II - Caracterização dos Resíduos Sólidos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II - Caracterização dos Resíduos Sólidos"

Transcrição

1 8/5/2016 1

2 8/5/2016 2

3 II - Caracterização dos Resíduos Sólidos Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Riscos associados: Ambiental / Saúde pública; Como avaliar a dimensão dos riscos? Conhecimento dos RS: Tipo/características/quantidades/propriedades... Trajetória/manuseio/processos de trabalho... Tendências de crescimento / áreas disponíveis / consórcios intermunicipais... 8/5/2016 3

4 Segregação de RS na origem: um fundamento da sustentabilidade. Melhora Qualidade dos Recicláveis; Mantém o valor agregado; Redução do Volume tratado ou disposto; Aumento da vida útil do AS. 8/5/2016 4

5 Classificação dos Resíduos Sólidos Objetivo: Comparar situações; Noção dos Impactos Ambientais; Envolvimento de atores sociais: CATADORES; Desenvolvimento de estratégias de GRS. GRS eficiente 8/5/2016 5

6 O Resíduo tem que ser QUANTIFICADO (kg/hab/dia) Troschinetz et al. (2009), Sustainable recycling of MSW in DCs, Waste Management vol. 29 no. 2 p /5/2016 6

7 O Resíduo tem que ser QUALIFICADO Troschinetz et al. (2009), Sustainable recycling of MSW in DCs, Waste Management vol. 29 no. 2 p /5/2016 7

8 II - Caracterização dos Resíduos Sólidos Composição Gravimétrica dos RSU São Paulo (%) Tipo de Ano Material Papel e papelão 13,4 16,7 16,8 29,2 25,9 17,0 29,6 14,4 18,8 Trapo e couro 1,5 2,7 3,1 3,8 4,3-3,0 4,5 3,0 Plástico ,9 4,3 7,5 9,0 12,0 29,9 Vidro 0,9 1,4 1,5 2,6 2,1 1,5 4,2 1,1 1,5 Metais e latas 1,7 2,2 2,2 7,8 4,2 3,25 5,3 3,2 3,0 8/5/ Matéria orgânica 82,5 76,0 76,0 52,2 47,6 55,0 47,4 64,4 69,5

9 Caracterização: Tipos: Física / Química / Bacteriológica Importância: Planejamento / Operação da GRSU Representatividade dos resultados: Programa de Amostragem Preparação e manuseio. 8/5/2016 9

10 Definições Resíduos Sólidos (NBR 10004/2004): São resíduos nos estados SÓLIDO/SEMISÓLIDO Sub-produto das atividades comunitárias Origens: Doméstica, Industrial, RSS, Comercial, Agrícola, Varrição... Lamas dos processos industriais. 8/5/

11 Definições Periculosidade: Característica do resíduo que, em função de propriedades físicas, químicas ou infectocontagiosas, pode apresentar: Risco à saúde pública: mortalidade, incidência de doenças ou acentua seus índices e Risco ao meio ambiente: manuseio/destino inadequados 8/5/

12 Identifique Resíduo Perigoso Inseticida

13 ABNT NBR CLASSE I: Perigoso ABNT NBR CLASSE II: Não Perigoso CLASSE II A: Não Inerte CLASSE II B: Inerte Resíduos Classe I: Perigosos Inflamabilidade (Código D001), Corrosividade (Código D002), Reatividade (Código D003), Toxicidade, Patogenicidade (Código D004). Ensaio de LIXIVIAÇÃO (NBR 10005): TOXICIDADE (Anexo F) 8/5/

14 ABNT NBR 10004: Classe II A Não inertes Propriedades: Combustibilidade; Biodegradabilidade; Solubilidade em água. ABNT NBR 10004: Classe II B Inertes. Solubilidade em água (NBR 10006): Conc. < Anexo G (Anexo 8/5/2016 G: Padrões para ensaio de solubilidade) 14

15 ABNT NBR 10004: ANEXOS A: Resíduos Perigosos de Fontes NÃO Específicas B: Resíduos Perigosos de Fontes Específicas C: Substâncias q conferem periculosidade ao Res. D: Substâncias Agudamente Tóxicas E: Substâncias Tóxicas F: Limite Máximo Extrato de Lixiviação G: Padrões para ensaio de SOLUBILIZAÇÃO H: Código de alguns resíduos NÃO perigosos. 8/5/

16 Caracterização e Classificação de Resíduos O Resíduo tem origem conhecida? sim Consta dos Anexos A/B? sim Resíduo Classe I NÃO Tem características Perigoso? sim NÃO Resíduo Classe II Constituintes Conc > Anexo G? sim Classe II A NÃO Classe II B Inerte 8/5/

17 Origem e Formação do Lixo. Fatores intervenientes: Flutuações populacionais e econômicas; Área relativa de produção; Variações sazonais; Condições climáticas; Hábitos / costumes da população; Nível educacional / Poder aquisitivo; Frequência de coleta; Segregação na origem; Disciplina e controle de pontos produtores; Leis e regulamentações específicas. 8/5/

18 Origem e Formação do Lixo. Outros Fatores Importantes: Cidades turísticas; Variações na economia. 8/5/

19 Tipos de Classificação Natureza física: Secos; Úmidos; Composição química: Orgânicos; Inorgânicos; Risco (NBR 10004/2004). 8/5/

20 Classificação quanto à origem: Resíduo Doméstico (Residencial) Itens perigosos: pilhas, baterias, tintas e vernizes, lâmpadas fluorescentes... 8/5/

21 Classificação quanto à origem: Resíduo Comercial: Lojas, lanchonetes, escritórios, hotéis,... Resíduo Público Varrição e podas de árvores, Limpeza de praias, Galerias, córregos, Feiras livres... 8/5/

22 Resíduos dos Serviços de Saúde RSS CONAMA N o 358 de 29 / 04 / 2005 e RDC N o 306 ( 07/12/2004) ANVISA Quem são os GERADORES de RSS? Serviços: médico-assistencial humana ou animal Laboratórios de análise, necrotérios/funerárias, drogarias/farmácias, distribuidores remédios; Centros de ensino / pesquisa em saúde; Centros de controle de zoonoses; Serviços de acupuntura. 8/5/

23 Coleta de RSS ABRELPE, /5/

24 Coleta de RSS/Geração percapita (t/ano) - kg/hab/dia ABRELPE, /5/

25 Destinação Final e Capacidade de Instalada de Tratamento RSS, (t/ano) (ABRELPE 2013) 8/5/

II - Caracterização dos Resíduos Sólidos

II - Caracterização dos Resíduos Sólidos 04/06/2013 1 II - Caracterização dos Resíduos Sólidos Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Riscos associados: Ambiental / Saúde pública; Como avaliar a dimensão dos riscos? Conhecimento

Leia mais

Perigosos. Definições Classificação Normas Ambientais. Autor: Alonso Goes Guimarães Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional

Perigosos. Definições Classificação Normas Ambientais. Autor: Alonso Goes Guimarães Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional Resíduos Sólidos S e Perigosos Definições Classificação Normas Ambientais Autor: Alonso Goes Guimarães Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional Definições: Resíduos sólidoss Sólidos, líquidos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp.

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp. Sistemas de Gestão Ambiental Aula 5 Gestão de Resíduos Prof. Esp. Felipe Luiz Vídeo Contextualização Lixão no Oceano Pacífico. Disponível em:

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Sólidos. João Karlos Locastro contato:

Gerenciamento de Resíduos Sólidos. João Karlos Locastro contato: 1 Resíduos Sólidos 2 3 Gerenciamento de Resíduos Sólidos João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 4 Objetivos Gerenciamento Integrado; Legislação; Atuação Profissional - Prestação de

Leia mais

Equipe EcoSpohr

Equipe EcoSpohr www.ecospohr.com.br Equipe EcoSpohr O Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS tem como objetivo apresentar, não somente o atual gerenciamento dos resíduos de uma empresa, mas também os pontos a

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA Conteúdo 9: Gerenciamento de Resíduos Sólidos Não Perigosos: Classificação dos Resíduos Sólidos (perigosos e não perigosos). Função do gerenciamento dos resíduos

Leia mais

Resíduos Sólidos e Águas Subterrâneas

Resíduos Sólidos e Águas Subterrâneas CONCURSO PETROBRAS PROFISSIONAL DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR ENGENHEIRO(A) DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. DE MEIO AMBIENTE Resíduos Sólidos e Águas Subterrâneas Questões Resolvidas QUESTÕES

Leia mais

Poluição do Solos (Meio Urbano)

Poluição do Solos (Meio Urbano) Poluição do Solos (Meio Urbano) CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA Gerenciamento Ambiental Prof: Thiago Edwiges 2 CONCEITO ABNT NBR 10.004/2004: Resíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultam de atividades

Leia mais

COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL?

COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL? RESÍDUOS SÓLIDOS COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL? RESÍDUO CLASSE I: São aqueles que apresentam periculosidade ou uma das seguintes características, inflamabilidade, corrosividade, reatividade,

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos. Jeniffer Guedes

Plano de Gerenciamento de Resíduos. Jeniffer Guedes Jeniffer Guedes PLURAL Indústria Gráfica Ltda Parque gráfico da PLURAL com 33.500m 2. Fundada em 1996. Atualmente a PLURAL emprega 841 profissionais. Composição Acionária 51% 49% 90 anos de história Jornal

Leia mais

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02.

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02. LEGISLAÇÃO VIGENTE PGRS LEI FEDERAL n o 9.795, de 27/04/99. A definição oficial de Educação Ambiental no Brasil. LEI ESTADUAL n o 12.493, de 22/01/99. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PS 14 2 Segurança do Trabalho Diretor Técnico 17/04/2017 1 1. OBJETIVO Definir medidas mínimas de controle necessárias para minimizar o impacto ambiental e os riscos provenientes dos resíduos gerados pelas

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. UFPR-Profª Eliane C. Gomes

RESÍDUOS SÓLIDOS. UFPR-Profª Eliane C. Gomes UFPR-Profª Eliane C. Gomes 1. DEFINIÇÃO (Lei 12305/10) material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS Setembro/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS DA POLÍTICA AMBIENTAL - SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA. Profa. Margarita María Dueñas Orozco

RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA. Profa. Margarita María Dueñas Orozco RSU CONCEITOS, CLASSIFICAÇÃO E PANORAMA Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com INTRODUÇÃO Semelhança entre processos de geração de RS num organismo vivo e numa sociedade Fonte: Barros,

Leia mais

Geração percapita Resíduos Urbanos: (Kg/hab.dia)

Geração percapita Resíduos Urbanos: (Kg/hab.dia) 8/5/2016 1 Geração percapita Resíduos Urbanos: (Kg/hab.dia) Relação da Quantidade diária de resíduos da região em função do n o de habitantes IMPORTÂNCIA: Planejamento do SLU: Coleta, Transporte Tratamento

Leia mais

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos Município de Baependi - MG Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos 2013 Ministério das Cidades 1 - Informações Cadastrais Município: BAEPENDI MG Referência

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE- PPGEMA GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS SAMARA MONAYNA ALVES VASCONCELOS CARRILHO Conceito LIXO: Qualquer material

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 3 Classes de Resíduos. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Fevereiro de 2017.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 3 Classes de Resíduos. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Fevereiro de 2017. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 3 Classes de Resíduos Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305 de 2 de agosto de 2010 - dispõe sobre: - princípios, objetivos e instrumentos; - diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos

Leia mais

Destinação de Resíduos de Madeira Tratada

Destinação de Resíduos de Madeira Tratada Destinação de Resíduos de Madeira Tratada O Que é Madeira Tratada? Madeira tratada é madeira impregnada com produtos preservativos para que fiquem protegidas contra a ação de agentes deterioradores quando

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

3.2. COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS É a sistemática de segregar os resíduos de acordo com suas classes de risco nas áreas geradoras.

3.2. COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS É a sistemática de segregar os resíduos de acordo com suas classes de risco nas áreas geradoras. 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para o processo de gerenciamento de resíduos nas áreas da ABCZ, visando a melhoria contínua na performance ambiental, a melhoria na eficiência do gerenciamento de

Leia mais

TRIAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS: estudo de caso para o supermercado Gumz em Pomerode/SC

TRIAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS: estudo de caso para o supermercado Gumz em Pomerode/SC TRIAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS: estudo de caso para o supermercado Gumz em Pomerode/SC Solid waste screening: case study for supermarket Gumz in Pomerode/SC Franciele Laís Marquardt 1 Luis Augusto Ebert 1

Leia mais

Aspectos Gerais Sobre os Resíduos Sólidos

Aspectos Gerais Sobre os Resíduos Sólidos 1 º Seminário Sobre Gestão de Resíduos Sólidos APA - Botucatu Aspectos Gerais Sobre os Resíduos Sólidos Prof. Dr. Wellington Cyro de Almeida Leite Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Leia mais

Aula 10: Química dos solos Parte 2

Aula 10: Química dos solos Parte 2 Química Ambiental- 1 semestre 2016 Aula 10: Química dos solos Parte 2 Resíduos perigosos Resíduos sólidos Taimara Polidoro Ferreira Departamento de Química- UFJF Resíduos perigosos O que é uma substância

Leia mais

Vinícius da Silva Carvalho. Química do meio ambiente- 1 Semestre de 2016

Vinícius da Silva Carvalho. Química do meio ambiente- 1 Semestre de 2016 Vinícius da Silva Carvalho. Química do meio ambiente- 1 Semestre de 2016 1 O solo e a constituição do solo. 2 https://www.youtube.com/watch?v=9pzo 4OCXcMM 3 Lixo urbano Resíduo ou rejeito?? Lixo é resíduo,

Leia mais

POLUIÇÃO DA ÁGUA NO CÓRREGO SÃO LUIZ

POLUIÇÃO DA ÁGUA NO CÓRREGO SÃO LUIZ POLUIÇÃO DA ÁGUA NO CÓRREGO SÃO LUIZ Paulo Henrique Teles da Silva (*), Hellison Silva Mota, Adirailton Araújo. *Acadêmico do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental do Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Gestão de Resíduos de Construção Civil Plano de Gerenciamento de RCD Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Construção Civil do ponto de vista ambiental LELA CARVALHO Reflexão: De onde vêm os recursos naturais

Leia mais

Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES

Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES Seminário Soluções Ambientais para Resíduos Sólidos Industriais DESAFIOS PARA SUSTENTABILIDADE RESÍDUOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde 2008 ANTECEDENTES LEGAIS RES. CONAMA 05/1993 RES. CONAMA 283/2001 RDC ANVISA 306/2004

Leia mais

Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas. Edivandro Seron

Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas. Edivandro Seron Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas Edivandro Seron Foz do Iguaçu, 25 de agosto de 2016 Aplicação da Legislação Lei nº 7.802 de 11 de julho de 1989 Decreto nº 4.074 de 4 de janeiro

Leia mais

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 03, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2004 DOE SP DE 20/02/2004

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 03, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2004 DOE SP DE 20/02/2004 DECISÃO DE DIRETORIA Nº 03, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2004 DOE SP DE 20/02/2004 A Diretoria Plena da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental - CETESB, no uso das suas atribuições legais, especialmente

Leia mais

8. Gestão de Resíduos Especiais. Roseane Maria Garcia Lopes de Souza. Há riscos no manejo de resíduos de serviços de saúde?

8. Gestão de Resíduos Especiais. Roseane Maria Garcia Lopes de Souza. Há riscos no manejo de resíduos de serviços de saúde? 8. Gestão de Resíduos Especiais Roseane Maria Garcia Lopes de Souza Há riscos no manejo de resíduos de serviços de saúde? Geradores de Resíduos de Serviços de Saúde Todos os serviços relacionados com o

Leia mais

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Águas de Lindóia Aspectos Gerais Águas de Lindóia Relação Águas de Lindóia x CISBRA 7% dos habitantes do CISBRA 7% da pop. urbana do CISBRA 0,3% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km²

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROFESSORA: KAREN WROBEL STRAUB

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROFESSORA: KAREN WROBEL STRAUB CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROFESSORA: KAREN WROBEL STRAUB INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL A Construção Civil é reconhecida como uma das mais importantes atividades para o desenvolvimento

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERAÇÃO E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ZONA URBANA DO MUNICIPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA - PA

DIAGNÓSTICO DA GERAÇÃO E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ZONA URBANA DO MUNICIPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA - PA Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 DIAGNÓSTICO DA GERAÇÃO E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA ZONA URBANA DO MUNICIPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA - PA Maxwel Lima Santos, IFPA Instituto Federal do Pará, graduando do

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 08 de maio de 2014. EMMAV CAIC 2 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

Leia mais

Percentual dos materiais encontrados no lixo brasileiro. Fonte: site da Editora Moderna

Percentual dos materiais encontrados no lixo brasileiro. Fonte: site da Editora Moderna Resíduos Sólidos Resíduo: todo e qualquer produto ou material, provenientes de um processo, que ainda pode ter serventia, podendo ser reaproveitado para ser reutilizado ou reciclado. Percentual dos materiais

Leia mais

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU Introdução A ABRELPE Treinamento para Operação de Aterros Sanitários Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e desde 1996

Leia mais

III DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

III DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS III-244 - DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS José Augusto dos Reis Cruz (1) Engenheiro Sanitarista pela Universidade Federal da Bahia. Mestre em Engenharia do Meio Ambiente

Leia mais

- TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

- TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - TERMO DE REFERÊNCIA - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores, assim definidos como pessoas físicas ou jurídicas,

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

MUNICÍPIO DE BAURU Estado de São Paulo

MUNICÍPIO DE BAURU Estado de São Paulo MUNICÍPIO DE BAURU Estado de São Paulo PLANO MUNICIPAL SANEAMENTO BÁSICO PRODUTO 3 DIAGNÓSTICO TÉCNICO-PARTICIPATIVO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO TOMO IV SISTEMA DE MANEJO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Classificação de resíduos sólidos

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Classificação de resíduos sólidos SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Classificação de resíduos sólidos Danilo de Aguiar Oliveira Aluno do curso de Direito UNAERP Universidade de Ribeirão Preto Campus

Leia mais

RSS - TERMINOLOGIA - GERENCIAMENTO INTRA - ESTABELECIMENTO ABNT NBR ABNT NBR Angela Maria Magosso Takayanagui

RSS - TERMINOLOGIA - GERENCIAMENTO INTRA - ESTABELECIMENTO ABNT NBR ABNT NBR Angela Maria Magosso Takayanagui RSS ABNT NBR 12807 ABNT NBR 12809 - TERMINOLOGIA - GERENCIAMENTO INTRA - ESTABELECIMENTO Angela Maria Magosso Takayanagui - 2016 Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP ABNT CEE 129 Comissão Especial

Leia mais

A PNSB e o Saneamento Rural

A PNSB e o Saneamento Rural A PNSB e o Saneamento Rural Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira Gerente de Estudos e Pesquisas Sociais VI Seminário Nacional de Saneamento Rural João Pessoa, 07.11.2012 A PNSB Pesquisa Nacional de Saneamento

Leia mais

A Gestão de Resíduos Sólidos em um Condomínio

A Gestão de Resíduos Sólidos em um Condomínio A Gestão de Resíduos Sólidos em um Condomínio Eliacy Cavalcanti Lélis (UNINOVE/MACKENZIE) eliacylelis@globo.com Fernando Ziesmann Fortes (UNINOVE) zfortes@uninove.br Resumo: A educação ambiental enfatizada

Leia mais

III CICLO DE PALESTRAS SEGURANÇA E SAÚDE

III CICLO DE PALESTRAS SEGURANÇA E SAÚDE III CICLO DE PALESTRAS SEGURANÇA E SAÚDE EM ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Enfa. Gisele de J. Batistini SECONCI-SP Objetivos Estimular a reflexão sobre os riscos

Leia mais

PMAS Resíduos perigosos Dia Mundial do Meio Ambiente. nº 06/2016

PMAS Resíduos perigosos Dia Mundial do Meio Ambiente. nº 06/2016 PMAS Resíduos perigosos Dia Mundial do Meio Ambiente nº 06/2016 Você conhece as políticas da empresa? Disponíveis nos murais e no site da empresa Gestão de Resíduos Perigosos De acordo com a ABNT NBR 1004:2004

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos Urbanos CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO Seminário Preparatório à XII Conferência das Cidades - Região Norte - Resíduos Sólidos Urbanos Profa. M.Sc. Maria de Valdivia Costa Norat Gomes FAESA/ITEC/UFPA

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PEDRO DE TOLEDO

PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PEDRO DE TOLEDO PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PEDRO DE TOLEDO DENISE RIBEIRO DA SILVA Bal. Administração de Empresas Especializando em Gestão Ambiental pela Universidade

Leia mais

Profª. Klícia Regateiro. O lixo

Profª. Klícia Regateiro. O lixo Profª. Klícia Regateiro O lixo Tipos de lixo O Definem-se resíduos sólidos como o conjunto dos produtos não aproveitados das atividades humanas: O domésticas, comerciais, industriais, de serviços de saúde

Leia mais

PNRS. Assuntos. Definição + Classificação RS Gestão RS Planos RS Responsabilidade Gestão RS

PNRS. Assuntos. Definição + Classificação RS Gestão RS Planos RS Responsabilidade Gestão RS Normas Brasil Lei 12.305/2010 (PNRS) Decreto 7.404/2010 SP Lei 12.300/2006 (PERS) Decreto 54.645/2009 Resolução SMA 11/2011 (revoga 24/2010 e 131/2010) PNRS Assuntos Definição + Classificação RS Gestão

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde da população. Coleta de Resíduos de Serviços de Saúde na Cidade de São Paulo

Resíduos de Serviços de Saúde da população. Coleta de Resíduos de Serviços de Saúde na Cidade de São Paulo T Coleta de Resíduos de Serviços de Saúde na Cidade de São Paulo Anos 70 - Incineração realizada pelos estabelecimentos 1976 - CETESB/LIMPURB fecham os incineradores instalados nos Hospitais 1977 - Coleta

Leia mais

Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja

Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja Sílvia Regina Machado Pukasiewicz (CEFET-PR) silviapuk@bol.com.br Prof. Dr. Ivanir Luiz de Oliveira (CEFET-PR)

Leia mais

INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS EM MASSAS CERÂMICAS: PERSPECTIVA TÉCNICA E AMBIENTAL

INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS EM MASSAS CERÂMICAS: PERSPECTIVA TÉCNICA E AMBIENTAL INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS EM MASSAS CERÂMICAS: PERSPECTIVA TÉCNICA E AMBIENTAL Prof. Saulo Roca Bragança DEMAT-PPGEM-UFRGS LACER Grupo de Refratários e Processamento Cerâmico saulorb@ufrgs.br F. 51 3308.3594

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 LIXO 2º ENCONTRO OBJETIVO: Relatar a composição química do lixo e os prováveis danos causados, além de discutir principais

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE LOCAIS DE DISPOSIÇÃO INADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE LOCAIS DE DISPOSIÇÃO INADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE LOCAIS DE DISPOSIÇÃO INADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ P. Polastri, P. Pini, G. D. Angelis Neto, E. A. Paredes, C. M. P. Okawa RESUMO Em áreas

Leia mais

4º Painel SANEAMENTO BÁSICO. Gerenciamento integrado de resíduos sólidos urbanos

4º Painel SANEAMENTO BÁSICO. Gerenciamento integrado de resíduos sólidos urbanos 4º Painel SANEAMENTO BÁSICO Gerenciamento integrado de resíduos sólidos urbanos Engenheira Sanitarista Flávia Vieira Guimarães Orofino Departamento Técnico Companhia Melhoramentos da Capital - COMCAP RESÍDUOS

Leia mais

Resíduos sólidos da construção civil (RCC/RCD)

Resíduos sólidos da construção civil (RCC/RCD) Resíduos sólidos da construção civil (RCC/RCD) Prejuízos do lixo O caso shopping Center Norte SP: ÁREA DE RISCO Center Norte Shopping Fonte: http://www.centernorte.com.br/gestao-ambiental.asp Construção

Leia mais

Resíduos sólidos no Parque Moinhos de Vento, Porto Alegre, RS

Resíduos sólidos no Parque Moinhos de Vento, Porto Alegre, RS Lúcia Caroline Jahn Cornely Discente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental - IFRS Campus Porto Alegre (krol_dede@hotmail.com) Magali da Silva Rodrigues Engenheira Química, Doutora em Ecologia

Leia mais

A HIERARQUIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E USOS DE TECNOLOGIAS. Prof. Dr. Valdir Schalch

A HIERARQUIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E USOS DE TECNOLOGIAS. Prof. Dr. Valdir Schalch A HIERARQUIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS E USOS DE TECNOLOGIAS Prof. Dr. Valdir Schalch vschalch@sc.usp.br Criado em 2003, cadastrado no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq e vinculado ao Departamento de

Leia mais

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS.

MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. MODELO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS. 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Razão Social / Nome completo: C.N.P.J. / C.P.F.: Endereço: Bairro: Classificação

Leia mais

ESTUDOS PARA ADEQUAR A REMEDIAÇÃO DE SOLOS CONTAMINADOS COM ÓLEO MINERAL ISOLANTE

ESTUDOS PARA ADEQUAR A REMEDIAÇÃO DE SOLOS CONTAMINADOS COM ÓLEO MINERAL ISOLANTE ESTUDOS PARA ADEQUAR A REMEDIAÇÃO DE SOLOS CONTAMINADOS COM ÓLEO MINERAL ISOLANTE Luiz Alfredo Pavanin(1) Bacharel e Licenciado em Química (1979) pela Universidade de São Paulo (FFCLRPUSP). Mestre em Química

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. Edital 02 PRPI/IFAL Período de Execução: Agosto/15 a Julho/16. Descarte responsável de materiais eletroeletrônicos.

RELATÓRIO FINAL. Edital 02 PRPI/IFAL Período de Execução: Agosto/15 a Julho/16. Descarte responsável de materiais eletroeletrônicos. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E INOVAÇÃO RELATÓRIO FINAL Edital

Leia mais

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-021 - CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DOS RESÍDUOS OLEOSOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES DE EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO DE ÓLEO E GÁS NO NORTE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Florindo dos Santos Braga Engenheiro Civil

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

Data emissão: PLANO DE GERENCIAMENTO DE / / RESÍDUOS

Data emissão: PLANO DE GERENCIAMENTO DE / / RESÍDUOS Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/9 Identificação Descrever o plano de manejo de resíduos, compreendendo as ações referentes à minimização

Leia mais

Disposição inadequada de resíduos sólidos em fundo de vale: o caso do córrego Mandacaru

Disposição inadequada de resíduos sólidos em fundo de vale: o caso do córrego Mandacaru 49 Artigo original DOI: 105902/22361170 20559 Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental Ed. Especial GIAU-UEM, Maringá PR Santa Maria, v. 19, 2015, p. 49-58 Revista do Centro de Ciências

Leia mais

PROPOSTA DE UM PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) PARA UMA EMPRESA DE SERVIÇOS ALIMENTÍCIOS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO PR

PROPOSTA DE UM PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) PARA UMA EMPRESA DE SERVIÇOS ALIMENTÍCIOS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CAMPO MOURÃO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE AMBIENTAL CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL GUSTAVO DANTAS DE OLIVEIRA PROPOSTA DE UM PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

Leia mais

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 6 Armazenamento, Coleta e Transporte. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016

Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos. 6 Armazenamento, Coleta e Transporte. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Setembro de 2016 Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Manejo de Resíduos Sólidos Pós-grraduação em Engenharia Civil e Ambiental 6 Armazenamento, Coleta e Transporte Professor: Sandro Donnini Mancini

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Gerenciamento de resíduos sólidos: Definição, classificação e prevenção

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Gerenciamento de resíduos sólidos: Definição, classificação e prevenção SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Gerenciamento de resíduos sólidos: Definição, classificação e prevenção Vinicius Roveri Docente - Curso Tecnologia em Gestão Ambiental

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: ESTUDO DE CASO NOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA TÊXTIL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: ESTUDO DE CASO NOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA TÊXTIL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL XIV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA CIGU A Gestão do Conhecimento e os Novos Modelos de Universidade Florianópolis Santa Catarina Brasil 3, 4 e 5 de dezembro de 2014. ISBN: 978-85-68618-00-4

Leia mais

Introdução à Engenharia Ambiental PHA Aula 6. Gestão de resíduos sólidos no meio urbano. Amarilis Lucia Casteli Figueiredo Gallardo

Introdução à Engenharia Ambiental PHA Aula 6. Gestão de resíduos sólidos no meio urbano. Amarilis Lucia Casteli Figueiredo Gallardo Introdução à Engenharia Ambiental PHA 2218 Aula 6 Gestão de resíduos sólidos no meio urbano Amarilis Lucia Casteli Figueiredo Gallardo GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS NA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS NA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS NA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU Solange da Veiga Coutinho Instituto de Pesquisas Ambientais Universidade Regional de Blumenau Rua Antônio da Veiga, 140 Blumenau/SC

Leia mais

GESTÃO DE RESIDUOS SOLIDOS NOS MUNICÍPIOS. Prof. Dr. Fernando Fernandes

GESTÃO DE RESIDUOS SOLIDOS NOS MUNICÍPIOS. Prof. Dr. Fernando Fernandes GESTÃO DE RESIDUOS SOLIDOS NOS MUNICÍPIOS Prof. Dr. Fernando Fernandes Política Nacional de Resíduos Sólidos Lei N 12.305/2010 Reúne: - Princípios; -Objetivos; -Instrumentos; -Diretrizes; -Metas e Ações.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM PIRAMBU/SE PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM PIRAMBU/SE PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM PIRAMBU/SE PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Ângela Patrícia Silva de LIMA (1); Fábio José Farias SOARES (2); Lays Carvalho de ALMEIDA

Leia mais

Caracterização física dos resíduos sólidos domiciliares do município de Caçu-GO. Gaudencya Cunha Cardoso Souza; Weliton Eduardo Lima de Araújo

Caracterização física dos resíduos sólidos domiciliares do município de Caçu-GO. Gaudencya Cunha Cardoso Souza; Weliton Eduardo Lima de Araújo Caracterização física dos resíduos sólidos domiciliares do município de Caçu-GO Gaudencya Cunha Cardoso Souza; Weliton Eduardo Lima de Araújo 1 Artigo apresentado a Faculdade de Engenharia Ambiental, como

Leia mais

Panorama dos Resíduos no Brasil

Panorama dos Resíduos no Brasil 04/02/16 Sumário Panorama dos Resíduos no Brasil INTRODUÇÃO BRASIL 1. Polí:cas Públicas no Brasil 1.1 Polí:ca Nacional de Resíduos 1.2 Planos e Gestão de Resíduos 2. Situação dos Resíduos Eng. Diógenes

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM Fernando R. da Matta Baptista Irene T. Rabello Laignier Vitória, 2005 Introdução JUSTIFICATIVA DO TRABALHO A contabilidade das

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA- CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA- CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA- CODEBA SALVADOR BA JULHO - 2016 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva Solidária trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração

Leia mais

ENGENHARIA AMBIENTAL NA INDÚSTRIA ANÁLISE QUALITATIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOMAÇÃO AGROINDUSTRIAL

ENGENHARIA AMBIENTAL NA INDÚSTRIA ANÁLISE QUALITATIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOMAÇÃO AGROINDUSTRIAL ENGENHARIA AMBIENTAL NA INDÚSTRIA ANÁLISE QUALITATIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOMAÇÃO AGROINDUSTRIAL Paula Paiva Hofmeister paula_hof@hotmail.com Pamela Lais Cabral Silva pamela_lais@hotmail.com

Leia mais

Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa. Zilda M. F. Veloso 08abril2014

Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa. Zilda M. F. Veloso 08abril2014 Resíduos Sólidos Desafios da Logística Reversa Zilda M. F. Veloso 08abril2014 I- CONSIDERAÇÕES GERAIS Objetivos POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERAÇÃO DE RESÍDUOS PANO DE FUNDO: Sem a PNRS, a geração

Leia mais

Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Riscos associados: Ambiental / Saúde pública Como avaliar a dimensão dos riscos?

Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Riscos associados: Ambiental / Saúde pública Como avaliar a dimensão dos riscos? 14/10/2014 1 Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Riscos associados: Ambiental / Saúde pública Como avaliar a dimensão dos riscos? Conhecimento dos RS: Tipo/características/quantidades/propriedades...

Leia mais

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO

NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO NOME DO CURSO FORMAÇÃO CONTINUA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS DATA INICIO/DATA FIM 15/06/2015 APRESENTAÇÃO O principal objetivo deste curso consiste em fornecer aos alunos os conceitos fundamentais sobre

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Limpeza Urbana e Manejo de

Leia mais

Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013

Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013 Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013 CONCEITOS RESÍDUO: Resíduos nos estados sólido, semi-sólido ou líquido resultantes de atividades industriais, domésticas, hospitalar,

Leia mais

Panorama e Política Nacional de

Panorama e Política Nacional de Panorama e Política Nacional de Resíduos SólidosS Seminário de Gestão Integrada e Sustentável de Resíduos Sólidos Regional Sudeste ABES, São Paulo Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Dados

Leia mais

Separação de Resíduos

Separação de Resíduos Separação de Resíduos Tipos de Resíduos Orgânicos Rejeitos Papéis Recicláveis Plásticos Metais Isopor Plástico Existem 7 tipos de resinas plásticas: - PET: polietileno tereftalato: Frascos de refrigerantes

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NA FEIRA HIPPIE DE GOIÂNIA - GOIÁS

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NA FEIRA HIPPIE DE GOIÂNIA - GOIÁS CLASSIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NA FEIRA HIPPIE DE GOIÂNIA - GOIÁS Larissa Almeida de Oliveira, lala@ig.com.br; Luzia Moreira Barbosa, barbosa_luzia@hotmail.com; Pollyana de

Leia mais

ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA

ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA Á EMPRESA A ECOPRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA é uma empresa prestadora de serviços ambientais, formulada em 2004, atuando com ênfase na Gestão, Coleta, Transporte,

Leia mais

HSA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

HSA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS HSA 109 - GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Profa. Wanda R. Günther CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS FÍSICAS QUÍMICAS BIOLÓGICAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Prédio da Administração

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Prédio da Administração ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Prédio da Administração Informamos que o POLI RECICLA gerencia os resíduos recicláveis e perigosos de acordo com as normas vigentes e dentro de uma política

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DO TEOR DE METAIS PESADOS EM BORRA OLEOSA DO PETRÓLEO POR ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA (AAS)

CLASSIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DO TEOR DE METAIS PESADOS EM BORRA OLEOSA DO PETRÓLEO POR ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA (AAS) CLASSIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DO TEOR DE METAIS PESADOS EM BORRA OLEOSA DO PETRÓLEO POR ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA (AAS) Amanda de Paula Ramos 1 André Luiz Fiquene de Brito² Clarice Oliveira da Rocha³

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Carlos R V Silva Filho ABRELPE maio/2010 Introdução A ABRELPE ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e a partir

Leia mais