Orientações Consultoria de Segmentos Qual é o tempo de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos e de horas extras

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orientações Consultoria de Segmentos Qual é o tempo de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos e de horas extras"

Transcrição

1 para a não configuração de atrasos e de horas extras 14/02/2017

2 Sumário Título do documento 1. Questão Normas apresentadas pelo cliente Análise da Legislação Turnos de Revezamento 12x Conclusão Informações Complementares Referências Histórico de alterações

3 1. Questão Esta análise trata dos limites de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos, saídas antecipadas e horas extras. Outra questão é o caso de jornada de trabalho com escala de revezamento (12x36), na qual o funcionário poderá trabalhar em datas como feriados. Neste caso devo aplicar a mesma regra de tolerância em relação a descontos a jornada de trabalho, respeitando a questão de não descontar no cálculo as variações de horário no registro de ponto não excedentes a 5 minutos, observado o limite máximo de 10 minutos diários. Para o cliente, se a escala do funcionário cai para trabalhar em dia de feriado, seria um dia "normal" de trabalho, portanto, esta tolerância deveria ser aplicada e as horas extras de feriado normais? 2. Normas apresentadas pelo cliente Apresenta como embasamento legal para sua solicitação a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT conforme abaixo. Art A duração normal do trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não excederá de 8 (oito) horas diárias, desde que não seja fixado expressamente outro limite. 1o Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários. 1. Exemplo enviado pelo cliente. Horário contratual do funcionário: (08:30 12:30 13:30 17:30) = 08:00 a cumprir no dia. Batidas efetuadas: (08:39 12:45 13:45 17:30) = 07:51 cumprido. Devo considerar neste caso o cálculo de 15 minutos de extras e 24 de atrasos pois o funcionário ultrapassou o limite de 10 diário então o artigo 58 não se aplica ou posso considerar que para a jornada a cumprir de 08:00 o funcionário cumpriu 07:51 então não será descontado atraso porque ele está dentro do limite diário de 10 minutos. 2. Exemplo enviado pelo cliente. Horário contratual do funcionário: (08:30 12:30 13:30 17:30) = 08:00 a cumprir no dia. Batidas efetuadas: (08:36 12:30 13:30 17:30) = 07:54 cumprido. Devo perdoar o atraso de 6 minutos visto que mesmo não cumprindo a variação do registro de 5 minutos o funcionário está dentro do limite diário 3

4 3. Análise da Legislação Título do documento Nos termos do disposto na CLT, art. 58, 1º (redação dada pela Lei nº /2001 ) e na Súmula nº 366 do TST, não poderão ser descontadas, tampouco computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de 5 minutos, limitado ao máximo de 10 minutos diários. A Lei nº /2001 acrescentou o 1º ao art. CLT, art. 58, o qual dispõe; Art o Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários Ainda temos a Súmula nº 366 do TST CARTÃO DE PONTO. REGISTRO. HORAS EXTRAS. MINUTOS QUE ANTECEDEM E SUCEDEM A JORNADA DE TRABALHO (nova redação) - Res. 197/ DEJT divulgado em 14, 15 e Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário do registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários. Se ultrapassado esse limite, será considerada como extra a totalidade do tempo que exceder a jornada normal, pois configurado tempo à disposição do empregador, não importando as atividades desenvolvidas pelo empregado ao longo do tempo residual (troca de uniforme, lanche, higiene pessoal, etc.). Assim como referido dispositivo menciona variações no registo de ponto não excedentes de cinco minutos, entende-se que, por exemplo, se o empregado inicia a sua jornada de trabalho às 7:00 horas, a empresa seria obrigada a tolerar a entrada do empregado até às 07:05, sem desconto, tendo em vista que o limite máximo é de 10 minutos. Desta forma, se o empregado, no mesmo dia, por exemplo, se atrasar até 5 minutos no retorno do intervalo para refeição, a empresa não descontaria, uma vez que os 5 minutos da entrada para o trabalho e os 5 minutos de atraso do intervalo, somariam 10 minutos previsto na lei. Para melhor compreensão, algumas hipóteses considerando, para tanto, um empregado com o horário de trabalho fixado das (08:00-12:00 / 13:00-17:00h). Batidas: 08:04-12:00 e 13:00-16:58 Entendemos que não há desconto de atraso ou saída antecipada. Batidas: 08:07-12:00 e 13:00-16:52 Entendemos que há o desconto de 15 minutos (7 minutos na entrada + 8 minutos na saída). Batidas: 08:05-12:00 e 13:00-16:54 Entendemos que há o desconto de 11 minutos (5 minutos na entrada + 6 minutos na da saída). Embora a variação na entrada não tenha ultrapassado o limite de 5 minutos, porem no total diário ultrapassou os 10 minutos definidos na legislação. 4

5 Batidas: 08:03-12:00 e 13:00-16:53 Entendemos que há o desconto de 7 minutos referente a saída. Neste exemplo houve a extrapolação do limite na saída de 7 minutos. Embora o total tenha sido 10 minutos, dentro da tolerância máxima diária, o limite foi quebrado no horário de saída. Batidas: 08:05-12:00 e 13:00-16:55 Entendemos que não há desconto, pois os dois limites legais (5 minutos por período e totalização nos 10 minutos diários). Batidas: 08:05-12:07 e 13:06-17:01 Entendemos que há o desconto de 11 minutos, (5 minutos na entrada + 6 minutos de retorno do intervalo). Embora a variação na entrada não tenha ultrapassado o limite de 5 minutos, porem no total diário ultrapassou os 10 minutos definidos na legislação. Já no caso de horas extras há o pagamento de 8 minutos (7 minutos da saída para intervalo + 1 minutos da saída), apesar de não ter ultrapassado o limite diário de 10 minutos, em dos períodos ultrapassou o limite de 5 minutos, portanto terão que ser computadas como horas extras. Batidas: 08:06-12:00 e 13:06-17:00 Entendemos que há o desconto de 12 minutos, (6 minutos na entrada + 6 minutos de retorno do intervalo). Pois, a variação na entrada ultrapassou o limite de 5 minutos e o total diário. Batidas: 08:08-12:00 e 13:18-17:00 Entendemos que há o desconto de 26 minutos, (8 minutos na entrada + 18 minutos de retorno do intervalo). Pois, a variação na entrada ultrapassou o limite de 5 minutos e o total diário. 3.1 Turnos de Revezamento 12x36 Outra situação que provoca muita discussão é o trabalho realizado em escala 12 X 36 nos domingos e feriados. Entendemos que o trabalho realizado nos domingos não acarreta o pagamento de hora extra em dobro, visto que será compensado em dia seguinte imediatamente posterior. Por outro lado, a própria escala 12 X 36 proporciona que em uma semana, o empregado irá laborar durante 3 dias e na outra semana, durante 4 dias. Tal situação, por si só, já demonstra que este empregado terá pelo menos dois domingos por mês para repouso, conforme previsto no artigo 67 da CLT. Porém, no caso dos feriados trabalhados, após muitas decisões contraditórias, o Tribunal Superior do Trabalho editou em 2012 a Súmula 444, colocando fim a essa discussão a qual assim estabelece: Súmula nº 444 do TST JORNADA DE TRABALHO. NORMA COLETIVA. LEI. ESCALA DE 12 POR 36. VALIDADE. - Res. 185/2012, DEJT divulgado em 25, 26 e republicada em decorrência do despacho proferido no processo TST-PA / DEJT divulgado em É valida, em caráter excepcional, a jornada de doze horas de trabalho por trinta e seis de descanso, prevista em lei ou ajustada exclusivamente mediante acordo coletivo de trabalho ou convenção coletiva de trabalho, assegurada a remuneração em dobro dos feriados trabalhados. O empregado não tem direito ao pagamento de adicional referente ao labor prestado na décima primeira e décima segunda horas. 5

6 Título do documento Portanto entendemos que nos casos de Feriados, não se aplica a mesma regra de tolerância, em relação a descontos a jornada de trabalho, conforme consta no texto da CLT ao 1º, do art. 58, considerando assim o pagamento das horas em dobro sem cômputo Extraordinário as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observado o limite máximo de dez minutos diários. Entretanto, diversas empresas não indenizam as horas laboradas nos feriados com o adicional de 100%, sob o entendimento que por analogia, se equiparam aos domingos laborados, contrariando entendimento pacificado pelo TST. Assim, os empregadores devem ficar atentos e cientes do passivo trabalhista que vai sendo acumulado ao longo do pacto laboral, quando estabelecido o regime de trabalho em escala 12 X Conclusão Devem ser observados, portanto, dois limites, sendo um em relação a cada marcação de horário e, o outro, considerando o total das variações diárias. Em caso de extrapolação de um, ou de ambos os limites, imediato desconto ou o pagamento das horas. Lembrando que existe controvérsias da aplicação desta forma exposta acima, onde existe entendimentos que devem ser somados todos os atrasos e os minutos excedentes, e caso o resultado ultrapasse o limite diário de 10 minutos, aplica-se o pagamento ou descontando das mesmas. Ainda, existe o entendimento que devem ser pagos os descontados apenas os minutos excedentes. Vale destacar que apenas um regime de tolerância deve ser adotado, não devendo utilizar a tolerância legal simultaneamente com a tolerância por marcação. Em turnos de revezamento 12x36 devem receber em dobro o trabalho em feriados, não se aplicando a regra de tolerância em relação a descontos a jornada de trabalho conforme consta no texto da CLT ao 1º, do art Informações Complementares Na visão dos processos junto ao ERP, poderão ter impactos apuração das horas de atrasos e horas extras. Como existem controvérsias na aplicação da legislação, sugerimos flexibilizar o produto aonde seja possível o cliente parametrizar a regra a ser aplicada na apuração desta legislação, como por exemplo, limite de tolerância por período, diário, e se é possível pagar as horas totais ou apenas as excedentes. 6

7 6. Referências A24AC541F&nota=1&tipodoc=05&esfera=FE&ls=2&index= Histórico de alterações ID Data Versão Descrição Chamado/ Ticket FL 08/04/ para a não LSB 28/04/ para a não FL 08/06/ para a não FL 09/06/ para a não AM 14/02/ para a não TPBV48 TSFJXR TSOAAR TSOAAR

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Qual é o tempo de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos e de horas extras

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Qual é o tempo de tolerância que a legislação admite para a não configuração de atrasos e de horas extras para a não 08/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 5 6. Referências...

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Apuração Horas e DSR para empregado Horista

Orientações Consultoria De Segmentos Apuração Horas e DSR para empregado Horista 13/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares... 6 6. Referências... 6 7.

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Horas In Itinere

Orientações Consultoria de Segmentos Horas In Itinere 28/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 8 6. Referências... 8 7.

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos. Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna

Posicionamento Consultoria De Segmentos. Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna 30/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado compensado, o empregado terá direito ao descanso

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado compensado, o empregado terá direito ao descanso Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado remunerado (DSR) 16/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3

Leia mais

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011)

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Salário: Art. 7º C.F. São direitos dos trabalhadores além de outros IV salário mínimo, fixado em lei, nacionalidade unificado, capaz de atender as suas necessidades vitais

Leia mais

Manual do Ponto Eletrônico

Manual do Ponto Eletrônico Manual do Ponto Eletrônico Sumário 1. Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP 2. Registro Eletrônico do Ponto - REP 3. Controle do Ponto Eletrônico 4. Banco de Horas 5. Intervalo Interjornada e

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO. Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST

JORNADA DE TRABALHO. Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST JORNADA DE TRABALHO Tempo efetivamente Trabalhado; Tempo à disposição do empregador Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST Conceito Jornada é o lapso de tempo durante o qual o empregado

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2017/2019 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000734/2017 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/05/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022826/2017 NÚMERO DO PROCESSO: 46304.001097/2017-19 DATA DO

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II JORNADAS ESPECIAIS

DIREITO DO TRABALHO II JORNADAS ESPECIAIS DIREITO DO TRABALHO II JORNADAS ESPECIAIS PROFA. ELENICE RIBEIRO REGIME 12X36 LEI 11.901/09 Art. 5 o A jornada do Bombeiro Civil é de 12 (doze) horas de trabalho por 36 (trinta e seis) horas de descanso,

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Licença Não Remunerada

Orientações Consultoria De Segmentos Licença Não Remunerada 11/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Solicitado pelo Empregado... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

2012 Cartilha do Comércio

2012 Cartilha do Comércio 2012 Cartilha do Comércio APRESENTAÇÃO O Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista de Tubarão e Região SINDILOJAS, no atendimento das necessidades dos seus representados, reuniu as principais dúvidas

Leia mais

Direitos Trabalhistas Justiça do Trabalho e Recursos Humanos

Direitos Trabalhistas Justiça do Trabalho e Recursos Humanos Direitos Trabalhistas Justiça do Trabalho e Recursos Humanos Palestrante: Estabilidade gestante Estabilidade Acidentária Jornada 12 x 36 Períodos de Intervalo Insalubridade Prof. Cristiano Magalhães 1

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Férias na modalidade do regime de tempo parcial

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Férias na modalidade do regime de tempo parcial Férias na modalidade do regime de tempo parcial 07/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações

Leia mais

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas?

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? ENTENDA SEUS DIREITOS O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? O chamado banco de horas é uma possibilidade admissível de controle e compensação

Leia mais

Jornada de trabalho.

Jornada de trabalho. Jornada de trabalho. 1. Conceito: é uma medida de tempo no qual se inclui o labor diário. a) 1ª concepção: teoria do tempo efetivamente trabalhado, sendo o período do dia em que o empregado efetivamente

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Posicionamento Consultoria De Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 11/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 4 5. Informações

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição Sindical - Empregados

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição Sindical - Empregados Contribuição Sindical - Empregados 25/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Desconto e Anotações... 4 3.2 Admissão

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2017/2018 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000750/2017 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/05/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023620/2017 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.004891/2017-24 DATA DO

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Empregada Afastada de Licença Maternidade deve receber Adicional de Periculosidade

Orientações Consultoria De Segmentos Empregada Afastada de Licença Maternidade deve receber Adicional de Periculosidade receber Adicional de Periculosidade 17/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares...

Leia mais

I - DA FINALIDADE II - DA DEFINIÇÃO III DA JORNADA E DO HORÁRIO DE TRABALHO

I - DA FINALIDADE II - DA DEFINIÇÃO III DA JORNADA E DO HORÁRIO DE TRABALHO I - DA FINALIDADE 1. Este Normativo de Pessoal tem por finalidade regulamentar a jornada de trabalho dos empregados do Conselho Federal de Medicina CFM. II - DA DEFINIÇÃO 2. Entende-se por jornada de trabalho

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Insalubridade deve ser pago Integral ou Proporcional em dias de faltas

Orientações Consultoria De Segmentos Insalubridade deve ser pago Integral ou Proporcional em dias de faltas Orientações Consultoria De Segmentos em dias de faltas 02/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5.

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO. Paula Freire 2015

DURAÇÃO DO TRABALHO. Paula Freire 2015 DURAÇÃO DO TRABALHO Paula Freire 2015 Jornada Do francês, journée, trabalho realizado durante um dia, do nascer ao pôr do sol. Duração do trabalho: Tempo em que o empregado está a disposição do empregador.

Leia mais

REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO

REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO 1 1. EMENTA - Parecer sintético sobre COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO abrangendo aspectos gerais dos regimes de "BANCO DE HORAS", "SEMANA INGLESA" e "SEMANA

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II. Profa. Graciane Saliba

DIREITO DO TRABALHO II. Profa. Graciane Saliba DIREITO DO TRABALHO II Profa. Graciane Saliba - Apresentação do site - Apresentação do plano de ensino e temas que serão tratados - Horários de aula - Trabalhos em sala e em equipe - Ausência e chamadas

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO Índice 1. Jornada de trabalho...3 2. Formas de Prorrogação da Jornada de Trabalho...4 3. Horas Extras no Caso de Força Maior...5 4. Trabalho Noturno...6

Leia mais

NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11)

NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11) NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11) CUSTÓDIO NOGUEIRA Advogado militante especializado em Direito Civil e Processo Civil; Sócio da Tardem e Nogueira Assessoria

Leia mais

Períodos de repouso.

Períodos de repouso. Períodos de repouso. 1. Introdução: a) O estudo da duração do trabalho abrange não só a análise da jornada de trabalho, mas também dos períodos de repouso que são assegurados ao empregador. b) Os períodos

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL Procuradoria Federal junto ao IF Sudeste MG

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL Procuradoria Federal junto ao IF Sudeste MG DESPACHO nº 52/2013-AGU/PGF/PFE IF SUDETE MG 1 Ref.: Processo administrativo: nº 23355.000114/2013-68 2 Consulente: Diretoria Geral do câmpus Barbacena Autos processuais recebidos em gabinete: 11/03/2013

Leia mais

PROJETO INTERVENÇÕES COLETIVAS. Coordenadora: Julie Santos Teixeira

PROJETO INTERVENÇÕES COLETIVAS. Coordenadora: Julie Santos Teixeira PROJETO INTERVENÇÕES COLETIVAS Coordenadora: Julie Santos Teixeira intervencoescoletivas@mte.gov.br 6. ALTERAÇÃO CCT E EMPREGADORES 1.SELEÇÃO DE SEGMENTOS PRÓXIMOS 5. AÇÕES FISCAIS ALTERAÇÃO DA REALIDADE

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos Contrato de Experiência - Afastamento

Posicionamento Consultoria De Segmentos Contrato de Experiência - Afastamento Contrato de Experiência - Afastamento 03/06/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares...

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO MÓDULO II Matutino Prof. André Luiz Paes de Almeida Aula: 3

DIREITO DO TRABALHO MÓDULO II Matutino Prof. André Luiz Paes de Almeida Aula: 3 TEMA DE AULA DIREITO DO TRABALHO 1. 13º SALÁRIO - Lei 4.090/62 e art. 7 VIII, CF. - O 13º sala rio deve ser pago em até 2 parcelas: 1ª de fevereiro à novembro. 2ª até 20 de dezembro. - O 13º salário deve

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Salário Complessivo

Orientações Consultoria De Segmentos Salário Complessivo 30/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 5 6. Referências... 5 7.

Leia mais

I DA CONCESSÃO DE INTERVALO JORNADA DE TRABALHO

I DA CONCESSÃO DE INTERVALO JORNADA DE TRABALHO INTERVALO DE 15 MINUTOS OBRIGATORIEDADE SITUAÇÕES CLT CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO COMPENSAÇÃO DE JORNADA - PROCEDIMENTOS Por Cristiano Cezar Sanfelice I DA CONCESSÃO DE INTERVALO JORNADA DE TRABALHO

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos. Salário Proporcional Cálculo em Meses de 28, 29 ou 31 dias Empregado Mensalista

Orientações Consultoria De Segmentos. Salário Proporcional Cálculo em Meses de 28, 29 ou 31 dias Empregado Mensalista Salário Proporcional Cálculo em Meses de 28, 29 ou 31 dias 12/09/2016 Sumário 1 Questão... 3 2 Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3 Análise da Consultoria... 3 3.1 Exemplo do Cálculo Proporcional...

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos. Atraso no pagamento das verbas rescisórias (Art. 477, 8º- CLT)

Orientações Consultoria de Segmentos. Atraso no pagamento das verbas rescisórias (Art. 477, 8º- CLT) Atraso no pagamento das verbas rescisórias (Art. 477, 8º- CLT) 29/03/2017 Sumário 1 Questão... 3 2 Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3 Análise da Consultoria... 4 4 Conclusão... 5 5 Informações Complementares...

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO PROCESSO nº 0011405-69.2014.5.01.0008 (RO) RECORRENTE: CORINTO HOTEL LTDA RECORRIDO: MONIQUE VIEIRA OLEGÁRIO RELATOR: DESEMBARGADOR

Leia mais

RECURSO DE REVISTA. RITO SUMARÍSSIMO. HORAS EXTRAS. PERÍODO DESTINADO À TROCA DE UNIFORME. TEMPO À DISPOSIÇÃO DO EMPREGADOR. SÚMULA 366 DO TST.

RECURSO DE REVISTA. RITO SUMARÍSSIMO. HORAS EXTRAS. PERÍODO DESTINADO À TROCA DE UNIFORME. TEMPO À DISPOSIÇÃO DO EMPREGADOR. SÚMULA 366 DO TST. A C Ó R D Ã O 7.ª Turma GMDMA/LPS/eo RECURSO DE REVISTA. RITO SUMARÍSSIMO. HORAS EXTRAS. PERÍODO DESTINADO À TROCA DE UNIFORME. TEMPO À DISPOSIÇÃO DO EMPREGADOR. SÚMULA 366 DO TST. 1.1. Hipótese em que

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 Convenção Coletiva de Trabalho, que entre si ajustam a FEDERAÇÃO NACIONAL DOS EMPREGADOS EM POSTOS DE SERVIÇOS DE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS DE PETRÓLEO - FENEPOSPETRO,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aviso Prévio Misto

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aviso Prévio Misto Aviso Prévio Misto 01/12/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 5 6.

Leia mais

1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória?

1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória? CADERNO DE EXERCÍCIOS 1) O que caracteriza a utilidade com natureza salarial e a utilidade com natureza indenizatória? 2) Vale transporte pago em dinheiro, vale refeição pago em dinheiro, concessão de

Leia mais

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos www.fagnersandes.com.br Preparando você para o sucesso! Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos Regulamentado pela Lei Complementar n. 150/15, empregado doméstico é aquele que presta serviços

Leia mais

PROJETO INTERVENÇÕES COLETIVAS. Julie Santos Teixeira

PROJETO INTERVENÇÕES COLETIVAS. Julie Santos Teixeira PROJETO INTERVENÇÕES COLETIVAS Coordenadora: Julie Santos Teixeira julie.teixeira@mte.gov.br 3270-6147 O Projeto CNAE 4711-3/01 Hipermercados 4711-3/02 Supermercados DESCRIÇÃO 4712-1/00 Minimercados, mercearias

Leia mais

Jornada de trabalho LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA

Jornada de trabalho LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA Jornada de trabalho 1 A jornada de trabalho normal será o espaço de tempo durante o qual o empregado deverá prestar serviço ou permanecer à disposição do empregador, com habitualidade, executadas as horas

Leia mais

Teorias. Tempo efetivamente trabalhado. Tempo à disposição do empregador (art. 4º CLT) Tempo in itinere (art. 58 CLT e Súm.

Teorias. Tempo efetivamente trabalhado. Tempo à disposição do empregador (art. 4º CLT) Tempo in itinere (art. 58 CLT e Súm. DURAÇÃO DO TRABALHO Teorias Tempo efetivamente trabalhado Tempo à disposição do empregador (art. 4º CLT) Tempo in itinere (art. 58 CLT e Súm. 90 TST) Geral Artigo 7º, XIII, CF/88 duração do trabalho normal

Leia mais

ATO ADMINISTRATIVO Nº 030 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009.

ATO ADMINISTRATIVO Nº 030 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. ATO ADMINISTRATIVO Nº 030 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. Dispõe sobre os procedimentos relativos à realização de horas extras pelos funcionários do CREA-PA. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E

Leia mais

SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO PORTARIA UNESP 129/2017. O que muda e o que fica do mesmo jeito com as alterações.

SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO PORTARIA UNESP 129/2017. O que muda e o que fica do mesmo jeito com as alterações. SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO PORTARIA UNESP 129/2017 O que muda e o que fica do mesmo jeito com as alterações. O que fica do mesmo jeito? Autorização prévia do serviço extraordinário somente nos casos de comprovada

Leia mais

Prática em Perícia Perícia Trabalhista Conceitos e Prática

Prática em Perícia Perícia Trabalhista Conceitos e Prática Prática em Perícia Perícia Trabalhista Conceitos e Prática Relembrar - SUJEITOS DO CONTRATO DE TRABALHO - CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO - REMUNERAÇÃO E SALÁRIO - DA DURAÇÃO DA HORA DO TRABALHO - CÁLCULO

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA E REGISTRO DE PONTO

REFORMA TRABALHISTA E REGISTRO DE PONTO A Lei 13.467, conhecida como Reforma Trabalhista, sancionada em 13/07/17, entrará, efetivamente em vigor no próximo mês de novembro. Há diversos pontos nesta Lei que influenciam direta ou indiretamente

Leia mais

ACORDO COLETIVO PARA INSTITUIÇÃO DE BANCO DE HORAS

ACORDO COLETIVO PARA INSTITUIÇÃO DE BANCO DE HORAS ACORDO COLETIVO PARA INSTITUIÇÃO DE BANCO DE HORAS Pelo presente instrumento particular de Acordo Coletivo de Trabalho, de um lado..., doravante designada EMPRESA, com sede, na Rua..., Estado/SP, CEP...,

Leia mais

CIRCULAR SINDJUNDIAÍ Nº 009/2015 Jundiaí, 25 de junho de 2015

CIRCULAR SINDJUNDIAÍ Nº 009/2015 Jundiaí, 25 de junho de 2015 CIRCULAR SINDJUNDIAÍ Nº 009/2015 Jundiaí, 25 de junho de 2015 ASSUNTO: DIVULGA A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA COM O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CAMPINAS

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aviso Prévio Misto

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aviso Prévio Misto Aviso Prévio Misto 01/12/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 5 6.

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001404/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019141/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005615/2015-22 DATA DO

Leia mais

Interrupção: Hipóteses: Licença maternidade: Afastamento nos primeiros 15 dias:

Interrupção: Hipóteses: Licença maternidade: Afastamento nos primeiros 15 dias: Interrupção: Hipóteses: Licença maternidade: Afastamento nos primeiros 15 dias: Art. 473 da CLT: faltas autorizadas. I - até 2 (dois) dias consecutivos, em caso de falecimento do cônjuge, ascendente, descendente,

Leia mais

FÉRIAS COLETIVAS Fracionamento, Abono Pecuniário, Regime de Tempo Parcial, Procedimentos

FÉRIAS COLETIVAS Fracionamento, Abono Pecuniário, Regime de Tempo Parcial, Procedimentos FÉRIAS COLETIVAS Fracionamento, Abono Pecuniário, Regime de Tempo Parcial, Procedimentos ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 2. FRACIONAMENTO E PERÍODOS MÍNIMO E MÁXIMO 3. MENORES DE 18 E MAIORES DE 50 ANOS 4. MEMBROS

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000542/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047856/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001655/2015 15 DATA DO

Leia mais

CAPITULO I OBJETIVOS. Art. 1º Implantar o crachá de identificação e sua utilização para registro do ponto;

CAPITULO I OBJETIVOS. Art. 1º Implantar o crachá de identificação e sua utilização para registro do ponto; CAPITULO I OBJETIVOS Art. 1º Implantar o crachá de identificação e sua utilização para registro do ponto; Art. 2º Estabelecer as normas de registro das horas trabalhadas do ponto eletrônico; Art. 3º Normatizar

Leia mais

ESASP. Direito Material. Cálculos Trabalhistas. Aula 3

ESASP. Direito Material. Cálculos Trabalhistas. Aula 3 ESASP Direito Material e Cálculos Trabalhistas Aula 3 Profª. Ignez Corner 2.016 Jornada de Trabalho Aula 3 Equivalência de Minutos e Centésimos de Hora Sempre que formos efetuar um cálculo de qualquer

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. Fontes e princípios do Direito do Trabalho. Prof. Hermes Cramacon

DIREITO DO TRABALHO. Fontes e princípios do Direito do Trabalho. Prof. Hermes Cramacon DIREITO DO TRABALHO Fontes e princípios do Direito do Trabalho Prof. Hermes Cramacon 1. Fontes materiais - norma ainda não positivada. Momento pré-jurídico. Correntes de pensamento econômico, jurídico,

Leia mais

MÓDULO JORNADA DE TRABALHO TRABALHO NOTURNO 3.5

MÓDULO JORNADA DE TRABALHO TRABALHO NOTURNO 3.5 MÓDULO 3 JORNADA DE TRABALHO 3.5 TRABALHO NOTURNO DEPARTAMENTO DE PESSOAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 3.5. TRABALHO NOTURNO... 3 3.5.1. INTRODUÇÃO... 3 3.5.2. HORÁRIO NOTURNO... 3 3.5.2.1.

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000618/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044376/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.002009/2015-22 DATA DO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 1.736/2016

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 1.736/2016 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Referência Assunto PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 1.736/2016 : Correio eletrônico. Protocolo AUDIN-MPU nº 1043/20l6. : Administrativo.

Leia mais

ENTENDENDO A PLANILHA DE CUSTOS: MÓDULO 1.

ENTENDENDO A PLANILHA DE CUSTOS: MÓDULO 1. ENTENDENDO A PLANILHA DE CUSTOS: MÓDULO 1. É especialista em Gestão Pública e em Orçamento Público. É Auditor Federal de Finanças e Controle da CGU e Colaborador do Portal L&C. O L&C Comenta de hoje tem

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS Esta Instrução Substitui a: INS Revisão nº: INS Aprovada pela Resolução: 118/2016

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS Esta Instrução Substitui a: INS Revisão nº: INS Aprovada pela Resolução: 118/2016 INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 09 03 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Rondônia Jornada de Trabalho Origem: Macro Processo: Processo: DAF - Diretoria Administrativa e Financeira Gerir Pessoas Gerir

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS

COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS Historicamente, o repouso semanal teve origem em tradição de caráter religioso. Segundo as escrituras sagradas, Deus, ao criar o Mundo, repousou no sétimo dia. Em Moisés,

Leia mais

Portaria CRMV-SC Nº 0618/2017, de 05 de maio de 2017

Portaria CRMV-SC Nº 0618/2017, de 05 de maio de 2017 RESOLVE: Portaria CRMV-SC Nº 0618/2017, de 05 de maio de 2017 EMENTA: FIXA O REAJUSTE SALARIAL DOS EMPREGADOS DO CRMV-SC E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária

Leia mais

TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS.

TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS. IV JORNADA JURÍDICA CNTQ Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Químico TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS. Gabriel Lopes Coutinho Filho Outubro/2013 Camboriú -

Leia mais

Acordo Coletivo de Trabalho

Acordo Coletivo de Trabalho 2017-2018 Atualizado em 28/04/2017 Clique sobre a pergunta para acessar a resposta. 1. Por que a USP e o Sindicato firmaram este acordo coletivo?... 4 2. O que é um Banco de Horas?... 4 3. Os acordos individuais

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 03/2014 DATA DA ENTRADA: 21 de agosto de 2013 INTERESSADO: Sra. S. M. B. M. CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO: Esclarecimento

Leia mais

DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO

DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO Fundamentos e Objetivos OBJETIVO: As normas sobre a duração do trabalho têm por finalidade estabelecer limite temporal ao trabalho executado pelo empregado em favor do empregador,

Leia mais

A REFORMA TRABALHISTA

A REFORMA TRABALHISTA A REFORMA TRABALHISTA Fernando Baumgarten OAB/SC 30.627-B fernandob.adv@gmail.com (47) 99131-6611 NECESSIDADE DE REFORMA DAS REGRAS TRABALHISTAS A CLT não acompanha a evolução e os novos métodos de trabalho;

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 02/17

INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 02/17 INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 02/17 Dispõe sobre o registro de frequência de empregados na UNIFEBE e dá outras providências. O Pró-Reitor de Administração do Centro Universitário de Brusque-UNIFEBE, no uso de

Leia mais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) 99112-3636 - netobv@hotmail.com Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais 1 As Férias é um direito do empregado e indisponível; As férias

Leia mais

Os novos direitos instituídos pela Lei são os seguintes (Art. 2º):

Os novos direitos instituídos pela Lei são os seguintes (Art. 2º): Os novos direitos instituídos pela Lei 12619-2012 são os seguintes (Art. 2º): 1) acesso gratuito a programa de formação e aperfeiçoamento profissional; 2) tratamento preventivo pelo SUS; 3) não responder

Leia mais

Política de Controle Jornada de Trabalho Cartão de ponto

Política de Controle Jornada de Trabalho Cartão de ponto Política de Controle Jornada de Trabalho Cartão de ponto Adotada na AGRO A jornada de trabalho é de 44 (quarenta e quatro) horas semanais Na Indústria: turno ininterrupto de revezamento com jornada diária

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001277/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR041059/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.011716/2015-82 DATA DO

Leia mais

MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO TRABALHO 3.5 NOTURNO

MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO TRABALHO 3.5 NOTURNO MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO 3.5 TRABALHO NOTURNO SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 3.5. TRABALHO NOTURNO... 3 3.5.1. INTRODUÇÃO... 3 3.5.2. HORÁRIO NOTURNO... 3 3.5.2.1. ATIVIDADES RURAIS... 3 3.5.3. ADICIONAL

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS PRORROGAÇÃO/REDUÇÃO DE JORNADA

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS PRORROGAÇÃO/REDUÇÃO DE JORNADA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP006795/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023544/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47998.004863/2015 29 DATA DO

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO I CONSTATAÇÕES

SUMÁRIO EXECUTIVO I CONSTATAÇÕES RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 02/2014 Página 1 de 5 SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 02/2014 UNIDADE: Gerência Executiva de Administração TEMA: Concessão de Horas Extraordinárias/2013 TIPO DE AUDITORIA:

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013. Confira a autenticidade no endereço

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013. Confira a autenticidade no endereço Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000382/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/07/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR036243/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001138/2012-01

Leia mais

UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BENEFÍCIO VA VR

UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BENEFÍCIO VA VR UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BENEFÍCIO VA VR Sumário CONCEITOS... 3 Vale alimentação e Vale Refeição... 3 CADASTRO... 4 Introdução... 4 Operadora/Classe do benefício... 4 Histórico... 7 Atribuição de funcionários...

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL. 2 Modelo de Escala de Revezamento 5 x 1

MANUAL DE PESSOAL. 2 Modelo de Escala de Revezamento 5 x 1 1 MÓDULO 22: JORNADA DE TRABALHO CAPÍTULO 2: JORNADA NORMAL DE TRABALHO ANEXOS: 1 Horário Variado 2 Modelo de Escala de Revezamento 5 x 1 1 REGIME 1.1 Os empregados da Empresa são considerados mensalistas,

Leia mais

Jornada de Trabalho das Entidades do Sistema FIEMA JORNADA DE TRABALHO ENTIDADES DO SISTEMA FIEMA - FIEMA - SESI - SENAI - IEL -

Jornada de Trabalho das Entidades do Sistema FIEMA JORNADA DE TRABALHO ENTIDADES DO SISTEMA FIEMA - FIEMA - SESI - SENAI - IEL - Jornada de Trabalho das Entidades do Sistema FIEMA DC-GP-81 Rev.: 01 21/11/2013 ELABORAÇÃO COGEP APROVAÇÃO Comissão Gestora ENTIDADE TODAS JORNADA DE TRABALHO ENTIDADES DO SISTEMA FIEMA - FIEMA - SESI

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO SUDESTE DE MINAS - CAMPUS BARBACENA PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/2013 (Processo Administrativo n

INSTITUTO FEDERAL DO SUDESTE DE MINAS - CAMPUS BARBACENA PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/2013 (Processo Administrativo n INSTITUTO FEDERAL DO SUDESTE DE MINAS - CAMPUS BARBACENA PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/2013 (Processo Administrativo n. 23355.000114/2013-68) À SEGURAR VIGILÂNCIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL RESULTADO DA ANÁLISE

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001708/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019889/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46318.000644/2014-39

Leia mais

Dr. Leandro Villela Cezimbra Analista Técnico FIERGS.

Dr. Leandro Villela Cezimbra Analista Técnico FIERGS. Dr. Leandro Villela Cezimbra Analista Técnico FIERGS leandro.cezimbra@fiergs.org.br JORNADA A jornada de trabalho é de 8 horas diárias, acrescida de mais duas horas extras diárias (art. 59), mediante acordo

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA Nº 001/2016 FREQUÊNCIA AO TRABALHO

NORMA REGULAMENTADORA Nº 001/2016 FREQUÊNCIA AO TRABALHO NORMA REGULAMENTADORA Nº 001/2016 FREQUÊNCIA AO TRABALHO 1 CONCEITO Corresponde às anotações de hora de entrada, saída e dos intervalos intrajornada (computáveis e não computáveis como tempo de serviço),

Leia mais

Banco de Horas 03/10/2012

Banco de Horas 03/10/2012 03/10/2012 Sumário Sumário... 2 1 Visão Geral... 3 1.1 Objetivos Intrucionais... 3 1.2 Conceito... 3 1.3 Configuração... 3 1.4 Fórmulas... 4 1.5 Compensação e/ou Lançamento... 5 1.6 Compensação x Recálculo...

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Mediador - i',xtrato Acordo Coletivo http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resurnovisualiz... ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000118/2016 DATA DE REGISTRO NO

Leia mais

A falta do trabalhador ao serviço enseja o desconto do dia respectivo em sua remuneração, salvo se a falta for considerada justificada.

A falta do trabalhador ao serviço enseja o desconto do dia respectivo em sua remuneração, salvo se a falta for considerada justificada. As faltas não justificadas por lei não dão direito a salários e demais conseqüências legais, e podem resultar em falta leve ou grave, conforme as circunstâncias ou repetição; mas podem ter justificativa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RH CONTROLE DE FREQUÊNCIA

ADMINISTRAÇÃO DE RH CONTROLE DE FREQUÊNCIA ADMINISTRAÇÃO DE RH CONTROLE DE FREQUÊNCIA Todos os estabelecimentos com mais de 10 empregados, estão obrigados a adotar sistemas de controle de frequência. Sistema de Registro Eletrônico de Ponto - SREP

Leia mais

CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Capítulo 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 109 CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO O décimo terceiro salário é devido aos empregados urbanos, rurais e domésticos, bem como aos trabalhadores

Leia mais

JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO

JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO Conversando com sindicalistas percebo que muitos fazem confusões entre jornadas flexíveis de trabalho, redução de jornada de trabalho e obrigatoriedade

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP005006/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR007577/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46435.000241/2013-72

Leia mais

Curso de Orientação Jurisprudencial prof. Homero Batista Mateus da Silva. Tema: Remuneração, salário e benefícios.

Curso de Orientação Jurisprudencial prof. Homero Batista Mateus da Silva. Tema: Remuneração, salário e benefícios. Curso de Orientação Jurisprudencial prof. Homero Batista Mateus da Silva. Início: 1º de agosto de 2012. Término: 12 de dezembro de 2012. Total: 20 aulas de 1h45 Tema: Remuneração, salário e benefícios.

Leia mais

O que é banco de horas?

O que é banco de horas? Este conteúdo faz parte da série: Controle de Horas Extras Ver 4 posts dessa série O que é banco de horas? O banco de horas é um sistema que serve para flexibilizar a jornada de trabalho de funcionários,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017. Confira a autenticidade no endereço

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017. Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR004823/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR077284/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.023082/2016-41 DATA DO

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula 1. Fontes materiais e formais. 2. Normas Jurídicas de Direito do Trabalho. Constituição, Leis, Atos do Poder Executivo, Sentença normativa, Convenções e Acordos Coletivos, Regulamentos de empresa, Disposições

Leia mais

A hora noturna não atende aos padrões temporais convencionados. A hora noturna não corresponde a 60 minutos, mas sim a 52 minutos e 30 segundos.

A hora noturna não atende aos padrões temporais convencionados. A hora noturna não corresponde a 60 minutos, mas sim a 52 minutos e 30 segundos. 1 Aula 04 1 Duração do trabalho 1.1 Repouso O legislador ordinário, buscando, dentre outros objetivos, preservar a saúde do empregado, previu regras atinentes ao repouso durante a jornada, bem como entre

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000350/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/07/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034800/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.013696/2012-71 DATA DO

Leia mais