A MEMÓRIA COLETIVA E INDIVIDUAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MEMÓRIA COLETIVA E INDIVIDUAL"

Transcrição

1 A MEMÓRIA COLETIVA E INDIVIDUAL Cibele Dias Borges 1 O primeiro teórico a falar sobre memória coletiva foi o sociólogo Maurice Halbwachs. Segundo Halbwachs (1990), a memória, por mais pessoal que possa ser, é construída socialmente. Ivan Izquierdo (1989) afirma que as pessoas tendem a viver em grupos, organizando-se em sociedades, pois não sabem viver isoladamente. Para isso, criam laços, buscam afinidades, memórias comuns e, a partir disso, criam uma identidade coletiva, uma memória social. Dessa forma, a memória pessoal, e, por conseqüência, a identidade pessoal, acaba recebendo interferências da coletividade, incluindo elementos mais amplos que os individuais. Se nossa impressão pode apoiar-se não somente sobe nossa lembrança, mas também sobre a dos outros, nossa confiança na exatidão de nossa evocação será maior, como se uma mesma experiência fosse começada, não somente pela mesma pessoa, mas por várias (HALBWACHS, 1990, p. 25). Assim, pode-se dizer que, a partir do pensamento de Halbwachs (1990), as memórias são construídas por grupos sociais. São os indivíduos que lembram, no sentido literal, físico, mas são os grupos sociais que determinam o que é memorável, e também como será lembrado. Assim, as memórias social e individual se interligam. Quanto mais fortes são os grupos, mais agregadoras são as memórias. Dessa forma, o que está em jogo não é como as pessoas lembram, mas sim em que contexto isto ocorre. Os grupos aos quais convivemos é que estruturam nossa memória. O grupo é importante, fundamental é o processo de sociabilização que vem através da linguagem que possibilita contar a história. As rememorações vêm de acordo com a vivência que o tempo presente suscita. Recordar é ter uma imagem do passado, essa imagem é uma impressão deixada pelos acontecimentos ocorridos e que permanece fixada no espírito. Ricoeur nos fala desses acontecimentos que ficam fixados no 1 Licenciada em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande FURG. Mestranda do Programa de Pós- Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural PPGMP na Universidade Federal de Pelotas.

2 espírito (2010, p. 27) [...] quando narramos coisas verdadeiras, mas passadas, é da memória que extraímos, não as próprias coisas, que passaram, mas as palavras concebidas a partir das imagens que elas gravaram no espírito, como impressões, passando pelos sentidos. Halbwachs (1990) nos diz que a memória coletiva, nada mais é, do que a participação da memória individual de cada sujeito para com o fato, segundo o mesmo autor, diríamos voluntariamente que cada memória individual é um ponto de vista sobre a memória coletiva. (1990, p. 51). A memória é o reconhecimento que é imediato, é a forma do passado agir no presente. Halbwachs (1990) nos aponta que a partir das vivências em grupo, a memória pode ser reconstruída. O autor ainda coloca que toda a memória é seletiva e passa por um processo de negociação para que as memórias individual e coletiva se conciliem. Dessa forma, não bastam os testemunhos de outras pessoas para que as suas memórias sejam incorporadas por um indivíduo. Elas precisam concordar com as memórias já existentes desse sujeito e que tenham alguns pontos semelhantes para que sejam construídas sobre uma base comum. Além disso, as pessoas necessitam da memória dos outros para confirmar suas próprias memórias, para legitimá-las. Quando a memória individual de uma pessoa não condiz, em determinado ponto, com a memória coletiva, essa memória pode ser considerada, segundo Pollak (1989), uma memória clandestina, uma vez que não apresenta coerência com os discursos oficiais. IDENTIDADE Desde o nascimento necessitamos de proteção como seres indefesos e que carecem de auxílio até a sua independência. Ao longo desta trajetória, que irá consolidar a nossa formação, tomamos algumas atitudes que ajudam a marcar o nosso território social. Estas atitudes se refletem exteriormente através de grupos sociais que vamos compondo ao longo do tempo e estes, se identificam por inúmeros códigos, tais como: a cor da pele, os ideais, a nacionalidade, idiomas, dentre outros. Os códigos influenciam na personalidade de um indivíduo e compõe também sua identidade. Mas

3 esta não se resume em nome, idade, sexo e nacionalidade, é um composto de emoções, atitudes, ideais, ambientações, vivências como cita a psicóloga Sônia Grubits Oliveira (1996, p.32): A construção da Identidade é um processo muito complexo, que ocorre entre diferentes níveis, se processa nos planos sexual, social, profissional, entre outros, a partir de identificações. No plano social, os valores culturais se formam através de normas, hábitos, leis e preconceitos e são fatores determinantes na construção da Identidade. Na família vivemos a história de cada indivíduo, participamos de reuniões, aniversários, viagens, brincadeiras, brigas, mortes e nascimentos, estes acontecimentos nos deixam rastros e registram sentimentos que ajudam a afirmar ou a desestabilizar o nosso lugar perante aquele grupo de convívio que compõe nossa história. Da mesma forma nos localizamos na sociedade. Buscamos a identificação com pessoas que tenham os mesmos valores, pensamentos e comportamentos. Cada indivíduo se sente atraído por aquilo que lhe é familiar, o meio em que estamos inseridos é muito importante para que possamos nos reconhecer e nos autoafirmar como indivíduos que possuem uma história de vida. A identidade de uma pessoa é construída ao longo de sua vivência, estando relacionada a questões culturais, hábitos, etc. Quando nos questionamos a respeito do que somos ou do que fazemos, buscamos relembrar fatos que tenham ocorrido em nossa história e que tenham deixado marcas tão fortes que possam servir de referencial para o que hoje somos, é aí que questionamos a nossa identidade. A professora Vera Maria Antonieta Tordino Brandão 2 (1996) afirma que saber quem somos faz de nós indivíduos singulares reafirmando e marcando nosso território, por isto estes questionamentos são tão importantes, para que possamos nos reavaliar a cada passo dado, para que possamos nos reconhecer através de nossas atitudes. Por que realizamos algumas ações que podem causar estranheza a quem não nos conhece? Por sermos indivíduos diferentes, o primeiro contato é sempre de experimentação, ou melhor, de observação, 2 Pedagoga, com doutorado em Ciências Sociais pela PUC de São Paulo. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia Urbana. Atuando principalmente nos seguintes temas: Saber, Tempo, Projeto.

4 entretanto, qualquer manifestação mais pessoal, desenvolve no próximo uma impressão que pode ser negativa ou positiva. Desenvolvemos uma série de comportamentos, estes refletem nosso estilo de vida, nossa maneira de vestir, no convívio que temos com o próximo, em nossas palavras e ações. Tudo está conectado a carga cultural que carregamos. A identidade é composta destes fatos que ocorrem em nossas vidas, assim experimentamos e vivenciamos, absorvemos o que é mais marcante, o que pode servir como referencial para que possamos acessar a memória e buscar um porquê para o que hoje somos. O Antropólogo Jöel Candau em conferência proferida no 5º SIMP 3, afirmou que não há identidade sem memória nem, tampouco, memória sem identidade. As duas estão diretamente ligadas e entrelaçadas. Candau (2011), nos aponta que coletivamente podemos falar de identidade como uma representação,pois uma vez que o indivíduo esta inserido em um coletivo, esta representado por ponto comum. A identidade, somos nós, em nosso coletivo e em nosso individual. 3 Seminário Internacional em Memória e Patrimônio com o tema Memória e Esquecimento, realizado na cidade de Pelotas no ano de 2011.

5 REFERÊNCIAS HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, RICOEUR, Paul. Memória, História e Esquecimento. Campinas, Editora da Unicamp, p BRANDÃO, Vera. Labirintos da memória: quem eu sou?. São Paulo. Paulus IZQUIERDO, Ivan. Memória. Porto Alegre: Artmed, IZQUIERDO, Iván. Questões sobre memória. Unisinos, OLIVEIRA, Sonia. de. A construção da Identidade Infantil: (A sociopsicomotricidade Ramain-Thiers e a ampliação do espaço terapêutico). São Paulo: Casa do Psicólogo

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2ª ed. São Paulo: Centauro, 2013.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2ª ed. São Paulo: Centauro, 2013. HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2ª ed. São Paulo: Centauro, 2013. Giuslane Francisca da Silva 1 Maurice Halbwachs nasceu na França em 1877 e foi morto em 1945 em um campo

Leia mais

OBJETIVOS E CONTEÚDOS

OBJETIVOS E CONTEÚDOS OBJETIVOS E CONTEÚDOS 1º BIMESTRE SISTEMA INTERATIVO DE ENSINO História 1º ano Capítulo 1 Minha história, meu nome Explorar as fotografias de família para reconhecer a trajetória pessoal desde o nascimento;

Leia mais

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Fatos sociais: Visão Halbwachs: fatos sociais como pontos de referência como indicadores da memória coletiva de um determinado grupo; Abordagem Polak:

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS INFÂNCIA, LINGUAGEM E EDUCAÇÃO - GEPILE

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS INFÂNCIA, LINGUAGEM E EDUCAÇÃO - GEPILE GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS INFÂNCIA, LINGUAGEM E EDUCAÇÃO - GEPILE Maria Nazaré da Cruz Universidade Metodista de Piracicaba O Grupo de Estudos e Pesquisas Infância, Linguagem e Educação é um grupo novo,

Leia mais

IMAGINÁRIO DO ESPELHO: espelho, espelho meu, sou eu?

IMAGINÁRIO DO ESPELHO: espelho, espelho meu, sou eu? IMAGINÁRIO DO ESPELHO: espelho, espelho meu, sou eu? Ionice da Silva Debus 1 Profª. Drª. Valeska Fortes de Oliveira 2 Este texto foi desenvolvido para a disciplina Imaginário e Narrativas de Formação do

Leia mais

Memória, cultura e literatura o prazer de ler e recriar o mundo

Memória, cultura e literatura o prazer de ler e recriar o mundo Memória, cultura e literatura o prazer de ler e recriar o mundo Apoio Pedagógico Memória, cultura e literatura: o prazer de ler e recriar o mundo, Elias José Memória, cultura e literatura o prazer de ler

Leia mais

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal Aspectos introdutórios rios Aspectos de conteúdo Copyright, 2005 José Farinha Natureza, objecto e âmbito da Psicologia Social Natureza A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal

Leia mais

MUSEU E FUTEBOL: O USO DA TECNOLOGIA NA PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA DO ESPORTE

MUSEU E FUTEBOL: O USO DA TECNOLOGIA NA PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA DO ESPORTE MUSEU E FUTEBOL: O USO DA TECNOLOGIA NA PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA DO ESPORTE Resumo: A palavra memória nos remete a um universo repleto de representações e imagens. Ela é nossa referência de passado. Referência

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Forma como construímos a nossa imagem a partir de conceitos que temos de nós mesmos, e de como os outros

Leia mais

A MEMÓRIA EM BISA BIA, BISA BEL DE ANA MARIA MACHADO

A MEMÓRIA EM BISA BIA, BISA BEL DE ANA MARIA MACHADO A MEMÓRIA EM BISA BIA, BISA BEL DE ANA MARIA MACHADO Alice Gomes XAVIER Profa. Dra. Maria Zaíra TURCHI Palavras-chave: memória, tempo, história, identidade INTRODUÇÃO A memória, como busca de identidade

Leia mais

MEMÓRIA, REMEMORAÇÃO E LEMBRANÇA EM MAURICE HALBWACHS. A Memória pode-se traduzir como as reminiscências do passado, que afloram no

MEMÓRIA, REMEMORAÇÃO E LEMBRANÇA EM MAURICE HALBWACHS. A Memória pode-se traduzir como as reminiscências do passado, que afloram no MEMÓRIA, REMEMORAÇÃO E LEMBRANÇA EM MAURICE HALBWACHS Luana Aparecida Matos Leal 1 Introdução A Memória pode-se traduzir como as reminiscências do passado, que afloram no pensamento de cada um, no momento

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL 1º Período

EDUCAÇÃO INFANTIL 1º Período EDUCAÇÃO INFANTIL 1º Período Objetivo Geral Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações; Descobrir

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES REALIDADE Realidade psíquica elaborada pelo indivíduo a partir dos conteúdos armazenados na mente As vezes, usamos nossa

Leia mais

AFINAL, O QUE É SITUAÇÃO DIDÁTICA?

AFINAL, O QUE É SITUAÇÃO DIDÁTICA? AFINAL, O QUE É SITUAÇÃO DIDÁTICA? O planejamento consiste em sistematizar o trabalho docente na intenção de ajudar o aluno a desenvolver competências e habilidades que deem significação para efetivação

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UFPEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS POLO UNIVERSITÁRIO DE PICADA CAFÉ

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UFPEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS POLO UNIVERSITÁRIO DE PICADA CAFÉ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UFPEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS POLO UNIVERSITÁRIO DE PICADA CAFÉ Fichamento do livro Labirintos da memória: quem sou? Disciplina: Abordagem de Pesquisa em Educação

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Universidade Federal do Rio Grande do Sul Experiências da adicção: saberes e práticas sobre o consumo de substâncias psicoativas a partir de narrativas no contexto de Narcóticos Anônimos Juliana Deprá

Leia mais

Unidade II COMPORTAMENTO DO. Profa. Daniela Menezes

Unidade II COMPORTAMENTO DO. Profa. Daniela Menezes Unidade II COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Profa. Daniela Menezes O comportamento dos consumidores x Identidade Cultural Adquirir um produto ou fazer contratar qualquer tipo de serviço é uma atividade relacionada

Leia mais

IMAGENS DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA EM CHARGES E CARTUNS POSTADOS NA INTERNET

IMAGENS DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA EM CHARGES E CARTUNS POSTADOS NA INTERNET IMAGENS DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA EM CHARGES E CARTUNS POSTADOS NA INTERNET Luiz Henrique Ferraz Pereira 1 Resumo O presente trabalho surge como uma reflexão de como se representa o universo de relações

Leia mais

Consultoria de imagem para coach

Consultoria de imagem para coach Consultoria de imagem para coach Com a Master Coach Patrícia Coelho DESCUBRA SEU PODER ATRAVÉS DA SUA IMAGEM Olá, aqui é a Patrícia Coelho! Gratidão pelo seu interesse com a consultoria de imagem e coaching

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL 2º Período

EDUCAÇÃO INFANTIL 2º Período EDUCAÇÃO INFANTIL 2º Período Objetivo Geral Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações; Descobrir

Leia mais

Projeto: Saber mais da nossa terra património e tradições ALEGRETES EM AÇÃO MARÇO

Projeto: Saber mais da nossa terra património e tradições ALEGRETES EM AÇÃO MARÇO MARÇO Março foi iniciado com uma semana de realização de trabalhos/registos para consolidação de conhecimentos explorados até então. Aproveitámos para reviver e ver atividades/registos através da organização

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: História

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: História COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: História Nome: Ano: 2º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências Humanas Disciplina: História

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 33 2009 39 CAPÍTULO 1 MEMÓRIA E IDENTIDADE: CORRELAÇÕES E INTERFERÊNCIAS A proposta deste capítulo é analisar as correlações entre as categorias memória e identidade, ou

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES NAS LICENCIATURAS: PERCURSOS E PERCALÇOS. Antonia Edna Brito/UFPI

FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES NAS LICENCIATURAS: PERCURSOS E PERCALÇOS. Antonia Edna Brito/UFPI FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES NAS LICENCIATURAS: PERCURSOS E PERCALÇOS Antonia Edna Brito/UFPI 1 UMA PAUTA POSSÍVEL... Palavras Iniciais Sobre Formação Inicial Sobre Formação Continuada

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

AMOR PROVADO Ninho Bagunçado (Décimo primeiro ao décimo nono ano)

AMOR PROVADO Ninho Bagunçado (Décimo primeiro ao décimo nono ano) AMOR PROVADO Ninho Bagunçado (Décimo primeiro ao décimo nono ano) a) Manter uma identidade pessoal e uma identidade para o casamento > Dependência exagerada - A identidade do cônjuge é um reflexo do seu

Leia mais

COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda.

COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda. COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda. Período coberto pela sua Comunicação de Progresso (COP) De: 02/02/2016 A: 31/12/2016 Declaração de Apoio 02/02/2015 Aos participantes do Pacto Global: Tenho o prazer

Leia mais

Hortas Urbanas no Bairro do Zambujal

Hortas Urbanas no Bairro do Zambujal Hortas Urbanas no Bairro do Zambujal Introdução Objectivos - Demonstrar o potencial para a integração social dos horticultores e outros benefícios para a comunidade local; - Alertar para a necessidade

Leia mais

ESQUEMA CORPORAL: Noção e Imagem corporal. Aspectos Psicomotores de Base

ESQUEMA CORPORAL: Noção e Imagem corporal. Aspectos Psicomotores de Base ESQUEMA CORPORAL: Noção e Imagem corporal Aspectos Psicomotores de Base Definição É a representação global que a criança tem do próprio corpo É elemento básico e indispensável para a formação da personalidade

Leia mais

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES Organização e preservação de fotografias para o digital: construção de álbuns digitais Ana Carolina Simionato Amanda Azevedo dos Santos José Lotúmolo Junior Maria Lígia Triques Samanta do Prado Palavras-chave:

Leia mais

Perspectivas Musicais na Educação Infantil. Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá

Perspectivas Musicais na Educação Infantil. Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá Perspectivas Musicais na Educação Infantil Edmar Brasil Ferreira ParalaPracá - 2011 Ementa Reflexão sobre a produção sonora contemporânea e suas implicações para o viver em sociedade. Apresentação das

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

SEMPRE AOS DOMINGOS *: PRÁTICAS DE ESCRITA DE PESSOAS COMUNS

SEMPRE AOS DOMINGOS *: PRÁTICAS DE ESCRITA DE PESSOAS COMUNS SEMPRE AOS DOMINGOS *: PRÁTICAS DE ESCRITA DE PESSOAS COMUNS Mônica Teresinha Marçal - UDESC Denise Botelho de Farias - UDESC Flávia Wagner - UDESC Rosi Isabel Bergamischi- UDESC RESUMO - Ter como tema

Leia mais

Cuidado e desmedicalização na atenção básica

Cuidado e desmedicalização na atenção básica Rio de Janeiro, agosto de 2012 Cuidado e desmedicalização na atenção básica Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada FSP-USP Medicalização e a disputa pela vida Movimento de compreender todos

Leia mais

Contando e Recontando histórias na Educação Infantil...

Contando e Recontando histórias na Educação Infantil... ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPOS DE JÚLIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CRECHE MUNICIPAL PEQUENO PRINCIPE Contando e Recontando histórias na Educação Infantil... CAMPOS DE JÚLIO

Leia mais

Memória e identidade segundo Candau

Memória e identidade segundo Candau 302 Memória e identidade segundo Candau Letícia Matheus CANDAU, Joël (2011). Memória e identidade. Tradução: Maria Leticia Ferreira. São Paulo: Contexto, 2011, 219p. Resumo: A identidade como um estado

Leia mais

NÃO ME ATRAPALHE, MÃE EU ESTOU APRENDENDO! COMO OS VIDEOGAMES ESTÃO PREPARANDO NOSSOS FILHOS PARA O SUCESSO NO SÉCULO XXI E COMO VOCÊ PODE AJUDAR?

NÃO ME ATRAPALHE, MÃE EU ESTOU APRENDENDO! COMO OS VIDEOGAMES ESTÃO PREPARANDO NOSSOS FILHOS PARA O SUCESSO NO SÉCULO XXI E COMO VOCÊ PODE AJUDAR? NÃO ME ATRAPALHE, MÃE EU ESTOU APRENDENDO! COMO OS VIDEOGAMES ESTÃO PREPARANDO NOSSOS FILHOS PARA O SUCESSO NO SÉCULO XXI E COMO VOCÊ PODE AJUDAR? Aline Nadal 1 Fernanda Batistela 2 PALAVRAS CHAVE: Jogos

Leia mais

De todos os entrevistados, a maioria tem o costume de assistir televisão, sendo 94,9% do total, e apenas 5,1% não.

De todos os entrevistados, a maioria tem o costume de assistir televisão, sendo 94,9% do total, e apenas 5,1% não. 1. Quantos anos você tem? (156 repostas) 21.7% 36.3% 60-64 65-69 70 ou mais 42% Dentre os idosos entrevistados, 42% têm de 65 a 69 anos, 36,3% possuem de 60 a 64 anos, e somente 21,7% têm 70 anos ou mais.

Leia mais

REALIZAÇÃO: Movimento Munduruku Ipereg Ayu, Associações: DA UK, PUSURU, WUYXAXIMÃ, KEREPO e PAHYHYP Apoio:

REALIZAÇÃO: Movimento Munduruku Ipereg Ayu, Associações: DA UK, PUSURU, WUYXAXIMÃ, KEREPO e PAHYHYP Apoio: REALIZAÇÃO: Movimento Munduruku Ipereg Ayu, Associações: DA UK, PUSURU, WUYXAXIMÃ, KEREPO e PAHYHYP Apoio: Nova Cartografia Protocolo de Consulta Munduruku Nós, o povo Munduruku, queremos ouvir o que o

Leia mais

Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação

Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação Mariana Roncarati Mestranda em Educação - UNIRio/ CAPES; Psicomotricista Uni-IBMR; Especialista em Educação Infantil PUC-Rio m_roncarati@hotmail.com

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

Superando os momentos difíceis

Superando os momentos difíceis Superando os momentos difíceis Valdir José de Castro Superando os momentos difíceis para viver melhor Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes Revisão:

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Universidade de Évora. Évora: um outro olhar

Universidade Federal de Viçosa Universidade de Évora. Évora: um outro olhar Universidade Federal de Viçosa Universidade de Évora Walkíria Maria de Freitas Martins 1 Évora: um outro olhar Quem pretende se aproximar do próprio passado soterrado deve agir como um homem que escava.

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Educação infantil Creche e pré escolas

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Educação infantil Creche e pré escolas PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Educação infantil Creche e pré escolas O QUE É? Os Parâmetros Curriculares Nacionais - PCN - são referências de qualidade para os Ensinos Fundamental e Médio do país,

Leia mais

Práticas Pedagógicas e de Gestão Premiadas

Práticas Pedagógicas e de Gestão Premiadas Práticas Pedagógicas e de Gestão Premiadas CATEGORIA PROFESSOR/A Valquíria, Maria Fernanda, Sônia e Josivaldo são educadores/as de cidades bem diferentes do Brasil. Juiz de Fora/MG, Araraquara/SP, Ribeirão

Leia mais

FATORES QUE INFLUENCIAM O PROCESSO DE ESCOLHA DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

FATORES QUE INFLUENCIAM O PROCESSO DE ESCOLHA DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO SUPERIOR FATORES QUE INFLUENCIAM O PROCESSO DE ESCOLHA DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Pryscilla Ayhumi Aymori Martelli 1 Adriana Regina de Jesus Santos 2 Resumo O segmento de Educação Superior no Brasil tem

Leia mais

A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência.

A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência. A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência. Viver na idade adulta uma sexualidade satisfatória depende do desenvolvimento psicossexual

Leia mais

Seminário Internacional Saúde, Trabalho e Ação Sindical DIEESE

Seminário Internacional Saúde, Trabalho e Ação Sindical DIEESE Seminário Internacional Saúde, Trabalho e Ação Sindical DIEESE A partir do que tem sido discutido e produzido sobre o tema: De qual maneira o DIEESE deveria abordar a temática da Saúde do Trabalhador?

Leia mais

DISCURSO URBANO: SENTIDOS DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL.

DISCURSO URBANO: SENTIDOS DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL. DISCURSO URBANO: SENTIDOS DA IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL. Débora Smaha Corrêa (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Maria Cleci Venturini (Orientadora), e-mail: mariacleciventurini@hotmail.com Universidade Estadual

Leia mais

DO VIRTUAL AO CONCRETO: UM [RE]PENSAR DOCENTE

DO VIRTUAL AO CONCRETO: UM [RE]PENSAR DOCENTE DO VIRTUAL AO CONCRETO: UM [RE]PENSAR DOCENTE Assessoria de Informática Marileusa Guimarães Educativa... mgsouza@positivo.com.br Ottilia M. da Silva... ottilias@positivo.com.br Rodrigo Fornalski Pedro...

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO. Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais

UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO. Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO Fernanda Lima Ferreira Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais Introdução O presente relato de experiência se refere

Leia mais

Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio

Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio Cuarta Conferencia Regional Intergubernamental sobre Envejecimiento y Derechos de las Personas Mayores en América Latina y el Caribe Asunción, junio de 2017 Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa

Leia mais

Atividades de orientação em docência: desafios e oportunidades

Atividades de orientação em docência: desafios e oportunidades Atividades de orientação em docência: desafios e oportunidades Jessica Moreira Lopes Cardoso 1 (IC)*, Ângela Maria Barbosa Pires 2 (PG) jessicacardoso22@outlook.com 1 Creche Municipal Colandy Godoy de

Leia mais

Linguagens de meninas e meninas, em especial: o desenho entrelaçando manifestações expressivas. Marcia Gobbi FEUSP

Linguagens de meninas e meninas, em especial: o desenho entrelaçando manifestações expressivas. Marcia Gobbi FEUSP Linguagens de meninas e meninas, em especial: o desenho entrelaçando manifestações expressivas Marcia Gobbi FEUSP Construtoras de culturas infantis Social e historicamente situadas Sujeitos de direitos

Leia mais

O ontem e o hoje em brincadeiras e músicas

O ontem e o hoje em brincadeiras e músicas O ontem e o hoje em brincadeiras e músicas Professor da Rede Municipal de Sapucaia do Sul Mestrando em Gestão Educacional UNISINOS Contato: leonard.rocha@hotmail.com Durante o início do ano letivo, percebi

Leia mais

Suicídio. Saber, agir e prevenir.

Suicídio. Saber, agir e prevenir. Suicídio. Saber, agir e prevenir. ENTENDENDO O SUICÍDIO PEDINDO AJUDA VERDADES E MITOS SOBRE O SUICÍDIO VERDADES MITOS O suicídio é um fenômeno Pensamentos e sentimentos de Em geral, os suicídios são A

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES - ANUAL

PLANO DE ATIVIDADES - ANUAL MÊS ATIVIDADE OBSERVAÇÕES Janeiro Dia 6 Dia de reis -Cantar as janeiras - Relembrar hábitos, costumes, vivências e experiências - Promover o convívio intergeracional Fevereiro Março Dia 13 Visita Pastoral

Leia mais

senhor texugo e dona raposa a confusão

senhor texugo e dona raposa a confusão projeto pedagógico senhor texugo e dona raposa a confusão Uma História em Quadrinhos Senhor Texugo e Dona Raposa 2. A CONFUSÃO Série Premiada Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar

Leia mais

Técnico Agropecuário/TO AOCP 2012

Técnico Agropecuário/TO AOCP 2012 Técnico Agropecuário/TO AOCP 2012 01. Entre um grupo de amigos existe o seguinte arranjo: Se João vai ao cinema, Maria vai para a lanchonete. Se Maria vai para a lanchonete, José vai ao cinema. Se José

Leia mais

10 DICAS PARA AUMENTAR SEU INÍCIOS!!!

10 DICAS PARA AUMENTAR SEU INÍCIOS!!! 10 DICAS PARA AUMENTAR SEU INÍCIOS!!! Internamente usamos a expressão entrevista de início. Não use esta expressão com as potenciais iniciadas, porque elas não sabem o que é isso!! Para suas potenciais

Leia mais

Como acontece a inclusão das pessoas com deficiência nos projetos de extensão em praticas aquáticas na FEF/UFG.

Como acontece a inclusão das pessoas com deficiência nos projetos de extensão em praticas aquáticas na FEF/UFG. Como acontece a inclusão das pessoas com deficiência nos projetos de extensão em praticas aquáticas na FEF/UFG. Cunha, Maycon Vasconcelos 1 ; Lima, Amanda Fonseca de 2 ; Nascimento, Oromar Augusto dos

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR COMO MODO E PRÁTICA DE EDUCAR

A ARTE DE BRINCAR COMO MODO E PRÁTICA DE EDUCAR A ARTE DE BRINCAR COMO MODO E PRÁTICA DE EDUCAR Luana da Mata (UEPB) luanadesenhodedeus@hotmail.com Patrícia Cristina de Aragão Araújo (UEPB) cristina=aragao21@hotmail.com RESUMO Este artigo tem como objetivo

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

EAD COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Significado do Trabalho. Prof. Joel Dutra aula de

EAD COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Significado do Trabalho. Prof. Joel Dutra aula de EAD 521 - COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Significado do Trabalho Prof. Joel Dutra aula de 29.03.17 Objetivo Estimular a reflexão sobre o significado do trabalho a partir de referenciais teóricos e da vivência

Leia mais

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Teorias e Perspectivas Sociológicas Funcionalismo: enfatiza que o comportamento humano é governado por estruturas

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: DIÁLOGOS DA MEMÓRIA COLETIVA NAS CONSTRUÇÕES SIMBÓLICAS

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: DIÁLOGOS DA MEMÓRIA COLETIVA NAS CONSTRUÇÕES SIMBÓLICAS EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: DIÁLOGOS DA MEMÓRIA COLETIVA NAS CONSTRUÇÕES SIMBÓLICAS INTRODUÇÃO Maria Cristina Leandro de Oliveira Neves Ferreira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia IFRN/NATAL

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

O ENFERMEIRO NA SOCIEDADE PORTUGUESA

O ENFERMEIRO NA SOCIEDADE PORTUGUESA O ENFERMEIRO NA SOCIEDADE PORTUGUESA (conferência proferida no Dia Internacional do Enfermeiro) Maio 1988 José Maria Rodrigues da Rocha Enf.º Monitor na Escola de Enfermagem S. João-Porto e Especialista

Leia mais

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 1, Ano PASSADO É PRESENÇA A IMPORTÂNCIA DO PASSADO NA CONSTRUÇÃO DO SER PRESENTE

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 1, Ano PASSADO É PRESENÇA A IMPORTÂNCIA DO PASSADO NA CONSTRUÇÃO DO SER PRESENTE 64 PASSADO É PRESENÇA A IMPORTÂNCIA DO PASSADO NA CONSTRUÇÃO DO SER PRESENTE Raquel Silva de Brito kelsb10@hotmail.com Brasília-DF 2006 65 PASSADO É PRESENÇA A IMPORTÂNCIA DO PASSADO NA CONSTRUÇÃO DO SER

Leia mais

A EFETIVIDADE DEMOCRÁTICA DA COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE: O DIREITO A VERDADE E A JUSTIÇA NA CONSTRUÇÃO DA MEMÓRIA SOCIAL BRASILEIRA.

A EFETIVIDADE DEMOCRÁTICA DA COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE: O DIREITO A VERDADE E A JUSTIÇA NA CONSTRUÇÃO DA MEMÓRIA SOCIAL BRASILEIRA. A EFETIVIDADE DEMOCRÁTICA DA COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE: O DIREITO A VERDADE E A JUSTIÇA NA CONSTRUÇÃO DA MEMÓRIA SOCIAL BRASILEIRA. 1 Édina Fischer De Lima 2, Ivo Dos Santos Canabarro 3. 1 Projeto de

Leia mais

COMO ME FORTALECER PARA SER A MUDANÇA EM QUE ACREDITO? 14 A 17 DE ABRIL DE 2016 I CHÁCARA SÃO JOSÉ I SOROCABA I SP ORGANIZAÇÕES

COMO ME FORTALECER PARA SER A MUDANÇA EM QUE ACREDITO? 14 A 17 DE ABRIL DE 2016 I CHÁCARA SÃO JOSÉ I SOROCABA I SP ORGANIZAÇÕES COMO ME FORTALECER PARA SER A MUDANÇA EM QUE ACREDITO? 14 A 17 DE ABRIL DE 2016 I CHÁCARA SÃO JOSÉ I SOROCABA I SP ORGANIZAÇÕES O que é Existe uma rede de pessoas que estão buscando fazer a diferença em

Leia mais

Guião da Lição 25 SOMOS A IGREJA QUE ELE FUNDOU

Guião da Lição 25 SOMOS A IGREJA QUE ELE FUNDOU Guião da Lição 25 SOMOS A IGREJA QUE ELE FUNDOU A família e os nossos amigos mais próximos, que são como uma família, são muito importantes para nós. Tratam-se todos, de uma comunidade de pessoas ligadas

Leia mais

Programa de Idiomas Inglês. Proposta: O programa de idiomas em Língua Inglesa adota um modelo sequencial de ensino e uma abordagem comunicativa

Programa de Idiomas Inglês. Proposta: O programa de idiomas em Língua Inglesa adota um modelo sequencial de ensino e uma abordagem comunicativa Programa de Idiomas Inglês Proposta: O programa de idiomas em Língua Inglesa adota um modelo sequencial de ensino e uma abordagem comunicativa visando a compreensão do idioma nas quatro habilidades básicas

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO E PESQUISA TÉCNICAS DE ESTUDO E PESQUISA

TÉCNICAS DE ESTUDO E PESQUISA TÉCNICAS DE ESTUDO E PESQUISA TÉCNICAS DE ESTUDO E PESQUISA Graduação 1 UNIDADE 6 O TRABALHO DE EXECUÇÃO DA PESQUISA Na unidade anterior, você aprendeu como se elabora o projeto de pesquisa. A partir de agora, vamos entrar diretamente

Leia mais

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009)

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Caderno do Cras capítulo 6 Equipe de Referência do CRAS A equipe de referência do CRAS é constituída por profissionais responsáveis

Leia mais

M986e CDU Índice para catálogo sistemático: Educação e arte 37+7 Catalogação na publicação: Bibliotecária: Andréa da Silva Barboza CRB7/6354

M986e CDU Índice para catálogo sistemático: Educação e arte 37+7 Catalogação na publicação: Bibliotecária: Andréa da Silva Barboza CRB7/6354 ário ntade, ção e Semin Suste bilida Educa e Art M986e Museu de Arte do Rio Escola do Olhar : práticas educativas do Museu de Arte do Rio 2013-2015 ; Seminário Sustentabilidade, Educação e Arte / [organização]

Leia mais

DIA DA FAMÍLIA NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

DIA DA FAMÍLIA NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DIA DA FAMÍLIA NA ESCOLA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Marina Borges Andres Graduada em Pedagogia pelo Centro Universitário Franciscano; Especialista em Educação Ambiental Pela Universidade Federal de Santa

Leia mais

Projeto: Brincando Eu também Aprendo.

Projeto: Brincando Eu também Aprendo. VÁRZEA GRANDE MATO GROSSO Parceria: OSC- ASSOCIAÇÃO SOCIAL CIVIL ABAIUC- ASCA E EMEB SENHORA DIRCE LEITE DE CAMPOS Projeto: Brincando Eu também Aprendo. Introdução Durante muito tempo, a brincadeira no

Leia mais

Qual o segredo do sucesso pessoal e profissional?

Qual o segredo do sucesso pessoal e profissional? Qual o segredo do sucesso pessoal e profissional? Existe um fato comum à vida dentro e fora das empresas: as oportunidades estão próximas, no entanto, se desejamos maior variedade, maior fartura de oportunidades,

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: Educação Física Curso: Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio Série: 1º, 2º, 3º Ano Carga Horária: 80h/a (67/H) Docente Responsável: EMENTA

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

Língua Portuguesa. Funções da Linguagem. Prof. Luquinha

Língua Portuguesa. Funções da Linguagem. Prof. Luquinha Língua Portuguesa Funções da Linguagem Prof. Luquinha Qual o objetivo de um texto? Por meio da linguagem, realizamos diferentes ações: transmitimos informações tentamos convencer o outro a fazer (ou dizer)

Leia mais

CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM AVALIAÇÃO DA VERACIDADE E DA CREDIBILIDADE Este é um curso aprovado por Paul Ekman

CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM AVALIAÇÃO DA VERACIDADE E DA CREDIBILIDADE Este é um curso aprovado por Paul Ekman Programa de certificação internacional de quatro dias Confiança Nossas relações, nosso trabalho, a administração do dinheiro, toda a base de nossa vida se constrói sobre a confiança. A confiança se baseia

Leia mais

UMA APROXIMAÇÃO À COMPREENSÃO DA MEMÓRIA. costumes tradição identidade patrimônio memória

UMA APROXIMAÇÃO À COMPREENSÃO DA MEMÓRIA. costumes tradição identidade patrimônio memória I UMA APROXIMAÇÃO À COMPREENSÃO DA MEMÓRIA costumes tradição identidade patrimônio memória COSTUMES: são modos de fazer e pensar que são compartilhados por muitas pessoas num determinado lugar, numa determinada

Leia mais

O guia passo a passo para uma estratégia de posicionamento que o tornará inabalável em seu mercado. VIVER DE BLOG Página 1

O guia passo a passo para uma estratégia de posicionamento que o tornará inabalável em seu mercado. VIVER DE BLOG Página 1 O guia passo a passo para uma estratégia de posicionamento que o tornará inabalável em seu mercado VIVER DE BLOG Página 1 Se posicionar no seu mercado para ser lembrado, para ser memorável, é uma obrigação

Leia mais

São Paulo novos caminhos - Olhar fotográfico do velho

São Paulo novos caminhos - Olhar fotográfico do velho 129 São Paulo novos caminhos - Olhar fotográfico do velho Pâmella Lima Ferreira Introdução E nvelhecer é um processo natural que caracteriza uma etapa da vida do homem e dá-se por mudanças físicas, psicológicas

Leia mais

Nunca trabalhe contra a Mãe Natureza. Você só terá sucesso se trabalhar com ela.

Nunca trabalhe contra a Mãe Natureza. Você só terá sucesso se trabalhar com ela. Nunca trabalhe contra a Mãe Natureza. Você só terá sucesso se trabalhar com ela. Bem-estar de Cães e Gatos Conceitos Básicos I Comportamento de cães e gatos Por que o Veterinário deve conhecer o comportamento

Leia mais

POSIONAMENTO DO PROJETO LEITURA E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL EM RELAÇÃO À TERCEIRA VERSÃO DA BNCC

POSIONAMENTO DO PROJETO LEITURA E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL EM RELAÇÃO À TERCEIRA VERSÃO DA BNCC POSIONAMENTO DO PROJETO LEITURA E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL EM RELAÇÃO À TERCEIRA VERSÃO DA BNCC O Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil, uma parceria firmada entre MEC/SEB/COEDI, UFMG, UFRJ

Leia mais

Daniel Sampaio (D. S.) Bom dia, João.

Daniel Sampaio (D. S.) Bom dia, João. Esfera_Pag1 13/5/08 10:57 Página 11 João Adelino Faria (J. A. F.) Muito bom dia. Questionamo- -nos muitas vezes sobre quando é que se deve falar de sexo com uma criança, qual é a idade limite, como é explicar

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: ERPI Porto, 2015 Introdução O presente Plano de Atividades tem como objetivo principal implementar um conjunto de ações

Leia mais

O ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA/PB

O ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA/PB O ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA/PB Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (PPGAV) Universidade Federal da Paraíba (UFPB) / Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio METÁFORAS Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio Para falar de histórias terapêuticas precisamos primeiro falar sobre metáforas. - Metáforas. O que são metáforas? -

Leia mais

Prezados pais e responsáveis da FCBEscola Rio de Janeiro,

Prezados pais e responsáveis da FCBEscola Rio de Janeiro, Prezados pais e responsáveis da FCBEscola Rio de Janeiro, Como vocês perceberam, há algum tempo estão sendo disputados amistosos nos momentos finais das rodadas de sábado, com a participação de jogadores

Leia mais

GEOGRAFIA. 2.1 Base Estrutural da Geografia

GEOGRAFIA. 2.1 Base Estrutural da Geografia GEOGRAFIA 2.1 Base Estrutural da Geografia O que a Geografia estuda: Geo (terra) Grafia (escrita). Para o geografo Ruy Moreira: o espaço surge na relação do homem com seu meio; dois acontecimentos geram

Leia mais

Questionário de Lapsos de Memória

Questionário de Lapsos de Memória Questionário de Lapsos de Memória É raro o dia em que uma pessoa não tenha uma falha de memória. Numa altura esquecêmo-nos onde deixamos o guarda-chuva, noutra altura esquecêmonos daquele artigo importante

Leia mais

FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO. Resumo

FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO. Resumo FORMAÇÃO DO TRABALHADOR E O DESENVOLVIMENTO DO SEU CONHECIMENTO Carolina Vivian da Cunha-UNISC GE: Memórias, Trajetórias e Experiência na Educação. Resumo A formação dos trabalhadores é um assunto a ser

Leia mais

Apresentação da Agência

Apresentação da Agência Apresentação da Agência MVMA - Apresentações Digitais São Paulo - Brasil Vamos pensar juntos sobre a sua próxima Apresentação Digital? 2 Olá, tudo bem? Somos uma agência digital apaixonada por design,

Leia mais

Professora: Susana Rolim S. Silva

Professora: Susana Rolim S. Silva Professora: Susana Rolim S. Silva Sociólogo, filósofo e antropólogo francês. Conferiu a Sociologia o reconhecimento acadêmico. Considerado por muitos o pai da Sociologia. Sua grande preocupação: estabelecer

Leia mais