Orientações Consultoria de Segmentos Qual é o tempo de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos e de horas extras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orientações Consultoria de Segmentos Qual é o tempo de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos e de horas extras"

Transcrição

1 para a não configuração de atrasos e de horas extras 14/02/2017

2 Sumário Título do documento 1. Questão Normas apresentadas pelo cliente Análise da Legislação Turnos de Revezamento 12x Conclusão Informações Complementares Referências Histórico de alterações

3 1. Questão Esta análise trata dos limites de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos, saídas antecipadas e horas extras. Outra questão é o caso de jornada de trabalho com escala de revezamento (12x36), na qual o funcionário poderá trabalhar em datas como feriados. Neste caso devo aplicar a mesma regra de tolerância em relação a descontos a jornada de trabalho, respeitando a questão de não descontar no cálculo as variações de horário no registro de ponto não excedentes a 5 minutos, observado o limite máximo de 10 minutos diários. Para o cliente, se a escala do funcionário cai para trabalhar em dia de feriado, seria um dia "normal" de trabalho, portanto, esta tolerância deveria ser aplicada e as horas extras de feriado normais? 2. Normas apresentadas pelo cliente Apresenta como embasamento legal para sua solicitação a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT conforme abaixo. Art A duração normal do trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não excederá de 8 (oito) horas diárias, desde que não seja fixado expressamente outro limite. 1o Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários. 1. Exemplo enviado pelo cliente. Horário contratual do funcionário: (08:30 12:30 13:30 17:30) = 08:00 a cumprir no dia. Batidas efetuadas: (08:39 12:45 13:45 17:30) = 07:51 cumprido. Devo considerar neste caso o cálculo de 15 minutos de extras e 24 de atrasos pois o funcionário ultrapassou o limite de 10 diário então o artigo 58 não se aplica ou posso considerar que para a jornada a cumprir de 08:00 o funcionário cumpriu 07:51 então não será descontado atraso porque ele está dentro do limite diário de 10 minutos. 2. Exemplo enviado pelo cliente. Horário contratual do funcionário: (08:30 12:30 13:30 17:30) = 08:00 a cumprir no dia. Batidas efetuadas: (08:36 12:30 13:30 17:30) = 07:54 cumprido. Devo perdoar o atraso de 6 minutos visto que mesmo não cumprindo a variação do registro de 5 minutos o funcionário está dentro do limite diário 3

4 3. Análise da Legislação Título do documento Nos termos do disposto na CLT, art. 58, 1º (redação dada pela Lei nº /2001 ) e na Súmula nº 366 do TST, não poderão ser descontadas, tampouco computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de 5 minutos, limitado ao máximo de 10 minutos diários. A Lei nº /2001 acrescentou o 1º ao art. CLT, art. 58, o qual dispõe; Art o Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários Ainda temos a Súmula nº 366 do TST CARTÃO DE PONTO. REGISTRO. HORAS EXTRAS. MINUTOS QUE ANTECEDEM E SUCEDEM A JORNADA DE TRABALHO (nova redação) - Res. 197/ DEJT divulgado em 14, 15 e Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário do registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários. Se ultrapassado esse limite, será considerada como extra a totalidade do tempo que exceder a jornada normal, pois configurado tempo à disposição do empregador, não importando as atividades desenvolvidas pelo empregado ao longo do tempo residual (troca de uniforme, lanche, higiene pessoal, etc.). Assim como referido dispositivo menciona variações no registo de ponto não excedentes de cinco minutos, entende-se que, por exemplo, se o empregado inicia a sua jornada de trabalho às 7:00 horas, a empresa seria obrigada a tolerar a entrada do empregado até às 07:05, sem desconto, tendo em vista que o limite máximo é de 10 minutos. Desta forma, se o empregado, no mesmo dia, por exemplo, se atrasar até 5 minutos no retorno do intervalo para refeição, a empresa não descontaria, uma vez que os 5 minutos da entrada para o trabalho e os 5 minutos de atraso do intervalo, somariam 10 minutos previsto na lei. Para melhor compreensão, algumas hipóteses considerando, para tanto, um empregado com o horário de trabalho fixado das (08:00-12:00 / 13:00-17:00h). Batidas: 08:04-12:00 e 13:00-16:58 Entendemos que não há desconto de atraso ou saída antecipada. Batidas: 08:07-12:00 e 13:00-16:52 Entendemos que há o desconto de 15 minutos (7 minutos na entrada + 8 minutos na saída). Batidas: 08:05-12:00 e 13:00-16:54 Entendemos que há o desconto de 11 minutos (5 minutos na entrada + 6 minutos na da saída). Embora a variação na entrada não tenha ultrapassado o limite de 5 minutos, porem no total diário ultrapassou os 10 minutos definidos na legislação. 4

5 Batidas: 08:03-12:00 e 13:00-16:53 Entendemos que há o desconto de 7 minutos referente a saída. Neste exemplo houve a extrapolação do limite na saída de 7 minutos. Embora o total tenha sido 10 minutos, dentro da tolerância máxima diária, o limite foi quebrado no horário de saída. Batidas: 08:05-12:00 e 13:00-16:55 Entendemos que não há desconto, pois os dois limites legais (5 minutos por período e totalização nos 10 minutos diários). Batidas: 08:05-12:07 e 13:06-17:01 Entendemos que há o desconto de 11 minutos, (5 minutos na entrada + 6 minutos de retorno do intervalo). Embora a variação na entrada não tenha ultrapassado o limite de 5 minutos, porem no total diário ultrapassou os 10 minutos definidos na legislação. Já no caso de horas extras há o pagamento de 8 minutos (7 minutos da saída para intervalo + 1 minutos da saída), apesar de não ter ultrapassado o limite diário de 10 minutos, em dos períodos ultrapassou o limite de 5 minutos, portanto terão que ser computadas como horas extras. Batidas: 08:06-12:00 e 13:06-17:00 Entendemos que há o desconto de 12 minutos, (6 minutos na entrada + 6 minutos de retorno do intervalo). Pois, a variação na entrada ultrapassou o limite de 5 minutos e o total diário. Batidas: 08:08-12:00 e 13:18-17:00 Entendemos que há o desconto de 26 minutos, (8 minutos na entrada + 18 minutos de retorno do intervalo). Pois, a variação na entrada ultrapassou o limite de 5 minutos e o total diário. 3.1 Turnos de Revezamento 12x36 Outra situação que provoca muita discussão é o trabalho realizado em escala 12 X 36 nos domingos e feriados. Entendemos que o trabalho realizado nos domingos não acarreta o pagamento de hora extra em dobro, visto que será compensado em dia seguinte imediatamente posterior. Por outro lado, a própria escala 12 X 36 proporciona que em uma semana, o empregado irá laborar durante 3 dias e na outra semana, durante 4 dias. Tal situação, por si só, já demonstra que este empregado terá pelo menos dois domingos por mês para repouso, conforme previsto no artigo 67 da CLT. Porém, no caso dos feriados trabalhados, após muitas decisões contraditórias, o Tribunal Superior do Trabalho editou em 2012 a Súmula 444, colocando fim a essa discussão a qual assim estabelece: Súmula nº 444 do TST JORNADA DE TRABALHO. NORMA COLETIVA. LEI. ESCALA DE 12 POR 36. VALIDADE. - Res. 185/2012, DEJT divulgado em 25, 26 e republicada em decorrência do despacho proferido no processo TST-PA / DEJT divulgado em É valida, em caráter excepcional, a jornada de doze horas de trabalho por trinta e seis de descanso, prevista em lei ou ajustada exclusivamente mediante acordo coletivo de trabalho ou convenção coletiva de trabalho, assegurada a remuneração em dobro dos feriados trabalhados. O empregado não tem direito ao pagamento de adicional referente ao labor prestado na décima primeira e décima segunda horas. 5

6 Título do documento Portanto entendemos que nos casos de Feriados, não se aplica a mesma regra de tolerância, em relação a descontos a jornada de trabalho, conforme consta no texto da CLT ao 1º, do art. 58, considerando assim o pagamento das horas em dobro sem cômputo Extraordinário as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários. Entretanto, diversas empresas não indenizam as horas laboradas nos feriados com o adicional de 100%, sob o entendimento que por analogia, se equiparam aos domingos laborados, contrariando entendimento pacificado pelo TST. Assim, os empregadores devem ficar atentos e cientes do passivo trabalhista que vai sendo acumulado ao longo do pacto laboral, quando estabelecido o regime de trabalho em escala 12 X Conclusão Devem ser observados, portanto, dois limites, sendo um em relação a cada marcação de horário e, o outro, considerando o total das variações diárias. Em caso de extrapolação de um, ou de ambos os limites, imediato desconto ou o pagamento das horas. Lembrando que existe controvérsias da aplicação desta forma exposta acima, onde existe entendimentos que devem ser somados todos os atrasos e os minutos excedentes, e caso o resultado ultrapasse o limite diário de 10 minutos, aplica-se o pagamento ou descontando das mesmas. Ainda, existe o entendimento que devem ser pagos os descontados apenas os minutos excedentes. Vale destacar que apenas um regime de tolerância deve ser adotado, não devendo utilizar a tolerância legal simultaneamente com a tolerância por marcação. Em turnos de revezamento 12x36 devem receber em dobro o trabalho em feriados, não se aplicando a regra de tolerância em relação a descontos a jornada de trabalho conforme consta no texto da CLT ao 1º, do art Informações Complementares Na visão dos processos junto ao ERP, poderão ter impactos apuração das horas de atrasos e horas extras. Como existem controvérsias na aplicação da legislação, sugerimos flexibilizar o produto aonde seja possível o cliente parametrizar a regra a ser aplicada na apuração desta legislação, como por exemplo, limite de tolerância por período, diário, e se é possível pagar as horas totais ou apenas as excedentes. 6

7 6. Referências A24AC541F&nota=1&tipodoc=05&esfera=FE&ls=2&index= Histórico de alterações ID Data Versão Descrição Chamado/ Ticket FL 08/04/ para a não LSB 28/04/ para a não FL 08/06/ para a não FL 09/06/ para a não AM 14/02/ para a não TPBV48 TSFJXR TSOAAR TSOAAR

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Qual é o tempo de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos e de horas extras

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Qual é o tempo de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos e de horas extras para a não 08/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 5 6. Referências...

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos. Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna

Posicionamento Consultoria De Segmentos. Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna 30/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO. Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST

JORNADA DE TRABALHO. Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST JORNADA DE TRABALHO Tempo efetivamente Trabalhado; Tempo à disposição do empregador Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST Conceito Jornada é o lapso de tempo durante o qual o empregado

Leia mais

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas?

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? ENTENDA SEUS DIREITOS O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? O chamado banco de horas é uma possibilidade admissível de controle e compensação

Leia mais

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011)

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Salário: Art. 7º C.F. São direitos dos trabalhadores além de outros IV salário mínimo, fixado em lei, nacionalidade unificado, capaz de atender as suas necessidades vitais

Leia mais

REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO

REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO 1 1. EMENTA - Parecer sintético sobre COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO abrangendo aspectos gerais dos regimes de "BANCO DE HORAS", "SEMANA INGLESA" e "SEMANA

Leia mais

2012 Cartilha do Comércio

2012 Cartilha do Comércio 2012 Cartilha do Comércio APRESENTAÇÃO O Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista de Tubarão e Região SINDILOJAS, no atendimento das necessidades dos seus representados, reuniu as principais dúvidas

Leia mais

CAPITULO I OBJETIVOS. Art. 1º Implantar o crachá de identificação e sua utilização para registro do ponto;

CAPITULO I OBJETIVOS. Art. 1º Implantar o crachá de identificação e sua utilização para registro do ponto; CAPITULO I OBJETIVOS Art. 1º Implantar o crachá de identificação e sua utilização para registro do ponto; Art. 2º Estabelecer as normas de registro das horas trabalhadas do ponto eletrônico; Art. 3º Normatizar

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II. Profa. Graciane Saliba

DIREITO DO TRABALHO II. Profa. Graciane Saliba DIREITO DO TRABALHO II Profa. Graciane Saliba - Apresentação do site - Apresentação do plano de ensino e temas que serão tratados - Horários de aula - Trabalhos em sala e em equipe - Ausência e chamadas

Leia mais

A falta do trabalhador ao serviço enseja o desconto do dia respectivo em sua remuneração, salvo se a falta for considerada justificada.

A falta do trabalhador ao serviço enseja o desconto do dia respectivo em sua remuneração, salvo se a falta for considerada justificada. As faltas não justificadas por lei não dão direito a salários e demais conseqüências legais, e podem resultar em falta leve ou grave, conforme as circunstâncias ou repetição; mas podem ter justificativa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2002

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2002 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2002 O Pró-Reitor Administrativo da Fundação Universidade Federal do Rio Grande,

Leia mais

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO /2009 PROCESSO Nº /

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO /2009 PROCESSO Nº / TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - 2007/2009 PROCESSO Nº 46218.001339/2009-25 EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICACOES S.A - EMBRATEL, CNPJ n. 33.530.486/0001-29, com sede na Av. Presidente Vargas,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO PROCESSO nº 0011405-69.2014.5.01.0008 (RO) RECORRENTE: CORINTO HOTEL LTDA RECORRIDO: MONIQUE VIEIRA OLEGÁRIO RELATOR: DESEMBARGADOR

Leia mais

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos www.fagnersandes.com.br Preparando você para o sucesso! Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos Regulamentado pela Lei Complementar n. 150/15, empregado doméstico é aquele que presta serviços

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula 1. Fontes materiais e formais. 2. Normas Jurídicas de Direito do Trabalho. Constituição, Leis, Atos do Poder Executivo, Sentença normativa, Convenções e Acordos Coletivos, Regulamentos de empresa, Disposições

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 Convenção Coletiva de Trabalho, que entre si ajustam a FEDERAÇÃO NACIONAL DOS EMPREGADOS EM POSTOS DE SERVIÇOS DE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS DE PETRÓLEO - FENEPOSPETRO,

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS PRORROGAÇÃO/REDUÇÃO DE JORNADA

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS PRORROGAÇÃO/REDUÇÃO DE JORNADA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP006795/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023544/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47998.004863/2015 29 DATA DO

Leia mais

ATO ADMINISTRATIVO Nº 030 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009.

ATO ADMINISTRATIVO Nº 030 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. ATO ADMINISTRATIVO Nº 030 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. Dispõe sobre os procedimentos relativos à realização de horas extras pelos funcionários do CREA-PA. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000542/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047856/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001655/2015 15 DATA DO

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000101/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/01/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001516/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.000750/2015-21

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos Desconto de IRRF em Boleto

Posicionamento Consultoria De Segmentos Desconto de IRRF em Boleto Desconto 26/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 4 6. Referências...

Leia mais

II ADITAMENTO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

II ADITAMENTO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO II ADITAMENTO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Por este instrumento e na melhor forma de direito, de um lado, como representantes da categoria profissional, SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE CATANDUVA,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA C R A

AUDIÊNCIA PÚBLICA C R A AUDIÊNCIA PÚBLICA C R A Cristiano Barreto Zaranza Chefe da Assessoria Jurídica Fev. 2010 Alteração da Lei 5.889/73 Regulamentou o trabalho rural Principais objetivos: - Dar dinamismo ao setor primário

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE /2008* 1

RESOLUÇÃO TSE /2008* 1 RESOLUÇÃO TSE 22.901/2008* 1 * 1 Resolução alterada pelas Resoluções TSE 23.386/2012, 23.477/2016 e 23.497/2016. PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 18.456 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro

Leia mais

TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS.

TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS. IV JORNADA JURÍDICA CNTQ Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Químico TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS. Gabriel Lopes Coutinho Filho Outubro/2013 Camboriú -

Leia mais

A hora noturna não atende aos padrões temporais convencionados. A hora noturna não corresponde a 60 minutos, mas sim a 52 minutos e 30 segundos.

A hora noturna não atende aos padrões temporais convencionados. A hora noturna não corresponde a 60 minutos, mas sim a 52 minutos e 30 segundos. 1 Aula 04 1 Duração do trabalho 1.1 Repouso O legislador ordinário, buscando, dentre outros objetivos, preservar a saúde do empregado, previu regras atinentes ao repouso durante a jornada, bem como entre

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família. Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família. 15/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4.

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR058065/2014 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE NOVO HAMBURGO, CNPJ n. 91.695.288/0001-11, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Teresópolis, Guapimirim e Magé Fundado em 01 de março de 1996 Entidade reconhecida no Arquivo de Entidades Sindicais do MTE sob o nº 46000-006947/96

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001009/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034284/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.010483/2015-40 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR000662/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/02/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067963/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.002882/2011-14 DATA DO

Leia mais

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 ASSUNTO: PROCESSAMENTO DE REMUNERAÇÕES 2017 A partir de 1 de janeiro de 2017, por força da entrada em vigor do Orçamento do Estado para o ano de 2017, aprovado pela

Leia mais

MÓDULO JORNADA DE TRABALHO TRABALHO NOTURNO 3.5

MÓDULO JORNADA DE TRABALHO TRABALHO NOTURNO 3.5 MÓDULO 3 JORNADA DE TRABALHO 3.5 TRABALHO NOTURNO DEPARTAMENTO DE PESSOAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 3.5. TRABALHO NOTURNO... 3 3.5.1. INTRODUÇÃO... 3 3.5.2. HORÁRIO NOTURNO... 3 3.5.2.1.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos - THZMPX - Dedução INSS da base de imposto de renda sobre salários e férias do empregado quando ela tiver

Parecer Consultoria Tributária Segmentos - THZMPX - Dedução INSS da base de imposto de renda sobre salários e férias do empregado quando ela tiver - THZMPX - Dedução INSS da base de imposto de renda sobre 19/02/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 6 3. Análise da Legislação... 7 4. Conclusão... 9

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE,# TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE,# TRABALHO 2013/2014 .. ACORDO COLETIVO DE,# TRABALHO 2013/2014 1 - VIGÊNCIA E DATA BASE Que entre si fazem, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Siderúrgicas, Metalúrgicas, de Material Elétrico e de Informática de

Leia mais

EFEITOS JURÍDICOS DO TRABALHO À DISTÂNCIA (LEI Nº /2011)

EFEITOS JURÍDICOS DO TRABALHO À DISTÂNCIA (LEI Nº /2011) EFEITOS JURÍDICOS DO TRABALHO À DISTÂNCIA (LEI Nº 12.551/2011) ALTERAÇÕES CONCEITO EFEITOS JURÍDICOS ALTERAÇÕES ARTIGO 6º DA CLT Lei nº 12.551 de 16/12/2011 - modificou o artigo 6º da CLT, para: ANTERIOR

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS 1 de 5 24/11/2014 10:40 TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002656/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067249/2014 NÚMERO DO

Leia mais

Exemplos de Modelos de Acordo de Compensação Meramente informativo ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORAS REF. JOGOS DO BRASIL NA COPA MUNDO 2014

Exemplos de Modelos de Acordo de Compensação Meramente informativo ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORAS REF. JOGOS DO BRASIL NA COPA MUNDO 2014 Exemplos de Modelos de Acordo de Compensação Meramente informativo Modelo 1 ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORAS REF. JOGOS DO BRASIL NA COPA MUNDO 2014 CLÁUSULA PRIMEIRA: * FASE DE GRUPOS Dia 12/06/2014 (quinta-feira)

Leia mais

4.1 - A admissão de colaborador condiciona-se a exames de seleção técnica e médica; mediante apresentação dos documentos exigidos, em prazo fixado.

4.1 - A admissão de colaborador condiciona-se a exames de seleção técnica e médica; mediante apresentação dos documentos exigidos, em prazo fixado. POLÍTICAS DE RH DA PEQUENA CASA DA CRIANÇA 1. FINALIDADE: Estabelecer políticas e procedimentos de trabalho concernentes a Pequena, como parte integrante ao contrato individual de trabalho. A obrigatoriedade

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 19/02/2015 14:00 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000233/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076924/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.030044/2014-53

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000249/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022255/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.000856/2015-03

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR004407/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/10/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067091/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46294.001639/2016-21 DATA DO

Leia mais

Tron Informática

Tron Informática 13º Salário Gratificação Natalina 1 Veja uma vídeo-aula sobre este assunto em: http://www.trontv.com.br/t/index.php/videos/gestao-contabil/fp/76-como-calcular calcular-o-13-salario.html A Gratificação

Leia mais

TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000124/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011080/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001765/2009-39

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Da Sra. ERIKA KOKAY)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Da Sra. ERIKA KOKAY) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Da Sra. ERIKA KOKAY) Acrescenta Seção à Consolidação das Leis do Trabalho para dispor sobre os motoristas e os cobradores de ônibus urbanos e interurbanos. O Congresso Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 1.736/2016

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 1.736/2016 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Referência Assunto PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 1.736/2016 : Correio eletrônico. Protocolo AUDIN-MPU nº 1043/20l6. : Administrativo.

Leia mais

Jornada de Trabalho. Esta Politica seguirá as regras constantes no Acordo de Banco de Horas celebrado entre a LBH e os Sindicatos dos colaboradores.

Jornada de Trabalho. Esta Politica seguirá as regras constantes no Acordo de Banco de Horas celebrado entre a LBH e os Sindicatos dos colaboradores. Assunto: Política de Jornada de Trabalho Página: 1 / 5 Descrição: Política de Jornada de Trabalho. A DIRETORIA da LBH BRASIL, no uso de suas atribuições legais, e tendo em vista a elaboração do presente

Leia mais

Aos Comandantes, Diretores e Chefes

Aos Comandantes, Diretores e Chefes De: ajgsec@pm.sc.gov.br Para: "Mail list capital" , "Mail list interior" Enviadas: Quinta-feira, 7 de Agosto de 2014 13:44:35 Assunto: Nota nº 0330/Cmdo-G/14

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família. Cálculo de proporcionalidade referente ao pagamento do Salário Família. 15/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4.

Leia mais

MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO TRABALHO 3.5 NOTURNO

MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO TRABALHO 3.5 NOTURNO MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO 3.5 TRABALHO NOTURNO SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 3.5. TRABALHO NOTURNO... 3 3.5.1. INTRODUÇÃO... 3 3.5.2. HORÁRIO NOTURNO... 3 3.5.2.1. ATIVIDADES RURAIS... 3 3.5.3. ADICIONAL

Leia mais

Caderno de Exercícios - Departamento Pessoal - Aluno

Caderno de Exercícios - Departamento Pessoal - Aluno 1. O empregado na função de pizzaiolo foi contratado a tempo parcial com jornada de trabalho de 24 horas semanais. Os empregados na mesma função, com jornada normal de 220 horas, ganhavam o piso salarial

Leia mais

Sumário. Introdução, 1

Sumário. Introdução, 1 S Sumário Introdução, 1 1 Folha de Pagamento, 7 1 Salário, 8 1.1 Salário-hora para 40 horas semanais: divisor 200 (duzentos), 9 1.2 Depósito de salários em conta bancária, 9 2 Horas extras, 10 2.1 Integração

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como é calculada a contribuição previdenciária sobre a remuneração paga ao transportador autônomo de veículo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Como é calculada a contribuição previdenciária sobre a remuneração paga ao transportador autônomo de veículo Como é calculada a contribuição previdenciária sobre a remuneração paga ao transportador 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

Gestão de Pessoas I AULA 4 30_31-03-2016. Prof.Procópio

Gestão de Pessoas I AULA 4 30_31-03-2016. Prof.Procópio Gestão de Pessoas I AULA 4 30_31-03-2016 Prof.Procópio Adicional de Periculosidade Exemplos Para mensalista, diarista e horista : a) Mensalista com Salário Básico de R$ 1.180,00, por mês: 30% (trinta por

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO

JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO - Até meados de 1800, na maioria dos países da Europa, a jornada de trabalho era de 12 a 16 horas, inclusive entre mulheres e crianças. Muitos protestos surgiram, pretendendo

Leia mais

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS ENTRADA DE DADOS - Convenção Coletiva de Trabalho 2013/2014 DATA BASE DA CATEGORIA: 01 de março I - REMUNERAÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO I CONSTATAÇÕES

SUMÁRIO EXECUTIVO I CONSTATAÇÕES RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 02/2014 Página 1 de 5 SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 02/2014 UNIDADE: Gerência Executiva de Administração TEMA: Concessão de Horas Extraordinárias/2013 TIPO DE AUDITORIA:

Leia mais

Parágrafo Quarto O aplicativo para registro das batidas não permitirá:

Parágrafo Quarto O aplicativo para registro das batidas não permitirá: CLÁUSULA PRIMEIRA DO SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO - O Banco do Nordeste adotará, para registro e controle de frequência dos seus empregados, um sistema de ponto eletrônico, nos termos da Portaria nº 373/2011,

Leia mais

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento Curso de 13 Salário Capacitação e Treinamento Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

Indicações de bibliográficas: CLT. Leis e artigos importantes: OJ até 421 SÚMULAS TST até 444

Indicações de bibliográficas: CLT. Leis e artigos importantes: OJ até 421 SÚMULAS TST até 444 CURSO: OAB X EXAME - NOITE DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO PROFESSOR: JULIANA MONTEIRO AULA 01 BLOCO: 01- MATÉRIA: INTRODUÇÃO (LEI TRABALHISTA NO TEMPO E ESPAÇO, FONTES, EMPREGADO). Indicações de bibliográficas:

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas (Aula 3) Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Alteração do contrato 1. Complete a frase: A mudança

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004077/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR056169/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46246.002361/2011-70 DATA DO

Leia mais

A nova redação da Súmula 277 do TST e a integração das cláusulas normativas dos acordos coletivos ou convenções coletivas nos contratos de trabalho.

A nova redação da Súmula 277 do TST e a integração das cláusulas normativas dos acordos coletivos ou convenções coletivas nos contratos de trabalho. A nova redação da Súmula 277 do TST e a integração das cláusulas normativas dos acordos coletivos ou convenções coletivas nos contratos de trabalho. Convenção Coletiva de Trabalho É um ato jurídico pactuado

Leia mais

PEC 66/2012. Novos direitos e muitas dúvidas para uma categoria profissional que representa 6,6 milhões de brasileiros, sendo 92% mulheres.

PEC 66/2012. Novos direitos e muitas dúvidas para uma categoria profissional que representa 6,6 milhões de brasileiros, sendo 92% mulheres. PEC 66/2012 Em 2 de abril de 2013 a emenda constitucional nº 72 que amplia os direitos das(dos) domésticas(os) foi promulgada, o que foi um avanço. A desigualdade no mundo ainda predomina, sendo que nos

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000725/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022602/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.007517/2015-19 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001189/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/07/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031800/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008475/2012-41 DATA DO

Leia mais

ABRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA. 1 O contrato de experiência deve ser anotado na CTPS do funcionário?

ABRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA. 1 O contrato de experiência deve ser anotado na CTPS do funcionário? ABRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA 1 O contrato de experiência deve ser anotado na CTPS do funcionário? R: O Contrato de Experiência está previsto no Parágrafo Único do artigo 445 CLT

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000036/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/01/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR003349/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46222.000711/2015-65 DATA DO

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente OABPrev/RJ FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL RIO DE JANEIRO Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado RJPrev Quadro Comparativo das Alterações

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 1. OBJETIVO: Estabelecer diretrizes e critérios referentes à Jornada de Trabalho. 2. DEFINIÇÕES: Não aplicável 3. DOCUMENTOS APLICÁVEIS: Código de Conduta da Gunnebo Norma SA 8000 Consolidação das Leis

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Instrução Normativa Conjunta SRF, SPC e Susep n o 524, de 11 de março de 2005. Regulamenta o prazo de acumulação de que trata o 3º do art. 1º da Lei

Leia mais

CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Capítulo 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 109 CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO O décimo terceiro salário é devido aos empregados urbanos, rurais e domésticos, bem como aos trabalhadores

Leia mais

JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO

JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO Conversando com sindicalistas percebo que muitos fazem confusões entre jornadas flexíveis de trabalho, redução de jornada de trabalho e obrigatoriedade

Leia mais

A jornada de trabalho por hora ou por dia tem se tornado cada vez mais frequente no dia-aentre

A jornada de trabalho por hora ou por dia tem se tornado cada vez mais frequente no dia-aentre Faixa Salarial Folha de Pagamento Faixa Salarial A jornada de trabalho por hora ou por dia tem se tornado cada vez mais frequente no dia-aentre outros. dia das empresas. Ela está presente em escolas, indústrias,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000160/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR030845/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.003974/2014-93 DATA

Leia mais

O Prefeito Municipal de Major Sales, estado do Rio Grande do Norte, no uso de suas atribuições,

O Prefeito Municipal de Major Sales, estado do Rio Grande do Norte, no uso de suas atribuições, Decreto nº 003, de 21 de janeiro de 2014. Regulamenta a concessão da gratificação pela prestação de serviço extraordinário e do adicional noturno. O Prefeito Municipal de Major Sales, estado do Rio Grande

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016 2017

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016 2017 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016 2017 Por este instrumento particular de Convenção Coletiva de Trabalho, celebrado com fundamento no Art. 611 da CLT, o SINDICATO DOS FARMACÊUTICOS NO ESTADO DO PARANÁ,

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS

COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS Historicamente, o repouso semanal teve origem em tradição de caráter religioso. Segundo as escrituras sagradas, Deus, ao criar o Mundo, repousou no sétimo dia. Em Moisés,

Leia mais

TABELA DE CÁLCULO DE VERBAS RESCISÓRIAS

TABELA DE CÁLCULO DE VERBAS RESCISÓRIAS TABELA DE CÁLCULO DE VERBAS RESCISÓRIAS Saldo de Salário Aviso Prévio Férias Vencidas Férias Proporcionais Férias 1/3 adicional Décimo Terceiro Salário Adicional de Insalubridade Mensalista: dividir a

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Major Fábio)

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Major Fábio) PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Major Fábio) Acrescenta o Art. 59-A à Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto-lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943, para dispor sobre o regime de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Patrocínio a Time de Futebol Profissional

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Patrocínio a Time de Futebol Profissional 15/10/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 SEFIP... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 6 6. Referências...

Leia mais

Orientações aos SGP`s para o acompanhamento da frequência dos empregados da Unidade

Orientações aos SGP`s para o acompanhamento da frequência dos empregados da Unidade Orientações aos SGP`s para o acompanhamento da frequência dos empregados da Unidade Tendo em vista a implantação do controle alternativo de frequência com registro eletrônico, desde novembro de 2015, bem

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001708/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019889/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46318.000644/2014-39

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR005168/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR065084/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46294.001057/2014-82 DATA DO

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO LC 150 - ESQUEMATIZADA Prof. Antonio Daud Jr (www.facebook.com/adaudjr)

DIREITO DO TRABALHO LC 150 - ESQUEMATIZADA Prof. Antonio Daud Jr (www.facebook.com/adaudjr) Questão 1 FCC/TRT23 Técnico Judiciário - Área Administrativa - 2016 (FCC_TRT23_TÉCNICO_JUDICIÁRIO_ÁREA_ADMINISTRATIVA_2016) De acordo com a Lei Complementar no 150 de 2015, no tocante às férias do empregado

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE000371/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/03/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014273/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.004976/2016-22 DATA

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

JORNADA FLEXÍVEL DE TRABALHO 2009/2010

JORNADA FLEXÍVEL DE TRABALHO 2009/2010 JORNADA FLEXÍVEL DE TRABALHO 2009/2010 Olá! Estamos aqui para falar com você a respeito de algo muito importante no seu dia a dia: sua jornada de trabalho. Você sabia que, graças a um acordo firmado entre

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. Fontes formais autônomas: elaboradas pelos próprios interessados em aplicá-las. (grupos sociais = sindicatos)

DIREITO DO TRABALHO. Fontes formais autônomas: elaboradas pelos próprios interessados em aplicá-las. (grupos sociais = sindicatos) DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO: MATERIAIS: FORMAIS: Fontes formais autônomas: elaboradas pelos próprios interessados em aplicá-las. (grupos sociais = sindicatos) Convenções coletivas

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 3 - Data 6 de janeiro de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO. PROGRAMA

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943

DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943 DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943 Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, DECRETA: TÍTULO II DAS

Leia mais

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 LEI 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 Artigo 2º, parágrafo 1º, estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma. Artigo

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL ELETRÔNICO DO MUNICÍPIO DE ALVORADA DO SUL ESTADO PARANÁ Lei 1971/2013, de 17 de outubro de 2013 ATOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL

DIÁRIO OFICIAL ELETRÔNICO DO MUNICÍPIO DE ALVORADA DO SUL ESTADO PARANÁ Lei 1971/2013, de 17 de outubro de 2013 ATOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DIÁRIO OFICIAL ELETRÔNICO DO MUNICÍPIO DE ALVORADA DO SUL ESTADO PARANÁ Lei 1971/2013, de 17 de outubro de 2013 ATOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL Sexta-feira, 14 de Agosto de 2015 Ano III Edição 431. 01

Leia mais

Manual de Folha de Ponto

Manual de Folha de Ponto T Manual de Folha de Ponto Processos e Conformidade Dezembro/2014 Rev.0 1 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...3 2 ABRANGÊNCIA...3 3 DESENHO...4 4 PASSO A PASSO...6 5 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES...9 6 BANCO DE HORAS...10

Leia mais

CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 432/2015

CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 432/2015 CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 432/2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 27/11/2015, tendo em vista o constante no processo nº 23078.034370/13-31, considerando a proposta apresentada pela

Leia mais

TESTE CONHECIMENTO ESPECÍFICOS

TESTE CONHECIMENTO ESPECÍFICOS NOME: TESTE CONHECIMENTO ESPECÍFICOS LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1 - Verifique se este teste de conhecimento específico contém 10 (dez) questões objetivas. 2 - Para o presente teste de conhecimento

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 MR022417/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 MR022417/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 MR022417/2012 Convenção Coletiva de Trabalho que entre si celebram de um lado o Sindicato dos Trabalhadores em Entidades Culturais e Recreativas no Estado de Minas

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO ATACADISTA DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DE BELO HORIZONTE E CONTAGEM, CNPJ n. 17.265.851/0001-69, neste ato representado por seu Presidente, Sr. MARCUS

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPORÃ GABINETE DO PREFEITO Administração 2013/2016. Um Novo Tempo. Uma Cidade Para Todos.

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPORÃ GABINETE DO PREFEITO Administração 2013/2016. Um Novo Tempo. Uma Cidade Para Todos. LEI N.º 2290/2013 DISPOE SOBRE A CONCESSÃO DE DIARIAS AOS AGENTES POLITICOS E SERVIDORES DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Wallas Gonçalves Milfont, Prefeito Municipal de Itaporã-MS,

Leia mais