METAIS COMO CATALIZADORES METAIS AMBIENTE E VIDA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METAIS COMO CATALIZADORES METAIS AMBIENTE E VIDA"

Transcrição

1 METAIS COMO CATALIZADORES METAIS AMBIENTE E VIDA

2 Se somarmos as duas equações, a equação global é O bromo não se consome na reacção, sendo regenerado indefinidamente 2

3 Decomposição do peróxido de hidrogénio catalisada (a) pelo MnO2; (b) pela catalase da batata; (c) pelo ião iodeto. (c) (b) (a) Tal como o grupo heme estas substâncias catalisam a decomposição do peróxido de hidrogénio 3

4 O que é um catalizador? Um catalisador é, geralmente, um metal de transição, um óxido de um metal de transição ou uma enzima nos organismos vivos. Uma excepção é o óxido de alumínio (alumina) usado no cracking dos hidrocarbonetos. Catálise ou reacção catalítica é uma reacção em que participam catalizadores 4

5 Catalisadores de automóveis e poluição Uma importante utilização dos catalisadores é nos conversores catalíticos dos automóveis. Reage rapidamente com oxigénio para formar óxidos de azoto, genericamente designados NO, Estes, conjuntamente com os restantes gases emitidos pelo motor, como o monóxido de carbono e combustível não queimado (hidrocarbonetos), constituem uma das principais fontes de poluição atmosférica. 5

6 Estrutura típica do conversor catalítico de um automóvel Catalizador de três vias Sensor de oxigénio regula a entrada de ar/combustível no motor Platina e ródio (catalisador de redução). Produz redução do NOx a N 2 + O 2 Platina e paládio (catalizador de oxidação).produz a queima completa do combustível ( a H 2 O e CO 2 )e a oxidação do CO a CO 2 cerâmico 6

7 Corte transversal de uma câmara do conversor catalítico de um automóvel. Os catalisadores podem ser envenenados, o que conduz à sua ina tivação. Uma causa comum nos catalisadores heterogéneos é a adsorção irreversível de uma substância à sua superfície, que impede o contacto entre o catalisador e os reagentes. Metais pesados, com destaque para o chumbo, são venenos muito fortes de catalisadores heterogéneos, razão pela qual se deve usar gasolina sem chumbo nos automóveis equipados com converso catalíticos. A eliminação do chumbo traz ainda o benefício de diminuir a quantidade deste elemento libertada para o ambiente. 7

8 Emissões na combustão de 1,8 L de gasolina Emissões na combustão de 1,9 L de gasóleo 8

9 Catalisadores Industriais e Economia - Síntese do Amoníaco - À temperatura ambiente é exotérmica e extensa, e extraordinariamente lenta. A temperaturas elevadas, embora muito mais rápida, é menos favorecida (tal como previsto pelo princípio de Le Chatelier): Kc (calculado) = 3,5 x 10 8 (25 C) Kc (experimental) = 0,16 (450ºC) 9

10 Catalisadores Industriais e Economia - Síntese do Amoníaco - No início do século XX, o químico alemão Fritz Haber desenvolveu um catalisador para esta reacção constituído por Fe 2 O 3 misturado com KOH 1, SiO 2 e Al Este não é eficiente abaixo de 400 C, a reacção é levada a cabo a 450 C, temperatura à qual a reacção, sobretudo na presença do catalisador, é bastante rápida, embora muito pouco extensa. 1 Actua como promotor, uma substância que aumenta a eficiência do catalisador 10

11 Catalisadores Industriais e Economia - Síntese do Amoníaco - 2. Para aumentar a concentração de NH 3 no equilíbrio, a reacção é efectuada a pressão elevada (250 atmosferas ou mais). Este procedimento não altera o valor de Kc mas, de acordo com o princípio de Le Châtelier, um aumento de pressão vai favorecer a reacção directa, na qual 4 moles gasosas são convertidas em duas. 3. A mistura em equilíbrio é passada por uma unidade de refrigeração, onde só o amoníaco condensa, o que contribui para deslocar o sistema ainda mais no sentido da formação do produto. 11

12 Processo de Haber. 12

13 Reactor de alta pressão utilizado no processo 13

14 Catalisadores Industriais e Economia -Síntese do Ácido Nítrico- -Processo de Ostwald- 90% platina, 10% ródio 14

15 Catalisadores Industriais e Economia -Síntese do Ácido Nítrico- -Processo de Ostwald- 15

16 Como actua um catalizador? Homogéneo - se se encontra na mesma fase que os reagentes (enzimas) Heterogéneo se se encontra numa fase diferente dos reagentes São sólidos porosos ou finamente divididos oferecem grande superfície de contacto para que a reacção se dê. Os reagentes são adsorvidos à sua superfície promover a proximidade física entre eles, aumentando a probabilidade de ocorrência de reacção. Enfraquecer as suas ligações tornando-as mais facilmente quebráveis Acelerar a Reacção 16

17 Como actua um catalizador? Teoria da Adsorção Acção do catalisador na síntese do Amoníaco (a) As moléculas de H 2 e N 2 ligam-se à superfície do catalizador (b) esta interacção enfraquece as ligações covalentes e provoca a dissociação das moléculas; (c) os átomos migram à superfície do catalisador, combinando-se para formar moléculas de NH 3, que a abandonam. 17

18 Como actua um catalizador? Teoria das Colisões / Formação Espécies Intermediárias Segundo a Teoria das Colisões, para que duas moléculas reajam uma com a outra, é necessário que colidam. Colisões Eficazes 18

19 Como actua um catalizador? Teoria das Colisões / Formação Espécies Intermediárias 1. Duas orientações relativas possíveis na colisão de duas moléculas de HI favorável desfavorável 19

20 Como actua um catalizador? Teoria das Colisões / Formação Espécies Intermediárias 2. Eficácia das colisões depende da energia das moléculas no momento da colisão. Valor mínimo é a ENERGIA DE ACTIVAÇÃO E a - Perfil Energético da Reacção Ea = =185 Kj/mol Apenas as moléculas com uma energia cinética igual ou superior a Ea e que colidam com uma orientação adequada conseguirão ultrapassar a barreira energética e transformar-se em produtos. 20

21 Como actua um catalizador? Teoria das Colisões / Formação Espécies Intermediárias Perfil Energético da Reacção Inversa A entalpia desta reacção é simétrica da da reacção inversa 21

22 A Teoria do Estado de Transição estabelece que duas moléculas que se aproximam, se tiverem energia suficiente e orientação adequada, formam uma espécie transiente designada complexo activado (ou estado de transição), na qual as ligações originais estão enfraquecidas e as novas ligações apenas parcialmente formadas. 22

23 Como actua um catalizador? 1. Aumentam a velocidade das reacções porque permitem que estas ocorram através de um novo mecanismo, envolvendo a formação de intermediários e estados de transição de menor energia do que o da reacção não catalisada. 2. A diminuição da energia de activação tem como consequência que a fracção de moléculas com energia suficiente para reagir aumente e a reacção se torne mais rápida. 23

24 Como actua um catalizador? Os catalisadores tornam as reacções mais rápidas (porque diminuem a energia de activação), mas não mais extensas. 24

25 Como actua um catalizador? Ciclo catalítico 25

26 Fim da Unidade 1 26

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

Componente de Química

Componente de Química Componente de Química 1.5 Controlo da produção industrial Alteração do estado de equilíbrio de um sistema O carácter dinâmico do equilíbrio (num sistema em equilíbrio, a uma dada temperatura, as velocidades

Leia mais

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Equilíbrio Químico Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Reações completas Combustão do carvão C (s) + O 2 (g) CO 2 (g) Reações completas Reação do Ácido clorídrico com o Magnésio 2 HCl (aq) + Mg

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

Escola Estadual Antunes de Andrade CINÉTICA QUÍMICA

Escola Estadual Antunes de Andrade CINÉTICA QUÍMICA Escola Estadual Antunes de Andrade CINÉTICA QUÍMICA Sidrolândia, MS, 2013 Escola Estadual Sidrônio Antunes de Andrade Estudantes: Thaís Silva e Giovani N : 45 e 15 1 - CINÉTICA QUÍMICA Existe um ramo na

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE MONSERRATE

ESCOLA SECUNDÁRIA DE MONSERRATE ESCOLA SECUNDÁRIA DE MONSERRATE F.Q. A 2º ANO EQUILÍBRIO QUÍMICO 1. Para ocorrer uma situação de equilíbrio num sistema são necessárias, pelo menos, duas das condições seguintes: A Todos os reagentes se

Leia mais

Copyright McGraw-Interamericana de España. Autorização necessária para reprodução ou utilização. Cinética Química

Copyright McGraw-Interamericana de España. Autorização necessária para reprodução ou utilização. Cinética Química Capítulo 3 Cinética Química Velocidade de Uma Reacção Lei de Velocidades Relação Entre a Concentração de Reagente e o Tempo Energia de Activação e Dependência das Constantes de Velocidade com a Temperatura

Leia mais

ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente as respostas e apresente TODOS os cálculos efectuados.

ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente as respostas e apresente TODOS os cálculos efectuados. Prova de Acesso de Química Maiores de 23 Anos Candidatura 2015-2016 / Candidatos oriundos de outros sistemas de ensino 2015/2016 15 de Junho de 2016 10h00 12h30 ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente

Leia mais

Cinética Química. Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade.

Cinética Química. Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade. Cinética Química IV Cinética Química: Velocidade média, instantânea e inicial. Lei cinética. Fatores que influenciam a velocidade. Mecanismos reacionais. Catálise. Cinética Química Cinética Química é a

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. CINÉTICA QUÍMICA Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Cinética Química Lei de Velocidade Integrada Mostra a variação das concentrações

Leia mais

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Cinética Química

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Cinética Química Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Cinética Química Cinética Química É a área da química que está preocupada com a velocidade das reações químicas.

Leia mais

Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica

Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica 1) A entalpia da reação (I) não pode ser medida diretamente em um calorímetro porque a reação de carbono com excesso

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Obs.: a variação da quantidade deverá ser sempre um valor positivo, então ela deverá ser em módulo. 1.

CINÉTICA QUÍMICA. Obs.: a variação da quantidade deverá ser sempre um valor positivo, então ela deverá ser em módulo. 1. CINÉTICA QUÍMICA 1. Introdução O Conhecimento e o estudo da velocidade das reações, além de ser muito importante em termos industriais, também está relacionado ao nosso dia-adia, verificamos que há algumas

Leia mais

Vm A = [A] t. Vm B = [B] t. Vm C = [C] t. Vm = Vm A = Vm B = Vm C a b c. 1

Vm A = [A] t. Vm B = [B] t. Vm C = [C] t. Vm = Vm A = Vm B = Vm C a b c.  1 I. INTRODUÇÃO É à parte da química que estuda a maior ou menor rapidez com que uma reação química ocorre e os fatores que a influenciam. Este estudo é importante para o nosso dia-a-dia, pois explica alguns

Leia mais

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Cinética Química Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Fatores que afetam a velocidade da reação: Concentração dos reagentes.

Leia mais

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia.

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Combustíveis Energia e Ambiente De onde vem a energia dos combustíveis? Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Sistema; Universo; Sistema Aberto, Fechado e Isolado; Estado final e Inicial; Energia

Leia mais

Funcionamentos Sonda lambda

Funcionamentos Sonda lambda Linea 1.4 16v Turbo Funcionamnetos 10-020 - SONDA LAMBDA Características De tipo "planar", estão montadas a montante e a jusante do catalisador e informam a centralina de injeção sobre o andamento da combustão

Leia mais

SIMULADO de QUÍMICA 2 os anos 2008 TODOS COLÉGIOS

SIMULADO de QUÍMICA 2 os anos 2008 TODOS COLÉGIOS SIMULADO de QUÍMICA 2 os anos 2008 TODOS COLÉGIOS ) Foram misturados 400 mililitros de solução 0,25 molar de ácido sulfúrico com 600 mililitros,5 molar do mesmo ácido. A molaridade da solução final é:

Leia mais

Equilíbrio Químico. Aulas 6. Equilíbrio Químico: Reações reversíveis. Equação de equilíbrio. Princípio de Le Chatelier

Equilíbrio Químico. Aulas 6. Equilíbrio Químico: Reações reversíveis. Equação de equilíbrio. Princípio de Le Chatelier Aulas 6 Equilíbrio Químico: Reações reversíveis Equação de equilíbrio. Princípio de Le Chatelier Reações Químicas REACÇÕES QUÍMICAS podem ser Irreversíveis Reversíveis CH 4 (g) + O 2 (g) CO 2 (g) + H 2

Leia mais

MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF

MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF Parte da química que estuda a rapidez das reações Este estudo é importante para o nosso dia-a-dia, pois

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 8/11/09 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão Dados gerais: 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 G o = H o - T S o G = - n F E o RT E =

Leia mais

ENERGIA = ENTALPIA (H)

ENERGIA = ENTALPIA (H) Cinética Química ENERGIA = ENTALPIA (H) Reações Endotérmicas: absorvem calor do meio ambiente, onde a entalpia dos produtos é maior que a dos reagentes. Quando ocorre absorção de energia, a quantidade

Leia mais

Aula 43 Página 1. Vejamos um exemplo que ilustra a formação do complexo ativado:

Aula 43 Página 1. Vejamos um exemplo que ilustra a formação do complexo ativado: CURSINHO ETWB 2012 Componente Curricular: Química Professor: Ricardo Honda Data: Terça-feira, 04/09/2012 Tema da aula: Cinética Química: Fatores que influenciam na rapidez de transformações químicas O

Leia mais

CHUVA ÁCIDA. - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns. materiais.

CHUVA ÁCIDA. - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns. materiais. CHUVA ÁCIDA - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns materiais. FORMAÇÃO DE CHUVA ÁCIDA A chuva torna-se ácida porque dissolve o dióxido de

Leia mais

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar:

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar: LISTA DE EXERCÍCIOS CINÉTICA QUÍMICA 1) O NO 2 proveniente dos escapamentos dos veículos automotores é também responsável pela destruição da camada de ozônio. As reações que podem ocorrer no ar poluído

Leia mais

Fundamentos de Química

Fundamentos de Química FCiências Fundamentos de Química Apontamentos Equilíbrio químico, Ácido e Bases, Cinética Química Produzido por Filipa França Divulgado e Partilhado por FCiências Equilíbrio Químico FCiências Reações em

Leia mais

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação.

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação. Setor 3306 Aula 20 Lei da velocidade das reações Complemento. As reações químicas podem ocorrer nas mais diferentes velocidades. Existem reações tão lentas que levam milhares de anos para ocorrer, como

Leia mais

Ao aplicar o operador matemático logaritmo, obtém-se a seguinte expressão: ph= - log [H + ]

Ao aplicar o operador matemático logaritmo, obtém-se a seguinte expressão: ph= - log [H + ] SIMULAR A OCORRÊNCIA DE CHUVAS ÁCIDAS DEVIDA A ÓXIDOS DE ENXOFRE INTRODUÇÃO Um ácido pode ser definido como uma espécie química que doa protões H + numa reacção química. A espécie química que aceita esses

Leia mais

Equilíbrio Químico. É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa.

Equilíbrio Químico. É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa. Equilíbrio Químico É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES Uma reação química diz-se completa quando leva ao esgotamento

Leia mais

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO EQUILÍBRIO QUÍMICO CONSTANTE DE EQUILÍBRIO A maneira de descrever a posição de equilíbrio de uma reação química é dar as concentrações de equilíbrio dos reagentes e produtos. A expressão da constante de

Leia mais

Colégio João Paulo I. Questões complementares de Cinética Química. Prof. Cristiano Rupp

Colégio João Paulo I. Questões complementares de Cinética Química. Prof. Cristiano Rupp Colégio João Paulo I Questões complementares de Cinética Química Prof. Cristiano Rupp 1- A quimotripsina é uma enzima que catalisa a clivagem heterolítica das ligações peptídicas, processo que faz parte

Leia mais

Enzimas e Actividade enzimática

Enzimas e Actividade enzimática Enzimas e Actividade enzimática Energia de activação de uma reacção Em todas as células de um organismo vivo ocorre um número infindável de reacções químicas. Estas reacções implicam a quebra, e posteriormente,

Leia mais

Escola Estadual Professor... Disciplina: Química. Tema: Catalisadores automoivos. São Paulo Sumário

Escola Estadual Professor... Disciplina: Química. Tema: Catalisadores automoivos. São Paulo Sumário Escola Estadual Professor... Disciplina: Química Tema: Catalisadores automoivos São Paulo 2014 Sumário 1. Introdução 3 2. O que é o catalisador? 4 2.1 Do que é feito o catalisador? Como é construído? 4

Leia mais

BC0307 Transformações Químicas. Cinética química

BC0307 Transformações Químicas. Cinética química Cinética química 1 É possível que ocorra uma determinada reação? Essa reação é espontânea? Termodinâmica Quão rápida é esta reação? Qual o mecanismo desta transformação química? Cinética 2 Modelo de colisão

Leia mais

N 2 O 4(g) 2NO 2(g) incolor castanho

N 2 O 4(g) 2NO 2(g) incolor castanho Equilíbrios Químicos Conceito de equilíbrio químico Primeira experiência N 2 O 4(g) 2NO 2(g) incolor castanho Análise microscópica N 2 O 4(g) 2NO 2(g) incolor castanho Pela reação: 1 mol de N 2 O 4 2 mols

Leia mais

PAG Química Cinética 1.

PAG Química Cinética 1. 1. 2. 3. errata: a reação é em mais de uma etapa, os gráficos devem apresentar pelo menos duas!! 4. 5. Explique se cada uma das alternativas abaixo é correta ou não, para reações químicas que ocorrem

Leia mais

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h Nome Completo : B. I. n.º Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos Candidatura 2013-2014 18 de Junho de 2013, 10:00 12.30 h Respostas às perguntas de escolha múltipla: assinale a resposta certa

Leia mais

Δt = 8. Cinética Química

Δt = 8. Cinética Química Cinética Química Velocidade das Reações A velocidade média de consumo de um reagente ou de formação de um produto é calculada em função da variação da quantidade de reagentes e produtos pela variação do

Leia mais

QUÍMICA. 16. Os elementos químicos A, B e C apresentam para seu átomo, no estado fundamental, a seguinte configuração eletrônica:

QUÍMICA. 16. Os elementos químicos A, B e C apresentam para seu átomo, no estado fundamental, a seguinte configuração eletrônica: QUÍMICA 16. Os elementos químicos A, B e C apresentam para seu átomo, no estado fundamental, a seguinte configuração eletrônica: A 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 B 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 4s 2 3d 5 C 1s 2 2s

Leia mais

Cinética e Eq. Químico Folha 10 João Roberto Fortes Mazzei

Cinética e Eq. Químico Folha 10 João Roberto Fortes Mazzei 01. Em um recipiente de 500 ml, encontram-se, em condições de equilíbrio, 10 mol/l de H 2 (g) e 0,01 mol/l de I 2 (g). Qual é a concentração do HI(g), sabendo-se que, nas condições do experimento, a constante

Leia mais

OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA 2015 Modalidade EM2-26/09/2015 FASE II

OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA 2015 Modalidade EM2-26/09/2015 FASE II INSTRUÇÕES 1 Esta prova contém cinco questões no total, sendo todas elas de múltipla escolha. 2 Antes de iniciar a prova, confira se todas as folhas estão presentes, com os espaços para as resposta. Caso

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Equilíbrio Químico EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-RS) Dada a expressão da constante de equilíbrio em termos de concentração de produtos e reagentes a equação química que pode ser representada por essa

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E.E. ARACY EUDOCIAK

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E.E. ARACY EUDOCIAK Conteúdo 14 Cinética Química CINÉTICA QUÍMICA É à parte da química que estuda a maior ou menor rapidez com que uma reação química ocorre e os fatores que a influenciam. Este estudo é importante para o

Leia mais

Aula 14 Cinética Química

Aula 14 Cinética Química Aula 14 Cinética Química Cinética química é a parte da físico-química que estuda a velocidade (rapidez) de uma reação química, bem como quais fatores que a influenciam. No nosso dia-a-dia em vários momentos

Leia mais

A B EQUILÍBRIO QUÍMICO. H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl. % Ach

A B EQUILÍBRIO QUÍMICO. H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl. % Ach A B EQUILÍBRIO QUÍMICO H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl!. % % Ach. Ac 1 Equilíbrio Químico - Reversibilidade de reações químicas A B Exemplo: N 2 (g) + 3H 2 (g) 2NH 3 (g) equilíbrio dinâmico aa + bb yy + zz Constante

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 6.º teste sumativo de FQA 3.março.15 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 11.º Ano Turma B Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. VERSÃO 2 Este teste é constituído por 8 páginas

Leia mais

NOÇÕES GERAIS de EQUILÍBRIO em REACÇÕES QUÍMICAS

NOÇÕES GERAIS de EQUILÍBRIO em REACÇÕES QUÍMICAS 1 Valentim M B Nunes, Instituto Politécnico de Tomar, 007 NOÇÕES GERAIS de EQUILÍBRIO em REACÇÕES QUÍMICAS 1. GENERALIDADES SOBRE CINÉTICA QUÍMICA A partir da nossa experiência quotidiana, verificamos

Leia mais

3.2.2 Métodos de relaxação Métodos de competição Métodos de elevada resolução temporal ORDENS E CONSTANTES DE

3.2.2 Métodos de relaxação Métodos de competição Métodos de elevada resolução temporal ORDENS E CONSTANTES DE ÍNDICE Prefácio... 3 1. INTRODUÇÃO... 7 1.1. Dificuldades iniciais no desenvolvimento da Cinética Química no séc. XX... 8 1.2. A Cinética Química actual... 12 2. LEIS DE VELOCIDADE DE REACÇÃO... 27 2.1.

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Cinética química David P. White Fatores que afetam a velocidade de reações A cinética é o estudo da velocidade na qual as reações químicas ocorrem. Existem quatro fatores

Leia mais

UNIDADE 1 QUÍMICA E INDÚSTRIA: Equilíbrios e Desequilíbrios

UNIDADE 1 QUÍMICA E INDÚSTRIA: Equilíbrios e Desequilíbrios Extensão da reacção UNIDADE 1 QUÍMICA E INDÚSTRIA: Equilíbrios e Desequilíbrios Reversibilidade da reacção Equilíbrio Químico Principio de Le Châtelier 1.4. Produção Industrial de Amoníaco Relação entre

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alexandre D. Marquioreto

Cinética Química. Prof. Alexandre D. Marquioreto Prof. Alexandre D. Marquioreto Estuda as velocidades, mecanismos e os fatores que podem interferir nas reações químicas. Lentas Reações Químicas Rápidas Reação Rápida Cinética Química Faísca 2 H 2(g) +

Leia mais

Exercícios de Equilíbrio Químico

Exercícios de Equilíbrio Químico Exercícios de Equilíbrio Químico 1. Para a produção de energia, os mamíferos oxidam compostos de carbono nos tecidos, produzindo dióxido de carbono gasoso, CO (g), como principal subproduto. O principal

Leia mais

Metais e ligas metálicas Estrutura e propriedades dos metais

Metais e ligas metálicas Estrutura e propriedades dos metais AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Química / Metas Curriculares ENSINO SECUNDÁRIO 12º ANO-QUÍMICA DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO

Leia mais

BC Transformações Químicas

BC Transformações Químicas Transformações Químicas BC0307 Prof. Anderson O. Ribeiro http://www.andersonorzari.com BC 0307 Transformações Químicas ANDERSON ORZARI RIBEIRO Bloco B, 10º andar - Sala 1043 www.andersonorzari.com Transformações

Leia mais

4. «[...] se não houver trocas, nem de matéria nem de energia, entre o sistema e o exterior [...]», o sistema químico será um sistema

4. «[...] se não houver trocas, nem de matéria nem de energia, entre o sistema e o exterior [...]», o sistema químico será um sistema 2013 / 1.ª FASE Quando um sistema químico, no qual ocorra uma reação química reversível, se encontra num estado de equilíbrio o que, em rigor, só é possível se não houver trocas, nem de matéria nem de

Leia mais

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI Processos Químicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos tipos de substâncias presentes ou de suas proporções. Processos Físicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos

Leia mais

Reacções incompletas e equilíbrio químico

Reacções incompletas e equilíbrio químico Reacções incompletas e equilíbrio químico Reversibilidade das reacções químicas Reversibilidade das reacções químicas Uma reacção química diz-se reversível quando pode ocorrer nos dois sentidos, isto é,

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Cintia Disciplina: Química Turma: 3ª Série Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue em pasta

Leia mais

Prática 15 Alguns fatores que influenciam a velocidade de reação química

Prática 15 Alguns fatores que influenciam a velocidade de reação química UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 15 Alguns fatores que influenciam a velocidade

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSORA: Núbia de Andrade. ALUNO(a): Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSORA: Núbia de Andrade. ALUNO(a): Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSORA: Núbia de Andrade DISCIPLINA:QUÌMICA SÉRIE: 3º ALUNO(a): Entrega dia 16/09/2016 No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes

Leia mais

São moléculas catalíticas protéicas (exceto algumas que são RNA) - Prefixo que designa a reação: lactato desidrogenase, catalase

São moléculas catalíticas protéicas (exceto algumas que são RNA) - Prefixo que designa a reação: lactato desidrogenase, catalase 1 5 Enzimas a) Conceito - O que são enzimas? São moléculas catalíticas protéicas (exceto algumas que são RNA) - Moléculas que aumentam a velocidade de reações sem se alterarem neste processo. - Catalisam

Leia mais

Lista de exercícios - Bloco 2 - Aula 25 a 28 - Equilíbrio Químico - Conceitos gerais e cálculo (Kc e Kp) 1. (Unicid - Medicina 2017) Considere os equilíbrios: 1. 2 SO 2 (g) + O 2 (g) 2 SO 3 (g) 25 Kc =

Leia mais

Metais no Organismo Humano

Metais no Organismo Humano Metais no Organismo Humano Relativamente à necessidade biológica podem classificar-se Metais Essenciais: Metais Tóxicos: sódio, potássio, cálcio, magnésio, ferro, crómio, zinco, cobalto, manganês e níquel.

Leia mais

Disciplina: Química I Unidade VI

Disciplina: Química I Unidade VI chamadas de prótons. Em 1932, Chadwick isolou o nêutron, cuja existência já era prevista por Rutherford. Portanto, o modelo atômico clássico é constituído de um núcleo, onde se encontram os prótons e nêutrons,

Leia mais

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é Kc = 6,45 x 10 5. a) em que concentração de O 2 as concentrações de NO 2 e de NO são

Leia mais

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins Cinética Química Mestrado integrado em Engenharia Biológica Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10 Professsora Ana Margarida Martins Usamos atermodinâmica para saber se uma reacção é favorecida no

Leia mais

Química C Extensivo V. 4

Química C Extensivo V. 4 Química C Extensivo V 4 Exercícios 01) C 02) D I Errada degelo de um freezer (fusão do gelo) é um processo que absorve energia (endotérmico) II Errada A sublimação ocorre com absorção de energia (endotérmico)

Leia mais

Cinética Química 17/04/17. V m h. Prof. Xuxu. Velocidade das reações químicas. Velocidade das reações químicas. Velocidade Média. Hora da saída: 11:45

Cinética Química 17/04/17. V m h. Prof. Xuxu. Velocidade das reações químicas. Velocidade das reações químicas. Velocidade Média. Hora da saída: 11:45 Seja Bem-indo a Goiânia elocidade Média Cinética Química Hora da saída: 11:45 Δd 40km m 40 km Δt 1h h Distância Hidrolândia: 40 km Seja Bem-indo a Hidrolândia Prof. Xuxu Hora da chegada: 12:45 elocidade

Leia mais

Reacções químicas. Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química. Grau de pureza de uma substância

Reacções químicas. Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química. Grau de pureza de uma substância Reacções químicas Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química Prof. Luís Perna 2010/11 Grau de pureza de uma substância Muitos dos materiais que utilizamos no dia-a-dia possuem impurezas

Leia mais

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam.

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam. Cinética Química...? Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciência e Tecnologia groalimentar Profª Roberlucia Candeia Disciplina: Química geral É o estudo da velocidade das reações químicas

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 O QUE É CINÉTICA QUÍMICA? É a área da química que estuda a velocidade das reações

Leia mais

X X. Calor ou Luz. Calor R O O R. Exemplo 1: Peróxidos. Exemplo 2: Halogênios. Universidade Federal Rural do Semi Árido UFERSA. 1. Reações de Alcanos

X X. Calor ou Luz. Calor R O O R. Exemplo 1: Peróxidos. Exemplo 2: Halogênios. Universidade Federal Rural do Semi Árido UFERSA. 1. Reações de Alcanos 1. Reações de Alcanos Os alcanos são caracterizados por apresentar pouca reatividade a muitos reagentes químicos. As ligações carbono carbono e hidrogênio hidrogênio são bastante fortes; elas não quebram,

Leia mais

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação:

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação: 3ª Série / Vestibular 01. I _ 2SO 2(g) + O 2(g) 2SO 3(g) II _ SO 3(g) + H 2O(l) H 2SO 4(ag) As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar

Leia mais

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é Kc = 6,45 x 10 5. a) em que concentração

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Equilíbrio químico David P. White Conceito de equilíbrio Considere o N 2 O 4 congelado e incolor. À temperatura ambiente, ele se decompõe em NO 2 marrom: N 2 O 4 (g)

Leia mais

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL PROCEL PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL VANDERLEI SÉRGIO BERGAMASCHI E-mail: vsberga@ipen ipen.br PROCEL / IPEN-SP OUTUBRO / 2003 COMBUSTÍVEL PETRÓLEO: VANTAGENS: -LÍQUIDO DE FÁCIL

Leia mais

SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA.

SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA. SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA. QUESTÕES LISTA DE EXERCÍCIOS Cinética Química. 1) A tabela abaixo mostra a variação da massa de peróxido de hidrogênio que ocorre na reação de decomposição

Leia mais

UFSC. Resposta: = 40. Comentário

UFSC. Resposta: = 40. Comentário Resposta: 08 + 32 = 40 01. Incorreta. O butano não possui isomeria óptica, pois não possui carbono assimétrico. 02. Incorreta. Ao serem liberados para a atmosfera os gases sofrem expansão de volume. 04.

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib.

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib. TERMOQUÍMICA Prof. Neif Nagib neifnagib@yahoo.com.br Os princípios fundamentais do calor e do trabalho se aplicam no estudo de uma reação química e nas mudanças do estado físico de uma substância. Nesses

Leia mais

1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s. Reação: A B

1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s. Reação: A B Físico-Química Prof. José Ginaldo Silva Jr. Lista de Exercícios de Cinética Química 1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s.

Leia mais

ENGª REACÇÕES II. Utilização de catalisadores: há mais de 2000 anos. Primeiras utilizações: fabrico de vinho, queijo e pão

ENGª REACÇÕES II. Utilização de catalisadores: há mais de 2000 anos. Primeiras utilizações: fabrico de vinho, queijo e pão 1.1 Historial e Importância Utilização de catalisadores: há mais de 2000 anos Primeiras utilizações: fabrico de vinho, queijo e pão 1835 Berzelius: reúne observações anteriores e sugere que a adição de

Leia mais

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO 1. OBJETIVOS No final desta experiência o aluno deverá ser capaz de: Dada a equação química de um equilíbrio, escrever a expressão para a constante

Leia mais

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR ASSESSORIA TÉCNICA Processo Avaliativo Recuperação - 3º Bimestre/2015 Disciplina: QUÍMICA 3ª série EM A/B Nome do aluno Nº Turma A Recuperação deve ser entregue no dia 08/09/2015.

Leia mais

Ficha de avaliação diagnóstica aos conhecimentos do 1º período. Jcr

Ficha de avaliação diagnóstica aos conhecimentos do 1º período. Jcr Ficha de avaliação diagnóstica aos conhecimentos do 1º período Jcr 2011-12 QUESTÃO 1 Faz a associação correcta entre as duas colunas: 1. A. são aquelas que ocorrem sem que se formem novas substâncias 2.

Leia mais

Físico-química Farmácia 2014/02

Físico-química Farmácia 2014/02 Físico-química Farmácia 2014/02 1 Decomposição Química Cinética de decomposição Lei de velocidade Ordem de reação Tempo de meia vida e prazo de validade Fatores que influenciam a estabilidade Equação de

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA. Tendo em vista as propriedades coligativas dessas soluções, é CORRETO afirmar

PROVA DE QUÍMICA. Tendo em vista as propriedades coligativas dessas soluções, é CORRETO afirmar 17 PROVA DE QUÍMICA Q U E S T Ã O 2 6 Z e X são elementos químicos que apresentam respectivamente 2 e 6 elétrons no nível de valência. A fórmula química resultante da combinação entre átomos dos elementos

Leia mais

AULA 16 Deslocamento de Equilíbrio

AULA 16 Deslocamento de Equilíbrio AULA 16 Deslocamento de Equilíbrio Quando um sistema atinge o estado de equilíbrio, ele tende a permanecer nesse estado desde que não ocorra nenhuma perturbação externa. Le Chatelier quando estudou os

Leia mais

2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados;

2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados; CINÉTICA QUÍMICA 1. Trata das velocidades das reações; 2. Aborda a rapidez com que os reagentes são consumidos e os produtos são formados; 3. A dependência da velocidade; 4. Estudo do mecanismo de reação.

Leia mais

Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos 2009/2010

Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos 2009/2010 Nome Completo : B. I. n.º Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos 2009/2010 21 Julho 2009, 10:00 13:00 h Respostas às perguntas de escolha múltipla: assinale a resposta certa quando lhe for

Leia mais

21. Considere a seguinte expressão de constante de equilíbrio em termos de pressões parciais: K p =

21. Considere a seguinte expressão de constante de equilíbrio em termos de pressões parciais: K p = PASES 2 a ETAPA TRIÊNIO 2003-2005 1 O DIA GABARITO 1 13 QUÍMICA QUESTÕES DE 21 A 30 21. Considere a seguinte expressão de constante de equilíbrio em termos de pressões parciais: K p = 1 p CO2 Dentre as

Leia mais

TERMOQUÍMICA EXERCÍCIOS PARA TREINO

TERMOQUÍMICA EXERCÍCIOS PARA TREINO TERMOQUÍMICA EXERCÍCIOS PARA TREINO 1 - Considere a seguinte reação termoquímica: 2NO(g) + O 2 (g) 2NO 2 (g) H = -13,5 kcal / mol de NO e assinale a alternativa falsa. a) A reação é exotérmica. b) São

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO CURCEP UNIDADE 09 QUÍMICA B

EQUILÍBRIO QUÍMICO CURCEP UNIDADE 09 QUÍMICA B EQUILÍBRIO QUÍMICO CURCEP UNIDADE 09 QUÍMICA B 01 - (UFPR) O íon cromato (CrO 4 ) de cor amarela e o íon dicromato (CrO7 ) de cor laranja podem ser utilizados em processos de eletrodeposição para produzir

Leia mais

Equilíbrio é um estado em que não há mudanças observáveis, com passar do tempo.

Equilíbrio é um estado em que não há mudanças observáveis, com passar do tempo. Equilíbrio Químico Equilíbrio é um estado em que não há mudanças observáveis, com passar do tempo. Equilíbrio químico é alcançado quando: as taxas das reações direta e inversa são iguais e não são iguais

Leia mais

Exercício de Revisão III Unidade. Eletroquímica

Exercício de Revisão III Unidade. Eletroquímica 1 Exercício de Revisão III Unidade Eletroquímica 1) O que difere uma célula galvânica e uma célula eletrolítica? 2) Considere a pilha: Zn(s)/Zn 2+ // Ag + /Ag(s) a) Proponha um esquema de funcionamento

Leia mais

3º Trimestre Sala de Estudo Data: 04/09/17 Ensino Médio 3º ano classe: A_B_C Profª Danusa Nome: nº

3º Trimestre Sala de Estudo Data: 04/09/17 Ensino Médio 3º ano classe: A_B_C Profª Danusa Nome: nº 3º Trimestre Sala de Estudo Data: 04/09/17 Ensino Médio 3º ano classe: A_B_C Profª Danusa Nome: nº Conteúdo: Cinética Química II (Fatores que alteram a rapidez de uma reação) Questão 01 - (PUC Camp SP/2017)

Leia mais

UNIRIO - Disciplina de Química Geral Lista de exercícios 2. 6NiF 2 (s) + 2Cl 2 (g) + 3O 2 (g)

UNIRIO - Disciplina de Química Geral Lista de exercícios 2. 6NiF 2 (s) + 2Cl 2 (g) + 3O 2 (g) UNIRIO - Disciplina de Química Geral Lista de exercícios 1. O trifluoreto de cloro, ClF, é um gás altamente tóxico, que pode ser usado, por exemplo, para converter óxido de níquel, NiO, em fluoreto de

Leia mais

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura 1 O Azoto O azoto ou nitrogénio, de símbolo químico N, encontramo-lo no estado gasoso e constitui cerca de 78 % do ar da atmosfera terrestre. É um gás

Leia mais

11ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Energia Livre

11ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Energia Livre Pg. 1/5 1ª. Questão Considere o processo de sublimação (eq. 1) e a reação de dissociação (eq. 2) do iodo e responda o que se pede. Sublimação do iodo: I 2 (s) I 2 (g) eq. 1 Reação de dissociação do iodo:

Leia mais

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos 1. Conceitue colisão efetiva, colisão não-efetiva, energia de ativação e complexo

Leia mais