CLASSIFICAÇÃO BI-RADS DE 1035 LESÕES MAMÁRIAS COM RESULTADOS ANATOMOPATOLÓGICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLASSIFICAÇÃO BI-RADS DE 1035 LESÕES MAMÁRIAS COM RESULTADOS ANATOMOPATOLÓGICOS"

Transcrição

1 1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE CLASSIFICAÇÃO BI-RADS DE 1035 LESÕES MAMÁRIAS COM RESULTADOS ANATOMOPATOLÓGICOS Autora: Ana Carolina Silva de Castro Orientadora: Profª. Drª. Patrícia El Beitune Co-orientadores: Prof. Dr. Gustavo Py Gomes da Silveira Prof. Dr. Cláudio Galleano Zettler Dissertação submetida ao Programa de Pós-Graduação em Patologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre como requisito para a obtenção do grau de Mestre 2010

2 2 DEDICATÓRIA Aos meus pais, por sempre terem acreditado na minha capacidade de realização. Ao meu marido, pelo estímulo e apoio integral.

3 3 AGRADECIMENTOS A Dra. Patrícia El Beitune, orientadora deste trabalho, pelo incentivo, confiança e decisiva contribuição. Aos Dr. Cláudio Zettler e Dr. Gustavo Py G. da Silveira que abriram todas as portas para que eu pudesse alcançar o meu objetivo. Ao Programa de Pós-Graduação em Patologia, pela oportunidade. À colega Christine Heckmann que esteve solícita em todos os momentos. À mestre em radiologia mamária, Dra. Radiá Pereira dos Santos, que sempre acreditou no meu trabalho e me incentivou na realização de novas conquistas. A todas as pessoas que direta ou indiretamente me apoiaram durante esta caminhada.

4 4 SUMÁRIO Listas de abreviaturas e siglas...vi Introdução Revisão bibliográfica Epidemiologia Diagnóstico do câncer de mama Exame clínico Avaliação por imagem Mamografia Ultrassonografia Ressonância Nuclear Magnética Achados radiológicos Nódulos Mamografia Ultrassonografia Microcalcificações Distorção Arquitetural Assimetrias Assimetria Assimetria focal Assimetria global Assimetria em desenvolvimento Classificação BI-RADS Procedimentos diagnósticos invasivos Punção aspirativa com agulha fina Biópsia com agulha grossa Agulhamento Agulhamento com fio metálico Agulhamento com radiofármaco Mamotomia Classificação BI-RADS e diagnóstico anatomopatológico Objetivos Objetivo principal...30

5 5 2.2 Objetivos específicos Artigo em inglês Artigo em português Anexo...72

6 6 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AG AP BI-RADS CB CDI CDIS CM ECR FN FP Localização pré-operatória Anatomopatológico Breast Imaging Reporting and Data System Biópsia com agulha grossa (do inglês Core Biopsy) Carcinoma ductal invasor Carcinoma ductal in situ Câncer de mama Ensaio clínico randomizado Falso-negativo Falso-positivo INCA Instituto Nacional do Câncer MMG Mamografia OMS PAAF RNM ROC Organização Mundial da Saúde Punção Aspirativa com Agulha Fina Ressonância Nuclear Magnética Receiver-Operator Characteristic Tc99 Tecnécio 99 US VN VP VPN VPP Ultrassonografia Verdadeiro-negativo Verdadeiro-positivo Valor preditivo negativo Valor preditivo positivo

7 7 INTRODUÇÃO O câncer de mama (CM) é a principal causa de morte por câncer entre as mulheres no nosso meio. A redução da taxa de mortalidade depende da sua detecção precoce. A mamografia (MMG) é recomendada como método de rastreamento e, associada ao exame clínico, promove a redução da mortalidade (INCA, 2007). A MMG apresenta alta sensibilidade na detecção de lesões mamárias clinicamente ocultas. Outros métodos de imagem suplementares para rastrear e avaliar mamas densas têm sido realizados, incluindo principalmente a ultrassonografia (US) (Aguillar e cols., 2009). Entretanto, os achados mamográficos muitas vezes são imprecisos e subjetivos, podendo haver pacientes com CM e achados radiológicos de aspecto benigno, bem como algumas alterações benignas podem simular lesões malignas perante à MMG e US (Boff e cols., 2007). O Breast Imaging Reporting And Data System - BI-RADS (BI-RADS) preconiza a padronização do laudo radiológico com o objetivo de minimizar o grau de variação interpessoal na descrição e interpretação das imagens na MMG e US, além de sugerir uma conduta e facilitar a monitorização do resultado final da lesão. Essa classificação é dividida em categorias numeradas de 0 a 6, conforme o potencial de malignidade do achado radiológico (American College of Radiology, 2003). Em lesões potencialmente malignas é sugerido o prosseguimento da investigação fazendo-se uso de procedimentos invasivos, preferencialmente através de biópsia com agulha grossa (CB). Também pode ser realizada localização pré-operatória com agulhamento da lesão suspeita (AG) (Boff e cols., 2007).

8 8 No intuito de melhorar a especificidade dos métodos invasivos no diagnóstico de CM, têm sido realizados estudos avaliando os valores preditivos positivos (VPP) e negativos (VPN) dos achados mamográficos, especialmente das categorias intermediárias. Entretanto, não se dispõe de dados consistentes na literatura definindo valores preditivos especialmente em casos duvidosos, geralmente enquadrados nas subcategorias 4A, 4B e 4C. Assim, a avaliação da correlação dos achados descritos na MMG e na US com os resultados AP pode fornecer dados importantes para a melhor orientação da conduta e seguimento dos pacientes com lesões mamárias, especialmente em relação à definição entre prosseguir a investigação de maneira invasiva ou acompanhar os achados através de avaliação clínica e por imagem (Muller-Schimpfle e cols., 2005). Portanto, face à escassez de dados frente a esses índices, o objetivo do presente estudo é o de determinar a acurácia, avaliando-se a sensibilidade, especificidade e valores preditivos da classificação BI-RADS na MMG e US na caracterização das lesões mamárias nas categorias 3, 4 e 5 e das subcategorias 4A, 4B e 4C do BI-RADS. Adicionalmente, procurou-se avaliar as alterações mais comumente encontradas em relação à localização e tipo de lesão encontrada na MMG e US (Muller-Schimpfle e cols., 2005).

9 9 1. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1.1 EPIDEMIOLOGIA O câncer de mama (CM) representa nos países ocidentais uma das principais causas de morte em mulheres. Dados de Tavassoli e colaboradores (2003) registram que na década de 60 e 70 a Organização Mundial da Saúde (OMS) já destacava de acordo com seus Registros de Câncer de Base Populacional de diversos continentes, um aumento de pelo menos dez vezes nas taxas de incidência do CM ajustadas por idade (INCA, 2007). No Brasil, o CM é a principal causa de morte entre as mulheres, conforme atesta o Instituto Nacional do Câncer (INCA). De acordo com as Estimativas de Incidência de Câncer no Brasil para 2008, o CM seria o mais incidente na Região Sul do país com 67 casos a cada mulheres, sendo a segunda maior taxa do país, ficando atrás apenas da Região Sudeste (INCA, 2007). Sabe-se que a redução da taxa de mortalidade depende da detecção precoce do CM. Dessa forma, as recomendações do INCA para o Sistema Único de Saúde incluem a realização anual do exame clínico das mamas a partir do 40 anos e mamografia (MMG) em mulheres entre 50 e 69 anos pelo menos a cada dois anos. Em pacientes de alto risco, é sugerido que a avaliação deva ser realizada anualmente a partir dos 35 anos. Por outro lado, muitos centros de referência e instituições, como a Sociedade Brasileira de Mastologia, têm optado em seguir as orientações recomendadas pela American Cancer Society (2007), onde é sugerido a realização de MMG anual a partir dos 40 anos enquanto a mulher estiver com boa saúde (American Cancer Society, 2007; INCA, 2007).

10 DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA Exame clínico É de fundamental importância no diagnóstico do CM, fazendo parte do exame físico e ginecológico e constitui base para solicitação de exames de imagem para complemento da investigação. Deve ser realizado anualmente a partir dos 40 anos, em pacientes não consideradas de alto risco para desenvolver CM, segundo orientação contida no Consenso do INCA para Câncer de Mama publicado em 2004 (INCA, 2004) Avaliação por imagem Mamografia (MMG) A MMG apresenta alta sensibilidade na detecção de lesões mamárias clinicamente ocultas, sendo considerado método de rastreamento preferencial no diagnóstico de lesões mamárias, com redução variável da mortalidade do CM de acordo com a faixa etária da mulher. A maioria dos ECR e metanálises demonstraram redução significativa de 20 a 35% na mortalidade pelo CM na faixa etária dos anos em pacientes que realizaram MMG para rastreamento (Aguillar e cols., 2009). Segundo recentes revisões de ensaios clínicos publicados por Kestelman e colaboradores em 2007, os valores de sensibilidade da MMG variam de 71 a 98%, sendo o único método de imagem que comprovadamente promove redução da mortalidade do CM (Aguillar e cols., 2009). A capacidade da MMG em detectar essas lesões depende de alguns fatores, sendo a densidade mamária o mais importante. Desta forma, outros métodos de imagem têm sido agregados no rastreamento e diagnóstico do CM (Boff e cols., 2007).

11 Ultrassonografia (US) A US é um método de imagem suplementar muito utilizado para rastrear e avaliar mamas densas. Dessa forma, a US mamária representa atualmente o principal exame adjunto à MMG e ao exame clínico, no diagnóstico de lesões mamárias, apresentando índices elevados de sensibilidade e valores preditivos para o CM. Isso se deve à evolução tecnológica dos equipamentos, com uso de transdutores de alta frequência e imagens harmônicas, oferecendo alta resolução (Chala, 2007; Nascimento J, 2009). O benefício da US em detectar neoplasia em mamas densas já é bem estabelecido na literatura. Corsetti e colaboradores avaliaram pacientes com MMG sem indício de malignidade. Destas, foram classificadas como mamas densas, sendo submetidas à realização de US, onde foram detectados 29 casos de CM (0,44%) (Corsetti e cols., 2006). Nos últimos anos um grande número de lesões mamárias impalpáveis tem sido demonstrado por meio da MMG e US. Com a detecção de determinada alteração através de métodos de imagem, faz-se necessária a sua caracterização e impressão diagnóstica, definindo e graduando o potencial de benignidade ou de malignidade da mesma. Essa avaliação é determinada principalmente pelas características morfológicas e evolutivas dos achados (Kestelman e cols., 2007). Não existem evidências na literatura que demonstrem redução da mortalidade pelo CM com a realização exclusiva da US como método de rastreamento. Este método deve ser utilizado como complementar à MMG em mulheres de alto risco e em pacientes com mamas densas conforme orientações da Sociedade Brasileira de Mastologia. Conforme dados do estudo ACRIN 6666, publicado em 2008, a US deve fazer parte do rastreio do CM em pacientes de alto risco, já que aumenta o número de diagnósticos de

12 12 CM, na maioria dos casos em lesões de pequenas dimensões e sem linfonodos comprometidos. Este estudo, realizado com pacientes, com pelo menos um quadrante das mamas com estrutura fibroglandular densa, foi desenvolvido em 21 diferentes centros, onde as pacientes realizaram exames de rastreamento, sendo submetidas à MMG e US de forma randomizada, sendo que os médicos interpretadores não tinham conhecimento do resultado dos demais exames. O diagnóstico de CM por mamografia nesta amostra de 2725 pacientes foi de 20 casos, sendo que quando agregada à ultrassonografia foram detectadas 31 neoplasias. Entretanto, cabe lembrar que a utilização da US no rastreamento destas pacientes aumenta o índice de resultados falso positivos (Berg e cols., 2008) Ressonância nuclear magnética (RNM) A ressonância é um método diagnóstico complementar na detecção do CM. Este exame pode diagnosticar tumores que não são visualizados por MMG, US ou clinicamente ocultos. Estudos atuais têm demonstrado que mulheres com alto risco de desenvolver CM se beneficiam com este método, já que a RNM detecta focos de carcinoma ocultos, com índices de detecção em torno de 8% nesta população (Libermann e cols., 2005) Em pacientes com diagnóstico recente de CM este método detecta focos adicionais ipsilaterais e contralaterais, respectivamente de 6-34% e 4-24% (Libermann e cols., 2003). A sensibilidade da RNM é alta, sendo descrita em alguns estudos com valores de até 100%, entretanto a especificidade é considerada moderada e variável, com valores de 35 a 97% (Berg e cols., 2004). Dentre algumas indicações para realização deste exame podemos destacar o rastreamento em pacientes de alto risco, a detecção de carcinoma oculto, a avaliação da extensão tumoral para pacientes com diagnóstico de CM e controle de tratamento para pacientes submetidas à quimioterapia neoadjuvante (Aguillar e cols., 2009).

13 13 Cabe lembrar que procedimentos invasivos também podem ser realizados guiados por RNM. Entretanto, esta abordagem deve ser reservada para lesões que somente são visualizadas à RNM, pois trata-se de um método diagnóstico de alto custo e mais invasivo que os demais, já que necessita da injeção endovenosa de gadolínio para localização da exata topografia da lesão (Aguillar e cols., 2009). 1.3 ACHADOS RADIOLÓGICOS A maioria dos achados radiológicos detectados através dos métodos de imagem são nódulos e microcalcificações. Outras alterações mamográficas detectáveis são a distorção da arquitetura e assimetria focal (Aguillar e cols., 2009). A seguir descreveremos resumidamente estes achados Nódulos Conceitua-se por um achado que ocupa espaço e deve ser visualizado em duas diferentes projeções, apresentando contornos convexos. Podem ser visualizados tanto à MMG, quanto à US, ou em ambos os métodos, ou até mesmo corresponder a achados palpáveis sem expressão imageneológica (Aguillar e cols., 2009). O CM geralmente se traduz, em cerca de 60 a 70% dos casos, como um nódulo espiculado ou esferóide, de margens irregulares ou indistintas, sem calcificações associadas (Boff e cols, 2008). Quando detectado, é mais facilmente caracterizado que as microcalcificações como mais ou menos suspeito de acordo com suas características, através dos métodos de imagem. Em pacientes com mamas radiotransparentes, os nódulos são detectados mais facilmente à MMG, pois na sua maioria apresentam maior densidade, observando-se

14 14 contraste entre a densidade do tecido e a densidade do mesmo (American College of Radiology, 2003). A ultrassonografia fornece informações adicionais à MMG, particularmente em pacientes com mamas densas, pois nestes casos também há um maior contraste, já que os nódulos na ultrassonografia são geralmente hipoecóicos (escuros) e o tecido mamário é branco (American College of Radiology, 2003) Mamografia Os critérios utilizados para caracterizar os nódulos à MMG são a forma, que varia entre oval, redonda, lobulada e irregular. Outra característica avaliada é a margem dos nódulos que pode ser descrita como circunscrita, indistinta, obscurecida, microlobulada ou espiculada. Também, avalia-se a densidade que classifica os nódulos como hiperdenso, isodenso, hipodenso e radiotransparente (American College of Radiology, 2003). Uma das características clássicas do CM é a margem espiculada. As espículas são estruturas filamentares orientadas radialmente, correspondendo a fibrose entremeada ao tumor, representando uma reação à infiltração tumoral. Aproximadamente 93-95% das lesões espiculadas mamárias são tumores malignos. Entretanto, algumas lesões benignas podem se apresentar como lesões espiculadas, como a cicatriz radial, necrose gordurosa e tumor desmóide (Aguillar e cols., 2009). Liberman e colaboradores, em 1998, avaliaram prospectivamente 492 lesões mamográficas impalpáveis, sendo que todas foram submetidas à biópsia cirúrgica. Todas as lesões foram classificadas pelo sistema BI-RADS, dentre os nódulos categorizados como 5, os maiores VPP foram para margem espiculada e forma irregular (Liberman L e cols., 1998).

15 Ultrassonografia Em relação à US, os critérios utilizados para caracterizar os nódulos são semelhantes aos acima descritos. Avalia-se a forma, que varia entre oval, redonda e irregular. Outra característica avaliada é a margem dos nódulos que podem ser descritas como circunscrita e não circunscrita (indistinta, angulada, microlobulada e espiculada). Também, avalia-se o padrão de ecogenicidade: anecóico, hiperecóico, hipoecóico, complexo e isoecóico. A orientação do nódulo em relação à superfície cutânea, também é utilizada na avaliação e pode ser caracterizada como paralela ou perpendicular à pele (American College of Radiology, 2003). Outro aspecto avaliado é a transmissão acústica posterior do nódulo, que pode ser sem sombra ou reforço, somente com reforço ou somente com sombra. Além disso, o limite da lesão com o tecido adjacente faz parte da caracterização e pode apresentar uma interface abrupta ou mesmo halo ecogênico circundando o nódulo (American College of Radiology, 2003). Alterações no tecido adjacente ao nódulo como espessamento cutâneo, retificação dos ligamentos de Cooper e extensão da lesão para o interior de ducto, também são descritas como critérios utilizados para descrever os nódulos e caracterizá-los quanto ao seu potencial de malignidade (American College of Radiology, 2003). Critérios ultrassonográficos na diferenciação de lesões benignas e malignas têm sido amplamente aplicados. Em uma série de 750 nódulos mamários Stravos e colaboradores avaliaram as características ultrassonográficas dos nódulos. Os cinco sinais mais específicos para malignidade encontrados no estudo foram a presença de espículas, lesão com maior eixo perpendicular à pele, microlobulações, presença de calcificações e extensão intraductal (Stravos e cols., 1995).

16 16 Já Skaane e colaboradores, descreveram que os achados de maior VPP para malignidade foram a forma e o contorno irregular, hipoecogenicidade, presença de sombra acústica e de halo hiperecogênico, bem como distorção do tecido adjacente (Skanne e cols., 1998) Microcalcificações A MMG ainda é a única modalidade de imagem que seguramente identifica as calcificações, podendo anunciar a presença de uma neoplasia intraductal ou até mesmo de uma lesão infiltrativa precoce. O reconhecimento deste achado é importante já que representa mais de 25% das lesões malignas. Entretanto, a sua detecção gera um grande número de biópsias com diagnóstico benigno, cerca de 70 a 80%. Portanto é de extrema importância a sua adequada caracterização (Aguillar e cols., 2009). Dentre as calcificações tipicamente benignas podemos listar as cutâneas, puntiformes, esparsas, vasculares, com forma de pipoca ou bastões, com centro radiotransparente, tipo leite-de-cálcio e distróficas as quais são frequentemente encontradas em pacientes submetidas à cirurgia (Aguillar e cols., 2009). Há um grupo de microcalcificações que apresenta intermediário grau de suspeição que são as calcificações amorfas ou indistintas (Aguillar e cols., 2009). Já as microcalcificações com alta suspeição para malignidade são finas e pleomórficas, finas e lineares e ramificadas (Aguillar e cols., 2009). Burnside e colaboradores, em 2007, avaliaram consecutivamente 115 pacientes que foram submetidas à CB de microcalcificações. Dentre as formas e padrão de distribuição de microcalcificações com maiores VPP para CM encontraram microcalcificações finas e lineares, finas e pleomórficas e amorfas, respectivamente.

17 17 Em estudo realizado por Libermann e colaboradores, em 1998, os resultados foram semelhantes com maiores VPP as microcalcificações com forma linear, distribuição linear e distribuição segmentar, respectivamente Distorção arquitetural Define-se como a desorganização das estruturas lineares e curvilíneas densas de tecido fibroso, sem a presença de um nódulo definido. Pode se manifestar como espículas irradiando-se em um ponto excêntrico à papila. Também é descrita como um achado mamográfico secundário, quando associada a nódulos, assimetrias ou microcalcificações (Aguillar e cols., 2009). A distorção arquitetural é descrita como importante sinal de malignidade, na ausência de história de cirurgia, trauma ou processo inflamatório. Este achado sempre deve ser considerado suspeito e investigado com exame anatomopatológico. Na maioria dos casos, a exérese cirúrgica para a retirada completa da lesão é recomendada (Aguillar e cols., 2009). Em estudo retrospectivo de 300 tumores mamários não palpáveis, detectados em rastreamento mamográfico, nove por cento dos tumores desta casuística se manifestaram apenas como distorção arquitetural ao estudo radiológico (Sickles, 1986) Assimetrias Na maioria das mulheres, o tecido mamário é relativamente simétrico na mamografia. Assimetria é ocasionalmente identificada no exame radiológico, sendo definida como área densa com contornos côncavos e tecido adiposo de permeio, sem estar associada a nódulo, microcalcificação ou distorção da arquitetura (Aguillar e cols., 2009). Em grande parte dos casos, as assimetrias representam variação da normalidade, superposição de estruturas mamárias normais ou área de tecido fibroglandular residual. No

18 18 entanto, ocasionalmente carcinomas infiltrativos, especialmente lobulares, podem apresentar-se desta forma (Aguillar e cols., 2009). No estudo publicado em 1986, retrospectivo, que avaliou 300 tumores mamários não palpáveis, detectados em rastreamento mamográfico, 20% dos carcinomas tiveram achados radiológicos indiretos, sendo que em 9% dos tumores desta casuística, a única manifestação de câncer foi revelada pela assimetria ao estudo radiológico (Sickles, 1986). São reconhecidos quatro tipos de assimetrias: Assimetria Definida como uma opacidade observada em apenas uma incidência mamográfica. Provavelmente é o achado mamográfico mais comum no rastramento, sendo que na grande maioria dos casos, representa apenas superposição de estruturas mamárias normais (Aguillar e cols., 2009). Em estudo realizado por Sickles, com o intuito de determinar os achados mamográficos não palpáveis, observados em apenas uma incidência, foram analisadas MMG. Detectou-se alteração em apenas uma incidência em 3,3% dos exames, não sendo detectado CM em nenhum caso. Estas pacientes foram seguidas através de exames clínico e de imagem (Sickles, 1998) Assimetria focal Descrita como uma opacidade assimétrica, visualizada nas duas incidências mamográficas, apresenta densidade semelhante ao tecido mamário permeada de tecido adiposo, com contornos côncavos e sem critérios para ser caracterizada como um nódulo. Este achado ocupa menos que um quadrante da mama e deve ser investigado se corresponder à alteração palpável (Aguillar e cols., 2009).

19 19 Segundo Sickles, em estudo realizado em lesões provavelmente benignas com mamografias, em 0,87% foram detectadas assimetrias focais (Sickles, 1999) Assimetria global Consiste em uma quantidade substancialmente maior de tecido fibroglandular em uma mama, ocupando pelo menos um quadrante, em relação à mama oposta, sem estar associado a outro achado. A assimetria global é descrita em 3% dos exames mamográficos de rastreamento e na grande maioria dos casos, exceto quando palpável, representa apenas variação da normalidade (Aguillar e cols., 2009). Kopans e colaboradores realizaram estudo prospectivo para avaliar a importância das assimetrias em MMG de rastreamento, este achado foi detectado em 2,7% dos casos, sendo que somente 3 destas apresentaram carcinoma de mama (Kopans e cols., 1989) Assimetria em desenvolvimento Conceitua-se como uma assimetria focal que apresentou modificação em relação ao exame prévio. Embora seja um achado pouco freqüente, ocorrendo em menos de 1% das MMG é reconhecida como importante sinal de malignidade (Aguillar e cols., 2009). Dentre os tipos de assimetrias, é a mais comumente associada ao CM, com índice de malignidade variando de 13-27% (Youk e cols., 2008). Em recente estudo realizado nos Estados Unidos, este tipo de assimetria foi encontrado em menos de 0,2% de MMG para rastreamento, dentre estas foram detectados 36 casos de CM, correspondendo a 12,8% (Leung e cols., 2007).

20 CLASSIFICAÇÃO BI-RADS Entre as alterações altamente sugestivas de benignidade e malignidade, há um grande número de lesões indeterminadas que não apresentam características clássicas, dificultando a sua avaliação, na medida em que há uma expressiva sobreposição na morfologia de lesões benignas e malignas, principalmente no que se relaciona a microcalcificações (Kemp e cols., 2003). No intuito de uniformizar os critérios empregados para caracterizar as lesões evidenciadas pela MMG e US, o Colégio Americano de Radiologia criou o Breast Imaging Reporting and Data System (BI-RADS), publicado inicialmente em 1993, com novas edições em 1995, 1998 e 2003, desenvolvido por um grupo de radiologistas americanos de renome com dedicação exclusiva em radiologia mamária. Em 2003, os dados foram atualizados, com maior detalhamento na descrição das microcalcificações e com introdução da classificação para US e para RNM (American College of Radiology, 2003). O BI-RADS preconiza a padronização do laudo radiológico com o objetivo de minimizar o grau de variação inter-pessoal na descrição e interpretação das imagens, além de sugerir uma conduta e facilitar a monitorização do resultado final da lesão (American College of Radiology, 2003). A tabela 1 resume outras vantagens da classificação BI-RADS.

21 21 Tabela 1- Vantagens da classificação BI-RADS Classificação BI-RADS: Vantagens Sistematização dos achados radiológicos Facilitador da comunicação entre os profissionais Redução do tempo de interpretação Melhora da organização e monitorização dos achados Facilitador na realização de pesquisas e auditorias * Modificado de Lacquement MA e colaboradores, Divide-se a classificação BI-RADS em categorias numeradas de 0 a 6, conforme o potencial de malignidade do achado radiológico. A seguir são descritas as características que determinam a categorização de cada lesão (American College of Radiology, 2003). A categoria 0 é utilizada quando a avaliação da alteração está incompleta, sendo necessário a realização de exame adicional. Para avaliação de nódulos ou lesões indeterminadas classificadas à MMG frequentemente se utiliza estudo complementar por meio de outras incidências mamográficas não usuais, como compressão localizada e ampliação, ou mesmo realização de exame adicional por meio da US ou da RNM. Sempre que disponível deve-se comparar a MMG atual com estudo mamográfico prévio. Entretanto, em alguns casos especiais, quando não dispomos de exames anteriores, há lesões que podem ser classificadas como indeterminadas devido à ausência dos exames prévios (American College of Radiology, 2003). Na categoria 1 não há alterações mamárias dignas de descrição, sendo o exame considerado com ausência de alterações. Nesse grupo as pacientes apresentam mamas

22 22 simétricas, não se observam nódulos, distorções arquiteturais ou calcificações (American College of Radiology, 2003). A categoria 2 é utilizada para achados benignos que mereçam ser descritos, mas que são tipicamente benignos. Podemos citar como exemplos de lesões classificadas nesta categoria calcificações vasculares e cutâneas, linfonodos intramamários, fibroadenomas em involução e pacientes que foram submetidas a qualquer tipo de cirurgia mamária (American College of Radiology, 2003). Já a categoria 3 envolve achados provavelmente benignos, sendo sugerido inicialmente o controle evolutivo a cada 6 meses. Após o acompanhamento e confirmação de sua estabilidade por pelo menos 30 meses de observação, a lesão poderá ser classificada como benigna, classificando-a então como BI-RADS 2. Segundo dados da literatura, estima-se que menos de 2% das lesões definidas como categoria 3 sejam histologicamente malignas (American College of Radiology, 2003). A categoria 4 refere-se a uma anormalidade suspeita de malignidade, ainda que se encontre um significativo número de lesões benignas. A maioria das lesões mamárias biopsiadas encontram-se nessa categoria. Na última edição do BI-RADS, realizada em 2003, essa categoria foi subdividida em subcategorias A, B e C (American College of Radiology, 2003). Mesmo em lesões classificadas como 4A já se observa a necessidade de intervenção, ainda que com baixa suspeição de malignidade. Nessa classe podemos encontrar nódulos com características morfológicas de provavelmente benignos, porém palpáveis (American College of Radiology, 2003).

23 23 A subcategoria 4B inclui lesões com suspeição intermediária, sendo indicada intervenção e seguimento criterioso de eventuais resultados benignos, sendo classificados nesta categoria nódulos parcialmente circunscritos e microcalcificações heterogêneas agrupadas (American College of Radiology, 2003). No grupo de lesões subcategorizadas como 4C, incluem-se achados com moderada suspeição de malignidade, ainda não clássicos, conforme caracteriza a categoria 5, reservada para achados altamente sugestivos de malignidade, onde se enquadram microcalcificações pleomórficas com distribuição ductal e nódulos hiperdensos com forma irregular e contornos espiculados ou microlobulados (American College of Radiology, 2003). Radiology, 2003). Na categoria 5, cerca de 95% dos casos são malignos (American College of Finalmente, a categoria 6 é utilizada para casos comprovadamente malignos através de exame anatomopatológico (AP). Nesse grupo, a maioria envolve pacientes em tratamento quimioterápico neoadjuvante (American College of Radiology, 2003). A tabela 2 resume as principais características do sistema BI-RADS.

24 24 Tabela 2 Categoria Achados Conduta 0 exame incompleto avaliação adicional 1 exame normal seguimento anual 2 achados tipicamente benignos seguimento anual 3 achados provavelmente benignos seguimento semestral 4A baixa suspeição de malignidade biópsia/seguimento 4B intermediária suspeição de malignidade biópsia/seguimento 4C moderada suspeição de malignidade biópsia/cirurgia 5 achados típicos de malignidade biópsia/cirurgia 6 malignidade comprovada conduta apropriada Modificado de Nascimento JHR e colaboradores, PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS INVASIVOS Nas lesões potencialmente malignas, em geral é sugerido o prosseguimento da investigação através de procedimentos invasivos, como a punção aspirativa com agulha fina (PAAF), a biópsia com agulha grossa também conhecida como core biopsy (CB) e a localização pré-operatória (AG) (Fornage e cols., 2002) Punção aspirativa com agulha fina (PAAF) A PAAF é o método mais rápido, menos doloroso e de menor custo, permitindo análise citológica do material coletado, sendo rara a ocorrência de complicações conforme Centeno. A citologia, no entanto, não nos fornece diagnóstico definitivo que possa orientar a terapêutica. Além disso, é dependente da habilidade do executor, bem como do patologista que realiza a análise do material coletado, sendo o índice estimado de material insatisfatório

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012)

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Prezados Colegas No final de 1992, voltávamos de curso de imagenologia mamária ministrado

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 Diferentes alterações no tecido mamário podem produzir achados de imagem semelhantes, porém, em alguns casos, esses

Leia mais

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Roberto Esmeraldo R3 CCP SENSIBILIDADE capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros positivos, nos indivíduos verdadeiramente doentes. sujeito a falso-positivos

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Abstract. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. Abstract. Resumo 38 Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 37, n o. 1, de 2008 1806-4280/08/37-01/38 Arquivos Catarinenses de Medicina ARTIGO ORIGINAL Avaliação do risco de malignidade de lesões mamográficas birads 4a,

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos atuais

Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos atuais Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários / Louveira MH et al. Artigo de Revisão Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE NÓDULOS MAMÁRIOS NÃO PALPÁVEIS

DIAGNÓSTICO DE NÓDULOS MAMÁRIOS NÃO PALPÁVEIS Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR DIAGNÓSTICO DE NÓDULOS MAMÁRIOS NÃO PALPÁVEIS Painel de Especialistas em Imagem da Mulher Grupo de Trabalho de Mamas: Carl D Orsi, Médico

Leia mais

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : o que é e quais as suas vantagens? Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : mamografia do futuro? MAMOGRAFIA: exame com limitações -Pouco

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

MARCAÇÃO PRÉ-CIRÚRGICA - MANUAL SBM Celestino de Oliveira Marconi Luna Ricardo Chagas

MARCAÇÃO PRÉ-CIRÚRGICA - MANUAL SBM Celestino de Oliveira Marconi Luna Ricardo Chagas MARCAÇÃO PRÉ-CIRÚRGICA - MANUAL SBM Celestino de Oliveira Marconi Luna Ricardo Chagas A maior utilização da mamografia no rastreio do câncer de mama tem conduzido à detecção de anomalias impalpáveis que

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

Valores preditivos das categorias 3, 4 e 5 do sistema BI-RADS em lesões mamárias nodulares INTRODUÇÃO

Valores preditivos das categorias 3, 4 e 5 do sistema BI-RADS em lesões mamárias nodulares INTRODUÇÃO Artigo Original Valores preditivos das categorias, e do sistema BI-RADS em lesões mamárias nodulares VALORES PREDITIVOS DAS CATEGORIAS, E DO SISTEMA BI-RADS EM LESÕES MAMÁRIAS ODULARES ÃO-PALPÁVEIS AVALIADAS

Leia mais

Cirurgias Radioguiadas em Mastologia

Cirurgias Radioguiadas em Mastologia ATUALIZAÇÃO Cirurgias Radioguiadas em Mastologia Radioguided Surgery in Mastology Henrique Moraes Salvador Silva Maria Letícia Leone Rocha Rita de Cássia Tassinari Barini Leonardo Lamego Resende João Henrique

Leia mais

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D?

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D? TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL O que é? Qual a diferença para a mamografia 2 D? Quais são suas indicações? TOMOSSINTESE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DA MAMOGRAFIA Maior detalhe da estrutura mamária Grande promessa

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Graduação em Saúde da Criança e da Mulher

Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Graduação em Saúde da Criança e da Mulher Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Graduação em Saúde da Criança e da Mulher Punção Aspirativa por Agulha Fina e Punção por Agulha Grossa: Correlação dos Resultados Cito-histopatológicos

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS AUTOR Dr.

Leia mais

REVISÃO / REVIEW. 71% e 98%, desde que realizado anualmente. ABSTRACT

REVISÃO / REVIEW. 71% e 98%, desde que realizado anualmente. ABSTRACT REVISÃO / REVIEW CORRELAÇÃO RADIOLÓGICA E HISTOLÓGICA UTILIZANDO O SISTEMA BI-RADS: VALOR PREDITIVO POSITIVO DAS CATEGORIAS 3, 4 E 5 RADIOLOGICAL AND HISTOLOGICAL CORRELATION ACCORDING TO BI-RADS SYSTEM:

Leia mais

Avaliação de microcalcificações mamárias de acordo com as classificações do Breast Imaging Reporting and Data System (BI-RADS ) e de Le Gal

Avaliação de microcalcificações mamárias de acordo com as classificações do Breast Imaging Reporting and Data System (BI-RADS ) e de Le Gal Lúcio MárcioPerri de Resende¹ Marco Antônio Rodrigues Freire Matias² GracindaMariaBaltazar de Oliveira³ Má rc i o Al m e i dasalles 4 Fr e d e r i co He n r i q u e Co r r ê a Me lo 5 Helenice Gobbi 6

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

ACURÁCIA DOS ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ULTRA-SONOGRÁFICOS DO CÂNCER DE MAMA: CORRELAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO BI-RADS QUARTA EDIÇÃO E ACHADOS HISTOLÓGICOS

ACURÁCIA DOS ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ULTRA-SONOGRÁFICOS DO CÂNCER DE MAMA: CORRELAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO BI-RADS QUARTA EDIÇÃO E ACHADOS HISTOLÓGICOS i FACULDADE DE MEDICINA MESTRADO EM MEDICINA E CIÊNCIAS DA SAÚDE JOSÉ HERMES RIBAS DO NASCIMENTO ACURÁCIA DOS ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ULTRA-SONOGRÁFICOS DO CÂNCER DE MAMA: CORRELAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO BI-RADS

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010 Ano I - Número I - Julho 2010 Avaliação ultrassonográfica da recorrência ganglionar em pacientes operadas por câncer de mama. Prezado colega, Acompanhando o ritmo acelerado da produção científica em medicina

Leia mais

FLÁVIO SPINOLA CASTRO. Ultra-sonografia mamária na identificação e orientação de biópsia percutânea das microcalcificações agrupadas

FLÁVIO SPINOLA CASTRO. Ultra-sonografia mamária na identificação e orientação de biópsia percutânea das microcalcificações agrupadas FLÁVIO SPINOLA CASTRO Ultra-sonografia mamária na identificação e orientação de biópsia percutânea das microcalcificações agrupadas Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Leia mais

NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI

NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI SCREENING FOR BREAST CANCER: U.S. PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE RECOMMENDATION STATEMENT MAMOGRAFIA BIENAL ENTRE 50 E 74 ANOS (GRAU

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

BIRADS and breast ultrasonography a critical analysis

BIRADS and breast ultrasonography a critical analysis BIRADS e ultra-sonografia mamária uma análise crítica BIRADS and breast ultrasonography a critical analysis at u a l i z a ç ã o Abstract Resumo A ultra-sonografia vem se consolidando como um importante

Leia mais

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CASCAVEL 2010 2 DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO

Leia mais

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer 2007 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 25.000 exemplares Criação, Redação e Distribuição MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional

Leia mais

Andrea Canelas 23/09/2009

Andrea Canelas 23/09/2009 BI-RADS Andrea Canelas Moderador: d Dra Manuela Gonçalo 23/09/2009 BI-RADS Introdução BI-RADS Organização do Relatório Léxico Mamografia, Ecografia e RM Categorias BI-RADS Conclusão Introdução Cancro da

Leia mais

Agradecimentos. Os autores

Agradecimentos. Os autores MAMOGRAFIA Aldecy Teixeira Dantas (T.C.B.R.) José Cerqueira Dantas (T.C.B.R.) José Ozanan Vilarinho (T.C.B.R.) Henrique Andrade Júnior (T.C.B.R.) Lysia Ribeiro Formiga Matos (T.C.B.R.) Adriana Sandra Martins

Leia mais

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Definição Nódulo pulmonar é uma estrutura circular de margens definidas, de 2 a 30 mm de diâmetro. Micronódulo menos de

Leia mais

Vera Christina Camargo de Siqueira Ferreira

Vera Christina Camargo de Siqueira Ferreira Vera Christina Camargo de Siqueira Ferreira Microcalcificações amorfas agrupadas na mamografia digital de campo total: correlação anatomopatológica Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

Contribuição das incidências mamográficas complementares na investigação do câncer mamário

Contribuição das incidências mamográficas complementares na investigação do câncer mamário Contribuição das incidências mamográficas complementares na investigação do câncer mamário The contribution of additional mammograhic views for the diagnosis of breast cancer Beatriz Regina Alvares 1,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA) ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA Rio de Janeiro, RJ 2011 2011 Instituto Nacional de Câncer/

Leia mais

METODOLOGIA APROPRIADA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS

METODOLOGIA APROPRIADA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR METODOLOGIA APROPRIADA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS Painel de Especialistas em Diagnóstico por Imagem da Mulher

Leia mais

Caso Clínico para Site SBM

Caso Clínico para Site SBM Caso Clínico para Site SBM 18/03/13 Primeira consulta Paciente 35 anos Feminino Parda Casada Brasileira Natural de Pacatuba-CE Queixa Principal: Nódulo doloroso em MAMA DIREITA há 2 meses. Refere Ultrasonografia

Leia mais

Calcificações Mamárias em Mamografia. Reunião Temática

Calcificações Mamárias em Mamografia. Reunião Temática Calcificações Mamárias em Mamografia Reunião Temática Mafalda Magalhães 20/05/2013 Anatomia da Mama Pele Estroma tecido adiposo + tecido conjuntivo Tecido glandular Anatomia da Mama Mama 15-18 lobos; 1

Leia mais

Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama

Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama ATUALIZAÇÃO Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama Magnetic Resonance Image in the Breart Cancer Diagnosis Herculano Renato Zeri Almir Antônio Urbanetz Hélio Rubens de Oliveira

Leia mais

I Data: 11/01/2007. IV Especialidade(s) envolvida(s): Medicina Nuclear, Mastologia

I Data: 11/01/2007. IV Especialidade(s) envolvida(s): Medicina Nuclear, Mastologia Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 01/07 Tema: Definição de procedimentos e códigos para utilização da localização radioguiada (ROLL) na lesão de mama, no linfonodo sentinela no câncer de mama

Leia mais

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Análise de 203 nódulos tiroideus do Hospital Geral de Coimbra Oliveira, C.M.; Costa, R.A.; Estêvão, A.;

Leia mais

2006 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte.

2006 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. 2006 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Ministério da Saúde (MS) Agenor Álvares Secretaria de Assistência à Saúde (SAS) José Gomes Temporão

Leia mais

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama

Leia mais

São condições médicas que desaconselham a realização do procedimento :

São condições médicas que desaconselham a realização do procedimento : CORE BIÓPSIA - MANUAL SBM Celestino de Oliveira Marconi Luna Ricardo Chagas A crescente melhora na qualidade das mamografias e seu maior emprego nos programas de rastreio do câncer na década de 80 resultou

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC)

Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC) 135 Artigo Original Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC) Evaluation of the profile indications from breast

Leia mais

Frequência de Realização do Autoexame das Mamas e Mamografia na Detecção de Nódulos em Mulheres de Baixa Renda na População Sul Fluminense

Frequência de Realização do Autoexame das Mamas e Mamografia na Detecção de Nódulos em Mulheres de Baixa Renda na População Sul Fluminense Frequência de Realização do Autoexame das Mamas e Mamografia na Detecção de Nódulos em Mulheres de Baixa Renda na População Sul Fluminense Bartira de Godoy Maranhão Santos, Simone Carrijo Santos, Ana Taíse

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO RENATA MARA BUENO AGUIAR ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ANÁTOMOPATOLÓGICOS DE MULHERES PARTICIPANTES

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO RENATA MARA BUENO AGUIAR ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ANÁTOMOPATOLÓGICOS DE MULHERES PARTICIPANTES 1 UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO RENATA MARA BUENO AGUIAR ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ANÁTOMOPATOLÓGICOS DE MULHERES PARTICIPANTES DE CAMPANHAS DE RASTREAMENTO PARA CÂNCER DE MAMA EM CENTRO DE REFERÊNCIA EM ONCOLOGIA

Leia mais

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer.

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer. Conduta no NT Resultado citológico diagnóstico ou suspeito de CTP cirurgia é recomendada. (A) Nódulos parcialmente císticos com aspirados repetidamente não diagnósticos observação rigorosa ou cirurgia

Leia mais

ESTUDO PROSPECTIVO COM USO DA PUNÇÃO ASPIRATIVA COM AGULHA FINA E BIÓPSIA POR AGULHA GROSSA NO DIAGNÓSTICO DE LESÕES MAMÁRIAS SUSPEITAS DE MALIGNIDADE

ESTUDO PROSPECTIVO COM USO DA PUNÇÃO ASPIRATIVA COM AGULHA FINA E BIÓPSIA POR AGULHA GROSSA NO DIAGNÓSTICO DE LESÕES MAMÁRIAS SUSPEITAS DE MALIGNIDADE 9 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE ESTUDO PROSPECTIVO COM USO DA PUNÇÃO ASPIRATIVA COM AGULHA FINA E BIÓPSIA POR AGULHA GROSSA NO DIAGNÓSTICO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Maurílio da Cruz Trigueiro CONCORDÂNCIA INTEROBSERVADOR NA AVALIAÇÃO

Leia mais

do Acidente Vascular Cerebral

do Acidente Vascular Cerebral Câncer de Mama Tratamento Prevenção da Fase Secundária Aguda do Acidente Vascular Cerebral Sociedade Brasileira Academia Brasileira Mastologia de e Neurologia Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia

Leia mais

Custos dos mutirões de mamografia de 2005 e 2006 na Direção Regional de Saúde de Marília, São Paulo, Brasil

Custos dos mutirões de mamografia de 2005 e 2006 na Direção Regional de Saúde de Marília, São Paulo, Brasil ARTIGO ARTICLE 1529 Custos dos mutirões de mamografia de 2005 e 2006 na Direção Regional de Saúde de Marília, São Paulo, Brasil Costs of mammogram campaigns in the Regional Health Division of Marília,

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama Invenia ABUS Screening TM Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound Roberta Fernandes MSc. Engenharia Biomédica COPPE/UFRJ Gerente Clínica Radiologia Geral Ultrassonografia GE Healthcare Incidência do Câncer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA MESTRADO EM TOCOGINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA MESTRADO EM TOCOGINECOLOGIA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA MESTRADO EM TOCOGINECOLOGIA LUIZ HENRIQUE FERREIRA FAÇANHA CORRELAÇÃO ENTRE O DIAGNÓSTICO ULTRASSONOGRÁFICO

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Reunião Bibliográfica 03/06/2013 Mafalda Magalhães Introdução Incidência dos tumores da tiróide aumentou nos últimos anos

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das evidências e recomendações sobre o uso da Termografia no diagnóstico de câncer de mama Canoas, fevereiro de

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011

NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011 NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011 Gynecologic Imagin Reporting Dr. Ayrton Roberto Pastore Livre-Docente do Departamento de Radiologia da Faculdade de Medicina da USP Coordenador do Setor

Leia mais

em mulheres. Apesar do maior conhecimento sobre o comportamento biológico da doença, do

em mulheres. Apesar do maior conhecimento sobre o comportamento biológico da doença, do 1. INTRODUÇÃO 2 A neoplasia maligna da mama é atualmente a principal causa de morte por câncer em mulheres. Apesar do maior conhecimento sobre o comportamento biológico da doença, do aprimoramento nas

Leia mais

Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.;

Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.; VALOR DO 99m Tc-SESTAMIBI EM PACIENTES COM MELANOMA MALIGNO Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.; Braga, Helton M.; Moraes, Renata F.; Rezende,Marta O.;

Leia mais

Anatomia da mama Função biológica

Anatomia da mama Função biológica Dr.Jader Burtet Ginecologia e Obstetrícia Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre Hospital Materno Infantil Presidente Vargas de Porto Alegre Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Tema: Linfonodo sentinela no câncer de mama I Data: 27/09/2007 II Grupo de Estudo: Izabel Cristina Alves Mendonça; Célia Maria da Silva;

Leia mais

Álvaro Ferreira Lima Júnior

Álvaro Ferreira Lima Júnior Álvaro Ferreira Lima Júnior A core biopsy estereotáxica no diagnóstico das lesões mamárias impalpáveis altamente suspeitas de malignidade (categoria mamográfica BI-RADS 5): um estudo de correlação Radiologia/Anatomia

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DOS CAD PARA DETECÇÃO DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS CONTEMPLANDO TRÊS CATEGORIAS

CLASSIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DOS CAD PARA DETECÇÃO DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS CONTEMPLANDO TRÊS CATEGORIAS CLASSIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DOS CAD PARA DETECÇÃO DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS CONTEMPLANDO TRÊS CATEGORIAS Silvia Cristina Martini Rodrigues 1, Annie France Frere 2,1 1 Depto. de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Acurácia da punção aspirativa por agulha fina e da punção por agulha grossa no diagnóstico de lesões mamárias

Acurácia da punção aspirativa por agulha fina e da punção por agulha grossa no diagnóstico de lesões mamárias Patrícia Po n t e s Fr a n k e l 1 Viviane Fe r n a n d e s Esteves 2 Lu i z Cl a u d i o Sa n to s Th u l e r 3 Ro b e r to Jo s é da Si lva Vieira 4 Acurácia da punção aspirativa por agulha fina e da

Leia mais

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 28 Março 2014. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 28 Março 2014. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918 Revista Portuguesa de irurgia II Série N. 28 Março 2014 ISSN 1646-6918 Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia CASO CLÍNICO Biópsia hepática percutânea em doentes oncológicos a propósito de um

Leia mais

Avaliação das indicações dos exames ultrassonográficos de mama de pacientes submetidos em uma clínica de radiologia em Itajaí (SC)

Avaliação das indicações dos exames ultrassonográficos de mama de pacientes submetidos em uma clínica de radiologia em Itajaí (SC) 97 Artigo Original Avaliação das indicações dos exames ultrassonográficos de mama de pacientes submetidos em uma clínica de radiologia em Itajaí (SC) Evaluation of indications for breast ultrasound exams

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA José Luís Esteves Francisco Comissão Nacional de Mamografia SBM CBR FEBRASGO Ruffo de Freitas Júnior Presidente Nacional da Soc. Bras. De Mastologia Rede Goiana de Pesquisa

Leia mais

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Mamografia Overview Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Introdução O que é a mamografia? A mamografia é um exame que tem como objectivo o estudo do tecido mamário, realizado

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. 88) O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE torna pública, nos termos do artigo

Leia mais

KEITH LÚCIA KOTANI. Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina.

KEITH LÚCIA KOTANI. Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina. KEITH LÚCIA KOTANI AVALIAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DE BI-RADS NOS RESULTADOS DAS MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DO HOSPITAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Trabalho apresentado à

Leia mais

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 1 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 2 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A ressonância magnética (RM) das mamas tem sido cada vez mais utilizada para o diagnóstico preciso tanto do câncer primário como do câncer recorrente,

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS?

MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS? MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS? O Que diz a literatura sobre Risco de Câncer de Mama RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de

Leia mais

Rastreamento do câncer de pulmão

Rastreamento do câncer de pulmão Rastreamento do câncer de pulmão Arthur Soares Souza Jr. Professor livre docente da FAMERP Membro do Ultra X Diagnóstico por Imagem São José do Rio Preto - SP Rastreamento do câncer de pulmão Estamos familiarizados

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Letícia Athayde Linhares Martins 1, Alexandre de Almeida Barra 2, Clécio Ênio Murta de Lucena 3

Letícia Athayde Linhares Martins 1, Alexandre de Almeida Barra 2, Clécio Ênio Murta de Lucena 3 Revisão de Literatura Microcalcificações Mamárias Suspeitas Artigo submetido em 23/3/09; aceito para publicação em 5/1/10 Microcalcificações Mamárias Suspeitas de Malignidade Breast Microcalcifications

Leia mais

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008 Belo Horizonte Maio 2008 Autoras: Dra. Christiane Guilherme Bretas Dra. Sandra

Leia mais

Manejo do Nódulo Pulmonar

Manejo do Nódulo Pulmonar Manejo do Nódulo Pulmonar Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e INSCER PUC/RS Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS brunohochhegger@gmail.com Manejo do Nódulo Pulmonar

Leia mais

Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias?

Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias? mama Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias? Divulgação Cláudia T. Salviato Mameri * Mestre em radiologia pela Unifesp; mastologista; professora e coordenadora

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: A TOMOSSÍNTESE NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

INTRODUÇÃO. Mais frequentes: Idosos Sexo feminino Deficiência de iodo AP de irradiação cervical

INTRODUÇÃO. Mais frequentes: Idosos Sexo feminino Deficiência de iodo AP de irradiação cervical Célia Antunes INTRODUÇÃO Incidência dos nódulos tiroideus tem vindo a aumentar devido à maior solicitação de estudo da tiróide por ecografia. % Detecção: Palpação 4 a 8% Ecografia 19 a 67% Autópsia 50%

Leia mais

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS S. C. M. Rodrigues 1, A. F. Frère 1, e E. L. L. Rodrigues 1 1 Universidade de São Paulo/ Depto. Engenharia

Leia mais