Cliente/Servidor. Monitores Transacionais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cliente/Servidor. Monitores Transacionais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1"

Transcrição

1 Cliente/Servidor Monitores Transacionais Graça Bressan Graça Bressan/LARC

2 Transação Filosofia de projeto de aplicação que garante robustez em sistemas distribuídos. É executada sob o controle de Monitores de Processamento Transacional (TP Monitors). Sob o controle do Monitor TP, uma transação é gerenciada desde a sua origem, em geral o cliente, ao longo de múltiplos servidores, até a sua conclusão com a volta do controle à sua origem. Quando uma transação termina, todas as partes envolvidas estão de acordo com o sucesso ou a falha da transação. Propriedades ACID Uma transação é uma coleção de ações que apresentam as propriedades ACID ( Andreas Reuter ): Atomicidade: a transação é indivisível como unidade de trabalho. Ou é completamente executada, ou se falhar é como se nunca tivesse sido executada (proposição de "tudo ou nada"). Consistência: após a execução da transação o sistema deve ficar em um estado consistente. Se a transação foi interrompida por erro, O sistema ficará no estado anterior à sua execução. Isolação: o comportamento de uma transação não deve afetar o comportamento de outras transações executando concorrentemente. Os acessos devem ser serializados. Durabilidade: os efeitos da execução da transação após sua conclusão com sucesso (commit) devem ser permanentes. Este conceito equivalente ao de persistência. Modelo de Transação Transações são representadas através de estruturas de linguagens convencionais ou especializadas. A estrutura simplificada de um programa transacional é a seguinte: Graça Bressan/LARC

3 Begin Transaction <seqüência de chamadas a outros gerenciadores de recursos, tais como DBMS> if <sucesso> then Commit else Roll Back Comandos Transacionais Begin Transaction : comando que inicia uma uma transação. Commit: comando que determina que as alterações executadas na transação se tornem permanentes. Roll Back: comando que desfaz as alterações em caso de falha. TRPC: Mecanismo equivalente ao de RPC para chamada de transações pelos clientes. Comandos Transacionais Sistema Inicio Sucesso Recuperação OSI TP C-BEGIN C-COMMIT C-ROLLBACK X/OPEN tx_begin tx_commit tx_rollback Tuxedo TPBEGIN TPCOMMIT TPABORT Top End tx_begin tx_commit tx_rollback Encina transaction oncommit onabort CICS Syncpoint Syncpoint RollBack Graça Bressan/LARC

4 Modelos de Transações Flat Transaction ( Simples ) Syncpoints Chained Transaction ( Encadeadas ) SAGAS Nested Transaction ( Aninhadas ) Flat Transactions Em caso de erro a transação será desfeita. Flat Transactions Todo trabalho feito dentro dos limites de uma transação está no mesmo nível. Vantagens: Simplicidade ( para operações curtas ) ACID Inicialmente criadas para aplicações bancárias Graça Bressan/LARC

5 Não monopoliza recursos críticos do sistema Limitadas 90% das aplicações comerciais Transações Flat devem ter curta duração para não monopolizarem recursos críticos do sistemas tais como Locks. Modelos de Transações Existem mecanismos alternativos para estender o fluxo de controle além da unidade linear de trabalho. As alternativas para se estender o fluxo de controle se classificam em dois grupos: Encadeamento de unidades de trabalho em sequencias lineares de mini transações: Syncpoints, Chained Transactions e Sagas. Criação de uma hierarquia aninhada de unidades de trabalho: Nested Transactions. Syncpoints Graça Bressan/LARC

6 Syncpoint permite o salvamento periódico do trabalho acumulado e executar um Roll Back. Syncpoint é volátil enquanto Commit é permanente: em caso de falha do sistema todos os dados acumulados são perdidos. Transações Chained Transações encadeadas utilizam Commit em lugar de Syncpoint para tornar o trabalho acumulado permanente. É perdida a habilidade de Roll Back da cadeia inteira de trabalho. Graça Bressan/LARC

7 Saga No modelo de transação Saga o Roll Back é possível desfazer todo o trabalho acumulado pelos Commits. Graça Bressan/LARC

8 Nested Transactions Two-Phase Commit Nos casos em que uma transação interage com diferentes gerenciadores de recursos, em um ambiente centralizado ou distribuído, para finalizar uma atualização é necessário que os vários gerenciadores executem um Commit. Gerenciadores de recursos podem ser outros sistemas tais como DBMS e servidores de Groupware. A transação emitirá um único Commit (ou Roll Back para desfazer a transação) que será manipulado por um componente do sistema denominado Coordenador. Ao receber uma requisição de Commit, o Coordenador contata todos os gerenciadores de recursos, denominados participantes, para que forcem as escritas dos dados contidos em seus Logs. Se a escrita for bem sucedida, cada participante retorna OK e caso contrário retorna Not OK. Quando o Coordenador recebeu o OK de todos os Participantes, ele força a escrita de seu próprio Log, registrando a decisão final da transação, se OK no caso de Commmit ou Not OK se é Roll Back. De qualquer forma, o Coordenador informa os demais Participantes da decisão. Cada Participante deverá executar seu Commit ou Rollback local. Em caso de falha em algum ponto do processo, o procedimento de reiniciação consultará a decisão gravada no Log do Coordenador. Se não existir uma decisão gravada então será assumido que foi RollBack. Graça Bressan/LARC

9 Monitores Transacionais - TP-Monitors O que é um TP-Monitor "Um sistema operacional de processamento de transações" Jeri Edwards São especializados em gerenciar transações. Quando uma transação termina, o TP-Monitor garante que todos os sistemas envolvidos na transação são deixados num estado consistente. O monitor TP sabe como executar as transações, roteá-las pelos sistema, balancear a carga e recuperar falhas. Apareceram primeiro nos mainframes, com o objetivo de fornecer robustez para o ambiente de execução de aplicações OLTP em larga escala. OLTP - OnLine Transaction Processing: aplicações de missão crítica, que envolvem um cliente GUI e um ou mais servidores de transações SQL sobre bases de dados. Principais atividades de um TP-Monitor: Gerenciamento de Processos: incluindo iniciar processos servidores, transmitir suas requisições, monitorar a execução e balancear a carga de trabalho; Gerenciamento de transações: o que significa garantir o ACID para todos os componentes que rodam sob sua proteção. TP-Monitor e Servidor de Banco de Dados Graça Bressan/LARC

10 TP-Monitors Gerenciam Aplicações Tipos de Interação Cliente/Servidor CONVERSACIONAL RPC ( Remote Procedure Call ) QUEUED ( Filas de Mensagens ) BATCH ( Processamento em Lote ) Padrões de Gerenciamento TP-Monitor exige padrões pois suas aplicações podem coordenar diferentes plataformas com acesso a diferentes bases de dados e gerenciadores de recursos. Existem duas fontes de especificações: OSI-CCR e OSI-TP da ISO: define os protocolos de mensagens que permitem que monitores TP interoperem. Entre essas definições encontra-se a do protocolo Two-Phase Commit DTP da X/OPEN: define os componentes de um sistema baseado em transações e como esses sistemas interoperam. Graça Bressan/LARC

11 X/Open DTP - Distributed Transaction Procesing X/Open DTP tem como principal objetivo definir os componentes de um sistema baseado em transações e definir suas interfaces. O modelo define 3 componentes: Programas de Aplicação Gerenciamento de Transação Gerenciamento de Recursos X/Open DTP - Distributed Transaction Processing TP-Monitors: TP-Lite & TP-Heavy TP-Lite Simples integração de funções TP-Monitors em banco de dados. Em geral suportam transações Flat. TP-Heavy São os TP-Monitors, incluindo a nova geração de produtos do mercado: CICS, Encina, Tuxedo, Tandem s PathWay, Top End, DEC s ACMS, e outros. Diferenças: Escopo de término de transação Graça Bressan/LARC

12 Gerenciamento de recursos heterogêneos Gerenciamento de Processos Requisições C/S Desempenho TP-Monitors - Produtos ACMSxp Digital Equipment Corp. X/Open DTP Encina Transarc Baseado em OSF DCE (Distributed Computing Environment), XA-interface, TxRPC, CPI-C X/Open e CPI-RR da IBM. GRIP Itautec GRIP é um TP Monitor para Netware e Windows NT TUXEDO System 6.1 Novell Monitor Transacional Distribuído Suporta 35 plataformas de servidores e clientes Windows, Windows NT, OS/2, Motif, Macintosh e DOS CICS IBM CICS - Customer Information Control System Baseado em DCE e Encina Suporta MVS/ESA, VSE/ESA, OS/2, OS/400 Transactions Server do Backoffice Windows NT Fim do Módulo Monitores Transacionais Graça Bressan/LARC

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Conceitos Gerais Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Forças de marketing que conduzem à arquitetura cliente/servidor "Cliente/Servidor é um movimento irresistível que está reformulando

Leia mais

Sistema centralizado O Paradigma Cliente/Servidor

Sistema centralizado O Paradigma Cliente/Servidor centralizado O Paradigma Cliente/Servidor Computador central (mainframe) + conjunto de terminais + recursos centralizados recursos mainframe terminais 2 distribuído Relações entre entidades Grupo de computadores

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

Comunicação. Parte II

Comunicação. Parte II Comunicação Parte II Carlos Ferraz 2002 Tópicos Comunicação Cliente-Servidor RPC Comunicação de objetos distribuídos Comunicação em Grupo Transações Atômicas Comunicação Stream 2 Comunicação cliente-servidor

Leia mais

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase. ? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.? Desde de 1994, a Microsoft lança versões do SQL SERVER

Leia mais

SGBD. Funções Básicas de um SGBD

SGBD. Funções Básicas de um SGBD Definição Sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso e a correta manutenção dos dados armazenados em um banco dados. Funções básicas Métodos acesso Integrida Semântica Segurança Concorrência

Leia mais

Cliente/Servidor Bancos de Dados Cliente/Servidor Graça Bressan

Cliente/Servidor Bancos de Dados Cliente/Servidor Graça Bressan Cliente/Servidor Bancos de Dados Cliente/Servidor Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Bancos de Dados Cliente/Servidor DBMS Modelo Relacional O modelo de gerenciamento de bases de

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação 1 1 Bases de Dados SISTEMAs DE GESTÃO DE ANO LECTIVO 2001/2002 Sistemas de Informação 2 2 Sistemas de Informação e organizações Informação e Informação nas organizações Sistemas de Informação (SI) Planeamento

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE. Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução.

CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE. Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução. CAPÍTULO 3 MIDDLEWARE Para entender-se o aparecimento da tecnologia middleware é descrita a seguir, e, brevemente, a sua evolução. 3.1 ARQUITETURA CLIENTE/SERVIDOR Primeiramente, surgiu a arquitetura centralizada

Leia mais

Introdução à Redes de Computadores

Introdução à Redes de Computadores Introdução à Redes de Computadores 1 Agenda Camada 5 do modelo OSI Camada 6 do modelo OSI Camada 7 do modelo OSI 2 1 Camada 5 do modelo OSI 3 Camada 5 - Sessão A camada de sessão estabelece, gerencia e

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

CICS Resumo. Acerca deste resumo: Introdução (1-2) Arquitectura (3-4)

CICS Resumo. Acerca deste resumo: Introdução (1-2) Arquitectura (3-4) CICS Resumo Acerca deste resumo: Este é o resumo da matéria estudada para apresentar o sistema IBM CICS, o monitor transaccional mais utilizado. Cada secção diz respeito a um conjunto de acetatos que são

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Arquitetura de um sistema é a especificação de sua estrutura e de seus componentes

Arquitetura de um sistema é a especificação de sua estrutura e de seus componentes Arquiteturas e Modelos de sistemas Arquitetura Arquitetura de um sistema é a especificação de sua estrutura e de seus componentes Localização dos componentes e relação entre eles Objetivo: garantir que

Leia mais

Cliente/Servidor. Ambientes de Computação Distribuída. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Ambientes de Computação Distribuída. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Ambientes de Computação Distribuída Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Ambientes para Cliente/Servidor Infra-estruturas básicas necessárias para implementar sistemas cliente/servidor:

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 4 Estilos Arquitetônicos Estilos Arquiteturais Dataflow

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Gerenciamento de Transações

Gerenciamento de Transações Gerenciamento de Transações Outros tipos de recuperação: Além das falhas causadas por transações incorretas, conforme vimos anteriormente, podem ocorrer outros tipos de falhas, que ocorrem por fatores

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula 2

Sistemas Distribuídos Aula 2 Sistemas Distribuídos Aula 2 Prof. Alexandre Beletti Ferreira Tipos de Sistemas Distribuídos Sistemas de Computação Distribuída Alta Disponibilidade / Balanceamento de carga Alto Desempenho 1 Sistemas

Leia mais

Framework. Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes

Framework. Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes Framework Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes Sobre o seu surgimento A primeira versão do spring foi escrita por Rod Johnson em 2002, quando ele estava Lancando o seu livro Expert One-on-One

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados Prof. Hugo Souza Até agora vimos como é formada a infraestrutura física e lógica das bases de dados com os principais componentes

Leia mais

Transações no Mundo SOA. Luciano Oliveira Solution Consultant

Transações no Mundo SOA. Luciano Oliveira Solution Consultant Transações no Mundo SOA Luciano Oliveira Solution Consultant Agenda Definição Através do Tempo Transações com Bancos Distribuídos Transações em SOA Compensação Coordenador Gerenciado vs. Não-Gerenciado

Leia mais

OMA (Object Management Arquitecture): Application Interfaces. Domain Interfaces. Domain. Interfaces. Object Request Broker (ORB) Object Services

OMA (Object Management Arquitecture): Application Interfaces. Domain Interfaces. Domain. Interfaces. Object Request Broker (ORB) Object Services 1 Copyright 1998, 1999 Francisco Reverbel OMA (Object Management Arquitecture): Application Interfaces Domain Domain Interfaces Interfaces Object Request Broker (ORB) Object Services 2 Copyright 1998,

Leia mais

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Arquitetura de Gerenciamento filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistema de Gerência Conjunto de ferramentas integradas para o monitoramento e controle. Possui uma interface única e que traz informações

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sistema de Arquivos. Prof. Edilberto Silva - edilms@yahoo.com. Sistemas de Informação Brasília/DF

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sistema de Arquivos. Prof. Edilberto Silva - edilms@yahoo.com. Sistemas de Informação Brasília/DF 2 Conceitos Básicos Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas

Leia mais

3 SCS: Sistema de Componentes de Software

3 SCS: Sistema de Componentes de Software 3 SCS: Sistema de Componentes de Software O mecanismo para acompanhamento das chamadas remotas se baseia em informações coletadas durante a execução da aplicação. Para a coleta dessas informações é necessário

Leia mais

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Princípios de Sistemas Distribuídos Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Conceitos de comunicação entre processos Interprocess Communication (IPC) Sistemas distribuídos são construídos

Leia mais

VISÃO GERAL DE BANCO DE DADOS

VISÃO GERAL DE BANCO DE DADOS Banco de Dados BD_A007 Visão Geral de Banco de Dados 02 de março de 2005 VISÃO GERAL DE BANCO DE DADOS Relação de siglas utilizadas neste trabalho: ABD: Administrador de Banco de Dados. BD: Banco de Dados.

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Visão do Usuário da DSM

Visão do Usuário da DSM Memória Compartilhada Distribuída Visão Geral Implementação Produtos 1 Memória Compartilhada Distribuída Mecanismos tradicionais de comunicação via RPC/RMI ou mensagens deixam explícitas as interações

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Aspectos Estratégicos da Computação Distribuída Aula 2

Aspectos Estratégicos da Computação Distribuída Aula 2 Aspectos Estratégicos da Aula 2 Mudanças no Ambiente de Negócios Reengenharia Padrões e Sistemas Abertos Framework para Discussão Processos e Ambientes de Negócios Padronização Introdução à Infra-Estrutura

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont.

Como manter uma rede com qualidade de serviço? Gerência de Rede. Visão Geral da Gerência de Redes. Importância de gerência de Redes. Cont. Gerência de Rede A importância estratégica crescente das redes envolve: Aplicações indispensáveis à organização Quanto mais complexo o ambiente maior o risco de coisas erradas acontecerem. Como manter

Leia mais

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno:

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Giovanni Pietro Vallone Cocco Portais Corporativos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Sistemas Cliente-Servidor

Sistemas Cliente-Servidor Sistemas Cliente-Servidor Disciplina Bancos de Dados II (INE 5616 2006-1) Curso de Sistemas de Informação Prof. Renato Fileto INE/CTC/UFSC 1 1 Cliente - Servidor Arquitetura cliente/servidor: Os servidores

Leia mais

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso):

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso): TRANSAÇÕES 1. Introdução Transação Uma transação é uma unidade lógica de trabalho (processamento), formada por um conjunto de comando SQL, que tem por objetivo preservar a integridade e a consistência

Leia mais

Controle de transações em SQL

Controle de transações em SQL Transações Controle de transações em SQL Uma transação é implicitamente iniciada quando ocorre uma operação que modifica o banco de dados (INSERT, UPDATE ou DELETE). Uma transação pode terminar normalmente

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática /

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Agenda Definição de Sistemas Distribuídos Evolução Histórica Exemplos Comparação com Sistemas Centralizados Conclusão 2 Definição

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Requisitos de Sistemas

Requisitos de Sistemas Bancos de Dados III Acesso Cliente Servidor Arquiteturas Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br 1 Requisitos de Sistemas Grande competitividade no mercado TI deve apoiar a empresa atendendo com agilidade.

Leia mais

Middleware. Camada Intermediária de Suporte a Sistemas Distribuídos

Middleware. Camada Intermediária de Suporte a Sistemas Distribuídos Middleware Camada Intermediária de Suporte a Sistemas Distribuídos Alternativas de comunicação entre processos (IPC) Mecanismos de IPC tradicionais (ou de baixo nível) Memória compartilhada, filas de mensagens,

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

1.1. REQUISITOS NÃO FUNCIONAIS & CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

1.1. REQUISITOS NÃO FUNCIONAIS & CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1. Anexo III - Requisitos Técnicos e de Segurança A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos nos itens deste anexo. Os requisitos não

Leia mais