROPAGAÇÃO 1,1 cms 50O m 4 cms 1,1 cms 100O m 150O m 1/25000 m 200O m

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA 8634 Diário da República, 2.ª série N.º 69 9 de abril de 2015 c) Autorizar a prestação do trabalho suplementar nos termos da alínea b) do n. 3 do artigo 120. da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas,

Leia mais

SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS

SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS AUXILIAR DE BOLSO SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO 2016 ESTADOS DE ALERTA SIOPS ESTADO NORMAL VERDE Situação de

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS ELABORADO POR: SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ELVAS PMEPC DE ELVAS Parte I ENQUADRAMENTO GERAL ÍNDICE Parte I ENQUADRAMENTO

Leia mais

Capítulo 42. Apoio ao Helitransporte. Capítulo 42. Apoio ao Helitransporte 1. OBJETIVOS

Capítulo 42. Apoio ao Helitransporte. Capítulo 42. Apoio ao Helitransporte 1. OBJETIVOS Capítulo 42 Apoio ao Helitransporte 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Conhecer as regras de segurança. Conhecer as características dos locais de aterragem. 1 2. HELICÓPTERO

Leia mais

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias Núcleo de Riscos e Alerta Autoridade Nacional de Protecção Civil1 Lei de Bases da Protecção Civil (Lei 27/2006, de 3 de Julho): A protecção civil é

Leia mais

INDICE Parte I Enquadramento Geral do Plano Introdução Âmbito de Aplicação Objectivos Gerais... 9

INDICE Parte I Enquadramento Geral do Plano Introdução Âmbito de Aplicação Objectivos Gerais... 9 M MIIN NIIS ST TÉ ÉR RIIO OD DA AA AD DM MIIN NIIS ST TR RA AÇ ÇÃ ÃO O IIN NT TE ER RN NA A G O CO NC AN RA BR OB LO EL TE ST AS CA EC DE LD VIIL CIIV OC NO RN ER VE OV GO CASTELO BRANCO, JANEIRO DE 2010

Leia mais

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento SUB Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano 1 Classificação e Qualificação do Solo Solo Urbano Espaço Central 2 Classificação e Qualificação do Solo Solo

Leia mais

12. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCENDIOS

12. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCENDIOS CADERNO FICHA 12. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCENDIOS 12.4 OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito

Leia mais

As principais dimensões da segurança a tratar neste estudo são:

As principais dimensões da segurança a tratar neste estudo são: CADERNO FICHA 13. SEGURANÇA 13.1. SEGURANÇA O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado separadamente.

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Introdução. Objectivos do PEI. Identificação de Riscos. Constituição do PEI Curiosidades Conclusão

PLANO DE EMERGÊNCIA. Introdução. Objectivos do PEI. Identificação de Riscos. Constituição do PEI Curiosidades Conclusão PLANO DE EMERGÊNCIA Introdução Objectivos do PEI Identificação de Riscos Constituição do PEI Curiosidades Conclusão Introdução O Plano de Emergência Interno (PEI) tem o objectivo fundamental, a protecção

Leia mais

Sulky Dispositivo para pintar linhas 1200

Sulky Dispositivo para pintar linhas 1200 Form No. 3355 Rev C Sulky Dispositivo para pintar linhas 00 Modelo n.º 403 6000000 e superior Manual do utilizador Registe o seu produto em www.toro.com. Traduçaõ do original (PT) Índice Página Introdução..................................

Leia mais

Kit de suspensão hidráulica remota Veículo utilitário Workman da série HD AVISO

Kit de suspensão hidráulica remota Veículo utilitário Workman da série HD AVISO Kit de suspensão hidráulica remota Veículo utilitário Workman da série HD Modelo nº 117-4828 Form No. 3386-927 Rev A Instruções de instalação AVISO CALIFÓRNIA Proposição 65 Aviso É do conhecimento do Estado

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução

REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL. Introdução REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Introdução A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro e a Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, com a nova redacção conferida pela Lei nº 5-A/2002 de 11 de Janeiro,

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios

Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios 3.3.2 Princípios de sinalização na rede GSM 1 Tipos de comunicação existentes no GSM Registo Paging

Leia mais

Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS. Estrutura da prova específica da especialidade. Nº de questões no BCQ

Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS. Estrutura da prova específica da especialidade. Nº de questões no BCQ Operadores de Sistemas de Assistência e Socorros OPSAS Estrutura da prova específica da especialidade Disciplina Capítulo Nº de questões no BCQ Nº de questões a sair no Teste Organização e Sistemas de

Leia mais

Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil. Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais. Luís Cecílio Santos

Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil. Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais. Luís Cecílio Santos Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais Luís Cecílio Santos SERVIÇO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL COM PRESIDENTE DA CÂMARA SERVIÇO

Leia mais

A formação e a intervenção das equipas da AFOCELCA nos incêndios florestais. Avaliação dos resultados de intervenção.

A formação e a intervenção das equipas da AFOCELCA nos incêndios florestais. Avaliação dos resultados de intervenção. A formação e a intervenção das equipas da AFOCELCA nos incêndios florestais. Avaliação dos resultados de intervenção Orlando Ormazabal O QUE É A AFOCELCA A AFOCELCA é um Agrupamento Complementar de Empresas,

Leia mais

Equipas de Apoio de Retaguarda

Equipas de Apoio de Retaguarda Equipas de Apoio de Retaguarda (Fogos Florestais) 2013 PREAMBULO As Equipas de Apoio de Retaguarda / 2013, têm por base a experiência de alguns Agrupamentos no âmbito do apoio às diversas entidades de

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO O Plano de Segurança é um documento que sistematiza um conjunto de normas e regras, enquadradas nas modalidades de segurança ativa e passiva e destinadas a minimizar os

Leia mais

BEBEDOURO INDUSTRIAL

BEBEDOURO INDUSTRIAL BEBEDOURO INDUSTRIAL Manual do Usuário Instalação e Garantia Informações gerais Verifique se a tomada a qual será ligado o bebedouro é compatível com a tensão do bebedouro. Sempre desligue o bebedouro

Leia mais

Recuperação da Paisagem Mestrado 1º ano 2º semestre. Thomas Panagopoulos Prof. Auxiliar

Recuperação da Paisagem Mestrado 1º ano 2º semestre. Thomas Panagopoulos Prof. Auxiliar Recuperação da Paisagem Mestrado 1º ano 2º semestre Thomas Panagopoulos Prof. Auxiliar Encerramento e recuperação de lixeiras aterros sanitários Um dos passos importantes para a recuperação do passivo

Leia mais

10º Congresso do Comité português da URSI AS COMUNICAÇÕES DE EMERGÊNCIA NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

10º Congresso do Comité português da URSI AS COMUNICAÇÕES DE EMERGÊNCIA NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 10º Congresso do Comité português da URSI AS COMUNICAÇÕES DE EMERGÊNCIA NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Sumário 1. Breve História do SIRESP na RAM 2. Organização da Gestão do SIRESP na RAM 3. Organização

Leia mais

Serviço que implique a transmissão, a emissão e/ou a recepção de ondas radioeléctricas com fins específicos de telecomunicações.

Serviço que implique a transmissão, a emissão e/ou a recepção de ondas radioeléctricas com fins específicos de telecomunicações. http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=183307 Capítulo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES Atribuição (de uma faixa de frequências): Registo na Tabela de Atribuição de Frequências

Leia mais

20,2 CV (15,1 kw) a r/ min 18 CV (13,4 kw) a r/min. 20 CV (14,9 kw) 18 CV (13,4 kw) (gasolina) De série

20,2 CV (15,1 kw) a r/ min 18 CV (13,4 kw) a r/min. 20 CV (14,9 kw) 18 CV (13,4 kw) (gasolina) De série 2500 Motor: Motor Diesel: Modelo John Deere Série 220, de 3 cilindros Potência conforme norma ECE-R24 20,2 CV (15,1 kw) a 3.600 r/ min 18 CV (13,4 kw) a 3.000 r/min Motor Gasolina: Modelo Kawasaki, V Twin,

Leia mais

Formação de Ingresso na Carreira de Oficial Bombeiro e no Quadro de Comando

Formação de Ingresso na Carreira de Oficial Bombeiro e no Quadro de Comando PROGRAMA DE FORMAÇÃO Formação de Ingresso na Carreira de Oficial Bombeiro e no Quadro de Comando Designação FO-02-V - Gestão Operacional de Incêndios Florestais Objectivo Geral Dotar os formandos de competências

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO RELATÓRIO GEOTÉCNICO (REFª 72/2008/08/GER - 1126) Agosto de 2008 QUARTEL DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO... 2 2- ENQUADRAMENTO

Leia mais

SEGURANÇA FRENTE A RISCOS ELÉTRICOS EM BAIXA TENSÃO NORMAS E RECOMENDAÇÕES

SEGURANÇA FRENTE A RISCOS ELÉTRICOS EM BAIXA TENSÃO NORMAS E RECOMENDAÇÕES SEGURANÇA FRENTE A RISCOS ELÉTRICOS EM BAIXA TENSÃO NORMAS E RECOMENDAÇÕES ACIDENTES PRODUZIDOS POR ELETRICIDADE CONTATOS DIRETOS Contatos com partes da instalação energizadas CONTATOS INDIRETOS Contatos

Leia mais

Equipas de Apoio de Retaguarda

Equipas de Apoio de Retaguarda Equipas de Apoio de Retaguarda (Permanentes) PREÂMBULO As Equipas de Apoio de Retaguarda (EAR), têm por base a experiência de alguns Agrupamentos no âmbito do apoio às diversas entidades de Proteção Civil

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MANUTENÇÃO DE POSTO DE TRANFORMAÇÃO (AÉREO) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos de manutenção e reparação em posto de transformação aéreo (MT/BT) de distribuição

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular PlanoCurricular

Plano Curricular Plano Curricular PlanoCurricular Área de formação 522. Eletricidade e Energia Curso de formação Técnico/a de Redes Elétricas Nível de qualificação do QNQ 4 Componentes de Sociocultural Duração: 775 horas Científica Duração: 400 horas

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede computadores Utilização do Ping e Tracert 1 Objectivo

Leia mais

Habilitação de condução para veículos de categoria C. UNIDADE FORMATIVA / CARGA HORÁRIA (horas) De acordo com a legislação em vigor.

Habilitação de condução para veículos de categoria C. UNIDADE FORMATIVA / CARGA HORÁRIA (horas) De acordo com a legislação em vigor. Habilitação de condução para veículos de categoria C De acordo com a legislação em vigor. Aeródromos Aeronaves Veículos e Equipamentos Segurança Operacional Combate a Incêndios em Aeronaves Desencarceramento

Leia mais

Plano Diretor do Instituto de Energia e Ambiente da USP (IEE)

Plano Diretor do Instituto de Energia e Ambiente da USP (IEE) Plano Diretor do Instituto de Energia e Ambiente da USP (IEE) Nota: Este plano deverá ser revisto no que diz respeito à circulação viária em frente ao prédio da Administração, preservando- se o estacionamento

Leia mais

Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN

Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN Conferência Ad Urbem Porto, 26-27 de Novembro Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN 2007-2013 Paulo Areosa Feio Informação e Monitorização Estratégica: A Experiência do

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO Frequência Gratuita FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA A Formação Modular Certificada, que tem por base as Unidades de Formação de Curta Duração de 25 ou 50 horas constantes do Catálogo Nacional de Qualificações,

Leia mais

MANUAL DE SINISTROS MARSH MARSH

MANUAL DE SINISTROS MARSH MARSH MANUAL DE SINISTROS MARSH 2014 MARSH Coberturas e Acessórios O programa de seguros contratado pela SKY, na Bradesco Seguros, prevê a cobertura pelo período de 36 meses, corridos, à contar da data de retirada

Leia mais

Manual de montagem. Conjunto completo equipamento básico frontal e traseiro. Última atualização: V

Manual de montagem. Conjunto completo equipamento básico frontal e traseiro. Última atualização: V Manual de montagem Conjunto completo equipamento básico frontal e traseiro Última atualização: V4.20160114 30322558-02-PT Leia e respeite este manual de instruções. Guarde este manual de instruções para

Leia mais

Prémios de Gestão Patrimonial de Infraestruturas

Prémios de Gestão Patrimonial de Infraestruturas Prémios de Gestão Patrimonial de Infraestruturas Regulamento Promoção: LNEC AGS Patrocínio: ERSAR OBJECTIVO Através da colaboração entre o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e a empresa Administração

Leia mais

Staightener. Register your product and get support at HP8309/00 HP8310/00. Manual do utilizador

Staightener. Register your product and get support at  HP8309/00 HP8310/00. Manual do utilizador Register your product and get support at www.philips.com/welcome Staightener HP8309/00 HP8310/00 PT Manual do utilizador d e c b a Português Parabéns pela compra do seu produto e bem-vindo à Philips! Para

Leia mais

Porque fazer um seguro de Condomínio? Quem poderá contratar o Produto Condomínio:

Porque fazer um seguro de Condomínio? Quem poderá contratar o Produto Condomínio: Perguntas Frequentes Porque fazer um seguro de Condomínio? O seguro do condomínio, é uma exigência estabelecida na Lei nº 4.591/1964 (Lei do Condomínio - em edificações e incorporações imobiliárias), e

Leia mais

Construção e Manutenção Predial

Construção e Manutenção Predial Construção e Manutenção Predial Veja aqui como construir a segurança de todos. Observe as distâncias mínimas Verifique se a obra não ficará próxima da rede. Se isso ocorrer, chame a CPFL. Se você já construiu

Leia mais

Installation instructions, accessories. Reboque, amovível. Volvo Car Corporation Gothenburg, Sweden. Página 1 / 22

Installation instructions, accessories. Reboque, amovível. Volvo Car Corporation Gothenburg, Sweden. Página 1 / 22 Installation instructions, accessories Instrução n.º 31269628 Versão 1.7 Peça N.º 31269625 Reboque, amovível Volvo Car Corporation Reboque, amovível- 31269628 - V1.7 Página 1 / 22 Equipamento A0000162

Leia mais

Busca e Recuperação. Março José Carlos Bragança Adjunto Comando CB Paço de Arcos PADI Assistent Instructor # EFR Instructor

Busca e Recuperação. Março José Carlos Bragança Adjunto Comando CB Paço de Arcos PADI Assistent Instructor # EFR Instructor Março 2006 José Carlos Bragança Adjunto Comando CB Paço de Arcos PADI Assistent Instructor #963408 EFR Instructor No cumprimento das suas competências, os mergulhadores dos Corpos de Bombeiros poderão

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS VERIFICAÇÕES DIÁRIAS

AVALIAÇÃO DE RISCOS VERIFICAÇÕES DIÁRIAS AVALIAÇÃO DE RISCOS Antes da montagem da Torre, é importante efetuar uma avaliação dos riscos. Deverá ser efetuada por um colaborador credênciado para o efeito. Para apoio à avaliação, evidenciamos alguns

Leia mais

Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Esta maquina é um compactador vibratório, composto por um motor a gasolina, depósito de combustível, um sistema de compactação acionado por

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

SUMÁRIO. - Objetivos; - Classificação; - Sinalização vertical; - Sinalização horizontal; - Sinalização semafórica; - Outros sistemas

SUMÁRIO. - Objetivos; - Classificação; - Sinalização vertical; - Sinalização horizontal; - Sinalização semafórica; - Outros sistemas Sinalização Viária SUMÁRIO - Objetivos; - Classificação; - Sinalização vertical; - Sinalização horizontal; - Sinalização semafórica; - Outros sistemas OBJETIVOS Organizar a circulação de veículos e pessoas

Leia mais

Limitações de trabalho com o chassi. Geral

Limitações de trabalho com o chassi. Geral Geral Para poder planejar a carroceria, é importante saber cedo o que será permitido e o que não será permitido para um veículo. Geral Este documento descreve algumas das limitações que se aplicam ao ajuste

Leia mais

Palestra DPC IIDM : Remoção de Destroços e as Ferramentas que o Estado Brasileiro possui para lidar com tais Situações.

Palestra DPC IIDM : Remoção de Destroços e as Ferramentas que o Estado Brasileiro possui para lidar com tais Situações. TRIBUNAL MARÍTIMO JUIZ MARCELO DAVID Palestra DPC IIDM : Remoção de Destroços e as Ferramentas que o Estado Brasileiro possui para lidar com tais Situações. Destroço, em decorrência de um acidente marítimo,

Leia mais

Encontro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Presença na ExpoAlcanede e no Festival de Gastronomia

Encontro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Presença na ExpoAlcanede e no Festival de Gastronomia Outubro 2016 Trimestral Edição nº 4 Encontro de Engenharia Sanitária e Ambiental Presença na ExpoAlcanede e no Festival de Gastronomia A.S. efetua Substituição de condutas de água no Vale de Santarém e

Leia mais

Redes de Computadores. Topologias

Redes de Computadores. Topologias Redes de Computadores Topologias Sumário! Topologia Tipo de topologias 2 Topologia Configuração dos cabos, computadores e outros equipamentos 3 Topologia de cablagem! Topologia física Localização real

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Mértola

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Mértola 211 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Mértola 2 Índice Parte I - Enquadramento Geral do Plano... 9 1. Introdução... 10 2. Âmbito de Aplicação... 11 3. Objetivos Gerais... 13 4. Enquadramento

Leia mais

PROCEDIMENTOS EM CASO DE ACIDENTE COM PRODUTOS QUÍMICOS

PROCEDIMENTOS EM CASO DE ACIDENTE COM PRODUTOS QUÍMICOS 1. Objetivo PROCEDIMENTOS EM CASO DE ACIDENTE COM PRODUTOS QUÍMICOS Este procedimento estabelece os requisitos mínimos para orientar as ações básicas a serem adotadas pelas empresas envolvidas direta ou

Leia mais

TABELA II - REGULAMENTO DE PREÇOS

TABELA II - REGULAMENTO DE PREÇOS 1 CAPÍTULO I - DIVERSOS Artigo 1º - REPROGRAFIA E SUPORTES MAGNÉTICOS 1. Fotocópias em papel comum (por cada); 1.1 Fotocópias a Preto e Branco: a) A2; b) 0,20 b) A3; b) 0,12 c) A4. b) 0,08 1.2 Fotocópias

Leia mais

TABELA II - REGULAMENTO DE PREÇOS

TABELA II - REGULAMENTO DE PREÇOS CAPÍTULO I - DIVERSOS Artigo 1º - REPROGRAFIA E SUPORTES MAGNÉTICOS 1. Fotocópias em papel comum (por cada); 1.1 Fotocópias a Preto e Branco: a) A2; b) 0,41 b) A3; b) 0,25 c) A4. b) 0,17 1.2 Fotocópias

Leia mais

Plano Operacional Municipal Município de Sousel

Plano Operacional Municipal Município de Sousel Abril 2013 Câmara Municipal Sousel Gabinete Técnico Florestal Divisão de Urbanismo, Ambiente e Qualidade Plano Operacional Municipal Município de Sousel 2013 Índice 1 Meios e Recursos 4 1.1. Vigilância

Leia mais

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação?

Porquê ler este documento? Por quem é elaborada a informação? Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Ecoslops Portugal S.A. Porquê ler este documento? Este

Leia mais

Ameaça de Bomba_. Princípios Gerais. Serviço de Tráfego Aéreo. Serviço de Socorros. Supervisor de Aeroporto. Serviço de Operações Aeroportuárias

Ameaça de Bomba_. Princípios Gerais. Serviço de Tráfego Aéreo. Serviço de Socorros. Supervisor de Aeroporto. Serviço de Operações Aeroportuárias PrincípiosGerais Planodeemergênciaeevacuação_ ÍNDICE Página_ 1 de 19 PÁGINA 2 ServiçodeTráfegoAéreo ServiçodeSocorros SupervisordeAeroporto ServiçodeOperaçõesAeroportuárias CentralTelefónicadoAeroporto

Leia mais

Instalações Hidráulicas Prediais

Instalações Hidráulicas Prediais Instalações Hidráulicas Prediais Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Aula -01 Prof.: Guilherme Nanni Grabowski Instalação predial de Esgoto Sanitário Tem por finalidade o transporte de todo o efluente

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP Aplicação de um conjunto de acções para a produção de alimentos sãos. Normas gerais e específicas de higiene e medidas de controlo necessárias por forma a garantir a segurança

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009 APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO Instituto de Seguros de Portugal 6 de Maio de 2009 1 OBJECTIVOS DA INICIATIVA REGULATÓRIA Estabelecimento de princípios gerais a observar

Leia mais

Número de Emergência sabe como o usar?

Número de Emergência sabe como o usar? Número de Emergência 112 - sabe como o usar? 2016-06-28 16:59:27 Quando nos deparamos com uma situação de emergência, é fundamental estarmos preparados para ajudar quem necessita de ser socorrido. Assim,

Leia mais

Ações preparatórias ao início do ano letivo

Ações preparatórias ao início do ano letivo Caríssimas colegas Caríssimos colegas Comunicação 01/2015 2016 1 de de 2015 O Diretor Ações preparatórias ao início do ano letivo Conscientes da importância da ação do agrupamento na consecução do sucesso

Leia mais

Guia de Participação de Sinistro Automóvel

Guia de Participação de Sinistro Automóvel Guia de Participação de Sinistro Automóvel Guia de Participação de Sinistro Automóvel Saiba como cuidar do Seu Automóvel em caso de Acidente www.fortalezaseguros.co.ao O que fazer em caso de acidente?

Leia mais

LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - UFRJ

LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - UFRJ LAUDO TÉCNICO PARCIAL Nº 2 SOBRE OS DANOS ESTRUTURAIS DO INCÊNDIO OCORRIDO EM 03/10/2016 NO ED. JORGE MACHADO MOREIRA - Alexandre Landesmann, Prof. Associado, D.Sc. Dep. Estruturas (FAU) e Lab. Estruturas

Leia mais

SINAIS DE PISTA GADITAS SCOUTS

SINAIS DE PISTA GADITAS SCOUTS SINAIS DE PISTA GADITAS SCOUTS Há vários manuais que dão vários tipos de sinais de pista, abaixo colocaremos alguns utilizados pelos GADITAS. Início de pista Siga nesta direção Siga nesta direção 2 km

Leia mais

Instituto Nacional de Emergência Médica

Instituto Nacional de Emergência Médica Instituto Nacional de Emergência Médica 2016 INEM, I. P. - Instituto Nacional de Emergência Médica, I. P. Criado em 1981 Coordena, em Portugal Continental, um conjunto de entidades que prestam assistência

Leia mais

Turismo de Habitação Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto

Turismo de Habitação Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto Turismo de Habitação Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto (atualizada em Outubrol 2016) Turismo de habitação 1. Imóvel antigo particular Imóvel que pelo seu valor arquitetónico, histórico ou artístico,

Leia mais

Regulamento de utilização do Parque de Estacionamento do. Centro Comercial a Céu Aberto

Regulamento de utilização do Parque de Estacionamento do. Centro Comercial a Céu Aberto Regulamento de utilização do Parque de Estacionamento do Centro Comercial a Céu Aberto Com a revisão da política de estacionamento e com o desenvolvimento do Centro Comercial a Céu Aberto, urge a necessidade

Leia mais

ACTUAÇÃO EM CASO DE EMERGÊNCIA INSTRUÇÕES GERAIS/ NORMAS DE EVACUAÇÃO O SINAL PARA EVACUAÇÃO GERAL É O TOQUE CONTÍNUO DE SIRENE;

ACTUAÇÃO EM CASO DE EMERGÊNCIA INSTRUÇÕES GERAIS/ NORMAS DE EVACUAÇÃO O SINAL PARA EVACUAÇÃO GERAL É O TOQUE CONTÍNUO DE SIRENE; Escola Secundária de Francisco Rodrigues Lobo ACTUAÇÃO EM CASO DE EMERGÊNCIA INSTRUÇÕES GERAIS/ NORMAS DE EVACUAÇÃO O SINAL PARA EVACUAÇÃO GERAL É O TOQUE CONTÍNUO DE SIRENE; MANTER A CALMA; Não correr,

Leia mais

Aula 19. Segurança de trânsito (parte 1 de 4)

Aula 19. Segurança de trânsito (parte 1 de 4) Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 19 Segurança de trânsito (parte 1 de 4) Queda de avião em setembro de 2.006, com 154 mortos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DA ATIVIDADE DE FISCALIZAÇAO

PROCEDIMENTOS DA ATIVIDADE DE FISCALIZAÇAO PROCEDIMENTOS DA ATIVIDADE DE FISCALIZAÇAO Quadro de Fiscais de Obras e Posturas Rio do Sul Luiz Osvaldo Meirelles Pahl Fiscal de Obras Rafael Irineu Fachini Fiscal de Obras Ramon Thiago da Silva Kissner

Leia mais

Manual do Cliente. Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores

Manual do Cliente. Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores Manual do Cliente Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores 2 Conteúdos 1 Normas Gerais... 2. Normas de Segurança... 3. Normas de Utilização... 3.1 Instalação da Máquina... 3.2

Leia mais

Mapas Digitais de Trânsito em Tempo Real

Mapas Digitais de Trânsito em Tempo Real Especialização em Transportes e Vias de Comunicação Sistemas e Tecnologias Inteligentes de Transportes Painel Lisboa 10 outubro 2012 Mapas Digitais de Trânsito em Tempo Real Dr. Luís Gabriel Fernandes

Leia mais

LOCAL Frente às escadas de acesso à praia

LOCAL Frente às escadas de acesso à praia PERFIL DE ÁGUA BALNEAR IDENTIFICAÇÃO DA ÁGUA BALNEAR NOME Marina de Portimão CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO PTCU2K LOCALIZAÇÃO DA ÁGUA BALNEAR E DO PONTO DE MONITORIZAÇÃO PAÍS Portugal DISTRITO Faro CONCELHO

Leia mais

C.N.C. Programação Torno

C.N.C. Programação Torno C.N.C. Programação Torno Módulo III Aula 01 Funções Miscelâneas As funções Miscelâneas "M" formam um grupo de funções que abrangem os recursos da máquina não cobertos pelas funções preparatórias, posicionamentos,

Leia mais

I São Silvestre do Gerês 23 de Dezembro 20h. Vila do Gerês

I São Silvestre do Gerês 23 de Dezembro 20h. Vila do Gerês I São Silvestre do Gerês 23 de Dezembro 20h Vila do Gerês Prova solidária verbas reverterão a favor das delegações da Cruz Vermelha e Bombeiros do Concelho de Terras de Bouro. REGULAMENTO DA PROVA: 1.

Leia mais

Organograma Composição de um organograma de manutenção Análise do factor humano no organograma de um serviço de manutenção

Organograma Composição de um organograma de manutenção Análise do factor humano no organograma de um serviço de manutenção ÍNDICE Capítulo I - MANUTENÇÃO INDUSTRIAL - CONCEITOS GERAIS Pág. Definição..................... 7 Condições ideais de funcionamento.......... 8 Espírito do pessoal de manutenção... 9 Manutenção organizada...

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Edital n.º 82/2000 (2.ª série). AP. Carlos Alberto Pinto de Oliveira, presidente da Câmara Municipal da Azambuja: Torna público

Leia mais

Acidentes Rodoviários de Trabalho

Acidentes Rodoviários de Trabalho Acidentes Rodoviários de Trabalho Lisboa, 03 de outubro de 2016 Jorge Jacob Agenda: 1 A evolução recente da sinistralidade rodoviária. 2 A Sinistralidade rodoviária laboral. 3 O combate à sinistralidade

Leia mais

Placas Radiantes a Gás Top

Placas Radiantes a Gás Top A gama 700XP engloba mais de 100 modelos concebidos para garantir elevados níveis de desempenho, fiabilidade, economia de energia, normas de segurança e operações ergonómicas. Estes conceitos estão reflectidos

Leia mais

IFRN - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN PROFESSOR: MARCELO SILVA MATEMÁTICA. Resolução de triângulos retângulos

IFRN - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN PROFESSOR: MARCELO SILVA MATEMÁTICA. Resolução de triângulos retângulos IFRN - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN PROFESSOR: MARCELO SILVA MATEMÁTICA Resolução de triângulos retângulos 1. A polícia federal localizou na floresta amazônica uma pista de

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Espinho. Parte I - Enquadramento Geral do Plano Introdução... 10

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Espinho. Parte I - Enquadramento Geral do Plano Introdução... 10 Índice Parte I - Enquadramento Geral do Plano...9 1. Introdução... 10 2. Âmbito de aplicação... 11 3. Objetivos gerais... 13 4. Enquadramento legal... 14 5. Antecedentes do processo de planeamento... 15

Leia mais

16/24-Port 10/100 Mbps FAST ETHERNET SWITCH. EVO - FSH16 EVO - FSH24 Guia de instalação

16/24-Port 10/100 Mbps FAST ETHERNET SWITCH. EVO - FSH16 EVO - FSH24 Guia de instalação 16/24-Port 10/100 Mbps FAST ETHERNET SWITCH EVO - FSH16 EVO - FSH24 Guia de instalação PORTUGUÊS SWITCH DE 16/24 PORTAS RJ45 10/100 Mbps. EVO-FSH16/24 Ovislink agradece-lhe a confiança depositada na nossa

Leia mais

PASSOS ATITUDE SSMA SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE. PArA QUe TOdOS NÓS TeNHAMOS SUCeSSO, VAMOS dar O PRIMEIRO PASSO!

PASSOS ATITUDE SSMA SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE. PArA QUe TOdOS NÓS TeNHAMOS SUCeSSO, VAMOS dar O PRIMEIRO PASSO! PASSOS DE ATITUDE SSMA SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE PArA QUe TOdOS NÓS TeNHAMOS SUCeSSO, VAMOS dar O PRIMEIRO PASSO! ÍNDICE Introdução Política de Segurança, Saúde e Meio Ambiente SSMA em caso de acidentes

Leia mais

DISPOSITIVO ESPECIAL DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS

DISPOSITIVO ESPECIAL DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS DISPOSITIVO ESPECIAL DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS - 2017 ANPC Comando Nacional Operações Socorro APRESENTAÇÃO PÚBLICA 12 DE ABRIL DE 2017 A defesa da floresta contra incêndios é um desígnio nacional

Leia mais

Estudo de circulação da Rua de Costa

Estudo de circulação da Rua de Costa Estudo de circulação da Rua de Costa Cabral PELOURO DA MOBILIDADE Apresentação preliminar - Março 2015 ENQUADRAMENTO No âmbito do projeto Via Livre, que envolve a STCP, PM e DMGVP, a rua de Costa Cabral

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto

Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto Gestão de operações aeroportuárias: componentes de um aeroporto Definições: A/C: aircraft, aeronave; Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas

Leia mais

A diferença está no conector da chave liga/desliga eco e alimentação, estes se forem ligados a echo plus sem alteração, podem danificar o rádio.

A diferença está no conector da chave liga/desliga eco e alimentação, estes se forem ligados a echo plus sem alteração, podem danificar o rádio. Passo a Passo para instalação da placa Echo Plus nos radios: Super Star 3900 Voyager VR94, VR95 e VR9000 Alan 87 e 8001 Galaxy Pluto MegaSTAR MG95, MG97, MG98 e MG990 E demais modelos baseados no mesmo

Leia mais

Descrição Funcional:

Descrição Funcional: 1 Descrição Funcional: 1. CHAVE LIGA E DESLIGA 2. ALÇA 3. CABO DE FORÇA 4. TUBO DE SAIDA DE DESCARGA DE PÓ 5. PORTA ESCOVA 6. BASE DE APOIO 7. PROTETOR DO DISCO DENTADO 8. DISCO DENTADO 9. ARRUELA DE FIXAÇÃO

Leia mais

ADITIVO 03 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2014

ADITIVO 03 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2014 ADITIVO 03 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2014 O Prefeito Municipal de Piranga MG, faz saber que fica alterado o Edital de Concurso Público da seguinte forma: Fica acrescentado ao Edital 01/2014 a

Leia mais

APPI PPG e CBPM Programa de Treinamento e Logbook

APPI PPG e CBPM Programa de Treinamento e Logbook APPI PPG e CBPM Programa de Treinamento e Logbook Nome: E-mail: Endereço: Tipo Sanguínio: Tel: APPI No: CBPM No: Em caso de acidente contactar: Nome: Tel: Relação: Endereço: Histórico APPI PPG Nivelamento

Leia mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS 11 PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS PROJETO EOMÉTRICO DE VIAS 2 - CURVAS HORIZONTAIS SIMPLES 2.1 - INTRODUÇÃO O traçado em planta de uma estrada deve ser composto de trechos retos concordados com curvas

Leia mais

INFO DIAG FERRAMENTAS DE DIAGNÓSTICO

INFO DIAG FERRAMENTAS DE DIAGNÓSTICO CITROËN DTAV INFO DIAG FERRAMENTAS DE DIAGNÓSTICO FILIAIS / IMPORTADORES / DR DISTRIBUIDOR DE VN CITROËN - Preparador de VN - Coordenador de Campanhas REPARADORES AUTORIZADOS CITROËN - Responsável pelo

Leia mais

MOTO-ENXADA A GASOLINA

MOTO-ENXADA A GASOLINA MOTO-ENXADA A GASOLINA MANUAL DE INSTRUÇÕES AVISO LEIA O MANUAL DE INSTRUÇÕES ATENTAMENTE ANTES DE UTILIZAR A MOTO-ENXADA E RESPEITE AS REGRAS PARA UM TRABALHO SEGURO. NÃO PROCEDER DESTA FORMA PODE LEVAR

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: LOOK Multi-limpador. Fabricante: Quimiline Ind. e Com. Eireli EPP Endereço: Estrada

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: FANTASTIC Limpador com brilho. Fabricante: Quimiline Ind. e Com. Ltda. Endereço:

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Diário da República, 1. a série N. o de Julho de

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Diário da República, 1. a série N. o de Julho de Diário da República, 1. a série N. o 142 25 de Julho de 2006 5231 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n. o 134/2006 de 25 de Julho As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções M MA AS ST E T ER R Manual de Instruções N MÁX.20A VOLTÍMETRO RL LZVT RACK RACK LIGHT LIGHT LIGA PROTEÇÃO SURTO D E S L I G A ENTRADA M N N N Á N N N N X 115V/230V 20A RACK LIGHT RL LZVT INSTRUÇÕES DE

Leia mais