AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL"

Transcrição

1 AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO / 2015

2 ALERTA Este Auxiliar de Bolso não é um manual de formação. Deve ser utilizado como um auxiliar de memória e de sistematização das competências e tarefas no âmbito do SGO, otimizado para os incêndios florestais, por elementos dotados de conhecimento, competências e treino neste âmbito. RELEMBRE SEMPRE O OBJETIVO PRINCIPAL: SEGURANÇA SEGURANÇA

3 SGO AUXILIAR DE BOLSO 3 INSTALAÇÃO DO POSTO DE COMANDO OPERACIONAL Local Isolado (fora das povoações) Espaço amplo; Boa cobertura rádio e GSM; Enquadrado com a evolução do incêndio. Acessibilidade Bons acessos a todo o tipo de veículos: VCOC/VPCC; Forças de segurança; Entidades políticas; Técnicos especializados; OCS. Facilidade de localização do PCO (coordenadas, referências); Estacionamento seguro e organizado. POSTO DE COMANDO OPERACIONAL PCO

4 POSTO DE COMANDO OPERACIONAL PCO Estrutura física Avaliar o tipo de estruturas necessárias/possíveis de instalar ou ocupar: VCOC/VPCC; Tenda insuflável; Infraestruturas existentes. Avaliar a necessidade de solicitar meios de maior capacidade (VGEO ou CETAC). Segurança Estabelecer caminhos de fuga (no caso de alteração face à previsão); Isolamento do espaço envolvente: Espaço limitado com fita; Forças de segurança (quando aplicável); Controlo de acessos. Prever e identificar espaço alternativo de instalação.

5 Logística SGO AUXILIAR DE BOLSO 5 Energia elétrica / gerador; Reabastecimento de Combustível (geradores); Alimentação; Água; Iluminação da área; Zona de descanso. Redes de comunicações voz e dados Verificação das Redes GSM; Verificação da Rede 3G Placas para Internet; Verificação das Redes de Radiocomunicações: SIRESP REPC ROB Verificação de perturbações eletromagnéticas (postes de alta tensão, centrais elétricas, etc.). POSTO DE COMANDO OPERACIONAL PCO

6 POSTO DE COMANDO OPERACIONAL PCO Recomendações importantes Não instalar o PCO dentro de povoações ou locais de elevado fluxo populacional; Efetuar Briefing com a equipa do PCO; Manter a estrutura física do PCO (VCOC, VPCC, tenda, etc ) num plano horizontal sem declive; Prever depósitos para resíduos (impacto ecológico); Controlar acessos ao PCO; Manter o espaço limpo, arrumado e organizado; Definir espaço isolado de descanso e refeições; Efetuar plano de rendição dos OPTEL; Enquadrar os OCS; Receber e enquadrar as entidades políticas; Deixar o espaço limpo e arrumado e retirar o material utilizado; Garantir a recolha e gestão dos resíduos; Assegurar a correta arrumação e acondicionamento dos equipamentos.

7 SGO AUXILIAR DE BOLSO 7 Os POSIT devem ser transmitidos regularmente ou sempre que a situação se altere. Situação atual e previsível Informar da situação geral e/ou por setores; Extensão e % de dominado. Propagação Intensidade; Tipo de combustíveis; Declives; Acessos; Pontos sensíveis; Condições meteorológicas no local. Organização Constituição do PCO; Setorização. Meios Suficientes ou necessidade de reforço (quantificar). Presenças no PCO VIPs; Técnicos; Oficiais de ligação. PONTOS DE SITUAÇÃO (POSIT)

8 COMANDANTE OPERAÇÕES DE SOCORRO COS Sou o COS, tenho que: Efetuar o reconhecimento do TO; Determinar a localização do PCO; Aprovar o Plano de Ação considerando: Análise da ZI; Definição do objetivo; Setorização e organização do TO; Cenário de antecipação para as horas seguintes; Definição das missões; Meios e recursos; Reserva estratégica; Plano de comunicações; Segurança das forças; Plano logístico.

9 SGO AUXILIAR DE BOLSO 9 Nomear os elementos para a constituição do PCO; Nomear os Comandantes de Setor; Coordenar os meios das várias entidades e organismos presentes no TO; Garantir ao CDOS a informação dos POSIT, dos resultados obtidos bem como das desmobilizações; Propor ao CDOS o reforço de meios operacionais ou de suporte logístico; Solicitar às autoridades policiais a criação de perímetros, zonas ou áreas de segurança; Solicitar, com conhecimento ao CDOS, o acionamento dos órgãos municipais do sistema de proteção civil; Em articulação com o CDOS, garantir a informação aos OCS; Garantir a ligação com as entidades e oficiais de ligação presentes e organizações locais necessárias ao suporte e sustentação das operações; Promover a realização de briefings regulares. COMANDANTE OPERAÇÕES DE SOCORRO COS

10 CÉLULA DE OPERAÇÕES CELOP Sou o Oficial de Operações, tenho que: Assegurar a conduta das operações em ordem ao PEA; Ativar o núcleos de meios aéreos quando necessário; Elaborar o SITAC e mantê-lo atualizado; Propor ao COS a setorização do TO; Manter atualizado o quadro geral da operação; Atribuir as missões aos Comandantes de Setor; Propor ao COS a mobilização de meios de reforço; Garantir o registo na fita do tempo; Propor ao COS a evacuação de pessoas; Propor as modalidades de ação; Garantir a articulação com o Núcleo de Meios Aéreos; Propor ao COS, se necessário, a nomeação de um adjunto.

11 SGO AUXILIAR DE BOLSO 11 Painéis da responsabilidade do Oficial de Operações: SITAC; Organização geral e organização do PCO; Setores de intervenção; POSIT (partilhado); Quadro de vítimas. Documentos da sua responsabilidade: PEA (na parte aplicável). CÉLULA DE OPERAÇÕES CELOP

12 CÉLULA DE OPERAÇÕES NÚCLEO DE MEIOS AÉREOS Sou o Oficial de Operações Aéreas, tenho que: Atribuir as missões táticas aos meios aéreos empenhados na operação em ordem ao PEA; Propor ao Oficial de Operações a designação do Coordenador de Operações Aéreas (COPAR); Planear e coordenar a atividade dos meios aéreos; Transmitir as instruções necessárias à implementação das missões atribuídas; Garantir o suporte logístico às operações aéreas; Elaborar e manter atualizado o plano de empenhamento de meios aéreos; Garantir a articulação com os meios aéreos; Verificar a eficácia dos meios, propondo a alteração sempre que necessário; Identificar e alertar os meios aéreos e/ou terrestres para questões de segurança na atividade aérea. Painel da sua responsabilidade: Plano de Empenhamento dos Meios Aéreos.

13 SGO AUXILIAR DE BOLSO 13 Sou o Coordenador de Operações Aéreas (COPAR), tenho que: Garantir o cumprimento dos objetivos táticos atribuídos aos meios aéreos; Garantir a ligação terra-ar; Garantir com os Comandantes de Setor a segurança na descarga das aeronaves; Garantir a ligação com os Comandantes de Setor para validação da eficácia da ação dos meios aéreos; Garantir as condições de segurança nas missões operacionais das aeronaves no TO. Como COPAR, reporto diretamente ao Oficial de Operações Aéreas. CÉLULA DE OPERAÇÕES COPAR

14 COMANDANTE DE SETOR CS Compete ao Comandante de Setor exercer o comando tático sobre as forças e meios que lhe estão atribuídos. Receber do Oficial de Operações a ORMIS, PLACOM e a relação de meios atribuídos; Elaborar o Plano Tático, em ordem ao PEA; Reconhecer o setor, os seus limites, acessos, caminhos penetrantes e percursos de fuga; Garantir a ligação com os CS adjacentes; Garantir a segurança e apoio à evacuação de pessoas; Atribuir tarefas aos meios sobre sua gestão; Estabelecer os locais de reabastecimento para o setor; Estabelecer o(s) LRT; Transmitir o POSIT ao PCO, com a regularidade mínima de 30 minutos, e sempre que a situação sofra alterações; Solicitar meios de reforço ou propor a sua desmobilização; Manter atualizada a lista dos meios, sua localização e tarefa atribuída.

15 Manter a ligação com os chefes de grupos, controlando a sua localização e as tarefas que estão a executar; Promover Briefings no Setor; Participar nos Briefings operacionais promovidos pelo COS ou CELOP; Implementar o Protocolo LACES no setor; Outras tarefas que se mostrem necessárias para o cumprimento das missões atribuídas. Documentos da responsabilidade do Comandante de Setor: Plano Tático. Quadros de apoio: Quadro de Situação Tática; Quadro de Meios e Logística. SGO AUXILIAR DE BOLSO 15 O Comandante de Setor reporta ao Oficial de Operações. COMANDANTE DE SETOR CS

16 CÉLULA DE LOGÍSTICA CELOG Sou o Oficial de Logística, tenho que: Garantir a sustentação logística do TO; Ativar, se necessário, os núcleos de Meios e Recursos e Comunicações e Sistemas de Informação; Ativar as diferentes áreas da ZCR e designar os seus responsáveis de acordo com o plano logístico aprovado pelo COS; Elaborar e manter atualizado o quadro de meios; Elaborar o Plano de Comunicações (PLACOM); Manter atualizada a informação sobre as áreas logísticas na ZCR; Elaborar plano de suporte à evacuação de pessoas; Garantir o apoio logístico a prestar às vítimas e às forças de socorro pelo SMPC da área de sinistro; Elaborar, para aprovação pelo COS, o Plano Logístico: Meios e recursos empenhados; Reserva estratégica de meios e recursos; Apoio de serviços (alimentação, descanso e higiene, apoio sanitário e manutenção); Reabastecimentos; Transportes. Propor ao COS, se necessário, a nomeação de um adjunto.

17 SGO AUXILIAR DE BOLSO 17 Compete ao Núcleo de Meios e Recursos: Elaborar e atualizar os quadros e registos de meios e recursos; Propor a ativação de áreas da ZCR; Manter o contacto permanente com as áreas instaladas na ZCR; Propor a constituição da reserva estratégica de meios e recursos; Propor a mobilização e desmobilização de meios logísticos. CÉLULA DE LOGÍSTICA NÚCLEO DE MEIOS E RECURSOS

18 CÉLULA DE LOGÍSTICA NÚCLEO COMUNICAÇÕES E SI Compete ao Núcleo de Comunicações e Sistemas de Informação: Elaborar, e manter atualizado, o PLACOM face ao desenvolvimento do TO; Gerir os sistemas de informação necessários ao processo de tomada de decisão; Painéis da sua responsabilidade: POSIT (partilhado); Quadro de meios e logística; Plano de Comunicações (PLACOM); Áreas da ZCR (reserva e descanso); Áreas de descanso. Documentos da sua responsabilidade: PEA (na parte aplicável) Plano logístico; Plano de apoio à evacuação de pessoas; Plano de mobilização e desmobilização.

19 SGO AUXILIAR DE BOLSO 19 ÁREAS DA ZCR São propostas pelo Oficial de Logística ao COS, que decide sobre a sua implementação. Área de reserva Onde se localizam os meios e recursos sem missão imediata e que constituem a reserva estratégica sob a gestão da CELOG; Área de reabastecimento Onde se realizam as operações de reabastecimento de combustíveis, água, equipamentos, consumíveis e outros considerados necessários ao suporte da ocorrência; Área de alimentação Onde se procede à alimentação das forças e/ou preparação das refeições para distribuição aos meios em intervenção nas ZI; Área de descanso e higiene Onde se asseguram as condições de descanso e higiene aos operacionais; Área de apoio sanitário Onde é instalado o apoio sanitário aos operacionais envolvidos na ocorrência; Área de manutenção Onde se providencia a manutenção dos equipamentos; Área médica Onde é instalado o PMA para assistência pré-hospitalar no TO. CÉLULA DE LOGÍSTICA ÁREAS DA ZCR

20 CÉLULA DE LOGÍSTICA PONTOS DE TRÂNSITO Pontos de Trânsito (PT) são locais onde se processa o controlo de entrada e saída de meios no TO. Receção dos meios terrestres e comunicação ao PCO da sua chegada; Agrupamento de meios e atribuição da missão; Reagrupamento dos meios isolados; Receber do PCO os setores de destino dos meios; Comunicar aos meios os setores de destino e as frequências rádio. Nos PT deve ser entregue aos meios rececionados, em papel: O Plano de Comunicações; O Plano Logístico; Cartografia da ZI. Documentos do responsável do PT: Mapa de Controlo de Movimento.

21 SGO AUXILIAR DE BOLSO 21 Sou o Oficial de Planeamento, tenho que: Garantir a avaliação, processamento e difusão das informações necessárias ao processo de decisão do COS. Ativar, se necessário, os núcleos de Informações, Antecipação e Especialistas. Elaborar a Análise da ZI para integrar o PEA; Elaborar a Análise de Risco para a operação; Elaborar cenários, por antecipação, para o desenvolvimento do sinistro; Prever a necessidade de meios e recursos de reforço ou especialistas; Manter atualizado o Quadro de Informações; Propor ao COS, se necessário, a nomeação de um adjunto. CÉLULA DE PLANEAMENTO CEPLAN

22 CÉLULA DE PLANEAMENTO NÚCLEOS Núcleo de Informações Elaborar a análise da ZI; Manter atualizado o Quadro de Informações consideradas relevantes; Recolher, processar e transmitir os dados. Núcleo de Antecipação Elaborar a análise de risco para a operação; Estudar os cenários previsíveis para o desenvolvimento do sinistro. Núcleo de Especialistas Propor a requisição de meios humanos e materiais especializados; Elaborar informação especializada sobre riscos específicos associados à operação. Os responsáveis pelos núcleos são nomeados e reportam diretamente ao Oficial de Planeamento.

23 SGO AUXILIAR DE BOLSO 23 Painéis da responsabilidade do Oficial de Planeamento: POSIT (partilhado); Quadro de Informações. Documentos da sua responsabilidade (acetatos*): PEA (na parte aplicável) Análise da ZI Acessos; Caminhos penetrantes; Pontos de água; Pontos sensíveis; Declives; Obstáculos. Previsão da propagação do incêndio Cone de propagação do incêndio a T0+1, T0 +2, etc ; Propagação em função da topografia. *Numere os acetatos e registe o grupo data hora. CÉLULA DE PLANEAMENTO CEPLAN

24 OFICIAL DE SEGURANÇA Sou o OFICIAL DE SEGURANÇA, tenho que: Avaliar se estão tomadas todas as medidas necessárias e suficientes à segurança das forças envolvidas no TO. Propor ao COS medidas adicionais que considere necessárias para reforço e garantia da segurança dos operacionais; Avaliar as necessidades de apoio sanitário e recuperação física/ psíquica dos operacionais; Efetuar relatório sobre vítimas no TO; Efetuar relatórios sobre danos nos equipamentos no TO; Avaliar e relatar as consequências da ocorrência. Tenho autoridade, delegada pelo COS, para ordenar a paragem dos trabalhos em curso, quando se verifique ou preveja a prática de atos inseguros. Documentos da minha responsabilidade: Relatórios sobre vítimas e danos em equipamentos; Relatório sobre as consequências da ocorrência.

25 SGO AUXILIAR DE BOLSO 25 Sou o OFICIAL DE LIGAÇÃO, tenho que: Garantir a integração, articulação e comunicação com as entidades empenhadas ou de sustentação à operação; Garantir a articulação com/ entre todas as entidades empenhadas no TO; Garantir o espaço funcional para os oficiais de ligação de outras entidades e assegurar a sua integração no SGO; Garantir a circulação da informação entre todos os APC e entidades com especial dever de cooperação envolvidos; Garantir uma ligação próxima com o SMPC do município onde se desenvolve o incidente, de forma a assegurar o apoio logístico à operação. OFICIAL DE LIGAÇÃO

26 OFICIAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS Sou o OFICIAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS, tenho que: Recolher permanentemente informação relevante para assessorar o COS nas suas declarações aos OCS. Assegurar ligação com os OCS e Entidades oficiais; Prestar informações aos OCS e entidades oficiais por delegação do COS; Preparar Briefings para os OCS com base na informação recolhida; Preparar eventuais conferências de imprensa; Informar o COS das solicitações dos jornalistas; Preparar o dossiê de imprensa; Informar o COS sobre as notícias difundidas pelos OCS; Assessorar o COS sobre as melhores formas de comunicação, tendo em conta a mensagem a transmitir; Preparar visita aos locais de interesse na ZI, com os jornalistas.

27 SGO AUXILIAR DE BOLSO 27 Implemente o Protocolo LACES em toda a operação, em todos os escalões: Lookouts (Vigias); Anchor points/ Awareness (Pontos de ancoragem/ Estado de alerta); Communications (Comunicações); Escape Routes (Caminhos de fuga); Safety Zones (Zonas de segurança). Vigias Experientes; em número suficiente; conhecem a localização das equipas e os caminhos de fuga; têm comunicações; Pontos de ancoragem/ Estado de alerta Linhas de supressão iniciadas em locais seguros; Comunicações Plano de comunicações; conhecer as frequências; alertar cedo; não esperar; o atraso pode ser fatal; Caminhos de fuga Reconhecimento; definir, antes de começar o combate, mais do que um caminho de fuga que todos conheçam; Zonas de segurança Podem ser naturais: áreas rochosas/ água/ prados; locais construídos: áreas sem vegetação/ estradas/ heliportos. SEGURANÇA PROTOCOLO LACES

28 SEGURANÇA 18 SITUAÇÕES QUE GRITAM PERIGO 1. Não foi efetuado o reconhecimento do incêndio; 2. O fogo lavra durante a noite e em local desconhecido; 3. Não foram identificadas zonas de segurança e caminhos de fuga; 4. Não há conhecimento da meteorologia e fatores locais que influenciam o comportamento do incêndio; 5. Não há conhecimento das estratégias, táticas e perigos; 6. Há instruções e tarefas pouco claras; 7. Há falta de comunicações entre as equipas e o comando das operações; 8. Se constroem linhas de contenção sem ponto seguro de ancoragem; 9. Se constrói uma linha de contenção encosta abaixo com o incêndio a subir; 10. Se tenta atacar frontalmente um incêndio com grande intensidade; 11. Existe combustível por arder entre a equipa e o incêndio; 12. Não se consegue ver o fogo principal nem comunicar com alguém que consiga; 13. Se está numa encosta onde o material a rolar pode provocar focos secundários; 14. O tempo se torna mais quente e seco; 15. O vento aumenta de velocidade e/ou muda de direção; 16. Se verificam projeções frequentes de partículas incandescentes; 17. O terreno e combustíveis tornam difícil a fuga para as zonas de segurança; 18. O descanso é efetuado perto da frente de incêndio.

29 SGO AUXILIAR DE BOLSO 29 Regras de segurança no uso de máquinas de rasto A segurança é uma responsabilidade de cada um relativamente a si e a todos; Chefes de máquina/equipa têm responsabilidade de assegurar que as regras de segurança são cumpridas; O operador da máquina é responsável por esta e pela sua própria pessoa. Segurança Passiva A máquina deve possuir cabine de segurança; A máquina deve possuir guincho, particularmente se operam isoladas; A máquina deve possuir iluminação frontal e traseira (focos ajustáveis); O manobrador tem que ter habilitação, conhecimento e experiência; Importa limitar os tempos de trabalho dos operadores de modo a evitar acidentes exponenciados pelo cansaço. SEGURANÇA COM MÁQUINAS DE RASTO

30 SEGURANÇA COM MÁQUINAS DE RASTO Segurança Ativa Uso obrigatório de EPI; Nunca tocar na máquina em movimento; Reconhecimento antes de iniciar movimentação; Evitar contato direto com o fogo; Atenção ao abate de árvores; Atenção às linhas elétricas tombadas ou que possam ser partidas por queda de árvores; O pessoal que trabalha próximo da máquina deve estar sempre em linha de vista do operador da máquina; Nunca as equipas apeadas devem trabalhar imediatamente abaixo do equipamento; Nunca montar/desmontar equipamento em movimento; Obrigatório realizar briefing inicial com operador de máquina e com toda a equipa de apoio; Prever sempre vias de fuga e zonas de segurança.

31 SGO AUXILIAR DE BOLSO 31 VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO TEÓRICA DO INCÊNDIO VENTO KM/H PROPAGAÇÃO M/H DISTÂNCIA CM (CARTA 1/25000) , , , , , , , , , , , , , ,4 DADOS DE PLANEAMENTO

32 DADOS DE PLANEAMENTO O m CONSTRUÇÃO DO CONE DE PROPAGAÇÃO 1,1 cms 50O m 4 cms 1,1 cms 100O m 150O m 1/25000 m 200O m

GUIA DE BOLSO SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO

GUIA DE BOLSO SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO GUIA DE BOLSO SEGURANÇA NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO Liderança Operacional Um bom líder, mesmo numa situação confusa e incerta: Encarrega-se dos recursos atribuídos;

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Referência: Substitui a NOP: Conhecimento: A-B-C-D-G-H-K-MA-MB- MC-MD-ME-MF-NC-ND- NE-NI-NJ-NL-NO-NP- NQ-NR-NS-OA-OC-OD- OE-OF-OG

Referência: Substitui a NOP: Conhecimento: A-B-C-D-G-H-K-MA-MB- MC-MD-ME-MF-NC-ND- NE-NI-NJ-NL-NO-NP- NQ-NR-NS-OA-OC-OD- OE-OF-OG Data: 23 JUN 09 Homologo: O Presidente Assunto: Sistema de Gestão de Operações Simbologia Planeamento/Execução: E-F-I-J-L-M-N Referência: Substitui a : Conhecimento: A-B-C-D-G-H-K-MA-MB- MC-MD-ME-MF-NC-ND-

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

2 Organização da resposta

2 Organização da resposta 2 Organização da resposta 2.1 Conceito de actuação No exercício de funções de responsável municipal da política de protecção civil, o Presidente da Câmara Municipal, para cumprimento da sua missão, deverá

Leia mais

Curso Defesa da Floresta contra Incêndios

Curso Defesa da Floresta contra Incêndios Curso Defesa da Floresta contra Incêndios os antecedentes do Projecto: Fogos de 2003 e 2005 que devastaram a Região Centro; Implementação do Plano Nacional DFCI; Instalação das Comissões Municipais; Aprovação

Leia mais

IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios

IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios Manteigas,27 de Abril 2011 Seminário de Encerramento do Projecto EEAGrants Rui Almeida EIXOS ESTRATÉGICOS DO PLANO NACIONAL

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO (Artigo 3.º do Anexo III ao Regulamento n.º 36/2013 do INAC, I.P., publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 14, de 21 de janeiro de 2013) CLASSES I E

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

Plano de Emergência Externo de Ílhavo

Plano de Emergência Externo de Ílhavo Plano de Emergência Externo de Ílhavo 2012 Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 12 1. Introdução... 12 2. Âmbito de aplicação... 14 3. Objetivos gerais... 15 4. Enquadramento legal... 16 5.

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais

Hugo Saturnino Paulo Fernandez e José M. Monteiro Coimbra - 30 Maio de 2009

Hugo Saturnino Paulo Fernandez e José M. Monteiro Coimbra - 30 Maio de 2009 OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NO PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE INFRA- ESTRUTURAS DE PREVENÇÃO E SUPRESSÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS CASO DE ESTUDO: CONCELHO DA SERTÃ Hugo Saturnino Paulo Fernandez e

Leia mais

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012 ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 7 1. Introdução... 7 2 2. Âmbito de Aplicação... 7 3. Objetivos Gerais... 8 4. Enquadramento Legal... 9 5. Antecedentes do processo de planeamento... 9 6.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 5 ÍNDICE DE QUADROS... 7 PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 8 1 INTRODUÇÃO... 8 2 ÂMBITO DE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL DE EMERGÊNCIA DE CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA

PLANO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL DE EMERGÊNCIA DE CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA Página 2 de 217 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 7 1.1 INTRODUÇÃO... 8 1.2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 8 1.3 OBJETIVOS

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral. Versão: Versão 2.1

IDENTIFICAÇÃO. Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral. Versão: Versão 2.1 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho do Seixal Plano Geral ANEOXAS IDENTIFICAÇÃO Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral Versão: Versão 2.1 (folha em

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 1 Situação Geral Uma pandemia de gripe ocorre quando um novo vírus do tipo A, para o qual a população tem uma susceptibilidade quase universal, surge

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

SERVIÇO MUNICIPAL DE VALE DE CAMBRA PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM VALE DE CAMBRA

SERVIÇO MUNICIPAL DE VALE DE CAMBRA PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM VALE DE CAMBRA SERVIÇO MUNICIPAL DE VALE DE CAMBRA PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM VALE DE CAMBRA PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO DA COLEPCCL PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO ÍNDICE

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP DPS 38.008-13 EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R4 14-12-2012

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO O Plano de Segurança é um documento que sistematiza um conjunto de normas e regras, enquadradas nas modalidades de segurança ativa e passiva e destinadas a minimizar os

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL A: Tel:( ) Em caso de emergência somente: ( ) Fax: ( )...ou (...)... Correio eletrônico: Internet: http://www. De: Nome:

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS ELABORADO POR: SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ELVAS PMEPC DE ELVAS Parte I ENQUADRAMENTO GERAL ÍNDICE Parte I ENQUADRAMENTO

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral. Versão: Versão 2.1

IDENTIFICAÇÃO. Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral. Versão: Versão 2.1 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho do Seixal Plano Geral IDENTIFICAÇÃO Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral Versão: Versão 2.1 (folha em branco)

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

MAPA DE PESSOAL UNIDADE ORGANICA CÂMARA POLICIA MUNICIPAL

MAPA DE PESSOAL UNIDADE ORGANICA CÂMARA POLICIA MUNICIPAL Nº POSTOS DE TRABALHO A PREENCHER PREENCHIDOS POR VINCULO DE EMPREGO TERMO CÂMARA POLICIA MUNICIPAL DIRETOR DE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE POLICIA MUNICIPAL Policia Municipal Licenciatura Define os objetivos

Leia mais

Secretaria Nacional para o Ambiente e Prevenção Departamento Nacional de Protecção Civil e Segurança

Secretaria Nacional para o Ambiente e Prevenção Departamento Nacional de Protecção Civil e Segurança De: Para: Assunto: Circular: Data: Secretaria Nacional para o Ambiente e Prevenção Departamento Nacional de Protecção Civil e Segurança Juntas Regionais e de Núcleo Atividades Escutistas na Serra da Estrela

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMAS: PREA PREO Agosto/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa Brigada de Emergência O que é a Brigada de Emergência? A

Leia mais

GOVERNO CIVIL DE CASTELO BRANCO

GOVERNO CIVIL DE CASTELO BRANCO Título Página Parte I Enquadramento Geral do Plano 1. Introdução 4 2. Âmbito de Aplicação 5 3. Objectivos Gerais 5 4. Enquadramento Legal 6 5. Antecedentes do processo de planeamento 6 6. Articulação com

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS. Operações de verificação e ensaios de contadores para baixa e média tensão.

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS. Operações de verificação e ensaios de contadores para baixa e média tensão. PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHO NO LABORATÓRIO ENSAIO DE CONTADORES 2 DESCRIÇÃO Operações de verificação e ensaios de contadores para baixa e média tensão. 3 ACTIVIDADES

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO A REN - Rede Eléctrica Nacional, S.A. é a concessionária

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO GABINETE DE PREVENÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES COM AERONAVES RELATÓRIO DE INCIDENTE COM AERONAVE

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO GABINETE DE PREVENÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES COM AERONAVES RELATÓRIO DE INCIDENTE COM AERONAVE CÓPIA MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO GABINETE DE PREVENÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES COM AERONAVES RELATÓRIO DE INCIDENTE COM AERONAVE Este relatório foi preparado, somente, para efeitos de prevenção

Leia mais

Prevenção de incêndios

Prevenção de incêndios Prevenção de incêndios 1 Prevenção de incêndios Entre 2008 e 2013, os falsos alarmes de incêndio nos centros comerciais da Sonae Sierra dispararam entre 5.000 a 7.000 vezes por ano. Mesmo não pondo em

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DO SABUGAL

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DO SABUGAL PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DO SABUGAL PARTE IV INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR Secção I. Sistema nacional de proteção civil Maio 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Sabugal

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REBOQUE DE GERADORES E SUPORTES DE BOBINAS DE CABOS 2 DESCRIÇÃO Durante os trabalhos diários de exploração e conservação das redes de distribuição

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade POLÍTICA DE TRANSPORTE QUALIFICAR O Serviço de Transporte por Ônibus Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos Serviço em Rede Flexibilidade de Trajetos Racionalidade de Caminhos Operação Controlada Regularidade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE GERAL

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ALUNOS: Quando soar o sinal de ALARME, deve seguir as instruções do Professor. O aluno nomeado Chefe de Fila deve dirigir-se para porta de saída, procede à sua abertura, segurando-a e mantendo-a aberta.

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

ACSS. Bases VMER ACSS. ACSS Normalização de Instalações e Equipamentos. Recomendações Técnicas para. Guia para RT 01/2010

ACSS. Bases VMER ACSS. ACSS Normalização de Instalações e Equipamentos. Recomendações Técnicas para. Guia para RT 01/2010 Guia para Recomendações Técnicas para Bases VMER RT 01/2010 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS Ministério da Saúde Unidade Operacional ACSS Normalização de Instalações e Equipamentos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PARTE IV INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR Secção I. Sistema nacional de proteção civil Julho 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE PARTE II Índice 1. CONCEITO DE ACTUAÇÃO...3 1.1. COMISSÕES DE PROTECÇÃO CIVIL...3 1.1.1 Missão...3 1.1.2 Competências da Comissão Municipal

Leia mais

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen pagina 1 van 26 Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen A Evonik Degussa Antwerpen é uma empresa de químicos e parte de um grupo global. A sua segurança, assim como a nossa, é muito importante, pelo que existem

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

1 Enquadramento Geral do Plano

1 Enquadramento Geral do Plano 1 Enquadramento Geral do Plano 1.1 Introdução Em 1992 foi elaborado um Plano de Externo (PEE) para o Complexo Industrial do Concelho de Matosinhos. A entrada em vigor da Directiva Seveso II, em 2001, originou

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 Estabelece as competências da Secretaria de Segurança Legislativa do Senado Federal e das Subsecretarias e Serviços a ela subordinados. O DIRETOR-GERAL DO SENADO FEDERAL,

Leia mais

Formação de aperfeiçoamento técnico. Elaborar o plano de lição de acordo com os objectivos definidos para a acção;

Formação de aperfeiçoamento técnico. Elaborar o plano de lição de acordo com os objectivos definidos para a acção; PROGRAMA DE FORMAÇÃO Formação de aperfeiçoamento técnico Designação FE-16-III - Formador de Combate a Incêndios Florestais Objectivo Geral Dotar os formandos de conhecimentos adequados para ministrar formação

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE CASTRO DAIRE PARTE I, II, III, IV (Secção I) PARTE PÚBLICA Setembro de 2010 INDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 2 1. INTRODUÇÃO...2

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Diretoria de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais e Eventos Críticos DPIFE Palestrante: JARBAS JORGE DE ALCÂNTARA Téc.

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Organização da Segurança. www.juliosantos.net - js@juliosantos.net

Organização da Segurança. www.juliosantos.net - js@juliosantos.net Organização da Segurança Sumário Objectivo: Tomar conhecimento de uma forma de como organizar a Segurança Patrimonial Temas abordar Política de Segurança Definições e Conceitos Modelo de Segurança Análise

Leia mais

Atuação em Situações de Crise

Atuação em Situações de Crise 1 Atuação em Situações de Crise Enf. José Magalhães INEM Delegação Regional do Porto Porto, 11 de Abril de 2014 2 INEM O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) é o organismo do Ministério da Saúde

Leia mais

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos.

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. NO CARRO Como se prevenir Procure usar um carro que não chame a atenção. Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. Evite transportar objetos de valor quando

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Serviço Municipal de Proteção Civil. PARTE III Áreas de Intervenção

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Serviço Municipal de Proteção Civil. PARTE III Áreas de Intervenção Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil PARTE III Áreas de Intervenção 2015 Índice 1. Áreas de Intervenção... 4 1.1. Área de Administração de Meios e Recursos... 4 1.2. Área de Logística... 8 1.2.1.

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO 1/5 1. Objetivo Estabelecer critérios para sinalizar e isolar as áreas de trabalho, com a finalidade de garantir a distância e o isolamento adequado na execução de serviços em iluminação pública em redes

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA 8634 Diário da República, 2.ª série N.º 69 9 de abril de 2015 c) Autorizar a prestação do trabalho suplementar nos termos da alínea b) do n. 3 do artigo 120. da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas,

Leia mais

Informação para Visitantes

Informação para Visitantes Informação para Visitantes Informação e orientações para visitantes Bem-vindo ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), um instituto público de investigação, dedicado à ciência e tecnologia,

Leia mais

PAULO GIL MARTINS COMANDANTE OPERACIONAL NACIONAL DA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL SISTEMA PROTECÇÃO CIVIL

PAULO GIL MARTINS COMANDANTE OPERACIONAL NACIONAL DA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL SISTEMA PROTECÇÃO CIVIL COMANDANTE OPERACIONAL NACIONAL DA AUTORIDADE NACIONAL DE PAULO GIL MARTINS 1 A Área Metropolitana de Lisboa e Concelhos Limítrofes, abrange: Superfície km2 4.881 População 2.880.201 População % total

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS

CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS Empresas, Instituições e População no Geral 20 horas Idade Mínima de 16 anos e máxima de 60/65; Dominar a língua Portuguesa Nº de Formandos

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Zona Franca Industrial Plano de Emergência Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Plano de Emergência da Zona Franca Industrial Nota de Divulgação

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2016

MAPA DE PESSOAL 2016 MAPA DE PESSOAL 206 Nº POSTOS DE TRABALHO AREA FUNCIONAL ATRIBUIÇÕES/COMPETÊNCIAS/S POSTOS DE TRABALHO DOS TRABALHADORES EM EXERCICIO DE FUNÇÕES NA CM NO DE DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO RESOLUTIVO CONTRATO

Leia mais

Inovação ao Serviço dos Cidadãos. Comunicação com os cidadãos através de tecnologia móvel

Inovação ao Serviço dos Cidadãos. Comunicação com os cidadãos através de tecnologia móvel Inovação ao Serviço dos Cidadãos Comunicação com os cidadãos através de tecnologia móvel 27 de Junho de 2008 Do para o Objectivos da Apresentação Canal de comunicação com os cidadãos complementar à Internet

Leia mais

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT Porquê usar um DETETOR de cabos? Evita danificar materiais; Previne acidentes que podem ser mortais; Evita perdas de tempo antes de se realizar uma

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

Coberturas Opção 03 Palestras, Reuniões, Seminários e Cursos Similares.

Coberturas Opção 03 Palestras, Reuniões, Seminários e Cursos Similares. COBERTURA BÁSICA N.º 115 - PROMOÇÃO DE EVENTOS ARTÍSTICOS, ESPORTIVOS E SIMILARES CONDIÇÕES ESPECIAIS 1 - RISCO COBERTO 1.1 - O risco coberto é a responsabilização civil do Segurado por DANOS CORPORAIS

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL SUMÁRIO ASSISTÊNCIA EMRESARIAL...4 SINISTROS COBERTOS:...4 CONSULTORIA ORÇAMENTÁRIA:...

MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL SUMÁRIO ASSISTÊNCIA EMRESARIAL...4 SINISTROS COBERTOS:...4 CONSULTORIA ORÇAMENTÁRIA:... PÁG 1 SUMÁRIO ASSISTÊNCIA EMRESARIAL...4 SINISTROS COBERTOS:...4 CONSULTORIA ORÇAMENTÁRIA:...5 MANUAL DE CONDIÇÕES GERAIS COBERTURAS ADICIONAIS EM CASO DE EVENTO PREVISTO...5 Problemas Emergenciais...

Leia mais

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3 NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO Módulo 3 Sistema Metropolitano de Informações Georreferenciadas MetroGeo Curso Noções de Geoprocessamento Módulo 3 Oscar Ricardo M. Schmeiske Programação Curso Noções de Geoprocessamento

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA

CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA O QUE É A COCEL? A COCEL leva energia elétrica a toda Campo Largo. É esta energia que permite que as fábricas, o comércio e todo o setor produtivo funcionem. É graças

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

Manual de Apoio à Elaboração de Planos de Coordenação para Eventos de Nível Municipal

Manual de Apoio à Elaboração de Planos de Coordenação para Eventos de Nível Municipal Cadernos Técnicos PROCIV Manual de Apoio à Elaboração de Planos de Coordenação para Eventos de Nível Municipal Edição: Autoridade NAcional de Protecção Civil novembro de 2011 02 Cadernos Técnicos PROCIV

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Geodetect, Lda. DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Travessa do Governo Civil, Nº4 2ºDrt. Sala 5 3810-118 Aveiro PORTUGAL (+351) 967 085 701 (+351) 963 829 703

Leia mais

FACILITY SERVICES. Apresentação

FACILITY SERVICES. Apresentação FACILITY SERVICES Apresentação FACILITY SERVICES A NFH é uma empresa de Facility Services Tem como objetivo, um crescimento sustentável, através de uma prestação de serviços de rigor e transparência.

Leia mais