SIMPÓSIO: LITERATURAS AFRICANAS DE EXPRESSÃO PORTUGUESA: SUJEITO E IDENTIDADE COORDENADORA SILVIA HELENA PINTO NIEDERAUER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMPÓSIO: LITERATURAS AFRICANAS DE EXPRESSÃO PORTUGUESA: SUJEITO E IDENTIDADE COORDENADORA SILVIA HELENA PINTO NIEDERAUER"

Transcrição

1 SIMPÓSIO: LITERATURAS AFRICANAS DE EXPRESSÃO PORTUGUESA: SUJEITO E IDENTIDADE COORDENADORA SILVIA HELENA PINTO NIEDERAUER Os sujeitos na contemporaneidade e na pós-modernidade apresentam-se fragmentados, descolados e inclusos em contextos marcados pela marginalização e segregação social, nos quais a busca pela identidade é uma forma de procurar um espaço que possa abrigá-los. Expõem fissuras de seus contextos, sejam elas sociais, econômicas e políticas, além de sinalizarem suas desilusões e visões negativas acerca do futuro não promissor que os aprisiona a um movimento cíclico de perpetuar a miserabilidade de seu presente. Essa liquidez da vida do sujeito é representada em diversas de literaturas de contextos distintos, com as africanas. As literaturas africanas de expressão portuguesa pós década de 50 do século XX são marcadas pela presença de personagens que procuram se constituírem como sujeitos de si e, por extensão, da sociedade e que oportunizam a reflexão acerca da vulnerabilidade e exclusão a que os sujeitos estão acometidos em seus respectivos contextos. Considerando esses pressupostos, objetiva-se neste simpósio discutir a representação dos sujeitos nas narrativas das literaturas africanas lusófonas a partir da perspectiva da sociologia da literatura sob a ótica das relações entre literatura e história.

2 A figuração feminina em O fio das missangas, de Mia Couto SILVIA HELENA PINTO NIEDERAUER Em O FIO DAS MISSANGAS (2009), de Mia Couto, percebe-se francamente a construção de pedaços de vida de mulheres apagadas, sofridas, vivendo à margem do sistema vigente. É por meio da narrativa que essas mulheres encontram o espaço que lhes é devido, em uma tentativa de resgate de sua autoestima. Na aparente simplicidade de uma situação, as vozes narrativas femininas tecem suas agruras com sensibilidade. É justamente aí que a dor e o sofrimento ganham forma de redenção deste universo feminino (quase) anulado.

3 Sujeitos marginalizados na narrativa de Mia Couto EMANOELI BALLIN PICOLLOTO A literatura africana de expressão portuguesa do século XX, depois de superada a fase colonial (marcada por uma visão folclorista e exótica), alcança seu auge devido a sua quantidade, intensidade e aceitação do público. Surgido na terceira geração de escritores moçambicanos deste século, Mia Couto, enfoca, nas suas narrativas (contos e romances), uma busca identitária, seguida de memórias e imaginações de personagens que trazem representações da cultura popular e da história africana, assinalando também representações da marginalização em que o país vive. Considerando a produção de Mia Couto, este trabalho tem como corpus de análise os romances Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra e O último voo do flamingo. A pesquisa realizada nas obras, a partir do método da literatura comparada e do viés da sociologia da literatura, tem por objetivo mostrar como os textos literários apresentam sujeitos que representam segmentos sociais marginalizados no contexto da história recente de Moçambique. Os resultados mostram que os livros do escritor moçambicano, a partir de narrativas que relembram fatos do passado dos protagonistas, representam também a história recente do país, valendo-se para tanto de uma estrutura narrativa não linear e da prosa poética que permitem reconhecer os sujeitos moçambicanos e sua identidade na sua marginalidade bem como (re)pensar a própria nação no contexto pós-colonial.

4 Novas identidades para velhas personagens: a representação de sujeitos coutianos sob uma nova configuração espacial VANESSA FRITZEN O presente estudo procura investigar de que forma a literatura moçambicana contemporânea, cada vez mais alicerçada por modelos nacionais, representa a busca pela identidade dos sujeitos contemporâneos, tendo como corpus para análise o romance O último voo do flamingo (2000), de Mia Couto. A narrativa trata do período pós-guerra de Independência, quando a ONU ocupa a fictícia vila de Tizangara a fim de evitar os conflitos civis constantes. Os sujeitos da trama, após vivenciarem o turbulento período colonial para, logo em seguida, passarem a fazer parte do tão almejado período da conquista pela Independência, se veem inseridos num contexto de marginalização, segregação social e exclusão. A narração d O último voo do flamingo, construída a partir de um entrecruzamento de vozes, se mostra envolta por elementos que deixam transparecer a vida sofrida de um povo que teve seu território, em partes, transformado, em virtude de tantos conflitos, mas que busca resgatar as suas origens e tradições. A partir da leitura do romance, podem ser observados aspectos como o tom crítico, mas, ao mesmo tempo, utópico, bem como a fusão de elementos da modernidade com elementos das culturas fundadoras. Assim, para embasar a pesquisa, tomam-se por base, referenciais teóricos acerca de Teoria Literária, de Literatura Moçambicana, de pressupostos da História, e de conceitos de Memória.

5 Niketche: - uma história de poligamia, de Paulina Chiziane: a identidade feminina igualdade e diferença GABRIELA COLETTO Busca-se nesse trabalho o processo de construção de identidade feminina na obra Niketche: uma história de poligamia, de Paulina Chiziane: a identidade feminina - igualdade e diferença, nas malhas narrativas do texto literário. Por meio de pesquisa bibliográfica, de abordagem dialética, foi analisado o processo de construção das personagens femininas no texto ficcional e o enfraquecimento dos homens e da sociedade machista de Moçambique. Tal história parece ser uma analogia à colonização/imposição portuguesa frente à sociedade moçambicana e a tentativa dos sujeitos femininos de alcançarem a liberdade, também, da nação. Palavras-chave: Identidade feminina. História e ficção. Moçambique

6 Precisamos nós, sujeitos pós-modernos, aprender a rezar na era da técnica? LARA DA ROCHA CALLEGARI Procura-se nesse trabalho elucidar as características da contemporaneidade, bem como as facetas de um sujeito pós-moderno, psicotizado e fragmentado; através da literatura que como espelho prismático reflete as práticas sociais desse sujeito esquizofrênico e perpassa pelas transformações que o sujeito sofreu na transição entre modernidade/pós-modernidade. Através de uma pesquisa de cunho bibliográfico, foi analisada influência que o imediatismo e o capitalismo, bem como sua força motora, o consumismo, interferem nas relações socioculturais do homem pós-moderno no livro Aprender a Rezar na era da técnica de Gonçalo Tavares. A história é um simulacro da luta do sujeito pós-moderno com resquícios de modernidade, da luta entre o anseio pelo domínio da máquina e o descontrole da vida. O texto representa a transformação do sujeito em objeto, que como tal é ausente de sentimentos e não possui ligação emotiva com o outro. Palavras-chave: Sujeito pós-moderna. Pós-modernidade. Literatura pósmoderna. Contemporaneidade.

ENCONTROS COM ÁFRICA. FERNANDO MOREIRA ORQUÍDEA RIBEIRO (Org.) MOÇAMBIQUE COLEÇÃO CULTURA 4

ENCONTROS COM ÁFRICA. FERNANDO MOREIRA ORQUÍDEA RIBEIRO (Org.) MOÇAMBIQUE COLEÇÃO CULTURA 4 COLEÇÃO CULTURA 4 CENTRO DE ESTUDOS EM LETRAS UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO FERNANDO MOREIRA ORQUÍDEA RIBEIRO (Org.) ENCONTROS COM ÁFRICA MOÇAMBIQUE VILA REAL - MMXI Encontros com África

Leia mais

RESULTADO FINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS

RESULTADO FINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS DO CAMPUS II/ALAGOINHAS MESTRADO SELEÇÃO PARA ALUNO REGULAR 2013 RESULTADO FINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS Linha 1: Margens da Literatura XAVIER, Leila Pinheiro Por uma Política de Formação de Escritores

Leia mais

CRONOGRAMA DOS SIMPÓSIOS

CRONOGRAMA DOS SIMPÓSIOS 26/09/2013, 5ª-feira, sala 1801 16h às 17h30min SIMPÓSIO: CONSTRUÇÃO DE NOVAS PRÁTICAS DE LETRAMENTO E FORMAÇÃO DO PROFESSOR COMO AGENTE DE LETRAMENTO COORDENADORAS: MARA SOPHIA ZANOTTO (PUC-SP); MARIA

Leia mais

FRONTEIRAS POLÍTICAS: A CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE POLÍTICA NA AMÉRICA DO SUL

FRONTEIRAS POLÍTICAS: A CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE POLÍTICA NA AMÉRICA DO SUL FRONTEIRAS POLÍTICAS: A CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE POLÍTICA NA AMÉRICA DO SUL Jacqueline Cristina da Silva 1 RESUMO: As mudanças políticas observadas no mundo hoje remetem a questionamentos sobre o acesso

Leia mais

VIDAS PRECÁRIAS E O SAGRADO: OPOSTOS EM MARCELINO FREIRE E ADÉLIA PRADO

VIDAS PRECÁRIAS E O SAGRADO: OPOSTOS EM MARCELINO FREIRE E ADÉLIA PRADO VIDAS PRECÁRIAS E O SAGRADO: OPOSTOS EM MARCELINO FREIRE E ADÉLIA PRADO Kayanna Pinter (PIBIC/UNIOESTE), Machado e Silva, Regina Coeli (Orientadora), e-mail: coeli.machado@yahoo.com.br. Universidade Estadual

Leia mais

EVENTO MULHERES E GUERRAS 2017 PROGRAMAÇÃO

EVENTO MULHERES E GUERRAS 2017 PROGRAMAÇÃO EVENTO MULHERES E GUERRAS 2017 PROGRAMAÇÃO DATA HORÁRIO ATIVIDADE TEMA MODALIDADE PARTICIPANTES NOME COMUNICAÇÃO 1/6 09:00h 09:30h Sessão de abertura Juliana Alves de Assis (PUC Minas) Graciela Ravetti

Leia mais

Pensatempos, de Mia Couto: na outra margem da ficção, o papel do escritor diante da realidade

Pensatempos, de Mia Couto: na outra margem da ficção, o papel do escritor diante da realidade Pensatempos, de Mia Couto: na outra margem da ficção, o papel do escritor diante da realidade M SUSANNA RAMOS VENTURA Universidade de São Paulo ia Couto parece vivenciar situação similar à de muitos outros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA

Leia mais

Representações sociais de Portugal e dos portugueses nos livros didáticos da disciplina de História no ensino fundamental brasileiro

Representações sociais de Portugal e dos portugueses nos livros didáticos da disciplina de História no ensino fundamental brasileiro Representações sociais de Portugal e dos portugueses nos livros didáticos da disciplina de História no ensino fundamental brasileiro João José Saraiva da Fonseca Objetivo Analisar as representações sociais

Leia mais

A Arqueologia brasileira e o seu papel social

A Arqueologia brasileira e o seu papel social Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 A Arqueologia brasileira e o seu papel social

Leia mais

* Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa,

* Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa, * Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa, fatima.mariano@gmail. O que é feminismo? Gomes, P.; Diniz, D.; Santos, M. H.; & Diogo, R. (2015).

Leia mais

RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA

RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA RECONHECENDO O PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL DE AURORA Autor: Mércia Oliveira Pereira; Co-autor: Francisco de Assis Severo Lima E.E.E.P. Leopoldina Gonçalves Quezado; E-mail: mercia_oli@hotmail.com RESUMO:

Leia mais

Literatura Brasileira Código HL ª: 10h30-12h30

Literatura Brasileira Código HL ª: 10h30-12h30 Código HL 012 Nome da disciplina VI Turma A 3ª: 07h30-09h30 6ª: 10h30-12h30 Pedro Dolabela Programa resumido Falaremos do romance no Brasil entre 1964 e 1980 sob uma série de perspectivas simultâneas:

Leia mais

SESSÃO 5 LITERATURA E IDENTIDADE

SESSÃO 5 LITERATURA E IDENTIDADE SESSÃO 5 LITERATURA E IDENTIDADE ESQUECER, RECORDAR: A LITERATUA E A FORMAÇÃO IDENTITÁRIA NACIONAL Davi Santana de Lara 1 A presente comunicação se propõe fazer uma reflexão sobre o papel da memória no

Leia mais

Relações Étnico-Raciais no Brasil. Professor Guilherme Paiva

Relações Étnico-Raciais no Brasil. Professor Guilherme Paiva Relações Étnico-Raciais no Brasil Professor Guilherme Paiva Unidade 1: Entender as relações étnico-raciais no Brasil através das legislações atuais Questões iniciais: a invisibilidade do negro e do índio

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Capoeira - menino Pé no Chão

Mostra de Projetos 2011. Capoeira - menino Pé no Chão Mostra Local de: Dois Vizinhos Mostra de Projetos 2011 Capoeira - menino Pé no Chão Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação Casa

Leia mais

Lado a Lado: a construção do consumo e da cidadania identidades e representações. Marcia Perencin Tondato PPGCom ESPM SP

Lado a Lado: a construção do consumo e da cidadania identidades e representações. Marcia Perencin Tondato PPGCom ESPM SP Lado a Lado: a construção do consumo e da cidadania identidades e representações Marcia Perencin Tondato PPGCom ESPM SP 1 Qual CONSUMO? Qual CIDADANIA? Mídia, consumo, cidadania conjunto integrado de mediações,

Leia mais

Sociologia. Larissa Rocha 14 e Sociologia no Brasil

Sociologia. Larissa Rocha 14 e Sociologia no Brasil Sociologia no Brasil Sociologia no Brasil 1. A população negra teve que enfrentar sozinha o desafio da ascensão social, e frequentemente procurou fazê-lo por rotas originais, como o esporte, a música e

Leia mais

NA PÁGINA 3 DO EDITAL ONDE SE LÊ: DO NÚMERO DE VAGAS

NA PÁGINA 3 DO EDITAL ONDE SE LÊ: DO NÚMERO DE VAGAS Errata 01 que insere vagas no Doutorado para a professora Maria de Fátima do Nascimento e altera as condições das vagas da professora Tânia Maria Pereira Sarmento Pantoja NA PÁGINA 3 DO EDITAL ONDE SE

Leia mais

HISTÓRIA E RACISMO O BRASIL UMA AFIRMAÇÃO PARA IDENTIDADE

HISTÓRIA E RACISMO O BRASIL UMA AFIRMAÇÃO PARA IDENTIDADE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 HISTÓRIA E RACISMO O BRASIL UMA AFIRMAÇÃO

Leia mais

HISTÓRIAS PRA BOI DORMIR: A NATUREZA NA CONFIGURAÇÃO DO SUJEITO DAS HISTÓRIAS DE TRANCOSO

HISTÓRIAS PRA BOI DORMIR: A NATUREZA NA CONFIGURAÇÃO DO SUJEITO DAS HISTÓRIAS DE TRANCOSO Categoria Simpósio Temático 05 - Educação Ambiental e História Ambiental HISTÓRIAS PRA BOI DORMIR: A NATUREZA NA CONFIGURAÇÃO DO SUJEITO DAS HISTÓRIAS DE TRANCOSO Maria Francisca Mota (UniEVANGÉLICA) ;

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA BRASIL ÁFRICA CENTRO DE ESTUDOS DE LITERATURAS E CULTURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA CELP Curso de atualização:

Leia mais

1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea. 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais

1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea. 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais Índice 1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais 3. Prova Teórica de Avaliação de Língua Portuguesa 4. Prova Teórica de Avaliação

Leia mais

Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental. Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck

Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental. Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck Situação socioeconômica das décadas 60 e 70 no mundo Divisão de blocos econômicos ( países desenvolvidos x não

Leia mais

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL

RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL RELAÇÕES RACIAIS NA PERSPECITIVA CURRICULAR E EDUCACIONAL "Que a água seja refrescante. Que o caminho seja suave. Que a casa seja hospitaleira. Que o Mensageiro conduza em paz nossa Palavra." Benção Yoruba

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do ROMANTISMO O ROMANTISMO O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do século XVIII. Perdura até meados do século XIX. Opunhase ao classicismo, ao racionalismo e Iluminismo.

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

A poética das paisagens ambulantes

A poética das paisagens ambulantes A poética das paisagens ambulantes Luís Marques Martinelli Artista Plástico RESUMO: A partir daquilo que não mais interessa, produção feita com objetos coletados, exploro paisagens ambulantes em que formas,

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a resolução CONSEPE 18/2014 e demais disposições contrárias.

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a resolução CONSEPE 18/2014 e demais disposições contrárias. RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2015 ALTERA LINHAS DE PESQUISA E RESPECTIVAS MATRIZES CURRICULARES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. O Presidente do Conselho

Leia mais

Prefácio: O Leão e a Joia, de Wole Soyinka

Prefácio: O Leão e a Joia, de Wole Soyinka Prefácio: O Leão e a Joia, de Wole Soyinka A 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, que aconteceu em Brasília, entre 14 e 23 de abril, foi marcada pelo lançamento da obra O Leão e a Joia, do poeta, escritor

Leia mais

Os livros de Pepetela

Os livros de Pepetela Os livros de Pepetela Diana Santos ILOS, círculo de leitura lusófona d.s.m.santos@ilos.uio.no 15 de setembro de 2016 Os livros de Pepetela para mim um dom de contar/recriar ambientes magnífico, que nos

Leia mais

Tipologia textual. Prof Carlos Zambeli

Tipologia textual. Prof Carlos Zambeli Tipologia textual Prof Carlos Zambeli Que que é isso? é a forma como um texto se apresenta. As tipologias existentes são: narração, descrição, dissertação, exposição, argumentação, informação e injunção.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Informação aos Pais / Encarregados de Educação Programação do 5º ano Turma 1 1. Aulas previstas (Tempos letivos) 2. Conteúdos a leccionar

Leia mais

Moçambique: das palavras escritas

Moçambique: das palavras escritas Moçambique: das palavras escritas O Sueli Saraiva (Universidade de São Paulo) s professores e estudantes brasileiros conhecem ou pelo menos já ouviram falar do projeto editorial de livros de bolso chamado

Leia mais

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Orientações: - A lista deverá ser respondida na própria folha impressa ou em folha de papel

Leia mais

Constituição, Paz e Democracia

Constituição, Paz e Democracia Constituição, Paz e Democracia Prof. Doutor Jorge Bacelar Gouveia Professor Catedrático e Presidente do Instituto do Direito de Língua Portuguesa (idilp.net) Beira, 23 de Março de 2017 (jorgebacelargouveia@live.com)

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade.

A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade. 1- INTRODUÇÃO A NAÇÃO é uma entidade geopolítica, isto é, um espaço geográfico aonde os homens criam um sentido de identidade. A existência da NAÇÃO moderna pressupõe três conceitos básicos: - FRONTEIRAS

Leia mais

I APRESENTAÇÃO II INSCRIÇÃO

I APRESENTAÇÃO II INSCRIÇÃO O PRÊMIO FLINK DE LITERATURA, promovido pela FLINKSAMPA, evento realizado pela AFROBRAS e FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES, tem como propósito revelar novos talentos e promover a literatura produzida por jovens

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA

COLÉGIO SANTA TERESINHA EU CONFIO COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 3ª ETAPA 2016 PROFESSOR (A): Juliana Silva Cordeiro TURMA: 4º

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DA ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA História e Geografia de Portugal Informação aos Pais / Encarregados de Educação, turma 3 Programação do 5º ano 1. Aulas previstas (tempos letivos) 5º1 5º2 1º período

Leia mais

Para uma nova cultura política dos direitos humanos

Para uma nova cultura política dos direitos humanos Resenha Para uma nova cultura política dos direitos humanos Ludmila Cerqueira Correia 1 Resenha: ESCRIVÃO FILHO, Antonio Escrivão Filho; SOUSA JUNIOR, José Geraldo de. Para um debate teórico-conceitual

Leia mais

SIMPÓSIO: CULTURA BRASILEIRA, LITERATURA E VIOLÊNCIA: A FICÇÃO BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA COORDENADORA LUANA TEIXEIRA PORTO (URI FW)

SIMPÓSIO: CULTURA BRASILEIRA, LITERATURA E VIOLÊNCIA: A FICÇÃO BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA COORDENADORA LUANA TEIXEIRA PORTO (URI FW) SIMPÓSIO: CULTURA BRASILEIRA, LITERATURA E VIOLÊNCIA: A FICÇÃO BRASILEIRA COORDENADORA LUANA TEIXEIRA PORTO (URI FW) Tânia Pellegrini (2005), ao refletir sobre as vozes da violência na cultura brasileira,

Leia mais

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo PROF. ALEMAR S. A. RENA www.fluxos.org SUJEITOS FICCIONAIS ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO CONCEITO INSEPARÁVEIS SUJEITO DA ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO EX. Maria escreveu um

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter subjetivo e é bastante marcada por referências literárias e históricas.

A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter subjetivo e é bastante marcada por referências literárias e históricas. Prece geral, de Daniel Blaufuks RECURSOS PEDAGÓGICOS O artista Daniel Blaufuks é um artista português, nascido em Lisboa em 1963. A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter

Leia mais

Marx e as Relações de Trabalho

Marx e as Relações de Trabalho Marx e as Relações de Trabalho Marx e as Relações de Trabalho 1. Segundo Braverman: O mais antigo princípio inovador do modo capitalista de produção foi a divisão manufatureira do trabalho [...] A divisão

Leia mais

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas A Teoria Crítica e as Teorias Críticas As Teorias Críticas Clássicas apresentam uma contestação aos métodos utilizados pelas pesquisas administrativas Têm o marxismo como base filosófica e ideológica Teoria

Leia mais

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 2º Período.

Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas. Grupo de Recrutamento: 400. Planificação Trimestral de História A. 2º Período. Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento: 400 Coordenadora: Rosa Santos Subcoordenador: Armando Castro Planificação Trimestral de História A 2º Período 11º Ano Professor:

Leia mais

2.ª DCS/2011 HISTÓRIA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

2.ª DCS/2011 HISTÓRIA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. assinatura do(a) candidato(a) ADMISSÃO PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR.ª DCS/0 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. Prova Dissertativa Ao receber este caderno, confira atentamente se os dados

Leia mais

Análise de discursos textuais: questões

Análise de discursos textuais: questões Análise de discursos textuais: questões Com base no texto a seguir, responda às questões (1) e (2): Os Poemas Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês. Quando fechas

Leia mais

Margarida Calafate Ribeiro

Margarida Calafate Ribeiro 334 Laura Cavalcante Padilha - Novos Pactos. Outras ficções: Ensaios sobre literaturas afro-luso-brasileiras Porto Alegre - EDIPUCRS, 2002; Coimbra - Imbondeiro, 2003 * Em Novos Pactos. Outras ficções:

Leia mais

latim persona máscara

latim persona máscara A PERSONAGEM latim persona máscara É um simulacro; personagem X pessoa; Verdade X verossimilhança; ela precisa ser verossímil. PERSONAGEM SÓ APARECE NO TEXTO LITERÁRIO???? Figura humana representada em

Leia mais

CERTIFICADO. Prof. Dr. João Claudio Arendt Coordenador do Evento

CERTIFICADO. Prof. Dr. João Claudio Arendt Coordenador do Evento Certifico que BRUNO MISTURINI apresentou a comunicação intitulada Sertão e região: a representação de regionalidade em O sertanejo, de José de Alencar, na 27ª Semana de Letras Shakespeare e Cervantes 400

Leia mais

Identificar comemorações cívicas e religiosas por meio de imagens e textos variados.

Identificar comemorações cívicas e religiosas por meio de imagens e textos variados. D1(H) Identificar comemorações cívicas e religiosas por meio de imagens e textos variados. D2(H) Reconhecer os conceitos de memória, história e patrimônio por meio da análise de textos e imagens. D3(H)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECITECE FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA Comissão do Concurso

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECITECE FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA Comissão do Concurso Departamento: CIÊNCIAS SOCIAIS Setor de Estudo: ANTROPOLOGIA 1. Historia e teoria antropológica. 2. Trabalho de campo: o método etnográfico. 3. Abordagens contemporâneas em etnografia. 4. Família, parentesco

Leia mais

LIVRO PARADIDÁTICO: MANIA DE EXPLICAÇÃO

LIVRO PARADIDÁTICO: MANIA DE EXPLICAÇÃO LIVRO PARADIDÁTICO: MANIA DE EXPLICAÇÃO (FALCÃO, Adriana. Mania de Explicação. São Paulo: Salamandra, 2013.) O livro utiliza a inocência e imaginação de uma menina muito esperta que adora inventar e imaginar

Leia mais

Esse tal de Bhaskara. Série Matemática na Escola

Esse tal de Bhaskara. Série Matemática na Escola Esse tal de Bhaskara Série Matemática na Escola Objetivos 1. Proporcionar um passeio histórico sobre os processos de resolução de equações quadráticas. Esse tal de Bhaskara 1/7 Esse tal de Bhaskara Série

Leia mais

Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro UNIDADE 3

Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro UNIDADE 3 Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro O racismo no Brasil:

Leia mais

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder!

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder! Estado moderno! Europa e Estados Unidos! Centralização crescente e politização do poder! Na estrutura feudal da Idade Média, o poder ainda era uma relação de direito privado no sentido de dependência pessoal

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33)

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) PROFESSOR: Emiliano Glaydson de Oliveira TURMA: 9º Ano DISCIPLINA: História 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Unidade 2 Intervencionismo e autoritarismo no mundo em crise Cap. 4 O mundo no contexto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD - Coordenação de Processos Seletivos COPESE www.ufvjm.edu.br - copese@ufvjm.edu.br UNIVERSIDADE

Leia mais

PLANO DE AULA 06. Flávio Antônio de Souza França Mestrando do Programa do Mestrado Profissional do Ensino de História da UNIRIO

PLANO DE AULA 06. Flávio Antônio de Souza França Mestrando do Programa do Mestrado Profissional do Ensino de História da UNIRIO PLANO DE AULA 06 Flávio Antônio de Souza França Mestrando do Programa do Mestrado Profissional do Ensino de História da UNIRIO Tema: Os sentidos de quilombo ao longo de nossa História Objetivo Geral: Discutir

Leia mais

ICE Introdução ao Antigo Testamento GÊNEROS LITERÁRIOS

ICE Introdução ao Antigo Testamento GÊNEROS LITERÁRIOS 1. Forma e conteúdo Todo texto tem forma e conteúdo. O conteúdo é a informação transmitida. A forma é a maneira como a informação é transmitida. Juntos, compõem o sentido do texto. 2. Formas fixas No dia-a-dia

Leia mais

MULHERES NO PARLAMENTO NO BRASIL E NO MUNDO

MULHERES NO PARLAMENTO NO BRASIL E NO MUNDO MULHERES NO PARLAMENTO NO BRASIL E NO MUNDO José Eustáquio Diniz Alves 1 INTRODUÇÃO Desde tempos imemoráveis a política tem sido uma atividade monopolizada pelos homens. Na maior parte da história da humanidade

Leia mais

Formação de grupos sociais diálogos entre Sociologia e Psicanálise

Formação de grupos sociais diálogos entre Sociologia e Psicanálise Formação de grupos sociais diálogos entre Sociologia e Psicanálise Tópicos Especiais em Planejamento e Gestão do Território Prof. Arilson Favareto Aula 1 21/Setembro/2015 Introdução à temática, antecedentes

Leia mais

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo Projeto Literatura Viva Tema: Nacionalismo 2017 Justificativa Expressar-se oralmente é algo que requer confiança em si mesmo. Isso se conquista em ambientes favoráveis à manifestação do que se pensa, do

Leia mais

CÓDIGO DISCIPLINAS (4 CRÉDITOS) EMENTAS

CÓDIGO DISCIPLINAS (4 CRÉDITOS) EMENTAS Universidade de Brasília Instituto de Letras Departamento de Teoria Literária e Literaturas Programa de Pós-Graduação em Literatura Quadro de Disciplinas e Ementas CÓDIGO DISCIPLINAS (4 CRÉDITOS) EMENTAS

Leia mais

O CAMINHO DA FICÇÃO BRASILEIRA

O CAMINHO DA FICÇÃO BRASILEIRA O CAMINHO DA FICÇÃO BRASILEIRA Gracielle Custódio APOLINÁRIO 1 Wagner LACERDA 2 O livro Ficção brasileira contemporânea (2009), escrito por Karl Erik Schollhammer, aborda a produção da ficção no Brasil

Leia mais

Planificação Anual de História Ano letivo de 2012/2013. Unidade Didáctica/Conteúdos Competências/Objectivos a desenvolver Actividades

Planificação Anual de História Ano letivo de 2012/2013. Unidade Didáctica/Conteúdos Competências/Objectivos a desenvolver Actividades Planificação Anual de História Ano letivo de 2012/2013 9º Ano Unidade Didáctica/Conteúdos Competências/Objectivos a desenvolver Actividades A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO Capacidade de seleccionar informação

Leia mais

Instituto Brincante Programa Desafios IMPAES 2009 Projeto A Arte do Brincante para Educadores NOTÍCIAS MENSAIS Junho 2009

Instituto Brincante Programa Desafios IMPAES 2009 Projeto A Arte do Brincante para Educadores NOTÍCIAS MENSAIS Junho 2009 Instituto Brincante Programa Desafios IMPAES 2009 Projeto A Arte do Brincante para Educadores NOTÍCIAS MENSAIS Junho 2009 Módulo Figuras e adereços dos folguedos populares Facilitadora Maria Cristina Meirelles

Leia mais

Desigualdades étnico/raciais e de gênero no romance brasileiro contemporâneo

Desigualdades étnico/raciais e de gênero no romance brasileiro contemporâneo Desigualdades étnico/raciais e de gênero no romance brasileiro contemporâneo Daniela Alves de Morais 1 Nara Andejara Gomes do Vale 2 Vanessa Pereira Cajá Alves 3 RESUMO: O presente trabalho procura mostrar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Sociologia Série: 2º Eixo Tecnológico:

Leia mais

II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN:

II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 2178-3683 www.assis.unesp.br/coloquioletras coloquiletras@yahoo.com.br UM ESTUDO SOBRE A REPRESENTAÇÃO DE MÃE SUSANA NO LIVRO ÚRSULA,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 89-CEPE/UNICENTRO, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Letras, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Teorias da Globalização

Teorias da Globalização Teorias da Globalização O processo histórico do capitalismo: Primeiro momento surgimento e formação do capitalismo na Europa, instauração do trabalho livre, mercantilização do sistema produtivo e organização

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA CÓDIGO: CHF217 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60H EMENTA:

Leia mais

Machado, Alvaro Manuel; Pageaux, Daniel-Henri. Da Literatura Comparada à Teoria da Literatura. 2ed. rev. aum. Lisboa: Presença, 2001.

Machado, Alvaro Manuel; Pageaux, Daniel-Henri. Da Literatura Comparada à Teoria da Literatura. 2ed. rev. aum. Lisboa: Presença, 2001. Machado, Alvaro Manuel; Pageaux, Daniel-Henri. Da Literatura Comparada à Teoria da Literatura. 2ed. rev. aum. Lisboa: Presença, 2001. Eis que é entregue ao público a segunda edição de Da Literatura Comparada

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL IMPERIALISMO

SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL IMPERIALISMO SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL & IMPERIALISMO Observe as imagens e reflita! Definição O que podemos definir como práticas imperialistas? Quem as praticava? Onde as praticava? Quais os objetivos a serem alcançados

Leia mais

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura Laura Garbini Both Mestre em Antropologia Social UFPR Profa. da UNIBRASIL laura.both@unibrasil.com.br No nosso dia-a-dia

Leia mais

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS Autorizado pela Resolução CEPE n.º 041, de 27.03.07. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação

Leia mais

VI CBCSHS/ABRASCO Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2013

VI CBCSHS/ABRASCO Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2013 VI CBCSHS/ABRASCO Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2013 1. Pontos de partida Proposta: refletir sobre os vínculos entre sofrimento e política como modo de constituir a vida em sociedade - seleção do sofrimento,

Leia mais

Palavras-chave: historiografia, crise da história, história contemporânea Keywords: historiography, crisis in history, contemporary history

Palavras-chave: historiografia, crise da história, história contemporânea Keywords: historiography, crisis in history, contemporary history Resenha do livro - A história ou a leitura do tempo de Roger Chartier. Tradução de Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. Rodrigo Gomes de Araújo 1. Palavras-chave: historiografia,

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

MÍDIA KIT Cachos e Fatos

MÍDIA KIT Cachos e Fatos MÍDIA KIT Cachos e Fatos Criado em 2012, o site Cachos e Fatos é um blog de comportamento e beleza com enfoque no empoderamento feminino através da redescoberta do cabelo natural. Sua abordagem vai além

Leia mais

Narrativa e informação

Narrativa e informação Narrativa e informação emissor = formulador da sintaxe da mensagem receptor = intérprete da semântica A recepção qualifica a comunicação. É por isso que o receptor tem papel fundamental no processo de

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD

EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD EMENTÁRIO HISTÓRIA LICENCIATURA EAD CANOAS, JULHO DE 2015 DISCIPLINA PRÉ-HISTÓRIA Código: 103500 EMENTA: Estudo da trajetória e do comportamento do Homem desde a sua origem até o surgimento do Estado.

Leia mais

M O S T R A D E D A N Ç A

M O S T R A D E D A N Ç A Projeto de Extensão TERRITÓRIO, IDENTIDADE, ARTES E NARRATIVAS O s S e r t õ e s : Diálogos Possíveis Entre O Corpo e A Terra M O S T R A D E D A N Ç A Direção: Nivea Cerqueira S I N O P S E S A P R ESENTAÇÃO

Leia mais

O Multiculturalismo na Educação Patrimonial: conceitos e métodos

O Multiculturalismo na Educação Patrimonial: conceitos e métodos O Multiculturalismo na Educação Patrimonial: conceitos e métodos Profa. Raquel Mello Salimeno de Sá Museu do Índio Instituto de História- UFU Comunicação Relato de Experiência Atualmente, exige-se dos

Leia mais

LITERATURA: A MODERNIDADE, OS MODERNISMOS, O CONTEMPORÂNEO Linha de Pesquisa: Literatura, História e Sociedade

LITERATURA: A MODERNIDADE, OS MODERNISMOS, O CONTEMPORÂNEO Linha de Pesquisa: Literatura, História e Sociedade UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PPGLit / CECH / PROPG 1º. Semestre de 2016 Prof. Dr. Jorge Vicente Valentim 4as feiras, das 14 às 18h. LITERATURA: A MODERNIDADE, OS MODERNISMOS, O CONTEMPORÂNEO Linha

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

1º AULÃO ENEM Sociologia 1) SAS. 2 ENEM

1º AULÃO ENEM Sociologia 1) SAS.  2 ENEM 1º AULÃO 2016 1) SAS 2 1º AULÃO 2016 Na tirinha, Mafalda, após ler o conceito de democracia, não consegue mais parar de rir. Dentre várias interpretações sociológicas sobre as razões do riso contínuo da

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

A LITERATURA GUINEENSE NA VISÃO DE SEUS ESCRITORES: TRAJETOS DE UMA PESQUISA

A LITERATURA GUINEENSE NA VISÃO DE SEUS ESCRITORES: TRAJETOS DE UMA PESQUISA IV Encontro Internacional de Literaturas, Histórias e Culturas Afro-brasileiras e Africanas Universidade Estadual do Piauí UESPI ISBN: 978-85-8320-162-5 A LITERATURA GUINEENSE NA VISÃO DE SEUS ESCRITORES:

Leia mais

PROPOSTAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO PARA 2ª FASE

PROPOSTAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO PARA 2ª FASE CURSO DE PRODUÇÃO DE 2012 Profa. Vivian Müller PROPOSTAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO PARA 2ª FASE BLOCO 6 A sociedade e a cultura brasileiras são conformadas como variantes da versão lusitana da tradição civilizatória

Leia mais

Um dos principais objetivos com o desenvolvimento do programa de

Um dos principais objetivos com o desenvolvimento do programa de 6 Avaliação da Qualidade de Vida dos Participantes do Grupo de Alimentação Saudável da FUNCAMP Ricardo Martineli Massola Especialista em Gestão da Qualidade de Vida nas Empresas Roberto Vilarta Prof. Titular

Leia mais