Ezequiel Castilho de Oliveira DISSERTAÇÃO PROPOSTA DE UMA REDE CORPORATIVA PARA A POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS E AVALIAÇÃO DE SEU DESEMPENHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ezequiel Castilho de Oliveira DISSERTAÇÃO PROPOSTA DE UMA REDE CORPORATIVA PARA A POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS E AVALIAÇÃO DE SEU DESEMPENHO"

Transcrição

1 Ezequiel Castilho de Oliveira DISSERTAÇÃO PROPOSTA DE UMA REDE CORPORATIVA PARA A POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS E AVALIAÇÃO DE SEU DESEMPENHO Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Administração Pública - Sistemas de Informação e Gestão da Fundação João Pinheiro Orientador: Berthier Ribeiro de Araújo Neto Mai/1998

2 O FUTURO COMEÇA QUANDO PENSAMOS NELE (CITAÇÃO DE MEMÓRIA) ii

3 iii AGRADECIMENTOS Ao Professor Berthier Ribeiro Neto que me apontou o caminho a ser seguido e me manteve nele. Aos Professores José Nagib Cotrim Árabe, Laura da Veiga e Francisco Gaetani, por confiar que os sonhos são possíveis de serem realizados. À Polícia Militar de Minas Gerais, representada na pessoa do Coronel Joaquim Pereira da Silva Neto, que autorizou a minha participação no curso. Aos companheiros da PRODEMGE, principalmente o Roberto (Bob) e Nilza que ajudaram no levantamento dos dados armazenados no Mainframe. Ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais pelo acesso ao laboratório de pós-graduação e em especial ao Professor Frederico Campos por permitir a utilização de sua estação de trabalho na execução das longas simulações e ao Professor José Marcos por permitir a utilização do Software de simulação Comnet III, sem o qual este trabalho não poderia ser realizado. Aos meus colegas de curso, em especial a Karla, Piedade, Deoclécio, Robson, Mancini, Taciana, Nelson, Rosana, Márcio, Lilian, Lino e Moreno. A Neiva por me emprestar seu escritório e equipamentos, e pelos conselhos. A Elaine Spinola do DCC pela ajuda com as questões de estatística e ao Henrique Andrade pelas noções do simulador COMNET III. À Professora Gilka Ferreira e Belísia pela revisão dos textos, pela paciência na busca da compreensão do seu conteúdo e pelas perguntas que me fizeram repensar os problemas. A Ros Alma, Diego e Anderson, vocês são a minha razão de continuar lutando, me orgulho muito de vocês. Ao Denis um grande incentivador desta jornada. Ao meu amigo certo, das horas incertas, meu pai, meu amigo e meu guia. A todos que me ajudaram nesta jornada, muito obrigado.

4 iv DEDICATÓRIA Aos Policiais Militares das Minas Gerais, que este trabalho possa ser útil no cumprimento de sua espinhosa missão.

5 v RESUMO O presente trabalho propõe uma rede corporativa que atenda as necessidades de comunicação da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais. A arquitetura de rede proposta é avaliada através de simulações. Para a avaliação da rede proposta foi utilizado o simulador de redes COMNET III da CACI Software, que possibilitou uma avaliação mais segura dos critérios de carga e das topologias possíveis de implementação. As simulações foram divididas em 3 níveis, um operacional, um tático e um estratégico, com suas respectivas características e critérios de carga sendo variados no aspecto do intervalo de tempo entre as mensagens. Esperamos que o presente trabalho possa subsidiar outros, a serem desenvolvidos em outras polícias militares do Brasil ou mesmo em corporações de outros países que tenham características semelhantes. ABSTRACT The present work has a goal to build a corporative net that provide the comunication s needs of the Minas Gerais State Police. The net s architecture propose is evaluate through simulations. A net s simulator Commet III Caci Software was used in order to evaluate the net s architecture, that made possible the most safe evaluation of the demand s criterions and the possible topologies of the implementation. The simulations were share in three levels; operational, tactical and strategic with its own characteristics and demand s criterions that was changed according to the gaps of the time among the messages. We hope this work can support others that can be developed in other Brazil s State Police and even others countries with the some features.

6 vi Sumário de Tópicos Páginas 1.Introdução Histórico Situação Atual Definição do problema Objetivos Metodologia Planos Corporativos Compreensão do Ambiente Caracterização do tráfego Construção do modelo Validação e calibração Previsão de novas cargas Previsão de desempenho Elaboração de alternativas Aplicação da metodologia de planejamento à Rede da 17 PMMG Planos Corporativos Compreensão do Ambiente Caracterização do Tráfego Construção do Modelo Validação e Calibração Previsão de Novas Cargas Previsão de Desempenho e Elaboração de Alternativas Simulação e Resultados O Simulador COMNET III Características Definição da Topologia Restrições Impossibilidade de criação do modelo em escala real... 32

7 vii Sumário de Tópicos Páginas 4.2. Causas da escolha do 5º CRPM como referencial para 33 planejamento Simulação Simulação das linhas discadas Simulação das linhas privadas de comunicação de dados Simulação do Anel Corporativo Conclusões Trabalho Realizado Contribuições Trabalhos Futuros Custos Conclusão Referências Bibliográficas Anexos Anexo I - Perfil das Transações do Mainframe da PRODEMGE 63 em relação à PMMG... Anexo II - Relação das Sedes de Comandos Regionais de Policiamento Militar / Batalhões de Polícia Militar / Companhias Independentes, por município do Estado de Minas Gerais Anexo III - Distribuição de Ocorrências no Triângulo Mineiro Anexo IV.. Relação de Municípios por CRPM Anexo V Relação de Municípios Consolidada do Estado de Minas Gerais em ordem alfabética Anexo VI Resultados das simulações com mensagens de 1,2 111 Mbytes e 300 Kbytes.

8 viii ÍNDICE DE FIGURAS Páginas FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA

9 ix ÍNDICE DE GRAFOS Páginas GRAFO GRAFO GRAFO GRAFO GRAFO GRAFO GRAFO GRAFO GRAFO GRAFO GRAFO ÍNDICE DE GRÁFICOS GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO Páginas

10 x GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO ÍNDICE DE QUADROS QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO

11 xi QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO QUADRO

12 Capítulo 1 - Introdução 1.1 Histórico A Polícia Militar do Estado de Minas Gerais tem como data oficial de criação o dia 09 de junho de 1775 e portanto, possui 222 anos de existência como instituição [Marco-97]. Ao longo dos séculos, sua estrutura administrativa e operacional se modificou acompanhando a modernização administrativa do Estado de Minas Gerais e do Brasil. Apesar desta transformação, a organização manteve uma estrutura militar básica voltada para a prestação de serviços para a comunidade. A partir da década de 1950, a Corporação passou a adotar um modelo descentralizado de administração, no qual os Comandantes das unidades operacionais e administrativas têm autonomia orçamentária, isto é, eles podem realizar despesas, negociar convênios e executar outras funções administrativas e operacionais[r ]. Posteriormente, na década de 1970, a Corporação passou por um processo de informatização que foi baseado na tecnologia disponível na época. Como resultado desse processo, nasceu a rede corporativa da PMMG, formada por terminais remotos conectados a uma máquina central (um mainframe) localizada na capital. A despeito do seu sucesso no passado, esse modelo centralizado não mais atende às necessidades das unidades, pois é constituído por sistemas de software antiquados que dificultam a recuperação de informações. Por exemplo, toda e qualquer alteração de dados ou do esquema (por exemplo, modificação de relatório) demanda escrita de código especializado (por exemplo, código Natural em ADABAS) e tem que ser feita pela equipe de análise e programação que se encontra no Centro de Processamento de Dados em Belo Horizonte (PRODEMGE). Tal rotina demanda autorização de diversos níveis hierárquicos da Corporação para sua efetivação, é demorada e apresenta custo elevado. Adicionalmente, existe ainda o problema de comunicação entre as pessoas envolvidas nesta operação. Por exemplo, ocorre freqüentemente que a requisição de um cliente não é bem compreendida pela equipe de análise da PRODEMGE, o que resulta num diálogo

13 2 demorado entre pessoas localizadas em cidades que costumam estar separadas por centenas de quilômetros de distância (por exemplo, Montes Claros e Belo Horizonte, cerca de 440 km). Tais fatores oneram custos e implicam num serviço de qualidade inferior àquele requerido atualmente pela corporação e pela sociedade. A necessidade atual de atendimento mais ágil, associada a uma estrutura organizacional com grande capilaridade, apontam naturalmente para uma descentralização da rede corporativa da PMMG que possibilite uma distribuição mais uniforme de informações, com eficiência e racionalidade. Tal descentralização é possibilitada pela moderna tecnologia cliente-servidor que tanto tem se difundido nos anos Situação Atual A PMMG possui atualmente cerca de 107 unidades administrativas autônomas e semi-autônomas, nos diversos municípios do Estado. A figura 1.1 apresenta a estrutura administrativa da PMMG, enquanto que a figura 1.2 apresenta a estrutura operacional. Estratégico Unidades de Direção Geral Gabinete do Comandante Geral Assessoria Parlamentar Chefe do EMPM Estado Maior Tático Unidades de Direção Intermediária DP DS DF DPS DAE DE DST DAL Aj. Geral CAP HPM CTPM BH CTPM Juiz de Fora APM CSM/Com CSM/Int CRS C. Odont. CTPM Diamantina CTPM Uberaba CFAP CSM/MB Operacional Unidades de Execuçaõ C. Farm JCS CTPM Gov. Valadares CTPM Lavras CTPM Montes Claros CTPM Bom Despacho CTPM Barbacena CTPM Manhuaçu CTPM Passos CTPM Ipatinga CTPM Patos de Minas Academia de Polícia Militar (APM) Ajudância Geral (Aj. Geral) Centro de Administração de Pessoal (CAP) Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP) Centro de Recrutamento e Seleção (CRS) Centro de Suprimento e Manutenção de Comunicações(CSM/Com) Siglas das Unidades Administrativas da PMMG Diretoria de Apoio Logístico (DAL) Diretoria de Atividades Especializadas (DAE) Diretoria de Ensino (DE) Diretoria de Finanças (DF) Diretoria de Pessoal (DP) Diretoria de Promoção Social (DPS)

14 Tático Un. Direção Intermediária 3 Centro de Suprimento e Manutenção de Intendência (CSM/Int) Centro de Suprimento e Manutenção de Material Bélico (CSM/MB) Centro Farmacêutico (C. Farm.) Centro Odontológico (C. Odont.) Colégio Tiradentes da Polícia Militar (CTPM) Diretoria de Saúde (DS) Diretoria de Sistemas e Tecnologia (DST) Estado Maior da Polícia Militar - EM PM Hospital da Polícia Militar (HPM) Junta Central de Saúde (JCS) Figura 1.1 Estrutura Administrativa da PMMG Estratégico Unidades de Direção Geral Gabinete do Comandante Geral Assessoria Parlamentar Chefe do EMPM Estado Maior 1º CRPM Gov. Valadares 2º CRPM Bom Despacho 3º CRPM Montes Claros 4º CRPM Juiz de Fora 5º CRPM Uberaba 6º CRPM Lavras 7º CRPM Ipatinga 8º CRPM Belo Horizonte CCBM Belo Horizonte 6º BPM 7º BPM 3º BPM 2º BPM 4º BPM 8º BPM 11º BPM 1º BPM 1º BBM 19º BPM 15º BPM 10º BPM 9º BPM 17º BPM 12º BPM 14º BPM 5º BPM 2º BBM 1ª Cia PRv 23º BPM 25º BPM 21º BPM 5ª Cia PRv 20º BPM 26º BPM 13º BPM 3º BBM 1ª Cia PFlo 28º BPM 30º BPM 27º BPM 5ª Cia PFlo 24º BPM 7ª Cia PRv 16º BPM 4º BBM 2ª Cia PRv 3ª Cia PRv 4ª Cia PRv 3ª Cia Ind 6ª Cia PRv 7ª Cia PFlo 18º BPM 5º BBM 2ª Cia PFlo 3ª Cia PFlo 4ª Cia PFlo 4ª Cia Ind 6ª Cia PFlo 22º BPM 1ª Cia Ind BM Operacional Unidades de Execuçaõ 9ª Cia Ind 10ª Cia Ind BPTran RCAT BP Choque BPGd BME 5ª Cia Ind 6ª Cia Ind 6ª Cia Ind 1ª Cia Ind Tran 8ª Cia PRv 8ª Cia PFlo Siglas das Unidades Operacionais da PMMG Batalhão de Bombeiro Militar (BBM) Comando do Corpo de Bombeiros Militar (CCBM) Batalhão de Missões Especiais (BME) Comando Regional de Polícia Militar (CRPM) Batalhão de Polícia de Choque (BPChq) Companhia de Polícia Florestal (Cia PFlo) Batalhão de Polícia de Guardas (BPGd) Companhia de Polícia Militar (Cia PM) Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran) Companhia de Polícia Rodoviária (Cia PRv) Batalhão de Polícia Militar (BPM) Companhia Independente de Polícia/Bombeiro Militar (Cia Ind PM/BM) Estado Maior da Polícia Militar - EM PM Regimento de Cavalaria Alferes Tiradentes (RCAT) Figura 1.2 Estrutura Operacional da PMMG A estrutura mostrada nas figuras 1.1 e 1.2 demonstra que a PMMG é organizada em três níveis, tanto em sua estrutura operacional quanto em sua estrutura administrativa, mantendo uma equivalência entre os níveis destas duas estruturas. Por exemplo, as funções de Diretor no nível administrativo equivalem às funções de Comandante Regional no nível operacional e são ocupadas por oficiais

15 4 no posto de Coronel. As principais diferenças do nível administrativo para o operacional são o efetivo, que no nível administrativo é menor, e a área de atuação, que no nível administrativo normalmente compreende toda a PMMG. Por exemplo, o Hospital Militar atende todo o pessoal da PMMG e seus dependentes enquanto que o Batalhão de Trânsito atende somente o policiamento de trânsito das principais avenidas da capital. Cada unidade constante das figuras 1.1 e 1.2 está conectada, em princípio, à Companhia de Processamento de Dados do Estado de Minas Gerais (PRODEMGE) através de uma linha privada de comunicação de dados (LPCD). Ademais, cada unidade conta com terminais remotos ou com micromputadores baseados no sistema operacional UNIX. Os sistemas administrativos estão localizados no computador de grande porte da PRODEMGE, localizado em Belo Horizonte. A maior parte dos dados reside no ambiente Natural/ADABAS, mas uma pequena parcela reside no ambiente relacional DB2. Neste contexto, todas as modificações de dados e programas dependem dos técnicos da PRODEMGE e da disponibilidade destes. Devido à crescente demanda, torna-se impossível fornecer atendimento imediato a todos os clientes, o que tem gerado problemas e descontentamentos. Adicionalmente, a corporação arca com um custo elevado em pessoal e linhas de comunicações. Por exemplo, somente no mês de maio de 1996, o custo das linhas de comunicação de dados (apenas aquelas alocadas à PRODEMGE), ficou em R$ ,93. O custo com manutenção de endereço lógico e locação de equipamentos ficou em R$ ,20 e o faturamento com análise de sistemas ficou em R$ ,46. A projeção de crescimento destes custos pode inviabilizar a utilização da informática na corporação. Apesar dos altos custos acima descritos, somente 33 dos 853 municípios do Estado de Minas Gerais são atendidos pelo setor de informática, faltando portanto cerca de 820 municípios. Segundo Praxedes [PRAXEDES-97], em recente estudo sobre a distribuição de informações na PMMG, foi constatada uma perda de 25% das mensagens enviadas a diversos municípios. Para as mensagens que obtiveram respostas, o tempo médio de espera foi de cerca de 30 dias entre a partida da mensagem e o retorno da resposta. Para o transporte das mensagens, utilizaram-se os mais variados meios de comunicação possíveis. Por exemplo, uma forma pouco eficaz de envio de uma mensagem é como se segue. Um soldado vai à rodoviária

16 5 de uma determinada cidade, espera a chegada de um ônibus, recebe a correspondência das mãos do motorista, aguarda por um par de horas e entrega a correspondência a um segundo motorista, que então deve repassá-la adiante em outra rodoviária, até a chegada da correspondência ao seu destino. 1.3 Definição do Problema Diante da situação atual descrita acima, fica claro que a Corporação necessita de uma modernização em sua estrutura de processamento de dados. Tal modernização deverá facilitar a recuperação e atualização de informações de forma mais ágil, possibilitar uma integração de esforços dos níveis operacional e administrativo e contribuir para que os processos de tomada de decisão possam ser concluídos em prazos bem menores que os atuais. Parte da solução, em nossa opinião, consiste na criação de uma nova rede de comunicação para a Corporação, descentralizada, moldada de acordo com as peculiaridades e necessidades de cada unidade local. O projeto de tal rede deverá levar em conta os recursos atualmente existentes na Corporação, assim como os equipamentos da PRODEMGE, inclusive o computador de grande porte. Em nosso entendimento, a nova estrutura da rede corporativa da PMMG, deve acompanhar a organização hierárquica da Corporação conforme ilustrado nas figuras 1.1 e 1.2, pois tal hierarquia reflete as peculiaridades da estrutura organizacional e a precedência dos canais de decisão (isto é, quem detém a autoridade e responsabilidade pelas operações, as ações da Corporação a cada nível, etc). A Polícia Militar divide o estado em regiões e cada região é comandada por um Comando Regional de Policiamento Militar (CRPM). A figura 1.3 demonstra esta divisão. Cada CRPM, por sua vez, é dividido em Batalhões de Polícia Militar, Companhias Independentes de Polícia Militar, Companhias de Polícia Rodoviária e Companhias de Polícia Florestal, conforme ilustrado na figura 1.2. Os Batalhões e Companhias Independentes são subdivididos em Companhias Orgânicas, Pelotões e Grupos que são responsáveis pelo policiamento de uma ou mais cidades de acordo com a população, número de ocorrências e localização geográfica. As Companhias de Polícia Florestal e Rodoviária também são subdivididas em Pelotões e Grupos, mas têm como peculiaridade o atendimento de um tipo de

17 6 policiamento específico (Rodoviário e Florestal) que engloba toda a área de responsabilidade do CRPM. As unidades especializadas apoiam as unidades com responsabilidade de área em suas missões, mas têm comando próprio. Por exemplo, as unidades subordinadas ao Comando do Corpo de Bombeiros (CCB) estão espalhadas no estado, mas não são subordinadas ao CRPM, possuindo uma estrutura autônoma em relação ao Comando Regional. Quando a situação tática exige é criada uma força tarefa para atender uma missão, por exemplo um grande evento ou um desastre, onde todas as unidades atuam em conjunto, com comando do oficial de maior patente presente [DOPM12-94].

18 3º CRPM Montes Claros Bom Despacho 2º CRPM Uberaba 5º CRPM 6º CRPM Lavras 1º CRPM Governador Valadares 7º CRPM Ipatinga Belo Horizonte 8º CRPM Juiz de Fora 4º CRPM Figura 1.3 Divisão do Estado por CRPM

19 A figura 1.4 ilustra os municípios que compõem a atual rede corporativa da PMMG. Cada município marcado em azul está conectado ao Main Frame da PRODEMGE através de um LPCD. Tais municípios são as sedes das unidades administrativas (CRPM, Batalhões e Companhias Independentes) constantes da figura 1.2. Pode-se observar que a maioria das cidades do estado não são atendidas pela atual rede corporativa da PMMG. Figura 1.4 Municípios que compõem a atual rede corporativa da PMMG A figura 1.5 ilustra a topologia da rede corporativa relativa às unidades da PMMG na guarnição de Juiz de Fora. Da figura, pode-se concluir que existe uma estrutura cara com várias linhas interurbanas independentes conectando diferentes unidades da PMMG a Belo Horizonte. Um dos objetivos centrais deste trabalho é explorar soluções alternativas para a rede de comunicação de dados da PMMG que apresentem uma melhor relação custo x benefício.

20 9 FD 4º Batalhão de Bombeiro Militar 2º Batalhão Polícia Militar/ Centro de Administração de Área-4 PRODEMGE/ BELO HORIZONTE 27º Batalhão de Polícia Militar Linha Privada de Comunicação de Dados (LPCD) 4ª Cia Polícia Rodoviária 4ª Comando Regional de Policiamento Militar 4ª Companhias de Polícia Florestal Figura 1.5 Distribuição de Unidades da PMMG na Guarnição de Juiz de Fora 1.4 Objetivos O objetivo de nosso trabalho é especificar uma topologia descentralizada para a rede corporativa da Polícia Militar de Minas Gerais, assim como estudar, através de simulação, o comportamento desta rede. Para o estudo de simulação será utilizado o simulador de redes COMNET III [CACI-95]. Os objetivos específicos de nosso trabalho de simulação são: 1.Propor critérios de carga para a Rede Corporativa da PMMG; 2.Caracterizar a situação atual de tráfego assim como a demanda reprimida; 3.Avaliar o comportamento da nova topologia em presença do tráfego global procurando detectar possíveis pontos de estrangulamento da rede. O texto a seguir detalha como estes objetivos são atingidos e está organizado da seguinte forma: no capítulo 2, discutimos a metodologia utilizada para o

21 10 planejamento de redes; no capítulo 3, demonstramos a aplicação desta metodologia no caso da rede corporativa da PMMG; no Capítulo 4, discutimos os resultados de nosso estudo de simulação; no capítulo 5, apresentamos nossas conclusões.

22 11 Capítulo 2 - Metodologia Nossa estratégia de modelagem de rede é baseada na metodologia proposta por Menascé et al. [MENASCÉ-94]. Esta metodologia é dividida em oito fases, a saber: (1) planos corporativos; (2) compreensão do ambiente; (3) caracterização do tráfego; (4) construção do modelo; (5) validação e calibração; (6) previsão de novas cargas; (7) previsão de desempenho; (8) elaboração de alternativas. A figura 2.1 demonstra a inter-relação entre as oito fases da metodologia. A seguir apresentamos de forma breve cada uma das oito fases acima.

23 12 Planos Corporativos Compreensão do Ambiente Caracterização do Tráfego Construção do Modelo Validação e Calibração Modelo de Desempenho Previsão de Novas Cargas Previsão de Desempenho Modelo Validado Elaboração de Alternativas Planos Corporativos Figura 2.1 Fases da Metodologia de Planejamento de Capacidade Nesta fase, são observados os planos da empresa de forma geral com o objetivo de entender suas necessidades, possibilidades de investimento e expectativas. No caso de empresas públicas, o prazo, a estrutura orçamentária e outros fatores que possam influenciar o projeto são também avaliados.

24 Compreensão do Ambiente Nesta fase, é feito um diagnóstico total da situação existente. Tal diagnóstico compreende os sistemas disponíveis, o tráfego atual, o perfil dos equipamentos, incluindo configuração e distribuição dos mesmos, e as perspectivas para o futuro de acordo com os planos corporativos da instituição. O planejador deve procurar se informar de toda a característica empresarial, assim como das possibilidades de crescimento a médio e principalmente a longo prazo. São previstos também nesta fase, o grau de disponibilidade esperado da futura rede Caracterização do Tráfego Nesta fase ocorre a obtenção dos parâmetros de entrada para o planejamento de capacidade. A validade do modelo depende em grande parte da confiabilidade e da qualidade desses parâmetros. Esta fase é dividida em princípio em três passos: (1) especificação das variáveis a serem medidas, (2) coleta de dados e (3) análise dos dados. Estes passos serão detalhados no capítulo Construção do Modelo Nesta fase o modelo é construido para refletir o sistema real considerando-se seus componentes e a carga de trabalho definida para cada um deles. Por exemplo, deve-se considerar o número de mensagens que irá trafegar na rede local de um determinado departamento ou a área de disco necessária para armazenar mensagens no servidor de comunicações Validação e Calibração Esta fase valida e calibra o modelo construido na fase anterior. A validação e calibração é feita comparando-se a entrada e a saída do modelo. Este processo é repetido até que o modelo seja considerado aprovado Previsão de Novas Cargas Esta fase tenta prever o crescimento futuro da carga de trabalho no ambiente da empresa. Normalmente, a carga de trabalho aumenta por diversos motivos, sendo que os principais são: melhorias no ambiente de aplicação, aumento de demanda por parte das aplicações já implementadas e, principalmente, aumento de demanda por parte das novas aplicações que requerem ocupação crescente de banda de passagem a cada nova geração de software. Por exemplo, para uma

25 14 rede na qual se utilizava freqüentemente o aplicativo telnet e na qual passa-se a utilizar um browser WEB, o tráfego tende a aumentar consideravelmente. Segundo Nassif [NASSIF-97], nesta fase de previsão de novas cargas são encontrados pelo planejador de capacidade três problemas: 1. Uma dificuldade em obter dados confiáveis dos usuários, especialmente quando não existe uma terminologia comum. 2. Sistemas não completamente desenvolvidos ou a serem desenvolvidos não propiciam estimativas confiáveis. 3. A existência de demanda latente. Quando um sistema se encontra saturado, usuários e programados evitam utilizá-lo. Ao serem implementadas melhorias no sistema, em geral a utilização do sistema é facilitada o que tende a gerar um crescimento no uso, e, consequentemente, um crescimento de carga não esperado. No caso da rede corporativa da PMMG, o terceiro problema é considerado mais grave pois, segundo Praxedes [PRAXEDES-97], o tráfego de informações na PMMG leva atualmente cerca de 30 dias para chegar aos pequenos municípios e retornar ao Comando Geral Previsão de Desempenho Nesta fase pretende-se prever o comportamento da rede quando novas cargas forem adicionadas. Há um elevado grau de incerteza associada a esta previsão, o que acarreta a definição de vários cenários para tal aferição, mesmo assim com erro. O principal objetivo desta fase é procurar obter as tendências de crescimento da forma mais correta possível. Existem várias técnicas para previsão de desempenho, variando quanto a precisão, custo e complexidade. As principais técnicas são: Regras práticas, Análise de tendências, Modelo de desempenho (analítico), Modelo de desempenho (simulação) e Benchmarks. A Figura 2.2 demonstra a relação entre elas [ANDRADE-97]

26 15 Benchmarks Custo e Complexidade Modelo de Desempenho (Simulação) Modelo de Desempenho (Analítico) Análise de Tendências Regras Práticas Precisão Figura 2.2 Técnica de predição de desempenho A técnica de regras práticas apresenta a menor relação custo e complexidade, mas em compensação tem o menor grau de precisão. Normalmente são utilizadas as informações de fornecedores e a experiência das pessoas. Por se basear em características pessoais e dados de pesquisa de situações não controladas e não integradas, é utilizada para solução de pequenos trabalhos. Na técnica de análise de tendências são utilizados os dados históricos dos sistemas para avaliar a sua capacidade futura. No planejamento de capacidade de redes, a análise de tendências pode nos levar ao erro, pois o comportamento dos sistemas no passado pode não refletir seu comportamento no futuro. Por exemplo, o comportamento de uma rede de teleprocessamento baseada em Mainframe pode ser bastante diferente do comportamento numa arquitetura cliente-servidor. O modelo de desempenho analítico geralmente oferece uma melhor relação precisão/custo em relação às técnicas anteriores. Tal modelo usa como base matemática a teoria das filas, na qual os recursos do sistema, tais como CPU,

27 16 discos, redes e memória são representados como filas interrelacionadas [MOLLY- 89]. Esta técnica exige simplificações para ser implementada, em razão das inúmeras combinações que podem ser feitas, o que pode causar perdas das características do sistema, podendo levar o modelo a erros ou a comportamentos inadequados. O modelo de desempenho (simulação) é um importante complemento aos modelos analíticos por ser aplicável a sistemas complexos, que não podem ser resolvidos analiticamente. Como programas de simulação são complexos e normalmente realizam um grande número de interações até chegar a um resultado confiável, eles impõem requisitos de desempenho ao sistema que irá executá-los [ANDRADE-97], além de serem caros para serem desenvolvidos, executados e validados[nassif-97]. A técnica de Benchmarks é a mais precisa, a mais complexa e aquela com maiores custos dentre todas, pois consiste na instalação do sistema e a sua medição em operação. Tem como principais desvantagens o elevado custo e a impossibilidade de avaliação de alternativas na prática Elaboração de Alternativas. Nesta fase são definidas as opções possíveis para implantação da rede.

28 17 CAPÍTULO 3 - Aplicação da Metodologia de Planejamento à Rede da PMMG Neste capítulo descrevemos a aplicação da metodologia de planejamento de capacidade descrita no capítulo 2 à rede corporativa da PMMG. Cada uma das 8 fases da metodologia é discutida em separado. 3.1 Planos Corporativos A Polícia Militar possui uma estrutura administrativa descentralizada, conforme demonstrado na figura 1.3, e ainda possui o processamento das informações centralizado, conforme demonstrado nas figuras 1.4 e 1.5. Como objetivo na área de informática, o Plano Diretor de Sistemas e Tecnologia [PDST-94] propõe a descentralização dos sistemas de informações para acompanhar o modelo administrativo da corporação, possibilitando informações para decisão no menor prazo possível, melhor controle dos recursos humanos e materiais e maior apoio para o cumprimento das missões constitucionais da corporação. Assim, neste trabalho, consideramos que os planos corporativos estão delineados e definidos nas diretivas básicas conforme detalhado em [PAC-95] e [PDST-94]. 3.2 Compreensão do Ambiente Considerando o contido no capítulo 1, a Polícia Militar possui uma estrutura administrativa e operacional com alto grau de capilaridade, distribuindo seu efetivo e recursos em todo o território do estado de Minas Gerais. Para compreender as dificuldades que iremos enfrentar na avaliação do ambiente que estamos analisando ressaltamos que o estado de Minas Gerais possui uma população estimada em habitantes (censo 1994) e que a Polícia Militar tem um efetivo para atender a esta população de homens (março/97) que atenderam a ocorrências em1996. Estes dados referem-se a consolidação de 853 municípios com características diversificadas.

29 18 Os sistemas de informática atualmente instalados para o apoio administrativo e para o apoio operacional da corporação são em sua maioria baseados em mainframe, que hoje está instalado na PRODEMGE, conforme ilustrado as figuras 1.4 e 1.5. Tal sistema informacional permite atender cerca de 33 municípios, o que causa uma concentração de recursos no nível das unidades administrativas. Além disto a tecnologia utilizada dificulta a recuperação de informações. A solução mais apropriada para lidar com este problema é descentralizar a rede de informática da PMMG. A primeira tentativa de descentralização foi com os sistemas de despacho de patrulhas informatizadas no interior, em 1992 (COPOM/COBOM). Instalamos pequenos centros de processamento de dados baseados em computadores 486, utilizando o sistema operacional SCO/UNIX e uma aplicação para controle de radiopatrulhamento baseada em MUMPS/SQL. Esta tentativa foi um sucesso e permitiu colocar em operação nos principais centros do interior do Estado (por exemplo, Montes Claros, Uberlândia, Governador Valadares, Juiz de Fora, Varginha e outras cidades) sistema de informação com funcionalidade restrita. Como conseqüência desta experiência, a demanda por equipamentos aumentou e o interesse por treinamento também. Para atender tal demanda e interesse, colocamos um funcionário da PRODEMGE em cada cidade sede de centro de processamento de dados e obtivemos um ótimo retorno, treinando um número significativo de pessoas e disseminando a cultura de informática na tropa. Estes fatos nos apontaram a necessidade de avaliarmos as características dos próximos passos a serem seguidos, para que possamos utilizar os nossos recursos da melhor forma possível e com o melhor aproveitamento. Estes pequenos centros serão a base para a rede corporativa, pois já possuem uma certa cultura de informática e também possuem a estrutura administrativa e hierárquica necessária para apoiar as unidades que lhe são subordinadas. Atualmente, todas as informações das pequenas cidades vêm em forma de documentos escritos, utilizando diversos meios de transporte, confome citado no item 1.2. Para o processamento de todas as informações, é necessária a alocação de recursos humanos e materiais significativos que, com a implantação de uma moderna rede corporativa, esperamos poder liberar para a missão principal da Polícia Militar (policiamento ostensivo, busca e salvamento, combate a incêndios).

30 19 Para atender a um esperado crescimento da demanda por segurança pública em geral, a estrutura da rede é flexível. Ademais os critérios de carga utilizados em nosso estudo de simulação procuram refletir a demanda operacional (presente e futura) da Polícia Militar. 3.3 Caracterização do Tráfego Para a definição do tráfego atual e de seu esperado aumento no futuro próximo, levantamos vários parâmetros a serem considerados. Inicialmente pesquisamos o efetivo da Polícia Militar por município, a população de cada município e o número de ocorrências policiais no ano. Concluímos que o melhor parâmetro para refletir o tráfego gerado por cada município é mesmo o número de ocorrências policiais. Este critério tem como vantagem a possibilidade de quantificação por dia da semana e por hora, nos mostrando uma indicação do trabalho de policiamento em cada município. Infelizmente não encontramos informação detalhada sobre as ocorrências policiais nas unidades da PMMG presentes em pequenos municípios. Procuramos então investigar o log do MainFrame da PRODEMGE, à procura de uma indicação do perfil administrativo da PMMG. Isto foi feito analisando-se as transações do mês de março/97. O detalhamento das mesmas encontra-se no anexo I. Da análise de transações obtivemos o perfil horário, os principais sistemas utilizados e o tamanho dos dados trafegados na rede. Infelizmente, conforme citado no item 1.2 atualmente conseguimos cobrir apenas cerca de 33 municípios, representando as grandes cidades e não nos dando um perfil das pequenas cidades que são a maioria do interior das Minas Gerais. Além deste problema, o número de ocorrências registradas é muito baixo, nos indicando em princípio que a definição da média poderia nos levar a erros, uma vez que podem ocorrer surtos que levem a rede ao colapso se este critério for utilizado. Diante do quadro acima, optamos por adotar a somatória mensal das ocorrências em uma dada hora dos dias de um dado mês como critério de carga. Por exemplo, com este critério de carga, todas as ocorrências entre 01:00 AM e 01:59 AM de cada dia do mês são somadas em um único total global para esta hora. Este cálculo é feito para cada município em separado. Nossa ideía é que a carga agrupada da hora do dia com maior número de ocorrências seria utilizada em

31 20 nossa simulação. Este critério tem como defeito uma avaliação acima da necessidade média, mas garante o desempenho em caso de algum surto de demanda que possa ocorrer no dia a dia. Optamos por uma avaliação altamente conservadora pela impossibilidade de determinarmos com alguma segurança a demanda reprimida não atendida. Dentro da pior hora, por simplicidade, assume-se que o tráfego de chegada de ocorrências segue uma distribuição exponencial. Tal simplificação não impõe restrição severa pois a pior hora já define um padrão concentrado de tráfego (isto é, skewed ). A análise das transações da PRODEMGE nos aponta que 70% do tráfego tende a ser entre os destacamentos e a respectiva sede da unidade administrativa, (vide quadro 3.1), pois apenas 30% das transações implicam em tráfego corporativo. O Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAF) da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) e o correio eletrônico (POST) utilizado por toda a Administração Direta do Estado de Minas Gerais, foram as aplicações indicativas de tráfego corporativo, pois são utilizadas por todas as unidades (Batalhões, Companhias Independentes, Centros de Apoio) da Polícia Militar. As outras aplicações tem características locais. Enquanto a Polícia Militar mantiver o podemos considerar este valor como válido. modelo administrativo vigente, TRANSAÇÃO DESCRIÇÃO Nr % Transação SISTEMA OPERACIONAL Entrada, saída de sistema, gravação e outros SISTEMAS APLICATIVOS Pessoal, Frota, Material, Saúde e outros SIAF SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE MG POST CORREIO ELETRÔNICO SISTEMA CORPORATIVO SIAF + POST TOTAL DAS TRANSAÇÕES SISTEMA OPERACIONAL + SISTEMA APLICATIVO SISTEMA CORPORATIVO Quadro 3.1 Consolidação das Transações do Main Frame da PRODEMGE Mar/ Construção do Modelo A topologia da rede obedecerá a estrutura hierárquica da Corporação, procurando refletir o padrão de tráfego de informações na corporação (que é fundamentalmente hierárquico). A divisão da rede será em 3 instâncias,

32 21 considerando o contido nas figuras 1.1 e 1.2. O detalhamento das unidades que poderão ser servidoras de Banco de Dados na Polícia Militar encontra-se no anexo II. União de Minas Limeira do Oeste Campina Verde Comendador Gomes Veríssimo Carneirinho Iturama Itapajipe Campo Florido São Francisco de Sales Conceição das Alagoas Pirajuba Frutal Planura Água Comprida Fronteira Figura 3.1 Área de responsabilidade da 4ª Companhia de Policia Militar Independente Sede em FRUTAL O primeiro nível é representado pelas unidades de execução operacional, ou seja, Batalhões (Btl) e Companhias Independentes (Cia Ind). Neste nível estarão instalados os principais Bancos de Dados. Nele ficarão os dados locais relativos a pessoal, frota e demais sistemas de apoio operacional e administrativo. O levantamento constante do quadro 3.1 e do anexo I nos indica que cerca 70 % do tráfego corporativo permanecerá neste nível. As unidades deste nível são as que realmente executam o trabalho de polícia / bombeiro, pois localizam-se no nível operacional e são responsáveis pela primeira resposta da Corporação à sociedade. As unidades possuem os arquivos funcionais e são as responsáveis pelo emprego dos recursos humanos e materiais da Corporação, no cumprimento da missão institucional da PMMG. Este perfil justifica a centralização existente do tráfego de informações. A Figura 3.1 ilustra este nível tendo como exemplo a 4ª Companhia Independente da Polícia Militar. A sede da unidade é em Frutal onde estará localizado o servidor de banco de dados da área de responsabilidade desta unidade. As cidades com a mesma cor utilizarão linhas discadas para acessarem o provedor identificado com um carro de polícia, sobre o nome do município(frutal).

33 22 Linha Dedicada Regional Linha Dedicada do Anel Araguari Montes Claros 3º CRPM Ituiutaba Uberlândia Bom Despacho Uberaba Araxá 2º CRPM Frutal Figura 3.2 Área de responsabilidade do 5º Comando Regional de Policiamento Militar (Triângulo Mineiro) com sede em Uberaba. O segundo nível é representado pelos Comandos Regionais de Polícia Militar (CRPM), que funcionarão como consolidadores dos dados da região. Como representante do nível tático eles atuam como coordenadores de esforços entre as unidades subordinadas, resolvendo os conflitos de competência e ajustando os esforços. Neste nível, além de atuarem como backup do nível operacional, ele também trabalhará como coordenador de informações entre o nível estratégico e o operacional. Por exemplo, se uma informação for requerida no nível estratégico a consulta poderá ser feita apenas no nível tático, não sendo necessária a consolidação no nível inferior, pois os dados estarão disponíveis para uso imediato. Se uma determinada unidade necessitar de informações sobre pessoas desaparecidas no Triângulo Mineiro, a informação de todas elas estará disponível no servidor regional, independente se a pessoa desapareceu em Frutal, Carneirinho ou Uberlândia. A existência deste nível representa um custo a mais na estrutura, mas considerando a relação de custo/benefício e a cultura da organização existe uma possibilidade de uma economia razoável, ao propiciar um número menor de linhas de grande velocidade e com um degrau baixo em razão da distância entre os pontos. A figura 3.2 exemplifica esta situação, utilizando a área de responsabilidade do 5º CRPM que tem sede em Uberaba e responde pelo Triângulo Mineiro. O servidor de dados localizado em Uberaba consolida (e replica) os dados

34 23 armazenados nos servidores de 3º nível localizados em Frutal, Ituiutaba, Uberlândia, Araguari e Araxá. Cada servidor de 3º nível é conectado ao seu servidor central de 2º nível através de uma LPCD (linha privada de comunicação de dados).

35 24 3º CRPM Montes Claros Bom Despacho 2º CRPM 1º CRPM Governador Valadares Uberaba 5º CRPM 6º CRPM Lavras 7º CRPM Ipatinga Belo Horizonte 8º CRPM Juiz de Fora 4º CRPM Linha Anel Corporativo de 2 MBPS Figura 3.3 Anel Tático Corporativo, interligando os CRPM

36 25 O terceiro nível é representado pelo mainframe da PRODEMGE que atuará como concentrador corporativo, BACK-UP 1, acesso à INTERNET e interface com os demais sistemas administrativos do Estado, tais como o SIAF (Sistema de Administração Financeira do Estado) e o POST (Sistema de Automação de Escritório e Correio Eletrônico). Esperamos que o tráfego neste anel seja de 30% das transações globais, uma vez que os sistemas gerenciadores de banco de dados (SBGD) deverão estar distribuídos em todos os níveis inferiores, ficando apenas o correio eletrônico e algumas aplicações como o SIAF no main frame. A figura 3.3 mostra esta proposta. O servidor de dados localizado em Belo Horizonte consolida (e replica) os dados armazenados nos servidores centrais dos 7 CRPMs que compõem a PMMG. Definimos que os servidores de 2º nível (isto é, as centrais dos CRPMs) serão conectados em anel com linhas dedicadas, conforme demonstrado na figura 3.3. Ademais, tal anel terá 2 conexões independentes com o servidor central (nível 1) em Belo Horizonte, com o objetivo de assegurar redundância e maior robustez em caso de falhas. Uma vez definida a topologia da rede, precisamos ajustar a velocidade das linhas, a demanda e a relação de custo/benefício. Procuramos ajustar as mesmas aos critérios hierárquicos e à demanda de serviço de cada município, além de um custo razoável. Dentro destes critérios definimos o seguinte. Para unidades a nível de Destacamento (DST), Pelotão (Pel), Companhia (Cia) e Companhia Especial (Cia Esp) seriam instaladas linhas discadas, pois estas unidades não possuem estrutura administrativa, sendo apoiadas pelo Batalhão ou Cia Ind ao qual são subordinadas. A regra para definição da velocidade da linha, considerando os critérios de chegada de mensagens, demanda e distribuição horária é definida no capítulo 4. A figura 3.1 ilustra um cenário onde serão utilizadas as linhas discadas (neste caso, a área sob responsabilidade de Frutal). Para unidades a nível de Cia Ind ou Batalhão teremos, em princípio, linhas dedicadas, denominadas LPCDs, interligadas ao CRPM correspondente. Tais LPCDs são representadas na figura 3.2 com linhas pretas. Os consolidadores dos Bancos de Dados do primeiro nível são estas unidades, pois possuem autonomia

37 26 administrativa. Em princípio, cerca de 85% dos problemas da região são resolvidos neste nível. A avaliação do desempenho destas LPCDs é apresentada no capítulo 4. Para unidades a nível de CRPM, teremos, em princípio, linhas dedicadas interligando os CRPM e formando um anel corporativo a nível tático. A figura 3.3 demonstra esta proposta. As cidades assinaladas com um carro de polícia são as sedes dos CRPM, enquanto que o território com a mesma cor representa a área de responsabilidade do comando. A avaliação do desempenho desta proposta encontra-se no capítulo Validação e Calibração Para validar o nosso trabalho utilizaremos o simulador COMNET III, atualmente instalado no Departamento de Ciência da Computação (DCC) da Universidade Federal de Minas Gerais(UFMG). O uso desta ferramenta e da técnica de simulação foram definidos em razão da disponibilidade do simulador, sua precisão e flexibilidade e por ser uma técnica de custo aceitável. Definimos que utilizaremos simulações sucessivas para validar nossa proposta, organizadas por níveis como se segue: (1) tráfego do Destacamento / Grupo/ Pelotão / Companhia destacados para o Batalhão/Companhia Independente, (2) tráfego do Batalhão/Companhia Independente para o CRPM, (3) tráfego do CRPM para o Comando Geral (Mainframe). Em todas as simulações observaremos a ocupação de canal, o número de mensagens efetivamente entregues e o tempo médio para entrega das mensagens. Com isto procuramos uma indicação de qual linha seria mais adequada para cada situação, otimizando os recursos disponíveis e indicando um referencial para planejamento da rede corporativa da Polícia Militar. Definimos para esta carga que possuiremos três tipos de fontes de tráfego, para cada cenário de simulação. No primeiro cenário (implantação) teremos as seguintes características; (1) uma fonte de tráfego de Texto 2 com o tamanho médio de mensagens de 30 Kbytes; (2) uma fonte de tráfego de Imagem 3, que gera mensagens com o tamanho médio de Cópia de Segurança de Informações 2 Esta fonte procura refletir o padrão normal dos documentos internos da corporação e também uma ocorrência policial, apenas com textos. Normalmente esta seria a regra das ocorrências, pois a competência para apuração de crimes é da Polícia Civil e a Polícia Militar normalmente não efetua levantamentos periciais. 3 Esta fonte procura demonstrar as ocorrências fora do padrão normal dos documentos internos da corporação e também uma ocorrência policial, que contenha uma ou mais fotografias pequenas. As ocorrências que teriam

38 27 Kbytes; (3) e uma fonte de tráfego mista, que gera texto e imagem na proporção de 1 mensagem tipo imagem para 10 mensagens tipo texto (utilizaremos apenas a fonte mista). No segundo cenário (previsão de novas cargas) teremos as seguintes características; (1) uma fonte de tráfego de Texto com o tamanho médio de mensagens de 300 Kbytes; (2) uma fonte de tráfego de Imagem, que gera mensagens com o tamanho médio de 1,2 Mbytes; (3) e uma fonte de tráfego mista, que gera texto e imagem concorrentemente. Estes são os critérios utilizados no item 3.6 e demonstrados no anexo VI. 3.6 Previsão de Novas Cargas A carga futura foi avaliada partindo-se do histórico do número de ocorrências. Se a demanda aumentar, o tráfego para o nó da rede que sofreu aumento de demanda será aumentado de acordo. Definimos em nossa simulação que uma ocorrência de imagem ocupa 1,2 Mbytes e que uma ocorrência de texto ocupa 300 Kbytes. Estes valores foram considerados como referência, e refletem o Boletim de Ocorrência (que é um documento longo), e tráfego na World Wide Web (WWW). O tráfego corporativo considerado será exclusivamente interno, para que possamos garantir um nível de controle de acesso razoável. Para tal controle de acesso, a PMMG pode usar, por exemplo, um firewall (dispositivo de proteção a redes). 3.7 Previsão de Desempenho e Elaboração de Alternativas A previsão de desempenho será feita através de simulação conforme discutido no próximo capítulo. Com relação à elaboração de alternativas, nossa arquitetura é flexível e extensível. Considere, por exemplo, o caso de criação de mais um CRPM. Em caso de criação de mais um Comando Regional de Policiamento Militar (CRPM), as mudanças que ocorrerão na topologia serão a possível mudança de velocidade de algumas linhas, e a integração ao anel corporativo da nova unidade. Como mostrado na figura 3.4, se criarmos um novo Comando Regional em Uberlândia, as modificações na rede serão: (1) a linha que interliga Uberlândia a Uberaba passa a ter o padrão de velocidade do anel corporativo, (2) a linha que estas características seriam algumas de acidente de trânsito em locais onde não exista Delegacia da Polícia Civil, ocorrências de pessoas desaparecidas ou fuga de presos de cadeia que tenha catálogo de fotografias.

39 28 interliga Montes Claros a Uberaba passa a interligar Montes Claros a Uberlândia e (3) as unidades de execução sediadas em Ituiutaba e Araguari passam a ser interligadas diretamente com Uberlândia ao invés de Uberaba. As cidades de menor porte não sofreriam modificações e, se uma cidade fosse transferida de unidade, somente mudaria o número do telefone da linha discada utilizada para conexão à rede corporativa. Cenários alternativos são discutidos no capítulo 4. Araguari Montes Claros Ituiutaba Bom Despacho Uberlândia Uberaba Araxá Linha Regional Frutal Linha do Anel Corporativo Figura 3.4 Modificações na rede em razão da criação do 9º CRPM

40 29 CAPÍTULO 4 - Análise de Tráfego 4.1 O Simulador COMNET III O simulador COMNET III é uma ferramenta de simulação produzido pela CACI Products Company, empresa com 35 anos de experiência em simulações. Esta ferramenta facilita a modelagem dos objetos da aplicação e dispensa a necessidade de programação para validação dos diversos cenários a serem analisados. A seguir, descrevemos brevemente a funcionalidade do COMNET III por nós utilizada. Figura 4.1 Ícones utilizados pelo COMNET III neste trabalho Características O COMNET III é um software de simulação que possibilita a análise e a predição de desempenho de redes de computadores e sistemas distribuídos [CACI- 95]. Considerando a descrição de uma rede, seus algoritmos de controle e da sua carga de trabalho, o COMNET III simula sua operação e prevê medidas de desempenho, tais como utilização de canal, atrasos na entrega de mensagens e taxas de erros em um determinado ponto. Como possui um ambiente de trabalho

41 30 orientado por objetos, onde os mesmos representam o comportamento dos componentes reais de uma rede, o COMNET III constitui-se em uma ferramenta bastante valiosa para a análise de várias situações que podem ser encontradas. Segundos Barros [BARROS-97], dentre as suas possibilidades podem ser atingidas as seguintes metas: Modelagem de desempenho: obtenção de estatísticas de utilização para os nós, buffers, enlaces e portas de dispositivos da rede. Análise de confiabilidade: obtenção de estatísticas de utilização ou atrasos sob o impacto de falhas em dispositivos da rede. Projeto de novas redes: obtenção de estatísticas de utilização e atrasos para topologias de redes alternativas, levando em conta os níveis de serviço exigidos. Planejamento da evolução de rede em operação: obtenção de estatísticas de desempenho sob possíveis alterações nas condições de operação, tais como adição de novos usuários, aplicações ou dispositivos de rede Definição da topologia A topologia no COMNET III é especificada através de uma interface gráfica, onde os objetos representando os diversos componentes da rede são distribuídos, configurados e interligados. A figura 4.1 demonstra os objetos utilizados no presente trabalho. O COMNET possui vários objetos que podem ser configurados de acordo com as necessidades. Os principais são: Processador: representa um nó com capacidade de armazenar e processar dados, podendo ser configurado sua capacidade de memória, desempenho e outros parâmetros, de um pequeno micro a um mainframe. Roteador: representa um nó com capacidade de despachar os pacotes que trafegam na rede para os seus destinos, pode ser configurada uma taxa de atraso e também podem ser configuradas nesta entidade as pontes, hubs e switchs. No caso do Switch não são considerados atrasos no despacho dos pacotes. Enlace: representam as redes locais, Local Area Networks (LANs) e ligações ponto a ponto de Wide Area Networks (WANs), com a opção de

42 31 configuração por vários padrões (FDDI, ALOHA, CSMA,CD e outros). Dentre as suas características, duas situações devem ser configuradas: o atraso de propagação e a capacidade de bandwidth. A adição de carga de trabalho pode ser configurada nos applications sources e traffic sources. As applications sources geram tráfego e tarefas de forma mais complexa e não foram utilizadas no presente estudo. Utilizamos as traffic sources que são geradores mais simples de tráfego e apenas geram tráfego entre os nós da rede (maiores detalhes podem ser encontrados em [CACI-95]). Existem outras facilidades como Nuvens WAN (redes de longa distância) e sub-redes que não utilizaremos no presente trabalho Restrições Apesar das facilidades existentes no COMNET III, existem alguns problemas de ordem operacional que devem ser considerados. O COMNET III é um sistema de simulação baseado em eventos, onde cada célula gerada desencadeia uma série de eventos no simulador. Com um número muito grande de fontes ativas, em poucos segundos o sistema atingiria a saturação e se comportaria de modo imprevisível [BARROS-97]. No caso de simularmos toda a rede corporativa da PMMG, teríamos cerca de 853 fontes para texto, 853 fontes para imagem e 1706 fontes para tráfego misto. Não conseguiríamos executar uma simulação deste porte no COMNET III. Para exemplificar a complexidade envolvida, uma única simulação de tráfego do anel principal da rede, em uma máquina RISC com 512 Mbytes de memória RAM, levou cerca de 36 horas de processamento para ser concluída. Por ter esta característica, a simulação no COMNETIII teve de ser dividida por níveis e controlada para que possamos chegar a uma avaliação bem sucedida Impossibilidade de criação do modelo em escala de uma vez Pelos motivos acima descritos a simulação no COMNETIII teve de ser dividida por níveis e controlada para que possamos chegar a uma avaliação segura. Por isso optamos por simulações em três níveis: (a) nível de linhas discadas, (b) nível de linhas privadas de comunicação de dados (LPCDs) e (c) nível do anel corporativo (CRPMs). 4.2 Razões para escolha do 5º CRPM como referência

43 32 Diante das dificuldades encontradas para avaliação dos critérios de carga, escolhemos a região do 5º CRPM, como padrão inicial de estudo, devido a sua característica bastante diversificada. O 5º CRPM possui uma cidade de grande porte, Uberlândia ( habitantes) 4, uma cidade de porte um pouco menor, Uberaba ( habitantes), e outras 4 cidades menores sedes de Companhias Independentes, Araxá (73959 habitantes), Ituiutaba (86900 habitantes), Frutal (43823 habitantes) e Araguari (93791 habitantes). Além destas cidades principais, existem mais 35 municípios de porte menor. A figura 4.3 demonstra a estrutura do CRPM no Triângulo. As unidades com o mesmo padrão de cor são subordinadas hierarquicamente as cidades destacadas com o símbolo de uma viatura. Tais cidades são as sedes das unidades administrativas com atribuição de responsabilidade operacional. Na figura 4.2 é demonstrada a estrutura hierárquica desta articulação operacional. O detalhamento do perfil das ocorrências policiais para o 5º CRPM encontrase no anexo IV. 5º CRPM Uberaba 4º BPM Uberaba 17º BPM Uberlândia 5ª Cia PRv Uberlândia 5ª Cia PFlo Uberlândia 3ª Cia Ind Frutal 4ª Cia Ind Araxá 9ª Cia Ind Ituiutaba 10ª Cia Ind Araguari Figura 4.2 Estrutura Hierárquica do 5º CRPM 4 IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - Censo de 1994

44 33 Araguari Ituiutaba Uberlândia Uberaba Araxá Frutal Cidades Sedes de Unidades da PMMG Figura 4.3 Área de Responsabilidade Territorial das Unidades da PMMG no Triângulo Mineiro

45 Simulação Simulação das linhas discadas Inicialmente definimos as cargas que seriam utilizadas na simulação, procurando definir quais seriam as condições para definição do tráfego, sua distribuição e a janela de tempo de medição. Optamos pelos critérios constantes do quadro 4.1. Velocidade da linha discada em bps: / Probabilidade de Erro: 20% para e Distribuição de chegada de mensagens exponencial com média, 1800, 900, 450, 300 e 150 segundos para texto e 18000, 9000, 4500, 3000 e 1500 segundos para imagem ( skewed ). Tamanho das Ocorrências: Imagem bytes / Texto bytes Janela de Tempo: 3600 segundos (tempo de simulação) Simulação considerando apenas arquivo tipo misto (imagens e texto), não considerando técnicas de compactação de mensagens. Quadro 4.1 Critérios para simulação das linhas discadas Para simulação das linhas discadas, criamos o cenário constante da figura 4.4. Os seguintes parâmetros foram avaliados: ocupação do canal de transmissão de dados, mensagens efetivamente entregues e tempo médio de chegada das mensagens em segundos. Figura 4.4 Simulação com duas fontes de tráfego

46 35 Simulação transmitindo tráfego misto, ocorrência de imagem (600 Kbytes) e ocorrências de texto (30 Kbytes) % de Ocupação do Canal IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes bps bps 0 Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS Gráfico 4.1 Ocupação do Canal tráfego misto (Imagem e Texto) IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes NÚMERO DE MENSAGENS ENTREGUES Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS Gráfico 4.2 Mensagens efetivamente entregues, transmitindo (Imagem e Texto) IMAGEM TEXTO IMAGEM TEXTO

47 36 TEMPO MÉDIO EM SEGUNDOS Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes IMAGEM TEXTO IMAGEM TEXTO Gráfico 4.3 Tempo Médio para Entrega das Mensagens Os gráficos 4.1, 4.2 e 4.3 demonstram a ocupação do canal, as mensagens efetivamente entregues e o tempo médio para entrega das mensagens utilizando-se linhas de e BPS. No presente caso, simulamos a chegada concorrente de ocorrências de mensagens com imagens (600 Kbytes) e de mensagens com texto (30 Kbytes) em uma relação de uma mensagem tipo imagem para cada 10 mensagens tipo texto. O tempo total de simulação é de 3600 segundos (uma hora). A simulação é modelada utilizando-se duas fontes distintas de tráfego ao mesmo tempo, uma gerando mensagens com o tamanho de 600 Kbytes e outra gerando mensagens de 30 Kbytes, ambas com distribuição exponencial e média variando entre 1800 e 150 segundos. Simulação transmitindo tráfego misto, ocorrência de imagem (600 Kbytes) e ocorrências de texto (30 Kbytes) no sentido Destacamento/ Batalhão e tráfego de imagem no sentido Batalhão / Destacamento. Para melhor validarmos o nosso contexto, efetuamos simulações considerando o cenário demonstrado na figura 4.5.

48 37 Figura 4.5 Simulação com três fontes de tráfego Os critérios de simulação são os constantes do quadro 4.2 a seguir: Velocidade da linha discada em bps: / Probabilidade de Erro: 20% para e Distribuição de chegada de mensagens exponencial com média, 1800, 900, 450, 300 e 150 segundos para texto, 18000, 9000, 4500, 3000 e 1500 segundos para imagem e 3600, 1800, 900, 600 e 300 segundos para as mensagens de retorno( skewed ). Tamanho das Ocorrências: Imagem bytes / Texto bytes Janela de Tempo: 3600 segundos (tempo de simulação) Simulação considerando apenas arquivo tipo misto (imagens e texto), não considerando técnicas de compactação de mensagens. Quadro 4.2 Critérios para simulação das linhas discadas com tráfego em sentido duplo

49 IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes 70 % de Ocupação do Canal Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média DST/BTL BTL/DST DST/BTL BTL/DST INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS Gráfico 4.4 Ocupação do Canal tráfego em duplo sentido Destacamento/Batalhão (DST/BTL) e Batalhão/Destacamento (BTL/DST) IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes NÚMERO DE MENSAGENS ENTREGUES Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS Gráfico 4.5 Mensagens efetivamente entregues, tráfego em sentido duplo IMAGEM TEXTO RETORNO IMAGEM TEXTO RETORNO

50 39 TEMPO MÉDIO EM SEGUNDOS Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes IMAGEM TEXTO RETORNO IMAGEM TEXTO RETORNO Gráfico 4.6 Tempo Médio para Entrega das Mensagens Os gráficos 4.4, 4.5 e 4.6 demonstram a ocupação do canal, as mensagens efetivamente entregues e o tempo médio para entrega das mensagens utilizando-se linhas de e BPS. A simulação é modelada utilizando-se três fontes distintas de tráfego com uma relação de tempo de uma mensagem tipo imagem para cada 10 mensagens tipo texto e uma mensagem de retorno para duas mensagens de texto. Observamos que a linha de bps, tem bom desempenho até que o intervalo entre as mensagens chegue próximo a 450 segundos, a partir daí a linha de bps tem melhor desempenho. Conclusão para as linhas discadas Das simulações chegamos aos seguintes critérios para avaliação das linhas a serem utilizadas nas cidades não sedes de unidades administrativas da rede corporativa da PMMG: Para avaliação do tráfego misto além do constante dos quadro 4.1 e 4.2, deve-se avaliar com cuidado as naturezas das ocorrências tipo imagem que serão consideradas para o cálculo da demanda. Em princípio, indicamos as naturezas do grupo H00 (acidentes de trânsito urbano), grupo R00 (acidentes de trânsito rodoviário), a ocorrência de pessoa desaparecida e fuga de presos.

51 40 TRÁFEGO DE OCORRÊNCIAS TIPO MISTO Imagem (600 Kbytes) / Texto (30 Kbytes) Nº ocorrências por hora Linha recomendada em BPS IMAGEM TEXTO RETORNO < = 2 < = 8 < = Caso contrário Quadro 4.3 Critérios para definição de linhas para ocorrências tipo, Misto Imagem (600 Kbytes) / Texto (30 Kbytes) / Retorno (600 Kbytes) Cidades não sede de unidade administrativa Simulação das linhas privadas de comunicação de dados Este nível representa a ligação entre as unidades administrativas e os comandos regionais de policiamento militar. Os critérios para a simulação deste nível são os constantes do quadro 4.4. Velocidade da linha de comunicação privada em bps: Probabilidade de Erro: 10% para Distribuição de chegada de Mensagens Exponencial com médias, 300, 150, 75 e 35 segundos para mensagens tipo texto e 3000, 1500, 750 e 350 para mensagens tipo imagem Tamanho das Ocorrências: Imagem bytes / Texto bytes Janela de Tempo: 3600 segundos Simulação considerando mensagens do tipo misto (imagens e texto), não considerando técnicas de compactação de mensagens. Quadro 4.4 Critérios para simulação regional No simulador COMNET III o cenário para simulação é o representado na figura 4.6 (Misto). Realizamos as simulações para obter entre outros dados, os resultados referentes a ocupação do canal de transmissão de dados, mensagens efetivamente entregues e tempo médio de chegada das mensagens.

52 41 Os resultados são demonstrados nos gráficos 4.7 a 4.9 e serviram de base para a criação do quadro 4.5. Simulação transmitindo tráfego misto, ocorrência de imagem (600 Kbytes) e ocorrências de texto (30 Kbytes) Figura 4.6 Cenário para Simulação entre as Unidades Administrativas e a Sede do CRPM Tráfego Misto (Imagem e Texto) % de Ocupação do Canal Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes bps Gráfico 4.7 Ocupação do Canal tráfego misto (Imagem e Texto)

53 42 NÚMERO DE MENSAGENS ENTREGUES Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes IMAGEM TEXTO Gráfico 4.8 Mensagens efetivamente entregues, transmitindo (Imagem e Texto) TEMPO MÉDIO EM SEGUNDOS IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes IMAGEM TEXTO 20 0 Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS Gráfico 4.9 Tempo Médio para Entrega das Mensagens Os gráficos 4.7, 4.8 e 4.9 demonstram a ocupação do canal, as mensagens efetivamente entregues e o tempo médio de chegada das mensagens, considerando o cenário representado na figura 4.3. No presente caso, simulamos a chegada de ocorrência de imagens (600 Kbytes) e de texto (30 Kbytes) no intervalo de 3600 segundos (uma hora). Para isto colocamos duas fontes distintas de tráfego, uma gerando mensagens com o tamanho de 600 Kbytes e uma gerando mensagens com o tamanho de 30 Kbytes. As duas com distribuição exponencial, mesma "semente" de número aleatório e uma relação de intervalo de tempo de 1 para 10

54 43 ou seja para cada 10 mensagens tipo texto era gerada uma mensagem tipo imagem. Os demais critérios foram os constantes no quadro 4.4. Simulação transmitindo tráfego misto, ocorrência de imagem (600 Kbytes) e ocorrências de texto (30 Kbytes) no sentido Batalhão / CRPM (BTL/CRPM) e tráfego de imagem no sentido CRPM / Batalhão (CRPM/BTL). Figura 4.7 Cenário para Simulação entre as Unidades Administrativas e a Sede do CRPM Tráfego nos dois sentidos Velocidade da linha de comunicação privada em bps: / Probabilidade de Erro: 10% para e 1% para Distribuição de chegada de Mensagens Exponencial com médias, 300, 150, 75 e 35 segundos para mensagens tipo texto, 3000, 1500, 750 e 350 para mensagens tipo imagem e 600, 300, 150 e 70 para mensagens de retorno. Tamanho das Ocorrências: Imagem bytes / Texto bytes Janela de Tempo: 3600 segundos Simulação considerando mensagens do tipo misto (imagens e texto), não considerando técnicas de compactação de mensagens. Quadro 4.5 Critérios para simulação regional

55 44 % de Ocupação do Canal Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes bps BTL/CRPM bps CRPM/BTL bps BTL/CRPM bps CRPM/BTL Gráfico 4.10 Ocupação do Canal tráfego duplo sentido Batalhão/Comando Regional (BTL/CRPM) e Comando Regional/Batalhão (CRPM/BTL) IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes NÚMERO DE MENSAGENS ENTREGUES Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM TEXTO RETORNO IMAGEM TEXTO RETORNO Gráfico 4.11 Mensagens efetivamente entregues, tráfego duplo

56 45 TEMPO MÉDIO EM SEGUNDOS Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM 600 KBytes TEXTO 30 KBytes IMAGEM TEXTO RETORNO IMAGEM TEXTO RETORNO Gráfico 4.12 Tempo Médio para Entrega das Mensagens, tráfego duplo Conclusão das linhas privadas de comunicação de dados Analisando os gráficos 4.7 a 4.11, elaboramos o quadro 4.6, que demonstra os critérios para definição das linhas privadas de comunicação de dados (LPCDs) que interligarão as unidades administrativas aos comandos regionais. O número de ocorrências por hora é avaliado somando-se todas as ocorrências de todos os municípios que constituem a área de responsabilidade do Batalhão / Companhia Independente a ser avaliada. Como exemplo, podemos citar o cenário representado pela figura 3.1, para a avaliação da linha pertencente a 4ª Companhia Independente sediada em Frutal, devemos considerar a soma das ocorrências de todos os municípios que compõem a área da Companhia, ou seja, Frutal, Carneirinho, Iturama e outros. Para compreensão do quadro deve-se considerar que a relação entre as ocorrências é a seguinte, para cada ocorrência tipo imagem, existem em média 10 ocorrências tipo texto e 5 ocorrências em média tipo retorno.

57 46 TRÁFEGO DE OCORRÊNCIAS DUPLO Imagem (600 Kbytes) / Texto (30 Kbytes) Nº de ocorrências por hora Linha recomendada em bps Imagem Texto Retorno <= 7 e <= 46 e <= Caso contrário Quadro 4.6 Critérios para definição de linhas Cidades sede de unidade administrativa Simulação do Anel Corporativo Para avaliação do tráfego e das características do anel principal da rede (estrutura básica), definimos a topologia constante da figura 3.3 representada no ambiente do simulador COMNET III pela figura 4.8. Nesta representação, o ícone com o nome da mensagem, por exemplo, T 3CRPM, significa uma mensagem tipo texto, originada no 3º CRPM, o ícone com o nome I 3CRPM, significa uma mensagem tipo imagem originada no 3º CRPM, o ícone identificado como RL 3 CRPM, significa Rede Local do 3º CRPM e o ícone Rot 3 CRPM, significa Roteador do 3º CRPM. Este padrão é o referencial para a interpretação dos símbolos constantes na figura 4.8.

58 47 Figura 4.8 Topologia do Anel Corporativo Para a validação deste nível, inicialmente simulamos a estrutura do anel proposta na figura 3.3 com as características constantes do quadro 4.7. e representação da figura 4.8. Todas as fontes de mensagens, texto e imagem, a mesma "semente" de números aleatórios e como destino padrão a PRODEMGE. O tráfego de entrada é obtido através de uma consolidação do tráfego gerado pelos CRPMs (isto é, o tráfego consolidado gerado pelas unidades administrativas) e tem as características mostradas no quadro 4.7.

59 48 Velocidade da linha em bps: Probabilidade de Erro: 5% Tamanho das Ocorrências: Imagem bytes / Texto bytes Janela de Tempo: 3600 segundos Simulação considerando apenas tráfego misto (texto e imagem) não considerando técnicas de compactação de mensagens. Distribuição de chegada de Mensagens Exponencial conforme demonstrados abaixo e destino padrão a PRODEMGE. Nome da mensagem Intervalo médio entre mensagens em segundos Nome da mensagem Intervalo médio entre mensagens em segundos I1º CRPM 2250 TEXTO 1º CRPM 225 I2º CRPM 1240 TEXTO 2º CRPM 124 I3º CRPM 1240 TEXTO 3º CRPM 124 I4º CRPM 870 TEXTO 4º CRPM 87 I5º CRPM 1636 TEXTO 5º CRPM 163 I6º CRPM 837 TEXTO 6º CRPM 83 I7º CRPM 1161 TEXTO 7º CRPM 116 Quadro 4.7 Critérios para Simulação do Anel Como produto da simulação demonstrada na figura 4.8, obtivemos os resultados constantes do grafo 4.1. Utilizamos a estrutura de grafo para representarmos de forma visual e objetiva a topologia da rede e os diversos resultados do trabalho.

60 , , Número de Mensagens Entregues 46,04 - Delay Médio em Segundos 23 2,83 5º 5, , , ,56 9,05 2º 20,73 3º BH 4 147,96 5, ,66 21,57 6,27 7º 1º 8,48 - % de Ocupação do Canal VREDE 36 2, ,43 Linha de 128 KBPS 16 3, ,13 6º 4º 0 Msg Imagem Msg Texto 39 2,69 CRPM Grafo 4.1 Resultado da Simulação representada na figura 4.8. Os números acima do símbolo das mensagens de Imagem e Texto indicam o número de mensagens efetivamente entregues e o tempo médio em segundos para a entrega das mensagens. Por exemplo, no grafo 4.1, no símbolo de mensagens de imagem do 5º CRPM existem os números 4, indicando o número de mensagens entregues e 46,04, indicando o tempo médio em segundos para a entrega da mensagem a Belo Horizonte. Constatamos também que as linhas entre o 3º CRPM e o 5º CRPM e entre o 6º CRPM e o 4º CRPM não foram utilizadas durante a simulação. Poderíamos corrigir a ociosidade destas linhas, direcionando parte do tráfego para as mesmas, mas como a ocupação dos canais mantém-se equilibrada, não há necessidade desta correção. Estas linhas são as opções de rota para o caso de um

61 50 congestionamento ou perda do nó central de Belo Horizonte, possibilitando o funcionamento da rede em qualquer situação. Atendendo a metodologia proposta por Menascé[Menascé-95], realizamos novas simulações com novas propostas de configurações do backbone (nível principal da rede). Inicialmente mantivemos a mesma topologia demonstrada na figura 4.8 e os mesmos critérios de carga do quadro 4.9. Apenas colocamos uma fonte de tráfego extra, partindo de Belo Horizonte para todos os CRPM com intervalo médio de 120 segundos entre as mensagens. O grafo 4.2 demonstra esta situação. 2 - Número de Mensagens Entregues 55,17 - Delay Médio em Segundos 19 2,86 5º 3 47, ,02 3,68 4,23 7,34 0 2º 3 66, , ,54 5, ,34 0 3º BH 6º 4º 0 17,84 14, , , ,24 5,85 5,88 - % Ocupação de Canal do Tráfego de Mensagens Geradas em BH 26, ,05 22,79 7,67 7,70 13,00 7º 6 60,03 1º 9,68 - % de Ocupação do Canal VREDEBI5 Linha de 128 KBPS Msg Imagem Msg Texto 31 2, , , , , , , ,29 CRPM Msg Gerada em BH Grafo 4.2 Resultado da simulação com tráfego bidirecional Diante dos resultados dos grafos 4.1 e 4.2 resolvemos analisar o comportamento da rede considerando o tráfego bidirecional, como descrito no grafo

62 51 4.2, mas com as linhas de comunicação na velocidade de 64 Kbps. O grafo 4.3 demonstra o resultado desta situação. 2 - Número de Mensagens Entregues 160,49 - Delay Médio em Segundos 23 9,62 5º 6 160, ,65 9,26 15,56 20,22 0 2º 2 207, , ,39 19,01 0 3º BH 6º 4º 0 43, , , , , ,71 9,95 9,88 - % Ocupação de Canal do Tráfego de Mensagens Geradas em BH 33, ,99 49,92 8,82 22,99 26,92 7º 3 159,32 1º 16,13 - % de Ocupação do Canal VREDEBI5 Linha de 64 KBPS Msg Imagem Msg Texto 31 9, , , , , , , ,67 CRPM Msg Gerada em BH Grafo 4.3 Resultado das modificações do grafo 4.2 Analisando o resultado do grafo 4.3 observamos que o número de mensagens entregues não sofreu alteração significativa. A taxa de ocupação de canal sofreu um acréscimo dentro de cerca de 100%, o que podemos considerar normal em razão da diferença de velocidade da linha. Observamos que apesar dos fatos acima o atraso médio das mensagens aumentou de forma significativa, pois em média houve um acréscimo de cerca de 200 % sobre o resultado constante do grafo 4.2. Ainda atendendo a metodologia proposta, simulamos o anel corporativo com os critérios constantes do quadro 4.8.

63 52 Velocidade da linha em bps: Probabilidade de Erro: 5% Tamanho das Ocorrências: Imagem bytes / Texto bytes Janela de Tempo: 3600 segundos Simulação considerando apenas tráfego misto (texto e imagem) não considerando técnicas de compactação de mensagens. Distribuição de chegada de Mensagens Exponencial conforme demonstrados abaixo e destino padrão a PRODEMGE. Nome da mensagem Intervalo médio entre mensagens em segundos Nome da mensagem Intervalo médio entre mensagens em segundos I1º CRPM 450 TEXTO 1º CRPM 45 I2º CRPM 248 TEXTO 2º CRPM 25 I3º CRPM 248 TEXTO 3º CRPM 25 I4º CRPM 174 TEXTO 4º CRPM 17 I5º CRPM 327 TEXTO 5º CRPM 33 I6º CRPM 166 TEXTO 6º CRPM 17 I7º CRPM 232 TEXTO 7º CRPM 23 Para mensagens originadas em Belo Horizonte com destino aos CRPM o intervalo entre elas será de 24 segundos, com distribuição exponencial. Quadro 4.8 Critérios para Simulação do Anel com intervalo diminuído

64 Número de Mensagens Entregues 171,86 - Delay Médio em Segundos ,12 5º , ,54 21,71 25,85 29,57 0 2º 7 627, , ,02 27,27 0 3º BH 6º 4º 0 67, , , , , ,13 21,10 22,45 - % Ocupação de Canal do Tráfego de Mensagens Geradas em BH 87, ,65 91,61 28,95 34,06 39,40 7º ,23 1º 33,55 - % de Ocupação do Canal VREDEBI5 Linha de 128 KBPS Msg Imagem Msg Texto , , , , , , , ,07 CRPM Msg Gerada em BH Grafo 4.4 Simulação com tráfego multiplicado por cinco. Observamos que apesar do aumento da taxa de ocupação dos canais e do atraso das mensagens a rede suportou a carga sem problema, o canal que apresentou uma taxa de ocupação maior que 90% poderia ser aliviado apenas modificando a rota das mensagens do 4º CRPM ou do 3º CRPM, sem problema. Esta situação dificilmente ocorreria, pois a chance de aumento de demanda em todos os comandos regionais ao mesmo tempo é bastante remota. Apesar dessa situação e por não conhecermos a real demanda reprimida nas unidades, efetuamos simulações em outro contexto, com mensagens tipo imagem com tamanho de 1,2 Mbytes e mensagens tipo texto com tamanho de 300 Kbytes. Os resultados dessas simulações encontram-se no anexo VI.

65 54 Capítulo 5 - Conclusões 5.1 Trabalho Realizado Neste trabalho, propomos uma arquitetura para a rede corporativa da PMMG. Tal arquitetura é avaliada através de simulação. Regras para alocação de canais, são criadas. Cenários variados são analisados e recomendações de operações são discutidas. Buscamos na nossa experiência profissional, na bibliografia de referência, na legislação e no histórico organizacional os critérios para a escolha final da topologia e os critérios de carga para a simulação da rede. Quanto a topologia da rede, acompanhamos as mudanças da estrutura e procuramos observar suas conseqüências se a rede já estivesse em operação, conforme demonstrado na figura 3.4. Quanto aos critérios de carga, o número de ocorrências registradas não é o melhor indicador, pois este fator demonstra o número de ocorrências que a Polícia Militar atendeu em um determinado município, mas não demonstra o trabalho preventivo que foi realizado, os problemas que foram evitados e a rotina administrativa de cada localidade. Infelizmente não possuímos na organização, nem na bibliografia, informações que poderiam nos guiar para um critério mais preciso, principalmente para eventos que não foram mensurados. Diante destes fatos tivemos que utilizar estimativas de tráfego futuro baseadas nos dados existentes, que nos apontam como um critério aceitável até a implantação da rede. A outra opção que possuímos seria a utilização da técnica de benchmark descrita no capítulo 2. Infelizmente para a utilização desta técnica precisaríamos de uma equipe bastante diversificada, um período de tempo razoável e um volume de recursos financeiros alto. Diante das dificuldades acima citadas consideramos que seria inviável a sua utilização no presente caso. 5.2 Contribuições As principais contribuições do nosso trabalho são: - o projeto e implementação de um modelo de simulação para a rede corporativa da PMMG; - a definição de regras práticas para especificação das linhas discadas;

66 55 - a definição de regras práticas para especificação das linhas privadas de comunicação de dados (LPCD); - a avaliação de cenários de carga no anel corporativo, com impactos na ocupação das linhas e avaliação de alternativas. - A possibilidade de reavaliação de novos contextos para a rede corporativa da PMMG e dos impactos que estes poderão gerar. Por exemplo, modificamos o contexto de simulação e o critério de carga da rede e, em apenas 5 dias, já possuíamos os novos resultados das simulações conforme demonstrado no anexo VI. Esperamos que este estudo facilite a implantação da rede corporativa da PMMG em um futuro próximo. Procuramos nos orientar pela realidade da corporação, uma vez que os projetos de pesquisa, na nossa visão, devem produzir trabalhos que possam ser utilizados no nosso cotidiano. Durante os trabalhos de definição da topologia e especificação dos critérios de carga, identificamos problemas da Corporação que demandam a atenção de seus dirigentes, principalmente no aspecto da distribuição dos recursos humanos. O anexo III ilustra esta situação em ordem alfabética. Se classificarmos os mesmos dados em ordem crescente do número de ocorrências, por município, não conseguimos identificar quais são os critérios para a fixação dos recursos humanos, por município, na corporação. Os demais dados contidos nos anexos poderão servir como subsídio para uma avaliação da situação organizacional da Polícia Militar, nos seus diversos aspectos. 5.3 Trabalhos futuros Esta dissertação é apenas o começo de um esforço na busca de um serviço de informações eficaz para a PMMG que possibilite a melhoria do atendimento à população. Não foi possível considerar, por impossibilidade de tempo, por dificuldades na elaboração de um trabalho acadêmico e objetivos do trabalho, a estrutura, o formato, as características e as restrições dos bancos de dados que armazenarão e manipularão as informações que irão trafegar na futura rede corporativa da Polícia Militar. É uma tarefa ainda a ser realizada, que apoiará e consolidará o nosso trabalho, moldando um perfil geral da rede.

67 56 Neste aspecto alertamos que a estrutura do anel corporativo é primordial para a garantia do funcionamento da rede como um todo. Atenção especial deve ser dada à infra-estrutura das sedes dos comandos regionais. Tais sedes devem ser equipadas com equipamento adequado (máquina reserva, grupo gerador, pessoal técnico de suporte), pois serão a rota reserva das unidades de execução (em caso de pane, as cidades pequenas irão fazer contato com a regional diretamente) e são os concentradores dos dados que serão transferidos para o servidor corporativo. Se ocorrer pane nos servidores regionais, as unidades subordinadas ao mesmo deverão se ligar por linha discada com a regional mais próxima ou mesmo o servidor central, dependendo de planejamento a ser detalhado quando da implantação da regional e das opções disponíveis na data de instalação (tipo de ligação, degrau de comunicação, disponibilidade de linhas no servidor que irá receber a comunicação). Em razão da pouca disponibilidade de tempo e objetivos do presente trabalho, não detalhamos a distribuição da rede nas regiões metropolitanas (Belo Horizonte, Juiz de Fora, Uberlândia) e cidades de grande porte onde existem mais de uma unidade da Polícia Militar (Montes Claros, Uberaba e outras). Além disto, as unidades de polícia rodoviária, florestal e bombeiro não possuem uma estrutura administrativa, mas são instaladas em prédios diversos das sedes das unidades administrativas destas grandes cidades. As frações do Corpo de Bombeiros terão a mesma estrutura das unidades de Polícia Militar, conforme o seu nível organizacional (Pelotão, Companhia, Batalhão), compartilhando as linhas de comunicação com as demais unidades no caso de ligação interurbana. O nosso objetivo era a definição de uma regra geral para a criação de uma rede corporativa da PMMG. 5.4 Custos Para instalação da rede corporativa, devemos considerar os custos envolvidos no projeto. Apenas quanto a linha de comunicação, estimamos que os custos serão os constantes dos quadros 5.1 e 5.2 dependendo do cenário a ser considerado. No quadro 5.1 consideramos a configuração constante do capítulo 4 e no quadro 5.2 a configuração constante do anexo VI. Os valores abaixo são os de mercado. Se considerarmos a classificação das linhas dedicadas como de segurança nacional, com redução da tarifa para 10% os valores serão os constantes do quadro 5.3 e 5.4. Não consideramos ainda a possibilidade de redução nas linhas

68 57 discadas com a utilização de redes de pacotes (MINASPAC, RENPAC). O valores são os seguintes: Tipo de Linha (Discada ou Número de Valor Mensal Valor Total Dedicada) unidades Unitário em R$ Discada , ,40 Dedicada 64Kbps , ,00 Dedicada 128 Kbps , ,00 Total ,00 Quadro 5.1 Custo mensal das linhas de comunicação para a implantação da rede corporativa Tipo de Linha (Discada ou Número de Valor Mensal Valor Total Dedicada) unidades Unitário em R$ Discada , ,40 Dedicada 64Kbps , ,00 Dedicada 2 Mbps , ,00 Total ,00 Quadro 5.2 Custo mensal das linhas de comunicação para o contexto considerado no anexo VI Tipo de Linha (Discada ou Número de Valor Mensal Valor Total Dedicada) unidades Unitário em R$ Discada , ,40 Dedicada 64Kbps , ,00 Dedicada 128 Kbps 9 290, ,00 Total 67929,40 Quadro Considerando degrau 1, uma hora de conexão diária entre 21:00 e 24:00 horas. 6 Preços do POP-MG 7 Considerando degrau 1, uma hora de conexão diária entre 21:00 e 24:00 horas. 8 Preços do POP-MG

69 58 Custo mensal das linhas de comunicação para a implantação da rede corporativa considerando linhas dedicadas de segurança nacional Tipo de Linha (Discada ou Dedicada) Número de unidades Valor Mensal Unitário em R$ Valor Total Discada , ,40 Dedicada 64Kbps , ,00 Dedicada 2 Mbps , ,00 Total 85119,40 Quadro 5.4 Custo mensal das linhas de comunicação para o contexto considerado no anexo VI, considerando linhas dedicadas de segurança nacional 5.5 Conclusão Procuramos demonstrar no presente trabalho, que a criação de uma rede corporativa cobrindo o Estado de Minas Gerais é factível, com custo dentro de fatores razoáveis e com benefícios que compensarão o investimento. Esperamos que a implantação da rede corporativa possibilite uma diminuição da área meio (apoio administrativo) das diversas unidades da PMMG, considerando que o trabalho para o recebimento de documentos, tratamento, redigitação, arquivamento e outros, poderá ser minimizado. Ademais, os prazos para o processamento das informações e elaboração das respostas poderão ser reduzidas de 30 dias em média, na atualidade, para horas e em alguns casos para poucos minutos. Com a instalação dos bancos de dados distribuídos, teremos a informação em tempo útil para o apoio as operações e em última instância para a garantia do serviço de segurança pública e defesa civil nos diversos municípios do Estado de Minas Gerais.

70 59 6. Referências Bibliográficas: [ANDRADE-97] ANDRADE, H. C. M. "Aspectos de Gestão de Requisitos de Desempenho do Sistema Integrado de Supervisão" - Belo Horizonte: DCC - ICEX - UFMG p (Dissertação de Mestrado) [BARROS-96] BARROS, A. C., Andrade H. C. M. Relatório Técnico DCC.012/96 Utilizando o Comnet 3 para implementação de projetos de planejamento de capacidade para sistemas distribuídos, UFMG,1996. [BARROS-97] BARROS, A. C., Caracterização e Modelagem de Tráfego para o Projeto de uma Topologia de Rede Backbone ATM para um Campus Universitário - Dissertação de Mestrado do DCC. UFMG p. [CACI-95] CACI Products. COMNET III User s Manual; Planning for Network managers. Release 1.1.LaJolla: CACI Products, May p. [COMER-97] COMER, Douglas E., Computer Networks and Internet, Ed. Prentice Hall, 1997, 506p. [CYCLADES-96] CYCLADES INFORMÁTICA, Guia Internet de Conectividade p [DEC3251] BRASIL, REPÚBLICA FEDERATIVA DO - Decreto 3251 de 9/11/38 - Regulamento de Administração do Exército - RAE [DEC ] MINAS GERAIS, ESTADO DE - Decreto 37864, de 15/04/ Quadro de Organização e Distribuição. [DEC ] MINAS GERAIS, ESTADO DE - Decreto 11636, de 29/01/69 - Regulamento Geral da Polícia Militar - RGPM [DEC ] MINAS GERAIS, ESTADO DE - Decreto 23085, de 10/10/83 - Regulamento Disciplinar da Polícia Militar [DEC ] MINAS GERAIS, ESTADO DE - Decreto 37864, de 15/04/ Quadro de Organização e Distribuição. [DEFLER-93] DERFLER JR, F.J. e FREED, L., Como Funcionam as Redes, Ed. Quark, 1993, 3ª Ed., 217 p. [DOPM12-94] DOPM-12/94, Diretriz de Operações Policiais Militares, Planejamento do Emprego da Polícia Militar de Minas Gerais

71 60 [FRANÇA-96] FRANÇA, J. L., et ali, Manual para Normalização de Publicações Técnico-Científicas - Ed. UFMG, 1996, 3ª Ed. 191p. [GEOMINAS] MINAS GERAIS, ESTADO DE - Projeto GEOMINAS, mapas do Estado de Minas Gerais. [IBGE-94] IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - Censo 1994 [LEI ] MINAS GERAIS, ESTADO DE - Lei 5301 de 16/10/69 - Estatuto do Pessoal da Polícia Militar de Minas Gerais [MARCO-97] MARCO FILHO, L. de, História Militar da PMMG, 5ª. ed. rev. atual. Belo Horizonte, Editora O Lutador, [MENASCÉ-94] MENASCÉ, D. A., ALMEIDA, V. A. F., DOWDY, L. W. Capacity planning and performance modeling. 1 st edition, Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, p. [MOLLY-89] MOLLY, M.K., Fundamentals of Performance Modeling, 1 st edition, New York: Macmillan Publising Company, p. [NASSIF-97] NASSIF, L. N., Planejamento de Capacidade para a WAN da Rede Municipal de Informática - Dissertação de Mestrado da Escola de Governo da FJP p [PAC-95] MINAS GERAIS, POLÍCIA MILITAR DE Programa de Ação de Comando 95 / [PDST-94] MINAS GERAIS, POLÍCIA MILITAR DE - Plano Diretor de Sistemas e Tecnologia [PRAXEDES-97] PRAXEDES, P., L.,B., MENDES, N.,M.,A.,.A Distribuição das Informações na PMMG - Trabalho Técnico do Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais da PMMG - APM p... [PRODEMGE-94] COMPANHIA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DE MINAS GERAIS - PRODEMGE, Mapeamento Informacional [R ] MINAS GERAIS, POLÍCIA MILITAR DE - Regulamento do Sistema de Administração Financeira, Contabilidade e Auditoria - Resolução 2233, 31/07/89 - R-105 [RES ] MINAS GERAIS, POLÍCIA MILITAR DE - Resolução 3280 de 24/04/ Plano de Articulação da PMMG. [SOARES-95] SOARES, L.F.G., LEMOS, G., COLCHER, S., Redes de Computadores das LANs, Mans, e Wans às Redes ATM, 1995, Editora Campus, 2ª Ed. 705p.

72 61 [TANNENBAUM-89] -TANNENBAUM, A. S. Computer Networks. 2 nd Prentice Hall, edition- [TOFFLER-80] TOFFLER, A., A Terceira Onda, Ed. Record, 1980, 21ª Ed, 491p.

73 62 Anexo I Perfil das Transações do Main Frame da PRODEMGE em relação à PMMG Mar/97 TRANSAÇÃO DESCRIÇÃO QTD ADC1 ADMINISTRAÇÃO DO POST 1004 ADSE SISTEMA DE SEGURANÇA ADSEG ALOC ALOCAÇÃO DE IMPRESSORA 89 ASTB MENU PRINCIPAL ASSISTENCIA A SAUDE (SMAH) 6012 BATV PREENCHIMENTO DE B.ª 442 BEMG CHAMADA HOME BEMGE 141 CIR CONTROLE DE IMPRESSAO REMOTA 2477 CIRR CONTROLE DE IMPRESSAO REMOTA 2 COPI ALOCAÇÃO DE TERMINAL 737 CSAC TRANSAÇÕES AUTOMATICAS DO CICS CSPG TRANSAÇÕES AUTOMATICAS DO CICS CSPK TRANSAÇÕES AUTOMATICAS DO CICS 2379 CSPP TRANSAÇÕES AUTOMATICAS DO CICS 917 CSSF SAIR DO CICS 1408 CSSN ENTRAR NO CICS 1146 EBAB SUBSTITUIDA (TURMA E ALUNOS) 1 EKAB MENU PRINCIPAL - GESTÃO DE PESSOAL 8013 EKFK ACESSO DA EDUCAÇÃO AO FFAK 4905 EZAB MENU PRINCIPAL SELEÇÃO INTERNA P/DIRETOR 85 FEIR PESQUISA INFRAÇÕES - FEIRA 397 FREE LIBERA TERMINAL TCP-IP 39 GA8A MENU IPVA 72 GERA CRIA JCL PARA GERAÇÃO DO NCP 10 GOIC PESQUISA CONTRATOS DA GOI 4 GP3F BANCO DE RECLAMAÇÕES 1 GP43 MENU PRINCIPAL - GESTÃO DE OCORRÊNCIAS 55 GP78 MOSTRAR ASSOCIAÇÃO TERMINAL/IMPRESSORA 24 GPC1 MENU DO GPSS - SEGURANÇA 261 GPC2 INCLUI OPERADOR 107 GPC3 EXCLUI OPERADOR 33 GPC4 ALTERA OPERADOR 159 GPC5 PESQUISA DE OPERADOR 442 GPD4 ALTERA CLASSE DE LOCAL 4 GPF4 ALTERA CLASSE DE TRANSAÇÃO 3 GPF5 PESQUISA CLASSE DE PROCESSO 129 GPG2 INCLUI CLASSE DE DADO 4 GPG4 ALTERA CLASSE DE DADO 15 GPG5 PESQUISA CLASSE DE DADO 15 GPH2 INCLUI LOCAL 2 GPH4 ALTERA LOCAL 28 GPH5 PESQUISA DE LOCAL 4 GPIO VALIDA AUTORIZAÇÃO E TRANSAÇÃO 214 GPIV MENU DE PESQUISAS FATURADAS 15

74 TRANSAÇÃO DESCRIÇÃO QTD GPJ5 PESQUISA DE PROCESSO 14 GPK2 INCLUI DADO NO SISTEMA DE SEGURANÇA 3 GPSD SECRETARIA DE TRASP. BOLSA DE CARGAS 1 GPT5 PESQUISA NA TABELA DE TIPOS 3 GPTS TROCA DE SENHA 306 GPV5 PESQUISA VIOLAÇÕES 64 GRAL FRONT END DO DER 16 IPVA DESATIVADA (GA8A) 2 KCFK ACESSO AO FFAK 1253 L060 MUDAR PAGE SIZE DE IMPRESSORA 1853 LOGO LOGON MBIB MENU PRINCIPAL ADM DE BIBLIOTECA 116 MENS COLOCAR MENSAGEM 2 NAT2 NATURAL NATP NATURAL NCPS CICS NCP 1 NP09 TRANF DE PROGRAMA P/ CICS OPER ATIVAÇÃO DE LINHA 1 PRIN TESTE DE IMPRESSÃO 15 PRNT ROTINA DE IMPRESSÃO PROD DIVULGAÇÃO DAS BASES DE DADOS 224 PSEG TRAÇAR PERFIL DE SEGURANÇA P/ TRANSAÇÃO 22 QUAL IDENTIFICAÇÃO DE TERMINAL 13 RCIC MANUTENÇÃO DE PROGRAMA NATURAL 742 RECL RECLAMAÇÕES 1051 RP01 PATRIMONIO 163 S004 CONSULTA E PRE CADASTRAMENTO 4 S007 MENU DE PESQUISA (SSME) 196 S008 INFORMAÇÕES DE PRONTUÁRIOS 104 S014 COPIA DE PRONTUÁRIO 4 S025 CADASTRAMENTO DE PAUTA 160 S031 CADASTRAMENTO DE PAUTA 2ª PARTE 341 S034 MENU DE ALTERAÇÃO 469 S043 ATUALIZA DADOS EXAME MEDICO/PSICOTECNICO 630 S049 ATUALIZA DADOS GERAIS 130 S055 RESULTADO DA BANCA - CONDUTOR 4 S079 SELECIONA OPÇÃO DE EMISSÃO 8 S115 EMITE 2ª VIA DE CNH 1 S37A ATUALIZA DADOS PESSOAIS 20 TECN CONTROLE PATRIMONIAL (USO DOS TÉCNICOS) 396 TIME MEDIÇÃO DE TEMPO DE RESPOSTA 7 TSTS TESTE DE IMPRESSORA VEIC MENU DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE TRANSITO 4 SISTEMA OPERACIONAL ARMA CONTROLE DE ARMAS PARTICULARES 4747 SA SAAF 742 SAAL 312 SAFI 2 SAIE

75 TRANSAÇÃO DESCRIÇÃO QTD SAUD 42 SCEP 127 SDAK SIEP ENSINO PROFISSIONAL 26 SIPR 9826 SM03 SISTEMA DE FARDAMENTO 298 SM05 SISTEMA DE MOTOMECANIZAÇÃO SM06 SISTEMA DE MATERIAL DA PMMG SM20 SISTEMA DE ESTATÍSTICA OPERACIONAL SMA2 11 SMA3 LAPAROSCOPIA HPM 4252 SMAA PAGAMENTO PESSOAL CIVIL 12 SMAB SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS SMAC 3 SMAD 9 SMAF SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SMAG 6 SMAH SISTEMA HOSPITALAR 14 SMAL 9 SMAM 25 SMAN 6 SMAO 1 SMAP SISTEMA DE ESTRUTURAL ORGANIZACIONAL 6946 SMAT PAGAMENTO PESSOAL MILITAR SMAV 10 SMBZ INDEXAÇÃO PASTAS INATIVOS 1249 SMCA 1 SMCC 1 SMCD 1 SMDP 3769 SME2 1 SMED DIGITAÇÃO CONTAS HOSPITALARES SMF2 2 SMH2 4 SMMC SMOS 1 SMPE 7706 SMSA AUTORIZAÇÕES EXAMES HOSPITALARES SMSG SISTEMA DE SEGURANÇA SMSS SISTEMA DE SEGURANÇA 89 SISTEMA APLICATIVO SIAF SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE MG POST CORREIO ELETRÔNICO SISTEMA CORPORATIVO

76 65 DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DAS TRANSAÇÕES QUANTIDADE HORAS Perfil horário das transações do mainframe da PRODEMGE em relação a PMMG em Mar/97 Fonte: Fita fornecida pela PRODEMGE, do sistema de controle de transações e faturamento. Março/97 Nota: As transações onde não existe descrição integram outros sistemas, por exemplo o sistema SMBZ integra o SMAB.

77 66 Anexo II RELAÇÃO DOS POSSÍVEIS SERVIDORES DE BANCO DE DADOS E UNIDADES CLIENTES POR MUNICÍPIO/REGIÃO MUNICÍPIO/REGIÃO CRPM UNIDADE UNIDADE CLIENTE SEDE BH - GAMELEIRA CAPITAL CSM/Com 5º BPM BPTran DAL CSM/Int CSM/MB CCS 8ª Cia PRV BH - PRADO CAPITAL APM CRS RCAT COPM CFAP BH - SANTA EFIGÊNIA CAPITAL CAP C. Odont DP C. Farm (Laboratório) 1º BPM 8ª Cia PFLO BH - HOSPITAL CAPITAL HPM C. Farm JCS Clipes BH - SANTA TEREZA CAPITAL 16º BPM CTPM BH - PLANALTO CAPITAL BME 3º BBM 6ª Cia Ind 7ª Cia Ind BP Choque 139/13º BPM - Neves BH - QCG CAPITAL QCG DS DF DST DPS DAE BH - BOMBEIRO CAPITAL 1º BBM CCB BH - SANTA LÚCIA CAPITAL 22º BPM 129/22 BPM - Nova Lima JUIZ DE FORA 4º CRPM 2º BPM 4º BBM 4ª CIA P FLO 4ª CIA P RV 4º CRPM CAA - 4 CTPM 27º BPM DIAMANTINA 3º CRPM 3º BPM 3/12/3º BBM 2/3 CIAPFLO CTPM UBERABA 5º CRPM 4º BPM 5º CRPM 11/5 BBM 2/5 CIAPRV 2/5 CIAPFLO 3ª CIA IND ARAXÁ

78 67 MUNICÍPIO/REGIÃO CRPM UNIDADE SEDE UNIDADE CLIENTE 3ª CIA IND FRUTAL CTPM GOVERNADOR VALADARES 1º CRPM 6º BPM CAA -1 1ª CIAPRV 1ª CIAPFLO 1º CRPM 3/1 BBM CTPM BOM DESPACHO 2º CRPM 7º BPM 2º CRPM CTPM LAVRAS 6º CRPM 8º BPM 6º CRPM 6ª CIAPFLO CTPM 3/13/2º BBM BARBACENA 4º CRPM 9º BPM CTPM 5/6/4º BBM 3 / 4 CIAPRV 2 / 4 CIAPFLO MONTES CLAROS 3º CRPM 10º BPM CTPM 3º CRPM/3ª CIAPRV 3ª CIAPFLO 12/ 3º BBM MANHUAÇU 7º CRPM 11º BPM CTPM 2 / 7ª CIAPFLO PASSOS 6º CRPM 12º BPM CTPM 4/1ª CIA IND BM 3 / 6ª CIA PRV 2/ 6ª CIAPFLO IPATINGA 7º CRPM 14º BPM CTPM 7ª CIA PFLO 7ª CIAPRV 7º CRPM 2 / 3 / 1º BBM PATOS DE MINAS 2º CRPM 15º BPM CAA - 2 CTPM 2ª CIA PRV 2ª CIAPFLO 2 / 11 / 5º BBM UBERLÂNDIA 5º CRPM 17º BPM CAA -5 5ª CIA P FLO 5ª CIA PRV 5º BBM 9ª CIA IND 10º CIA IND CONTAGEM CAPITAL 18º BPM 1ª CIA IND TRAN 2º BBM 5ª CIA IND TEÓFILO OTONI 1º CRPM 19º BPM 1 / 1 CIA PFLO 2 / 1 CIA PRV 3 / 3 / 1º BBM POUSO ALEGRE 6º CRPM 20º BPM 2 / 6ª CIA PRV 3 / 6ª CIA PFLO 3 / 1ª CIA IND BM UBÁ 4º CRPM 21º BPM 6 / 6 / 4º BBM 2 / 4ª CIAPRV

79 68 MUNICÍPIO/REGIÃO CRPM UNIDADE UNIDADE CLIENTE SEDE DIVINÓPOLIS 2º CRPM 23º BPM 2 / 2ª CIAPRV 2 / 2ª CIAPFLO 2 / 1º BBM * VARGINHA 6º CRPM 24º BPM 6ª CIAPRV 13 CIA ESP / 2º BBM SETE LAGOAS 3º CRPM 25º BPM 5/9/3º BBM ITABIRA 7º CRPM 26º BPM UNAÍ 2º CRPM 28º BPM POÇOS DE CALDAS 6º CRPM 29º BPM 1ª CIA IND BM JANUÁRIA 3º CRPM 30º BPM 4/3ª CIA PFLO Fonte: considerando o contido em [DEC ] Nota: a representação 6 / 6 / 4º BBM, significa 6º Pelotão da 6ª Companhia do 4º Batalhão de Bombeiro Militar.

80 69 Anexo III- Distribuição de Ocorrências no Triângulo Mineiro NOME UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO AGUA COMPRIDA 4ª Cia Ind ARAPORA 9ª Cia Ind CACHOEIRA DOURADA 10ª Cia Ind CAMPINA VERDE 4ª Cia Ind CAMPO FLORIDO 4ª Cia Ind CANAPOLIS 10ª Cia Ind CAPINOPOLIS 10ª Cia Ind CARNEIRINHO 4ª Cia Ind CENTRALINA 10ª Cia Ind COMENDADOR GOMES 4ª Cia Ind CONCEICAO DAS ALAGOAS 4ª Cia Ind CONQUISTA 3ª Cia Ind FRONTEIRA 4ª Cia Ind GURINHATA 10ª Cia Ind INDIANOPOLIS 9ª Cia Ind IPIACU 10ª Cia Ind ITAPAJIPE 4ª Cia Ind ITURAMA 4ª Cia Ind LIMEIRA DO OESTE 4ª Cia Ind MONTE ALEGRE DE MINAS 10ª Cia Ind NOVA PONTE 3ª Cia Ind PEDRINOPOLIS 3ª Cia Ind PERDIZES 3ª Cia Ind PIRAJUBA 4ª Cia Ind PLANURA 4ª Cia Ind PRATA 10ª Cia Ind SACRAMENTO 3ª Cia Ind SANTA JULIANA 3ª Cia Ind SANTA VITORIA 10ª Cia Ind SAO FRANCISCO DE SALES 4ª Cia Ind TAPIRA 3ª Cia Ind TUPACIGUARA 9ª Cia Ind VERISSIMO 4ª Cia Ind

81 70 Ocorrências do mês de janeiro Por dia da Semana Somatório das 4 semanas do mês NOME SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM AGUA COMPRIDA ARAPORA CACHOEIRA DOURADA CAMPINA VERDE CAMPO FLORIDO CANAPOLIS CAPINOPOLIS CARNEIRINHO CENTRALINA COMENDADOR GOMES CONCEICAO DAS ALAGOAS CONQUISTA FRONTEIRA GURINHATA INDIANOPOLIS IPIACU ITAPAJIPE ITURAMA LIMEIRA DO OESTE MONTE ALEGRE DE MINAS NOVA PONTE PEDRINOPOLIS PERDIZES PIRAJUBA PLANURA PRATA SACRAMENTO SANTA JULIANA SANTA VITORIA SAO FRANCISCO DE SALES TAPIRA TUPACIGUARA VERISSIMO

82 71 Ocorrências do mês de fevereiro Por dia da Semana Somatório das 4 semanas do mês NOME SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM AGUA COMPRIDA ARAPORA CACHOEIRA DOURADA CAMPINA VERDE CAMPO FLORIDO CANAPOLIS CAPINOPOLIS CARNEIRINHO CENTRALINA COMENDADOR GOMES CONCEICAO DAS ALAGOAS CONQUISTA FRONTEIRA GURINHATA INDIANOPOLIS IPIACU ITAPAJIPE ITURAMA LIMEIRA DO OESTE MONTE ALEGRE DE MINAS NOVA PONTE PEDRINOPOLIS PERDIZES PIRAJUBA PLANURA PRATA SACRAMENTO SANTA JULIANA SANTA VITORIA SAO FRANCISCO DE SALES TAPIRA TUPACIGUARA

83 72 Ocorrências do mês de março Por dia da Semana Somatório das 4 semanas do mês NOME SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM AGUA COMPRIDA ARAPORA CACHOEIRA DOURADA CAMPINA VERDE CAMPO FLORIDO CANAPOLIS CAPINOPOLIS CARNEIRINHO CENTRALINA COMENDADOR GOMES CONCEICAO DAS ALAGOAS CONQUISTA FRONTEIRA GURINHATA INDIANOPOLIS IPIACU ITAPAJIPE ITURAMA LIMEIRA DO OESTE MONTE ALEGRE DE MINAS NOVA PONTE PEDRINOPOLIS PERDIZES PIRAJUBA PLANURA PRATA SACRAMENTO SANTA JULIANA SANTA VITORIA SAO FRANCISCO DE SALES TAPIRA TUPACIGUARA VERISSIMO

84 73 Ocorrências do mês de janeiro Pior hora Somatório de todos os dias do mês NOME UNIDADE OCORRÊNCIAS CACHOEIRA DOURADA 10ª Cia Ind 4 CANAPOLIS 10ª Cia Ind 6 CAPINOPOLIS 10ª Cia Ind 6 CENTRALINA 10ª Cia Ind 4 GURINHATA 10ª Cia Ind 6 IPIACU 10ª Cia Ind 4 MONTE ALEGRE DE MINAS 10ª Cia Ind 16 PRATA 10ª Cia Ind 14 SANTA VITORIA 10ª Cia Ind 9 CONQUISTA 3ª Cia Ind 8 NOVA PONTE 3ª Cia Ind 10 PEDRINOPOLIS 3ª Cia Ind 1 PERDIZES 3ª Cia Ind 7 SACRAMENTO 3ª Cia Ind 16 SANTA JULIANA 3ª Cia Ind 4 TAPIRA 3ª Cia Ind 2 AGUA COMPRIDA 4ª Cia Ind 2 CAMPINA VERDE 4ª Cia Ind 13 CAMPO FLORIDO 4ª Cia Ind 3 CARNEIRINHO 4ª Cia Ind 5 COMENDADOR GOMES 4ª Cia Ind 1 CONCEICAO DAS ALAGOAS 4ª Cia Ind 19 FRONTEIRA 4ª Cia Ind 6 ITAPAJIPE 4ª Cia Ind 6 ITURAMA 4ª Cia Ind 35 LIMEIRA DO OESTE 4ª Cia Ind 18 PIRAJUBA 4ª Cia Ind 2 PLANURA 4ª Cia Ind 6 SAO FRANCISCO DE SALES 4ª Cia Ind 7 VERISSIMO 4ª Cia Ind 3 ARAPORA 9ª Cia Ind 12 INDIANOPOLIS 9ª Cia Ind 7 TUPACIGUARA 9ª Cia Ind 34

85 74 Ocorrências do mês de janeiro Pior hora Somatório de todos os dias do mês NOME UNIDADE OCORRENCIAS CACHOEIRA DOURADA 10ª Cia Ind 10 CANAPOLIS 10ª Cia Ind 20 CAPINOPOLIS 10ª Cia Ind 33 CENTRALINA 10ª Cia Ind 13 GURINHATA 10ª Cia Ind 13 IPIACU 10ª Cia Ind 10 MONTE ALEGRE DE MINAS 10ª Cia Ind 31 PRATA 10ª Cia Ind 36 SANTA VITORIA 10ª Cia Ind 24 CONQUISTA 3ª Cia Ind 7 NOVA PONTE 3ª Cia Ind 33 PEDRINOPOLIS 3ª Cia Ind 3 PERDIZES 3ª Cia Ind 14 SACRAMENTO 3ª Cia Ind 27 SANTA JULIANA 3ª Cia Ind 7 TAPIRA 3ª Cia Ind 4 AGUA COMPRIDA 4ª Cia Ind 4 CAMPINA VERDE 4ª Cia Ind 28 CAMPO FLORIDO 4ª Cia Ind 4 CARNEIRINHO 4ª Cia Ind 13 COMENDADOR GOMES 4ª Cia Ind 3 CONCEICAO DAS ALAGOAS 4ª Cia Ind 37 FRONTEIRA 4ª Cia Ind 16 ITAPAJIPE 4ª Cia Ind 16 ITURAMA 4ª Cia Ind 99 LIMEIRA DO OESTE 4ª Cia Ind 19 PIRAJUBA 4ª Cia Ind 7 PLANURA 4ª Cia Ind 20 SAO FRANCISCO DE SALES 4ª Cia Ind 16 VERISSIMO 4ª Cia Ind 7 ARAPORA 9ª Cia Ind 19 INDIANOPOLIS 9ª Cia Ind 27 TUPACIGUARA 9ª Cia Ind 68 Fonte: Sistema de Estatística Operacional da PMMG SM20

86 75 Ocorrências do mês de janeiro Pior hora por CRPM Somatório de todos os dias do mês CRPM OCORRÊNCIAS HORA MÉDIA Fonte: Sistema de Estatística Operacional da PMMG SM20 Ocorrências do mês de janeiro Pior hora do Estado Somatório de todos os dias do mês CRPM OCORRÊNCIAS HORA MÉDIA Fonte: Sistema de Estatística Operacional da PMMG SM20

87 76 Anexo IV RELAÇÃO DE MUNICÍPIOS ORGANIZADOS POR CRPM. 1º CRPM Governador Valadares NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. AGUAS FORMOSAS 1 19º BPM ,55 3,07 2,03 AGUAS VERMELHAS 1 19º BPM ,35 0,98 1,80 ALMENARA 1 19º BPM ,00 3,64 3,44 ARACUAI 1 19º BPM ,02 4,74 3,44 ATALEIA 1 19º BPM ,02 1,25 1,72 BANDEIRA 1 19º BPM ,65 0,15 0,23 BERTOPOLIS 1 19º BPM ,23 0,51 0,55 CACHOEIRA DE PAJEU 1 19º BPM ,02 0,24 0,31 CAMPANARIO 1 19º BPM ,36 0,27 0,39 CARAI 1 19º BPM ,66 0,56 0,78 CARLOS CHAGAS 1 19º BPM ,63 2,28 2,58 CATUJI 1 19º BPM ,82 0,31 0,31 COMERCINHO 1 19º BPM ,22 0,33 0,39 CORONEL MURTA 1 19º BPM ,09 0,36 0,47 DIVISOPOLIS 1 19º BPM ,70 0,22 0,39 FELISBURGO 1 19º BPM ,71 0,35 0,39 FREI GASPAR 1 19º BPM ,78 0,28 0,63 FRONTEIRA DOS VALES 1 19º BPM ,57 0,37 0,23 ITAIPE 1 19º BPM ,01 0,64 0,39 ITAMBACURI 1 19º BPM ,40 1,82 2,03 ITAOBIM 1 19º BPM ,42 3,75 3,28 ITINGA 1 19º BPM ,56 0,75 0,39 JACINTO 1 19º BPM ,42 0,70 1,25 JAMPRUCA 1 19º BPM ,53 0,18 0,39 JEQUITINHONHA 1 19º BPM ,62 2,88 3,36 JOAIMA 1 19º BPM ,11 0,69 0,63 JORDANIA 1 19º BPM ,13 0,30 0,39 LADAINHA 1 19º BPM ,94 1,04 0,39 MALACACHETA 1 19º BPM ,98 2,90 2,50 MATA VERDE 1 19º BPM ,70 0,45 0,47 MAXACALIS 1 19º BPM ,82 0,40 0,39 MEDINA 1 19º BPM ,46 1,09 1,25 NANUQUE 1 19º BPM ,02 7,17 6,17 NOVA MODICA 1 19º BPM ,49 0,18 0,39 NOVO CRUZEIRO 1 19º BPM ,54 1,28 1,48 OURO VERDE DE MINAS 1 19º BPM ,89 0,46 0,39 PADRE PARAISO 1 19º BPM ,06 1,04 1,17 PALMOPOLIS 1 19º BPM ,83 0,22 0,47 PAVAO 1 19º BPM ,83 0,72 0,39 PEDRA AZUL 1 19º BPM ,62 1,29 2,19 PESCADOR 1 19º BPM ,51 0,08 0,47 POTE 1 19º BPM ,65 0,80 0,39 RIO DO PRADO 1 19º BPM ,72 0,65 0,70 RUBIM 1 19º BPM ,21 0,52 0,63 SALTO DA DIVISA 1 19º BPM ,87 0,69 0,94 SANTA MARIA DO SALTO 1 19º BPM ,63 0,13 0,39 SANTO ANTONIO DO JACINTO 1 19º BPM ,36 0,34 0,55 SAO JOSE DO DIVINO 1 19º BPM ,47 0,12 0,39 SERRA DOS AIMORES 1 19º BPM ,25 1,63 1,72 TEOFILO OTONI 1 19º BPM ,62 44,55 43,05 UMBURATIBA 1 19º BPM ,34 0,20 0,39

88 77 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. VIRGEM DA LAPA 1 19º BPM ,62 0,46 0,55 Total 19º BPM ,00 100,00 100,00 ACUCENA 1 6º BPM ,51 2,15 1,63 AGUA BOA 1 6º BPM ,22 0,73 0,56 AIMORES 1 6º BPM ,74 2,30 2,75 ALPERCATA 1 6º BPM ,00 0,67 0,38 ALVARENGA 1 6º BPM ,86 0,02 0,38 CAPITAO ANDRADE 1 6º BPM ,63 0,14 0,31 CENTRAL DE MINAS 1 6º BPM ,90 0,30 0,56 COLUNA 1 6º BPM ,54 0,40 0,25 CONSELHEIRO PENA 1 6º BPM ,32 3,12 3,31 COROACI 1 6º BPM ,57 0,69 0,63 DIVINO DAS LARANJEIRAS 1 6º BPM ,74 0,28 0,81 DIVINOLANDIA DE MINAS 1 6º BPM ,88 0,57 0,25 ENGENHEIRO CALDAS 1 6º BPM ,28 0,70 1,00 FERNANDES TOURINHO 1 6º BPM ,46 0,20 0,31 FREI INOCENCIO 1 6º BPM ,01 1,94 0,63 GALILEIA 1 6º BPM ,52 0,82 1,31 GONZAGA 1 6º BPM ,91 0,21 0,25 GOVERNADOR VALADARES 1 6º BPM ,53 62,17 59,44 ITABIRINHA DE MANTENA 1 6º BPM ,43 0,30 0,56 ITANHOMI 1 6º BPM ,75 0,87 1,50 ITUETA 1 6º BPM ,90 0,20 0,31 MANTENA 1 6º BPM ,82 5,87 4,38 MARILAC 1 6º BPM ,64 0,18 0,38 MATIAS LOBATO 1 6º BPM ,56 0,89 0,31 MENDES PIMENTEL 1 6º BPM ,55 0,33 0,63 NACIP RAYDAN 1 6º BPM ,56 0,37 0,38 PECANHA 1 6º BPM ,96 0,68 1,31 RESPLENDOR 1 6º BPM ,47 1,85 2,44 SANTA EFIGENIA DE MINAS 1 6º BPM ,74 0,18 0,31 SANTA MARIA DO SUACUI 1 6º BPM ,59 2,74 2,56 SANTA RITA DO ITUETO 1 6º BPM ,85 0,20 0,38 SAO GERALDO DA PIEDADE 1 6º BPM ,75 0,23 0,44 SAO JOAO DO MANTENINHA 1 6º BPM ,58 0,34 0,50 SAO JOAO EVANGELISTA 1 6º BPM ,24 1,58 2,00 SAO JOSE DA SAFIRA 1 6º BPM ,51 0,17 0,44 SAO JOSE DO JACURI 1 6º BPM ,54 0,68 0,50 SAO PEDRO DO SUACUI 1 6º BPM ,35 0,36 0,38 SAO SEBASTIAO DO MARANHAO 1 6º BPM ,87 0,15 0,31 SARDOA 1 6º BPM ,63 0,25 0,31 SOBRALIA 1 6º BPM ,96 0,29 0,50 TARUMIRIM 1 6º BPM ,55 1,30 2,06 TUMIRITINGA 1 6º BPM ,76 0,34 0,50 VIRGINOPOLIS 1 6º BPM ,84 1,84 1,44 VIRGOLANDIA 1 6º BPM ,96 0,41 0,44 Total 6º BPM ,00 100,00 100,00 Nota: Os valores em % e os somatórios referem-se a cada unidade. Por exemplo, Virgolândia representa 0,96% da população da área do 6º BPM.

89 78 2º CRPM Bom Despacho NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. ABADIA DOS DOURADOS 2 15º BPM ,45 0,98 0,48 ARAPUA 2 15º BPM ,69 0,16 0,29 CAMPOS ALTOS 2 15º BPM ,58 1,89 0,97 CARMO DO PARANAIBA 2 15º BPM ,47 4,25 5,04 CASCALHO RICO 2 15º BPM ,62 0,52 0,39 COROMANDEL 2 15º BPM ,07 5,70 4,46 CRUZEIRO DA FORTALEZA 2 15º BPM ,72 0,15 0,68 DOURADOQUARA 2 15º BPM ,35 0,27 0,39 ESTRELA DO SUL 2 15º BPM ,66 0,67 1,07 GRUPIARA 2 15º BPM ,28 0,34 0,39 GUIMARANIA 2 15º BPM ,33 0,49 0,48 IBIA 2 15º BPM ,33 3,41 2,13 IRAI DE MINAS 2 15º BPM ,08 0,87 0,58 LAGOA FORMOSA 2 15º BPM ,57 1,88 1,75 LAGOA GRANDE 2 15º BPM ,36 1,64 0,87 MATUTINA 2 15º BPM ,83 0,31 0,48 MONTE CARMELO 2 15º BPM ,45 12,76 7,27 PATOS DE MINAS 2 15º BPM ,64 35,08 50,92 PATROCINIO 2 15º BPM ,79 18,74 11,25 PRATINHA 2 15º BPM ,58 0,21 0,39 PRESIDENTE OLEGARIO 2 15º BPM ,85 2,28 2,23 RIO PARANAIBA 2 15º BPM ,12 1,61 1,16 ROMARIA 2 15º BPM ,82 0,99 0,29 SANTA ROSA DA SERRA 2 15º BPM ,66 0,16 0,39 SAO GONCALO DO ABAETE 2 15º BPM ,18 0,82 0,78 SAO GOTARDO 2 15º BPM ,66 2,08 3,20 SERRA DO SALITRE 2 15º BPM ,93 0,87 0,58 TIROS 2 15º BPM ,94 0,87 1,07 TOTAL DO 15º BPM ARCOS 2 23º BPM ,29 5,29 4,27 BONFIM 2 23º BPM ,57 0,36 0,59 CAMACHO 2 23º BPM ,85 0,31 0,47 CARMO DO CAJURU 2 23º BPM ,21 4,56 3,80 CLAUDIO 2 23º BPM ,12 2,15 2,73 CRUCILANDIA 2 23º BPM ,00 0,30 0,47 DIVINOPOLIS 2 23º BPM ,68 42,10 50,89 FORMIGA 2 23º BPM ,17 14,08 13,52 IGUATAMA 2 23º BPM ,91 1,57 1,54 ITAGUARA 2 23º BPM ,38 1,27 1,66 ITAPECERICA 2 23º BPM ,89 3,45 3,44 ITATIAIUCU 2 23º BPM ,68 1,34 0,95 ITAUNA 2 23º BPM ,23 19,16 10,91 PAINS 2 23º BPM ,74 0,89 0,95 PIEDADE DOS GERAIS 2 23º BPM ,94 0,19 0,47 PIMENTA 2 23º BPM ,54 1,39 1,30 RIO MANSO 2 23º BPM ,98 0,21 0,59 SAO GONCALO DO PARA 2 23º BPM ,72 0,63 0,83 SAO SEBASTIAO DO OESTE 2 23º BPM ,11 0,74 0,59 TOTAL DO 23º BPM ,00 100,00 100,00 ARINOS 2 28º BPM ,99 4,51 4,49 BONFINOPOLIS DE MINAS 2 28º BPM ,66 3,20 2,83 BURITIS 2 28º BPM ,45 6,34 4,49 FORMOSO 2 28º BPM ,51 0,91 0,83 GUARDA-MOR 2 28º BPM ,01 1,44 0,83 JOAO PINHEIRO 2 28º BPM ,00 11,69 10,15 LAGAMAR 2 28º BPM ,61 1,60 1,33

90 79 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. PARACATU 2 28º BPM ,99 30,12 17,30 RIACHINHO 2 28º BPM ,54 3,37 1,33 UNAI 2 28º BPM ,23 28,78 51,41 URUCUIA 2 28º BPM ,44 1,68 0,67 VAZANTE 2 28º BPM ,59 6,36 4,33 TOTAL DO 28º BPM ABAETE 2 7º BPM ,31 6,47 4,53 ARAUJOS 2 7º BPM ,45 0,74 0,63 BAMBUI 2 7º BPM ,18 3,45 2,77 BIQUINHAS 2 7º BPM ,73 0,84 0,75 BOM DESPACHO 2 7º BPM ,34 10,36 30,44 CEDRO DO ABAETE 2 7º BPM ,34 0,52 0,38 CONCEICAO DO PARA 2 7º BPM ,00 1,26 0,50 CORREGO DANTA 2 7º BPM ,05 0,77 0,50 DORES DO INDAIA 2 7º BPM ,37 4,42 3,77 ESTRELA DO INDAIA 2 7º BPM ,96 0,88 0,50 FLORESTAL 2 7º BPM ,27 0,88 0,63 IGARATINGA 2 7º BPM ,57 1,18 0,88 JAPARAIBA 2 7º BPM ,85 0,64 0,50 LAGOA DA PRATA 2 7º BPM ,14 8,23 5,41 LEANDRO FERREIRA 2 7º BPM ,74 0,74 0,50 LUZ 2 7º BPM ,22 5,64 4,28 MARAVILHAS 2 7º BPM ,39 0,71 0,63 MARTINHO CAMPOS 2 7º BPM ,13 2,93 4,91 MEDEIROS 2 7º BPM ,70 0,62 0,38 MOEMA 2 7º BPM ,41 1,52 0,88 MORADA NOVA DE MINAS 2 7º BPM ,71 3,93 2,14 NOVA SERRANA 2 7º BPM ,73 6,19 4,03 ONCA DE PITANGUI 2 7º BPM ,77 0,99 0,50 PAINEIRAS 2 7º BPM ,27 0,98 0,88 PAPAGAIOS 2 7º BPM ,67 2,27 1,51 PARA DE MINAS 2 7º BPM ,17 13,07 12,33 PEDRA DO INDAIA 2 7º BPM ,96 1,23 0,50 PEQUI 2 7º BPM ,82 0,45 0,63 PERDIGAO 2 7º BPM ,14 0,57 0,50 PITANGUI 2 7º BPM ,33 6,46 4,28 POMPEU 2 7º BPM ,38 5,28 3,77 QUARTEL GERAL 2 7º BPM ,71 0,58 0,63 SANTO ANTONIO DO MONTE 2 7º BPM ,75 4,08 3,14 SAO JOSE DA VARGINHA 2 7º BPM ,71 0,47 0,50 SERRA DA SAUDADE 2 7º BPM ,20 0,46 0,50 TAPIRAI 2 7º BPM ,54 0,18 0,38 Total 7º BPM

91 80 3º CRPM Montes Claros NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. BOCAIUVA 3 10º BPM ,74 3,11 2,84 BOTUMIRIM 3 10º BPM ,71 0,18 0,25 BURITIZEIRO 3 10º BPM ,54 1,94 1,07 CAPITAO ENEIAS 3 10º BPM ,21 1,04 0,69 CLARO DOS POCOES 3 10º BPM ,81 0,58 0,50 CORACAO DE JESUS 3 10º BPM ,29 2,75 1,32 CRISTALIA 3 10º BPM ,49 0,11 0,25 ENGENHEIRO NAVARRO 3 10º BPM ,78 0,57 0,44 ESPINOSA 3 10º BPM ,08 2,54 2,02 FRANCISCO DUMONT 3 10º BPM ,36 0,36 0,32 FRANCISCO SA 3 10º BPM ,47 2,08 1,76 GRAO-MOGOL 3 10º BPM ,95 0,56 0,76 IBIAI 3 10º BPM ,73 0,43 0,38 ITACAMBIRA 3 10º BPM ,65 0,16 0,32 JAIBA 3 10º BPM ,83 1,19 1,13 JANAUBA 3 10º BPM ,51 4,16 5,17 JEQUITAI 3 10º BPM ,94 0,47 0,32 JURAMENTO 3 10º BPM ,61 0,33 0,50 LAGOA DOS PATOS 3 10º BPM ,41 0,41 0,32 LASSANCE 3 10º BPM ,66 0,34 0,32 MAMONAS 3 10º BPM ,70 0,17 0,25 MATO VERDE 3 10º BPM ,07 0,51 0,44 MIRABELA 3 10º BPM ,70 0,62 1,07 MONTE AZUL 3 10º BPM ,06 1,66 0,76 MONTES CLAROS 3 10º BPM ,29 49,94 56,90 MONTEZUMA 3 10º BPM ,65 0,28 0,19 PIRAPORA 3 10º BPM ,81 8,90 8,82 PORTEIRINHA 3 10º BPM ,59 2,08 1,95 RIACHO DOS MACHADOS 3 10º BPM ,03 0,30 0,25 RIO PARDO DE MINAS 3 10º BPM ,26 1,61 0,76 RUBELITA 3 10º BPM ,95 0,17 0,25 SALINAS 3 10º BPM ,02 3,12 2,46 SANTA FE DE MINAS 3 10º BPM ,47 0,22 0,13 SAO JOAO DO PARAISO 3 10º BPM ,00 0,70 0,50 SAO ROMAO 3 10º BPM ,76 0,68 0,76 TAIOBEIRAS 3 10º BPM ,77 2,93 2,39 VARZEA DA PALMA 3 10º BPM ,06 2,78 1,45 Total do 10º BPM ARACAI 3 25º BPM ,72 0,43 0,88 BALDIM 3 25º BPM ,04 1,38 1,41 CACHOEIRA DA PRATA 3 25º BPM ,36 1,22 0,88 CAETANOPOLIS 3 25º BPM ,76 2,29 1,06 CAPIM BRANCO 3 25º BPM ,36 1,25 0,88 CORDISBURGO 3 25º BPM ,01 1,61 1,59 FORTUNA DE MINAS 3 25º BPM ,85 1,12 0,88 FUNILANDIA 3 25º BPM ,95 0,62 0,71 INHAUMA 3 25º BPM ,77 0,79 0,88 JABUTICATUBAS 3 25º BPM ,62 2,40 3,00 JEQUITIBA 3 25º BPM ,80 0,75 0,88

92 81 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MATOZINHOS 3 25º BPM ,82 7,92 7,41 PARAOPEBA 3 25º BPM ,35 6,06 4,76 PRUDENTE DE MORAIS 3 25º BPM ,54 2,20 1,94 SANTANA DE PIRAPAMA 3 25º BPM ,17 0,99 0,88 SANTANA DO RIACHO 3 25º BPM ,21 0,61 0,53 SETE LAGOAS 3 25º BPM ,68 68,37 71,43 Total do 25º BPM BRASILIA DE MINAS 3 30º BPM ,93 9,24 10,43 ICARAI DE MINAS 3 30º BPM ,77 1,19 1,07 ITACARAMBI 3 30º BPM ,44 10,60 4,01 JANUARIA 3 30º BPM ,43 28,03 50,27 LONTRA 3 30º BPM ,74 1,10 1,60 MANGA 3 30º BPM ,51 14,60 8,56 MATIAS CARDOSO 3 30º BPM ,27 2,87 2,14 MONTALVANIA 3 30º BPM ,50 4,81 3,48 PEDRAS DE MARIA DA CRUZ 3 30º BPM ,36 2,17 1,34 SAO FRANCISCO 3 30º BPM ,93 14,65 10,16 SAO JOAO DA PONTE 3 30º BPM ,30 3,33 2,41 UBAI 3 30º BPM ,02 3,04 2,14 VARZELANDIA 3 30º BPM ,78 4,37 2,41 Total do 30º BPM ALVORADA DE MINAS 3 3º BPM ,74 0,46 0,48 AUGUSTO DE LIMA 3 3º BPM ,06 0,63 0,60 BERILO 3 3º BPM ,41 1,32 0,84 BUENOPOLIS 3 3º BPM ,89 2,04 2,75 CAPELINHA 3 3º BPM ,12 8,93 5,98 CARBONITA 3 3º BPM ,56 1,05 0,60 CHAPADA DO NORTE 3 3º BPM ,04 0,53 0,60 CONCEICAO DO MATO DENTRO 3 3º BPM ,49 3,77 2,75 CONGONHAS DO NORTE 3 3º BPM ,87 0,32 0,60 CORINTO 3 3º BPM ,82 5,42 3,47 COUTO DE MAGALHAES DE MINAS 3 3º BPM ,80 0,69 0,72 CURVELO 3 3º BPM ,56 18,94 16,99 DATAS 3 3º BPM ,94 0,53 0,72 DIAMANTINA 3 3º BPM ,94 16,47 33,73 FELICIO DOS SANTOS 3 3º BPM ,17 0,44 0,60 FELIXLANDIA 3 3º BPM ,34 1,57 0,72 FRANCISCO BADARO 3 3º BPM ,37 1,00 0,72 GOUVEIA 3 3º BPM ,31 1,13 1,08 INIMUTABA 3 3º BPM ,18 1,32 0,60 ITAMARANDIBA 3 3º BPM ,37 5,51 2,75 JOAQUIM FELICIO 3 3º BPM ,82 0,56 0,60 MATERLANDIA 3 3º BPM ,85 0,36 0,60 MINAS NOVAS 3 3º BPM ,79 2,78 3,59 MONJOLOS 3 3º BPM ,54 0,28 0,84 MORRO DA GARCA 3 3º BPM ,61 0,42 0,60 PAULISTAS 3 3º BPM ,11 0,23 0,48 PRESIDENTE JUSCELINO 3 3º BPM ,79 0,65 0,72 PRESIDENTE KUBITSCHEK 3 3º BPM ,59 0,50 0,48 RIO VERMELHO 3 3º BPM ,05 0,70 1,67 SABINOPOLIS 3 3º BPM ,15 1,08 2,15

93 82 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. SANTO ANTONIO DO ITAMBE 3 3º BPM ,82 0,84 0,60 SANTO HIPOLITO 3 3º BPM ,71 0,31 0,48 SAO GONCALO DO RIO PRETO 3 3º BPM ,58 0,61 0,60 SENADOR MODESTINO 3 3º BPM ,98 0,98 0,48 GONCALVES SERRA AZUL DE MINAS 3 3º BPM ,74 0,16 0,48 SERRO 3 3º BPM ,79 2,21 2,87 TRES MARIAS 3 3º BPM ,32 12,87 3,59 TURMALINA 3 3º BPM ,80 2,40 1,91 Total do 3º BPM

94 83 4º CRPM Juiz de Fora NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. ALEM PARAIBA 4 21º BPM ,06 2,80 4,73 ANTONIO PRADO DE MINAS 4 21º BPM ,29 0,44 0,30 ARAPONGA 4 21º BPM ,06 0,20 0,61 ARGIRITA 4 21º BPM ,38 0,33 0,30 ASTOLFO DUTRA 4 21º BPM ,50 0,83 1,07 BARAO DO MONTE ALTO 4 21º BPM ,77 0,68 0,30 BICAS 4 21º BPM ,48 1,66 2,29 BRAS PIRES 4 21º BPM ,72 0,18 0,38 CAJURI 4 21º BPM ,46 0,30 0,30 CANAA 4 21º BPM ,70 0,17 0,30 CATAGUASES 4 21º BPM ,86 5,10 7,39 CHIADOR 4 21º BPM ,36 0,10 0,38 COIMBRA 4 21º BPM ,72 0,56 0,30 DESCOBERTO 4 21º BPM ,53 0,28 0,38 DIVINESIA 4 21º BPM ,37 0,17 0,23 DONA EUSEBIA 4 21º BPM ,65 0,24 0,46 DORES DO TURVO 4 21º BPM ,65 0,36 0,30 ERVALIA 4 21º BPM ,04 0,97 1,37 ESTRELA-D'ALVA 4 21º BPM ,33 0,28 0,38 EUGENOPOLIS 4 21º BPM ,29 1,21 0,99 GUARANI 4 21º BPM ,04 1,94 1,68 GUARARA 4 21º BPM ,51 0,23 0,23 GUIDOVAL 4 21º BPM ,91 0,60 0,23 GUIRICEMA 4 21º BPM ,31 0,57 0,38 ITAMARATI DE MINAS 4 21º BPM ,45 0,25 0,38 LARANJAL 4 21º BPM ,74 0,73 0,38 LEOPOLDINA 4 21º BPM ,10 4,86 5,72 MAR DE ESPANHA 4 21º BPM ,31 1,00 1,91 MARIPA DE MINAS 4 21º BPM ,29 0,19 0,15 MERCES 4 21º BPM ,28 2,11 0,84 MIRADOURO 4 21º BPM ,34 1,16 0,91 MIRAI 4 21º BPM ,90 0,75 1,45 MURIAE 4 21º BPM ,44 10,33 11,74 PALMA 4 21º BPM ,87 2,65 0,84 PATROCINIO DO MURIAE 4 21º BPM ,57 0,48 0,30 PAULA CANDIDO 4 21º BPM ,07 0,20 0,30 PEDRA DO ANTA 4 21º BPM ,54 0,31 0,30 PEQUERI 4 21º BPM ,35 0,26 0,38 PIAU 4 21º BPM ,37 0,43 0,30 PIRAPETINGA 4 21º BPM ,21 0,77 0,99 PIRAUBA 4 21º BPM ,14 0,61 0,76 PORTO FIRME 4 21º BPM ,22 0,54 0,38 PRESIDENTE BERNARDES 4 21º BPM ,80 0,32 0,23 RECREIO 4 21º BPM ,35 0,96 0,76 RIO NOVO 4 21º BPM ,47 1,42 1,30 RIO POMBA 4 21º BPM ,92 4,58 2,44 ROCHEDO DE MINAS 4 21º BPM ,20 0,23 0,30 RODEIRO 4 21º BPM ,49 0,35 0,38 SANTANA DE CATAGUASES 4 21º BPM ,46 0,11 0,23 SANTANA DO DESERTO 4 21º BPM ,44 0,24 0,76 SANTO ANTONIO DO AVENTUREIRO 4 21º BPM ,43 0,19 0,30 SAO GERALDO 4 21º BPM ,01 0,90 0,15 SAO JOAO NEPOMUCENO 4 21º BPM ,90 2,12 2,44 SAO MIGUEL DO ANTA 4 21º BPM ,83 0,16 0,30 SENADOR CORTES 4 21º BPM ,24 0,18 0,23 SENADOR FIRMINO 4 21º BPM ,77 0,63 0,91

95 84 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. SILVEIRANIA 4 21º BPM ,26 0,24 0,30 TABULEIRO 4 21º BPM ,54 0,49 0,30 TEIXEIRAS 4 21º BPM ,32 0,79 0,91 TOCANTINS 4 21º BPM ,63 1,41 0,84 UBA 4 21º BPM ,00 22,49 24,16 VICOSA 4 21º BPM ,99 7,57 5,72 VIEIRAS 4 21º BPM ,47 0,32 0,30 VISCONDE DO RIO BRANCO 4 21º BPM ,74 6,05 2,90 VOLTA GRANDE 4 21º BPM ,56 0,42 0,46 Total do 21º BPM ,00 100,00 100,00 BELMIRO BRAGA 4 2º BPM ,86 0,14 0,20 BOM JARDIM DE MINAS 4 2º BPM ,30 0,27 0,25 CHACARA 4 2º BPM ,70 0,32 0,49 CORONEL PACHECO 4 2º BPM ,69 0,34 0,40 JUIZ DE FORA 4 2º BPM ,93 96,49 94,02 LIMA DUARTE 4 2º BPM ,17 1,15 1,28 MATIAS BARBOSA 4 2º BPM ,41 0,70 1,28 OLARIA 4 2º BPM ,49 0,08 0,25 PEDRO TEIXEIRA 4 2º BPM ,34 0,03 0,35 RIO PRETO 4 2º BPM ,51 0,15 0,74 SANTA RITA DO JACUTINGA 4 2º BPM ,06 0,18 0,40 SIMAO PEREIRA 4 2º BPM ,52 0,14 0,35 Total do 2º BPM ALFREDO VASCONCELOS 4 9º BPM ,59 0,21 0,27 ALTO RIO DOCE 4 9º BPM ,66 0,95 1,67 ANTONIO CARLOS 4 9º BPM ,19 0,49 0,33 ARACITABA 4 9º BPM ,28 0,37 0,27 BARBACENA 4 9º BPM ,36 22,65 36,18 BARROSO 4 9º BPM ,16 1,73 1,34 BELO VALE 4 9º BPM ,84 0,46 0,40 BIAS FORTES 4 9º BPM ,57 0,22 0,33 CAPELA NOVA 4 9º BPM ,60 0,15 0,33 CARANAIBA 4 9º BPM ,40 0,25 0,27 CARANDAI 4 9º BPM ,40 2,35 1,54 CASA GRANDE 4 9º BPM ,24 0,02 0,20 CATAS ALTAS DA NORUEGA 4 9º BPM ,42 0,32 0,27 CIPOTANEA 4 9º BPM ,75 0,76 0,27 CONCEICAO DA BARRA DE MINAS 4 9º BPM ,48 0,19 0,27 CONGONHAS 4 9º BPM ,37 5,46 3,87 CONSELHEIRO LAFAIETE 4 9º BPM ,34 8,44 7,54 CORONEL XAVIER CHAVES 4 9º BPM ,35 0,17 0,27 CRISTIANO OTONI 4 9º BPM ,51 0,27 0,33 DESTERRO DE ENTRE-RIOS 4 9º BPM ,80 0,29 0,33 DESTERRO DO MELO 4 9º BPM ,41 0,27 0,27 DORES DE CAMPOS 4 9º BPM ,90 0,42 0,33 ENTRE-RIOS DE MINAS 4 9º BPM ,43 1,74 1,34 EWBANK DA CAMARA 4 9º BPM ,41 0,58 0,40 IBERTIOGA 4 9º BPM ,59 0,51 0,40 ITABIRITO 4 9º BPM ,09 4,17 2,07 ITAVERAVA 4 9º BPM ,77 0,31 0,33 JECEABA 4 9º BPM ,86 0,39 0,27 LAGOA DOURADA 4 9º BPM ,25 0,79 0,40 LAMIM 4 9º BPM ,43 0,35 0,27 MADRE DE DEUS DE MINAS 4 9º BPM ,46 0,23 0,27 MARIANA 4 9º BPM ,86 4,11 2,40 MOEDA 4 9º BPM ,47 0,41 0,67 NAZARENO 4 9º BPM ,86 0,41 0,33

96 85 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. OLIVEIRA FORTES 4 9º BPM ,26 0,26 0,27 OURO BRANCO 4 9º BPM ,49 4,83 3,20 OURO PRETO 4 9º BPM ,96 9,32 8,48 PAIVA 4 9º BPM ,16 0,24 0,33 PIEDADE DO RIO GRANDE 4 9º BPM ,59 0,25 0,33 PIRANGA 4 9º BPM ,98 1,13 0,87 PRADOS 4 9º BPM ,89 0,32 0,60 QUELUZITO 4 9º BPM ,20 0,12 0,20 RESENDE COSTA 4 9º BPM ,20 1,19 1,07 RESSAQUINHA 4 9º BPM ,55 0,29 0,47 RIO ESPERA 4 9º BPM ,87 0,41 0,53 RITAPOLIS 4 9º BPM ,69 0,22 0,33 SANTA BARBARA DO TUGURIO 4 9º BPM ,63 0,48 0,33 SANTA RITA DO IBITIPOCA 4 9º BPM ,47 0,29 0,33 SANTANA DO GARAMBEU 4 9º BPM ,21 0,02 0,33 SANTANA DOS MONTES 4 9º BPM ,48 0,34 0,27 SANTOS DUMONT 4 9º BPM ,56 6,72 3,87 SAO BRAS DO SUACUI 4 9º BPM ,39 0,56 0,33 SAO JOAO DEL-REI 4 9º BPM ,00 9,26 8,81 SAO TIAGO 4 9º BPM ,19 0,65 0,53 SENHORA DE OLIVEIRA 4 9º BPM ,62 0,26 0,20 SENHORA DOS REMEDIOS 4 9º BPM ,20 0,33 0,60 TIRADENTES 4 9º BPM ,30 2,04 1,67 Total do 9º BPM

97 86 5º CRPM Uberaba Comando Regional de Referência para Análise NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. CACHOEIRA DOURADA 5 10ª Cia Ind ,09 1,77 1,45 CANAPOLIS 5 10ª Cia Ind ,09 3,90 3,62 CAPINOPOLIS 5 10ª Cia Ind ,42 4,98 3,86 CENTRALINA 5 10ª Cia Ind ,98 2,92 2,17 GURINHATA 5 10ª Cia Ind ,55 2,03 2,66 IPIACU 5 10ª Cia Ind ,90 2,24 1,45 ITUIUTABA 5 10ª Cia Ind ,66 57,96 61,11 MONTE ALEGRE DE MINAS 5 10ª Cia Ind ,09 7,71 6,04 PRATA 5 10ª Cia Ind ,49 9,56 7,97 SANTA VITORIA 5 10ª Cia Ind ,73 6,93 9,66 Total da 10ª Cia Ind ,00 100,00 100,00 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. UBERLANDIA 5 17º BPM ,00 100,00 100,00 UBERABA 5 4º BPM ,00 100,00 100,00 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. ARAXA 5 3ª Cia Ind ,98 65,96 55,06 CONQUISTA 5 3ª Cia Ind ,03 2,87 5,67 NOVA PONTE 5 3ª Cia Ind ,68 7,69 12,15 PEDRINOPOLIS 5 3ª Cia Ind ,30 0,66 1,21 PERDIZES 5 3ª Cia Ind ,90 6,45 6,07 SACRAMENTO 5 3ª Cia Ind ,02 13,14 15,79 SANTA JULIANA 5 3ª Cia Ind ,90 2,29 2,43 TAPIRA 5 3ª Cia Ind ,18 0,95 1,62 Total da 3ª Cia Ind NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. AGUA COMPRIDA 5 4ª Cia Ind ,03 0,94 1,42 CAMPINA VERDE 5 4ª Cia Ind ,64 10,53 10,83 CAMPO FLORIDO 5 4ª Cia Ind ,58 1,10 1,42 CARNEIRINHO 5 4ª Cia Ind ,68 5,86 1,71 COMENDADOR GOMES 5 4ª Cia Ind ,69 0,29 1,42 CONCEICAO DAS ALAGOAS 5 4ª Cia Ind ,40 10,19 7,41 FRONTEIRA 5 4ª Cia Ind ,81 3,30 3,13 FRUTAL 5 4ª Cia Ind ,96 22,22 37,04 ITAPAJIPE 5 4ª Cia Ind ,61 4,25 4,56 ITURAMA 5 4ª Cia Ind ,70 25,85 20,80 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. LIMEIRA DO OESTE 5 4ª Cia Ind ,11 3,97 3,13 PIRAJUBA 5 4ª Cia Ind ,86 0,77 1,42 PLANURA 5 4ª Cia Ind ,20 5,18 3,13 SAO FRANCISCO DE SALES 5 4ª Cia Ind ,01 4,03 1,71 VERISSIMO 5 4ª Cia Ind ,74 1,51 0,85 Total da 4ª Cia Ind NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. ARAGUARI 5 9ª Cia Ind ,65 75,82 82,06 ARAPORA 5 9ª Cia Ind ,51 3,84 3,44 INDIANOPOLIS 5 9ª Cia Ind ,08 1,52 2,29 TUPACIGUARA 5 9ª Cia Ind ,77 18,81 12,21 Total da 9ª Cia Ind

98 87 6º CRPM - Lavras NOME CRPM UNIDADE POP OCORRÊNCIAS EFETIVO %POP %OCORR %EFET AGUANIL 6 8º BPM ,46 0,92 0,48 AIURUOCA 6 8º BPM ,92 1,15 1,59 ALAGOA 6 8º BPM ,38 0,24 0,40 ANDRELANDIA 6 8º BPM ,74 1,56 2,62 ARANTINA 6 8º BPM ,36 0,41 0,32 BAEPENDI 6 8º BPM ,45 1,41 1,19 BOCAINA DE MINAS 6 8º BPM ,69 0,50 0,63 BOM SUCESSO 6 8º BPM ,38 2,27 1,51 CAMBUQUIRA 6 8º BPM ,69 2,11 1,03 CAMPANHA 6 8º BPM ,80 2,42 1,43 CAMPO BELO 6 8º BPM ,74 5,06 4,92 CANA VERDE 6 8º BPM ,82 1,50 0,32 CANDEIAS 6 8º BPM ,96 1,32 1,03 CARMO DA CACHOEIRA 6 8º BPM ,55 0,71 0,63 CARMO DA MATA 6 8º BPM ,50 1,11 0,79 CARMO DE MINAS 6 8º BPM ,66 0,78 0,63 CARMOPOLIS DE MINAS 6 8º BPM ,06 1,98 1,59 CARRANCAS 6 8º BPM ,65 0,35 0,32 CARVALHOS 6 8º BPM ,65 0,50 0,32 CAXAMBU 6 8º BPM ,87 2,92 4,92 CONCEICAO DO RIO VERDE 6 8º BPM ,51 0,98 0,71 CRISTAIS 6 8º BPM ,30 1,51 0,48 CRISTINA 6 8º BPM ,47 0,59 0,87 CRUZILIA 6 8º BPM ,72 1,29 0,87 DOM VICOSO 6 8º BPM ,42 0,17 0,32 IBITURUNA 6 8º BPM ,37 0,37 0,32 IJACI 6 8º BPM ,67 0,36 0,48 INGAI 6 8º BPM ,33 0,43 0,32 ITAMONTE 6 8º BPM ,52 1,06 1,11 ITANHANDU 6 8º BPM ,66 1,55 1,83 ITUMIRIM 6 8º BPM ,92 0,41 0,63 ITUTINGA 6 8º BPM ,63 0,44 0,48 JESUANIA 6 8º BPM ,63 0,48 0,32 LAMBARI 6 8º BPM ,36 2,22 1,98 LAVRAS 6 8º BPM ,98 12,95 29,68 LIBERDADE 6 8º BPM ,84 0,40 0,56 LUMINARIAS 6 8º BPM ,72 0,65 0,40 MINDURI 6 8º BPM ,53 0,54 0,32 MONSENHOR PAULO 6 8º BPM ,06 0,68 0,48 NEPOMUCENO 6 8º BPM ,54 2,01 1,51 OLIMPIO NORONHA 6 8º BPM ,25 0,33 0,32 OLIVEIRA 6 8º BPM ,74 5,01 5,40 PASSA-QUATRO 6 8º BPM ,97 1,33 0,95 PASSA-TEMPO 6 8º BPM ,18 0,93 0,56 PASSA-VINTE 6 8º BPM ,33 0,24 0,24 PERDOES 6 8º BPM ,40 3,45 1,59 PIRACEMA 6 8º BPM ,84 0,65 0,40 POUSO ALTO 6 8º BPM ,86 0,72 0,40 RIBEIRAO VERMELHO 6 8º BPM ,52 0,64 0,48 SANTANA DO JACARE 6 8º BPM ,55 0,64 0,40 SANTO ANTONIO DO AMPARO 6 8º BPM ,02 1,69 0,95 SAO BENTO ABADE 6 8º BPM ,38 0,39 0,40 SAO FRANCISCO DE PAULA 6 8º BPM ,90 0,73 0,32 SAO LOURENCO 6 8º BPM ,52 6,96 4,84 SAO SEBASTIAO DO RIO VERDE 6 8º BPM ,26 0,27 0,32 SAO TOME DAS LETRAS 6 8º BPM ,84 0,63 0,48

99 88 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. SAO VICENTE DE MINAS 6 8º BPM ,77 0,80 0,40 SERITINGA 6 8º BPM ,25 0,28 0,32 SERRANOS 6 8º BPM ,28 0,47 0,32 SOLEDADE DE MINAS 6 8º BPM ,71 0,60 0,24 TRES CORACOES 6 8º BPM ,64 14,53 9,84 VIRGINIA 6 8º BPM ,23 0,46 0,56 Total do 8º BPM ,00 100,00 100,00 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. ALPINOPOLIS 6 12º BPM ,12 3,30 2,50 ALTEROSA 6 12º BPM ,40 1,58 1,14 ARCEBURGO 6 12º BPM ,47 1,56 1,14 BOM JESUS DA PENHA 6 12º BPM ,59 0,17 0,68 CABO VERDE 6 12º BPM ,48 1,39 0,68 CAPETINGA 6 12º BPM ,51 1,67 0,91 CAPITOLIO 6 12º BPM ,44 1,75 1,14 CARMO DO RIO CLARO 6 12º BPM ,71 3,69 2,39 CASSIA 6 12º BPM ,09 5,62 3,41 CLARAVAL 6 12º BPM ,66 0,48 0,46 CONCEICAO DA APARECIDA 6 12º BPM ,89 1,01 0,57 DELFINOPOLIS 6 12º BPM ,36 1,53 0,68 DORESOPOLIS 6 12º BPM ,24 0,57 0,46 FORTALEZA DE MINAS 6 12º BPM ,76 0,44 0,68 GUARANESIA 6 12º BPM ,45 1,26 1,82 GUAXUPE 6 12º BPM ,43 7,12 8,19 IBIRACI 6 12º BPM ,73 1,09 1,02 ITAMOJI 6 12º BPM ,88 2,83 1,14 ITAU DE MINAS 6 12º BPM ,26 1,82 1,25 JACUI 6 12º BPM ,34 1,12 0,80 JURUAIA 6 12º BPM ,39 0,65 0,57 MONTE BELO 6 12º BPM ,85 1,43 1,48 MONTE SANTO DE MINAS 6 12º BPM ,91 4,27 2,84 MUZAMBINHO 6 12º BPM ,70 3,06 2,62 NOVA RESENDE 6 12º BPM ,49 1,34 1,14 PASSOS 6 12º BPM ,00 22,91 35,61 PIUI 6 12º BPM ,30 6,03 6,03 PRATAPOLIS 6 12º BPM ,91 2,32 1,14 SAO JOAO BATISTA DO GLORIA 6 12º BPM ,11 1,04 0,46 SAO PEDRO DA UNIAO 6 12º BPM ,03 0,49 0,46 SAO ROQUE DE MINAS 6 12º BPM ,27 0,79 1,37 SAO SEBASTIAO DO PARAISO 6 12º BPM ,43 13,90 13,99 SAO TOMAS DE AQUINO 6 12º BPM ,35 1,16 0,80 VARGEM BONITA 6 12º BPM ,45 0,62 0,46 Total do 12º BPM ,00 100,00 100,00 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. ALBERTINA 6 20º BPM ,44 0,46 0,76 BOM REPOUSO 6 20º BPM ,60 0,90 0,43 BORDA DA MATA 6 20º BPM ,69 1,03 1,19 BRASOPOLIS 6 20º BPM ,26 2,37 1,41 BUENO BRANDAO 6 20º BPM ,85 0,76 0,76 CACHOEIRA DE MINAS 6 20º BPM ,63 1,06 0,65 CAMANDUCAIA 6 20º BPM ,04 2,47 1,52 CAMBUI 6 20º BPM ,27 4,26 2,61 CAREACU 6 20º BPM ,94 0,58 0,43 CONCEICAO DAS PEDRAS 6 20º BPM ,43 0,29 0,33 CONCEICAO DOS OUROS 6 20º BPM ,34 0,72 0,43 CONGONHAL 6 20º BPM ,27 0,72 0,54 CONSOLACAO 6 20º BPM ,30 0,45 0,33

100 89 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. CORDISLANDIA 6 20º BPM ,53 0,34 0,33 CORREGO DO BOM JESUS 6 20º BPM ,68 0,23 0,33 DELFIM MOREIRA 6 20º BPM ,37 0,77 0,33 ESPIRITO SANTO DO DOURADO 6 20º BPM ,70 0,36 0,33 ESTIVA 6 20º BPM ,60 1,05 0,33 EXTREMA 6 20º BPM ,57 2,62 2,39 GONCALVES 6 20º BPM ,63 1,00 0,33 HELIODORA 6 20º BPM ,92 0,81 0,43 INCONFIDENTES 6 20º BPM ,09 0,64 0,33 ITAJUBA 6 20º BPM ,48 18,93 17,92 ITAPEVA 6 20º BPM ,96 0,70 0,54 JACUTINGA 6 20º BPM ,15 2,16 1,41 MARIA DA FE 6 20º BPM ,44 0,59 0,65 MARMELOPOLIS 6 20º BPM ,50 0,16 0,33 MONTE SIAO 6 20º BPM ,11 1,65 1,41 MUNHOZ 6 20º BPM ,01 0,26 0,33 NATERCIA 6 20º BPM ,75 0,36 0,65 OURO FINO 6 20º BPM ,50 3,31 3,58 PARAISOPOLIS 6 20º BPM ,50 3,12 2,28 PEDRALVA 6 20º BPM ,92 0,92 1,09 PIRANGUCU 6 20º BPM ,77 0,56 0,54 PIRANGUINHO 6 20º BPM ,11 0,77 0,54 POCO FUNDO 6 20º BPM ,41 0,79 0,98 POUSO ALEGRE 6 20º BPM ,70 32,06 43,00 SANTA RITA DO SAPUCAI 6 20º BPM ,73 2,71 2,61 SAO GONCALO DO SAPUCAI 6 20º BPM ,42 2,42 1,74 SAO JOAO DA MATA 6 20º BPM ,45 0,39 0,43 SAO JOSE DO ALEGRE 6 20º BPM ,58 0,39 0,33 SAO SEBASTIAO DA BELA VISTA 6 20º BPM ,69 0,52 0,43 SAPUCAI-MIRIM 6 20º BPM ,74 0,84 0,33 SENADOR AMARAL 6 20º BPM ,73 0,28 0,43 SENADOR JOSE BENTO 6 20º BPM ,33 0,49 0,33 SILVIANOPOLIS 6 20º BPM ,00 1,02 0,54 TOLEDO 6 20º BPM ,81 0,27 0,43 TURVOLANDIA 6 20º BPM ,63 0,26 0,22 VENCESLAU BRAS 6 20º BPM ,42 0,14 0,43 Total do 20º BPM ,00 100,00 100,00 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. ALFENAS 6 24º BPM ,82 21,04 16,22 AREADO 6 24º BPM ,83 3,68 1,54 BOA ESPERANCA 6 24º BPM ,66 7,53 5,17 CAMPO DO MEIO 6 24º BPM ,85 2,12 0,98 CAMPOS GERAIS 6 24º BPM ,10 3,47 2,38 CARVALHOPOLIS 6 24º BPM ,65 0,43 0,42 COQUEIRAL 6 24º BPM ,35 1,43 0,70 DIVISA NOVA 6 24º BPM ,28 1,01 0,84 ELOI MENDES 6 24º BPM ,94 3,25 2,24 FAMA 6 24º BPM ,54 0,55 0,84 GUAPE 6 24º BPM ,96 1,80 1,96 ILICINEA 6 24º BPM ,30 1,75 0,84 MACHADO 6 24º BPM ,82 10,08 3,92 PARAGUACU 6 24º BPM ,20 2,49 2,10 SANTANA DA VARGEM 6 24º BPM ,74 0,98 0,84 SERRANIA 6 24º BPM ,82 1,30 1,12 TRES PONTAS 6 24º BPM ,02 7,42 6,01 VARGINHA 6 24º BPM ,09 29,66 51,89 Total do 24º BPM ,00 100,00 100,00

101 90 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. ANDRADAS 6 29º BPM ,02 10,19 8,52 BANDEIRA DO SUL 6 29º BPM ,01 1,28 1,09 BOTELHOS 6 29º BPM ,71 3,89 2,62 CALDAS 6 29º BPM ,62 2,58 2,62 CAMPESTRE 6 29º BPM ,21 7,96 3,28 IBITIURA DE MINAS 6 29º BPM ,27 1,39 0,87 IPUIUNA 6 29º BPM ,72 2,45 1,53 POCOS DE CALDAS 6 29º BPM ,09 67,28 77,95 SANTA RITA DE CALDAS 6 29º BPM ,36 2,99 1,53 Total do 29º BPM ,00 100,00 100,00

102 91 7º CRPM Ipatinga NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. ABRE-CAMPO 7 11º BPM ,38 1,82 2,50 ACAIACA 7 11º BPM ,46 0,39 0,27 ALTO JEQUITIBA 7 11º BPM ,95 0,81 0,45 AMPARO DA SERRA 7 11º BPM ,78 0,43 0,36 BARRA LONGA 7 11º BPM ,12 0,48 0,45 BOM JESUS DO GALHO 7 11º BPM ,20 1,41 1,07 CAIANA 7 11º BPM ,60 0,74 0,36 CAPARAO 7 11º BPM ,04 1,27 1,16 CAPUTIRA 7 11º BPM ,00 0,55 0,36 CARANGOLA 7 11º BPM ,09 6,73 5,81 CARATINGA 7 11º BPM ,05 12,71 12,24 CHALE 7 11º BPM ,69 0,51 0,36 CONCEICAO DE IPANEMA 7 11º BPM ,62 0,48 0,27 CORREGO NOVO 7 11º BPM ,98 0,50 0,63 DIOGO DE VASCONCELOS 7 11º BPM ,50 0,19 0,27 DIVINO 7 11º BPM ,73 2,33 1,97 DOM CAVATI 7 11º BPM ,76 0,73 0,45 DURANDE 7 11º BPM ,73 0,51 0,36 ENTRE-FOLHAS 7 11º BPM ,62 0,45 0,36 ESPERA FELIZ 7 11º BPM ,57 3,45 2,86 FARIA LEMOS 7 11º BPM ,37 0,41 0,36 FERVEDOURO 7 11º BPM ,19 0,67 0,54 GUARACIABA 7 11º BPM ,31 0,96 0,36 IAPU 7 11º BPM ,73 0,68 0,45 INHAPIM 7 11º BPM ,24 1,78 3,49 IPANEMA 7 11º BPM ,29 3,28 2,86 JEQUERI 7 11º BPM ,83 0,64 0,54 LAJINHA 7 11º BPM ,20 1,55 1,61 MANHUACU 7 11º BPM ,00 13,04 24,22 MANHUMIRIM 7 11º BPM ,69 3,60 3,49 MATIPO 7 11º BPM ,89 1,47 0,98 MUTUM 7 11º BPM ,39 4,06 2,50 PEDRA DOURADA 7 11º BPM ,21 0,23 0,27 PIEDADE DE PONTE NOVA 7 11º BPM ,52 0,52 0,27 POCRANE 7 11º BPM ,36 0,71 0,36 PONTE NOVA 7 11º BPM ,25 12,51 11,97 RAUL SOARES 7 11º BPM ,59 2,41 2,06 RIO CASCA 7 11º BPM ,91 3,98 2,32 RIO DOCE 7 11º BPM ,31 0,32 0,27 SANTA BARBARA DO LESTE 7 11º BPM ,79 0,28 0,45 SANTA CRUZ DO ESCALVADO 7 11º BPM ,78 0,37 0,27 SANTA MARGARIDA 7 11º BPM ,64 1,17 0,71 SANTA RITA DE MINAS 7 11º BPM ,85 0,91 0,45 SANTANA DO MANHUACU 7 11º BPM ,20 0,43 0,54 SANTO ANTONIO DO GRAMA 7 11º BPM ,55 0,54 0,27 SAO FRANCISCO DO GLORIA 7 11º BPM ,81 0,41 0,36 SAO JOAO DO MANHUACU 7 11º BPM ,91 0,43 0,36 SAO JOAO DO ORIENTE 7 11º BPM ,99 0,66 0,36 SAO JOSE DO MANTIMENTO 7 11º BPM ,27 0,20 0,27 SAO PEDRO DOS FERROS 7 11º BPM ,24 1,01 0,63 SERICITA 7 11º BPM ,84 0,36 0,36 SIMONESIA 7 11º BPM ,09 1,32 0,54 TOMBOS 7 11º BPM ,23 1,09 2,23 UBAPORANGA 7 11º BPM ,30 0,74 0,45

103 92 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. URUCANIA 7 11º BPM ,34 0,80 0,36 Total do 11º BPM ,00 100,00 100,00 BELO ORIENTE 7 14º BPM ,40 1,80 2,11 CORONEL FABRICIANO 7 14º BPM ,40 14,61 10,22 IPABA 7 14º BPM ,03 4,24 10,05 IPATINGA 7 14º BPM ,72 58,56 63,26 JAGUARACU 7 14º BPM ,72 0,66 0,34 JOANESIA 7 14º BPM ,68 0,71 0,25 MARLIERIA 7 14º BPM ,85 1,44 3,38 MESQUITA 7 14º BPM ,82 1,79 0,51 SANTANA DO PARAISO 7 14º BPM ,45 0,92 0,76 TIMOTEO 7 14º BPM ,93 15,28 9,12 Total do 14º BPM ,00 100,00 100,00 ALVINOPOLIS 7 26º BPM ,67 1,33 1,30 ANTONIO DIAS 7 26º BPM ,26 2,02 1,30 BARAO DE COCAIS 7 26º BPM ,10 3,56 5,22 BELA VISTA DE MINAS 7 26º BPM ,22 1,36 0,87 BOM JESUS DO AMPARO 7 26º BPM ,21 0,85 0,87 BRAUNAS 7 26º BPM ,50 0,18 0,58 CARMESIA 7 26º BPM ,51 0,32 1,88 DIONISIO 7 26º BPM ,43 1,39 1,16 DOM JOAQUIM 7 26º BPM ,14 0,79 0,72 DOM SILVERIO 7 26º BPM ,40 3,28 2,61 DORES DE GUANHAES 7 26º BPM ,29 2,70 0,58 FERROS 7 26º BPM ,34 3,42 2,46 GUANHAES 7 26º BPM ,14 5,20 6,81 ITABIRA 7 26º BPM ,51 34,36 41,16 ITAMBE DO MATO DENTRO 7 26º BPM ,63 0,70 0,72 JOAO MONLEVADE 7 26º BPM ,91 16,82 11,45 MORRO DO PILAR 7 26º BPM ,89 0,51 0,58 NOVA ERA 7 26º BPM ,42 4,89 4,35 NOVA UNIAO 7 26º BPM ,22 0,58 1,01 PASSABEM 7 26º BPM ,38 0,19 0,58 RIO PIRACICABA 7 26º BPM ,34 1,98 2,75 SANTA BARBARA 7 26º BPM ,52 3,94 2,90 SANTA MARIA DE ITABIRA 7 26º BPM ,55 2,42 1,16 SANTO ANTONIO DO RIO ABAIXO 7 26º BPM ,48 0,23 0,58 SAO DOMINGOS DO PRATA 7 26º BPM ,49 3,12 2,75 SAO GONCALO DO RIO ABAIXO 7 26º BPM ,92 1,62 0,87 SAO JOSE DO GOIABAL 7 26º BPM ,42 0,76 0,58 SAO SEBASTIAO DO RIO PRETO 7 26º BPM ,48 0,36 0,58 SENHORA DO PORTO 7 26º BPM ,85 0,63 0,87 TAQUARACU DE MINAS 7 26º BPM ,80 0,49 0,72 Total do 26º BPM ,00 100,00 100,00

104 93 8º CRPM Belo Horizonte NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. NOVA LIMA 8 22º BPM ,15 87,29 87,29 RAPOSOS 8 22º BPM ,30 8,57 6,63 RIO ACIMA 8 22º BPM ,55 4,13 6,08 Total do 22º BPM exc Bhte ,00 100,00 100,00 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. BETIM 8 5ª Cia Ind ,78 66,06 73,82 ESMERALDAS 8 5ª Cia Ind ,32 9,20 6,13 IGARAPE 8 5ª Cia Ind ,52 12,20 7,78 JUATUBA 8 5ª Cia Ind ,63 4,79 4,48 MATEUS LEME 8 5ª Cia Ind ,75 7,75 7,78 Total da 5ª Cia Ind ,00 100,00 100,00 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. BRUMADINHO 8 5º BPM ,83 14,12 31,73 IBIRITE 8 5º BPM ,17 85,88 68,27 Total do 5º BPM exc Bhte ,00 100,00 100,00 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. LAGOA SANTA 8 6ª Cia Ind ,62 20,38 16,35 PEDRO LEOPOLDO 8 6ª Cia Ind ,94 12,09 19,23 SAO JOSE DA LAPA 8 6ª Cia Ind ,44 10,18 4,49 VESPASIANO 8 6ª Cia Ind ,00 57,35 59,94 Total da 6ª Cia Ind ,00 100,00 100,00 NOME CRPM UNIDADE POP_94 OCORRENCIAS EFETIVO % POP % OCOR % EFET. CAETE 8 7ª Cia Ind ,94 10,61 14,70 SABARA 8 7ª Cia Ind ,17 36,80 31,08 SANTA LUZIA 8 7ª Cia Ind ,89 52,59 54,22 Total da 7ª Cia Ind ,00 100,00 100,00 BELO HORIZONTE 8 QCG ,00 100,00 100,00 RIBEIRAO DAS NEVES - Bhte 8 13º BPM ,92 137,91 146,96 CONTAGEM 8 18º BPM ,66 628,49 874,03 Nota: 0 5º BPM, o 13º BPM, 16º BPM e 22º BPM também possuem responsabilidade territorial em Belo Horizonte abrangendo mais de um município. O efetivo detalhado refere-se ao pessoal nas cidades da região metropolitana, exceto Belo Horizonte.

105 94 Anexo V RELAÇÃO DE MUNICÍPIOS, CONSOLIDAÇÃO GERAL DO ESTADO. NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA ABADIA DOS DOURADOS 15º BPM ,039 0,028 0,012 1,05 ABAETE 7º BPM ,130 0,172 0,087 6,38 ABRE-CAMPO 11º BPM ,117 0,051 0,068 1,90 ACAIACA 11º BPM ,023 0,011 0,007 0,41 ACUCENA 6º BPM ,149 0,069 0,063 2,55 AGUA BOA 6º BPM ,094 0,023 0,022 0,87 AGUA COMPRIDA 4ª Cia Ind ,011 0,010 0,012 0,38 AGUANIL 8º BPM ,020 0,041 0,014 1,54 AGUAS FORMOSAS 19º BPM ,135 0,107 0,063 3,98 AGUAS VERMELHAS 19º BPM ,124 0,034 0,056 1,27 AIMORES 6º BPM ,158 0,073 0,106 2,72 AIURUOCA 8º BPM ,039 0,052 0,048 1,93 ALAGOA 8º BPM ,016 0,011 0,012 0,41 ALBERTINA 20º BPM ,016 0,015 0,017 0,54 ALEM PARAIBA 21º BPM ,195 0,114 0,150 4,23 ALFENAS 24º BPM ,341 0,465 0,280 17,25 ALFREDO VASCONCELOS 9º BPM ,030 0,008 0,010 0,28 ALMENARA 19º BPM ,212 0,127 0,106 4,72 ALPERCATA 6º BPM ,042 0,021 0,014 0,80 ALPINOPOLIS 12º BPM ,125 0,095 0,053 3,52 ALTEROSA 12º BPM ,073 0,045 0,024 1,68 ALTO JEQUITIBA 11º BPM ,047 0,023 0,012 0,84 ALTO RIO DOCE 9º BPM ,084 0,035 0,060 1,29 ALVARENGA 6º BPM ,037 0,001 0,014 0,03 ALVINOPOLIS 26º BPM ,095 0,020 0,022 0,76 ALVORADA DE MINAS 3º BPM ,024 0,011 0,010 0,41 AMPARO DA SERRA 11º BPM ,038 0,012 0,010 0,45 ANDRADAS 29º BPM ,184 0,161 0,094 5,98 ANDRELANDIA 8º BPM ,074 0,070 0,080 2,61 ANTONIO CARLOS 9º BPM ,061 0,018 0,012 0,66 ANTONIO DIAS 26º BPM ,058 0,031 0,022 1,15 ANTONIO PRADO DE MINAS 21º BPM ,014 0,018 0,010 0,66 ARACAI 25º BPM ,012 0,009 0,012 0,34 ARACITABA 9º BPM ,014 0,014 0,010 0,51 ARACUAI 19º BPM ,213 0,166 0,106 6,15 ARAGUARI 9ª Cia Ind ,574 1,147 0,519 42,55 ARANTINA 8º BPM ,016 0,018 0,010 0,68 ARAPONGA 21º BPM ,051 0,008 0,019 0,31 ARAPORA 9ª Cia Ind ,027 0,058 0,022 2,16 ARAPUA 15º BPM ,018 0,005 0,007 0,18 ARAUJOS 7º BPM ,036 0,020 0,012 0,73 ARAXA 3ª Cia Ind ,453 0,482 0,329 17,87 ARCEBURGO 12º BPM ,045 0,045 0,024 1,66 ARCOS 23º BPM ,178 0,160 0,087 5,95 AREADO 24º BPM ,070 0,081 0,027 3,02 ARGIRITA 21º BPM ,018 0,013 0,010 0,50

106 95 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA ARINOS 28º BPM ,111 0,059 0,065 2,17 ASTOLFO DUTRA 21º BPM ,072 0,034 0,034 1,25 ATALEIA 19º BPM ,107 0,044 0,053 1,62 AUGUSTO DE LIMA 3º BPM ,034 0,015 0,012 0,57 BAEPENDI 8º BPM ,105 0,063 0,036 2,35 BALDIM 25º BPM ,053 0,029 0,019 1,08 BAMBUI 7º BPM ,127 0,092 0,053 3,40 BANDEIRA 19º BPM ,035 0,005 0,007 0,19 BANDEIRA DO SUL 29º BPM ,026 0,020 0,012 0,75 BARAO DE COCAIS 26º BPM ,131 0,055 0,087 2,02 BARAO DO MONTE ALTO 21º BPM ,037 0,027 0,010 1,02 BARBACENA 9º BPM ,629 0,828 1,310 30,70 BARRA LONGA 11º BPM ,055 0,014 0,012 0,50 BARROSO 9º BPM ,110 0,063 0,048 2,35 BELA VISTA DE MINAS 26º BPM ,057 0,021 0,014 0,77 BELMIRO BRAGA 2º BPM ,025 0,006 0,010 0,23 BELO HORIZONTE QCG ,735 21,661 31, ,46 BELO ORIENTE 14º BPM ,108 0,036 0,060 1,33 BELO VALE 9º BPM ,043 0,017 0,014 0,63 BERILO 3º BPM ,110 0,032 0,017 1,19 BERTOPOLIS 19º BPM ,065 0,018 0,017 0,67 BETIM 5ª Cia Ind ,178 1,094 0,756 40,56 BIAS FORTES 9º BPM ,029 0,008 0,012 0,30 BICAS 21º BPM ,071 0,068 0,072 2,50 BIQUINHAS 7º BPM ,018 0,022 0,014 0,83 BOA ESPERANCA 24º BPM ,214 0,166 0,089 6,17 BOCAINA DE MINAS 8º BPM ,029 0,023 0,019 0,84 BOCAIUVA 10º BPM ,296 0,138 0,109 5,13 BOM DESPACHO 7º BPM ,229 0,275 0,585 10,21 BOM JARDIM DE MINAS 2º BPM ,037 0,012 0,012 0,44 BOM JESUS DA PENHA 12º BPM ,018 0,005 0,014 0,18 BOM JESUS DO AMPARO 26º BPM ,031 0,013 0,014 0,48 BOM JESUS DO GALHO 11º BPM ,108 0,040 0,029 1,47 BOM REPOUSO 20º BPM ,058 0,029 0,010 1,07 BOM SUCESSO 8º BPM ,102 0,102 0,046 3,80 BONFIM 23º BPM ,044 0,011 0,012 0,41 BONFINOPOLIS DE MINAS 28º BPM ,086 0,042 0,041 1,55 BORDA DA MATA 20º BPM ,097 0,033 0,027 1,22 BOTELHOS 29º BPM ,088 0,062 0,029 2,28 BOTUMIRIM 10º BPM ,045 0,008 0,010 0,30 BRAS PIRES 21º BPM ,035 0,007 0,012 0,27 BRASILIA DE MINAS 30º BPM ,283 0,065 0,094 2,41 BRASOPOLIS 20º BPM ,082 0,076 0,031 2,81 BRAUNAS 26º BPM ,039 0,003 0,010 0,10 BRUMADINHO 5º BPM ,122 0,079 0,080 2,94 BUENO BRANDAO 20º BPM ,067 0,024 0,017 0,90 BUENOPOLIS 3º BPM ,061 0,050 0,056 1,85 BURITIS 28º BPM ,119 0,082 0,065 3,05 BURITIZEIRO 10º BPM ,159 0,086 0,041 3,19 CABO VERDE 12º BPM ,075 0,040 0,014 1,47

107 96 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA CACHOEIRA DA PRATA 25º BPM ,024 0,026 0,012 0,95 CACHOEIRA DE MINAS 20º BPM ,059 0,034 0,014 1,25 CACHOEIRA DE PAJEU 19º BPM ,054 0,008 0,010 0,31 CACHOEIRA DOURADA 10ª Cia Ind ,014 0,018 0,014 0,68 CAETANOPOLIS 25º BPM ,048 0,048 0,014 1,78 CAETE 7ª Cia Ind ,209 0,170 0,147 6,30 CAIANA 11º BPM ,030 0,021 0,010 0,77 CAJURI 21º BPM ,022 0,012 0,010 0,45 CALDAS 29º BPM ,074 0,041 0,029 1,52 CAMACHO 23º BPM ,024 0,010 0,010 0,35 CAMANDUCAIA 20º BPM ,109 0,079 0,034 2,92 CAMBUI 20º BPM ,118 0,136 0,058 5,03 CAMBUQUIRA 8º BPM ,072 0,095 0,031 3,52 CAMPANARIO 19º BPM ,019 0,009 0,012 0,35 CAMPANHA 8º BPM ,077 0,109 0,043 4,04 CAMPESTRE 29º BPM ,108 0,126 0,036 4,67 CAMPINA VERDE 4ª Cia Ind ,120 0,114 0,092 4,23 CAMPO BELO 8º BPM ,289 0,228 0,150 8,46 CAMPO DO MEIO 24º BPM ,070 0,047 0,017 1,74 CAMPO FLORIDO 4ª Cia Ind ,027 0,012 0,012 0,44 CAMPOS ALTOS 15º BPM ,069 0,055 0,024 2,02 CAMPOS GERAIS 24º BPM ,151 0,077 0,041 2,84 CANA VERDE 8º BPM ,035 0,068 0,010 2,50 CANAA 21º BPM ,033 0,007 0,010 0,26 CANAPOLIS 10ª Cia Ind ,103 0,040 0,036 1,49 CANDEIAS 8º BPM ,084 0,060 0,031 2,21 CAPARAO 11º BPM ,051 0,036 0,031 1,32 CAPELA NOVA 9º BPM ,031 0,006 0,012 0,21 CAPELINHA 3º BPM ,197 0,218 0,121 8,10 CAPETINGA 12º BPM ,046 0,048 0,019 1,78 CAPIM BRANCO 25º BPM ,041 0,026 0,012 0,98 CAPINOPOLIS 10ª Cia Ind ,095 0,051 0,039 1,90 CAPITAO ANDRADE 6º BPM ,027 0,005 0,012 0,17 CAPITAO ENEIAS 10º BPM ,076 0,046 0,027 1,71 CAPITOLIO 12º BPM ,044 0,050 0,024 1,86 CAPUTIRA 11º BPM ,049 0,016 0,010 0,58 CARAI 19º BPM ,141 0,020 0,024 0,73 CARANAIBA 9º BPM ,020 0,009 0,010 0,34 CARANDAI 9º BPM ,122 0,086 0,056 3,19 CARANGOLA 11º BPM ,201 0,189 0,157 7,02 CARATINGA 11º BPM ,544 0,357 0,331 13,25 CARBONITA 3º BPM ,050 0,026 0,012 0,95 CAREACU 20º BPM ,034 0,018 0,010 0,68 CARLOS CHAGAS 19º BPM ,140 0,080 0,080 2,95 CARMESIA 26º BPM ,013 0,005 0,031 0,18 CARMO DA CACHOEIRA 8º BPM ,066 0,032 0,019 1,19 CARMO DA MATA 8º BPM ,064 0,050 0,024 1,86 CARMO DE MINAS 8º BPM ,071 0,035 0,019 1,30 CARMO DO CAJURU 23º BPM ,091 0,138 0,077 5,12 CARMO DO PARANAIBA 15º BPM ,172 0,122 0,126 4,54

108 97 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA CARMO DO RIO CLARO 12º BPM ,113 0,106 0,051 3,92 CARMOPOLIS DE MINAS 8º BPM ,088 0,089 0,048 3,32 CARNEIRINHO 4ª Cia Ind ,059 0,063 0,014 2,35 CARRANCAS 8º BPM ,028 0,016 0,010 0,58 CARVALHOPOLIS 24º BPM ,016 0,010 0,007 0,36 CARVALHOS 8º BPM ,028 0,022 0,010 0,83 CASA GRANDE 9º BPM ,012 0,001 0,007 0,02 CASCALHO RICO 15º BPM ,017 0,015 0,010 0,56 CASSIA 12º BPM ,094 0,161 0,072 5,98 CATAGUASES 21º BPM ,377 0,207 0,234 7,69 CATAS ALTAS DA NORUEGA 9º BPM ,021 0,012 0,010 0,43 CATUJI 19º BPM ,043 0,011 0,010 0,41 CAXAMBU 8º BPM ,123 0,132 0,150 4,88 CEDRO DO ABAETE 7º BPM ,008 0,014 0,007 0,52 CENTRAL DE MINAS 6º BPM ,038 0,010 0,022 0,35 CENTRALINA 10ª Cia Ind ,089 0,030 0,022 1,11 CHACARA 2º BPM ,020 0,014 0,024 0,53 CHALE 11º BPM ,034 0,014 0,010 0,53 CHAPADA DO NORTE 3º BPM ,098 0,013 0,012 0,48 CHIADOR 21º BPM ,017 0,004 0,012 0,15 CIPOTANEA 9º BPM ,038 0,028 0,010 1,04 CLARAVAL 12º BPM ,020 0,014 0,010 0,51 CLARO DOS POCOES 10º BPM ,051 0,026 0,019 0,95 CLAUDIO 23º BPM ,116 0,065 0,056 2,42 COIMBRA 21º BPM ,034 0,023 0,010 0,84 COLUNA 6º BPM ,065 0,013 0,010 0,47 COMENDADOR GOMES 4ª Cia Ind ,017 0,003 0,012 0,12 COMERCINHO 19º BPM ,064 0,011 0,012 0,42 CONCEICAO DA APARECIDA 12º BPM ,058 0,029 0,012 1,07 CONCEICAO DA BARRA DE MINAS 9º BPM ,024 0,007 0,010 0,26 CONCEICAO DAS ALAGOAS 4ª Cia Ind ,087 0,110 0,063 4,10 CONCEICAO DAS PEDRAS 20º BPM ,016 0,009 0,007 0,34 CONCEICAO DE IPANEMA 11º BPM ,031 0,013 0,007 0,50 CONCEICAO DO MATO DENTRO 3º BPM ,112 0,092 0,056 3,42 CONCEICAO DO PARA 7º BPM ,024 0,034 0,010 1,24 CONCEICAO DO RIO VERDE 8º BPM ,065 0,044 0,022 1,64 CONCEICAO DOS OUROS 20º BPM ,048 0,023 0,010 0,85 CONGONHAL 20º BPM ,046 0,023 0,012 0,85 CONGONHAS 9º BPM ,223 0,199 0,140 7,40 CONGONHAS DO NORTE 3º BPM ,028 0,008 0,012 0,29 CONQUISTA 3ª Cia Ind ,043 0,021 0,034 0,78 CONSELHEIRO LAFAIETE 9º BPM ,577 0,309 0,273 11,44 CONSELHEIRO PENA 6º BPM ,183 0,100 0,128 3,70 CONSOLACAO 20º BPM ,011 0,014 0,007 0,53 CONTAGEM 18º BPM ,009 3,909 3, ,98 COQUEIRAL 24º BPM ,058 0,032 0,012 1,17 CORACAO DE JESUS 10º BPM ,206 0,122 0,051 4,53 CORDISBURGO 25º BPM ,052 0,034 0,022 1,26 CORDISLANDIA 20º BPM ,019 0,011 0,007 0,40 CORINTO 3º BPM ,155 0,132 0,070 4,91

109 98 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA COROACI 6º BPM ,067 0,022 0,024 0,82 COROMANDEL 15º BPM ,162 0,164 0,111 6,09 CORONEL FABRICIANO 14º BPM ,550 0,292 0,292 10,83 CORONEL MURTA 19º BPM ,058 0,013 0,014 0,47 CORONEL PACHECO 2º BPM ,020 0,015 0,019 0,56 CORONEL XAVIER CHAVES 9º BPM ,018 0,006 0,010 0,23 CORREGO DANTA 7º BPM ,026 0,021 0,010 0,76 CORREGO DO BOM JESUS 20º BPM ,025 0,007 0,007 0,28 CORREGO NOVO 11º BPM ,048 0,014 0,017 0,52 COUTO DE MAGALHAES DE MINAS 3º BPM ,026 0,017 0,014 0,63 CRISTAIS 8º BPM ,056 0,068 0,014 2,53 CRISTALIA 10º BPM ,031 0,005 0,010 0,18 CRISTIANO OTONI 9º BPM ,026 0,010 0,012 0,37 CRISTINA 8º BPM ,063 0,026 0,027 0,98 CRUCILANDIA 23º BPM ,028 0,009 0,010 0,34 CRUZEIRO DA FORTALEZA 15º BPM ,019 0,004 0,017 0,16 CRUZILIA 8º BPM ,073 0,058 0,027 2,16 CURVELO 3º BPM ,371 0,463 0,343 17,18 DATAS 3º BPM ,030 0,013 0,014 0,48 DELFIM MOREIRA 20º BPM ,049 0,025 0,007 0,92 DELFINOPOLIS 12º BPM ,041 0,044 0,014 1,63 DESCOBERTO 21º BPM ,025 0,011 0,012 0,42 DESTERRO DE ENTRE-RIOS 9º BPM ,041 0,010 0,012 0,39 DESTERRO DO MELO 9º BPM ,021 0,010 0,010 0,37 DIAMANTINA 3º BPM ,287 0,403 0,681 14,93 DIOGO DE VASCONCELOS 11º BPM ,025 0,005 0,007 0,20 DIONISIO 26º BPM ,063 0,021 0,019 0,79 DIVINESIA 21º BPM ,018 0,007 0,007 0,26 DIVINO 11º BPM ,134 0,065 0,053 2,43 DIVINO DAS LARANJEIRAS 6º BPM ,031 0,009 0,031 0,33 DIVINOLANDIA DE MINAS 6º BPM ,037 0,018 0,010 0,67 DIVINOPOLIS 23º BPM ,979 1,276 1,037 47,34 DIVISA NOVA 24º BPM ,032 0,022 0,014 0,83 DIVISOPOLIS 19º BPM ,037 0,008 0,012 0,28 DOM CAVATI 11º BPM ,038 0,020 0,012 0,76 DOM JOAQUIM 26º BPM ,029 0,012 0,012 0,45 DOM SILVERIO 26º BPM ,062 0,050 0,043 1,86 DOM VICOSO 8º BPM ,018 0,008 0,010 0,28 DONA EUSEBIA 21º BPM ,031 0,010 0,014 0,36 DORES DE CAMPOS 9º BPM ,046 0,015 0,012 0,57 DORES DE GUANHAES 26º BPM ,033 0,041 0,010 1,54 DORES DO INDAIA 7º BPM ,083 0,117 0,072 4,35 DORES DO TURVO 21º BPM ,031 0,015 0,010 0,55 DORESOPOLIS 12º BPM ,007 0,016 0,010 0,61 DOURADOQUARA 15º BPM ,009 0,008 0,010 0,29 DURANDE 11º BPM ,036 0,014 0,010 0,53 ELOI MENDES 24º BPM ,122 0,072 0,039 2,66 ENGENHEIRO CALDAS 6º BPM ,054 0,022 0,039 0,83 ENGENHEIRO NAVARRO 10º BPM ,049 0,025 0,017 0,95 ENTRE-FOLHAS 11º BPM ,031 0,013 0,010 0,47

110 99 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA ENTRE-RIOS DE MINAS 9º BPM ,073 0,063 0,048 2,35 ERVALIA 21º BPM ,098 0,040 0,043 1,47 ESMERALDAS 5ª Cia Ind ,157 0,152 0,063 5,65 ESPERA FELIZ 11º BPM ,127 0,097 0,077 3,60 ESPINOSA 10º BPM ,193 0,113 0,077 4,19 ESPIRITO SANTO DO DOURADO 20º BPM ,025 0,011 0,007 0,42 ESTIVA 20º BPM ,058 0,034 0,007 1,24 ESTRELA-D'ALVA 21º BPM ,016 0,011 0,012 0,42 ESTRELA DO INDAIA 7º BPM ,023 0,023 0,010 0,87 ESTRELA DO SUL 15º BPM ,044 0,019 0,027 0,71 EUGENOPOLIS 21º BPM ,062 0,049 0,031 1,82 EWBANK DA CAMARA 9º BPM ,021 0,021 0,014 0,79 EXTREMA 20º BPM ,093 0,084 0,053 3,10 FAMA 24º BPM ,013 0,012 0,014 0,45 FARIA LEMOS 11º BPM ,018 0,012 0,010 0,43 FELICIO DOS SANTOS 3º BPM ,037 0,011 0,012 0,40 FELISBURGO 19º BPM ,038 0,012 0,012 0,45 FELIXLANDIA 3º BPM ,075 0,038 0,014 1,42 FERNANDES TOURINHO 6º BPM ,019 0,006 0,012 0,23 FERROS 26º BPM ,086 0,052 0,041 1,94 FERVEDOURO 11º BPM ,059 0,019 0,014 0,70 FLORESTAL 7º BPM ,031 0,023 0,012 0,86 FORMIGA 23º BPM ,400 0,427 0,275 15,84 FORMOSO 28º BPM ,046 0,012 0,012 0,44 FORTALEZA DE MINAS 12º BPM ,023 0,012 0,014 0,46 FORTUNA DE MINAS 25º BPM ,015 0,023 0,012 0,87 FRANCISCO BADARO 3º BPM ,108 0,025 0,014 0,91 FRANCISCO DUMONT 10º BPM ,023 0,016 0,012 0,60 FRANCISCO SA 10º BPM ,154 0,092 0,068 3,42 FREI GASPAR 19º BPM ,042 0,010 0,019 0,36 FREI INOCENCIO 6º BPM ,043 0,062 0,024 2,30 FRONTEIRA 4ª Cia Ind ,050 0,036 0,027 1,33 FRONTEIRA DOS VALES 19º BPM ,030 0,013 0,007 0,48 FRUTAL 4ª Cia Ind ,268 0,241 0,314 8,93 FUNILANDIA 25º BPM ,016 0,013 0,010 0,48 GALILEIA 6º BPM ,064 0,026 0,051 0,97 GONCALVES 20º BPM ,023 0,032 0,007 1,19 GONZAGA 6º BPM ,039 0,007 0,010 0,24 GOUVEIA 3º BPM ,074 0,028 0,022 1,03 GOVERNADOR VALADARES 6º BPM ,464 1,985 2,298 73,62 GRAO-MOGOL 10º BPM ,122 0,025 0,029 0,92 GRUPIARA 15º BPM ,007 0,010 0,010 0,36 GUANHAES 26º BPM ,158 0,080 0,114 2,96 GUAPE 24º BPM ,073 0,040 0,034 1,48 GUARACIABA 11º BPM ,064 0,027 0,010 1,00 GUARANESIA 12º BPM ,105 0,036 0,039 1,34 GUARANI 21º BPM ,050 0,079 0,053 2,92 GUARARA 21º BPM ,025 0,009 0,007 0,34 GUARDA-MOR 28º BPM ,037 0,019 0,012 0,69 GUAXUPE 12º BPM ,257 0,204 0,174 7,57

111 100 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA GUIDOVAL 21º BPM ,044 0,024 0,007 0,90 GUIMARANIA 15º BPM ,035 0,014 0,012 0,52 GUIRICEMA 21º BPM ,063 0,023 0,012 0,85 GURINHATA 10ª Cia Ind ,045 0,021 0,027 0,78 HELIODORA 20º BPM ,033 0,026 0,010 0,96 IAPU 11º BPM ,085 0,019 0,012 0,71 IBERTIOGA 9º BPM ,030 0,019 0,014 0,69 IBIA 15º BPM ,115 0,098 0,053 3,64 IBIAI 10º BPM ,046 0,019 0,014 0,71 IBIRACI 12º BPM ,053 0,031 0,022 1,16 IBIRITE 5º BPM ,600 0,482 0,172 17,88 IBITIURA DE MINAS 29º BPM ,017 0,022 0,010 0,81 IBITURUNA 8º BPM ,016 0,017 0,010 0,62 ICARAI DE MINAS 30º BPM ,061 0,008 0,010 0,31 IGARAPE 5ª Cia Ind ,178 0,202 0,080 7,49 IGARATINGA 7º BPM ,039 0,031 0,017 1,17 IGUATAMA 23º BPM ,054 0,048 0,031 1,77 IJACI 8º BPM ,029 0,016 0,014 0,60 ILICINEA 24º BPM ,057 0,039 0,014 1,44 INCONFIDENTES 20º BPM ,039 0,020 0,007 0,76 INDIANOPOLIS 9ª Cia Ind ,031 0,023 0,014 0,85 INGAI 8º BPM ,014 0,020 0,010 0,73 INHAPIM 11º BPM ,209 0,050 0,094 1,85 INHAUMA 25º BPM ,031 0,017 0,012 0,61 INIMUTABA 3º BPM ,038 0,032 0,012 1,20 IPABA 14º BPM ,075 0,085 0,288 3,15 IPANEMA 11º BPM ,112 0,092 0,077 3,42 IPATINGA 14º BPM ,148 1,170 1,810 43,40 IPIACU 10ª Cia Ind ,024 0,023 0,014 0,85 IPUIUNA 29º BPM ,049 0,039 0,017 1,44 IRAI DE MINAS 15º BPM ,029 0,025 0,014 0,92 ITABIRA 26º BPM ,555 0,527 0,686 19,54 ITABIRINHA DE MANTENA 6º BPM ,061 0,010 0,022 0,36 ITABIRITO 9º BPM ,208 0,153 0,075 5,66 ITACAMBIRA 10º BPM ,040 0,007 0,012 0,26 ITACARAMBI 30º BPM ,141 0,075 0,036 2,76 ITAGUARA 23º BPM ,067 0,038 0,034 1,42 ITAIPE 19º BPM ,053 0,022 0,012 0,83 ITAJUBA 20º BPM ,486 0,603 0,399 22,37 ITAMARANDIBA 3º BPM ,205 0,135 0,056 4,99 ITAMARATI DE MINAS 21º BPM ,022 0,010 0,012 0,38 ITAMBACURI 19º BPM ,127 0,064 0,063 2,36 ITAMBE DO MATO DENTRO 26º BPM ,016 0,011 0,012 0,40 ITAMOJI 12º BPM ,057 0,081 0,024 3,01 ITAMONTE 8º BPM ,065 0,048 0,034 1,78 ITANHANDU 8º BPM ,071 0,070 0,056 2,60 ITANHOMI 6º BPM ,074 0,028 0,058 1,03 ITAOBIM 19º BPM ,128 0,131 0,101 4,87 ITAPAJIPE 4ª Cia Ind ,068 0,046 0,039 1,71 ITAPECERICA 23º BPM ,138 0,105 0,070 3,88

112 101 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA ITAPEVA 20º BPM ,035 0,022 0,012 0,83 ITATIAIUCU 23º BPM ,048 0,041 0,019 1,50 ITAU DE MINAS 12º BPM ,069 0,052 0,027 1,94 ITAUNA 23º BPM ,430 0,581 0,222 21,54 ITAVERAVA 9º BPM ,039 0,011 0,012 0,41 ITINGA 19º BPM ,136 0,026 0,012 0,97 ITUETA 6º BPM ,038 0,006 0,012 0,24 ITUIUTABA 10ª Cia Ind ,532 0,596 0,611 22,10 ITUMIRIM 8º BPM ,040 0,018 0,019 0,68 ITURAMA 4ª Cia Ind ,173 0,280 0,176 10,39 ITUTINGA 8º BPM ,027 0,020 0,014 0,73 JABUTICATUBAS 25º BPM ,080 0,050 0,041 1,87 JACINTO 19º BPM ,075 0,025 0,039 0,91 JACUI 12º BPM ,041 0,032 0,017 1,19 JACUTINGA 20º BPM ,114 0,069 0,031 2,55 JAGUARACU 14º BPM ,018 0,013 0,010 0,49 JAIBA 10º BPM ,115 0,053 0,043 1,96 JAMPRUCA 19º BPM ,028 0,006 0,012 0,24 JANAUBA 10º BPM ,344 0,185 0,198 6,86 JANUARIA 30º BPM ,513 0,197 0,454 7,31 JAPARAIBA 7º BPM ,021 0,017 0,010 0,63 JECEABA 9º BPM ,044 0,014 0,010 0,53 JEQUERI 11º BPM ,090 0,018 0,014 0,66 JEQUITAI 10º BPM ,059 0,021 0,012 0,77 JEQUITIBA 25º BPM ,031 0,016 0,012 0,58 JEQUITINHONHA 19º BPM ,139 0,101 0,104 3,73 JESUANIA 8º BPM ,027 0,022 0,010 0,81 JOAIMA 19º BPM ,112 0,024 0,019 0,89 JOANESIA 14º BPM ,041 0,014 0,007 0,52 JOAO MONLEVADE 26º BPM ,384 0,258 0,191 9,57 JOAO PINHEIRO 28º BPM ,314 0,152 0,147 5,64 JOAQUIM FELICIO 3º BPM ,026 0,014 0,012 0,51 JORDANIA 19º BPM ,060 0,010 0,012 0,38 JUATUBA 5ª Cia Ind ,061 0,079 0,046 2,94 JUIZ DE FORA 2º BPM ,483 4,277 4, ,64 JURAMENTO 10º BPM ,038 0,015 0,019 0,54 JURUAIA 12º BPM ,042 0,019 0,012 0,70 LADAINHA 19º BPM ,103 0,036 0,012 1,35 LAGAMAR 28º BPM ,048 0,021 0,019 0,77 LAGOA DA PRATA 7º BPM ,200 0,219 0,104 8,12 LAGOA DOS PATOS 10º BPM ,025 0,018 0,012 0,68 LAGOA DOURADA 9º BPM ,064 0,029 0,014 1,08 LAGOA FORMOSA 15º BPM ,095 0,054 0,043 2,00 LAGOA GRANDE 15º BPM ,036 0,047 0,022 1,75 LAGOA SANTA 6ª Cia Ind ,193 0,204 0,123 7,57 LAJINHA 11º BPM ,108 0,044 0,043 1,61 LAMBARI 8º BPM ,101 0,100 0,060 3,72 LAMIM 9º BPM ,022 0,013 0,010 0,48 LARANJAL 21º BPM ,035 0,030 0,012 1,10 LASSANCE 10º BPM ,041 0,015 0,012 0,57

113 102 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA LAVRAS 8º BPM ,427 0,584 0,904 21,67 LEANDRO FERREIRA 7º BPM ,018 0,020 0,010 0,73 LEOPOLDINA 21º BPM ,292 0,197 0,181 7,32 LIBERDADE 8º BPM ,036 0,018 0,017 0,67 LIMA DUARTE 2º BPM ,090 0,051 0,063 1,89 LIMEIRA DO OESTE 4ª Cia Ind ,042 0,043 0,027 1,59 LONTRA 30º BPM ,038 0,008 0,014 0,29 LUMINARIAS 8º BPM ,031 0,029 0,012 1,08 LUZ 7º BPM ,103 0,150 0,082 5,56 MACHADO 24º BPM ,193 0,223 0,068 8,27 MADRE DE DEUS DE MINAS 9º BPM ,023 0,008 0,010 0,31 MALACACHETA 19º BPM ,211 0,102 0,077 3,77 MAMONAS 10º BPM ,044 0,008 0,010 0,28 MANGA 30º BPM ,186 0,103 0,077 3,81 MANHUACU 11º BPM ,443 0,367 0,655 13,60 MANHUMIRIM 11º BPM ,132 0,101 0,094 3,76 MANTENA 6º BPM ,204 0,187 0,169 6,95 MAR DE ESPANHA 21º BPM ,063 0,041 0,060 1,52 MARAVILHAS 7º BPM ,034 0,019 0,012 0,70 MARIA DA FE 20º BPM ,088 0,019 0,014 0,70 MARIANA 9º BPM ,247 0,150 0,087 5,57 MARILAC 6º BPM ,027 0,006 0,014 0,21 MARIPA DE MINAS 21º BPM ,014 0,008 0,005 0,29 MARLIERIA 14º BPM ,021 0,029 0,097 1,07 MARMELOPOLIS 20º BPM ,018 0,005 0,007 0,19 MARTINHO CAMPOS 7º BPM ,077 0,078 0,094 2,89 MATA VERDE 19º BPM ,037 0,016 0,014 0,58 MATERLANDIA 3º BPM ,027 0,009 0,012 0,32 MATEUS LEME 5ª Cia Ind ,114 0,128 0,080 4,76 MATIAS BARBOSA 2º BPM ,069 0,031 0,063 1,16 MATIAS CARDOSO 30º BPM ,072 0,020 0,019 0,75 MATIAS LOBATO 6º BPM ,024 0,029 0,012 1,06 MATIPO 11º BPM ,093 0,041 0,027 1,53 MATO VERDE 10º BPM ,129 0,023 0,017 0,85 MATOZINHOS 25º BPM ,153 0,166 0,101 6,18 MATUTINA 15º BPM ,022 0,009 0,012 0,33 MAXACALIS 19º BPM ,043 0,014 0,012 0,52 MEDEIROS 7º BPM ,017 0,017 0,007 0,61 MEDINA 19º BPM ,130 0,038 0,039 1,42 MENDES PIMENTEL 6º BPM ,066 0,010 0,024 0,39 MERCES 21º BPM ,061 0,086 0,027 3,18 MESQUITA 14º BPM ,045 0,036 0,014 1,33 MINAS NOVAS 3º BPM ,218 0,068 0,072 2,52 MINDURI 8º BPM ,023 0,024 0,010 0,90 MIRABELA 10º BPM ,106 0,028 0,041 1,03 MIRADOURO 21º BPM ,064 0,047 0,029 1,75 MIRAI 21º BPM ,091 0,030 0,046 1,12 MOEDA 9º BPM ,024 0,015 0,024 0,55 MOEMA 7º BPM ,035 0,040 0,017 1,50 MONJOLOS 3º BPM ,017 0,007 0,017 0,25

114 103 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA MONSENHOR PAULO 8º BPM ,045 0,031 0,014 1,13 MONTALVANIA 30º BPM ,099 0,034 0,031 1,25 MONTE ALEGRE DE MINAS 10ª Cia Ind ,116 0,079 0,060 2,94 MONTE AZUL 10º BPM ,191 0,074 0,029 2,74 MONTE BELO 12º BPM ,087 0,041 0,031 1,53 MONTE CARMELO 15º BPM ,225 0,367 0,181 13,62 MONTE SANTO DE MINAS 12º BPM ,119 0,122 0,060 4,54 MONTE SIAO 20º BPM ,112 0,053 0,031 1,95 MONTES CLAROS 10º BPM ,642 2,218 2,182 82,26 MONTEZUMA 10º BPM ,041 0,012 0,007 0,45 MORADA NOVA DE MINAS 7º BPM ,042 0,104 0,041 3,87 MORRO DA GARCA 3º BPM ,020 0,010 0,012 0,38 MORRO DO PILAR 26º BPM ,023 0,008 0,010 0,29 MUNHOZ 20º BPM ,036 0,008 0,007 0,31 MURIAE 21º BPM ,548 0,420 0,372 15,57 MUTUM 11º BPM ,167 0,114 0,068 4,23 MUZAMBINHO 12º BPM ,113 0,088 0,056 3,25 NACIP RAYDAN 6º BPM ,024 0,012 0,014 0,44 NANUQUE 19º BPM ,266 0,251 0,191 9,30 NATERCIA 20º BPM ,027 0,012 0,014 0,43 NAZARENO 9º BPM ,044 0,015 0,012 0,56 NEPOMUCENO 8º BPM ,151 0,090 0,046 3,36 NOVA ERA 26º BPM ,114 0,075 0,072 2,78 NOVA LIMA 22º BPM ,340 0,543 0,382 20,14 NOVA MODICA 19º BPM ,026 0,006 0,012 0,24 NOVA PONTE 3ª Cia Ind ,066 0,056 0,072 2,08 NOVA RESENDE 12º BPM ,076 0,038 0,024 1,42 NOVA SERRANA 7º BPM ,116 0,165 0,077 6,11 NOVA UNIAO 26º BPM ,031 0,009 0,017 0,33 NOVO CRUZEIRO 19º BPM ,188 0,045 0,046 1,65 OLARIA 2º BPM ,014 0,003 0,012 0,13 OLIMPIO NORONHA 8º BPM ,011 0,015 0,010 0,55 OLIVEIRA 8º BPM ,203 0,226 0,164 8,39 OLIVEIRA FORTES 9º BPM ,013 0,009 0,010 0,35 ONCA DE PITANGUI 7º BPM ,019 0,026 0,010 0,98 OURO BRANCO 9º BPM ,178 0,176 0,116 6,55 OURO FINO 20º BPM ,198 0,105 0,080 3,91 OURO PRETO 9º BPM ,405 0,341 0,307 12,64 OURO VERDE DE MINAS 19º BPM ,047 0,016 0,012 0,59 PADRE PARAISO 19º BPM ,109 0,036 0,036 1,35 PAINEIRAS 7º BPM ,031 0,026 0,017 0,96 PAINS 23º BPM ,049 0,027 0,019 1,01 PAIVA 9º BPM ,008 0,009 0,012 0,32 PALMA 21º BPM ,042 0,108 0,027 4,00 PALMOPOLIS 19º BPM ,044 0,008 0,014 0,28 PAPAGAIOS 7º BPM ,065 0,060 0,029 2,24 PARA DE MINAS 7º BPM ,396 0,347 0,237 12,88 PARACATU 28º BPM ,407 0,392 0,251 14,52 PARAGUACU 24º BPM ,104 0,055 0,036 2,04 PARAISOPOLIS 20º BPM ,090 0,099 0,051 3,69

115 104 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA PARAOPEBA 25º BPM ,110 0,127 0,065 4,72 PASSA-QUATRO 8º BPM ,084 0,060 0,029 2,23 PASSA-TEMPO 8º BPM ,050 0,042 0,017 1,56 PASSA-VINTE 8º BPM ,014 0,011 0,007 0,40 PASSABEM 26º BPM ,010 0,003 0,010 0,11 PASSOS 12º BPM ,548 0,657 0,756 24,37 PATOS DE MINAS 15º BPM ,656 1,009 1,269 37,44 PATROCINIO 15º BPM ,394 0,539 0,280 19,99 PATROCINIO DO MURIAE 21º BPM ,027 0,019 0,010 0,72 PAULA CANDIDO 21º BPM ,051 0,008 0,010 0,30 PAULISTAS 3º BPM ,036 0,006 0,010 0,21 PAVAO 19º BPM ,097 0,025 0,012 0,93 PECANHA 6º BPM ,125 0,022 0,051 0,80 PEDRA AZUL 19º BPM ,139 0,045 0,068 1,68 PEDRA DO ANTA 21º BPM ,026 0,013 0,010 0,47 PEDRA DO INDAIA 7º BPM ,023 0,033 0,010 1,22 PEDRA DOURADA 11º BPM ,010 0,007 0,007 0,24 PEDRALVA 20º BPM ,069 0,029 0,024 1,08 PEDRAS DE MARIA DA CRUZ 30º BPM ,052 0,015 0,012 0,56 PEDRINOPOLIS 3ª Cia Ind ,028 0,005 0,007 0,18 PEDRO LEOPOLDO 6ª Cia Ind ,270 0,121 0,145 4,49 PEDRO TEIXEIRA 2º BPM ,010 0,001 0,017 0,05 PEQUERI 21º BPM ,017 0,011 0,012 0,39 PEQUI 7º BPM ,020 0,012 0,012 0,44 PERDIGAO 7º BPM ,028 0,015 0,010 0,56 PERDIZES 3ª Cia Ind ,068 0,047 0,036 1,75 PERDOES 8º BPM ,103 0,156 0,048 5,77 PESCADOR 19º BPM ,027 0,003 0,014 0,10 PIAU 21º BPM ,018 0,017 0,010 0,64 PIEDADE DE PONTE NOVA 11º BPM ,026 0,015 0,007 0,55 PIEDADE DO RIO GRANDE 9º BPM ,030 0,009 0,012 0,35 PIEDADE DOS GERAIS 23º BPM ,027 0,006 0,010 0,22 PIMENTA 23º BPM ,043 0,042 0,027 1,56 PIRACEMA 8º BPM ,036 0,029 0,012 1,09 PIRAJUBA 4ª Cia Ind ,019 0,008 0,012 0,31 PIRANGA 9º BPM ,101 0,041 0,031 1,53 PIRANGUCU 20º BPM ,028 0,018 0,012 0,66 PIRANGUINHO 20º BPM ,040 0,024 0,012 0,90 PIRAPETINGA 21º BPM ,058 0,031 0,031 1,16 PIRAPORA 10º BPM ,300 0,395 0,338 14,66 PIRAUBA 21º BPM ,054 0,025 0,024 0,92 PITANGUI 7º BPM ,131 0,172 0,082 6,37 PIUI 12º BPM ,162 0,173 0,128 6,42 PLANURA 4ª Cia Ind ,043 0,056 0,027 2,08 POCO FUNDO 20º BPM ,087 0,025 0,022 0,93 POCOS DE CALDAS 29º BPM ,710 1,064 0,863 39,46 POCRANE 11º BPM ,067 0,020 0,010 0,75 POMPEU 7º BPM ,132 0,140 0,072 5,21 PONTE NOVA 11º BPM ,357 0,352 0,324 13,05 PORTEIRINHA 10º BPM ,349 0,092 0,075 3,42

116 105 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA PORTO FIRME 21º BPM ,058 0,022 0,012 0,81 POTE 19º BPM ,087 0,028 0,012 1,03 POUSO ALEGRE 20º BPM ,530 1,021 0,957 37,88 POUSO ALTO 8º BPM ,037 0,032 0,012 1,20 PRADOS 9º BPM ,046 0,012 0,022 0,44 PRATA 10ª Cia Ind ,160 0,098 0,080 3,64 PRATAPOLIS 12º BPM ,058 0,066 0,024 2,47 PRATINHA 15º BPM ,015 0,006 0,010 0,22 PRESIDENTE BERNARDES 21º BPM ,038 0,013 0,007 0,48 PRESIDENTE JUSCELINO 3º BPM ,025 0,016 0,014 0,59 PRESIDENTE KUBITSCHEK 3º BPM ,019 0,012 0,010 0,45 PRESIDENTE OLEGARIO 15º BPM ,102 0,066 0,056 2,43 PRUDENTE DE MORAIS 25º BPM ,044 0,046 0,027 1,71 QUARTEL GERAL 7º BPM ,017 0,015 0,012 0,57 QUELUZITO 9º BPM ,010 0,004 0,007 0,16 RAPOSOS 22º BPM ,092 0,053 0,029 1,98 RAUL SOARES 11º BPM ,177 0,068 0,056 2,51 RECREIO 21º BPM ,065 0,039 0,024 1,45 RESENDE COSTA 9º BPM ,061 0,044 0,039 1,61 RESPLENDOR 6º BPM ,105 0,059 0,094 2,19 RESSAQUINHA 9º BPM ,028 0,011 0,017 0,40 RIACHINHO 28º BPM ,047 0,044 0,019 1,62 RIACHO DOS MACHADOS 10º BPM ,064 0,013 0,010 0,49 RIBEIRAO DAS NEVES 13º BPM ,997 0,858 0,643 31,81 RIBEIRAO VERMELHO 8º BPM ,022 0,029 0,014 1,07 RIO ACIMA 22º BPM ,046 0,026 0,027 0,95 RIO CASCA 11º BPM ,094 0,112 0,063 4,15 RIO DO PRADO 19º BPM ,038 0,023 0,022 0,84 RIO DOCE 11º BPM ,015 0,009 0,007 0,33 RIO ESPERA 9º BPM ,044 0,015 0,019 0,55 RIO MANSO 23º BPM ,028 0,006 0,012 0,23 RIO NOVO 21º BPM ,070 0,058 0,041 2,15 RIO PARANAIBA 15º BPM ,056 0,046 0,029 1,72 RIO PARDO DE MINAS 10º BPM ,266 0,071 0,029 2,65 RIO PIRACICABA 26º BPM ,086 0,030 0,046 1,13 RIO POMBA 21º BPM ,092 0,186 0,077 6,91 RIO PRETO 2º BPM ,043 0,007 0,036 0,25 RIO VERMELHO 3º BPM ,098 0,017 0,034 0,64 RITAPOLIS 9º BPM ,035 0,008 0,012 0,30 ROCHEDO DE MINAS 21º BPM ,010 0,009 0,010 0,35 RODEIRO 21º BPM ,024 0,014 0,012 0,53 ROMARIA 15º BPM ,022 0,029 0,007 1,06 RUBELITA 10º BPM ,060 0,008 0,010 0,29 RUBIM 19º BPM ,064 0,018 0,019 0,68 SABARA 7ª Cia Ind ,581 0,589 0,312 21,85 SABINOPOLIS 3º BPM ,101 0,026 0,043 0,98 SACRAMENTO 3ª Cia Ind ,128 0,096 0,094 3,56 SALINAS 10º BPM ,314 0,139 0,094 5,14 SALTO DA DIVISA 19º BPM ,046 0,024 0,029 0,89 SANTA BARBARA 26º BPM ,168 0,060 0,048 2,24

117 106 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA SANTA BARBARA DO LESTE 11º BPM ,039 0,008 0,012 0,29 SANTA BARBARA DO TUGURIO 9º BPM ,032 0,018 0,012 0,65 SANTA CRUZ DO ESCALVADO 11º BPM ,038 0,010 0,007 0,39 SANTA EFIGENIA DE MINAS 6º BPM ,031 0,006 0,012 0,21 SANTA FE DE MINAS 10º BPM ,029 0,010 0,005 0,36 SANTA JULIANA 3ª Cia Ind ,050 0,017 0,014 0,62 SANTA LUZIA 7ª Cia Ind ,962 0,842 0,544 31,23 SANTA MARGARIDA 11º BPM ,081 0,033 0,019 1,22 SANTA MARIA DE ITABIRA 26º BPM ,066 0,037 0,019 1,38 SANTA MARIA DO SALTO 19º BPM ,033 0,004 0,012 0,16 SANTA MARIA DO SUACUI 6º BPM ,110 0,087 0,099 3,24 SANTA RITA DE CALDAS 29º BPM ,057 0,047 0,017 1,75 SANTA RITA DE MINAS 11º BPM ,042 0,025 0,012 0,95 SANTA RITA DO IBITIPOCA 9º BPM ,024 0,011 0,012 0,39 SANTA RITA DO ITUETO 6º BPM ,036 0,006 0,014 0,23 SANTA RITA DO JACUTINGA 2º BPM ,030 0,008 0,019 0,30 SANTA RITA DO SAPUCAI 20º BPM ,171 0,086 0,058 3,20 SANTA ROSA DA SERRA 15º BPM ,018 0,005 0,010 0,18 SANTA VITORIA 10ª Cia Ind ,099 0,071 0,097 2,64 SANTANA DA VARGEM 24º BPM ,043 0,022 0,014 0,80 SANTANA DE CATAGUASES 21º BPM ,022 0,005 0,007 0,17 SANTANA DE PIRAPAMA 25º BPM ,055 0,021 0,012 0,77 SANTANA DO DESERTO 21º BPM ,021 0,010 0,024 0,37 SANTANA DO GARAMBEU 9º BPM ,011 0,001 0,012 0,03 SANTANA DO JACARE 8º BPM ,024 0,029 0,012 1,06 SANTANA DO MANHUACU 11º BPM ,059 0,012 0,014 0,45 SANTANA DO PARAISO 14º BPM ,085 0,018 0,022 0,68 SANTANA DO RIACHO 25º BPM ,021 0,013 0,007 0,47 SANTANA DOS MONTES 9º BPM ,024 0,012 0,010 0,46 SANTO ANTONIO DO AMPARO 8º BPM ,087 0,076 0,029 2,82 SANTO ANTONIO DO AVENTUREIRO 21º BPM ,021 0,008 0,010 0,29 SANTO ANTONIO DO GRAMA 11º BPM ,027 0,015 0,007 0,56 SANTO ANTONIO DO ITAMBE 3º BPM ,026 0,020 0,012 0,76 SANTO ANTONIO DO JACINTO 19º BPM ,072 0,012 0,017 0,44 SANTO ANTONIO DO MONTE 7º BPM ,116 0,108 0,060 4,02 SANTO ANTONIO DO RIO ABAIXO 26º BPM ,012 0,004 0,010 0,13 SANTO HIPOLITO 3º BPM ,023 0,008 0,010 0,28 SANTOS DUMONT 9º BPM ,283 0,246 0,140 9,12 SAO BENTO ABADE 8º BPM ,016 0,018 0,012 0,65 SAO BRAS DO SUACUI 9º BPM ,020 0,020 0,012 0,76 SAO DOMINGOS DO PRATA 26º BPM ,116 0,048 0,046 1,78 SAO FRANCISCO 30º BPM ,327 0,103 0,092 3,82 SAO FRANCISCO DE PAULA 8º BPM ,039 0,033 0,010 1,22 SAO FRANCISCO DE SALES 4ª Cia Ind ,031 0,044 0,014 1,62 SAO FRANCISCO DO GLORIA 11º BPM ,040 0,012 0,010 0,43 SAO GERALDO 21º BPM ,049 0,036 0,005 1,35 SAO GERALDO DA PIEDADE 6º BPM ,032 0,007 0,017 0,27 SAO GONCALO DO ABAETE 15º BPM ,058 0,024 0,019 0,88 SAO GONCALO DO PARA 23º BPM ,049 0,019 0,017 0,71 SAO GONCALO DO RIO ABAIXO 26º BPM ,049 0,025 0,014 0,92

118 107 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA SAO GONCALO DO RIO PRETO 3º BPM ,018 0,015 0,012 0,55 SAO GONCALO DO SAPUCAI 20º BPM ,123 0,077 0,039 2,86 SAO GOTARDO 15º BPM ,124 0,060 0,080 2,22 SAO JOAO BATISTA DO GLORIA 12º BPM ,034 0,030 0,010 1,11 SAO JOAO DA MATA 20º BPM ,016 0,012 0,010 0,46 SAO JOAO DA PONTE 30º BPM ,160 0,023 0,022 0,87 SAO JOAO DEL-REI 9º BPM ,458 0,339 0,319 12,56 SAO JOAO DO MANHUACU 11º BPM ,045 0,012 0,010 0,45 SAO JOAO DO MANTENINHA 6º BPM ,024 0,011 0,019 0,40 SAO JOAO DO ORIENTE 11º BPM ,048 0,018 0,010 0,68 SAO JOAO DO PARAISO 10º BPM ,187 0,031 0,019 1,16 SAO JOAO EVANGELISTA 6º BPM ,095 0,050 0,077 1,87 SAO JOAO NEPOMUCENO 21º BPM ,139 0,086 0,077 3,19 SAO JOSE DA LAPA 6ª Cia Ind ,045 0,102 0,034 3,78 SAO JOSE DA SAFIRA 6º BPM ,022 0,005 0,017 0,20 SAO JOSE DA VARGINHA 7º BPM ,017 0,012 0,010 0,46 SAO JOSE DO ALEGRE 20º BPM ,021 0,012 0,007 0,46 SAO JOSE DO DIVINO 19º BPM ,025 0,004 0,012 0,16 SAO JOSE DO GOIABAL 26º BPM ,037 0,012 0,010 0,43 SAO JOSE DO JACURI 6º BPM ,065 0,022 0,019 0,81 SAO JOSE DO MANTIMENTO 11º BPM ,013 0,006 0,007 0,21 SAO LOURENCO 8º BPM ,194 0,314 0,147 11,64 SAO MIGUEL DO ANTA 21º BPM ,040 0,006 0,010 0,24 SAO PEDRO DA UNIAO 12º BPM ,031 0,014 0,010 0,52 SAO PEDRO DO SUACUI 6º BPM ,057 0,012 0,014 0,43 SAO PEDRO DOS FERROS 11º BPM ,061 0,029 0,017 1,06 SAO ROMAO 10º BPM ,047 0,030 0,029 1,12 SAO ROQUE DE MINAS 12º BPM ,039 0,023 0,029 0,84 SAO SEBASTIAO DA BELA VISTA 20º BPM ,025 0,017 0,010 0,62 SAO SEBASTIAO DO MARANHAO 6º BPM ,079 0,005 0,012 0,18 SAO SEBASTIAO DO OESTE 23º BPM ,031 0,022 0,012 0,83 SAO SEBASTIAO DO PARAISO 12º BPM ,318 0,398 0,297 14,78 SAO SEBASTIAO DO RIO PRETO 26º BPM ,012 0,005 0,010 0,20 SAO SEBASTIAO DO RIO VERDE 8º BPM ,011 0,012 0,010 0,45 SAO TIAGO 9º BPM ,061 0,024 0,019 0,89 SAO TOMAS DE AQUINO 12º BPM ,041 0,033 0,017 1,24 SAO TOME DAS LETRAS 8º BPM ,036 0,028 0,014 1,05 SAO VICENTE DE MINAS 8º BPM ,033 0,036 0,012 1,34 SAPUCAI-MIRIM 20º BPM ,027 0,027 0,007 0,99 SARDOA 6º BPM ,027 0,008 0,012 0,30 SENADOR AMARAL 20º BPM ,026 0,009 0,010 0,33 SENADOR CORTES 21º BPM ,011 0,007 0,007 0,27 SENADOR FIRMINO 21º BPM ,037 0,025 0,029 0,94 SENADOR JOSE BENTO 20º BPM ,012 0,016 0,007 0,58 SENADOR MODESTINO GONCALVES 3º BPM ,032 0,024 0,010 0,89 SENHORA DE OLIVEIRA 9º BPM ,031 0,010 0,007 0,36 SENHORA DO PORTO 26º BPM ,022 0,010 0,014 0,36 SENHORA DOS REMEDIOS 9º BPM ,061 0,012 0,022 0,45 SERICITA 11º BPM ,041 0,010 0,010 0,38 SERITINGA 8º BPM ,011 0,013 0,010 0,47

119 108 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA SERRA AZUL DE MINAS 3º BPM ,024 0,004 0,010 0,15 SERRA DA SAUDADE 7º BPM ,005 0,012 0,010 0,45 SERRA DO SALITRE 15º BPM ,052 0,025 0,014 0,93 SERRA DOS AIMORES 19º BPM ,066 0,057 0,053 2,12 SERRANIA 24º BPM ,045 0,029 0,019 1,07 SERRANOS 8º BPM ,012 0,021 0,010 0,79 SERRO 3º BPM ,122 0,054 0,058 2,01 SETE LAGOAS 25º BPM ,948 1,437 0,979 53,29 SILVEIRANIA 21º BPM ,012 0,010 0,010 0,36 SILVIANOPOLIS 20º BPM ,036 0,032 0,012 1,20 SIMAO PEREIRA 2º BPM ,015 0,006 0,017 0,24 SIMONESIA 11º BPM ,103 0,037 0,014 1,38 SOBRALIA 6º BPM ,041 0,009 0,019 0,35 SOLEDADE DE MINAS 8º BPM ,030 0,027 0,007 1,00 TABULEIRO 21º BPM ,026 0,020 0,010 0,74 TAIOBEIRAS 10º BPM ,173 0,130 0,092 4,83 TAPIRA 3ª Cia Ind ,019 0,007 0,010 0,26 TAPIRAI 7º BPM ,013 0,005 0,007 0,18 TAQUARACU DE MINAS 26º BPM ,021 0,008 0,012 0,28 TARUMIRIM 6º BPM ,108 0,042 0,080 1,54 TEIXEIRAS 21º BPM ,063 0,032 0,029 1,19 TEOFILO OTONI 19º BPM ,881 1,558 1,331 57,77 TIMOTEO 14º BPM ,367 0,305 0,261 11,32 TIRADENTES 9º BPM ,066 0,075 0,060 2,77 TIROS 15º BPM ,052 0,025 0,027 0,93 TOCANTINS 21º BPM ,078 0,057 0,027 2,13 TOLEDO 20º BPM ,029 0,009 0,010 0,32 TOMBOS 11º BPM ,060 0,031 0,060 1,14 TRES CORACOES 8º BPM ,370 0,655 0,300 24,31 TRES MARIAS 3º BPM ,139 0,315 0,072 11,67 TRES PONTAS 24º BPM ,297 0,164 0,104 6,08 TUMIRITINGA 6º BPM ,032 0,011 0,019 0,40 TUPACIGUARA 9ª Cia Ind ,137 0,285 0,077 10,56 TURMALINA 3º BPM ,122 0,059 0,039 2,18 TURVOLANDIA 20º BPM ,023 0,008 0,005 0,31 UBA 21º BPM ,431 0,914 0,766 33,90 UBAI 30º BPM ,088 0,021 0,019 0,79 UBAPORANGA 11º BPM ,064 0,021 0,012 0,77 UBERABA 4º BPM ,316 1,713 1,897 63,54 UBERLANDIA 17º BPM ,439 2,967 3, ,05 UMBURATIBA 19º BPM ,018 0,007 0,012 0,26 UNAI 28º BPM ,430 0,374 0,747 13,88 URUCANIA 11º BPM ,066 0,023 0,010 0,84 URUCUIA 28º BPM ,082 0,022 0,010 0,81 VARGEM BONITA 12º BPM ,014 0,018 0,010 0,65 VARGINHA 24º BPM ,570 0,655 0,896 24,31 VARZEA DA PALMA 10º BPM ,191 0,123 0,056 4,58 VARZELANDIA 30º BPM ,170 0,031 0,022 1,14 VAZANTE 28º BPM ,122 0,083 0,063 3,07 VENCESLAU BRAS 20º BPM ,015 0,004 0,010 0,16

120 109 NOME UNIDADE POP_94 OCOR. EFETIVO % POP % OCOR % EFET. MÉDIA DIARIA VERISSIMO 4ª Cia Ind ,018 0,016 0,007 0,61 VESPASIANO 6ª Cia Ind ,311 0,575 0,452 21,32 VICOSA 21º BPM ,335 0,307 0,181 11,41 VIEIRAS 21º BPM ,022 0,013 0,010 0,48 VIRGEM DA LAPA 19º BPM ,086 0,016 0,017 0,60 VIRGINIA 8º BPM ,053 0,021 0,017 0,77 VIRGINOPOLIS 6º BPM ,078 0,059 0,056 2,18 VIRGOLANDIA 6º BPM ,040 0,013 0,017 0,48 VISCONDE DO RIO BRANCO 21º BPM ,179 0,246 0,092 9,12 VOLTA GRANDE 21º BPM ,027 0,017 0,014 0,63 TOTAL DO ESTADO , , , ,25 Fonte: População Censo 1994 IBGE Efetivo Sistema de Pessoal da PMMG SMAB Ocorrências Sistema de Estatística Operacional da PMMG SM20

121 110 Anexo VI SIMULAÇÃO COM MENSAGENS DE TIPO IMAGEM COM TAMANHO DE 1,2 MBYTES E TIPO TEXTO COM TAMANHO DE 300 KBYTES. Procurando validar outro cenário, simulamos também a carga em um futuro mais distante e tentamos nos orientar para as possíveis opções que poderão ocorrer com a revolução tecnológica que vem se apresentando. É uma previsão e como toda previsão podemos considerá-la pessimista ou otimista, dependendo da nossa abordagem. Esperamos que em um futuro próximo possamos validar as nossas propostas com critérios mais reais. Ela é apenas uma referência das cargas futuras. Para este contexto dividimos as simulações em 3 cenários, um com mensagens apenas de texto, um com mensagens apenas do tipo imagem e um com mensagens do tipo imagem e texto simultâneos (misto). Inicialmente definimos as cargas que seriam utilizadas na simulação, procurando definir quais seriam as condições para definição do tráfego, sua distribuição e a janela de tempo de medição. Optamos pelos critérios constantes do quadro 1. Velocidade da linha discada em bps: / / Probabilidade de Erro: 20% para e e 10% para Distribuição de chegada de mensagens exponencial com média, 1800, 900, 450, 300 e 150 segundos ( skewed ) Tamanho das Ocorrências: Imagem bytes / Texto bytes Janela de Tempo: 3600 segundos (tempo de simulação) Simulação considerando apenas arquivos de imagens, texto e misto (imagens e texto), não considerando técnicas de compactação de mensagens. Quadro 1 Critérios para simulação das linhas discadas Para simulação das linhas discadas, criamos o cenário constante da figura 1. Os parâmetros avaliados foram os mesmos do capítulo 4.

122 111 Figura 1 Cenário para Simulação entre as Pequenas Cidades e a Unidade Administrativa Simulação transmitindo apenas ocorrências de imagens (1,2 Mbytes) % de Ocupação do Canal Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM 1,2 MBytes bps bps bps Gráfico 1 Ocupação do Canal contendo apenas imagens

123 IMAGEM 1,2 MBytes 10 NÚMERO DE MENSAGENS ENTREGUES bps bps bps 0 Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS Gráfico 2 Mensagens efetivamente entregues, transmitindo apenas imagens 3500 IMAGEM 1,2 MBytes 3000 Tempo Médio em Segundos para entrega de mensagem bps bps bps Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS Gráfico 3 Tempo Médio para Entrega das Mensagens (bps: bits por segundo)

124 113 Simulação transmitindo apenas ocorrências de texto (300 Kbytes) % de Ocupação do Canal TEXTO 300 KBytes bps bps bps 0 Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS E SEGUNDOS Gráfico 4 Ocupação do Canal contendo apenas texto NÚMERO DE MENSAGENS ENTREGUES TEXTO 300 KBytes bps bps bps 0 Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS Gráfico 5 Mensagens efetivamente entregues, transmitindo apenas texto

125 114 Tempo Médio em Segundos Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS TEXTO 300 KBytes bps bps bps Gráfico 6 Tempo Médio para Entrega das Mensagens Para simulação de tráfego misto, utilizamos duas fontes de mensagens conforme ilustrado na figura 2. Figura 2 Simulação com duas fontes de tráfego

126 115 Simulação transmitindo tráfego misto, ocorrência de imagem (1,2 Mbytes) e ocorrências de texto (300 Kbytes) % de Ocupação do Canal Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 IMAGEM 1,2 MBytes TEXTO 300 KBytes bps bps bps INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS Gráfico 7 Ocupação do Canal tráfego misto (Imagem e Texto) IMAGEM 1,2 MBytes TEXTO 300 KBytes 14 NÚMERO DE MENSAGENS ENTREGUES Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS Gráfico 8 Mensagens efetivamente entregues, transmitindo (Imagem e Texto) IMAGEM TEXTO IMAGEM TEXTO IMAGEM TEXTO

127 IMAGEM 1,2 MBytes TEXTO 300 KBytes TEMPO MÉDIO EM SEGUNDOS Média 1800 Média 900 Média 450 Média 300 Média 150 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM TEXTO IMAGEM TEXTO IMAGEM TEXTO Gráfico 9 Tempo Médio para Entrega das Mensagens Regras para utilização das linhas discadas Diante dos resultados acima, chegamos as recomendações constantes dos quadros 2, 3 e 4. TRÁFEGO DE OCORRÊNCIAS APENAS DO TIPO TEXTO (300 Kbytes) Nº ocorrências por hora Linha recomendada em BPS < = > 10 <= > Quadro 2 Critérios para definição de linhas para ocorrências tipo Texto (300 Kbytes) Cidades não sede de unidade administrativa

128 117 TRÁFEGO DE OCORRÊNCIAS APENAS DO TIPO IMAGEM (1,2 Mbytes) Nº ocorrências por hora Linha recomendada em BPS < = > 3 < = > Quadro 3 Critérios para definição de linhas para ocorrências tipo Imagem (1,2 Mbytes) Cidades não sede de unidade administrativa TRÁFEGO DE OCORRÊNCIAS TIPO MISTO Imagem (1,2 Mbytes) / Texto (300 Kbytes) Nº ocorrências por hora Linha recomendada em BPS Imagem Texto < =1 e < = < =3 e <= <= 9 e <= Quadro 4 Critérios para definição de linhas para ocorrências tipo, Misto Imagem (1,2 Mbytes) / Texto (300 Kbytes) Cidades não sede de unidade administrativa Simulação das linhas privadas de comunicação de dados Também neste nível aumentamos o tamanho dos mensagens para os valores constantes no quadro 5 e efetuamos a simulações com os resultados a seguir:

129 118 Velocidade da linha de comunicação privada em bps: / / Probabilidade de Erro: 10% para e 1% para / Distribuição de chegada de Mensagens Exponencial com médias, 300, 150, 75 e 35 segundos Tamanho das Ocorrências: Imagem bytes / Texto bytes Janela de Tempo: 3600 segundos Simulação considerando apenas mensagens do tipo imagens, ou apenas arquivos do tipo texto e misto (imagens e texto), não considerando técnicas de compactação de mensagens. Expectativa de geração de ocorrências de 12, 24, 48 e 103 ocorrências por hora. Quadro.5 Critérios para simulação regional Simulação transmitindo apenas ocorrências de imagens (1,2 Mbytes) Figura 3 Cenário para Simulação entre as Unidades Administrativas e a Sede do CRPM Mensagens Tipo Imagem

130 119 % de Ocupação do Canal Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM 1,2 MBytes bps bps bps Gráfico 10 Ocupação do Canal contendo apenas imagens NÚMERO DE MENSAGENS Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM 1,2 MBytes bps bps bps Gráfico 11 Mensagens efetivamente entregues, transmitindo apenas imagens

131 120 Tempo Médio em Segundos Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS IMAGEM 1,2 MBytes bps bps bps Gráfico 12 Tempo Médio para Entrega das Mensagens Simulação transmitindo apenas ocorrências de texto (300 Kbytes) Figura 4 Cenário para Simulação entre as Unidades Administrativas e a Sede do CRPM Mensagens Tipo Texto

132 121 % de Ocupação do Canal Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS E SEGUNDOS TEXTO 300 KBytes bps bps bps Gráfico 13 Ocupação do Canal contendo apenas texto NÚMERO DE MENSAGENS Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS TEXTO 300 KBytes bps bps bps Gráfico 14 Mensagens efetivamente entregues, transmitindo apenas texto

133 122 Tempo Médio em Segundos Média 300 Média 150 Média 75 Média 35 INTERVALO MÉDIO ENTRE AS MENSAGENS EM SEGUNDOS TEXTO 300 KBytes bps bps bps Gráfico 15 Tempo Médio para Entrega das Mensagens Simulação transmitindo tráfego misto, ocorrência de imagem (1,2 Mbytes) e ocorrências de texto (300 Kbytes) Figura 5 Cenário para Simulação entre as Unidades Administrativas e a Sede do CRPM Tráfego Misto (Imagem e Texto)

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Missão Marco Legal Atuação do CIASC Sistemas Data Center Rede Governo Responsabilidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO Flávio Luis de Oliveira (flavio@celepar.pr.gov.br) Helio Hamilton Sartorato (helio@celepar.pr.gov.br) Yuri

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Redes de Computadores Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Agenda Introdução a Rede de Computadores Classificação Tipos de Redes Componentes de Rede Internet,

Leia mais

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede:

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede: Tipos de rede: Estritamente falando, uma rede local ou LAN (Local Area Network) é um grupo de computadores que estão conectados entre si dentro de uma certa área. As LANs variam grandemente em tamanho.

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Noções de redes de computadores e Internet

Noções de redes de computadores e Internet Noções de redes de computadores e Internet Evolução Redes de Comunicações de Dados Sistemas Centralizados Características: Grandes Centros de Processamentos de Dados (CPD); Tarefas Científicas; Grandes

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações 2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações Ao longo do presente capítulo são introduzidos os principais elementos qualitativos e quantitativos capazes de permitir a avaliação do desempenho

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 2 Arquitetura de Data Center Ambientes Colaborativos A história dos sistemas

Leia mais

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas Definir: Identificar as diferentes Topologias Objetivos: Descrever Vantagens/Desvantagens Topologia Adequada A topologia impacta sobre: Tipo de equipamentos utilizados A capacidade de cada equipamento

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> O que é software na nuvem... 6 >> Vantagens do software na nuvem... 8 >> Conclusão... 13 >> Sobre a Frota Control... 15 3 Introdução

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados;

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados; PLANO DE CURSO Disciplina Competências Habilidades Bases Tecnológicas INGLÊS TÉCNICO Aumentar e consolidar o seu vocabulário ativo e passivo, através da fixação de novas palavras e expressões contidas

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações A utilização das redes na disseminação das informações Elementos de Rede de computadores: Denomina-se elementos de rede, um conjunto de hardware capaz de viabilizar e proporcionar a transferência da informação

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Especificação de Requisitos e Modelagem Orientada

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. - Eletronorte Responsável: Uriel de Almeida Papa Equipe: Sérgio de Souza Cruz, Willams

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC CFLCL jragone@catleo.com.br Companhia Força e Luz Cataguazes-

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PGFN Departamento de Gestão Corporativa - DGC Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação - CTI CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA Infraestrutura

Leia mais

IBM Software. Otimize seus ambientes de SOA, B2B e nuvem com WebSphere DataPower Agosto de 2011

IBM Software. Otimize seus ambientes de SOA, B2B e nuvem com WebSphere DataPower Agosto de 2011 IBM Software Otimize seus ambientes de SOA, B2B e nuvem com WebSphere DataPower Agosto de 2011 2 Otimize seus ambientes de SOA, B2B e nuvem com WebSphere DataPower Destaques Amplie os serviços de negócios

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas White Paper Autores: Dirk Paessler, CEO da Paessler AG Dorte Winkler, Redatora Técnica na Paessler AG Primeira Publicação: Maio de 2011 Edição: Fevereiro de 2013

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com 1 PRIMÓRDIOS 1950 Auge da Guerra Fria, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos realiza

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 1 Ambiente de Data Center Os serviços de comunicação em banda larga estão mais

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas A Coordenação de Bibliotecas e a informatização do sistema: onde estamos e o que queremos 1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

Introdução. PSINF Internet / Intranet nas Empresas. Motivos. Intranet. Canais. Finalidade

Introdução. PSINF Internet / Intranet nas Empresas. Motivos. Intranet. Canais. Finalidade Introdução PSINF Internet / Intranet nas Empresas Prof. Alexandre Beletti Ferreira Internet: sites sobre lazer, shopping, cultura, etc... Intranet: sistemas corporativos de informações, e que também podem

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA Publicada no Diário Oficial nº 1.880 de 10 de setembro de 1998 LEI COMPLEMENTAR Nº 027 DE 09 DE SETEMBRO

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais