Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004"

Transcrição

1 Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de

2 PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL Caracterização com base no Inquérito aos Orçamentos Familiares de 2000 >Rute Cruz (INE/DES) & Carla Machado (MSSFC/DGEEP) 2

3 CONTEXTO > Ano internacional da família > Evidenciar as particularidades das famílias numerosas > Despesa (valor) - em muitos casos - situações de dificuldade económica - padrões de consumo muito específicos resultantes da sua dimensão e composição - reflecte a utilização dos recursos monetários e não monetários - é um indicador do nível de vida das famílias PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 3

4 ASSUNTOS A ABORDAR > A dimensão familiar na UE >As famílias numerosas em Portugal - distribuição geográfica, tipologia familiar, grupos etários, escolaridade, situação na profissão > A despesa nas famílias numerosas - evolução tipologia familiar, rubricas da despesa, meio urbano ou rural - caso particular das famílias mais desfavorecidas - principais divisões de despesa:. produtos alimentares e bebidas não alcoólicas. habitação; desp.com água, electricidade, gás e outr. combustíveis. transportes. hotéis, restaurantes, cafés e similares. vestuário e calçado PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 4

5 ASPECTOS METODOLÓGICOS Fonte: Inquérito aos Orçamentos Familiares 2000 e 1994/95 > inquiridas as despesas das famílias de forma pormenorizada (diários) bem como outros dados (alojamento, caracterização dos indivíduos, receita) > periodicidade quinquenal > amostra de agregados familiares (IOF 2000) > aplicado em todas as regiões do país > resultados: sujeitos a critérios de fiabilidade PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 5

6 Nomenclatura de base: COICOP (do inglês, Classificação do Consumo Individual por Objectivos) 01 - Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas (Alimentação e bebidas) 02 - Bebidas alcoólicas, tabaco e narcóticos/estupefacientes (Bebidas alcoólicas e tabaco) 03 - Vestuário e calçado 04 - Habitação; despesas com água, electricidade, gás e outros combustíveis (Habitação) 05 - Móveis, artigos de decoração, equipamento doméstico e despesas correntes de manutenção da habitação (Decoração) 06 - Saúde 07 - Transportes 08 - Comunicações 09 - Lazer, distracção e cultura (Lazer) 10 - Ensino 11 - Hotéis, restaurantes, cafés e similares (Hotéis e restaurantes) 12 - Outros bens e serviços (Outros) PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 6

7 > Variável de referência retirada do IOF: - a despesa total, apurada na perspectiva do agregado familiar > Como comparar diferentes agregados (dado o efeito das economias de escala na despesa familiar): - usando uma escala de equivalência, convertendo a despesa do agregado em despesa individual equivalente > Escala de adulto equivalente: OCDE original (permite uma relação de despesa adulto/criança mais próxima da realidade, que a escala modificada da OCDE habitualmente utilizada para análises de rendimento das famílias) * 1º adulto 1,0 * Cada um dos outros adultos 0,7 * Cada criança (menos de 14 anos) 0,5 > Assim se pode colmatar o efeito de economias de escala em função da dimensão do agregado e da existência de crianças PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 7

8 > Famílias numerosas: todo o agregado familiar com 5 ou mais indivíduos (adultos ou crianças) Estrutura das famílias portuguesas de maior dimensão - essencialmente sobre 3 ou mais adultos com ou sem crianças maior fiabilidade > Crianças: indivíduos com menos de 16 anos > Famílias desfavorecidas: 20% das famílias com menor rendimento total equivalente (1º quintil) PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 8

9 O CONTEXTO EUROPEU Dimensão média do agregado familiar em 2001 Reino Unido Suécia Finlândia PORTUGAL Áustria Ho landa Luxemburgo Itália Irlanda França Espanha Grécia Alemanha Dinamarca Bélgica 1,9 2,1 2,2 2,2 UE 2,4 2,4 2,3 2,4 2,4 2,5 2,6 2,6 2,8 3,0 3,0 Fonte: Eurostat (Censos, LFS, ECHP) 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 Portugal: > terceiro país da União Europeia com a maior dimensão média do agregado familiar (2,8) > 17% acima da UE (2,4) > No topo: Irlanda e Espanha (3,0) PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 9

10 AS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL (2000) Distribuição das famílias numerosas por região Nuts II, 2000 Algarve 3% Açores 4% Madeira 4% Peso das famílias numerosas: cerca de uma em cada dez famílias portuguesas Alentejo 4% Norte - quase metade das famílias numerosas (43%) (33% das famílias portuguesas totais) Lisboa e Vale do Tejo 26% Norte 43% Lisboa e Vale do Tejo - aprox. ¼ das famílias numerosas (36% das famílias portuguesas) Centro 16% Maiores proporções de famílias numerosas em cada região: - Açores - 21% - Madeira - 20% - Norte - 12% PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 10

11 Distribuição das famílias numerosas segundo a tipologia familiar, 2000 % Tipologia familiar Famílias numerosas Total ou mais adultos sem crianças 23 1 ou 2 adultos com crianças 17 4 ou mais adultos com uma criança 28 3 ou mais adultos com 2 crianças 24 3 ou mais adultos com 3 ou + crianças 8 PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 11

12 Distribuição das famílias numerosas face aos anos de escolaridade completada do representante do agregado, 2000 Nível de escolaridade completado Total Famílias numerosas Total 100% 100% Nenhum 23% 17% 68% 4 anos de escolaridade 45% 55% 72% 6 anos de escolaridade 11% 10% 9 anos de escolaridade 9% 8% 11/12 anos de escolaridade 6% 5% Ensino superior 6% 5% > Mais de metade dos representantes das famílias numerosas têm o 4º ano/classe > Menor incidência nos níveis de escolaridade superiores PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 12

13 Condição perante o trabalho Famílias numerosas: cerca de 71% dos seus representantes exercem uma profissão dos quais 12% por c. própria como empregadores Totalidade das famílias: 54% dos seus representantes exercem uma profissão dos quais 9% por c. própria como empregadores Distribuição das famílias numerosas quanto à situação na profissão do representante da família que exerce profissão, 2000 Situação na profissão Total Famílias numerosas Total 100% 100% Trabalhador por conta de outrem 73% 73% Trabalhador por conta própria - isolado 16% 13% Trabalhador por conta própria - empregador 9% 12% Outra 1% 1% PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 13

14 A DESPESA DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS (2000) Despesa individual das famílias numerosas, segundo a sua tipologia, 2000 Tipologia da Família Total de famílias Despesa ( ) Índice (total=100) Famílias numerosas Despesa ( ) Índice (total=100) Total Adulto só com idade < 65 anos Adulto só com idade >= 65 anos adultos pelo menos um de idade >= 65 anos adultos ambos de idade < 65 anos ou mais adultos sem crianças ou 2 adultos com crianças com menos de 16 anos ou mais adultos com 1 criança com menos de 16 anos ou mais adultos com 2 crianças com menos de 16 anos ou mais adultos com 3 ou + crianças com menos de 16 anos Nas famílias numerosas: > despesa média por indivíduo: /ano (409 / mês), 23% abaixo da média da despesa individual nas famílias portuguesas (533 /mês) > as que não têm crianças a seu cargo apresentaram a despesa individual média anual mais elevada, cerca de 5408 euros (cerca de 10% acima da média total das famílias numerosas) > a despesa individual é tanto + baixa quantas + crianças e adultos existem no agregado PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 14

15 Despesa individual das famílias por divisão da COICOP, 2000 % % DESPESA TOTAL Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas ,10 Bebidas alcoólicas, tabaco e narcóticos / estupefacientes ,37 Vestuário e calçado ,16 Habitação, desp. água, electricidade, gás e out.combustíveis ,77 Móveis, art.decoração, eq.doméstico e desp.c.manut.habit ,86 Saúde ,72 Transportes ,15 Comunicações ,95 Lazer, distracção e cultura ,97 Ensino ,95 Hotéis, restaurantes, cafés e similares ,02 Outros bens e serviços ,10 Total Famílias numerosas Relação % numerosas vs % total > Despesas mais contidas: saúde, habitação, decoração > Destaque para consumo de bebidas alcoólicas e tabaco e ensino (este último decorrente da presença de crianças) PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 15

16 Repartição da despesa individual das famílias numerosas, segundo a sua tipologia, 2000 % Famílias numerosas 5 ou + adultos sem crianças 4 ou + adultos com 1 criança 3 ou + adultos com 2 crianças 1 ou 2 adultos com 3 ou + crianças 3 ou + adultos com 3 ou + crianças DESPESA TOTAL Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas Bebidas alcoólicas, tabaco e narcóticos / estupefacientes Vestuário e calçado Habitação, desp. água, electricidade, gás e out.combustíveis Móveis, art.decoração, eq.doméstico e desp.c.manut.habit Saúde Transportes Comunicações Lazer, distracção e cultura Ensino Hotéis, restaurantes, cafés e similares Outros bens e serviços > Famílias numerosas com mais crianças - atribuíram um maior peso da sua despesa total ao ensino (6%) Famílias numerosas com menos crianças - conseguiram ter uma maior despesa com o lazer e com os transportes Famílias numerosas com mais adultos e mais crianças realce para Hotéis e restaurantes (14%), em detrimento das despesas com os transportes (13%) e com o lazer (2%) PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 16

17 Despesa individual das famílias segundo os anos de escolaridade completada do representante do agregado, Nenhum 4 anos 6 anos 9 anos 11/12 anos M ais de 12 anos Anos de escolaridade completa do representante Famílias numerosas Famílias não numerosas M édia das famílias numerosas M édia das famílias não numerosas Famílias numerosas e não numerosas: > com 9 anos de escolaridade já se encontravam acima da respectiva média global (4904 e ) > 11/12 anos de escolaridade - as duas tipologias de famílias aproximaram-se em termos de valor de despesa > notáveis os valores de despesa sentidos no nível mais elevado de escolaridade PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 17

18 Despesa média individual das famílias por tipologia de área, 2000 Área urbana Área rural predominantemente medianamente predominantemente Total Família numerosa fam num / total 0,71 0,81 0,97 Famílias numerosas: >despesa média inferior nas famílias que se encontram no meio rural (embora equiparado com a generalidade das famílias deste meio) - nível de despesa das famílias do meio urbano bem mais modesto que o da generalidade das famílias PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 18

19 VARIAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO > hábitos sócio-culturais das famílias > crescente apelo ao consumo > novos produtos no mercado Os produtos de primeira necessidade começam a perder peso no cabaz de compras dos portugueses dando lugar a bens menos essenciais. > Destaque ao caso particular das famílias numerosas mais desfavorecidas Família desfavorecida: se pertencer ao conjunto de 20% das famílias com rendimento total equivalente mais baixo (1º quintil) - rendimento total equivalente anual líquido por indivíduo até euros em 2000 (cerca de 300 euros/mês) PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 19

20 Variação da despesa total individual das famílias, ,5% 26,5% Famílias numerosas, desfavorecidas 5,7% Restantes famílias numerosas Famílias não numerosas, desfavorecidas 1995 (preços de 2000) 2000 Variação 9,1% Restantes famílias não numerosas Famílias numerosas: e 1994/95 desfavorecidas - as que aumentaram de forma mais acentuada o seu consumo global individual na segunda metade da década de 90 (aumento real de 28,5% das suas despesas totais para euros em 2000) restantes - o menor aumento na despesa aumento real em 2000 de 6% face a 1995 PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 20

21 Alteração do padrão de consumo alimentar das famílias, a preços constantes de 2000 Famílias numerosas Famílias não numerosas Famílias desfavorecidas Restantes Famílias desfavorecidas Restantes Despesa alimentar (1) Despesa Total Coeficiente de Engel (2) 0,38 0,26 0,22 0,19 0,37 0,31 0,19 0,17 Coeficiente de Engel -31% -10% -17% -10% Fonte: INE, IOF 1994/95 e 2000 (1) Inclui bebidas não alcoólicas (2) Proporção de despesa do bem i na despesa total (i=alimentação) Famílias numerosas desfavorecidas: > a diminuição mais marcante na proporção da despesa alimentar e bebidas > despesa alimentar diminuiu 31% na despesa total a favor dos restantes produtos > evolução na despesa em alimentação de 71 mensais em 1995 para menos 8 mensais em 2000 PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 21

22 Alteração do padrão de consumo das famílias numerosas segundo componentes de despesa, Famílias numerosas desfavorecidas D1 D12 150% D2 100% Restantes famílias numero sas D1 D12 150,0% D2 100,0% D11 50% D3 D11 50,0% D3 0% 0,0% D10-50% D4 D10-50,0% D4 D9 D5 D9 D5 D8 Famílias numerosas: desfavorecidas aumento para mais do dobro em comunicações (especial papel do telemóvel) e também consideravelmente em hotéis, restaurantes, cafés e similares restantes realce para as comunicações e despesas com lazer, distracção e cultura D7 D6 PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL D8 D7 e 1994/95 COICOP 01 - Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas 02 - Bebidas alcoólicas, tabaco e narcóticos/estupefacientes 03 - Vestuário e calçado 04 - Habitação; desp. água, electricidade, gás e out.combustíveis 05 - Móveis, art. decoração, equip.doméstico e desp.c.m.habitação 06 - Saúde 07 - Transportes 08 - Comunicações 09 - Lazer, distracção e cultura 10 - Ensino 11 - Hotéis, restaurantes, cafés e similares 12 - Outros bens e serviços D6 22

23 PADRÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS Despesa individual das famílias por quintis de rendimento total equivalente, 2000 Tipo de família Quintis de receita total Unidade: 5º / 1º TOTAL ,9 Numerosa ,5 >Famílias numerosas: uma menor discrepância entre o nível de despesa do quintil mais favorecido (5º) e o menos favorecido (1º) PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 23

24 Distribuição da despesa individual das famílias numerosas segundo as divisões de despesa COICOP, 2000 TOTAL 100% 100% Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas 26% 1 º 19% 1 º Bebidas alcoólicas, tabaco e narcóticos/estupef. 5% 8 º 3% 10 º Vestuário e calçado 6% 5 º 8% 5 º Habitação; despesas com água, electric., gás e out.comb. 16% 2 º 16% 2 º Móveis, art.decoração, equip.domést.e desp.c.man.hab. 6% 6 º 7% 7 º Saúde 4% 9 º 4% 9 º Transportes 14% 3 º 16% 3 º Comunicações 3% 11 º 3% 11 º Lazer, distracção e cultura 3% 10 º 5% 8 º Ensino 0% 12 º 2% 12 º Hotéis, restaurantes, cafés e similares 11% 4 º 9% 4 º Outros bens e serviços 5% 7 º 7% 6 º Desfavorecidas Famílias numerosas Restantes > Principais componentes: produtos alimentares e bebidas, a habitação, os transportes e hotéis e restaurantes > F. desfavorecidas Ênfase - na despesa alimentar e bebidas, hotéis e restaurantes, bebidas alcoólicas e tabaco Em detrimento de vestuário e calçado, lazer, transportes, ensino PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 24

25 Algumas ventilações de acordo com as cinco divisões da COICOP tomadas como mais relevantes pelas famílias numerosas: > Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas > Habitação, despesas com água, electricidade, gás e outros combustíveis > Transportes > Hotéis, restaurantes, cafés e similares > Vestuário e calçado PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 25

26 Produtos alimentares e bebidas Despesa individual das famílias em produtos alimentares e bebidas não alcoólicas, 2000 Famílias numerosas Restantes famílias % % Despesa Total % % da qual: Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas % % Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas % % Cereais e produtos à base de cereais % % Carne e derivados % % Peixe e derivados % % Leite, queijo e ovos % % Óleos e gorduras 42 4% 60 5% Frutos 69 7% 94 8% Legumes e outros hortícolas, incluindo batatas e outros tubérculos 92 9% 114 9% Açúcar, confeitaria, mel e outros produtos à base de açúcar 27 3% 35 3% Produtos alimentares n.d. 5 1% 8 1% Café, chá e cacau 11 1% 15 1% Águas minerais, refrigerantes e sumos 30 3% 32 3% > Ênfase : carne (29%) e cereais (17%) > Em detrimento: peixe (14% em vez de 18%) (NOTA: análise em termos de valor e não de quantidade ou qualidade) PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 26

27 Despesa alimentar individual das famílias numerosas, segundo a sua tipologia, 2000 % Águas Minerais, Refrigerantes e Sumos Café, Chá e Cacau Produtos Alimentares n.d. Açúcar, Confeitaria, Mel e Outros Produtos à base de Açúcar Legumes e outros Hortícolas, incluindo Batatas e outros Tubérculos Frutos Óleos e Gorduras Leite, Queijo e Ovos 20 Peixe e Derivados Carne e Derivados 0 5 ou mais adulto s sem crianças 4 ou mais adulto s 1 criança 3 ou mais adulto s 2 crianças 1 ou 2 adultos 3 ou mais crianças 3 ou mais adulto s 3 ou mais crianças Cereais e Produtos à base de Cereais PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 27

28 Distribuição da despesa alimentar individual das famílias numerosas desfavorecidas, 2000 Famílias portuguesas 19% da despesa total Famílias numerosas 21% da despesa total Cereais e produtos à base de cereais Carne e derivados Peixe e derivados Leite, queijo e ovos Óleos e gorduras Frutos Famílias numerosas desfavorecidas 26% da despesa total Legumes e out.hortícolas incl. batatas e out.tub. Açúcar, confeitaria, mel, out.prod.açúcar + p.a. n.d. Bebidas não alcoólicas Cereais - ainda mais expressivos nas famílias numerosas desfavorecidas (1º quintil), com peso de 21% Leite, queijo e ovos, legumes e outros hortícolas ligeiro reforço nas numerosas desfavorecidas Em contrapartida - carne (apenas 26%), peixe (12% no 1º quintil das f. numerosas) e fruta (5%) PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 28

29 Habitação Despesa individual das famílias numerosas com a habitação e água/electricidade/gás/outros combustíveis, 2000 Total Famílias numerosas Total Desfavorecidas % % % DESPESA TOTAL % % % da qual: Habitação, desp. água, electricidade, gás e out.combustíveis % % % Habitação, Desp. Água, Electric., Gás e outros Combustíveis % % % Arrendamentos Efectivos % 86 11% 86 19% Arrendamentos Fictícios % % % Reparação e Conservação da Habitação 107 8% 54 7% 19 4% Outros Serviços relacionados com a Habitação 77 6% 44 6% 26 6% Electricidade, Gás e outros Combustíveis % % % Famílias numerosas: > menor expressão da despesa individual em habitação (16%) > nas f. desfavorecidas maior ênfase no arrendamento [NOTA: arrendamento fictício: auto-avaliação por parte dos proprietários-residentes] PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 29

30 Transportes Despesa individual das famílias numerosas com transportes, % 80% 60% 40% 20% 0% 9% 6% 9% 39% 45% 46% 52% 49% 45% Famílias portuguesas Famílias numerosas Famílias numerosas desfavorecidas Serviços de Transporte Despesa com a Utilização de Veículos Pessoais Aquisição de Veículos Pessoais 14% da despesa total 16% da despesa total 14% da despesa total Famílias numerosas desfavorecidas: > aplicação de despesa ao automóvel particular (aquisição e utilização) em proporção semelhante à globalidade das famílias > maior procura pelos transportes públicos (+ 3 p.p. do que a generalidade das famílias numerosas) PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 30

31 Hotéis e restaurantes Despesa individual das famílias com hotéis, restaurantes, cafés e similares; peso face ao total, Famílias numerosas desfavorecidas Famílias numerosas Famílias portuguesas 8 DESPESA TOTAL Hotéis, restaurantes, cafés e similares % Hotéis, restaurantes, cafés / despesa total Famílias numerosas: > valores despendidos na restauração e hotéis consideravelmente inferiores mas peso similar > nas f. numerosas desfavorecidas: a restauração teve uma grande capacidade de atracção (11% da despesa total) - o peso mais expressivo PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 31

32 Vestuário e calçado Despesa individual das famílias numerosas com vestuário e calçado, 2000 Famílias portuguesas Famílias numerosas Total Desfavorecidas % % % DESPESA TOTAL % % % da qual: Vestuário e calçado 409 6% 363 7% 180 6% VESTUÁRIO E CALÇADO % % % Vestuário, incluindo reparação % % % Calçado, incluindo reparação 90 22% 90 25% 50 28% Famílias numerosas: > grandes amplitudes entre valores > f. numerosas desfavorecidas: maior esforço para aquisição de calçado PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 32

33 Concluindo... Afectação de despesa às divisões da COICOP mais relevantes, segundo a tipologia de família Famílias numero sas desfavorecidas Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas Vestuário e calçado Famílias numero sas Habitação, desp. água, electricidade, gás e out.combustíveis Transportes Famílias po rtuguesas Ho téis, restaurantes, cafés e similares Outras despesas 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% PADRÕES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS EM PORTUGAL 33

SECTOR ALIMENTAR AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SECTOR ALIMENTAR AEP / GABINETE DE ESTUDOS SECTOR ALIMENTAR AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2009 Índice 1. Alguns dados sobre o mercado de bens alimentares e bebidas... 3 2. Perfil do consumidor: tendências... 4 2.1. Mercado dos produtos biológicos...

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07.

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07. ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2009 13 de Janeiro 2010 Em 2009 a taxa de variação média diminuiu para -0,8 0,8% e em Dezembro a taxa t de variação homóloga situou-se se em -0, 0,1% Em 2009,

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Estatísticas do Comércio 2013 26 de dezembro de 2014 Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Em 2013 o setor do Comércio era constituído

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

Do total das despesas das famílias em 2006, Habitação, Alimentação e Transportes representavam mais de metade

Do total das despesas das famílias em 2006, Habitação, Alimentação e Transportes representavam mais de metade Do total das despesas das famílias em 2006, Habitação, Alimentação e Transportes representavam mais de metade O Instituto Nacional de Estatística, de 5 em 5 anos, recolhe informação sobre os orçamentos

Leia mais

Taxa de variação média dos últimos doze meses diminuiu para 2,5%

Taxa de variação média dos últimos doze meses diminuiu para 2,5% 12 de fevereiro de 2013 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Janeiro de 2013 Taxa de variação média dos últimos doze meses diminuiu para 2,5% Em janeiro de 2013 a taxa de variação média dos últimos doze meses

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Portugal Alimentação Saudável em números 2013

Portugal Alimentação Saudável em números 2013 ISSN: 2183-0738 Portugal Alimentação Saudável em números 2013 Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e

Leia mais

Portugal Alimentação Saudável em números 2013

Portugal Alimentação Saudável em números 2013 ISSN: 2183-0738 Portugal Alimentação Saudável em números 2013 Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e

Leia mais

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 31 de julho de 2014 Gastos Turísticos Internacionais 2013 O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 O gasto médio diário per capita (GMD pc ) dos visitantes

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1 BALANÇA ALIMENTAR PORTUGUESA 14 de Dezembro de 26 - CONSUMO DE PROTEÍNAS E GORDURAS EM PORTUGAL É TRÊS VEZES SUPERIOR AO RECOMENDADO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS DIMINUI 16% EM 14 ANOS E É ULTRAPASSADO

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Diminui ritmo de reajustes dos preços dos alimentos

Diminui ritmo de reajustes dos preços dos alimentos 1 São Paulo, 06 de junho de 2014. NOTA À IMPRENSA Diminui ritmo de reajustes dos preços dos alimentos Em maio, o custo de vida no município de São Paulo aumentou 0,14%, segundo cálculo do DIEESE Departamento

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Utilização da cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Mais de metade das famílias portuguesas ainda não dispõe de computador mas o parque informático dos agregados familiares

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias

Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias A despesa anual média dos agregados familiares foi de 20 391, em 2010/2011, de acordo com os resultados definitivos

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE 05 Determinantes e Estilos de Vida 076 05. Determinantes e Estilos de Vida Atlas do Plano Nacional de Saúde Determinantes e Estilos de Vida Considerações

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO População Portuguesa Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO INQUÉRITO...3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...3

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

A Reabilitação Urbana como Oportunidade de Negócio 12 de novembro. paulo.lobo@aiccopn.pt

A Reabilitação Urbana como Oportunidade de Negócio 12 de novembro. paulo.lobo@aiccopn.pt A Reabilitação Urbana como Oportunidade de Negócio 12 de novembro paulo.lobo@aiccopn.pt Setor da Construção e Imobiliário Peso na Economia FILEIRA COM MAIS EMPRESAS 200 MIL EMPRESAS: 97 MIL SOCIEDADES

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 29 de dezembro de 2014 GASTOS TURÍSTICOS INTERNACIONAIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ANO DE 2013 Nota introdutória O Inquérito aos Gastos Turísticos Internacionais (IGTI) foi uma operação estatística

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 38% DAS PESSOAS COM IDADE ENTRE 16 E 74 ANOS CONTACTAM COM ORGANISMOS

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC diminuiu para 0,1%

Taxa de variação homóloga do IPC diminuiu para 0,1% 12 de fevereiro de 2014 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Janeiro de 2014 Taxa de variação homóloga do IPC diminuiu para 0,1% Em janeiro de 2014, a variação homóloga do IPC situou-se em 0,1%, taxa inferior

Leia mais

INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) NOS PAISES MEMBROS DA UEMOA BISSAU Dezembro 2010

INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) NOS PAISES MEMBROS DA UEMOA BISSAU Dezembro 2010 Republica da Guine-Bissau Instituto Nacional de Estatistica-INE Av. Amilcar Lopes Cabral, Porta N.37 A, CP 06 INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) NOS PAISES MEMBROS DA UEMOA BISSAU Dezembro

Leia mais

CURSO LIVRE DE ECONOMIA

CURSO LIVRE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia CURSO LIVRE DE ECONOMIA Necessidades e consumo Exercícios 1. Indique se as seguintes afirmações são verdadeiras ou falsas, justificando os casos

Leia mais

Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais

Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais Balança Alimentar Portuguesa 2003-2008 No período entre 2003 e 2008 acentuaram-se os desequilíbrios da dieta alimentar portuguesa. Excesso de

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

Relatório IPCA e INPC - IBGE

Relatório IPCA e INPC - IBGE O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE elabora sistematicamente índices de preços ao consumidor por meio do Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor SNIPC, com o objetivo de

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Dia Internacional da Erradicação da Pobreza

Dia Internacional da Erradicação da Pobreza Rendimento e Condições de Vida 2013 16 de outubro de 2014 Dia Internacional da Erradicação da Pobreza Por ocasião da comemoração do Dia Internacional da Erradicação da Pobreza (17 de outubro), o INE apresenta

Leia mais

Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado

Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado A Balança Alimentar Portuguesa revela que os portugueses apresentam uma dieta alimentar desequilibrada com uma alimentação

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

ICV-DEESE fica em 6,04%, em 2013

ICV-DEESE fica em 6,04%, em 2013 1 São Paulo, 8 de janeiro de 2014. ICV-DEESE fica em 6,04%, em 2013 NOTA À IMPRENSA Em 2013, o Índice do Custo de Vida ICV calculado pelo DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Agosto 2015

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Agosto 2015 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Agosto 2015 Rio de Janeiro, 10 de setembro de 2015 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Agosto 2015 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 3 500 3 336 3 000 valores em milhares de euros 2 500 2 000 1 500 1 000 1 367 1 279 727 500

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2003

SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2003 9 de Janeiro de 4 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 3 Em Junho de 3, 38,3% dos agregados domésticos portugueses

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº Anexo 1 Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº empresas C.A.E. Sector terciário 46 41200 Construção de edifícios (residenciais e não residenciais). 37 56301

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Observatório Pedagógico Desigualdade Económica em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos 18 de Outubro de 2012 2 Objectivos:

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Fevereiro 2005

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Fevereiro 2005 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Fevereiro 2005 Rio de Janeiro, 11 de março de 2005 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS FEVEREIRO DE 2005 ÍNDICE NACIONAL

Leia mais

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística 31 de Maio e 1 de Junho de 2007 Angra do Heroísmo ana.oliveira@ine.pt AGENDA 1. Enquadramento 2. Informação Geográfica

Leia mais

O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros

O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros O Sector do Transporte Rodoviário Colectivo de Passageiros Uma Abordagem Valpi Sumário 1. Envolvente 2. Oportunidades 3. Abordagem Valpi Envolvente Repartição dos Modos Transporte na AMP 1991 2001 7,1

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Setembro 2015

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Setembro 2015 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR Setembro 2015 Rio de Janeiro, 07 de outubro de 2015 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Setembro 2015 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

Transportes em Portugal

Transportes em Portugal Transportes em Portugal Transportes em Portugal 1 PROCURA CARGA MOVIMENTADA TRANSPORTE PROFISSIONAL RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS Segmentos de 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Mercado 10 3 ton % 10 3 ton % 10

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO População Portuguesa Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO INQUÉRITO...3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...3

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos Ano: 2010/2011 Disciplina: Educação Física Professora: Rita Marques Trabalho realizado por: Andreia Cipriano Catarina Silva Jéssica Pereira Mónica Algares Patrícia Martinho A roda dos alimentos Para se

Leia mais

Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81%

Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81% 02 de abril de 2013 Abastecimento Alimentar em Portugal Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81% Portugal apresenta um grau de autossuficiência 1 alimentar de 81%, expresso em valor,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA

Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 2 cada sujeito passivo entrega ao Estado a diferença entre o IVA que liquida nas vendas e prestações de serviços efectuadas

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Abril 2015

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Abril 2015 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC Abril 2015 Rio de Janeiro, 08 de maio de 2015 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Abril 2015 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 05 DEE NOVVEEMBBRRO DEE 2010 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 Metade dos agregados domésticos em Portugal

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 6 - outubro 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 1.

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

Programa 5 ao Dia. Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos.

Programa 5 ao Dia. Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos. Programa 5 ao Dia Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos. O que é o Programa 5 ao Dia? Enquadramento Conceito Objectivos e Destinatários Associação 5 ao Dia Desenvolvimento Enquadramento Mudança

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2008

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2008 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 12 Dezembro 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Resultados definitivos Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Temas em Análise População Família Parque Habitacional 1 População 2 População Residente À data do momento censitário

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES MEMBROS DA UEMOA BISSAU Março 2015

INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES MEMBROS DA UEMOA BISSAU Março 2015 Republica da Guiné-Bissau Ministério de Economia e Finanças Instituto Nacional de Estatística-INE Av. Amilcar Lopes Cabral, Porta N.37 A, CP 06 INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 06 de novembro de 2012 60% das pessoas dos 16 aos 74 anos utilizam Internet

Leia mais