Juntas, a Sun Software e a ATRI, disponibilizam ao mercado brasileiro o serviço de Batch Analysis System BAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Juntas, a Sun Software e a ATRI, disponibilizam ao mercado brasileiro o serviço de Batch Analysis System BAS."

Transcrição

1

2 APRESENTAÇÃO A Sun Software Comércio e Representações Ltda, cujo foco principal, ao longo dos 20 anos de atuação no mercado brasileiro, tem sido à busca de soluções para os principais problemas enfrentados pelos nossos clientes em particular e pelo mercado em geral. Um problema que tem, de forma crescente, preocupado os usuários de sistemas Mainframe é a redução da janela batch, problema este que tende, em função de diversos motivos, explicados ao longo deste trabalho, a se tornar cada vez mais crítico. A Sun Software ciente disto procurou, ao longo de vários meses, uma solução que melhor se adequasse e que menos impactasse o ambiente dos nossos clientes. Firmamos então uma parceria técnica e comercial com a empresa norte americana ATRI, que possui também uma larga experiência na resolução de problemas do ambiente mainframe, especialmente nos serviços de diminuição de janela batch de empresas com os mais variados tipos de atividade. A ATRI - Advanced Technological Research, Inc. está sediada no estado de Ohio. Desde 1980, quando tomou como principal desafio à diminuição da janela batch na área de TI, vem aperfeiçoando continuadamente este serviço, que tem sido prestado a várias empresas em todo o mundo nos mais diversos ramos da indústria. Para atingir o desafio de diminuir a janela batch, a ATRI criou, em 1994, uma metodologia de análise chamada BAS Batch Analysis Service, desenvolvendo para isso uma ferramenta denominada IBSAT Interactive Batch Systems Analysis Tool. Juntas, a Sun Software e a ATRI, disponibilizam ao mercado brasileiro o serviço de Batch Analysis System BAS. Temos certeza que o BAS será de muita utilidade para as empresas que possuem sistema operacional MVS / z-os, com problemas de dimensionamento na carga da janela batch. Atualmente, devido ao grande crescimento dos sistemas de aplicações online e demanda por disponibilidade, as empresas vêem suas janelas batches praticamente todas ocupadas e muitas vezes os sistemas de aplicações online entram no ar ou fora do horário especificado (SLA) e/ou sem alguns arquivos, o que faz com que determinadas aplicações online fiquem sem funcionar até que estes arquivos sejam totalmente processados no ambiente batch, para posteriormente ingressarem no ambiente online. Uma outra decorrência da janela batch estar praticamente toda ocupada é que se houver a necessidade de algum reprocessamento, certamente isto causará um atraso na entrada do sistema online. 2

3 A prática tem mostrado ser muito difícil e demorada, e com baixo grau de sucesso, a tentativa de se reduzir à janela batch pelos meios tradicionais, que as empresas até agora dispunham. Nesta apresentação, a Sun Software mostrará que o seu novo serviço: o BAS Batch Analysis Service o qual, já comprovado no mundo inteiro, ajudará efetivamente as empresas a reduzir suas janelas batches de uma forma rápida, automática, segura e com um significativo retorno financeiro. É mais uma contribuição da Sun Software ao mercado nacional, visando à economia e a competitividade das empresas. José Curcelli Presidente 3

4 Índice Geral O conceito de Otimização da Janela Batch...5 O que é o BAS?...6 As Fases do BAS...7 Principais benefícios...8 Ganhos de Desempenho por tipo de atividade...9 Lista dos principais clientes O que faz? Como faz? Principais etapas a serem executadas e o tempo de duração do processo BAS A análise dos dados Resultados fornecidos e processos de implementação Dados Coletados Exemplos de recomendações gerais Exemplos de problemas e soluções: Exemplo de um caso prático: Exemplo de roteiro para análise dos processos O Conceito Faturável: BAS - Pré-cotação Checklist de Informações

5 O conceito de Otimização da Janela Batch Cada vez mais, a utilização do mainframe vem aumentando devida não só ao aumento dos volumes de dados, como também a oferta de novos serviços ao mercado. Os CIOS muitas vezes não têm outra saída a não ser o aumento da capacidade de seus computadores, o que normalmente é muito custoso. Certamente estes CIOs gostariam de absorver estes aumentos de serviços e estender a vida dos atuais equipamentos, adiando a contratação de upgrades de hardware e software. O Batch Analysis Service BAS, vem atender justamente esta necessidade, além de sanar as dificuldades operacionais, desperdício do uso de recursos e aumentar o throughput do batch. O Batch Analysis Service BAS é uma solução rápida e eficiente que atenderá as necessidades urgentes de redução da janela batch. 5

6 BAS - Batch Analysis Service O que é o BAS? O Batch Analysis Service-BAS é uma metodologia de análise desenvolvida pela ATRI e implementada em parceria com a Sun Software, que permite uma análise dos processos batch através de um extenso exame desses processos (JOBs) em execução no sistema operacional MVS do Mainframe, oferecendo recomendações que permitem a redução dos tempos de execução das janelas batch, o que implica em economia e posterga a necessidade de upgrades em equipamentos e software. O Batch Analysis Service BAS é uma metodologia que utiliza alta tecnologia, pessoal especializado e um grau muito elevado de automação na fase de coleta de dados, exigindo pouquíssima participação dos profissionais da empresa cliente. E como resultado, o BAS fornece recomendações específicas, em várias áreas, as quais, quando aplicadas, trarão benefícios que não somente reduzirão o tempo de ocupação da janela batch como cumprimento dos SLA batches. 6

7 As Fases do BAS 1. LEVANTAMENTO DA SITUAÇÃO E DETERMINAÇÃO DO ESCOPO DO TRABALHO Nesta fase inicial, a Sun Software e o cliente levantam toda a situação da janela batch e o cliente escolhe as aplicações que serão processadas e o cliente também determina qual será o Escopo deste trabalho. 2. INSTALAÇÃO Nesta fase a Sun Software instala os programas que coletam os dados para o BAS. 3. COLETA Conforme decidido no item 1, o BAS pode fazer a coleta: dos fluxos, dos System Image ou de todo o Data Center. Esta coleta é feita de forma automática sem praticamente nenhuma participação do cliente. As informações coletadas são enviadas a Sun Software e a ATRI para análise e formulação das recomendações, que serão exemplificadas neste trabalho. 4. ANÁLISE Esta fase analisará os dados coletados e definirá as recomendações que deverão ser implementadas para melhorar o desempenho das aplicações escolhidas no escopo. É nesta fase, que se aplica toda a tecnologia e a experiência dos especialistas que a Sun Software dispõe para o serviço BAS. Toda a analise será efetuada fora da instalação do cliente. 5. RESULTADOS Terminada a análise, a Sun Software apresentará ao cliente, os resultados obtidos na fase anterior. Este resultado consiste de 4 documentos a saber: Fluxo da aplicação antes da análise Fluxo da aplicação após a análise Gráfico PERT/CPM mostrando o caminho crítico dos JOBs que compõem o sistema de aplicação RECOMENDAÇÕES, ou seja, as alterações que o cliente deverá executar no sistema de aplicação para obter a redução do tempo sala deste sistema. Estas RECOMENDAÇÕES são, na prática, os resultados do BAS. Também, serão fornecidos, em meio eletrônico todos os documentos acima. 6. IMPLEMENTAÇÃO O cliente analisará as recomendações produzidas pelo BAS e decidirá quais RECOMENDAÇÕES serão implementadas, e se as implementará com recursos próprios, pela Sun Software por terceiros. Nesta fase, o cliente decidirá quais recomendações desejará implementar, podendo fazêlo com seus próprios recursos ou contratando terceiros. A Sun Software está plenamente capacitada e certificada para implementar estas recomendações. 7

8 Principais benefícios Definição das prioridades: onde e como atacar os principais problemas da janela batch. Economia de tempo: minimiza o envolvimento dos recursos humanos da estrutura de TI do Cliente. Redução dos custos: um rápido retorno do ROI e capacidade de atender mais facilmente aos acordos de SLA. Foco: ênfase na redução dos caminhos críticos dos fluxos das janelas batch. Recomendações detalhadas possibilitam aos técnicos focar seus esforços nas mudanças necessárias para a redução do ciclo batch. 8

9 Ganhos de Desempenho por tipo de atividade Tipo Projeto Recomendações Ganhos Mudança na Schedulagem; Aumento 3 System Image do paralelismo; Bufferização no IMS; 35% diário Manufatura diários e mensais, Eliminação dos Wait e dos Initiators e 26% mensal DB2 & ADABAS Redução dos Blocksizes Transporte Banco Financeiro Seguros Financeiro Banco Financeiro 1 System Image - diários e mensais DB2 & SAS Ciclos de Aplicação HOGAN ciclos de 11 dias Duas aplicações - ciclo diário Três aplicações ciclo diário; DB2, CICS & IMS System Image ciclo diário; Datacom, DB2 e IDMS Três aplicações ciclos diários e mensais 3 System Images diário, mensal e trimestral Mudanças no Schedule; Aumento do paralelismo; Bufferização nos VSAM; Uso do BSLR e Fitas para Disco Mudanças no Schedule; Aumento do paralelismo; Eliminação de Wait entre os JOBs e Controle das modificações de migração Mudanças no Schedule; Mudanças no JCL e Bufferização nos arquivos VSAM Mudanças no Schedule; Ajuste no Buffer Pool do IMS; Bufferização dos arquivos VSAM; Redução das montagens de fitas e Mudanças nos processos Mudanças no JCL e no Schedule; Bufferização nos arquivos VSAM e Redução dos Blocksizes de grandes arquivos seqüenciais em DASD Mudanças no Schedule; Mudanças nos processos; Bufferização de Arquivos; Eliminação de Waits e Reestruturação de JOB Mudanças no Schedule; Arquivos em Fitas passar para Discos; Bufferização dos arquivos VSAM e Ajuste nos parâmetros do Sort 53% diário 24% mensal 34% diário 39% diário 20% diário 28% diário 48% diário 65% mensal 31% diário 29% mensal 30% trimestral 9

10 Lista dos principais clientes BANCOS E FINANÇAS MELLON BANK AMERICAN EXPRESS FINANCIAL CORP. BANK OF NEW YORK NATIONAL CITY CORPORTATION NORWEST BANK ING NORTH AMERICA VISA INTERNATIONAL CHARLES SCHWAB & COMPANY NORTHERN TRUST THE VANGUARD GROUP MERCHANTILE BANK PHEAA BB&T BANCO BRADESCO FIRST CITIZENS BANK SCOTIABANK DISCOVER CARD TELECOMUNICAÇÕES SBC BELL SOUTH PACIFIC BELL CONVERGYS GOVERNO STATE OF MINNESOTA FRANCHISE TAX BOARD STATE OF CA SAÚDE CLEVELAND CLINIC FOUNDATION HUMANA, INC. SEGUROS AETNA INC HIGH MARK ANTARES STATE FARM INSURANCE COMPANIES TIG BLUE CROSS/BLUE SHIELD OF ALABAMA DELTANET BLUE CROSS/BLUE SHIELD OF MINNESOTA CHUBB & SON, INC. INDÚSTRIA DOW CHEMICAL RELIANCE ELECTRIC NEWELL / RUBBERMAID LABORATORY CORPORATION ARROW ELECTRONICS NISSAN NORTH AMERICA VAREJO (THE) GAP, INC. SUPERVALU DAYTON HUDSON (TARGET STORES) SERVIÇOS ACXIOM / MAY & SPEH TSYS TRANSPORTES NORTHWEST AIRLINES 10

11 O que faz? Através da ferramenta de análise Interactive Batch System Analysis Tool IBSAT, o BAS descobre as maneiras de melhorar o desempenho nos caminhos críticos dos processos executados na janela batch. A ferramenta identifica problemas e recomenda modificações específicas indicando, para cada uma delas, o ganho percentual na redução do tempo de execução do ciclo batch. Desta forma, a janela batch alcançará o maior desempenho no menor tempo possível. O processo de análise dar-se-à sobre três escopos diferentes: - Batch Flow: sobre uma única aplicação, onde se define o nome do JOB de início e de um ou mais JOBs de término do fluxo. - System Image: escopo que permite o empacotamento de múltiplos Batch Flow. - Data Center: escopo que analisa todo o serviço batch em todos os System Image. O IBSAT constrói um mapa PERT do ciclo batch, incluindo os tempos de cada tarefa (task), identificando os caminhos críticos. Cada etapa (step) do processo IBSAT aponta para os pontos de conclusão das aplicações que são examinadas em detalhe, determinando, desta forma, as ações que reduzirão o tempo do caminho crítico. As melhorias geradas sobre os caminhos críticos são modeladas no mapa PERT, permitindo, que o efeito resultante possa ser previsto com exatidão. O BAS auxiliará nos seguintes aspectos: Redução da janela batch Diminuição do elapsed time dos caminhos críticos das aplicações Prevenção do efeito das cargas batch combinadas entre si Documentação do sistema batch Melhoria e simplificação da gestão e controle operacional do ambiente batch Prevenção do efeito de novos hardwares no processo batch 11

12 Como faz? O Processo de Análise Com o objetivo de minimizar o impacto nas rotinas de TI do Cliente, todo o trabalho de análise é feito fora das instalações do Cliente. A Sun Software instala no Mainframe do Cliente o IBSAT Data Collector, que é o responsável pela coleta das informações. As principais fontes para esta análise são os dados do SMF. O Data Collector organiza os dados do SMF em construções logicamente conectadas, que permitem associações de JOBs batch com data sets e os devices que suportam estes data sets. Para cada JOB batch são linkadas estatísticas como os dados RMF e informações de tape mount, permitindo o isolamento rápido de recursos críticos usados por processo batch, e identificando as dependências dos JOBs BASeados no uso de datasets. Esse processo permite a validação de critérios de scheduling de processo batch e também identifica qualquer oportunidade de melhoria na estrutura do fluxo de processos batch. Podem ser identificadas dependências, mesmo se o sistema batch é executado em múltiplos System Images. Para isolar os pontos de interface do fluxo batch, são identificados todos os datasets transferidos entre os fluxos. 12

13 Principais etapas a serem executadas e o tempo de duração do processo BAS Definição das necessidades e os problemas a serem endereçados. Coleta de Dados: duração de 4 a 6 horas Trabalho de análise: realizado off-site Entrega e apresentação dos relatórios preliminares: revisão das recomendações sugeridas Entrega e apresentação dos relatórios finais Início de implementação Tempo Total: máximo de 6 semanas 13

14 A análise dos dados O IBSAT permite uma interpretação visual dos dados do SMF, o que torna fácil o entendimento do fluxo batch. O primeiro passo na análise dos dados é selecionar, de uma lista de JOBs, aqueles que são de interesse, sendo utilizadas todas as informações fornecidas que descrevem o processo batch. O IBSAT inicia o processo nos JOBs finalizadores do ciclo batch e retrocede no tempo para mapear as dependências entre os JOBs. Constroi-se assim, um mapa do fluxo batch, cujas informações são levadas e traduzidas em uma ferramenta de flowcharting. Neste caso, é utilizado para criar o fluxo gráfico do fluxo batch o VISITRAC da Lexonix, que mostrará o caminho crítico. O fluxo batch resultante é comparado ao critério de scheduling existente para validar o fluxo gráfico e qualquer oportunidade de mudanças de scheduling. 14

15 Com o fluxo batch entendido, as tasks que compõem o caminho crítico, são examinadas em detalhes. Iniciando com o JOB de maior oportunidade aparente, isto é: a task com maior tempo de execução. 15

16 A análise dos tempos de execução dos steps revela onde os tempos estão sendo gastos, de modo que as atividades de análise do IBSAT são dirigidas para os recursos críticos, objetivando melhorar o tempo de execução dos JOBs detectados. 16

17 Os tempos de I/O de datasets críticos são endereçados usando uma variedade de métodos. Isto inclui técnicas de buffering, eliminação de I/O, caching, redistribuição de datasets, balanceamento de carga de caminho e device.. O IBSAT fornece informações sobre os datasets críticos para determinar as ações corretivas apropriadas. 17

18 A análise do histórico dos acessos aos datasets pode mostrar qual JOB criou o dataset, determinando onde introduzir as mudanças de alocação, tais como: blocksize e localização de dataset. O IBSAT mostra se existe uma contenção no dataset em questão, pois pode haver outros datasets concorrentes em termos de I/O. 18

19 Um novo tempo de execução de task é estimado com BAS e em cada mudança a ser efetuada, sendo estabelecido um novo tempo no fluxo batch. Isto pode causar mudanças no caminho crítico e também assegura que o caminho crítico está sendo constantemente monitorado. Uma vez completada a análise, são apresentadas recomendações em conjunto com os benefícios projetados e o tempo estimado de implementação. As recomendações apresentadas não são genéricas, do tipo: balanceie o subsistema de I/O ou ajuste o cache. Elas são instruções específicas de implementação, completas o suficiente para permitir ao executor saber precisamente quais linhas de JCL, cartões de controle e outros devem ser modificados. Faz parte também das recomendações a transformação em JOBs paralelos que eram executados serialmente. 19

20 Resultados fornecidos e processos de implementação Os resultados serão apresentados em reunião da Sun Software com o cliente quando se analisará item a item todas as recomendações. As recomendações são categorizadas por tipo de recomendação, tais como: uso de CPU, bufferização, paralelismo de jobs, etc. As recomendações de mudanças específicas no fluxo batch, são fornecidas em meio eletrônico, papel e em hard copy. Isto inclui recomendações detalhadas juntamente com os resultados esperados. (como e porque) 1. Fluxo representando o caminho crítico. Isto consiste de um mapa do projeto, em hard copy, que percorre o fluxo batch durante cada ciclo de produção. Para cada ciclo há um gráfico de pré e pós-análise. 2. Sumário de recomendações de mudanças para facilitar o gerenciamento do projeto dos passos de implementação. 3. Versão eletrônica dos gráficos e a documentação do projeto. Para se obter o máximo proveito das mudanças sugeridas pelo BAS é recomendado um gerenciamento efetivo no projeto de implantação das sugestões. Veja o exemplo de um caso prático. 20

21 Dados Coletados Dados SMF, tipos de registros: 14, 15, 21, 30 (ou 4, 5, 34 e 35), 62, 64, 70, 71, 72, 74 e 78 RMF deve ser setado para registrar estatísticas de DASD e TAPE Listagem de JOB Scheduling mostrando as dependências de JOBs Listagem dos parâmetros de performance do sistema: OPT, IPS e ICS PARMLIB Informações de configuração de hardware do sistema, incluindo tipos de control units e configurações de cache Os dados do SMF são coletados via o IBSAT Data Collector Recomenda-se que sejam usados de 3 a 5 ciclos de execução 21

22 Exemplos de recomendações gerais A seguir são apresentados alguns exemplos de recomendações geradas em análises de casos reais. As recomendações de performance são descritas nos relatórios entregues e elas detalham as medidas que deverão ser implementadas para a redução, com sucesso, do tempo do ciclo batch. Alterações de buffer: Datasets VSAM têm várias centenas de milhares de EXCPs executados contra eles durante o ciclo batch. Técnicas de buffering nativas e BLSR (Batch Local Shared Resources) irão diminuir os contadores de EXCPs. Uma limitação de buffering do VSAM nativo é que ele permite somente o buffering de componentes de VSAM index para processamento randômico. Uma descrição completa do BLSR pode ser encontrada no manual IBM GC A implementação do BLSR para datasets específicos, dentro do caminho crítico, pode reduzir significativamente o ciclo batch. O BLSR pode ser implementado através de atualizações em bibliotecas de JCL. Transferência de arquivos de fita para DASD: Vários datasets seqüenciais usados em muitas aplicações, são alocados para fita. Estes datasets, mesmo que pequenos, podem ser lidos várias vezes durante o ciclo batch. Se datasets chaves forem alocados para DASD ao invés de fita, o tempo do caminho crítico para aplicações batch poderá ser reduzido. Separação de Datasets: Uma grande quantidade de datasets é alocada em um número limitado de volumes DASD. Isto causa um gargalo em arquivos de aplicações em determinadas DASD Control Units. Algumas vezes, durante o ciclo batch, Control Units podem estar sobrecarregadas. Se os arquivos forem alocados para várias DASD Control Units diferentes, o ciclo batch pode ser reduzido. 22

23 Reestruturação de JOBs: Alguns JOBs contêm vários jobsteps. Alguns dos JOBs podem ser quebrados em múltiplos JOBs. Isto poderá permitir que os steps possam ser executados com antecedência no ciclo batch, fora do caminho crítico. Um JOB poderá ser quebrado permitindo também o paralelismo de execução dos programas. Initiator Wait: Vários JOBs no caminho crítico esperam por Initiators do sistema para se tornarem disponíveis. Os JOBs do caminho crítico podem ser assinalados para uma classe de JOBs que têm mais Initiators disponíveis. Outra opção é fazer mais Initiators disponíveis para todos os JOBs batch. Alterações no Scheduling de JOBs: Existem oportunidades para executar mudanças no scheduling para JOBs dentro do caminho crítico. A verdadeira dependência é satisfeita antecipadamente no ciclo para os JOBs. Através da liberação desses JOBs nesse tempo, o ciclo batch poderá ser reduzido. Disponibilização de arquivos para Alocação: JOBs no caminho crítico algumas vezes esperam por drives de fitas ou datasets DASD. Uma vez que o tempo de alocação para esses arquivos impacta diretamente o tempo total do ciclo, podem ser reservados recursos para assegurar que as esperas sejam eliminadas. Isolamento de datasets: Podem ser identificados datasets chaves cuja performance de I/O afetam diretamente o tempo do ciclo para aplicações. Os datasets são alocados para pools de DASD gerais. As estatísticas de tempo de resposta para estes pools podem ser altas. Se os arquivos chaves forem alocados para devices DASD que forneçam uma melhor performance, então os ciclos batch podem ser reduzidos. 23

24 Redução do uso da CPU: Jobsteps podem ter um alto consumo de CPU, isto conta para um longo tempo de execução. Muito do tempo de CPU, pode ser eliminado através de alterações relativamente simples em códigos fonte. Pode ser identificada uma oportunidade máxima para redução do caminho crítico, via alterações em códigos fonte. Usando-se uma ferramenta de exame de perfil de utilização de CPU, como o STROBE ou o OMEGAMON / MVS INSPECT, pode-se determinar o potencial de ganho e um perfil de utilização de CPU dos Jobsteps identificados que estão rodando. Isso irá isolar seções de programas responsáveis por alta utilização de CPU. Este perfil encontrado e um Assembly ou compilador de códigos fontes podem fornecer uma listagem mostrando referências-cruzadas de offsets de programas. Com estas informações, pode-se recomendar alterações em programas. As melhorias no programa podem reduzir o consumo de CPU e recuperar tempo de execução para Jobsteps e o caminho crítico para as aplicações. Tuning de classificações: Vários steps de SORT que classificam arquivos grandes, demoram um tempo significativo no SORTWORK I/O. Para classificações no caminho crítico, o máximo possível de memória que se tornar disponível irá reduzir a atividade de SORTWORK. Forneça também mais memória 31- bit para a classificação. Se houver área particular suficiente, forneça aproximadamente 40Mb de memória. Aumente a memória 31-bit para no mínimo 10 Mb para classificações no caminho crítico. Para o produto SYNCSORT, isto é feito especificando-se VSCORET=10M no cartão de controle fornecido na entrada $ORTPARM. Também aumente o limite da região para REGION=8M para permitir o uso de toda a memória abaixo dos 16Mb. 24

25 Mudanças no processo: A recarga de vários datasets VSAM pode demorar longos períodos de tempo. As recargas executam milhões de EXCPs e o processo para carregar os arquivos é checado. Classificar os dados em seqüências chaves antes da carga nos arquivos VSAM pode ajudar a eliminar EXCPs e reduzir o tempo de execução. O IDCAMS LISTCAT pode também ser analisado para determinar se a estrutura do arquivo VSAM pode ser modificada. Isto é feito através de modificações nos cartões de controle DELETE/DEFINE. Alterações no tamanho de bloco de datasets: Vários datasets grandes em fita são usados no caminho crítico e não alocam o máximo fator de blocagem permitido. Alocar arquivos com um fator de blocagem grande e buffers adicionais ajudam a melhorar o processamento seqüencial. 25

26 Exemplos de problemas e soluções: Problema 01: Análise: Solução: Problema 02: Análise: Solução: Problema 03: Análise: Solução: Um JOB é atrasado pela Dependência de Schedule com outro JOB, porém os dois JOBs não compartilham nenhum arquivo de dados (ou não alteram nenhum arquivo de dados). O Batch Analysis Service usa ambos os scheduling do cliente e encadeamento de datasets para linkar os JOBs. Portanto, é possível ver se há alguma dependência de dataset que suporte uma dependência schedulada. Se não, a dependência schedulada pode ser removida permitindo o JOB sucessor iniciar com antecedência. Mudança no Scheduling. Remova a dependência no sistema de Scheduling e isto irá permitir o JOB sucessor iniciar mais cedo. Paralelismo de JOBs Uma grande parte do caminho crítico do tempo de execução de um JOB está dedicada em acessar um arquivo o qual tem pouca ou nenhuma bufferização. Como a velocidade de execução do caminho crítico de um JOB é a chave para aumentar a velocidade de término do ciclo batch, buffers adicionais deverão ser fornecidos para este JOB acessar este arquivo. Realmente este acesso bufferizado ao arquivo terá favorecimento com relação a outros JOBs e outros arquivos melhorando assim a execução do caminho crítico. Aumentar a alocação de buffers para este JOB e para o acesso aos arquivos. Para arquivos VSAM, o uso do parâmetro BLSR é altamente recomendável. Um JOB contém uma grande quantidade de steps que não estão relacionados e o JOB necessita ser completado por inteiro antes que qualquer JOB sucessor possa iniciar. A análise efetuada no JOB indica que os steps não têm uma relação serial com algum ou com todos os outros steps do mesmo JOB. Ainda mais, o JOB executa atualmente como uma seqüência em série todos os steps e o JOB sucessor (sucessores) não pode iniciar até que todo este JOB tenha terminado. Agrupar os steps de acordo com suas dependências seqüenciais ou não interdependências seqüenciais e dividir o JOB em múltiplos JOBs novos cada um contendo somente os steps serialmente relacionados. Desta forma, os novos JOBs estarão aptos a executar, tão logo um destes novos JOBs, termine. Dependendo das relações contidas no fluxo de dados. 26

27 Problema 04: Análise: Solução: O início de um JOB sucessor é atrasado pelo término de um JOB predecessor muito embora somente a última parte dos steps do sucessor requeira o término do predecessor. Um JOB sucessor consiste de 10 steps, mas somente os últimos 3 steps possuem uma dependência de término no fluxo. Ainda, todo o JOB sucessor espera pelo término completo do JOB predecessor. O JOB com 7 steps poderá agora iniciar sua execução sem esperar o término completo do JOB predecessor cujo enfileiramento de dados evita o início dos 3 últimos steps do JOB original consequentemente permitindo um alto nível de processamento paralelo. Dividir o JOB sucessor em 2 novos JOBs da seguinte maneira: o primeiro JOB conterá os 7 steps e o segundo JOB conterá os 3 últimos steps. Problema 05: Análise: Solução: Problema 06: Análise: Solução: Dois (ou mais) JOBs necessitam ser executados serialmente devido à serialização do acesso em um arquivo comum aos dois JOBs. A análise dos JOBs onde nenhum deles atualiza o arquivo comum a eles. Contudo, estes JOBs usam DISP=OLD como se eles fossem alterar o arquivo comum. Pela simples mudança da disposição dos arquivos para DISP=SHR todos os JOBs podem iniciar simultaneamente e executar em paralelo pois as dependências de schedulagem foram removidas (se elas existirem). O caminho crítico do tempo de execução de um JOB é muito grande apesar de que o tempo de CPU consumido é muito pequeno um JOB limitado por I/O. A análise do I/O mostra que a maior parte do tempo é consumida fazendo-se processamento com acesso seqüencial em um conjunto de arquivos SORTWORK residentes em DASD ou fita. Dada esta presença no caminho crítico do ciclo batch, um manuseio especial dos arquivos de SORT deste JOB reduzirá enormemente o tempo de execução do SORT deste JOB e reduzirá também todo o tempo do ciclo batch.o uso da memória principal ao invés de DASD ou fita para estes arquivos de trabalho do SORT será muito eficiente e requererá somente a mudança do parâmetro SORT para ser implementado. 27

28 Problema 07: A fim de suportar o processamento de Abend/Restart, todos os JOBs (com prioridades alta e normal) necessitam atualizar um catálogo específico com mudanças de entradas nestes arquivos quando na fase de alocação inicial pelos JOBs. Análise: A análise dos JOBs indica que os JOBs foram divididos apropriadamente pela análise do caminho crítico em classes de prioridades normal e alta. Mas dado que todos os JOBs devem atualizar igualmente o database e que contém o catálogo, ocorre freqüentemente que um JOB de alta prioridade necessite aguardar por um JOB de prioridade normal para enfileirar e liberar o Catálogo antes que o JOB de alta prioridade possa prosseguir fazendo a alocação. Foram feitas tentativas para aumentar o desempenho do I/O no catálogo, mas isto trouxe um pequeno benefício porque o problema não está associado com a velocidade do arquivo em responder. O obstáculo, pelo contrário, está na habilidade dos JOBs de prioridade baixa para acessar a CPU para completar o processamento de suas alocações devido às suas baixas prioridades de CPU.Enquanto isto, os JOBs com alta prioridade devem esperar em filas de alocação por JOBs com baixa prioridade de acesso à CPU até que estes completem o processamento de alocação. Solução: Um aumento da prioridade de dispatching no primeiro período para todas as classes de JOBs deverá ser implementado para permitir que os JOBs em todas as classes de prioridades completem rapidamente seus processamentos de alocação. Isto irá evitar que JOBs com baixa prioridade bloqueiem os JOBs de alta prioridade de acessar o enfileiramento do catálogo e prosseguimento do processamento atual. A mudança pode ser implementada no membro IEAIPSxx da PARMLIB. Problema 08: Análise: Solução: Múltiplos JOBs estão executando um alto número de acessos de I/O durante uma parte específica de um ciclo batch. Os JOBs em questão formam um conjunto de serviços com prioridades alta e normal. A análise dos JOBs mostra que eles compartilham arquivos que são co-alocados no mesmo volume DASD. Uma análise mais profunda indica que além do alto tempo de resposta dos JOBs, os mesmos foram implementados executando vários comandos reserve/release contra o mesmo volume. Se os arquivos são estáticos, a realocação dos arquivos para diferentes volumes e também possivelmente para outros subsistemas diferentes, um alto nível de acesso num único volume. Se os arquivos são freqüentemente realocados e o PAV está disponível, um aumento nos aliases dos PAVs fornecerá um manuseio dinâmico de processamento igualmente distribuído de reserve/release contra os arquivos que frequentemente mudam de posições. Onde uma alta atividade de I/O é também vista, o uso de múltiplos grupos storage SMS segregados deverá também ser utilizado para reduzir a concentração da atividade em qualquer dos subsistemas. 28

Sun Software Exemplo de um caso Real Empresa nome fantasia CICLO DIÁRIO Preparado para a empresa 23/10/2005

Sun Software Exemplo de um caso Real Empresa nome fantasia CICLO DIÁRIO Preparado para a empresa 23/10/2005 Exemplo de um caso Real Empresa nome fantasia CICLO DIÁRIO Preparado para a empresa 23/10/2005 ÍNDICE RESUMO EXECUTIVO... 3 O BAS - SERVIÇO DE ANÁLISE BATCH... 4 RECOMENDAÇÕES GERAIS... 5 EXPANSÃO DO BUFFER

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais 2. Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? 1 Compilador 2 Editor de texto 3 Browser Aplicativos... Sistema Operacional (infraestrutura) Hardware n Quake No passado, a eficiência

Leia mais

Estudo de Caso 2: Windows Vista

Estudo de Caso 2: Windows Vista Faculdades Integradas de Mineiros Curso de Sistemas de Informação Sistemas Operacionais II Estudo de Caso 2: Windows Vista Grupo 4 Helder / Wagner / Frantyeis Junho/2010 O Windows usa uma estratégia Just-In-Time

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Dino SMART Production. Monitoração de Jobs da produçao do ambiente mainframe IBM

Dino SMART Production. Monitoração de Jobs da produçao do ambiente mainframe IBM Dino SMART Production Monitoração de Jobs da produçao do ambiente mainframe IBM Portfolio - Dino Explorer Suite - Componentes Dino Smart Monitoração: Aplicações Serviços Jobs (Online e Batch) SLA s Reengenharia;

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Tendências, desenvolvimentos e dicas para tornar o seu ambiente de storage mais eficiente Smart decisions are built on Storage é muito mais do que

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação prática do novo

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas Sistema Operacional (SO) é um programa colocado entre o hardware do

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Sr. Nimbus DBA Remoto

Sr. Nimbus DBA Remoto Sr. Nimbus DBA Remoto O serviço DBA Remoto da Sr. Nimbus oferece ao cliente uma melhor estruturação e otimização do seu ambiente de plataforma de gerenciamento de dados baseado no Microsoft SQL Server.

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

CA File Master Plus for IMS r8.5

CA File Master Plus for IMS r8.5 FOLHA DE PRODUTOS CA File Master Plus for IMS CA File Master Plus for IMS r8.5 O CA File Master Plus for IMS é um produto de gerenciamento de dados do z/os que oferece recursos avançados para o IMS Database

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas.

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Um sistema de arquivos implica: Conceituação de arquivos e diretórios

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Sabaris Carballo Pinto Gerencia de Processos 4.1 Introdução aos Processos Gerenciamento de Processos Processo -Definição: É uma abstração do sistema

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

www.en-sof.com.br SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO

www.en-sof.com.br SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO 1 Soluções Oracle Voltadas à Continuidade dos Negócios Luciano Inácio de Melo Oracle Database Administrator Certified Oracle Instructor Bacharel em Ciências da Computação

Leia mais

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/09/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.2 1 2 Material usado na montagem dos Slides Bibliografia

Leia mais

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING

Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING Evaristo Wychoski Benfatti Fernando Nunes Bonifácio ARMAZENAMENTO EM DISCO, ESTRUTURAS BASICAS DE ARQUIVOS E HASHING CONTEÚDO Introdução Armazenamento de dados Dispositivo de armazenamento Buffering de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA IT Asset Manager como gerenciar o ciclo de vida de ativos, maximizar o valor dos investimentos em TI e obter uma exibição do portfólio de todos os meus ativos? agility made possible

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

Determinar o Tipo de Contagem. Identificar o Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação. Contagem das Funções de Dados. Calcular os PFs Ajustados

Determinar o Tipo de Contagem. Identificar o Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação. Contagem das Funções de Dados. Calcular os PFs Ajustados Análise de Pontos de Função (Hazan, 2001) A Análise de Pontos de Função (APF) é um método-padrão para a medição do desenvolvimento de software, visando estabelecer uma medida de tamanho do software em

Leia mais

Veritas Storage Foundation da Symantec

Veritas Storage Foundation da Symantec Veritas Storage Foundation da Symantec Gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line O Veritas Storage Foundation oferece uma solução completa para o gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line.

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.1 Introdução Tipos de Sistemas Operacionais Sistemas Monoprogramáveis / Monotarefa Voltados tipicamente para a execução de um único programa.

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Gerenciador de Entrada/Saída

Gerenciador de Entrada/Saída Universidade Federal do ABC BC 1518 - Sistemas Operacionais (SO) Gerenciador de Entrada/Saída (aula 11) Prof. Marcelo Zanchetta do Nascimento Roteiro Princípios básicos de hardware de E/S; Operações dos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

As Service Management Functions - SMFs

As Service Management Functions - SMFs As Service Management Functions - SMFs Última revisão feita em 13 de Setembro de 2007. Objetivo Estamos de volta com mais um artigo da nossa série, nesta sexta parte pretendo apresentar para vocês o conceito

Leia mais

Construa seu ambiente escalável de armazenamento sobre uma base dinâmica da família IBM Storwize

Construa seu ambiente escalável de armazenamento sobre uma base dinâmica da família IBM Storwize IBM Systems and Technology Junho de 2013 Construa seu ambiente escalável de armazenamento sobre uma base dinâmica da família IBM Storwize A família IBM Storwize auxilia na entrega do que você precisa de

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Especificação do KAPP-PPCP

Especificação do KAPP-PPCP Especificação do KAPP-PPCP 1. ESTRUTURA DO SISTEMA... 4 1.1. Concepção... 4 2. FUNCIONALIDADE E MODO DE OPERAÇÃO... 5 3. TECNOLOGIA... 7 4. INTEGRAÇÃO E MIGRAÇÃO DE OUTROS SISTEMAS... 8 5. TELAS E RELATÓRIOS

Leia mais

Java de missão crítica. Um artigo técnico da Oracle

Java de missão crítica. Um artigo técnico da Oracle Java de missão crítica Um artigo técnico da Oracle Java de missão crítica A família de produtos Oracle JRockit é um portfólio abrangente de soluções de tempo de execução de Java que aproveita a JVM básica

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquivos

Sistemas Operacionais Arquivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Arquivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução Os arquivos são gerenciados

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido.

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Sumário Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Introdução ao Project Um projeto é uma seqüência bem definida de eventos, com um início e um final identificável. O foco de um projeto é obter

Leia mais

Como o SYSchange Advanced Deployment funciona no Rabobank. SYSchange Advaned Deployment at Rabobank. Contato no Rabobank: Henny J. Hesse.

Como o SYSchange Advanced Deployment funciona no Rabobank. SYSchange Advaned Deployment at Rabobank. Contato no Rabobank: Henny J. Hesse. SYSchange Advaned Deployment at Rabobank Julho 2009 Contato no Rabobank: Henny J. Hesse Programador de Sistemas Sênior O Rabobank Group é um provedor de completos serviços financeiros, constituído por

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III 4 ADMINISTRAÇÃO DE SGBDs As pessoas que trabalham com um banco de dados podem ser categorizadas como usuários de banco de dados ou administradores de banco de dados. 1 Entre os usuários, existem

Leia mais

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo Módulo 4: Processos Conceito de Processo Conceito de Processo Escalonamento de Processos Operações com Processos Processos Cooperativos Comunicação entre Processos Um sistema operacional executa uma variedade

Leia mais

Coca-Cola Bottling Co. Consolidated maximiza a lucratividade

Coca-Cola Bottling Co. Consolidated maximiza a lucratividade Coca-Cola Bottling Co. Consolidated maximiza a lucratividade Fornecendo insights mais profundos sobre a demanda dos clientes quatro vezes mais rápido com a Solução IBM FlashSystem Visão geral A necessidade

Leia mais

Escalonamento de Processos em Multiprocessadores

Escalonamento de Processos em Multiprocessadores Sistemas Operacionais Escalonamento de Processos em Multiprocessadores Capítulo 10 IC - UFF 1 Processamento Paralelo e Distribuído Multiprocessadores X Multicomputadores Memória IC - UFF 2 Processamento

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA Mainframe Chorus posso otimizar as habilidades de nossa equipe de TI e preservar sua experiência para gerenciar mainframes de maneira mais adequada durante as próximas décadas? agility

Leia mais

Por que os administradores de sistema devem estar atentos ao desempenho de virtualização e armazenamento

Por que os administradores de sistema devem estar atentos ao desempenho de virtualização e armazenamento Por que os administradores de sistema devem estar atentos ao desempenho de virtualização e armazenamento 2013, SolarWinds Worldwide, LLC. Todos os direitos reservados. É importante que os administradores

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais Estruturas de Sistemas Computacionais Por que estudar a arquitetura de sistemas computacionais? Talvez porque o comportamento de um sistema operacional está ligado aos mecanismos de E/S de um computador.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

NetMRI. Reduzir riscos e melhorar a eficiência da área de TI através de Configuração de rede automática e Gestão de mudança(s)

NetMRI. Reduzir riscos e melhorar a eficiência da área de TI através de Configuração de rede automática e Gestão de mudança(s) Benefícios para os Negócios Detecte e automatize mudanças de rede, e veja quem mudou o que, quando e onde, e monitore qual o impacto na condição e estabilidade da rede. Reduza as suposições com total descoberta,

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado

Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado INTERFACE E AMBIENTE Versão - 09/2007 OBJETIVO OBJETIVO O Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado foi elaborado para apoiar a integração de Aplicativos

Leia mais

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações IBM Systems and Technology Group Abril de 2013 White Paper de Liderança em Ideias Inovadoras IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações 2 IBM FlashSystem Atendendo ao

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Estudo de Caso. O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios e Computação em Nuvem para Criar Valor de Negócios

Estudo de Caso. O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios e Computação em Nuvem para Criar Valor de Negócios Estudo de Caso O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios Introdução Este Estudo de Caso é sobre como uma corporação (IBM) encontrou uma maneira de extrair valor de negócios adicional

Leia mais