Qualidade: Caminho para a competitividade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade: Caminho para a competitividade"

Transcrição

1 Qualidade: Caminho para a competitividade

2 PRINCIPAIS PROBLEMAS NOS PROCESSOS DE: 1) Produção; 2) Colheita Mecanizada; 3) Beneficiamento; 4) Industrialização; 5) Comercialização e Exportação do Algodão Brasileiro.

3 1 - PRODUÇÃO 1.1) Variedades: É de grande importância que o produtor na escolha da variedade a ser semeada, além de observar o ciclo da planta, produtividade, resistência a pragas e rendimento de pluma, deverá também observar o potencial da qualidade intrínseca e extrínseca da mesma, afim de atender as necessidades da indústria têxtil. Por mais pura e melhorada que seja uma variedade, suas propriedades não serão necessariamente semelhantes, quando plantadas em lugares ou anos diferentes.

4 1.2) Área a ser cultivada: O tipo de solo é fator influente na qualidade da fibra, sendo determinante para o desenvolvimento da planta, impactando diretamente na cor do algodão. Portanto deve-se observar a correção do solo para se obter um bom desenvolvimento da planta. 1.3) Tratos Culturais: A presença de pragas e doenças no período de desenvolvimento da planta, ocasionam problemas na qualidade. O bicudo pode vir a inviabilizar a cultura, o pulgão e a mosca branca causam a contaminação por caramelização na fibra, a presença de plantas daninhas causam contaminação por impurezas. Portanto na produção da cultura do algodão, o produtor deverá cuidar de forma eficaz de todas as etapas no desenvolvimento da planta, para garantir uma fibra de qualidade.

5 1.4) Fatores Climáticos: A qualidade da fibra, esta diretamente ligada a distribuição regular da chuvas, conforme a necessidade da planta. A falta ou excesso de chuvas, ocasionam perda de produtividade, afetam a qualidade extrínseca, manchando a fibra, alterando a sua cor e elevando o grau de impurezas, além de prejudicar a qualidade intrínseca, tais como, comprimento, resistência e micronaire.

6 2 - COLHEITA MECANIZADA 2.1) Impurezas: O processo de colheita mecanizada, afeta diretamente a qualidade extrínseca da fibra, a depender da velocidade e regulagem das placas, aumenta-se o grau de impurezas e formação de neps (emaranhado de fibras). 2.2) O horário de colheita: Impacta na perda de brilho na cor do algodão, devido a umidade da fibra (sereno). 2.3) Característica Intrínseca: A colheita do algodão imaturo ocasiona elevados índices de fibras curtas, consequentemente comprimentos baixos, o que prejudica a qualidade. Portanto deve-se observar o ciclo da planta.

7 3) BENEFICIAMENTO Misturar fardos de algodão em capulho de fazendas, talhões e variedades distintas, no beneficiamento, ocasionam variações e heterogeneidade nos parâmetros de qualidade do algodão, assim como regulagens das máquinas, gestão da umidade do algodão em caroço, para se obter uma limpeza com maior eficiência e menor agressão no processo de descaroçamento. Portanto todos os pontos do processo de beneficiamento, devem ser criteriosamente acompanhados, com o objetivo de se obter maior qualidade da fibra. Gerir a regulagem das máquinas e a umidade do algodão em caroço, obtendo algodão com menor índice de impureza, melhor uniformidade no comprimento e consequentemente reduzindo o teor de fibras curtas.

8 4) INDUSTRIALIZAÇÃO A indústria ao adquirir a matéria prima, preza pela qualidade da fibra, a depender do seu produto final manufaturado, diante a isso a exigência dos critérios de qualidade podem variar. As Principais características da fibra, exigidos pela indústria têxtil são comprimento, uniformidade, micronaire, resistência, cor e grau de impureza. Entre os maiores problemas citados pela indústria, está relacionado ao índice de fibras curtas, e contaminação por caramelização. A fim de atender essas exigências de qualidade, o produtor deve acompanhar e observar os principais pontos no plantio, colheita e beneficiamento.

9 5) COMERCIALIZAÇÃO E EXPORTAÇÃO DO ALGODÃO BRASILEIRO Na comercialização da pluma, sempre são exigidos algodão de boa qualidade, porém no cenário ao qual a produção esta sujeita, nem sempre o produtor consegue fornecer a matéria prima com a qualidade exigida pelo mercado, contudo, quando consegue produzir uma fibra de qualidade superior á exigida, normalmente não é remunerado para tal Essas situações ocorrem a diversos fatores: Situação do mercado do ano vigente, onde a oferta de algodão está mais escassa, aumenta-se o seu valor de mercado, e diminuindo as exigências de qualidade, quando há falta de algodão, tende a diminuir o seu valor, e aumentar a exigência em relação a qualidade.

10 Devido a grande parte da produção, ainda ser emblocada somente pela classificação visual, ao se realizar a classificação intrínseca deste algodão, ocorre uma variação ao ponto de alguns fardos não atenderem as exigências de qualidade, desta forma acarretando em deságios da pluma. A qualidade da fibra de algodão é de extrema importância para a competitividade com as fibras sintéticas no mercado mundial. Para que o produtor seja incentivado a produzir algodão de qualidade superior, o mercado deve praticar uma melhor remuneração, a fim de cobrir os riscos na produção.

11 Utilizar a pratica de emblocamento pela característica intrínseca da fibra, apresentando lotes com maior uniformidade e qualidade, segregando fardos com alta qualidade. Como um participante deste mercado, o Brasil precisa se posicionar como fornecedor confiável, firmar contratos antecipados cumprindo prazos com as indústrias têxteis, visando produzir fibra de boa qualidade.

12 OBRIGADO! Celestino Zanella Presidente da Abapa

CAUSAS DA PRODUÇÃO DE FIBRAS CURTAS NAS FAZENDAS

CAUSAS DA PRODUÇÃO DE FIBRAS CURTAS NAS FAZENDAS CAUSAS DA PRODUÇÃO DE FIBRAS CURTAS NAS FAZENDAS Eleusio Curvelo Freire - Cotton Consultoria Wat sap 83-981555398 O QUE SE CONSIDERA FIBRAS CURTAS E COMO AVALIAR O índice ou conteudo de fibras curtas (SFI

Leia mais

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Introdução: A qualidade da fibra do algodão é influenciada direta e

Leia mais

Comunicado técnico nº7

Comunicado técnico nº7 Comunicado técnico nº7 Gestão da umidade no beneficiamento Parte 1 A umidade do algodão: um critério essencial para o desempenho do beneficiamento Giancarlo Goldoni Jr. 1. Generalidades e justificativas

Leia mais

VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO. Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão

VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO. Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão O sistema de cultivo adensado Consiste no plantio de algodão em fileiras com espaçamentos menores de 0,76 metros

Leia mais

Melhoria do Processo e das Práticas de Beneficiamento de Algodão no Brasil

Melhoria do Processo e das Práticas de Beneficiamento de Algodão no Brasil Melhoria do Processo e das Práticas de Beneficiamento de Algodão no Brasil Jean-Luc Chanselme, COTIMES Paulo Vicente Ribas, UNICOTTON Bruno Bachelier, CIRAD 1 Projeto: Apoio: FACUAL FIALGO Elaboração e

Leia mais

Boas Práticas Agrícolas no MS. Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt. Astecplan Ltda

Boas Práticas Agrícolas no MS. Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt. Astecplan Ltda Boas Práticas Agrícolas no MS Eng. Agrônomo Rubem Cesar Staudt Astecplan Ltda Atua desde 1997, na região dos Chapadões MS e GO; Atende áreas no MS ( Sede ), GO e MT; Foco em algodão, soja e milho; Área

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1815

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1815 Página 1815 PRODUÇÃO ORGÂNICA DE ALGODÃO COLORIDO E BRANCO VERTICALIZADO NA PARAIBA Felipe Macedo Guimarães 1 ; Waltemilton Vieira Cartaxo 2. 1 Embrapa Algodão felipe@cnpa.embrapa.br ; 2 Embrapa Algodão.

Leia mais

Problemas da Qualidade do Algodão Brasileiro

Problemas da Qualidade do Algodão Brasileiro Problemas da Qualidade do Algodão Brasileiro Efeitos Positivos e Negativos do Beneficiamento na Qualidade do Algodão Daniel E. González Lummus Corporation Alguns conceitos básicos A melhor fibra de algodão

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 115. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 115. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 01 A 13 DE JULHO DE 2015 INFORMATIVO Nº 115 1 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes A primeira quinzena do mês de julho iníciou

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

MELHORES PRATICAS DE MANEJO DO ALGODÃO NO BRASIL

MELHORES PRATICAS DE MANEJO DO ALGODÃO NO BRASIL MELHORES PRATICAS DE MANEJO DO ALGODÃO NO BRASIL Eleusio Curvelo Freire - Cotton Consultoria Wat sap 83-981555398 POR QUE USAR MELHORES PRATICAS DE MANEJO NO BRASIL? ASPECTOS TECNICOS Reduzir disparidades

Leia mais

CONCURSO PRODUTIVIDADE E BOAS PRÁTICAS NO ALGODÃO BRASIL

CONCURSO PRODUTIVIDADE E BOAS PRÁTICAS NO ALGODÃO BRASIL Realização ABRAPA - Associação Brasileira dos Produtores de Algodão Agosto/2017 CONCEITO Buscar o máximo potencial produtivo e melhor qualidade de fibra da cultura do algodão, utilizando as Boas Práticas

Leia mais

BENEFICIAMENTO DE ALGODÃO ORGÂNICO NO AGRESTE PARAIBANO

BENEFICIAMENTO DE ALGODÃO ORGÂNICO NO AGRESTE PARAIBANO Página 50 BENEFICIAMENTO DE ALGODÃO ORGÂNICO NO AGRESTE PARAIBANO Izabel Cristina da Silva Santos (Arribaçã / iziagro@yahoo.com.br), José Sales Alves Wanderley Júnior (EMATER/PB), Fabiana do Nascimento

Leia mais

A densidade de semeadura, em sistemas de produção SUE, normalmente está na ordem de a plantas por hectare, com uma distância entre sul

A densidade de semeadura, em sistemas de produção SUE, normalmente está na ordem de a plantas por hectare, com uma distância entre sul Sistemas de Produção de Algodão em Sulco Ultra-Estreito: Uma opção para o Brasil? Juan A. Landivar Delta and Pine Land Internacional Uberlândia, Brasil Os custos para a produção de algodão continuam aumentando

Leia mais

A QUALIDADE DO ALGODÃO NÃO ACONTECE POR ACASO

A QUALIDADE DO ALGODÃO NÃO ACONTECE POR ACASO Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 A QUALIDADE NÃO ACONTECE POR ACASO Luiz Carlos Rodrigues Presidente da Busa CONGRESSO A BUSA HOJE Mais de 50 anos de história; Visão de futuro, dedicação e pioneirismo;

Leia mais

PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1. Priscila Maria Silva Francisco

PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1. Priscila Maria Silva Francisco Página 1075 PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1 Jefferson Luis Anselmo 1 ; Denis Santiago da Costa; Thiago Zago Leonel; Fábio da Silva

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes:

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes: LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Planejamento Estrutura disponível

Leia mais

16 Produção de Sementes e Comercialização

16 Produção de Sementes e Comercialização 16 Produção de Sementes e Comercialização Luciene Fróes Camarano de Oliveira Sérgio Utino Cláudio Bragantini Lídia Pacheco Yokoyama 480 Qual é o tipo de grão mais comercializado no Brasil? O tipo de grão

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Estrutura disponível Planejamento

Leia mais

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA Página 1417 LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 200910. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Nelson Dias Suassuna 2, Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire

Leia mais

NOTA TÉCNICA N 01/2012

NOTA TÉCNICA N 01/2012 NOTA TÉCNICA N 01/2012 SAFRA 2011/2012 3º LEVANTAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO DA AIBA Barreiras (BA), 25 de Abril de 2012 Entidades Participantes: AIBA, ABAPA, ABACAFÉ, AEAB, Banco do Brasil, Banco HSBC,

Leia mais

Condomínio Agrícola SANTA IZABEL. A TECNOLOGIA DE MBPs

Condomínio Agrícola SANTA IZABEL. A TECNOLOGIA DE MBPs Condomínio Agrícola SANTA IZABEL II Simpósio STAB sobre plantas daninhas em cana-de-açúcar Manejo químico de plantas daninhas e a s A TECNOLOGIA DE MBPs Tendências utilizadas por produtores UNESP - 02

Leia mais

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde.

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Monteiro, M. A. R1., Pereira Filho,

Leia mais

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 7 Consórcio Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 153 Desde quando o consórcio é utilizado no Brasil? O cultivo em consórcio é empregado, na prática, no Brasil, há muito tempo, mas, só a partir

Leia mais

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES NO CERRADO DA BAHIA RESULTADOS - SAFRA 2014/2015

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES NO CERRADO DA BAHIA RESULTADOS - SAFRA 2014/2015 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES NO CERRADO DA BAHIA RESULTADOS - Eleusio Curvelo Freire Cotton Consultoria 1 - PROJETO ADOÇAO DE NOVAS CULTIVARES NO CERRADO DA BAHIA Metodologia: UD em fazendas e avaliação conjunta

Leia mais

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz 11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz COLHEITA Ponto de colheita: Critério visual 2/3 do ápice os grãos vítreos 1/3 da base de grãos farináceos Critério técnico determinação da umidade

Leia mais

CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO

CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO QUEM SÃO OS TRABALHADORES BRASILEIROS E ONDE DESENVOLVEM SUAS ATIVIDADES ECONÔMICAS P. 37 PEA do Brasil: 100 milhões

Leia mais

TÉCNICO EM AGRONEGÓCIO AGRICULTURA I IFSC CÂMPUS LAGES CULTURA DO FEIJÃO

TÉCNICO EM AGRONEGÓCIO AGRICULTURA I IFSC CÂMPUS LAGES CULTURA DO FEIJÃO TÉCNICO EM AGRONEGÓCIO AGRICULTURA I IFSC CÂMPUS LAGES CULTURA DO FEIJÃO 1. IMPORTÂNCIA ECONÔMICA No mercado mundial de feijão circulam, anualmente, cerca de 24 milhões de toneladas da leguminosa. O

Leia mais

Superintendência Regional do Rio Grande do Norte Gerência de Operações e de Suporte Estratégico Setor de Apoio à Logística e Gestão da Oferta

Superintendência Regional do Rio Grande do Norte Gerência de Operações e de Suporte Estratégico Setor de Apoio à Logística e Gestão da Oferta Superintendência Regional do Rio Grande do Norte Gerência de Operações e de Suporte Estratégico Setor de Apoio à Logística e Gestão da Oferta LEVANTAMENTO DE AVALIAÇÃO DE SAFRA DE GRÃOS E ALGODÃO EM CAROÇO

Leia mais

Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar

Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar Terceiro Seminário Internacional Uso Eficiente do Etanol Manoel Regis L.V. Leal CTBE/CNPEM Laboratório Nacional de Ciência

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

AVALIAÇÃO E ANÁLISE DE PERDAS NA COLHEITA DA CULTURA DO ALGODÃO NA REGIÃO SUDESTE DO ESTADO DE MATO GROSSO *

AVALIAÇÃO E ANÁLISE DE PERDAS NA COLHEITA DA CULTURA DO ALGODÃO NA REGIÃO SUDESTE DO ESTADO DE MATO GROSSO * AVALIAÇÃO E ANÁLISE DE PERDAS NA COLHEITA DA CULTURA DO ALGODÃO NA REGIÃO SUDESTE DO ESTADO DE MATO GROSSO * Alessandro Ferronato (1), Luiz Carlos Pereira (2), Luiz Duarte Silva Júnior (3), Elke Leite

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE NO FIO

CONTROLE DA QUALIDADE NO FIO CONTROLE DA QUALIDADE NO FIO Principais controles no fio: Título, Torção, Regularidade, Resistência e alongamento, Defeitos pouco freqüentes, Aparência, Atrito. Título do fio tex peso em gramas para 1000

Leia mais

BOAS PRÁTICAS FITOSSANITÁRIAS DO ALGODÃO

BOAS PRÁTICAS FITOSSANITÁRIAS DO ALGODÃO Informativo Nº 148 Primeira Quinzena de Maio de 2017 BOAS PRÁTICAS FITOSSANITÁRIAS DO ALGODÃO Núcleo 1 Chapadão do Sul e Cassilândia As lavouras de algodão safra (Foto 1) está com 145 a 160 DAE (dias após

Leia mais

POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO

POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO Liv Soares Severino 1 ; João Luís da Silva Filho 1 ; João Batista dos Santos 2 ; Arnaldo Rocha de Alencar 1. (1)Embrapa Algodão: e-mail liv@cnpa.embrapa.br

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativas e Desempenho de Variedades Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativa de Cana Identificando o Canavial Banco de Dados das Áreas (Própria/Fornecedor) Fazenda Lote Talhão Área Estágio Variedade

Leia mais

Consórcio Milho-Braquiária

Consórcio Milho-Braquiária Gessí Ceccon Consórcio Milho-Braquiária 1Oque é. É o cultivo simultâneo de milho safrinha com braquiária utilizando a semeadora de soja, ajustando-a para uma linha de milho safrinha e outra de braquiária.

Leia mais

PRODUÇÃO DE ALIMENTOS EM ÁREAS DE RENOVAÇÃO DE CANAVIAIS: VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA, POTENCIAL DE PRODUÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL.

PRODUÇÃO DE ALIMENTOS EM ÁREAS DE RENOVAÇÃO DE CANAVIAIS: VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA, POTENCIAL DE PRODUÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL. PRODUÇÃO DE ALIMENTOS EM ÁREAS DE RENOVAÇÃO DE CANAVIAIS: VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA, POTENCIAL DE PRODUÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL. São Paulo, 17/04/07 Silvio Borsari Filho 1 AGRADECIMENTOS é a

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 108. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 108. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 23 DE FEVEREIRO A 9 DE MARÇO DE 2015 INFORMATIVO Nº 108 1 Neste período foi realizada mais uma rodada de reuniões dos GTA (Grupo de Trabalho do

Leia mais

PLANEJAMENTO E MANEJO DE LAVOURAS TRANSGÊNICAS DE ALGODÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E MANEJO DE LAVOURAS TRANSGÊNICAS DE ALGODÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E MANEJO DE LAVOURAS TRANSGÊNICAS DE ALGODÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO Wanderley Katsumi Oishi Consultor Agrícola Quality Cotton Cons. Agronômica Ltda. Cenário do Manejo das Variedades Transgênicas

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

Avaliação do consórcio de pinhão-manso com culturas alimentares, oleaginosas e produtoras de fibra no Norte de Minas Gerais

Avaliação do consórcio de pinhão-manso com culturas alimentares, oleaginosas e produtoras de fibra no Norte de Minas Gerais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Avaliação do consórcio de pinhão-manso com culturas alimentares, oleaginosas e produtoras de fibra no Norte de Minas Gerais Alexandre

Leia mais

ESTRUTURA DE CUSTOS DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO NO BRASIL EM DIFERENTES REGIÕES

ESTRUTURA DE CUSTOS DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO NO BRASIL EM DIFERENTES REGIÕES 1 ESTRUTURA DE CUSTOS DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO NO BRASIL EM DIFERENTES REGIÕES Lucilio Rogerio Aparecido Alves 1 A informação sobre o custo de produção de uma cultura é uma das mais importantes para qualquer

Leia mais

MELHORAMENTO DE POPULAÇÕES POR MEIO DE SELEÇÃO INTRODUÇÃO

MELHORAMENTO DE POPULAÇÕES POR MEIO DE SELEÇÃO INTRODUÇÃO MELHORAMENTO DE POPULAÇÕES POR MEIO DE SELEÇÃO 12 INTRODUÇÃO Os métodos de melhoramento de plantas alógamas podem ser divididos em duas categorias: (a) Melhoramento de Populações, e (b) Variedades Híbridas

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto)

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto) EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto) Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Função produção É uma relação técnica entre os factores

Leia mais

Defensivos agrícolas naturais na visão da Industria

Defensivos agrícolas naturais na visão da Industria Defensivos agrícolas naturais na visão da Industria Cesar Lamonega. VP, AgraQuest V Congresso Brasileiro de Defensivos Agrícolas Naturais Jaguariúna, São Paulo, Brazil May 24-26, 2001 9 Bilhões de pessoas

Leia mais

Novas Tecnologias que trarão Renda Sustentável ao produtor: Algodão Adensado

Novas Tecnologias que trarão Renda Sustentável ao produtor: Algodão Adensado Novas Tecnologias que trarão Renda Sustentável ao produtor: Algodão Adensado Eng. Agr. Edson R. de Andrade Junior Pesquisador IMAmt edsonjunior@imamt.com.br Dr. Jean Louis Belot Pesquisador IMAmt jeanbelot@imamt.com.br

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

Desafios técnicos para máxima produtividade do algodoeiro no sul do MA e sudoeste do PI

Desafios técnicos para máxima produtividade do algodoeiro no sul do MA e sudoeste do PI Desafios técnicos para máxima produtividade do algodoeiro no sul do MA e sudoeste do PI Haroldo Cornelis Hoogerheide Engenheiro Agrônomo, MSc. Solos e Nutrição de Plantas Consultor técnico para Insolo

Leia mais

CRAVO E CRAVO SPRAY DE CORTE

CRAVO E CRAVO SPRAY DE CORTE CRAVO E CRAVO SPRAY DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a

Leia mais

Uso de Maturadores e Desfolhantes visando fibras de qualidade

Uso de Maturadores e Desfolhantes visando fibras de qualidade Uso de Maturadores e Desfolhantes visando fibras de qualidade Juan A. Landivar e Saul Martus Delta and Pine Land-Internacional e MDM Algodão Uberlândia, Brasil Introdução O algodoeiro é uma planta perene

Leia mais

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 Impurezas e qualidade da cana colhida Celio Manechini Assessor de Tecnologia Agronômica Grupo São Martinho Definição:

Leia mais

CAPÍTULO I - BENEFICIAMENTO NO BRASIL E MS - 07 CAPÍTULO II - A QUALIDADE DA FIBRA E OS MERCADOS - 12

CAPÍTULO I - BENEFICIAMENTO NO BRASIL E MS - 07 CAPÍTULO II - A QUALIDADE DA FIBRA E OS MERCADOS - 12 ÍNDICE Introdução 05 CAPÍTULO I - BENEFICIAMENTO NO BRASIL E MS - 07 O Conteúdo 06 A História 07 O Beneficiamento 08 A Produção no Brasil e no MS 10 Conclusão 11 CAPÍTULO II - A QUALIDADE DA FIBRA E OS

Leia mais

O produtor pergunta, a Embrapa responde

O produtor pergunta, a Embrapa responde Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Milho e Sorgo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento O produtor pergunta, a Embrapa responde José Carlos Cruz Paulo César Magalhães Israel

Leia mais

Imagem:https://www.google.com.br/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=&url=http%3A%2F%2Fsitebarra.com.br%2F2012%2F01%2Ffruti

Imagem:https://www.google.com.br/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=&url=http%3A%2F%2Fsitebarra.com.br%2F2012%2F01%2Ffruti Fruticultura Tropical Prof. Harumi Hamamura UniSALESIANO Lins Imagem:https://www.google.com.br/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=&url=http%3A%2F%2Fsitebarra.com.br%2F2012%2F01%2Ffruti

Leia mais

COLHEITA MECANICA DO MILHO

COLHEITA MECANICA DO MILHO COLHEITA MECANICA DO MILHO Evandro Chartuni Mantovani 1. INTRODUÇÃO A colheita mecânica de milho é uma prática que começa a apresentar importância para os agricultores brasileiros. Geralmente, o agricultor

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO MANEJO VARIETAL À LOGISTICA DE COLHEITA. DIB NUNES Jr. GRUPO IDEA

ADEQUAÇÃO DO MANEJO VARIETAL À LOGISTICA DE COLHEITA. DIB NUNES Jr. GRUPO IDEA ADEQUAÇÃO DO MANEJO VARIETAL À LOGISTICA DE COLHEITA DIB NUNES Jr. GRUPO IDEA SAFRA 2009/2010 Por excesso de chuvas e pela grande quantidade de Cana-Bis As lavouras foram pisoteadas O planejamento de colheita

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1311

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1311 Página 1311 BRS 335 CULTIVAR DE ALGODÃO DE CICLO E PORTE MÉDIOS PARA CULTIVO NO ESTADO DA BAHIA. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Luis Gonzaga Chitarr 2 ; Nelson Dias Suassuna 2

Leia mais

SAFRA 2014/15 ORIENTAÇÕES DO PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DA BAHIA

SAFRA 2014/15 ORIENTAÇÕES DO PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DA BAHIA SAFRA 2014/15 ORIENTAÇÕES DO PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DA BAHIA Revisão de 16/06/2014 Programa baseado no Manejo Integrado de Pragas MIP 1. Controle Cultural Delimitação do vazio sanitário, calendário de

Leia mais

Atualmente lavouras da Região Centro-Sul, principalmente Guarapuava e União da Vitória, estão sendo afetadas pela estiagem.

Atualmente lavouras da Região Centro-Sul, principalmente Guarapuava e União da Vitória, estão sendo afetadas pela estiagem. Data : 11/03/2004 Hora : Título: Milho Fonte: Autor: Vera da Rocha Matéria: Apesar dos problemas climáticos no Paraná, ou seja, chuvas irregulares e mal distribuídas desde o início do ano, a produção da

Leia mais

ROSA DE CORTE. É determinado pelo tamanho da haste desde a sua base até a ponta do botão, obedecendo à tabela abaixo.

ROSA DE CORTE. É determinado pelo tamanho da haste desde a sua base até a ponta do botão, obedecendo à tabela abaixo. ROSA DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás

MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás Ana Luiza Dias Coelho Borin Engenheira agrônoma, D.Sc. em Ciência do Solo Pesquisadora da Embrapa Algodão Adubação de sistemas intensivos de produção Conceitos

Leia mais

Perspectivas de Mercado

Perspectivas de Mercado Perspectivas de Mercado Prof. Margarete Boteon CEPEA/ESALQ - USP Equipe Citros: Por Margarete Boteon, Fernanda Geraldini e Caroline Ribeiro Fernando Perez, Renato Ribeiro. Semana da Citricultura 2017 08/06/07

Leia mais

Avaliação de diferentes espaçamentos, densidade e arranjo de plantas sobre a produtividade do algodão safra 2002/2003

Avaliação de diferentes espaçamentos, densidade e arranjo de plantas sobre a produtividade do algodão safra 2002/2003 0 Avaliação de diferentes espaçamentos, densidade e arranjo de plantas sobre a produtividade do algodão safra 2002/2003 Instituição Executora: Fundação MT Projeto: 29/2002 Data da Elaboração: Outubro de

Leia mais

DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A. Eng. Agr. Sergio M. Selegato

DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A. Eng. Agr. Sergio M. Selegato DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A Eng. Agr. Sergio M. Selegato Localização - Unidades Climático II Média Anual: 1.594,6 mm Climático III Média Anual: 1.315,2 mm Climático II

Leia mais

Urucum do Brasil.

Urucum do Brasil. Urucum do Brasil www.chr-hansen.com.br Urucum no Sudeste - Brasil 2007 - situação atual e perspectivas Situação atual Situação atual O urucum é um corante natural com crescente importância no mundo todo,

Leia mais

FACUA AVALIAÇÃO E IMPACTO DA COLHEITA DE MAQUINA STRIPPER NO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO SUPER ADENSADO NO CERRADO DE MATO GROSSO RELATÓRIO FINAL

FACUA AVALIAÇÃO E IMPACTO DA COLHEITA DE MAQUINA STRIPPER NO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO SUPER ADENSADO NO CERRADO DE MATO GROSSO RELATÓRIO FINAL FACUA AVALIAÇÃO E IMPACTO DA COLHEITA DE MAQUINA STRIPPER NO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO SUPER ADENSADO NO CERRADO DE MATO GROSSO RELATÓRIO FINAL Primavera do Leste, MT, julho de 2005 1 AVALIAÇÃO E

Leia mais

Núcleo 1 Chapadão do Sul

Núcleo 1 Chapadão do Sul Ano II 15 de abril de 2013. Relatório semanal de 08 a 15 de abril de 2013. Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Semana com períodos diurno nublado e com precipitações na maior parte

Leia mais

MANEJO PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE

MANEJO PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE MANEJO PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE Reunião de Integração e Atualização Técnica em Floresta Plantada Veracel Celulose SA Principais Números INVESTIMENTO TOTAL (Fábrica, Florestal, Infraestrutura): US$ 1.2

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE Prof. Francisco Villela francisco.villela@ufpel.edu.br CUIDADOS DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA DIAS APÓS O FLORESCIMENTO MATURAÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

Diversificação de atividades na propriedade rural. 30 de junho de 2011 Uberlândia - Minas Gerais

Diversificação de atividades na propriedade rural. 30 de junho de 2011 Uberlândia - Minas Gerais Diversificação de atividades na propriedade rural 30 de junho de 2011 Uberlândia - Minas Gerais Roteiro da apresentação Apresentação da Campo Globalização e a demanda pelos serviços do agroecossistema

Leia mais

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS O QUE SÃO AS MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS? POSICIONAMENTO TÉCNICO COERENTE E CONSISTENTE Dessecação antecipada e uso de inseticidas para manejo de pragas residentes

Leia mais

III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO

III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO - 21/10/2009 POTENCIAL DE VARIEDADES DE AMENDOIM PARA BIODIESEL Ignácio J. de Godoy Instituto Agronômico

Leia mais

Cultivo do Milho. Sumário. Irrigação. Viabilidade de irrigação de milho

Cultivo do Milho. Sumário. Irrigação. Viabilidade de irrigação de milho Embrapa Milho e SorgQ Sistemas de Produção, 2 ISSN 1679-012X Versão Eletrônica - 3 U edição SetJ2007 Cultivo do Milho Camilo de Lelis Teixeira de Andrade Ricardo A, l, Brito Sumário Irrigação Apresentação

Leia mais

PLANTANDO ALGODÃO EM 2005

PLANTANDO ALGODÃO EM 2005 PLANTANDO EM 2005 LUCIANO SAMARA Técnico agrícola Bacharel em Direito MBA gestão empresarial FGV Mestrando OHIO University -USA SEMENTES 13 PONTOS LOCALIZAÇÃO COSTA RICA MS ALTO TAQUARI - MT FONE 66 496

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

PESQUISA DE CUSTOS E INDICADORES AGRÍCOLA

PESQUISA DE CUSTOS E INDICADORES AGRÍCOLA PESQUISA DE CUSTOS E INDICADORES AGRÍCOLA Abrangência: Todo o território brasileiro. A quem se destina: As unidades produtoras de açúcar, etanol, levedura e bioeletricidade. Público Alvo: Gestores das

Leia mais

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS PARTE 1 Prof. Dr. Antônio Lilles Tavares Machado DER - FAEM UFPel Tipos de colheita Manual Manual - Mecânica Mecânica Colheita Manual Colheita Manual A planta pode ser

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

É POSSÍVEL TER SUCESSO NA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NÃO BT? Eng.º Agr.º Ezelino Carvalho GBCA / EQUIPE Consultoria Agronômica

É POSSÍVEL TER SUCESSO NA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NÃO BT? Eng.º Agr.º Ezelino Carvalho GBCA / EQUIPE Consultoria Agronômica É POSSÍVEL TER SUCESSO NA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NÃO BT? Eng.º Agr.º Ezelino Carvalho GBCA / EQUIPE Consultoria Agronômica 10º Congresso Brasileiro de Algodão Foz do Iguaçu - PR, Setembro/2015 OBJETIVOS Discutir

Leia mais

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA *

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * Tarcísio Marcos de Souza Gondim 1, Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva

Leia mais

Circular. Técnica. Autores. Qualidade Global da Fibra de Algodão Produzida no Cerrado Brasileiro. Campina Grande, PB Agosto, 2006

Circular. Técnica. Autores. Qualidade Global da Fibra de Algodão Produzida no Cerrado Brasileiro. Campina Grande, PB Agosto, 2006 1 ISSN 0100-6460 Qualidade Global da Fibra de Algodão Produzida no Cerrado Brasileiro 100 Circular Técnica Campina Grande, PB Agosto, 2006 Autores Ruben Guilherme da Fonseca Analista da Embrapa Algodão,

Leia mais

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044 Página 1044 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO FUNGICIDA TIOFANATO METÍLICO-CIPROCONAZOLE NO CONTROLE DA MANCHA DE RAMULÁRIA (RAMULARIA AREOLA) EM ALGODOEIRO Luiz Gonzaga Chitarra (Embrapa Algodão / chitarra@cnpa.embrapa.br),

Leia mais

Critério de Classificação Crisântemo Corte.

Critério de Classificação Crisântemo Corte. Critério de Classificação Crisântemo Corte. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Introdução ao Manejo para Qualidade Industrial em Trigo

Introdução ao Manejo para Qualidade Industrial em Trigo Informativo Técnico 1/2010 Introdução ao Manejo para Qualidade Industrial em Trigo Ottoni Rosa Filho, Ph.D. 1 - Aspectos Básicos sobre Qualidade para Panificação O grão de trigo possui dois componentes

Leia mais

ANÁLISE DE RENTABILIDADE DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MAMONA SOB REGIME DE IRRIGAÇÃO, NA FAZENDA ESTIVAS, EM GARANHUNS, ESTADO DE PERNAMBUCO

ANÁLISE DE RENTABILIDADE DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MAMONA SOB REGIME DE IRRIGAÇÃO, NA FAZENDA ESTIVAS, EM GARANHUNS, ESTADO DE PERNAMBUCO ANÁLISE DE RENTABILIDADE DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MAMONA SOB REGIME DE IRRIGAÇÃO, NA FAZENDA ESTIVAS, EM GARANHUNS, ESTADO DE PERNAMBUCO Joffre Kouri 1, Carlos Ramiro Coutinho Bartolomeu 2,

Leia mais

Administração. Previsão de Estoques. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Previsão de Estoques. Professor Rafael Ravazolo. Administração Previsão de Estoques Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX PREVISÃO DE ESTOQUES Cada aspecto do gerenciamento de materiais está voltado para fornecer

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB Sandra Maria de Figueiredo 1, Fernanda Fernandes de Melo

Leia mais

PRINCIPAIS DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS DE CLIMA TEMPERADO

PRINCIPAIS DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS DE CLIMA TEMPERADO PRINCIPAIS DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS DE CLIMA TEMPERADO Pedro Henrique Linassi Mastella Engenheiro Agrônomo Foz do Iguaçu - PR, 10 de Agosto de 2017 ASSOCIAÇÃO SUL - BRASILEIRA PARA

Leia mais

ALGODÃO. CADERNO de CAMPO. O programa Better Cotton Initiative para pequenos produtores é financiado com recursos do Instituto Brasileiro do Algodão

ALGODÃO. CADERNO de CAMPO. O programa Better Cotton Initiative para pequenos produtores é financiado com recursos do Instituto Brasileiro do Algodão CADERNO de CAMPO ALGODÃO controle de custos Programa Horizonte Rural O programa Better Cotton Initiative para pequenos produtores é financiado com recursos do Instituto Brasileiro do Algodão Realização:

Leia mais

CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO RECOMENDADAS PARA OS CERRADOS DO MEIO- NORTE DO BRASIL

CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO RECOMENDADAS PARA OS CERRADOS DO MEIO- NORTE DO BRASIL CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO RECOMENDADAS PARA OS CERRADOS DO MEIO- NORTE DO BRASIL José Lopes Ribeiro (1), Eleusio Curvelo Freire 2), Francisco José Correia Farias 2), Francisco Pereira de Andrade

Leia mais

A expansão dos recursos naturais de Moçambique. Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da indústria do Algodão em Moçambique?

A expansão dos recursos naturais de Moçambique. Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da indústria do Algodão em Moçambique? A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da indústria do Algodão em Moçambique? O algodão esta entre as 10 principais exportações de Moçambique

Leia mais

Outline. I. Introdução. II. Importância do algodão na economia. III. A Cadeia de valor do algodão. VI. Análise SWOT. V. Factores de competitividade

Outline. I. Introdução. II. Importância do algodão na economia. III. A Cadeia de valor do algodão. VI. Análise SWOT. V. Factores de competitividade Outline I. Introdução II. Importância do algodão na economia III. A Cadeia de valor do algodão VI. Análise SWOT V. Factores de competitividade VI. Conclusões I. Introdução A cultura do algodão constitui

Leia mais

PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR.

PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR. PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR. A marca RAR é sinônimo de qualidade, sabor, tradição, inovação, procedência. Em todas as suas ações com os seus clientes, fornecedores, consumidores

Leia mais