CON O TR T AT A O T : O C : SS 2 SS.2.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CON O TR T AT A O T : O C : SS 2 SS.2."

Transcrição

1 : CONTRATO: CSS 2.213/03 Prestação de Serviços Técnicos Especializados de Engenharia para o desenvolvimento do Programa de Redução das Perdas Globais e Avaliação da Sua Eficiência e Viabilidade Econômica Dentro do Âmbito do Projeto de Despoluição do Projeto Tietê, Unidade de Negócio Oeste MO 1

2 OBJETIVOS DO PROJETO Avaliação da eficiência das metodologias atuais Avaliação da relação custo x benefício das ações Estabelecimento de nova sistemática de avaliação de desempenho operacional Indicadores de performance Uniformização da terminologia técnica Redução de 50% do volume de águas não medidas 2

3 CONTRATO: CSS 2.213/03 : Contrato de Performance Contratada: BBL Engenharia Cobrape 3

4 LOCAL: ITAPEVI ÁREA: 80 km 2 POPULAÇÃO: habitantes EXTENSÃO REDES DE ÁGUA: 330 km NÚM. LIGAÇÕES ATIVAS: un NÚM. ECONOMIAS: un VOLUME MACROMEDIDO: l/lig.dia VOLUME MICROMEDIDO: 473 l/lig.dia ÁGUA NÃO-MEDIDA: 777 l/lig.dia (maio/06) 4

5 5

6 PERFORMANCE Redução de 50% do volume de águas não medidas redução de perdas reais redução de perdas aparentes redução do volume empregado em uso social 6

7 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Diagnóstico Inicial Varredura operacional Inspeção em equipamentos hidráulicos Medições de vazão e pressão Identificação de Pontos Críticos: - pressões altas - pressões baixas Análise da mínima vazão noturna por subsetor Identificação de áreas críticas: perdas reais 7

8 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Estudo de Concepção Estudo populacional Projeções demográfica e de demandas Modelo matemático de simulação hidráulica Estudo de setorização para horizonte de 20 anos (2025) Projeto Executivo de Redes 11 km de redes 1ª etapa 8

9 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Sistema de Monitoramento por Telemetria Pontos de Monitoramento Macromedidor de vazão: 10 pontos VRP: 13 pontos Pontos médios e pontos críticos: 22 pontos Variáveis monitoradas Vazão, pressão e nível Controle de VRP 9

10 BOOSTER AMBUITÁ BOOSTER VITÁPOLIS VRP PIXINGUINHA VRP AMADOR BUENO ZA 4 BOOSTER AMADOR BUENO VRP MARGINAL VRP MACHADO DE ASSIS BOOSTER APAE ZA 2 ZB 1 ZB 2 VRP FLORES BOOSTER AMBUITÁ CDHU 1 ZB 5 VRP CHALUPE SAPIANTÃ VRP BANGU BOOSTER COHAB ZB 4 ZB 3 VRP SALMÃO ZB 1 ZB 3 VRP LUIZ BELLI ZB 3 ZB 2 VRP CHAVES GOMES BOOSTER ZA 3 ROSEMEIRE ZA 1 VRP CONDOMÍNIO CHAVES GOMES BOOSTER STA. CECÍLIA VRP LUIZA AMÉLIA ZB 4 BOOSTER PARQUE WEY VRP MACUNIS VRP GÊNOVA ATALAIA VRP SUL AMERICANOS ATALAIA BOOSTER COHAB 10

11 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Otimização do Controle de Pressão Otimização da setorização piezométrica Manutenção e otimização das VRPs existentes Implantação de VRPs novas Otimização do ponto operacional de boosters Pesquisa e Reparo de Vazamentos Período de pesquisa: 15 meses Extensão pesquisada: km (3,5 varreduras) Índice de vaz/extensão: 1,90 vaz/km 11

12 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Revisão do Cadastro Comercial Substituição de Hidrômetros Desinclinação de Hidrômetros Combate à Fraude 12

13 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Revisão do Cadastro Comercial Pesquisa em todas as ligações ativas = ligações inativas = ligações excluídas = 373 ligações Inspeções por fechamento de quadras Revisão de dados cadastrais e informações adicionais: Base para otimização da micromedição Base para combate à fraudes 13

14 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Revisão do Cadastro Comercial Divergências cadastrais Quantidade Endereço do imóvel 147 0,40 % Número do hidrômetro ,70 % Categoria de uso/economias ,28 % Total ,38 % Total pesquisado =

15 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Revisão do Cadastro Comercial Análise Custo-Benefício Custo da revisão cadastral (R$) ,79 Acréscimo mensal do faturamento (R$) ,24 Índice de arrecadação 0, Acréscimo mensal arrecadação (R$) ,09 Tempo de retorno (mês) 1,21 15

16 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Substituição de Hidrômetros Trocas iniciais (primeiro mês): critério convencional Manutenção corretiva Manutenção preventiva (NTS181): tempo de instalação, volume acumulado máximo Para grandes consumidores: NTS181, complementada com levantamento de perfil de consumo e dados do SGH Sistema de Gestão de Hidrometria 16

17 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Substituição de Hidrômetros Demais trocas: critério do Hidrômetro com indício de fraude, parado, avariado, embaçado Volume micromedido incompatível com o perfil do cliente número pessoas residentes ramo de atividade padrão de construção do imóvel fonte de abastecimento alternativo Consumos com tendência de queda nos últimos 12 meses Imóvel ocupado com consumo zero e código de leitura normal 17

18 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Substituição de Hidrômetros Critério de troca do hidrômetro Quantidade hidrômetros trocados Volume micromedido média dos meses após a troca (m 3 ) Volume micromedido média base Volume miromedido recuperado (m 3 ) (m 3 ) Volume micromedido recuperado por hidrômetro (m 3 ) Trocas Iniciais ,86 Trocas critério ,05 Total ,70 Critério avaliado para troca de hidrômetros de 1,5 m 3 /h 18

19 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Substituição de Hidrômetros Motivo da troca Hidrômetros trocados Volume micromedido mensal (m3) Média base Média após troca Acréscimo do volume micromedido mensal por hidrômetro (m3) Ligação sem hidrômetro ,19 Hidrômetro violado ,30 Informação TACE ,99 Hidrômetro embaçado ,41 Hidrômetro parado ,04 Hidrômetro avariado ,93 Consumo zero ,48 Consumo incompatível ,32 Hidrômetro invertido ,03 Idade ,66 Trocas iniciais ,86 19

20 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Substituição de Hidrômetros Capacidade do hidrômetro instalado Quantidade hidrômetros trocados Volume micromedido mensal (m3) Média base Média após troca Acréscimo do volume micromedido mensal por hidrômetro (m3) 1,5 m 3/ /h ,82 3 m 3/ /h ,83 5 m 3/ /h ,44 10 m 3 /h ,70 20 m 3 /h , m 3 /h ,58 20

21 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Substituição de Hidrômetros Análise Custo-Benefício HD pequena capacidade Trocas efetuadas (unid.) Custo médio do serviço de troca (R$) 67,60 Custo total dos serviços (R$) ,50 Acréscimo mensal do faturamento (R$) ,14 Índice de arrecadação 0, Acréscimo mensal de arrecadação (R$) ,83 Tempo de retorno (mês) 10,22 21

22 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Substituição de Hidrômetros Análise Custo-Benefício HD grande capacidade Trocas efetuadas (unid.) 149 Custo médio do serviço de troca (R$) 1.528,44 Custo total dos serviços (R$) ,99 Acréscimo mensal do faturamento (R$) ,06 Índice de arrecadação 0, Acréscimo mensal de arrecadação (R$) ,80 Tempo de retorno (mês) 10,89 22

23 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Desinclinação de Hidrômetros Hidrômetros apontados na pesquisa de campo como muito inclinados (>15º) Hidrômetros apontados na pesquisa de campo como pouco inclinados (<15º) priorizados os maiores consumos Quantidade de desinlcinações Volume micromedido mensal (m3) Média base Média após troca Acréscimo do volume micromedido mensal por hidrômetro (m3) ,21 23

24 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Desinclinação de Hidrômetros Análise Custo-Benefício Desinclinações efetuadas (unid.) Custo médio do serviço (R$) 6,06 Custo total dos serviços (R$) Acréscimo mensal do faturamento (R$) 3.183,86 Índice de arrecadação 0, Acréscimo mensal de arrecadação (R$) 2.881,69 Tempo de retorno (mês) 10,89 24

25 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Combate a Fraudes Fontes de Informação Pesquisa em campo para atualização cadastral Pesquisa de vazamentos Análise da evolução dos consumos da micromedição Repescagem em ligações suspeitas 25

26 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Combate a Fraudes Suspeita de fraude Vistoriadas Fraudes confirmadas Ligações inativas ,95% Ligações ativas ** 17,64% Irregularidade em hidrômetro Total de fraudes suspeitas Total de ligações pesquisadas % de irregularidades 24,17% ** Efeito da presença permanente da Sabesp no município 26

27 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Combate a Fraudes Ligação Quantidade ligações regularizadas Volume micromedido mensal (m3) Média base Média após troca Acréscimo do volume micromedido mensal por hidrômetro (m3) Inativa ,90 Ativa ,50 27

28 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Combate a Fraudes Análise Custo-Benefício Ligações Ativas Ligações ativas vistoriadas (unid.) Custo médio do serviço (R$) 31,77 Custo total dos serviços (R$) ,39 Acréscimo mensal do faturamento (R$) 6.785,23 Índice de arrecadação 0, Acréscimo mensal de arrecadação (R$) 6.141,26 Tempo de retorno (mês) 11,88 28

29 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Combate a Fraudes Análise Custo-Benefício Ligações Inativas Ligações inativas vistoriadas (unid.) Custo médio do serviço (R$) 84,42 Custo total dos serviços (R$) ,08 Acréscimo mensal do faturamento (R$) ,31 Índice de arrecadação 0, Acréscimo mensal de arrecadação (R$) ,29 Tempo de retorno (mês) 3,86 29

30 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Análise Custo-Benefício Custo total dos serviços (R$) Acréscimo mensal de arrecadação (R$) Retorno do investimento (mês) Revisão do cadastro comercial , ,09 1,21 Substituição de hidrômetros 1,5 m 3 /h , ,83 10,22 Substituição de hidrômetros 3,0 m 3 /h , ,22 7,17 Substituição de hidrômetros grande capacidade , ,80 10,89 Desinclinação de hidrômetros , ,69 3,62 Combate a fraudes em ligações ativas , ,26 11,88 Combate a fraudes em ligações inativas , ,29 3,86 TOTAL , ,18 8,12 30

31 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Índice de Perda Total (m 3 /dia) Início Final Redução de 61% Índice de Perdas Unid. Início Final Total Água não-medida l / lig.dia 777,00 293,00 Perdas Reais l / lig.dia 424,60 160,37 Perdas Aparentes l / lig.dia 352,40 132,63 31

32 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Distribuição das Perdas regularização lig. com fraudes; 12% regularização lig. pelo cliente; 2% autalização cadastral; 2% ligações novas; 12% melhoria da micromedição; 36% ligações novas em núcleos; 36% 32

33 Avaliação de Perdas por UGP - Orientação das Ações 33

34 Unidade de Gerenciamento de Perdas Real: 269 l/lig.d Aparente: 176 l/lig.d ZA 4 Real: 220 l/lig.d Aparente: 240 l/lig.d Real: 295 l/lig.d Aparente: 240 l/lig.d ZB 5 Real: 178 l/lig.d Aparente: 162 l/lig.d ZA 2 ZB 1 ZB 2 CDHU 1 ZB 1 ZB 2 Real: 198 l/lig.d Aparente: 171 l/lig.d SAPIANTÃ Real: 256 l/lig.d Aparente: 201 l/lig.d ZB 4 Real: 279 l/lig.d Aparente: 220 ZB 3 l/lig.d ZB 3 ZB 3 ZA 1 Unidades de Gerenciamento de Perdas LEGENDA ZONA BAIXA 01 ZONA ALTA 01 ZONA BAIXA 02 ZONA ALTA 02 ZB 4 Real: 342 l/lig.d Aparente: 295 l/lig.d ATALAIA ZA 3 Real: 361 l/lig.d Aparente: 192 l/lig.d ATALAIA ZONA BAIXA 03 ZONA ALTA 03 ZONA BAIXA 04 ZONA ALTA 04 ZONA BAIXA 05 SAPIANTÃ ATALAIA 34

35 AÇÕES DE REDUÇÃO DO USO SOCIAL Regularização em AACs Selagem e mapeamento Negociação: conscientização da população tarifa especial doação da ligação de água (abrigo, cavalete, hidrômetro) Identificação da demanda - população residente nas áreas PROJETOS EXECUTIVOS IMPLANTAÇÃO DAS OBRAS 35

36 AÇÕES DE REDUÇÃO DO USO SOCIAL Regularização em AACs Dados Básicos Nº Total de AACs 100 unidades Nº de Domicílios unidades População hab Nº de AACs regularizadas 95 unidades Nº de Domicílios unidades População hab Nº de Ligações Executadas unidades Extensão de Rede de Água Executada ,37 metros 36

37 Mapa de localização das AACs AACs Previstas AACs Incluídas Macromedidores 37

38 Processo de Elaboração dos Projetos Diagnóstico Social Selagem e mapeamento - identificação das economias Negociação - conscientização da população - implantação de tarifa especial - doação da ligação de água (abrigo, cavalete,hidro) Locação dos cavaletes Identificação da Demanda - população residente nas áreas PROJETO DE EXECUTIVO 38

39 Projeto de Rede de Água em AACs Projeto Executivo das Redes de Água e das Ligações 39

40 TARIFA ESPECIAL Criar condições para a transição clandestino / cliente Permitir o conhecimento do consumo Dar oportunidade para eliminação do desperdício Dar oportunidade para planejamento do orçamento doméstico Perenizar a condição de cliente Solução Adotada Implantação da Tarifa Favela para os três primeiros meses Implantação da Tarifa Social após o terceiro mês. 40

41 TRABALHO SOCIAL FASE B: Acompanhamento social das obras e apoio para detecção de irregularidades 41

42 Assentamento de Rede e Execução de Ligações 42

43 Interligação de rede de 250mm para 32mm PAD Caixa TD5 Hidrômetro Instalado 43

44 Eliminação das ligações irregulares 44

45 NOVAS TECNOLOGIAS - EQUIPAMENTOS UTILIZADOS 45

46 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NOVAS TECNOLOGIAS 46

47 CUSTOS REFERENCIAIS DE FORNECIMENTO Item Preço Unitário (R$) UMC 23,86 Te 32 x 32mm - eletrofusão 11,30 Redução 32 x 20 mm - eletrofusão 8,80 Abrigo 24,00 Solda 12,00 47

48 FASE C: Acompanhamento Pós-Obra Acompanhamento continuado do consumo casa a casa Continuidade na identificação e eliminação de fraudes Continuidade do Plantão Social na Agência de Itapevi Sabesp Apoio à Sabesp em organização de evento para lideranças (abril/2007) Preparação de oficinas de Educação Sanitária e Ambiental qualidade de vida e geração de renda Preparação de palestras e atividades educativas sobre desperdício de água (abril/2007) rede municipal de ensino 48

49 FASE C: Acompanhamento Pós-Obra Ampliação da atuação da Sabesp junto à comunidade do município, com visitas à ETA Morro Grande e implantação do PURA nas escolas municipais Visitas casa a casa para entrega de cartilhas e comunicação da tarifa de água 90% dos domicílios Apoio à Sabesp em evento comemorativo do aniversário de Itapevi com distribuição de shorinkas e explicações sobre a cartilha Olho N Água a 800 pessoas Acompanhamento e avaliação da atuação do TACE 49

50 Fase C Acompanhamento pós-obra Conscientização e informação aos moradores 50

51 REGULARIZAÇÃO DAS AACs Aspectos Positivos: Conscientização da maioria da população da necessidade de pagar pelo consumo da água Adesão da população ao projeto, inclusive das áreas do entorno das AACs Importância que a população dá com relação ao recebimento de um produto (água) de qualidade e com regularidade Sentimento de valorização do ser humano a Sabesp mais próxima da comunidade 51

52 Dificuldades: REGULARIZAÇÃO DAS AACs Descrédito inicial da população quanto à realização das obras Resistência inicial ao trabalho da equipe do social nas áreas onde a criminalidade é atuante Constantes solicitações de novas ligações Ligações intradomiciliares Complexidade das fraudes existentes no entorno das AACs Execução de novas fraudes. 52

53 AÇÕES DE REDUÇÃO DO USO SOCIAL Regularização em AACs Evolução do número de ligações Número de Ligações (und.) 0 jul/06 ago/06 set/06 out/06 nov/06 dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 Meses

54 AÇÕES DE REDUÇÃO DO USO SOCIAL Regularização em AACs Evolução do consumo micromedido Volume (m3/mês) Consumo médio = 9,96 m 3 /dom.mês 0 jul/06 ago/06 set/06 out/06 nov/06 dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 Meses 54

55 AÇÕES DE REDUÇÃO DO USO SOCIAL Regularização em AACs Recuperação de Vazamentos Volume fornecido por Domicílio (Macromedição) (m 3 /mês/dom) 19,54 Consumo Médio por Domicílio (Micromedição) (m 3 /mês/dom) 9,96 Diferença de consumo por Domicílio (m 3 /mês/dom) 9,58 Número Total de Domicílios das AACs (domicílio) Custo de produção de distribuição da água (R$/m 3 ) (R$) 1,36 Valor Recuperado (R$) ,78 55

56 AÇÕES DE REDUÇÃO DO USO SOCIAL Regularização em AACs FATURAMENTO Volume (m 3 /mês) Valor (R$) Volume Micromedido (Jul/06) ,94 Volume Micromedido (Set/07) ,94 Ganho ,00 ARRECADAÇÃO Volume (m 3 /mês) Valor (R$) Volume Micromedido (Jul/06) ,25 Volume Micromedido (Set/07) ,91 Ganho ,66 * Faturamento e Arrecadação - Jul/06 - Tarifa

57 AÇÕES DE REDUÇÃO DO USO SOCIAL Regularização em AACs Análise Custo-Benefício Custo Total - AACs R$ ,18 Valor Total Recuperado R$ ,44 Retorno do Investimento - meses 42,2 57

58 AÇÕES DE REDUÇÃO PERDAS APARENTES Volume (m 3 /dia) Evolução do Volume Perdido Volume recuperado de perdas aparentes m 3 /dia ou 67 l/s Perdas Aparentes Mês m 3 /mês m 3 /dia Refer Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov

59 Mês 14 Mês RESULTADOS GLOBAIS Área de Projeto 59 Mês 13 Mês 12 Mês6 Mês7 Mês8 Mês9 Mês10 Mês11 Referência Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 Mês 7 Mês 8 Mês 9 Mês 10 Mês 11 Mês5 Vol ANM - Diário Vol ANM - Média Móvel Meta Mês4 Mês3 Mês2 Mês1 Volume Diário (m3)

60 RESULTADOS GLOBAIS V o l u m e s ( m 3 /d ia ) R e f e r ê n c i a s e t / o u t / n o v / d e z / j a n / f e v / Meses m a r / 0 7 a b r / m a i / j u n / j u l / a g o / s e t / o u t / n o v / Diferença de macromedição submedição Uso social Uso operac. 60

61 Prestação de Serviços Técnicos Especializados de Engenharia para o Perdas Globais e Avaliação da Sua Eficiência e Viabilidade Econômica Dentro do Âmbito do Projeto de Despoluição do Tietê Unidade de Negócio Oeste MO Vice-Presidência Metropolitana de Distribuição - M OBRIGADO, BBL ENGENHARIA www. bbl. eng. br 61

Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética ÍNDICE Visão Geral das Perdas na SABESP Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética Benefícios do Programa Visão Geral das

Leia mais

Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp

Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp Workshop Inovação e Tecnologias Globais em Saneamento Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp Eric C Carozzi 29.07.2014 Visão geral das Perdas de Água na Sabesp - Balanço Hídrico Balanço

Leia mais

Programa Consumo Responsável. Julho 2015

Programa Consumo Responsável. Julho 2015 Programa Consumo Responsável Julho 2015 PORTO ALEGRE - BRASIL População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per capita: R$ 22,6 mil PIB Rio Grande do Sul

Leia mais

Sistemas produtores capacidades

Sistemas produtores capacidades Sistemas produtores capacidades CAPACIDADES DE PRODUÇÃO ATUAIS SISTEMA INTEGRADO SISTEMA PRODUTOR Nominal Máxima (m³/s) (m³/s) Cantareira 33,0 35,0 Guarapiranga 14,0 15,0 Alto Tietê 10,0 12,0 Rio Claro

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Universidade Mackenzie Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Dante Ragazzi Pauli Presidente ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental S. Paulo, fevereiro 2014 Conceitos Sistema

Leia mais

Diretoria Metropolitana

Diretoria Metropolitana Diretoria Metropolitana Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp Diretoria Metropolitana Unidade de Negócio Sul MS Modelo de Contrato de Performance para Redução de Perdas Reais e

Leia mais

Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho

Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho Programa de Redução de Perdas na Baixada Santista Eng. Joaquim Hornink Filho Unidade de Negócio Baixada Santista População Fixa 1800.000 habitantes População Alta Temporada 4.000.000 habitantes Domicílios

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN 1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas Porto Alegre/RS 13 e 14 de julho de 2015 REDUÇÃO DE PERDAS SOB A PERSPECTIVA FINANCEIRA 01) Garantir

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Complexo da Penitenciária Feminina de Santana

Gestão de Recursos Hídricos no Complexo da Penitenciária Feminina de Santana Gestão de Recursos Hídricos no Complexo da Penitenciária Feminina de Santana Autor Edson Geraldo Vitorino de Souza SABESP Superintendência de Gestão de Empreendimentos da Metropolitana Disponibilidade

Leia mais

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES Abal Simões de Magalhães (1) Engenheiro Civil pela (UFBa/BA - 1982). Superintendente da Embasa na Região Metropolitana de

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

Orçamento Estimativo - Programa de Desenvolvimento Operacional Desembolso no ano 2000

Orçamento Estimativo - Programa de Desenvolvimento Operacional Desembolso no ano 2000 1. Macromedição e Pitometria 1.1 Materiais e equipamentos aquisição de macromedidores aquisição de equip. de pitometria aquisição de veículo sub-total 1.1 1.2 Serviços contratação de serviço de instalação

Leia mais

SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML

SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML SABESP - Unidade de Negócio Leste - ML Sabesp a Partir de 1995 Reestruturação dos processos críticos para reduzir: Satisfação do cliente e qualidade de vida Aumento da qualidade dos serviços Custo Tempo

Leia mais

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Guilherme Resende Tavares (1) Graduado em Engenharia Ambiental pela Universidade Fumec. Antes de ingressar

Leia mais

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA.

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. 05 a 07 de Dezembro de 2013 Salvador- BA REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. Sérgio Ricardo dos Santos Silva (1) Engenheiro Civil,

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água Trabalho Definitivo Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados Tema: Abastecimento de Água Autores: Cristina Helena Fukuda, Emy Kikuchi, Cristiane Costrov da Silva, Ivanir Joaquim

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP Sérgio Braga* Engenheiro Civil e Sanitarista Diretor do Departamento de Obras Cícero Felipe

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Desenvolvimento Interno de Soluções AMI/AMR Advanced Metering

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A TÍTULO: Metodologia para Detecção de Vazamentos não Aparentes utilizando Armazenadores de Ruídos de Vazamento em Setores isolados na cidade de Campinas. AUTOR: Engº Paulo Sérgio Vicinança RESPONSÁVEL PELA

Leia mais

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS I-28 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS Kleber Castilho Polisel (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade de Taubaté 1986. Especialização em Engenharia de Saneamento Básico pela

Leia mais

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013 Audiência Pública Piedade 20 de Junho de 2013 Objetivo do Encontro Audiência Pública sobre o Convênio com o Governo do Estado, Contrato de Programa com a Sabesp e Plano Municipal de Saneamento do município

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Cícero Ferreira Batista Engenheiro Sabesp Brasil

Cícero Ferreira Batista Engenheiro Sabesp Brasil Cícero Ferreira Batista Engenheiro Sabesp Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Impacto na Perda Aparente Atuando na Redução da Submedição dos Hidrômetros

Leia mais

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS TEMA I: ABASTECIMENTO DE ÁGUA AUTORES: Silvano Silvério da Costa: Ex-Diretor de Manutenção e Operação do SAAE de Guarulhos.

Leia mais

Metas de Infraestrutura - Contrato de Programa - Duque de Caxias

Metas de Infraestrutura - Contrato de Programa - Duque de Caxias PRAZO EXECUÇÃO META A SER EXECUTADA DESCRITIVO DA META FÍSICO EXECUTADO 2008 2009 2010 2011 Ampliação e complementação do sistema de produção de água tratada para as localidades de Imbariê e Taquara, na

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP.

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. Silvano Silvério da Costa * Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Engenheiro

Leia mais

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL.

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. TEMA DO TRABALHO: ABASTECIMENTO DE ÁGUA Nome dos Autores: Luiz Eduardo Mendes Divisão de Manutenção e Operação Cargo: Engenheiro Civil - Formação:

Leia mais

DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. José do Carmo de Souza Júnior

DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. José do Carmo de Souza Júnior DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA José do Carmo de Souza Júnior AUTORES José do Carmo de Souza Júnior Companhia de Saneamento Básico do

Leia mais

Marcos Valério de Araújo Gestor Comercial Águas de Itu Brasil

Marcos Valério de Araújo Gestor Comercial Águas de Itu Brasil Marcos Valério de Araújo Gestor Comercial Águas de Itu Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Concessão Plena: 30 anos inicio 04/out/2007. Grupo Bertin. 52.000

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

ÁGUA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Airoldi Edison

ÁGUA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Airoldi Edison ÁGUA PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Airoldi Edison Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Rua Costa Carvalho, 300 - Pinheiros - São Paulo - SP - CEP 05415-001 RESUMO O

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp O papel da SABESP no ciclo de vida da água Redução do volume produzido. Preservação e despoluição dos mananciais. Água de reúso Controle de Perdas

Leia mais

RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL

RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL 1 RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL 2 SUMÁRIO 2.1.1 OBJETIVOS DO RELATÓRIO 5 2.1.2 DISTRIBUIÇÃO DAS DEMANDAS ATUAIS 6 2.1.3 PREVISÃO DAS DEMANDAS FUTURAS POR ROTA / SEDE 15 2.1.4 PREVISÃO

Leia mais

TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO. ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald

TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO. ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Esta apresentação é um breve resumo das ações comerciais executadas no DMAE,

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Índice de atendimento por Sistemas de Abastecimento de Água

Índice de atendimento por Sistemas de Abastecimento de Água 81 Índice de atendimento por Sistemas de Abastecimento de Água 26,42% 73,58% CORSAN Outros Sistemas Gráfico 1: Percentual da população atendida pelo SAA - CORSAN. Assim, observa-se que 73,58% da população

Leia mais

Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes

Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes JOÃO RICARDO LETURIONDO PUREZA jpureza@comusa.com.br Responsável pelo setor de operação da Companhia, Eng Civil formado

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172966. Gestão sustentável das águas em campus universitário

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172966. Gestão sustentável das águas em campus universitário COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172966 Gestão sustentável das águas em campus universitário Wolney Castilho Alves Palestra apresentada no 1. Seminário do Programa Campus Sustentável USP, 2015, São Paulo A série

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

SAN.C.IN.NC 06. Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos para a retificação de fatura(s) de água afastamento e tratamento de esgoto.

SAN.C.IN.NC 06. Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos para a retificação de fatura(s) de água afastamento e tratamento de esgoto. 1 / 6 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. CONSIDERAÇÕES GERAIS 6. REFERÊNCIAS 7. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos

Leia mais

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação:

Leia mais

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE Julho/2015 Antônio Elisandro de Oliveira Diretor-Geral do Dmae PORTO ALEGRE -RS População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

Vice-Presidência do Interior Depto. de Desenvolvimento e Controle Operacional do Interior

Vice-Presidência do Interior Depto. de Desenvolvimento e Controle Operacional do Interior 1. OBJETIVO O modelo de diagnóstico tem por objetivo o levantamento de dados que permitam retratar com máxima precisão a atual situação dos sistemas componentes das Unidades de Negócio e identificar seus

Leia mais

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO OBJETIVOS PRINCIPAIS DA CONCESSÃO Redução das tarifas pagas pela INFRAERO e pelos concessionários;

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Categoria IGS - Inovação da Gestão em Saneamento Monitoramento à Distância de Pontos Críticos de Abastecimento de Água e de VRP s com a utilização da estrutura

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

Diretoria Técnica Gerência de Controle de Perdas e Sistemas

Diretoria Técnica Gerência de Controle de Perdas e Sistemas Título: Gestão da Pesquisa de vazamentos não visíveis AUTORES: Claudio Luiz Tiozzi Rubio Cargo Atual: Coordenador Macromedição e Pesquisas Formação: Engenharia Mecânica Área de Atuação: Controle de Perdas,

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO, COOPERAÇÃO E INCENTIVO À MELHORIA DA GESTÃO DE PERDAS E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO, COOPERAÇÃO E INCENTIVO À MELHORIA DA GESTÃO DE PERDAS E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA PROGRAMA DE INTERCÂMBIO, COOPERAÇÃO E INCENTIVO À MELHORIA DA GESTÃO DE PERDAS E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA Airton Sampaio Gomes - Consultor Equipe Aesbe Brasília, junho de 2012 Sumário 1) APRESENTAÇÃO...

Leia mais

1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS. Eng. Gustavo Lamon

1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS. Eng. Gustavo Lamon 1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS Eng. Gustavo Lamon JULHO DE 2015 TÓPICOS ABORDADOS NESTA APRESENTAÇÃO PRINCIPAIS NÚMEROS NO BRASIL PITOMETRIA SETORIZAÇÃO MACROMEDIDOR

Leia mais

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Antônio Simões Teixeira Filho (1) Engenheiro Civil / Sanitarista pela Pontifícia Universidade

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

Atual situação de perdas em Indaiatuba. Situação pretendida nos próximos 4 anos - Meta

Atual situação de perdas em Indaiatuba. Situação pretendida nos próximos 4 anos - Meta Atual situação de perdas em Indaiatuba Dez / 2011-36,9% de índice de perdas na distribuição 370 litros / ligação / dia de perdas Dez / 2012-33,30% de índice de perdas na distribuição 334 litros / ligação

Leia mais

TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO

TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO AUTORES: Claudio Luiz Tiozzi Rubio responsável pela apresentação oral Cargo Atual: Coordenador Macromedição

Leia mais

CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP. Diálogos do Saneamento 02/12/2015

CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP. Diálogos do Saneamento 02/12/2015 CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Diálogos do Saneamento 02/12/2015 DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Informações Gerais da CORSAN em 2015 Universalização de Serviços DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Informações Gerais

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A TÍTULO: MONITORAMENTO DE ÁREAS DE ABASTECIMENTO COM AVALIAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA. COMO A SANASA REALIZA? Nome do Autor/Apresentador: Ivan de Carlos Cargo atual: Engenheiro, formação em Engenharia Civil,

Leia mais

Gestão Corporativa e Redução de Despesas em São Paulo. Case da Prefeitura de São Paulo Projeto de Modernização da Administração Pública

Gestão Corporativa e Redução de Despesas em São Paulo. Case da Prefeitura de São Paulo Projeto de Modernização da Administração Pública Gestão Corporativa e Redução de Despesas em São Paulo Case da Prefeitura de São Paulo Projeto de Modernização da Administração Pública Rodrigo Mauro Ruiz de Matos III Encontro de Agentes Públicos 23/02/2011

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE VAZAMENTOS DE ÁGUA NA REDE COLETORA DE ESGOTOS TEMA I: ÁGUA AUTORES

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE VAZAMENTOS DE ÁGUA NA REDE COLETORA DE ESGOTOS TEMA I: ÁGUA AUTORES ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE VAZAMENTOS DE ÁGUA NA REDE COLETORA DE ESGOTOS TEMA I: ÁGUA AUTORES Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Fac. Barão de Mauá. Engenheiro Civil formado pela Fac. de Engenharia

Leia mais

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS O Daae (Departamento Autônomo de Água e s) está inspecionando os poços artesianos dos estabelecimentos comerciais, industriais

Leia mais

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE SUMÁRIO EXECUTIVO ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

Indicador de vulnerabilidade da infraestrutura de redes de distribuição de água uma proposta para a tomada de decisões no combate às perdas

Indicador de vulnerabilidade da infraestrutura de redes de distribuição de água uma proposta para a tomada de decisões no combate às perdas Indicador de vulnerabilidade da infraestrutura de redes de distribuição de água uma proposta para a tomada de decisões no combate às perdas Eng. Edison Garcia da Silva Junior / Eng. Rodrigo Chimenti Cabral

Leia mais

Gestão Operacional Total

Gestão Operacional Total Gestão Operacional Total Melhoria da Imagem perante aos Clientes e Mercado Melhoria de Produtos e Processos Preservação dos Recursos Hídricos Roberto Teruya Aurélio Fiorindo Filho Alessandra Pavaneli Sorza

Leia mais

IGS. Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela

IGS. Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela IGS Relatório de Descrição de Prática de Gestão Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela Setembro/2012 A OPORTUNIDADE Oportunidade de melhoria solucionada pela prática implementada Em 1995

Leia mais

Unindo Forças em busca da excelência PAULA MORETTI

Unindo Forças em busca da excelência PAULA MORETTI Unindo Forças em busca da excelência PAULA MORETTI CONCEITO Unificação da setorização comercial e a manutenção operacional, se consistindo em uma estrutura operacional composta por equipes multifuncionais,

Leia mais

O Trabalho de Mobilização Comunitária no Estado do Ceará

O Trabalho de Mobilização Comunitária no Estado do Ceará O Trabalho de Mobilização Comunitária no Estado do Ceará João Pessoa(PB), 06 de novembro de 2012 EVOLUÇÃO DO SANEAMENTO RURAL NO CEARÁ/CAGECE 2000 Ampliação da atuação da CAGECE no saneamento rural. 2001

Leia mais

24ª Audiência de Sustentabilidade Redução de Perdas 21 de julho de Redução de Perdas de Água: Avanços Trazidos pelo Projeto Eficaz

24ª Audiência de Sustentabilidade Redução de Perdas 21 de julho de Redução de Perdas de Água: Avanços Trazidos pelo Projeto Eficaz 24ª Audiência de Sustentabilidade Redução de Perdas 21 de julho de 2010 Redução de Perdas de Água: Avanços Trazidos pelo Projeto Eficaz Visão Geral das Perdas na Sabesp Quantificação das Perdas na Sabesp

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Gestão de Recursos Hídricos REPLAN 14/12/09 Mesa Redonda Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Alternativas para a redução do consumo de água Alternativas para a redução do

Leia mais

Redução de Perdas através de contratos de remuneração por desempenho. Carlos Jose Teixeira Berenhauser

Redução de Perdas através de contratos de remuneração por desempenho. Carlos Jose Teixeira Berenhauser Redução de Perdas através de contratos de remuneração por desempenho Carlos Jose Teixeira Berenhauser Atuação desde 1992 em redução e controle de perdas em sistemas de abastecimento de agua Presença nacional

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

Cenário atual da disponibilidade hídrica na RMSP e contribuições para inovação e uso racional da água.

Cenário atual da disponibilidade hídrica na RMSP e contribuições para inovação e uso racional da água. 28 de maio de 2014 Cenário atual da disponibilidade hídrica na RMSP e contribuições para inovação e uso racional da água. Edson Geraldo V. Souza - SABESP AGENDA SABESP ÁGUA NO PLANETA ADMINISTRAÇÃO DA

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília INTEGRANDO UM DIAGNÓSTICO À GESTÃO POR PROCESSOS Pedro Barreto SUMÁRIO 1 Diagnóstico financeiro versus

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

Volkswagen do Brasil Ltda INFRAESTRUTURA MEIO AMBIENTE

Volkswagen do Brasil Ltda INFRAESTRUTURA MEIO AMBIENTE VOLKSWAGEN DO BRASIL E A PLANTA ANCHIETA SEIS FÁBRICAS NO BRASIL: Anchieta (São Bernardo), São Carlos, Taubaté, Curitiba, Vinhedo e Resende Fábrica Anchieta ( São Bernardo do Campo ) Das fábricas do Grupo

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

Governança do Empreendimento Sistema Produtor São Lourenço

Governança do Empreendimento Sistema Produtor São Lourenço Governança do Empreendimento Sistema Produtor São Lourenço 04/08/2015 1. Sistema Produtor São Lourenço 1. Sistema Produtor São Lourenço Desenho esquemático 2. Governança Corporativa 2. Governança Corporativa

Leia mais

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 Modelo de gestão SISAR Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 DADOS POPULACIONAIS Brasil População Total 190.755.799 hab. Ceará População Total 8.452.381 hab. População Urbana 84,35% 160.914.804 hab. População

Leia mais

O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA

O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA Daisy Menezes, Assessora de Planejamento e Gestão Comercial, CEDAE, Rio de Janeiro, Brasil UM AVANÇO NA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS x DIFICULDADES ENCONTRADAS

Leia mais

1 CONSUMO DE ÁGUA COMERCIAL PÚBLICO

1 CONSUMO DE ÁGUA COMERCIAL PÚBLICO 1 1 CONSUMO DE ÁGUA 1.1 USOS DA ÁGUA DOMÉSTICO (Residencial) COMERCIAL CLASSES DE CONSUMO INDUSTRIAL PÚBLICO PERDAS E FUGAS DOMÉSTICO (litros / habitante / dia) BEBIDAS E COZINHA 10 20 LAVAGEM DE ROUPA

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Distribuição de Capital Social

Distribuição de Capital Social Sabesp - Unidade de Negócio Sul MS Agosto/2014 Distribuição de Capital Social Primeira empresa de saneamento e a única companhia listada na NYSE (Bolsa de Valores de Nova Iorque) a participar do Novo Mercado

Leia mais

I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA

I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA Alex Orellana (1) Engenheiro de Produção Mecânica pelo Centro Universitário Nove de Julho. Pós-graduado

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA

GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA Severo Ferreira Sampaio Gelson Nunes Felfili

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

A EVOLUÇÃO. 1. Se não faltar Água Tudo Bem. 2. Pesquisa de Vazamentos e Macromedição. 3. Controle de Pressão

A EVOLUÇÃO. 1. Se não faltar Água Tudo Bem. 2. Pesquisa de Vazamentos e Macromedição. 3. Controle de Pressão REDUÇÃO DE PERDAS: Resultados práticos na redução de perdas reais e aparentes, suas correlações com a recuperação de receita e utilização de geoprocessamento neste processo A EVOLUÇÃO 1. Se não faltar

Leia mais

ANEXO II MODELO DE PROJETO SOCIAL. Solicitação de Habilitação no Banco de Projetos Entidade/Organização

ANEXO II MODELO DE PROJETO SOCIAL. Solicitação de Habilitação no Banco de Projetos Entidade/Organização ANEXO II MODELO DE PROJETO SOCIAL Solicitação de Habilitação no Banco de Projetos Entidade/Organização 1 IDENTIFICAÇÃO 1.1.Dados de Identificação do(s) Proponente(s) Proponente: (órgão ou Nome entidade

Leia mais

VPAR/762/2008 ANEXO III COMPANHIA FORÇA E LUZ DO OESTE - CFLO Manifestação Formal à NT 356/2008-SRE/ANEEL Consulta Pública 018/2008 DETERMINAÇÃO DO VALOR DA PARCELA A PERDAS Guarapuava, Dezembro de 2.008.

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Seminário Cobrança pelo Uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Comitê da Bacia Hidrográfica Sorocaba e Médio Tietê Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Sorocaba, 10 de setembro

Leia mais