BEBIDAS À BASE DE SOJA: CONTEMPLAM AS NECESSIDADES NUTRICIONAIS DAS CRIANÇAS?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BEBIDAS À BASE DE SOJA: CONTEMPLAM AS NECESSIDADES NUTRICIONAIS DAS CRIANÇAS?"

Transcrição

1 BEBIDAS À BASE DE SOJA: CONTEMPLAM AS NECESSIDADES NUTRICIONAIS DAS CRIANÇAS? Giuliane Vido Maurenza Nutricionista Especializanda da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina/UNIFESP SOJA A soja é uma leguminosa muito consumida no Oriente, cultivada desde meados do primeiro milênio. Tornou-se um gênero agrícola de grande importância, uma vez que serve de matéria prima para a fabricação de produtos característicos da dieta desses países. No Brasil, o grão chegou em 1908 com os primeiros imigrantes japoneses, mas foi introduzido oficialmente em 1914 no Rio Grande do Sul, e sua expansão ocorreu a partir dos anos A utilização de alimentos derivados da soja tem aumentado também em diversas regiões do Ocidente, onde o consumo do grão de soja é ainda incipiente. ALEGAÇÃO FUNCIONAL ISOFLAVONAS As isoflavonas são as formas mais comuns de fitoestrógenos. São encontradas predominantemente nas leguminosas, principalmente na soja. Segundo a literatura existente, possuem estrutura química semelhante a dos estrógenos e podem representar um auxílio na prevenção e/ou tratamento de doenças hormônio-dependentes, tais como os sintomas da menopausa, doenças cardiovasculares e osteoporose. Em 1999, o FDA (Food and Drug Administration) aprovou uma alegação funcional para produtos de soja, devido aos efeitos hipocolesterolêmicos associados à sua proteína.

2 No Brasil, em 2002, a ANVISA aprovou a alegação: O consumo diário de no mínimo 25g de proteína de soja pode ajudar a reduzir o nível do colesterol sérico. Seu consumo deve estar associado a uma dieta equilibrada e hábitos de vida saudáveis. A partir de então, empresas passaram a desenvolver diversos produtos com o objetivo de fornecer alimentos com propriedades funcionais. Os derivados protéicos de soja (farinhas, texturizados, concentrados e isolados) têm sido utilizados para esses fins, constituindo-se como ingredientes de produtos cárneos, panificação, bebidas, sopas e outros alimentos devido às propriedades físico-químicas da proteína de soja, que conferem textura e gelificação aos alimentos. BEBIDAS À BASE DE SOJA O consumo de bebidas à base de soja cresceu gradualmente nos últimos anos, indo de 51 milhões de litros em 2002 para 175 milhões em No setor de alimentos à base de soja, tanto no Brasil como nos Estados Unidos e na Europa, é a linha de bebidas que mais cresce: cerca de 30% ao ano no Brasil e 25% ao ano nos Estados Unidos. São elaboradas a partir do extrato hidrossolúvel de soja (EHS) ou da proteína isolada de soja (PIS); adicionadas de sucos de frutas, são parte da nova geração de produtos de soja, aliando-se ao rápido crescimento do mercado consumidor. Antigamente seu consumo no Ocidente era restrito principalmente a pessoas com intolerância à lactose, vegetarianos e indivíduos com restrições alimentares, tornando-se atualmente consumida pela população em geral. PROTEÍNA ISOLADA DE SOJA (PIS) A proteína isolada da soja é obtida a partir da farinha desengordurada de soja, quando então a proteína é solubilizada em água, separada da fração insolúvel (fibra) e precipitada da solução, separada dos açúcares e seca. Seu uso para alimentação iniciou-se apenas a partir da década de 1950.

3 É a forma mais concentrada de proteína de soja disponível comercialmente, contendo aproximadamente 90% deste macronutriente, 0,5% lipídeos, 0,3% de carboidratos e 4,5% de cinzas. Devido suas características funcionais, a soja é bastante utilizada em suplementos alimentares (misturas em pó), bebidas prontas para consumo, panificação e como agentes de consistência para produtos cárneos. EXTRATO HIDROSSOLÚVEL DE SOJA (EHS) O EHS é o produto obtido a partir da emulsão aquosa resultante da hidratação dos grãos de soja, convenientemente limpos, seguidos de processamento tecnológico adequado, adicionado ou não de ingredientes opcionais permitidos, podendo ser submetido à desidratação total ou parcial. O processamento atual, além de produzir EHS de melhor qualidade e de sabor mais agradável, promove também o aumento da digestibilidade de sua proteína, bem como inativa os inibidores de proteases e outros fatores antinutricionais. Nutricionalmente, o EHS apresenta 17,7% de lipídios, 33% de proteínas e 41,4% de carboidratos. PROTEÍNA ISOLADA DE SOJA X EXTRATO HIDROSSOLÚVEL DE SOJA PIS EHS CARBOIDRATOS 0,3 % 41% PROTEÍNAS 90% 33% LIPÍDIOS 0,5% 17,7% CINZAS 4,5% FÓRMULA INFANTIL À BASE DE PROTEÍNA DE SOJA.

4 As fórmulas infantis à base de proteína isolada de soja foram criadas em 1929 pelo laboratório Mead-Johnson. Devido ao fato de a proteína de soja não ser uma proteína completa, devem ser fortificadas com metionina, L - carnitina e taurina, que são aminoácidos essenciais e limitantes na soja, e enriquecidas com ferro, cálcio e zinco. Em 1996, a American Academy of Pediatrics (AAP) destacou o potencial risco de toxicidade de alumínio em lactentes e crianças relacionadas ao uso de fórmula de proteína de soja contaminada com alumínio. A origem do alumínio provém dos equipamentos utilizados durante a produção da proteína isolada de soja e da natureza dos sais minerais utilizados na produção da fórmula infantil. Não existe informação adequada sobre o teor de alumínio nas fórmulas de proteína de soja, as quais devem ser disponibilizadas pelos fabricantes. Embora as consequências em longo prazo de níveis mais elevados de alumínio observados nas fórmulas de soja sejam desconhecidas, devem-se prosseguir os esforços a fim de reduzir o teor de alumínio na fórmula de proteína de soja. CONCENTRAÇÃO DE ALUMÍNIO FORMULA DE PROTEÍNA DE SOJA FÓRMULA DE PROTEÍNA DO LEITE LEITE MATERNO 500 mg/l 400 mg/l 65 mg/l RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS X BEBIDAS DE SOJA Para auxílio na resposta à questão inicial deste trabalho, se as bebidas de soja contemplam as necessidades nutricionais das crianças, foi elaborada uma tabela, que se lê abaixo, comparando os valores recomendados pelo Ministério da Saúde para crianças menores e maiores de 2 anos de idade, o leite de vaca (pois grande parte das crianças utilizam as bebidas de soja como substitutos do leite), as bebidas de soja Original e Frutas e a fórmula de soja.

5 < 2 anos >2 anos Leite de vaca* Bebida de soja Frutas* Bebida de soja Original* Fórmula de soja* CHO (g) 27,12 27,12 27, ,2 27,9 PTN (g) 19,32 19,32 19,32 3,6 15,3 21,6 LIP (g) 19,5 19,5 19,5 2,1 15,0 14,7 FIBRAS (g) 0,0 0,0 0,0 0,0 2,1 18,9 Ca (mg) 678,0 678,0 678,0-720,0 747,0 Fe (mg) 0,18 0,18 0,18 6,3-12,6 Zn (mg) 2,4 2,4 2,4 3,3 3,3 4,5 Na (mg) 240,0 240,0 240,0 60,0 570,0 348,0 * Valores para 3 copos (600 ml) Recomendação para crianças: 3 porções leite e derivados/dia 600 ml/dia CONSIDERAÇÕES FINAIS. Apesar da alegação funcional conferida à soja, as bebidas desenvolvidas a partir desta leguminosa não foram produzidas especificamente para o público infantil. No ambulatório da disciplina de Gastroenterologia Pediátrica da UNIFESP- EPM constatamos alto consumo desses produtos, os quais, na maioria das vezes, são utilizados como substitutos do leite. Vale ressaltar que apesar da grande quantidade de cálcio informada no rótulo dos produtos de soja, a biodisponibilidade deste micronutriente está associada à presença de lactose, ou seja, parte do cálcio informado não será absorvida visto que esses produtos são isentos de lactose. Como se pode depreender do que foi exposto nesta revisão, nos cabe uma afirmação: as bebidas à base de soja NÃO contemplam as necessidades nutricionais das crianças.

6 REFERÊNCIAS FAO Agricultural Services Bulletin n.97. Rome 1992 GENOVESE, M.I; LAJOLO, F.M. Determinação de isoflavonas em derivados de soja. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 21, n.1, p.86-93, 2001 FDA. U.S. Food and Drugadministration. Food Iabeling: Heathcaims; soy protein and coronary heart disease. October 26, ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução n. 2 de 07 de janeiro de POTTER, R.M.; DOUGHERTY, M. P.; HALTEMAN, W.A.; CAMIRE, M. E. Ciência e Teconologia de Alimentos, v. 40, n. 5, p , ROSENTHAL, A.; DELIZA, R.; CABRAL, L.C.; FARIAS, C.A.A.; DOMINGUES, A.M. Food Control Journal, v. 14, p , 2002 WANG, C.; MA, Q.; PAGADALA, S.; SHERRARD, M.S.; KRISHNAN, P.G. Journal American. Oil Chemists Society, v. 75, p ,1998. FAO. Soymilk and related products. In: FAO Agricultural Services Bulletin n. 97. Rome, 1992 KINSELLA, J.E. Journal of Nutrition, v. 125, p. 733S-743S, BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diário Oficial da União, Brasília, 26 de junho de BOWLES, S.; DEMIATE, I.M. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 26, n. 3, p , BAYRAM, M.; KAYA, A.; ONER, M.D. Journal of Food Engineering, v. 61, n. 2, p , 20 REA, M. F. Rev. Saúde Pública, São Paulo,v. 24,n. 3,jun BELLIONI-BUSINCO, B.; PAGANELLI, R.; LUCENTI, P.; GIAMPIETRO, P.G.; PERBOM, H.; BUSINCO, L. J Allergy ClinImmunol. 1999; 103(6):1191 Guia Alimentar para crianças menores de 2 anos. Ministério da Saúde, 2002 Guia Alimentar para a População Brasileira. Ministério da Saúde, 2006

Ana Carolina Andrade Nutricionista Especializanda em Gastroenterologia Pediátrica

Ana Carolina Andrade Nutricionista Especializanda em Gastroenterologia Pediátrica Contemplam as necessidades nutricionais das crianças? as? Ana Carolina Andrade Nutricionista Especializanda em Gastroenterologia Pediátrica EPM - UNIFESP Soja A soja [Glycine max (L.) Merril] pertence

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY ISOLATED Proteína Isolada da Soja INTRODUÇÃO A soja é uma planta leguminosa que está na cadeia alimentar há 5 mil anos e tem sido parte essencial da dieta asiática há muitos

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVS aprovado

Leia mais

Teste de aceitabilidade mercadológica de duas cultivares de soja especiais para alimentação humana

Teste de aceitabilidade mercadológica de duas cultivares de soja especiais para alimentação humana Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Teste de aceitabilidade mercadológica de duas cultivares de soja especiais para alimentação humana Jessica de Souza Gomes (1),

Leia mais

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. título: Resolução RDC nº 268, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS PROTÉICOS DE ORIGEM VEGETAL". publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA M U N I C Í P I O D E G A S P A R CNPJ 83.102.244/0001-02 ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 115/2014

ESTADO DE SANTA CATARINA M U N I C Í P I O D E G A S P A R CNPJ 83.102.244/0001-02 ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 115/2014 ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 115/2014 OBJETO: Registro de Preços de dietas enterais, suplementos nutricionais, módulos e fórmulas infantis para pacientes domiciliares. O MUNICÍPIO DE GASPAR,

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos Página 1 de 7 English Español Institucional Anvisa Publica Serviços Áreas de Atuação Legislação Buscar Informes Técnicos Informe Técnico nº. 36, de 27 de junho de 2008 Orientações sobre a declaração da

Leia mais

- LICITANTES DESABILITADOS -

- LICITANTES DESABILITADOS - - LICITANTES DESABILITADOS - NOME DO PROMOTOR: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACOAL EDITAL / PROCESSO: 0039-2012 / 1571/2012 PREGOEIRO RESPONSÁVEL: SILVIA DURAES GOMES OBJETO: REGISTRO DE PREÇOS PARA POSSÍVEL

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 45, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011. (Alterada pela Resolução RDC n 48, de 25 de setembro de 2014.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 45, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011. (Alterada pela Resolução RDC n 48, de 25 de setembro de 2014. 1 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 45, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011. (Alterada pela Resolução RDC n 48, de 25 de setembro de 2014.) D.O.U. de 22/09/2011 Dispõe sobre o regulamento técnico para fórmulas

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 44, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 44, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 44, DE 19 DE SETEMBRO DE

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS Profª Ana Paula F. Bernardes Silva A QUEM COMPETE MINISTÉRIO DA SAÚDE: Produtos de origem animal; Vegetais e cereais (grãos) in natura; Bebidas e vinagre; Mel. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA:

Leia mais

Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011

Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011 Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011 Dispõe sobre o regulamento técnico para fórmulas infantis para lactentes destinadas a necessidades dietoterápicas específicas e fórmulas infantis

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

A Importância do Trigo na Alimentação Humana

A Importância do Trigo na Alimentação Humana SIMONE FREIRE Doutoranda em Ciências Pediátricas- UNIFESP Mestre em Ciência dos Alimentos - FCF-USP Especialista em Saúde Pública - UNIFESP Especialista em MKT - CESMA- ESPANHA A Importância do Trigo na

Leia mais

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz Soja Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio A soja (Glycine max (L.) Merrill) que hoje é cultivada mundo afora, é

Leia mais

Uma dieta vegetariana fornece todos os tipos de proteínas necessários para uma alimentação saudável.

Uma dieta vegetariana fornece todos os tipos de proteínas necessários para uma alimentação saudável. Proteínas Sementes: linhaça, abóbora, girassol. Grãos: ervilhas, feijões, lentilhas, amendoins, grão de bico, soja, além de nozes, amêndoas, Castanha-do-pará, castanhas de caju. Cereais: trigo (pães, massa),

Leia mais

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva Café Coquetéis CAFÉ COQUETÉIS O café é uma bebida estimulante, agradável, reanimadora, que apresenta aroma e sabor característicos e é capaz de agradar aos mais variados paladares. Versátil, compõe receitas

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS WILLIAM CESAR LATORRE Diretor de Alimentos Centro de Vigilância Sanitária SES / SP Decreto Lei 986, de 21/10/1969 Institui normas

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA MISTURAS PARA O PREPARO DE ALIMENTOS E ALIMENTOS PRONTOS PARA O CONSUMO". D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES. Normalmente são alimentos saudáveis, os mais próximos do seu estado natural/integral.

HÁBITOS ALIMENTARES. Normalmente são alimentos saudáveis, os mais próximos do seu estado natural/integral. HÁBITOS ALIMENTARES O hábito alimentar saudável deve ser formado e ensinado na infância, assim fica mais fácil de ser mantido. Consuma frutas, verduras e legumes desde cedo e estimule o consumo de alimentos

Leia mais

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 Definição e estimativa Envelhecer significa conviver com as alterações próprias prias da idade.

Leia mais

RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 Resolução nº 263/2005 23/09/2005 RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23.09.2005 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

Descrição dos produtos

Descrição dos produtos Descrição dos produtos Item Quant. Unid Descrição 01 1.100 latas (800g) 02 600 latas (800g) 03 4.000 Litros Produto de referência: Nutrison Soya, Nutri Enteral Soya ou similar. Nutrição enteral em pó a

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 18, DE 27 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre alimentos para atletas.

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 18, DE 27 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre alimentos para atletas. RESOLUÇÃO - RDC Nº. 18, DE 27 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre alimentos para atletas. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairo Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico.

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico. Nota Técnica Processo n º Solicitante: Dra. Daniele Viana da Silva Juíza da Comarca de Ervália - Mg Data: 07/12/2012 Medicamento/ Dieta Material Procedimento Cobertura x TEMA: Dieta enteral de soja para

Leia mais

Sugestão de Editorial

Sugestão de Editorial Sugestão de Editorial Cresce a demanda por produtos vegetais alternativos ao leite Este movimento de substituição já é global As bebidas vegetais, uma alternativa aos produtos lácteos, estão entre os itens

Leia mais

Regulamentação das águas no Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA)

Regulamentação das águas no Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Regulamentação das águas no Brasil (ANVISA) Elisabete Gonçalves Dutra Gerencia Geral de Alimentos LEI Nº 9.782, DE 26 DE JANEIRO DE 1999 Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional

Leia mais

Nutrição Normal e Dietética. Vegetarianos

Nutrição Normal e Dietética. Vegetarianos Nutrição Normal e Dietética s Origem Bíblica Tenho vos dado todas as ervas que produzem semente e se acham sobre a face de toda a terra, bem como todas as árvores em que há fruto que dá semente. Servos

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

PERFIL SENSORIAL DE REQUEIJÃO À BASE DE SOJA

PERFIL SENSORIAL DE REQUEIJÃO À BASE DE SOJA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 PERFIL SENSORIAL DE REQUEIJÃO À BASE DE SOJA Marcela Caleffi da Costa Lima¹; Angélica Aparecida Maurício² RESUMO:

Leia mais

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Qualidade e valor nutricional da carne de coelho Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Vila Real, 25 de Novembro de 2011 Proteínas Funções das proteínas. Aminoácidos; aminoácidos essenciais. Valor

Leia mais

Saudável e cheio de sabor. Geração saúde

Saudável e cheio de sabor. Geração saúde Saudável e cheio de sabor Qualidade de vida é um conceito que vem transformando a maneira de pensar e agir da sociedade contemporânea. Essa questão se tem revelado, no dia a dia, em atitudes mais efetivas

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

Multivitamínicos Minerais. Regulamentação no Brasil

Multivitamínicos Minerais. Regulamentação no Brasil Multivitamínicos Minerais Regulamentação no Brasil Workshop sobre Estratégia de Fortificação Caseira no Brasil 29 e 30 de setembro Brasília (DF) Regulamentação Suplementos vitamínicos e ou minerais (Alimentos)

Leia mais

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo.

Em termos comparativos a chlorella possui proporcionalmente mais proteínas do que a soja, a carne bovina e o trigo. O que é? A chlorella é uma alga unicelular de água doce existente na Terra há milhões de anos. A sua estrutura genética manteve-se intacta ao longo do tempo resultando numa grande concentração e variedade

Leia mais

Índice. Roda dos Alimentos

Índice. Roda dos Alimentos Índice Índice... 2 O que é a roda dos alimentos?... 3 Como é constituída?... 4 Cereais, Leguminosas Secas e Tubérculos Ricos em Hidratos de Carbono... 5 Produtos Hortícolas e Frutos... 6 Conclusão... 7

Leia mais

Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo.

Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo. Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo. Felipe Machado TROMBETE ¹ *; Romilda Aparecida Bastos Monteiro ARAÚJO 2 ; Marcos

Leia mais

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1.Introdução Em 13 de dezembro de 2011 o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) assinaram termo de

Leia mais

Alimentos: diet, light, açúcar e adoçantes

Alimentos: diet, light, açúcar e adoçantes Faculdade de Gastronomia AÇÚCAR Alimentos: diet, light, açúcar e adoçantes No singular açúcar, refere-se à sacarose proveniente da cana-de-açúcar e beterraba No plural açúcares diz respeito aos vários

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

* Rótulos dos Alimentos. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates

* Rótulos dos Alimentos. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates * Rótulos dos Alimentos * A preservação ou conservação refere-se às formas de modificação dos alimentos e das bebidas a fim de que eles se mantenham adequados para consumo humano por mais tempo......,

Leia mais

Instituto de Estudos e Assessoria ao Desenvolvimento

Instituto de Estudos e Assessoria ao Desenvolvimento Instituto de Estudos e Assessoria ao Desenvolvimento Desenvolvimento de produto ao frigorífico de Abelardo Luz: Santa Catarina Kibe Instituto de Estudos e Assessoria ao Desenvolvimento Toledo Santa Catarina

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR : MUNICIPALIZAÇÃO É FATOR DECISIVO NA EDUCAÇÃO. VELLOSO, Cleusa Bandeira de Oliveira

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR : MUNICIPALIZAÇÃO É FATOR DECISIVO NA EDUCAÇÃO. VELLOSO, Cleusa Bandeira de Oliveira ALIMENTAÇÃO ESCOLAR : MUNICIPALIZAÇÃO É FATOR DECISIVO NA EDUCAÇÃO VELLOSO, Cleusa Bandeira de Oliveira SILVEIRA, Alberto Esteves Antunes Universidade de Passo Fundo RESUMO A municipalização da alimentação

Leia mais

Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012

Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012 Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012 Apoio: Prefeitura Municipal e Câmara de Vereadores de Restinga Sêca 23 a 25 de fevereiro de 2012 ASPECTOS NUTRICIONAIS DE PRODUTOS DERIVADOS DO ARROZ Informações

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO ALIMENTO

FICHA TÉCNICA DO ALIMENTO FICHA TÉCNICA DO ALIMENTO 1 FICHA TÉCNICA: Como abrir a ficha técnica do alimento? Para inserir Novo alimento clique no botão para abrir ficha. Para Pesquisar Alimentos do banco de dados clique no botão

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

Promover evolução nutricional adequada

Promover evolução nutricional adequada Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Supervisora do ambulatório ICr-HCFMUSP Unidade de Alergia e Imunologia/Gastroenterologia ICr HCFMUSP Mestre em Ciências - Depto de Pediatria FMUSP Departamento Científico

Leia mais

CP60/2008. Proposta de Regulamento Técnico de Alimentos para Atletas. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

CP60/2008. Proposta de Regulamento Técnico de Alimentos para Atletas. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária CP60/2008 Proposta de Regulamento Técnico de Alimentos para Atletas 1 Situação atual Alimentos para fins Especiais Port. 29/98 Alimentos para dietas com restrição de nutrientes Alimentos para ingestão

Leia mais

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis Dos resíduos às matérias-primas rentáveis 1 Dos resíduos às matérias-primas rentáveis O aumento da população e do nível de vida previstos para as próximas décadas, pressupõem um acréscimo na procura de

Leia mais

Granola Soft. Benefícios

Granola Soft. Benefícios Granola Soft A granola é um mix de cereais, castanhas e frutas secas que contêm vitaminas, proteínas, nutrientes, muitas fibras e outros componentes importantes para o equilíbrio do organismo e para controle

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE LABORATÓRIO DE ESTUDO EXPERIMENTAL DOS ALIMENTOS 13. NHOQUE DE SOJA COM MOLHO DE PROTEINA TEXTURIZADA

Leia mais

9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA

9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA 9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA Autor(es) DÉBORA DA SILVA SOUZA Co-Autor(es) KENIA NARA DA SILVA Orientador(es)

Leia mais

Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas. I. Introdução. Com base no disposto na Resolução n. 16/99

Leia mais

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA!

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! Sumário Introdução Composição da sopa Benefícios da sopa Que quantidade de sopa devo comer por dia? Sopa no início ou depois do prato principal? Receitas de sopas

Leia mais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais

SHAKEASY. Bases Prontas para Shakes Funcionais Informações Técnicas SHAKEASY Bases Prontas para Shakes Funcionais INTRODUÇÃO SHAKEASY representa uma nova geração de shakes funcionais. Um completo e diferenciado substituto parcial de refeições que permite

Leia mais

FICHA TÉCNICA 100% INTRA WHEY MA FACTOR MUSCLE AMPLIFIED FACTOR. Zinco Microelementar

FICHA TÉCNICA 100% INTRA WHEY MA FACTOR MUSCLE AMPLIFIED FACTOR. Zinco Microelementar FICHA TÉCNICA 100% INTRA WHEY MA FACTOR MUSCLE AMPLIFIED FACTOR Zinco Microelementar 100% INTRA WHEY AGE contém em sua composição o microelemento Zinco, que participa da síntese de RNA polimerase, potencializando

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011

RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011 RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 Legislações ANVISA Ter, 22 de Fevereiro de 11 RESOLUÇÃO RDC N 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11 Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos.

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 18 DE FEVEREIRO

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

# Publicações Resumidas CFE. L. º M. ART. 98, 3º em 03/04/2008 Publicado em: 04/abril/2008

# Publicações Resumidas CFE. L. º M. ART. 98, 3º em 03/04/2008 Publicado em: 04/abril/2008 # Publicações Resumidas CFE. L. º M. ART. 98, 3º em 03/04/2008 Publicado em: 04/abril/2008 PREGÃO PRESENCIAL Nº 24/2008 - Registro dos Preços para aquisição de suporte para placas, placas de regulamentação,

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005 título: Resolução RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Massa Alimentícia. publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União;

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

QUE LEITE DAR AO MEU BEBÉ?

QUE LEITE DAR AO MEU BEBÉ? QUE LEITE DAR AO MEU BEBÉ? Para lactentes ou Leites 1 (0-4/6 meses) Bebé Saudável De transição ou Leites 2 (4-12 meses) De crescimento ou Leites 3 (12-36 meses) Anti obstipantes Bebé com Desconforto Digestivo

Leia mais

A qualidade da alimentação escolar e o fornecimento da Agricultura Familiar

A qualidade da alimentação escolar e o fornecimento da Agricultura Familiar Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Nutrição Programa de Pós-Graduação em Nutrição A qualidade da alimentação escolar e o fornecimento da Agricultura Familiar XIII Seminário Internacional

Leia mais

Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG

Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG FENILCETONÚRIA HIPERFENILALANINEMIAS Níveis sangüíneos

Leia mais

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Isosource 1.5, sem Sacarose, Baunilha, 01 Litro Quantidade: 6.912 Unidade de Medida: Litro

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Isosource 1.5, sem Sacarose, Baunilha, 01 Litro Quantidade: 6.912 Unidade de Medida: Litro PROPOSTA Pregão Órgão: Prefeitura Municipal de Juiz de Fora Número: PE350/2012 Número do Processo: 07892/2012 Unidade de Compra: UG/PJF Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Isosource 1.5, sem Sacarose, Baunilha,

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro: Concórdia. Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS 82026 82025 82021 MEDICAMENTOS NUTRICAO, NUTRICAO ENTERAL, HIPERCALORICA, OLIGOMERICA, COM PROTEINA DE ORIGEM ANIMAL HIDROLISADA. ISENTA DE SACAROSE, LACTOSE E GLUTEN. PRINCIPIO/CONCENTRACAO1:

Leia mais

O que tem no meu Lanche Escolar?

O que tem no meu Lanche Escolar? O que tem no meu Lanche Escolar? Bolo de CENOURA Caseiro -> farinha de trigo, cenoura, ovos, óleo, açúcar e fermento químico. Ingredientes FARINHA DE TRIGO ENRIQUECIDA COM FERRO E ÁCIDO FÓLICO, RECHEIO

Leia mais

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS LOTES 0- PERECÍVEIS FRIOS 3 4 5 Lingüiça, do tipo calabresa, resfriada, industrialmente embalada, com SIF, embalagem plástica transparente atóxica não reciclada, contendo informações sobre o fabricante

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL Formação sobre Promoção de Estilos de Vida Saudáveis em Contexto Escolar, Familiar e Envolvente Julho de 2009 ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL TERESA SOFIA SANCHO Gabinete de Nutrição Departamento de Saúde

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campo Grande Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria Municipal de Administração Central Municipal de Compras e Licitações

Prefeitura Municipal de Campo Grande Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria Municipal de Administração Central Municipal de Compras e Licitações ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N. 15/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 13467/2015-89 VIGÊNCIA: 17/06/2015 A 16/06/2016 COMERCIAL CREPALDI DE ALIMENTOS LTDA EPP CNPJ: 11.675.995/0001-07 ITEM ESPECIFICAÇÃO UNID.

Leia mais

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado IP/03/1022 Bruxelas, 16 de Julho de 2003 Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado A Comissão Europeia adoptou hoje

Leia mais

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE.

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. 1. DOENÇA CELIACA É uma doença que causa inflamações nas camadas da parede do intestino delgado,

Leia mais

Profa Tânia Maria Leite da Silveira

Profa Tânia Maria Leite da Silveira Profa Tânia Maria Leite da Silveira Como o consumidor adquire informações sobre os alimentos? Conhecimento da família Educação Mídia Publicidade Rotulagem Importância da rotulagem Informações corretas

Leia mais

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012 Alimentação saudável Nídia Braz Outubro, 2012 A alimentação tradicional portuguesa é variada, usa matérias primas diversas, preparadas de modos muito variado, quer pela indústria quer em casa. 2 Nídia

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA

BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA BOLO, CHOCOLATE, NEGA MALUCA INGREDIENTES Descrição Qtd kcal CHO PTN GORD ALC Farinha, de trigo 30,00 g 105,41 21,94 g 3,50 g 0,41 g Açúcar, refinado 30,00 g 119,64 29,91 g Fermento em pó, químico 1,00

Leia mais

SMOOTHIES uma maneira fácil e deliciosa para apreciar frutas e legumes.

SMOOTHIES uma maneira fácil e deliciosa para apreciar frutas e legumes. SMOOTHIES uma maneira fácil e deliciosa para apreciar frutas e legumes. Os smoothies ou shakes são uma maneira deliciosa, saudável e versátil para adicionar frutas e legumes em nossa alimentação diária.

Leia mais

Proponentes: 4, 5, 7, 8, 9.

Proponentes: 4, 5, 7, 8, 9. Consolidação das contribuições recebidas na Consulta Pública n. 98/2009 - Dispõe sobre o Regulamento Técnico para fórmulas infantis para lactentes e fórmulas infantis de seguimento para lactentes e crianças

Leia mais

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira

Alimentação no primeiro ano de vida. Verônica Santos de Oliveira Alimentação no primeiro ano de vida Verônica Santos de Oliveira Nutrição nos Primeiros Anos de Vida Deixe que a alimentação seja o seu remédio e o remédio a sua alimentação ( Hipócrates ) Nutrição nos

Leia mais

A VIEIRA DE CASTRO E A INTERNACIONALIZAÇÃO DA SUA MARCA

A VIEIRA DE CASTRO E A INTERNACIONALIZAÇÃO DA SUA MARCA A VIEIRA DE CASTRO E A INTERNACIONALIZAÇÃO DA SUA MARCA MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO: procura de novos mercados; aumento das economias de escala da estrutura produtiva; busca de conhecimentos/aprendizagem;

Leia mais

Delícias da Soja. CURSO 1 Bolinho de soja Almondega de soja Torta de legumes Patê de soja Farofa nutritiva de soja. Autor: Fernando Cascardo

Delícias da Soja. CURSO 1 Bolinho de soja Almondega de soja Torta de legumes Patê de soja Farofa nutritiva de soja. Autor: Fernando Cascardo Delícias da Soja CURSO 1 Bolinho de soja Almondega de soja Torta de legumes Patê de soja Farofa nutritiva de soja Autor: Fernando Cascardo E-mail: gastronomia.arte@gmail.com Web: http://spaces.msn.com/consultoria-gastronomia

Leia mais

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde.

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. SABOR Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. Conteúdo produzido pela equipe de Comunicação e Marketing do Portal Unimed e aprovado pelo coordenador técnico-científico:

Leia mais