zos Operational System Z

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "zos Operational System Z"

Transcrição

1 zos Operational System Z Índice Página Arquivo nativos do zos 2 Cartões de um JCL 3 Catalogo de Arquivos 2 Copiando um VSAM 11 Criação de um JOB 2 Criando um vsam ESDS 12 Criando um vsam KSDS 9 Criando um vsam RRDS 13 Imprimindo um VSAM 12 JOB Cartão de controle do trabalho 3 Layout do JCL 3 O que é o zos 1 STEP001 Deleção de arquivos 4 STEP002 Criação de arquivos 5 STEP003 Classificação de arquivos 7 Student Guide

2 O que é o zos 1 2 Arquivo nativos do zos z/os é um SO de 64 bits para mainframes, criado pela IBM. É o sucessor do OS/390, o qual, por sua vez, combinou o MVS e o UNIX System Services (uma implementação Unix POSIX-aderente para mainframes, anteriormente conhecida como MVS Open Edition ou OpenMVS). O z/os oferece muitos dos atributos de outros sistemas operacionais modernos, mas também conserva muito da funcionalidade originada nos anos 1970 e anos 1960, que frequentemente ainda estão em uso cotidiano. Isto inclui CICS, IMS, DB2, RACF e SNA. O z/os também executa Java de 64 bits, suporta APIs e aplicativos UNIX (Single UNIX Specification) e comunica-se diretamente com o [[Internet protocol suite TCP/IP. Um sistema operacional complementar IBM, z/vm, fornece o gerenciamento de sistemas virtuais múltiplos ("guests") no mesmo mainframe físico. Estas novas funções no z/os e z/vm, e o suporte ao Linux, tem encorajado o desenvolvimento de novos aplicativos para mainframes. Muitos deles utilizam o WebSphere Application Server para middleware z/os. A partir de 1 de abril de 2007, o z/os passou a ter suporte somente em mainframes de 64 bits (z/architecture). O z/os V1R5 foi a última versão a dar suporte ao ESA/390, uma arquitetura de hardware anterior com endereçamento de 31 bits. Aplicativos antigos ainda são suportados na mesma forma binária, usem eles 31 bits ou mesmo endereçamento de 24 bits. A IBM comercializa o z/os como um sistema operacional destacado [1], talhado para operações contínuas, de grande volume, com elevada segurança e estabilidade. Uma versão de baixo custo do z/os, z/os.e, possui código idêntico mas é processado com uma configuração de inicialização que impede a execução de tarefas "clássicas", tais como os compiladores COBOL e PL/I. O z/os.e era disponibilizado para os mainframes IBM z800, z890 e z9 BC, mas foi encerrado com a versão V1.8 e retirado de mercado em outubro de [2] Foi substituído pelo System z New Application License Charges (znalc), o qual oferece um z/os completo e mais barato, se usado para servir novos aplicativos ("new workloads") Importante: Neste manual veremos somente alguns utilitários e seus parâmetros, mais usados pelos programadores mainframe, pois os utilitários do zos são vários e diversificados para mais conhecimentos consulte no site da IBM o tópico IBM MANUALS. O ZOS pode ter vários tipos de arquivos, no nosso curso abordaremos 3 tipos de arquivos:. Tipo s de Arquivos 1) Particionado : São arquivos que contém membros (também chamados PDS), que podem ser: parâmetros do sistema, parâmetros de programa, programas fonte, jobs, etc. 2) Sequencial: Os dados são acessados de maneira sequencial, registro após registro, podendo ser os registros de dados de tamanho fixo ou variável. 3) Indexado: Arquivo de estrutura indexada, contendo uma área de controle, área de índices e uma área de dados. No caso do ZOS o arquivo usado é VSAM. Catalogo de Arquivos O catálogo é o endereçamento dos volumes para que possamos acessar um arquivo, este endereçamento está dividido em níveis, o primeiro nível (catálogo) apontará em que volume se encontra o arquivo que desejamos acessar, o segundo nível (VTOC) indicará qual será o endereço físico do arquivo. Existe o catálogo mestre que conterá a definição dos catálogos de sistema, no catálogo de sistema são definidos os prefixos dos arquivos que serão controlados por ele. A cada encerramento de um aplicativo que crie ou exclua um arquivo o catálogo é atualizado. LEGENDA Catálogo: Volume: VTOC: Lista de endereço Meio físico de armazenagem de dados (Disco) Volume Table of Contains (Tabela de conteúdo de volumes) Criação de um JOB Para criar um JOB no ambiente mainframe é necessário a codificação de uma linguagem chamada JCL, que é uma linguagem de programação necessária para gerar qualquer trabalho dentro do mainframe, que pode ser uma geração de um arquivo, execução de um programa, entre outros.

3 3 4 Cartões de um JCL Um JCL possui 3 diferentes tipos de cartões, onde cada um deles possui uma função específica dentro do JOB. Os cartões são: JOB EXEC DD Define o início da codificação do JCL, bem como sua parametrização. Executa um programa ou um utilitário do sistema operacional. Define uma entrada ou saída de sistema. Layout do JCL O JCL possui um layout específico para sua programação, e este deve ser respeitado durante toda a sua codificação. Coluna 01 a 02 : // Coluna 03 a 09 : Nome do procedimento, que pode ser o nome do JOB, do STEP ou da entrada e saída de informações Coluna 12 a 16 : Tipo de cartão, que pode ser JOB, EXEC ou DD Coluna 17 a 72 : Área de comandos Uma linha de comentário é assinalada por / nas 3 primeiras colunas. Para continuar uma linha em um JCL, devemos inserir uma, (vírgula) no último parâmetro informado, inserir // nas 2 primeiras colunas da linha posterior e continuar com os comando à partir da coluna 12 (abaixo do cartão). JOB Cartão de controle do trabalho //USERXXXX JOB 'ALUNO',CLASS=C,TIME=1,REGION=2048K,NOTIFY=&SYSUID USERXXX: É o nome do job, deverá ter até 8 caracteres, sempre começando com uma letra. JOB: Tipo do cartão de comando, indica as características do serviço ALUNO: Obrigatório, identifica o responsável pelo JOB CLASS: Define a classe que será executado o JOB na fila do JES, esta classe varia por instalação. TIME: Tempo em segundos de CPU, não obrigatório, mas é recomendado informar, pois se algum programa do job estiver em loop infinito, este terá um determinado tempo de execução em minutos. REGION: Alocação de memória necessária para processar este JOB, não é obrigatório. NOTIFY: Envia mensagem de término de execução do JOB para o usuário que o enviou (&SYSUID). / * //STEP001 EXEC PGM=IEFBR14 //DD01 DD DSN=MFS.USER.CADALUNO.SEQ,DISP=(MOD,DELETE), // UNIT=3390,VOL=SER=TURMA?,SPACE=(TRK,(2,1),RLSE) //DD02 DD DSN=MFS.USER.CADALUNO.SRT1,DISP=(MOD,DELETE), // UNIT=3390,VOL=SER=TURMA?,SPACE=(TRK,(2,1),RLSE) STEP001 Deleção de arquivos O JOB é formado por uma ou várias chamadas de programas (cartão EXEC), para cada cartão EXEC coloca-se um nome do stepname. EXEC: Tipo do cartão de comando, indica qual o programa ou utilitário que será executado PGM: Indicador de programa ou utilitário que será executado neste step. verificar a execução do job em nosso terminal. IEFBR14: Manutenção de arquivos sequenciais O IEFBR14 não executa nenhuma instrução, apenas solicita ao JES2 realizar as ações do DISP dos arquivos assinalados. SYSPRINT: Os relatórios serão direcionados para o sistema de impressão. DD SYSOUT=* Indica que a SYSPRINT será direcionada para o dispositivo de saída do JOB,, A SYSOUT (Sistema de saída) é o spool de relatórios. SYSOUT: As mensagens de controle do JOB terá o mesmo destino da SYSPRINT. DD01, DD02: Arquivos a serem excluídos dos volumes indicados DSN: Nome do arquivo que o utilitário/programa fará uso, na nossa instalação o padrão é: MFS.USER.XXXXXXXX.XXXXXXXX, onde XXXXXXXX será a extensão dos arquivos. DISP: Status do arquivo para o sistema operacional. Os status são agrupados em até três parâmetros para cada DSN.

4 5 6 OLD: Significa que o arquivo já existe e que o aplicativo exige exclusividade na leitura. NEW: Arquivo novo a ser criado no step em que ele se referência. MOD: Se o arquivo existir, o sistema operacional usará o existente, se não existir será criado um novo, conforme parâmetros de criação do arquivo. Ação a ser tomada no STEP no caso de término normal e anormal respectivamente. CATLG: Cataloga o arquivo esta opção deve estar sempre acompanhada de NEW no primeiro parâmetro. UNCATLG : Descataloga o arquivo (retira da VTOC). DELETE: Deleta o arquivo. KEEP: Mantenha o arquivo como estava antes da execução UNIT: Especifica o tipo de dispositivo onde será criado o arquivo VOL=SER: Volume onde será lido ou gravado o arquivo SPACE: Espaço a ser utilizado pelo arquivo TRK: Espaço reservado em trilhas, mas pode ser em REC(Registros) ou CYL(Cilindros). Os números a seguir são: Alocação principal (2) e alocação secundária(1), isto é, se as trilhas principais não comportarem os dados, as alocações secundária serão utilizadas. OBS: Um CYL contem várias TRKs que contem vários RECs RLSE: Libera as áreas de alocação que não forem usadas após a criação do arquivo. ICEGENER: Utilitário para cópia de arquivos. COND: Condição de execução do step, podemos vincular a execução do step corrente com as condições de término do steps anteriores: (0,NE) = Não será executado se o step anterior terminar com RC>0 (8,LT) = Será executado se o step anterior terminar com RC<8 (0,GT) =: Será executado se o step anterior terminar com RC>0 (8,EQ) = Será executado se o step anterior terminar com RC=8 (EVEN) = Será executado mesmo se o step anterior terminar com RC>0 (ONLY) = Executa somente se algum step tenha terminado com RC=0 SYSUT1: Indica o arquivo que será de entrada para o ICEGENER OBS: DD * indicará que o arquivo de entrada estará no próprio JOB logo abaixo do parâmetro. SYSUT2: Indicará o arquivo que será criado com os dados do arquivo de entrada (SYSUT1) DCB: Define os parâmetros do arquivo a ser criado (Definition Control Block) LRECL = Tamanho do registro RECFM = Formato do registro (F=Fixo, V=Variável FB=Fixo blocado VB = Variável blocado) BLKSIZE = Tamanho do bloco, será colocado o tamanho referente ao número de registros vezes o tamanho do mesmo, normalmente deixamos que o sistema operacional calcule, informando zero no tamanho do bloco. STEP002 Criação de arquivos / * //STEP002 EXEC PGM=ICEGENER,COND=(0,NE) //SYSUT1 DD * 00001JOAO DE BARRO FILHO 01/01/1977D 00002JOSE DE ALMEIDA 19/01/1965D 00003ANTONIO SOUZA LIMA 02/03/1978C 00004ELEONOR DE CASTRO 05/07/1954B 00005RIVALDO DOS SANTOS 07/09/1967E //SYSUT2 DD DSN=MFS.USER.CADALUNO.SEQ,DISP=(,CATLG,DELETE), // UNIT=3390,VOL=SER=TURMA?,SPACE=(TRK,(2,1),RLSE), // DCB=(LRECL=80,RECFM=FB,BLKSIZE=0

5 STEP003 Classificação de arquivos / * //STEP003 EXEC PGM=SORT,COND=(0,NE) //SORTIN DD DSN=MFS.USER.CADALUNO.SEQ,DISP=SHR //SORTOUT DD DSN=MFS.USER.CADALUNO.SRT1,DISP=(,CATLG,DELETE), // UNIT=3390,VOL=SER=TURMA?,SPACE=(TRK,(2,1),RLSE), // DCB=(LRECL=80,RECFM=FB,BLKSIZE=0) SORT FIELDS=(06,35,BI,A) OMIT COND=(06,04,CH,EQ,C JOSE ) SORT: Utilitário de classificação de arquivos, este programa é um utilitário que classifica os arquivos, seja sequenciais ou indexados SORTIN: Indica o arquivo que será classificado (entrada) SORTOUT: Indica o arquivo que será o resultado da classificação (saída) SORT FIELDS: Campos no registro de entrada que serão referências para a classificação, os parâmetros auxiliares que compõem este parâmetro são: (06,35,BI,A). Onde: 06 = Posição inicial do campo 35 = Tamanho do campo BI = Tipo do campo que podem assumir os valores: BI = Binário, PK= Decimal Compactado, ZD = Decimal zonado, CH = Caráter A = Tipo de ordenação que podem assumir os valores: A = Ascendente e D = Descendente OMIT COND: Serão omitidos os registros na entrada que estiverem nas condições especificadas no parâmetro auxiliar (06,04,CH,EQ,C JOSE ) onde: 06 = Posição inicial do campo 04 = Tamanho do campo CH = Tipo do campo EQ = Tipo de comparação: LT = Menor que, GT = Maior que, EQ = Igual, LE = Menor/Igual, GE = Maior/Igual C = Indica qual a comparação que será feita, neste caso com JOSE 7 8 INCLUDE COND: Serão incluídos os registros na entrada que estiverem nas condições especificadas no parâmetro auxiliar IMPORTANTE No parâmetro SORT FIELDS podemos usar vários campos para classificação. Ex:(Pos1, Tam1,Tip1,Ord1, Pos2,Tam2,Tip2,Ord2,...) No parâmetro INCLUDE e OMIT COND podemos usar os conectores OR, AND para concatenar duas ou mais condições. Ex: Pos1,Tam1,Tip1,Com1,C Arg1,OR,Pos2,Tam2,Tip2,Com2,C Arg2, AND,Pos3,Tam3,Tip3,Com3,Arg3). DEFINIÇÃO DE VSAM O VSAM é um método de acesso à que combina os índices e os dados separadamente, podemos acessar de várias maneiras possíveis os dados nele contidos, para isso podemos definir índices primários, alternados e até chaves compostas para um arquivo VSAM. Todo arquivo VSAM é controlado pela MASTER CATALOG, que controla os acessos aos arquivos.um VSAM é formado por CLUSTER, DADOS e ÍNDICES. CLUSTER é a combinação da área de dados com a área de índices separadamente, o controle dos dados e índices ficam a cargo do CLUSTER. TIPOS DE ARQUIVOS Existem 3 tipos de arquivos VSAM, o KSDS, ESDS e o RRDS. Veremos a seguir as definições de cada um deles: KSDS Key Sequential Data Set, é o mais conhecido e utilizado, sua arquitetura consiste em uma área de dados e uma área de índices, onde uma chave aponta para chave anterior e próxima, este arquivo pode ser acessado tanto direto pela chave quanto sequencialmente, mas neste caso o acesso seguirá a ordem da chave principal. ESDS Entry Sequential Data Set, ele é tratado como um arquivo sequencial que obedece a ordem de entrada de dados, mas possui uma área de índices que é chamada de RBA (Relative Byte Adress). Os programas CICS podem acessar pelo RBA como se fossem chaves, o mesmo não se dá com os programas BATCH. RBA É o endereço físico aonde se encontra o registro no dispositivo de armazenagem.

6 9 10 RRDS Relative Record Data Set, os dados são gravados ordinalmente ao começo do arquivo, dando um conceito de células que vão sendo preenchidas à medida que vão sendo gravados os registros, podendo ser acessado sequencialmente ou aleatório informando o número de ordem do registro. Criando um vsam KSDS Para criarmos um arquivo VSAM indexado (KSDS) devemos indicar para o IDCAMS vários parâmetros de criação, tais como: tamanho, chave, área de dados, área de índices entre outros. Veja o exemplo abaixo: //USERXXXX JOB ALUNO',CLASS=C,MSGCLASS=X,TIME=1,NOTIFY=&SYSUID / * / DELETANDO E DEFININDO UM KSDS * / * //STEP001 EXEC PGM=IDCAMS DELETE MFS.USER.ALUNOS.KSDS PURGE CLUSTER IF MAXCC = 8 THEN SET MAXCC = 0 DEFINE CLUSTER - (NAME (MFS.USER.CADALUNO.KSDS) - VOL (TURMA?) TRK (2,1) RECORDSIZE (80,80) - KEY (5,0) FREESPACE (10,5) SHAREOPTIONS (2,3)) - INDEX (NAME (MFS.USER.CADALUNO.INDEX)) - DATA (NAME (MFS.USER.CADALUNO.DATA)) Trilhas primárias: Local principal de armazenagem dos dados Trilhas secundárias: Local secundário de armazenagem de dados podendo estender até 23 vezes. Podemos alocar espaços também em cilindros (CYL), registros (REC). RECORDSIZE: Tamanho mínimo e máximo do registro. KEY: Tamanho da chave e posição relativa inicial, onde 0 é equivalente a 1 na posição física da chave. FREESPACE: Espaço livre na CONTROL-AREA e CONTROL-INTERVAL, pois se aumentarmos o tamanho do registro ou o número de registros no bloco, o VSAM não será fragmentado. SHR: Controle de compartilhamento de arquivos entre os serviços executados simultaneamente, onde a segunda opção (3) é o compartilhamento do serviço (JOB) corrente e a primeira opção (2) é o controle de compartilhamento do arquivo dos serviços (JOBs) concorrentes com o serviço que está sendo executado, os códigos de compartilhamento são: 1 = Um aplicativo abre o arquivo para leitura os demais não acessam 2 = Um aplicativo abre o arquivo para manutenção e os outros para leitura 3 = Um aplicativo abre o arquivo para manutenção e os outros para leitura e gravação INDEX: Nome da área de índices DATA: Nome da área de dados. DELETE: Cláusula que acionará a função de deleção do CLUSTER do VSAM MFS.USER.ALUNOS.KSDS: Nome do CLUSTER do VSAM que será deletado PURGE CLUSTER: Indica que o CLUSTER DO VSAM será purgado, apagado do catálogo VSAM. DEFINE: Define a criação do arquivo VSAM NAME: Nome do CLUSTER do VSAM VOL : Volume do dispositivo de armazenagem TRK : Alocação de espaço em trilhas primárias e secundárias para armazenar os dados e índices, sendo que o 2 é o número de trilhas primárias, e o 1 é o número de trilhas secundárias. NOTA: O IF MAXCC seta o valor do ERRO em zero quando não existir o arquivo a ser deletado (MAXCC=8) para que o JOB não encerre neste step.

7 11 12 Copiando um VSAM A copia de um arquivo tendo como origem um arquivo sequencial ou VSAM para um destino também sequencial ou VSAM será feito com o parâmetro REPRO do IDCAMS. / * / COPIANDO UM KSDS * / * //STEP002 EXEC PGM=IDCAMS,COND=(0,NE) //DD01 DD DSN=MFS.USER.ALUNO.SEQ,DISP=SHR //DD02 DD DSN=MFS.USER.ALUNO.KSDS,DISP=SHR REPRO INFILE(DD01) [FROMKEY(???')] [TOKEY(???')] [COUNT(???)] OUTFILE(DD02) INFILE: DD01 é o arquivo de origem da cópia (Existente) FROMKEY: Chave assinalada para início da cópia - válido somente para arquivos KSDS (Opcional) TOKEY: Chave assinalada para término da cópia - válido somente para arquivos KSDS (Opcional) COUNT: Quantidade de registros a serem processados para cópia (Opcional). Imprimindo um VSAM A impressão de um arquivo VSAM e dados pelo parâmetro PRINT do IDCAMS. INFILE: DD01 é o arquivo de origem da cópia (Existente) FROMKEY: Chave assinalada para início da cópia - válido somente para arquivos KSDS (Opcional) TOKEY: Chave assinalada para término da cópia - válido somente para arquivos KSDS (Opcional) COUNT: Quantidade de registros a serem processados para cópia (Opcional). CHAR: Indica que impressão dos dados será exibida em caracteres, na sua omissão os dados será impresso em caracteres e hexadecimal (Opcional). Criando um vsam ESDS A criação um arquivo VSAM sequencial (ESDS) devemos indicar para o IDCAMS os parâmetros de cluster, tamanho e volume. Veja o exemplo: //USERXX JOB 'ALUNO',CLASS=C,MSGCLASS=X,TIME=1,NOTIFY=&SYSUID //STEP001 EXEC PGM=IDCAMS DELETE MFS.USER.ALUNOS.ESDS PURGE CLUSTER IF MAXCC = 8 THEN SET MAXCC = 0 DEFINE CLUSTER - (NAME (MFS.USER.ALUNOS.ESDS) - VOL (TURMA?) TRK (2,1) RECORDSIZE (80,80) NONINDEXED)) NONINDEXED Indica que o VSAM é sequencial (ESDS) / * / IMPRIMINDO UM KSDS * / * //STEP003 EXEC PGM=IDCAMS,COND=(0,NE) //DD01 DD DSN=MFS.USER.ALUNOS.KSDS,DISP=SHR PRINT INFILE (DD01) FROMKEY(???') TOKEY('???') COUNT(???) CHAR

8 13 Criando um vsam RRDS A criação de um arquivo VSAM relativo (RRDS) devemos indicar para o IDCAMS o parâmetro NUMBERED. //USERXX JOB 'ALUNO',CLASS=C,TIME=1,NOTIFY=&SYSUID //STEP001 EXEC PGM=IDCAMS DELETE MFS.USER.CADALUNO.RRDS PURGE CLUSTER IF MAXCC = 8 THEN SET MAXCC = 0 DEFINE CLUSTER - (NAME (MFS.USER.CADALUNO.RRDS) - VOL (TURMA?) TRK (2,1) RECORDSIZE (80,80) NUMBERED)) NUMBERED Indica que o VSAM é indexado relativo (RRDS)

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

CA File Master Plus r8.5

CA File Master Plus r8.5 FOLHA DE PRODUTOS CA File Master Plus CA File Master Plus r8.5 O CA File Master Plus é uma ferramenta de manipulação de dados e gerenciamento de arquivos que pode acelerar a edição de arquivos de teste

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado

Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado INTERFACE E AMBIENTE Versão - 09/2007 OBJETIVO OBJETIVO O Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado foi elaborado para apoiar a integração de Aplicativos

Leia mais

CA File Master Plus for IMS r8.5

CA File Master Plus for IMS r8.5 FOLHA DE PRODUTOS CA File Master Plus for IMS CA File Master Plus for IMS r8.5 O CA File Master Plus for IMS é um produto de gerenciamento de dados do z/os que oferece recursos avançados para o IMS Database

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS

GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS 2 SISTEMAS OPERACIONAIS: GERENCIAMENTO DE DISPOSITIVOS E ARQUIVOS Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos Processos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Processos Programa em execução: processos do próprio sistema (SYSTEM no gerenciador de tarefas); processos do usuário; Sistemas multiprogramáveis: muitos

Leia mais

Guia para conexão ao Ambiente Mainframe para Ensino e Pesquisa

Guia para conexão ao Ambiente Mainframe para Ensino e Pesquisa Guia para conexão ao Ambiente Mainframe para Ensino e Pesquisa Novembro, 2010 Versão do documento 2.1 Data de release 28 de Setembro de 2009 Última Revisão 22/11/10 Nome do Arquivo System Unit Guia_Ambiente_Mainframe_para_En

Leia mais

S.O.: Conceitos Básicos

S.O.: Conceitos Básicos S.O.: Conceitos Básicos Camada de software localizada entre o hardware e os programas que executam tarefas para o usuário; Acessa os periféricos Entrada e Saída Esconde os detalhes do hardware para o programador

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Execução de Programas Os computadores não entendem nada além de comandos, dados e endereços escritos em linguagem binária, também chamada de linguagem de baixo nível. Ela utiliza

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Organização de Arquivos

Organização de Arquivos Classificação e Pesquisa de Dados Aula 2 Organização de s: s Sequenciais e s Sequenciais Indexados UFRGS INF01124 Organização de s Propósito Estudo de técnicas de armazenamento e recuperação de dados em

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o funcionamento do computador Apresentar a função da memória e dos dispositivos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.9 Memória Cache: A memória cache é uma pequena porção de memória inserida entre o processador e a memória principal, cuja função é acelerar a velocidade de transferência das informações entre a CPU e

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática Curso Conexão Noções de Informática Aula 2 Arquitetura de Computadores (Software) Agenda Introdução; Tipos de Software; Básico; Aplicativo; Livre; Proprietário. Pirataria de Software; Demos, Freewares

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Introdução. Sistemas Operacionais

Introdução. Sistemas Operacionais FATEC SENAC Introdução à Sistemas Operacionais Rodrigo W. Fonseca Sumário Definição de um S.O. Características de um S.O. História (evolução dos S.O.s) Estruturas de S.O.s Tipos de Sistemas Operacionais

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros Sistemas de Ficheiros Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros 1 Armazenamento de Informação de Longo Prazo 1. Deve armazenar grandes massas de dados

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistemas Operacionais 3º bimestre Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistema de Arquivos (1) Todas as aplicações precisam armazenar e recuperar informações. Considerações sobre os processos: Espaço

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Sistema computacional Sistemas feitos para resolver problemas Problema: como obter determinado resultado, com base em dados

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Professor: João Fábio de Oliveira jfabio@amprnet.org.br (41) 9911-3030 Objetivo: Apresentar o que são os Sistemas Operacionais, seu funcionamento, o que eles fazem,

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

CICS Resumo. Acerca deste resumo: Introdução (1-2) Arquitectura (3-4)

CICS Resumo. Acerca deste resumo: Introdução (1-2) Arquitectura (3-4) CICS Resumo Acerca deste resumo: Este é o resumo da matéria estudada para apresentar o sistema IBM CICS, o monitor transaccional mais utilizado. Cada secção diz respeito a um conjunto de acetatos que são

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

Arquivos. Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo

Arquivos. Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo Arquivos Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo Entidades } Aplicações precisam armazenar dados sobre as mais diversas entidades, que podem ser concretas ou abstratas } Funcionário de uma empresa (concreto)

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Disparando o interpretador

Disparando o interpretador Capítulo 2: Usando o interpretador Python Disparando o interpretador O interpretador é frequentemente instalado como /usr/local/bin/python nas máquinas onde está disponível; adicionando /usr/local/bin

Leia mais

JCL. Job Control Language. Carlos J E de Campos. G u i a d e R e f e r ê n c i a. S e g u n d a e d i ç ã o S ã o P a u l o 2 0 1 4

JCL. Job Control Language. Carlos J E de Campos. G u i a d e R e f e r ê n c i a. S e g u n d a e d i ç ã o S ã o P a u l o 2 0 1 4 Carlos J E de Campos JCL Job Control Language Comandos, Sintaxe, Regras e Procedimentos Exemplos de programas e Pensamentos D e s e n v o l v i m e n t o C O B O L M a i n f r a m e G u i a d e R e f e

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA OPERACIONAL

INTRODUÇÃO AO SISTEMA OPERACIONAL INTRODUÇÃO AO SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS DE SISTEMA OPERACIONAL MS-DOS A sigla MS-DOS significa Microsoft Disk Operating System que em português significa Sistema Operacional de Disco. O prefixo MS representa

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Gerenciamento de Espaço em Disco

Sistemas de Arquivos. Gerenciamento de Espaço em Disco Sistemas de Arquivos Diretórios Gerenciamento de Espaço em Disco Implementação de Diretórios (1) Contém informações que permitem acessar os arquivos As entradas do diretório fornecem informações para encontrar

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) 1 Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 01 Assunto: Tipos de Sistemas Operacionais UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 01 Assunto: Tipos de Sistemas Operacionais UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 01 Assunto: Tipos de Sistemas Operacionais UNIBAN 2.0 - INTRODUÇÃO Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão intimamente relacionados com a evolução do hardware

Leia mais

Sun Software Exemplo de um caso Real Empresa nome fantasia CICLO DIÁRIO Preparado para a empresa 23/10/2005

Sun Software Exemplo de um caso Real Empresa nome fantasia CICLO DIÁRIO Preparado para a empresa 23/10/2005 Exemplo de um caso Real Empresa nome fantasia CICLO DIÁRIO Preparado para a empresa 23/10/2005 ÍNDICE RESUMO EXECUTIVO... 3 O BAS - SERVIÇO DE ANÁLISE BATCH... 4 RECOMENDAÇÕES GERAIS... 5 EXPANSÃO DO BUFFER

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Conceitos de Sistemas Operacionais: Chamadas de Sistema. Prof Rafael J. Sandim

Conceitos de Sistemas Operacionais: Chamadas de Sistema. Prof Rafael J. Sandim Conceitos de Sistemas Operacionais: Chamadas de Sistema Prof Rafael J. Sandim Conceitos de Sistema Operacional Interface entre o SO e os Programas de usuário é definida pelo conjunto de instruções estendidas

Leia mais

Organização de Computadores Hardware

Organização de Computadores Hardware Organização de Computadores Hardware Professor Marcus Vinícius Midena Ramos Colegiado de Engenharia de Computação (74)3614.1936 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Computador Ferramenta

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II

Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II Introdução à Computação: Sistemas Operacionais II Ricardo de Sousa Bri.o rbri.o@ufpi.edu.br DIE- UFPI Objetivos Descrever os métodos de alocação de recursos ublizados pelos sistemas operacionais. Descrever

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos:

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos: Access 1 Tela Inicial: 2 ÁREA DE TRABALHO. Nosso primeiro passo consiste em criar o arquivo do Access (Banco de Dados), para isto utilizaremos o painel de tarefas clicando na opção Banco de Dados em Branco.

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Guia da interface Pcounter Administrator - PAdmin

Guia da interface Pcounter Administrator - PAdmin Guia da interface Pcounter Administrator - PAdmin Objetivo: Este documento tem como objetivo apresentar a interface Pcounter Administrator (PAdmin) e as funcionalidades necessárias para o gerenciamento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 3 Software Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Barramento Sistemas Operacionais Interliga os dispositivos de E/S (I/O), memória principal

Leia mais

Instruções complementares. Modbus-TCP, ASCII protocol VEGAMET 391/624/625, VEGASCAN 693, PLICSRADIO C62. Document ID: 30768.

Instruções complementares. Modbus-TCP, ASCII protocol VEGAMET 391/624/625, VEGASCAN 693, PLICSRADIO C62. Document ID: 30768. Instruções complementares Modbus-TCP, ASCII protocol VEGAMET 391/624/625, VEGASCAN 693, PLICSRADIO C62 Internet PLC/SPS Document ID: 30768 Índice Índice 1 Funcionamento como servidor Modbus-TCP 1.1 Modbus-TCP

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas.

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Um sistema de arquivos implica: Conceituação de arquivos e diretórios

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03 fevereiro/2011 Surgimento, desenvolvimento e evolução dos sistemas operacionais até os sistemas modernos. 1 - Introdução A evolução dos sistemas operacionais

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 14: Sistema de Arquivos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.realidadeaumentada.com.br

Sistemas Operacionais Aula 14: Sistema de Arquivos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.realidadeaumentada.com.br Sistemas Operacionais Aula 14: Sistema de Arquivos Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.realidadeaumentada.com.br Introdução O sistema de arquivos é a parte mais vísivel do sistema operacional Cria

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais

2 Um Primeiro Programa em C

2 Um Primeiro Programa em C 2 Um Primeiro Programa em C Ronaldo F. Hashimoto, Carlos H. Morimoto e José A. R. Soares OobjetivodessaaulaéintroduzirvocêàlinguagemCemambienteLinux,primeiramentemostrandoasua estrutura, e a seguir com

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais