IFGF 2016 Análise Especial Rio de Janeiro

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IFGF 2016 Análise Especial Rio de Janeiro"

Transcrição

1 IFGF 2016 Análise Especial Rio de Janeiro A edição 2016 do Índice FIRJAN de Gestão Fiscal (IFGF) mais uma vez joga luz sobre a situação das contas públicas municipais. Construído exclusivamente com base em estatísticas oficiais declaradas pelos próprios municípios, o IFGF é composto por cinco indicadores: Receita Própria,, Investimentos, Liquidez e Custo da Dívida. A leitura dos resultados é bastante simples: a pontuação varia entre 0 e 1, sendo que, quanto mais próximo de 1, melhor a gestão fiscal do município no ano em observação. Outra importante característica do IFGF é que sua metodologia permite tanto comparação relativa quanto absoluta, isto é, o índice não se restringe a uma fotografia anual, podendo ser comparado ao longo dos anos. A Lei de Responsabilidade Fiscal, em seu artigo 51, determina que os municípios brasileiros devem encaminhar suas contas públicas para a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) até o dia 30 de Abril do ano seguinte ao exercício de referência, a partir de quando o órgão dispõe de 60 dias para disponibilizá-las ao público. A despeito disso, até o dia 12 de Julho de 2016, os Balanços Anuais (DCA) de 38 municípios fluminenses ainda não estavam disponíveis para consulta no Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro (Siconfi), da STN. Sendo assim, o IFGF 2015 avaliou 54 dos 92 municípios fluminenses, onde vivem pessoas, 75,8% da população do estado do Rio de Janeiro. A maior parte das cidades fluminenses analisadas apresentou situação fiscal difícil ou crítica (conceitos C e D no IFGF) respectivamente, foram 30 municípios com pontuação entre 0,4 e 0,6 e outros 16 com nota inferior a 0,4 pontos. Apenas oito cidades registraram boa situação fiscal em 2015, dentre as quais quatro figuram no Top 100 nacional. O grau de excelência (conceito A), indicado por pontuações superiores a 0,8 pontos, não foi atingido por nenhuma prefeitura fluminense em Na comparação com 2014, o quadro foi de piora generalizada: 44 prefeituras sofreram recuo no IFGF e apenas dez melhoraram sua situação fiscal. Gráfico 1. Distribuição por conceito do IFGF 2015 Apesar do quadro majoritariamente negativo registrado no IFGF 2015, em geral, essas cidades apresentam desempenho superior à média nacional em quase todos indicadores acompanhados. No IFGF Receita Própria, a média das 54 prefeituras analisadas (0,4018) foi 58,7% superior à nacional (0,2531). Em contraste, no IFGF Investimentos (0,3285) aparecem pior que a média brasileira (0,4278) as prefeituras do estado do Rio investiram, em média, apenas 6,8% da Receita Corrente Líquida, frente aos já baixos 9,0% observados no país como um todo. Maiores e Menores No topo do ranking estadual (Tabela 1), a Capital fluminense novamente se destacou pela alta geração de receitas próprias e pelo elevado volume de investimentos, explicado pelas obras de infraestrutura necessárias para sediar os Jogos Olímpicos. Dessa forma, recebeu notas máximas tanto no IFGF Receita Própria, por gera mais de 50% de suas receitas, quanto no IFGF Investimentos, por investir mais de 20% do orçamento. A fatia do orçamento destinada aos salários do funcionalismo público seguiu menor que a média das capitais, de forma que a cidade manteve o bom desempenho no IFGF. Com relação ao IFGF Custo da Dívida, a capital fluminense atingiu sua maior pontuação desde o início da série do indicador, consequência da bem-sucedida renegociação com o Banco Mundial, em 2010, para amortização de sua dívida com o governo federal, a juros menores. Apesar do quadro majoritariamente positivo, ao final de 2015, as despesas postergadas para o exercício seguinte já comprometiam uma parcela significativa do caixa da prefeitura carioca, o que explica a redução no IFGF Liquidez. 1

2 Na sequência do ranking fluminense, Niterói e Macaé obtiveram notas máximas no IFGF Receita Própria e pontuações elevadas tanto no IFGF Liquidez quanto no IFGF Custo da Dívida. Em Niterói, o avanço dos investimentos e a melhora da liquidez mais do que compensaram a piora do IFGF, explicando o avanço da nota geral. Por sua vez, Macaé registrou recuo em três dos cinco indicadores analisados, de forma que o avanço no IFGF Receita Própria evitou uma queda maior do índice geral. Maricá completa a lista de cidades fluminenses no Top 100 nacional, com destaque para os conceitos A registrados no IFGF, Investimentos e Custo da Dívida a piora nos outros dois indicadores, contudo, explica a retração frente a Apesar de se manter entre os 500 maiores do país, a situação fiscal de Itaboraí piorou substancialmente, refletindo a piora na economia do município com a paralisação das obras do Comperj. Dessa forma, sua capacidade de arrecadação própria diminuiu e as despesas com pessoal ganharam espaço no orçamento. Ainda que tenha destinado uma parcela relevante do seu orçamento para os investimentos, grande parte desses empenhos ainda não havia sido paga até o final de 2015, comprometendo todo o caixa da prefeitura com restos a pagar, o que explica a nota zero no IFGF Liquidez. Tabela 1: 10 Maiores Resultados do IFGF 2015 do Rio de Janeiro 1º 28º Rio de Janeiro 0,7986 0,7908-1,0% 1,0000 1,0000 0,6770 0,6696 0,9684 1,0000 0,6403 0,5253 0,5934 0,7195 2º 45º Niterói 0,7516 0,7675 2,1% 1,0000 1,0000 0,8416 0,6387 0,3306 0,5755 0,8093 0,8465 0,8080 0,7882 3º 94º Macaé 0,7266 0,7227-0,5% 0,8303 1,0000 0,6141 0,4892 0,3785 0,3228 1,0000 1,0000 0,9146 0,9002 4º 96º Maricá 0,7603 0,7216-5,1% 0,5035 0,4424 0,9395 0,8861 0,9838 0,9854 0,5430 0,4884 0,9206 0,9104 5º 135º Queimados 0,7555 0,7010-7,2% 0,3651 0,3993 0,7714 0,6681 0,8166 0,6290 1,0000 1,0000 0,9101 0,9429 6º 219º Barra do Piraí 0,6666 0,6700 0,5% 0,5454 0,4619 0,7216 0,7934 0,2939 0,3220 1,0000 1,0000 0,9043 0,9012 7º 231º Itaboraí 0,8603 0, ,5% 1,0000 0,8552 0,7734 0,6964 1,0000 1,0000 0,6295 0,0000 0,9462 0,9261 8º 519º Angra dos Reis 0,5753 0,6100 6,0% 0,5842 0,6115 0,4431 0,5757 0,1504 0,1457 1,0000 1,0000 0,8532 0,8506 9º 610º Armação dos Búzios 0,6884 0, ,1% 0,4585 0,5120 0,5130 0,4284 0,6801 0,3155 0,9864 1,0000 0,9482 0, º 641º Rio das Ostras 0,6514 0,5946-8,7% 0,4478 0,6129 0,6917 0,5765 0,7617 0,5436 0,5525 0,4714 0,9937 0,9865 Entre os dez piores resultados do estado, todos as cidades recuaram na comparação com 2014, com piora generalizada nos indicadores de, Investimentos e Liquidez. Para se ter uma ideia, com exceção de São Francisco de Itabapoana, que mostrou tímido avanço no IFGF Investimentos, todas essas cidades pioraram ou mantiveram nota zero nas três vertentes. Dentre essas cidades, sete encerraram 2015 com mais restos a pagar do que recursos em caixa para cobri-los e por isso receberam nota zero no IFGF Liquidez. Nas três últimas colocações, Engenheiro Paulo de Frontin, Carapebus e Italva apresentaram nota zero no IFGF, indicativa de que descumpriram o limite estabelecido pela LRF para gastos com pessoal (60% da RCL). Essas foram as três cidades fluminenses que mais recuaram no índice geral na comparação com 2014 e, com isso, figuraram entre os 500 piores resultados do IFGF em Tabela 1: 10 Menores Resultados do IFGF 2015 do Rio de Janeiro 45º 3.396º São Francisco de Itabapoana 0,4860 0, ,3% 0,1319 0,1599 0,5981 0,4750 0,5353 0,5616 0,4735 0,0000 0,9473 0, º 3.472º Três Rios 0,4770 0, ,5% 0,5442 0,5528 0,4968 0,5664 0,7036 0,1596 0,0000 0,0000 0,8445 0, º 3.599º Paracambi 0,3638 0,3409-6,3% 0,2004 0,1957 0,6685 0,5823 0,4390 0,0126 0,0000 0,4074 0,6950 0, º 3.813º Resende 0,4964 0, ,7% 0,4527 0,4881 0,7372 0,4508 0,2508 0,1075 0,4235 0,0000 0,7696 0, º 3.934º Porto Real 0,4080 0, ,5% 0,2224 0,2080 0,6148 0,5838 0,5619 0,1251 0,0000 0,0000 0,9321 0, º 3.946º Macuco 0,3478 0, ,3% 0,1022 0,1145 0,4934 0,4536 0,5241 0,3235 0,0000 0,0000 0,9591 0, º 4.009º Natividade 0,4643 0, ,4% 0,3027 0,1645 0,7559 0,6381 0,2218 0,1129 0,4049 0,0000 0,8510 0, º 4.309º Engenheiro Paulo de Frontin 0,4462 0, ,5% 0,1219 0,1054 0,4628 0,0000 0,3989 0,0827 0,5761 0,4885 0,9531 0, º 4.372º Carapebus 0,4232 0, ,0% 0,1047 0,1122 0,4909 0,0000 0,4504 0,0624 0,4113 0,4030 0,9529 0, º 4.495º Italva 0,4314 0, ,4% 0,1792 0,1891 0,6386 0,0000 0,2966 0,2048 0,4526 0,0000 0,7880 0,9068 2

3 Principais destaques por Região do estado do Rio de Janeiro Baixada Fluminense Na 5ª colocação estadual e 135ª nacional, Queimados foi o único município da Baixada Fluminense a apresentar boa situação fiscal em Com exceção do IFGF Receita Própria, a cidade apresentou conceitos A ou B nas demais variáveis, com destaque para a manutenção da nota máxima no IFGF Liquidez. Na comparação com 2014, Queimados seguiu o movimento nacional e apresentou reduções no IFGF Investimentos e no IFGF, o que resultou em queda de 7,2% do seu IFGF geral. Na sequência, Nilópolis se destacou pela mais alta pontuação no IFGF entre os municípios da Baixada Fluminense, ainda que a nota tenha recuado na comparação com 2014, enquanto Magé foi a única cidade da região a registrar duas notas máximas, no IFGF Liquidez e no IFGF Custo da Dívida. Em ambos os casos, o baixo percentual investido foi o principal problema fiscal observado, limitando uma melhor pontuação no índice geral. s mais populosos da região, Duque de Caxias e Nova Iguaçu receberam pontuações inferiores a 0,4 pontos no índice geral, indicativo de uma situação fiscal critica. Ao final de 2015, a inscrição de restos a pagar nessas cidades superou a disponibilidade de recursos em caixa. Em outras palavras, começaram 2016 com parte das receitas já comprometidas por compromissos do exercício anterior e, por isso, receberam nota zero no IFGF Liquidez. Também chamou atenção o elevado peso da folha de pagamentos do funcionalismo público no orçamento destas cidades, o que deixa pouco espaço para a execução de investimentos. Além disso, vale destacar que Nova Iguaçu foi o único município desse grupo a apresentar conceito D no IFGF Custo da Dívida, indicando alto comprometimento do orçamento com juros e amortizações contraídos em exercícios anteriores. Por fim, cabe ressaltar que Mangaratiba foi o único município da Baixada Fluminense a melhorar em termos de gestão fiscal na comparação com 2014 (+26,6%), impulsionado pelas altas no IFGF Liquidez e no IFGF Receita Própria. 5º 135º Queimados 0,7555 0,7010-7,2% 0,3651 0,3993 0,7714 0,6681 0,8166 0,6290 1,0000 1,0000 0,9101 0, º 1.078º Nilópolis 0,5562 0,5502-1,1% 0,4382 0,4883 0,7779 0,6776 0,3918 0,3285 0,4923 0,6102 0,8368 0, º 1.155º Magé 0,5481 0,5417-1,2% 0,3287 0,4148 0,5667 0,4974 0,1828 0,0509 0,9132 1,0000 1,0000 1, º 1.727º Japeri 0,5255 0,4939-6,0% 0,2266 0,2291 0,5194 0,5302 0,6018 0,5210 0,5477 0,4870 0,9901 0, º 2.342º Mangaratiba 0,3532 0, ,6% 0,5645 0,6793 0,5759 0,5029 0,0654 0,0457 0,0000 0,5040 0,8192 0, º 2.599º Belford Roxo 0,4860 0, ,6% 0,4130 0,4167 0,5312 0,4118 0,1410 0,0687 0,7047 0,6448 0,8326 0, º 3.047º Guapimirim 0,4437 0, ,1% 0,2222 0,3111 0,7742 0,4823 0,5668 0,1410 0,0000 0,4140 0,9195 0, º 3.117º Duque de Caxias 0,5140 0, ,3% 0,6957 0,7440 0,5525 0,4000 0,1989 0,1895 0,4321 0,0000 0,9114 0, º 3.182º Nova Iguaçu 0,4292 0, ,8% 0,6188 0,6171 0,5711 0,4466 0,5472 0,4877 0,0000 0,0000 0,3839 0, º 3.599º Paracambi 0,3638 0,3409-6,3% 0,2004 0,1957 0,6685 0,5823 0,4390 0,0126 0,0000 0,4074 0,6950 0,7136 * Até o dia 12 de Julho de 2016, os Balanços Anuais (DCA) de Itaguaí, Mesquita, Seropédica, Miguel Pereira, Paty do Alferes e São João de Meriti não estavam disponíveis e, por isso, essas cidades não puderam ser avaliadas no IFGF Centro-Norte e Serrana Nas duas cidades mais populosas da região, Nova Friburgo e Petrópolis, a situação fiscal é difícil (conceito C). Apesar da boa capacidade de arrecadação própria (conceito B), o nível de investimentos é muito baixo nessas cidades (conceito D), muito por conta do elevado comprometimento do orçamento com gastos de pessoal (conceito C). Em Petrópolis, cabe ressaltar a recuperação do IFGF Liquidez, que mais do que compensou os recuos observados no IFGF e no IFGF Custo da Dívida. Dessa forma, esse foi o município da região que mais avançou no IFGF na comparação com 2014 (+11,7%). 3

4 Em contrapartida, São Sebastião do Alto e Macuco foram os municípios da região que mais recuaram na comparação com 2014 e apresentaram situação fiscal crítica (conceito D) no IFGF Geral. No primeiro, as despesas com a folha de pagamento do funcionalismo público superaram o limite de 60% da Receita Corrente Líquida (RCL) estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal, de forma que a cidade recebeu nota zero no IFGF. No segundo, o principal problema foi a manutenção da nota zero no IFGF Liquidez, indicativo de que o município encerrou 2015 com mais restos a pagar do que recursos em caixa, pelo segundo ano consecutivo. 11º 675º Nova Friburgo 0,6123 0,5912-3,4% 0,5068 0,6604 0,4457 0,5683 0,4440 0,2460 0,9184 0,7841 0,9149 0, º 853º Petrópolis 0,5135 0, ,7% 0,7531 0,7653 0,8576 0,5711 0,2492 0,2572 0,0000 0,5583 0,9507 0, º 1.730º Sumidouro 0,4729 0,4938 4,4% 0,1814 0,2821 0,5707 0,4838 0,1425 0,2493 0,7626 0,7350 1,0000 1, º 2.556º Cantagalo 0,4926 0, ,1% 0,3352 0,3356 0,5067 0,4353 0,4378 0,1471 0,4650 0,5608 1,0000 1, º 2.862º Cachoeiras de Macacu 0,3932 0,4081 3,8% 0,3178 0,2905 0,5373 0,4296 0,5208 0,3118 0,0000 0,4348 0,8365 0, º 3.298º São Sebastião do Alto 0,4900 0, ,8% 0,1625 0,2325 0,5381 0,0000 0,2538 0,4368 0,8147 0,5786 0,9200 0, º 3.946º Macuco 0,3478 0, ,3% 0,1022 0,1145 0,4934 0,4536 0,5241 0,3235 0,0000 0,0000 0,9591 0,9418 * Até o dia 12 de Julho de 2016, os Balanços Anuais (DCA) de Bom Jardim, Carmo, Cordeiro, Duas Barras, Santa Maria Madalena, Teresópolis e Trajano de Morais não estavam disponíveis e, por isso, essas cidades não puderam ser avaliadas no IFGF Leste Fluminense O Leste fluminense responde por metade do Top 10 estadual do IFGF 2015, com Niterói, Maricá, Itaboraí, Armação dos Búzios e Rio das Ostras. Diferentemente das três primeiras, destacadas anteriormente, Búzios e Rio das Ostras apresentaram conceito C no índice geral, indicativo de uma situação fiscal difícil. Entretanto, houve destaques positivos que explicam a posição no topo do ranking estadual: no caso de Búzios, o diferencial foi a nota máxima no IFGF Liquidez, enquanto Rio das Ostras registrou pontuações medianas em quase todos indicadores, com destaque para o conceito B no IFGF Receita Própria. No IFGF Custo da Dívida os resultados positivos foram disseminados por toda região. Na comparação com 2014, chamou atenção a forte queda de Casimiro de Abreu (-34,6%), que sofreu reduções substanciais no IFGF, no IFGF Investimentos e no IFGF Liquidez. Na direção oposta, vale destacar o avanço de 9,2% no índice geral de Rio Bonito ainda que tenha mantido a nota zero no IFGF Liquidez, a cidade elevou o percentual investido e avançou em termos de arrecadação própria. Em contraste, Tanguá reduziu ainda mais a geração de receitas próprias e os investimentos. Dessa forma, registrou as piores notas no IFGF Receita Própria e no IFGF Investimentos da região e figurou na última colocação do ranking de gestão fiscal do Leste Fluminense. 2º 45º Niterói 0,7516 0,7675 2,1% 1,0000 1,0000 0,8416 0,6387 0,3306 0,5755 0,8093 0,8465 0,8080 0,7882 4º 96º Maricá 0,7603 0,7216-5,1% 0,5035 0,4424 0,9395 0,8861 0,9838 0,9854 0,5430 0,4884 0,9206 0,9104 7º 231º Itaboraí 0,8603 0, ,5% 1,0000 0,8552 0,7734 0,6964 1,0000 1,0000 0,6295 0,0000 0,9462 0,9261 9º 610º Armação dos Búzios 0,6884 0, ,1% 0,4585 0,5120 0,5130 0,4284 0,6801 0,3155 0,9864 1,0000 0,9482 0, º 641º Rio das Ostras 0,6514 0,5946-8,7% 0,4478 0,6129 0,6917 0,5765 0,7617 0,5436 0,5525 0,4714 0,9937 0, º 1.528º Casimiro de Abreu 0,7782 0, ,6% 0,2265 0,3204 0,9256 0,6219 0,9932 0,3308 0,8749 0,5583 0,9869 0, º 1.837º Rio Bonito 0,4436 0,4843 9,2% 0,4495 0,4697 0,7526 0,7300 0,4035 0,5890 0,0000 0,0000 0,8234 0, º 2.021º Tanguá 0,5160 0,4709-8,7% 0,2148 0,1878 0,5128 0,5197 0,4933 0,2855 0,6280 0,6552 1,0000 1,0000 * Até o dia 12 de Julho de 2016, os Balanços Anuais (DCA) de Araruama, Arraial do Cabo, Cabo Frio, Iguaba Grande, São Gonçalo, São Pedro da Aldeia, Saquearem e Silva Jardim não estavam disponíveis e, por isso, essas cidades não puderam ser avaliadas no IFGF

5 Norte e Noroeste Entre os onze municípios do Norte e Noroeste fluminense avaliados no IFGF 2015, apenas Macaé registrou boa situação fiscal em 2015, ocupando a 3ª colocação no ranking estadual e 94ª no nacional. A cidade se destacou pelas notas máximas no IFGF Receita Própria e no IFGF Liquidez, assim como pela alta pontuação no IFGF Custo da Dívida, que compensaram a dificuldade observada no IFGF e o baixíssimo nível do IFGF Investimentos. Além de Macaé, São José de Ubá, Cambuci, Porciúncula e Varre-Sai apresentaram nota máxima no IFGF Liquidez e, com isso, aparecem na sequência da classificação regional. De fato, o IFGF Liquidez foi determinante para o ranking regional, uma vez que as cinco últimas colocadas registraram pontuações baixas nessa variável, com notas zero em São João da Barra, São Francisco de Itabapoana, Natividade e Italva, o que significa que estas cidades terminaram 2015 com mais restos a pagar do que recursos em caixa. Carapebus e Italva foram os municípios fluminenses que mais recuaram em 2015 devido a pioras no IFGF Investimentos, Liquidez e, sobretudo, indicador no qual, junto com Porciúncula e Varre-Sai, receberam nota zero, por registrarem despesas de pessoal superiores aos 60% da receita estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. 3º 94º Macaé 0,7266 0,7227-0,5% 0,8303 1,0000 0,6141 0,4892 0,3785 0,3228 1,0000 1,0000 0,9146 0, º 1.049º São José de Ubá 0,5445 0,5528 1,5% 0,1541 0,1812 0,8271 0,6878 1,0000 0,1568 0,0000 1,0000 0,9874 0, º 1.262º Cambuci 0,5924 0, ,0% 0,1587 0,1567 0,4383 0,6568 0,6875 0,1768 1,0000 1,0000 0,7838 0, º 1.693º Porciúncula 0,5462 0,4964-9,1% 0,3145 0,2316 0,4872 0,0000 0,1816 0,5300 1,0000 1,0000 1,0000 1, º 2.626º Varre-Sai 0,5139 0, ,7% 0,1179 0,1471 0,4905 0,0000 0,2796 0,3926 1,0000 1,0000 0,8911 0, º 2.929º Cardoso Moreira 0,4815 0, ,0% 0,2865 0,2773 0,6755 0,5313 0,7820 0,0999 0,0000 0,4707 0,8913 0, º 3.274º São João da Barra 0,5147 0, ,1% 0,4258 0,4726 0,7287 0,5082 0,0572 0,2651 0,6469 0,0000 0,9648 0, º 3.396º São Francisco de Itabapoana 0,4860 0, ,3% 0,1319 0,1599 0,5981 0,4750 0,5353 0,5616 0,4735 0,0000 0,9473 0, º 4.009º Natividade 0,4643 0, ,4% 0,3027 0,1645 0,7559 0,6381 0,2218 0,1129 0,4049 0,0000 0,8510 0, º 4.372º Carapebus 0,4232 0, ,0% 0,1047 0,1122 0,4909 0,0000 0,4504 0,0624 0,4113 0,4030 0,9529 0, º 4.495º Italva 0,4314 0, ,4% 0,1792 0,1891 0,6386 0,0000 0,2966 0,2048 0,4526 0,0000 0,7880 0,9068 * Até o dia 12 de Julho de 2016, os Balanços Anuais (DCA) de Aperibé, Bom Jesus do Itabapoana, Itaocara, Natividade, Laje do Muriaé, Miracema, Santo Antônio de Pádua, Campos dos Goytacazes, Conceição e Macabu, Quissamã e São Fidélis não estavam disponíveis e, por isso, essas cidades não puderam ser avaliadas no IFGF Sul e Centro-Sul Entre as 17 cidades das regiões Sul e Centro-Sul fluminense analisados pelo IFGF 2015, apenas Barra do Piraí e Angra dos Reis apresentaram boa situação fiscal (pontuação superior aos 0,6 pontos), com isso ficaram no Top 10 estadual. Além do conceito A no IFGF Custo da Dívida e da nota máxima no IFGF Liquidez, comum às duas cidades, Barra do Piraí ainda se destacou pela alta pontuação no IFGF, e Angra dos Reis pelo conceito B no IFGF Receita Própria. Na região, além das duas cidades, apenas Piraí avançou na comparação com 2014 o município apresentou melhora nos cinco indicadores analisados, com destaque para o IFGF Receita Própria. Paraty se destacou positivamente pelo expressivo avanço no IFGF Investimentos, sendo uma das poucas cidades fluminenses e única da região a apresentar pontuação superior a 0,8 pontos nesse indicador. Contudo, apresentou recuos significativos no IFGF Liquidez e no IFGF, de forma que sua pontuação geral ficou praticamente inalterada na comparação com Entre os cinco indicadores analisados, o IFGF Liquidez exibiu os maiores contrastes na região. Seis cidades registraram nota máxima no indicador (Barra do Piraí, Angra dos Reis, Itatiaia, Pinheiral, Rio Claro e Areal), enquanto quatro registraram a nota mínima, por terem encerrado o ano com mais restos pagar do que recursos em caixa (Barra Mansa, Três Rios, Resende e Porto Real). No IFGF, nenhuma cidade da região apresentou pontuação máxima, mas Areal e Engenheiro Paulo de Frontin receberam nota zero, por registrarem despesas de pessoal acima do 5

6 limite de 60% estabelecido pela LRF. De fato, os elevados gastos com pessoal, aliados aos baixos investimentos e à baixa arrecadação própria foram decisivos para que Engenheiro Paulo de Frontin apresentasse a pior nota entre os municípios do Sul e do Centro-Sul fluminense no IFGF º 219º Barra do Piraí 0,6666 0,6700 0,5% 0,5454 0,4619 0,7216 0,7934 0,2939 0,3220 1,0000 1,0000 0,9043 0,9012 8º 519º Angra dos Reis 0,5753 0,6100 6,0% 0,5842 0,6115 0,4431 0,5757 0,1504 0,1457 1,0000 1,0000 0,8532 0, º 788º Paraty 0,5818 0,5797-0,4% 0,3771 0,3920 0,6302 0,4879 0,1836 0,8680 0,9701 0,4154 0,9563 0, º 876º Itatiaia 0,5958 0,5707-4,2% 0,4468 0,4578 0,5525 0,6169 0,2549 0,0684 1,0000 1,0000 0,8862 0, º 901º Pinheiral 0,7486 0, ,2% 0,2101 0,2716 0,7194 0,4198 1,0000 0,4406 0,9764 1,0000 0,9480 0, º 920º São José do Vale do Rio Preto 0,6198 0,5655-8,8% 0,1950 0,1710 0,4408 0,5157 0,9102 0,5951 0,8135 0,8171 0,8889 0, º 1.429º Rio Claro 0,6296 0, ,7% 0,1858 0,1702 0,6242 0,4441 0,6436 0,4024 1,0000 1,0000 0,7757 0, º 1.681º Vassouras 0,5623 0, ,5% 0,2809 0,2673 0,7394 0,5506 0,5917 0,4946 0,5230 0,5101 0,8196 0, º 1.689º Piraí 0,4658 0,4967 6,7% 0,3278 0,3912 0,6888 0,6982 0,1646 0,2078 0,4678 0,4786 0,9472 0, º 2.167º Areal 0,5453 0, ,6% 0,3406 0,4081 0,6168 0,0000 0,1068 0,3122 1,0000 1,0000 0,8090 0, º 2.185º Barra Mansa 0,5284 0, ,0% 0,6064 0,6020 1,0000 0,8588 0,3828 0,2606 0,0000 0,0000 0,8081 0, º 2.708º Sapucaia 0,5181 0, ,7% 0,4419 0,3523 0,6237 0,5857 0,3719 0,1558 0,4976 0,4064 0,8271 0, º 3.202º Rio das Flores 0,4446 0, ,2% 0,1259 0,1164 0,5531 0,5887 0,8707 0,0333 0,0000 0,5554 0,9594 0, º 3.472º Três Rios 0,4770 0, ,5% 0,5442 0,5528 0,4968 0,5664 0,7036 0,1596 0,0000 0,0000 0,8445 0, º 3.813º Resende 0,4964 0, ,7% 0,4527 0,4881 0,7372 0,4508 0,2508 0,1075 0,4235 0,0000 0,7696 0, º 3.934º Porto Real 0,4080 0, ,5% 0,2224 0,2080 0,6148 0,5838 0,5619 0,1251 0,0000 0,0000 0,9321 0, º 4.309º Engenheiro Paulo de Frontin 0,4462 0, ,5% 0,1219 0,1054 0,4628 0,0000 0,3989 0,0827 0,5761 0,4885 0,9531 0,8659 * Até o dia 12 de Julho de 2016, os Balanços Anuais (DCA) de Comendador Levy Gasparian, Paraíba do Sul, Mendes, Quatis, Valença e Volta Redonda não estavam disponíveis e, por isso, essas cidades não puderam ser avaliadas no IFGF EXPEDIENTE: Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN) - Av. Graça Aranha, 01 CEP: Rio de Janeiro. Presidente: Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira; Diretora de Desenvolvimento Econômico: Luciana Costa M. de Sá; Gerente de Estudos Econômicos: Guilherme Mercês; Coordenador da Divisão de Estudos Econômicos: Jonathas Goulart. Equipe Técnica: Márcio Afonso, Nayara Freire, Raphael Veríssimo, William Figueiredo, Julia Pestana e Carolina Lopes Neder. Estagiárias(os): Anna Carolina Gaspar, Ihorana Cuco e Raphael Fernandes. Elaboração do Estudo: GEE Gerência de Estudos Econômicos. Informações: Visite nossa página: 6

IFGF 2017 Análise Especial Rio de Janeiro

IFGF 2017 Análise Especial Rio de Janeiro 2017 Análise Especial Rio de Janeiro Esta edição do Índice FIRJAN de Gestão Fiscal () apresenta uma radiografia completa da situação das contas públicas municipais, com base em dados inéditos e recém-publicados

Leia mais

Análise Especial IFDM 2018 Ano Base 2016: Rio de Janeiro

Análise Especial IFDM 2018 Ano Base 2016: Rio de Janeiro Análise Especial IFDM 2018 Ano Base 2016: Rio de Janeiro O Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM) acompanha o desenvolvimento socioeconômico dos mais de cinco mil municípios brasileiros com

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO * RESOLUÇÃO N o 746/10 TRE/RJ O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e CONSIDERANDO que compete, privativamente, aos Tribunais Regionais, nos

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 34 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 36 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 39 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 31 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 49 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 46 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 25 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 47 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 44 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 43 de 2016 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II Municípios: Tabela de Municípios

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, agosto de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Setembro, Outubro e Novembro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, setembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Setembro, Outubro e Novembro

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Outubro, Novembro e Dezembro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, outubro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Outubro, Novembro e Dezembro

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Novembro e Dezembro de e Janeiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, novembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Novembro e Dezembro de

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de 2018 e Janeiro e Fevereiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, dezembro de 2018 ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Janeiro, Fevereiro e Março de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, janeiro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Janeiro, Fevereiro e Março de

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de e Janeiro e Fevereiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, dezembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de e Janeiro

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, agosto de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Agosto, Setembro e Outubro de

Leia mais

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Data: 2016-05-05 Índice Mapa do Estado Código de Cores Sinopse Variáves nas tabelas Região Metropolitana I Duque de Caxias e Rio

Leia mais

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Data: 2016-03-07 Situação da dengue em todos os municípios do estado do Rio de Janeiro referentes a semana epidemiológica 07-2016,

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 15 de 2017 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 20 de 2017 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 7 de 2017 O Estado Regionais de Saúde: Litoral Sul Noroeste Baixada Litorânea Médio Paraíba Metropolitana I Serrana Norte Centro Sul Metropolitana II : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Data: 2016-03-16 Situação da dengue em todos os municípios do estado do Rio de Janeiro referentes a semana epidemiológica 10-2016,

Leia mais

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro

Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Info Dengue Relatório de situação da dengue no Estado do Rio de Janeiro Data: 2016-02-28 Situação da dengue em todos os municípios do estado do Rio de Janeiro referentes a semana epidemiológica 06-2016,

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 46 de 2018 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 2 de 2019 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 9 de 2019 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro

Situação da Dengue no Estado do Rio de Janeiro Boletim Semanal Semana 11 de 2019 O Estado Regionais de Saúde: Metropolitana I Metropolitana II Litoral Sul Médio Paraíba Centro Sul Serrana Baixada Litorânea Norte Noroeste : Tabela de Situação da Dengue

Leia mais

PROFESSORA RAQUEL TINOCO

PROFESSORA RAQUEL TINOCO PROFESSORA RAQUEL TINOCO DIVISÃO TERRITORIAL Art. 9º ao14 ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA Regiões Judiciárias Comarcas Distritos Zonas Judiciárias Subdistritos Circunscrições 1 DIVISÃO JUDICIÁRIA Regiões Judiciárias

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de, Janeiro e Fevereiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, dezembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RIO DE JANEIRO Dezembro de, Janeiro

Leia mais

ATENÇÃO PSICOS. EXTRA-HOSP. ATENÇÃO PSICOS. EXTRA- HOSP res.235 PORTARIAS SIA

ATENÇÃO PSICOS. EXTRA-HOSP. ATENÇÃO PSICOS. EXTRA- HOSP res.235 PORTARIAS SIA 1 PROGRAMAÇÃO PACTUADA E INTEGRADA DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LIMITES FINANCEIROS GLOBAIS MENSAIS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - TETO ABRIL DE 2009 APROVADO EM REUNIÃO

Leia mais

CUSTEIO 339093. Total: 12.860,57. Total: 6.513,13. Total: 8.272,46. Total: 10.317,23 33909302 RESTITUIÇÕES

CUSTEIO 339093. Total: 12.860,57. Total: 6.513,13. Total: 8.272,46. Total: 10.317,23 33909302 RESTITUIÇÕES CREDORES - R.P. e Realizadas - /INVESTIMENTO - Página: Page 1 of 16 02 RESTITUIÇÕES 2º DISTRITO DA COMARCA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES CNPJ/CPF: 23064378000154 2º RCPN DA COMARCA DA CAPITAL CNPJ/CPF: 23407222000129

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública Estado do Rio de Janeiro

Pesquisa de Opinião Pública Estado do Rio de Janeiro Pesquisa Estado do Paraná Rio de Janeiro Outubro Junho de de 2018 Pesquisa Espírito Santo Junho de 2018 1 essa Pesquisa de Opinião Pública Estado do Rio de Janeiro Account Manager: Murilo Hidalgo (paranapesquisas@gmail.com

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 11/2016 Rio de Janeiro, 29 de março de 2016. Ref: Desconto da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor Novamente estamos no período do desconto da Contribuição Sindical, anteriormente

Leia mais

RESOLUÇÃO SES N 1477 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 ATUALIZA O PROGRAMA DE FINANCIAMENTO INTEGRADO DA ATENÇÃO BÁSICA COFINANCIAMENTO ESTADUAL.

RESOLUÇÃO SES N 1477 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 ATUALIZA O PROGRAMA DE FINANCIAMENTO INTEGRADO DA ATENÇÃO BÁSICA COFINANCIAMENTO ESTADUAL. RESOLUÇÃO SES N 1477 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 ATUALIZA O PROGRAMA DE FINANCIAMENTO INTEGRADO DA ATENÇÃO BÁSICA COFINANCIAMENTO ESTADUAL. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE e Gestor do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Q1 Cidade de Residência:

Q1 Cidade de Residência: Q Cidade de Residência: Respondidas: 8 Ignoradas: RIO DE JANEIRO ANGRA DO REIS APERIBE ARARUAMA AREAL ARMACAO DO BUZIOS ARRAIAL DO CABO BARRA DO PIRAI BARRA MANSA BELFORD ROXO BOM JARDIM BOM JESUS DO ITABAPOANA

Leia mais

Saneamento no estado do Rio de Janeiro Cobertura e Oportunidades de Investimentos

Saneamento no estado do Rio de Janeiro Cobertura e Oportunidades de Investimentos Novembro/2017 Saneamento no estado do Rio de Janeiro Cobertura e Oportunidades de Investimentos Saneamento básico é o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais de abastecimento de

Leia mais

Processos distribuídos em 2006

Processos distribuídos em 2006 Rio de Janeiro, 3 de julho de 06. Diante da solicitação realizada por Leonardo Ostwald Vilardi, doutorando na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, seguem as respostas às informações requeridas..

Leia mais

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Recursos Humanos

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Recursos Humanos Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Recursos Humanos A presente pesquisa foi realizada em abril de 2012, na Unidade da Carioca,

Leia mais

CIDADES CRIATIVAS. Dilemas e oportunidades

CIDADES CRIATIVAS. Dilemas e oportunidades FGV, setembro 2011 CIDADES CRIATIVAS Dilemas e oportunidades Dilemas: economia de setores não priorizados pelo mercado Literatura, Descentraliza editoração, Descentraliza publicação ç ão ç ão Artes Cênicas,

Leia mais

PANORAMA DA PISCICULTURA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Augusto da Costa Pereira Pesquisador e Biólogo F I P E R J

PANORAMA DA PISCICULTURA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Augusto da Costa Pereira Pesquisador e Biólogo F I P E R J PANORAMA DA PISCICULTURA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Augusto da Costa Pereira Pesquisador e Biólogo F I P E R J MUNDIAL Produção Mundial de Pescado,5 milhões de toneladas FAO - 2 5,6 milhões ton. Consumo

Leia mais

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética A presente pesquisa foi realizada em abril de 2012, na unidade da

Leia mais

IV Simpósio Internacional de Salvamento Aquático

IV Simpósio Internacional de Salvamento Aquático TRAMANDAÍ-HEL.wmv SOCIEDADE BRASILEIRA DE SALVAMENTO AQUÁTICO-SOBRASA IV Simpósio Internacional de Salvamento Aquático O USO DO HELICÓPTERO NO SALVAMENTO AQUÁTICO Paulo Roberto Moreira Goulart Rio de Janeiro

Leia mais

O impacto econômico do roubo de cargas no estado do Rio de Janeiro

O impacto econômico do roubo de cargas no estado do Rio de Janeiro Janeiro/2018 O impacto econômico do roubo de cargas no estado do Rio de Janeiro A segurança pública possui papel central no desenvolvimento de qualquer localidade. De fato, é notório que regiões mais seguras

Leia mais

Vigilância e Controle da FA no ERJ

Vigilância e Controle da FA no ERJ Vigilância e Controle da FA no ERJ - 2017 ESTADO DO RIO DE JANEIRO Regiões de Saúde NOROESTE N SERRANA NORTE CENTRO SUL MÉDIO PARAÍBA BAIXADA LITORÂNEA METROPOLITANA I METROPOLITANA II BAÍA DA ILHA GRANDE

Leia mais

Tuberculose: panorama nacional. Maria de Fatima Bazhuni Pombo

Tuberculose: panorama nacional. Maria de Fatima Bazhuni Pombo Tuberculose: panorama nacional Maria de Fatima Bazhuni Pombo 1 2 TB na infancia 3 Epidemiologia 4 Óbitos por TB em < 5 anos, 2015 Dodd P. et al 5 Óbitos por TB em < 15 anos, 2015 Dodd P. et al 6 TB nas

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 008/2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 008/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE DOENÇAS

Leia mais

Reunião CIB arboviroses / de abril de 2017

Reunião CIB arboviroses / de abril de 2017 Reunião CIB arboviroses / 2017 06 de abril de 2017 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Região Residência Notificações de Dengue, Chikungunya e Zika em 2017. Casos Notif. DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA Incid/100 mil hab

Leia mais

USANDO O IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA PARA DOAR. Prof.ª Msc Sandra Helena Pedroso Contadora CRC-RJ Abril, 2018.

USANDO O IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA PARA DOAR. Prof.ª Msc Sandra Helena Pedroso Contadora CRC-RJ Abril, 2018. USANDO O IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA PARA DOAR Prof.ª Msc Sandra Helena Pedroso Contadora CRC-RJ Abril, 2018. Você é um doador? Já foi? Você gostaria de ser? Sabe como doar? FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

Leia mais

RETRATO DA QUALIDADE DA ENERGIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

RETRATO DA QUALIDADE DA ENERGIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Julho/2017 RETRATO DA QUALIDADE DA ENERGIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Energia elétrica é um insumo fundamental para o desenvolvimento socioeconômico e industrial. O acesso a esse insumo com qualidade,

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO ARBOVIROSES Nº 002/2019

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO ARBOVIROSES Nº 002/2019 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE DOENÇAS

Leia mais

O Estado do Rio de Janeiro no Censo 2010

O Estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 O Estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 Documento preliminar Coordenação: Luiz Cesar Ribeiro Responsável: Érica Tavares da Silva Colaboração: Juciano Rodrigues e Arthur Molina 1 P á g i n a Introdução

Leia mais

DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E ASSOCIATIVO

DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E ASSOCIATIVO ABR/213 Referência: 1º Trimestre 213 DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E ASSOCIATIVO GERÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense 1 Trimestre de 213 No primeiro

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 010/2014

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 010/2014 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR VETORES E ZOONOSES -

Leia mais

Apresentação. royalties e de repasses federais, o aumento da arrecadação de impostos estaduais e municipais

Apresentação. royalties e de repasses federais, o aumento da arrecadação de impostos estaduais e municipais Apresentação O ano de foi especialmente diferente para a economia mundial, que viveu os reflexos de uma crise sem precedentes em sua história recente. Dentre os países em desenvolvimento, o Brasil foi

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 004/2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 004/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE DOENÇAS

Leia mais

JORGE LUIZ GONÇALVES DE ALMEIDA Presidente Nacional da Comissão Organizadora DIRETORIA:

JORGE LUIZ GONÇALVES DE ALMEIDA Presidente Nacional da Comissão Organizadora DIRETORIA: Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Administração Central Processo seletivo para o Programa Jovem Aprendiz dos Correios Inscrição Indeferida Edital Nº 125/2014 A Empresa Brasileira de Correios

Leia mais

RESOLUÇÃO/CERHI-RJ Nº 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 APROVA A DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

RESOLUÇÃO/CERHI-RJ Nº 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 APROVA A DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. RESOLUÇÃO/CERHI-RJ Nº 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 APROVA A DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Sumário. Introdução 3 Educação Superior: Brasil 5. Educação Superior: Rio de Janeiro 13. Perfil das Regiões Administrativas: Região Metropolitana 21

Sumário. Introdução 3 Educação Superior: Brasil 5. Educação Superior: Rio de Janeiro 13. Perfil das Regiões Administrativas: Região Metropolitana 21 Sumário Introdução 3 Educação Superior: Brasil 5 Número de Instituições de Ensino Superior no Brasil 6 Distribuição de Matrículas por Estado Cursos de Graduação Presenciais nas Redes Privada e Pública

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO SOMANDO FORÇAS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO Localização: Região Sudeste 57% do PIB Nacional Área: 43.696

Leia mais

Oportunidades em Concessões e PPPs no estado e municípios do Rio de Janeiro

Oportunidades em Concessões e PPPs no estado e municípios do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2017 Oportunidades em Concessões e PPPs no estado e municípios do Rio de Janeiro William Figueiredo Assessor dos Conselhos Empresariais da Indústria de Construção e Infraestrutura

Leia mais

I. INTRODUÇÃO OUTRAS INFORMAÇÕES

I. INTRODUÇÃO OUTRAS INFORMAÇÕES 1 SUMÁRIO I. Introdução... 3 II. Informações Gerais... 3 Público Alvo... 3 Matrícula (Informatizada)... 3 Matrícula (Direto na escola)... 3 Outras Informações...3 III. Acessando o sistema... 5 IV. Como

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO ARBOVIROSES Nº 002/2018

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO ARBOVIROSES Nº 002/2018 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE DOENÇAS

Leia mais

Somos vinculados à FECOMBUSTÍVEIS e mantemos ligação permanente com as entidades coirmãs em todo o Brasil.

Somos vinculados à FECOMBUSTÍVEIS e mantemos ligação permanente com as entidades coirmãs em todo o Brasil. Página 1 Conheça o seu Sindicato O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência no Estado do Rio de Janeiro (SINDESTADO-RJ) existe desde 1963, sendo a entidade

Leia mais

Polícia Civil Principais Ocorrências Registro Interior - RJ 2010 Números Absolutos

Polícia Civil Principais Ocorrências Registro Interior - RJ 2010 Números Absolutos 1/8 Totais 88a. DP 89a. DP 90a. DP 91a. DP 92a. DP 93a. DP 94a. DP 95a. DP 96a. DP 97a. DP 98a. DP 99a. DP 100a. DP 101 DP 104a. DP 105a. DP Barra do Piraí Resende Barra Mansa Valença Rio das Flores Volta

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 006/2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 006/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE DOENÇAS

Leia mais

Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense - Resultados Evolução do Emprego Formal (Saldo anual em milhares)

Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense - Resultados Evolução do Emprego Formal (Saldo anual em milhares) nº 0 Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense - Resultados Em, a desaceleração da atividade econômica teve reflexos diretos sobre o mercado de trabalho formal. No ano passado foram gerados

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 005/2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 005/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE DOENÇAS

Leia mais

Tarifa do Serviço de Transporte Complementar. 10% acima do serviço de transporte regular

Tarifa do Serviço de Transporte Complementar. 10% acima do serviço de transporte regular Tarifa do Serviço de Transporte Complementar. 10% acima do serviço de transporte regular REGIÃO METROPOLITANA LINHA: M500 ALCÂNTARA - ALDEIA DA PRATA TARIFA BILHETE ÚNICO R$ 2,75 LINHA: M501 ALCÂNTARA

Leia mais

Projeto de Monitoria Exercícios de análise de regressão linear aplicados: uma abordagem usando o programa R. Monitora: Rosana Gayer Carvalho

Projeto de Monitoria Exercícios de análise de regressão linear aplicados: uma abordagem usando o programa R. Monitora: Rosana Gayer Carvalho 1 2 Universidade Federal Fluminense (UFF) Universidade Federal Fluminense (UFF) Instituto de Matemática e Estatística (IME) Departamento de Estatística (GET) Instituto de Matemática e Estatística (IME)

Leia mais

Acesse experimente e assine!

Acesse  experimente e assine! O Multicidades Online é um site de fácil navegação, com acesso rápido a informações sobre as finanças públicas de qualquer cidade brasileira. Com ele é possível comparar o desempenho entre municípios,

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO ARBOVIROSES Nº 004/2018

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO ARBOVIROSES Nº 004/2018 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE DOENÇAS

Leia mais

O impacto econômico do roubo de cargas no estado do Rio de Janeiro

O impacto econômico do roubo de cargas no estado do Rio de Janeiro Fevereiro/2017 O impacto econômico do roubo de cargas no estado do Rio de Janeiro A economia brasileira tem sido fortemente afetada pelo aumento do número de roubos de cargas no país. Este crime afeta

Leia mais

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro - 2007 Lista de Abreviaturas e Siglas FOB Significa livre a bordo (free on board) o vendedor encerra suas obrigações quando a mercadoria

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO SOMANDO FORÇAS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO Localização: Região Sudeste 57% do PIB Nacional Área: 43.696

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14/2013, de 11 de outubro de 2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14/2013, de 11 de outubro de 2013 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14/2013, de 11 de outubro de 2013 Seleção de Tutores do projeto Caminhos do Cuidado - Formação em Saúde Mental (crack, álcool e outras drogas) para Agentes Comunitários de Saúde

Leia mais

Informe Epidemiológico 019/2018

Informe Epidemiológico 019/2018 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL Informe Epidemiológico 019/2018 Centro de Informações Estratégicas

Leia mais

AEDES AEGYPTI: Mosquito avança e leva doença a 45 dos 92 municípios do estado

AEDES AEGYPTI: Mosquito avança e leva doença a 45 dos 92 municípios do estado AEDES AEGYPTI: Mosquito avança e leva doença a 45 dos 92 municípios do estado Durante a 13ª semana epidemiológica de 2013 (de 1º de janeiro até 30 de março), foram notificados 79.587 casos suspeitos de

Leia mais

RETRATO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

RETRATO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RETRATO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Gerência de Estudos de Infraestrutura Diretoria de Defesa de Interesses Sistema FIRJAN Julho de 07 Contexto Energia elétrica é um insumo

Leia mais

Coordenadoria Regional Metropolitana I E/CR19.R. Coordenadoria Regional Metropolitana II E/CR23.R. Coordenadoria Regional Metropolitana III E/CR26.

Coordenadoria Regional Metropolitana I E/CR19.R. Coordenadoria Regional Metropolitana II E/CR23.R. Coordenadoria Regional Metropolitana III E/CR26. Coordenadoria Regional Metropolitana I E/CR19.R Endereço: Rua: Profª Venina Correa Torres, nº 41 Bairro: Centro Município: Nova Iguaçu CEP: 26.220-100 Abrangência: Nova Iguaçu, Japeri, Mesquita, Nilópolis,

Leia mais

2 Estudo de Caso Descrição da Empresa

2 Estudo de Caso Descrição da Empresa 2 Estudo de Caso Descrição da Empresa A Companhia estudada é uma empresa distribuidora de energia elétrica. Uma sociedade anônima de capital aberto, concessionária de Serviço Público de Energia Elétrica,

Leia mais

Informe Epidemiológico 020/2018

Informe Epidemiológico 020/2018 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL Informe Epidemiológico 020/2018 Centro de Informações Estratégicas

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DENGUE 006/2016

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DENGUE 006/2016 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE DOENÇAS

Leia mais

LEI Nº DE 19 DE JUNHO DE 2015.

LEI Nº DE 19 DE JUNHO DE 2015. LEI Nº 2.594 DE 19 DE JUNHO DE 2015. Regulamenta a concessão de diárias e cotas de traslado aos servidores (as) ou ocupantes de cargo comissionado da Câmara Municipal de Sapucaia, Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE 20.07.2012 APROVA a Tabela de Plantão dos Defensores Públicos para o mês de AGOSTO DE 2012, nos termos da RESOLUÇÃO nº 430/2007:

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 002/2014

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 002/2014 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 2/214 Gerência de Doenças Imunopreveníveis

Leia mais

5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES 5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º - São objetivos da 5ª Conferência Estadual das Cidades: I - propor a interlocução entre autoridades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado do Ambiente - SEA Instituto Estadual do Ambiente - INEA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado do Ambiente - SEA Instituto Estadual do Ambiente - INEA GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado do Ambiente - SEA Instituto Estadual do Ambiente - INEA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO R3-A TEMAS

Leia mais

COMARCAS DO INTERIOR. NITERÓI, SÃO GONÇALO, MARICÁ e ITABORAÍ Alcântara - 2ª Promotoria de Justiça de Alcântara 05 (sábado)

COMARCAS DO INTERIOR. NITERÓI, SÃO GONÇALO, MARICÁ e ITABORAÍ Alcântara - 2ª Promotoria de Justiça de Alcântara 05 (sábado) COMARCAS DO INTERIOR NITERÓI, SÃO GONÇALO, MARICÁ e ITABORAÍ Alcântara - 2ª Promotoria de Justiça de Alcântara Voluntário: Érika da Rocha Figueiredo Alcântara Promotoria de Justiça junto à 1ª Vara 06 (domingo)

Leia mais

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UF Municipio RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Aperibé RJ Aperibé CNPJ Razão Social FUNDAÇÃO INSTITUTO DE DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

FINANÇAS DOS MUNICÍPIOS FLUMINENSES ANO

FINANÇAS DOS MUNICÍPIOS FLUMINENSES ANO ISSN 2317-1936 FINANÇAS DOS MUNICÍPIOS FLUMINENSES ANO 8 2015 ANO 8 2015 Apresentação O anuário Finanças dos Municípios Fluminenses é um importante instrumento para o desenvolvimento de todo o Estado

Leia mais

ANUÁRIO ECONÔMICO. Firjan. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. PRESIDENTE Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira

ANUÁRIO ECONÔMICO. Firjan. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. PRESIDENTE Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira ANUÁRIO ECONÔMICO 8 Firjan Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro PRESIDENTE Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira Vice Presidente-Executivo Ricardo Maia Gerência de Estudos Econômicos GERENTE Guilherme

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 005/2016 Gerência de Doenças Transmitidas por Vetores e Zoonoses

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 005/2016 Gerência de Doenças Transmitidas por Vetores e Zoonoses SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

EMISSORAS DE RÁDIOS e TVS. Perfil / Área de Abrangência / Melhor programa / melhor apresentador Tabela de Preços. Outubro_2016.

EMISSORAS DE RÁDIOS e TVS. Perfil / Área de Abrangência / Melhor programa / melhor apresentador Tabela de Preços. Outubro_2016. EMISSORAS DE RÁDIOS e TVS. Perfil / Área de Abrangência / Melhor programa / melhor apresentador Tabela de Preços. Outubro_ Emissoras do Rio de Janeiro - Tráfego. Itaperuna AM Light FM Bom Jesus AM Mania

Leia mais

Tabela 1 - Dados Operacionais dos Sistemas Isolados de Abastecimento de Água das Sedes Municipais

Tabela 1 - Dados Operacionais dos Sistemas Isolados de Abastecimento de Água das Sedes Municipais Tabela 1 Dados Operacionais dos Sistemas Isolados de Abastecimento de Água das Sedes Municipais Nome Aduzida Nome da / UT/ Angra dos Reis Barragem Banqueta (afluente de Rio Japuíba) 22 57'31,3" 44 16'21,9"

Leia mais