INTRODUÇÃO METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO DADOS DO INQUÉRITO...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO... 4 3. DADOS DO INQUÉRITO..."

Transcrição

1 1

2 Índice 1. INTRODUÇÃO METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO DADOS DO INQUÉRITO EX-FORMANDOS Dados globais Análise específica das respostas dos desempregados FORMADORES ANÁLISE DO PERFIL DE RECRUTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO ANÁLISE GLOBAL ANÁLISE POR ÁREAS PROFISSIONAIS Profissões associadas à área da Informática Profissões associadas à área Comercial Profissões associadas à área da Multimédia Profissões associadas à área da Comunicação Profissões associadas às áreas das Finanças / Contabilidade e Fiscalidade Profissões associadas à área da Gestão Profissões associadas à área do Secretariado / Administrativo Profissões associadas à área da Qualidade CONCLUSÕES PROPOSTAS DOS COORDENADORES RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO INQUÉRITO ÀS EMPRESAS CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE CARACTERIZAÇÃO DAS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DA ENTIDADE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO DA ENTIDADE EVOLUÇÃO DAS PROFISSÕES CONCLUSÕES LINHAS ORIENTADORES DE AÇÃO FONTES BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Anexo 1 Modelo de Inquérito a ex-formandos Anexo 2 Modelo de Inquérito a formadores Anexo 3 Modelo de proposta de formação enviada a formadores Anexo 4 Dados apresentados na reunião de balanço da atividade formativa Anexo 5 Profissões associadas à profissão de Informática Anexo 6 - Profissões associadas à profissão de Comercial Anexo 7 - Profissões associadas à profissão de Multimédia Anexo 8 - Profissões associadas à profissão de Comunicação Anexo 9 - Profissões associadas à profissão de Finanças / Contabilidade / Fiscalidade Anexo 10 - Profissões associadas à profissão de Gestão Anexo 11 - Profissões associadas à profissão de Secretariado e Trabalho Administrativo / Qualidade Anexo 12 Modelo de inquérito às empresas Anexo 13 Competências chave na evolução das profissões 2

3 1. INTRODUÇÃO O Citeforma realizou um novo Diagnóstico de Necessidades de Formação com o principal objetivo de apoiar o seu plano de formação para o biénio O trabalho reuniu um conjunto de informações de diversas fontes, designadamente exformandos, formadores, empresas e análise de anúncios de recrutamento, sendo que essa informação foi sendo validada ao longo do seu desenvolvimento junto de um conjunto de formadores do Citeforma, bem como do seu outorgante SITESE, conforme metodologia descrita no capítulo 2. Os dados recolhidos e a sua análise são apresentados ao longo dos capítulos 3 a 7, sendo que cada um deles está organizado em função das fontes de recolha de informação utilizadas. O balanço da informação recolhida, bem como as principais conclusões pertinentes para o objetivo preconizado encontra se no capítulo 8 o qual suporta as linhas de ação que o Citeforma deverá atender para efeitos de construção dos seus planos de formação. De um modo geral os dados evidenciam que a oferta formativa do Citeforma está enquadrada com as necessidades do mercado de trabalho exigidas para os profissionais prioritários da área de intervenção do Citeforma: profissionais associados ao exercício de funções das áreas dos serviços e comércio, muito especialmente o designado terciário interno das organizações. O fenómeno de desemprego justifica que o Centro venha a equacionar o desenvolvimento de programas formativos especificamente dirigidos a estes profissionais que, a par das componentes técnicas, deverão ser complementados por um forte reforço de competências pessoais, as quais se revelam determinantes no perfil de recrutamento das empresas e que são estruturantes das competências empreendedoras e de inovação exigidas. A área da comercialização de produtos e/ou serviços, sendo uma área em expansão, deverá ser contemplada nas ações a desenvolver ao longo do período de 2013 a O empreendedorismo e a inovação são vistos como áreas críticas de ingresso e de progressão profissional sendo que a sua tradução para o exercício profissional permitirá concorrer para a modernização das profissões e das organizações, traduzindo se em novos métodos de organização dos processos e das pessoas. A dimensão do sucesso empreendedor e/ou inovador está fortemente condicionado pelas características pessoais e contextuais que possibilitem a real mobilização de competências técnicas específicas, as quais são os verdadeiros veículos da mudança preconizada. 3

4 2. METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO O Diagnóstico de Necessidades de Formação realizado no período de junho de 2012 a fevereiro de 2013 foi desenvolvido com recurso aos elementos da equipa técnica do Citeforma pertencente ao Departamento de Formação e ao Centro Novas Oportunidades, tendo sido adotada uma metodologia de recolha, tratamento e validação de informação organizada em três fases, tendo tido como principais fontes de informação a auscultação de ex formandos, formadores e coordenadores do Citeforma e os anúncios de recrutamento de profissionais das áreas do Centro. O presente trabalho procurou recolher a informação necessária para gerar conhecimento sobre os seguintes aspetos: 1. Principais características sociodemográficas da população abrangida pelo Citeforma 2. Principais tarefas / atividades desenvolvidas nas principais profissões associadas à intervenção do Citeforma 3. Principais constrangimentos com que os profissionais se defrontam para o exercício das suas profissões 4. A perceção do papel da formação profissional e das qualificações para a mobilidade profissional 5. O valor reconhecido às competências associadas ao empreendedorismo e à inovação 6. As competências centrais associadas ao autoemprego 7. Requisitos de recrutamento do mercado de trabalho 8. Aspetos relacionados com a organização da formação Metodologia: 1. Recolha de dados (FASE I) a. Inquérito a ex formandos e ao corpo de formadores do Citeforma (Lisboa e Portalegre) b. Análise do perfil de recrutamento do mercado de emprego c. Propostas dos coordenadores d. Relatório de avaliação da formação e. Inquérito a empresas 2. Aferição de resultados (FASE II) a. Reunião de balanço (23 a 27 de julho de 2012) b. Reunião com a Direção do SITESE (5 de fevereiro de 2013) 3. Elaboração de relatórios (FASE III) a. Relatórios preliminares b. Relatório final 4

5 Equipa de trabalho: Cristina Tavares (Coordenadora) Susana Gonçalves Ana Monteiro Liliana Esteves Sheron Chagan Cronograma: Fase Jun. Jul. Agos. Set. Out. Nov. Dez. Jan. Fev. Mar. Abr. 1.a X 1.b 1.c X 1.d 1.e X 2.a X 2.b X 3.a X X 3.b X 5

6 Plano do trabalho desenvolvido: Fases Instrumentos /Fontes Universo Período de execução Observações Ex formandos Inquérito Ações concluídas no período de janeiro a 30 de junho Portal a maio de 2012 Formadores Inquérito Corpo de formadores Citeforma no período de janeiro 2011 a maio de 2012 Coordenadores Necessidades de Formação identificadas pelos formandos Proposta de Plano de Formação Coordenadores Citeforma a 15 de junho Ações concluídas no período de janeiro 2011 a maio de 2012 Avaliação da Formação Relatórios Relatório de avaliação 2011 e 1.º semestre de a 30 de junho Portal Julho Julho a setembro Análise da questão 11 do QARP MAF 10 dos questionários recolhidos no período de junho 2011 a junho de 2012 Reunião de Balanço Relatório preliminar Análise SWOT Dados de avaliação da formação 1.º semestre Coordenadores Formadores em exercício no ano de 2012, no Citeforma Julho Esta reunião serve, igualmente, para se proceder à aferição dos dados recolhidos nos momentos anteriores Ofertas Emprego Principais sites de emprego Ofertas de emprego no período de junho a agosto 2012 Empresas Inquérito Empresas acolhedoras de jovens em FPCT; empresas a quem o Citeforma fez prestação de serviços em 2011 e 2012; empresas com protocolos de parceria estabelecidos no âmbito do CNO Agosto a outubro 2 a 12 de outubro Análise de conteúdo Relatório preliminar (1.º) Julho Para apreciação na Reunião de Balanço e para suportar o Plano de Atividades 2013 Relatório preliminar (2.º) Dezembro Para suporte à reunião com a direção do SITESE Análise e Discussão de dados Reunião com a direção do SITESE Fevereiro 2013 Relatório final Abril

7 Para a Fase de inquérito a ex formandos e ao corpo de formadores do Citeforma (Lisboa e Portalegre) foram construídos os inquéritos Anexo 1 e 2 que após submissão a diversos prétestes foram estabilizados e colocados no portal de acesso do Citeforma. Com recurso ao programa de gestão da formação em uso no Citeforma: Human Train, os questionários construídos foram disponibilizados, via Web, no portal do Citeforma, constituindose a seguinte amostra: a) Formadores Todos os formadores que integravam o corpo de formadores do Citeforma no período de janeiro de 2011 a maio de 2012; b) Formandos Todas as pessoas que frequentaram ações de formação no Citeforma, nas diferentes modalidades, no período de janeiro de 2011 a maio de 2012 Os questionários estiveram on line no período de a tendo sido feita duas insistências para os não respondentes. Para a Fase de Análise do Perfil de Recrutamento do Mercado de Emprego foram inventariados os anúncios publicados em suporte on line, no período de 1 a 30 de junho, nas áreas de intervenção do Citeforma, num total de cerca de 1800 anúncios distribuídos conforme tabela seguinte: Fonte Número de anúncios htpp://aeiou.expressoemprego.pt 225 htpp://www.itjobs.pt 702 htpp://emprego.sapo.pt 312 htpp://www.ofertas-emprego.net (+/-) Na fase de recolha das propostas dos coordenadores modelo de proposta em anexo 3 foram recolhidos os elementos constantes dessas propostas, tomando se como principais indicadores as suas opiniões / pareceres quanto aos pontos 3, 4 e 5 daqueles modelos: Análise SWOT desenvolvida no ano anterior; Articulação entre a Evolução do mercado de trabalho e as propostas de formação a apresentar e Articulação entre a evolução dos perfis profissionais visados e as propostas de formação a apresentar, respetivamente. A fase do relatório de avaliação da formação reuniu os dados de avaliação da formação reação, aprendizagem e impacto conforme modelo de conceção em vigor no Citeforma. 7

8 Todos os elementos reunidos e com tratamento inicial foram submetidos a aferição da reunião de balanço que decorreu no dia 26 de julho junto do corpo de formadores do Citeforma Anexo 4 Em fase de acompanhamento e avaliação do trabalho, verificando se alguns constrangimentos ao plano inicialmente estabelecido, designadamente quanto: a) ao facto de o número de formadores respondentes com experiência de empresas ser estatisticamente pouco significativo; b) à sobreposição de outras atividades que impossibilitou a afetação temporal dos elementos inicialmente previstos, optou se por: 1. Aproveitar o inquérito às empresas que o Gabinete de Psicologia regularmente executa para acrescentar algumas das dimensões que seriam necessárias para reforçar a visão das entidades quanto à evolução das profissões e do perfil de competências desses profissionais; 2. Reforçar a equipa técnica inicialmente prevista Os dados foram tratados com recurso ao SPSS e à Análise de Conteúdo sempre que se tratou de informação qualitativa. 8

9 3. DADOS DO INQUÉRITO 3.1. EX-FORMANDOS DADOS GLOBAIS Ao universo das pessoas inquiridas (3721) ver capítulo da metodologia foi enviado um questionário Anexo 1 composto por 4 categorias: caracterização socio profissional; relação profissão/formação; operacionalização da formação; e sugestões. Cada uma destas categorias apresenta as respetivas subcategorias, sendo estas em número variável. Os dados que agora se apresentam correspondem à amostra construída com base nos inquéritos validados (339), representando 9.1% do Universo. Relativamente ao género a amostra caracteriza se conforme gráfico seguinte: Através do gráfico é possível constatar que a maioria dos inquiridos é do sexo feminino (61%). Para além disso, em termos de idades os indivíduos enquadram se em diferentes faixas etárias, apresentando idades entre os 21 e os 63 anos. Uma vez que foi verificada uma enorme disparidade de resultados optámos por agrupar as várias idades em diversas faixas etárias, de acordo com intervalos de 10 em 10 anos. Verificámos, então, que 41% dos 339 inquiridos têm entre 31 e 40 anos e 32% entre 41 e 50, demonstrando, assim, que os indivíduos que potencialmente se encontram mais ativos social e profissionalmente são os que continuam a apostar na formação. 9

10 A primeira categoria caracterização socio profissional apresenta 4 subcategorias: 1. Residência; 2. Habilitações académicas; 3. Profissão; 4. Situação profissional. No que se refere ao local de residência dos 339 indivíduos inseridos nesta análise de necessidades de formação, grande parte reside no distrito de Lisboa (267 U.F. 1 ), tendo ainda sido apresentada alguma frequência de residentes no distrito de Setúbal (46 U.F.). Em termos das habilitações académicas podemos verificar que nenhum dos inquiridos possui escolaridade inferior ao 9º ano e, contrariamente, um grande número de indivíduos tem a escolaridade mínima obrigatória concluída (12º ano 137 U.F.), sendo que 109 ex formandos já concluíram o ensino superior. Destes últimos, há que destacar as licenciaturas na área de Economia, Gestão e Contabilidade (60 U.F.); Tecnologias (22 U.F.); e Direito, Ciências Sociais e Serviços (19 U.F.). Estes resultados vão ao encontra da área de intervenção do Citeforma. É interessante ainda verificar que o centro também é frequentado por indivíduos com grau académico de mestre (15 U.F.). Na terceira subcategoria, e segundo a Classificação Nacional das Profissões, verifica se que o maior número ex formandos tem profissões nas seguintes áreas: Pessoal Administrativo e Similares (84 U.F.); Especialistas das Profissões Intelectuais e Científicas (70 U.F.); Pessoal dos Serviços e Vendedores (51 U.F.); Técnicos e Profissionais de Nível Intermédio (49 U.F.). 1 U.F. refere-se à unidade de frequência das respostas dadas. 10

11 A última subcategoria desta primeira categoria tem como objetivo analisar a situação profissional dos inquiridos. A partir do inquérito é possível identificar uma maior incidência de resultados na opção desempregados (157 U.F.), seguindo se a opção trabalhador por conta de outrem (140 U.F.), sendo também de destacar o reduzido número de trabalhadores por conta própria (20 U.F.). Neste último tipo de vínculo laboral a maior parte dos indivíduos desenvolve atividades científicas, técnicas, de consultoria e similares (9 U.F.) e nos setores das indústrias transformadoras; comércio por grosso e a retalho / reparação de veículos automóveis e motociclos; e educação (cada um dos setores de atividade com 5 U.F.) Em termos dos trabalhadores por conta de outrem a atividade foca se sobre o setor dedicado a outras atividades de serviços, das quais se destacam a prestação de serviços diversificados e o estudo de mercado (34 U.F.). Para além deste são de realçar os seguintes setores de atividade: atividades científicas, técnicas, de consultoria e similares; e comércio por grosso e a retalho / reparação de veículos automóveis e motociclos, ambos com 18 U.F. respetivamente. Ainda a este respeito, foram analisados os diversos departamentos e serviços afetos aos trabalhadores por conta de outrem. Neste seguimento é possível evidenciar os departamentos administrativo e financeiro (51 U.F.); de contabilidade (34 U.F.); de recursos humanos (16 U.F.); e de informática (14 U.F.). Relativamente ao número de trabalhadores das empresas em que se integram estes trabalhadores por conta de outrem verifica se a existência de uma forte disparidade de respostas, uma vez que as instituições em causa indiciam inserir se numa classificação de pequenas, médias e grandes empresas do tecido empresarial nacional. Neste sentido, foram agrupadas por 11

12 intervalos as diversas respostas dadas, sendo que temos 87 ex formandos trabalhadores em empresas constituídas por colaboradores em número igual ou inferior a 100; 23 integrados em empresas de dimensão considerável com um número variável de trabalhadores, sendo este valor superior ou igual a 1001; e 12 indivíduos que trabalham em empresas que abarcam entre 101 e 200 trabalhadores. De destacar ainda a existência de um ex formando a laborar numa empresa com uma dimensão superior a trabalhadores. A segunda categoria relação profissão/formação é constituída por 6 subcategoria, a saber: 1. Funções/atividades; 2. Dificuldades no exercício profissional; 3. Mais valias formativas; 4. Objetivos profissionais; 5. Pressupostos para alcance dos objetivos; 6. Outras vantagens formativas (Grupo B questão 6); 7. Empreendedorismo/Inovação (necessidades formativas); 8. Empreendedorismo/Inovação (competências e saberes). A primeira subcategoria (funções/atividades) questiona os ex formandos acerca das funções/atividades profissionais por si desenvolvidas. Nesta questão também se encontram contempladas as últimas atividades exercidas pelos indivíduos atualmente desempregados. Da análise efetuada é possível averiguar que grande parte dos inquiridos exerce funções de análise e tratamento contabilístico (68 U.F.); apoio administrativo e secretariado (64 U.F.) e administração de equipamentos e programas de informática (43 U.F.). No exercício das suas funções, os inquiridos identificam como principais dificuldades: Existência de lacunas em diferentes áreas (92 U.F.); Necessidade de atualização em diferentes atividades funcionais (52 U.F.); Gestão de tempo (19 U.F.); Gestão de pessoal/relacionamento interpessoal/trabalho em equipa (15 U.F.); Execução correta de metodologias (15 U.F.). É importante referir que 20 ex formando referem não ter dificuldades no âmbito profissional. No que se refere às mais valias formativas, os inquiridos mencionam que a frequência de formações em diferentes áreas permite ultrapassar todas as dificuldades (assinaladas na questão anterior) inerentes ao exercício profissional (40 U.F.). Mais concretamente, 87 ex formandos 12

13 referem que a frequência de formações em diferentes áreas (Contabilidade, Fiscalidade, TIC, Direito, entre outros) possibilita a colmatação das suas necessidades. Na subcategoria seguinte, os ex formandos identificam os seguintes objetivos profissionais, a atingir no prazo de 1 a 2 anos: Obter emprego (85 U.F.); Aumentar os conhecimentos (81 U.F.); Alcançar estabilidade profissional (29 U.F.); Progredir profissionalmente (25 U.F.); Trocar de emprego (24 U.F.). Os inquiridos mencionam que o domínio e a atualização em diferentes áreas (153 U.F.); o domínio da língua estrangeira (39 U.F.) e o aumento das qualificações escolares e profissionais (14 U.F.) são pressupostos essenciais para o alcance dos objetivos profissionais previamente estipulados. Na subcategoria seguinte (questão 6 do Grupo B) foi pedido aos ex formandos que assinalassem a ordem de importância de cada uma das opções apresentadas relativas a outras vantagens formativas, para além das já identificadas na subcategoria das mais valias formativas. Neste sentido, no que confere à opção A formação profissional permite me evoluir na carreira, na minha empresa atual é possível constatar que a maioria dos indivíduos escolheu como resposta a opção não se aplica (29,3%), sendo que um valor considerável de inquiridos (18,3%) classificou como 1 (muito importante) a ordem de importância desta afirmação. De destacar ainda que 13,9% dos indivíduos não respondeu a esta questão. Quanto à afirmação A formação profissional permite me desempenhar as minhas funções com mais competência e segurança, 42,6% das respostas incidiram sobre o valor 1 (o mais importante), havendo uma percentagem de respostas muito semelhante entre a opção 2 e os que não responderam (14,2 e 14,7% respetivamente). 13

14 No que concerne à opção A formação profissional permite me estar mais protegido contra os fenómenos de desemprego, 33,3% dos ex formandos consideraram de máxima importância a referida afirmação, estando, tal como na opção anterior, as percentagens de respostas associadas à ordem de importância 2 e ao não respondeu muito próximas (12,1% e 12,7% respetivamente). Nesta questão 6 é de destacar ainda que uma percentagem considerável (19,2%) assinalou como não se aplica a afirmação A formação profissional permite me pensar mudar de emprego / profissão, sendo este valor percentual muito próximo do associado ao valor de ordem de importância 1 (o mais importante). De destacar também que 14,2% dos indivíduos não responderam a este tópico da pergunta 6 e que 11,2% das pessoas se posicionou num nível intermédio de resposta, atribuindo a ordem de importância 5 a esta afirmação. 14

15 Quanto à afirmação A formação profissional permite me contribuir para o desenvolvimento da empresa onde estou inserido salientamos o valor 27,4% associado à opção não se aplica, valor este percentualmente próximo do da ordem de importância 1 (o mais importante). Salvaguardamos ainda o facto das percentagens de resposta serem diretamente proporcionais à ordem de importância, na medida em que assim que decresce a importância, decresce também a percentagem de respostas dadas. No tópico A formação profissional permite me pensar em construir o meu próprio emprego as respostas foram um pouco mais díspares do que até então nesta questão, uma vez que as percentagens de respostas dadas se distribuem pelas várias ordens de importância (13,3% respeitante à ordem de importância 1 e aos indivíduos que não responderam; 9,7% respeitante à ordem de importância 5 e 9, respetivamente), ainda que o maior índice de respostas esteja associado à opção não se aplica com 23,3% da totalidade de inquéritos. 15

16 Analisando a opção A formação profissional permite me desenvolver competências empreendedoras e inovadoras capazes de contribuir para o desenvolvimento da organização onde trabalho podemos constatar que 24,2% dos inquiridos classificaram como muito importante esta afirmação (ordem de importância 1), estando este valor percentual equiparado ao da escolha não se aplica, com 23,3% dos resultados apresentados. No que à empregabilidade diz respeito, os ex formandos ao analisar a afirmação A formação profissional permite me entrar ou reentrar para o mercado de trabalho consideraram que esta se enquadrava numa ordem de importância 1 (o mais importante), apresentando uma percentagem de 32,4% do total de respostas dadas. Com menos 10% dos valores apresentados por este último encontra se a opção não se aplica, reunindo 22,4% das 339 respostas apresentadas. 16

17 Analisando esta questão na sua globalidade é possível constatar que a mesma apresenta alguns resultados curiosos, na medida em que grande parte das respostas se associam às opções não se aplica e não respondeu. Para além deste aspeto, de igual forma verificamos que existe uma maior preponderância da ordem de importância 1 (o mais importante), considerando, que na generalidade dos tópicos apresentados esta ordem apresenta uma boa percentagem das respostas dadas. Para além dos dados de cariz quantitativo anteriormente apresentados, nesta última subcategoria inserida na categoria dedicada à relação profissão/formação foi possível aos ex formandos identificar outras opções que permitissem terminar a afirmação A formação profissional permiteme. Assim, neste campo a maioria dos inquiridos que completaram a frase referem que a formação profissional permite lhes adquirir e diversificar as suas competências (12 U.F.), assim como desenvolver o seu perfil pessoal e profissional (7 U.F.). No que se refere à subcategoria empreendorismo/inovação (necessidades formativas), os exformandos enumeram as seguintes formações como sendo as fulcrais para o desenvolvimento do espírito empreendedor e da capacidade de inovação: Empreendorismo e Inovação (61 U.F.); Tecnologias de Informação e Comunicação (31 U.F.); Contabilidade / Fiscalidade (30 U.F.); Desenvolvimento pessoal e comportamental (28 U.F.); Gestão e Administração (24 U.F.); Línguas (21 U.F.) 17

18 A criação do próprio negócio exige também o domínio de um conjunto de saberes que são determinantes para o sucesso do mesmo. Neste sentido, quanto à subcategoria empreendorismo/inovação (competências e saberes relevantes) os inquiridos realçam a importância da aquisição de conhecimentos e competências na área de Gestão e Administração de Empresas (54 U.F.); Contabilidade, Administração e Fiscalidade (54 U.F.) e Inovação e Empreendorismo (33 U.R). No que concerne à categoria da operacionalização da formação é de salientar que a mesma engloba duas questões que implicam uma análise quantitativa (devido ao seu caráter fechado) e uma outra de cariz aberto que envolve uma análise de conteúdo (qualitativo). Esta categoria pretende extrair informações que possibilitem e viabilizem a organização da posterior oferta formativa disponibilizada pelo Citeforma. Nesta categoria apenas foi criada uma subcategoria respeitante à questão de cariz qualitativo, designada, então, de áreas de formação (temas/objetivos). Na questão 1 do Grupo C os ex formandos classificaram de acordo com as opções de Muito Interesse, Interesse moderado e Indiferente/Sem interesse as formações que consideram pertinentes da oferta formativa apresentada pelo Citeforma. Na opção de Muito interesse, a maioria dos inquiridos (21,2%) apresentou resposta inválida. Contudo, os que apresentaram resposta válida consideram como sendo formações importantes as integradas nas áreas de: Contabilidade (10,4%); Línguas estrangeiras (10%); Gestão e Administração (7,8%); Informática para técnicos (6,8%); Desenvolvimento pessoal (6,4%); Fiscalidade (6%); Gestão de pessoal (5,7%); Inovação e empreendorismo (5,5%). 18

19 No que diz respeito à classificação das áreas de formação afetas ao Citeforma como de Interesse moderado a distribuição das percentagens de respostas de maior impacto pelas diferentes áreas fez se da seguinte forma: Gestão de pessoal (2,8%); Línguas estrangeiras (2,6%); Informática para utilizadores (2,4%); Desenvolvimento pessoal e Gestão e administração (cada uma respetivamente com 2,1% das respostas dadas); Direito nas relações laborais (2%). De referir ainda que a esmagadora maioria (73,7%) dos inquiridos não respondeu ou respondeu indevidamente a esta questão. Por sua vez, foram classificadas como Indiferente/Sem interesse as formações associadas às áreas infracitadas: Secretariado e trabalho administrativo (2,2%); Marketing (2%); 19

20 Multimédia (1,9%); Informática para técnicos (1,8%); Segurança, higiene e saúde no trabalho (1,7%); E Fiscalidade (1,6%). Mais uma vez é de salvaguardar a baixa incidência de respostas, uma vez que 81,2% dos inquiridos não respondeu ou respondeu indevidamente. Das áreas de formação que foram identificadas no ponto 1 do Grupo C como sendo de Muito interesse, os inquiridos gostariam de obter formação nas seguintes temáticas: Área de Contabilidade Temas U.F. Noções de contabilidade analítica 3 Noções de contabilidade financeira 6 Encerramento anual de contas 12 Métodos e técnicas de análise económica e financeira 1 Contabilidade 21 Princípios de fiscalidade 3 Imposto sobre o rendimento (IRS) 3 Imposto sobre o rendimento (IRC) 8 Sistema de Normalização Contabilística 32 Modelos de demonstrações financeiras 9 Auditoria e controlo interno 2 Contabilidade pública 3 Gestão e análise financeira 2 IVA 6 Legislação laboral 1 Aplicações informáticas de contabilidade 3 Contabilidade bancária 5 20

21 Segundo os ex formandos os objetivos inerentes à frequência destas formações seriam aplicar os novos conhecimentos/melhorar o desempenho profissional (27 U.F.); organizar e preencher a documentação contabilística (15 U.F.) e efetuar o processamento contabilístico (12 U.F.). Desenvolvimento Pessoal (área comportamental) Temas U.F. Relacionamento interpessoal 5 Gestão de stresse e gestão de conflito 15 Comunicação interpessoal e assertiva 27 Gestão de tempo 8 Relacionamento interpessoal 5 Liderança e gestão de equipas 10 Negociação 1 Psicologia positiva 3 Gestão de recursos humanos na empresa 2 Gestão e motivação de equipas 1 Comunicação, moderação, técnicas de apresentação e visualização 1 Autoconfiança, autoestima e autoconhecimento 11 Liderar grupos com inteligência emocional 4 Coaching and empowerment 3 Por sua vez, a frequência destas formações permitiria melhorar a comunicação/apresentação/expressividade (16 U.F.); aplicar novos conhecimentos/melhorar o desempenho profissional (10 U.F.); manter um perfil profissional assertivo (10 U.F.) e gerir conflitos e stresse (10. U.F.) Área de Direito nas Relações Laborais Temas U.F. Legislação laboral contrato de trabalho/direitos individuais 9 Sistema de Segurança Social 1 Direito do trabalho 11 Legislação Laboral 28 Proteção/melhoria do ambiente, segurança, higiene e saúde no 1 trabalho e direitos na atividade profissional Direito comercial 1 Gestão, Direito Fiscal e Legislação Laboral noções básicas 3 Direito social 1 21

22 Neste caso do Direito da Legislação Laboral a frequência das formações identificadas possibilitaria conhecer as atualizações da legislação (22 U.F.); aplicar novos conhecimentos/ melhorar o desempenho profissional (11 U.F.) e conhecer os direitos e os deveres dos trabalhadores/empregador (11 U.F.). Área de Fiscalidade Temas U.F. Fiscalidade (geral) 43 Legislação fiscal 10 Sistema de Normalização Contabilística 2 Princípios de fiscalidade 8 Legislação fiscal impostos 8 Relativamente a esta área, a frequência das supracitadas formações teria como objetivo conhecer e aplicar a legislação fiscal (14 U.F.); dominar a temática e os princípios dos impostos (11 U.F.) e efetuar o cálculo do IRS, IRC e IVA (11 U.F.). Área de Gestão de Pessoal Temas U.F. Motivação e gestão de equipas de trabalho 4 Recursos Humanos processo de recrutamento, seleção e admissão 8 Recursos Humanos processamento de vencimentos 11 Técnicas de disgnóstico e avaliação 4 Gestão de conflitos 3 Balanço de competências/plano individual de formação 3 Gestão de equipas 7 Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho conceitos 2 básicos Técnicas de liderança 4 Comunicação interpessoal e assertiva 1 Liderança e gestão de equipas 1 Técnicas de gestão de recursos humanos 4 Gestão de recursos informáticos 1 Em consequência da frequência destas formações seria, então, possível liderar, gerir e motivar as equipas de trabalho (13 U.F.); aplicar os novos conhecimentos/melhorar o desempenho profissional (8 U.F.) e realizar o controlo e processamento salarial (7 U.F.). 22

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

Diagnóstico das Necessidades de Formação

Diagnóstico das Necessidades de Formação Diagnóstico das Necessidades de Formação A AciNet Sistemas e Tecnologias de Informação é uma empresa de tecnologias de informação nas actividades de representação e comercialização de equipamentos informáticos,

Leia mais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S C T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS GESTÃO COMERCIAL E DE MARKETING ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014. www.navegantescf.pt

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014. www.navegantescf.pt CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014 FORMAÇÃO Início Fim Duração Horário Inscrição Contabilidade e Fiscalidade 01-10-2014 29-10-2014 21h P.L/S 100 Sensibilização e Orientação para o Cliente 02-10-2014

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016 Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REPÚBLICA PORTUGUESA UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

Leia mais

Relatório Anual de Atividades

Relatório Anual de Atividades Direção de Serviços de Recrutamento e Assuntos do Serviço Militar DIVISÃO DE ASSUNTOS DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR Centro de Informação e Orientação para a Formação e o Emprego Relatório Anual

Leia mais

CET. Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial

CET. Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial CET Cursos de Especialização Tecnológica Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA

EMPREENDEDORISMO E ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA Formação Presencial, homologada pela Direção Regional do Emprego e Qualificação Profissional CARGA HORÁRIA TOTAL: 120 HORAS Organização e Formadores MÓDULOS EMPREENDEDORISMO E ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA 120

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA Educação Formação de Jovens - Tipo 7 Jovens até aos 22 anos*, com o 12 ano de escolaridade. Formação UFCD Início Fim Duração Horário Sócios sócios Não Programador

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Federação Nacional de Karate - Portugal Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Índice Fórum de Formadores 2013 Introdução Diferentes influências e realidades Pessoal qualificado e Especializado em Serviços

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2015 Página 1 de 6

PLANO DE FORMAÇÃO 2015 Página 1 de 6 AMBIENTE ECONOMIA SOCIAL ENERGIA A Certificação da Gestão Florestal e Cadeia de Responsabilidade FSC ou PEFC Acompanhamento Ambiental em Obra e Gestão de RCD s (e-xz) Auditorias Ambientais (e-xz) Conformidade

Leia mais

Precisa-se Eng para quinta em Beja

Precisa-se Eng para quinta em Beja DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO Núcleo Distrital de Beja da EAPN Portugal ABRIL 2014 Ofertas de emprego Precisa-se Eng para quinta em Beja Precisa-se Eng. Para gestão de quinta produção de melão couves e outros

Leia mais

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação O Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB) é um estabelecimento de ensino superior dirigido preferencialmente às necessidades de todo o Setor Financeiro.

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico)

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico) Guião para a autoavaliação Ciclo de estudos em funcionamento (Ensino Universitário e Politécnico) Guião ACEF 2014/2015 PT (Revisão aprovada em 26.03.2014) Caracterização do pedido A1. Instituição de ensino

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Guia das Funções Mais Procuradas Page Personnel 2015 Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Lisboa, 16 de Junho de 2015 - A Page Personnel, empresa de recrutamento de quadros intermédios

Leia mais

Passaporte para o Empreendedorismo

Passaporte para o Empreendedorismo Passaporte para o Empreendedorismo Enquadramento O Passaporte para o Empreendedorismo, em consonância com o «Impulso Jovem», visa através de um conjunto de medidas específicas articuladas entre si, apoiar

Leia mais

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL FORMAÇÃO 01/013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL INFORMAÇÕES FUNDAÇÂO MINERVA Cultura - Ensino e Investigação Científica Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão Largo Tinoco de Sousa 760. 108

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 Realização: Ana Paula Fontinha Ana Cristina Santos Disponibilização de Dados Estatísticos: Bruno Ramos Coordenação:

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 GUIA DE APOIO Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 Gabinete de Qualificação Avenida António Augusto de Aguiar, 3D 1069-030 Lisboa

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

CURRICULUM VITAE - «curso de vida»

CURRICULUM VITAE - «curso de vida» CURRICULUM VITAE - «curso de vida» De forma breve, presta informações do candidato às entidades; Uma ferramenta de marketing pessoal. Principal objetivo vender os seus talentos ao potencial empregador

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA O seu conhecimento em primeiro lugar! AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA INTRODUÇÃO No primeiro trimestre a Agência para a Modernização Administrativa

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO OS CURSOS NA FEUP Dulce Campos (ee12134); Flávio Dantas (ee12153); João Neves (ee12035); João Espírito Santo (ee12057); Miguel Costa (ee12091); 0 1MIEEC07_3

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Curso de Técnico Comercial Bancário

Curso de Técnico Comercial Bancário Curso de Técnico Comercial Bancário Este curso é integralmente financiado pelo Estado Português e Fundo Social Europeu não tendo quaisquer custos para os participantes. OBJECTIVOS Os Cursos de Aprendizagem

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA. Diretor/a de Administração e Finanças

TERMOS DE REFERÊNCIA. Diretor/a de Administração e Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA Diretor/a de Administração e Finanças O Secretariado Executivo da CPLP pretende contratar um/a (1) Diretor/a de Administração e Finanças para exercer funções nas instalações da sua

Leia mais

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA SITUAÇÃO ACTUAL CRITÉRIOS DE RECONHECIMENTO SITUAÇÃO PRÉ - BOLONHA ADAPTAÇÃO A BOLONHA DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS INSTRUMENTAIS DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO

SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO INSIDE E REDE DE COOPERAÇÃO EMPRESARIAL DO ALENTEJO Vendas Novas, 29 outubro 2014 1 I. Serviços do Balcão do Empresário a. Enquadramento b. Questionário às necessidades

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

Calendário de Concursos

Calendário de Concursos Calendário de Concursos Resumo dos Principais Programas Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Inovação Empresarial Qualificação e Internacionalização PME s Promoção da Eficiência Energética e da Utilização

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

Empreendedorismo e Organização da Empresa. Público-Alvo

Empreendedorismo e Organização da Empresa. Público-Alvo Empreendedorismo e Organização da Empresa Público-Alvo Formandos que pretendam adquirir um conjunto de conhecimentos e competências na área empresarial, que lhes permita alargar a sua compreensão e posterior

Leia mais

Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013. Caparica

Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013. Caparica Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013 Caparica Antecedentes da Formação-Ação: Projeto piloto lançado em 1998 com IEFP Programa REDE AIP AEP Medida 2.2. Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Licenciaturas. Organização e Gestão Hoteleira Gestão de Empresas Turismo

Licenciaturas. Organização e Gestão Hoteleira Gestão de Empresas Turismo Licenciaturas Organização e Gestão Hoteleira Gestão de Empresas Turismo L I C E N C I A T U R A O R G A N I Z A Ç Ã O E G E S T Ã O H O T E L E I R A O B J E T I V O Formar profissionais competentes para

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL Claustro central do edifício sede do Ministério das Finanças Foto de Luís Grancho, SGMF ANEO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL O Plano de Frequência de ações de formação 2013, adiante incluído, integra o Plano de

Leia mais

Inovação Produtiva PME

Inovação Produtiva PME Inovação Produtiva PME Objetivos Promover a inovação no tecido empresarial, traduzida na produção de novos, ou significativamente melhorados, bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis diferenciadores

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO - INSPECÇÃO-GERAL DE FINANÇAS

ANÚNCIO DE CONCURSO - INSPECÇÃO-GERAL DE FINANÇAS ANÚNCIO DE CONCURSO - INSPECÇÃO-GERAL DE FINANÇAS A Direcção Geral da Administração Pública e a Inspecção-Geral de Finanças (IGF), através da Direcção Geral do Planeamento, Orçamento e Gestão do Ministério

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR PÓS-GRADUAÇÃO / ESPECIALIZAÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR FORMAÇÃO SGS ACADEMY LOCAL: LISBOA, PORTO E FUNCHAL GRUPO SGS PORTUGAL O Grupo SGS Société Générale de Surveillance S.A é a maior

Leia mais

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Training Manager Certificação PwC 7, 14 e 21 de março Academia da PwC As empresas líderes analisam quais as competências necessárias para o desempenho dos seus colaboradores, implementam

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Iniciativas Inovadoras de Formação e Qualificação Profissional para o Comércio CIM Alto Minho 30 de junho de 2015 Missão Sucesso

Leia mais

Curriculum Vitae. Data de Nascimento: 19 de Novembro de 1977. Assistente convidado na UTL Curso Pós-Laboral De Políticas Públicas

Curriculum Vitae. Data de Nascimento: 19 de Novembro de 1977. Assistente convidado na UTL Curso Pós-Laboral De Políticas Públicas Curriculum Vitae DADOS PESSOAIS Nome: Nacionalidade: Pedro Pires Portuguesa Data de Nascimento: 19 de Novembro de 1977 HABITAÇÕES LITERÁRIAS Data 16/02/2010 Universidade Universidade Técnica de Lisboa

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos Regulamento n.º 663/2010 Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º Missão e Objectivos O CEAGP tem por missão propiciar uma formação generalista, de nível

Leia mais

Formação de Jovens - Aprendizagem Jovens com idade inferior a 25* anos, com o 9 ano de escolaridade ou equivalente, sem conclusão do 12 ano.

Formação de Jovens - Aprendizagem Jovens com idade inferior a 25* anos, com o 9 ano de escolaridade ou equivalente, sem conclusão do 12 ano. Formação de Jovens - Aprendizagem Jovens com idade inferior a 25* anos, com o 9 ano de escolaridade ou equivalente, sem conclusão do 12 ano. Formação UFCD Início Fim Duração Horário Rececionista de hotel

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

Plano de Formação de Colaboradores 2014

Plano de Formação de Colaboradores 2014 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais

Leia mais

Diagnóstico de necessidades de Formação 2010/2011. Rede Social

Diagnóstico de necessidades de Formação 2010/2011. Rede Social Diagnóstico de necessidades de Formação 2010/2011 Rede Social A amostra 527 questionários aplicados ao público em geral [(ex)-formandos das entidades formadoras e alunos das escolas EB2/3 e Escola Secundária

Leia mais

Grupo Alumni. CMTrain - Associação

Grupo Alumni. CMTrain - Associação CMTrain - Formação para metrologia por coordenadas Quando se trata de desenvolver e produzir novos produtos, a metrologia por coordenadas é crucial. No entanto, só se consegue aproveitar o potencial da

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

Orientação Metodológica nº 1. 07/outubro/2015

Orientação Metodológica nº 1. 07/outubro/2015 Implementação de Sistemas de Garantia da Qualidade em linha com o Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET) Orientação Metodológica

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

Artigo 2º. Objetivos. Artigo 3º. Fases de Atuação

Artigo 2º. Objetivos. Artigo 3º. Fases de Atuação REGULAMENTO A TecMinho Associação Universidade-Empresa para o Desenvolvimento, em parceria com o Departamento de Produção e Sistemas da Universidade do Minho, promove o IdeaLab Laboratório de Ideias de

Leia mais

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO)

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) Março 2015 V A L E INO V A Ç Ã O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2. Objetivo Específico... 3 3. Tipologia de Projetos...

Leia mais

Relatório Questionário on-line

Relatório Questionário on-line Associação Portuguesa dos Gestores e Técnicos dos Recursos Humanos Seminário: Novos Caminhos, Novos Desafios da Formação Certificada Relatório Questionário on-line Relatório 1. Introdução e Objectivos

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

EDITAL PARA PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA DA FACULDADE ESTÁCIO DA AMAZÔNIA

EDITAL PARA PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA DA FACULDADE ESTÁCIO DA AMAZÔNIA EDITAL PARA PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA DA FACULDADE ESTÁCIO DA AMAZÔNIA A Faculdade Estácio da Amazônia/Atual FEA divulga processo

Leia mais

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Objetivos Promover o empreendedorismo qualificado e criativo Tipologias de Projetos 1. São suscetíveis de financiamento os projetos das PME, com menos de

Leia mais

Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALIFICAÇÃO Centro Nacional de Qualificação de Formadores Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 Índice Índice... 2 1. Introdução... 4 1.1.

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais