Política de. Gestão do Risco de Liquidez

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política de. Gestão do Risco de Liquidez"

Transcrição

1 Política de Gestão do Risco de Liquidez 1

2 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. PERFIL OPERACIONAL DO CONGLOMERADO CRUZEIRO DO SUL 3 3. DESCRIÇÃO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DO RISCO DE LIQUIDEZ RESPONSABILIDADES NA GESTÃO DA LIQUIDEZ CONTROLES IMPLEMENTADOS ANÁLISE DE CENÁRIOS DE LIQUIDEZ 6 4. DIRETRIZES DE LIQUIDEZ DO CONGLOMERADO CRUZEIRO DO SUL NÍVEL DE RESERVAS REALIZÁVEIS CONCENTRAÇÃO DE VENCIMENTOS PASSIVOS COM LIQUIDEZ DIÁRIA CONCENTRAÇÃO POR DEPOSITANTE 8 5. CONTINGÊNCIAS DE LIQUIDEZ 9 6. APROVAÇÃO 11 2

3 1. Introdução Risco de liquidez é aquele decorrente dos descasamentos de fluxos de caixa entre ativos negociáveis e passivos exigíveis, que podem afetar a capacidade de pagamento do Conglomerado Cruzeiro do Sul de agora em diante denominado BCSul. O normativo que regula a sua gestão pelas Instituições Financeiras é a Res do Banco Central do Brasil. O BCSul controla diariamente sua posição de caixa e realiza projeções para a determinação, sob vários cenários de fatores internos e externos, do comportamento esperado da posição de liquidez do Conglomerado. O objetivo deste documento é descrever as políticas e diretrizes sob as quais a Instituição administra seus descasamentos de fluxo de caixa e a estrutura (sistemas de controle, áreas envolvidas, práticas adotadas etc.) implementados no BCSul para a gestão do risco de liquidez. 2. Perfil Operacional do Conglomerado Cruzeiro do Sul O BCSul deve procurar manter o seu perfil de funding diversificado, contando com vários instrumentos de captação, além dos recursos próprios. As principais fontes de recursos para o BCSul são: Depósitos a prazo CDB, CDI e DPGE; Fundos de investimento cotas seniores de FIDCs geridos por instituição parceira - Verax; Captações no mercado externo short e medium-term notes; Cessões de crédito ao mercado carteiras de crédito consignado e middle market; Acordos de cessão de crédito com parceiros. Do lado dos ativos, as principais aplicações do BCSul são: Contratos de crédito consignado para funcionários públicos nas esferas federal, estadual e municipal e aposentados (INSS); Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDCs); 3

4 Carteira própria de títulos públicos; Operações de crédito a empresas de Middle Market (conta garantida, capital de giro etc.); Operações de cartão de crédito; Operações da carteira de câmbio. 3. Descrição da Estrutura de Gestão do Risco de Liquidez A estrutura implementada no BCSul para a gestão do risco de liquidez será descrita através do detalhamento dos seguintes itens: - Responsabilidades na Gestão da Liquidez; - Controles Implementados; - Análises de Cenários de Liquidez. 3.1 Responsabilidades na Gestão da Liquidez O estabelecimento de responsabilidades é fundamental para a correta aplicação das políticas e procedimentos de gestão da liquidez da instituição. As responsabilidades daqueles envolvidos diretamente na gestão da liquidez estão descritas a seguir. Estrutura Interna de Gestão do Risco de Liquidez Comitê de Riscos e Liquidez Superintendência De Riscos Diretoria de Câmbio e Tesouraria 4

5 3.1.1 Comitê de Riscos e Liquidez Determinar as políticas e diretrizes relacionadas à gestão de liquidez; Assegurar que as políticas sejam seguidas pelas instâncias responsáveis pela gestão tática da liquidez; Acompanhar periodicamente os níveis de liquidez do BCSul; Traçar os cenários de liquidez para o fluxo de caixa futuro da Instituição; Entender a natureza e o nível do risco de liquidez da Instituição Superintendência de Riscos Monitorar o nível mínimo de liquidez definido pelo Comitê de Riscos e Liquidez; Desenvolver as ferramentas de controle necessárias para o bom cumprimento das diretrizes do Comitê de Riscos e Liquidez; Produzir os informes periódicos de abertura e fechamento de caixa do BCSul; Efetuar as simulações de fluxo de caixa demandadas pelo Comitê de Riscos e Liquidez; Preparar planos de contingência de liquidez; Monitorar eventos internos e externos que possam exercer alguma influência sobre o nível de liquidez do BCSUL; Manter o Comitê de Riscos e Liquidez regularmente informado sobre a posição de liquidez da Instituição Diretoria de Câmbio e Tesouraria Implementar as decisões e diretrizes determinadas pelo Comitê de Riscos e Liquidez na gestão diária da posição de liquidez do BCSul; 5

6 Relacionar-se com as diversas instâncias externas (demais Instituições Financeiras, BACEN, CETIP, Selic etc.) envolvidas no processo de gestão de diária de caixa; Dar suporte à área de Captação na negociação de acordos de Cessão; Exercer as atividades cotidianas relacionadas à gestão intraday do caixa da Instituição. 3.2 Controles Implementados O BCSUL utiliza diversas ferramentas para gerir o seu risco de liquidez. A Superintendência de Riscos deve gerar relatórios diários contendo as informações necessárias para gestão e o acompanhamento da posição de liquidez de curto prazo do BCSul. O relatório diário de posição de caixa deve conter, no mínimo, os seguintes itens: movimentações de caixa (impactos na conta reserva), próximos vencimentos de depósitos a prazo, posição de reservas realizáveis (colchão de liquidez) e impactos significativos projetados para o curto prazo. Periodicamente devem ser gerados cenários e gráficos demonstrando o comportamento futuro da posição de liquidez do BCSul. Os desvios potenciais no fluxo de caixa projetado que porventura sejam detectados devem ser objeto de discussão entre os gestores das áreas envolvidas. Deve-se decidir a ação corretiva a ser tomada e a sua estratégia de implementação. Em todas as reuniões do Comitê de Riscos e Liquidez devem ser apresentadas informações detalhadas da carteira de passivos da Instituição, tais como concentrações de vencimento, maiores depositantes e fluxo de vencimentos por classe de depositante. 3.3 Análise de Cenários de Liquidez A análise de cenários de liquidez constitui aspecto fundamental da gestão de liquidez do BCSul. A determinação dos cenários de liquidez a serem aplicados ao fluxo de caixa da Instituição deve ser realizada em conjunto pelos membros do Comitê de Riscos e Liquidez durante as reuniões. A Superintendência de Riscos deve desenvolver as ferramentas necessárias para a correta projeção dos cenários traçados durante as reuniões do Comitê de Riscos e Liquidez. Idealmente, os resultados alcançados devem ser imediatamente conhecidos, ainda durante as reuniões. A simulação em tempo real (online) de cenários deve constituir ponto obrigatório nas reuniões do Comitê. 6

7 A ferramenta de simulação utilizada deve ser capaz de, no mínimo, permitir a análise de cenários de: - nível de produção de créditos; - renovação de depósitos a prazo; - volume de cessão de créditos; - nível de inadimplência de ativos; - outros fluxos de caixa extraordinários previstos. Caso se detecte qualquer aspecto dos resultados das simulações que indique necessidade de correção, o Comitê deve deliberar sobre as ações estratégicas a serem tomadas e as áreas envolvidas devem ser imediatamente informadas. 4. Diretrizes de Liquidez do Conglomerado Cruzeiro do Sul As diretrizes em vigor estão descritas nos itens a seguir. 4.1 Nível de Reservas Realizáveis O BCSul deve ter como referência para o nível de suas reservas realizáveis os seguintes percentuais dos saldos a vencer de sua carteira de depósitos: Prazo a Decorrer CDB e CDI DPGE Liquidez Diária 50% Não Aplicável de 1 a 15 dias 40% 40% de 16 a 30 dias 30% 30% de 30 a 60 dias 20% 20% de 60 a 90 dias 10% 10% A composição acima não deve considerar aqueles depósitos a prazo emitidos para entidades do Conglomerado Cruzeiro do Sul e fundos de investimento sob gestão da sua parceira Verax. Entende-se por reservas realizáveis o conjunto dos ativos que podem ser transformados em reservas imediatamente ou no curtíssimo prazo (ao menos 3 dias úteis), tais como: - reservas em tesouraria; 7

8 - posição de títulos públicos federais livres; - posição em ações (somente aquelas entre as 100 mais líquidas da Bovespa); - carteira de créditos pessoais consignados passível de cessão imediata aos parceiros de mercado; - recursos disponíveis em moeda estrangeira. Caso o nível de reservas realizáveis atinja patamar inferior aos definidos por esta diretriz, uma reunião do Comitê de Riscos e Liquidez deve ser convocada imediatamente para definir as ações corretivas a serem tomadas. 4.2 Concentração de Vencimentos O BCSul deve procurar manter, dentro do fluxo futuro de vencimentos de Depósitos a Prazo com Garantia Especial DPGE e de depósitos a prazo captados junto a investidores institucionais e grandes corporações, uma concentração máxima mensal de vencimentos, de forma a facilitar a gestão futura de seu fluxo de caixa. A determinação deste valor deve seguir primeiramente os resultados das análises do fluxo de caixa futuro da Instituição, de forma a compatibilizar os vencimentos de ativos e passivos e evitar desequilíbrios estruturais no seu fluxo de caixa. O valor determinado deve constar na Ata da reunião e deve ser acompanhado pela Superintendência de Riscos. 4.3 Passivos com Liquidez Diária O BCSul deve ter por estratégia minimizar a emissão de depósitos a prazo com cláusula de liquidez diária, visando mitigar a exposição a volumes expressivos de saques potenciais e proporcionar uma gestão eficiente do nível mínimo de reservas (colchão de liquidez). A Instituição deve trabalhar com um nível referencial máximo de depósitos captados com cláusula de liquidez diária. A determinação deste valor deve ser tomada no âmbito do Comitê de Riscos e Liquidez de acordo com o nível de liquidez no momento e dos cenários futuros projetados para o fluxo de caixa da Instituição. O valor determinado deve constar na Ata da reunião e deve ser acompanhado pela Superintendência de Riscos. 4.4 Concentração por Depositante O BCSul deve determinar o nível máximo de concentração de seu portfólio de passivos por depositante e/ou grupo econômico, e evitar os riscos associados ao excesso de depósitos por um grupo reduzido de depositantes. O valor determinado deve constar na Ata da reunião e deve ser acompanhado pela Superintendência de Riscos. 8

9 As estratégias que norteiam a atuação da área de Captação devem ser definidas de forma a promover a pulverização dos depósitos pelo maior número possível de contrapartes. 5. Contingências de Liquidez Este tópico tem como finalidade descrever, de maneira geral, as alternativas de ação em caso de crises agudas ou crônicas de liquidez. Este plano deverá ser utilizado em casos esporádicos e não recorrentes. O plano de contingência de liquidez deverá entrar em vigor por decisão do Comitê de Riscos e Liquidez, que deliberará sobre este assunto em reunião que deverá ocorrer quando o nível de reservas realizáveis estiver abaixo dos valores definidos no item 4.1 desta Política. Em caso de uma crise aguda de liquidez 1, o BCSul deve buscar recursos disponíveis imediatamente, sem preocupação quanto à sustentação da fonte a médio e longo prazo, pois, por definição, neste caso o Conglomerado não apresenta desequilíbrio estrutural de caixa. As fontes alternativas de recursos para este caso são apresentadas a seguir em ordem preferencial de utilização: 1. Retirada de títulos públicos depositados em garantia nas Bolsas (BM&F e Bovespa) que estejam disponíveis. Os títulos deverão ser utilizados em operações compromissadas (venda com recompra), redesconto intraday com o BACEN ou venda definitiva imediatamente após o seu recebimento. 2. Venda imediata de posições disponíveis em moeda estrangeira e liquidação do seu respectivo hedge na BM&F. As posições de moeda estrangeira depositadas em contas no exterior podem ser vendidas o mercado interbancário com liquidação imediata. As posições em papel moeda podem em parte ser vendidas no mercado local ou exportadas. 3. Retirada dos títulos públicos liberados na BM&F após liquidação do hedge das posições cambiais. A liquidação das posições em Dólar Futuro na BM&F pode ser feita de maneira instantânea, com a imediata liberação dos títulos dados em garantia, que se tornam disponíveis para operações de venda com recompra, venda definitiva ou redesconto intraday. 4. Liquidação de posições de trading na BM&F. No caso da existência de operações de trading na BM&F, sua liquidação pode ser efetuada no período máximo de um dia de negócios e os títulos públicos depositados em garantia serão liberados imediatamente. 1 Define-se crise aguda de liquidez como sendo uma necessidade inesperada e não recorrente de caixa para o curtíssimo prazo intraday ou para o próximo dia útil sem que o BCSul apresente desequilíbrio estrutural entre ativos negociáveis e passivos exigíveis. 9

10 5. Efetuar operações de cessão da carteira disponível de créditos junto aos FIDCs. No caso de haver caixa disponível nos FIDCs geridos pela nossa parceira Verax, estes recursos podem ser acessados via cessão de créditos da carteira do BCSul. 6. Efetuar operações de cessão de crédito junto aos parceiros de mercado. Esta é a última alternativa a uma crise aguda de liquidez, uma vez que envolve uma razoável quantidade de procedimentos operacionais e de negociação que podem fazer com que sua implementação demore em torno de 2 a 3 dias úteis. Em uma crise crônica de liquidez 2, porém, as soluções possíveis devem ter natureza diferente das citadas anteriormente, dado o caráter de longo prazo e a recorrência da necessidade de caixa. As alternativas a serem consideradas são apresentadas a seguir em ordem preferencial de implementação: 1. Incentivo à captação de depósitos à vista e/ou a prazo junto à clientela e revisão da Política de Captação de forma a alongar os prazos de vencimento. 2. Emissão de Títulos de Dívida. A emissão de novos títulos depende de análises técnicas internas e das condições de mercado, A emissão de títulos propicia obter um volume expressivo de recursos em uma única operação sem o compromisso de liquidação antecipada e o alongamento do perfil dos passivos da Instituição; 3. Negociação de novos acordos de cessão com o mercado. 4. Reavaliação dos investimentos já aprovados; 5. Diminuição ou até mesmo a paralisação da concessão de empréstimos no Middle Market e Crédito Consignado, de forma a equilibrar os ativos e passivos da Instituição. Temos as alternativas acima como suficientes para a gestão de caixa em períodos de crise, independentemente da opção clássica de Redesconto junto ao Banco Central do Brasil, que deve ser encarada como a última opção para obtenção de recursos. Um documento detalhado deve ser redigido e distribuído para as áreas envolvidas na gestão da liquidez nos casos de crise aguda ou no caso de perspectiva real de ocorrência da crise. O documento deve conter os seguintes itens: Tipificação da crise deve conter os critérios que caracterizam a crise; Definição de responsabilidades e autoridades com poder de decisão; Definição de rotinas operacionais; 2 A crise crônica de liquidez é definida como necessidade recorrente e prolongada de caixa da Instituição, fruto de desequilíbrio estrutural entre os fluxos de caixa dos ativos negociáveis e os passivos exigíveis. 10

11 Definição de medidas para acompanhamento da liquidez durante a crise; Avaliação das necessidades de financiamento; Identificação e quantificação das fontes alternativas de recursos; Definição da sequência em que cada fonte deverá ser acionada; Identificação de outras ações a serem tomadas sob situações de contingência. Em ambos os casos, de crise aguda ou crônica de liquidez, a condução da implementação da alternativa escolhida deve ser efetuado pela Diretoria de Câmbio e Tesouraria do BCSul, em coordenação com as demais áreas do BCSul, seguindo as diretrizes e orientações do Comitê de Riscos e Liquidez. 6. Aprovação Data da Aprovação: Aprovador: Comitê de Riscos e Liquidez pelos seguintes membros participantes: Charles Forbes, Luis Felippe Indio da Costa, Luis Octavio Indio da Costa, Flávio Rietmann, Horacio Lima, José Carlos Abreu, Renato Rabello, Luisa Garcia, Fábio Amaral, Rodrigo Rodrigues. Versão Anterior: Versão Atual:

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Liquidez no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

Política. Gestão de Risco de Mercado

Política. Gestão de Risco de Mercado Política de Gestão de Risco de Mercado Superintendência de Riscos Aprovada no Comitê de Riscos e Liquidez de 30/09/2010 Índice 1. OBJETIVO 3 2. PERÍMETRO 3 2.1 CARTEIRA DE NEGOCIAÇÃO 3 2.2 CARTEIRA ESTRUTURAL

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO Define-se como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela Cooperativa, o que inclui os riscos das operações

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Fundos de Investimento constituídos sob a forma de condomínio aberto Publicação 31/03/2015 - versão 003 Responsável: Compliance e Riscos Gestoras PETRA 0 ÍNDICE

Leia mais

Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:...

Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 08/09/2015 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM FEVEREIRO/2012 V6 Propriedade da Cruzeiro do Sul S.A. DTVM. Proibida a reprodução total ou parcial deste manual sem a devida autorização prévia.

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO Sumário Introdução... 2 Condições Gerais... 2 Definições... 2 Análise de crédito: principais critérios... 3 Contratos... 4 Acompanhamento de liquidez... 4 Principais

Leia mais

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A 2009 DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A [ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS] O presente documento apresenta a Estrutura de Gestão de Riscos da DREBES

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da OABPrev-PR, tem por objetivo a maximização

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GESTÃO DE LIQUIDEZ Av. Santos Dumont, 2122 - Sala 407 - Aldeota Fortaleza CE - 60.150-161 +55 85 3047.2601 4005.9161 www.rendaassset.com.br MANUAL DE GESTÃO DE LIQUIDEZ Fortaleza CE - Atualizado em 22 de Janeiro de 2013

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Gerenciamento de Riscos Revisão: Julho/ 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 3. LINHAS DE NEGÓCIOS PRODUTOS OFERTADOS... 3 3.1. CARTÃO DE CRÉDITO...

Leia mais

Fundos de Investimentos

Fundos de Investimentos Fundos de Investimentos 1 O que e um fundo de investimentos? Um fundo de investimentos concentra em uma unica entidade juridica, varios investidores com o mesmo objetivo e que compartilham a mesma estrategia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política de Investimento -2012 1 SUMARIO 1. Introdução... 03 2. Divulgação da Política de Investimentos... 03 3. Objetivos... 03 4. Composição dos Investimentos

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Mercado - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Atribuições e Responsabilidades:... 4 Conselho de Administração:...

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Cooperativa de Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da Policia Militar do Estado de São Paulo Cooperacs - SP Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Aprovados pela Diretoria Executiva em 02/08/2010

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital e Liquidez

Política de Gerenciamento de Capital e Liquidez Página 1 de 7 Política de Gerenciamento de Capital e Processos Página 2 de 7 SUMÁRIO Estrutura... 3 Definição do Processo de Gerenciamento de Capital... 4 Disposições Gerais do Gerenciamento de Capital...

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Compra

Leia mais

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros - Resumo encontro anterior Sistema Financeiro Nacional Órgãos, entidades e operadoras Estrutura do Sistema

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2013 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. RISCO DE MERCADO... 1 3. RISCO DE LIQUIDEZ... 2 4. GESTÃO DE CAPITAL... 4 5. RISCO DE CRÉDITO... 6 6. RISCO OPERACIONAL...

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2

Conhecimentos Bancários. Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2 Conhecimentos Bancários Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2 Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Alguns conceitos importantes: 1. PIB PRODUTO INTERNO BRUTO; 2. Índices de Inflação; 3. Títulos

Leia mais

Política Institucional

Política Institucional ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DIRETRIZES E PRINCIPIOS... 2 4. PROCEDIMENTOS RELATIVOS A POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE... 3 5. PROCESSO DECISÓRIO DE VOTO... 3 6. MATÉRIAS OBRIGATÓRIAS...

Leia mais

Risco de Liquidez. Risco de Liquidez: Conforme a Resolução nº. 4.090, pode ser definido de duas maneiras:

Risco de Liquidez. Risco de Liquidez: Conforme a Resolução nº. 4.090, pode ser definido de duas maneiras: Risco de Liquidez Conceitos e Definições Risco de Liquidez: Conforme a Resolução nº. 4.090, pode ser definido de duas maneiras: I. A possibilidade de a instituição não ser capaz de honrar eficientemente

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais

Mais variáveis endógenas do que exógenas no horizonte.

Mais variáveis endógenas do que exógenas no horizonte. EXODUS Institucional - Março/15 Mais variáveis endógenas do que exógenas no horizonte. A reunião do Copom marcada para os dias 28 e 29 de abril deixa o mercado em alerta. O IPCA subiu ainda mais no mês

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. ( Administrador ), comunica o início da distribuição

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 10

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 10 Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 10 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

Efeitos da Selic ainda estão por vir, mas há pressão iminente sobre o IPCA

Efeitos da Selic ainda estão por vir, mas há pressão iminente sobre o IPCA EXODUS Institucional - Junho/14 Efeitos da Selic ainda estão por vir, mas há pressão iminente sobre o IPCA A inflação oficial desacelerou no mês de julho e ficou em,1% contra,4% de junho. O índice anualizado

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto;

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto; Política de Exercício de Direito de Voto em assembleias gerais de fundos de investimento e companhias emissoras de valores mobiliários que integrem as carteiras dos fundos de investimento geridos pela

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS Versão: Setembro/2014 1 - Introdução e Objetivo A MV Capital adere ao Código de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento da ANBIMA,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos http://www.bcb.gov.br/?especialnor GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 4º Trimestre de 2011 Gerenciamento de Riscos Banco BMG S/A Relatório para atender aos requisitos estabelecidos na Circular nº 3.477/09

Leia mais

PERFIL CORPORATIVO FOCO NO CLIENTE. Sustentabilidade econômica e sócioambiental. Expansão da base geográfica RELACIONAMENTO

PERFIL CORPORATIVO FOCO NO CLIENTE. Sustentabilidade econômica e sócioambiental. Expansão da base geográfica RELACIONAMENTO PERFIL CORPORATIVO P Banco múltiplo privado com 20 anos de experiência no mercado financeiro P Sólida estrutura de capital e administração conservadora P Atuação em operações: Ativas Passivas Crédito Imobiliário

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto

Política de Exercício de Direito de Voto Política de Exercício de Direito de Voto Versão 1 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO...3 2. EXCLUSÕES... 3 3. PRINCÍPIOS GERAIS...3 4. POTENCIAIS SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSE...3 5. DA POLÍTICA DE

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013 Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL Política de Investimentos Exercício de 2013 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas RS, aprovada pelo

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito. RB Capital DTVM

Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito. RB Capital DTVM Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito RB Capital DTVM Maio 2011 Objetivo Esta política estabelece diretrizes e responsabilidades para a implementação e manutenção de sistema de Gerenciamento de

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 58

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 58 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 58 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Participações - Fundo de Investimento em Participações Investimento estratégico com foco no resultado provocado pelo desenvolvimento das companhias O produto

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 1. INTRODUÇÃO Atendendo à legislação pertinente aos investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Social RPPS, em especial à Resolução n 3.922 de 25 de novembro de 2010 do Conselho Monetário Nacional

Leia mais

NOÇÕES DE GESTÃO DO RISCO DE LIQUIDEZ

NOÇÕES DE GESTÃO DO RISCO DE LIQUIDEZ COMISSÃO DE GESTÃO DE RISCOS SUBCOMISSÃO DE GESTÃO DE RISCOS DE MERCADO NOÇÕES DE GESTÃO DO RISCO DE LIQUIDEZ E POLÍTICAS DE CONTINGÊNCIA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 PRINCÍPIOS DE AVALIAÇÃO DA GESTÃO DE LIQUIDEZ

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA INSTITUCIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Belo Horizonte, Outubro de 2015. Diretoria Executiva de Controladoria, Compliance PLD e Riscos Diretoria de Compliance PLD e Riscos Gerência

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE VOTO 1.1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO

POLÍTICA DE VOTO 1.1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO POLÍTICA DE VOTO 1.1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO A BRAM Bradesco Asset Management S.A DTVM ( BRAM ) aderiu ao Código de Auto Regulação de Fundos de Investimento ( Código ) da Associação Nacional de Bancos de

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia BBM INVESTIMENTOS

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia BBM INVESTIMENTOS Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia BBM INVESTIMENTOS 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 3 04.01. Responsáveis pela

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE VOTO

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE VOTO 1/8 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADOR REVISOR APROVADOR Ana Bezerra Diretora Corporativa Carolina Vilela Analista de Controles Internos e Compliance Luiz Eduardo Franco de Abreu Diretor-Presidente Antonio

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais