ANUAL. Exercício de 2002

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANUAL. Exercício de 2002"

Transcrição

1 RELATÓRIO ANUAL Exercício de 2002 Senhores Acionistas, A Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG, Sociedade de Economia Mista, controlada pelo Governo do Estado, leva à apreciação de V. Sas. o seu Relatório de Atividades referente ao exercício de 2002, contendo o Balanço Patrimonial, a Demonstração de Resultados, a Demonstração de Origens e Aplicações dos Recursos e a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, acompanhados dos pareceres do Conselho Fiscal e dos Auditores Independentes. 1

2 ÍNDICE 1 Introdução 03 2 Atendimento à População 05 3 Qualidade no Atendimento e na Prestação dos Serviços 08 4 Indicadores de Desempenho Operacional 10 5 Desenvolvimento Institucional Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e Programas de Cooperação Técnica Desenvolvimento Operacional e Apoio Logístico Informática 14 6 Investimentos Realizados 16 7 Resultados do Exercício Receitas e Custos Geração de Recursos 20 8 Composição do Passivo 21 9 Informações Relevantes Auditoria Externa 23 2

3 1 - Introdução Como principal agente promotor do saneamento básico em Minas Gerais, a COPASA tem como missão institucional proporcionar melhores condições de vida à população e infra-estrutura para o desenvolvimento econômico e social do Estado de Minas Gerais, estando presente em 650 localidades das quais 548 são sedes municipais. Em 2002, a atuação da empresa esteve, em grande parte, condicionada pelas dificuldades para a obtenção de recursos financiados. O fluxo de crédito reduzido das fontes tradicionais de financiamento fez com que os recursos próprios desempenhassem papel fundamental para a manutenção e expansão de seus sistemas de produção e para atendimento às novas demandas de investimentos da população do estado. Esse quadro de restrição de recursos foi, todavia, atenuado com a liberação de recursos do FGTS para o setor de saneamento. A COPASA se beneficiou com um financiamento de R$ 42,3 milhões, tendo o Unibanco como agente financeiro. Alguns programas no âmbito federal estão se mostrando promissores e poderão contribuir como fontes alternativas de recursos. Neste sentido, destaca-se o Programa de Despoluição de Bacias Hidrográficas PRODES, lançado pela Agência Nacional de Água ANA. A COPASA já possui 4 estações de tratamento de esgotos habilitadas, aguardando contratação. Fato extremamente relevante para a empresa foi a renovação da concessão com a Prefeitura de Belo Horizonte, pois representou um denominador comum entre Estado e Município, garantindo o mecanismo do subsídio cruzado, mantendo, desse modo, o arcabouço institucional do sistema COPASA MG. O ano de 2002 foi caracterizado ainda pela defasagem tarifária que acomete a COPASA MG, tendo o último realinhamento das tarifas ocorrido em fevereiro/2001. A contenção tarifária frente ao aumento dos custos operacionais, notadamente energia elétrica, combustíveis, produtos químicos, etc. e o impacto da elevação dos juros e da desvalorização cambial sobre o serviço da dívida provocaram desequilíbrio entre receitas e despesas, limitando a capacidade da empresa em gerar recursos para investimento. 3

4 Apesar desse contexto, a COPASA direcionou as suas ações em 2002 para os seguintes objetivos estratégicos: Expandir sua atuação respondendo aos compromissos que tem com a população do Estado, atuando no sentido de buscar a universalização dos serviços de saneamento básico; Buscar a renovação das concessões vincendas nos próximos anos, de modo a manterse na posição de principal agente da Política Estadual de Saneamento; Elevar o nível de eficiência e competitividade da empresa, otimizando custos e recursos, e garantindo a qualidade dos serviços ofertados aos seus clientes; Enfrentar os desafios colocados pelas mudanças que estão ocorrendo no setor de saneamento no Brasil, transformando-os em oportunidades para consolidar sua posição no setor; e Ampliar as ações voltadas para a melhoria e a preservação ambiental. A seguir são apresentadas as principais ações e resultados alcançados pela COPASA no exercício de

5 2 Atendimento à População Na condição de concessionária de serviços públicos e apesar das restrições de novos financiamentos, a COPASA não só ampliou e garantiu o atendimento com serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário nas localidades onde já operava, mas expandiu também seu mercado, iniciando a operação de serviços em novas comunidades do Estado. Em 2002, a empresa estendeu sua atuação com serviços de abastecimento de água a 26 novas localidades, totalizando 650 localidades (sedes e vilas) operadas com abastecimento de água. Para esgotamento sanitário, a empresa iniciou a operação em 5 novas localidades, destacando-se a cidade de Araxá, com mais de 22 mil ligações, totalizando 70 localidades operadas (sedes e vilas). Os serviços de abastecimento de água prestados pela COPASA atingiram em dezembro/2002 uma população de 10,4 milhões de habitantes, representando uma cobertura de cerca de 67,5% da população urbana do Estado. Com isso, o índice de atendimento que era de 97,3% em dezembro/2001, alcançou 97,7% em dezembro/2002, significando um acréscimo de 361 mil pessoas no quadro de usuários dos serviços de abastecimento de água. Quadro I COPASA ATENDIMENTO COM ABASTECIMENTO DE ÁGUA 2001/2002 ITENS Número de Concessões (1) Localidades Atendidas (1) População Atendida (hab) Índice de Atendimento (%) (2) 97,3 97,7 Número de Ligações Extensão de Rede (km) (1) - Sedes e Vilas. (2) - População atendida em relação à população urbana das localidades operadas pela COPASA MG com sistemas de água. 5

6 No que se refere aos serviços de esgotamento sanitário, a população beneficiada pelos serviços da COPASA atingiu 4,8 milhões de habitantes em dezembro/2002, cobrindo cerca de 31,1% da população urbana do Estado. Com a expansão de cerca de 247 mil pessoas no quadro de usuários dos serviços de esgoto, o índice de atendimento aumentou de 80,4% em dezembro/2001, para 81,6% em dezembro/2002. Quadro II COPASA ATENDIMENTO COM ESGOTAMENTO SANITÁRIO 2001/2002 ITENS Número de Concessões (1) Localidades Atendidas (1) População Atendida (hab) Índice de Atendimento (%) (2) 80,4 81,6 Número de Ligações Extensão de Rede (km) Índice de Tratamento de Esgotos (%) (3) 11,75 27,72 (1) - Sedes e Vilas. (2) - População atendida em relação à população urbana das localidades operadas pela COPASA MG com sistemas de esgoto. (3) Em relação ao Volume Coletado de Esgoto Ainda em relação aos serviços de esgotamento sanitário, destacam-se as ações da empresa na implantação e operação de novas estações de tratamento, com destaque para a Estação de Tratamento de Esgotos do Ribeirão Arrudas na Região Metropolitana de Belo Horizonte e de Varginha e Ipatinga no interior do Estado. Tais iniciativas permitiram um acréscimo significativo no índice de tratamento de esgotos que, da média de 11,75% em 2001, saltou para 27,72% em

7 ACRÉSCIMO DE LIGAÇÕES 140, ligações 90,0 104,5 112,5 56,7 74, ,0 ÁGUA ESGOTO A expansão no atendimento à população exigiu um acréscimo de 112,5 mil ligações de água e 74,3 mil de esgoto no estoque de ligações da empresa. Em termos de redes, houve a implantação de 2,4 mil km de redes de distribuição de água e 585 km de redes coletoras de esgoto. 7

8 3 Qualidade no Atendimento e na Prestação dos Serviços A COPASA tem procurado melhorar a qualidade no atendimento e na prestação dos serviços investindo na capacitação das equipes, na melhoria de processos e serviços. Para tanto, têm sido realizadas ações com foco na satisfação das pessoas envolvidas, notadamente os clientes, as comunidades, os empregados e os acionistas, objetivando a racionalização e padronização de atividades e conseqüentes ganhos no desempenho das diversas unidades da empresa. Em 2002, cerca de 80 unidades administrativas e operacionais do Interior e da Região Metropolitana de Belo Horizonte estavam aprimorando e melhorando seus processos operacionais e gerenciais com metodologia proposta pelo Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS, instituído pela ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária. A COPASA é recordista nesse prêmio, tendo desde 1999 colecionado um total de 18 troféus, sendo que em 2002 foi premiado o sistema de Salinas da região nordeste do Estado. Nessa direção estão também as normas técnicas da série ISO-Internacional Standardizacion Organizacion. O Escritório Local de Araxá, obteve em 2002, a Certificação ISO 9001/2000, recomendada pela BSI British Standard Institution. O Laboratório Metropolitano da Copasa, localizado em Belo Horizonte, que obteve a ISO 9002 em 2000, vem sendo auditado a cada 6 meses para ratificação do Certificado. Outras unidades da empresa também vêm se manifestando em direção à certificação ISO, encontrando-se em fase de diagnóstico e provisão de recursos. Em outra linha de ação e visando agilizar, aprimorar e estender o atendimento a um universo maior de clientes, a COPASA efetuou investimentos na implantação da Agência Virtual de Atendimento ao Público. Os clientes podem obter certidão negativa de débito, histórico do consumo e de valores das contas de água e esgoto, segunda via de conta de água/esgoto, vencimento alternativo das contas, reclamação de vazamento de esgoto, etc. 8

9 Em 2002, foram também realizados investimentos na readequação e padronização de 8 (oito) agências de atendimento, visando proporcionar mais conforto, segurança e funcionalidade no atendimento aos clientes. Tais ações acabam por refletir positivamente nos indicadores que medem a qualidade do atendimento ao cliente. O índice de reclamações procedentes por erro em conta, por exemplo, passou da média de 3,12 reclamações/1.000 contas/mês obtida em 2001 para, 2,61/1.000 contas/mês em

10 4 Indicadores de Desempenho Operacional O contexto atual de escassez de recursos do setor de saneamento básico exigiu da COPASA, durante o ano de 2002, a busca de soluções criativas na manutenção da qualidade da prestação de serviços públicos, procurando melhorar continuamente o seu desempenho operacional com eficiência e custos competitivos. Isso fica claro quando se analisa os principais indicadores que medem o desempenho da Empresa. Quadro III COPASA INDICADORES DE DESEMPENHO ITENS UNIDADE Empregados nº Ligações/empregado lig/emp 372,46 378,58 3-Volume Faturado Água m³/ano Esgoto m³/ano Total m³/ano Volume Produzido m³/ano Índice de Hidrometração % 99,46 99,83 7-Índice de Perdas Faturada (1) % 26,3 25,4 (1) - Média Anual Em dezembro/2002 o índice de hidrometração atingiu o maior percentual da história da empresa 99,83%, indicando que apenas 4,6 mil ligações, de um estoque de mais de 2,7 milhões de ligações, não estão hidrometradas. Há vários anos a COPASA está entre as três companhias estaduais de saneamento que possui os menores índices de perda faturada. No exercício de 2002, já são notados os efeitos do esforço empreendido pela empresa para reduzir as perdas. O índice de 25,4% é um reflexo dessas ações. Ele é bem inferior a média nacional, de 39,4%, sendo ainda o mais baixo entre as Companhias Estaduais da Região Sudeste e Sul, que são as mais eficientes. 10

11 Com os investimentos na medição do volume produzido, o índice de macromedição passou de 84,7% em dezembro/2001, para 89,8% em dezembro/2002. O aumento de demanda decorrente do crescimento da população atendida exigiu um incremento de 2,2% na produção de água entre 2001 e 2002, que totalizou 822,6 milhões de m³ no ano de Já o volume faturado de água e esgoto, apresentou aumento de 3,8%, equivalente a 33,3 milhões de m³, atingindo em 2002 mais de 904 milhões de m³. Além da própria expansão da empresa, contribuíram para esse desempenho o Programa de Desenvolvimento Comercial- PDC iniciado em junho de 2001, que promoveu a revisão do cadastro comercial dos imóveis, a manutenção de medidores instalados, o aumento do número de ligações hidrometradas, e a recuperação do volume consumido de água após o término do racionamento de energia. No exercício de 2002, o quadro de pessoal apresentou crescimento de 3,4%, decorrente da expansão da empresa por meio da assunção de novos sistemas, da reposição de vagas em localidades já operadas e da ampliação do sistema de atendimento ao público com a contratação de novos empregados. Apesar desse aumento, a relação ligações/empregado apresentou melhora, passando de 372,46, em 2001, para 378,58 em 2002, refletindo ganhos de produtividade de pessoal. 11

12 5 Desenvolvimento Institucional A prestação dos serviços de saneamento básico exige, por parte da COPASA, esforços contínuos na busca da excelência no atendimento a seus clientes, requerendo ações firmes no desenvolvimento de novas tecnologias em várias áreas e setores da empresa. 5.1 Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e Programas de Cooperação Técnica As atividades de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico desenvolvidas em 2002 contemplaram um leque variado de projetos nas áreas de abastecimento de água, coleta e tratamento de esgotos e meio ambiente. Abrangeram, ainda, as ações de documentação e informação bibliográfica, o arquivamento técnico de projetos e o estímulo ao desenvolvimento e controle de patentes e marcas da empresa. As pesquisas foram desenvolvidas com recursos próprios e oriundos de órgãos de fomento e estímulo à Ciência e Tecnologia como a FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos; PROSAB - Programa de Pesquisa e Desenvolvimento em Saneamento Básico da Caixa Econômica Federal; FUNED - Fundação Ezequiel Dias, etc. Nas universidades, as parcerias principais da COPASA foram realizadas com a Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade Federal de Viçosa, Universidade Estadual de Montes Claros, Universidade de Heildburg (Alemanha), Instituto de Biofísica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais PUC MG, além da FEAM - Fundação Estadual do Meio Ambiente, Prefeitura de Nova Lima e Mineração Morro Velho. Dentre os projetos desenvolvidos destacam-se: edição e divulgação do livro Equações de chuvas intensas em Minas Gerais ; construção de uma unidade piloto de tratamento de esgotos dentro da ETE Arrudas destinada à realização de pesquisas nos diversos tipos de efluentes; avaliação imunológica, germinação de espécies vegetais e nativas nas áreas descobertas às margens do lago formado pela barragem do Rio Juramento em Montes Claros; pesquisas de detecção de cryptosporidium com absorção das metodologias de análises com critérios 12

13 estabelecidos pela EPA - Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos; desenvolvimento de modelagem matemática para a previsibilidade de ocorrência de cianobactérias em mananciais e participação em pesquisa sobre ocorrência de arsênio na água e no solo na região de Nova Lima e Santa Bárbara. Na Biblioteca, esforços foram concentrados no planejamento de um projeto de gestão do conhecimento, numa tentativa de implantar um sistema de informações que possam integrar as atividades, experiências e conhecimentos gerados na COPASA. No caso dos Programas de Cooperação Técnica, eles objetivam promover o intercâmbio e a troca de experiências entre profissionais e instituições, como fator de promoção institucional, formação e melhoria do seu quadro técnico. Durante o ano de 2002 foram gerenciadas parcerias com diversos clientes (prefeituras, empresas públicas e privadas) visando a prestação de serviços de perfuração de poços profundos, análise de qualidade de água, prestação de serviços de treinamento e capacitação de técnicos, consultoria técnica, etc. Destacam-se também as palestras técnicas, seminários e eventos realizados junto a empresas bem como visitas técnicas realizadas na COPASA por empresas de saneamento municipais e estaduais. 5.2 Desenvolvimento Operacional e Apoio Logístico A COPASA tem dispensado atenção especial ao desenvolvimento operacional, por ser uma poderosa ferramenta para a prestação eficiente de serviços. Dentre os trabalhos realizados em 2002 destacam-se: - Parceria com a Companhia de Saneamento Básico do Ceará CAGECE; com o objetivo de adequar sua frota de veículos operacionais; - certificação ISO 9001/2000 para o Sistema Integrado de Prestação de Serviços e Atendimento ao Público SATI de Araxá; - implantação do Sistema Gerencial de Serviços Operacionais - SISOP nas diretorias Leste e Metropolitana; - conclusão dos trabalhos de implantação de novo padrão de ligação de água; - internalização de tecnologia para a pesquisa de vazamentos com a inspeção de aproximadamente 13,5 mil m de redes distribuidoras de água; - implantação do Sistema de Atendimento Integrado - SATI e do módulo 13

14 Gerenciamento de Serviços do Sistema Integrado Comercial - SICOM no escritório local de Paracatu; - implantação do SIGMA - Sistema Gerencial de Manutenção Eletromecânica em sistemas de produção e distritos operacionais de Belo Horizonte; - instalação de sistemas de telesupervisão, telecomando e telemetria nos sistemas de abastecimento de água de Montes Claros, Ipatinga e Patos de Minas. 5.3 Informática A empresa vem implementado diversos projetos de modernização do setor de Informática. Equipamentos estão sendo oferecidos e novos produtos e serviços são disponibilizados às unidades operacionais administrativas. Nesse sentido, destaca-se a parceria com a operadora de Telefonia Celular OI no desenvolvimento de um projeto inovador na área de leitura de hidrômetros e emissão de contas. O projeto tem por base um software que permite fazer a leitura, emissão e entrega instantânea da nota fiscal de fatura ao consumidor. Como resultado, o ciclo de faturamento (intervalo entre a leitura e data de vencimento da conta) será menor, influindo positivamente no fluxo de caixa da empresa. O projeto prevê a implantação de um piloto na cidade de Contagem e logo em seguida será implantado em Belo Horizonte, região Metropolitana e interior do Estado. Destacam-se também os seguintes projetos desenvolvidos durante o ano de 2002: - Racionalização do uso da telefonia fixa (ramais) da empresa; - processo de aquisição de um novo sistema de refrigeração para o Sistema de processamento de Dados - CPD; - contratação de programa para gerenciamento do software CICS/ESA (monitor de transações on-line do mainframe); - aquisição de uma nova CPU (computador de grande porte); - desenvolvimento e implantação de sistema de segurança integrado ao sistema de recursos humanos; - substituição de sistema PABX pelo RVI - Rede Virtual Integrada, em 34 localidades; - substituição de impressoras matriciais por 160 impressoras a laser nas agências de atendimento e; - criação e implantação de normas de segurança para o ambiente web. 14

15 6 Investimentos Realizados O setor de saneamento básico vivência atualmente um contexto de escassez de recursos para novos financiamentos. Isso refletiu na atuação das Companhias Estaduais em todo o Brasil, e Minas Gerais não fugiu à regra. Para atender as necessidades de investimentos em 2002, a COPASA contou basicamente com recursos próprios, também restringidos pela contenção tarifária e pelo aumento dos custos. Só no final do ano passado que a Caixa Econômica Federal voltou a liberar recursos do FGTS para novos investimentos. A COPASA obteve R$ 42,3 milhões para serem aplicados em obras de ampliação de sistemas de água e esgoto. Em 2002 cerca de 30% dos recursos aplicados pela empresa foram destinados à implantação, ampliação e melhoria dos sistemas de abastecimento de água. A empresa deu também atenção especial à minimização do passivo ambiental existente com foco nas ações voltadas ao tratamento dos esgotos coletados. Com efeito os investimentos em esgotamento sanitário totalizaram R$ 129,4 milhões, correspondendo 57% do total investido. Com a conclusão da 2ª etapa (tratamento secundário) da Estação de Tratamento de Esgotos do Ribeirão Arrudas na Região Metropolitana de Belo Horizonte em dezembro de 2002, serão removidos cerca de 95% da matéria orgânica e dos resíduos sólidos presentes no esgoto coletado de Belo Horizonte e Contagem. Além do Rio das Velhas, outro grande beneficiário da ETE Arrudas é o Rio São Francisco, de cuja bacia hidrográfica o primeiro faz parte. Completando o projeto de saneamento ambiental da RMBH, tiveram início em abril de 2002, na região do Ribeiro de Abreu as obras da 1ª etapa (tratamento primário) da Estação de Tratamento de Esgoto do Ribeirão do Onça. A exemplo da ETE Arrudas, ela também vai tratar os esgotos gerados em Belo Horizonte e Contagem. Nesse caso, os investimentos totalizarão R$ 38 milhões com recursos do FGTS e recursos próprios da COPASA. Já ao final da sua 1ª etapa, a nova ETE estará em condições de tratar uma vazão equivalente a 2000 litros de esgotos por segundo, beneficiando uma população de cerca de 1 milhão de pessoas. Numa operação envolvendo o Governo do Estado, Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e COPASA, foi iniciada e concluída em 2002, a construção do sistema de flotação das águas dos córregos Ressaca e Sarandi, que permitirá que sejam tratadas, antes de lançadas na Lagoa da Pampulha. O empreendimento, no qual a COPASA investiu R$ 8 milhões, faz parte do Programa 15

16 de Recuperação e Desenvolvimento Ambiental da Bacia da Pampulha PROPAM, cujo objetivo é combater as causas da degradação da lagoa e recuperar seu ecossistema. Outras Bacias Hidrográficas em várias regiões do Estado também estão sendo beneficiadas com a operação das estações de tratamento de esgotos como é o caso, por exemplo, de Varginha, Ipatinga e Conselheiro Lafaiete. Tais empreendimentos refletiram no aumento do volume de esgoto tratado, que atingiu em 2002, 56,1 milhões de m³/mês, representando um índice de tratamento de 27,7%. Ainda em relação aos investimentos com foco no meio ambiente, destacam-se os programas de preservação e recuperação de mananciais, bem como os de pesquisa e monitoramento de recursos hídricos, visando garantir a qualidade e quantidade de água necessária ao adequado atendimento à população. A empresa tem consolidado também um programa de educação ambiental Projeto Chuá, com visitas de escolares às estações de tratamento de água, o qual contribui para um estreitamento do relacionamento da empresa com as comunidades e para a sensibilização da importância de se preservar o meio ambiente. Em 2002, o programa envolveu visitas com mais de 67 mil alunos de cerca de 70 cidades do interior do Estado e de 13,4 mil alunos da Região Metropolitana de Belo Horizonte. 16

17 7 Resultados do Exercício O resultado do exercício do ano de 2002, foi comprometido, principalmente, pela correção dos saldos de contratos de financiamentos, face a desvalorização da moeda (Real). O impacto do valor da variação cambial sobre o resultado do ano de 2002 pode ser observado pelo comportamento desta nos últimos três anos, sendo R$ 17,4 milhões em 2000, R$ 38,5 milhões em 2001 e R$ 116,4 milhões em 2002, representando um crescimento de 568% no período. Quadro IV COPASA MG DEMONSTRATIVO DO RESULTADO 2000/2002 ITENS Receita Operacional Líquida ,0% ,0% ,0% Custos dos Serviços Prestados ( ) -53,1% ( ) -51,4% ( ) -59,1% Despesas Comerciais (84.583) -9,6% (87.240) -10,7% (82.489) -11,2% Despesas Administrativas ( ) -24,4% ( ) -23,2% ( ) -19,5% Outras receitas (despesas) operacionais ,8% (4.056) -0,5% - - Despesas Financeiras Líquidas (64.756) -7,4% (63.845) -7,8% (74.377) -10,0% Lucro Operacional Antes das Variações Monet. Variações Monetárias / Cambiais ,3% ,7% ,1% ( ) -16,4% (52.378) -6,4% (27.079) -3,7% Lucro (Prejuízo) Operacional (88.776) -10,1% ,3% (26.068) -3,5% Despesas não Operacion. Líquidas (1.562) -0,2% (1.434) -0,2% (2.078) -0,3% Resultado Antes da Tributação (90.338) -10,3% ,1% (28.146) -3,8% Reversão (Provisão) de I.R. / CSSL 388 0,05% (8.226) -1,0% (700) -0,01% Prejuízo Líquido do Exercício (89.950) -10,2% (7.185) -0,9% (28.846) -3,9% 17

18 7.1 Receitas e Custos Relatório Anual 2002 O valor da receita operacional líquida realizada em 2002, representou um acréscimo de 18,7% em relação ao valor de Esse aumento reflete, basicamente, a expansão no atendimento a novos usuários e um reajuste tarifário ocorrido em fevereiro de Os custos dos serviços prestados, as despesas comerciais, administrativas e financeiras (excluídas as variações monetárias) totalizaram R$ 829,7 milhões em 2002, R$ 758,4 milhões em 2001 e R$ 738,1 milhões em 2000, representando a participação destes valores em relação à receita operacional líquida os percentuais de 94,5%, 92,7% e 99,8%, respectivamente. 18

19 7.2 Geração de Recursos No exercício de 2002, os recursos gerados pela empresa (LAJIDA Lucro antes dos juros, dos impostos, da depreciação e da amortização) atingiram R$ 284,4 milhões, com crescimento de 9,2% em relação ao resultado de 2000 (R$ 260,4 milhões). Porém, a margem LAJIDA caiu de 35,2% em 2000, para 32,4% em 2002, uma vez que a empresa não pratica reajuste tarifário desde março de 2001, enquanto que seu custeio foi reajustado pelas altas de preços de materiais, mão-de-obra, serviços e outros insumos. Quadro V COPASA MG DEMONSTRATIVO DA GERAÇÃO DE RECURSOS DEMONSTRATIVO DA GERAÇÃO DE RECURSOS Receita Operacional Líquida ( - ) Custos dos serviços prestados ( ) ( ) ( ) ( - ) Despesas comerciais (84.583) (87.240) (82.489) ( - ) Despesas administrativas ( ) ( ) ( ) (+/-) Outras receitas (despesas) operacionais (4.056) - Resultado ( + ) Depreciações e Amortizações ( = ) Recursos gerados Margem em relação à Receita Operacional Líquida 32,4% 31,5% 35,2% Nota: Os valores da EBTIDA/LAJIDA foram recalculados em 2004 de acordo com as Instruções constantes do OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SNC/SEP N.º 01/2004. Veja Indicadores Financeiros. 19

20 8 Composição do Passivo Em 2002, o grau de endividamento total, que reflete a utilização de recursos de terceiros e de capital próprio na gestão dos negócios, foi de 48,2%, apresentando elevação em comparação aos anos anteriores que foi 42,9% em 2001 e 42,4% em A participação dos financiamentos e empréstimos no total do passivo, 35,6%, também apresentou elevação em relação aos dois últimos anos. Essa participação foi de 30,9% em 2001 e 34,4% em Esse crescimento não se deve à captação de recursos, mas sim aos reajustes dos saldos de financiamentos indexados ao dólar americano, cujos montantes em relação ao total dos financiamentos de curto e longo prazo, representou 35,15% em 2002, 30,25% em 2001 e 24,03% em Quadro VI COPASA MG COMPOSIÇÃO DO PASSIVO 2000/2002 ITENS 1. Financiamentos de curto prazo R$ Mil % R$ Mil % R$ Mil % ,4% ,4% ,1% 2. Outros passivos circulantes ,0% ,9% ,6% 3. Financiamentos de longo prazo 4. Outros passivos de longo prazo ,3% ,5% ,3% ,5% ,1% ,4% 5. Total do exigível ( ) ,2% ,9% ,4% 6. Patrimônio líquido ,8% ,1% ,6% Total do Passivo (5+6) ,0% ,0% ,0% 20

21 9 Informações Relevantes A COPASA MG e a Prefeitura de Belo Horizonte assinaram em 13/11/2002, convênio renovando por mais 30 anos a concessão dos serviços municipais de água e esgoto da capital. A assinatura do documento pôs fim a aproximadamente quatro anos de negociações com o objetivo de estabelecer um denominador comum entre os interesses do Estado e do Município. 21

22 10 Auditoria Externa Os auditores externos foram contratados para prestar exclusivamente serviços de auditoria das demonstrações financeiras, fundamentadas em princípios que preservem a sua total independência. 22

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015

PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES-PCJ Nº 47/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 27/2015 ASSUNTO: INTERESSADO: REAJUSTE EXTRAORDINÁRIO DAS TARIFAS DE ÁGUA E DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ DAE S/A ÁGUA E I. DO OBJETIVO

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

Companhia de Saneamento de Minas Gerais

Companhia de Saneamento de Minas Gerais Planejam Estratégico 14,5x21 8/9/03 16:39 Page 2 Companhia de Saneamento de Minas Gerais Planejam Estratégico 14,5x21 8/9/03 16:39 Page 4 Planejamento Estratégico Aprovado pelo Conselho de Administração

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC 2 SELEÇÃO 2013 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ).

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 25 de Outubro de 2005. Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). (Os

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010 Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais Janeiro / 2010 BNDES e o Meio Ambiente Década de 70 A variável ambiental é incorporada, formalmente, ao processo de análise

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

COPASA anuncia Receita Líquida de Água e Esgoto de R$ 3,13 bilhões e Lucro Líquido de R$ 318,1 milhões em 2014

COPASA anuncia Receita Líquida de Água e Esgoto de R$ 3,13 bilhões e Lucro Líquido de R$ 318,1 milhões em 2014 COPASA anuncia Receita Líquida de Água e Esgoto de R$ 3,13 bilhões e Lucro Líquido de R$ 318,1 milhões em 2014 Missão Prover soluções em abastecimento de água, esgotamento sanitário e resíduos sólidos,

Leia mais

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013

Audiência Pública. Piedade. 20 de Junho de 2013 Audiência Pública Piedade 20 de Junho de 2013 Objetivo do Encontro Audiência Pública sobre o Convênio com o Governo do Estado, Contrato de Programa com a Sabesp e Plano Municipal de Saneamento do município

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro COPASA Day 2011 24 e 25 de novembro Benefícios do Tratamento de Esgoto Despoluição dos córregos e rios; Eliminação do mau cheiro; Meio ambiente limpo, recuperado e preservado; Diminuição da presença de

Leia mais

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01944-5 CIA. DE SANEAMENTOS DE MINAS GERAIS 17.281.106/0001-03 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01944-5 CIA. DE SANEAMENTOS DE MINAS GERAIS 17.281.106/0001-03 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF DFP - DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PADRONIZADAS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea Data-Base - 31/12/28 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Versão : 2. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Versão : 2. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto Programa 2067 - Resíduos Sólidos 10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina Tipo: Projeto Número de Ações 10 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função: 18 - Gestão

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO Marco regulatório Financiamento para o setor público marco regulatório O crédito para o setor público é regulado pela Resolução BACEN nº 2.827. Há duas formas de operar

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2005

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2005 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2005 A administração da Companhia de Saneamento do Estado de Goiás SANEAGO submete à apreciação dos acionistas suas demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2005.

Leia mais

A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre. 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010

A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre. 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010 Foto João Fiorin Lago Guaíba - Porto Alegre - RS PERFIL DA INSTITUIÇÃO: atende 100%

Leia mais

SABESP anuncia resultado de 2006

SABESP anuncia resultado de 2006 CIA. DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO - SABESP Rui de Britto Álvares Affonso Diretor Econômico-Financeiro e de Relações com Investidores Mario Azevedo de Arruda Sampaio Superintendente de Captação

Leia mais

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão 4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão Painel 2 - Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica 01 de Outubro de 2015 Agenda Desafios no Setor de

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra desafios e oportunidades

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2006

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2006 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO ANO 2006 1. Introdução A Saneamento de Goiás S/A SANEAGO, é uma concessionária de serviços públicos de saneamento básico, responsável pelo abastecimento de água tratada e coleta

Leia mais

Demonstrações financeiras ilustrativas, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e as IF RS, em 31 de dezembro de 2013

Demonstrações financeiras ilustrativas, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e as IF RS, em 31 de dezembro de 2013 Demonstrações financeiras ilustrativas, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e as IF RS, em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial Nota Controladora Consolidado ATIVO 31/12/2013 31/12/2012

Leia mais

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade SANEPAR Curitiba (PR) Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade Categoria Controle da Poluição 1. Sobre a organização participante: Razão social: - 76484013000145 Nome fantasia: - SANEPAR Setor

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1. A PROPOSTA COMERCIAL será constituída de uma Carta Proposta, que trará o valor da CONTRAPRESTAÇÃO PECUNIÁRIA ofertada, através

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS

INDICADORES FINANCEIROS Relatório 2014 Um Olhar para o Futuro DESEMPENHO ECONÔMICO ECONÔMICA www.fibria.com.br/r2014/desempenho-economico/ 126 INDICADORES FINANCEIROS A Fibria encerrou 2014 com lucro líquido de R$ 163 milhões,

Leia mais

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos GSAN Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento Versão Atual do GSAN A PROCENGE é líder nacional no fornecimento de softwares de gestão para companhias de Água e Saneamento, com base na sua

Leia mais

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 Geração e Transmissão S.A. Cemig Geração e Transmissão S.A CNPJ 06.981.176/0001-58 EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 1 ---------- Lucro Líquido A Cemig Geração e Transmissão apresentou, no primeiro semestre

Leia mais

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010. Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010. Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética 2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010 Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética Março de 2010 O PROCEL SANEAR Objetivos Promover o uso

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set DISCUSSÃO E ANÁLISE PELA ADMINISTRAÇÃO DO RESULTADO NÃO CONSOLIDADO DAS OPERACÕES: PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2001 COMPARATIVO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2000 (em milhões de reais, exceto

Leia mais

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I.

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 3 COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS Autor: Francisco Cavalcante Circular para: CAVALCANTE& ASSOCIADOS AOS NOSSOS LEITORES Up-To-Date

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Teleconferência de Resultados. Desempenho do 4T 2013 e de 2013. MAHLE Metal Leve S.A. 20 de março de 2014 12h00 (horário de Brasília) 1 MAHLE

Teleconferência de Resultados. Desempenho do 4T 2013 e de 2013. MAHLE Metal Leve S.A. 20 de março de 2014 12h00 (horário de Brasília) 1 MAHLE Teleconferência de Resultados Desempenho do 4T 2013 e de 2013 MAHLE Metal Leve S.A. 20 de março de 2014 12h00 (horário de Brasília) 1 Destaques 2013 Receita Líquida de Vendas de R$ 2.393,8 milhões em 2013,

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Da gestão da qualidade à excelência em gestão Gestão Operação Ao longo dos anos 90, as experiências

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012 Teleconferência de Resultados e 2012 28 de fevereiro de 2013 Aviso Legal Algumas das informações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA

Demonstrações Financeiras Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA Demonstrações Financeiras Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA 31 de dezembro de 2009 e de 2008 com Parecer dos Auditores Independentes Índice Parecer dos auditores independentes Relatório

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são:

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são: Senhores Acionistas, A Administração da Contax Participações S.A. ( Contax Participações ) submete, em conjunto com as demonstrações financeiras e o parecer dos auditores independentes, o Relatório da

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO. Aracaju - SE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O CIRCULANTE 160.805.445 138.417.

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO. Aracaju - SE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O CIRCULANTE 160.805.445 138.417. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O 2008 2007 CIRCULANTE 160.805.445 138.417.550 DISPONIBILIDADES 19.838.758 6.355.931 Caixa e bancos 2.931.388 3.021.874 Aplicações de liquidez imediata 16.907.370

Leia mais

Demonstrações Financeiras Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA

Demonstrações Financeiras Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA Demonstrações Financeiras Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA 31 de dezembro de 2008 e de 2007 com Parecer dos Auditores Independentes Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA Demonstrações

Leia mais

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS CORSAN GESTÃO DE CUSTOS 3 Seminário de Boas Práticas de Gestão PGQP Porto Alegre, novembro 2015 A CORSAN EM GRANDES NÚMEROS 7 Milhões de Gaúchos 316 Municípios Atendidos Faturamento 2014 R$ 1,9 Bilhão

Leia mais

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999 INFORMATIVO Silvia M.R. Pereira Relações com Investidores tel: BR 55 21 519-9662 fax: 55 21 519-6388 Wallace Borges Grecco Relações com a Imprensa tel: BR 21 519-7282 fax: 021-519-8010 EMBRATEL PARTICIPAÇÕES

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. A Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural. SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural. SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento João Pessoa, 07 de novembro de 2012 Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental VI Seminário Nacional de Saneamento Rural SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Sergio Brasil Abreu Departamento

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA

PARECER DE AUDITORIA PARECER DE AUDITORIA Aos Diretores da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS CORRETORES DE SEGUROS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA LTDA CREDICORSEGS 1. Examinamos o balanço patrimonial da

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG Companhia Aberta - CNPJ 17.155.730/0001-64

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG Companhia Aberta - CNPJ 17.155.730/0001-64 COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS - CEMIG Companhia Aberta - CNPJ 17.155.730/0001-64 ANÁLISE DO RESULTADO CONSOLIDADO NO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2005 EM COMPARAÇÃO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação 3T08 Apresentação de Resultados José Carlos Aguilera (Diretor Presidente e de RI) Eduardo de Come (Diretor Financeiro) Marcos Leite (Gerente de RI) Destaques do Período Contexto de crise no

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais)

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais) ATIVO ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR CIRCULANTE Disponibilidades Aplicação Financeira 27.880 14.201 Caixa e Bancos 18 65 27.898 14.266 Contas a Receber Eletronet 59.145 59.145 Empresas Cedentes

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Seminário. Remuneração pelos Serviços Prestados Cooperativas de Catadores/as de Material Reciclável. Instituto Pólis 29 de Abril de 2014.

Seminário. Remuneração pelos Serviços Prestados Cooperativas de Catadores/as de Material Reciclável. Instituto Pólis 29 de Abril de 2014. Seminário Instituto Pólis 29 de Abril de 2014 O projeto denominado Fortalecimento dos Catadores e Catadoras e Ampliação da Coleta Seletiva no Grande ABC foi gerado no âmbito da CoopCent ABC (Cooperativa

Leia mais

11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem

11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem 11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem São Paulo / SP 02 de outubro de 2015 Mercado Brasileiro de Fertilizantes Situação atual do mercado nacional de fertilizantes minerais: altamente dependente

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA

CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA CONHECIMENTO DE MERCADO A ANÁLISE DA SEGMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA RECUPERAÇÃO DE RECEITA Presidencia Diretoria Superintendencia Candiadata OC Div. Gdes. Consumidores Pólo de Comunicação Administrativo

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2003 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 29 de janeiro

Leia mais

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14 Caxias do Sul, 12 de maio de 2014 - A Marcopolo S.A. (BM&FBOVESPA: POMO3; POMO4), divulga os resultados do primeiro trimestre de 2014 (1T14). As demonstrações financeiras são apresentadas de acordo com

Leia mais

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões.

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões. Última Cotação em 30/09/2013 FBMC4 - R$ 43,90 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2013): R$ 31.893,9 milhões US$ 14.431,7 milhões São Bernardo do Campo,

Leia mais

Sistemas produtores capacidades

Sistemas produtores capacidades Sistemas produtores capacidades CAPACIDADES DE PRODUÇÃO ATUAIS SISTEMA INTEGRADO SISTEMA PRODUTOR Nominal Máxima (m³/s) (m³/s) Cantareira 33,0 35,0 Guarapiranga 14,0 15,0 Alto Tietê 10,0 12,0 Rio Claro

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - ALPARGATAS SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - ALPARGATAS SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 Estabelece os procedimentos e a metodologia de cálculo das tarifas a serem observados pelos prestadores dos serviços públicos de abastecimento de água e de

Leia mais