DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril)"

Transcrição

1 DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril) Thiago Silva Novais¹; Abraham Damian Giraldo Zuniga²; ¹ Aluno do Curso de Engenharia de Alimentos; Campus de Palmas; PIBIC/UFT. ² Orientador do Curso de Engenharia de Alimentos; Campus de Palmas; RESUMO Este trabalho teve por objetivo determinar a composição centesimal (fibra, proteínas, lipídeos, carboidratos, cinzas e vitamina C) de uma farinha obtida a partir das cascas desidratadas de abacaxi da variedade pérola e avaliar a vida de prateleira através de análises físico-químicas (ph, umidade e acidez) e microbiológicas (Salmonella sp., coliformes termotolerantes e bolor e levedura) durante 90 dias de estocagem, utilizando duas formas diferenciadas de acondicionamento (com vácuo e sem vácuo) e de armazenamento (temperatura ambiente e refrigeração). Com os resultados obtidos da composição centesimal pode-se observar uma farinha com alto teor de fibras (20,38%) e de carboidratos (60,61%). O ph não variou significativamente durante a estocagem, entretanto houve um aumento no teor de umidade na condição de armazenamento na temperatura ambiente, contudo estas permaneceram dentro dos limites legais estabelecidos. Nas análises microbiológicas a farinha apresentou ausência de Salmonella sp. e resultados menores que 9 NMP/g para coliformes termotolerantes, estando assim de acordo com a legislação. Apesar disso não foi possível estabelecer a melhor forma de acondicionamento e armazenamento da farinha da casca de abacaxi durante o período de estocagem. Palavras-chaves: farinha; casca de abacaxi; vida de prateleira; armazenamento. INTRODUÇÃO O abacaxi pérola (Ananas comosus L. Merril) é a variedade mais plantada no Tocantins. Os resíduos da sua industrialização, constituídos por talos, coroas e cascas, podem corresponder em até 40% do seu peso. Estes podem auxiliar na dieta humana, permitindo sua utilização como complemento em alimentos de baixo valor nutricional (EMBRAPA, 2013). A desidratação é uma das formas utilizadas para se conservar alimentos por uma maior quantidade de tempo, aparecendo como uma interessante alternativa econômica, pois evita perdas agroindustriais. O armazenamento é uma prática obrigatória na cadeia produtiva,

2 porém, durante esta etapa, o produto tem suas propriedades afetadas devido a diversos fatores, pois ocorrem várias reações químicas e físicas (COSTA et al., 2011). Portanto o objetivo deste estudo foi determinar a vida de prateleira de uma farinha obtida a partir das cascas desidratadas de abacaxi do tipo pérola em condições diferenciadas de acondicionamento e armazenamento por meio da caracterização físico-química e análises microbiológicas. MATERIAIS E MÉTODOS Os abacaxis da variedade pérola foram adquiridos nos supermercados da cidade de Palmas-TO, onde foram escolhidos com base no tamanho e grau de maturação. Os frutos foram transportados para o Laboratório de Processos de Separação de Biomoléculas e Desidratação de Alimentos (LAPSDEA) da Universidade Federal do Tocantins. O processo de obtenção da farinha das cascas de abacaxi foi realizado seguindo o fluxograma descrito na Figura 1. Matéria-prima (Abacaxi) Limpeza / Lavagem Sanitização Resíduos desprezados (Coroa e talo) Embalagem Descascamento Resíduo aproveitado (Cascas) Desidratação Trituração Acondicionamento Selagem Polpa/miolo Armazenamento (freezer) Armazenagem Figura 1: Fluxograma de produção da farinha das cascas desidratadas de abacaxi. Após a sanitização do abacaxi em água clorada (1 ppm) e do descascamento, as cascas utilizadas foram cortadas em tiras e submetidas ao processo de secagem em um desidratador elétrico, a uma temperatura de 70º C por 10 horas. As cascas desidratadas de abacaxi foram trituradas e peneiradas. A farinha obtida foi acondicionada em sacos de Polietileno de Baixa Densidade (PEBD), estes foram selados com vácuo e sem vácuo, posteriormente foram armazenadas em duas temperaturas, 30ºC (ambiente) e a 5ºC (refrigeração).

3 A farinha da casca de abacaxi foi caracterizada em relação à umidade, cinzas, fibra bruta, lipídeos, vitamina C e proteínas (IAL, 2008). A porcentagem de carboidratos totais das amostras foi determinada por diferença. Para a determinação da vida de prateleira da farinha da casca de abacaxi, foram realizados ensaios físico-químicos para ph, acidez total titulável e umidade (IAL, 2008) e análises microbiológicas quanto à presença de Salmonella sp. e coliformes a 45 C (ANVISA, 2001). Também foram realizadas análises de coliformes totais e de bolores e leveduras. Todas as análises foram realizadas em triplicata e em intervalos de 30 dias durante a estocagem (90 dias). Com os resultados da caracterização centesimal e análises físico-química da farinha foram obtidas as médias e os desvios padrão com auxilio do programa Excel versão RESULTADOS E DISCUSSÃO A composição química da farinha da casca desidratada de abacaxi está representada na Tabela 1. Dentre os valores analisados, o teor de umidade (8,82%) foi inferior ao encontrado por Costa (2007), o qual obteve 9,92%. Tabela 1. Composição química da farinha da casca de abacaxi. Parâmetros Analisados Farinha da casca do abacaxi¹ Umidade (%) 8,82 ± 0,50 Proteína (%) 4,33 ± 0,25 Lipídeos (%) 1,01 ± 0,15 Fibra (%) 20,38 ± 2,87 Vitamina C (mg/100 g) 17,43 ± 0,16 Cinzas (%) 4,85 ± 0,00 Carboidratos² (%) 60,61 ¹Média e desvio padrão. ² C (%) = 100 [umidade + cinzas + lipídios + proteína + fibra]. Os valores de proteínas (4,33%) e cinzas (4,85%) encontrados neste trabalho foram próximos aos obtidos por Carvalho (2008) no pó da casca de abacaxi, que encontrou respectivamente 4,5% e 4,8%. Costa (2007) ao analisar o pó da casca de abacaxi obteve um valor de 27,07 mg/100 g de vitamina C e 1,60% de lipídeos, valores muito acima dos apresentados neste trabalho, que foram de 17,43mg/100g para vitamina C e 1,01% para lipídeos. Os valores para carboidratos e fibras da farinha da casca de abacaxi encontrados neste estudo foram de 60,61% e 20,38%, respectivamente. O alto teor de fibras possibilita a utilização desta em produtos alimentícios, visando agregar valor nutricional. Na Tabela 2 pode ser observado um aumento da acidez em ambas as formas de acondicionamento e armazenamento da farinha de casca de abacaxi. Isto pode ser explicado

4 devido ao processo de decomposição do alimento durante a sua estocagem, seja por hidrólise, oxidação ou fermentação (MAGRO et al., 2006). Tabela 2. Médias e desvios padrão dos parâmetros físico-químicos da farinha da casca de abacaxi embaladas a vácuo e sem vácuo armazenadas em temperatura ambiente e de refrigeração. Período de Parâmetros Armazenamento Acondicionamento estocagem (dias) Acidez (%) ph Umidade (%) 0 1,71 ± 0,10 4,4 ± 0,00 8,82 ± 0,50 Sem vácuo 30 1,81 ± 0,11 4,4 ± 0,00 8,91 ± 0, ,53 ± 0,80 4,4 ± 0,20 9,64 ± 0,13 Temperatura 90 2,47 ± 0,00 5,05 ± 0,00 14,39 ± 0,00 ambiente 0 1,62 ± 0,08 4,6 ± 0,00 9,42 ± 0,15 Com vácuo 30 1,71 ± 0,09 4,4 ± 0,00 9,57± 0, ,93 ± 0,13 4,58 ± 0,70 9,67 ± 0, ,25 ± 0,00 4,57 ± 0,00 13,29 ± 0,00 0 1,25 ± 0,12 4,48 ± 0,00 11,40 ± 0,77 Sem vácuo 30 1,32 ± 0,06 4,64 ± 0,03 11,93 ± 0, ,27 ± 0,03 4,89 ± 0,10 11,06 ± 0, ,51 ± 0,09 4,75 ± 0,07 9,08 ± 0,63 Temperatura de refrigeração Com vácuo 0 1,09 ± 0,03 4,49 ± 0,06 10,88 ± 0, ,24 ± 0,02 4,68 ± 0,03 9,75 ± 1, ,29 ± 0,08 4,72 ± 0,04 11,36 ± 0, ,36 ± 0,07 4,64 ± 0,04 12,23 ± 0,10 Foi perceptível uma maior variação da umidade na condição de armazenamento em temperatura ambiente, efeito explicável pelo contato direto da amostra com ar ambiente. Esta, por sua vez, absorveu mais umidade devido às condições não serem controladas como na temperatura de refrigeração. Entretanto esta ainda está no limite estabelecido pela legislação brasileira que é de 15% (BRASIL, 1978). Outro fator que pode ter influenciado neste aspecto foi à utilização das embalagens de PEBD a vácuo, uma vez que Lobato (2005) afirma em seus estudos que podem ocorrer lesões no filme em virtude do processo de envase ocasionando a perda de vácuo da embalagem. Com os resultados das análises microbiológicas obtidos no período de estocagem, para as amostras embaladas a vácuo e sem vácuo nas duas condições de armazenamento foi possível observar que a farinha da casca de abacaxi apresentou ausência de Salmonella sp. e apresentaram resultados menores que 9 NMP/g para coliformes termotolerantes, estando assim de acordo com a legislação da ANVISA (2001), que determina a ausência de Salmonella sp e permitem valores na ordem de 10 2 NMP/g para coliformes termotolerantes (45ºC). As amostras também apresentaram valores altos com relação à análise de bolor e levedura, embora esta não seja exigida pela legislação, é utilizada como indicativo da deterioração do produto. Isto pode ter acontecido devido a eventuais deficiências no processamento, manipulação ou durante a estocagem da matéria-prima.

5 Portanto não houve um fator determinante para escolha do melhor tipo de armazenamento e acondicionamento durante o período de estocagem da farinha da casca desidratada de abacaxi, uma vez que as condições não foram suficientes para condenar o produto. LITERATURA CITADA ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Resolução RDC n 12, de 02 de janeiro de BRASIL. Decreto nº Normas Técnicas Especiais Relativas a Alimentos e Bebidas. São Paulo, 20 outubro de CARVALHO, M. G. Barras de cereais com amêndoas de chichá, sapucaia e castanha-dogurguéia, complementadas com casca de abacaxi. 93 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos)- Universidade Federal do Ceará, Fortaleza COSTA, J. M. C. Comparação dos parâmetros físico-químicos e químicos de pós alimentícios obtidos de resíduos de abacaxi. Revista Ciência Agronômica, v.38, n.2, p , 2007 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE. COSTA, N. V. et al. Avaliação da vida de prateleira de grãos de café torrado e torrado e moído. In. SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFG PIBIC, 19., 2011, Anais... Goiânia. EMBRAPA- Mandioca e Fruticultura. Disponível em: <http://www.cnpmf.embrapa.br/ind ex.php?p=perguntas_e_respostas-abacaxi.php>. Acesso em: 28. mar INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Métodos fisico-químicos para análise de alimentos. 4ª. ed. 1ª ed. digital. São Paulo-SP, p LOBATO, M. F. Estudo do envase a vácuo de produtos cárneos curados e cozidos. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Química) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, MAGRO, N. G. D. et al. Comparação físico-química de frutos congelados de butiá eriospatha (mart.) becc. do paraná e santa catarina Brasil. Revista Varia Scientia. v. 06, n. 11, p AGRADECIMENTOS O presente trabalho foi realizado com o apoio da UFT.

Avaliação de parâmetros de qualidade de doce em massa e das matérias primas utilizadas na formulação

Avaliação de parâmetros de qualidade de doce em massa e das matérias primas utilizadas na formulação RESUMO Avaliação de parâmetros de qualidade de doce em massa e das matérias primas utilizadas na formulação Cristina Pereira de SÁ 1 ; Cláudia Helena de MAGALHÃES 2, Wellingta C. Almeida do Nascimento

Leia mais

QUALIDADE DA FARINHA DE MANDIOCA COMERCIALIZADA NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO ACRE S. da S. Torres 2, M. T. Furtado 1,

QUALIDADE DA FARINHA DE MANDIOCA COMERCIALIZADA NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO ACRE S. da S. Torres 2, M. T. Furtado 1, QUALIDADE DA FARINHA DE MANDIOCA COMERCIALIZADA NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO ACRE S. da S. Torres 2, M. T. Furtado 1, 1- Engenheira Agrônoma pela Universidade Federal do Acre (UFAC), Rio Branco, AC, Brasil.

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DA FARINHA DE MANDIOCA PRODUZIDA EM DIFERENTES ESTADOS DO PAÍS.

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DA FARINHA DE MANDIOCA PRODUZIDA EM DIFERENTES ESTADOS DO PAÍS. AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DA FARINHA DE MANDIOCA PRODUZIDA EM DIFERENTES ESTADOS DO PAÍS. L. de O. COSTA 1, L. BARROS 2, M. M. de O. SILVA 3. 1. Graduanda pela Universidade Federal do Ceará, Departamento

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE SUCO DE CAJU. Iwalisson Nicolau de Araújo 1 Graduando em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Paraíba.

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE SUCO DE CAJU. Iwalisson Nicolau de Araújo 1 Graduando em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Paraíba. ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE SUCO DE CAJU Iwalisson Nicolau de Araújo Graduando em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Paraíba. Maria Janaina de Oliveira Mestranda em Engenharia em Engenharia

Leia mais

BIOQUÍMICA DO PESCADO

BIOQUÍMICA DO PESCADO BIOQUÍMICA DO PESCADO Aula 6 Profa. Elaine Cristina Santos BROMATOLOGIA A Bromatologia estuda os alimentos, sua composição química, sua ação no organismo, seu valor alimentício e calórico, suas propriedades

Leia mais

OBTENÇÃO DE GELÉIA DE AÇAÍ BRANCO (Euterpe oleracea, Mart Var. Branco)

OBTENÇÃO DE GELÉIA DE AÇAÍ BRANCO (Euterpe oleracea, Mart Var. Branco) OBTENÇÃO DE GELÉIA DE AÇAÍ BRANCO (Euterpe oleracea, Mart Var. Branco) 1 Liana da Silva COUTO 1 Rafaela de Carvalho BAPTISTA 2 Claudia Veluma Piani das Neves COSTA 3 Rafaella de Andrade MATTIETTO 4 Marco

Leia mais

Caracterização físico-química e microbiológica de farinha de inhame durante o armazenamento em diferentes embalagens

Caracterização físico-química e microbiológica de farinha de inhame durante o armazenamento em diferentes embalagens SCIENTIA PLENA VOL. 7, NUM. 11 2011 www.scientiaplena.org.br Caracterização físico-química e microbiológica de farinha de inhame durante o armazenamento em diferentes embalagens A. C. M. S. Aquino¹; J.

Leia mais

Processamento mínimo de mandioca: uma alternativa para os produtores familiares de Canoinhas SC e região (1).

Processamento mínimo de mandioca: uma alternativa para os produtores familiares de Canoinhas SC e região (1). Processamento mínimo de mandioca: uma alternativa para os produtores familiares de Canoinhas SC e região (1). Aline Aparecida de Lima (2) ; Cleoci Beninca (3) ; Ineuza Michels Marçal (4) Resumo Expandido

Leia mais

QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E CULINÁRIA DE MANDIOCA DOURADA ORGÂNICA MINIMAMENTE PROCESSADA

QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E CULINÁRIA DE MANDIOCA DOURADA ORGÂNICA MINIMAMENTE PROCESSADA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E CULINÁRIA DE MANDIOCA DOURADA ORGÂNICA MINIMAMENTE PROCESSADA Luciana Alves de OLIVEIRA 1 ; Eliseth de Souza VIANA 1 ; Jaeveson da SILVA 1 ; Tatiane da Silva

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital Espessare

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital Espessare FICHA DE ESPECIFICAÇÃO BemVital Espessare IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

Concentração do Extrato Hidrossolúvel de Soja

Concentração do Extrato Hidrossolúvel de Soja Concentração do Extrato Hidrossolúvel de Soja Leila Mendes da Luz (UTFPR) mendes.leila@yahoo.com.br Marli da Silva Santos (UTFPR) abiquim@bol.com.br Maria Helene Canteri Schemin (UTFPR) mhelene5@hotmail.com

Leia mais

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Segurança Alimentar e Curso: Técnico em Agroindústria Professora: Roberta M. D. Cardozo Segurança Alimentar Grupos ou espécies de microrganismos

Leia mais

Área: Tecnologia de Alimentos SECAGEM DE BANANA EM ESTUFA COMO MÉTODO DE CONSERVAÇÃO

Área: Tecnologia de Alimentos SECAGEM DE BANANA EM ESTUFA COMO MÉTODO DE CONSERVAÇÃO 1/5 Área: Tecnologia de Alimentos SECAGEM DE BANANA EM ESTUFA COMO MÉTODO DE CONSERVAÇÃO Fernanda Jaqueline Menegusso,Ângela Broca, Amauri Anzolin Viecili, Dermânio Tadeu Lima Ferreira * Laboratório de

Leia mais

ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO CENTESIMAL DE BARRAS DE FRUTAS DESIDRATADAS COM ADIÇÃO DE CASCAS

ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO CENTESIMAL DE BARRAS DE FRUTAS DESIDRATADAS COM ADIÇÃO DE CASCAS ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO CENTESIMAL DE BARRAS DE FRUTAS DESIDRATADAS COM ADIÇÃO DE CASCAS M. M. de BRITO 1, A. L. O. SOUSA 1, R. S. V. LIMA 1, L. S. L. LIMA 2, V. L. de FARIAS 2, M. C. F. BARBOSA 2 1 Instituto

Leia mais

Nedio Jair Wurlitzer Eng. Alimentos / DSc. 10 de dezembro de 2013.

Nedio Jair Wurlitzer Eng. Alimentos / DSc. 10 de dezembro de 2013. Nedio Jair Wurlitzer Eng. Alimentos / DSc. 10 de dezembro de 2013. Laboratórios Análise de solo, água e planta Biologia molecular Gestão ambiental e resíduos Cultura de tecidos e genética vegetal Análise

Leia mais

Discente do curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Instituto Federal de Educação, Ciência e

Discente do curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Instituto Federal de Educação, Ciência e APROVEITAMENTO DO CO-PRODUTO DO PROCESSAMENTO DE GOIABA (PSIDIUM GUAJAVA): CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DA FARINHA E SEU POTENCIAL NO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS A.B. da Silva 1, S.C.S.E. de Paula

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE POLPA DE ACEROLA IN NATURA E LIOFILIZADA PARA PREPARAÇÃO DE SORVETES

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE POLPA DE ACEROLA IN NATURA E LIOFILIZADA PARA PREPARAÇÃO DE SORVETES CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE POLPA DE ACEROLA IN NATURA E LIOFILIZADA PARA PREPARAÇÃO DE SORVETES C. C. de S. BERY 1*, A. C. A. VIEIRA 2, N. C. GUALBERTO 1, A. A. de CASTRO 3, G. F. da SILVA 4, E.

Leia mais

Comunicado 206 Técnico

Comunicado 206 Técnico Comunicado 206 Técnico ISSN 1679-6535 Dezembro, 2013 Fortaleza, CE Raiz Tuberosa de Yacon (Smallanthus sonchifolius): Obtenção de Extrato com Manutenção das suas Propriedades Nutricionais e Inativação

Leia mais

PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO CENTESIMAL E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE FARINHA DE BERINJELA (Solanum melongena, L.)

PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO CENTESIMAL E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE FARINHA DE BERINJELA (Solanum melongena, L.) PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO CENTESIMAL E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE FARINHA DE BERINJELA (Solanum melongena, L.) Taila Possetti 1, Mariana Borges de Lima Dutra 2 1 Aluna do curso de Tecnologia em Alimentos do

Leia mais

PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE

PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE Carla M. de MORAES 1

Leia mais

COMPOTA DE ABACAXI ADICIONADO DE DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE CANELA EM PAU

COMPOTA DE ABACAXI ADICIONADO DE DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE CANELA EM PAU COMPOTA DE ABACAXI ADICIONADO DE DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE CANELA EM PAU ALVES, M. J. DOS S. 1, SANTANA NETO, D. C. 1, ALVES, A. M. A. 1, BEZERRA, J. M. 2, SANTOS, A. F. 3 1 Graduandos em Engenharia

Leia mais

Todos os Cursos. Nome do curso Tipo de curso Carga horária Descrição

Todos os Cursos. Nome do curso Tipo de curso Carga horária Descrição Confeiteiro 240 horas Cozinheiro industrial 320 horas Profissional Confeiteiro você vai estudar sobre a fabricação de doces por meio do preparo de massas, coberturas e recheios. Também vai conhecer regras

Leia mais

ANÁLISE SENSORIAL E MICROBIÓLOGICA DE MASSA ALIMENTICIA MISTA ESTABILIZADA

ANÁLISE SENSORIAL E MICROBIÓLOGICA DE MASSA ALIMENTICIA MISTA ESTABILIZADA ANÁLISE SENSORIAL E MICROBIÓLOGICA DE MASSA ALIMENTICIA MISTA ESTABILIZADA Rebeca de Lima DANTAS 1, Carlos Antônio Pereira LIMA 2, Ana Paula Trindade ROCHA 3 1 Rebeca de Lima Dantas, aluna de mestrado

Leia mais

Pesquisa de microrganismos indicadores de condições higiênico sanitárias em água de coco

Pesquisa de microrganismos indicadores de condições higiênico sanitárias em água de coco Pesquisa de microrganismos indicadores de condições higiênico sanitárias em água de coco Nome dos autores: Carolina Rosa Carrilho de Castro Carolina Rosa Carrilho de Castro; Aluna do Curso de Engenharia

Leia mais

PROCESSAMENTO E ACEITABILIDADE DE BEBIDA MISTA DE EXTRATO LEITE DE BABAÇU E DE CASTANHA-DO-BRASIL

PROCESSAMENTO E ACEITABILIDADE DE BEBIDA MISTA DE EXTRATO LEITE DE BABAÇU E DE CASTANHA-DO-BRASIL a 9 de novembro de 13 Campus de Palmas PROCESSAMENTO E ACEITABILIDADE DE BEBIDA MISTA DE EXTRATO LEITE DE BABAÇU E DE CASTANHA-DO-BRASIL Bruna Lorena Aguiar Carneiro 1 ; Aroldo Arévalo Pinedo. 1 Aluna

Leia mais

Universidade Regional de Blumenau, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química. para contato: daniane

Universidade Regional de Blumenau, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química.  para contato: daniane ESTUDO DO COMPORTAMENTO MICROBIOLÓGICO E FÍSICO- QUÍMICO DA LINGUIÇA BLUMENAU ENQRIQUECIDA COM FARINHA DE PUPUNHA ARMAZENADA EM DIFERENTES TEMPERATUTAS D. A. LEMOS 1, I. A. PAULO 2, L. F. CARVALHO 1, S.

Leia mais

Curso de Ensino à Distância - CERAT

Curso de Ensino à Distância - CERAT Curso de Ensino à Distância - CERAT PRODUÇÃO DE MANDIOCA DESCASCADA E SANITIZADA (MINIMAMENTE PROCESSADA) Educador: Dr. Marcelo Álvares de Oliveira Pesquisador CERAT 2006 DETALHES DA CONSTRUÇÃO, DA INSTALAÇÃO

Leia mais

Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais. Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné

Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais. Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné 31-06-2016 Introdução A qualidade dos alimentos é um conceito que tem vindo a despertar o interesse

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 7CTDTQAMT06-p AVALIAÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA DE 10 AMOSTRAS DE SORVETE DE CHOCOLATE FABRICADO POR UMA INDÚSTRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB Dayana do Nascimento Ferreira (1) ; Natália Pires Ramos (1),

Leia mais

PROCESSAMENTO E RENDIMENTO INDUSTRIAL DA BATATA CHIPS E PALHA - CONTROLE DA QUALIDADE

PROCESSAMENTO E RENDIMENTO INDUSTRIAL DA BATATA CHIPS E PALHA - CONTROLE DA QUALIDADE Iº Seminário sobre o Processamento da Batata ABASMIG/EPAMIG PROCESSAMENTO E RENDIMENTO INDUSTRIAL DA BATATA CHIPS E PALHA - CONTROLE DA QUALIDADE Regina Kitagawa Grizotto Eng.ª de Alimentos, Drª, PqC ITAL/FRUTHOTEC

Leia mais

Especificação Técnica Sabmix Sabugo Moído

Especificação Técnica Sabmix Sabugo Moído 26/10/26 1.Objetivo Fixar as condições de aceitação o Sabmix e suas principais características físico-químicas, microbiológica, sensoriais, microscópica e macroscópica, granulometria, bem como outras propriedades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IDENTIFICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS ITAJAÍ PLANO DE ENSINO Unidade Curricular:

Leia mais

Composição química do café submetido ao processo de descafeinação.

Composição química do café submetido ao processo de descafeinação. Composição química do café submetido ao processo de descafeinação. AUTORES: E. M. Oliveira 1, (MESTRADO) S. T. Alvarenga 2, (DOUTORADO) L.M. C. Gomes 3, (MESTRADO) L. A. Vale 4, (MESTRADO) R. G. F. A.

Leia mais

EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO

EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO Virgínia de Souza ÁLVARES 1 ; Joana Maria Leite de SOUZA 1 ; Jacson Rondinelli da Silva NEGREIROS 1 ; Lauro Saraiva

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUÍMICA DE BARU (Dipteryx alata Vog.) DA REGIÃO SUL DO ESTADO DE GOIÁS

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUÍMICA DE BARU (Dipteryx alata Vog.) DA REGIÃO SUL DO ESTADO DE GOIÁS CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E QUÍMICA DE BARU (Dipteryx alata Vog.) DA REGIÃO SUL DO ESTADO DE GOIÁS Jean Carlos Rodrigues LIMA; Adriana Regia Marques de SOUZA; Katiuchia Pereira TAKEUCHI ESCOLA DE AGRONOMIA

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL DESCRIÇÃO: Produto preparado a partir das cultivares de Solanum tuberosum. Deverão apresentar-se frescas, limpas, sãs, no estado de maturação industrial conveniente, lavadas, peladas, cortadas, calibradas

Leia mais

FARINHA DE BANANA VERDE: TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO, ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL.

FARINHA DE BANANA VERDE: TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO, ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL. FARINHA DE BANANA VERDE: TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO, ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL. Clara Andrezza. C. B. Costa (1); João Paulo Gollner-Reis (1); João Victor L. Santos (2); Lucas Gabriel

Leia mais

ACEITAÇÃO SENSORIAL DE CHIPS DE BATATA-DOCE (IPOMOEA BATATAS) E INHAME (DIOSCOREA SPP) FRITOS EM OLEÍNA E ESTEARINA DE PALMA

ACEITAÇÃO SENSORIAL DE CHIPS DE BATATA-DOCE (IPOMOEA BATATAS) E INHAME (DIOSCOREA SPP) FRITOS EM OLEÍNA E ESTEARINA DE PALMA XII Congresso Latino-Americano de Óleos e Gorduras Centro de Convenções Centro Sul Florianópolis - SC ACEITAÇÃO SENSORIAL DE CHIPS DE BATATA-DOCE (IPOMOEA BATATAS) E INHAME (DIOSCOREA SPP) FRITOS EM OLEÍNA

Leia mais

Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos

Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos Atendimento tecnológico a empresas do setor de alimentos através de laboratório móvel PRUMO RS/Alimentos 2 o Simpósio de Segurança Alimentar Debatendo Qualidade Bento Gonçalves, 20-22/8/2008 1.Introdução

Leia mais

Camila Bonissoni. Profª Drª M. Manuela C. Feltes Profª Drª Giniani C. Dors Me Andréia Dalla Rosa Catia Lohmann Erig Luana Gonçalves Dorli M.

Camila Bonissoni. Profª Drª M. Manuela C. Feltes Profª Drª Giniani C. Dors Me Andréia Dalla Rosa Catia Lohmann Erig Luana Gonçalves Dorli M. Camila Bonissoni Profª Drª M. Manuela C. Feltes Profª Drª Giniani C. Dors Me Andréia Dalla Rosa Catia Lohmann Erig Luana Gonçalves Dorli M. Da Croce Dentre os óleos vegetais comestíveis comercializados

Leia mais

POLPA DE FRUTA NÉCTAR SUCO

POLPA DE FRUTA NÉCTAR SUCO ZEA 0666 / 2012 Tecnologia de Produtos Vegetais POLPA DE FRUTA NÉCTAR SUCO Padrões de Identidade e Tecnologias de Processamento POLPA DE FRUTA PURÊ Produto obtido pelo esmagamento da parte comestível de

Leia mais

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE SORVETE COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DA FARINHA DE MACAÚBA

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE SORVETE COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DA FARINHA DE MACAÚBA AVALIAÇÃO SENSORIAL DE SORVETE COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DA FARINHA DE MACAÚBA Mônica Rocha de Sousa 1 ; Thayane Sabino Nogueira 1 ; Adryze Gabrielle Dorasio de Souza 2 ; Sônia de Oliveira Duque Paciulli

Leia mais

Especificação Técnica Fecomix 425 Integral Farinha de Milho Inteiro

Especificação Técnica Fecomix 425 Integral Farinha de Milho Inteiro 1.Objetivo Fixar as condições de aceitação o Fecomix 425 Integral e suas principais características físico-químicas, microbiológica, sensoriais, microscópica e macroscópica, granulometria, bem como outras

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA QUÍMICA DAS POLPAS DE GOIABA (PSIDIUM GUAJAVA L.), COMERCIALIZADAS EM TERESINA PI.

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA QUÍMICA DAS POLPAS DE GOIABA (PSIDIUM GUAJAVA L.), COMERCIALIZADAS EM TERESINA PI. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA QUÍMICA DAS POLPAS DE GOIABA (PSIDIUM GUAJAVA L.), COMERCIALIZADAS EM TERESINA PI. Luana Fernanda Soares de SOUSA (1); Dilson Cristino da Costa REIS (2); Francisco Wenner de Sousa

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 7CTDTQAMT05-P QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DE 10 AMOSTRAS DE POLPA DE AÇAÍ CONGELADA FABRICADA POR UMA INDÚSTRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB Natália Pires Ramos (1), Dayana do Nascimento Ferreira (1),

Leia mais

PRODUÇÃO DE FARINHA A PARTIR DOS FRUTOS DE MUTAMBA (GUAZUMA ULMIFOLIA LAM.)

PRODUÇÃO DE FARINHA A PARTIR DOS FRUTOS DE MUTAMBA (GUAZUMA ULMIFOLIA LAM.) PRODUÇÃO DE FARINHA A PARTIR DOS FRUTOS DE MUTAMBA (GUAZUMA ULMIFOLIA LAM.) R.Q. Assis 1, K.L. Andrade 2, M.M da Silva 1, A. de O. Rios 1, E.C. de Souza 3 1-Departamento de Ciências dos Alimentos Universidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE QUÍMICA E MICROBIOLOGICA DE FARINHA DE BAGAÇO DE UVA

DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE QUÍMICA E MICROBIOLOGICA DE FARINHA DE BAGAÇO DE UVA DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE QUÍMICA E MICROBIOLOGICA DE FARINHA DE BAGAÇO DE UVA R.M. Oliveira 2, N. S.Teixeira 1, C. S Ferreira 2, M. V. Mano 3, E.C.S. Lima 3 1- Nutricionistas, graduada pela Universidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANÃ Secretaria Municipal de Educação CNPJ/ /

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANÃ Secretaria Municipal de Educação CNPJ/ / PAUTA DOS GENEROS ALIMENTICIOS REFERENTE A 10 PARCELAS DE 2015. PROGRAMAS DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAEF, PANEP, PANE EJA, PANE- MEDIO E MAIS EDUCAÇÃO. TERMO DE REFERENCIA ITE DESCRIÇÃO / MARCA / VALIDADE

Leia mais

A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS

A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS Profa Dra Maria Tercília Vilela de Azeredo Oliveira Profa. Rosana Silistino de Souza tercilia@ibilce.unesp.br; rosanass@ibilce.unesp.br

Leia mais

Prêmio Jovem Cientista

Prêmio Jovem Cientista 1 Prêmio Jovem Cientista Linhas de Pesquisa: Cuidados com a saúde e nutrição nos esportes ELABORAÇÃO DE FARINHAS INTEGRAIS ENRIQUECIDA COM FRUTOS DO CERRADO (BARU) VISANDO ATENDER AS NECESSIDADES NUTRICIONAIS

Leia mais

DA ACIDEZ TITULÁVEL DOS SOROS DOS QUEIJOS MINAS FRESCAL E MUSSARELA EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE TEMPERATURA E TEMPO DE ESTOCAGEM.

DA ACIDEZ TITULÁVEL DOS SOROS DOS QUEIJOS MINAS FRESCAL E MUSSARELA EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE TEMPERATURA E TEMPO DE ESTOCAGEM. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL HIDROGENIÔNICO (ph) E DA ACIDEZ TITULÁVEL DOS SOROS DOS QUEIJOS MINAS FRESCAL E MUSSARELA EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE TEMPERATURA E TEMPO DE ESTOCAGEM. G.S.P. CARDOSO 1, E.S.NICOLAU

Leia mais

Qualidade de grãos de duas cultivares de arroz de terras altas produzidas em Minas Gerais

Qualidade de grãos de duas cultivares de arroz de terras altas produzidas em Minas Gerais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Qualidade de grãos de duas cultivares de arroz de terras altas produzidas em Minas Gerais Iracema Clara Alves Luz (1), João Roberto

Leia mais

AULA PRÁTICA PARA DETECÇÃO DA PRESENÇA OU NÃO DE AMIDO EM DOIS TIPOS DE QUEIJOS COMERCIALIZADOS NA FEIRA CENTRAL DE CAMPINA GRANDE-PB

AULA PRÁTICA PARA DETECÇÃO DA PRESENÇA OU NÃO DE AMIDO EM DOIS TIPOS DE QUEIJOS COMERCIALIZADOS NA FEIRA CENTRAL DE CAMPINA GRANDE-PB AULA PRÁTICA PARA DETECÇÃO DA PRESENÇA OU NÃO DE AMIDO EM DOIS TIPOS DE QUEIJOS COMERCIALIZADOS NA FEIRA CENTRAL DE CAMPINA GRANDE-PB Luan Matheus Cassimiro; Romildo Lima Souza; Raphael de Andrade Braga;

Leia mais

Conservação de pimentas (Capsicum sp.) em diferentes formulações e qualidade microbiológica durante o armazenamento

Conservação de pimentas (Capsicum sp.) em diferentes formulações e qualidade microbiológica durante o armazenamento Conservação de pimentas (Capsicum sp.) em diferentes formulações e qualidade microbiológica durante o armazenamento Murilo Camargo Gaiotto (1), Cleide Maria Ferreira Pinto (2), Cláudia Lúcia de Oliveira

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO ITEM 1 CÓDIGO: 10.309 ESPECIFICAÇÃO ÓLEO DE SOJA, Tipo 1 - Embalagem com 900 ml. ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO Óleo vegetal de soja, refinado, tendo sofrido processo tecnológico adequado com

Leia mais

ESTUDO DA SECAGEM DE SILAGEM DE PESCADO EM SECADOR DE BANDEJA E LIOFILIZADOR

ESTUDO DA SECAGEM DE SILAGEM DE PESCADO EM SECADOR DE BANDEJA E LIOFILIZADOR ESTUDO DA SECAGEM DE SILAGEM DE PESCADO EM SECADOR DE BANDEJA E LIOFILIZADOR V. A. PEREIRA JUNIOR 1, P. N. CRUZ 1 e G. A. S. GOULART 2 1 Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia

Leia mais

ELABORAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE BARRAS DE CEREAIS ELABORADAS COM RESÍDUO SÓLIDO DE CERVEJARIA

ELABORAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE BARRAS DE CEREAIS ELABORADAS COM RESÍDUO SÓLIDO DE CERVEJARIA ELABORAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE BARRAS DE CEREAIS ELABORADAS COM RESÍDUO SÓLIDO DE CERVEJARIA MOREIRA, Lidiane Muniz¹; REDMER, Mônica Beatriz Barz²; KÖHLER, Gerson Luis Bartz ³ ; CHIM, Josiane Freitas 4

Leia mais

QUEIJO TIPO MINAS FRESCAL COM COLÁGENO HIDROLISADO E ORÉGANO: TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO E AVALIAÇÃO SENSORIAL

QUEIJO TIPO MINAS FRESCAL COM COLÁGENO HIDROLISADO E ORÉGANO: TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO E AVALIAÇÃO SENSORIAL QUEIJO TIPO MINAS FRESCAL COM COLÁGENO HIDROLISADO E ORÉGANO: TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO E AVALIAÇÃO SENSORIAL Clara Andrezza Crisóstomo Bezerra Costa 1 ; João Victor Laurindo dos Santos 2 ; Maria Marcela

Leia mais

FICHA TÉCNICA TP.PLO.FT.02/REV.00/

FICHA TÉCNICA TP.PLO.FT.02/REV.00/ DESCRIÇÃO DO PRODUTO Pão de Ló Original - Pequeno Peso líquido 500 gr Cor Castanho claro Formato Redondo Textura Fofa Dimensões ø20cm/a:4,5cm Cheiro e Sabor Característicos Prazo de Validade 12 dias INGREDIENTES

Leia mais

Composição centesimal de azeitonas e perfil de ácidos graxos de azeite de oliva de quatro cultivares de oliveira

Composição centesimal de azeitonas e perfil de ácidos graxos de azeite de oliva de quatro cultivares de oliveira Seminário de Iniciação Cientifica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Composição centesimal de azeitonas e perfil de ácidos graxos de azeite de oliva de quatro cultivares de oliveira Tatielle Custódio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FORMULAÇÃO DE REQUEIJÃO CREMOSO COM BAIXO TEOR DE SÓDIO E DE GORDURAS

DESENVOLVIMENTO DE FORMULAÇÃO DE REQUEIJÃO CREMOSO COM BAIXO TEOR DE SÓDIO E DE GORDURAS DESENVOLVIMENTO DE FORMULAÇÃO DE REQUEIJÃO CREMOSO COM BAIXO TEOR DE SÓDIO E DE GORDURAS MYLA ALEXANDRA SIMÃO DUARTE 1,2, LEIDIANE JOSI BUDEL 3, THAIS LARA MATHEUS², LETICIA HÜBSCHER², JUCIELI WEBER 4*

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000) RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 14, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000) (Revogada pela Resolução RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000) Dispõe sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso: Farmácia Disciplina: Bromatologia Professor(es): Eder de Carvalho Pincinato DRT: 1134997 Código da Disciplina: 061.1401.6 Etapa: 4

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE CINZAS EM DIVERSOS ALIMENTOS. Brusque/SC

DETERMINAÇÃO DE CINZAS EM DIVERSOS ALIMENTOS. Brusque/SC DETERMINAÇÃO DE CINZAS EM DIVERSOS ALIMENTOS Heiden, Thaisa 1 ; Gonçalves, Luana 1 ; Kowacic, Júlia 1 ; Dalla Rosa, Andréia 1 ; Dors, Giniani Carla 1 ; Feltes, Maria Manuela Camino 2 1 Instituto Federal

Leia mais

Água de Coco Verde Refrigerada. Lourdes Maria Corrêa Cabral Edmar das Mercês Penha Virgínia Martins da Matta

Água de Coco Verde Refrigerada. Lourdes Maria Corrêa Cabral Edmar das Mercês Penha Virgínia Martins da Matta Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria de Alimentos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Água de Coco Verde Refrigerada Lourdes Maria Corrêa Cabral Edmar das Mercês

Leia mais

A Energia que vem do campo Linha de Produtos

A Energia que vem do campo Linha de Produtos A Energia que vem do campo Linha de Produtos CASTELHANO Santa Cecília 10 anos Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil Missão Participar do desenvolvimento sustentável do planeta

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DE UM ALIMENTO TIPO BARRA ZERO AÇÚCAR À BASE DE BATATA-DOCE

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DE UM ALIMENTO TIPO BARRA ZERO AÇÚCAR À BASE DE BATATA-DOCE CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA DE UM ALIMENTO TIPO BARRA ZERO AÇÚCAR À BASE DE BATATA-DOCE R.L. Crizel 1, N.A.Madruga 1, M.D.Antunes 1, G.M.Leitske 1, M.R.G.Machado 2, R. da S.Rodrigues 2 1-Bacharel em Química

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE FARINHAS ORIUNDAS DE SEMENTES DE MORINGA E PAU-FERRO

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE FARINHAS ORIUNDAS DE SEMENTES DE MORINGA E PAU-FERRO ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE FARINHAS ORIUNDAS DE SEMENTES DE MORINGA E PAU-FERRO Ellen Caroline Santos Lima 1 ; Emanoel Artur Bezerra da Silva 2 ; Raissa Dias Cavalcante 3 ; Rafael Rocha de Lima 4 ; Sayonara

Leia mais

Anais do 1º Seminário sobre Criação de Abelhas & 1 Economia Solidária, Estado do Rio de Janeiro 2008 UFRRJ Seropédica, RJ, Brasil

Anais do 1º Seminário sobre Criação de Abelhas & 1 Economia Solidária, Estado do Rio de Janeiro 2008 UFRRJ Seropédica, RJ, Brasil Anais do 1º Seminário sobre Criação de Abelhas & 1 Análises Físico-Químicas de Méis de Apis mellifera & Tetragonisca angustula da Costa Verde, Estado do Rio de Janeiro* 1 Gustavo Belucci, 2 Laerte Azeredo

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICO QUÍMICAS, NUTRICIONAIS E VIDA ÚTIL DE JILÓ (Solanum gilo Raddi) RESUMO

CARACTERÍSTICAS FÍSICO QUÍMICAS, NUTRICIONAIS E VIDA ÚTIL DE JILÓ (Solanum gilo Raddi) RESUMO CARACTERÍSTICAS FÍSICO QUÍMICAS, NUTRICIONAIS E VIDA ÚTIL DE JILÓ (Solanum gilo Raddi) Maria Madalena Rinaldi 1 ; Marcelo Pinheiro Gonçalves 2 1 Químico Industrial, UnUCET/Anápolis - GO. 2 Docente do Curso

Leia mais

Introdução a Análise de Alimentos

Introdução a Análise de Alimentos Curso: Farmácia Disciplina: Análise de Alimentos Professora: Priscila Cerqueira FARMÁCIA UMA HISTÓRIA... Os farmacêuticos são profissionais da saúde de tradição milenar, sucessores dos boticários (termo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E MEDIDAS INSTRUMENTAIS DO DOCE DE CORTE DE GOIABA E MARACUJÁ

AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E MEDIDAS INSTRUMENTAIS DO DOCE DE CORTE DE GOIABA E MARACUJÁ AVALIAÇÃO FISICO-QUIMICA E MEDIDAS INSTRUMENTAIS DO DOCE DE CORTE DE GOIABA E MARACUJÁ Rafaela Duarte Almeida Araújo 1 ; Renata Duarte Almeida 2 ; Anastácia Maria Mikaella Campos Nóbrega André 3 ; Ruth

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 Taise Pacheco Paganini 2 ; Janaina Emerim de Souza 3 ; Naracelis Poletto

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PRODUTO REESTRUTURADO (HAMBÚRGUER BOVINO) CONTENDO SUBPRODUTOS DA AGROINDÚSTRIA E INGREDIENTES FUNCIONAIS RESUMO

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PRODUTO REESTRUTURADO (HAMBÚRGUER BOVINO) CONTENDO SUBPRODUTOS DA AGROINDÚSTRIA E INGREDIENTES FUNCIONAIS RESUMO 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PRODUTO REESTRUTURADO (HAMBÚRGUER BOVINO) CONTENDO

Leia mais

ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS

ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS 26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS Nome dos autores: Jemima Santos Pessoa 1 ; Aurélio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE BEBIDA ALCOÓLICA FERMENTADA OBTIDA A PARTIR DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS

DESENVOLVIMENTO DE BEBIDA ALCOÓLICA FERMENTADA OBTIDA A PARTIR DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS DESENVOLVIMENTO DE BEBIDA ALCOÓLICA FERMENTADA OBTIDA A PARTIR DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS L. I. F. PINTO¹, M. M. N. ARAÚJO¹, N. M. AMARAL¹, S. C. P. MELO¹, R. A. ZAMBELLI¹ e D. F. PONTES¹. ¹ Universidade

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

Obtenção e avaliação de parâmetros físico-químicos da polpa de goiaba (Psidium guajava L.), cultivar Paluma

Obtenção e avaliação de parâmetros físico-químicos da polpa de goiaba (Psidium guajava L.), cultivar Paluma Obtenção e avaliação de parâmetros físico-químicos da polpa de goiaba (Psidium guajava L.), cultivar Paluma Edmilson César da SILVA¹; Claudia Helena de MAGALHÃES 2 ; Rogério Amaro GONÇALVES 2 1 Estudante

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FARINHA DE FRUTA OBTIDA POR MEIO DA SECAGEM SOLAR CONVECTIVA DE CASCAS DE MEXERICA

AVALIAÇÃO DA FARINHA DE FRUTA OBTIDA POR MEIO DA SECAGEM SOLAR CONVECTIVA DE CASCAS DE MEXERICA AVALIAÇÃO DA FARINHA DE FRUTA OBTIDA POR MEIO DA SECAGEM SOLAR CONVECTIVA DE CASCAS DE MEXERICA L. H. S. BONTEMPO 1, R. N. SILVA 1, V. S. CARDOSO 2, L.V. CASTEJON 2, K. G. SANTOS 1 1 Universidade Federal

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Natália G. T. MAGALHÃES ; Clécia de P. ALVES ; Miller M. SANCHES ; Valdirene P. COSTA RESUMO A escola tem um importante

Leia mais

3.1. Como varia com a temperatura? A pressão de vapor aumenta com o aumento da temperatura e diminui com a diminuição da temperatura.

3.1. Como varia com a temperatura? A pressão de vapor aumenta com o aumento da temperatura e diminui com a diminuição da temperatura. 1. Qual a importância da água para a conservação de alimentos? O que você espera da remoção da água dos alimentos no que diz respeito à sua conservação? A água é um importante veículo para ocorrência de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE REFRIGERANTE SABOR ABACAXI (ANANÁS COMOSUS) COM HORTELÃ (MENTHA X VILLOSA)

DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE REFRIGERANTE SABOR ABACAXI (ANANÁS COMOSUS) COM HORTELÃ (MENTHA X VILLOSA) DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE REFRIGERANTE SABOR ABACAXI (ANANÁS COMOSUS) COM HORTELÃ (MENTHA X VILLOSA) M. M. O. Paula 1, M.P.Silva 2, D. J. Reis 3, V.R.O. Silva 4, F. C. Oliveira 5, M. H. L. Silva

Leia mais

COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE EMPANADOS ELABORADOS A PARTIR DE CARNE DE CARPA HÚNGARA (CYPRINUS CARPIO L.) 1

COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE EMPANADOS ELABORADOS A PARTIR DE CARNE DE CARPA HÚNGARA (CYPRINUS CARPIO L.) 1 COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE EMPANADOS ELABORADOS A PARTIR DE CARNE DE CARPA HÚNGARA (CYPRINUS CARPIO L.) 1 Fabiana Pieniz Didonet 2, Carolina Almeida Bragato 3, Raul Vicenzi 4. 1 Estudo vinculado a pesquisa

Leia mais

Armazenamento de amêndoas de castanha de caju: influência da embalagem e da salga 1

Armazenamento de amêndoas de castanha de caju: influência da embalagem e da salga 1 Armazenamento de amêndoas de castanha de caju: influência da embalagem e da salga 1 Cashew nut kernel storage: influence of packaging and salting....... Janice Ribeiro Lima 2 e Maria de Fátima Borges 3...

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DE TRATAMENTO PRÉVIO NA ACEITAÇÃO DA APARÊNCIA E DO SABOR DE CASCA DE MELANCIA DESIDRATADA OSMOTICAMENTE

AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DE TRATAMENTO PRÉVIO NA ACEITAÇÃO DA APARÊNCIA E DO SABOR DE CASCA DE MELANCIA DESIDRATADA OSMOTICAMENTE AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DE TRATAMENTO PRÉVIO NA ACEITAÇÃO DA APARÊNCIA E DO SABOR DE CASCA DE MELANCIA DESIDRATADA OSMOTICAMENTE Rita Maria de Brito Barroso 1, Afonso Alves de Souza Filho 1, Elisandra

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DO ABACAXI. Juliana Bortolatto 1. Juliana Lora 2

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DO ABACAXI. Juliana Bortolatto 1. Juliana Lora 2 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DO ABACAXI (Ananas comosus (L.) merril) LIOFILIZADO E IN NATURA Juliana Bortolatto 1 Juliana Lora 2 RESUMO Os dados sobre a composição química dos alimentos são muitos

Leia mais

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA O PAPEL DA ANVISA NA FISCALIZAÇÃO DA SEGURANÇA A DOS ALIMENTOS NO BRASIL III SEMINÁRIO PRO TESTE DE DEFESA DO CONSUMIDOR Alimentos: o consumidor está seguro? Gerência

Leia mais

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Profa. Gladis Ferreira Corrêa

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Profa. Gladis Ferreira Corrêa Profa. Angélica Pinho Zootecnista Fones: 3243-7300 Email: angelicapinho@unipampa.edu.br Profa. Gladis Ferreira Corrêa Unidade 1. Introdução à tecnologia de alimentos: conceitos fundamentais, definições

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Engenharia Química para contato:

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Engenharia Química  para contato: AVALIAÇÃO QUÍMICA, FÍSICA E REOLÓGICA DO PÓ DE GRAVIOLA OBTIDO A PARTIR DO PROCESSO DE SECAGEM DE MISTURAS DE GRAVIOLA E LEITE EM SECADOR DE LEITO DE JORRO G. F. CARLOS 1, A. K. T. MACHADO 1, T. M. DELMIRO

Leia mais

ESTUDO FISICO-QUIMICO DA FARINHA DE MANDIOCA POR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS

ESTUDO FISICO-QUIMICO DA FARINHA DE MANDIOCA POR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS ESTUDO FISICO-QUIMICO DA FARINHA DE MANDIOCA POR ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS Daniela Popim Miqueloni 1 ; Virgínia de Souza Álvares 2 ; Silvana Fraga da Silva 3 ; Francisco Álvaro Viana Felisberto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos.

RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2011(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos. RESOLUÇÃO Nº 7, DE 18 DE FEVEREIRO DE 11(*) Dispõe sobre limites máximos tolerados (LMT) para micotoxinas em alimentos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição

Leia mais

SECAGEM DE CASCA DE MARACUJÁ AMARELO (Passiflora edulis f Flavicarpa Degener) PARA OBTENÇÃO DE FARINHA E EXTRAÇÃO DA PECTINA POR DIFERENTES ÁCIDOS

SECAGEM DE CASCA DE MARACUJÁ AMARELO (Passiflora edulis f Flavicarpa Degener) PARA OBTENÇÃO DE FARINHA E EXTRAÇÃO DA PECTINA POR DIFERENTES ÁCIDOS SECAGEM DE CASCA DE MARACUJÁ AMARELO (Passiflora edulis f Flavicarpa Degener) PARA OBTENÇÃO DE FARINHA E EXTRAÇÃO DA PECTINA POR DIFERENTES ÁCIDOS Marcielle Martins de Paula¹, Glêndara Aparecida de Souza

Leia mais

03/02/2016. Métodos físicos e instrumentais de análise de alimentos INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, MÉTODOS FÍSICOS

03/02/2016. Métodos físicos e instrumentais de análise de alimentos INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, MÉTODOS FÍSICOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, Disciplina: Análise de Alimentos CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Métodos físicos e instrumentais de análise de alimentos MÉTODOS FÍSICOS Densimetria Densidade é

Leia mais

ELABORAÇÃO DE BISCOITOS TIPO COOKIES UTILIZANDO FARINHA MISTA EXTRUSADA DE GRÃOS QUEBRADOS DE ARROZ E BANDINHA DE FEIJÃO

ELABORAÇÃO DE BISCOITOS TIPO COOKIES UTILIZANDO FARINHA MISTA EXTRUSADA DE GRÃOS QUEBRADOS DE ARROZ E BANDINHA DE FEIJÃO ELABORAÇÃO DE BISCOITOS TIPO COOKIES UTILIZANDO FARINHA MISTA EXTRUSADA DE GRÃOS QUEBRADOS DE ARROZ E BANDINHA DE FEIJÃO Vitória Maria Machado da COSTA 1, Priscila Zaczuk BASSINELLO 2, Eduardo da Costa

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE FILMES MULTICAMADAS PARA ACONDICIONAMENTO DE SALSICHAS RESFRIADAS SEGUNDO A QUALIDADE MICROBIOLÓGICA

CARACTERÍSTICAS DE FILMES MULTICAMADAS PARA ACONDICIONAMENTO DE SALSICHAS RESFRIADAS SEGUNDO A QUALIDADE MICROBIOLÓGICA CARACTERÍSTICAS DE FILMES MULTICAMADAS PARA ACONDICIONAMENTO DE SALSICHAS RESFRIADAS SEGUNDO A QUALIDADE MICROBIOLÓGICA Aline Thomé* Maria Rita Chaves Nogueira** Resumo Produtos resfriados são de alto

Leia mais

Autor (1) Claudiany Silva Leite Lima; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1) Denise Silva do Amaral Miranda.

Autor (1) Claudiany Silva Leite Lima; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1) Denise Silva do Amaral Miranda. AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NAS PROPRIEDADES FÍSICO- QUÍMICAS DO DOCE DE LEITE EM PASTA COMERCIALIZADO EM AÇAILÂNDIA/MA DURANTE A VIDA DE PRATELEIRA DO PRODUTO Autor (1) Claudiany Silva Leite Lima; Autor

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Análise de alimentos. Estágio. Curso Técnico.

PALAVRAS-CHAVE Análise de alimentos. Estágio. Curso Técnico. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO Conservação e Rotulagem de Alimentos 3º Módulo Profª Vivian Pupo de Oliveira Machado ASSEPSIA Recipiente de transporte e de manipulação sujos, falta de cuidado

Leia mais

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da CEAGESP 24 de novembro de 2015 Frutas e hortaliças frescas

Leia mais