METAIS COMO CATALIZADORES METAIS AMBIENTE E VIDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METAIS COMO CATALIZADORES METAIS AMBIENTE E VIDA"

Transcrição

1 METAIS COMO CATALIZADORES METAIS AMBIENTE E VIDA

2 Se somarmos as duas equações, a equação global é O bromo não se consome na reacção, sendo regenerado indefinidamente 2

3 Decomposição do peróxido de hidrogénio catalisada (a) pelo MnO2; (b) pela catalase da batata; (c) pelo ião iodeto. (c) (b) (a) Tal como o grupo heme estas substâncias catalisam a decomposição do peróxido de hidrogénio 3

4 O que é um catalizador? Um catalisador é, geralmente, um metal de transição, um óxido de um metal de transição ou uma enzima nos organismos vivos. Uma excepção é o óxido de alumínio (alumina) usado no cracking dos hidrocarbonetos. Catálise ou reacção catalítica é uma reacção em que participam catalizadores 4

5 Catalisadores de automóveis e poluição Uma importante utilização dos catalisadores é nos conversores catalíticos dos automóveis. Reage rapidamente com oxigénio para formar óxidos de azoto, genericamente designados NO, Estes, conjuntamente com os restantes gases emitidos pelo motor, como o monóxido de carbono e combustível não queimado (hidrocarbonetos), constituem uma das principais fontes de poluição atmosférica. 5

6 Estrutura típica do conversor catalítico de um automóvel Catalizador de três vias Sensor de oxigénio regula a entrada de ar/combustível no motor Platina e ródio (catalisador de redução). Produz redução do NOx a N 2 + O 2 Platina e paládio (catalizador de oxidação).produz a queima completa do combustível ( a H 2 O e CO 2 )e a oxidação do CO a CO 2 cerâmico 6

7 Corte transversal de uma câmara do conversor catalítico de um automóvel. Os catalisadores podem ser envenenados, o que conduz à sua ina tivação. Uma causa comum nos catalisadores heterogéneos é a adsorção irreversível de uma substância à sua superfície, que impede o contacto entre o catalisador e os reagentes. Metais pesados, com destaque para o chumbo, são venenos muito fortes de catalisadores heterogéneos, razão pela qual se deve usar gasolina sem chumbo nos automóveis equipados com converso catalíticos. A eliminação do chumbo traz ainda o benefício de diminuir a quantidade deste elemento libertada para o ambiente. 7

8 Emissões na combustão de 1,8 L de gasolina Emissões na combustão de 1,9 L de gasóleo 8

9 Catalisadores Industriais e Economia - Síntese do Amoníaco - À temperatura ambiente é exotérmica e extensa, e extraordinariamente lenta. A temperaturas elevadas, embora muito mais rápida, é menos favorecida (tal como previsto pelo princípio de Le Chatelier): Kc (calculado) = 3,5 x 10 8 (25 C) Kc (experimental) = 0,16 (450ºC) 9

10 Catalisadores Industriais e Economia - Síntese do Amoníaco - No início do século XX, o químico alemão Fritz Haber desenvolveu um catalisador para esta reacção constituído por Fe 2 O 3 misturado com KOH 1, SiO 2 e Al Este não é eficiente abaixo de 400 C, a reacção é levada a cabo a 450 C, temperatura à qual a reacção, sobretudo na presença do catalisador, é bastante rápida, embora muito pouco extensa. 1 Actua como promotor, uma substância que aumenta a eficiência do catalisador 10

11 Catalisadores Industriais e Economia - Síntese do Amoníaco - 2. Para aumentar a concentração de NH 3 no equilíbrio, a reacção é efectuada a pressão elevada (250 atmosferas ou mais). Este procedimento não altera o valor de Kc mas, de acordo com o princípio de Le Châtelier, um aumento de pressão vai favorecer a reacção directa, na qual 4 moles gasosas são convertidas em duas. 3. A mistura em equilíbrio é passada por uma unidade de refrigeração, onde só o amoníaco condensa, o que contribui para deslocar o sistema ainda mais no sentido da formação do produto. 11

12 Processo de Haber. 12

13 Reactor de alta pressão utilizado no processo 13

14 Catalisadores Industriais e Economia -Síntese do Ácido Nítrico- -Processo de Ostwald- 90% platina, 10% ródio 14

15 Catalisadores Industriais e Economia -Síntese do Ácido Nítrico- -Processo de Ostwald- 15

16 Como actua um catalizador? Homogéneo - se se encontra na mesma fase que os reagentes (enzimas) Heterogéneo se se encontra numa fase diferente dos reagentes São sólidos porosos ou finamente divididos oferecem grande superfície de contacto para que a reacção se dê. Os reagentes são adsorvidos à sua superfície promover a proximidade física entre eles, aumentando a probabilidade de ocorrência de reacção. Enfraquecer as suas ligações tornando-as mais facilmente quebráveis Acelerar a Reacção 16

17 Como actua um catalizador? Teoria da Adsorção Acção do catalisador na síntese do Amoníaco (a) As moléculas de H 2 e N 2 ligam-se à superfície do catalizador (b) esta interacção enfraquece as ligações covalentes e provoca a dissociação das moléculas; (c) os átomos migram à superfície do catalisador, combinando-se para formar moléculas de NH 3, que a abandonam. 17

18 Como actua um catalizador? Teoria das Colisões / Formação Espécies Intermediárias Segundo a Teoria das Colisões, para que duas moléculas reajam uma com a outra, é necessário que colidam. Colisões Eficazes 18

19 Como actua um catalizador? Teoria das Colisões / Formação Espécies Intermediárias 1. Duas orientações relativas possíveis na colisão de duas moléculas de HI favorável desfavorável 19

20 Como actua um catalizador? Teoria das Colisões / Formação Espécies Intermediárias 2. Eficácia das colisões depende da energia das moléculas no momento da colisão. Valor mínimo é a ENERGIA DE ACTIVAÇÃO E a - Perfil Energético da Reacção Ea = =185 Kj/mol Apenas as moléculas com uma energia cinética igual ou superior a Ea e que colidam com uma orientação adequada conseguirão ultrapassar a barreira energética e transformar-se em produtos. 20

21 Como actua um catalizador? Teoria das Colisões / Formação Espécies Intermediárias Perfil Energético da Reacção Inversa A entalpia desta reacção é simétrica da da reacção inversa 21

22 A Teoria do Estado de Transição estabelece que duas moléculas que se aproximam, se tiverem energia suficiente e orientação adequada, formam uma espécie transiente designada complexo activado (ou estado de transição), na qual as ligações originais estão enfraquecidas e as novas ligações apenas parcialmente formadas. 22

23 Como actua um catalizador? 1. Aumentam a velocidade das reacções porque permitem que estas ocorram através de um novo mecanismo, envolvendo a formação de intermediários e estados de transição de menor energia do que o da reacção não catalisada. 2. A diminuição da energia de activação tem como consequência que a fracção de moléculas com energia suficiente para reagir aumente e a reacção se torne mais rápida. 23

24 Como actua um catalizador? Os catalisadores tornam as reacções mais rápidas (porque diminuem a energia de activação), mas não mais extensas. 24

25 Como actua um catalizador? Ciclo catalítico 25

26 Fim da Unidade 1 26

Fundamentos de Química

Fundamentos de Química FCiências Fundamentos de Química Apontamentos Equilíbrio químico, Ácido e Bases, Cinética Química Produzido por Filipa França Divulgado e Partilhado por FCiências Equilíbrio Químico FCiências Reações em

Leia mais

Ao aplicar o operador matemático logaritmo, obtém-se a seguinte expressão: ph= - log [H + ]

Ao aplicar o operador matemático logaritmo, obtém-se a seguinte expressão: ph= - log [H + ] SIMULAR A OCORRÊNCIA DE CHUVAS ÁCIDAS DEVIDA A ÓXIDOS DE ENXOFRE INTRODUÇÃO Um ácido pode ser definido como uma espécie química que doa protões H + numa reacção química. A espécie química que aceita esses

Leia mais

CHUVA ÁCIDA. - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns. materiais.

CHUVA ÁCIDA. - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns. materiais. CHUVA ÁCIDA - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns materiais. FORMAÇÃO DE CHUVA ÁCIDA A chuva torna-se ácida porque dissolve o dióxido de

Leia mais

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia.

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Combustíveis Energia e Ambiente De onde vem a energia dos combustíveis? Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Sistema; Universo; Sistema Aberto, Fechado e Isolado; Estado final e Inicial; Energia

Leia mais

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins Cinética Química Mestrado integrado em Engenharia Biológica Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10 Professsora Ana Margarida Martins Usamos atermodinâmica para saber se uma reacção é favorecida no

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h Nome Completo : B. I. n.º Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos Candidatura 2013-2014 18 de Junho de 2013, 10:00 12.30 h Respostas às perguntas de escolha múltipla: assinale a resposta certa

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Equilíbrio Químico EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-RS) Dada a expressão da constante de equilíbrio em termos de concentração de produtos e reagentes a equação química que pode ser representada por essa

Leia mais

Reacções químicas. Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química. Grau de pureza de uma substância

Reacções químicas. Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química. Grau de pureza de uma substância Reacções químicas Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química Prof. Luís Perna 2010/11 Grau de pureza de uma substância Muitos dos materiais que utilizamos no dia-a-dia possuem impurezas

Leia mais

Físico-química Farmácia 2014/02

Físico-química Farmácia 2014/02 Físico-química Farmácia 2014/02 1 Decomposição Química Cinética de decomposição Lei de velocidade Ordem de reação Tempo de meia vida e prazo de validade Fatores que influenciam a estabilidade Equação de

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib.

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib. TERMOQUÍMICA Prof. Neif Nagib neifnagib@yahoo.com.br Os princípios fundamentais do calor e do trabalho se aplicam no estudo de uma reação química e nas mudanças do estado físico de uma substância. Nesses

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS (Decreto Lei n.º 64/2006, de 21 de Março) 2010 PROVA DE QUÍMICA Data da prova:

Leia mais

É a parte da química que estuda a VELOCIDADE DAS REAÇÕES e os fatores que nela influem

É a parte da química que estuda a VELOCIDADE DAS REAÇÕES e os fatores que nela influem É a parte da química que estuda a VELOCIDADE DAS REAÇÕES e os fatores que nela influem Para que uma reação ocorra são necessários os seguintes fatores: Contato entre as moléculas reagentes Afinidade química

Leia mais

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura 1 O Azoto O azoto ou nitrogénio, de símbolo químico N, encontramo-lo no estado gasoso e constitui cerca de 78 % do ar da atmosfera terrestre. É um gás

Leia mais

Caracterização das Chamas:

Caracterização das Chamas: Caracterização das Chamas: A combustão da mistura ar/combustível dentro do cilindro é um dos processos que controlam a potência, eficiência e emissões dos motores. Os processos de combustão são diferentes

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE FICHA DE AVALIAÇÃO DE QUÍMICA ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE FICHA DE AVALIAÇÃO DE QUÍMICA ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE FICHA DE AVALIAÇÃO DE QUÍMICA ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 12.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. A maioria das reacções químicas ocorre com

Leia mais

1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples.

1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples. PROVA DE INGRESSO ANO LECTIVO 2016/2017 QUÍMICA 1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples. 2. Conhecer o espectro de emissão de hidrogénio. 3. Compreender como os resultados do estudo

Leia mais

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67 Prefácio 1 Introdução: matéria e medidas 1 1.1 O estudo da química 1 1.2 Classificações da matéria 3 1.3 Propriedades da matéria 8 1.4 Unidades de medida 12 1.5 Incerteza na medida 18 1.6 Análise dimensional

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS (Decreto-Lei n.º 64/2006, de 21 de março) 2016 PROVA DE QUÍMICA Data da prova:

Leia mais

COMBUSTÍVEIS. Diesel

COMBUSTÍVEIS. Diesel COMBUSTÍVEIS COMBUSTÍVEIS Diesel O Diesel é o combustível mais utilizado no Brasil. A maior parte da frota comercial brasileira é movida a óleo diesel. Assim como a gasolina, ele é um sub-produto do petróleo,

Leia mais

Pergunta I II III IV Total. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar

Pergunta I II III IV Total. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar 3 de março 2012 (Semifinal) Pergunta I II III IV Total Classificação Escola:. Nome:. Nome:. Nome:. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar Dados: Constante de Avogadro: N A = 6,022 x 10 23 mol -1

Leia mais

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor Fala gás nobre! Tudo bem? Hoje vamos para mais um assunto de química: A termoquímica. Você sabia que as reações químicas absorvem ou liberam calor, e desta forma, ocorre uma troca de energia? Pois é, a

Leia mais

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26 Sumário CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1 Introdução 1 Os sistemas de medida 1 O Sistema Internacional de Unidades (SI) 1 A temperatura 2 Outras escalas de temperatura 3 O uso e o mau uso das unidades

Leia mais

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria.

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria. TERMOQUÍMICA- 3C13 As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece. A Termoquimica

Leia mais

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL 2016

INSTITUTO GEREMARIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARCIAL 2016 INSTITUTO GEREMARIO DANTAS Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Fone: (21) 21087900 Rio de Janeiro RJ www.igd.com.br Aluno(a): 2º Ano: C21 Nº Professora: Lúcia Nascimento COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

PROPRIEDADES REDOX DOS METAIS DE TRANSIÇÃO ACÇÃO CATALÍTICA EM REACÇÕES QUÍMICAS

PROPRIEDADES REDOX DOS METAIS DE TRANSIÇÃO ACÇÃO CATALÍTICA EM REACÇÕES QUÍMICAS TRABALHO 5 PROPRIEDADES REDOX DOS METAIS DE TRANSIÇÃO ACÇÃO CATALÍTICA EM REACÇÕES QUÍMICAS 1. OBJECTIVO Investigação dos números de oxidação do ião vanádio. Previsão de reacções redox. Verificação do

Leia mais

PILHAS ELETROQUÍMICAS

PILHAS ELETROQUÍMICAS PILHAS ELETROQUÍMICAS As pilhas eletroquímicas são dispositivos capazes de produzir energia elétrica à custa de uma reação redox espontânea. Como as primeiras pilhas foram construídas por Galvani e Volta,

Leia mais

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia Unidade 6 - Conteúdo 13 - Termoquímica As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece.

Leia mais

Resolução de Química UFRGS / 2012

Resolução de Química UFRGS / 2012 26. Resposta C Resolução de Química UFRGS / 2012 Água super-resfriada é água líquida em temperatura abaixo do seu ponto de congelamento. Geralmente ocorre num resfriamento lento e sem agitação onde qualquer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEP. BIOLOGIA / LIC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEP. BIOLOGIA / LIC UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEP. DE CIÊNCIAS NATURAIS DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL 2/2016 CURSOS: BIOMEDICINA / BACH. BIOLOGIA / LIC. BIOLOGIA LISTA

Leia mais

Atividade complementar. Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos

Atividade complementar. Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos Atividade complementar Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos Esta atividade tem como objetivo complementar e aprofundar os estudos sobre as transformações químicas,

Leia mais

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular)

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Os conteúdos conceituais de Química estão distribuídos em 5 frentes. Química Extensivo A)Meio ambiente; estrutura atômica; Classificação

Leia mais

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 01. A corrosão de um metal é a sua destruição ou deterioração, devida à reação com o meio ambiente. O enferrujamento é o nome dado à corrosão do ferro: Fe(s)

Leia mais

TAREFA DA SEMANA DE 24 a 28 DE FEVEREIRO

TAREFA DA SEMANA DE 24 a 28 DE FEVEREIRO TAREFA DA SEMANA DE 4 a 8 DE FEVEREIRO QUÍMICA 3ª SÉRIE. (Upe) Um dos contaminantes do petróleo e do gás natural brutos é o H S. O gás sulfídrico é originário de processos geológicos, baseados em diversos

Leia mais

Fluxos de Energia e de Materiais nos Ecossistemas

Fluxos de Energia e de Materiais nos Ecossistemas Fluxos de Energia e de Materiais nos Ecossistemas Uma vez que o fluxo de materiais é um fluxo cíclico nos ecossistemas, é possível analisar estes fluxos usando as técnicas de balanço de materiais: [Taxa

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) 4ª Série de Exercícios EQUILÍBRIO QUÍMICO Tomar (2003) 1 Equilíbrio

Leia mais

Cálculos Estequiométricos

Cálculos Estequiométricos Estequiometria significa medida de um elemento Com base numa equação química, podemos calcular o número de mols, o número de moléculas, a massa, o volume de uma ou mais substâncias, em função de algum

Leia mais

Química. Professor Duda 27/03/2013. Aluno (a): e) Nos três experimentos após o término da reação, foi obtida a mesma quantidade de amônia.

Química. Professor Duda 27/03/2013. Aluno (a): e) Nos três experimentos após o término da reação, foi obtida a mesma quantidade de amônia. Química Professor Duda 06 Aluno (a): 27/03/2013 01 - (UEG GO) Durante a manifestação das reações químicas, ocorrem variações de energia. A quantidade de energia envolvida está associada às características

Leia mais

Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12

Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12 Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12 Turma: C 1º Período Aulas previstas: 39 COMPONENTE DE FÍSICA Unidade 1 Movimentos na Terra e no espaço

Leia mais

FÍSICO QUÍMICA AULA 2 - OXIDO- REDUÇÃO. Parte 2 Reações e conceitos

FÍSICO QUÍMICA AULA 2 - OXIDO- REDUÇÃO. Parte 2 Reações e conceitos FÍSICO QUÍMICA AULA 2 - OXIDO- REDUÇÃO Parte 2 Reações e conceitos Vimos anteriormente que oxidação é o processo no qual um átomo perde elétrons, tendo um aumento no N ox, enquanto na redução ganham-se

Leia mais

Exercícios de Revisão - 2

Exercícios de Revisão - 2 Exercícios de Revisão - 2 1. Na tentativa de explicar a origem dos seres vivos, Müller reproduziu, em seu experimento, as condições atmosféricas primitivas, que continham os gases metano (CH4); amônia

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA MAIOR E QUÍMICA A 10ºANO (2015/2016)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA MAIOR E QUÍMICA A 10ºANO (2015/2016) ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA MAIOR FÍSICA E QUÍMICA A 10ºANO (2015/2016) Ficha de Trabalho nº 2.1 Domínio 2: Propriedades e Transformações da Matéria Subdomínioo 4: Ligações químicas 1. Na figura está

Leia mais

Cinética Química. Profa. Graça Porto

Cinética Química. Profa. Graça Porto Cinética Química. Ao realizar a reação de formação da água a partir dos gases hidrogênio (H 2 ) e oxigênio (O 2 ) verificou-se que a velocidade de consumo de oxigênio foi de 4 mol/min. Determine a velocidade

Leia mais

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia 10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia PROBLEMAS ENERGÉTICOS DA ACTUALIDADE O avanço científico e tecnológico da nossa sociedade provocou o aumento acelerado

Leia mais

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência.

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência. 13 QUÍMICA A posição dos elementos na Tabela Periódica permite prever as fórmulas das substâncias que contêm esses elementos e os tipos de ligação apropriados a essas substâncias. Na Tabela Periódica atual,

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano Aula 26 Temperatura Adiabatica de Chama Calor de Reacção Combustão completa nos sistemas C/H/N/O Combustão completa de sistema H/N/O Temperatura Adiabática Da Chama

Leia mais

Módulo inicial Materiais: Diversidade e Constituição. Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008

Módulo inicial Materiais: Diversidade e Constituição. Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008 Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008 Escola Secundária José Saramago Marta Paulino e Ângela Patrício O que é um Material? É algo que tem massa e ocupa espaço. Classificação Materiais: Componentes Origem

Leia mais

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto Variação de entalpia nas mudanças de estado físico Prof. Msc.. João Neto Processo Endotérmico Sólido Líquido Gasoso Processo Exotérmico 2 3 Processo inverso: Solidificação da água A variação de entalpia

Leia mais

Balanço de Energia em Combustão

Balanço de Energia em Combustão Balanço de Energia em Combustão O primeira lei da termodinâmica traduzida pelo balanço de energia permite analisar dois conceitos importantes na combustão: temperatura adiabática e poder caloríico que

Leia mais

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M ª série E.M. - APE 1. (Vunesp) Medicamentos, na forma de preparados injetáveis, devem ser soluções isotônicas com relação aos fluidos celulares. O soro fisiológico, por exemplo, apresenta concentração

Leia mais

1

1 Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UPF/2003 Professor Emiliano Chemello www.quimica.net/emiliano emiliano@quimica.net Questões Resolução Resolução: D A afirmação III é falsa, pois as forças

Leia mais

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM)

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) 1. Nos motores de explosão existentes hoje em dia utiliza-se uma mistura de gasolina

Leia mais

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C.

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. H (g) + 1/2 O (g) ë H O(Ø) (ÐH) H (g) + 1/2 O (g) ë H O(s) (ÐH) A diferença entre os efeitos térmicos, (ÐH) - (ÐH), é igual a) a

Leia mais

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a 01)Numa reação exotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a variação de entalpia é [3] que zero. Completa-se corretamente essa frase substituindo-se

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Química Fase III (Etapa 1 nacional)

Olimpíada Brasileira de Química Fase III (Etapa 1 nacional) Page 1 of 5 Olimpíada Brasileira de Química - 2001 Fase III (Etapa 1 nacional) Questão 1 (48 th Chemistry Olympiad - Final National Competition - 2001 - Estonia) Exame aplicado em 01.09.2001 Os compostos

Leia mais

QUÍMICA. A Ciência Central 9ª Edição. Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas. Prof. Kleber Bergamaski.

QUÍMICA. A Ciência Central 9ª Edição. Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas. Prof. Kleber Bergamaski. QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas Prof. Kleber Bergamaski Equações químicas 1789, lei da conservação da massa A massa total de uma

Leia mais

Reacções de oxidação-redução em solução aquosa. Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p.

Reacções de oxidação-redução em solução aquosa. Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p. Reacções de oxidação-redução em solução aquosa Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p. 116 até ao final REACÇÕES de OXIDAÇÃO-REDUÇÃO reacções que envolvem troca de

Leia mais

Transformações físicas e químicas

Transformações físicas e químicas Gabaritos Professores: Alinne Borges Tiago Albuquerque Sandro Sobreira Josiane Reação química Pesquise Momento Sheldon Exercícios Transformações físicas e químicas Vídeos Leis de Lavoisier e Proust Transformações

Leia mais

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016 1.º Período Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano I Espaço 1. Universo 2. Sistema Solar 1.1 Constituição do Universo 1.2 Observação do céu 1.3 Evolução

Leia mais

Atividade prática: Chuva ácida Parte 1

Atividade prática: Chuva ácida Parte 1 Atividade prática: Chuva ácida Parte 1 Sugestão de atividade para 1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar a reação de queima do enxofre em pó, bem como realizar alguns testes simples para a determinação

Leia mais

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial Termoquímica Bolsista: Joyce de Q. Barbosa Tutor: Dr. José Ribamar Silva Termodinâmica Conceitos Básicos Termoquímica

Leia mais

Física e Química A 715 (versão 1)

Física e Química A 715 (versão 1) Exame (Resolução proposta por colaboradores da Divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física) Física e Química A 715 (versão 1) 0 de Junho de 008 1. 1.1. Átomos de ferro A espécie redutora é o

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. A tabela

Leia mais

COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS

COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) ATMOSFERA TERRESTRE: TROPOSFERA PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS 2012 Atmosfera terrestre Dividida em 5 camadas: Exosfera Ionosfera Mesosfera Estratosfera Troposfera

Leia mais

O b) SO 2. CaSO 3 + CO 2

O b) SO 2. CaSO 3 + CO 2 31 c QUÍMICA petróleo pode conter alto teor de enxofre, que deve ser removido nas refinarias de petróleo. Mesmo assim, na queima de combustíveis fósseis, forma-se dióxido de enxofre. Esse óxido liberado

Leia mais

Reações com transferência de elétrons: oxirredução

Reações com transferência de elétrons: oxirredução Reações com transferência de elétrons: oxirredução Química Geral Prof. Edson Nossol Uberlândia, 19/05/2016 Número de oxidação: número de cargas que um átomo teria em uma molécula (em um composto iônico)

Leia mais

Leis Históricas da Estequiometria

Leis Históricas da Estequiometria Estequiometria A proporção correta da mistura ar-combustível para o motor de uma carro de corrida pode ser tão importante quanto a habilidade do piloto para ganhar a corrida. As substâncias químicas, como

Leia mais

Texto para as questões 31 e 32.

Texto para as questões 31 e 32. QUÍMICA Texto para as questões 31 e 32. Um sinal de que o bico do queimador do fogão está entupido é o aparecimento de chama amarela, quando o fogo é aceso. Nessa situação, ocorre a formação de carbono

Leia mais

Resolução UNIFESP 2015

Resolução UNIFESP 2015 Resolução UNIFESP 2015 1-Utilizando o aparato indicado na figura, certo volume de solução aquosa de sulfato de cobre(ii) hidratado foi colocado dentro do béquer. Quando o plugue foi conectado à tomada

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS RECUPERAÇÃO SEMESTRAL 3º Ano do Ensino Médio Disciplina: Química 1. Um átomo do elemento químico X, usado como corante para vidros, possui número de massa igual a 79 e número de nêutrons

Leia mais

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 18 EQUILÍBRIO QUÍMICO - EXERCÍCIOS

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 18 EQUILÍBRIO QUÍMICO - EXERCÍCIOS QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 18 EQUILÍBRIO QUÍMICO - EXERCÍCIOS Como pode cair no enem (ENEM) Sabões são sais de ácidos carboxílicos e cadeia longa utilizados com a finalidade de facilitar, durante processos

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS. a) b) +110 c) -55 d) -110 e) -676

QUESTÕES OBJETIVAS. a) b) +110 c) -55 d) -110 e) -676 QUESTÕES OBJETIVAS Questão 9: O óxido de cálcio, conhecido como cal virgem, é comumente utilizado na construção civil. Sobre essa substância é INCORRETO afirmar que: a) pode ser obtida pelo aquecimento

Leia mais

12 GAB. 1 1 o DIA PASES 1 a ETAPA TRIÊNIO QUÍMICA QUESTÕES DE 21 A 30

12 GAB. 1 1 o DIA PASES 1 a ETAPA TRIÊNIO QUÍMICA QUESTÕES DE 21 A 30 12 GAB. 1 1 o DIA PASES 1 a ETAPA TRIÊNIO 2005-2007 QUÍMICA QUESTÕES DE 21 A 30 21. A hemoglobina das células vermelhas do sangue contém o complexo de ferro com uma porfirina. Sabendo que um indivíduo

Leia mais

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO. Prof.: Andrey kleber Migliorini

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO. Prof.: Andrey kleber Migliorini CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO Prof.: Andrey kleber Migliorini Introdução Estequiometria: Stoikheîon = elemento metron = medida É o estudo das relações quantitativas (átomos, moléculas, massa, volume) entre as

Leia mais

Combustão. Problemas para as aulas práticas

Combustão. Problemas para as aulas práticas Combustão Problemas para as aulas práticas ª aula - sexta-feira 5 e terça-feira 9 de Março Problema Escreva a fórmula química e represente esquematicamente a molécula dos seguintes combustíveis: metano,

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS INSTRUÇÕES: PRCESS SELETIV 2013/2 - CPS PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA CURS DE GRADUAÇÃ EM MEDICINA 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 5 (cinco) questões discursivas. Caso

Leia mais

Reacções de Oxidação-Redução

Reacções de Oxidação-Redução Reacções de Oxidação-Redução Há transferência de electrões entre espécies reagentes, com variação do número de oxidação de elementos dessas espécies. Regras simples para determinar o número de oxidação

Leia mais

FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA

FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA Profa. Dra. Luciana Maria Saran 1 1.TERMODINÂMICA Compreende o estudo da energia e suas transformações. Em grego, thérme-; calor, dy namis, energia. Termoquímica: área

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

01 O chumbo participa da composição de diversas ligas metálicas. No bronze arquitetônico, por

01 O chumbo participa da composição de diversas ligas metálicas. No bronze arquitetônico, por 01 O chumbo participa da composição de diversas ligas metálicas. No bronze arquitetônico, por exemplo, o teor de chumbo corresponde a 4,14% em massa da liga. Seu isótopo radioativo 210 Pb decai pela emissão

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio. 2015 Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas

Leia mais

Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico

Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico 1. (UFF 2009) Desde a Antiguidade, diversos povos obtiveram metais, vidro, tecidos, bebidas alcoólicas, sabões, perfumes, ligas metálicas, descobriram elementos

Leia mais

Pergunta Total Classificação

Pergunta Total Classificação 9 de Maio 2009 (Final) Pergunta 1 2 3 4 5 Total Classificação Escola:. Nome:. 1- Em cada uma das alíneas seguintes escolha a resposta que considera correcta. Se seleccionar mais que uma resposta na mesma

Leia mais

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM MÓDULO 1 Atomística Tabela Periódica Cálculos Químicos: Grandezas Químicas Cálculos Químicos: Fórmulas Químicas Ligações Químicas Química Orgânica I Estudo da Matéria

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação CINÉTICA QUÍMICA 1 1. Conceito de velocidade de reação Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições e quais os mecanismos de desenvolvimento

Leia mais

- CINÉTICA QUÍMICA -

- CINÉTICA QUÍMICA - (Ufpel 2005) Nos últimos anos, a preocupação com o meio ambiente tem aumentado, fazendo com que os responsáveis pelas emissões de poluentes na natureza tomem atitudes que as minimizem ou, até mesmo, eliminem.

Leia mais

Prof: Francisco Sallas

Prof: Francisco Sallas Prof: Francisco Sallas Classificado como hidrocarboneto aromático. Todos os aromáticos possuem um anel benzênico (benzeno), que, por isso, é também chamado de anel aromático. É líquido, inflamável, incolor

Leia mais

Resposta: D Resolução comentada: Ci x Vi = Cf x Vf Ci = 0,5 mol/l Cf = 0,15 mol/l Vf = 250 ml Vi = 0,5 x Vi = 0,15 x 250 Vi = 75 ml.

Resposta: D Resolução comentada: Ci x Vi = Cf x Vf Ci = 0,5 mol/l Cf = 0,15 mol/l Vf = 250 ml Vi = 0,5 x Vi = 0,15 x 250 Vi = 75 ml. Unesp 1-Em 2013 comemora-se o centenário do modelo atômico proposto pelo físico dinamarquês Niels Bohr para o átomo de hidrogênio, o qual incorporou o conceito de quantização da energia, possibilitando

Leia mais

Cinética química. A reação representada pela equação acima é realizada segundo dois procedimentos:

Cinética química. A reação representada pela equação acima é realizada segundo dois procedimentos: Cinética química 01. (Ufrs) Observe o gráfico a seguir. O perfil da reação genérica A B, nele representado, indica que a energia de ativação do processo, em kj, é igual a a) 100. b) 150. c) 250. d) 300.

Leia mais

Lista de Exercício. 1- Observe a representação dos sistemas I, II e III e seus componentes. Qual o número de fases em cada sistema?

Lista de Exercício. 1- Observe a representação dos sistemas I, II e III e seus componentes. Qual o número de fases em cada sistema? Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química 1 Ano Data de entrega: 07/04/2016 Lista de Exercício 1- Observe a representação dos sistemas I, II e III e seus componentes. Qual o número de fases em cada

Leia mais

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA Reiterando o que destacamos na 1ª fase, sabemos que para manter a lisura da prova, ela deve passar pelo menor número de mãos possível. Porém, uma avaliação final técnica

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 03

2005 by Pearson Education. Capítulo 03 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas David P. White Equações químicas Lavoisier: a massa é conservada em uma reação química. Equações

Leia mais

INSTABILIDADE DAS DISPERSÕES COLOIDAIS

INSTABILIDADE DAS DISPERSÕES COLOIDAIS Recapitulando: COLÓIDES (partículas com dimensões entre nm e μm) DISPERSÃO COLOIDL: Sistema heterogéneo de partículas coloidais (colóides) dispersas numa fase contínua INSTBILIDDE DS DISPERSÕES COLOIDIS

Leia mais

É o estudo das quantidades de calor liberadas e absorvidas durante as reações químicas. 1 kcal = 1000 cal. 1 cal = 4,18 J

É o estudo das quantidades de calor liberadas e absorvidas durante as reações químicas. 1 kcal = 1000 cal. 1 cal = 4,18 J Apostila de Química (3º bimestre-2009) Professor: Eduardo Mesquita 2º ano Ensino Médio Termoquímica É o estudo das quantidades de calor liberadas e absorvidas durante as reações químicas. Caloria: é a

Leia mais

Química C Extensivo V. 1

Química C Extensivo V. 1 GABARIT Química C Extensivo V. 1 Exercícios 01) C 10 H 14 5 NSP C: 12. 10 = 120 H: 1. 14 = 14 :. 5 = 80 N: 14. 1 = 14 S: 32. 1 = 32 P: 31. 1 = 31 291 u 02) C 9 H 13 3 N C: 12. 9 = 108 H: 1. 13 = 13 :.

Leia mais

Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação

Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Laboratório de Catálise Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação Mini-curso: Biodiesel Demian Patrick Fabiano Outubro - 2007 1 Sumário A) Catálise

Leia mais

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. QUÍMICA AMBIENTAL IFRN NOVA CRUZ CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA Prof. Samuel Alves de Oliveira

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. QUÍMICA AMBIENTAL IFRN NOVA CRUZ CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA Prof. Samuel Alves de Oliveira POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA QUÍMICA AMBIENTAL IFRN NOVA CRUZ CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA Prof. Samuel Alves de Oliveira INTRODUÇÃO Atmosfera CAMADAS ATMOSFÉRICAS Troposfera 1 Camada mais fina de todas Entre 10 a

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06 - ROVA DE QUÍMICA GERAL - 0/05/06 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 Constantes: R 8,34 J mol - K - 0,08 atm L mol - K - atm L 0,35

Leia mais

LABORATÓRIO DE CATÁLISE

LABORATÓRIO DE CATÁLISE Ambiente e Novas Fontes de Combustível LABORATÓRIO DE CATÁLISE Materiais Avançados LABORATÓRIO DE CATÁLISE INTRODUÇÃO INFRAESTRUTURAS PROJECTOS COOPERAÇÃO/CONTACTOS INTRODUÇÃO A actividade desenvolvida

Leia mais