Previdência no Serviço Público. ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Previdência no Serviço Público. ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS"

Transcrição

1 Previdência no Serviço Público ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS Outubro/2016

2 1. Regimes Previdenciários do Brasil; 2. RPPS RS; 3. Cenários; 4. Regime de Previdência Complementar; 5. Riscos

3 1. Regimes Previdenciários do Brasil

4 REGIMES PREVIDENCIÁRIOS RGPS Regime Geral de Previdência Social RPPS Regime Próprio de Previdência Social RPC Regime de Previdência Complementar Trabalhadores do Setor Privado e Servidores Públicos Celetistas: Compulsoriedade; Previdência Pública; Contribuição e Benefício Definidos, limitados ao teto do INSS. Servidores Públicos Cargo Efetivo: Compulsoriedade; Previdência Pública; Contribuição e Benefício Definidos, limitados ao teto do Serviço Público ou ao teto do INSS, este uma vez implantado o RPC. Todas Pessoas: Facultatividade; Previdência Privada; Fundos Abertos e Fechados; Contribuição Definida e Benefício Indefinido.

5 REGIMES PREVIDENCIÁRIOS DO BRASIL REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS (Art. 40, CF) PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR (Art. 202, CF) REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS (Art.201, CF) ENTIDADES ABERTAS EAPC (Bancos e Seguradoras) ENTIDADES FECHADAS EFPC (Sem Fim Lucrativos)

6 SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA SEGURIDADE SOCIAL PREVIDÊNCIA SOCIAL Art. 194 da CF - A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos: à saúde, à previdência e à assistência social. É o seguro social que garante a renda do trabalhador e de sua família quando da perda, temporária ou permanente, da capacidade de trabalho em decorrência dos riscos sociais.

7 PREVIDÊNCIA - CARACTERÍSTICAS PREVIDÊNCIA SOCIAL PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Previdência social, de caráter contributivo e de filiação obrigatória. Observa critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial. Contribuição e benefícios definidos. Previdência privada, de caráter complementar e organizada de forma autônoma em relação aos demais regimes de previdência social. É facultativa. Baseada na constituição de reservas para garantia do benefício contratado. Contribuição Definida.

8 2. RPPS - RS

9 SEGURADOS E BENEFICIÁRIOS RPPS/RS - Por Situação - PLANOS ATIVOS INATIVOS PENSIONISTAS TOTAL PLANO FINANCEIRO (Regime Financeiro de Repartição Simples RFRS) Fundoprev-Civil PLANO PREVIDENCIÁRIO (Regime Financeiro Capitalizado - RFC) Fundoprev-Militar Total Previdenciário TOTAL PLANOS Fonte: SBI/RHE Jun/16

10 REGIME BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BENEFÍCIOS, REGIMES E CONTRIBUIÇÕES Apos/Pens = Integral Com Paridade Aposentadoria = Cálculo médias Pensão com Redutor Sem Paridade Aposentadoria = Cálculo médias Pensão Sem Paridade Limitados Teto INSS FINANCEIRO PREVIDENCIÁRIO RPPS (Pleno) RPPS (Pleno) RPPS (Limitado) e RPC REPARTIÇÃO SIMPLES (07/04 = 11 / 22% 04/13 = 13,25 / 26,5%) CAPITALIZADO (07/11 = 11/11% 04/13 = 13,25/ 13,25%) CAPITALIZADOS (RPPS = 13,25/13,25% e RPC (08/16) = 4,5 a 7,5% / 4,5 a 7,5% )

11 3. Cenários

12 Pirâmide Etária IDADE FENÔMENOS DEMOGRÁFICOS /FONTE: IBGE Taxa de Fecundidade Idosos em milhões ,5 em milhões ,0 75,0 70,0 65,0 Taxa de Mortalidade 73,9 72,0 69,8 68,5 66,6 64,7 62,6 74,9 75,2 71,6 anos 78,8 anos ATÉ 19 ANOS DE 20 A 59 ANOS ACIMA DE 60 ANOS 60,0 55,

13 MORTALIDADE Fonte: IBGE Projeções de População 2013

14 EXPECTATIVA DE SOBREVIDA POR FAIXA DE IDADE (em anos) A expectativa de sobrevida cresce em todos os segmentos etários, inclusive entre os mais idosos, o que implica maior duração no pagamento de benefícios. Fonte: IBGE Projeções de População 2013

15 Idade mínima de aposentadoria nos Países da OCDE (Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económico) Fonte: IBGE Projeções de População 2013

16 2015² 2014¹ RELAÇÃO ATIVO / APOSENTADO + PENSIONISTA RPPS s ATIVOS APOSENTADOS PENSIONISTAS TOTAL RELAÇÃO UNIÃO ,22 ESTADOS/DF ,39 MUNICÍPIOS ,09 TOTAL ,79 RPPS/RS ATIVOS APOSENTADOS PENSIONISTAS TOTAL RELAÇÃO REGIME SIMPLES REGIME CAPITALIZAÇÃO TOTAL ,63 RELAÇÃO IDEAL 4/1 Fonte: ¹CGEI/DRPSP/SPPS/MTPS - Dados consolidados para Anuário Estatístico ² Boletim de Informações Previdenciárias 2015 /IPERGS.

17 4. Regime de Previdência Complementar

18 REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

19 EFPC - PLANO DE BENEFÍCIOS LC nº 109/2001 Art Os planos de benefícios deverão prever os seguintes institutos: benefício proporcional diferido; portabilidade do direito acumulado pelo participante para outro plano; resgate da totalidade das contribuições vertidas ao plano pelo participante, descontado o custeio administrativo; faculdade do participante manter o valor de sua contribuição e a do patrocinador. Art As entidades fechadas têm como objeto a administração e execução de planos de benefícios de natureza previdenciária. Obs.: A portabilidade não caracteriza resgate Não será admitida a portabilidade na inexistência de cessação do vínculo empregatício do participante com o patrocinador. Os planos de benefícios devem ser, obrigatoriamente, oferecidos a todos os empregados dos patrocinadores.

20 EFPC - CARACTERÍSTICAS DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS Benefício Definido BD Valor ou nível dos benefícios programados previamente estabelecidos (com base em percentual do salário da atividade) Garantia da concessão e manutenção Contribuições determinadas atuarialmente (variando conforme os resultados obtidos) Superávit não é incorporado diretamente aos benefícios Contribuição Definida CD Valor dos benefícios programados com base no saldo de conta do participante (não vinculado ao salário da atividade) Sem garantia da manutenção Contribuições definidas previamente (participante e patrocinador) custo controlado Saldo de conta atualizado pela rentabilidade

21 LC Nº (15/10/2015) RPC EFPC = RS-Prev RPC/RS -> RS-PREV Servidores públicos de cargo efetivo do Estado do RS, de suas autarquias e fundações de direito público que ingressaram no serviço público a contar de 19/08/2016; Não inclui os militares; RS-Prev com representação paritária; Estrutura: Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal e Diretoria Executiva; Por decisão do Conselho Deliberativo, poderão ser criados: I - um Comitê Gestor para cada plano de benefícios complementares; e II - um Comitê de Investimentos; Patrocinadores: Municípios do RS podem aderir aos planos de benefícios da RS-Prev; Alíquota paritária, máximo 7,5%.

22

23 PLANO RS-FUTURO PATROCINADOR ENTE PARTICIPANTE SERVIDOR (Cargo efetivo) ASSISTIDO APOSENTADO BENEFICIÁRIO PENSÃO POR MORTE

24 CLASSIFICAÇÃO DOS PARTICIPANTES COM VÍNCULO FUNCIONAL SEM VÍNCULO FUNCIONAL PATROCINADO Abrangido pelo RPC/RS; e Remuneração > Teto RGPS ESPECIAL Permanece no Plano RS-Futuro Autopatrocínio INDIVIDUAL NÃO Abrangido pelo RPC/RS; ou Remuneração <= Teto RGPS (Sem participação do Patrocinador) VINCULADO Mantiver no Plano RS-Futuro Benefício proporcional Diferido Rompimento do Vínculo Funcional: Exoneração, Demissão, Posse em outro cargo inacumulável, Aposentadoria voluntária ou compulsória. Optar por um dos Institutos: Autopatrocínio, Benefício Proporcional Diferido, Portabilidade ou Resgate

25 CUSTEIO DO PLANO RS-FUTURO I Contribuições dos Participantes e dos Assistidos (Contribuição Básica, Facultativa e Administrativa) II Contribuições do Patrocinador RECEITAS III Recursos decorrentes de portabilidade para o Plano IV Resultados dos Investimentos V Doações, legados, indenizações e outras receitas lícitas Alíquota: 4,5% a 7,5% ( intervalo 0,5%) Superior a 7,5% -> Contribuição Facultativa

26 CONTRIBUIÇÕES Participantes Patrocinador Contribuição Básica Constituição da reserva de aposentadoria Constituição opcional da reserva de longevidade Custeio opcional da Cobertura Adicional (Invalidez e Morte) Custeio das Despesas Administrativas (taxa de carregamento) Contribuição Facultativa (Caráter Voluntário - mensal ou esporádica) Constituição opcional da reserva de aposentadoria Constituição opcional da reserva de longevidade Custeio opcional da Cobertura Adicional (Invalidez e Morte) Custeio das Despesas Administrativas (taxa de carregamento) Contribuição Básica Constituição da reserva de aposentadoria Constituição da reserva de longevidade Custeio opcional da Cobertura Adicional (Invalidez e Morte) Custeio das Despesas Administrativas (taxa de carregamento)

27 BENEFÍCIOS DO PLANO APOSENTADORIA PROGRAMADA APOSENTADORIA POR INVALIDEZ RS-FUTURO PENSÃO POR MORTE BENEFÍCIO DE LONGEVIDADE

28 FORMA DE RECEBIMENTO DOS BENEFÍCIOS Renda Mensal da Aposentadoria Programada e Aposentadoria por Invalidez Será paga pelo prazo equivalente à expectativa de vida correspondente a idade do participante na data da concessão do benefício (tábua de mortalidade), desde que não inferior a 180 meses. (Art.34.) Renda Mensal da Pensão por morte Será paga pelo prazo equivalente à expectativa de vida correspondente a idade do participante na data da morte(tábua de mortalidade), podendo o beneficiário, alternativamente, optar pelo recebimento em prazo diverso, observado o período mínimo de 60 meses.(art.35.) Renda Mensal do Benefício de Longevidade Será paga pelo prazo equivalente à expectativa de vida correspondente a idade do participante na data da concessão do benefício (tábua de mortalidade), podendo o beneficiário, alternativamente, optar pelo recebimento em prazo diverso, desde que não inferior a 12 meses.(art.36.)

29 EXPECTATIVA DE SOBREVIDA POR FAIXA DE IDADE (em anos) A expectativa de sobrevida cresce em todos os segmentos etários, inclusive entre os mais idosos, o que implica maior duração no pagamento de benefícios. Fonte: IBGE Projeções de População 2013

30 5. RISCOS

31 CUSTOS ADMINISTRATIVOS FUNPRESP PARTICIPANTES POR ENTIDADE (*) CUSTO ANUAL ESTIMADO POR PARTICIPANTE (R$) , , , , ,59 (*) O Custo será rateado entre Participante e Patrocinador

32 FUNPRESP- Exe ExecPrev Total 17,00% 100,00% Fundo de Cobertura de Benefícios Extraordinários (FCBE) 3,66% 21,53% Aporte Extraordinário de Aposentadoria Normal (AEAN) 1,26% 7,41% Aporte Extraordinário de Aposentadoria por Invalidez (AEAI) 0,20% 1,18% Aporte Extraordinário por Morte do Participante Ativo (AEMAt) 0,17% 1,00% Aporte Extraordinário por Morte do Participante Assistido (AEMAss) 0,04% 0,23% Benefício por Sobrevivência do Assistido (BSA) 1,62% 9,53% Oscilação de Risco (1) 0,37% 2,18% Taxa de Carregamento (administração) 1,19% 7,00% Reserva Acumulada pelo Participante (RAP) 8,5% 12,15% 71,47% Total 16,00% 100,00% Fundo de Cobertura de Benefícios Extraordinários (FCBE) 3,66% 22,88% Taxa de Carregamento (administração) 1,12% 7,00% Reserva Acumulada pelo Participante (RAP) 8,0% 11,22% 70,12% Total 15,00% 100,00% Fundo de Cobertura de Benefícios Extraordinários (FCBE) 3,66% 24,40% Taxa de Carregamento (administração) 1,05% 7,00% Reserva Acumulada pelo Participante (RAP) 7,5% 10,29% 68,60% Nota: (1) 10% sobre o custo do AEAN, BSA e AEMAss e 20% para AEAI e AEMAt. Plano de Custeio do Plano Executivo Federal (ExecPrev) aprovado pelo Conselho Deliberativo da Funpresp-Exe. ExecPrev PLANO DE CUSTEIO ATIVO NORMAL - Taxas totais de custeio do plano sobre o Salário de Participação do Participante Ativo Normal (participante + patrocinador)

33 FUNPRESP- Exe x RS-Futuro(RSPREV) FUNPRESP-Exe RS-Futuro Total 15,00% 100,00% 15,00% 100,00% Cobertura de Benefícios Extraordinários (FCBE) 3,66% 24,40% 2,000% 13,33% Taxa de Carregamento (administração) 1,05% 7,00% 0,975% 6,50% Reserva Acumulada pelo Participante (RAP) 7,5% 10,29% 68,60% 12,025% 80,16%

34 FUNPRESP- Exe Simulações(2015) Simulador Funpresp:Taxa de carregamento: 7% O percentual vertido para o Fundo para Benefícios de Riscos (FCBE) variam de acordo com o percentual de contribuição do participante. Contribuição de 17%: 21,53% para FCBE, restando 71,47% para acumulação Contribuição de 16%: 22,88% para FCBE, restando 70,12% para acumulação Contribuição de 15%: 24,40% para FCBE, restando 68,60% para acumulação SIMULAÇÃO 1 - Salário de R$ ,00; Juros 4%; 35 anos de contribuição; Sexo Masculino Salário R$ ,00 Salário de contribuição R$ 5.336,25 Percentual de % Beneficio/ Saldo CI Benefício Juros - Fase de acumulação 4% contribuição (%) Sal contrib Juros - Fase de recebimento 4% 7,5 R$ ,32 R$ 2.489,49 46,65% Idade de Ingresso 25 8 R$ ,22 R$ 2.714,48 50,87% Idade de aposentadoria 60 8,5 R$ ,13 R$ 2.939,48 55,09% Sexo M SIMULAÇÃO 3 - Salário de R$ ,00; Juros 6%; 35 anos de contribuição; Sexo Masculino Salário R$ ,00 Salário de contribuição R$ 5.336,25 Percentual de % Beneficio/ Saldo CI Benefício Juros - Fase de acumulação 6% contribuição (%) Sal contrib Juros - Fase de recebimento 4% 7,5 R$ ,96 R$ 3.799,88 71,21% Idade de Ingresso 25 8 R$ ,64 R$ 4.143,31 77,64% Idade de aposentadoria 60 8,5 R$ ,32 R$ 4.486,74 84,08% Sexo M

35 FUNPRESP- Exe Simulações(2015) Simulador Funpresp:Taxa de carregamento: 7% O percentual vertido para o Fundo para Benefícios de Riscos (FCBE) variam de acordo com o percentual de contribuição do participante. Contribuição de 17%: 21,53% para FCBE, restando 71,47% para acumulação Contribuição de 16%: 22,88% para FCBE, restando 70,12% para acumulação Contribuição de 15%: 24,40% para FCBE, restando 68,60% para acumulação SIMULAÇÃO 4 - Salário de R$ ,00; Juros 4%; 30 anos de contribuição; Sexo Feminino Salário R$ ,00 Salário de contribuição R$ 5.336,25 Percentual de % Beneficio/ Saldo CI Benefício Juros - Fase de acumulação 4% contribuição (%) Sal contrib Juros - Fase de recebimento 4% 7,5 R$ ,00 R$ 2.010,99 37,69% Idade de Ingresso 25 8 R$ ,01 R$ 2.192,74 41,09% Idade de aposentadoria 55 8,5 R$ ,02 R$ 2.374,49 44,50% Sexo F SIMULAÇÃO 6 - Salário de R$ ,00; Juros 6%; 30 anos de contribuição; Sexo Feminino Salário R$ ,00 Salário de contribuição R$ 5.336,25 Percentual de % Beneficio/ Saldo CI Benefício Juros - Fase de acumulação 6% contribuição (%) Sal contrib Juros - Fase de recebimento 4% 7,5 R$ ,29 R$ 2.859,79 53,59% Idade de Ingresso 25 8 R$ ,76 R$ 3.118,26 58,44% Idade de aposentadoria 55 8,5 R$ ,23 R$ 3.376,73 63,28% Sexo F

36 CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA RS-PREV CONTRIBUIÇÃO PARTICIPANTE 7,5% CONTRIBUIÇÃO DO PATROCINADOR 7,5% RENTABILIDADE RESERVA PARTICIPANTE Saldos de conta individualizados Escolha da Alíquota do Participante Não pode ser maior do que a contribuição normal do participante Retorno dos Investimentos

37 ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS SEGUNDA FONTE DE RENDIMENTO PARA APOSENTADORIA (ZH-4/10/2016) Quanto rende, em média, uma aplicação mensal de R$ 300,00 em uma previdência privada ao final de 20 anos, e quanto rende em outros investimentos: Investimento Valor em R$ Previdência Privada Caderneta de Poupança Fundos (taxa de adm. 1,5% ao ano CDB (93% de taxa DI) Títulos do Tesouro R$ 197 mil R$ 163 mil R$ 196 mil R$ 245 mil R$ 296 mil * Simulações considerando a atual Taxa Básica de juros e sem considerar desconto do imposto de renda

38 ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS Auditor- Fiscal da Receita Estadual do RS Conselheiro do CONAPREV Conselheiro da União Gaúcha em Defesa da Previdência Pública Estadual / / 5762

Estamos vivendo a AGEING SOCIETY

Estamos vivendo a AGEING SOCIETY Estamos vivendo a AGEING SOCIETY HC monitora crianças em busca de longevidade - O Estado de São Paulo, 16/09/07. Expectativa de vida de 150 anos (Instituto Barshop - Universidade do Texas EUA) Isto É,

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1/5 Plano de Benefícios CD-02 Cuidar do seu futuro é o nosso negócio! 2/5 1 Por que foi criado o Plano CD-02? O Plano CD-02 foi desenhado no modelo de Contribuição Definida, um plano totalmente individual,

Leia mais

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar Plano CV Prevdata Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar A entidade Nossos números Patrimônio de R$ 1,1 bilhão (dez/2016) 2 planos de benefícios e plano de gestão administrativa 36

Leia mais

Funpresp A privatização da aposentadoria do servidor público

Funpresp A privatização da aposentadoria do servidor público Funpresp A privatização da aposentadoria do servidor público VIDA DOCENTE: PREVIDÊNCIA E CARREIRA APUBH SINDICATO DOS PROFESSORES UNIVERSIDADES FEDERAIS DE BELO HORIZONTE E MONTES CLAROS BELO HORIZONTE

Leia mais

IPERGS RPPS - DESAFIOS PARA O FORTALECIMENTO E A SUSTENTABILIDADE - GRAMADO ABRIL 2016

IPERGS RPPS - DESAFIOS PARA O FORTALECIMENTO E A SUSTENTABILIDADE - GRAMADO ABRIL 2016 IPERGS RPPS - DESAFIOS PARA O FORTALECIMENTO E A SUSTENTABILIDADE - GRAMADO ABRIL 2016 SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA SEGURIDADE SOCIAL Art. 194 da CF - A seguridade social compreende um conjunto integrado de

Leia mais

O Reflexo da Reforma no Regime de Previdência Complementar

O Reflexo da Reforma no Regime de Previdência Complementar O Reflexo da Reforma no Regime de Previdência Complementar Nilton Santos, 17 de agosto de 2017 1 O Regime de Previdência Complementar - RPC 2 Sistema de previdência Regime Geral Regimes Próprios Previdência

Leia mais

Plano PBS-Telebrás. Junho/15

Plano PBS-Telebrás. Junho/15 Plano PBS-Telebrás Junho/15 Plano PBS-Telebrás Benefícios programados e de risco na modalidade de Benefício Definido (BD); Benefícios programados e de risco são determinados conforme regra de cálculo préestabelecida

Leia mais

O novo modelo de previdência do setor público. Outubro/2013

O novo modelo de previdência do setor público. Outubro/2013 O novo modelo de previdência do setor público Outubro/2013 MODELO ADOTADO PREVIDÊNCIA BÁSICA SPPREV ou INSS + PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Benefícios variáveis, dependendo do valor acumulado pelo servidor

Leia mais

ENAP - Brasília-DF, 30 de abril de 2014. ExecPrev. Plano de Previdência Complementar do Servidor Público Federal

ENAP - Brasília-DF, 30 de abril de 2014. ExecPrev. Plano de Previdência Complementar do Servidor Público Federal ENAP - Brasília-DF, 30 de abril de 2014 ExecPrev Plano de Previdência Complementar do Servidor Público Federal 1 2 Adesão Ingresso no Serviço Público Adesão à Funpresp Acumulação Formação da Poupança Previdenciária

Leia mais

Práticas Atuariais em Seguros e Pensões. 10. Previdência Thaís Paiva

Práticas Atuariais em Seguros e Pensões. 10. Previdência Thaís Paiva Práticas Atuariais em Seguros e Pensões 10. Previdência Thaís Paiva thaispaiva@est.ufmg.br Seguridade Social Fonte: slides de Paulo Josef Gouvêa da Gama/Rodarte Nogueira Práticas Atuariais 10. Previdência

Leia mais

SEMINÁRIO PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO. Superior Tribunal de Justiça Junho de 2007

SEMINÁRIO PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO. Superior Tribunal de Justiça Junho de 2007 SEMINÁRIO PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO Superior Tribunal de Justiça Junho de 2007 Premissas na estruturação do regime complementar Criar um regime previdenciário orientado principalmente

Leia mais

O SISTEMA DE PREVIDÊNCIA BRASILEIRO

O SISTEMA DE PREVIDÊNCIA BRASILEIRO O SISTEMA DE PREVIDÊNCIA BRASILEIRO O Sistema Brasileiro de Previdência é formado por três regimes previdenciários: 1) Regime Geral de Previdência Social (RGPS), a cargo do Instituto Nacional de Seguro

Leia mais

Sr. Renato Follador Presidente Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada. Ref.: Plano J.MALUCELLI plano de custeio anual para 2011

Sr. Renato Follador Presidente Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada. Ref.: Plano J.MALUCELLI plano de custeio anual para 2011 CP3792010 Curitiba, 20 de dezembro de 2010. Sr. Renato Follador Presidente Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada Ref.: Plano J.MALUCELLI plano de custeio anual para 2011 Prezado Senhor, A fim de

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA MINISTÉRIO DA FAZENDA. Brasília, agosto de 2017

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA MINISTÉRIO DA FAZENDA. Brasília, agosto de 2017 Brasília, agosto de 2017 Sumário 1. Dados Demográficos e a Previdência Social 2. Regime Geral de Previdência Social 3. Regimes Próprios de Previdência Social 1. DADOS DEMOGRÁFICOS E A PREVIDÊNCIA SOCIAL

Leia mais

Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita!

Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! Previdência Saúde Vou aderir ao PDVA. E agora? Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! O seu futuro e o da sua família dependem da sua decisão. Previdência Proteção a pessoa, geralmente, no desemprego,

Leia mais

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO ÂMBITO DOS RPPS

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO ÂMBITO DOS RPPS A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO ÂMBITO DOS RPPS Carlos Flory Abril de 2017 POR QUE O ASSUNTO É PAUTA? DE 1980 A 2050 2050 2010 Source: IBGE 1980 LONGEVIDADE DÉCADA DE 2010: Expectativa de sobrevida aos 65

Leia mais

Previdência no Estado do RS

Previdência no Estado do RS Previdência no Estado do RS José Alfredo Pezzi Parode Secretário do Planejamento e Gestão Audiência Pública Assembléia Legislativa do RS Porto Alegre, 05 de agosto de 2010 TRANSFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS

Leia mais

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem o objetivo de informá-lo, de forma simples e precisa, sobre os principais pontos do Plano SERGUS de Benefícios na modalidade de Contribuição Definida (CD), baseado no seu

Leia mais

Analista Político e Diretor de Documentação do Departamento Intersindical de Assessoria

Analista Político e Diretor de Documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Previdência Complementar Antônio Augusto de Queiroz é Jornalista, Analista Político e Diretor de Documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar DIAP Maio 2011. Previdência Sistema

Leia mais

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório.

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório. 1 O PLEBISCITO 1.1 Para que serve este Plebiscito? Consultar a opinião dos Participantes sobre as alternativas de solução para os planos de benefícios da FUNCEF, com saldamento do REG/REPLAN e implementação

Leia mais

Situação previdenciária do Estado do RS. Darcy Francisco Carvalho dos Santos março/2016

Situação previdenciária do Estado do RS. Darcy Francisco Carvalho dos Santos março/2016 Situação previdenciária do Estado do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos março/2016 O estado mínimo O comprometimento alto e crescente da receita com gastos previdenciários social é o que, de fato,

Leia mais

ESTUDOS ATUARIAIS E OS DESAFIOS DA ATUALIDADE

ESTUDOS ATUARIAIS E OS DESAFIOS DA ATUALIDADE ESTUDOS ATUARIAIS E OS DESAFIOS DA ATUALIDADE Ivan Sant Ana Ernandes, MIBA 506 Maio de 2017 AGENDA 1. Visão fiscal x visão social 2. Expectativas de vida no mundo e no Brasil 3. Envelhecimento da população

Leia mais

Cartilha do Participante. Previdência Complementar CASFAM

Cartilha do Participante. Previdência Complementar CASFAM Cartilha do Participante Previdência Complementar CASFAM APRESENTAÇÃO Caro (a) Participante, Preparar-se para o futuro, podendo aproveitar o período de aposentadoria com saúde e conforto, implica controlar

Leia mais

Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar

Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar GLOSSÁRIO Este glossário tem como objetivo apresentar as expressões e termos utilizados no contexto da Previdência Complementar, em especial dos

Leia mais

Plano de Benefícios CD-05

Plano de Benefícios CD-05 1/5 Plano de Benefícios CD-05 Nosso Plano é cuidar do seu futuro! 2/5 1 Apresentação A REGIUS Sociedade Civil de Previdência Privada é uma entidade fechada de previdência privada, que tem como objetivo

Leia mais

Novo Plano de Contribuição Definida -CD

Novo Plano de Contribuição Definida -CD Previ-Siemens Novo Plano de Contribuição Definida -CD Protection notice / Copyright notice Agenda A Importância de um plano de previdência Plano de Aposentadoria CD -Previ-Siemens Contribuições Procedimentos

Leia mais

PDI. Vou aderir ao PDI.

PDI. Vou aderir ao PDI. Vou aderir ao PDI. E agora? Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! O seu futuro e o da sua família dependem da sua decisão. Previdência Proteção a pessoa, geralmente, no desemprego, na doença,

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS RISCOS E VANTAGENS. Paulo Modesto (UFBA)

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS RISCOS E VANTAGENS. Paulo Modesto (UFBA) PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES PÚBLICOS P EFETIVOS: RISCOS E VANTAGENS Paulo Modesto (UFBA) http://www.direitodoestado.com.br Texto base: MODESTO, Paulo (org). Reforma da Previdência: análise

Leia mais

CNPB N Aprovado pela Portaria DITEC/PREVIC/MPS nº 44, de 31 de janeiro de 2013.

CNPB N Aprovado pela Portaria DITEC/PREVIC/MPS nº 44, de 31 de janeiro de 2013. REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO PODER EXECUTIVO FEDERAL ExecPrev Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo - Funpresp-Exe CNPB

Leia mais

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar?

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar? FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0551 -Contabilidade e Análise de Balanços de Instituições Previdenciárias TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Regimes da Previdência Social e os Beneficiários do Regime Geral

Resumo Aula-tema 03: Regimes da Previdência Social e os Beneficiários do Regime Geral Resumo Aula-tema 03: Regimes da Previdência Social e os Beneficiários do Regime Geral Nesta aula tema, serão estudados os regimes previdenciários vigentes no Brasil. Para tanto, cumpre, inicialmente, retomar

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA DATUSPREV

CARTILHA EXPLICATIVA DATUSPREV CARTILHA EXPLICATIVA DATUSPREV DATUSPREV Sociedade de Previdência Complementar CIASC Plano CIASCPREV CNPJ 10.605.283/0001-59 CNPB 2009.0009-19 Órgão Regulamentador PREVIC Ministério da Previdência Social

Leia mais

O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário. Wagner Advogados Associados

O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário. Wagner Advogados Associados O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Wagner Advogados Associados www.wagner.adv.br wagner@wagner.adv.br 1 REGRAS VIGENTES PARA APOSENTADORIA DOS SERVIDORES - Aposentadoria com

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Xangri-lá UF: RS DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Lucília Nunes de Souza MTE: 431 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 94.436.474/1-24 Município

Leia mais

ESTAMOS NA RETA FINAL!!!!

ESTAMOS NA RETA FINAL!!!! ESTAMOS NA RETA FINAL!!!! 4 Seguridade Social Conjunto de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade Destinada a assegurar os direitos relativos à: Saúde Previdência Assistência social Financiamento

Leia mais

Regulamento do Plano Executivo Federal

Regulamento do Plano Executivo Federal Regulamento do Plano Executivo Federal Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (Funpresp-Exe). CNPB nº 2013.0003-83 Aprovado pela Portaria PREVIC nº 317 de 25/06/2014,

Leia mais

Regime de trabalho FAPI

Regime de trabalho FAPI Regime de trabalho Pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) Pelos Estatutos dos Servidores Públicos Civis INSS Previdência Complementar de natureza privada Institutos de Previdência (RPPS) Entidade

Leia mais

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar?

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar? FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0551 -Contabilidade e Análise de Balanços de Instituições Previdenciárias TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade

Leia mais

Observações: (*) OFÍCIO 546 DA SPC DE 19/08/97. 12

Observações: (*) OFÍCIO 546 DA SPC DE 19/08/97. 12 Anexo ao JM/0847/2011-3 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO RAZÃO SOCIAL: FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL 3 DADOS DOS PLANOS NÚMERO DE PLANOS: 01 (UM) 4 DATAS

Leia mais

SUMÁRIO Capítulo I Do Plano de Benefícios Capítulo II Das Definições Capítulo III Dos Membros do Plano

SUMÁRIO Capítulo I Do Plano de Benefícios Capítulo II Das Definições Capítulo III Dos Membros do Plano 1 SUMÁRIO Capítulo I Do Plano de Benefícios Capítulo II Das Definições Capítulo III Dos Membros do Plano Seção I Dos Patrocinadores Seção II Dos Participantes, Assistidos e Beneficiários Seção III Das

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Volta Redonda UF: RJ DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Julio Machado Passos MTE: 1275 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 32.512.51/1-43 Prefeitura

Leia mais

QUADRO DE/PARA - Alterações no Regulamento do Plano Executivo Federal - ExecPrev aprovadas pelo Conselho Deliberativo. Nº DE PARA Justificativa

QUADRO DE/PARA - Alterações no Regulamento do Plano Executivo Federal - ExecPrev aprovadas pelo Conselho Deliberativo. Nº DE PARA Justificativa QUADRO DE/PARA - Alterações no Regulamento do Plano Executivo Federal - ExecPrev aprovadas pelo Conselho Deliberativo Nº DE PARA Justificativa Art. 1º. O presente Regulamento tem por Art. 1º. O presente

Leia mais

A previdência social no Brasil: Uma visão econômica

A previdência social no Brasil: Uma visão econômica A previdência social no Brasil: 1923 2009 Uma visão econômica Darcy Francisco Carvalho dos Santos darcy@darcyfrancisco.com.br 6 de Outubro de 2009. Auditório MERCOSUL FIERGS. Porto Alegre - RS Lançamento:

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Da Seguridade Social - Da Previdência Social Professor: André Vieira www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Constitucional Seção III DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Art. 201. A PREVIDÊNCIA

Leia mais

Acerca do conceito e dos princípios da seguridade social no Brasil, julgue os itens que se seguem.

Acerca do conceito e dos princípios da seguridade social no Brasil, julgue os itens que se seguem. (): Acerca do conceito e dos princípios da seguridade social no Brasil, julgue os itens que se seguem. 80 A seguridade social representa um conjunto integrado de ações direcionadas à proteção exclusiva

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Guarujá UF: SP DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Julio Machado Passos MTE: 1275 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 44.959.21/1-4 PREFEITURA

Leia mais

Uma Reforma Previdenciária Abrangente

Uma Reforma Previdenciária Abrangente Uma Reforma Previdenciária Abrangente Eqüidade x Redistribuição Se a Previdência Social for entendida como Seguro Compulsório visando garantir renda ao indivíduo ou grupo familiar quando da perda da capacidade

Leia mais

Manual do Aposentado e Pensionista. Plano de Benefícios SEESPPREV

Manual do Aposentado e Pensionista. Plano de Benefícios SEESPPREV Manual do Aposentado e Pensionista Plano de Benefícios SEESPPREV SUMÁRIO Qual o significado de Aposentado e Pensionista?...3 Quando é realizado o pagamento do Benefício?...3 Quais as formas de recebimento

Leia mais

Parecer Atuarial dos Planos de Benefícios Unisys Brasil Ltda. e Unisys Tecnologia Ltda. de 31/12/2013 Unisys-Previ - Entidade de Previdência

Parecer Atuarial dos Planos de Benefícios Unisys Brasil Ltda. e Unisys Tecnologia Ltda. de 31/12/2013 Unisys-Previ - Entidade de Previdência Parecer Atuarial dos Planos de Benefícios Unisys Brasil Ltda. e Unisys Tecnologia Ltda. de Unisys-Previ - Entidade de Previdência Complementar 21 de fevereiro de 2014 CONTEÚDO 1. Introdução... 1 2. Perfil

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Carazinho UF: RS CNPJ: 87.613.535/1-16 Endereço: AV FLORES DA CUNHA Complemento: Bairro: Centro CEP: 995- Telefone: (54) 3331-2699 Fax: E-mail: prefeitura@carazinho.rs.gov.br REPRESENTANTE LEGAL

Leia mais

Educação Previdenciária Conhecendo a Previdência Aula 2

Educação Previdenciária Conhecendo a Previdência Aula 2 Educação Previdenciária Conhecendo a Previdência Aula 2 2017 Pauta Previdência Social Princípios Histórico Carência Fator Previdenciário Valor dos Benefícios 2 Seguridade - Princípios Solidariedade uns

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 162 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

O que você quer ser quando envelhecer

O que você quer ser quando envelhecer O que você quer ser quando envelhecer Entenda como funciona o Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional do Rio Grande do Sul - OABPrev-RS. 2 01 02 03 O que é OABPrev-RS?

Leia mais

Previdência social: Verdades e mitos. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista Corecon

Previdência social: Verdades e mitos. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista Corecon Previdência social: Verdades e mitos Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista Corecon 3.755-9 Estado mínimo O comprometimento alto e crescente da receita com previdência social é que, de fato, está

Leia mais

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA Página 1 de 10 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 6 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.020-38 - PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PAQUETÁPREV DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

COMPARATIVO DO PLANO PETROS 2 COM O PLANO TRANSPETRO

COMPARATIVO DO PLANO PETROS 2 COM O PLANO TRANSPETRO COMPARATIVO DO PLANO PETROS 2 COM O PLANO TRANSPETRO PLANO PETROS 2 O Plano PETROS 2 é um plano de benefícios estruturado na modalidade Contribuição Variável, onde os benefícios programados são de contribuição

Leia mais

ESTRATÉGIA PREVIDENCIAL PLANO CPqDPREV

ESTRATÉGIA PREVIDENCIAL PLANO CPqDPREV ESTRATÉGIA PREVIDENCIAL PLANO CPqDPREV AGENDA 1. OBJETIVO 2. CPqDPREV 3. InovaPrev 4. ESTRATÉGIA PREVIDENCIAL E REGRAS DE TRANSAÇÃO 5. RESERVA MATEMÁTICA DE TRANSAÇÃO INDIVIDUAL - RMT i 6. COMPARATIVO

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Montividiu UF: GO DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Mauricio Zorzi MTE: 2458 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 5.548.251/1-29 FUNDO MUNICIPAL

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [18.868.955/0001-20] FUNDACAO GEAPPREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0006-47] GEAPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2015 Atuário Responsável ADILSON MORAES DA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Sumário DEFINIÇÕES 05

Sumário DEFINIÇÕES 05 Sumário INTRODUÇÃO 04 DEFINIÇÕES 05 1. O que é um plano de previdência complementar? 05 2. O que é um Fundo de Pensão? 05 3. O que é a SÃO FRANCISCO? 05 4. O que é o Codeprev? 05 5. Quais são as modalidades

Leia mais

ANEXO I - TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE-2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS

ANEXO I - TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE-2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS ANEXO I TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS x Masculina Feminina HUNTER AV ii ii x x 0 0.017032 0.014283 0.000000 1 0.001076 0.000880 0.000000 2 0.000702 0.000558 0.000000 3 0.000537

Leia mais

PARECER DA AUDITORIA ATUARIAL Plano Executivo Federal (CNPB nº )

PARECER DA AUDITORIA ATUARIAL Plano Executivo Federal (CNPB nº ) PARECER DA AUDITORIA ATUARIAL Plano Executivo Federal (CNPB nº 2013.0003-83) Parecer da auditoria atuarial referente à avaliação atuarial de encerramento do exercício de 2015 do Plano Executivo Federal

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.790.026-65 - PLANO DE BENEFÍCIOS I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR

Leia mais

Direito Previdenciário: a Medida Provisória nº 676/2015

Direito Previdenciário: a Medida Provisória nº 676/2015 American Chamber of Commerce for Brazil AMCHAM BRASIL/Brasília Comitê de Legislação: impactos legislativos e jurídicos Direito Previdenciário: a Medida Provisória nº 676/2015 LEANDRO MADUREIRA SILVA SUBCOORDENADOR

Leia mais

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento 6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento Alternativas para a Aposentadoria do Brasil Osvaldo do Nascimento Maio 2011 1 Maio 2011 Mobilidade Social Avanço do País Pirâmide Social Brasileira 200,0 180,0

Leia mais

A Funpresp é uma fundação pública ou privada? Como é feita a gestão da Funpresp? Como funciona o processo decisório da Funpresp?...

A Funpresp é uma fundação pública ou privada? Como é feita a gestão da Funpresp? Como funciona o processo decisório da Funpresp?... 1 Índice Apresentação... 4 Previdência Complementar e Funpresp... 5 O que mudou na previdência do servidor público federal?... 5 A Funpresp é uma fundação pública ou privada?... 6 Como é feita a gestão

Leia mais

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado Entenda mais sobre O Plano Copasa Saldado Apresentação Senhor (a) Participante: Ao publicar este material, a Fundação Libertas tem por objeto facilitar o entendimento e a disseminação dos principais dispositivos

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - Quem pode ingressar no Plano de Benefícios FAF? O Plano de Benefícios está fechado ao ingresso de novos Participantes desde 01.01.2003. 2 - Como são fixadas as contribuições mensais dos Participantes

Leia mais

Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial 2004

Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial 2004 Demonstrativo de Resultados da Avaliação Atuarial 2004 SP PREFEITURA MUNICIPAL DE CONCHAL CNPJ : 45331188000199 SIAFI : 986345 Cadastro de Nome do Plano : Novo Plano QUADRO 1 Dados do Regime Próprio de

Leia mais

Secretaria de Previdência Complementar - DRAA

Secretaria de Previdência Complementar - DRAA Página 1 de 10 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 4 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA

Leia mais

DADOS DOS PLANOS DATAS PLANOS APROVAÇÃO INÍCIO ÚLTIMA ALTERAÇÃO VALOR DE RESGATE NÚMERO DE EMPREGADOS

DADOS DOS PLANOS DATAS PLANOS APROVAÇÃO INÍCIO ÚLTIMA ALTERAÇÃO VALOR DE RESGATE NÚMERO DE EMPREGADOS SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS NÚMERO DE PLANOS: 2 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR UM AVANÇO PARA A GESTÃO PÚBLICA O Rio Grande do Sul registra um desequilíbrio histórico na previdência pública que gerou, em 2015, um déficit de R$ 8,5 bilhões. Esse valor corresponde

Leia mais

DE RECURSOS HUMANOS MARCOS CANDIDO ANALISTA ADMINISTRATIVO

DE RECURSOS HUMANOS MARCOS CANDIDO ANALISTA ADMINISTRATIVO CENTRO DE RECURSOS HUMANOS MARCOS CANDIDO ANALISTA ADMINISTRATIVO APOSENTADORIA BOAS VINDAS... MSG APOSENTADORIA Objetivo do treinamento Fortalecer o conhecimento das formas mais empregadas de aposentadoria

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.790.026-65 - PLANO DE BENEFÍCIOS I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR

Leia mais

MATERIAL EXPLICATIVO PAP

MATERIAL EXPLICATIVO PAP MATERIAL EXPLICATIVO PAP índice A Previdência no Brasil A Funepp e o PAP pág. 6 pág. 10 2 3 A Nestlé oferece aos seus colaboradores a oportunidade de se prepararem para o futuro, auxiliando-os na formação

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: ITAUBANCO 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO ITAUBANCO 4- NÚMERO DE PLANOS: NÚMERO DE EMPREGADOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: ITAUBANCO 2- CÓDIGO: RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO ITAUBANCO 4- NÚMERO DE PLANOS: NÚMERO DE EMPREGADOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 7 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.790.009-56 - PLANO DE BENEFÍCIOS 002 DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO

Leia mais

TRABALHADORES E A PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

TRABALHADORES E A PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL TRABALHADORES E A PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL ORIGENS Luta dos trabalhadores ferroviários e constituição de caixas de socorro mútuo Conquistas gradativas Lei Eloy Chaves obriga cada ferrovia a criar Caixas

Leia mais

Este material contém uma mídia com documentos adicionais para você consultar no computador. MATERIAL EXPLICATIVO PLANO PAN

Este material contém uma mídia com documentos adicionais para você consultar no computador. MATERIAL EXPLICATIVO PLANO PAN Este material contém uma mídia com documentos adicionais para você consultar no computador. MATERIAL EXPLICATIVO PLANO PAN índice A Previdência no Brasil A Funepp e o PAN pág. 6 pág. 10 2 3 O MELHOR MOMENTO

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Mariana MG 18.295.303/0001-44 / - 2014 27/10/2014 11:01:02 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 4.696.251,36

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Artur Nogueira SP 45.735.552/0001-86 / - 2014 22/08/2014 11:17:41 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 3.174.240,11

Leia mais

PEC287/2016 Os impactos para os servidores Prof. Eduardo Rolim de Oliveira Presidente do PROIFES-Federação

PEC287/2016 Os impactos para os servidores Prof. Eduardo Rolim de Oliveira Presidente do PROIFES-Federação PEC287/2016 Os impactos para os servidores Prof. Eduardo Rolim de Oliveira Presidente do PROIFES-Federação Pequeno Glossário da Previdência As Formas de aposentadoria Voluntária por tempo de contribuição:

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Eusébio CE 23.563.067/0001-30 / - 2015 24/10/2015 17:45:56 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 2.527.574,18

Leia mais

Entenda mais sobre. Novo Plano Copasa

Entenda mais sobre. Novo Plano Copasa Entenda mais sobre O Novo Plano Copasa Apresentação Senhor (a) Participante: Ao publicar este material, a Fundação Libertas tem por objeto facilitar o entendimento e a disseminação dos principais dispositivos

Leia mais

Parecer Atuarial sobre o Balanço de

Parecer Atuarial sobre o Balanço de CAPESESP - Caixa de Previdência e Assistência dos Servidores da FUNASA Plano de Benefícios Previdenciais dos Empregados da CAPESESP - CNPB n 19.840.001-11 Parecer Atuarial sobre o Balanço de 31.12.2012

Leia mais

1º Bate Papo sobre a. Vitória, 27 de fevereiro de 2015

1º Bate Papo sobre a. Vitória, 27 de fevereiro de 2015 1º Bate Papo sobre a Vitória, 27 de fevereiro de 2015 1 Alexandre Wernersbach Neves Diretor Presidente Administrador formado pela Fundação Mineira de Educação e Cultura (FUMEC - Belo Horizonte) Especialista

Leia mais

Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação

Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação PLANO PETROS 2 PREMISSAS DA SUA ESTRUTURAÇÃO O PLANO PETROS-2 será estruturado na modalidade de Contribuição Variável, nos termos da legislação aplicável

Leia mais

O Regime de Previdência do Estado de Mato Grosso

O Regime de Previdência do Estado de Mato Grosso O Regime de Previdência do Estado de Mato Grosso O Sistema de Previdência no Brasil Sistema Previdenciário Brasileiro Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) (art. 40, CF) Previdência Complementar

Leia mais

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA Página 1 de 9 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO

Leia mais

PARECER ATUARIAL PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS

PARECER ATUARIAL PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS PARECER ATUARIAL PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS A data base da avaliação atuarial do Plano Misto de Benefícios, administrado pela Mendesprev Sociedade Previdenciária, objeto deste parecer é 31/12/2010. Objetivo

Leia mais

Desafios da Previdência. FGV Rio de Janeiro, Março 2016

Desafios da Previdência. FGV Rio de Janeiro, Março 2016 Desafios da Previdência FGV Rio de Janeiro, Março 2016 Evolução da Razão de Dependência de Idosos 2000-2060 IBGE 45 40 35 30 25 20 15 10 5 8 Despesa RGPS como % do PIB 1995-2015 7.5 7.4 7 6.5 6.4 6.7 6.9

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

QUADRO DE/PARA - Alterações no Regulamento do Plano LegisPrev aprovadas pelo Conselho Deliberativo

QUADRO DE/PARA - Alterações no Regulamento do Plano LegisPrev aprovadas pelo Conselho Deliberativo QUADRO DE/PARA - Alterações no Regulamento do Plano LegisPrev aprovadas pelo Conselho Deliberativo Nº DE PARA Justificativa Artigo 2º Para os fins deste Regulamento... V - BENEFICIÁRIO: dependente do Participante

Leia mais

Cartilha do Participante. Plano de Contribuição Definida

Cartilha do Participante. Plano de Contribuição Definida Construindo o futuro O futuro é uma grande obra a ser construída. Cada atitude é um passo que damos rumo à construção de algo sólido e seguro. Está em nossas mãos transformar o presente em uma oportunidade

Leia mais

Plano Transitório Equacionamento do Déficit

Plano Transitório Equacionamento do Déficit Plano Transitório Equacionamento do Déficit Plano Transitório e o equacionamento do déficit Alguns fatores fizeram com que o Plano Transitório acumulasse resultados inferiores ao que se esperava, criando

Leia mais

Manual do Aposentado e Pensionista EBC Prev. Plano de Benefícios da EBC Empresa Brasil de Comunicação

Manual do Aposentado e Pensionista EBC Prev. Plano de Benefícios da EBC Empresa Brasil de Comunicação Manual do Aposentado e Pensionista Prev Plano de Benefícios da Empresa Brasil de Comunicação SUMÁRIO Qual é o significado de Aposentado e Pensionista?...3 Quando é realizado o pagamento das parcelas do

Leia mais

CARTILHA DO PARTICIPANTE. O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência.

CARTILHA DO PARTICIPANTE. O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência. O que é o OABPREV/RS? CARTILHA DO PARTICIPANTE O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência. Quem instituiu o OABPREV/RS? A Ordem dos Advogados

Leia mais

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Introdução - Entenda o Conceito da Previdência Complementar PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR - Você precisa O que é Previdência complementar pode ser definida como o patrimônio que irá garantir uma vida digna

Leia mais

PARECER DA AUDITORIA ATUARIAL Plano LegisPrev (CNPB nº )

PARECER DA AUDITORIA ATUARIAL Plano LegisPrev (CNPB nº ) PARECER DA AUDITORIA ATUARIAL Plano LegisPrev (CNPB nº 2013.0006-18) Parecer da auditoria atuarial referente à avaliação atuarial de encerramento do exercício de 2015 do Plano LegisPrev administrado pela

Leia mais

BOCA PAULISTA ELETRÔNICO

BOCA PAULISTA ELETRÔNICO BOCA PAULISTA ELETRÔNICO São Paulo, 4 de janeiro de 2017 - nº 1 A PEC DA PREVIDÊNCIA - I De acordo com o RH Em Números, do Depes, de novembro/2016, o Banco Central do Brasil possuía 4.060 servidores ativos,

Leia mais